Вы находитесь на странице: 1из 5

Resumo/fichamento: AQUINO, Julio R. Groppa.

A desordem na relação professor-aluno: indisciplina, moralidade e


conhecimento. In: ______ Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. 8. ed., São Paulo: Summus, 1996. p. 39-55.

Assessoria Acadêmica Sorocaba


assessoriaacademicasorocaba.blogspot.com.br

Julio R. Groppa Aquino inicia o presente artigo com um trecho de uma letra de uma música de Gabriel, o
pensador, em que este questiona o que estaria fazendo na escola. Aquino, embora reconheça a crueza dos argumentos,
afirma que corroboram algumas inquietações comuns dos educadores e teóricos: “o que estaria acontecendo com a
educação brasileira atual? Qual o papel da escola para a sua clientela e seus agentes? Afinal de contas, sua função
primordial seria a de veicular os conteúdos classicamente preconizados ou tão-somente conformar moralmente os sujeitos
a determinadas regras de conduta?” (p. 39).
De acordo com Aquino, alguns mais zelosos, responderia que o papel imediato da escolarização é atender a
dimensão epistêmica do ensino; já outros se remeteriam a uma dimensão socializante da escola, e outros ainda,
lembrariam a dimensão profissionalizante. Considerando a tríade enunciada anteriormente, o autor observa que não seria
possível passar ao largo dos eventos de indisciplina que atravessa o espaço escolar contemporâneo, sem nos espantar.
A visão que se tem hoje, para Aquino quase romanceada, da escola como “lugar de florescimento das
potencialidades humanas parece ter sido substituída pela imagem de um campo de pequenas batalhas civis: pequenas, mas
visíveis o suficiente para incomodar”. O que dizer. Para aqueles preocupados com a problemática da indisciplina, o
aprofundamento das discussões exige, sem dúvida, um recuo estratégico do pensamento. Quais os significados da
indisciplina escola? E quais os recursos possíveis de enfrentamento do tema quando tomado como objeto de reflexão e/ou
problema concreto? Mãos à obra, então?

Em torno da circunscrição do tema

Aquino reconhece que o problema da indisciplina é velho, contudo que sua relevância teórica não é tão nítida. De
acordo com ele, há poucos estudos e ver o tema como de difícil abordagem. Para ele, os relatos de professores
testemunham que a questão da indisciplina é uma dificuldade fundamental do trabalho escolar na atualidade. O ensino
tem nela seu principal obstáculo e não configura com um privilegio das escolas públicas; ela está presente nas privadas,
também. “A indisciplina seria, talvez, o inimigo número um do educador atual, cujo manejo as correntes teóricas não
conseguiriam propor de imediato, uma vez que se trata de algo que ultrapassa o âmbito estreitamente didático-
pedagógico, imprevisto ou até insuspeito no ideário das diferentes teorias pedagógicas. É certo, pois, que a temática
disciplina passou a se configurar enquanto um problema interdisciplinar, transversal à pedagogia, devendo ser tratado
pelo maior número de áreas em torno das ciências da educação. Um novo problema que pede passagem” (p. 40).
Decorre disto que, observa Aquino, “apesar de o manejo disciplinar ter sempre estado em foco de um modo ou de
outro nas preocupações dos educadores, o que teria acontecido com as práticas escolares a ponto de a indisciplina ter se
tornado um obstáculo pedagógico propriamente?” (p. 41).
Para Aquino, questões como as levantadas até aqui, leva-nos a considerar a indisciplina com sintoma de outra
ordem que não a estritamente escolar, mas que surte no interior da relação educativa. “Ou seja, ela não existiria como algo
em si, um evento pedagógico particular, e, no caso, antinatural ou desviante do trabalho escolar”. “Da mesma forma que
não é possível supor a escola como uma instituição independente ou autônoma em relação ao contexto sócio-histórico
(isto é, às outras instituições), não é lícito supor que corre em seu interior não tenha articulação aos movimentos
exteriores a ela. Claro está também que as relações escolares não implicam um espelhamento imediato daqueles extra-
escolares. Vale dizer que é mais um entrelaçamento, uma interpretação de âmbito entre as diferentes instituições que
define a malha de relações sociais do que uma suposta matriz social e suprainstitucional, que a todos submeteria” (p. 41).
Após fazer estas afirmações, conclui aqui que as leituras possíveis do fenômeno implicam uma análise transversal
ao âmbito didático-pedagógico. “Vejamos como isto pode ser dar de acordo com dois olhares distintos sobre o tema: um
sócio-histórico, tendo como ponto de apoio os condicionamentos culturais, e outro psicológico, rastreando a influência
das relações familiares na escola” (p. 41).

