Вы находитесь на странице: 1из 10

Psicologia USP http://dx.doi.org/10.

1590/0103-656420130038

307
Uma questão de método: origens, limites e possibilidades da etnografia para a
psicologia social1

Mauricio Rodrigues de Souza *


Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará (UFPA), Belém, PA, Brasil

Resumo: O presente trabalho, eminentemente voltado à metodologia de pesquisa em psicologia social, organiza-se
em torno de três objetivos: definir em maiores detalhes algumas das principais características da etnografia, realizar
um breve percurso histórico acerca das suas origens como prática cientificamente legitimada e, finalmente, discutir a
sua atual utilização. De maneira conclusiva, enfatiza não apenas os limites, mas também as possibilidades da prática
etnográfica, sustentando que a experiência de estranhamento que tradicionalmente a caracterizou continua trazendo
em si mesma tanto o dinamismo quanto o potencial crítico necessários para manter em movimento o pensamento
sobre ou, se preferirmos, com a diferença.
Palavras-chave: metodologia, etnografia, alteridade.

A ideia para o presente trabalho se originou de maior permeabilidade entre fronteiras disciplinares defini-
um levantamento bibliográfico que acompanhou parte das tão ou mais por questões políticas do que epistemoló-
da produção científica brasileira direcionada ao tema da gicas stricto sensu. Nestes termos, também não nos parece
metodologia de pesquisa em psicologia social ao longo da descabido retornar a outras perguntas como: até onde, na
última década (2002-2012). Pois bem, salvo exceções re- atualidade da pesquisa acadêmica, a possível integração
presentadas por textos como os de M. J. Spink (2007) e entre os diferentes saberes se apresenta mais como discur-
Narita (2006), chamou a nossa atenção em tal movimento so do que como prática efetiva? Até onde estamos mesmo
investigativo a pouca quantidade de trabalhos que fizessem dispostos a abandonar nossas zonas de conforto departa-
referências mais explícitas à etnografia, ainda que, como mentais e verdadeiramente dialogar com as diferenças?
apontam Tittoni e Jacques (1998), Sato e Souza (2001) e É evidente que não temos aqui a intenção de res-
Gonçalves Filho (2003), esta se apresente como uma moda- ponder de todo a questionamentos como esses, cujas am-
lidade de pesquisa tradicional e costumeiramente utilizada plas dimensões ultrapassariam em muito as possibilidades
pela psicologia social. de um artigo. De qualquer forma, para além de nos remeter
Um quadro como esse tornou inevitável o seguin- a tais questões de natureza transdisciplinar, entendemos
te questionamento: quais as razões para essa diminuição que essa proposta de um debate acerca dos contatos entre
da utilização da etnografia por parte dos estudos psicos- psicologia social e etnografia adquire singular pertinência
sociológicos atualmente publicados em nosso país? Por por outras razões. A primeira delas se ampara na tradição,
derivação, passamos também a nos perguntar: haveria em no já longo e há pouco mencionado histórico de aproxima-
tal aparente abandono justificativas que sugerissem inade- ções entre si2. Já a segunda se refere ao presente e, com ele,
quações ou inconsistências na transposição de um método
de uma área para outra (no caso, da antropologia para a 2 Histórico esse cuja importância pode ser medida não somente pelo im-
psicologia social)? Ou, em uma palavra, teria esta mesma pacto e influência que deteve nas obras de pensadores do quilate de Bas-
etnografia voltado (ou passado) a ser considerada apenas tide (1950/1974) e Lévi-Strauss (1958, 1962), mas também pela gera-
ção do ramo de pesquisas da etnopsicanálise, desenvolvido por Róheim
“coisa de antropólogo”? (1967) e Devereux (1972, 1977, 1980). Suas origens remontam a, pelo
Tais interrogações adquirem algumas implicações menos, dois momentos basilares. O primeiro deles está ligado ao próprio
importantes, uma vez que nos remetem, dentre outras coi- início da psicologia social como disciplina cientificamente reconhecida,
sas, ao já tradicional debate acerca da necessidade de uma com a chamada Escola Sociológica de Chicago nas primeiras décadas do
século XX (Farr, 1999). Em tal contexto, a etnografia foi efetivamente
privilegiada como instrumento de pesquisa tanto pela ecologia humana
de Robert Park quanto pelo behaviorismo social e pelo interacionismo
1 Uma versão anterior e reduzida do presente artigo foi originalmente simbólico de George Mead e Harold Blumer (Deegan, 2001; Rock,
apresentada na forma de comunicação oral no grupo de trabalho His- 2001). Um segundo momento representativo desta já antiga tradição
tórias da Produção de Conhecimento em Psicologia Social no Brasil, o de contatos entre etnografia e psicologia social também se desenvolveu
qual teve lugar no XVII Encontro Nacional da Associação Brasileira de no início do século XX. Mais precisamente, na década de 1920, com
as pesquisas de Bronislaw Malinowski entre os nativos da Nova Guiné
Psicologia Social – ABRAPSO (Florianópolis/SC, 2 a 5 de outubro de (voltaremos a isto) e, a partir delas, com a publicação, pelo antropólogo
2013). polonês, do livro Sexo e Repressão na Sociedade Selvagem (Malinowski,
* Autor correspondente: mrsouza@ufpa.br 1927/1973). O livro de Malinowski, vale lembrar, colocava em cheque

