Вы находитесь на странице: 1из 58

PRODUÇÃO

BIOTECNOLÓGICA
DE METABÓLITOS

PROF. DRA. ADRIANA CIBELE DE


MESQUITA DANTAS

BIOTECNOLOGIA DE ALIMENTOS

UERGS, CTA - CAXIAS DO SUL, RS


Ao longo do século
XIX, dois
acontecimentos
decisivos • 1839, C. B. Goodyear descobriu
transformaram a que a vulcanização lhe conferia
borracha natural em elasticidade e resistência e, em
um material
1888, J. Dunlop inventou os pneus.
estratégico para o
crescimento da
INTRODUÇÃO
indústria automotora;

A diminuição da oferta
de borracha natural, • Enquanto a Alemanha tentava
proveniente do Brasil e sintetizar a borracha a partir de
das plantações inglesas um derivado do petróleo
na Malásia, com o
correspondente (butadieno), a Inglaterra explorava
aumento do preço, as possibilidades de síntese de
desencadeou uma moléculas precursoras por
corrida à borracha fermentação.
sintética.
• O químico de origem russa Chaim Weizmann desenvolveu, na Universidade de Manchester (1914),
um processo fermentativo no qual a bactéria Clostridium acetobutilycum produz butanol (um PROCESSO
precursor do butadieno) e acetona.
WEIZMANN
• Com o início da Primeira Guerra Mundial, a atenção da Inglaterra desviou-se da borracha para a
produção de explosivos e, especialmente, de uma pólvora (cordite) à base de nitrocelulose em cuja
preparação se usa acetona como solvente.
• Como esta era sintetizada a partir de carbonato de cálcio, uma matéria-prima importada
UM MARCO
da Alemanha, a produção de acetona por via química se tornou inviável, e a Inglaterra HISTÓRICO NA
começou a explorar a via biotecnológica.

• Recrutado pelo Comitê de Munições e tendo cedido a patente do processo ao governo britânico,
BIOTECNOLOGIA
Weizmann começou a produzir acetona por fermentação microbiana do amido de milho na INDUSTRIAL
Nicholson Gin Distillery (Londres).
• Contudo, devido à guerra e à falta de alimentos, o suplemento de carboidratos acabou se
tornando o fator limitante da produção.

• Em 1916 os britânicos transferiram a produção para uma destilaria em Toronto (Canadá), ao


tempo que era construída outra fábrica na Índia.
• Em 1917 começou a funcionar uma fábrica produtora de acetona por fermentação do
milho em Indiana (Estados Unidos). Uma vez finalizada a guerra, a acetona e o butanol
continuaram a ser utilizados como solventes.

• Em 1948, ao finalizar o mandato conferido pela Liga das Nações à Grã Bretanha e a partilha da
Palestina, Weizmann foi escolhido primeiro presidente do Estado de Israel.
A via biotecnológica está baseada na transformação da biomassa, um
recurso barato e renovável.

Para substituir a via química, devem-se desenvolver processos que


possibilitem a obtenção de produtos, materiais e energia a um custo
competitivo e com menor impacto ambiental.
Todas estas condições se encontram satisfeitas na obtenção de numerosas
moléculas de interesse industrial a partir de milho, de óleos vegetais ou de
madeira

BIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL
• Se fundamenta na microbiologia, nas fermentações e na
biocatálise
• Melhoramento das linhagens microbianas e das
variedades vegetais.
• A produção da vitamina B2 (BASF) e do antibiótico
BIOTECNOLOGIA cefalexina (DSM Life Sciences Products) são dois
INDUSTRIAL exemplos bem sucedidos da substituição da síntese
química pela ação microbiana.
• Gera vários metabólitos intermediários entre o
substrato inicial e o produto final,
• um agente biológico será capaz de realizar diretamente a
sequência completa de reações.
As enzimas levam a determinadas reações químicas especificas.

INTER-RELAÇÕES As enzimas podem ser isoladas


ENTRE
MICRORGANISMOS E
ENZIMAS
A biotecnologia enzimática pode ser manipulada em biorreatores
apropriados.

