Вы находитесь на странице: 1из 41

HERANÇA CULTURAL

ASPECTOS INTANGÍVEIS

Ser humano é ter uma tradição oral. São as histórias, os contos, a poesia, as
canções, as linguagens que dão sentido à experiência e proporcionam continuidade em
todo o mundo. Devemos encorajá-la ou as vozes do passado podem ser silenciadas e as
futuras gerações podem ser privadas dessa herança cultural. Essas expressões formam a
base e a matriz de dinâmicas sociais culturais valiosas, servindo como elos vitais em
nossas frágeis culturas e intercambiando práticas sociais e culturais através do potencial
que elas oferecem para a transmissão. (Kochoiro Matsuura, então diretor-geral da
UNESCO, 2008)

Introdução

Um dos princípios subjacentes às atividades da UNESCO desde 1949 tem sido a


preservação da diversidade cultural, ao mesmo tempo no âmbito dos padrões
internacionais. Seus textos internacionais da Convenção e da Recomendação foram
elaborados para alcançar a cooperação internacional e incentivar o desenvolvimento,
tanto através da legislação nacional, quanto das políticas culturais. O reconhecimento
internacional formal do “patrimônio intangível” como um elemento a ser preservado é
um dos mais significativos desenvolvimentos recentes do patrimônio cultural
internacional, juntamente com a área relacionada aos direitos culturais, como os direitos
humanos. Identificar seu caráter foi um desafio e exigiu, inter alia, a compreensão do
significado da habilidade do produtor, a transmissão de informações (por exemplo, como
o tapete é tecido à mão) e o contexto social, cultural e intelectual de sua criação. É central
esta definição. Segue-se daí que o contexto humano da produção do patrimônio imaterial
precisa de um produto tangível futuro muito seguro e deve sempre ser considerado na
avaliação das medidas existentes ou protecionistas a importância das expressões culturais
tradicionais.
Este reconhecimento da importância da expressão da ‘tradição cultural’ como um
elemento da herança cultural exigindo salvaguardas internacionais coincidiu com o
enorme impacto da globalização econômica e cultural sobre nossas sociedades e sobre o
próprio patrimônio. Esses efeitos têm sido percebidos na maioria das vezes uma ameaça
à existência e prática da herança cultural intangível (ICH) em suas formas tradicionais,
embora o potencial das novas tecnologias que impulsionaram a globalização cultural para
ajudar na sua preservação e disseminação também foram reconhecidos.

Identificando o Patrimônio Cultural Intangível

Desde a década de 1980, tem havido uma crescente conscientização da


necessidade de empregar uma noção mais ampla e mais "antropológica" de patrimônio
cultural no âmbito internacional e programas relacionados àquela herança. Tão extensa a
noção que engloba os intangíveis (como língua, tradições orais e know-how local)
associado com, e às vezes independente da cultura material. No entanto, na realidade, a
necessidade de garantir a adequada salvaguarda do patrimônio imaterial tem sido uma
questão importante para a grande maioria dos países em todo o mundo e seus cidadãos
muito antes da Convenção de 2003 ser adotada. Para alguns países, as formas orais e
tradicionais de cultura representam não apenas a maior parte de sua herança cultural, mas
também servem como um recurso social e cultural vital. Elas podem, por exemplo, ser a
base da cultura para o fornecimento de serviços médicos alternativos ou servir como um
repositório de conhecimentos agroculturais e outros conhecimentos necessários aos meios
de subsistência.
O problema o patrimônio cultural imaterial, portanto, era predominantemente a
falta de reconhecimento internacional formal dessa realidade e a predominância de um
paradigma de proteção do patrimônio cultural que priorizava as formas monumentais
européias sobre os povos locais e indígenas e que, ao abordar a cultura tradicional,
fizeram disso um ponto de vista fortemente orientado pelo pesquisador. Além disso, como
observou Forrest, o início de um regime normativo pode ser encontrado na própria criação
da UNESCO, mas foi, por muitos anos, ultrapassado pela necessidade aparentemente
mais urgente de abordar os aspectos tangíveis da herança. Contudo, fez parte desses
regimes de proteção da herança "tangível", mais fortemente na Convenção do Patrimônio
Mundial de 1972, mas também no que diz respeito aos objetos de caráter sagrado ou ritual
protegidos pela Convenção da UNESCO de 1970 e até a noção de um "elo verificável"
de países com o patrimônio cultural subaquático protegido pela Convenção de 2001 pode
incluir aspectos intangíveis. Ao mesmo tempo, pode haver uma maneira em que os
aspectos intangíveis do patrimônio vão além dos monumental e elementos materiais
tradicionalmente protegidos pela lei do patrimônio internacional (e nacional). O Deacon
e Beazley deixa claro tanto a conexão íntima entre o patrimônio tangível e a herança
intangível na seguinte declaração:
A herança intangível é provavelmente melhor descrito como um tipo de
significância ou valor, indicando aspectos não-materiais do patrimônio que são
significativos, ao invés de um tipo separado de patrimônio não-material. Exemplos
incluem artes cênicas, histórias, sistemas de conhecimento e tradições orais, assim como
as associações sociais e espirituais, todos os significados e memorias associadas a objetos
e lugares. Todas as formas de patrimônio tangível só pode ganhar significado através da
prática intangível,, o uso e a interpretação: o tangível pode sempre ser interpretado
através do intangível. Valores intangíveis podem, no entanto, existir sem locus material
desse valor.
Aqui, eles deixam claro a importância do intangível para a herança tangível, mas,
essencialmente, a existência independente da segunda. Sua ênfase no significado ou valor
representado pela herança intangível, em vez de seu caráter não material, também é
personagem interessante. Isso ecoa a opinião de muitos povos indígenas de que essa
separação entre aspectos da herança "tangível" e “intangível” é uma distinção artificial e
arbitrária. Como Deacon e Beazley explicam, a distinção entre formas de patrimônio
tangíveis e intangíveis reside na maneira pela qual o significado do patrimônio é definida.
Assim, a prática do patrimônio intangível pode ter resultados ou representações tangíveis
(as cestas tecidas usando técnicas tradicionais, ou poesia de gravações audiovisuais), mas
muitas vezes é a continuação de sua prática e significância de herança dentro de um grupo
que é significativo, em vez de produtos tangíveis específicos. Alguns objetos são menos
importantes do que práticas culturais intangíveis que as produziram. Por exemplo, se as
pessoas que fazem um ritual se vestirem de vermelho, proteger a herança dessa prática
não necessariamente envolve envolver as roupas vermelhas específicas que foram usadas
durante o ritual, mas assegurar a continuação do ritual, incluindo a vermelhidão da roupa
a ser usado no futuro, por exemplo, através do acesso a corantes ou do conhecimento dos
processos de tingimento.
Nas últimas três décadas, a UNESCO tem trabalhado no desenvolvimento
operacional denominada de “patrimônio cultural intangível”, abrangendo os costumes e
crenças sociais, cerimônias e rituais, tradições musicais, teatro, tradições orais,
cosmogonias e know-how. Mais recentemente, uma definição específica foi elaborada
para os fins da Convenção de 2003 para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial,
segundo a qual uma definição geral é considerada e os cinco domínios principais da ICH.
É interessante que a definição fornecida nesta Convenção contém uma lista de elementos
e (embora isto tenha sido considerado na fase intergovernamental de negociação) e
decidiu-se que listar os domínios do ICH seria mais apropriado.
Em parte, a ICH é tão ampla que existe o perigo de limitar a matéria da Convenção
até mesmo por uma lista não exaustiva. No entanto, para os objetivos deste livro e para
esclarecer ainda mais o que queremos dizer com patrimônio cultural intangível, é útil
sugerir alguns exemplos do que pode estar no 'patrimônio cultural intangível'. Por
exemplo, pode incluir: tradições orais, cozinha, vestuário, modos de vida, músicas e
outras performances (mas não a sua fixação, ou seja, gravações) artísticas e outras formas
de know-how, conhecimentos e práticas tradicionais, rituais, práticas sociais e valor.
Outra noção interessante relacionada à ICH (mas não explicitamente mencionada na
Convenção de 2003) é a dos espaços culturais “que eram a clara categoria do programa
de proclamação do Patrimônio Oral e Imaterial da UNESCO precedendo a Convenção de
2003. Estes estão sob a ser físico e / ou espaços temporais onde o ICH é executado para
ser realizado e que são frequentemente essenciais para a continuidade, manutenção e
transmissão desse património. Para mais discussões sobre a definição dada na Convenção
de 2003, por favor veja abaixo.

O contexto mais amplo

A extensão da noção de patrimônio cultural protegido internacionalmente inclui


os “intangíveis” e o processo de elaboração da Convenção de 2003 ocorreu paralelamente
à crescente compreensão da relação entre cultura e desenvolvimento. Por exemplo, a
Comissão de Desenvolvimento e Cultura Mundial observou em seu relatório de 1995 que
a noção de cultura deve ser consideravelmente ampliada para promover o pluralismo e a
coesão social como uma maneira de ser uma base para o desenvolvimento. Assim,
salvaguarda ICH foi uma maneira pela qual a UNESCO poderia cumprir o mandato
estabelecido pela Comissão Mundial em vista do papel dos valores intangíveis inerentes
ao património cultural têm de desempenhar o desenvolvimento.
No entanto, as raízes desse pensamento remotam há pelo menos 20 anos para a
revolução do pensamento de desenvolvimento que ocorreu na década de 1970 em reação
à visão de desenvolvimento puramente econômica de cima para baixo, então favorecida
pelas instituições de Bretton Woods e pela comunidade internacional em geral. De fato,
pode-se dizer que a contribuição que o patrimônio imaterial pode trazer para o
desenvolvimento social e econômico de tais sociedades tem sido um fator importante no
fortalecimento da salvaguarda internacional desse patrimônio. Até a década de 1970, o
desenvolvimento geralmente era concebido como um fenômeno puramente econômico,
com o crescimento do PIB sendo o principal, senão o único, indicador de sucesso; a
cultura era frequentemente vista como uma ruptura no desenvolvimento, particularmente
as 'culturas tradicionais' dos países mais pobres. Durante a década de 1970, a África e a
América Latina experimentaram uma mudança intelectual em direção ao
“desenvolvimento endógeno”, no qual as culturas locais e étnicas começaram a ser mais
valorizadas do que anteriormente no modelo de desenvolvimento e os modos tradicionais
de vida foram enfatizados. A Declaração da Conferência Mundial sobre Cultura e
Politica, adotada em 1982, pela primeira vez em um documento internacional articulou
uma visão da cultura como uma noção ampla que engloba formas de vida, organização
social e valor/crença sistemas, bem como cultura material; também ligou essa importante
identidade cultural. No final da década de 1980 e início e meados da década de 1990,
mais importante novo pensamento ocorreu na teoria do desenvolvimento internacional
com a introdução, por exemplo, das abordagens de desenvolvimento sustentável e
desenvolvimento humano e a publicação do Relatório da Comissão Mundial sobre
Cultura e Desenvolvimento (1995).
Cada vez mais, durante este processo, o valor do local e as culturas indígenas e
sua herança dentro da sociedade em geral e como um recurso para seu desenvolvimento
global foram melhor compreendidas. A adoção da "Declaração do Rio" da Conferência
das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1992 marcou um divisor
de águas neste progresso. Aqui, a noção de sustentabilidade e desenvolvimento primeiro
recebeu endosso internacional versal, com seu “terceiro pilar” entendido por fatores
socioculturais, um papel central dado às abordagens participativas para o
desenvolvimento e reconhecimento formal do valor e importância dos indígenas e
comunidades locais. O Plano de Ação de Estocolmo adotado pela UNESCO em 1998
tirou a ligação entre a necessidade de sustentabilidade do desenvolvimento e herança
cultural, levando adiante as bases feitas dois anos antes pela Comissão Mundial sobre
Cultura e Desenvolvimento. Reconheceu formalmente como seu primeiro princípio de
que o desenvolvimento sustentável e o florescimento da cultura são interdependentes e
seu primeiro objetivo declarado era fazer da política cultural um componente-chave da
estratégia de desenvolvimento, de modo que as políticas culturais se tornem um elemento
importante no desenvolvimento endógeno e sustentável. Seu terceiro objetivo faz com
que políticas e práticas diretas sejam adotadas para salvaguardar e fazer referência à
necessidade de fortalecer o patrimônio cultural. Isso inclui o requisito (at 3) de atualizar
nossa compreensão da herança para incluir todos os elementos naturais e culturais, bem
como os tangíveis e intangíveis, que são herdados ou recém-criados. O texto reconhece
aqui o papel constitutivo o papel constitutivo da herança na formação da identidade dos
grupos sociais e seu compromisso com essa transmissão intergeracional. Este desejo de
integrar a herança cultural ao planejamento do desenvolvimento como um meio de
desenvolvimento sustentável alicerça todo o projeto ICH.
Cada uma dessas abordagens de desenvolvimento também contém fortes aspectos
de direitos humanos, enfatizando, como eles, a importância de desenvolver capacidades
humanas (apoiadas por direitos) e abordar os requisitos para a justiça social. Ao mesmo
tempo em que essas evoluções no pensamento de desenvolvimento estavam ocorrendo e,
em particular, suas dimensões sociais e culturais estavam se tornando mais reconhecidas
pelos direitos culturais - as Cinderelas 'da família dos direitos humanos - começaram a
receber atenção tanto na UNESCO quanto na ECOSOC (Conselho Econômico e social
das nações unidas - onde houve forte participação do Fórum dos Povos Indígenas) onde
o trabalho foi iniciado em 1993 em direção a um projeto de Declaração sobre os direitos
indígenas. O trabalho da UNESCO na área de direitos culturais foi iniciado no último
quartel dos anos 90 e levou à adoção da Declaração Universal sobre Diversidade Cultural
de 2001, que foi um texto fundamental para a futura elaboração da Convenção de 2003.
Outro texto significativo na área de direitos culturais foi a Declaração de Friburgo sobre
os Direitos Culturais, adotada em 2007, mais uma saída do programa da UNESCO,
embora desenvolvida por um grupo baseado no Instituto de Direitos Humanos da
Universidade de Friburgo. Salienta que o respeito à diversidade e aos direitos culturais é
fator crucial na legitimidade e consistência do desenvolvimento sustentável, baseado na
indivisibilidade dos direitos humanos. Essa compreensão da importância do respeito aos
direitos culturais e à diversidade como base para políticas de desenvolvimento
verdadeiramente sustentáveis pode ser construído através da Convenção de 2003 também.
No Comunicado Final, emitido pela Terceira Mesa-Redonda de Ministros da Cultura,
realizada pela UNESCO em Istambul, em setembro de 2002, destacou-se o importante
papel que o patrimônio cultural intangível pode desempenhar na promoção do
desenvolvimento verdadeiramente sustentável:
“Estabelecer as bases do verdadeiro desenvolvimento sustentável requer o
surgimento de uma visão integrada de desenvolvimento baseada na valorização de valores
e práticas envolvidas no patrimônio cultural imaterial. Da mesma forma que a diversidade
cultural que dela decorre, o patrimônio cultural intangível é uma garantia de
desenvolvimento sustentável e de paz”.
Uma das maneiras pelas quais os governos podem garantir que suas políticas de
desenvolvimento sejam sustentáveis e cumpram os objetivos da Declaração do Rio (1992)
é proteger o patrimônio cultural intangível e empregar os elementos das práticas
tradicionais e inovações que contribuem para a sustentabilidade.

