Вы находитесь на странице: 1из 9

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Constituição Federal e Direitos Humanos II���������������������������������������������������������������������������������������������������2
Incorporação dos Tratados Internacionais à Constituição Federal����������������������������������������������������������������������������2
Intervenção Federal e Direitos Humanos�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Processo de Intervenção�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Federalização das Graves Violações de Direitos Humanos�����������������������������������������������������������������������������������������5
Quem aciona o IDC?�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Competência de Procedimento ou não do IDC��������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Objetivo do IDC������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Pressupostos para Efetivação do IDC�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Incidentes de Deslocamento de Competência���������������������������������������������������������������������������������������������������������������7
Perspectivas Acerca do IDC���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������8

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Constituição Federal e Direitos Humanos II


O Art. 5º da Constituição Federal surge como destaque na garantia dos Tratados Interna-
cionais dos Direitos Humanos. Para além dele, é claro, devemos observar a eficácia de outros
artigos também presentes na Constituição e que além da garantia manifestam outras funções
em relação a esses direitos. Primeiramente, analisaremos o processo de integração dos direitos
assumidos em âmbito internacional à normatização jurídica nacional, logo em seguida aborda-
remos os artigos que tratam da Intervenção Federal e da Federalização das Grandes violações
dos Direitos Humanos.

Incorporação dos Tratados Internacionais à Constituição Federal


Existem duas formas de incorporação dos Direitos Internacionais ao Direito interno:

O Estado Brasileiro adota o primeiro modelo, que segue o seguinte processo:


1º – Negociação  2º – Assinatura  3º – Mensagem ao Congresso  4º – Aprovação parlamentar por
meio de Decreto Legislativo  5º – Ratificação  6º – Promulgação mediante Decreto Presidencial.
→→ Lembre-se:
Art. 84. Compete privativamente ao presidente da República:
VIII – Celebrar Tratados, Convenções e atos internacionais sujeitos a referendo do Congresso
Nacional.

Nos casos de Tratados Internacionais em geral (p.ex. acordos internacionais de comércio), o


processo de incorporação das leis internacionais seguiria o seguinte ritual:
Tratados Internacionais em geral Sistema de Votação:

Maioria simples ou relativa: metade do número de presentes mais 1.

Lei Ordinária: complementa as normas constitucionais.


Apesar dessa forma de aceitação jurídica de normas internacionais ser expressa pela Cons-
tituição de 1988 (Art. 102, inciso III, “b”), pensadores dos Direitos Humanos viram nestes
últimos uma relação diferenciada com a Constituição Federal, no que tange a sua categoria
de lei ordinária ou norma constitucional. Isto é, os Tratados Internacionais que abordassem
Direitos Humanos não deveriam ser encontrados no mesmo rol que tratados internacionais em
geral.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

“Após proclamar que o Brasil se rege em suas relações internacionais pelo


princípio inter alia, da prevalência dos Direitos Humanos (Art. 4, II), constituin-
do-se em Estado Democrático de Direito, tendo como fundamento, inter alia, a
dignidade da pessoa humana, (Art. 1°, III) estatui consoante proposta que avan-
çamos na Assembleia Nacional Constituinte e por esta aceita, – que os Direitos e
garantias nela expressos não excluem outros decorrentes do regime e dos prin-
cípios por ela adotados, ou dos tratados internacional em que o Brasil seja parte
(Art. 5, II). E acrescenta que as normas definidoras dos direitos e garantias fun-
damentais têm aplicação imediata”.
Antônio Augusto Cançado Trindade (nascido em 1947)

“Os Tratados Internacionais de Direitos Humanos têm por objeto justamente


a definição de direitos e garantias; conclui-se que tais normas merecem aplicação
imediata”.
“Os tratados de Direitos Humanos, assim que ratificados, devem irradiar
efeitos na ordem jurídica internacional e interna, dispensando a edição de decreto
de execução”.
Flávia Piovisan (nascida em 1969)

˃˃ Normas Constitucionais: têm aplicabilidade imediata, direta, integral podendo ser reduzidas
ou restringidas em sua eficácia pelo legislador infraconstitucional.
→→ Emenda Constitucional 45 de 8 de dezembro de 2004, inclusão de § 3º ao Art. 5º:
Os tratados e as convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada
Casa do Congresso Nacional, em dois turnos por três quintos dos votos dos respectivos membros,
serão equivalentes às emendas constitucionais.
→→ Assim:
Tratados Internacionais de Direitos Humanos.

Maioria qualificada:
3/5 dos respectivos membros 2 turnos nas duas casas do Congresso Nacional.

