You are on page 1of 40

A BELEZA

EXTERIOR
Uma Introdução aos Desenhos Industriais para as
Pequenas e Médias Empresas
Esta publicação foi customizada e reproduzida com a autorização prévia
e expressa da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI),
que é a titular dos direitos autorais da versão original em inglês, que está
disponível em www.wipo.int/sme/en/documents/guides/. Desse modo, a
OMPI não tem obrigação ou será responsável pela exatidão ou veracidade
da versão customizada da publicação. Portanto, a responsabilidade é
exclusiva do Instituto Nacional da Propriedade Industrial do Brasil.

Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Direito Autoral (2013)


A OMPI possui os direitos autorais na versão original em inglês (2003)
Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou transmitida
em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônica ou mecanicamente,
exceto nos termos permitidos pela lei, sem a autorização prévia e expressa
do titular do direito de autor.
INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI)

A BELEZA
EXTERIOR
Uma Introdução aos Desenhos Industriais para as
Pequenas e Médias Empresas

Série sobre A Propriedade Intelectual e as Atividades Empresariais

Rio de Janeiro | Brasil | 2013


Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Direito Autoral (2013)
A OMPI possui os direitos autorais na versão original em inglês (2003)

Instituto Nacional da Propriedade Industrial


Presidente
Jorge de Paula Costa Avila

Vice-presidente
Ademir Tardelli

Diretor de Contratos, Indicações Geográficas e Registros


Breno Bello de Almeida Neves

Diretora de Cooperação para o Desenvolvimento


Denise Nogueira Gregory

Diretor de Marcas
Vinicius Bogéa Câmara

Diretor de Patentes
Julio César Castelo Branco Reis Moreira

Rede de Tecnologia & Inovação do Rio de Janeiro


Presidente
Paulo Alcantara Gomes

Diretor de Operações
Tito Bruno Bandeira Ryff

Diretora de Novos Empreendimentos


Paula Gonzaga

FICHA TÉCNICA
Preparação Original
Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)

Adaptação Técnica, Legislativa e Revisão Jurídica


Jose Carlos Vaz e Dias
Camila Garcindo Dayrell Garrote
Luca Schirru
Revisão de Conteúdo
Edson Rufino de Souza (INPI)

Equipe Técnica
Esther Vigutov (INPI)
Luzia Bottino (INPI)
Maria Helena de Lima Hatschbach (INPI)
Marina Filgueiras Jorge (INPI)
Samantha Magalhães dos Santos (INPI)
Graziela Cruz (Redetec)
Vera Harcar (Redetec)
Taissa Terra Passos de Souza (Redetec)
Paula Pires (Redetec)

Projeto Gráfico, Diagramação e Artefinal


Fernando Alax
Valmir Gomes

Bibliotecário Responsável
Evanildo Vieira dos Santos (INPI)

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Economista Cláudio Treiguer (INPI)

I61c Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Brasil)

A beleza exterior: uma introdução aos desenhos industriais para as pequenas


e médias empresas/ Instituto Nacional da Propriedade Industrial. – Rio de
Janeiro: INPI, 2013.

36p.; il.; – (Série sobre a Propriedade Intelectual e as Atividades Empresariais, 2).

1. Propriedade Industrial – Desenho Industrial 2. Pequena e Média Empresa


I. Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Brasil).

CDU: 347.773:334.7(81)


Vivemos numa economia do conhecimento que valoriza,
como nunca antes, a propriedade intelectual. Tais ativos
derivam diretamente da criatividade humana e tornaram
-se essenciais para a competitividade das empresas,
sejam elas grandes ou, principalmente, os pequenos
empreendedores que tentam crescer no mercado.
Para que pequenos e médios empresários possam
transformar a propriedade intelectual em diferencial
competitivo, numa mudança que dará impulso ao
desenvolvimento nacional, o grande desafio é o
conhecimento. E, justamente por isso, foi criada esta
série de guias, chamada “A propriedade intelectual e as
atividades empresariais”, cujos tópicos serão: marcas,
desenho industrial, patente e direito autoral - este último
com apoio do Ministério da Cultura.
O tópico desta edição é desenho industrial. Em linguagem
clara e direta, com o conteúdo adaptado ao Brasil,
mostramos como obter tais direitos e usá-los como parte
da estratégia empresarial de pequenas e médias empresas,
de modo a fomentar seu crescimento, com geração de
emprego e renda.
Podemos assegurar que o conteúdo desta edição (e das
outras) será útil para ampliar o conhecimento sobre o
tema e tirar dúvidas dos empreendedores nacionais. Com
as ferramentas certas, a sua criatividade fará a diferença.

Jorge de Paula Costa Ávila


Presidente INPI

A BELEZA EXTERIOR | 1
Desenhos industriais 03

A proteção aos desenhos industriais 07

A proteção dos desenhos no exterior 19

A observância dos direitos sobre os desenhos 22


industriais

Outros instrumentos jurídicos destinados a 23


proteger os desenhos industriais

2
Desenhos industriais
O que é um desenho industrial?
Na linguagem do dia-a-dia, o termo desenho industrial
refere-se à forma e à função geral de um produto.
Considera-se que uma poltrona tem um “bom design”
se tiver um assento confortável e apresentar uma
estética atraente. Para as empresas, a criação de um
produto geralmente inclui o desenvolvimento das
características funcionais e estéticas do mesmo, levando
em consideração questões como a comercialização,
os custos de produção, a facilidade de transporte,
armazenamento, conserto e reciclagem.
No entanto, sob o prisma do joias e outros; de produtos do-
direito da propriedade inte- mésticos, brinquedos e utilida-
lectual, o desenho industrial des domésticas a automóveis e
se refere apenas aos aspectos outros de maior complexidade
ornamentais ou estéticos que técnica; de estampas têxteis a
possam ser aplicados a um equipamentos esportivos e ves-
produto na indústria, ou seja, tuário esportivo. Os desenhos
refere-se apenas à forma exte- industriais são também encon-
rior da poltrona, sua aparência. trados na criação de embala-
Embora o desenho industrial gens, recipientes e no feitio dos
(ou design) de um produto produtos.
possa trazer inovações técni- Como regra geral, um desenho
cas e funcionais, o registro de industrial consiste em:
desenho industrial, como cate-
goria do direito da propriedade . elementos (objetos ou produ-
intelectual, refere-se à natureza tos industriais) em três dimen-
estética do produto acabado, in- sões, que representam forma de
dependente dos aspectos técni- um produto industrial;
cos ou funcionais que ele possa . pode-se considerar também
apresentar. elementos em duas dimensões,
Os registros de desenhos in- aplicados sobre a superfície de
dustriais são importantes para objetos ou produtos industriais
uma grande variedade de pro- que sirvam para adorná-los, tal
dutos da indústria em geral, como um conjunto de linhas
principalmente, de mobiliários. aplicado ao produto.
Abrangem desde instrumentos
técnicos e médicos até relógios,