Conhecimento, expressões culturais tradicionais, conhecimento tradicional e


patrimônio indígena

Outras questões contextuais importantes e intimamente interligadas se relacionam


com o uso potencial de regras de propriedade intelectual para a proteção das expressões
e conhecimentos culturais tradicionais e a relação entre o patrimônio indígena e ICH.
Com relação à primeira, a UNESCO e a WIPO (no Brasil a OMPI – Organização Mundial
de Propriedade Intelectual) vinham trabalhando desde os anos 1970 para desenvolver
uma abordagem conjunta para proteger as culturas tradicionais e suas expressões através
de leis sui generis relacionadas à propriedade intelectual em meados da década de 1980,
houve uma divergência pela qual a UNESCO começou a explorar abordagem cultural que
foi além do IP. WIPO (no Brasil a OMPI – Organização Mundial de Propriedade
Intelectual) trabalhou desde 2000 sobre expressões culturais tradicionais e folclore pode
ser visto como a continuação deste esforço: o Comitê Intergovernamental tem consultado
os Estados Membros dos Estados da WIPO (no Brasil a OMPI – Organização Mundial
de Propriedade Intelectual) há quase 15 anos sobre o desenvolvimento de um instrumento
internacional de definição de padrões para proteger os direitos das comunidades locais e
indígenas sobre, entre outras coisas, suas práticas culturais tradicionais, expressões e
conhecimento, que compreendem principalmente a patrimônio cultural imaterial como
definida pela Convenção de 2003. É possível que tal instrumento de definição de padrões
seja elaborado em um futuro não tão distante. Embora essa questão de estender a proteção
à propriedade intelectual às expressões culturais tradicionais e ao conhecimento
tradicional (TK) seja abordada em detalhes no Capítulo 8, é importante observar aqui que
ficou cada vez mais claro no funcionamento da Convenção de 2003 que se trata de uma
questão de grande importância para muitas partes, algumas das quais concentram grande
parte de suas atividades de salvaguarda em abordagens de IP para proteger TK. No
entanto, há um grau de inconsistência de abordagem e ainda não é totalmente
compreendido pelos Estados Partes se e / ou como a Convenção aborda a questão dos
direitos de PI. Por exemplo, algumas partes assumem erroneamente que a inscrição de
um elemento na lista representativa da herança ou a lista de herança intangível na
necessidade de proteção urgente (USL) automaticamente fornece proteção sob as regras
internacionais de PI. Isto precisa receber maior atenção do Comitê do ICH estabelecido
pela Convenção (ver abaixo e foi recomendado em uma recente avaliação interna da
Convenção de 2003 que os especialistas da UNESCO trabalham mais estreitamente com
a WIPO no processo de desenvolvimento do novo padrão de PI instrumento de
composição para que os regimes da Convenção de 2003 e do futuro tratado da WIPO
sejam compatíveis entre si.
Tanto o conhecimento tradicional quanto o patrimônio indígena são aspectos da
herança cultural imaterial, uma vez que são transmitidos oralmente e não possuem
expressão física como tal. Eles se sobrepõem em alto grau, embora nem todo
conhecimento tradicional seja indígenas e, significativamente para o regime de
Convenção de 2003, os povos indígenas também são repositórios de grande parte da
diversidade cultural da palavra. Por estas razões, foi muito importante para a UNESCO
identificar: a) o caráter tanto do conhecimento tradicional quanto do patrimônio indígena;
(b) sua relação mais ampla de patrimônio cultural imaterial; c) como eles já estão sujeitos
à regulamentação e proteção internacional. Parte do desafio, portanto, tem sido
estabelecer as relações mais completas que existem entre esses elementos e as maneiras
pelas quais eles se inter-relacionam. Daes define patrimônio cultural indígena de tal forma
que ela deixa claro o amplo escopo do conceito que também sinaliza a gama de
instrumentos interacionais que são relevantes para sua proteção, desde a Convenção sobre
Patrimônio Mundial da UNESCO de 1992 até a Convenção das Nações Unidas sobre
Diversidade Biológica. Diversos outros instrumentos internacionais têm relevância direta
para a proteção do patrimônio cultural indígena. Estas incluem a Convenção nº 169 da
OIT sobre povos indígenas e tribais (1989) e a Declaração das Nações Unidas sobre os
Direitos dos Povos Indígenas (2007). As grandes dificuldades associadas à negociação
desses dois instrumentos sugerem que lidar com a herança indígena como uma categoria
discreta de ICH dentro da nova Convenção teria levantado dificuldades semelhantes à da
UNESCO: levou 14 anos, de um rascunho inicial em 1993 até 2007, para a supracitada
Declaração da ONU a ser adotada. Por essa razão, foi geralmente aceito pelos delegados
na reunião intergovernamental para negociar a Convenção de 2003 que seria mais fácil
abordar a proteção do patrimônio cultural indígena como um elemento extremamente
significativo dentro da noção mais ampla da ICH nela mesma. No entanto, esta foi e
continua a ser uma decisão controversa, com alguns Estados-Membros (como Vanuatu)
discordando, e foi considerado por alguns comentadores como ainda outro exemplo da
comunidade internacional que não cumpriu as suas promessas de povos indígenas.

Atividades normativas e operacionais da UNESCO de 1970 a 1999

A UNESCO tem se envolvido em ambas as atividades normativas e operacionais


em relação ao Património Imaterial cultural desde os 1970s, tanto de forma independente
e em conjunção com a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (WIPO). No
entanto, a maioria das atividades da UNESCO no campo do patrimônio cultural se
concentrou nos elementos tangíveis desta herança por todas as convenções adotadas pela
UNESCO antes de 2003. Curiosamente, havia sido proposto que o patrimônio cultural
imaterial fosse incluído no marco da Convenção de 1972 da UNESCO na época. do seu
desenvolvimento, mas essa ideia foi abandonada antes de chegar à versão final do texto.
Como resultado, o Patrimônio Imaterial cultural permaneceu por um longo tempo, à
margem de atividades normativas da UNESCO embora, por sua própria natureza, tem
sido implicitamente, e indirectamente relevantes à aplicação da Convenção de 1972. A
UNESCO tem estado envolvida com a WIPO desde os anos 1950 para a proteção dos
direitos autorais e suas atividades conjuntas levaram, em 1976, à adoção da Lei Modelo
da Tunísia, estendendo a proteção dos direitos autorais ao folclore. As duas organizações
continuaram a cooperar neste campo, levando à adoção em 1982 das Disposições Modelo
da UNESCO / WIPO dando aos Estados uma lei modelo para a aplicação de regras de
propriedade intelectual à proteção das expressões do folclore. A UNESCO e a WIPO
levaram este trabalho adiante no início dos anos 80, elaborando um projeto sobre o
assunto, mas nunca foi formalmente adotado por nenhuma das organizações.
Ao mesmo tempo em que este trabalho se refere à proteção dos direitos de
propriedade intelectual do folclore, a UNESCO também examinou a proteção do folclore
de uma perspectiva cultural mais ampla. Isso levou à adoção em 1989 da Recomendação
de Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore.
A recomendação sobre a salvaguarda da cultura tradicional e do folclore continuou a ser
o único instrumento internacional que protegeu a perspectiva cultural intangível desde a
perspectiva cultural até à adoção da Convenção do ICH em 2003. A recomendação
encoraja a cooperação internacional para salvaguardar a cultura tradicional e o folclore e
estabelece medidas a serem tomadas sobre a disseminação, o nível nacional para a
identificação, conservação, preservação e proteção da ICH. A última ação listada é a única
referência à proteção baseada em IP sinalizando que uma abordagem interdisciplinar mais
ampla e mais holística está sendo tomada neste texto do que uma abordagem puramente
baseada em IP. Também pode ser entendido que a menção de “proteção” como uma das
medidas que constituem “salvaguarda”, conforme definido pela Convenção de 2003, é
uma referência indireta às abordagens de proteção à IP. A adoção da Recomendação da
UNESCO sobre a Salvaguarda da Cultura Tradicional e do Folclore, em 1989, foi um
grande passo no sentido de fornecer o reconhecimento formal do patrimônio intangível e
o de salvaguardá-lo, representando a culminação de muitos anos de trabalho. Declarou
também um desenvolvimento conceitual significativo, em que foi a primeira vez que os
aspectos não materiais do patrimônio cultural foram explicitamente a assunção de um
instrumento internacional. Até a adoção da Convenção Internacional sobre a Proteção do
Patrimônio Cultural Imaterial (2003), a Recomendação de 1989 permaneceu como o
único instrumento da UNESCO que lida diretamente com esse aspecto do patrimônio
cultural. No entanto, a recomendação foi posteriormente criticada por sofrer de várias
deficiências. A principal delas era um viés muito pesado em relação aos interesses de
pesquisadores e especialistas sobre os próprios detentores de tradições e a escolha da
terminologia do folclore para o assunto que era vista por muitas comunidades culturais
como humilhante. Além disso, a aplicação desta Recomendação pelos Estados-Membros,
em todos os casos, tem sido decepcionante, tendo em conta, provavelmente, o seu carácter
não vinculativo e a falta de incentivos para os Estados implementarem as suas
disposições.
Durante 1998-9, a UNESCO convocou oito seminários regionais que
culminaram em uma conferência internacional realizada em Washington em junho de
1999 para reavaliar a implementação da Recomendação de 1989 após dez anos de
operação. Isto foi considerado necessário em vista dos grandes desenvolvimentos
geopolíticos ocorridos durante aquela década, particularmente os impactos econômicos e
culturais da globalização. Nesta conferência, a importância da Recomendação de 1989
foi reconhecida, embora também tenham sido identificadas deficiências em sua definição,
alcance e abordagens gerais de salvaguarda. A conferência de Washington recomendou
que a UNESCO estudasse a viabilidade de adotar um novo instrumento normativo para
salvaguardar a cultura tradicional e o folclore. A conferência concluiu que qualquer
instrumento novo (ou revisado) precisaria abordar o escopo de tal instrumento, a definição
a ser usada e várias questões terminológicas. Havia um forte sentimento de que "folclore"
era um termo infeliz e que era artístico, foi necessária uma definição mais abrangente,
englobando não apenas produtos artísticos, mas também o conhecimento e os valores que
possibilitam sua produção. A adoção da Convenção de 2003 marca o culminar de um
reconhecimento gradual do património em seu direito. Este reconhecimento é em grande
parte baseada em uma maior compreensão do seu papel como uma mola principal da
diversidade cultural e como um desenvolvimento sustentável. Um novo impulso para este
trabalho norma tem sido a grande aceleração na perda do patrimônio cultural imaterial
como resultado dos efeitos combinados da globalização e aculturação entre outras
ameaças à sua existência continuada.