O olhar sócio-histórico: a indisciplina como força legítima de resistência

Para Aquino, se consideramos que as práticas são testemunhas das transformações históricas, temos que admitir
também que a indisciplina nas escolas revela algo interessante sobre os nossos dias.
Ao analisar um texto do início do século XX (Recmmendações Disciplinares), o qual demonstra os ideais de
disciplina naquele período, observa também que o trato com indisciplina era previsto (o texto ocupa uma página).
Interessa-nos aqui, julgo, o que ele afirma após o texto. Sendo assim, destaca Aquino: “as correções disciplinares se
fazem necessárias principalmente no que tange ao controle e ordenação do corpo e da fala. O silêncio nas aulas é absoluto
e, fora delas, contido. Os movimentos corporais, por sua vez, são completamente esquadrinhados: sentados em sala, e em
filas fora dela” (p. 43).
Aquino comenta que para um educador menos avisado essa descrição do cotidiano escolar poderia evocar um
saudosismo de uma suposta educação de antigamente. Quase idílica, afirma, é um modelo almejado. Mas, observa em
seguida, “não é difícil constatar que aquela disciplina era imposta à base do castigo ou da ameaça dele, de acordo com as
„penas necessárias‟. Medo, coação, subserviência. É isto que devemos saudar?” (p. 43). Ressalta ainda que a estrutura e o
funcionamento da escola espelhavam um quartel, a caserna; e o professor, um superior hierárquico. “Uma espécie de
militarização difusa parecia definir as relações institucionais” (p. 43). Assim, seria de se presumir que as relações sociais
fossem determinas em termos de obediência e subordinação. Nesse contexto, o professor era aquele que além de saber
mais e que podia mais por estar próximo da lei. Dessa forma, sua função precípua (isto é, principal) seria de moldar
moralmente os alunos, além de assegurar a observância dos preceitos legais mais amplos, aos quais os deveres escolares
estavam submetidos.
Mas hoje a realidade é outra, pois conforme ressalta “Com a crescente democratização politica do país e, em tese,
a desmilitarização das relações sociais, uma nova geração se criou. Temos diante de nós um novo aluno, um novo sujeito
histórico, mas, em certa medida, guardamos como padrão pedagógico a imagem daquele aluno submisso e temeroso. De
mais a mais, ambos, professor e aluno, portavam papéis e perfis muito bem delineados: o primeiro, um general de papel; o
segundo, um soldadinho de chumbo. É isto que devemos saudar?” (p. 43).
Aquino, ainda acerca do mito da escola de outrora, destaca que ela também era pouco democrática. Para
corroborar sua argumentação cita que a conquista da escola básica de 8 anos é recente, visto que na década de 1970 ainda