Normas Constitucionais: votação maioria qualificada;


Supralegais: tratados internacionais até a emenda 45/2004 votados por maioria absoluta.
O primeiro Tratado incorporado à jurisdição constitucional nos moldes do parágrafo § 3º, Art.
5º, após Emenda Constitucional 45/2004, foi a Convenção sobre os Direitos das pessoas com Defi-
ciência e seu protocolo facultativo assinado em Nova York, em 30 de março de 2007.

Intervenção Federal e Direitos Humanos


A Constituição Federal traz, em seu Art. 34, os princípios constitucionais sensíveis da ordena-
ção jurídica constitucional, permitindo que, havendo violação desses princípios, a iniciativa federal
possa intervir.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Art. 34: A União não intervirá nos estados nem no Distrito Federal, exceto para:
VII: Assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
b) Direitos da Pessoa Humana.

O Estado federal tem como uma de suas características fundamentais a autonomia de seus Es-
tados-Membros que, dentro das normas da Constituição, articulam-se na resolução de suas neces-
sidades. No entanto, apesar da autonomia conferida aos Estados-Membros, o zelo pela integridade
dos direitos humanos e sua observância são interferências necessárias feitas caso os Estados fujam de
suas competências em relação a esses direitos.

Processo de Intervenção

TIPOS DE INTERVENÇÃO FEDERAL


INTERVENÇÃO FEDERAL COMUM INTERVENÇÃO FEDERAL ANÔMALA
Art. 34 OU INCOMUM

PARA ESTADOS-MEMBROS E O DF Art. 35


PARA TERRITÓRIOS FEDERAIS SOB
CUSTÓDIA DA UNIÃO
Obs.: atualmente não existem.
Art. 36: A decretação de intervenção dependerá:
III. de provimento pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da Repúbli-
ca, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (Redação dada pela emenda
constitucional 45/2004).
˃˃ O Supremo Tribunal Federal julgou, entre 2003 e 2013, trinta e seis pedidos de Intervenção
Federal.
˃˃ A grande maioria dessas solicitações é por motivo de precatórios judiciais (em geral, dívidas do
poder público por ação judicial).
˃˃ Dos pedidos de Intervenção Federal no citado período, apenas 1 (sobre o governo do distrito
federal) não se refere a precatórios, mas a corrupção.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ No mesmo período temos em aberto dois pedidos de Intervenção Federal em reivindicação aos
Direitos Humanos:
˃˃ 4822: Violação dos Direitos Humanos no CAJE (Centro de Atendimento Juvenil Especializa-
do) – DF.
˃˃ 5129: Violação dos Direitos Humanos em Unidade Prisional (presídio Urso Branco) – RO.

A Intervenção Federal não atua sobre todos os casos de solicitação de sua ati-
vidade, compreendendo como indeferidos os exemplos acima citados, exceto os
referentes aos Direitos Humanos, pois se encontram em curso processual. O prin-
cípio constitucional norteador que permite, depois de avaliação do STF, o indefe-
rimento ou o deferimento de tais solicitações de intervenção federal é o princípio
da PROPORCIONALIDADE.
Princípio da Proporcionalidade (baseia-se)
Adequação Necessidade Proporcional em
Apto para produzir o Não havendo outro meio sentido estrito
resultado desejado. menos gravoso para se Contrapondo princípios
chegar a tal resultado. deve haver a conclusão
de mais vantagens que
desvantagens.
→→ Solicitação de Intervenção Federal – Mato Grosso. 1991.
˃˃ Solicitante: O então Procurador-Geral da República Aristides Junqueira.
˃˃ Motivação: Falta de condições mínimas para a manutenção dos Direitos Humanos, inclusive o
direito básico fundamental: o direito à vida. (Contra o estado de Mato Grosso)
˃˃ Contexto: Três presos linchados até a morte em praça pública sem interferência policial. Os in-
divíduos tiveram seus corpos cobertos por gasolina e ateados por fogo lançado pelos moradores.
Além disso, tudo foi filmado e transmitido pela televisão em rede nacional.
˃˃ Situação no STF: Conhecido por maioria, indeferido por unanimidade. Néri da Silveira (ministro
aposentado) julgou o caso insuficiente para aplicação de intervenção federal apesar da gravidade,
tendo o Estado condições de resolução do caso. (art. 144, § 4º , art. 125, § 4º e art. 25 § 1º.)
→→ Situação final: Indeferido.

A Intervenção Federal é um instrumento constitucional que visa em último caso, quando


todas as possibilidades forem esgotadas, encontrar uma solução para determinados problemas dos
Estados-Membros. Também invocado no caso de violação dos Direitos Humanos, a Intervenção
Federal é mais uma ferramenta em benefício aos Direitos inerentes e fundamentais ao ser humano.
Levando em consideração o princípio da proporcionalidade, a intervenção federal atravessa as
barreiras que lhe atribuem excepcionalidade.

