Вы находитесь на странице: 1из 7

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Legislação do MPU����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Lei Complementar nº 75/93 – Considerações Iniciais��������������������������������������������������������������������������������������������������2
Defesa dos Direitos Constitucionais���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Garantias e Prerrogativas dos Membros do MP������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Autonomias do MP:�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Estrutura�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Procurador Geral da República�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Legislação do MPU
Lei Complementar nº 75/93 – Considerações Iniciais
Defesa dos Direitos Constitucionais
O MPU é o fiscal da lei (custus legis), bem como o protetor dos cidadãos e o fiscalizador do efetivo
cumprimento dos direitos constitucionais.
O MPU tem por função garantir o efetivo respeito dos direitos fundamentais previstos da CF-88
pelos Poderes Públicos e pelos prestadores de serviços de relevância pública.
Ex.: entes estatais e privados que prestam serviços públicos (hospitais públicos, INSS, transporte
público interestadual, Polícia Federal, universidades federais, etc.).
No âmbito do MPF existe a função ocupada por um Procurador da República (Procurador dos
Direitos do Cidadão), que tem exatamente esta atribuição: proteção dos direitos constitucionais do
cidadão.
→→ 1. NÃO se admite que os órgãos de defesa dos direitos constitucionais do cidadão (Procurador
dos Direitos do Cidadão e qualquer membro do MPU) promova em juízo (perante o Judiciário) a
defesa de direitos individuais lesados. Tais órgãos só podem defender em juízo os direitos coleti-
vos e abstratos, nunca direitos individuais de lesados.
OBSERVAÇÃO: É o mesmo caso dos índios! Não se admite que o MPU defenda o direito de um
índio em juízo, mas apenas acerca dos direitos indígenas, coletivamente considerados.
→→ 2. No entanto, se a parte titular do direito lesado não puder constituir advogado e a ação cabível
não incumbir ao Ministério Público, o Procurador poderá defender em juízo a referida parte?
Não! Se a parte não tem Advogado, deverá ser assistida pela Defensoria Pública!
Lógico, se for o caso de o MP intervir, ele poderá, sim, entrar com a ação, não na defesa do direito
individual, mas sim na defesa da ordem jurídica e abstrata, de direito coletivo.
→→ 3. Se a Procuradoria respectiva verificar que o caso se trata de legitimidade de outro órgão do
MP (Ex.: competência do MP do Trabalho, do MP Estadual etc.), deverá remeter-lhes os elemen-
tos de informação.

Garantias e Prerrogativas dos Membros do MP


→→ VITALICIEDADE – após o cumprimento de 2 ANOS de estágio probatório, os Membros do MP
somente poderão perder o cargo por Sentença Judicial transitada em julgado (da qual não caiba
mais recurso), proferida em AÇÃO CIVIL própria.
A Vitaliciedade, portanto, é adquirida após 2 ANOS de efetivo exercício na função (período/
estágio probatório), após a aprovação no respectivo concurso de provas e títulos.
→→ INAMOVIBILIDADE – em regra, os Membros do MP NÃO poderão ser transferidos compul-
soriamente de seus cargos, de uma lotação para outra (na prática, de um Município ou local de
lotação para outro) ou mesmo promovido unilateralmente, ressalvada a hipótese excepcional
de interesse público, com decisão de 2/3 de votos do Conselho Superior. Para que ocorra essa
remoção excepcional, devem-se respeitar os seguintes requisitos:
• ser assegurada a AMPLA DEFESA ao Membro do MP;
• comprovado interesse público;
• deliberação por 2/3 de VOTOS do Conselho Superior.
→→ IRREDUTIBILIDADE DO SUBSÍDIO – o subsídio (remuneração total) dos Membros do MP
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

