Вы находитесь на странице: 1из 39

INTRODUÇÃO À

ESCRITA ACADÊMICA
AUTORAS
Luís Fernando Lazzarin
EDUCAÇÃO ESPECIAL

INTRODUÇÃO À ESCRITA
ACADÊMICA
AUTOR
Luís Fernando Lazzarin

1ª Edição
UAB/NTE/UFSM

Santa Maria | RS
2016
©Núcleo de Tecnologia Educacional – NTE.
Este caderno foi elaborado pelo Núcleo de Tecnologia Educacional da
Universidade Federal de Santa Maria para os cursos da UAB.

PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL


Michel Temer

MINISTRO DA EDUCAÇÃO
Mendonça Filho

PRESIDENTE DA CAPES
Abilio A. Baeta Neves

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA


REITOR
Paulo Afonso Burmann

VICE-REITOR
Paulo Bayard Dias Gonçalves

PRÓ-REITOR DE PLANEJAMENTO
Frank Leonardo Casado

PRÓ-REITOR DE GRADUAÇÃO
Martha Bohrer Adaime

COORDENADOR DE PLANEJAMENTO ACADÊMICO E DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA


Jerônimo Siqueira Tybusch

COORDENADOR DO CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL


José Luiz Padilha Damilano

NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL


DIRETOR DO NTE
Paulo Roberto Colusso

COORDENADOR UAB
Reisoli Bender Filho

COORDENADOR ADJUNTO UAB


Paulo Roberto Colusso
NÚCLEO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

DIRETOR DO NTE
Paulo Roberto Colusso

ELABORAÇÃO DO CONTEÚDO
Luís Fernando Lazzarin

REVISÃO LINGUÍSTICA
Camila Marchesan Cargnelutti

APOIO PEDAGÓGICO
Magda Schmidt
Siméia Tussi Jacques

EQUIPE DE DESIGN
Ana Letícia Oliveira do Amaral
Carlo Pozzobon de Moraes
Matheus Tanuri Pascotini

PROJETO GRÁFICO
Ana Letícia Oliveira do Amaral

L432i Lazzarin, Luís Fernando


Introdução à escrita acadêmica [recurso eletrônico] / Luís Fernando
Lazzarin. – 1. ed. – Santa Maria, RS : UFSM, NTE, UAB, 2016.
1 e-book

Este caderno foi elaborado pelo Núcleo de Tecnologia Educacional


da Universidade Federal de Santa Maria para os cursos da UAB
Acima do título: Educação especial
ISBN 978-85-8341-194-9

1. Textos acadêmicos – Leitura e escrita 2. Trabalhos acadêmicos –


Normalização 3. Trabalhos científicos – Normalização I. Universidade
Federal de Santa Maria. Núcleo de Tecnologia Educacional II. Título.

CDU 001.81

Ficha catalográfica elaborada por Alenir Goularte - CRB-10/990


Biblioteca Central da UFSM

Ministério da
Educação
APRESENTAÇÃO
Caros alunos,

E
ste é o material didático da disciplina Introdução à Escrita Acadêmica e ao
texto científico do curso de Licenciatura em Educação Especial a distância
da Universidade Federal de Santa Maria. A disciplina propõe o desenvol-
vimento das habilidades de leitura e escrita acadêmica, essenciais para um de-
sempenho adequado durante o curso. Para tanto, a disciplina prioriza atividades
que exercitem a análise e a síntese, através da organização das leituras (resumos,
fichamentos, resenhas, mapas conceituais) e da produção textual de diversos gê-
neros acadêmicos (com a devida formatação abnt). O material contém, de acor-
do com a estrutura proposta na ementa da disciplina, um resumo comentado de
alguns autores considerados importantes na área de pesquisa em educação, além
de comentários e contribuições do autor e propostas para algumas atividades pe-
dagógicas. O intuito é que ele sirva como um guia para os estudos, que devem ser
ampliados a partir da bibliografia referenciada.

2 interatividade: no endereço https://goo.gl/YJXERk você poderá encon-


trar diversas videoaulas sobre o material aqui apresentado.

Nosso objetivo será compreender os diferentes gêneros e exercitar a elaboração


dos principais formatos de trabalho acadêmico. Ao final da disciplina, você deve-
rá ser capaz de utilizar corretamente as normas institucionais e da abnt (Associa-
ção Brasileira de Normas Técnicas) para a elaboração e apresentação de trabalhos
acadêmicos. Abordaremos também algumas estratégias para leitura e apreensão
das ideias de um texto acadêmico. A disciplina propõe, ainda, várias atividades de
exercício das principais estratégias e técnicas de argumentação e construção dos
gêneros mais utilizados para documentação e comunicação científicas.
O autor deste material didático é Luís Fernando Lazzarin, professor associa-
do do Departamento de Administração Escolar da Universidade Federal de Santa
Maria. Doutor em Educação e vice-líder do grupo de pesquisa dec – Diferença,
Educação e Cultura cnpq/ufsm. Desde 2009, atua no curso de Licenciatura em
Educação Especial a distância da ufsm, ministrando as disciplinas de Processos
Investigativos e Diferentes Representações da Língua.
ENTENDA OS ÍCONES

1 ATEnção: faz uma chamada ao leitor sobre um assunto,


abordado no texto, que merece destaque pela relevância.

2 interatividade: aponta recursos disponíveis na internet


(sites, vídeos, jogos, artigos, objetos de aprendizagem) que
auxiliam na compreensão do conteúdo da disciplina.

3 saiba mais: traz sugestões de conhecimentos relacionados


ao tema abordado, facilitando a aprendizagem do aluno.