Atividade operacional

No lado operacional, a UNESCO lançou o programa Living Human Treasures em


1993. No âmbito deste programa, os Estados Membros foram convidados a apresentar à
UNESCO lista de Tesouros Humanos Vivo em seu país, ou seja, pessoas que eram
repositórios de ICH importantes e que o transmitiram para futuras gerações. Estas seriam
então inscritas em uma Lista Mundial. O principal objetivo deste programa era dar
reconhecimento aos indivíduos que são as exposições vivas da cultura tradicional e,
portanto, repositórios vivos do ICH. Um critério importante na identificação desses
indivíduos foi sua capacidade de transmitir suas habilidades, técnicas e conhecimentos
aos aprendizes e, assim, garantir a transmissão de sua ICH para as gerações futuras. Ao
enfocar os portadores do conhecimento cultural tradicional, esse programa reconheceu
que a existência do ICH em questão depende, entre outras coisas, do bem-estar econômico
e social dos detentores da tradição e de seu modo de vida. Assim, as habilidades e o know-
how dos praticantes da ICH foram pela primeira vez reconhecidos internacionalmente -
um elemento importante, como veremos, na abordagem adotada pela Convenção de 2003.
Outro programa intitulado Obras-primas do patrimônio oral e imaterial da Humanidade
foi lançada em 1997 com o objetivo de aumentar a importância da conscientização do
ICH entre os Estados-Membros e as pessoas em geral. Tais 'peças de mestre' deveriam
ser identificadas nos seguintes critérios:
Espaços ou formas de expressão cultural de valor destacado na medida em que
representam uma forte concentração do patrimônio cultural imaterial ou à expressão
cultural popular e tradicional de destaque valor de uma visão (ponto de vista) histórica,
artística, etnológica, antropológica, linguística ou literária.
Um 'espaço cultural' é um lugar que reúne uma concentração de atividades culturais tanto
populares quanto tradicionais, representando ao mesmo tempo em que é o local onde o
evento cultural é regularmente ocorre (sazonalmente, anualmente, de acordo com o
movimento do sol ou da lua). Este espaço cultural - em suas dimensões físicas e temporais
- deve sua existência às expressões culturais e às manifestações que tradicionalmente
acontecem ao longo do tempo. Igualmente, e numa relação mutua, tais espaços culturais
desempenham um papel central na contínua promulgação, criação, manutenção e
transmissão de oral e patrimônio cultural intangível.
No final de 2001, o Júri de Proclamação estabeleceu critérios de seleção
detalhados para a proclamação das Obras Primas da Humanidade do Patrimônio Oral e
Intangível. Os exemplos das "obras-primas" inscritas pela UNESCO incluem: Jmaa el-
Fnaa Square em Marrakesh (Marrocos), onde contadores de histórias, músicos,
dançarinos, cobra-encantadores, vidro e fogo-comedores, performance com animais de
estimação, etc se reúnem e executam; Boysun Cultural Space no Uzbequistão, onde vários
rituais tradicionais ocorrem; o Carnaval de Oruru, na Bolívia, no qual a dança indígena
pré-colombiana é realizada na procissão; teatros de fantoches tradicionais da Sicília
(Itália) e Japão e suas habilidades de artes associadas; e canto védico da Índia. Isto,
portanto, serviu como uma indicação útil do tipo de ICH que diferentes Estados Membros
poderiam inscrever em uma lista internacional (do tipo estabelecido pela Convenção de
ICH). Desta forma, a importância do Programa de Obras-Primas como um precursor da
Convenção do ICH é clara. Uma pesquisa realizada em países onde as obras-primas foram
proclamadas no âmbito deste programa apóia esta visão. O processo de proclamação
aumentou significativamente a consciência da ideia de 'patrimônio intangível' e reforçou
a apreciação do nível governamental sobre a importância de estabelecer uma proteção
adequada para esse tipo de patrimônio. Por exemplo, levou à elaboração de políticas
nacionais coerentes para o desenvolvimento de programas administrativos e legislativos
necessários para salvaguardar a ICH.

Desenvolvendo uma convenção para Salvaguarda da ICH

O tipo de instrumento a ser desenvolvido

Quando a UNESCO inicialmente começou a considerar seriamente a


possibilidade de desenvolver um novo instrumento de estabelecimento de padrões no
campo da ICH, não foi de modo algum claro em relação à forma esse instrumento, ou
mesmo que abordagem jurídica, este instrumento deveria tomar (por exemplo, baseada
em IP ou cultural) seria mais apropriado. Por exemplo, a Declaração de Istambul (2002)
que deu apoio qualificado ao desenvolvimento de uma Convenção Internacional
demonstrou algumas reservas sentidas pelos Ministros em relação à definição de ICH a
ser usado para uma Convenção e, por implicação, do escopo de tal instrumento. Também
houve preocupação com a necessidade de evitar a duplicação do trabalho já realizado em
outras organizações internacionais, bem como direitos e obrigações existentes sob outros
tratados internacionais. Outro parágrafo da Declaração de Istambul sugere que qualquer
futuro instrumento deve adotar uma abordagem que reflita o “elo dinâmico entre o
patrimônio tangível e intangível e sua estreita interação”. Houve, no entanto, um
reconhecimento geral de que os instrumentos existentes de patrimônio cultural e
propriedade intelectual eram inadequados para a tarefa de proteger a ICH e que um novo
instrumento de padronização da UNESCO representaria um passo importante para
preencher essa lacuna na proteção.
Também se considera que isso poderia fornecer os meios para o desenvolvimento
de padrões de proteção internacionalmente acordados, bem como a dinâmica necessária
para a cooperação internacional nessa importante área. Além disso, poderia contribuir
para o desenvolvimento de medidas nacionais de salvaguarda e aumentar o nível local,
nacional e internacional e conscientização sobre a importância desse patrimônio.
Várias opções sobre o tipo de instrumento que a UNESCO poderia desenvolver
para proteger o ICH foram examinadas durante a fase de condução de um estudo
preliminar sobre a questão. Inicialmente, as possibilidades de (a) elaborar um Protocolo
Adicional à Convenção de 1972 ou (b) a revisão do texto de 1972 foi considerada e
desconsiderada por esse estudo, uma vez que se revelaria tão difícil de conceber como
uma nova Convenção e menos útil. O desenvolvimento de uma nova Recomendação para
“ligar as lacunas” da Recomendação de 1989 só poderia ter sido seriamente considerada
se se considerasse que não deveria ser desenvolvida uma nova Convenção. A experiência
da Recomendação de 1989 sugere que este é um meio ineficaz de criar uma prática do
Estado em comparação com uma Convenção que impõe obrigações vinculativas às Partes.
Três opções restantes sobre a natureza da Convenção a ser desenvolvida e o tipo de
obrigações que deveria impor aos Estados Partes eram então examinados.
A primeira opção envolveria a elaboração de uma Convenção baseada em
abordagens sui generis de proteção inspiradas nas regras de propriedade intelectual e
abordando as necessidades específicas do patrimônio imaterial. No entanto, considerou-
se improvável que esse tipo de Convenção fosse suficiente para as necessidades da ICH
e dos seus titulares, uma vez que as abordagens de propriedade intelectual (e, portanto,
um sistema sui generis desenvolvido a partir das regras de PI) são muito limitadas em
seus objetivos e geralmente inadequadas a esse patrimônio. Além disso, tal Convenção
teria, com toda a probabilidade, os Estados-Membros que se opõem a qualquer adaptação
do sistema tradicional de propriedade intelectual, tornando a negociação extremamente
longa e difícil. Além disso, a WIPO foi considerada como o órgão intergovernamental
apropriado para lidar com tais questões, devido ao seu mandato relacionado com IP.
Uma segunda possibilidade seria uma Convenção que empregasse uma mistura de
abordagens do patrimônio cultural geral à proteção, com o acréscimo de algumas medidas
sui generis, onde foram identificadas lacunas específicas na proteção. Tal abordagem teria
como objetivo fornecer uma ampla proteção da ICH Seria, portanto, um problema
complexo em termos de identificar e definir o tema da proteção, o âmbito de aplicação e
a natureza das obrigações a serem impostas às Partes. Também exigiria a identificação de
uma abordagem totalmente nova e inexperiente para salvaguardar e desenvolver novos
mecanismos e sistemas de proteção e controle. Além disso, quaisquer abordagens sui
generis incluídas apresentariam dificuldades semelhantes e, portanto, precisariam ser
escolhidas com cuidado para evitar criar uma forte oposição ao texto como um todo.
A terceira escolha de instrumento foi para uma convenção baseada amplamente
nos princípios e mecanismos da Convenção de 1972 e adaptada às necessidades do
patrimônio cultural intangível e das comunidades que o criam e mantêm. Dos três
modelos possíveis para o texto da nova Convenção aqui apresentados, uma convenção
vagamente baseada na Convenção de 1972 foi considerada a mais útil e a mais provável
de ser aceita pelos Estados Membros. Além disso, elaborar uma Convenção que adotasse
uma abordagem diferente da Convenção de 1972 teria envolvido a exploração de uma
nova maneira de proteger a ICH, novos mecanismos de intervenção e novos sistemas de
proteção e controle. Isso teria sido extremamente caro em termos de tempo e recursos,
sem qualquer garantia de sucesso no final do mesmo. Além disso, é uma prática não usuall
de usar um tratado pré-existente sobre um assunto relacionado, com o modelo no qual vai
se basear para elaborar uma nova Convenção.
Tanto a Junta Executiva quanto a Conferência Geral concordaram que, dada a
similaridade das abordagens processuais necessárias para regular as duas áreas de
patrimônio, o modelo da Convenção de 1972 deve ser seguido. As atrações identificadas
no modelo da Convenção de 1972 podem ser resumidas da seguinte forma. Primeiro,
provou ser uma das convenções mais bem sucedidas da UNESCO no campo do
patrimônio cultural, com 191 partidos e 1007 propriedades de patrimônio mundial (das
quais 779 são propriedades culturais) localizadas em 161 Estados em todo o mundo e sem
dúvida aumentou a consciência popular e do governo da UNESCO a importância desse
patrimônio. Em segundo lugar, o dever imposto às partes de assegurar a proteção
nacional do patrimônio cultural e natural também é importante para a ICH, uma vez que
muitas vezes carece de medidas nacionais suficientes para a salvaguarda. Terceiro, um
princípio importante na Convenção de 1972 diz respeito ao estabelecimento de um
sistema de cooperação e assistência internacional para apoiar as partes interessadas
(estados partes) em seus esforços para conservar e identificar o patrimônio protegido. Em
quarto lugar, as medidas financeiras através do Fundo do Património Mundial são
consideradas por muitos como a chave para o sucesso da Convenção de 1972 e, por
analogia, para o futuro sucesso da nova Convenção da ICH. Poderia ser usado, por
exemplo, para ajudar na identificação do ICH e para construir a capacidade das
comunidades locais para salvaguardar o seu ICH. Quinto, a existência de um Secretariado
permanente dedicado a supervisionar esta Convenção, embora não esteja estipulado no
próprio texto. Este é um desenvolvimento adicional que proporcionaria um perfil maior
ao funcionamento da Convenção. Finalmente, o estabelecimento de um Comitê
Intergovernamental para a Convenção foi uma grande inovação da Convenção de 1972
que a Convenção do ICH também seguiu (embora com alguma adaptação).
As vantagens substanciais do modelo de 1972 significaram que ele foi seguido
para preparar o Estudo Preliminar do Projeto de Convenção, embora com adaptações
importantes para atender às necessidades da ICH. Alguns dos principais aspectos em que
o novo instrumento precisava ser claramente distinguido da Convenção de 1972 eram: a
definição e a terminologia usada tinham que ser específicas para a ICH como seria seu
campo de aplicação; os critérios de salvaguarda também precisariam refletir o caráter
especial e as necessidades do ICH; e a noção de universalidade teria que ser removida ou
repensada em termos de ICH. O compromisso de envolver as comunidades, grupos e
indivíduos diretamente preocupados com a criação, manutenção e transmissão do ICH
também foram uma inovação nessa área.
A escolha do modelo de 1972 não foi sem controvérsia, no entanto, Muitos
delegados à reunião intergovernamental para negociar o esboço da Convenção ICH
estavam preocupados que estabelecer uma lista internacional de ICH poderia levar à
criação de uma hierarquia de ICH ou à 'fossilização' deste patrimônio. Apesar desses
receios, as vantagens em termos de conscientização local, nacional e internacional desse
patrimônio (e de evitar algumas das dificuldades mais intratáveis em relação ao escopo
da Convenção) foram vistas como responsáveis por essas outras preocupações. Outro
problema potencial associado à Convenção de 1972 é a possibilidade de sobreposição
entre as duas convenções. Quando a Convenção de 1972 estava sendo considerada
originalmente, acreditava-se que a ICH deveria ser incluída dentro de seu escopo
(juntamente com o patrimônio cultural e natural); no entanto, essa ideia foi descartada
antes da versão final do texto. Em outras palavras, a conexão íntima entre esses três
aspectos do patrimônio foi reconhecida na época. Este fato tornou-se mais claro ao longo
dos últimos 30 anos com várias revisões das Diretrizes operacionais que acompanham o
texto da convenção de 1972 e incluem os critérios para a inscrição de propriedades
culturais e naturais na Lista do Patrimônio Mundial.
a miríade de possibilidades de sobreposição entre as duas convenções é bem ilustrada
pelo exemplo dos terraços de arroz das cordilheiras das Filipinas: os próprios terraços
foram inscritos na lista do patrimônio mundial em 1995 e Hudhud cantos do Ifugão - as
mulheres plantam o arroz - foram reconhecidas separadamente como obras-primas do
Patrimônio Imaterial do Mundo em 2001.Desta forma, tanto no tangível, quanto no
intangível, os valores dos terraços de arroz foram identificados e reconhecidos pela
UNESCO, mas em convenções separadas.
Uma vez escolhido o tipo de instrumento, um dos aspectos mais desafiadores
deste trabalho provou ser a elaboração de uma definição de ICH suficientemente inclusiva
e viável. Para isso, era necessário identificar as áreas prioritárias para salvaguardar e
tentar eliminar potenciais conflitos de interesses. O trabalho de outras organizações
intergovernamentais relacionadas com a ICH, em especial o conhecimento tradicional
(muitas vezes local e indígena) também teve para ser levado em conta e possíveis
sobreposições evitadas. Por exemplo, a WIPO tem sido ativa em relação ao conhecimento
tradicional, recursos genéticos e folclore desde os anos 80. O Programa das Nações
Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) tem trabalhado na preservação dos
conhecimentos, práticas e inovações de povos locais e indígenas no âmbito do Artigo 8
(j) de 1992 e da Convenção sobre Diversidade Biológica e as questões relacionadas a
acesso e repartição equitativa de benefícios e, em 2001, a Organização para a Alimentação
e Agricultura (FAO) adotou um tratado que reconhece explicitamente o papel dos
agricultores locais e indígenas e seus conhecimentos tradicionais na preservação e
desenvolvimento de tais recursos. Outro tratado internacional relevante é o Acordo sobre
Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (TRIPS) da
Rodada Uruguai de 1994 do Acordo do GATT da Organização Mundial do Comércio
(OMC) que visa harmonizar os direitos de propriedade intelectual aplicáveis ao comércio.
Embora não estando diretamente preocupado com a ICH, certos aspectos do TRIPS
podem ser vistos como potencialmente favoráveis à proteção do conhecimento
tradicional. Portanto, há tanto o trabalho operacional de outras organizações
intergovernamentais quanto os direitos e obrigações existentes a partir de tratados
internacionais que precisava ser levado em conta. A fim de evitar sobreposições
prejudiciais com outros órgãos intergovernamentais e, em particular, com outros textos
do tratado, foi, portanto, extremamente importante que o (s) domínio (s) em que a
UNESCO procurou regulamentar esta questão fosse muito claro e, portanto, o objetivo
pretendido no âmbito do instrumento proposto. Como resultado, foi decidido seguir uma
abordagem cultural de proteção e deixar o desenvolvimento da proteção de IP para
expressões culturais tradicionais para a WIPO.
Processo de elaboração da Convenção de 2003