é irredutível, isto é, não pode ser reduzido por lei ou ato do Chefe do MP. Essa irredutibilidade de
subsídio é apenas nominal (valor de face).
Segundo o STF, não são garantidas eventuais perdas do poder aquisitivo decorrente da
inflação (corrosão inflacionária) nem possíveis aumentos de tributos que diminuam seu valor
final.
→→ Prerrogativas INSTITUCIONAIS:
a) sentar-se no mesmo plano e imediatamente à DIREITA dos Juízes singulares ou dos Presidentes dos
órgãos judiciários ou dos demais órgãos perante os quais oficiem;
b) usar vestes talares (formais – beca);
c) ter ingresso e trânsito livres, em razão de serviço, em qualquer recinto público ou privado, respeitada a
garantia constitucional da inviolabilidade do domicílio;
d) a prioridade em qualquer serviço de transporte ou comunicação, público ou privado, no território
nacional, quando em serviço de caráter urgente;
e) o porte de arma, independentemente de autorização (o membro do MPU tem porte de arma autorizado
legalmente, desde sua investidura no cargo, não propriamente de um processo administrativo autoriza-
tivo);
f) carteira de identidade especial, de acordo com modelo aprovado pelo PGR e por ele expedida, nela se
consignando algumas prerrogativas.
→→ Prerrogativas PROCESSUAIS:
a) do PGR – ser processado e julgado pelo:
• 1. STF – nos crimes comuns;
• 2. Senado Federal – nos crimes de responsabilidade;
b) do membro do Ministério Público da União que oficie perante Tribunais (TRFs, TRTs, TREs), ser pro-
cessado e julgado, nos crimes comuns e de responsabilidade, pelo STJ (não pelo TJ e nem pelo STF!);
c) do membro do Ministério Público da União que oficie perante juízos de 1ª Instância, ser processado
e julgado, nos crimes comuns e de responsabilidade, pelos TRFs, ressalvada a competência da
Justiça Eleitoral;
d) ser preso ou detido somente por ordem escrita do Tribunal competente ou em razão de flagrante de
crime inafiançável, caso em que a autoridade fará imediata comunicação àquele tribunal e ao PGR, sob
pena de responsabilidade;
→→ O Membro do MPU só pode ser preso ou detido nas seguintes hipóteses:
Ordem ESCRITA do Tribunal competente (Ex.: STJ, TRF);
Flagrante de Crime INAFIANÇÁVEL – se for crime afiançável, não poderá ficar preso.
e) ser recolhido à prisão especial ou à sala especial de Estado-Maior, com direito à privacidade e à dispo-
sição do tribunal competente para o julgamento, quando sujeito à prisão antes da decisão final (ainda
prisão provisória);
Caso já tenha sido julgado, o Membro do MPU terá direito à dependência separada no estabeleci-
mento em que tiver de ser cumprida a pena.
f) NÃO ser indiciado em inquérito policial (IP);
Nesse caso, a fase de indicação do Inquérito não se aplica ao Membro do MPU.
Se no curso de investigação policial (IP), houver indício da prática de infração penal por membro
do MPU, a autoridade policial, civil (Delegado) ou militar, remeterá imediatamente os autos do IP ao
Procurador-Geral da República (PGR), que designará membro do Ministério Público para prosse-
guimento da apuração do fato.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Assim, não será mais a Polícia que continuará com a apuração, mas um Membro do MP.
→→ Vejamos as seguintes questões:
1. Os membros do MPU não são indiciados em Inquéritos Policiais. Verdadeiro ou Falso?
2. Os membros do MPU nunca são indiciados em investigações criminais. Verdadeiro ou Falso?
A 1ª é Verdadeira e a 2ª é Falsa, porque os membros só não são indiciados em Inquéritos Policiais,
realizados pela Polícia, mas o são nas investigações ofertadas pelo próprio Ministério Público.
g) ser ouvido, como testemunhas, em dia, hora e local previamente ajustados com o magistrado ou a au-
toridade competente;
h) receber intimação pessoalmente nos autos em qualquer processo e grau de jurisdição nos feitos em que
tiver que oficiar.
OBSERVAÇÃO: a intimação do Parquet é sempre PESSOAL.
Em regra, com vistas dos autos.