4 termo do glossário: indica definição mais detalhada de


um termo, palavra ou expressão utilizada no texto.
SUMÁRIO
▷ APRESENTAÇÃO ·5

▷ UNIDADE 1 – LEITURA DE TEXTOS ACADÊMICOS ·8

Introdução ·10
1.1 Diretrizes para compreensão de textos ·11
1.2 Interpretação de textos: análise textual, análise temática,
análise interpretativa ·14
1.3 Características de um bom texto acadêmico ·16
1.4 Tipos de texto: descritivo, narrativo, argumentativo ·18
1.4.1 Texto descritivo ·18
1.4.2 Texto narrativo ·18
1.4.3 Texto dissertativo, opinativo ou argumentativo ·18
1.4.4 O parágrafo ·19
1.5 Utilização de ideias de outros autores ·20

▷ UNIDADE 2 – TRABALHOS ACADÊMICOS: TIPOS, CARACTERÍSTICAS


E ESTRUTURA ·22

Introdução ·24
2.1 Gêneros acadêmicos de comunicação ·25
2.1.1 Resumo ·25
2.1.2 Relatório ·25
2.1.3 Artigo ·27
2.1.4 Ensaio ·27
2.1.5 Monografia ·28
2.1.6 Apresentação de trabalho em evento: pôster e comunicação oral ·28
2.1.7 Comunicação oral ·29

▷ UNIDADE 3 – NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ·90

Introdução ·32
3.1 Diretrizes da associação nacional de normas técnicas ABNT/MDT-UFSM ·33
3.1.1 Elementos da estrutura física ·33
3.1.2 Formatação ·34

▷ CONSIDERAÇÕES FINAIS ·37

▷ REFERÊNCIAS ·38

▷ ATIVIDADES ·39
1
LEITURA DE TEXTOS
ACADÊMICOS
educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica ·9
INTRODUÇÃO

O
s objetivos da unidade são: (I) capacitar o estudante a efetuar uma lei-
tura proveitosa dos textos acadêmicos, reconhecendo as principais fases
do processo de leitura; (Ii) sintetizar e analisar as principais ideias de um
texto acadêmico, compreendendo sua estrutura argumentativa e (Iii) interpretar
as ideias de outros autores, utilizando corretamente citações literais e paráfrases.

10 ·
1.1
DIRETRIZES PARA COMPREENSÃO
DE TEXTOS
Etimologicamente, a palavra texto vem de tecer, tecido, trama organizada de fios.
Um texto é uma trama escrita ou falada em que os fios são as ideias. Um texto é
um tecido de ideias. Todas as esferas da atividade humana, por mais variadas que
sejam, estão relacionadas com a utilização da língua. Um texto é um

evento sociocomunicativo que existe dentro de um processo in-


teracional. Ele é resultado de uma coprodução de interlocutores.
O que distingue o texto escrito do falado é a forma como essa co-
produção se realiza (KOCH; ELIAS, 2014, p. 13).

Leitura significa compreender como está tecido o texto, mais do que juntar pala-
vras. Por isso, a leitura de textos acadêmicos geralmente é um desafio para os estu-
dantes acostumados a textos não especializados (revistas e jornais, por exemplo) ou
literários. Quando ingressa na universidade, o estudante precisa aprender a lidar com
o vocabulário científico e filosófico, que apresenta conceitos complexos e argumen-
tos elaborados em textos, exigindo concentração e dedicação de estudo.

4 termo do glossário: argumentos são ideias que servem para construir


um raciocínio. Um texto bem escrito apresenta uma lógica e uma organi-
zação de ideias articuladas para sustentar afirmações e conclusões sobre
algum tema.

A atividade de leitura precisa ser vista como uma prática específica e continua-
da na vida acadêmica, ou seja, o estudante deve ter em mente o horizonte tempo-
ral em que deve tomar contato com essas dificuldades, ultrapassá-las, adaptando
à sua rotina e a seu estilo próprio as indicações que são feitas aqui. Inicialmente,
a tarefa pode parecer difícil, mas a constância da prática de leitura dará uma ex-
periência paulatina que, aos poucos, tornará a atividade parte da rotina da vida
estudantil. Aprendendo as técnicas, o estudante adquirirá desenvoltura e rotina
própria de estudos, incorporando em sua vida particular habilidades cada vez
maiores para apreensão dos conceitos e desenvolvimento de argumentos e ideias.
Exatamente pela complexidade mencionada, os textos acadêmicos devem, pelo
menos de início, ser abordados de forma gradual. Uma leitura adequada é aquela
que consegue reter o que o texto tem de essencial. Um texto científico precisa ser
lido mais de uma vez e, de alguma forma, retido em suas ideias principais. Portan-
to, de agora em diante, não se deve mais ler qualquer texto sem anotar suas ideias
principais e sua estrutura, o mais detalhadamente possível, em mapas mentais e
resumos. É uma questão de economia: temos uma memória muito reduzida, e é

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 11


impossível para qualquer ser humano reter as informações de forma sistemática e
organizada apenas na mente. O risco de esquecermos em um curto prazo é muito
grande. Anotar e esquematizar é uma forma econômica de evitar um retorno des-
necessário ao texto e, ao mesmo tempo, ter à mão as informações que ele fornece.
Portanto, leitura e escrita acadêmicas estão intimamente relacionadas.
Marconi e Lakatos (2010) caracterizam a leitura como proveitosa quando cons-
tituída dos seguintes aspectos:
» Atenção – concentração e aplicação da mente no sentido de buscar o enten-
dimento e a assimilação dos conceitos do texto.
» Reflexão – ponderação do que se lê, observando outros pontos de vista, no-
vas perspectivas.
» Espírito crítico – avaliação do texto, julgamento, aceitação, refutação dos argu-
mentos. Não admitir argumentos sem a devida construção lógica, coerente e coesa.
» Análise – divisão do tema do texto em partes, estabelecimento das relações
entre essas partes, no sentido da construção do todo.
» Síntese – reconstrução das partes decompostas pela análise em um mapa men-
tal ou resumo, mantendo a sequência lógica do pensamento expresso pelo autor.
A leitura proveitosa, aquela que se dedica ao estudo de algum tema, realiza-se
em diferentes etapas, que se sucedem em níveis de aprofundamento e reflexão
crescentes. Não significa que será necessário ler o texto repetidas vezes do come-
ço ao fim. Trata-se de, gradativamente, penetrar nas ideias do autor e tornar-se
íntimo de sua construção. Dirigir a leitura em cada fase para diferentes aspectos
cada vez mais específicos, que nos darão as informações que precisamos. Trata-se
de aprender a “circular” pelo texto, até que se possa apreendê-lo em sua totalida-
de. As fases de leitura podem ser descritas assim:
» Uma primeira leitura é sempre destinada ao reconhecimento do texto que,
uma vez que se mostrou importante para a pesquisa, se pretende ler. É uma lei-
tura rápida, que procura por informações no índice ou sumário (no caso de livros
ou teses e dissertações), ou no resumo e nas palavras-chave (no caso de artigos
científicos, por exemplo), ou ainda nos títulos de capítulos ou seções.
» A fase seguinte é exploratória e visa localizar as informações que já se sabe
onde estão localizadas. Nesta etapa, examinam-se a página de rosto, a introdução,
o prefácio, as “orelhas”, a bibliografia e as notas de rodapé.
» Na fase seletiva, é preciso concentrar-se nas informações mais relevantes para
o interesse da pesquisa, deixando de lado o que é redundante e desnecessário. Ela
é a última etapa de localização das informações mais importantes relacionadas
com o problema em questão.
» Na fase reflexiva, identificam-se as frases fundamentais para saber o que o
autor afirma e por que o faz. É um pré-levantamento dos argumentos utilizados e
de sua construção. A próxima fase é de leitura crítica, tendo dois objetivos: obter
uma visão sincrética e global do texto e descobrir as intenções do autor. O primei-
ro objetivo visa entender o que o autor quis transmitir. O segundo objetivo tem
a ver com a retificação (correção) ou com a ratificação (confirmação) de nossos
próprios argumentos e conclusões a respeito do que estamos lendo. Nessa fase,
cotejam-se nossas opiniões e ideias com as do autor. É uma etapa de avaliação e
de julgamento.

