Вы находитесь на странице: 1из 13

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA

CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE


COORDENAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

NOTAS DE AULAS DE CÁLCULO I

GÁBIO STALIN SOARES ALMEIDA

ARARUNA - PB

1
Sumário

1 Limites 3
1.1 Limite de uma função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.2 Limites Laterais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
1.3 Cálculo de Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.4 Limites no Infinito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.5 Limites Infinitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.6 Assı́ntotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.6.1 Assı́ntotas para Funções Racionais . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Referências Bibliográficas 13

2
Capı́tulo 1

Limites

Esse Capı́tulo será reservado para o estudo de Limites

1.1 Limite de uma função


Seja a função f (x) = (2x+1)(x−1)
(x−1)
definida para todo x ∈ R e x ̸= 1. Se x ̸= 1, pode-
mos dividir o numerador e o denominador por x − 1, logo obtemos uma nova função
f (x) = 2x + 1.

Tomemos os valores da função f quando x assume valores próximos de 1, porém,


diferente de 1.

Seja x valores menores do que 1, então

Por outro lado, se x assumi valores maiores do que 1, temos

Podemos observar que, em ambos os casos os valores x se aproxima cada vez mais
perto de 1, f (x) se aproxima de 3, isso é o que chamamos de limites. Podemos dizer
que ”o limite da função f (x) = 2x − 1 quando x tende a 1 é igual a 3”. Sendo assim,
iremos definir limite.
Definição 1.1 Seja I um intervalo aberto ao qual pertence o número real a. Seja f
uma função definida para x ∈ I − {a}. Dizemos que o limite de f (x), quando x tende
a a, é igual a L, e escrevemos
lim f (x) = L
x→a

3
se para todo ϵ > 0, existir um δ > 0 tal que se
0 < |x − a| < δ
então
|f (x) − L| < ϵ.
Exemplo 1.1 Use a definição para provar que lim (3x − 1) = 2
x→1

Solução: Por definição, temos que para todo ϵ > 0, existe um δ > 0 tal que
|(3x − 1) − 2| < ϵ
sempre que
0 < |x − 1| < δ.
Analisando a desigualdade que envolve ϵ proporciona uma chave para escolha de δ.
Vejamos
|3x − 1 − 2| < ϵ
|3x − 3| < ϵ
|3(x − 1)| < ϵ
ϵ
|x − 1| < .
3
Portanto, escolhendo δ = 3ϵ , vem que
|(3x − 1) − 2| < ϵ ⇒ 0 < |x − 1| < δ.
Logo,
lim (3x − 1) = 2.
x→1

Exemplo 1.2 Verifique que lim x2 = 16.


x→4

Solução: Pela definição, temos que ϵ > 0, existe um δ > 0, tal que
|x2 − 16| < ϵ
sempre que
0 < |x − 4| < δ.
Da desigualdade que possui ϵ, temos
|x2 − 16| < ϵ
|x − 4||x + 4| < ϵ

Agora, substiuindo |x + 4| por uma constante. Nesse caso, vamos supor que 0 < δ ≤ 1,
então, de 0 < |x − 4| < δ, segue
|x − 4| < 1
−1 < x − 4 < 1
3<x < 5
7<x+4 < 9

4
. Portanto, |x + 4| < 9. Nesse caso, podemos escolhar um δ = min( 9ϵ , 1), temos que,
|x − 4| < δ, então

|x2 − 16| = |x − 4||x + 4| < δ · 9


ϵ
≤ ·9
9
= ϵ.

Logo,
lim x2 = 16
x→4

Proposição 1.1 (Unicidade) Se lim f (x) = L1 e lim f (x) = L2 , então L1 = L2


x→a x→a

Demonstração: Seja ϵ > 0 arbitrário. Como lim f (x) = L1 , existe δ1 > 0 tal que
x→a

|f (x) − L1 | < 2ϵ ⇒ 0 < |x − a| < δ1 . Por outro lado, temos que


lim f (x) = L2 , existe δ2 > 0 tal que
x→a

|f (x) − L2 | < ϵ
2
⇒ 0 < |x − a| < δ2 .

Seja δ = min{δ1 , δ2 }. Então |f (x) − L1 | < ϵ


2
|e|f (x) − L2 < ϵ
2
sempre que 0 <
|x − a| < δ.