A BELEZA EXTERIOR | 3
. ou uma combinação de um ou outro anterior, para distintas
mais destes elementos. faixas etárias, culturais ou so-
ciais. Contudo, há de se obser-
Exemplo de um desenho em três di-
var se tais diferenças conferem
mensões
originalidade ao objeto. Embora
a função principal do relógio
continue a mesma, as crianças e
os adultos têm geralmente gos-
tos muito diferentes no que diz
respeito ao desenho preferido
dos seus relógios.
2. Criar um nicho no mercado:
em um ambiente competitivo,
muitas empresas procuram
Banco Goma (Configuração Aplicada em Banco criar um nicho de mercado
e/ou Mesa) DI6602964-3
Autora: Renata Martins Moura
pela apresentação de desenhos
Fonte: www.renatamoura.com originais e criativos para os
seus novos produtos, de modo
Exemplo de um desenho em duas di- a diferenciá-los dos produtos da
mensões concorrência. Isto pode ocorrer
tanto no caso de artigos corri-
queiros como: sapatos, panelas,
canecas e pires; como no caso
de produtos potencialmente
caros tais como: joias, computa-
dores ou automóveis.
3. Fortalecer as marcas: os de-
Desenhos originais no comér-
senhos originais são também
cio e indústria frequentemente explorados em
As empresas costumam investir combinação com a(s) marca(s)
muito tempo e recursos, for- de uma empresa para aumentar
talecendo o poder de atração o seu caráter distintivo. Muitas
do desenho dos seus produtos. empresas conseguiram criar ou
Desenhos novos e originais são redefinir com sucesso a ima-
muitas vezes criados para: gem dos seus produtos através
1. Adaptar o apelo visual dos de uma orientação objetiva ao
produtos a um segmento es- aperfeiçoamento do desenho
pecífico do mercado; peque- dos seus produtos.
nas modificações no desenho
podem até gerar novidade, por
caracterizar objeto diferente de

4
Por que proteger os desenhos Pelo registro de um desenho,
industriais? o titular pode impedir que ele
Um desenho industrial aumenta seja copiado ou imitado pela
o valor comercial de um pro- concorrência, o que fortalece a
duto, tornando-o mais atraente posição da empresa no merca-
aos olhos dos consumidores, do.
podendo vir a ser a caracterís- O registro de um desenho in-
tica mais forte de um produto dustrial que apresente certo
no momento da sua comercia- volume de exploração comercial
lização. Por isso, a proteção no mercado contribui para a
dos desenhos industriais é uma obtenção de um bom retorno do
parte crucial na estratégia co- montante investido na criação e
mercial de qualquer criador ou na comercialização do produto,
de qualquer empresa. aumentando os lucros da sua
No Brasil, por meio do registro empresa.
do desenho industrial junto ao
Os desenhos industriais fazem
Instituto Nacional da Proprie-
parte do “ativo“ de uma em-
dade Industrial (INPI), o titular
presa e podem aumentar o seu
obtém a propriedade e o direito
valor comercial e/ou de seus
exclusivo para explorar o seu
produtos.
produto no mercado e impedir
a sua cópia ou imitação por Um desenho industrial protegi-
terceiros não autorizados. Do do também pode ser explorado
ponto de vista comercial, um patrimonialmente por seu ti-
registro de desenho industrial tular ou licenciado a terceiros,
é uma medida sensata que pode através da outorga de licenças,
aumentar a capacidade concor- possibilitando que uma empre-
rencial de uma empresa e, mui- sa possa entrar em mercados
tas vezes, trazer rendimentos que, de outro modo, não seria
complementares do titular do capaz de fazê-lo.
desenho industrial protegido. O registro de desenho indus-
trial fomenta a concorrên-
cia leal e as práticas comer-
ciais honestas, que, por sua
vez, promovem a produção
de diversidade de produ-
tos esteticamente atraentes.

Cortesia: Victorinox Ltda.

A BELEZA EXTERIOR | 5
A importância dos desenhos
A empresa brasileira Inventmade
foi fundada, em 2006, com o ob-
jetivo de desenvolver e produzir
equipamentos que pudessem
suprir a ausência de soluções de
mobilidade e ergonomia para o
uso de dispositivos de tecno-
logia da informação dentro de
instituições de saúde. Tornou-
-se, assim, a primeira empresa
brasileira a disponibilizar ao
mercado carrinhos para o uso
de computadores e acessórios
em hospitais. O desenho dos
produtos desenvolvidos pela
Inventmade possui disposição
estética peculiar que possibilite
ao usuário aproveitamento dos
benefícios que cada equipamen-
to oferece, talcomo acontece
com o Carrinho C2ST.

Carrinho C2ST (configuração aplicada em


carrinho para equipamento de informática)
DI7106098-7
Autor: Alexandre Augusto Wrubleski
Fonte: www.inventmade.com.br

6
A proteção aos desenhos industriais
Como obter a proteção dos desenhos industriais?
Na maioria dos países, como o Brasil, um desenho
industrial deve ser registrado para ser protegido.

Para registrar um desenho in- desenhos para as PMEs.


dustrial, você deve depositar . Além disso, se um desenho
um pedido de registro junto ao industrial funciona como uma
INPI ou caso explore o desenho marca no mercado, ele pode
industrial em outro mercado, ser protegido como marca tri-
junto ao órgão público de re- dimensional. Pode ser o caso
gistro do desenho industrial do se a forma do produto ou a sua
país onde você pretende buscar embalagem for considerado dis-
a proteção (o Anexo I contém tintivo.
uma lista de sítios web de ad-
. Ainda, a legislação sobre
ministrações de PI). Para mais
a concorrência desleal pode
informações sobre proteção no
também proteger os desenhos
exterior, vide página 20.
industriais de uma empresa da
Embora este guia trate, princi- possível imitação pelos concor-
palmente, de desenhos indus- rentes.
triais registrados, é importante
Para mais informações sobre
indicar que podem existir ma-
a proteção de um desenho
neiras alternativas ou comple-
segundo a legislação do o di-
mentares de proteger desenhos
reito de autor, sobre as mar-
industriais, tais como:
cas, ou sobre a concorrência
. Uma alternativa para a pro- desleal, ver página 2, 3 e 26.
teção de desenhos pode ser a
legislação sobre o direito de
Que direitos estão incluídos
autor. O direito de autor prevê,
na proteção dos desenhos in-
geralmente, direitos exclusivos
dustriais?
em relação às obras literárias e
artísticas. Como alguns dese- Quando um desenho industrial
nhos podem ser considerados é protegido por registro, é con-
obras de arte em vista da re- cedido ao titular o direito de ex-
levância estética, o direito de plorar direta ou exclusivamente
autor pode ser aplicável, e isso o desenho industrial e também
pode representar uma alternati- por meio de licenciamento e
va interessante de proteção aos impedir que sejam feitas cópias

A BELEZA EXTERIOR | 7
ou imitações não autorizadas . O desenho industrial deve se
por parte de terceiros. Isto inclui expresso em uma configuração
o direito de excluir tempora- externa de um objeto ou con-
riamente as outras pessoas do junto ornamental de linhas e
direito de fabricar, oferecer, cores.
importar, exportar ou vender . O desenho industrial tem que
qualquer produto no qual o de- ser do tipo de fabricação indus-
senho esteja incorporado ou ao trial.
qual seja aplicado. Assim como
Tradicionalmente, os dese-
a Lei da Propriedade Industrial
nhos que podem ser protegi-
brasileira (nº 9.279/96), as
dos dizem respeito a produtos
legislações dos demais países
industrializáveis tais como a
determinam o âmbito efetivo da
forma de um sapato, o desenho
proteção ao desenho registrado.
de um brinco ou a decoração
de um bule. No mundo digital,
O que pode ser registrado porém, diversos países vêm
como desenho industrial? gradualmente estendendo esta
Para que possa ser registrado, proteção a certo número de
um desenho industrial deve sa- outros produtos e tipos de de-
tisfazer as seguintes exigências senho. Incluem-se entre estes,
previstas no art. 95 da lei da ícones eletrônicos de computa-
propriedade industrial brasilei- dores produzidos por códigos
ra: de informática, conjuntos de
. O desenho industrial deve ser caracteres tipográficos, dispo-
“novo”. Um desenho industrial sitivos de visualização gráfica
é considerado novo se nenhum em monitores de computador,
desenho industrial idêntico celulares etc.
tiver sido disponibilizado ao
público antes da data do depó- Direitos E
sito ou do pedido de registro de
desenho industrial.
. O desenho deve ser “origi-
nal”. Um desenho é considera-
do original se for uma criação
livre do artista (ou criador) e
originar uma configuração vi-
sual distintiva, não uma cópia
ou uma imitação de desenhos
existentes.