2014 I volume 25 I número 3 I 307-316 307


Mauricio Rodrigues de Souza

a livros como Writing at The Margin: Discourse between Acerca da etnografia: características, ori-
Anthropology and Medicine, de Arthur Kleinman, em que gens e desenvolvimento
o valor de articulações entre antropologia, etnografia e
áreas da saúde como a medicina é não somente mencio- De maneira a evitarmos possíveis confusões, uma
nado, mas verdadeiramente defendido (Kleinman, 1996). vez que o rótulo “método etnográfico” pode e costuma
Em uma palavra, acreditamos que a relevância de abrigar variadas práticas e técnicas específicas e utiliza-
um debate como o que propomos aqui se estabeleça na ten- das por diversas áreas do conhecimento, compreendemos
tativa de superarmos o meramente descritivo e aparente- a etnografia aqui a partir da sua aproximação original com
mente particular de cada área em busca de diálogos que a antropologia e na qualidade de um método qualitativo de
podem se revelar profícuos tanto para a psicologia social pesquisa que visa à descrição e o entendimento holístico de
quanto para outras disciplinas, como a antropologia, aqui fenômenos culturais (e, com eles, dos significados sociais)
representada pela, mas de maneira alguma reduzida à, et- presentes em grupos, comunidades ou instituições particu-
nografia. É, portanto, levando isto em conta que o presente lares de acordo com os próprios termos e atitudes daqueles
trabalho parte rumo a três objetivos principais. que os vivenciam em seu cotidiano. Para tanto, levando
O primeiro deles consiste em definir algumas das em conta toda uma dimensão intersubjetiva que é tomada
principais características da etnografia; o segundo se apre- como parte inseparável do seu processo de trabalho, a etno-
senta na realização de um breve percurso histórico acerca grafia pressupõe um contato não apenas bastante próximo,
das suas origens como prática cientificamente legitimada, mas também frequente e prolongado com o outro, aliado
origens estas diretamente associadas aos avanços do fun- à utilização de instrumentos como mapas, recenseamen-
cionalismo antropológico britânico das primeiras décadas tos, quadros sinóticos, entrevistas mais ou menos diretivas,
de XX e, em tal contexto, às pesquisas desenvolvidas por gravadores, equipamentos de fotografia e/ou filmagem,
Bronislaw Malinowski. Finalmente, tencionamos discutir bem como diários, anotações de campo e, claro, a observa-
em um terceiro momento alguns aspectos da utilização da ção (direta ou) participante.
etnografia hoje, enfatizando aí os seus limites e possibili- Como veremos em maiores detalhes adiante, as
dades para os estudos psicossociológicos contemporâneos. origens da etnografia como prática cientificamente legi-
Antes de seguirmos em frente, porém, vale a pena timada parecem associadas aos estudos antropológicos
acrescentar algo mais a esta introdução: trata-se da cons- de comunidades de pequeno porte na transição do século
ciência de que o primeiro e o segundo objetivos colocados XIX ao XX. Contudo, tal metodologia foi posteriormente
anteriormente não se apresentam exatamente como novi- redirecionada também para o contexto das grandes cidades
dades. Afinal, a caracterização do conceito, origens e de- e reapropriada por disciplinas como, a sociologia e a psi-
senvolvimento da etnografia já foi realizada por diversos cologia social. O conhecimento etnográfico, porém, não é
autores e pode ser encontrada sem grande dificuldade em obtido ao acaso, e sim por um paciente trabalho que exige
variados manuais de ciências sociais no Brasil e no exte- do pesquisador algo mais. Além da disponibilidade para
rior. Contudo, incluímos tal movimento aqui e acreditamos um contato com o novo, com o inusitado, trata-se de uma
que ele se justifique pela possibilidade de, no espaço de predisposição a se manter continuamente atento ao detalhe
um único artigo, reunir questões por vezes colocadas de de forma que este (um incidente trivial ou inesperado, por
maneira esparsa em publicações que costumam ser pouco exemplo) se torne revelador3.
lidas pelo aluno ou profissional da psicologia. Ao mesmo Para um autor como Magnani (2009), a partir de
tempo, entendemos que a recapitulação destes pressupostos tal discussão acerca das características da etnografia emer-
se revele valiosa para uma melhor compreensão geral das giriam ainda outros desdobramentos. Por exemplo, a ne-
nossas considerações finais, as quais propõem, ao mesmo cessária distinção entre prática etnográfica e experiência
tempo, diferenças e complementaridades entre o “antes” e etnográfica. A primeira delas diria respeito ao trabalho
o “agora” das inter-relações entre etnografia e psicologia cotidiano e sistemático do etnógrafo, trabalho, como vimos
social. Diante disto, passemos então a alguns comentários há pouco, não necessariamente pautado pela coleta obses-
de caráter conceitual e histórico. siva de detalhes, mas por uma atenção viva aos detalhes
que vão sendo efetivamente coletados; já a segunda nos
remeteria aos insights do pesquisador, àqueles momentos
a hipótese freudiana da universalidade do Complexo de Édipo a partir que, unindo as dimensões ao mesmo tempo objetiva e sub-
da observação de que, entre os trobriandeses, a educação das crianças jetiva do trabalho de campo, propiciariam a percepção de
aparecia como tarefa não do pai biológico, mas do tio materno (rela-
ção avuncular), o que faria cair por terra o superdimensionamento do novos e interessantes contornos sobre os modos de vida dos
triângulo edipiano pautado na relação entre pai, mãe e filho. Tal ressalva
gerou um polêmico debate com psicanalistas como Ernest Jones, debate
este que, por sua vez, conduziu ao esclarecimento de que o que interessa- 3 Importante acrescentar aqui, porém, que não se trata apenas de manter
ria à psicanálise seria não exatamente a relação da criança com o pai de um foco obsessivo no acúmulo de traços culturais específicos, mas, como
carne e osso, e sim a relação, de caráter simbólico, estabelecida entre o já alertara Lévi-Strauss (1958), que a atenção fornecida a eles se oriente
infante e a figura paterna, figura de lei e autoridade que independeria de rumo à possibilidade de que os diferentes fragmentos obtidos no trabalho
uma filiação biológica mais direta (Backès-Clément, 1988; Godelier & etnográfico se aproximem e, assim, revelem delineamentos mais amplos
Hassoun, 1996). acerca das práticas socioculturais que se pretende compreender.

308 Psicologia USP I www.scielo.br/pusp


Uma questão de método

diferentes grupos estudados pelo etnógrafo4. De qualquer pela Universidade de Cambridge ao Estreito de Torres em
forma, cabe acrescentarmos que, embora rica na sua parti- 1898-99. Nela cientistas como Haddon, Rivers e Seligman,
cularidade, a experiência etnográfica somente se torna pos- ainda que parcialmente dependentes das opiniões de in-
sível mediante o contato paciente e contínuo com o outro. formantes, davam um passo à frente rumo à pesquisa in
É nestes termos que podemos compreender a seguinte afir- loco – aquela orientada pelo contato efetivo com os povos
mação: “enquanto a prática é programada, contínua, a ex- estudados. Para além do terreno inglês, contudo, também a
periência é descontínua, imprevista. No entanto, esta induz antropologia norte-americana, influenciada pela meticulo-
àquela e uma depende da outra” (Magnani, 2009, p. 136). sidade das pesquisas coordenadas por Franz Boas, passava
Já o segundo desdobramento que passa a nos inte- por um processo semelhante.
ressar aqui acrescenta ao primeiro a condição de que, na Acompanhando essa nova tendência, caberia ao
qualidade de método, a etnografia seja tomada em sentido investigador de campo o dever de mais e mais se tornar
amplo. Ou seja, nem restrita à qualidade de mera técnica a um especialista ou scholar verdadeiramente treinado em
ser aplicada e nem tampouco como atitude ou atividade de seu ofício. Estava, portanto, configurado o contexto inte-
campo específica. Com efeito, o pleno exercício do método lectual propício ao desenvolvimento das futuras pesquisas
etnográfico deve englobar: “as estratégias de contato e in- de Malinowski, o qual acabaria por consolidar a particula-
serção no campo, condições tanto para a prática continuada ridade da etnografia em termos de um contato tanto íntimo
como para a experiência etnográfica e que levam à escrita quanto prolongado com o outro em seu próprio meio.
final” (Magnani, 2009, p. 136). Entretanto, tal meta não De qualquer forma, a grande chance de Malinowski
pode ser alcançada fora de uma necessária vinculação da iniciar seus estudos de campo somente apareceu em 1914,
etnografia a um quadro conceitual que a exceda, fornecen- quando, então com 30 anos de idade, foi contemplado com
do, assim, a instrumentos como a entrevista e a observação uma bolsa que lhe possibilitou trabalhar por algumas se-
participante um amparo teórico que justifique mesmo a sua manas com os Mailu, da Melanésia. Na qualidade de súdito
existência e utilização. austríaco, porém, o início da Primeira Guerra Mundial aca-
Assim, uma vez brevemente definida em sua dimen- bou por inviabilizar o seu retorno ao Reino Unido. Assim,
são mais conceitual, retornemos agora às origens históricas trazendo consigo certa insatisfação com os resultados da
da etnografia. Como veremos a seguir, estas remontam ao pesquisa anterior, tanto em termos de método quanto de
continente europeu e, mais especificamente, aos dilemas resultados, Malinowski, após um breve retorno à Austrália,
teóricos, metodológicos e éticos enfrentados pelos antropó- aportou nas ilhas Trobriand, da Nova Guiné, em junho de
logos ingleses na transição do século XIX ao XX. 1915, lá permanecendo até maio de 1916 e depois retornan-
do em outubro de 1917 para nova estada de um ano.
A antropologia britânica do início do As experiências realizadas ao longo desse período
século XX e os primórdios da etnografia acabariam por se revelar cruciais para o desenvolvimen-
como atividade científica to da etnografia como metodologia de trabalho que, mais
tarde, tornaria Malinowski famoso graças à publicação de
Segundo autores como Durham (1978), Firth (1960), sete monografias entre 1922 e 1935. Como veremos a se-
Kuper (1978) e Stocking Junior (1992), a principal caracte- guir, a introdução de Argonautas do Pacífico Ocidental de-
rística da antropologia britânica das primeiras décadas do sempenhou um papel fundamental em todo este processo.
século XX residiu em um esforço no sentido do acúmulo
de dados, haja vista as generalizações conceituais evolu- Com a palavra os argonautas: etnografia,
cionistas e difusionistas até então vigentes começarem a subjetividade e método entre os nativos
se revelar inadequadas. Daí o ressurgimento do empiris- da Nova Guiné
mo inglês naquele contexto em que os fatos deveriam falar
mais que as teorias. Conforme sugerido no parágrafo anterior, a in-
A partir de tais informações podemos melhor trodução feita por Malinowski (1922/1978) a Argonautas
compreender a crescente necessidade da constituição do Pacífico Ocidental já há muito adquiriu a condição de
de um trabalho de campo cientificamente consolidado, “clássico” do métier antropológico, tendo sido, de maneira
no que contribuiu, por exemplo, a expedição organizada mais ou menos específica, objeto de uma grande quantida-
de de estudos publicados no Brasil e no exterior (Durham,
4 Outro acréscimo importante: a utilização aqui de expressões como “cam-
1978; Firth, 1960; Kuper, 1978; Stocking Junior, 1992).
po” ou “trabalho de campo” não deve induzir a uma errônea redução Com efeito, levando em conta a sua riqueza e importância,
da etnografia à qualidade de atividade restrita a um território específi- obviamente não temos aqui a pretensão de abarcá-la em
co, englobando sim outros momentos do percurso do etnógrafo, como sua totalidade, direcionando a nossa atenção para um pon-
a escolha do tema, a pesquisa bibliográfica e, ainda, a escrita e o debate to específico. Trata-se do estabelecimento e da exposição
acerca do texto etnográfico, momentos que sugerem maior amplitude in- de princípios metodológicos regulares para a realização de
clusive por não necessariamente ocorrerem no espaço geográfico onde
são realizadas observações diretas ou participantes e também entrevistas um trabalho de campo considerado eficaz, incluindo-se aí
com grupos das mais variadas naturezas (voltaremos a esta temática mais a gênese e o papel a ser desempenhado pela observação
adiante). participante.

