Вы находитесь на странице: 1из 4

Controle Encefálico do Movimento

Função do nível alto cortical na manutenção da postura é a formação da estratégia do movimento. Nível alto cortical: são áreas de manutenção que envolvem o neuro-cortéx e o núcleo da base.

Função do nível médio cortical é a formação da tática do movimento. Nível médio cortical: córtex motor e cerebelo.

Função do nível baixo cortical é a execução do movimento. Nível baixo cortical: tronco encefálico e medula.

Controle motor da via eferente somática O tronco cerebral, o cerebelo, os gânglios da base e principalmente o tálamo eles dão informações proprioceptivas de posição ao nosso córtex cerebral. Essas áreas promovem a habilidade de fazer todos os movimentos A área cortical recebe influencias proprioceptivas para observar a qualidade e a habilidade de chegar o movimento.

CÓRTEX MOTOR: Localiza-se anteriormente ao sulco central ocupando o terço superior dos lobos frontais. Se dividem em:

• Córtex motor primário

• Área pré-motora

• Área motora suplementar

O córtex se divide me uma parte sensorial e outra motora. Na porção do córtex motor existe o córtex motor primário, o córtex chamado de área suplementar e uma área pre-motora.

Córtex motor primário

• Localizado na primeira circunvolução (ondas que o cérebro tem) dos lobos frontais e anterior ao sulco central;

• Estímulos aplicados nesta área evocam movimentos contralaterais (do lado

oposto) discretos envolvendo vários músculos, extremamente importante para o movimento voluntário motor do nosso organismo;

Área pré-motora

• Localização imediatamente anterior às porções laterais do córtex motor primário;

• Função fisiológica: Relacionada com o estabelecimento da postura no início de um movimento planejado e coloca o indivíduo pronto para realizar o movimento.

Planeja o movimento; Um tumor na área pré motora compromete a elaboração correta do movimento.

• Desempenha tarefas específicas como o posicionamento de ombros e braços.

Área motora suplementar

• Localização imediatamente superior à área pré - motora;

• Envolvida na programação de sequências motoras, associação entre as áreas pre motora e a motora; área integradora.

Funciona juntamente à área pré-motora para promover movimentos de atitudes, movimentos de fixação de diversos segmentos do corpo, movimentos posicionais da cabeça e dos olhos e controle apurado dos braços e mãos; Junta a intenção com a execução do movimento.

ÁREAS ESPECIALIZADAS DE CONTROLE MOTOR: cada área do córtex primário do ser humano está responsável por um local de movimento, uma área liga ao pé, outra a língua, outra pelo quadril, etc.

As áreas do neurocórtex que estão envolvidas no controle dos movimentos voluntários

são várias, as áreas 4 e 6 que constituem o córtex motor.

ÁREA 6:

APM: Conecta-se principalmente com neurônios retículo espinhais que inervam unidades motoras proximais.

AMS: Envia axônios que inervam diretamente unidades motoras distais.

ÁREA 4: córtex motor primário ou MI.

A atividade na area pre motora: preparar ativação da área pré motora, apontar

descarga na area pre motora, deflagração de potenciais de ação, ação area pré motora

para de funcionar, início do funcionamento da área motora.

TRANSMISSÃO DE SINAIS DO CÓRTEX MOTOR PARA OS MÚSCULOS:

VIA PIRAMIDAL E EXTRAPIRAMIDAL OU SISTEMA LATERAL E VENTRO MEDIAL?

O sistema que corre pela porção lateral da medula obrigatoriamente cruza pela

pirâmide. Então durante muito tempo foi e é chamado até hoje de via piramidal. E o feixe ventro medial que passa pela porção ventral da coluna e o meio, não cruza na

pirâmide, então ficou chamado de extrapiramidal.