Por outro lado as células microbianas quando encontram-se imobilizadas


em um suporte sólido, atuam como catalizadores que levam a reações
químicas concretas, da mesma maneira que as enzimas isoladas.
• Características gerais que microrganismos e meios de
cultura devem apresentar, para utiliza-los em processos de
larga escala, ou seja, em biorreatores de grande volume.
MICRORGANISMOS
E MEIOS DE • O sucesso de um processo biotecnológico depende da
CULTURA PARA combinação de quatro elementos/operações importantes
UTILIZAÇÃO • a) Microrganismo.
INDUSTRIAL
• b) Meio de cultura.
• c) Condução do processo.
• d) Recuperação do produto.
1) Ser capaz de produzir o produto desejável e com cinética rápida.

2) Converter altas concentrações de produto.

3) Produzir poucos subprodutos.


ESCOLHA DO 4) Ter a possibilidade de ser reutilizável e de uma forma barata.
MELHOR
5) Poder ser estocado em condições não extremas.
MICRORGANISMO
6) Trabalhar em condições de fácil condução.
PARA O PROCESSO
BIOTECNOLÓGICO 7) Suportar situações de estresse.

8) Não ser patogênico.

9) Não exigir meios de culturas dispendiosos.


1) Isolamento a partir de fontes naturais.

2) Compra em coleções de culturas.


OBTENÇÃO DO
MICRORGANISMOS
3) Obtenção de mutantes naturais.

4) Obtenção de mutantes induzidos por métodos


convencionais.

5) Obtenção de microrganismos recombinantes


por técnicas de engenharia genética.
CARACTERÍSTICAS • 1) Atender as necessidades nutricionais do
DO MEIO DE microrganismo.
CULTURA • 2) Ser o mais barato possível.
• 3) Não provocar problemas de recuperação do produto.
• 4) Auxiliar no controle do processo.
• 5) Os componentes devem permitir algum tempo de
armazenagem, a fim de estarem disponíveis todo o
tempo.
• 6) Ter composição razoavelmente fixa.
• 7) Não causar dificuldades no tratamento do efluente.
PROCESSO FERMENTATIVO EM
BIORREATOR INDUSTRIAL

• Adaptação do microrganismos
• Fermentação em larga escala
DIVERSIDADE
DE
PRODUTOS
CONSIDERAÇÕES

As características metabólicas das linhagens • sendo incapazes de sobreviver fora do laboratório ou, de
industriais estão alteradas de modo a que elas
cresçam em condições artificiais muito estritas competir com os microrganismos do ambiente.

A percepção pública nutre uma atitude neutra • Em parte porque os produtos são utilizados como insumos
ou favorável em relação à biotecnologia
industrial. para outras indústrias, o que lhes confere pouca visibilidade.

E também porque, ao utilizar matérias-primas


renováveis e desenvolver processos menos • Não é por acaso que a biotecnologia industrial é denominada
poluentes com menor gasto de energia, as
biotecnologias ajudam a atenuar a imagem “biotecnologia branca”.
poluidora da indústria química.
METABOLITOS
PRIMÁRIOS E
SECUNDÁRIOS
ÁCIDOS
ORGÂNICOS
OS ÁCIDOS ORGÂNICOS SÃO SUBSTÂNCIAS NÃO NITROGENADAS QUE TEM PELO MENOS UM RADICAL
CARBOXÍLICO. ELES PODEM TER ORIGEM EXÓGENA (DIETAS, BACTÉRIAS INTESTINAIS) OU SE FORMAR A
PARTIR DE QUASE TODAS AS VIAS DO METABOLISMO INTERMEDIÁRIO
ÁCIDO CÍTRICO

• A produção de ácido cítrico (4.0 x 105


toneladas/ano) depende quase exclusivamente do
cultivo do fungo filamentoso Aspergillus niger
• Ocorre em processos fermentativos de diversos
tipos (meio sólido e cultura em superfície; meio
líquido e cultura submersa).
• O ácido cítrico é utilizado na indústria de
alimentos como aditivo (acidulante e
antioxidante),
FERMENTAÇÃO
CITRICA
FERMENTAÇÃO
CÍTRICA
PROCESSO
FERMENTATIVO
PROCESSO KOJI

• Em bandeijas
• Tempo: 5 a 8 dias
PROCESSO EM SUPERFÍCIE
PROCESSO SUBMERSO
O ácido acético é um precursor de várias moléculas
intermediárias como o anidrido acético e os acetatos éster, e de
produtos como o acetato de celulose, o celofane, etc.

