You are on page 1of 14

A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais

Sêmia Mauad*
UNI-BH

Índice televisão o declínio. Com as novas tecnolo-


gias o rádio digital tende a se transformar.
1. Introdução 1 Experimentações em torno do Rádio Digital
2. Como tudo começou 3 já estão sendo realizadas. O rádio na web
3. História do rádio no Brasil 5 já é fato. Muitas foram as transformações,
4. História do rádio em Minas Gerais 9 mas o rádio continua sendo um veículo de
5. Considerações finais 11 abrangência popular.
6. Referências Bibliográficas 12

1. Introdução
O rádio é um eficiente canal de comu-
Resumo nicação. Ele tem diversas características
que o torna um veículo de massa. O rá-
As primeiras atuações do rádio no Brasil
dio permite o imediatismo da notícia, não
se deram por meio de experiências, para que
necessitando de parafernálias para transmis-
de fato, ele fosse inaugurado. Eram feitas
são como a televisão. Basta o jornalista ter
por alto-falantes, ou pequenas veiculações.
em mãos um telefone celular e já é capaz de
De forma tímida, o rádio foi ganhando seu
transmitir o fato no momento exato em que
espaço cada vez mais. Antes de caráter ed-
acontece. Também permite que pessoas com
ucativo, se tornou comercial. Seus progra-
baixo poder aquisitivo possam desfrutar de
mas antes amadores se tornaram profission-
suas maravilhas por ser um aparelho barato.
ais. No início, para manter os trabalhos do
Além disso, pode ser levado e desfrutado em
rádio, associados, depois de um decreto de
qualquer lugar: no carro, em casa, no quin-
lei do Governo, as emissoras passam a ve-
tal, no escritório, na rua.
icular publicidade, objetivando lucros. Na
A primeira transmissão radiofônica oficial
Época de Ouro seu auge. No surgimento da
no Brasil, acontece no dia 7 de setembro
*
Bacharel em Comunicação Social Ű Habilitação de 1922 quando o Presidente Epitácio Pes-
Jornalismo, pela Faculdade Governador Ozanam soa discursou, na cidade do Rio de Janeiro,
Coelho (Fagoc). Especialista em Criação e Produção em comemoração aos cem anos da Inde-
em Mídia Eletrônica, pelo Centro Universitário de
pendência do Brasil. Na ocasião, o trans-
Belo Horizonte (UNI-BH).
missor foi instalado no alto do Corcovado,
2 Sêmia Mauad

permitindo assim, a propagação do discurso. bastante culturais, educativas e altruísticas”.