2014 I volume 25 I número 3 I 307-316 309


Mauricio Rodrigues de Souza

É assim que, com alguns comentários sobre os mo- Dessa forma, sugere Malinowski (1922/1978),
mentos iniciais da sua jornada – comentários relativos à ao invés de questionamentos abstratos, mais valeria ao
chegada efetiva na aldeia, aos incipientes contatos com a pesquisador tomar como referência um acontecimento
comunidade trobriandesa com a qual conviveria ao longo em particular – um crime, por exemplo – e, em seguida,
dos meses seguintes e também sobre os receios e incerte- interpelar a comunidade sobre quais mandamentos dita-
zas decorrentes da sua estada em meio a uma sociedade dos pela sua tradição definiriam procedimentos mais ou
tão diferente da europeia –, já as primeiras páginas do es- menos padronizados em relação ao ocorrido. Então, uma
crito de Malinowski (1922/1978) passam a discorrer mais vez que as reações individuais seriam orientadas pelo fato
diretamente acerca das eventuais alternativas para se ten- social coercitivo, o mesmo pesquisador poderia, em um
tar alcançar uma coleta de dados minimamente satisfató- movimento indutivo, juntar opiniões e, organizando-as
ria. É quando o autor propõe as três unidades que, segundo em um todo coerente, definir princípios ordenadores da
ele, comporiam os princípios metodológicos de uma boa cultura.
etnografia. Ao defender a construção de uma etnografia ge-
Em primeiro lugar, o pesquisador deveria obter nuinamente científica, porém, Malinowski (1922/1978)
condições adequadas ao estudo etnográfico. Isto seria viá- parece reconhecer os limites da empiria ao procurar as-
vel mediante o afastamento dos seus próprios pares em um sociá-la a uma característica que considera positiva em al-
contato o mais próximo e íntimo possível com os grupos guns dos trabalhos que o precederam: a apresentação dos
dos quais se ocupará em seu trabalho. Para Malinowski fatos íntimos do cotidiano nativo, traço menos permeado
(1922/1978), tal atitude forneceria a vantagem de um co- pela objetividade e somente alcançável por intermédio de
nhecimento e familiarização com a vida nativa bem supe- uma vivência estreita e prolongada com o outro. Trata-
riores àqueles conseguidos por intermédio de informantes se, portanto, de transformar o verbo em carne e sangue,
estrangeiros à cultura local, os quais, em muitos casos, agi- preenchendo o esqueleto teórico e abstrato com a realidade
riam de má vontade ou repletos de preconceitos. proporcionada pelos risos e lágrimas característicos das re-
De maneira complementar, a segunda recomenda- lações humanas.
ção feita por Malinowski (1922/1978) visando à realização Malinowski (1922/1978) denomina de imponderá-
de uma pesquisa de campo satisfatória reside na proble- veis da vida real esses anteriormente referidos fenômenos
matização da relação entre conhecimento teórico e práxis. impassíveis de registro estatístico, mas cuja importância
Assim, ainda que reconheça que o domínio sobre critérios residiria na sua qualidade de cimento social. Daí o clamor
cientificamente validados apareça como condição sine qua pela atenção do pesquisador aos aspectos íntimos da vida
non para um trabalho que pretenda ser levado a sério pela grupal, diferente do quadro frio das relações sociais apre-
comunidade acadêmica, este autor insiste que, no caso da sentadas em separado do seu contexto fenomênico origi-
pesquisa etnográfica, caberia separar bem o joio do trigo nal. Com isto, também atos aparentemente prosaicos, como
– ou seja, a empiria da especulação. Neste sentido, para os rituais e confraternizações, deveriam ser apresentados
além do preconceito, tornar-se-ia essencial resgatar a lógica segundo o seu próprio tom e detalhes específicos, e não
da visão de mundo própria ao nativo e a coerência da sua somente como esboços gerais.
organização social. Ainda assim, todo um esforço deveria ser feito no
Mais adiante, é novamente se posicionando contra sentido de deixar os dados falarem por si mesmos. De que
o preconceito especulativo que Malinowski (1922/1978) de- maneira? Registrando por escrito a observação dos fa-
fende a premissa fundamental que caracteriza a sua própria tos desde os primeiros contatos e logo em seguida à sua
abordagem funcionalista. Ela se ampara em um ideal de ocorrência. Mais ainda, paralelamente às anotações sobre
pesquisa orientado para a totalidade e completude, sem con- os comportamentos mais típicos (ditados pelas regras da
ferir privilégios a características específicas da vida nativa, tradição), caberia registrar aqueles ligeira ou acentuada-
partindo em busca de leis e padrões gerais que fornecessem mente desviantes. Para a realização desta tarefa, nada mais
um contorno claro e firme das culturas estudadas. Enfim, apropriado do que o diário etnográfico, exaltado aqui como
uma espécie de gestalt integrativa entre o todo e as partes. instrumento ideal e companheiro de viagem.
Precisamente aqui tem início a terceira das reco- De qualquer forma, é novamente buscando aproxi-
mendações feitas por Malinowski (1922/1978) visando mar as dimensões objetiva e subjetiva da pesquisa de campo
o aperfeiçoamento do ofício do etnógrafo. Trata-se da que, mais adiante, Malinowski (1922/1978) nos apresenta
aplicação de métodos específicos de coleta, manipulação a observação participante como movimento do etnógrafo
e registro de evidências. Quanto a este aspecto, uma per- visando uma interação efetiva e profunda com o nativo de
gunta-chave passa a ser a de como tentar alcançar leis cul- maneira a melhor reconstruir a sua realidade. Nestes ter-
turais se tais parâmetros muitas vezes não se encontram mos, este autor recomenda aos seus leitores que, vez ou
formulados ou cristalizados entre os nativos. A resposta de outra, deixando de lado caderno, lápis e máquina fotográfi-
Malinowski (1922/1978) é clara: coletando dados palpáveis ca – objetos que caracterizariam uma clara separação entre
sobre os fatos observados para, a partir daí, formular infe- o universo do pesquisador e aquele dos povos estudados –,
rências mais gerais. Temos, assim, o método de documen- tomassem parte como qualquer outro integrante local nas
tação estatística por evidência concreta. cerimônias, brincadeiras, jogos ou conversas comunitárias.