8
Direitos Exclusivos
Suponhamos que a sua empresa
tenha concebido uma cascata
para piscinas com um desenho
inovador, registrando este dese-
nho no INPI e, por conseguinte,
obtido direitos exclusivos sobre
as cascatas que apresentem
esse desenho. Isso significa que
se você descobrir que um con-
corrente está fabricando, ven- Configuração Aplicada em Acessório
dendo ou importando cascatas para Piscina tipo Cascata DI 7106669-1
Autor: Eloi Inácio Mateus
de piscina com o mesmo dese-
Fonte: www.inoxpool.com.br/#novidades
nho ou um desenho muito si-
milar, você poderá impedi-lo de
utilizar esse desenho industrial O que não pode ser protegido
e, possivelmente, obter uma como desenho industrial?
compensação pelos danos que Entre os desenhos industriais
a sua empresa possa ter sofrido que são excluídos do registro,
com o seu uso não autorizado. encontram-se os seguintes:
. Desenhos que não preen-
Assim, embora você possa im- chem os requisitos de novida-
pedir as empresas da concor- de, originalidade e/ou caráter
rência de fabricar produtos individual ou criativo (como
que compitam com o seu, você explicado acima). Quanto ao
poderá impedi-las de fabricar Brasil, deve-se acrescentar que
produtos com o mesmo aspecto o objeto protegido deverá servir
visual que o seu e de se aprovei- de tipo de fabricação industrial.
tarem de sua criatividade. Para
detalhes sobre como fazer valer . Desenhos cujas inovações
seus direitos, aconselhamos sejam ditadas exclusivamente
que você procure um advogado pela função técnica do produto;
especializado em propriedade tais características técnicas ou
intelectual (ou um agente da funcionais do desenho podem
propriedade industrial). ser protegidas, conforme o caso,
por outros direitos de PI (p. ex.
patentes, modelos de utilidade
e segredo de negócio).
. Desenhos que incorporem
símbolos ou emblemas oficiais
protegidos (tais como a bandei-
ra nacional).

A BELEZA EXTERIOR | 9
. Desenhos considerados con- tomar as seguintes medidas:
trários à moral e ordem pública . Preencher o formulário de
ou aos bons costumes ou ofenda solicitação de registro forne-
a honra ou imagem de pessoas cido pelo INPI (se você deseja
ou atente contra a liberdade a proteção ou desenho indus-
de consciência, crença, culto trial para outros países, veja
religioso ou ideia e sentimentos Anexo I que contém uma lista
dignos de respeito e veneração. de sítios web de escritórios de
. Desenhos ou obras de caráter PI onde você pode registrar os
puramente artísticos. seus desenhos), incluindo seu
Além disso, é importante notar nome, dados para contato, e
que alguns países excluem arti- desenhos e/ou fotografias do(s)
gos do artesanato da proteção desenho(s) em questão (forma-
concedida a desenhos, pois a tos são geralmente especifica-
legislação sobre os desenhos dos).
industriais destes países exige . Apresentar junto ao pedido
que o produto ao qual o dese- de registro uma descrição ou
nho for aplicado seja “um artigo declaração por escrito da(s)
de produção industrial” ou inovação(ões) apresentada(s)
que possa ser reproduzido por no(s) desenho(s). A descrição
“meios industriais”. deve ser do desenho industrial
Segundo a legislação brasileira, em si e não do produto ao qual
pode haver outras restrições o desenho foi aplicado. A descri-
sobre o que não pode ser regis- ção deve ser precisa o suficiente
trado como desenho industrial. para distinguir o seu desenho
É recomendável consultar o de quaisquer outros semelhan-
próprio INPI, que é o órgão go- tes preexistentes. Devem ser
vernamental responsável pela incluídos todos os elementos
aplicação da LPI (Lei da Pro- estéticos distintivos do dese-
priedade Industrial) em terri- nho, e descritos aquele(s) mais
tório brasileiro. Opcionalmen- importante(s). O examinador
te, podem-se consultar outras pode pedir uma amostra do
entidades especializadas em desenho para compreendê-lo
direito de PI, tais como ABPI ou melhor e verificar a sua textura
a Redetec (www.redetec.org. ou a matéria com a qual o dese-
br) ou mesmo advogados espe- nho é confeccionado. O relatório
cializados em PI. descritivo (descrição)é opcio-
nal quando se tratar de objeto
Como se registra um dese-
único e obrigatório quando se
nho?
tratar de objeto com variações.
Para registrar um desenho in- Salienta-se que o pedido de re-
dustrial no Brasil, você deve
10
gistro com variações deve ser após a concessão do registro.
depositado no mesmo ato do Quando do exame técnico, se
depósito e no mesmo pedido for detectada a ausência de
de registro, limitado a 20 varia- novidade ou originalidade ou a
ções. impossibilidade de reprodução
. Apresentar desenhos ou foto- do objeto do desenho industrial
grafias de maneira clara e sufi- por meios industriais, o INPI
ciente. emitirá parecer técnico para a
. Especificar o campo de apli- instauração de processo admi-
cação do objeto. nistrativo de nulidade.
. Reivindicações específicas de Se o desenho for aceito, o órgão
proteção sobre o desenho in- público competente irá, então,
dustrial, se for o caso. inscrevê-lo no registro de dese-
nhos industriais locais, publicá-
. Pagar a(s) taxa(s) oficiais(s).
-lo oficialmente e emitir um cer-
Você pode decidir utilizar os tificado de registro do desenho.
serviços de um agente da Pro-
Informações pormenorizadas
priedade Industrial para ajudá-
sobre a maneira de se proteger
-lo a depositar o seu pedido e
um desenho (ou desenho indus-
concluir o processo de registro.
trial) são fornecidas nas páginas
Nesse caso, você também de-
07 e 08 desta publicação.
verá apresentar a procuração
que outorga direitos ao agente
da Propriedade Industrial para Quanto tempo se leva para
assisti-lo no registro de dese- registrar um desenho?
nho industrial. O processo de registro de um
desenho industrial pode ser es-
O registro do desenho industrial
timado entre 3 (três) a 6 (seis)
pode ocorrer depois de efetua-
meses aproximadamente. Pode
rem um exame formal para ve-
levar mais tempo se houver so-
rificar se os procedimentos ad-
licitações do exame do desenho
ministrativos foram cumpridos
industrial ou outras questões
sem verificar a originalidade e
envolvidas, tais como possíveis
ou novidade do desenho indus-
objeções feitas pelo examinador
trial. Assim, uma vez atendidas
encarregado, ou o objeto do pe-
as formalidades legais, o pedido
dido estiver ou não previsto na
de registro será automatica-
legislação local.
mente publicado e simultanea-
mente concedido. Terceiros só podem se ma-
nifestar contra um desenho
O exame de mérito, que pode
industrial após a publicação do
ser solicitado apenas pelo re-
registro concedido, conforme a
querente e, neste caso, ocorrerá
LPI nº 9.279/96.