Se usa como solvente na produção de plásticos, borracha, gomas,


resinas e óleos voláteis.

ÁCIDO
Importante insumo para as indústrias de alimentos e de fármacos
ACÉTICO e a cosmética

Obtido por fermentação bacteriana (Lactobacillus) ou fúngica


(Rhizopus oryzae)
.
Também é utilizado como monômero na síntese de ácido
poliláctico (PLA), um polímero biodegradável.
A produção industrial de aminoácidos se
destina à nutrição humana (66%) e ao
enriquecimento de rações animais (33%)
e, em grau bem menor, às indústrias
AMINOÁCIDO farmacêuticas e cosméticas (1%).

O método produtivo mais antigo é a


extração por hidrólise de proteínas
(soja, cabelos), que tem como limitação
principal a disponibilidade da matéria-
prima.
Síntese química
MÉTODOS DE
OBTENÇÃO
Fermentação

Biocatálise
A síntese química
apresenta o
inconveniente de gerar
misturas das duas
formas isoméricas (acil-
SÍNTESE D e acil-L),
QUÍMICA

Representadas
habitualmente como
tipo “mão direita" e
tipo "mão esquerda".
Como os organismos vivos só assimilam L-
aminoácidos, estes devem ser separados por
biocatálise das misturas racêmicas

BIOCATÁLISE
A imobilização de enzimas estéreo específicas
nos biorreatores facilita a produção industrial,
reduzindo os custos de maneira significativa.

A separação é desnecessária no caso da glicina,


que não apresenta ambas as formas, e da DL-
metionina, já que os seres vivos convertem a
forma D em L.
• Conveniente para a produção de vários aminoácidos.
• O agente biológico Corynebacterium glutamicum produz ácido
glutâmico (1,1 milhão de toneladas/ano)
• usado na cozinha oriental como flavorizante (glutamato
monossódico), para realçar o sabor dos alimentos.
• O ácido L-aspártico e a L-fenilalanina são obtidos por imobilização
conjunta de Escherichia coli e Pseudomonas dacunhae em uma coluna
de fermentação, ou por uma bactéria geneticamente modificada
(Escherichia coli).
FERMENTAÇÃO • Ambos são os componentes do adoçante não calórico
Aspartame® (15.000 toneladas/ano).
• Função de aditivo em alimentos
• L-cisteína, 3.000 toneladas/ano
• Complemento nutricional em rações animais
• L-treonina, 50.000 toneladas/ano; L-lisina 550.000 toneladas/ano
• A indústria farmacêutica absorve 1.000 toneladas/ano de L-arginina e
500 toneladas/ano de L-triptófano, de L-valina e de L-leucina.
Os polissacarídeos de origem microbiana substituem parcialmente os
espessantes e gelificantes extraídos das algas marinhas.

A goma xantana (20.000 toneladas/ano), um produto de fermentação da


bactéria Xanthomonas campestris,
POLISSACARÍDEOS
Composição de molhos prontos, pudins, geleias, sorvetes, dentifrícios etc.
Suas propriedades espessantes são também utilizadas na recuperação do
petróleo.

As dextranas (200 toneladas/ano) são obtidas por via fermentativa a


partir de diversos microrganismos.

As de alto peso molecular se empregam como espessantes na indústria


de alimentos, na preparação de filmes protetores de sementes (indústria
agrícola) e na composição das emulsões fotográficas.

As de baixo peso molecular se usam como plasma sanguíneo artificial,


para melhorar o fluxo sanguíneo em casos de traumatismos e cirurgias.
• Apesar da maior parte das vitaminas serem obtidas
industrialmente por via sintética ou extrativa
• A via fermentativa é vantajosa nos casos da riboflavina
(vitamina B2) e do ácido ascórbico (vitamina C).