310 Psicologia USP I www.scielo.br/pusp


Uma questão de método

Alcançamos então o que se constituiria, segundo acalorados debates acerca das noções de identidade e de
Malinowski (1922/1978), no terceiro e último objetivo da autoridade no trabalho de campo.
etnografia: a decifração do “espírito” do nativo, incorpo- Nesses termos, a partir da reapropriação do refe-
rado nas ideias e definições construídas por si acerca do rencial teórico da hermenêutica filosófica por parte do
seu universo cultural. Consciente de que tal objeto poderia interpretativismo de Geertz (1973) – e, junto consigo, da
soar demasiado vago ou indefinido, o autor sustenta em sua dimensão histórica presente em uma agora não mais “as-
defesa certa estereotipia dos pensamentos e emoções in- séptica” relação entre “sujeito” e “objeto” do conhecimento
dividuais, os quais seriam antecipadamente configurados –, uma série de antropólogos passou a questionar a legiti-
por intermédio da tradição, da linguagem e de diversas ins- midade da voz uníssona do etnógrafo acerca de padrões
tituições (como aquelas ligadas à economia ou à religião, culturais distintos do seu, especialmente com o cresci-
por exemplo). Assim, caberia ao pesquisador o reestabe- mento do processo de globalização das informações na
lecimento desta vinculação entre o particular e o coletivo sociedade contemporânea. Ou seja, temos aí uma episte-
pela apresentação de termos de classificação advindos dos mologia da interpretação etnográfica que aposta na afir-
próprios nativos e/ou pela citação literal de asserções im- mação de que o discurso racional não está separado nem
portantes também produzidas por eles. de conteúdos valorativos e nem tampouco de relações de
Em seguida, demonstrando, porém, uma preocupa- poder, enfatizando as várias estratégias retóricas do texto
ção de ordem hermenêutica referendada pela sua própria etnográfico supostamente “objetivo” mascaradas pela ên-
experiência etnográfica e bem de acordo com o tipo de ra- fase convencional na sua dimensão puramente semântica.
ciocínio metodológico que adota, Malinowski (1922/1978) Destacam-se em tal contexto trabalhos como os de Clifford
enfatiza a necessidade de o etnógrafo dar um passo adiante (1988), Clifford e Marcus (1986), Marcus e Fischer (1986) e
nessa linha de ação. Afinal, a simples tradução direta em Stocking Junior (1992).
muitos casos destituiria o termo nativo de várias das suas Também filiada a esse quadro aproximativo entre fi-
características essenciais. Já a sua preservação, ao contrá- losofia e ciências sociais aparece a proposta da antropologia
rio, dependeria do aprendizado da língua nativa por parte simétrica de Latour (1989, 1991), balizada na ideia de uma dis-
do pesquisador, aprendizado que o habilitaria a ser capaz solução das assimetrias tradicionalmente constitutivas da ati-
de, escrevendo (e mesmo raciocinando) em tal idioma, vidade de pesquisa, assimetrias estas expressas na disparidade
utilizar este corpus inscriptionum como instrumento in- ou hierarquização dos discursos do “sujeito” e “objeto” do co-
vestigativo, reproduzindo assim, da forma mais fidedigna nhecimento. Isto em virtude de os “objetos” passarem a ser
possível, a mentalidade do outro. pensados sob o signo da multiplicidade e nas suas articulações
A introdução ao mesmo tempo subjetiva e metodo- com diferentes dimensões e momentos da própria pesquisa.
lógica de Malinowski (1922/1978) chega então ao seu fim, Algumas consequências diretas dessa perspectiva
deixando, porém, um desafio que, ao longo das décadas aparecem, por exemplo, na proposta de um estranhamen-
seguintes, viria a ser aceito não somente pelas novas ge- to do já enraizado, tanto em termos conceituais quanto no
rações de antropólogos ao redor do mundo, mas também que se refere aos modos como os cientistas se relacionam
pelos primeiros psicólogos sociais formados na tradição do no exercício da sua atividade. Tais consequências apare-
interacionismo simbólico vinculado à Escola Sociológica cem também na abertura para a possibilidade de que, na
de Chicago (Coulon, 1995; M. J. Spink, 2007; P. K. Spink, qualidade de pesquisadores, coloquemo-nos entre o dado
2003). Trata-se de conciliar subjetividade e método em naturalizado e o que é construído tanto sobre o outro quan-
uma pesquisa etnográfica cuja pretensão totalizante visava to sobre nós mesmos. É neste sentido que, de acordo com
abarcar não só a estrutura social, mas o próprio espírito ou Latour (1989, 1991), o dado e o construído podem e devem
“ponto de vista” do nativo. Como interpretá-la? Seria coe- ser tomados como simultâneos, mutuamente implicados e
rente em si mesma ou se mostraria perdida a meio caminho na qualidade de pressuposições recíprocas.
entre influências de natureza, ao mesmo tempo, romântica Evidentemente, a perspectiva defendida por Latour
e positivista? (1989, 1991) não se pauta em algum ideal de que seria pos-
sível (e mesmo desejável) alcançar absolutas harmonia e
Ressalvas contemporâneas ao projeto igualdade no trabalho científico, também ele marcado por
etnográfico grandes conflitos em termos de forças e interesses contras-
tantes. Assim, de maneira a evitar cair na mesma arma-
Com efeito, em que pese a sua inegável contribuição dilha que critica, o autor francês considera: em primeiro
para o desenvolvimento sistemático da pesquisa in loco, é lugar, que o oposto de uma grande divisão não se revelaria
certo que o modelo etnográfico proposto por Malinowski em uma grande unidade; em segundo, que esta há pouco
se tornou alvo de ressalvas de variadas naturezas, em parti- referida noção de simetria não funcionaria como chave
cular a partir da década de 1960, a qual presenciou tanto a para o alcance de alguma “unidade perdida”; finalmente,
descolonização de territórios ingleses e franceses até então que o contraponto em relação aos grandes divisores apare-
“etnografáveis” quanto a rebelião dos tradicionais “obje- ceria nas pequenas multiplicidades. Em uma palavra, para
tos” destas pesquisas. Tais críticas, de cunho ao mesmo a abordagem latouriana da ideia de simetria o problema
tempo teórico, ético e técnico, apareceram a reboque de não é ser dois, mas ser apenas dois.

