You are on page 1of 7

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO


CAMPUS DE CARAÚBAS
Prof.: Daniel Freitas Freire Martins
Aluno (a): Jurgen Klinsmann Azevedo Nogueira

Seminário de Introdução ao Curso:


Engenharia de Telecomunicações

Caraúbas, 09 de Abril de 2012.


SUMÁRIO

1- INTRODUÇÃO.....................................................................................1
2- OBJETIVO.............................................................................................2
3- DESENVOLVIMENTO........................................................................3
4- CONCLUSÃO.......................................................................................5
5- BIBLIOGRAFIA...................................................................................6
1- INTRODUÇÃO

É o segmento da engenharia que se ocupa do projeto, da operação e da


manutenção de equipamentos e sistemas de telecomunicações. Esse engenheiro
desenvolve e implanta redes de telecomunicações. Com sólida formação na área elétrica
e eletrônica, ele cria, planeja e constrói aparelhos e equipamentos utilizados nas
telecomunicações e dá manutenção aos sistemas e redes implantados. Cuida de
cabeamentos aéreos e subterrâneos, satélites artificiais, centrais de transmissão,
captação, codificação e retransmissão dos sinais que interligam o planeta. De seu
trabalho depende toda a rede mundial de telefonia, transmissão de dados, redes de
computadores, rádio e televisão. Esse profissional atua em empresas concessionárias de
serviços de telecomunicações, de telefonia fixa e móvel, de cabeamento estruturado e
fibra óptica e de infraestrutura para sistemas de telecomunicações. Também encontra
trabalho na indústria eletroeletrônica, nos órgãos reguladores das atividades de
telecomunicação e nas empresas e laboratórios de pesquisa científica e tecnológica.
2- OBJETIVO

O Seminário de Engenharia de Telecomunicações tem por objetivo esclarecer


aos alunos de Bacharelado em Ciência e Tecnologia seus principais aspectos,
importância, e área de atuação, tendo em vista que ao término do Bacharelado, o curso
possa satisfazer o objetivo profissional do aluno. Se conseguir seguir em frente nessa
escolha o engenheiro de telecomunicações poderá cooperar para que as condições de
vida no planeta sejam suficientes para que várias outras gerações convivam por aqui. Na
verdade, o objetivo maior do seminário é levar o aluno a escolher da melhor forma
possível sua área de atuação e futuro profissional. Um desafio que só pode ser cumprido
com estudo, foco e dedicação.
3- O MERCADO DE TRABALHO

Os graduados não costumam ter dificuldade para encontrar trabalho, e nos


próximos anos esse quadro não deve mudar. "Teremos a Copa do Mundo e as
Olimpíadas acontecendo em cidades brasileiras, o que vai exigir uma infraestrutura de
telecomunicações muito mais abrangente do que temos hoje. Além disso, novos
aplicativos terão de ser desenvolvidos para agregar essa tecnologia", afirma Carlos
Roberto dos Santos, coordenador do curso do Inatel. Empresas de telefonia, como Vivo
e Oi, além de fornecedores de produtos e serviços, como Cisco, Ericsson, Nokia e
Siemens, são alguns dos empregadores desse profissional. Ele é contratado para atuar na
pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, no suporte pré e pós-venda. Outra
opção é atuar na venda. "Esse é um comércio muito específico, que exige um
profissional que entenda não só de equipamentos, mas também da demanda da empresa
para saber qual é a melhor solução a ser apresentada", diz o professor Santos. A Região
Sudeste concentra as melhores oportunidades de trabalho.

Salário inicial: R$ 3.732,00 (6 horas diárias; fonte: Crea-SP).

4- O CURSO

As disciplinas básicas incluem matemática, física, informática, desenho e


química. Na parte específica do currículo, você terá aulas de princípios de comunicação,
eletrônica, eletromagnetismo, processamento de sinais, comunicações ópticas,
fundamentos de telefonia, sistemas operacionais, técnicas digitais, redes de
computadores de alta velocidade, televisão (analógica e digital) e comunicação via
satélite. O estágio é obrigatório, assim como a apresentação de um trabalho de
conclusão de curso. Em algumas escolas, esse curso é oferecido como habilitação de
Engenharia Elétrica.

Duração média: cinco anos.


Outros nomes: Eng. de Comun.; Eng. Elétr. (eletrôn. e telecom.); Eng. Elétr. (telecom.
e comput.); Eng. Elétr. (telecom.).

O que você pode fazer:

Infraestrutura:
Criar, projetar, construir, implantar, operar e gerenciar sistemas e redes de
telecomunicações, inclusive comunicações de dados, como internet.

Internet móvel:
Desenvolver sistemas de transmissão de dados via aparelhos sem fio que dão acesso à
internet.
Projeto:
Planejar sistemas de transmissão de dados digitais por meio de cabos ópticos e satélites.
Serviços:
Gerenciar a implantação, a tarifação, a configuração, a operação e o gerenciamento de
redes de telecomunicações. Além disso, há a possibilidade de estudar e desenvolver
novas tecnologias.
5- CONCLUSÃO

Portanto, tendo em vista todos os aspectos abordados, acredita-se que o


seminário nos trouxe grande crescimento intelectual, e nos levou á análise de um curso
que viabiliza nosso contato direto com a tecnologia, tendo em vista que um Engenheiro
de Telecomunicações trabalha com recursos tecnológicos, visando à cooperação com o
crescimento econômico do país, além de enriquecer a vida profissional do mesmo. Sem
dúvidas sua importância é fundamental para a sociedade. A criatividade e foco dos
nossos engenheiros faz com que tenhamos uma qualidade de vida muito melhor.

6- BIBLIOGRAFIA
http://vestibular.brasilescola.com/guia-de-profissoes/engenharia-telecomunicacoes.htm
Acesso em 07/04/2012

http://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/meio-ambiente-ciencias-agrarias/agronomia-
602861.shtml
Acesso em 07/04/2012