A decisão de prosseguir com o trabalho de elaboração de um instrumento


internacional de fixação de padrões para a salvaguarda foi conferido pela conferência
geral da unesco em sua 30ª sessão em 2001. um grupo restrito de redação (rdg) se reuniu
duas vezes em 2002 para preparar um anteprojeto convenção para salvaguardar ich. Outra
reunião de especialistas destinada a esclarecer a terminologia relacionada ao texto da
convenção futura também foi realizada neste momento, sinalizando que a tarefa de
regulamentar internacionalmente era muito desafiadora, devido à falta de procedimentos
úteis.
Uma vez que um anteprojeto de texto da convenção estivesse pronto, a etapa
intergovernamental de negociação da convenção foi iniciada no final de 2002 e
continuada até junho de 2003.
As principais linhas de discussão durante as sessões intergovernamentais
centraram-se em abordagens gerais e princípios de salvaguarda e mecanismos de
salvaguarda. algumas questões importantes que foram debatidas em relação a essas
questões foram: a importância de definir claramente o termo “salvaguardar” e distingui-
lo da “proteção”; a necessidade de aumentar a conscientização (visibilidade) do ich em
todos os níveis; a importância da noção de revitalização do ich (em oposição à repetição
de tradições já mortas; o caráter transfronteiriço de muitas coisas; a complexa relação
entre elementos tangíveis e intangíveis do patrimônio cultural; e a importância do respeito
aos direitos humanos neste domínio); Os inventários nacionais eram considerados
fundamentais para o processo de salvaguarda, assim como um sistema efetivo de
cooperação e assistência internacional para apoiar os países com menos recursos a
cumprir suas obrigações sob a convenção, questões controversas incluindo se fazer
referência explícita aos povos indígenas ou apenas considerar sua herança cultural como
abrangendo a questão mais ampla de ich e se incluir uma referência explícita às línguas
na convenção, embora a maioria das delegações sentisse que o estabelecimento de um
mecanismo de listagem internacional era necessário, havia reservas sobre a necessidade
de evitar a fossilização. ich e o problema de quem deve se identificar para inclusão nessas
listas, apenas estados partes ou outros atores também.

Convenção de 2003 para salvaguardar o patrimônio cultural imaterial.


A convenção de 2003 sobre a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial foi
adotada pela conferência geral da unesco em 17 de outubro de 2003 e entrou em vigor em
20 de abril de 2006. uma vez que havia 50 partes na convenção, o número de estados
membros do patrimônio cultural imaterial O comitê (estabelecido sob o artigo 5) que
supervisiona a implementação da convenção subiu de 18 para 24. agora há 161 partes na
convenção, bem distribuídas entre os seis agrupamentos regionais da unesco. este é um
número muito alto que foi obtido dentro de sete anos após a adoção do tratado e demonstra
a aceitação da comunidade internacional de seus objetivos.