2014 I volume 25 I número 3 I 307-316 311


Mauricio Rodrigues de Souza

Ao mesmo tempo, a solução para tal dilema não pas- intercambiável de acordo com as flutuações inerentes à lin-
saria pela volta ao um ou para uma espécie de tudo ou nada guagem e aos contatos entre indivíduo e sociedade.
no qual sairíamos de um movimento do tipo “da(s) identi- Mais uma vez levando em conta as restrições impos-
dade(s) rumo à relação” para outro do tipo “da relação para tas pelo espaço de um artigo, eis aí apresentadas em termos
a(s) identidade(s)” se, a despeito da aparente inversão dos bem gerais (sem que isto signifique, porém, qualquer des-
termos, tais identidades de pesquisador e de nativo perma- consideração quanto ao fato de que há distintas etnografias,
necerem tomadas em um sentido cristalizado. Portanto, para cujos objetos, objetivos, particularidades e alcance varia-
além de purificações ou naturalizações da tradicional rela- ram e ainda variam bastante desde as pretensões totalizan-
ção entre sujeito e objeto do conhecimento, a proposta de tes do funcionalismo malinowskiano) algumas ressalvas,
Latour (1989, 1991), de natureza propositalmente provocati- limites e desafios contemporâneos ao projeto etnográfico.
va, é pensar a atividade científica como atividade eminente- Tais demandas e reconfigurações de cunho, ao mesmo tem-
mente relacional e que não pressuponha ou gere identidades po, teórico, metodológico e ético conduziram a inovadoras
fixistas nem a priori e nem tampouco a posteriori. propostas que atendem por nomes como construcionismo,
É nesses termos que, como vimos há pouco, si- cartografia, genealogia e teoria do ator-rede, todas elas mar-
metrizar para Latour (1989, 1991) não significa esquecer cadas por discursos avessos à tradicional equação entre pes-
desigualdades. Ao contrário, trata-se de levá-las tão a sé- quisa de campo, cientificismo e dominação (Arendt, 2008;
rio a ponto de, problematizando-as, tornarmos a “nossa” Kastrup, 2007; P. K. Spink, 2003; Silva, 2004).
própria sociedade tão “antropologizável” quanto a “deles”. A despeito do seu caráter também multifaceta-
E mais: utilizando para tanto os conceitos “deles” como do, tomemos alguns princípios do construcionismo como
(res)significadores em potencial dos conceitos e categorias exemplo do contraponto há pouco mencionado entre tais
com os quais costumamos analisar os nossos “outros”, con- tendências da psicologia social contemporânea e a etno-
ceitos e categorias estes que, a partir do confronto com a grafia. Neste sentido, como aponta P. K. Spink (2003), à
alteridade, tanto podem se revelar gastos ou cristalizados medida que o foco construcionista incide sobre eventos no
quanto sofrer uma preciosa e recorrentemente necessária tempo, e não sobre fotografias congeladas, o “campo” ou os
revitalização. lugares da pesquisa passam a ser compreendidos como pro-
Tais ressalvas ao projeto etnográfico já há muito dutos sociais, e não como “dados” ou realidades indepen-
exederam, porém, o espaço mais restrito dos departamen- dentes do pesquisador. De maneira correlata, para além da
tos de antropologia e filosofia da ciência e vêm adquirindo qualidade de um lugar geográfico espacialmente definido
novos contornos também entre os psicólogos sociais ao rumo ao qual este mesmo pesquisador se deslocaria para
longo das três últimas décadas. Como aponta Farr (1999), efetuar os seus estudos, o “campo” passa a ser visto como a
isto se dá na esteira de todo um movimento crítico em re- situação (ou o argumento) de um assunto em determinado
lação à orientação positivista que demarcou as origens da tempo e contexto, e o entrar (ou estar) no “campo” de uma
psicossociologia como disciplina. É nestes termos que, em pesquisa passa a ser pensado como a inserção no debate
seu elucidativo trabalho acerca das tendências emergentes sobre este mesmo assunto. Com isto, também se tornam in-
nesta área de estudos em particular, Montero (1996) nos teressantes para a pesquisa tanto a atribuição de relevância
fala de um questionamento da ideia moderna de neutra- aos temas a serem estudados quanto, por conseguinte, os
lidade do conhecimento. Portanto, conduz-nos também posicionamentos tomados diante deles.
à presença de intenções e tendências no discurso da ver- Portanto, o contraponto estabelecido aqui se dá en-
dade, questões abordadas por um paradigma de ordem tre uma dimensão material e outra social do “campo” (ou
relativista mais claramente percebido a partir da década seja, a sua materialidade), considerando-se, neste segun-
de 1980, mas cujas raízes remontariam aos primórdios da do caso, que o assunto engloba o campo, e não vice-ver-
psicologia social. sa. Afinal, o meio não somente conta histórias, mas detém
Ainda para Montero (1996), esse paradigma se ex- também as suas próprias. Nesta mesma perspectiva, ao
pressaria em variadas características inter-relacionadas. Em levar em conta a concorrência entre os diferentes discur-
primeiro lugar, na desnaturalização dos objetos e na crítica sos envolvidos no cotidiano da atividade de pesquisa, esta
a modelos representacionistas que, próximos a ideais fi- aparece, no construtivismo, na qualidade de recorte, deba-
xistas como os de “origem” ou “identidade”, congelariam te ou negociação (e não imposição) de sentido ou valor, já
a realidade sem levar em conta a dimensão histórica dos que, se o “campo” não é um lugar específico, então haveria
fenômenos psicossociais. Logo, junto ao caráter transcen- múltiplos e concorrentes campos. Desta forma, como dar
dente de regras metodológicas que se consideram gerais ou conta de todos? Como pretender que um discurso (ou seja,
atemporais, passa a ser posta em xeque aqui qualquer no- o discurso específico de determinado pesquisador) seja
ção neutra, asséptica, objetiva ou atemporal de “verdade”, a “o” verdadeiro? Por extensão, são postas em relevo aqui as
qual se torna vinculada ao cotidiano e, com ele, a diferentes implicações sociais e éticas tanto da atividade de pesquisa
e dinâmicas possibilidades de negociação interpretativa. quanto daqueles que a conduzem.
Por derivação, também se faz presente no atual paradigma Assim, podemos perceber com clareza como a pers-
relativista em psicologia social a noção de que a realida- pectiva de “campo” exposta anteriormente coloca em xe-
de nada seria senão uma construção coletiva, conflitiva e que certa noção clássica de etnografia como deslocamento