Seja x ∈ R tal que 0 < |x − a| < δ. Então,

|L1 − L2 | = |L1 − f (x) + f (x) − L2 |


≤ |f (x) − L1 | + |f (x) − L2 |
ϵ ϵ
< + =ϵ
2 2
Como ϵ é abitrário, temos |L1 − L2 | = 0 e portanto L1 = L2

Proposição 1.2 (PROPRIEDADES) Se lim f (x) e lim g(x) existem, e c ∈ R, então


x→a x→a

1. lim c = c
x→a

2. lim x = a
x→a

3. lim [f (x) ± g(x)] = lim f (x) ± lim g(x)


x→a x→a x→a

4. lim c · f (x) = c · lim f (x)


x→a x→a

5. lim f (x) · g(x) = lim f (x) · lim g(x)


x→a x→a x→a

5
lim f (x)
6. limf (x)
= x→a
, se lim g(x) ̸= 0
x→a g(x) lim g(x)
x→a x→a

Proposição 1.3 Se f (x) ≤ h(x) ≤ g(x) para todo x pertence em um intervalo aberto
que contém a, exceto possivelmente em x = a, e se

lim f (x) = L = lim g(x)


x→a x→a

então,
lim h(x) = L
x→a
.

Exemplo 1.3 Encontre o limite de

lim (x2 + 3x + 5)
x→2

Solução: Temos,

lim (x2 + 3x + 5) = lim x2 + lim 3x + lim 5


x→2 x→2 x→2 x→2
2
= lim x + 3 lim x + lim 5
x→2 x→2 x→2
= 2 +3·2+5
2

= 15.

Exemplo 1.4 Encontre os seguintes limites

x−5
a) lim
x→3 x+2

x2 −1
b) lim
x→1 x−1

c) lim x2 − 4x + 1
x→−2

6
1.2 Limites Laterais
Definição 1.2 Seja f uma função definida em um intervalo aberto (a, b). Dizemos
que um número L é o limite à direita da função f quando tende para a se

lim f (x) = L,
x→a+

se, para todo ϵ > 0, existe um δ > 0, tal que |f (x) − L| < ϵ sempre que a < x < a + δ.

Definição 1.3 Seja f uma função definida em um intervalo aberto (a, b). Dizemos
que um número L é o limite à esquerda da função f quando tende para a se

lim f (x) = L,
x→a−

se, para todo ϵ > 0, existe um δ > 0, tal que |f (x) − L| < ϵ sempre que a − δ < x < a.

Exemplo 1.5 Dada a função f (x) = (1 + x − 3), determine se possı́vel os limites
laterais dessa função.

Solução: Como função é definida para x ≥ 3, então não existe o limite lim− f (x).
x→3
Agora, vamos calcular o limite lim+ f (x), sendo assim, temos
x→3

lim+ f (x) = lim+ (1 + x − 3)
x→3 x→3

= lim+ 1 + lim+ x − 3
x→3 x→3
= 1 + 0 = 1.

Exemplo 1.6 Seja f (x) uma função definida por


 2
 x − 4 se x < 1
f (x) = −1 se x = 1

3 − x se x > 1

Calcule os limites laterais quando x tende pra 1.

Teorema 1.1 Se f é definida em um intervalo aberto I e a ∈ I, exceto possivelmente


no ponto a, então

lim f (x) = L ⇐⇒ lim+ f (x) = L = lim− f (x).


x→a x→a x→a

Exemplo 1.7 Dada a função


 2
 x + 1, para x < 2
f (x) = 2 para x = 2

9 − x2 , para x > 2.

Determine os limites laterais para x tendendo à 2.

7
1.3 Cálculo de Limites
Quando estudamos domı́nio de uma função, vimos que existia algumas retrições a
serem feitas em determinadas funções, no estudo de limites temos que ter cuidado nas
expressões indeterminadas, que são dos tipos:
0 ∞
, , ∞ − ∞, 0 · ∞, 00 , ∞0 , 1∞
0 ∞
são indeterminadas.

Para calcular funções que caiam nessas condições, teremos que fazer algumas ma-
nipulações algébricas de maneira adequada para extrair as indeterminações.

Vejamos alguns exemplos:


x3 −3x+2
Exemplo 1.8 lim
x→−2 x −4
2

√ √
x+2− 2
Exemplo 1.9 lim x
x→0

x3 +1
Exemplo 1.10 lim
x→−1 x −1
2

8
1.4 Limites no Infinito
Definição 1.4 Seja f uma função definida em um intervalo aberto I (a, +∞). Então

lim f (x) = L,
x→+∞

quando L é um número que satisfaz à seguinte condição:


Para qualquer ϵ > 0, existe A > 0 tal que |f (x) − L| < ϵ sempre que x > A.

Definição 1.5 Seja f uma função definida em um intervalo aberto I (−∞, b). Então

lim f (x) = L,
x→−∞

quando L é um número que satisfaz à seguinte condição:


Para qualquer ϵ > 0, existe B < 0 tal que |f (x) − L| < ϵ sempre que x < B.