Naquela época, a transmissão se deu por (ORTRIWANO, 1985: 14).
alto-falante. Não havia ainda receptores No início, sua programação era voltada
domésticos. Como toda tecnologia lançada, para a elite. Eram veiculados óperas, recitais
o rádio ainda era um “luxo” para poucos. de poesia, concertos e palestras culturais. A
Seu aparelho na época era caro. sua finalidade era cultural, educativa e al-
Edgard Roquete Pinto é considerado o truísta.
“pai do rádio brasileiro”. Junto com Henry Apenas nos anos 30 é que o Governo
Morize, fundaram no dia 20 de abril de mostrou preocupação com o novo meio.
1923, a primeira estação de rádio brasileira: Desta forma, o decreto nº 21.111 foi insti-
a chamada Rádio Sociedade do Rio de tuído e “autorizava a veiculação de propa-
Janeiro. Roquete Pinto definiu bem como ganda pelo rádio, tendo limitado sua man-
foi à primeira transmissão de rádio no Brasil: ifestação, inicialmente, a 10% da progra-
“Tudo roufenho, distorcido, arrombando os mação, posteriormente elevada para 20%
ouvidos, era uma curiosidade sem maiores e, atualmente, fixada em 25%”. (ORTRI-
conseqüências”. Essas frases fazem parte WANO, 1985: 15). A partir daí, o erudito
do discurso dele sobre a primeira transmis- torna-se popular e começa a contratação de
são radiofônica no Brasil, na Praia Vermelha, artistas e produtores.
Rio de Janeiro, 1922. Com a permissão da venda de publicidade,
Para manter a Rádio Sociedade no ar era as emissoras de rádio começaram a se orga-
preciso da ajuda dos ouvintes, que se tor- nizar como empresas e a competição para an-
navam associados e contribuíam com men- gariar cada vez mais o mercado ficou ainda
salidades para a manutenção da emissora. mais resistente:
Eram doações de entidades privadas e públi-
cas. Anúncios pagos, nessa época, eram A competição teve, originalmente, três
proibidos. O veículo então travava uma luta facetas: desenvolvimento técnico, status
todos os dias para garantir a manutenção dos da emissora e sua popularidade. A pre-
serviços prestados. O desenvolvimento do ocupação “educativa” foi sendo deixada
rádio nessa época foi lento. de lado e, em seu lugar, começaram a se
Nesse período, eram veiculados diversos impor os interesses mercantis. (ORTRI-
programas voltados à cultura e a educação. WANO, 1985: 15).
Segundo a autora Gisela Swetlana Ortri-
wano, na obra “A Informação no Rádio: os Com a preocupação de obter lucros as
grupos de poder e a determinação dos con- emissoras quiseram se aperfeiçoar. Assim,
teúdos”, ela afirma que a programação, na o rádio teve o seu desenvolvimento técnico.
verdade, não estava apenas voltada para atin- Foi a “Época de Ouro”, nos anos 40. A pro-
gir os objetivos de seus fundadores, mas gramação abandonou o seu perfil educativo
também promover o trabalho de intelectuais: e elitista para se firmar como um meio pop-
“Nasceu como um empreendimento de int- ular. Houve mudanças na linguagem, que
electuais e cientistas e suas finalidades eram se tornou mais simples, direta e de fácil en-
tendimento. A audiência aumentava a cada

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 3

dia, pois, a programação se tornou mais bem (...). Mas, ao mesmo tempo que reduz o
organizada e diversificada. Na década de mundo a dimensões de aldeia, o radio não
30 e 40, os programas de música popular efetua a homogeneização dos quarteirões
surgiram e lançaram ídolos como a cantora da aldeia. Bem ao contrário.
Carmem Miranda e o cantor Orlando Silva. Marshall Mcluhan, pensador canadense
Garantir audiência era sinônimo de progra-
mas populares, alguns considerados até de Alguns estudiosos acreditam que o ital-
baixo nível, de grande alcance e notoriedade iano Guglielmo Marconi, no fim do século
do grande público. XIX, desenvolveu a tecnologia de transmis-
Entretanto, a “Época de Ouro do rádio” são de som por ondas de rádio. Entretanto,
não durou muito tempo, em conseqüência, há quem afirme que o inventor disso foi o
da estréia da televisão no Brasil, no ano de sérvio Nikola Tesla.
1950, trazida por Assis Chateubriand: O rádio só foi possível em consequência
das invenções de Alexander Graham, inven-
A “Época de Ouro” do rádio termina, tor do telefone; de Thomas Edison, inven-
coincidentemente, com o surgimento no tor do fonógrafo; Émile Berliner criou o mi-
Brasil de um novo meio: a televisão. crofone no ano de 1877; Oliver Lodge foi o
Quando surge, ela vai buscar no rádio criador do circuito elétrico sintonizado vinte
seus primeiros profissionais, imita seus anos depois. Oliver Lodge e Ernest Branly
quadros e carrega com ela a publicidade. foram os inventores do “coesor”, um dis-
Para enfrentar a concorrência com a tele- positivo que melhorava a detecção do som;
visão, o rádio precisava procurar uma a descoberta das ondas de rádio por Hein-
nova linguagem, mais econômica. (OR- rich Rudolph Hertz trouxe as nossas vidas
TRIWANO, 1985: 21). um novo meio de comunicação, consider-
Com a chegada da TV, o rádio teve que se ado importante pela facilidade e agilidade da
adaptar e explorou os serviços de utilidade transmissão de informações. O experimento
pública, jornalismo e esportes. de Hertz fez com que faíscas se soltassem
Hoje são cerca de duas mil emissoras através do ar que separavam duas bolas de
comerciais existentes no Brasil, e o mercado, cobre.
a cada dia que passa, se torna mais competi- No Brasil, no ano de 1893, o padre - ci-
tivo. E no meio do bolo das rádios comerci- entista gaúcho, Roberto Landell de Moura,
ais estão às comunitárias e educativas. Que nascido em 21 de janeiro de 1861, tam-
prometem diferentes formatos de programas, bém obteve experiências semelhantes. O tra-
mas muitas delas, apenas reproduzem o que balho realizado por ele estava sendo desen-
já é feito em emissoras comerciais. volvido em São Paulo. Landell construiu
alguns aparelhos considerados importantes
para a história do rádio, tais como: Teleaux-
2. Como tudo começou iofono (telefonia com fio), Caleofono (tele-
O rádio provoca uma aceleração da in- fonia com fio), Anematófono (telefonia sem
formação que também se estende a out- fio), Teletiton (telegrafia fonética, sem fio,
ros meios. Reduz o mundo a uma aldeia com o qual duas pessoas podem comunicar-