Federalização das Graves Violações de Direitos Humanos


A Federalização dos crimes graves contra os Direitos Humanos, ou, também chamado, Inciden-
te de Deslocamento de Competência (IDC), consiste no deslocamento de competência da Justiça
Comum, Estadual, para a Justiça Federal.
→→ Faz-se necessário:
˃˃ na existência de grave violação dos Direitos Humanos;
˃˃ para manter assegurados os Direitos Humanos bem como o cumprimento dos acordos interna-
cionais de Direitos Humanos;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

˃˃ observação: o IDC é utilizado somente em caso de violação dos Direitos Humanos;


˃˃ quando é constatada a ineficácia da ação estadual e seu aparato jurídico na resolução de deter-
minado caso.
Quem aciona o IDC?
˃˃ Na hipótese de violação grave dos Direitos Humanos, o Procurador-Geral da República invoca
o IDC, perante o Supremo Tribunal de Justiça, não importando a fase em que o processo está
para poder assegurar a conformidade com os Tratados Internacionais de Direitos Humanos.
Competência de Procedimento ou não do IDC
˃˃ STJ
Objetivo do IDC
˃˃ Assegurar a observância dos Tratados Internacionais dos Direitos Humanos, utilizando-se
de deslocamento da Justiça Estadual para Justiça Federal em casos de violação dos direitos
humanos e não competência da Justiça Estadual.

APARATO CONSTITUCIONAL
IDC: Introduzido a partir de Emenda Constitucional 45/2004.
PROCESSO:
Art. 109: Aos juízes federais compete processar e Julgar:
V – os crimes previstos em Tratados ou Convenção Internacional, quando iniciada a execução no
país, o resultado tenha ou devesse ter ocorrido no estrangeiro ou reciprocamente.
V – A:
As causas relativas a Direitos Humanos a que se refere o parágrafo 5º deste artigo.
§ 5º Nas hipóteses de grave violação dos Direitos Humanos, o Procurador-Geral da República, com
a finalidade de assegurar o cumprimento de obrigações decorrentes de Tratados Internacionais de
Direitos Humanos dos quais o Brasil seja parte, poderá suscitar perante o Superior Tribunal de Justiça,
em qualquer fase do inquérito ou processo, o incidente de deslocamento e competência para a justiça
federal.
Cabe também ao âmbito federal no seguinte caso:
Lei n. 10.446/2002:
Art. 1º na forma do inciso do § 1º do art. 144 da Constituição, quando houver repercussão interes-
tadual ou internacional que exija repressão uniforme poderá o Departamento de Polícia Federal do
Ministério da Justiça, sem prejuízo da responsabilidade dos órgãos de segurança pública arrolados no
art. 144 da Constituição Federal, em especial das polícias militares e civis dos estados, proceder a inves-
tigação, dentre outras, das seguintes infrações penais:
III – Relativas à violação a Direitos Humanos, que a República Federativa do Brasil se comprometeu
a reprimir em decorrência de Tratados Internacionais de que seja parte.

Pressupostos para Efetivação do IDC


→→ Grave Violação dos Direitos Humanos:
A federalização não é invocada em qualquer violação dos Direitos Humanos, mas em graves vio-
lações em âmbito internacional, o que gera a discussão entre o que torna um direito humano mais
fundamental do que outro. Podemos compreender algumas dessas violações, como aquelas dentro
do rol de crimes contra a humanidade, por exemplo:
Execução sumária – violência sexual ou contra a mulher – violência contra indefesos etc.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

→→ Firmar o cumprimento com os Tratados Internacionais de não violação dos Direitos Humanos
assegurando tais acordos pelo Estado.
O Brasil aceitou ou participou da formação de diversos Tratados e Convenções Internacionais
de Direitos Humanos. A grave violação desses direitos levaria a uma repercussão negativa de nível
internacional da Responsabilização do Brasil para com os Direitos que o próprio país admitiu como
signatário. Isso significa que o Brasil seria responsabilizado em nível internacional.
→→ Incapacidade das autoridades responsáveis pelo caso de resolvê-lo.
A aplicação do IDC justifica-se em casos excepcionais. Isto significa que a transferência de com-
petência deve averiguar se o caso a que se detém realmente necessita de tal dispositivo (papel do STJ).
No entanto, os Estados têm autonomia federativa dentro dos parâmetros constitucionais, possuindo
ferramentas que os capacitam para resolver quaisquer crimes. Logo, a intervenção federal por meio
do IDC só é possível em casos de omissão ou demora injustificada por parte das autoridades esta-
duais.