Teorema 1.2 Seja n ∈ Z+ , então:


1
1. lim n =0
x→+∞ x

1
2. lim n = 0.
x→−∞ x

2x−5
Exemplo 1.11 Determine lim
x→+∞ x+8


Solução: Neste caso, dar pra notar que temos uma indeterminação do tipo ∞
. Por-
tanto,

2x − 5 2− 5
x
lim = lim 8
x→+∞ x + 8 x→+∞ 1 +
x
lim (2 − x5 )
x→+∞
=
lim (1 + x8 )
x→+∞
lim 2 − lim 5
x→+∞ x→+∞ x
=
lim 1 + lim 8
x→+∞ x→+∞ x
2−5·0
= = 2.
1+8·0
2x3 −3x+5
Exemplo 1.12 Encontre lim
x→−∞ 4x −2
5

Exemplo 1.13 Encontre lim √2x+5


x→+∞ 2x2 −5

9
1.5 Limites Infinitos
Definição 1.6 Seja f uma função definida em ambos os lados de a, exceto possivel-
mente em a. Então
lim f (x) = ∞
x→a

significa que podemos fazer valores de f (x) ficarem arbitrariamente grandes, tomando
x suficientemente próximo de a, mas não igual a a.

Por outro lado, se


lim f (x) = −∞
x→a

significa que podemos fazer valores de f (x) ficarem arbitrariamente grandes, porém
negativos, escolhendo-se valores de x suficientemente próximo de a, mas não igual a a.
√ 1
Exemplo 1.14 Determinar lim x3 + x+ x2
.
x→0

Exemplo 1.15 Determinar lim 3x5 − 4x3 + 1


x→∞

Solução: Neste caso, vejamos que temos um indeterminação do tipo ∞−∞, Portanto,
4 1
lim 3x5 − 4x3 + 1 = lim x5 (3 − 2
+ 5)
x→0 x→0 x x
= ∞(3 − 0 + 0) = ∞
2x 2x
Exemplo 1.16 Encontre lim+ x−3
e lim− x−3
x→3 x→3

10
1.6 Assı́ntotas
Definição 1.7 A reta y = b é uma assı́ntota horizontal ao gráfico da função y = f (x)
se pelo menos uma das seguintes afirmações é verdadeira:

lim f (x) = b ou lim f (x) = b.


x→∞ x→−∞

Exemplo 1.17 As retas y = 2 e y = −2 são assı́ntotas horizontais do gráfico da


função y = √x2x
2 −1

Solução: Como,

2x x x2 − 1
lim √ = 2 lim
x→∞ x2 − 1 x→∞ x2 − 1

x|x|
= 2 lim 2
x→∞ x − 1
x2
= 2 lim 2
x→∞ x − 1
= 2·1=2

Analogamente, temos que


2x
lim √ = −2
x→−∞ x2 − 1

Definição 1.8 A reta x = a é uma assı́ntota vertical ao gráfico da função y = f (x)


se pelo menos uma das seguintes condições são verdadeiras:

lim f (x) = ±∞ ou lim f (x) = ±∞.


x→a+ x→a−

Exemplo 1.18 A reta x = 2 é uma assı́ntota vertical do gráfico


1
y=
(x − 2)2
.

Solução: De fato,
1 1
lim+ = + = ∞.
x→2 (x − 2)2 0
Por outro lado,
1
lim− = ∞.
x→2 (x − 2)2

11
1.6.1 Assı́ntotas para Funções Racionais
Definição 1.9 Seja f (x) = P (x)
Q(x)
tal que a ∈
/ Dom(f ), isto é, Q(a) = 0, então

Q(x) = (x − a)n Q1 (x), n > 1 e Q1 (a) ̸= 0.

Analogamente,
P (x) = (x − a)m P1 (x), m ≥ 0 e P1 (a) ̸= 0.
Se m < n, fazendo k = n − m, temos:
1
f (x) = f1 (x),
(x − a)k

onde f1 (x) = P1 (x)


Q1 (x)
é uma função definida a. Então lim± |f (x)| = ∞.
x→a

x
Exemplo 1.19 Esboce o gráfico de y = x2 −1
.

Solução: Como D(f ) = R − {−1, 1} e a curva passa por (0, 0). Para k = 1, temos

lim f (x) = ∞ e lim f (x) = −∞


x→1+ x→1−

e para k = −1, temos

lim f (x) = ∞ e lim f (x) = −∞


x→−1+ x→−1−

Logo, são as assı́ntotas verticais e x = 1 e x = −1. Por outro lado,

lim f (x) = 0
x→∞±

É assı́ntota horizontal e y = 0.

12
Referências Bibliográficas

[1] STEWART, James.Cálculo; volume I. 5 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Lear-
ning,2006.

[2] WEIRS, Maurice D.; FINNEY, Ross L.; GIORDINO, Frank R.Cálculo(George B.
Thomas Jr.); volume I. São Paulo: Addison Wesley, 2009.

13