312 Psicologia USP I www.scielo.br/pusp


Uma questão de método

do pesquisador rumo a determinado locus (uma tribo, por estabelecimento de rígidos critérios ou pressupostos que,
exemplo) geográfico que funcionaria como espaço sepa- apressada ou imediatamente, agrupem um conjunto varia-
rado e demarcado de estudos. Por conseguinte, questiona do de fenômenos.
ainda a tradicional separação epistemológica entre “nós” Nesse sentido, não custa lembrar que, ainda que
e “eles” (ou seja, entre “cientistas” e “nativos”), questiona- Malinowski organizasse os seus estudos das diferentes es-
mento este que traz consigo nada desprezíveis consequên- feras que compunham as práticas socioculturais das tribos
cias em termos das relações de poder que se estabelecem trobriandesas a partir do pressuposto científico-funcionalis-
no trabalho junto a grupos das mais diversas naturezas. ta da existência de totalidades, estas não se apresentavam
Diante de tal quadro, não nos parece descabido pergun- simplesmente como realidades homogêneas ou imanentes
tar: estaria então a etnografia condenada ao esquecimento à espera de decifração ou representação. Isto pela simples
na contemporaneidade da pesquisa psicossociológica? Ou razão de que este mesmo pressuposto da totalidade deveria
seria possível pensar de maneira menos excludente e mais ser cotidianamente reconstituído a partir de fragmentos for-
conciliatória? É esta última hipótese que defenderemos nos necidos por diferentes vivências e atores sociais, daí a utili-
parágrafos seguintes. dade da complementação etnográfica como possibilidade de
confrontação entre discurso e prática nativa.
Considerações finais Curiosamente, é ainda o pressuposto funcionalista de
totalidade que originalmente caracterizou os primórdios da et-
Uma boa forma de encerrarmos (ao menos momen- nografia como prática científica que nos remete a uma segun-
taneamente) essa reflexão que propusemos acerca da vali- da característica que nos faculta compreender o seu potencial
dade da utilização da etnografia na atualidade dos estudos crítico em relação às armadilhas impostas pelo discurso da
psicossociológicos aparece na constatação de que, tanto razão instrumental. Tal dimensão se apresenta no componen-
histórica quanto epistemologicamente, a pesquisa de cam- te intersubjetivo que caracteriza o trabalho do etnógrafo. Mas
po etnográfica consistiu em valiosa iniciativa por promo- como será possível estabelecer uma relação entre a pretensão
ver um estudo do outro a partir dos seus próprios termos. à objetividade científica característica de um funcionalismo
Isto causou uma verdadeira revolução nas ciências sociais, totalizante e a dimensão intersubjetiva da experiência etnográ-
exposta pela possibilidade de que os elementos que com- fica que proporciona a crítica a este mesmo ideal?
põem os diversos agrupamentos humanos (como direito, Conforme exposto nos parágrafos anteriores, o con-
economia, religião, etc.) ao redor do mundo passassem a ceito de etnografia como prática academicamente legitimá-
ser vistos de acordo com a sua coerência interna, ao invés vel apareceu originalmente vinculado à perspectiva de uma
de etnocêntrica e arbitrariamente tomados como simples apreensão integradora do universo nativo em termos de leis,
recortes de um “exotismo” a ser comparado aos valores e atitudes e pensamentos. Ocorre que a própria figura do et-
práticas oriundas do Ocidente. nógrafo não ficou alheia a este processo. Afinal, com a uti-
Da mesma maneira, não devemos desprezar o fato lização da observação participante, também ele (ou seja, o
de que esse encontro mais próximo com o outro propor- etnógrafo e as suas vivências, sentimentos e interpretações)
cionado pela etnografia, a despeito de ser, também ele, passou a funcionar não apenas como instrumento de pes-
um filho da modernidade, possibilitou o fundamental quisa, mas também como valiosa fonte de dados. Por conse-
questionamento da ideia de neutralidade e controle expe- guinte – e é aqui que se estabelece a curiosa dialética à qual
rimentais característica desta modernidade e do neoposi- nos referimos há pouco –, ao incluir o pesquisador como
tivismo nela inserido. Com efeito, quer pretendesse isto objeto de estudos, a pretensão funcionalista de cunho tota-
ou não, Malinowski (1922/1978) propiciou a crítica a toda lizante curiosamente terminou por favorecer a presença da
uma tradição cientificista no momento em que propôs uma subjetividade em meio ao seu ideal de objetividade científi-
observação participante que, além de pôr em xeque o câ- ca, plantando assim a semente da crítica a este mesmo ideal.
none até então consagrado da separação entre sujeito e Dessa maneira, utilizando uma expressão razoa-
objeto do conhecimento, conduziu ainda ao reconhecimen- velmente conhecida no meio acadêmico, será que devemos
to de “imponderáveis” que desafiavam a lógica da razão “jogar fora o bebê com a água do banho”? A resposta, a
instrumental. nosso ver, é não, já que, a despeito das suas origens no
Logo, não nos parece justo tratar hoje a etnografia ideal cientificista que marcou a transição do século XIX
apenas como espécie de vilã, já que encobridora das re- ao XX, no momento em que passa a levar em conta as di-
lações de poder presentes no trabalho de campo. Ora, ela mensões concomitantemente histórica e intersubjetiva do
também serviu e pode muito bem continuar servindo para conhecimento sobre o outro – as quais, evidenciando o ca-
o questionamento destas mesmas relações graças à flexi- ráter simultaneamente provisório e particular de tal conhe-
bilidade que a caracteriza como instrumento de pesquisa. cimento, apontam os limites do próprio projeto científico
Esta flexibilidade, importante complementar, não deve moderno –, a etnografia mantém a sua riqueza como fonte
ser confundida com omissão ou ausência de critérios para de estranhamento, como meio para um exercício alteritário
a coleta, validação e interpretação de dados, aparecendo potencialmente revelador.
sim como uma rica e, ao mesmo tempo, necessária con- Nesses termos, outro reforço para a nossa argumen-
traposição entre o falado e o vivido no qual não cabe o tação em prol de uma possível complementaridade entre a