www.bocc.ubi.pt
4 Sêmia Mauad

se sem serem ouvidas por outras), Edífono rações eleitorais da presidência dos Estados
(destinado a depurar as vibrações da voz, Unidos.
tornando-a o mais natural). A I Guerra Mundial possibilitou a implan-
Dez anos depois, em 1900, Landell de tação das primeiras emissoras. Durante o
Moura obteve do governo brasileiro a carta conflito, as transmissões das ondas eletro-
patente nº 3279. Isso significaria o recon- magnéticas ficaram sob o controle do gov-
hecimento de seus méritos científicos na área erno dos países que estavam em guerra. O
das telecomunicações. Um ano depois, Lan- atraso na implantação da radiodifusão para
dell embarcou para a América, e no ano de o público, só foi compensado pelos avanços
1904, o “The Patent Office at Washington” feitos nesse período, o que facilitou o cresci-
lhe concedeu três cartas patentes, destinadas mento das estações de rádio no pós-guerra.
às invenções do telégrafo sem fio, do tele-
fone sem fio e do transmissor de ondas sono- Em apenas uma década, a radiodifusão
ras. O padre-cientista é considerado precur- espalhou-se por todo o mundo. No ano
sor nas transmissões de vozes e também de de 1919 é criada a primeira grande em-
ruídos. presa norte-americana de telecomunicações,
Há diferentes versões que relatam as a Radio Corporation of América (RCA). Em
primeiras transmissões do rádio no mundo. seguida a National Broadcasting Company
Uma delas diz que foi realizada em 1906, nos (NBC) foi criada em 1926. A Columbia
EUA por Lee de Forest para testar a válvula Broadcasting System (CBS), instalou-se em
tríodo. A válvula tríodo permite a ampliação 1927.
dos sinais elétricos. Isso possibilita a au- Na Europa são implantadas inúmeras em-
dição de sons complexos transmitidos pelas presas de grande porte, como a italiana Ra-
ondas hertzianas. A função do tríodo era am- diotelevisione Itália, na (RAI), em 1924;
plificar e produzir ondas eletromagnéticas de a inglesa British Broadcasting Corporation
forma contínua. (BBC), três anos mais tarde; e a francesa Ra-
Já a inauguração oficial da radiodifusão dio France Internationale (RFI), no ano de
no mundo, acontece no Natal de 1906. De 1931.
Forest e Reginald Aubrey Fessenden trans- Com o aumento da implantação de es-
mitem, nos EUA, alguns números de canto tações de rádio, o número de receptores tam-
e solos de violino. Outras transmissões con- bém se eleva drasticamente: nos EUA, por
sideradas pioneiras também foram realizadas exemplo, os aparelhos de rádio pulam de 50
nos anos posteriores. Lee Forest chegou a in- mil, em 1922, para mais de 4 milhões, três
stalar em 1916, depois de muitas pesquisas, anos mais tarde.
a primeira "estação-estúdio" de radiodifusão,
em Nova Iorque. Esse programa é consid-
3. História do rádio no Brasil
erado o primeiro de rádio. Na programação
continha conferências, música de câmara e Tudo roufenho, distorcido, arrombando
gravações. Nessa transmissão também se os ouvidos, era uma curiosidade sem
tem o primeiro registro de radiojornalismo. maiores conseqüências.
As informações eram relacionadas às apu- Roquette Pinto