existia o exame admissional. Também assinala que a escola de outrora tinha um caráter elitista e conservador. “Ou
melhor, o acesso das camadas populares à escola era obstruído pela própria estruturação escolar da época. O que os dias
de atuais atestam, no entanto, é que as estratégias de exclusão, além de continuarem existindo, sofisticaram-se. Se antes a
dificuldade residia no acesso propriamente, hoje o fracasso contínuo encarrega-se de expurgar aqueles que se aventuram
neste projeto, de certa do, de certa forma, ainda elitizado e militarizado” (p. 44).
De acordo com ele, os parâmetros que regem a escolarização ainda são regidos por um sujeito abstrato, idealizado
e desenraizado dos condicionantes sócio-histórico. As teorias psicológicas sacralizam a naturalidade com que esse sujeito
universal, é pensado, como se todos fossem iguais em essência e em possibilidades. Na sequência desta argumentação,
Aquino destaca uma citação de Libâneo em este afirma que os padrões de comportamentos a serem ensinados
correspondem à expectativa da classe dominante, que os torna universais e, portanto, compulsórios. A partir dessas
colocações, Aquino afirma que geralmente confunde-se democratização com deterioração do ensino. “A qualidade do
ensino, principalmente publico, teria decaído pelo simples fato de ter-se expandido para outras camadas sociais” (p. 44).
“Quais significados, então, poderíamos subtrair dos fenômenos que rondam esta nova escola, incluída a indisciplina? Ela
pode estar indicando o impacto do ingresso de um novo sujeito histórico, com outras demandas e valores, numa ordem
arcaica e despreparada para absorvê-lo plenamente. Nesse sentido, a gêneses da indisciplina não residiria na figura do
aluno, mas na rejeição operada por esta escola incapaz de administrar as novas formas de existência social concreta,
personificadas nas transformações do perfil de sua clientela” (p. 45). Assim sendo, “Indisciplina, então, seria sintoma de
injunção da escola idealizada e gerida para um determinado tipo de sujeito e sendo ocupada por outro. Equivaleria, pois, a
um quadro difuso de instabilidade gerado pela confrontação deste novo sujeito histórico e velhas formas institucionais
cristalizadas. Ou seja, denotaria a tentativa de ruptura, pequenas fendas em um edifício secular como é a escola,
potencializando assim uma transição institucional, mais cedo ou mais tarde, de um modelo autoritário de conceber e
efetivar a tarefa educacional para um modelo menos elitista e conservador” (p. 45).
Aquino, concluindo este tópico afirma: “desde este ponto de vista sócio-histórico, a indisciplina passaria, então, a
ser força legítima de resistência e produção de novos significados e funções, ainda insuspeito, à instituição escolar”.