2014 I volume 25 I número 3 I 307-316 313


Mauricio Rodrigues de Souza

etnografia e as novas propostas ético-metodológicas atual- e, por outro, que levemos a sério demais a interdição, mais
mente em voga em áreas como a psicologia social aparece ou menos velada, de falar dos outros simplesmente como
no próprio fato de que, como afirma Montero (1996), uma outros5. Com efeito, por que devemos necessariamente es-
parte nada desprezível da atual crítica ao realismo onto- colher uma destas duas alternativas quando, ao invés disto,
lógico característico da modernidade foi desenvolvida por podemos nos deixar afetar mais, ouvindo o que os nativos
movimentos sociológicos, antropológicos e psicossocioló- têm a dizer já como explicações sem que isto signifique
gicos provenientes desta modernidade e que, no entanto, acreditarmos ingenuamente em tudo o que nos é dito? Não
foram capazes de remar contra a maré dominante. Desta é, portanto, necessário escolher. E tal escolha não se faz
maneira, a ênfase contemporânea nas relações de poder necessária simplesmente porque, ao invés de percebermos
que, assim como em outras tantas atividades humanas, aí polos opostos ou exclusivos, torna-se bem mais interes-
também se fazem presentes na pesquisa de campo não re- sante que nos concentremos no trânsito entre discursos,
presenta necessariamente uma ameaça ao etnógrafo, po- categorias e lugares de pesquisador e de nativo, todos eles
dendo sim ser tomada por ele como aliada rumo a novos e passíveis de mutações e mútua influência.
criativos experimentos no trato com a diferença. Evidentemente, isso não significa desconhecer o
É o que podemos deduzir da leitura dos trabalhos de fato de que os grupos frequentados por pesquisadores e
Viveiros de Castro (2002, 2004) e Goldman (2003, 2008), os nativos possam apresentar óbvias disparidades em termos
quais, a partir das suas próprias experiências etnográficas, de poder, mas sim que devemos considerar seriamente a
bem como da leitura e reinterpretação de noções como as de possibilidade de que o trabalho etnográfico adquira a ca-
“rede” (Deleuze & Guattari, 1980), “reversibilidade” (Wagner, pacidade (quer seja na antropologia ou na psicologia social)
1981), “reflexividade” (Strathern, 1988) e “simetria” (Latour, de situar ambos os discursos, isto é, aquele da sociedade
1989, 1991) passam a nos interessar mais de perto à medida do pesquisador e aquele outro da sociedade do nativo (lem-
que vêm propondo novas alternativas para esse debate acer- brando aí que costuma ocorrer com bastante frequência
ca das possibilidades e limites da representação da alteridade. deste encontro se dar em uma mesma sociedade) como
Tais alternativas aparecem expressas, por exemplo, na apos- igualmente diferentes. Isto significa evitar ao máximo a
ta de uma antropologia “pós-social” em que o contato não adoção ou reafirmação de poderes a priori, procurando
se daria apenas ou prioritariamente entre teorias etnológicas, aproximações da alteridade que não caiam nem na natura-
mas entre dados etnográficos provenientes de campos diver- lização de dados e na ocupação de lugares um tanto conge-
sos, mas que poderiam se revelar fecundos uns para os outros lados e nem tampouco na tentação relativista de pesarmos
(Viveiros de Castro & Goldman, 2012). Isto tanto no sentido a mão demasiadamente em nossos próprios umbigos de
da criação de novas ideias e linhas de fuga quanto no que se “sujeitos” ou “autores” que assinam textos sobre os outros.
refere às reavaliações de tradicionais noções que, apesar de Em outros termos, trata-se de pensar a etnografia a
úteis, correriam o sério risco de se cristalizar (como aquelas partir do provisório, de uma multiplicidade que abole tanto
de “sujeito”, “objeto”, “cultura” e, importante, “identidade”). dualismos estanques quanto garantias prévias de síntese,
Ou seja, apresenta-se na antropologia “pós-social” de promovendo uma circulação do(s) sentindo(s) entre polos
Viveiros de Castro e Goldman (2012) a defesa de uma espécie intercambiáveis. Em tal movimento, talvez possamos cons-
de perspectivismo que desobjetifica palavras e coisas, visan- truir uma esperançosa ponte para algo mais: uma reorde-
do com isto refrear pelo menos parte da mania de especializa- nação, realinhamento ou, melhor ainda, “embaralhamento”
ção tradicionalmente presente em nosso contexto acadêmico. do(s) dualismo(s) com os quais tanto “nós” quanto “eles”
Para tanto, seguindo uma linha de pensamento próxima àque- costumeiramente travamos os nossos contatos. E se, como
la anteriormente defendida por Favret-Saada (1977, 1990), os sabiamente afirmou Strathern (1988), tal tarefa se revela,
autores enfatizam a possibilidade de que nos deixemos afetar no limite, impossível, isto não precisa necessariamente sig-
pelo frescor da precedência, do estranhamento ou da materia- nificar o silêncio sobre a sua urgência.
lidade potencialmente gerados pela etnografia, valorizando Certamente muito ainda haveria por ser dito. De
não somente o confronto entre categorias próprias a diferentes qualquer forma, finalizamos com a perspectiva de que a
especialidades acadêmicas (que, no entanto, poderiam se fa- experiência de estranhamento que tradicionalmente carac-
zer conectar por matrizes de inteligibilidade e/ou inspirações terizou a etnografia continua trazendo em si mesma tanto o
conceituais em comum), mas também o entrechoque entre as dinamismo quanto o potencial crítico necessários para man-
categorias nativas e as nossas. Tudo isto elevado a um grau tal ter em movimento o pensamento sobre (ou, se preferirmos,
que nos permita alcançar pontos de “comutação” – isto é, pas- com) as diferenças. Logo, reafirmando com outras pala-
sagens criativas em que tais instrumentos heurísticos possam vras a argumentação central do presente artigo, não se trata
resignificar uns aos outros. simplesmente de profetizarmos os limites ou mesmo o fim
Um complemento imediato e, ao mesmo tempo, da prática etnográfica, descartando-a como ultrapassada
bastante interessante dessa transversalidade antropológica
proposta por Viveiros de Castro e Goldman (2012) aparece, 5 Afinal, a diferença, na contemporaneidade de importantes setores de
então, na sua crítica à chance de que, por um lado, perma- uma antropologia como a norte-americana, por exemplo, parece haver
neçamos presos à tradição de procurar verdades ou expli- se tornado um grave problema diante da obsessão com os riscos de uma
cações supostamente ocultas para o que os nativos dizem “exotização” politicamente incorreta e conhecida como “othering”.

314 Psicologia USP I www.scielo.br/pusp


Uma questão de método

ou tendenciosa por supostamente funcionar apenas como a sua utilização em conjunto com outras metodologias de
instrumento perpetuador de desiguais relações de poder pesquisa adotadas na contemporaneidade tanto da pesquisa
entre “observadores” e “observados”, mas de atentarmos antropológica quanto da psicossociológica
para as possibilidades dela decorrentes, inclusive quanto

A question of method: Origins, limits and possibilities of ethnography to social psychology

Abstract: Focusing the subject of research methods in social psychology, this article gravitates around three objectives: to de-
fine in detail some of the main characteristics of ethnography, to review the historical background of its origins as a scientifically
legitimated practice and, finally, to discuss its utilization nowadays. As a result, it emphasizes not only the limits, but also the
possibilities of ethnographical practice, sustaining that the experience of strangeness that traditionally characterized it still car-
ries the dynamics and the critical potential which are necessary to maintain in movement the thought about alterity.

Keywords: methodology, ethnography, alterity.

Une question de méthode : origines, limites et possibilités de l’ethnographie pour la psychologie sociale

Résumé: Cet article, tourné vers la méthodologie de recherche en psychologie sociale, a trois objectifs : définir en détail
quelques-unes des principales caractéristiques de l’ethnographie, réaliser un bref parcours historique à partir de ses origines
comme pratique scientifiquement légitime et, finalement, discuter de son utilisation aujourd’hui. De façon cloncluante, il met
en relief non seulement les limites, mais aussi les possibilités de la pratique ethnographique, en défendant que l’expérience
d’étrangeté qui l´a traditionnellement caractérisée continue porteuse en soi tant aussi bien du dynamisme que du
potentiel critique nécessaires au maintien du mouvement de la pensée relative ou, si on le préfère, avec un regard
différent.

Mots-clés : méthodologie, ethnographie, altérité.

Una cuestión de método: orígenes, límites y posibilidades de la etnografía para la psicología social

Resumen: Este artículo, dedicado a la metodología de pesquisa en psicología social, se organiza en torno de tres objetivos:
definir en mayores detalles algunas de las principales características de la etnografía, realizar un breve histórico acerca de sus
orígenes como práctica científicamente legitimada y, finalmente, discutir su actual utilización. Se concluye que enfatiza no
solamente los límites, pero también las posibilidades de la práctica etnográfica, al sostener que la experiencia de extrañamiento
que tradicionalmente la caracteriza sigue trayéndola tanto el dinamismo cuanto el potencial crítico necesarios para mantener
en movimiento el pensamiento sobre o, si preferimos, con la diferencia.

