You are on page 1of 2

FACULDADE LABORO - São Luís-MA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PSICOSSOCIAL


DISCIPLINA DE PSICOPATOLOGIAS: TRANSTORNOS MENTAIS
Prof. Francisco Frazão
Aluno: Josivaldo Luis Coelho

ESQUIZOFRENIA
Ref. DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto
Alegre: Artmed, 2008. 2. ed.
A seguir é realizado um levantamento, de forma resumida, a partir do que Paulo Dalgalarrondo
tem discutido a respeito das nuances da esquizofrenia. Esta está incluída entre as síndromes
psicóticas. Tais síndromes têm sido configuradas, até então, como um transtorno, um perfil
psicopatológico da vida humana.
Em linhas gerais, ele vai nos situar dizendo que o que caracteriza as síndromes psicóticas são
sintomas típicos, como alucinações e delírios, pensamento desorganizado e comportamento
claramente bizarro. Em algumas circunstâncias, detêm-se, ainda, sintomas paranóides comuns, como
idéias delirantes e alucinações auditivas de conteúdo persecutório. Em alguns casos, desorganização
profunda da vida mental e do comportamento, diversa aos quadros demenciais, delirium ou de retardo
mental grave.
Diz ele que: "Os autores de orientação psicodinâmica tendem a dar ênfase à perda de contato
com a realidade como dimensão central da psicose"(DALGALARRONDO,2008). Em relação ao
tratamento, pacientes psicóticos têm insight prejudicado (precária consciência da doença) em relação
aos seus sintomas e à sua condição clínica geral.
Ele vai nos dizer que a esquizofrenia é a principal forma de psicose. Traz Kurt Schneider
(1887-1967) para demonstrar o tamanho da importância, em que denominou “sintomas de primeira
ordem”. Sendo eles: de percepção delirante, em que o ato perceptivo recebe uma significação
delirante, poderíamos dizer aqui algo que foi distorcido; há alucinações auditivas características,
ouvir vozes; eco do pensamento ou sonorização do pensamento; difusão do pensamento; roubo do
pensamento; Vivências de influência na esfera corporal ou ideativa.
Os sintomas de primeira ordem indicam a profunda alteração da relação Eu-mundo. Ao sentir
que algo é imposto de fora, feito à sua revelia, o doente vivencia a perda do controle sobre si mesmo,
a invasão do mundo sobre seu ser íntimo
Os sintomas de segunda ordem são considerados contributivos para o Diagnóstico, apenas em
algumas circunstâncias. São eles: perplexidade, alterações da sensopercepção (excluindo aqueles de
primeira ordem), vivências de influência no campo dos sentimentos, impulsos ou vontade, vivência
de empobrecimento afetivo, intuição delirante e alterações do ânimo de colorido depressivo ou
maniatiforme.
Os psicopatólogos do final do século XIX e início do XX distinguiram quatro subtipos de
esquizofrenia: forma paranóide, forma catatônica, forma hebefrênica, e subtipo simples (lento e
progressivo empobrecimento psíquico e comportamental)
A esquizofrenia tema de intensas discussões em Psicopatologia, nas últimas décadas, tem-se
dado mais importância à diferenciação da esquizofrenia em três subtipos: Síndrome negativa ou
deficitária (caracteriza-se pela perda de certas funções psíquica); Síndrome positiva ou produtiva (são
manifestações novas, floridas e produtivas do processo esquizofrênico); e Síndrome desorganizada
(com predomínio de desorganização mental e comportamental, corresponde, de alguma forma, à
esquizofrenia hebefrênica).