VITAMINAS • Ainda é a única possível para a cianocobalamina (vitamina


B12), uma molécula complexa que, naturalmente, não é
sintetizada por animais ou por vegetais.
• Um precursor da vitamina A, o β-caroteno, é sintetizado
pela alga Dunaliella bardawil, que consegue se desenvolver
na água salobra em grandes tanques ao ar livre, em uma
região desértica perto da costa do Mar Vermelho (Israel)
• Do ponto de vista econômico, não vale a pena elaborar ou redimensionar esses
parâmetros para cada microrganismo que produza uma enzima interessante

• Mais proveitosa a transferência da sequência codificadora dessa enzima a um dos


microrganismos industriais já bem conhecidos
• bactérias Escherichia coli, Streptomyces ou Bacillus subtilis; fungos Aspergillus

INDUSTRIA DE
oryzae, Saccharomyces cerevisiae ou Kluyveromyces

• Mais de 60% da produção industrial atual de enzimas provém da biotecnologia


ENZIMAS moderna.

• O custo de uma enzima também depende das dificuldades técnicas encontradas nas
etapas posteriores à fermentação (separação, purificação).

• Estima-se que o mercado global de enzimas poderá alcançar, em 2013, um valor


aproximado de US$ 7 bilhões/ano.
• As enzimas mais baratas são as extracelulares
• as que são secretadas para fora da célula como, por
exemplo, as hidrolases (amilases, proteases e celulases).

• As mais caras são as enzimas intracelulares


• por serem utilizadas como fármacos ou reagentes em
CUSTO testes de diagnóstico, requerem um grau de pureza
ENZIMÁTICO maior.

• As enzimas são insumos para outras indústrias,


especialmente as de alimentos e bebidas, rações,
detergentes, analíticas e farmacêuticas.
Atualmente, o maior produtor é Novozyme, uma
empresa pertencente ao grupo Novo (Dinamarca),
que responde por 47% do mercado.

MERCADO DE A empresa mantém em funcionamento vários


fermentadores de 80.000 l,
ENZIMAS

Contabiliza mais de 4.000 patentes e dedica a


quase totalidade de seu orçamento de pesquisa e
desenvolvimento à otimização de microrganismos,
produtos enzimáticos e tecnologia
Algumas enzimas podem ser extraídas facilmente
dos tecidos ou dos órgãos de seres vivos:

Vegetal:

• As amilases do malte da cevada


ENZIMAS • A papaína da papaia
• A ficina do figo
• A bromelina do látex do abacaxi

Animal

• Do estômago de suínos se separa a pepsina


• Do pâncreas dos mesmos se obtém a pancreatina, que é uma
mistura de amilases, proteases e lipases.
• Do quarto estômago de bezerros se separa a renina
• Do fígado ou do sangue de bovinos se separa a catalase
A extração de enzimas de origem vegetal ou animal está sujeita à
disponibilidade de terra e às flutuações das colheitas ou do abate.

As de origem microbiana que, por serem obtidas mediante processos


fermentativos em grande escala, garantem uma produção regular de
ENZIMAS DE qualidade constante.

ORIGEM
Mesmo cumprindo uma função idêntica, duas enzimas produzidas por
MICROBIANAS microrganismos diferentes podem apresentar propriedades
dessemelhantes.

Por exemplo, a lactase (β-galactosidase), uma enzima que hidrolisa a


lactose, está presente em bactérias, leveduras e fungos.
400C, 370C e 55-600C (temperatura)
3-4, 7,2 e 6,6 (pH).
Considerando que a biodiversidade microbiana
ainda começa a ser desvendada, assim como a
arte de alterar suas vias metabólicas, existem
grandes chances de se encontrar enzimas com
propriedades diferentes que possibilitem o
FERMENTAÇÃO desenho de processos industriais inovadores.
MICROBIANA
A otimização de um processo industrial
contempla o custo da matéria-prima, o tipo de
fermentação (submersa ou em meio
semissólido) e os controles necessários para o
bom desenvolvimento do processo, como, por
exemplo, o pH e a temperatura.
• A denominação de biopolímeros abrange dois tipos de
BIOPOLÍMEROS polímeros:

E • O primeiro inclui os que são sintetizados pelos seres


vivos, como a celulose, o amido e os óleos vegetais
BIOPLÁSTICOS • O segundo, os que resultam da polimerização de uma
molécula básica, como o ácido láctico, proveniente de
uma fonte renovável
Um dos bioplásticos mais versáteis é o
polilactato (PLA), um poliéster obtido por
polimerização do ácido láctico resultante da
fermentação de milho.