A BELEZA EXTERIOR | 11
É importante manter o sigilo A lei brasileira concede um
sobre o desenho industrial período de graça de 180 dias,
antes do seu registro? antes da data do depósito que
Se você deseja proteger o seu é equivalente a da prioridade
desenho através de um sistema reivindicada, para o criador do
de registro, manter o dese- desenho industrial divulgá-lo
nho em caráter confidencial sem comprometer a novidade.
é da maior importância. Isto Está englobado pelo período de
acontece porque, para poder graça a exibição em feira indus-
ser protegido, o desenho deve trial, exposição ou mercado de
ser “novo”. Se você tiver que artigos que levam o desenho ou
mostrar o seu desenho a outras são publicados em um catálogo,
pessoas, é recomendável incluir folheto ou anúncio publicitário,
cláusulas de confidencialidade antes do depósito do pedido.
em contratos escritos, indican- Durante essa salvaguarda, você
do claramente que o desenho é pode comercializar o seu dese-
confidencial. nho sem que ele perca a “no-
vidade” e pode, mesmo assim,
Um desenho que já tenha sido
apresentar o seu pedido de
divulgado ao público através,
registro.
por exemplo, de publicidade
feita no catálogo ou folheto da Contudo, como este não é o
sua (ou qualquer outra) empre- caso em todos os países e, de
sa, pode deixar de ser conside- qualquer modo, a salvaguarda
rado “novo”. Nesse caso, o de- é limitada no tempo, é acon-
senho passará a fazer parte do selhável manter o desenho
domínio público e não pode ser confidencial até o depósito do
protegido (ver também “Como pedido. Além disso, o criador
proteger os seus desenhos in- goza de direitos não exclusivos
dustriais no exterior”, página (porque ainda não tem um re-
20). gistro) sobre o desenho durante
o período de graça (embora o
seu desenho possa ser automa-
O que é o “período de graça”?
ticamente protegido no âmbito
Em alguns países, a legisla- da legislação de direito autoral,
ção prevê uma salvaguarda de dentro dos parâmetros da legis-
prazo para o registro, geralmen- lação marcária, ou concorrência
te de seis meses ou de um ano a desleal, segundo o disposto na
partir do momento em que um legislação nacional. Mais infor-
desenho foi levado ao conheci- mações sobre direitos autorais
mento do público, divulgado ou na página 24).
publicado.

12
Exemplo: registro é de 10 anos iniciais,
Vestbag (DI 7103513-3) havendo a possibilidade de o
A Vestbag privilegia o conforto titular requerer a prorrogação
uma vez que se ajusta anatômi- quinquenal do registro por até 3
camente. Exemplo: períodos de 5 anos.
A Vestbag possui compartimen-
tos internos para: computador, Quanto custa proteger um de-
tablet e telefone celular, além senho industrial?
de porta canetas e cartões e é O custo efetivo varia significati-
fabricada em Neoprene. vamente de um país para outro.
Dada a originalidade desse pro- Porém, é importante lembrar
duto, já foi requerido o registro os diversos tipos de despesas
de seu desenho industrial no que podem ser incluídos no
Brasil, e concedido o registro processo:
na Comunidade Européia e nos
1. Há taxas de registro a pagar
Estados Unidos.
ao INPI. O INPI disponibiliza os
valores das taxas em seu portal
eletrônico ou os informa dire-
tamente ao interessado, por via
eletrônica, telefônica ou pesso-
almente. Se o interessado optar
pelos serviços de um agente
de PI ou da REDETEC, estes
poderão prestar informações a
respeito.
2. Se você optar pela contra-
tação de um profissional para
depositar o seu pedido, você
também se obrigará ao paga-
mento dos honorários advoca-
Vestbag - Configuração Aplicada a Veste(DI tícios ou ao agente da Proprie-
7103513-3)
Autoras: Claudia Habib Kayat / Ana Claudia dade Industrial, ou à REDETEC
Neves Moreira. e outros.
Fonte: http://www.vestbag.com
3. O titular do registro está
sujeito ao pagamento de retri-
Quanto tempo dura a proteção buição quinquenal, a partir do
para os desenhos industriais? segundo quinquênio da data
A duração da proteção de um do depósito. Esse pagamento
desenho industrial registrado será feito durante o 5º ano de
varia de um país para outro. No vigência do registro. O paga-
Brasil, o período de duração do mento dos quinquênios poderá

A BELEZA EXTERIOR | 13
ser efetuado ainda dentro dos
6 (seis) meses subsequentes ao
prazo normal (durante o 5º ano
de vigência do registro) .
4. Pode haver despesas associa-
das com a tradução das peças
do processo, no caso de se de-
sejar proteger um desenho no
exterior.
O que fazer se o seu desenho
combinar melhoramentos
funcionais com elementos es- © Nokia
téticos?
Para se obter direitos exclusi- Muitos criadores de desenhos
vos sobre os melhoramentos protegem diferentes aspectos
funcionais e técnicos de um dos seus produtos através de
produto, é aconselhável pedir a diversos direitos de proprie-
proteção da patente ou modelo dade intelectual. É impor-
de utilidade ou, se a criação tante, porém, não esquecer a
da função não for obviamente diferença básica entre patentes
subtratível da forma completa ou modelos de utilidade e de-
do produto, guardá-la como um senhos industriais. Patentes e
segredo de negócio. É comum, modelos de utilidade destinam-
porém, que um novo produ- -se à solução de problemas ou
to combine melhoramentos melhoramentos funcionais em
funcionais com elementos es- um produto, enquanto que os
téticos. Imaginemos que você desenhos industriais lidam
desenhou um novo telefone com a aparência do produto.
móvel. Embora o seu novo pro-
duto possa ser o resultado de A proteção aos desenhos in-
uma série de melhoramentos dustriais e a estratégia co-
relativos aos componentes ele- mercial
trônicos e possa ser protegido As decisões relativas a “como,
como patente(s), o desenho quando e onde” proteger os de-
original pode ser igualmente senhos de uma empresa podem
registrado e protegido como um ter um efeito importante sobre
desenho industrial. Inclusive, outras áreas da gestão empre-
é possível pedir ambos os tipos sarial. É, portanto, crucial in-
de proteção. tegrar as questões de proteção
de desenhos industriais à es-
tratégia geral de uma empresa.

14
Devem ser relevados, portanto, Quem é o titular dos direitos
o tipo e a eficácia da proteção, o sobre um desenho industrial?
custo, e as questões relativas à O criador de um desenho (não
propriedade dos desenhos, para necessariamente desenhista
definir sobre: industrial), normalmente, é o
. a escolha entre criar o dese- primeiro proprietário do dese-
nho na própria empresa ou ter- nho, a não ser que exista alguma
ceirizar o serviço; circunstância especial presente
. a determinação do momento no momento da sua criação. Por
oportuno para a primeira utili- exemplo, na maior parte dos
zação de um novo desenho atra- países, incluindo a lei brasileira
vés de publicidade, “marketing” de propriedade industrial, se
ou apresentação ao público du- um empregado criar um dese-
rante uma exposição; nho industrial sob um contrato
. a escolha dos possíveis mer- de trabalho, ou seja, durante o
cados para exportação; seu horário de trabalho e como
. se for o caso, quando e como parte da sua função dentro da
conceder licenças ou ceder um empresa, o desenho criado (e
desenho para a exploração co- os direitos a ele relacionados)
mercial por outras empresas. pertencerá à empresa (ou em-
pregador) ou, dependendo do
caso, deverá ser transferido a
Quem pode pedir a proteção
esta através de uma cessão for-
dos desenhos industriais?
mal por escrito.
Em geral, tanto a pessoa que
Se o desenho industrial tiver
criou o desenho como a empre-
sido criado por um desenhista,
sa podem depositar um pedido
criador ou autor externo con-
de registro.
tratado, os direitos geralmen-
O requerente pode ser uma te pertencem à empresa que
pessoa física (p. ex. o criador do tiver encomendado o desenho.
desenho) ou uma pessoa jurí- Em tais casos, considera-se
dica (p. ex. uma empresa). Em que o desenho industrial foi
ambos os casos, o pedido pode criado para o uso de quem o
ser feito diretamente ou por encomendou, tornando o con-
intermédio de um agente. Se tratante o seu proprietário. O
você for um requerente estran- contrato original deve deixar
geiro não residente no Brasil, a questão da titularidade do
podem exigir-lhe que esteja desenho bastante clara, evi-
representado por um agente tando assim a incidência de
da Propriedade Industrial ou controvérsias no futuro. Con-
advogado registrado perante a vém, também, considerar a
Ordem dos Advogados do Brasil