Uma breve descrição do texto do tratado

Como já foi observado, o modelo geral para essa convenção foi a convenção do
patrimônio mundial de 1972 e, portanto, as instituições e mecanismos básicos são
semelhantes àquela convenção. no entanto, eles foram adaptados às necessidades e ao
caráter muito diferentes do ich e, portanto, apresentam algumas variações significativas
desse modelo. a estrutura do texto da convenção é a seguinte. a parte 1 expõe os propósitos
da convenção, as definições de termos (em particular, patrimônio cultural imaterial e
salvaguarda) e sua relação com outros instrumentos internacionais (artigos 1 a 3). a parte
2 (artigos 4 a 10) trata dos órgãos da convenção, a saber, uma assembléia geral dos
Estados Partes como seu órgão soberano e um comitê intergovernamental para a
salvaguarda do patrimônio cultural imaterial para assegurar a implementação geral da
convenção. a parte 3 (artigos 11 a 15) é dedicada a medidas a serem tomadas a nível
nacional para assegurar a salvaguarda do ich, especialmente daquelas que não estão
inscritos em uma lista.
A parte 4 (artigos 15 a 18) trata de salvaguardar ich em nível internacional e
estabelece duas listas internacionais - a lista representativa do patrimônio cultural
imaterial da humanidade ea lista de patrimônio cultural imaterial que precisa de
salvaguardas urgentes - sobre as quais inscritos segundo critérios a serem desenvolvidos
pelo comitê. As disposições relativas à cooperação e à assistência internacionais são
definidas na parte 5 (artigos 19 a 24), em reconhecimento do fato de que a salvaguarda
de uma questão requer solidariedade internacional que vai além das ações de cada Estado
dentro de suas próprias jurisdições. . um fundo de patrimônio imaterial é estabelecido
para apoiar as partes em suas atividades de salvaguarda e a implementação geral da
convenção e as modalidades do fundo são definidas na parte 6 (artigos 25 a 28). está
previsto um sistema de notificação para a parte 7 (artigos 29 a 30) e a parte 8 (artigo 31)
compreende uma cláusula transitória que permite que as obras proclamadas sejam
incorporadas na lista representativa antes da entrada em vigor da convenção. as cláusulas
finais são apresentadas na parte 9 (artigos 32 a 38).
O preâmbulo, claro, inclui alguns insights sobre a comunidade internacional,
objetivos na redação desta convenção. por exemplo, a importância do aspecto de
salvaguardas dos direitos humanos é esclarecido ao se fazer referência a esses
instrumentos no parágrafo 2. Além disso, há uma ligação no parágrafo 3 entre
salvaguarda, desenvolvimento sustentável e diversidade criativa. o papel especial
desempenhado pelas comunidades indígenas em relação a isso também é observado aqui
(parágrafo 7), embora essa seja a única referência em toda a convenção; infelizmente, o
papel central desempenhado pelas mulheres não é mencionado de forma alguma.
As ameaças mencionadas no parágrafo 5 citam as mais óbvias, como a
deterioração, o desaparecimento e a destruição, mas também outras, como a globalização
e a transformação social. o fenômeno da intolerância que é peculiar a ich. Dado que a
maioria dessas ameaças está relacionada a questões sociais, a ligação direta entre a
salvaguarda e a proteção dos direitos dos guardiões humanos desse patrimônio e seus
modos de vida é clara.
É importante que a justificativa para a cooperação internacional para a
salvaguarda, apresentada no parágrafo 6, seja a vontade universal e a preocupação comum
da comunidade internacional e que seu caráter como patrimônio cultural intangível da
humanidade fique em segundo lugar. isto tem o efeito de mudar a ênfase da noção de um
patrimônio comum da humanidade que domina a convenção do patrimônio mundial rumo
a um interesse universal em sua salvaguarda e em salvaguardar o forte interesse local,
refletido no parágrafo 7.
Os propósitos da convenção dada no artigo 1 são: (a) salvaguardar ich; (b)
assegurar o respeito pelo ich; c) sensibilizar a nível local, nacional e internacional; e (d)
prover cooperação e assistência internacional. Argumentou-se que este último propósito
é supérfluo, uma vez que expressava essencialmente o princípio da cooperação
internacional em que tais sistemas de tratados são comumente baseados. no entanto,
também pode ser dito que serve para sublinhar o lugar central desempenhado pela parte
5 da convenção (sobre cooperação e assistência internacional) que muitos redatores
consideraram essencial para o sucesso geral da convenção, dado que muito se encontra
em países com recursos humanos, financeiros e técnicos limitados para salvaguardá-lo e
isso reflete o dever geral de proteger este patrimônio em todo o mundo.
A questão da elaboração de uma definição de ich para efeitos do presente texto e
da definição do âmbito do instrumento revelou-se um dos aspectos mais difíceis da
negociação da Convenção de 2003. isso porque era uma área muito nova para a
regulamentação internacional e a definição escolhida seria fundamental para a natureza e
o escopo das obrigações a serem colocadas aos estados-partes. de acordo com o artigo 2
(1):
Artigo 2: Definições
Para os fins da presente Convenção,
1. Entende-se por “patrimônio cultural imaterial” as práticas, representações, expressões,
conhecimentos e técnicas - junto com os instrumentos, objetos, artefatos e lugares
culturais que lhes são associados - que as comunidades, os grupos e, em alguns casos, os
indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural. Este patrimônio
cultural imaterial, que se transmite de geração em geração, é constantemente recriado
pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza
e de sua história, gerando um sentimento de identidade e continuidade e contribuindo
assim para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana. Para os
fins da presente Convenção, será levado em conta apenas o patrimônio cultural imaterial
que seja compatível com os instrumentos internacionais de direitos humanos existentes e
com os imperativos de respeito mútuo entre comunidades, grupos e indivíduos, e do
desenvolvimento sustentável.
A ressalva de que "a consideração será dada exclusivamente a esse patrimônio
cultural imaterial que seja compatível com os instrumentos internacionais de direitos
humanos existentes" é digna de nota. essa limitação do que poderia ser incluído na
convenção de 2003 é importante, pois existem várias práticas culturais tradicionais que
claramente contrariam os padrões internacionais de direitos humanos, como o infanticídio
feminino, o estupro ritual, o casamento forçado, as cicatrizes tribais e a mutilação genital
feminina. . no entanto, causou algumas dificuldades para a preparação de critérios para
inscrição de ich nas listas internacionais daquela convenção, uma vez que muito é
específico de gênero e nem sempre é fácil determinar se isso constitui uma discriminação
de um sexo ou de outro. os domínios em que se encontra estão listados no artigo 2 (2)
como:
2. O “patrimônio cultural imaterial”, conforme definido no parágrafo 1 acima, se
manifesta em particular nos seguintes campos:
a) tradições e expressões orais, incluindo o idioma como veículo do patrimônio cultural
imaterial; b) expressões artísticas; c) práticas sociais, rituais e atos festivos; d)
conhecimentos e práticas relacionados à natureza e ao universo; e) técnicas artesanais
tradicionais
A partir dessa lista (não exaustiva), é óbvio o quanto um espectro amplo é
abrangido pelos domínios do ich e quão desajeitado, e potencialmente limitante, seria
incluir uma lista de exemplos de ich. Vale a pena mencionar aqui dois pontos interessantes
sobre esses domínios do ich. em primeiro lugar, a alínea (a) refere-se às “tradições e
expressões orais, incluindo a linguagem como veículo do património cultural imaterial,
mas evita a referência directa à linguagem per se como um domínio de ich. assim, é
possível inscrever-se na lista internacional (representativa) estabelecida pelos itens da
convenção de 2003, nos quais a linguagem é um elemento central e principal.
Por exemplo, alguns pedidos de assistência internacional nos termos do artigo 19
da convenção tiveram um forte componente lingüístico e fornecem uma visão interessante
de como essa convenção pode ser usada com a finalidade de proteger línguas ameaçadas.
A proposta brasileira, por exemplo, tinha um foco direto no ich a ser transmitido, ou seja,
os mitos e jogos tradicionais de três povos indígenas da Amazônia. isto é visto como
caindo diretamente dentro de uma estratégia geral de preservação e revitalização da
linguagem. portanto, embora a convenção evite incluir línguas per se como sujeitos de
proteção, em vista da extrema sensibilidade das questões que envolvem as línguas
minoritárias e os direitos lingüísticos, ela pode ajudar indiretamente em sua salvaguarda.
Um outro domínio potencial de ich seria obviamente a religião e a espiritualidade,
mas isso, mais uma vez, foi rejeitado pelos Estados membros como um assunto sensível
demais. como resultado, a religião estabelecida não tem nenhuma menção aqui, mas
algumas crenças espirituais sobre a natureza (como as crenças xamanísticas) poderiam
ser incluídas na parte (c).
O parágrafo 3 do artigo 2 define “salvaguarda” para os fins da convenção da
seguinte forma:
3. Entende-se por “salvaguarda” as medidas que visam garantir a viabilidade do
patrimônio cultural imaterial, tais como a identificação, a documentação, a investigação,
a preservação, a proteção, a promoção, a valorização, a transmissão – essencialmente por
meio da educação formal e não-formal - e revitalização deste patrimônio em seus diversos
aspectos.
Incluir uma definição de tal termo é uma abordagem interessante (e uma nova para
instrumentos de patrimônio cultural) que sinaliza a importância central dessa noção de
salvaguarda para toda a convenção. Ao fornecer uma definição clara do termo aqui, ele
permite uma redação muito mais simples de artigos posteriores que tratam de atividades,
políticas e programas nacionais e internacionais de salvaguarda. A salvaguarda é vista
aqui como uma noção abrangente de que não apenas inclui ações clássicas de "proteção"
- como identificação e inventariamento - mas também inclui o fornecimento de condições
para que possa continuar a ser criada, mantida e transmitida. isso, por sua vez, implica a
capacidade continuada das próprias comunidades culturais de fazer isso, ou seja, é a
comunidade como o contexto vital para a existência de ich que é colocado no centro dessa
convenção, e não o próprio patrimônio. Dessa forma, a salvaguarda do ich é uma
abordagem mais dependente do contexto, que leva em conta os contextos humanos,
sociais e culturais mais amplos em que a promulgação ocorre. as medidas (a serem
tomadas pelos governos) para conseguir isso incluem assegurar que os direitos
econômicos, sociais e culturais das comunidades (grupos e indivíduos) que lhes permitem
criar, manter e transmitir ich.
Uma das questões mais delicadas que os redatores deste tratado enfrentaram foi
identificar como se relacionaria com outros tratados internacionais que lidam com
aspectos desse patrimônio, em particular aqueles no domínio da propriedade intelectual.
a convenção tenta resolver o perigo de uma sobreposição, deixando claro que nada nesta
convenção deve alterar o status ou diminuir o nível de proteção da convenção de 1972.
não deve afetar os direitos e obrigações das partes que sobrevivem de qualquer
instrumento do qual sejam partes no campo dos direitos de propriedade intelectual ou do
uso de recursos biológicos e ecológicos. a relação da convenção de 2003 com outros
tratados (incluindo agora a convenção de 2005 sobre a diversidade de expressões
culturais) é uma que não está totalmente resolvida e precisa de mais consideração pelos
órgãos do tratado.
Dois desses tratados são estabelecidos sob a convenção: uma assembléia geral dos
estados-partes como o órgão soberano da convenção e o comitê do patrimônio imaterial
que realiza a maior parte do trabalho de supervisionar a implementação da convenção.
houve amplo debate durante as negociações intergovernamentais sobre as funções do
comitê e suas principais funções foram identificadas. É importante a participação nas
reuniões do comitê por parte de organismos públicos e privados e particulares com
competência comprovada no campo do ich, bem como o credenciamento de ONGs com
reconhecida competência nesse campo. sublinhou-se, no entanto, que tal participação
deveria ser feita numa base ad hoc.
Esta é uma área na qual os especialistas que preparam o projeto de texto da
convenção desejam ir muito além dos representantes dos Estados membros que negociam
o texto final da convenção, demonstrando o alto grau de soberania que eles queriam
reservar. desenvolvimentos mais recentes nas diretivas operacionais da convenção
(discutidos abaixo) aproximaram a implementação das intenções dos redatores nessa área.
Sob a convenção, duas listas mundiais serão estabelecidas - uma lista
representativa do patrimônio imaterial da humanidade e uma lista de patrimônio cultural
intangível que necessite de uma salvaguarda urgente. aqui, novamente, vemos a
insistência de reservar a soberania do Estado na exigência de que os pedidos de inscrição
em ambas as listas sejam feitos somente a pedido dos Estados partes interessados e não
permitir solicitações diretamente ao comitê de atores não-estatais. a exceção a este é o
caso de extrema urgência, quando um item pode ser inscrito pela própria comissão com
base em critérios objetivos, em consulta com o Estado Parte interessado.
Como parte do conjunto inicial de diretrizes operacionais para a convenção
adotada pela assembléia geral em sua segunda sessão em 2008, foram adotados os
critérios de inscrição na rl e no usl. esses critérios compartilham alguns elementos
comuns, a saber, o elemento deve satisfazer a definição dada na convenção de que foi
incluído em um inventário nacional, conforme definido nos artigos 11 e 12, e a
participação mais ampla possível da comunidade, grupo e, se aplicável, os indivíduos
envolvidos foram assegurados para a nomeação, com seu consentimento livre, prévio e
informado.
Se tratado adequadamente, este último critério serviria para reduzir o grau de
poder soberano do estado neste processo de nomeação, no entanto, é muito difícil
determinar até que ponto tal consentimento é dado livremente e de maneira plenamente
informada e, além disso, aqueles que expressaram seu poder. consentimento eram
representativos da comunidade em questão. Esta é uma área que exigirá muita
consideração e onde a atual estrutura de relatórios periódicos falhar, em um grande
número de casos, não haverá respostas suficientemente informativas e / ou confiáveis das
Partes envolvidas. outros critérios de inscrição para o RL incluem que a inscrição:
incentivará o diálogo; e reflete a diversidade cultural em todo o mundo e atesta a
criatividade humana. Os critérios adicionais para a inscrição na USL incluem a sua
viabilidade, apesar dos esforços das várias partes interessadas e atores envolvidos, e que
ela enfrenta graves ameaças, em virtude das quais não se pode esperar que ela sobreviva
sem uma salvaguarda imediata.
No que diz respeito aos critérios de RL, é interessante que nenhum critério
específico que exija compatibilidade com os padrões internacionais de direitos humanos
tenha sido incluído, embora possa ser argumentado que a exigência (de ambas as listas)
de que os elementos inscritos devem estar de acordo com a definição de IC pode ser visto
para cobrir este requisito. em ambos os casos, novamente inscritos devem ser
inventariados pela (s) parte (s) nominativa (s) e isto sublinha a importância conferida na
convenção de inventariar ich como um pré-requisito essencial para uma salvaguarda
eficaz. medidas de salvaguarda (como definido pela convenção) também devem ser
estabelecidas para proteger e promover os elementos inscritos da RL e da USL; no caso
do USL, há um requisito adicional de que eles possibilitem que a comunidade, o grupo
ou, se aplicável, os indivíduos envolvidos continuem aqui desde a convenção de 1972 (e
até mesmo o programa de obras-primas) tenham valor como critério de listagem. isto visa
evitar a criação de uma hierarquia de ICH através do processo de listagem - é a natureza
representativa do ich listado e seu significado cultural que deve ser celebrado e
salvaguardado por esta convenção. no caso do usl, a exigência de elaboração de medidas
de salvaguardas que permitam a continuidade da prática e transmissão do ict é central:
isso, em particular, está sujeito a monitoramento por meio do sistema de relatórios
estabelecido para os elementos inscritos no usl. Embora a participação da comunidade
seja encorajada nesses critérios, as indicações podem ser feitas apenas pelas partes em
cujo território o elemento está localizado e não podem vir de comunidades, grupos,
indivíduos ou países terceiros.
No entanto, o comitê pode listar o que considera urgente e urgente de salvaguardar
sem o consentimento do Estado Parte interessado, embora seja necessário consultar esse
estado. Além disso, diferentemente do caso da convenção de 1972, os elementos não
precisam ser inscritos primeiro na RL antes que possam ser inscritos no arquivo.
O estabelecimento de um acordo financeiro estável para a implementação da
Convenção está no cerne da Convenção, uma vez que requer um compromisso claro por
parte da comunidade internacional para salvaguardar a CIH bem como uma demonstração
de solidariedade pelos Estados Membros. Foram incluídas disposições na Convenção
relativas ao estabelecimento de um Fundo, o caráter do Fundo, os recursos que ele poderia