O olhar psicológico: a indisciplina como carência psíquica infraestrutural

Aquino inicia este item assinalando que “na perspectiva genericamente psicológica, a questão da indisciplina
estará associada à ideia de uma carência psíquica do aluno. Entretanto, vale advertir desde já que o fenômeno não poderá
ser pensado como um estado ou uma predisposição, particular, isto é, um atributo psicológico individual (e, no caso,
patológico), mas de acordo com seus determinantes psicossociais, cujas raízes encontram-se no advento, no sujeito, da
noção de autoridade” (p. 45).
O reconhecimento da autoridade externa pressupõe uma infraestrutura psicológica, moral, anterior a
escolarização. Esta estruturação diz respeito à introjeção de determinados parâmetros morais apriorísticos, tais como
“permeabilidade às regras comuns, partilha de responsabilidades, cooperação, reciprocidade, solidariedade etc. Trata-se,
pois, do reconhecimento da alteridade enquanto condição sine qua non para a convivência em grupo e, consequentemente,
para o trabalho em sala de aula”. Segundo Aquino, há uma queixa dos professores em relação aos alunos atuais não terem
esses parâmetros. Ele reconhece a impossibilidade de um trabalho escolar ser realizados sem eles, contudo ressalta que
não há possibilidade de a escola assumir a tarefa de estrutura psíquica prévia ao trabalho pedagógico. Ela é, enfatiza,
responsabilidade da família. “Nesse sentido, a estruturação escolar não poderá ser pensada apartada da família. Em
verdade, são elas as duas instituições responsáveis pelo que se denomina educação num sentido amplo. Só que o processo
educacional depende da articulação destes dois âmbitos institucionais que não se justapõem. Antes, são duas dimensões
que, na melhor das hipóteses, complementam-se, articulam-se” (p. 46).
A partir dessas colocações, indaga: “O que a disciplina, desde este ponto de vista, estaria revelando então?” Ao
que responde: “Que se trata, supostamente, de um sintoma de relações familiares desagregadoras, incapazes de realizar a
contento sua parcela no trabalho educacional das crianças e adolescentes. Um esfacelamento do papel clássico da
instituição família, enfim”. (p. 46).
Para Aquino, a esta altura de sua argumentação chega-se a um impasse: a educação, em seu sentido lato, não é de
responsabilidade integral da escola. É apenas um dos eixos do processo, e outras ultrapassam o âmbito pedagógico, o que
implicam o reestabelecer de algumas atribuições familiares.
Na sequência traz algumas informações obtidas em estudos anteriores em que ele verificou que a educação
escolar contemporânea parece, na maioria das vezes, ter sucumbido a uma pronunciada demanda de normatização da
conduta alheia. Para ele, “Isso significa que raras são as vezes que a escola é representada como espaço de (re)produção
científica e cultural nas expectativas de seus agentes e clientes. Ao contrário, a normatização atitudinal parece ser o
grande sentido do trabalho escolar – o que não deixa de causar perplexidade, uma vez que o objetivo crucial da escolas (a
reposição e recriação do legado cultural) parece ter sido substituído por uma atribuição quase exclusivamente
disciplinrizadora (p. 46).
Assim sendo, as práticas pedagógicas concretas acabam sendo abarcadas por expectativas moralizadoras. Ou seja,
constatou-se que

Das implicações das diferentes leituras

Aquino afirma que se do ponto de vista sócio-histórico, a escola é palco de confluência dos movimentos
históricos (formas cristalizadas X forças de resistências), o ponto de vista psicológico é alterada pela estruturação
familiar. Em ambos os casos, a indisciplina apresenta-se como sintomas de relações descontínuas e conflitantes entre
espaço escolar e as outras instituições sociais.
Do ponto de vista sócio-histórico o recurso para a análise da indisciplina é o do autoritarismo e, já do
psicológico, o argumento desdobra-se em torno do conceito de autoridade enquanto infraestrutura psicológico para o
trabalho pedagógico. De acordo Aquino, se do ponto de vista sócio-histórico pudermos subtrair uma conotação positiva, o
mesmo não ocorre no psicológico. “Nesta, a indisciplina seria indício de uma carência estrutural que se alojaria na
interioridade psíquica do aluno, determinada pelas transformações institucionais na família e desembocando nas relações
escolares. De uma forma, ou de outra, a gênese do fenômeno acaba sendo situada fora da relação concreta entre professor
e aluno, ou melhor, nas suas sobredeterminações” (p. 48).
Para Aquino, a indisciplina configura um fenômeno transversal a estas unidades conceituais
(professor/aluno/escola) quando tomadas isoladamente como recortes do pensamento. A indisciplina seria um dos efeitos
do entre pedagógico, mais uma das vicissitudes da relação professor-aluno, para onde afluem todas essa “desordens”
anteriormente descritas. Dessa foram, ele afirma que a relação professor-aluno torna-se, assim, o núcleo concreto das
práticas educativas e do contrato pedagógico, o que estrutura os sentidos da instituição escolar.