BIOPLÁSTICOS Utiliza-se como recheio de almofadas e


edredons (NatureWorks), revestimento de
filmes e de papel (BASF), e material de
embalagens descartáveis (Ingeo) por diversas
empresas (Coca-Cola, McDonald’s).

Também está sendo aproveitado na indústria


automotora (Hyundai) e eletrônica
(Samsung).
POLÍMEROS • Os poli-hidroxialcanoatos (PHAs) e o poli-hidroxibutirato (PHB)
SINTETIZADOS • Mercado de embalagens da indústria de alimentos.
POR • PHB por ser biocompatível, encontrou importantes aplicações na
MICRORGANISMOS área médica (Biopol).
• No interior de São Paulo, uma usina piloto relacionada com
empresas do setor sucroalcooleiro (Biagi, Balbo) já está
produzindo PHB por fermentação bacteriana do açúcar de cana
(Biocycle).
• A transferência dos genes codificadores de PHA (Ralstonia
eutropha) e de PHB (Alcaligenes eutropus) a microrganismos e
plantas (canola) representa um avanço das pesquisas.
• Constituído por polímeros biodegradáveis sintetizados a partir de uma
molécula de origem petroquímica, como alguns poliésteres sintéticos.
BIOPLÁSTICOS
• A origem “fonte renovável” como a propriedade “biodegradabilidade”, basta
para definir um bioplástico.

• A indústria dispõe atualmente de aproximadamente trinta moléculas


essenciais para a construção de polímeros

• São ácidos carboxílicos, etanol, aminoácidos, triglicerídeos, furfural, sorbitol,


glicerol, etc.

• Essas moléculas, de origem biológica, possibilitam tanto a obtenção de


plásticos inovadores biodegradáveis como a de bioplásticos convencionais,
não biodegradáveis e semelhantes aos de origem petroquímica.

• Entre estes: as resinas de poliuretano sintetizadas a partir de óleo de soja, o


poliéster de origem bacteriano Sorona 3GT (DuPont, Genencor) de amplo
uso na indústria têxtil, do PVC ou “polietileno verde” (Braskem, Tetrapak), que
é um polímero do etileno obtido a partir do etanol de cana.
• A adição de algumas substâncias nos alimentos tem diversos ADITIVOS
objetivos:
• conservá-los por mais tempo (antibióticos, ácido
acético, ácido láctico, etanol)
• complementar seu valor nutritivo (vitaminas,
aminoácidos)
• mudar a consistência (gomas e enzimas).
• melhorar a cor e o flavor, o aroma, o sabor e a textura.
• Ácidos cítrico e láctico

PRINCIPAIS • Corantes naturais (β-caroteno, riboflavina)

ADITIVOS • Flavorizantes (monoglutamato de sódio, extrato de levedura,


UTILIZADOS aromas)

PELA • Gomas espessantes (xantana, gelana, dextrana)


INDÚSTRIA DE • Antioxidantes (β-caroteno)
ALIMENTOS • Vitaminas (B2, B12, Biotina)
• Enzimas e antibióticos.
OBTENÇÃO DE ADITIVOS

Alguns desses aditivos são obtidos em culturas de células vegetais.

Outros têm uma origem microbiana, sendo utilizadas linhagens de microrganismos geneticamente modificados para sua produção
industrial.

A pectinase que, junto com celulases e amilases, facilita a extração do suco de frutas retido na pectina, sendo também utilizada na
clarificação do suco.

Antibióticos usados para conservar alimentos, citaremos a Nisina (INS234), que inibe o crescimento de bactérias Gram-positivas
em queijos, salsichas e produtos cozidos de origem avícola

Natamicina ou Pimaricina (INS235), utilizada como conservante na superfície de produtos cárneos embutidos.
ADOÇANTE
XAROPE DE GLICOSE
• A hidrólise ácida ou enzimática (α-amilase e
glicoamilase) do amido do milho produz xaropes
de maltose e de glicose.

• O xarope de glicose ou de frutose, substituem o


açúcar na indústria de alimentos.