recorrer e o nível das contribuições dos Estados Partes. 94 As contribuições compulsórias
dos Estados Partes deveriam ser feitas com base em percentual uniforme. aplicável a todas
as Partes, cobradas pelo menos a cada dois anos pela Assembléia Geral. Em nenhum caso
devem exceder 1% da contribuição do Estado Parte ao orçamento regular da UNESCO.
Detalhes da implementação dessas disposições também foram elaborados pelo Comitê na
reunião de Chengdu do Comitê do ICH em 200755. Outra característica central da
Convenção é o sistema de cooperação internacional e assistência para salvaguardar a ICH
que é supervisionada pelo Comitê. Os principais propósitos para os quais a assistência
internacional pode ser concedida são: proteger o patrimônio inscrito na USL, preparar
inventários nacionais e apoiar programas, projetos e atividades para salvaguardar a ICH
em âmbito nacional, sub-regional, 96.
Os pedidos de assistência internacional só podem ser feitos por um Estado Parte
para a ICH "presente em seu território", já que a ligação territorial era vista como a única
que a Convenção poderia levar em conta37 Isso impede que outro Estado, exemplo, que
tem reivindicações culturais na ICH em questão de fazer tais solicitações. No entanto,
também se prevêem pedidos conjuntos de dois ou mais Estados Partes, em
reconhecimento do fato de que grande parte do caráter transfronteiriço da ICH e, portanto,
muitas vezes terá mais de um Estado Parte com um interesse territorial em sua
salvaguarda9. para a salvaguarda internacional da ICH e para a cooperação internacional
e assistência disponível para atender isso deve ser contrabalançada por algum regime de
salvaguarda em nível nacional. É um princípio fundamental do sistema de listagem que
qualquer ICH que não esteja inscrita em uma das listas internacionais deve se beneficiar
de uma conscientização do seu significado e necessidade de salvaguarda pelo Estado
Parte em cujo território está localizada. Por conseguinte, as disposições relativas à
salvaguarda nacional "deveriam ser considerado sob a Convenção e uma obrigação geral
é colocada sobre as Partes de 'tomar as medidas necessárias para assegurar a salvaguarda
do patrimônio cultural imaterial presente em seu território'100 Em geral, a salvaguarda
nacional envolve medidas destinadas a assegurar a viabilidade contínua da ICH. Essas
medidas incluem a identificação, documentação, pesquisa, preservação, proteção,
promoção, revitalização e transmissão (especialmente através de meios não-formais) da
ICH.101. Nesse sentido, a ênfase é colocada na “participação de comunidades, grupos e
organizações”. organizações não governamentais relevantes102 nessas atividades de
salvaguarda. De fato, a disposição final desta seção explicitamente ordena às Partes que
assegurem 'a mais ampla participação possível de comunidades, grupos e, em alguns
casos, indivíduos que criem, mantenham e transmitam tal patrimônio, e envolvê-los
ativamente em sua administração. desenvolvimento significativo de instrumentos de
patrimônio cultural, em que não apenas a necessidade de comunidades culturais, mas
também o direito de estar diretamente envolvido no processo de salvaguardas é
explicitamente reconhecida104. A utilização de inventários como uma ferramenta central
para identificação e salvaguardas subsequentes é dada importância. as Partes estabelecem
um ou mais inventários de sua ICH e atualizam-nas regularmente. 105 As Partes também
devem adotar uma política que promova a função da ICH na sociedade16 e a integre a
programas de planejamento, designando um ou mais órgãos competentes para
salvaguardar o ICH. Outras medidas estabelecidas referem-se à educação e formação,
transmissão de ICH, reforço de capacidades para a gestão da ICH, proporcionando acesso
à ICH enquanto se estudam práticas de ensino e instituições estabelecedoras para
documentar a ICH.107 A Parte VII (artigos 29 e 30) estabelece um sistema de notificação
por meio do qual as Partes relatem ao Comitê as medidas legislativas, regulatórias e outras
adotadas para a implementação da Convenção. Uma Cláusula de Transição está incluída
na Parte VilI (Artigo 31) que prevê que os itens proclamados no programa das Obras-
Primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade sejam incorporados à Lista
Representativa do Patrimônio Imaterial da Humanidade antes da entrada em vigor da
Convenção. Convenção. Assim, a RL herdou todas as obras-primas do patrimônio oral e
intangível que haviam sido proclamadas até 2005,108, o que lhe deu uma base inicial de
90 elementos. Deve-se ter em mente, no entanto, que esses itens foram proclamados sob
uma definição diferente de 'patrimônio oral e imaterial' e usando um conjunto de critérios
muito diferente dos da Convenção de 2003 e necessariamente correspondem à
compreensão da ICH em
Os valores fundamentais da Convenção; além disso, os Estados membros do
território que não são Partes da Convenção. As Cláusulas Finais constam da Parte IX
(Artigos 32 a 40) e tratam, inter alia, do seguinte: ratificação, aceitação e aprovação;
adesão; entrada em vigor, sistemas constitucionais federais ou não-unitários; denúncia; e
emendas. Estas são principalmente disposições padronizadas. A primeira reunião da
Assembléia Geral dos Estados Partes, o órgão soberano da Convenção estabelecida no
Artigo 4, foi realizada em junho de 2006, e seu principal negócio foi a eleição dos
primeiros 18 Estados Membros para o Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda.
do Património Cultural Imaterial (o Comité ') dos 30 Estados que eram Partes em 20 de
Janeiro de 2006.109 O Artigo 6 (1) exige que a composição do Comité reflicta uma
distribuição geográfica equitativa', a qual deveria ser alcançada através da escolha de dois
membros. Estados inicialmente de cada um dos seis agrupamentos regionais da UNESCO
o com os seis restantes a serem escolhidos após estes em uma base similar. Outra tarefa
do Comitê era determinar a porcentagem uniforme de contribuições dos Estados Partes
para o Fundo do Patrimônio Cultural Imaterial. A primeira sessão do Comité realizou-se
em Argel de 18 a 19 de Novembro de 2006 e a sua principal tarefa consistia em elaborar
um conjunto inicial de directivas operacionais para a Convenção, conforme previsto na
alínea e) do artigo 7.º.11 Esta era, evidentemente, uma tarefa crucial, uma vez que teve
uma forte influência sobre a orientação inicial da Convenção em seus primeiros anos de
operação. As Directivas Operacionais podem, evidentemente, ser actualizadas numa data
futura, uma vez que se tenha adquirido mais experiência de operar a Convenção, mas não
se espera que isso aconteça durante alguns anos. As Diretrizes Operacionais que foram
adotadas até agora tratam de temas como a incorporação de itens proclamados "Obras
Primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade" na RL; critérios para inscrição e
submissão e avaliação de candidaturas à USL e à RL; programas de seleção de critérios,
projetos e atividades a serem selecionados como melhores práticas; critérios de
elegibilidade e seleção para solicitações de assistência internacional; apresentação de
arquivos multinacionais; diretrizes para a mobilização de recursos e uso do Fundo do
Patrimônio Cultural Imaterial; a participação de comunidades, grupos e, quando
aplicável, indivíduos, bem como especialistas, centros especializados e institutos de
pesquisa, e organizações não-governamentais na implementação da Convenção;
conscientização sobre o ICH; uso do emblema da Convenção; reportando por
Estados Partes na implementação da Convenção pela Comissão ICH e sobre a
situação dos elementos inscritos na USL. O Comité destas directivas operacionais provou
ser muito sensível e complexo e algumas das mais desafiantes incluíram: como é possível
alcançar a representatividade na RL; se deve aplicar um critério relacionado aos direitos
humanos para a seleção de elementos para listagem e, em caso afirmativo, como deve ser
considerado como os termos 'comunidade', grupo e 'indivíduo' devem ser compreendidos
para os propósitos da Convenção, e como O envolvimento de comunidades e grupos no
processo de identificação, inventariação e salvaguarda da HCI (conforme exigido, em
particular, pelos Artigos 12 e 15) 113 pode ser assegurado pelas Partes: o papel dos
especialistas não-governamentais na implementação, especialmente na assessoria ao
Comitê do ICH e avaliação dos arquivos de candidatura; e o credenciamento de ONGs
para assessorar o Comitê e a seleção de Organizações Consultivas pela Assembléia Geral.
Algumas das questões abordadas e; O funcionamento das listas internacionais O USL foi
estabelecido na quarta sessão do Comitê do ICH, realizada em Abu Dhabi 2009, e inclui
elementos cuja viabilidade está ameaçada, apesar dos esforços da comunidade ou do
grupo em questão.114 Entre os 38 elementos até agora inscritos são: carpetes tradicionais
de feltro (Quirguistão); caligrafia (Mongólia); habilidades de cerâmica de barro
(Botswana); técnicas têxteis tradicionais e know-how para a construção de pontes de
madeira (China); tradições e práticas de florestas sagradas indígenas (do Quênia); um rito
de pesca coletivo (de Malí) um ritual indígena para a manutenção da ordem social e
cósmica (Brasil); um espaço cultural (da Letônia); e um épico tradicional (da Mongólia).
O Comitê do ICH tem considerado Relatórios Periódicos das Partes sobre a eficácia das
estratégias de salvaguarda adotadas para os elementos inscritos na USL. O objetivo
principal da inscrição é garantir a proteção efetiva com o objetivo final de poder mover o
elemento do USL para o RL.115 Ao todo, pode-se afirmar que o USL está servindo seu
propósito de focar as Partes em
desenvolver a implementação salvaguardando os elementos em perigo. Embora seu
sucesso tenha sido misto até agora, alguns elementos estiveram à beira do
desaparecimento e um ou dois podem agora ser incluídos na lista RL.I6 pronta. A RL
alcançou, até certo ponto, seu objetivo de celebrar o mundo. grande diversidade de ICH
na grande variedade de elementos agora inscritos nele. Para citar apenas alguns, os 314
elementos inscritos incluem: o tango (da Argentina e do Uruguai); as habilidades e know-
how de construir e navegar pelos barcos lenj (Irã); conhecimento e práticas de cálculo
matemático através do ábaco (da China); procissões religiosas (de várias partes, incluindo
Colômbia, Bélgica e Croácia); artesanato de seda e fabricação de rendas (da China e
Chipre); uma dança indígena tradicional (do Japão); a cerimônia de sete telecabinas de
uma casa sagrada (do Mali); lugares indígenas de memória e tradições vivas (do México);
um teatro assobiado de fantoches (das Ilhas Canárias, Espanha) (da Turquia e da
Indonésia); espaços socioculturais (na Hungria e na Estónia); um rito xamanístico (do
Vietnã); Tribunais de irrigação (na Espanha); encontros sazonais / festivais de pastores
(no Marrocos e no Mali); e as práticas culturais tradicionais e o conhecimento ecológico
associado dos povos indígenas da Amazônia (Equador e Peru). No entanto, a RL e sua
noção subjacente tem sido objeto de críticas desde sua concepção.117 É verdade que para
muitas Partes a RL tem predominantemente uma oportunidade de mostrar seus elementos
'excepcionais' da ICH: Isso demonstra uma falta de compreensão dos princípios
fundamentais. concepção subjacente à RL, ou seja, que deve reflectir a diversidade de
elementos ICH (por vezes mundanos) em todo o mundo. É de se esperar que, ao longo do
tempo, essa visão mude e as Partes compreendam melhor a filosofia diferente subjacente
a essa Lista da Lista do Patrimônio Mundial da Convenção de 1972. Outro aspecto da
lista RL que apresentou um desafio para o Comitê e para a UNESCO tem sido a tendência
em algumas regiões (em particular no sudeste e oeste da Ásia) a se engajar em uma forma
de inscrição competitiva pela qual uma Parte tenha inscrito em seu nome. um ICH
compartilhado com uma Parte ou Partes regionais. Isto é extremamente lamentável, tendo
em conta o facto de a Convenção de 2003 reconhecer explicitamente o carácter
transfronteiriço de muitas ICH e encorajar as suas inscrições multinacionais.118 Isto
representa um afastamento significativo e é um exemplo invulgar de cooperação
internacional.
Aceitam a realidade de que as culturas atravessam fronteiras internacionais e não
podem ser confinadas dentro de um país.119 Isso também está de acordo com a
abordagem geral de reconhecer que os interesses das comunidades culturais e seu
patrimônio podem desafiar as preocupações puramente estatistas. Uma vez que a questão
de como os Estados devem tratar o patrimônio e as línguas dos migrantes e das diásporas
permanece sensível, 120 o funcionamento da Convenção de 2003 tem o potencial de
informar e até mesmo contribuir para o desenvolvimento do direito internacional nessa
área Apesar das dificuldades mencionadas anteriormente, a possibilidade de fazer
nomeações multinacionais para a RL foi recebida entusiasticamente pelas Partes e agora
existem 19 inscrições desse tipo, variando de falcoaria que agora está inscrita em nome
de 13 partes de diferentes regiões geográficas para aquela de práticas culturais e
expressões ligadas à Balafon das comunidades Senufo do Mali e Burkina Faso.121
Também é importante notar que, em alguns casos, as Partes de inscrições multinacionais
não têm outros elementos inscritos, sugerindo que isso lhes proporcionou uma
oportunidade importante de ter sua herança reconhecida. e desenvolver capacidade e
experiência nesta área.12 Inscrições multinacionais frequentemente cooperação sub-
regional e internacional para sua salvaguarda: Letônia, Estônia e Lituânia agora desfrutam
de estreita cooperação sub-regional sobre o festival de música e dança e seu ICH
relacionado, enquanto os Governos do Peru e Equador cooperam para a identificação de
idade e idade dos herdeiros orais. tradições do povo Zápara e para melhorar a
compreensão e a salvaguarda deste frágil ICH da Amazônia, seus portadores e o ambiente
relacionado. Os principais elementos encontrados em tais estruturas cooperativas são:
troca de informações e experiência na salvaguarda da ICH; compartilhar documentação
sobre um elemento compartilhado; colaboração sobre o desenvolvimento de
metodologias de inventariação; organizar seminários e workshops conjuntos; e festivais
de co-hospedagem.123 Claramente, desde dif. As regiões (e sub-regiões) frequentemente
têm características sociais, culturais, econômicas e ambientais comuns, bem como
elementos de ICH compartilhados, faz muito sentido prático para encorajar tais estruturas
de cooperação regional, e inscrições multinacionais provaram ser, até agora, dos mais
eficazes
É possível encontrar alguns exemplos de cooperação bilateral e multilateral entre
as Partes, por exemplo, essa cooperação existe em relação à herança compartilhada da
África. O aspecto mais decepcionante da listagem sob a Convenção de 2003 até agora
tem sido no Registro de Melhores Práticas (RPB), que foi introduzido a pedido dos
Estados Membros durante as negociações finais sobre o tratado: essa foi uma resposta
dos Estados que Achava que o modelo de uma RL e USL não conseguiria alcançar o que
desejavam de um sistema de listagem internacional. Seu objetivo principal é dar
reconhecimento às melhores práticas de salvaguarda para disseminá-las e encorajar outras
Partes a aplicarem abordagens semelhantes. Isto, se for bem sucedido, certamente traria
uma grande contribuição para a eficácia da Convenção. Infelizmente, até agora, as Partes
têm sido muito focadas em ter seu ICH inscrito na RL e não apresentaram número
suficiente de nomeações para o BPR. Espera-se que isso melhore no futuro uma vez que
(a) as Partes satisfaçam seu entusiasmo inicial pelas inscrições de RL e (b) mais prática
tenha se desenvolvido com base no que mereça tal reconhecimento.125 Até agora, as
seguintes Melhores Práticas foram reconhecido internacionalmente entre 2009 e 2014: o
centro do tradicional museu de cultura-escola do projeto pedagógico de Pusol (educação
de nível de estética em Batik indonésio em colaboração com o Museu de Batik em
Pekalongan donesia); e salvaguardar o ICH das comunidades aymaras da Bolívia, Chile,
Peru; programa de cultivo da ludodiversidade: salvaguardar jogos tradicionais na
Flandres (Bélgica); a convocatória de projetos do Programa Nacional Patrimônio
Imaterial (Brazi); Museu Vivo do Fandango (Brasil); revitalização do artesanato
tradicional de fabricação de cal em Morón de la Frontera, Sevilha, Andaluzia (Espanha);
o método Táncház: um modelo húngaro para a transmissão do ICH (Hungria); estratégia
para treinar as próximas gerações etry practitioners (China); Xtaxkgakget
Makgkaxtlawana: o Centro de Artes Indígenas e sua contribuição para salvaguardar o
ICH do povo Totonac de Veracruz (México); uma metodologia para inventariar a ICH
nas reservas da biosfera: a experiência de Montseny (Espanha); e salvaguardar a cultura
do carrilhão: preservação, transmissão, intercâmbio e sensibilização (Bélgica) duas
Melhores Práticas inscritas até agora: isto reflecte não só a qualidade da informação de
que a Espanha possui um dos mais variados conjuntos de inscrições à RL também o
espírito da Convenção. O que é notável aqui é que a Espanha tem três países e tanto a
Bélgica quanto o Brasil têm estratégias de implementação de países, mas também, e mais
importante, que eles valorizam a oportunidade de compartilhar essa experiência com
outras Partes. Provavelmente não é moeda de novo sinalizando uma abordagem que
valoriza a diversidade da ICH e responde bem ao espirito da convenção.