Vias laterais ou piramidais: tracto córtico espinhal e tracto rubro-espinhal. A informação desce pelo tracto cortico espinhal, lesões nesse tracto promovem a

perda do movimento. Já no rubro espinhal, em casos de lesão, não há perda de movimento, mas o movimento ficará prejudicado. ESTÃO ENVOLVIDAS NO MOVIMENTO VOLUNTÁRIO DA MUSCULATURA DISTAL E SOB CONTROLE DIRETO DO CÓRTEX.

Vias ventromediais ou extrapiramidais: tracto tecto-espinhal, tracto vestíbulo- espinhal, tracto retículo-espinhal pontinho e tracto retículo-espinhal bulbar. ESTÃO ENVOLVIDAS NO CONTROLE DA POSTURA E DA LOCOMOÇÃO, CONTROLADAS PELO TRONCO ENCEFÁLICO. (músculos axiais)

VIAS LATERAIS:

Tracto cortico-espinhal:

Origem

Células gigantopiramidais de Betz Camada V do córtex 2/3 Áreas 4 e 6 do córtex frontal, e 3, 2 e 1 do córtex parietal

Influência

Cerebelo Núcleos da Base

Funções

Movimentos: finos, delicados e habilidosos. Envolvendo músculos flexores distais dos membros

Tacto rubro-espinhal: é acessório ao cortico-espinhal, recebe informação do cerebelo. Uma alteração do neurônio cerebelar que não consegue processar de maneira correta a informação causa tremor cerebelar. Típico tremor de quando uma pessoa bebe, o núcleo denteado e interposto são extremamente sensíveis ao álcool, na ingestão você anula a informação do cerebelo na sinapse que controla a informação motora do tracto rubro e cortico espinhal.

VIAS VENTROMEDIAIS:

• 5 tratos descendentes

Tecto-espinhal Vestíbulo-espinhal Retículo-espinhal: Pontino Bulbar Córtico-espinhal medial

• Originam-se de várias partes do tronco encefálico

• Utilizam informações sensoriais, externas de posição

1. TRATO TECTO-ESPINHAL: Origem nos colículos superiores do mesencéfalo. Recebe projeções do córtex visual informações somatossensoriais e auditivas. Permite a construção de um “mapa” do mundo ao nosso redor. Orientação

sensório motora da cabeça. Importante na coordenação dos movimentos da cabeça e movimentos oculares

LESÕES NO TRATO TECTO-ESPINHAL

Afetam a percepção do indivíduo em relação ao mundo ao seu redor

Dificulta o direcionamento do olhar

2.

TRATO VESTÍBULO-ESPINHAL: Origem nos núcleos vestibulares do bulbo. Possui 2 componentes: medial que se projeta pela medula e controlam os músculos do pescoço e das costas; e lateral se projeta para a medula e mantém a posição postural e o equilíbrio.

LESÕES NO TRATO VESTÍBULO-ESPINHAL

Dificuldade na manutenção do posicionamento da cabeça, pescoço e ombros

Postura e equilíbrio também sofrem efeitos da lesão

3.

TRATO RETÍCULO-ESPINHAL: Originada em diferentes porções da Formação Reticular no tronco encefálico. A Formação Reticular pode ser dividida em 2 partes e originar 2 tratos descendentes: trato retículo-espinhal pontino origem na formação reticular da ponte (medial); e trato retículo-espinhal bulbar origem na formação reticular bulbar (lateral). Núcleos pontinos: excitam músculos antigravitacionais e os Núcleos bulbares: antagonizam os sinais excitatórios dos núcleos pontinos. ( MÚSCULOS ANTIGRAVITÁRIOS: músculos da coluna vertebral e extensores dos membros)

LESÕES NO TRATO RETÍCULO-ESPINHAL • Altera equilíbrio entre os estímulos do trato retículo-espinhal pontino e o retículo-espinhal bulbar.

• Ausência da inibição do controle dos reflexos antigravitacionais. Dificuldade na iniciação de movimentos voluntários balísticos.