A BELEZA EXTERIOR | 15
possibilidade do desenhista jam relacionados com o mesmo
industrial (ou autor ou criador) produto ou estejam na mesma
receber automaticamente a classe (para mais informações
proteção por direitos autorais sobre a classificação dos produ-
sobre os esboços ou o desenho tos, veja página 31).
original criado(s) por ele e lidar Isto significa que se você dese-
também com esta questão no nhar um conjunto de cadeiras,
contrato. No Brasil, caso haja mesas e aparadores e quiser
questionamento quanto ao protegê-los, muitos países per-
autor do desenho industrial, a mitirão que você deposite um
comprovação dessa autoria será único pedido abrangendo todo
confirmada na esfera judicial. esses produtos, e pague ape-
nas uma taxa de registro, pois
É possível solicitar o registro todos pertencem à mesma clas-
de muitos desenhos através se de produtos. Porém, se você
de um único pedido? quiser proteger também uma
luminária que combine com
No Brasil, o pedido de registro
esses móveis e faça parte do
de desenho industrial deverá
conjunto, é provável que você
referir-se a um único objeto,
tenha que depositar um pedido
sendo permitida uma pluralida-
separado, já que luminárias não
de de variações, desde que se
pertencem à mesma classe de
destinem ao mesmo propósito
produtos que cadeiras, mesas e
e guardem entre si a mesma
aparadores. Embora sejam co-
característica distintiva prepon-
bradas taxas por cada desenho
derante, limitado cada pedido
adicional, elas geralmente re-
ao máximo de 20 variações.
presentam uma despesa bastan-
Até os objetos mais comuns, te inferior ao custo de depositar
como a cadeira, podem possuir um pedido diferente para cada
diversas configurações, como é desenho.
o caso dessa inovadora cadeira
desenvolvida pelo autor Alan
Zietemann. Essas características
inovadoras do produto estão
atreladas a fatores estéticos
influenciados pelas últimas ten-
dências da moda.
Em alguns países, você pode
pedir o registro de muitos de-
senhos (10, 20 ou mesmo 50
desenhos) mediante um único
pedido, desde que todos este-
16
Em outros países, é possível que
você tenha que depositar um
pedido separado para cada de-
senho. Muitos países, embora
limitem um pedido a um único
desenho, autorizam diversas
variantes desse desenho, en-
quanto outros preveem uma
exceção à regra do “desenho
único” caso todos os desenhos
façam parte de um “conjunto de
Configuração Aplicada em Cadeira ou Similar
DI 7106296-3
artigos”.
Autor: Alan Zietemann Fonte: azdesign-alan. . Variantes podem incluir, por
blogspot.com.br
exemplo, dois pares de brin-
cos que diferem na medida em
Exemplo: Taxímetro UEL que um é de pressão e o outro
VR11 (DI 7000066-2) para orelhas furadas. Para
O desenho do Taxímetro UEL serem considerados variantes,
VR11, de titularidade de Carlos os desenhos devem aplicar-se
Alberto Laimgruber, é prote- ao mesmo artigo e não devem
gido como desenho industrial diferir substancialmente um do
e registrado no Brasil perante outro.
o INPI. Isto dá ao titular desse . Um “conjunto”, por outro
desenho a exclusividade sobre lado, é definido como uma série
a comercialização do produ- de artigos com o mesmo caráter
to com o desenho exclusivo e
devidamente protegido. Caso geral, normalmente vendidos
seja de interesse do titular Car- ou destinados a serem utiliza-
los Alberto Laimgruber, ele dos em conjunto, e com algumas
pode conceder licenças a ou- características de desenho em
tras empresas do ramo para comum. Como exemplo, pode-
produzir esses taxímetros. mos citar os talheres (colhe-
res, garfos e facas) e utilidades
domésticas (um secador de
cabelos com os seus bocais e
escovas).
Como você pode ver, existem
muitas variações sobre o que é
e o que não é admitido incluir
Configuração Aplicada em Taxímetro DI em um único pedido de regis-
7000066-2
Autor: Carlos Alberto Laimgruber tro. Você pode obter informa-
Fonte: uniaoeletronica.com/produtos ções mais precisas sobre essas

A BELEZA EXTERIOR | 17
exigências e as possibilidades do) a utilizar temporariamente
economicamente mais vantajo- seu desenho industrial para
sas e, para tal, recomendamos qualquer finalidade acordada
consultar o próprio INPI, que é pelas partes. Em tais casos, um
o órgão governamental respon- contrato de licença de desenho
sável pela aplicação da LPI em industrial é geralmente assina-
território brasileiro com a con- do entre as duas partes, especi-
cessão do título. Opcionalmente, ficando os termos e o âmbito do
podem ser contratados escri- acordo.
tórios especializados de PI e Os contratos de licença de de-
outras entidades especializadas senho industrial incluem, fre-
em direito de PI, como ABPI, a quentemente, limites relativos
Redetec ou outras. aos países em que o adquirente
de licença pode utilizar o dese-
O sistema de classificação in- nho, o tempo durante o qual a
ternacional licença é concedida e os tipos de
produtos nos quais o desenho
Os desenhos industriais são
pode ser utilizado. Para conce-
geralmente classificados ou
der licenças autorizando a utili-
divididos em classes para fa-
zação do desenho no exterior, é
cilitar a busca. É possível que
necessário que você já tenha ob-
lhe peçam para indicar, no seu
tido ou, ao menos, solicitado a
formulário de solicitação de
proteção do desenho industrial
registro, a classe de produtos
no país onde será concedida a
na qual você tenciona utilizar o
licença.
desenho em questão. Muitos pa-
íses utilizam a classificação do Os contratos de licença de de-
Acordo de Locarno, que institui senho industrial que autorizam
uma Classificação Internacional outras pessoas a utilizarem os
dos Desenhos Industriais. Veja seus desenhos representam
a lista das classes no Anexo 2. uma fonte suplementar de ren-
Veja também: dimentos para a sua empresa
www.wipo.int/classifications/en/locarno/ e são uma maneira comum às
about empresas de explorar os seus
direitos exclusivos sobre os
seus desenhos registrados.
É possível conceder licenças
Contratos de licença de dese-
de desenho industrial?
nhos industriais podem ser in-
Licenças de desenho industrial cluídos em contratos de licença
são concedidas quando o titu- mais amplos, cobrindo todos os
lar do desenho (licenciante) aspectos de um produto, e não
autoriza um terceiro (licencia- apenas os elementos visuais.

18
A proteção dos desenhos no exterior
Por que proteger desenhos no exterior?
Se a sua empresa pretende exportar produtos que
apresentem um desenho original, ou pretende conceder
uma licença para a fabricação, venda ou exportação de
tais produtos a outras empresas em outros países, você
deveria pensar em proteger os seus desenhos nesses
países para obter as mesmas vantagens sobre a proteção
no exterior que você recebe no mercado nacional.