Autonomias do MP:
• 1. Autonomia FUNCIONAL – é o mesmo Princípio da Independência Funcional: os
Membros do Ministério Público não estão vinculados a nenhum dos Poderes da República
(Executivo, Legislativo e Judiciário), devendo respeito tão somente à Constituição, às Leis e
à sua própria consciência.
Assim, no exercício funcional não estão sujeitos às convicções dos órgãos superiores do próprio
Ministério Público (não havendo hierarquia entre o Chefe do MP [PGR ou PGJ] e o Procurador da
República de 1ª Instância ou o Promotor de 1º Grau). O Procurador ou Promotor têm Independência
Funcional!
˃˃ 2. Autonomia ADMINISTRATIVA – consiste na capacidade de autogestão ou autoadminis-
tração. O Ministério Público poderá propor ao Poder Legislativo a criação e a extinção de seus
cargos e serviços auxiliares (servidores do MP), provendo-os por concurso público; poderá
definir a política remuneratória e os planos de carreira; engloba nesta autonomia a possibilida-
de de adquirir bens, contratar serviços; gerir os seus recursos humanos (contratação, aposenta-
doria, pensões etc.).
˃˃ 3. Autonomia FINANCEIRA – é a capacidade de elaborar sua proposta orçamentária dentro
dos limites estabelecidos pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), bem como de gerir os
recursos que lhe forem destinados. A iniciativa da Lei Orçamentária não é de competência do
próprio Ministério Público, pois sua proposta deve integrar o Orçamento Geral, submetido
pelo Chefe do Poder Executivo (Presidente).
A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) será a norma orçamentária balizadora da proposta
orçamentária do Ministério Público.
Por isso, tanto a CF-88 quanto a Lei nº 75/93 preveem que o MP deverá elaborar sua proposta
orçamentária dentro dos limites da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
No caso do MPU, será a LDO da UNIÃO.
O MP encaminhará a proposta orçamentária, de acordo com a LDO, ao Presidente da República,
que consolidará junto ao Orçamento Geral da União e submeterá ao Poder Legislativo.
Mas, se o MPU não encaminhar a proposta orçamentária sua no prazo definido na LDO, como fica?
O Poder Executivo considerará, para fins de consolidação da proposta orçamentária anual, os
valores aprovados na lei orçamentária vigente, ajustados de acordo com os limites estipulados na
própria LDO.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Ademais, se a proposta orçamentária do MPU for encaminhada em desacordo com os limites es-
tipulados, o Poder Executivo procederá aos ajustes necessários para fins de consolidação da proposta
orçamentária anual.

Estrutura
→→ O Ministério Público BRASILEIRO foi organizado do seguinte modo:
→→ O Ministério Público da UNIÃO (MPU), que por sua vez, compreende os seguintes ramos:
• Ministério Público Federal (MPF);
• Ministério Público do Trabalho (MPT);
• Ministério Público Militar (MPM);
• Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).
→→ Os Ministérios Públicos dos ESTADOS (MPE).
É isso o que dispõe o Art. 128 da CF-88!