A relação professor-aluno como recorte

Aquino inicia este tópico questionando “por que tomar, a partir de agora, a relação professor-aluno como foco
conceitual no que se refere aos encaminhamentos da problemática disciplinar”? (p. 49). Na sequência, responde: porque
“não é possível conceber a instituição escola como algo além ou aquém da relação concreta entre seus protagonistas. Ao
contrário, a relação instituída/instituinte entre professor e aluno é a matéria-prima a partir da qual se produz o objeto
institucional” (p. 49).
Na sequência, Aquino traz algumas definições. A primeira delas refere-se ao objeto constitucional que, segundo
ele, é aquilo do que a instituição se apropria reclamando a soberania e a legitimidade de sua posse ou guarda. Em outras
palavras, trata-se de algo imaterial e inesgotável que só pode se configurar enquanto fruto de uma instituição especifica.
Por exemplo: conhecimento na escola, salvação na religião, direito no judiciário etc. (p. 50). Destaca ainda que tais
objetos só existem enquanto efeitos do conjunto de práticas concretas entre os protagonistas de determinada instituição e
sempre sustentadas pela rede de relações entre seus atores concretos (agentes e clientela).
O segundo diz respeito aos agentes institucionais: são aqueles que teriam a prerrogativa de posse ou guarda do
objeto, enquanto a clientela seria, em tese. Aqueles que posicionam nas relações como alvo da ação dos agentes (por
exemplo: professor aluno). “Desta forma, objetos como o conhecimento, o direito e a saúde, entre outros, não existiriam
aprioristicamente, mas seriam produzidos mediante a ação concreta dos protagonistas institucionais de tal ação: a
repetição e a legitimação. No caso da educação, por exemplo, a escola torna-se seu lugar autorizado pelo fato mesmo de
ser o espaço onde ela é praticada continuamente e, portanto, referendada aos olhos de todos que a praticam. Trata-se, pois,
de uma delegação de legitimidade e autoridade à escola sobre o fazer educacional, tornando-se o lugar privilegiado da
tarefa educativa” (p. 50). Aquino acrescenta ainda: “Escola, desde o ponto de vista institucional, equivaleria basicamente
às práticas concretas de seus agentes e clientela, tendo a relação professor-aluno como núcleo fundamental. Isto significa
“conceber as instituições enquanto práticas sociais que, em sua particularidade, existem pela ação dos que cotidianamente
a fazem e pelo reconhecimento desse fazer como uno, necessário, justificado” (Guirado, 1986, p. 14).
Feita essas definições, o autor retorno à problemática da indisciplina, afirmando a partir do que foi exposto que
não é possível pensá-la fora da relação professor-aluno, ou que esta permaneça a reboque das determinações
extraescolares. Assim sendo, para ele, “a saída possível está no coração mesmo da relação professor-aluno, isto é, nos
nossos vínculos cotidianos e, principalmente, na maneira com que nos posicionamos perante o nosso outro complementar.
Afinal de contas, o lugar de professor é imediatamente relativo ao de aluno, e vice-versa. Vale lembrar que, guardadas as
especificidades das atribuições de agentes e clientela, ambos são parceiros de um mesmo jogo. E o nosso rival é a
ignorância, a pouca perplexidade e o conformismo diante do mundo” (p. 50).
Alguém haveria de perguntar, e certamente o fará: o que fazer quando o aluno não apresenta a infraestrutura
moral para o trabalho pedagógico?
Mas mesmo se concordássemos com a suspeita de uma carência moral do aluno, haveríamos também de admitir
que através do legado específico de seu campo de conhecimento, o professor pode criar condições de sedimentação desta
infraestrutura quando ele se apresentar de maneira ainda fragmentária. Se o professor pautar os parâmetros relacionais no
seu campo de conhecimento, ele certamente será capaz de (re)inventar a moralidade discente (p. 51). Para Aquino, isto
significa que o que deve regular é uma proposta de trabalho fundada intrinsecamente no conhecimento. Por meio dela,
pode-se fundar e/ou resgatar a moralidade discente na medida em que o trabalho do conhecimento pressupõe a
observância de regras, de semelhanças e diferenças, de regularidades e exceções.
Nesse sentido, a matemática é moralizadora. As línguas, as ciências e as artes também o são, se entendemos
moralidade como regulação das ações e operações humanas nas sucessivas tentativas de ordenação do mundo que nos
circunscreve. Nessa perspectiva, alerta Aquino, “Pois bem, este trabalho de incessante indagação, inspirado no traçado
científico, não requer que o aluno permaneça estático, calado, obediente. O trabalho do conhecimento, pelo contrario,
implica a inquietação, o desconcerto, a desobediência. A questão fundamental está na transformação desta turbulência em
ciência, desta desordem em uma nova ordem...” (p. 51).