Como proteger os seus dese 1. Via nacional: as empresas


nhos no exterior? podem fazer pedidos separados
Deve-se ressaltar, nesse ponto, aos órgãos públicos de registros
que a proteção aos desenhos de desenho industriais de cada
industriais é territorial. Isso sig- país em que desejam obter a
nifica que esta proteção é, ge- proteção. Este processo pode
ralmente, limitada ao país ou à ser bastante lento e dispendio-
região onde os desenhos foram so, já que, normalmente, são
registrados. Por isso, se você exigidas traduções dos docu-
deseja que o seu desenho seja mentos para os idiomas nacio-
protegido em mercados estran- nais, assim como o pagamento
geiros para eventual exportação de taxas administrativas e ho-
de seus produtos protegidos norários advocatícios.
pelo desenho industrial, é abso- 2. Via regional: se você estiver
lutamente necessário que sejam interessado em comercializar
solicitados pedidos de proteção o produto em um grupo de pa-
nos países para os quais deseja íses que faça parte de acordos
exportar ou atuar. regionais, possibilitando o re-
É importante lembrar que você gistro de desenhos em mais de
tem geralmente seis meses, a um país, você poderá depositar
contar da data que pediu a pro- um único pedido junto ao órgão
teção no primeiro país, para rei- público de registro de desenho
vindicar o direito de prioridade industrial em questão. Esses
ao pedir a proteção dos seus órgãos públicos são, entre ou-
desenhos em outros países. tros:
Existem três maneiras de pro- . Administração Regional Afri-
teger os seus desenhos no ex- cana de Propriedade Industrial
terior: (ARAPI), para a proteção de

A BELEZA EXTERIOR | 19
desenhos industriais em países podem também utilizar o pro-
africanos de língua oficial ingle- cesso oferecido por esse Acordo
sa; referente ao Depósito Interna-
. Administração de Desenhos cional dos Desenhos Industriais.
do Benelux (ADB), para a prote- Vale dizer que o Acordo de Haia
ção na Bélgica, Luxemburgo é um tratado administrado pela
Organização Mundial da Pro-
e Holanda;
priedade Intelectual no qual um
. Escritório de Harmonização do requerente de um país parte do
Mercado Interno (OAMI), para referido Acordo pode depositar
os desenhos comunitários nos um único pedido internacional
países da União Europeia; junto à OMPI. O desenho será
. Organização Africana da Pro- protegido em quantos países
priedade Intelectual (OAPI), partes do Acordo o requeren-
para a proteção nos países afri- te desejar. O Acordo oferece
canos de língua oficial francesa. aos requerentes de um pedido
O Anexo 1 contém endereços de internacional um mecanismo
sítios web de órgãos públicos simples e econômico, destinado
regionais para o registro de de- à obtenção do registro de de-
senho industrial. senhos industriais em vários
3. Via internacional: as prer- países por meio de um único
rogativas do Acordo de Haia procedimento. Todas as infor-
dos Desenhos Industriais são mações sobre o Acordo da Haia,
utilizadas pelas empresas para o formulário de depósito e a
solicitar a proteção internacio- lista dos países signatários do
nal. No entanto, não é qualquer Acordo, podem ser obtidas no
pessoa que pode utilizar essas sítio web da OMPI, no endereço:
prerrogativas, pois é exigido www.wipo.int/hague.
que o solicitante seja nacional Os custos envolvidos em um
de país signatário do Acordo de registro de desenho industrial
Haia ou ter o domicílio no terri- internacional variam de acordo
tório de uma parte signatária. com o número de desenhos a
O Brasil não é país signatário do serem protegidos e o número
Acordo de Haia. Assim, as pes- de países onde se deseja obter
soas físicas ou empresas bra- a proteção. Este valor pode
sileiras não estão capacitadas mudar bastante dependendo
para essa proteção. Não obs- dos escritórios nacionais que
tante, as empresas dos países venham a ser designadas.
signatários do Acordo de Haia
que desejarem registrar os seus
desenhos, em vários países,

20
Proteção internacional de de-
senhos industriais
Em 2001, os dez principais
usuários do Sistema de Haia
para o registro internacional
de desenhos industriais, con-
siderando o número de solici-
tações, foram: Swatch Group,
Interior, Sony Overseas, Her-
mès, Daimler, Chrysler, Nokia,
Villeroy+Boch A.G., Moulinex,
Philips Electronics, Salomon.
Nesse ano, a Swatch Group,
o maior usuário do sistema,
depositou 103 pedidos de re-
gistro de desenhos, segundo o
Sistema de Haia. A aparência
característica dos seus relógios
é considerada um elemento
crucial, que leva os clientes
a escolherem os seus produ-
tos. Por essa razão, empresas
(como a Swatch Group) inves-
tem enormes quantias e muitos
conhecimentos técnicos na
criação de desenhos atraentes
e fazem o necessário para obter
direitos exclusivos de explora-
ção dos seus desenhos através
do registro em muitos países.

Cortesia: Swatch AG

A BELEZA EXTERIOR | 21
A observância dos direitos sobre
os desenhos industriais

Como fazer valer os seus direitos se o seu desenho


estiver sendo imitado, copiado ou falsificado?
A imposição de qualquer direito de PI pode ser uma
tarefa complexa, para a qual é recomendável procurar a
assistência profissional de um advogado especializado
em PI. É importante não esquecer que compete, em
primeiro lugar, ao titular do desenho, identificar e
agir contra imitações ou falsificações do mesmo.

Em outras palavras, você tem a de um advogado para redigir


responsabilidade de fiscalizar essa notificação extrajudicial.
a utilização do seu desenho no Se a infração continuar, pode
mercado, identificar quaisquer ser necessário iniciar uma ação
imitadores ou falsificadores e judicial contra o infrator.
decidir se, como e quando, deve Se você conhecer o lugar da
tomar medidas contra essas atividade ilícita, talvez possa
ações. agir de surpresa mediante a ob-
Um advogado especializado em tenção de uma ordem de busca
PI é, normalmente, a pessoa e apreensão judicial ou mesmo
competente para dar informa- policial, para uma busca sem
ções sobre as possibilidades de aviso prévio junto à empresa ou
iniciar ações judiciais contra pessoa supostamente transgres-
imitadores, violadores e falsifi- sora.
cadores no Brasil e aconselhá- Para impedir a importação de
-lo sobre a maneira de resolver produtos ilícitos, muitos países,
qualquer conflito. incluindo o Brasil, preveem
Sempre que você suspeitar da medidas alfandegárias para
existência de uma infração, impedir a entrada de produtos
recomenda-se o envio de uma falsificados.
notificação extrajudicial para Em geral, se a infração for iden-
informar o infrator sobre a vio- tificada, é altamente recomen-
lação do desenho que ele está dável procurar a assistência de
comercializando e reforçar os um advogado especializado em
seus direitos exclusivos. PI.
É recomendável a assistência

22
Outros instrumentos jurídicos destina-
dos a proteger os desenhos industriais
Quais são as diferenças entre a proteção pelo direito de
autor e a proteção do desenho industrial como tal?
Os direitos de autor existem para proteger desenhos artísticos e
obras de arte. Em certos países, contudo, a legislação reconhece
o direito de autor em alguns desenhos industriais como, por
exemplo, produtos têxteis. No Brasil, a LPI nº 9279/96 permite
fazer o registro para a proteção dos desenhos industriais. Já
outros desenhos como, por exemplo, os desenhos meramente
artísticos, assim como todas as obras de arte, são protegidas
por direito de autor. No caso de criações para a indústria têxtil,
desde que atendidos os requisitos da LPI nº 9279/96, podem
ser consideradas criações o conjunto ornamental de linhas e
cores aplicado a produto industrial (o próprio têxtil). Assim, é
possível a proteção por meio do registro de desenho industrial.