12 ·
Concluídas todas as etapas, o que se pretende é que seja possível reconstruir
o texto, o conteúdo que o autor quis transmitir, a sequência das ideias, a forma
como foi construída a argumentação e se esta se mostrou coerente. Para essa fina-
lidade, utilizam-se instrumentos de documentação, como, por exemplo, o esque-
ma e o resumo, sobre os quais falaremos com mais detalhes adiante.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 13


1.2
INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS: ANÁ-
LISE TEXTUAL, ANÁLISE TEMÁTICA,
ANÁLISE INTERPRETATIVA
Severino (2004) e Marconi e Lakatos (2010) apresentam um importante roteiro de
orientação para a leitura de textos acadêmicos, alternando procedimentos indivi-
duais e em grupo. Abaixo, uma síntese do que estes autores apresentam:
Análise Textual
É a etapa de escolha, delimitação e preparação da unidade de leitura (o texto a
ser lido, que pode ser um capítulo, uma seção, uma divisão, um artigo acadêmico,
por exemplo), com totalidade de sentido. A delimitação facilita o trabalho de lei-
tura. Nessa etapa, realiza-se uma leitura rápida e panorâmica, explicações sobre
vocabulário (dicionário), palavras-chave, informações sobre o autor e sobre a es-
trutura do texto. Geralmente esse processo é orientado e conduzido pelo professor.

Análise Temática
É a etapa de efetiva compreensão do texto, através de sua releitura e da de-
terminação do tema/problema, da ideia central e da linha de raciocínio do autor.
Nessa etapa, faz-se um esquema (ou mapa mental) da sequência de ideias apre-
sentadas pelo texto. É um processo realizado individualmente pelo estudante.

Análise Interpretativa
É a etapa da interpretação individual do texto e de sua análise crítica. Verifi-
ca-se a coerência da argumentação, a validade dos argumentos, a originalidade,
a profundidade e o alcance deles. Coteja-se as ideias de outros autores. Pode-se
situar as ideias do texto no contexto da produção do autor. Faz-se um resumo para
discussão em sala de aula.

Problematização
Nesta etapa, levantam-se e debatem-se questões surgidas, explícitas ou implÍ
cítas, do texto. Levantamento de novas questões pertinentes ao estudo.

Síntese Pessoal
Retomada pessoal do texto, através da reelaboração do processo de compre-
ensão da mensagem do autor. O raciocínio torna-se personalizado, através da re-
elaboração do texto em forma de paráfrase, com discussão de reflexões pessoais
e em grupo.

Se na fala é possível desdizer, dizer novamente, recomeçar a dizer, gesticular,


comunicarmos pelo olhar, na escrita não temos essa possibilidade. Na comuni-
cação escrita, na imensa maioria das vezes, a mensagem do texto deve se fazer

14 ·
entender sem a presença de quem o escreveu. Em uma conversa, há falsos come-
ços, truncamentos, hesitações, correções, inserções, repetições. Ou seja, o texto
falado é mais dinâmico, em comparação com o escrito, nesse aspecto. Na fala há,
por assim dizer, uma coprodução do texto entre quem detém a palavra e quem
está ouvindo. Ambos estão empenhados em ser cooperativos, em negociar sua
argumentação, de forma que não faz sentido analisar separadamente a produção
de cada interlocutor (KOCH; ELIAS, 2014).
Enquanto o texto falado apresenta-se no momento em que está sendo feito
(planejamento e verbalização ocorrem simultaneamente), o texto escrito é pla-
nejado, seus rascunhos podem ser revisados e corrigidos. Ao escrever, principal-
mente textos acadêmicos, devemos ser claros, objetivos, e nosso texto deve ser
ordenado para que o leitor não se sinta perdido e compreenda nossas ideias. Afi-
nal, na imensa maioria das vezes, quem escreve e quem lê não estão na presença
um do outro.
Leitura e escrita estão interligadas, muito embora cada uma esteja relacionada
ao desenvolvimento de habilidades específicas e a um treinamento contínuo. Ler
bem é um pressuposto para escrever bem.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 15


1.3
CARACTERÍSTICAS DE UM BOM
TEXTO ACADÊMICO
São características de um bom texto acadêmico (viana, 2003):
Centralidade do Tema – É o assunto principal em torno do qual gravitam as
ideias e os argumentos. Um texto acadêmico jamais deve fugir ao tema, concen-
trando-se nele e explorando suas possibilidades de compreensão.
Pressupostos Claros – Direção da argumentação e clareza da tese/hipótese a ser
defendida ou demonstrada.
Argumentos Sólidos – Constroem os caminhos lógicos para demonstrar os pres-
supostos ou defendê-los. A unidade do texto depende da argumentação. Argumen-
to é construção ordenada de sentido do texto. Quanto mais sólido, claro, ordenado
e forte, mais revelador de nossa capacidade de criação, avaliação e crítica.
Clareza – Um texto acadêmico precisa ser claro e objetivo e as ideias logicamente
encadeadas. Deve-se evitar a afetação, o esnobismo, os lugares comuns, as frases
feitas e o sentimentalismo. Isso, contudo, não impede o uso de linguagem figurada
(metáforas e alegorias, por exemplo) e da criatividade na abordagem do tema.
Coesão – É amarrar uma frase na outra. Nada mais é que a ligação harmoniosa
entre os parágrafos, fazendo com que fiquem ajustados entre si, mantendo uma
relação de significância.
Coerência – Elo conceitual entre diversos segmentos que mantém a unidade do
texto e da argumentação. Quando falamos em coerência, nos referimos à lógica
interna de um texto, isto é, o assunto abordado tem que se manter intacto, sem
que haja distorções, facilitando, assim, o entendimento da mensagem.