Incidentes de Deslocamento de Competência


→→ IDC-1
˃˃ ANO: 2005
˃˃ LOCAL: PARÁ
˃˃ PGR: Claudio Fonteles
˃˃ CASO: Assassinato de Dorothy Stang
˃˃ CONTEXTO: Segundo o Procurador, as autoridades estaduais relataram a vítima como perigosa
e incitadora de manifestações no campo, nos documentos referentes ao caso.
˃˃ RESPONSÁVEL: 3º Seção do STJ.
˃˃ RESULTADO: Solicitação Indeferida.
˃˃ JUSTIFICATIVA: As autoridades responsáveis pelo caso estariam determinadas e empenhadas
em resolver e punir os culpados.
→→ IDC-2.
˃˃ ANO: 2010
˃˃ LOCAL: PARAÍBA
˃˃ PGR: Antônio Fernando Barros e Silva de Sousa.
˃˃ CASO: Assassinato de Manoel Mattos.
˃˃ CONTEXTO: Manoel Matos era ex-vereador e advogado. Atuava contra o crime organizado na
Paraíba e por tal motivo sofria constantes ameaças contra sua vida que se concretizaram em
janeiro de 2009.
˃˃ RESPONSÁVEL: 3º Seção do STJ
˃˃ RESULTADO: Solicitação Admitida.
˃˃ JUSTIFICATIVA: Evidente incapacidade das autoridades locais em oferecer respostas efetivas.
Obs.: este caso foi a júri popular caracterizando o primeiro júri federalizado sobre os Direitos
Humanos.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7
AlfaCon Concursos Públicos

Desde seu surgimento, em 2004, o IDC até 2015 só havia sido suscitado 5 vezes dentre as
quais apenas 3 haviam sido admitidas. Acima, dois exemplos foram citados: o primeiro caso
indeferido, e o segundo fora admitido.
IDC ANO PGR CASO LOCAL
Violência policial e
3 2013 Roberto Gurgel ação de grupos de Goiás
extermínio.
NÃO FOI Problemas de saúde
LEVADO psicológica gerados
PELO PGR, pela atividade no
4 2013 Pernambuco
MAS POR Tribunal que levaram
INTEGRANTE o indivíduo à aposen-
DO TCU. tadoria por invalidez.
Morte do promotor
de justiça estadual,
Thiago Faria Soares,
e consequentes con-
5 2014 Rodrigo Janot Pernambuco
flitos investigativos
da Polícia Civil e do
Ministério Público
Estadual

Perspectivas Acerca do IDC


“Os que alegam que o IDC é uma forma mais branda e menos dolorosa de intervenção estão con-
fundindo uma situação política (intervenção federal) com uma situação de normalidade processual e
com uma pseudoideia de que a justiça federal é mais eficaz do que a justiça estadual”.
Paulo Rangel, em 2012

“A federalização dos crimes contra os Direitos Humanos é medida imperativa diante da crescente inter-
nacionalização dos direitos humanos, o que aumenta a responsabilidade da União Federal. A proposta da
federalização aumenta a esperança de que a justiça seja feita e os direitos humanos sejam respeitados”.
Flávia Piovesan, em 1999

“A preocupação com os direitos humanos está refletida nos mandatos de quase todas as organi-
zações internacionais, na busca de ideias da paz e promoção do desenvolvimento. Sendo assim os
Estados são responsáveis por manter progressos na realização dos direitos humanos mesmo em condi-
ções políticas e econômicas adversas, não podendo ser diferentes a crises humanitárias que envolvam
graves violações”.
Celso Amorim em 2009

Exercícios
01. Sobre os direitos humanos, assinale a alternativa correta.
a) Após a Emenda Constitucional n° 45/2004, os tratados internacionais de direitos humanos
têm status de emenda constitucional.
b) Os tratados e as convenções internacionais de direitos humanos se incorporam à ordem
jurídica como leis ordinárias.
c) Pode-se afirmar que a súmula vinculante 11, sobre o uso de algemas, editada pelo STF, tem
por base a dignidade da pessoa humana.
d) Os tratados genéricos, não relacionados a direitos humanos, possuem, em regra, hierarquia
constitucional.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
8
AlfaCon Concursos Públicos

02. O artigo 1° da Declaração Universal dos Direitos Humanos estabelece que:


Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e
consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.
A interpretação da parte sublinhada, em face de nossa Carta Magna, possibilita a afirmação
de que:
a) É constitucional a atribuição supervalorizada de pontos na prova de títulos em concurso
público.
b) As ações afirmativas que estabelecem cotas em concurso são repudiadas na jurisprudência
pátria.
c) Os direitos fundamentais têm caráter absoluto, mesmo em face do princípio de convivência
das liberdades.
d) O direito à saúde é direito de todos e representa consequência constitucional indissociável
do direito à vida.
03. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com
valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
I. Plebiscito.
II. Referendo.
III. Iniciativa popular.
IV. Eleições indiretas.
É correto afirmar que:
a) A assertiva II está correta.
b) Apenas a assertiva III está correta.
c) As assertivas I, II, III e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas I, II e III estão incorretas.
Gabarito
01 - C
02 - D
03 - A.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
9