Palabras clave: metodología, etnografía, alteridad.

Referências

Arendt, R. J. (2008). Maneiras de pesquisar no cotidiano: Clifford, J., & Marcus, G. (1986). Writing culture: The
contribuição da teoria do ator-rede. Psicologia & poetics and politics of ethnography. Berkeley, LA:
Sociedade, 20, 7-11. University of California Press.
Backès-Clément, C. (1988). Antropologia e psicanálise. In Coulon, A. (1995). A escola de Chicago (T. Bueno, trad.).
C. Backès-Clement, J. Copans, M. Godelier & S. Tornay Campinas, SP: Papirus.
(Eds.), Antropologia: ciência das sociedades primitivas? Deegan, M. J. (2001). The Chicago school of ethnography.
(pp. 211-238, J. P. de Andrade, trad.). Lisboa: Edições 70. In P. Atkinson, S. Delamont, A. Coffey & J. Lofland
Bastide, R. (1974). Sociologia e psicanálise (H. L. Dantas, (Eds.), Handbook of ethnography (pp. 11-25). London:
trad.). São Paulo, SP: Melhoramentos. (Trabalho original Sage.
publicado em 1950) Deleuze, G., & Guattari, F. (1980). Mille plateaux. Paris:
Clifford, J. (1988). The predicament of culture: Twentieth- Éditions de Minuit.
century ethnography, literature and art. Cambridge, Devereux, G. (1972). Ethnopsychanalyse complémentariste.
MA: Harvard University Press. Paris: Flammarion.

2014 I volume 25 I número 3 I 307-316 315


Mauricio Rodrigues de Souza

Devereux, G. (1977). Essais d´ethnopsyquiatrie génerale. Malinowski, B. (1978). Argonautas do pacífico ocidental (A.
Paris: Gallimard. P. Carr & L. A. Cardieri, trads.). São Paulo, SP: Abril
Devereux, G. (1980). De l’angoisse a la méthode dans les Cultural. (Trabalho original publicado em 1922)
sciences du comportement. Paris: Flammarion. Marcus, G., & Fischer, M. (1986). Anthropology as cultural
Durham, E. R. (1978). A reconstituição da realidade: critique: an experimental moment in the human sciences.
um estudo sobre a obra etnográfica de Bronislaw Chicago: The University of Chicago Press.
Malinowski. São Paulo, SP: Ática. Montero, M. (1996). Paradigmas, corrientes y tendencias de
Farr, R. M. (1999). As raízes da psicologia social moderna la psicología social finisecular. Psicologia & Sociedade,
(2a ed., P. A. Guareschi & P. V. Maya, trads.). Petrópolis, 8(1), 102-119.
RJ: Vozes. Narita, S. (2006). Notas de pesquisa de campo em psicologia
Favret-Saada, J. (1977). Les mots, la mort, les sorts. Paris: social. Psicologia & Sociedade, 18(2), 25-31.
Gallimard. Rock, P. (2001). Symbolic interactionism and ethnography.
Favret-Saada, J. (1990). Être affecté. Gradhiva: revue In Atkinson, P., Coffey, A., Delamont, S., Lofland, J., &
d’histoire et d’archives de l’anthropologie, 8, 3-9. Lofland, L. (Eds.), Handbook of ethnography (pp. 26-
Firth, R. (1960). Man and culture: an evaluation of the work of 38). London: Sage.
Bronislaw Malinowski. London: Routledge & Kegan Paul. Róheim, G. (1967). Psychanalyse et anthropologie. Paris:
Geertz, C. (1973). The interpretation of cultures: selected Gallimard.
essays. New York: Basic Books. Sato, L., & Souza, M. P. (2001). Contribuindo para desvelar
Godelier, M., & Hassoun, J. (1996). Meurtre du pére, a complexidade do cotidiano através da pesquisa
sacrifice de la sexualité: approches anthropologiques et etnográfica em psicologia. Psicologia USP, 12(2), 29-47.
psychanalytiques. Paris: Éditions Arcanes. Silva, R. N. (2004). Notas para uma genealogia da psicologia
Goldman, M. (2003). Os tambores dos mortos e os tambores social. Psicologia & Sociedade, 16(2), 12-19.
dos vivos. Etnografia, antropologia e política em Ilhéus, Spink, M. J. (2007). Pesquisando no cotidiano: recuperando
Bahia. Revista de Antropologia, 46(2), 445-476. memórias de pesquisa em psicologia social. Psicologia
Goldman, M. (2008). Os tambores do antropólogo: & Sociedade, 19(1), 7-14.
antropologia pós-social e etnografia. Ponto Urbe – Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social:
Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia &
2. Recuperado de http://www.n-a-u.org/pontourbe03/ Sociedade, 15(2), 18-42.
Goldman.html Stocking Junior, G. (1992). The ethnographer’s magic:
Gonçalves Filho, J. M. (2003). Problemas de método em Fieldwork in British anthropology from Tylor to
psicologia social: algumas notas sobre a humilhação Malinowski. In G. Stocking Junior, The ethnographer’s
política e o pesquisador participante. In A. M. Bock magic and other essays in the history of anthropology (pp.
(Org.), Psicologia e compromisso social (pp. 193-239). 12-59). Madison: The University of Wisconsin Press.
São Paulo, SP: Cortez. Strathern, M. (1988). The gender of the gift: Problems
Kastrup, V. (2007). O funcionamento da atenção no trabalho with women and problems with society in Melanesia.
do cartógrafo. Psicologia & Sociedade, 19(1), 15-22. Berkeley: University of California Press.
Kleinman, A. (1996). Writing at the margin: Discurse Tittoni, J., & Jacques, M. G. (1998). Pesquisa. In M. N. Strey
between anthropology and medicine. California: (Org.), Psicologia social contemporânea (pp. 73-85).
University of California Press. Petrópolis, RJ: Vozes.
Kuper, A. (1978). Malinowski. In A. Kuper, Antropólogos Viveiros de Castro, E. (2002). O nativo relativo. Mana, 8(1),
e antropologia (A. Cabral, trad., pp. 11-50). Rio de 113-148.
Janeiro, RJ: Francisco Alves. Viveiros de Castro, E. (2004). Perspectival anthropology and
Latour, B. (1989). Science in action. Cambridge: Harvard the method of controlled equivocation. Tipití: Journal
University Press. of the Society for the Anthropology of Lowland South
Latour, B. (1991). Nous n’avons jamais été modernes: essai America, 2(1), 3-22.
d’anthropologie symétrique. Paris: La Découverte. Viveiros de Castro, E., & Goldman, M. (2012). Introduction
Lévi-Strauss, C. (1958). Anthropologie structurale. Paris: to post-social anthropology: networks, multiplicities,
Plon. and symmetrizations. HAU: Journal of Ethnographic
Lévi-Strauss, C. (1962). Le totémisme aujourd’hui. Paris: PUF. Theory, 2(1), 421-433.
Magnani, G. C. (2009). Etnografia como prática e experiência. Wagner, R. (1981). The invention of culture. Chicago:
Horizontes Antropológicos, 32, 129-156. University of Chicago Press.
Malinowski, B. (1973). Sexo e repressão na sociedade
selvagem (F. M. Guimarães, trad.). Petrópolis, RJ:
Vozes. (Trabalho original publicado em 1927)
Recebido: 30/10/2013
Reformulação: 12/05/2014
Aceito: 27/05/2014

316 Psicologia USP I www.scielo.br/pusp