Evoluções na implementação gênero e participação da comunidade

É através do funcionamento contínuo da Convenção e sua aplicação tanto


nacionalmente pelas Partes como internacionalmente pelos órgãos dos tratados, que
alguns desafios e potenciais respostas a eles se tornarão mais claros. A experiência da
Convenção do Patrimônio Mundial de 1972 mostra que, mesmo após mais de 30 anos de
operação, o Comitê do Patrimônio Mundial ainda está introduzindo grandes mudanças
em suas Diretrizes Operacionais. Também, uma das mudanças mais recentes nessas
Diretrizes tem sido radical, suprimindo a distinção entre critérios de listagem natural e
cultural, de modo que um único conjunto de critérios para todas as propriedades foi
introduzido. Podemos esperar uma evolução semelhante ao longo do tempo da
implementação das diretivas operacionais para a Convenção de 2003 e já vimos isto
acontecer. Uma vez que as diretivas iniciais estavam em vigor (em 2008), foi possível
para as Partes da Convenção, por intermédio do Comitê da ICH1, abordar áreas nas quais
a experiência de implementação começou a levantar questões não tratadas
adequadamente na Convenção. Do mesmo modo, as próprias diretivas são também
sujeitas a revisão quando se considera que não funcionam tão bem como o desejado ou
quando se confrontam novas situações que não foram antecipadas inicialmente. Podemos
encontrar exemplos onde esse processo ocorreu ou está em andamento e a seção abaixo
examina dois deles, a saber, gênero e ICH, e participação da comunidade.

1
ICH: Intangible Cultural Heritage ou Patrimônio Cultural Imaterial.
Dinâmica de gênero da salvaguarda da ICH

A questão, ainda não resolvida, de como abordar a dinâmica de gênero da ICH e


sua salvaguarda no âmbito da Convenção de 2003 é uma questão atualmente reconhecida.
Até recentemente, houveram poucos debates apropriados sobre a igualdade de gênero e o
PCI e a maioria dos mecanismos da Convenção e os documentos, formulários e avaliações
relacionados têm sido cegos para o gênero. Isso pode muito bem refletir um nervosismo
por parte dos Estados Partes. O Comitê da Convenção de ICH e a própria UNESCO
entraram em uma arena onde é necessário lidar com elementos da CIH, alguns dos quais
já podem estar inscritos na RL, que podem representar um desafio aos princípios da não
discriminação e da igualdade, de uma forma ou de outra, parece minar as noções de
direitos humanos de igualdade de gênero, tem havido um medo inaceitável de que uma
alta proporção de HIC possa ser excluída do Âmbito da Convenção, se tal teste fosse
aplicado com rigor excessivo. No entanto, recentemente foi aceito que é desejável que o
Comitê do ICH defina mais claramente onde estão os limites, a fim de excluir o ICH que
claramente viola as normas universais de direitos humanos. Uma maneira seria que o
Comitê encorajasse as comunidades culturais a se engajarem no diálogo a fim de
encontrar maneiras de remover elementos discriminatórios de suas práticas, se
quiserem que sejam incluídos como ICH para os fins da Convenção. Essa
abordagem reconheceria o fato de que as práticas culturais tradicionais são
inerentemente flexíveis e têm uma grande capacidade de evoluir para atender às
necessidades atuais, das quais a igualdade de gênero é uma delas.
As dinâmicas de gênero do ICH são muitas e diversificadas, em toda a sua
variedade deve ser apreciado como uma importante forma de diversidade. Por exemplo,
em
a canção do Vietnã, Châu van shamans’, os papéis de gênero são invertidos com
médiuns femininas assumindo papéis tradicionalmente "masculinos", e as roupas e os
médiuns masculinos assumindo papéis, roupas e comportamentos tradicionalmente
"femininos". Infelizmente, para fins de indicação ao RL foi reduzido a uma arte
performática e seus papéis de gênero mais subversivos foram removidos, o que coloca
em questão “até que ponto as questões de gênero podem ser abordadas de maneira
satisfatória dentro da estrutura da Convenção”. "O onnagata no teatro japonês Kabuki
(artistas masculinos que desempenham papéis femininos ) manipulam os atos corporais
de gênero de modo a criar um papel de gênero específico onnagata."
Taquile, no Peru, demonstra claras divisões de trabalho baseadas no gênero, com o pedal
e as agulhas usadas apenas pelos homens para fazer roupas de influência colonial
espanhola como calças e chapéus, e o tear comum usado apenas por mulheres para fazer
roupas mais tradicionais, como cobertores. Outros não são apenas praticados e / ou
executados por um sexo, mas também representam uma faixa etária estreita, como a Era
de Leuven, Ritual de grupo (Bélgica) que envolve apenas homens com idade entre 40 e
50 anos. Em alguns casos, as mulheres foram implicadas em um papel secundário em
uma atividade exclusivamente masculina, se tornam praticantes ao longo do tempo: no
Irã, as mulheres começaram a entrar no domínio tradicionalmente todo-masculino de
realizar poesia naqiili em público casas de chá. Assim, os papéis de gênero são
predominantes em todo o ICH e os praticantes geralmente são exclusivamente masculinos
ou femininos: isso não constitui, por si só, uma forma de discriminação ou desigualdade
sexual, mas vale a pena considerar as descrições mais completas. Importante, a
transmissão do ICH é frequentemente um “gênero atividade” e precisamos avaliar o que
isso significa para a viabilidade futura de certos elementos e como eles devem ser
salvaguardados.
Vale a pena considerar, por exemplo, se as atitudes ligadas a gênero contribuem para os
problemas, transmissões e como estas podem ser abordadas.
Ao abordar essa grande diversidade de papéis de gênero no ICH, no entanto, é
aconselhável “pisar com cuidado”, pois é fácil fazer suposições falsas sobre a cultura
relacionada a questões de gênero.
A imposição acrítica de papéis e valores de gênero mal ajustados pode danificar
os sistemas de gênero que operam de maneira diferente da expectativa cultural de alguém
e estes podem ser cruciais para a transmissão e salvaguarda de certos elementos do ICH.
É igualmente importante que o gênero seja visto dentro do contexto, de outras relações
sociais de poder, uma vez que as diferenças atribuídas a um ou outro sexo biológico são,
de fato, resultado de sua posição na estrutura social e expectativas colocadas sobre eles
pela sociedade. Assim, uma perspectiva baseada no gênero para a salvaguarda da ICH é
aquela que contextualiza as práticas e atividades através de uma análise das relações
sociais prevalentes e do sistema de poder.
Ao empreender análises de gênero do ICH, a própria compreensão da comunidade
sobre os equilíbrios de gênero deve receber proeminência, tendo em mente a importância
uma diversidade de vozes dentro da comunidade sendo ouvida.
Como parte de suas responsabilidades sob a Prioridade Global da Igualdade de Gênero, a
UNESCO está introduzindo a integração de gênero em suas Convenções Culturais. No
que diz respeito à Convenção de 2003, esta questão é como incorporar o gênero nas
políticas relacionadas, legislação, desenvolvimento planejado, salvaguarda de planos e
programas, etc. Na sua oitava reunião em 2013, o "Comité do ICH adoptou uma decisão"
na qual decidiu rever todos os documentos e formulários relevantes (incluindo as
Diretivas Operacionais, os Relatórios Periódicos e arquivos de nominação) para incluir
orientação e questões específicas de gênero.
Em um Expert Meeting realizado na Turquia em setembro de 2014, um projeto de
parágrafo sobre a igualdade de gênero foi proposta para as Diretrizes Operacionais, que
pediam aos Estados para promover as contribuições do patrimônio cultural imaterial para
a igualdade e a eliminação da discriminação baseada no gênero, reconhecendo que as
comunidades transmitem seus valores, normas e expectativas relacionadas ao gênero por
meio do patrimônio cultural intangível e é, portanto, um contexto privilegiado no qual as
identidades de gênero dos membros da comunidade são moldadas. O Comitê ainda não
deliberou sobre estes, mas dão uma boa indicação do provável desenvolvimento das
diretivas nesta área. No entanto, deve-se mencionar que o gênero precisaria ser integrado
em outros parágrafos das Diretrizes que lidam com os arquivos de candidatura, relatórios
periódicos, participação da comunidade, etc.