É fundamental, para quem escreve, ter o que dizer ao leitor. Um texto bem es-
crito é aquele que faz sentido para quem o lê, ou seja, que se comunica de alguma
forma com quem está do outro lado. Em trabalhos acadêmicos, é essencial que a
sua preocupação seja em escrever de forma lógica e que demonstre o seu domínio
sobre o assunto, diferentemente de textos literários e fictícios cuja função pode
ser provocar os sentimentos do leitor. Ou seja: é essencial que você identifique o
possível leitor de seus escritos. A seguir, algumas sugestões para a escrita acadê-
mica (silva, 2016):
» escrever exige planejamento: desenhe, faça mapas mentais, sumários. A es-
crita acadêmica deve se constituir em um exercício constante. Não espere que
o texto esteja pronto na primeira tentativa de escrita, tampouco por uma ideia
iluminada, nem pelo momento ideal para escrever. Eles surgem apenas se você
exercitar a escrita. Não tente organizar tudo na mente antes de escrever: é mais
produtivo rascunhar mapas mentais, sumários e esquemas.
» delimitar tema: quem escreve tem que saber do que está falando. Escrever
exige preparação. Um trabalho científico deve se basear na empiria coletada e na

16 ·
bibliografia que sustentará as análises. O pesquisador deve certificar-se de que
tomou todas as notas necessárias e fichou os autores mais importantes para em-
basar suas análises.
» suspender censura: a autocrítica exagerada pode ser um impedimento para
a escrita. Não seja tão perfeccionista e exigente consigo mesmo. Coloque as ideias
no papel tão logo puder. Vá desenvolvendo o raciocínio aos poucos, melhorando
o que escreveu anteriormente.
» ter equilíbrio entre ler e escrever: saiba a hora em que é preciso parar ou
diminuir a leitura de fontes e outros autores para dedicar-se ao seu próprio texto.
» estar à espreita de ideias: estar atento ao que se passa ao seu redor. Assis-
tir filmes, ler revistas e jornais, ouvir diversos gêneros musicais, interessar-se por
temas culturais contemporâneos ajudam a expandir sua visão de mundo e po-
dem ser fontes para o incremento de seu repertório cultural e, consequentemente,
para sua inspiração intelectual.
» escrever com autoria: é fundamental utilizar a criatividade na escrita aca-
dêmica. Convenhamos: ninguém gosta de ler um texto que fala mais do mesmo.
Mesmo que seja um tema já conhecido, é sempre válido demonstrar uma nova
abordagem crítica e o domínio sobre o que é dito.
» escrever com correção gramatical: por fim, mas não menos importante, a
gramática. Obviamente, um bom texto segue as normas da língua portuguesa. Pe-
quenos erros não irão arruinar o seu bom trabalho, mas é sempre recomendável
evitá-los. Para isso, recorra aos serviços de um revisor profissional para seus textos.
» para melhorar a escrita é preciso praticar: praticando, você consegue afas-
tar a censura aos poucos e tornar-se menos exigente consigo mesmo. Deixe de
lado o perfeccionismo e não tenha medo de ser imperfeito. Não pense que o que
você está escrevendo deve ser necessariamente o trabalho de sua vida. É o exercí-
cio que vai lhe proporcionar uma escrita cada vez mais qualificada.

2 interatividade: no site abaixo você encontra vários exercícios de escrita:


http://www.lendo.org/15-exercicios-para-melhorar-sua-escrita/

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 17


1.4
TIPOS DE TEXTO: DESCRITIVO,
NARRATIVO, ARGUMENTATIVO
Na escrita acadêmica, utilizamo-nos desses diferentes tipos de texto – seja no
diário de campo (instrumento de coleta de dados), seja na análise de resultados,
por exemplo.
É importante conhecê-los separadamente, embora um texto acadêmico, mui-
tas vezes, se utilize dessas três modalidades de forma articulada entre si.

1.4.1 Texto descritivo


Apresenta a perspectiva do observador. Enumera aspectos, pormenores e carac-
terísticas de alguém, de algo ou de alguma situação (físicas, psicológicas, am-
bientes, contextos).

Exemplo de descrição
A mulher era magra, extrovertida, falava alto e ficava muito irritada quando
percebia que não lhe davam a devida atenção.

1.4.2 Texto narrativo


Conta uma história, possuindo enredo, personagens, narrador, espaço.

Exemplo de descrição
João completou o ensino médio em 2005 e, em seguida, foi morar em Porto
Alegre. Conheceu Maria durante um carnaval, casaram-se em 2007 e tiveram um
filho em 2009.

1.4.3 Texto dissertativo, opinativo ou argumentativo


Desenvolve um tema, defende uma ideia baseado na argumentação, busca per-
suadir o leitor.

Exemplo de descrição
O grafite surge, nas décadas de 1960 e 1970, como movimento artístico que
congrega jovens dos guetos latinos e negros dos grandes centros e catalisa a rebel-
dia, a contestação e a afirmação identitária dessas minorias.

Nos diferentes tipos de texto, pode-se utilizar, no mínimo, cinco formas de


Targumentação (weston, 2009):

18 ·
2 interatividade: no endereço https://goo.gl/W5SLk0 você encontra vá-
rios exercícios para identificar os diferentes tipos de argumento.

» Argumento de princípio – uma crença pessoal baseada em evidências ou ra-


ciocínio lógico irrefutável ou difícil de refutar.
» Argumento por evidência – a confiabilidade dos dados recolhidos pela pes-
quisa e seu tratamento rigoroso e fidedigno é fundamental para convencer o leitor.
É utilizado para contestar um ponto de vista equivocado através de apresentação
de dados colhidos na realidade.
» Argumento de autoridade – através de citações literais e paráfrases de autores
conhecidos e respeitados na área, damos credibilidade ao texto. São baseados na
autoridade de quem argumenta (autor reconhecido da área).
» Argumento por exemplificação – para fortalecer a argumentação podem ser
usados exemplos, comparações, analogias e metáforas.
» Argumento lógico – estabelecimento de relações de causa e efeito. Utilizado
para demonstrar que a conclusão não é fruto de interpretação pessoal (portanto,
contestável), mas de necessidade lógica (incontestável).