Procurador Geral da República


O Chefe do Ministério Público da UNIÃO é o Procurador-Geral da República (PGR).
OBSERVAÇÃO ↓
O Advogado-Geral da União é o Chefe da AGU lato sensu, englobando a AGU stricto sensu, a
Procuradoria da Fazenda Nacional e a Procuradoria Geral Federal.
O Procurador-Geral da UNIÃO é o Chefe da Procuradoria Geral da União, órgão interno da
Advocacia Geral da União.
O Procurador-Geral Federal é o Chefe da Procuradoria Geral Federal (órgão da Advocacia
Federal responsável pela representação da Administração Federal Indireta. Ex.: Autarquias, fun-
dações públicas etc.). A Procuradoria Geral Federal atua na defesa de 154 autarquias e fundações
públicas federais pelos seus órgãos de execução.
O Procurador-Geral de Justiça (PGJ) é o Chefe do MP ESTADUAL.
Procurador-Geral do Estado é o Chefe da Procuradoria do Estado (que são os Advogados do Estado).
→→ Não confundir com o Procurador-Geral de Justiça, que é o Chefe do MP Estadual!
→→ Essa nomeação do PGR guarda algumas peculiaridades relevantes:
• a. deve ser realizada pelo Presidente da República;
• b. o PGR deve ter idade superior a 35 ANOS;
• c. o SENADO Federal deve aprovar (sabatina) – não confundir com o Congresso Nacional
ou Câmara dos Deputados, pois a banca CESPE pode criar questões capciosas para confun-
dir o candidato.
• d. admite-se a recondução ao cargo (nova investidura no cargo de PGR).
O mandato do PGR é de 2 ANOS, permitidas indefinidas reconduções, isto é, poderá ser re-
conduzido ao cargo quantas vezes desejar o Presidente da República.
Convém ressaltar que as reconduções devem respeitar as mesmas formalidades da assunção
inicial ao cargo (nomeação do Presidente da República e aprovação da maioria absoluta do Senado).
• e. A exoneração/destituição, de ofício, do PGR deve ser realizada por iniciativa do Presiden-
te da República (representação), após autorização da maioria absoluta do SENADO Federal,
em votação secreta (fechada).
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

OBSERVAÇÃO: A destituição do PGJ do DF será realizada por deliberação do SENADO e não


da Câmara Legislativa. Isto porque o MPDFT faz parte do MP da União (MPU).
Destituição do PGR: Presidente da República + SENADO
• f. o PGR deve ser oriundo das carreiras do MPU. O PGR será nomeado pelo Presidente da
República dentre os integrantes da carreira do MPU (poderá ser membro do Ministério
Público Federal – MPF, Ministério Público do Trabalho – MPT, Ministério Público Militar
– MPM ou Ministério Público do DF e Territórios – MPDFT).
EXERCÍCIOS
01. O Ministério Público da União tem o papel fundamental na República de proteger o cumpri-
mento dos direitos constitucionais do cidadão em face dos poderes públicos e dos prestadores
de serviços de relevância pública. Dentro do MPU, exerce essa atribuição o Procurador dos
Direitos do Cidadão.
Certo ( ) Errado ( )
02. Entre as atribuições do Procurador dos Direitos do Cidadão, constam a de agir de ofício, noti-
ficando a autoridade questionada para prestar informações. Caso não preste no prazo conferi-
do, poderá o Procurador notificar o responsável para que adote as providências para prevenir
a repetição do ato ou a cessação do desrespeito. Se ainda assim não restar atendido, o Procura-
dor poderá representar à autoridade competente para a responsabilização do ato.
Certo ( ) Errado ( )
03. É admitida, apenas excepcionalmente, a defesa de direitos individuais lesados, se for caso de
intervenção obrigatória do MPU.
Certo ( ) Errado ( )
04. O MPU pode defender em juízo o interesse de necessitado, se esta não puder constituir
Advogado.
Certo ( ) Errado ( )
05. A vitaliciedade é adquirida após 2 anos de efetivo exercício, somente perdendo o cargo o
membro do MPU já vitalício com processo administrativo disciplinar do qual não caiba mais
recursos.
Certo ( ) Errado ( )
06. Os Membros do MPU são inamovíveis, salvo se por interesse público, o Conselho Superior
decidir por maioria absoluta, sendo assegurada a ampla defesa ao removível.
Certo ( ) Errado ( )
07. Os vencimentos dos Membros do MPU são irredutíveis, salvo em caso de corrosão inflacioná-
ria ou aumento de tributos.
Certo ( ) Errado ( )
08. Os Membros do MPU têm direito a sentar-se à esquerda dos Juízes ou Presidentes de Tribunais,
tendo ingresso livre em razão de serviço, não se submetendo à inviolabilidade do domicílio
Certo ( ) Errado ( )
09. O PGR é julgado pelos crimes comuns pelo STJ e pelos crimes de responsabilidade pelo STF.
Certo ( ) Errado ( )
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

GABARITO
01 - C
02 - C
03 - E
04 - E
05 - E
06 - C
07 - C
08 - C
09 - E

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7