• Uma vez refinados e concentrados, esses xaropes


podem ser usados como ingredientes na
elaboração de produtos alimentícios (biscoitos,
sorvetes etc.).
XAROPE DE DEXTROSE

• Ação enzimática da lactase sobre o soro das


indústrias de laticínios origina um xarope de
dextrose (glicose, galactose).
XILITOL

O XILITOL PARA DIMINUIR A INCIDÊNCIA DE CÁRIES DENTÁRIAS


XAROPE DE FRUTOSE

• 1 Aumenta a produção de ácido úrico, o qual, em excesso,


pode causar gota, pedras nos rins e precipitar ou agravar a
hipertensão.

2. Causa resistência à leptina. hormônio que controla o


apetite e o metabolismo para manter um peso normal..

3. Contribui para a hipertensão por inibição de uma enzima


chamada sintase endotelial de óxido nítrico, a qual está
localizada na parede dos vasos sanguíneos e é essencial para a
produção do vasodilatador, óxido nítrico.

4. O excesso de frutose danifica o fígado e leva à resistência à


insulina no fígado, bem como doença do fígado gorduroso.
A PRODUÇÃO DO
XAROPE DE
FRUTOSE

• A hidrólise e a
sacarificação do amido
produzem glicose, esta é a
transferência em frutose
pela enzima glicose-
isomerase, imobilizada em
biorreator
ASPARTAME

• O aspartame (ácido
aspártico e fenilalanina)
é consumido para
limitar a ingestão de
calorias
INDUSTRIA DO ADOÇANTE GLICOSE

O poder adoçante da O resultado é um xarope Com o desenvolvimento


A indústria de refrigerantes O processo começou a ser
glicose é menor que o da (42% de frutose, 52% de das técnicas de imobilização
substitui a sacarose pelo estudado na década de
frutose, mas a glicose) que pode ser enzimática, o processo
xarope de frutose com uma 1960, sendo o custo da
transformação enzimática concentrado por métodos tornou-se econômico,
concentração de 55%, glicose-isomerase o
(invertase ou glicose cromatográficos até possibilitando o uso do
obtido mediante a mistura principal fator limitante da
isomerase) transforma uma alcançar um teor de 90% de amido proveniente de
dos dois tipos. tecnologia.
em outra. frutose. cereais excedentes.
OS ALIMENTOS BIOFORTIFICADOS

O homem tenta
A estratégia tradicional
escolher os alimentos
consiste em
em função da satisfação
suplementar os
sensorial, emocional e
alimentos
afetiva que espera
industrializados com os
obter, mas o peso das
nutrientes
considerações
correspondentes.
econômicas é decisivo.

A falta total de
Segundo a Organização
alimentos é hoje um
Mundial da Saúde, o
fenômeno menos
ferro, o zinco e a
frequente que a
vitamina A são as
desnutrição devida à
principais deficiências
carência de
nutricionais dos países
determinados
em desenvolvimento.
nutrientes na dieta.
O melhoramento genético parece ser a
estratégia mais promissora para aumentar as
concentrações de nutrientes nas culturas de
base (arroz, milho, trigo, feijão, mandioca e
batata doce).
MELHORAMENTO
A engenharia genética pareceria, a priori, a via GENÉTICO X
mais rápida para fortificar os alimentos.
NUTRIENTES

Porém, os empecilhos legais encontrados pelo


arroz com pró-vitamina A (Golden Rice), que
conta com mais de 10 anos pronto sem ter sido
comercializado, desestimulam a escolha dessa
tecnologia.
BIOFORTIFICAÇÃO DOS CULTIVOS

Nos Bancos de Germoplasma do CGIAR já foram encontradas variedades de feijão com maior conteúdo de
ferro, de arroz e trigo com altos níveis de zinco, de mandioca, milho e batata-doce ricos em vitamina A etc.

As novas técnicas de análise genética de traços quantitativos e, especialmente, a seleção assistida por
marcadores moleculares facilitam o melhoramento genético das culturas de base.

A biofortificação de alimentos é um programa internacional desenvolvido por HarvestPlus (CGIAR), um


consórcio de instituições de pesquisa e agências de desenvolvimento que age especialmente na América
Latina e na África.
No Brasil, a Embrapa Agroindústria de alimentos participa do programa HarvestPlus, tendo já desenvolvido
variedades biofortificadas de feijão e milho.

Оценить