1.4.4 O parágrafo
É importante atentar para como o parágrafo expressa as etapas do raciocínio. A
estrutura do parágrafo reproduz a do próprio texto: deve haver um anúncio do
que se pretende dizer (uma introdução); um desenvolvimento no corpo do pará-
grafo; uma síntese ao final (uma conclusão). Para escrever um parágrafo deve-se
atentar para os seguintes aspectos:
» O parágrafo é um conjunto de enunciados que devem convergir para o mes-
mo sentido. A mudança de parágrafo marca o fim de uma etapa do raciocínio e o
início de outra.
» O parágrafo deve girar em torno da primeira frase (tópico frasal). Ela deve ser
muito precisa e objetiva para que as ideias do parágrafo sejam convenientemente
desenvolvidas. Essa frase (ou até uma palavra dela) deve nortear o parágrafo.
» Cada parágrafo deve explorar uma só ideia. Isso evita que o parágrafo se torne
confuso e sem coerência.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 19


1.5
UTILIZAÇÃO DE IDEIAS DE
OUTROS AUTORES
Em um texto acadêmico, utilizamo-nos de ideias de outros autores para construir,
fundamentar e dar credibilidade a nossa argumentação. Para tanto, é necessário
sempre citar a fonte dessas ideias. É grave crime, chamado plágio, apropriar-se
de ideias de outras pessoas sem a devida referência. Há três formas de fazer ci-
tações de outros autores: a citação literal, a paráfrase (ou citação indireta) e a ci-
tação de citação. Na citação literal, copiamos as palavras do autor. Na paráfrase,
resumimos as ideias do autor, utilizando nossas palavras. Na citação de citação,
cita-se um texto cujo acesso só foi possível através de outro texto, ou seja, não se
conseguiu ter acesso ao original e as ideias só foram conhecidas por citação de
outro trabalho. Na seção 3, veremos exemplos de como identificar os autores dos
diferentes tipos de citação.
Reconhece-se em um texto a maturidade do autor e o domínio que ele tem do
assunto abordado pela quantidade de citações literais e de paráfrases que ele em-
prega. Geralmente, um autor experiente utiliza-se mais de paráfrases do que de
citações literais. Um pesquisador menos experiente ainda necessita de apoio de
autores que considera importantes para ajudá-lo a sustentar suas ideias. A utili-
zação demasiada de citações literais corre o risco de deixar o texto fragmentado e
sua sequência interrompida. Portanto, as citações literais devem ser utilizadas de
forma econômica, quando realmente for imprescindível para sustentar um argu-
mento importante do texto. O ideal é balancear a quantidade de citações diretas
e de paráfrases.
É preciso ter muito cuidado com o uso de ideias alheias. Apesar de ser crime
previsto em lei, com punição no âmbito civil e no penal, o plágio é largamente
disseminado e praticado por "profissionais" que elaboram trabalhos acadêmicos
mediante pagamento. Além de combater essa prática, é necessário tomar alguns
cuidados quando se escreve um trabalho científico. Dentre esses cuidados, é pre-
ciso dar o crédito a quem teve a ideia ou a quem disse determinadas coisas que
você está escrevendo.
O plágio não é difícil de identificar. Além da circulação dos textos acadêmicos
se dar em um âmbito relativamente restrito de leitores em cada área, há progra-
mas na Internet que localizam trechos que eventualmente possam ter sido co-
piados em sites. Portanto, é possível rastrear os usos (e abusos) de cada citação
ou paráfrase com muita facilidade. É recomendável não se expor aos riscos de,
sob qualquer pretexto (falta de tempo, preguiça ou esperteza, por exemplo), ser
denunciado por plágio. Seja você mesmo o autor de seus trabalhos, exponha e
defenda suas próprias ideias.

20 ·
2 interatividade: no endereço: https://goo.gl/02K2Da você encontra um
texto importante de Paulo Freire chamado “Considerações sobre o ato de
estudar”. Ele pode ser usado como um importante orientador de seus es-
tudos.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 21


2
TRABALHOS ACADÊMICOS:
TIPOS, CARACTERÍSTICAS
E ESTRUTURA.
educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 23
INTRODUÇÃO

O
s objetivos da unidade 2 são: (I) compreender a estrutura dos diferentes
gêneros de escrita acadêmica; (Ii) reconhecer e identificar os elementos
textuais necessários à redação do trabalho científico; e (Iii) exercitar a
elaboração dos principais gêneros de trabalho acadêmico.

24 ·
Segundo Koch; Elias (2014), um gênero textual é uma forma padrão relativamente
estável, segundo a qual se pode estruturar um texto. Podemos chamar de gêneros
textuais acadêmicos as formas utilizadas para documentação do material lido por
nós ou para comunicação de material de nossa autoria.
Gêneros de documentação são utilizados em diversas etapas da pesquisa como
uma forma de registro e de estudo do conteúdo. São úteis para facilitar o acesso ao
conteúdo lido. São formas de organização do material lido, que vai ser, posterior-
mente, utilizado no texto a ser produzido. Podemos dizer que eles representam um
crescendo na ordem de complexidade de apreensão e de organização dos conteú-
dos estudados. São: fichamento, resenha, esquema (mapa mental), resumo.
Fichamento: uma elaboração do mapa mental, que desenvolve os conceitos
em termos de frases e orações. Contém a referência, conforme as normas da abnt,
e resume as principais ideias do texto. Esse método prevê uma organização em
catálogo, que possa ser acessado com facilidade. Um fichamento pode ser uma
coleção de citações literais (copiar literalmente as ideias do autor) ou de paráfra-
ses das ideias do texto (uma cópia das ideias, mas utilizando-se outras palavras
que não as que o autor utilizou).
Resenha: pode se constituir tanto como um instrumento de documentação,
quanto de comunicação científica. Visa apresentar uma síntese das ideias funda-
mentais de uma obra, evidenciando suas contribuições para a área em questão,
ao mesmo tempo em que faz uma avaliação crítica, contextualizando o texto na
obra do autor e/ou no conjunto da produção da área.
Tanto fichamento quanto resenha visam organizar o conteúdo teórico da pes-
quisa. O objetivo de ambos é “beneficiar” o material a ser empregado na pesquisa,
extraindo as principais ideias e conceitos dos autores. Uma boa resenha ou um
bom fichamento são aqueles que substituem a releitura da fonte resenhada. Em
ambos deve ser registrada a referência completa da obra fichada e o local em que
pode ser eventualmente consultada.
Esquema: é um recurso gráfico que apresenta de forma concisa as principais
ideias de um texto lido, de uma aula ou palestra assistida. É feito de forma rápida
no momento em que se lê ou se ouve algum autor, anotando as ideias principais
para ser posteriormente desenvolvido e enriquecido. Uma forma de esquema ad-
vinda da área de gestão de softwares é o mapa mental, uma ferramenta visual e/ou
gráfica que ajuda a transmitir um conceito, estabelecer relações de causa e efeito
e tornar palpáveis e visíveis ideias correlacionadas.