Participação da comunidade

Como esta discussão sobre gênero e PCI demonstrou, uma diversidade de vozes
de dentro da comunidade precisa ser ouvida para alcançar uma verdadeira abordagem
inovadora para salvaguardar esses bens. No entanto, o desenvolvimento de estratégias
para a salvaguarda dos PCI ainda está engatinhando, e esta é outra área em que o trabalho
do Comitê do PCI, na elaboração de diretivas, provou ser significativo. No momento da
negociação da Convenção, alguns Estados-Membros da UNESCO estavam relutantes em
empregar o termo 'comunidades' e concordar com concedê-los um grau tão elevado de
envolvimento que agora gozam da identificação da PCI, implementação e concepção de
medidas de salvaguarda.
De fato, não há do termo dado no texto da Convenção, apesar do caráter
transversal da exigência de participação da comunidade durante a implementação de suas
disposições. Dado que o PCI está inserido no dia-a-dia das comunidades (e outros
grupos), a salvaguarda oficial como política pública irá, inevitavelmente, intervir
diretamente nos processos sociais e culturais que ocorrem dentro das comunidades. Além
disso, as disposições da Convenção relativas ao envolvimento da comunidade levantam
importantes questões sobre a 'apropriação' desse patrimônio e também o processo pelo
qual deve ser oficialmente reconhecido. Resguardar o PCI pode fornecer ao Estado e
comunidades oportunidades de democratizar o processo pelo qual, valorizamos o
patrimônio, atribuindo um papel maior aos povos e comunidades locais. Kuruk considera
a inclusão de referência explícita na Convenção de 2003 ao envolvimento da comunidade
na salvaguarda da ICH - baseada na consulta de princípio - como um fator potencialmente
balanceador para o fato de que, caso contrário, a Convenção de 2003 tende a dar a
impressão de que o Estado tem direitos exclusivos sobre PCI dentro de seus territórios.
Responde claramente a um requisito de dimensão de direitos humanos, convocando os
Estados a garantir a participação das comunidades na definição, identificação,
inventariação e gerenciamento.
No entanto, o texto da Convenção de 2003 não especifica como tais comunidades
poderão efetivamente influenciar a política do governo, uma vez que parece que, a menos
que sejam convidadas a fazê-lo pelo Estado, eles não podem iniciar medidas de
salvaguarda próprias ou bloquear programas patrocinados pelo Estado contra os quais se
opõem. Lixinski observou que os mecanismos para garantir a participação real e efetiva
da comunidade na operação da Convenção são fracos, "apesar da importância dada a essa
abordagem no tratado e das intenções dos redatores a respeito". A participação como
concebida de acordo com a Convenção restringe-se principalmente a ações realizadas no
nível nacional - identificação e inventariação da ICH, concepção e execução de ações de
salvaguarda e gestão, etc. - e seu envolvimento nos aspectos internacionais, tais como
inscrições para o RL e USL, foi limitado o requisito de consulta e prova de livre, prévio
e informado consentimento. Revisões das Diretrizes Operacionais para a implementação
do Convento começaram a se mover na direção de participação comunitária mais efetiva
nas medidas tomadas para identificar e salvaguardar o PCI. É importante ressaltar que
novas diretivas têm o efeito de diluir os privilégios reservados aos Estados sob a
Convenção, 152 particularmente no que diz respeito à decisão sobre o que deve ser
identificado como Patrimônio Cultural Imaterial para a salvaguarda nacional e
reconhecimento internacional.
Em 2010, novas diretrizes tratando da conscientização sobre o PCI foram
aprovados que, de acordo com Lixinski, serve para “intensificar formas muito mais fortes
de participação comunitária” e, embora se refiram ao aspecto aparentemente benigno e
não ameaçador da Convenção, “pode ser lido como um backdoor através do qual visões
mais fortes sobre meios mais efetivos de envolvimento comunitário”. Por isso, observa,
a Convenção está agora desenvolvendo dois níveis diferentes de aplicação, nomeado o
“mecanismo de cotação internacional” em que as partes mantêm o controle e outras
atividades de salvaguarda onde Diretivas Operacionais avançaram no sentido de
desenvolver uma abordagem muito mais orientada para a comunidade e longe da
abordagem original 'centrada no Estado', adoptada pelos negociadores
intergovernamentais. O capítulo III das diretivas estabelece orientações para os Estados
garantirem a participação na implementação da Convenção.
Com referência ao Artigo 11 (b) e no espírito do Artigo 15, os Estados Partes são
encorajados a estabelecer cooperação funcional e complementar entre comunidades,
grupos e, quando aplicável, indivíduos que criam, mantêm e transmitem patrimônio
cultural imaterial, bem como especialistas, centros de especialização e institutos de
pesquisa. A inclusão de referência para especialistas e institutos de pesquisa é
significativa, pois a minuta do perito original para a Convenção continha um artigo que
permitia uma contribuição maior de especialistas não-governamentais um Comitê
Científico (no modelo de tratados ambientais, por exemplo). Esta disposição foi retirada
do texto do tratado durante a fase de negociação intergovernamental, uma vez que os
Estados - Membros pretendiam manter o controlo direto de que os órgãos de governo
compostos por representantes nomeados dos Estados Partes (o Comitê do PCI, em
particular) os daria. Aqui, então, é um exemplo de um assunto não incluído no texto final
do tratado pelos negociadores intergovernamentais, para uma variedade de razões, agora
revisitadas pelas Partes no fórum do Comitê da PCI através de revisões das Diretivas.
O seguinte parágrafo é mais diretivo em seu conteúdo, incentivando as Partes a
criar um órgão consultivo ou um mecanismo de coordenação para facilitar a participação
de comunidades, grupos e, quando aplicável, indivíduos, bem como especialistas, centros
de especialização e institutos de investigação, em especial no que diz respeito à proteção
das pessoas. As atividades referidas incluem: identificação e definição de diferentes
elementos do PCI presentes em seus territórios; elaboração de inventários; elaboração e
implementação de programas, projetos e atividades; e preparação de arquivos de
nomeação para inscrição nas listas. Esta última atividade é interessante a partir do ponto
em que sugere que as Partes não devem dominar o processo de nomeação do PCI para as
listas. Se as Partes levarem esta diretriz a sério, será um longo caminho para assegurar
um envolvimento significativo da comunidade em todas as etapas do processo de
salvaguarda e nomeação do PCI. Embora significativo, é totalmente discricionário sobre
até que ponto os Estados Partes permitem a participação na identificação e definição dos
elementos da CIH, tendo em vista a linguagem exortadora aqui utilizada.
Uma ação de salvaguarda essencial é que os Estados Partes tomem medidas para
sensibilizar as comunidades, grupos e, quando aplicável, indivíduos para o valor de sua
ICH e promover a Convenção entre essas comunidades para que os portadores desse
patrimônio possam beneficiar das suas medidas: Isto ajudará a validar o ICH. para as
comunidades locais que podem considerá-lo como uma força negativa e não positiva na
sociedade contemporânea. Além disso, as Partes são intimadas a tomar medidas
apropriadas para construir a capacidade de comunidades, grupos, áridos, onde
pessoas físicas que lhes permitam participar plena e efetivamente nesse processo.
”O Comitê poderá consultar especialistas, centros de especialização e institutos de
pesquisa, bem como centros regionais ativos nos domínios abrangidos pela Convenção e
pessoas privadas »com competência reconhecida no
patrimônio cultural imaterial "em questões específicas e" para sustentar um
diálogo interativo ". Isto tem o potencial de fornecer uma representação muito maior para
os especialistas no processo de tomada de decisões da Convenção, que é, de outro modo,
um processo fortemente intergovernamental. Outras ações que as Partes são encorajadas
a adotar para fortalecer a participação da comunidade incluem: facilitar o acesso aos
resultados da pesquisa realizada entre eles (enquanto promove o respeito pelas práticas
que governam o acesso); estabelecer redes de comunidades, especialistas, centros de
especialização e institutos de pesquisa para desenvolver abordagens conjuntas; e partilha
de dom relacionado com o ICH. cação relativa à ICH localizada noutro Estado. "
Um potencial ponto de atrito entre comunidades e órgãos governamentais é no
que diz respeito à nomeação de elementos para inscrição internacional. O processo de
escolha do ICH Para a nomeação para o RL é aquele que pode facilmente tornar-se
excessivamente dominado pelo Estado, excluindo completamente as comunidades e seus
desejos. O mais relevante (aqui) dos cinco critérios de inscrição para a inclusão da ICH
na RL nas Diretivas exige que: o elemento tenha sido nomeado após a participação mais
ampla possível da comunidade, grupo ou, se aplicável, individualmente pessoas em causa
e com o seu consentimento livre, prévio e informado (critério R.4).
Para a seleção de programas, projetos ou atividades (nos termos do Artigo 18), os
Estados proponentes devem demonstrar que o programa, pro- ou atividade foi ou será
implementado com a participação da comunidade, grupo ou, se aplicável, indivíduos
interessados e com seu consentimento livre e esclarecido e que estão dispostos a cooperar
na disseminação das melhores práticas, se seu programa, projeto ou atividade for
selecionado. Critérios para o Comitê conceder financiamento ou outra assistência para a
salvaguarda do PCI (nos termos do Artigo 19 inclui que a comunidade, grupo e / ou
indivíduos envolvidos participaram na preparação do pedido e serão envolvidos na
implementação das atividades propostas, e na sua avaliação e seguimento. Se tomarmos
todas essas referências ao envolvimento e participação da comunidade na implementação
da Convenção e, em geral, na salvaguarda do PCI, isso facilita uma abordagem
abrangente que, se for seguida de perto pelas Partes, tornará a noção vaga da Convenção
de participação comunitária muito mais concreta. O que esses casos ilustram acima de
tudo é a importância do modelo flexível da Convenção de 2003, que permite responder a
novos entendimentos e novas situações, uma característica especialmente necessária em
relação a um aspecto do patrimônio que está em constante evolução e do qual nós ainda
temos um entendimento relativamente limitado. Na verdade, isto também se refere a outro
aspecto importante deste tratado, pois ele próprio faz parte do processo de obtenção de
ganhos para a comunidade internacional e que a evolução ao longo do tempo das Diretivas
Operacionais e da prática do Estado deve, por si própria, dar uma contribuição importante.
para a nossa compreensão das necessidades regulamentares nesta área e para a melhor
salvaguarda da ICH.
Outra maneira pela qual certos assuntos não explicitamente tratados no texto do
tratado podem ser introduzidos em sua implementação é através das Partes, incluindo-os
em seu próprio país. Um exemplo interessante disso está relacionado ao tratamento de
idiomas como o ICH. Esta foi uma questão calorosamente debatida durante as
negociações intergovernamentais, com alguns Estados-Membros a apoiarem fortemente
a inclusão das línguas como um domínio da ICH e outros, rejeitando igualmente a ideia.
Para muitos Estados multilíngues, em particular aqueles para quem a língua nacional é
vista como um fator unificador, para tratar a linguagem como uma forma de ICH pode
ser uma questão extremamente sensível. Há um receio residual de que dar demasiada
importância às línguas minoritárias possa levar, eventualmente, à sua secessão do Estado.
Eventualmente, foi encontrado um compromisso no texto que descrevia o primeiro
domínio da ICH como 'expressões orais e linguagem como veículo para o patrimônio
cultural imaterial '(grifo nosso), o que evita a inclusão de idiomas de acordo com a
ICH167. No entanto, é notável que várias Partes - a maioria na América Latina e África
– agora tratam a linguagem como domínio do PCI.
Este movimento está, assim, mudando o foco do tratado para um assunto que
vários Estados-Membros queriam evitar ao negociar o texto final. Será interessante
observar o tempo em que esta prática muda a maneira pela qual o relacionamento sobre
a linguagem e o ICH é percebido. Além disso, essa questão merece consideração mais
completa tanto em termos de (a) como as políticas linguísticas afetam a ICH quanto (b)
uma comparação mais ampla entre as realidades de salvaguarda da ICH no terreno e os
domínios da ICH expressos na Convenção. Outra questão relacionada que vale a pena
examinar diz respeito ao impacto da documentação e do registro nas tradições culturais
orais: a documentação documental aumenta a viabilidade de uma forma oral em que os
modos de transmissão tradicionais são ameaçados ou, de alguma forma, a distorce? Isto
também se refere a uma questão mais geral que agora exerce várias Partes: é a mudança
na forma de um elemento ICH (para torná-lo mais atraente para os jovens, por exemplo)
necessariamente uma ameaça à originalidade do elemento e uma possível distorção ou
diluição de isso, ou é uma evolução positiva que mostra a capacidade do ICH para se
adaptar e, portanto, uma força cultural?
Outro exemplo interessante de como a prática do Estado está sutilmente mudando
pelo menos, adicionando uma concepção subjacente da Convenção é no que diz respeito
aos domínios que são empregados pelas Partes identificando a ICH para fins de
investimento nacional. Embora os domínios definidos no artigo 2.º, n.º 2, sejam
geralmente utilizados como base para estes, também são normalmente encontradas
adições ou exclusões específicas locais. Assim, no Egito, os domínios adicionais incluem,
entre outros, sirah folclórica e dispositivos de proteção (listados nas expressões orais) e
práticas de prevenção de más ações (sob práticas sociais). A República da Coreia, com a
sua longa tradição de inventariação ICH emprega domínios que se sobrepõem até certo
ponto com as da Convenção, 163 com o domínio adicional notável que cobre as técnicas
necessárias para os elementos acima referidos ou qualquer tecnologia vital para a
fabricação ou reparação de equipa- relevante mento. Os domínios peruanos de inventário
incluem línguas indígenas e tradições orais, instituições políticas tradicionais, etno-
medicina, gastronomia etnobotânica e os espaços culturais diretamente relacionados a tais
práticas culturais. Similarmente, nos critérios projetados para inventariação, encontramos
semelhanças gerais com aqueles estabelecidas nas Diretivas Operacionais para a RL (e,
por vezes, também para a USL), mas com especificidades locais. Os critérios utilizados
pelo México fornecem um exemplo digno de nota na medida em que são divididos em
dois grupos principais da seguinte forma: (1) Critérios gerais de elaboração e estruturação
(14 elementos) e (2) critérios gerais para participação da comunidade (três elementos).
Os critérios da Mongólia, assim como os de algumas partes, incluem critérios específicos
para portadores ICH, a fim de conceder-lhes reconhecimento específico, que é uma
partida significativa, bem como para o papel do ambiente na manutenção do carácter
distintivo da subsistência tradicional e costumes populares. Este último critério é
totalmente novo. Na República da Coreia, estes são bastante diferentes e compreendem
três categorias principais, cada uma com sub-elementos detalhados: valor patrimonial;
capacidade de transmissão; e o ambiente de transmissão. A importância central atribuída
à transmissão nesses critérios é especialmente digna de nota. A Indonésia adota a
abordagem de empregar um conjunto de critérios gerais seguidos por outros técnicos
(relacionados à viabilidade, importância para a comunidade, aceitabilidade,
autenticidade, representação de povos tribais e étnicos, etc.) e critérios administrativos
(relacionados à área geográfica, comunidade e governo local). apoio, completude dos
dados e o caráter representativo das categorias culturais) a ser cumprido. Como os
inventários no Brasil são estruturados em torno do conceito-chave de referência cultural,
esse é um processo de seleção realizado pelas próprias comunidades portadoras, que
indicam os elementos considerados mais importantes e representativos de sua cultura:
apenas esses elementos serão incluídos na literatura o inventário.