Por uma nova ordem pedagógica

Tendo como premissa a proposta de que a relação professor-aluno se paute no estatuto do próprio conhecimento,
é possível entrever que a temática disciplina deixe de figurar como um dilema crucial para as práticas pedagógicas, ou
então, que adquira novos sentidos mais produtivos. A isto denominamos nova ordem pedagógica. O curioso é a
necessidade da qualificação “nova” quando esta ordem nada mais é que a restabelecimento da função epistêmica autentica
e legítima da escola (p. 52).
O autor afirma que as crianças são ávidas pelo conhecimento, mas depende da proposta por meio da qual o
conhecimento é formado e gerenciado nesse microcosmo que é cada sala de atual. Entretanto, a tarefa é intrincada pois
pressupõe sempre um recomeço, a cada aula, cada turma, cada semestre. Aquino assinala que, guardada as devidas
proporções, não importaria muito o aparato técnico-metodológico que o professor disponha, mas a compreensão mesma
de mundo mediada por modos específicos de conhecer, uma vez que cada campo comporta um objeto em modos de
conhecer particulares. Em linhas gerias, vale muito mais a tarefa de (re)construção de um determinado campo conceitual,
do que sua assunção imediata e inquestionável.
Nessa perspectiva, o papel da escola para ele, passa a ser o de fomentar a experiência do sujeito perante a
incansável aventura humana de desconstrução e reconstrução dos processos imanentes à realidade dos fatos cotidianos, na
incessante busca de uma visão dilatada de suas múltiplas determinações e dos diferentes pontos de vista sobre eles. Isto, a
nosso ver, define o conhecimento no seu sentido lato (p. 52). O objetivo da educação escolar torna-se, assim, mais uma
disposição para a (re)construção dos campos epistêmicos das diferentes disciplinas, do que a reposição de um pacote de
informações perenes, estáveis. É preciso, pois, reinventar continuamente os conteúdos, as metodologias, a relação. E isto
também é conhecimento!

Finda essas colocações, Aquino questiona: Quais, enfim, os quesitos principais deste tipo de construção
negociada? Em primeiro lugar, estaria o investimento nos vínculos concretos, abdicando, na medida do possível, dos
modelos idealizados de aluno, de professor e da própria relação, e potencializando as possibilidades e chances efetivas de
cada qual. Uma vez que o conhecimento só se realiza com e pelo outro, a relação professor-aluno torna-se o núcleo e foco
do trabalho pedagógico. Em segundo, a fidelidade ao contrato pedagógico. É imprescindível que este seja razoavelmente
claro para ambas as partes, e que se restrinja ao campo do conhecimento acumulado, mesmo que as clausulas contratuais
tenham que ser relembradas todos os dias, em todas as aulas. Em terceiro: a permeabilidade para a mudança e para a
invenção. É certo que o professor também tem que reaprender seu ofício e reinventar seu campo de conhecimento a cada
encontro. Deste modo, é provável que as questões de cunho técnico-metodológico acabem perdendo sua força ou eficácia,
uma vez que elas pressupõem como interlocutor sempre o mesmo sujeito abstrato e, portanto, ausente. O aluno concreto
(aquele do dia a dia), de forma oposta, obriga-se a sondar novas estratégias, experimentações de diferentes ordens.
Desta forma, o lugar do professor pode tornar-se também um lugar de passagem, de fluxo da vida. Se não, o aluno
desaparece, torna-se plateia silenciosa de um monólogo sempre igual, estático, à espera... (p. 54).