1 atenção: há muitos exemplos de mapas mentais na Internet. Dê uma


olhada no google.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 25


2.1
GÊNEROS ACADÊMICOS DE
COMUNICAÇÃO
Existem diversos formatos de textos para apresentação e comunicação de pesqui-
sas acadêmicas.

2.1.1 Resumo
Como gênero de comunicação científica, o resumo é uma apresentação concisa
e seletiva do texto, em que se destacam os elementos de maior importância da
pesquisa. Um resumo basicamente deve conter:
» Tema e problematização desenvolvidos na pesquisa
» Objetivos
» Abordagem teórico-metodológica
» Resultados
Muitos eventos científicos (congressos, seminários, fóruns, encontros) publi-
cam resumos (simples ou expandidos) dos estudos apresentados em comunicação.

2.1.2 Relatório
É todo documento que relata uma pesquisa. Uma tese, uma dissertação, um tra-
balho de conclusão de curso, um artigo científico são, em sentido geral, relatórios
de pesquisa. Há também outros projetos de pesquisa (geralmente coordenados
por um professor doutor), cujas agências de financiamento (capes,cnpq, faper-
gs, por exemplo) exigem relatórios parciais e finais, de acordo com a fase em que
esteja o projeto. Um modelo de relatório desse tipo deve contemplar:
Capa
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
CENTRO
GABINETE DE PROJETOS

TÍTULO DO PROJETO

Número do projeto:
Coordenador:

LOCAL E DATA

26 ·
Resumo
Apresentação, de forma resumida (em torno de 250 palavras, normalmente),
do conteúdo do relatório, de acordo com a mesma estrutura.

Introdução
Apresentação do tema e delimitação do problema a ser tratado. Exposição dos
objetivos gerais e específicos do relatório.

Desenvolvimento
Apresentação da fundamentação teórica e metodológica e as categorias de
análise. Apresentação da análise, discussão e interpretação dos resultados.

Conclusão e perspectivas de continuidade


Retomada da discussão proposta no início do trabalho. Breve síntese dos re-
sultados alcançados. Enunciação da resposta ao problema inicialmente proposto.
Sugestões e possibilidades para a continuidade do trabalho de pesquisa.

Referências
Lista de todas as fontes utilizadas na pesquisa, formatada segundo a abnt.
No meio acadêmico, distinguem-se basicamente os seguintes relatórios finais
de pesquisa, segundo o nível de formação (ufsm, 2016, p. 10):
» Cursos de graduação: o relatório final intitula-se trabalho de conclusão de
curso (tcc). O trabalho é orientado por um professor com titulação mínima de
graduação.
» Cursos de pós-graduação:
Curso de especialização – o relatório final intitula-se monografia. O trabalho
é orientado por um professor com titulação mínima de mestre.
Curso de mestrado – o relatório final intitula-se dissertação. O trabalho é
orientado por um professor com titulação mínima de doutor.
Curso de doutorado – o relatório final intitula-se tese. O trabalho é orientado
por um professor com titulação mínima de doutor.

2.1.3 Artigo
Apresenta, de forma reduzida, uma pesquisa concluída. Os artigos são textos pu-
blicados em revistas científicas (periódicos científicos). É condição para publi-
cação a efetiva relevância da pesquisa para a área específica. Além disso, devem
apresentar a problemática pesquisada, os objetivos, a abordagem teórico-meto-
dológica utilizada e a discussão dos resultados obtidos. No Brasil, os artigos são
avaliados, de acordo com o mérito acadêmico pelo sistema Qualis Capes.

2.1.4 Ensaio
É um texto situado nas fronteiras entre o filosófico e o literário, expondo ideias, es-
peculações, críticas reflexões sobre uma determinada temática. De maneira geral,
o ensaísta apresenta uma tese pessoal e defende seu ponto de vista sem necessa-

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 27


riamente recorrer a evidências empíricas ou documentais (fernandes, 2016). O
ensaio “propõe de certa forma a quebra da lógica esquemática e sistemática da
ciência tradicional, sobretudo de natureza positivista” (meneghetti, 2016, p. 1).
Por seu caráter interpretativo e compreensivo, o ensaio é bastante utilizado na
área de Ciências Humanas e Sociais.

2.1.5 Monografia
Como foi mencionado acima, em sentido geral, uma monografia é um trabalho
acadêmico sobre um determinado tema. Especificamente, dá-se o nome de mo-
nografia ao trabalho de conclusão de um curso de especialização. Em ambos os
casos, esse tipo de estudo deve ter algumas características, segundo Marconi e
Lakatos (2010):
» Proporcionar o exercício da escrita e do pensamento crítico, tanto por parte
do pesquisador quanto do estudante dos diferentes níveis de formação (gradua-
ção, especialização, mestrado e doutorado).
» Ser um trabalho escrito, sistemático e completo.
» Constituir-se em uma contribuição efetiva e relevante para a área.
» Ser um estudo pormenorizado e exaustivo sobre um tema.
» Possuir rigor metodológico e teórico no tratamento dos dados.
» Ser uma contribuição original (autoral) para a área, tanto na produção de
novos problemas de pesquisa quanto no que se refere a novas abordagens do que
já é conhecido, revendo as possibilidades metodológicas de interpretação.
» Possuir a já comentada estrutura de um relatório de pesquisa.

2.1.6 Apresentação de trabalho em evento: pôster


e comunicação oral
Pôster é um gênero de comunicação científica na forma de um painel de grande
dimensão (pôster significa cartaz), objetivando apresentar visualmente, de forma
resumida e esquemática, os dados de uma pesquisa. Um pôster funciona como
uma espécie de síntese, de resumo. Geralmente, os eventos científicos (congres-
sos, seminários, encontros) oportunizam seções de pôsteres, em um ambiente
específico para que sejam afixados e possam ser visitados pelo público. A seção
de pôsteres é uma apresentação conjunta em que o público interessado pode per-
correr o ambiente em que os trabalhos estão expostos, conhecer as pesquisas que
apresentam e conversar com os autores, que geralmente permanecem no local
de exposição para apresentá-los. O pôster transmite, de forma rápida e clara, as
ideias centrais do trabalho, ao mesmo tempo em que permite que cada leitor lhe
dê o tempo e a atenção que entenda adequados. A exposição oral feita pelo(s) au-
tor(es) aumenta a eficácia e o potencial da transmissão das informações. O pôster
tem a mesma estrutura do resumo. Pode-se ilustrar a pesquisa apresentada no
pôster com fotografias, gráficos, quadros e mapas mentais.