Registro
Segundo a legislação brasileira
de propriedade industrial, um
desenho industrial deve ser re-
gistrado pelo requerente antes
Em muitos países, você pode da publicação ou utilização pú-
obter uma proteção cumulativa, blica em qualquer lugar ou, pelo
isto é, proteção pelo direito de menos, no país onde foi reivin-
autor e pelo desenho industrial dicado.
como tal, que podem existir si-
multaneamente para o mesmo O certificado de registro, que é
desenho, enquanto em alguns fornecido mediante proteção de
outros países as duas formas acordo com a legislação sobre
de proteção são mutuamente desenhos industriais, pode ser
excludentes. útil em caso de infrações, pois
oferece uma base mais sólida a
Antes de tomar qualquer de- partir da qual você pode fazer
cisão sobre a melhor maneira valer os seus direitos exclusi-
de proteger o seu desenho, é vos.
conveniente compreender as
diferenças entre estas duas O direito de autor sobre obras
formas de proteção. Algu- consideradas originais subsiste
mas das principais diferen- sem formalidades. Embora o
ças estão resumidas abaixo: registro não seja necessário

A BELEZA EXTERIOR | 23
para a obtenção de proteção, parte significativa das caracte-
em alguns países existem en- rísticas essenciais da obra ar-
tidades junto às quais você tística (reprodução literal e/ou
pode depositar o seu dese- reprodução ideológica).
nho e obter um certificado.
Tipos de produtos
Duração
Na maior parte dos países,
A proteção de um desenho in-
nem todos os desenhos podem
dustrial brasileiro dura, inicial-
ser protegidos pelo direito de
mente, 10 anos, podendo ser
autor. Para gozar deste tipo de
renovado por 3 períodos conse-
proteção, um desenho deve ser
cutivos de 5 anos. Convém, tam-
considerado uma obra de arte.
bém, não esquecer que o pro-
Embora a distinção nem sempre
cesso de registro de desenhos
seja evidente, é pouco provável
industriais pode demorar algum
que certos desenhos, tais como
tempo e pode, por vezes, não
o formato de produtos fabrica-
convir a produtos relacionados
dos industrialmente, possam
com tendências passageiras (p.
ser protegidos pelo direito de
ex. produtos ligados à moda).
autor, enquanto que outros,
Na maior parte dos países, em tais como os desenhos têxteis,
que o desenho é incluído no di- gozam, frequentemente, de
reito de autor, dura por toda a ambas as formas de proteção.
vida do autor e se estende por Não obstante essa controvérsia,
50 ou 70 anos após sua morte. você deve observar sempre a di-
nâmica em solicitar prioritaria-
Âmbito da proteção mente a proteção da obra pelo
desenho industrial para que não
A proteção assegurada por meio
fique comprometido o requisito
do registro de um desenho in-
da novidade.
dustrial é conferida pelos dese-
nhos validamente definidos no
respectivo registro de desenho Custo
industrial. Deve-se verificar, Para obter o registro do seu de-
assim, se o artigo de um con- senho nos países em que você
corrente ostenta ou incorpora está interessado, você deverá
o desenho que constitua cópia pagar as taxas oficiais e os ser-
fiel ou aproximada do desenho viços de um agente de PI, caso
protegido. seja contratado, para a redação
Segundo a legislação brasileira do seu pedido, o que causará
sobre o direito de autor, existe despesas suplementares.
infração quando se evidencia Uma vez que a maior parte das
uma reprodução literal ou de legislações sobre o direito de
24
autor não exige qualquer regis- Quando é que a legislação
tro formal das obras protegi- sobre as marcas pode prote-
das, não há, em geral, qualquer ger um desenho?
despesa direta resultante da Uma marca de fábrica ou de co-
proteção pelo direito de autor. mércio é um sinal distintivo (ge-
Porém, podem haver despesas ralmente uma palavra, um lo-
nas seguintes hipóteses: (a) o gotipo ou uma combinação dos
depósito de um exemplar da dois) utilizado para distinguir
obra junto à entidade de direito os produtos de uma empresa
de autor depositária, nos países em relação a produtos de outras
em que haja entidade oficial empresas. Há circunstâncias
representante, tal como a Bi- em que a forma, o desenho ou a
blioteca Nacional, o Instituto de embalagem de um determinado
Belas Artes, a Escola de Música, produto pode ser considera-
dentre outros, conforme especi- do elemento distintivo de um
ficado pela lei autoral brasileira. produto e, portanto, pode ser
(b) a apresentação de provas da protegido como uma marca tri-
qualidade de titular no caso de dimensional.
conflitos.
É aconselhável consultar um
Em suma, embora a proteção agente de PI ou advogado es-
concedida aos desenhos in- pecializado para definir se um
dustriais registrados seja mais determinado desenho pode ser
consistente e decorra de um re- considerado uma marca tridi-
gistro validamente obtido, essa mensional.
proteção implica um maior es-
A proteção das marcas tem
forço (financeiro e administrati-
a vantagem de ser renovável
vo), já que requer um registro e
indefinidamente, enquanto os
dura menos tempo.
desenhos industriais são, nor-
De qualquer modo, e princi- malmente, protegidos pelo pe-
palmente se o desenho não ríodo máximo de 25 anos. Pode,
estiver registrado, é geralmente também, haver uma diferença
aconselhável guardar todos os entre o custo do registro de
documentos relativos a cada uma marca e o custo do registro
fase da criação do desenho. de um desenho. Conforme o
Cada esboço deve ser assinado, sistema jurídico prevalecente,
datado e corretamente arqui- os dois tipos de proteção podem
vado, pois pode ser útil no caso coexistir e ser aplicáveis ao
de infração para evidenciar mesmo desenho.
a autoria e a data de criação
A garrafa de Coca-Cola e a
da obra e poderá servir como
forma triangular da barra de
forma de comprovação judicial.
chocolate Toblerone podem ser

A BELEZA EXTERIOR | 25
exemplos claros dessa explana- também, haver uma diferença
ção. entre o custo do registro de
uma marca e o custo do registro
de um desenho. Conforme o
sistema jurídico prevalecente,
os dois tipos de proteção podem
Cortesia: Toblerone ® que é uma marca regis- coexistir e ser aplicáveis ao
trada do Grupo Kraft Foods © 1986 mesmo desenho.

A legislação sobre a concor- Sítios web em que se podem


rência desleal protege o seu obter mais informações:
desenho?
Sobre outras questões de pro-
Um desenho pode ser prote- priedade intelectual em uma
gido também contra atos de perspectiva comercial:
concorrência desleal, incluindo,
www.inpi.gov.br
especialmente, a cópia servil
e desautorizada realizado por www.wipo.int/sme
um concorrente e os atos que www.redetec.org.br
possam causar confusão, atos Sobre os desenhos industriais
de imitação ou parasitismo que em geral:
decorrem do uso desautorizado
www.inpi.gov.br
da reputação do desenho indus-
trial protegido. www.wipo.int/sme
Deve-se entender a expressão www.redetec.org.br
“desenho” como sinônimo para Sobre os aspectos práticos re-
“signo”, não confundindo a lacionados com o registro de
mesma expressão (“desenho”) desenhos industriais, veja a lista
com a definição europeia para dos sítios web das administra-
“design”. ções nacionais e regionais de
É aconselhável consultar um propriedade intelectual contida
agente de PI ou advogado es- no Anexo I ou:
pecializado para definir se um www.wipo.int/news/en/links/
determinado desenho pode ser ipo_web
considerado uma marca tridi-
mensional. Sobre o Acordo da Haia referen-
A proteção das marcas tem te ao Depósito Internacional de
a vantagem de ser renovável Desenhos Industriais (adminis-
indefinidamente, enquanto os trações nacionais e regionais):
desenhos industriais são, nor- www.wipo.int/hague/en
malmente, protegidos pelo pe-
ríodo máximo de 25 anos. Pode,
26
Sobre o depósito e registro de
desenhos industriais no Brasil:
Exclusivamente o INPI – Insti-
tuto Nacional da Propriedade
Industrial
(Brasil)
www.inpi.gov.br
Sobre instituições não governa-
mentais de auxílio e informação
quanto ao depósito de desenhos
industriais no Brasil:
ABPI - Associação Brasileira da
Propriedade Intelectual
www.abpi.org.br
Redetec - Rede de Tecnologia &
Inovação do Rio de Janeiro
www.redetec.org.br