3 saiba mais: http://pt.slideshare.net/Biblioesamares/7-como-elaborar-um-poster

28 ·
Algumas orientações quanto à formatação do pôster:
» Usar cores claras para o fundo, ressaltando as cores fortes. Cores escuras no
fundo e letras claras são difíceis de ler, exceto no título.
» Usar apenas duas ou três cores, evitando cores berrantes e de difícil combinação.
» Os gráficos e imagens devem ser claros, de tamanho suficiente para serem li-
dos, mas sem serem excessivos e desproporcionais, equilibrando texto e imagem.
» Usar imagens com boa resolução e com moldura.
» Reduzir o texto ao indispensável para transmitir a informação. Excesso de
texto afasta a audiência, devendo apresentar-se a informação relevante.
» O texto é apresentado sempre em computador e nunca à mão: pode-se usar
o Power Point, Publisher ou mesmo o Word.
» Distribuir a informação em blocos de 80-100 palavras e emoldurar cada texto,
colocando um subtítulo.
» Usar um tipo de letra sóbrio, nos títulos e no texto, evitando fontes muito
rebuscadas e não misturando muitos tipos de letras (não mais de dois).

2.1.7 Comunicação oral


Uma comunicação oral é uma seção (geralmente pública) de apresentação conci-
sa de uma pesquisa por parte de seus autores em eventos científicos. Geralmente,
as seções de apresentação oral tem duração de dez a trinta minutos. Algumas re-
comendações para apresentação oral são importantes, segundo Giuliani (2016):
» Saiba antecipadamente o tempo disponível para realizar a apresentação.
» Elabore um bom resumo, crie material visual, desenvolva e treine a apresen-
tação. Os passos anteriores devem levar em conta o tempo de apresentação dispo-
nível. A estrutura dos slides pode ser a mesma do resumo.
» Faça o material visual após escrever a apresentação.
» Calcule a velocidade da apresentação em um slide por minuto. Você terá nove
slides no total e um minuto para encerrar a comunicação.
» Não polua visualmente os slides com excessos de cores ou informações. Cui-
dado com as animações.
» É importante chegar ao local da apresentação com antecedência para testar
o equipamento e o material e apresentar-se ao coordenador da seção de apre-
sentações.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 29


3NORMAS TÉCNICAS
PARA APRESENTAÇÃO
DE TRABALHOS
educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 31
INTRODUÇÃO

O
principal objetivo da unidade 3 é conhecer as principais diretrizes para
formatação de textos acadêmicos da abnt e da mdt/ufsm.
No Brasil, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (abnt) é a respon-
sável por definir as regras de formatação dos trabalhos acadêmicos. A Universida-
de Federal de Santa Maria possui a mdt (Manual de Dissertações e Teses), um guia
prático e objetivo para orientar a apresentação de trabalhos científicos no âmbito
da Universidade no que diz respeito à formatação de conteúdos e que atenda às
necessidades da produção de conhecimento.
É recomendável que o estudante tenha sempre à mão a esse manual para utili-
zação detalhada em seus trabalhos acadêmicos. A seguir, ressaltamos de forma re-
sumida alguns aspectos gerais sobre a formatação recomendada pela mdt/ufsm.

3 saiba mais: para conhecer detalhadamente a utilização das normas de


referência bibliográfica utilize a mdt publicada pela ufsm, disponível em
https://goo.gl/vzdF8z

32 ·
3.1
DIRETRIZES DA ASSOCIAÇÃO
NACIONAL DE NORMAS TÉCNICAS
ABNT/MDT-UFSM
3.1.1 Elementos da estrutura física
Há três elementos que compõem a chamada estrutura física de um trabalho acadêmico:
1. pré-textuais: são elementos que antecedem o texto com informações que
ajudam na identificação e utilização do trabalho.
Abaixo, há uma tabela que lista a ordem dos elementos pré-textuais obrigató-
rios e opcionais:
FIGURA 1: Ordem dos elementos pré-textuais.

Fonte: NTE, 2016.

2. textuais: constituem o núcleo central do trabalho.


Introdução (obrigatória) – é composta por: delimitação do tema, problemática,
objetivos, justificativa, referencial teórico e uma síntese relacionando as partes
constituintes do trabalho. Não deverá apresentar resultados nem conclusões.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 33


Desenvolvimento (obrigatório) – parte principal do texto (não um capítulo)
que contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. No desenvolvi-
mento, existem três capítulos que devem ser fixos: a revisão bibliográfica, meto-
dologia e resultados e discussões.
Conclusão (obrigatória) – parte final do texto, na qual são apresentadas as con-
clusões do trabalho e em que medida os objetivos propostos foram alcançados.
Poderá conter sugestões e recomendações para novas pesquisas.

3. pós-textuais: complementam o trabalho.


Glossário (opcional) – lista em ordem alfabética de palavras ou expressões téc-
nicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas no texto, acompanhadas
das respectivas definições.
Apêndice (opcional) – texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de com-
plementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho.
Anexo (opcional) – texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de
fundamentação, comprovação e ilustração.
Índice (opcional).

3.1.2 Formatação
Formatação da página: em trabalhos de até 100 páginas as margens devem ter:
Superior: 3cm
Inferior: 2cm
Direita: 2cm
Esquerda: 3cm

Costuma-se utilizar fonte tamanho 12, Times New Roman, para o texto princi-
pal. Para as notas de rodapé e as citações literais com mais de quatro linhas, fonte
tamanho 10, Times New Roman. O espaçamento do texto normal deve ser de 1,5.
O espaçamento das notas de rodapé, referências, resumos, listas, citações longas
deve ser de 1,0.

Exemplo de citação direta


Quando a citação tiver até três linhas, deve seguir no corpo do texto, entre as-
pas, como no exemplo:
Segundo Costa (2002, p. 104), “os objetos não existem, para nós, sem que antes
tenham passado pela significação. A significação é um processo social de conhe-
cimento”.

Quando a citação tiver quatro ou mais linhas, deve ser afastada 4cm da mar-
gem e ter fonte 10. Autor, data e página devem vir entre parênteses:

Toda teorização corrente sobre a escola, a educação, o ensino,


a pedagogia, a aprendizagem, o currículo, constitui um con-
junto de discursos, de saberes, que, ao explicar como estas coi-
sas funcionam e o que são, fabrica suas identidades (costa,
2002, p. 104-105).

34 ·
Exemplo de paráfrase
Yúdice (2004) afirma que a cultura passou a ser administrada por gerencia-
dores profissionais, que a encaram como esfera privilegiada de investimento e
catalisadora do desenvolvimento humano.

Note que há diferentes maneiras de citar os nomes dos autores e as datas de


publicação das obras.

Citação de citação
Utiliza-se a palavra latina apud para indicar a fonte primária da citação. Ou
seja, conforme o exemplo abaixo, Carvalho citou, em obra de 1998, uma afirma-
ção feita por Silva, em uma obra de 1994. A citação de citação pode ser feita literal-
mente ou em forma de paráfrase.

Silva (1994 apud carvalho, 1998, p. 84) sustenta que “há uma tendência cres-
cente à intolerância à violência contra as mulheres”.

Referências
As fontes bibliográficas citadas (e apenas essas), tanto em forma de paráfrase
quanto literalmente, devem estar relacionadas ao final do trabalho, em uma lista
por ordem alfabética do sobrenome do autor. A lista é padronizada em elementos
descritivos, essenciais e complementares, que permitem a sua identificação e lo-
calização, no todo ou em partes.
Há cinco formas de referência que merecem ser mencionadas pela frequência
com que ocorrem.
Livro no todo
» 1 autor:
vattimo, g. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-
-moderna. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

» 2 autores:
marconi, m. a.; lakatos, e. m. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed.
São Paulo: Atlas, 2010.

Artigo de periódico (revista científica)


lunardi-lazzarin, m. l.; machado, f. c. Outros domínios pedagógicos: a mí-
dia ensinando sobre a mesmidade e a alteridade. Revista de Educação Especial,
Santa Maria, v. 23, n. 37, p. 207-216, 2010.

Livro organizado no todo


viana, c. a. (Org.) Roteiro de redação: lendo e argumentando. São Paulo: Edi-
tora Scipione, 2003.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 35


Capítulo de coletânea
carvalho, r. t. Diferença cultural, mercado e mídia. In: burity, j. a.; rodrigues,
c. m. secundino, m. a. (Orgs.). Diferenças culturais e políticas de identidade. Vol.
II. Belo Horizonte: Argvmentvm Editora, 2010. p. 51-62.

Texto disponível em sites de internet


ceia, c. Sobre o conceito de alegoria. Disponível em: <http://www.pgletras.
uerj.br/matraga/nrsantigos/matraga10ceia.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2015.

Para demais referências, consultar a mdt/ufsm.

36 ·
CONSIDERAÇÕES FINAIS
E
ste material didático foi preparado com o intuito de instrumentalizar os
alunos com as principais técnicas de organização das ideias, seja a partir
das leituras necessárias durante o curso, seja para a construção de textos
acadêmicos próprios. Enfatizamos que tanto a boa leitura quanto a boa redação
são alcançadas através do exercício contínuo e organizado. É praticando que
aprendemos a ler e a escrever com habilidade e desenvoltura. Esperamos que o
material seja útil, que possa abrir novos horizontes na sua vida acadêmica e que,
juntamente com a bibliografia referenciada, possa servir como uma ferramenta
adequada de formação durante esse curso.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 37


REFERÊNCIAS
COSTA, M. V. Pesquisa-ação, pesquisa participativa e política cultural da identidade.
In: COSTA, M. V. (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer
pesquisa em educação. Rio de Janeiro: dp&a, 2002. p. 93-117.

FERNANDES, G. Tipos de texto e gêneros textuais. Blog da professora Juliana Fer-


nandes. 2015. Disponível em: <https://br.portalprofes.com/Juliafern21/blog/ti-
pos-de-texto-e-generos-textuais>. Acesso em: 21 jul. 2016.

GIUGLIANI, E. Como apresentar um trabalho num congresso científico. Univer-


sidade Federal do Rio Grande do Sul. 2005. Disponível em : <www.ufrgs.br/pro-
pesq1/seminarios/documentos/Apresentacaooral.ppt>. Acesso em: 01 jul. 2016.

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo:
Contexto, 2014.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed.


São Paulo: Atlas, 2010.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio teórico? Revista de Administração Contem-


porânea, Curitiba, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar./abr. 2011. Disponível em: <http://
www.scielo.br/pdf/rac/v15n2/v15n2a10.pdf>. Acesso em 21 jul. 2016.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Editora Cortez, 2004.

SILVA, T. T. Como enfrentar a síndrome da folha em branco. Disponível em: <tc-


cgestaodocuidadosaoleopoldo.pbworks.com/f/folha_em_branco_Tomaz.doc>.
Acesso em: 15 jul. 2015.

ufsm. Manual de Dissertações e Teses: estrutura e apresentação. Santa Maria:


Editora da UFSM, 2015. Disponível em: <http://w3.ufsm.br/biblioteca/index.
php/sib-ufsm/normas>. Acesso em: 01 out. 2016.

VIANA, C. A. (Org.) Roteiro de redação: lendo e argumentando. São Paulo: Editora


Scipione, 2003.

WESTON, A. A construção do argumento. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

38 ·
ATIVIDADES
1. Para exercitar o texto descritivo e o texto narrativo:

a. Escolha dez pessoas que você conhece e escreva uma descrição delas em ape-
nas três frases.

b. Escreva uma autobiografia de 500 palavras.

2. Para exercitar a escrita argumentativa:

a. Escreva um parágrafo argumentando (contra ou a favor , ou ponderando so-


bre essas duas opções – a escolha é sua) sobre cada um dos temas:
» a descriminalização do consumo de drogas
» a pena de morte
» o aborto
» as políticas federais de inclusão

Lembre-se que argumentar significa apresentar opiniões com base em argumen-


tos sólidos, objetivando convencer o leitor. Utilize os diferentes tipos de argumento
apresentados na Unidade 1.

3. Faça um mapa mental com o conteúdo da última unidade do caderno didático.


“Prefiro ser essa metamorfose ambulante
Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”

4. Faça uma paráfrase do seguinte verso de Raul Seixas na canção “Metamorfose


ambulante”:

5. Exercite formatar a referência das seguintes fontes (você deve encontrar um


exemplo de cada uma) de acordo com a mdt/ufsm:
» Artigo de periódico
» Livro com dois autores
» Coletânea
» Constituição brasileira de 1988
» Texto em site de Internet

2 interatividade: no endereço https://goo.gl/XiMY4a você encontra várias


atividades para identificar os diferentes tipos de argumento.

educação especial | Introdução à Escrita Acadêmica · 39