Sobre o Acordo de Locarno que


institui a Classificação Inter-
nacional dos Desenhos Indus-
triais:
www.wipo.int/classifications
www.inpi.gov.br
www.redetec.org.br

Sobre a mediação e a arbitra-


gem:
arbiter.wipo.int

A BELEZA EXTERIOR | 27
Anexo 1
Endereços dos sítios web dos órgãos públicos nacionais e regionais
para o registro de desenhos industriais
Alemanha www.dpma.de
Andorra www.ompa.ad
Antilhas Holandesas www.bureau-intellectual-property.org
Argélia www.inapi.org
Argentina www.inpi.gov.ar
Armênia www.armpatent.org
Austrália www.ipaustralia.gov.au
Áustria www.patent.bmwa.gv.at
Barbados www.caipo.gov.bb
Bélgica www.european-patent-office.org/patlib/
country/belgium
Belize www.belipo.bz
Benelux (Administração de Desenhos Industriais)
www.bbtm-bbdm.org
Bolívia www.senapi.gov.bo
Bósnia e Herzegovina www.bih.net.ba/-zsmp
Brasil www.inpi.gov.br
Bulgária www.bpo.bg
Canadá www.opic.gc.ca
Cazaquistão www.kazpatent.org
Chile www.dpi.cl
China www.sipo.gov.cn
China (Hong Kong -SAR) www.info.gov.hk/ipd
China (Macao - SAR) www.economia.gov.mo
Colômbia www.sic.gov.co
Costa Rica www.registronacional.go.cr
Croácia www.dziv.hr
Cuba www.ocpi.cu
Dinamarca www.dkpto.dk
Egito www.egypo.gov.eg
Eslovênia www.sipo.mzt.si
Espanha www.oepm.es
Estados Unidos da América www.uspto.gov
Estônia www.epa.ee
Europa (Escritório de Harmonização do Mercado Interno - IHMI)
www.oami.eu.int

28
Federação Russa www.rupto.ru
Filipinas ipophil.gov.ph
Finlândia www.prh.fi
França www.inpi.fr
Geórgia www.sakpatenti.org.ge
Grécia www.gge.gr
Holanda www.bie.minez.nl
Hungria www.hpo.hu
Índia www.patentoffice.nic.in
Indonésia www.dgip.go.id
Irlanda www.patentsoffice.ie
Islândia www.els.stjr.is
Israel www.justice.gov.il
Itália www.european-patent-office.org/it
Japão www.jpo.go.jp
Jordânia www.mit.gov.jo
Lituânia www.vpb.lt
Luxemburgo www.etat.lu/EC
Malásia www.mipc.gov.my
Marrocos www.ompic.org.ma
México www.impi.gob.mx
Mônaco www.european-patent-office.org/patlib/coun
try/monaco
Mongólia www.mongol.net/ipom
Nepal www.ip.np.wipo.net
Noruega www.patentstyret.no
Nova Zelândia www.iponz.govt.nz
Organização Africana da Propriedade Intelectual (OAPI)
www.oapi.wipo.net
ORAPI (Organização Regional Africana da Propriedade Industrial)
www.aripo.wipo.net
Panamá www.mici.gob.pa/comintf.html
Peru www.indecopi.gob.pe
Polônia www.uprp.pl
Portugal www.inpi.pt
Quênia www.kipo.ke.wipo.net
Quirguistão www.kyrgyzpatent.kg
Reino Unido www.patent.gov.uk
República Checa www.upv.cz
República da Coréia www.kipo.go.kr
República da Macedônia www.ippo.gov.mk

A BELEZA EXTERIOR | 29
República da Moldávia www.agepi.md
República do Congo www.anpi.cg.wipo.net
República Dominicana www.seic.gov.do/onapi
República Eslovaca www.indprop.gov.sk
República Popular Democrática do Laos www.stea.la.wipo.net
Romênia www.osim.ro
Sérvia e Montenegro www.yupat.sv.gov.yu
Singapura www.ipos.gov.sg
Suécia www.prv.se
Suíça www.ige.ch
Tadjiquistão www.tjpat.org
Tailândia www.ipthailand.org
Turquia www.turkpatent.gov.tr
Ucrânia www.ukrpatent.org
Uruguai dnpi.gub.uy
Uzbequistão www.patent.uz
Venezuela www.sapi.gov.ve

Anexo 2
Classificação Internacional para os Desenhos e Modelos Industriais
em virtude do Acordo de Locarno
Lista das Classes
1. Alimentação
2. Roupas e artigos de armarinho
3. Artigos para viagem, caixas, guarda-sol e pertences pessoais, não
especificados em outro lugar
4. Escovas e vassouras para limpeza
5. Produtos têxteis, material artificial e natural
6. Mobília
7. Artigos do lar não especificados em outro local
8. Ferramentas e ferragens em geral
9. Embalagens e recipientes para transporte ou a manipulação de
produtos
10. Relógios de parede e de pulso e outros instrumentos de medida,
de verificação e de sinalização
11. Artigos de joalheria
12. Meios de transporte ou de içamento

30
13. Equipamentos para produção, distribuição ou transformação de
eletricidade
14. Aparelhos de gravação, telecomunicação e recuperação de
informações
15. Máquinas não especificadas em outras classes
16. Aparelhos fotográficos, cinematográficos e óticos
17. Instrumentos musicais
18. Máquinas de impressão e de escritório
19. Artigos de papelaria e de escritório, material para artistas e para o
ensino
20. Equipamentos de vendas, propaganda e letreiros
21. Jogos, brinquedos, tendas e material para esporte
22. Armas, artigos pirotécnicos, artigos de caça, pesca e pesticidas
23. Equipamento de distribuição de fluidos, sanitários, aquecimento,
ventilação e ar condicionado, combustível sólido
24. Equipamento médico e de laboratório
25. Construções e elementos de construção
26. Aparelhos de iluminação
27. Tabaco e artigos para fumantes
28. Produtos farmacêuticos e cosméticos, aparelhos e artigos de
toalete
29. Dispositivos e equipamentos contra risco de incêndio para
prevenção de acidentes e resgate
30. Artigos para tratamento e manuseio de animais
31. Máquinas e aparelhos para preparar alimentos ou bebidas não
especificados em outro local
99. Diversos

OBS. 1: Com relação aos acordos internacionais em Propriedade Intelectual


dos quais o Brasil é signatário, é muito importante destacar que a expressão
DESENHO adotada por alguns países de língua portuguesa para a proteção
do design não possui o mesmo significado linguístico, adotando-se a
expressão DESENHO INDUSTRIAL para denominar a proteção de design
em território brasileiro, de acordo com a Lei da Proipriedade Industrial nº
9.279/96.
OBS.2: A revisão e as intervenções que se fizeram necessárias foram
executadas pela Divisão de Desenho Industrial do INPI brasileiro.

A BELEZA EXTERIOR | 31
32
Outros conteúdos e publicações sobre propriedade intelectual, de
interesse empresarial, podem ser encontrados no website www.
wipo.int/sme/en, e ainda uma assinatura eletrônica gratuita de
um informativo mensal elaborado pela Divisão de MPE da OMPI,
disponível em:
www.wipo.int/sme/en/documents/wipo_sme_newsletter.html

A BELEZA EXTERIOR | 33
Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI)
World Intellectual Property Organization (WIPO)
34, chemin des Colombettes
CH-1211 Geneva 20, Switzerland
Telefone: + 41 22 338 9111
Fax: +41 22 733 54 28
E-mail: wipo.mail@wipo.int
Site: www.wipo.int

Para mais informações ou solicitações desta presente publicação:


Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI)
Rua São Bento, 01, Centro
CEP: 20.090-010 | Rio de Janeiro – RJ | Brasil
Telefone: +55 21 3037 3000
Fax: +55 21 3037 3398
Site: www.inpi.gov.br