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 5

O Rádio foi inaugurado oficialmente no em Curitiba. É importante ressaltar que to-


Brasil, no dia 07 de setembro de 1922, em das as rádios, naquela época, nasciam como
função das comemorações do centenário da clubes ou sociedades, como afirma a autora
Independência. O transmissor foi acoplado Gisela Ortriwano:
pela empresa Westinghouse Electric Interna-
Nessa primeira fase, o rádio se mantinha
tional Co, no alto do Corcovado, no Rio de
com mensalidades pagas pelos que pos-
Janeiro.
suíam aparelhos receptores, por doações
O primeiro programa exibido foi o dis-
eventuais de entidades privadas ou públi-
curso do Presidente Epitácio Pessoa. As
cas e, muito raramente, com a inserção
palavras do presidente foram proferidas em
de anúncios pagos, que, a rigor, eram
uma exposição, na Praia Vermelha, no Rio de
proibidos pela legislação da época. E
Janeiro. Após o discurso, seguiram-se emis-
também eram feitos apelos para que os
sões de música lírica, para os apenas 80 apar-
interessados aderissem à emissora como
elhos de rádio espalhados pela cidade cari-
sócios, ajudando a mantê-la. Mas, como
oca.
diz Renato Murce, “a constância não é
Depois do fim das festividades, durante
uma virtude muito brasileira, depois de
alguns dias, foram transmitidas óperas di-
alguns meses, ninguém mais pagava”. E
retamente do Teatro Municipal do Rio de
o rádio lutava com dificuldades, sem es-
Janeiro. Entretanto, só escutou-se rádio no-
trutura econômico financeira que pudesse
vamente no ano seguinte, quando o rádio
favorecer o seu desenvolvimento. (OR-
começou a funcionar normalmente, em 20 de
TRIWANO, 1985: 14).
abril de 1923, quando o antropólogo Roquete
Pinto e o diretor do Observatório Nacional A sua programação era voltada para a
Henry Morize, instalaram a Rádio Sociedade elite, pois, contava com recitais de poe-
do Rio de Janeiro. sia, concertos, óperas e palestras culturais.
A emissora desejava a veiculação de pro- Outro fato era importante para que essa pro-
gramas educativos e culturais. Entretanto, gramação se reiterasse: os receptores eram
segundo a autora Gisela Swetlana Ortriwano, caros e importados, o que impossibilitava a
na obra “A Informação no Rádio: os grupos massa de adquirir tais equipamentos.
de poder e a determinação dos conteúdos”, Antes o nosso rádio tinha como finalidade
afirma que a programação, na verdade, não questões culturais, educativas e também al-
estava apenas voltada para atingir os obje- truístas. Muito diferente do rádio que temos
tivos de seus fundadores, mas também a pro- hoje que, antes, era mantido por mensali-
mover o trabalho de intelectuais: “Nasceu dades e doações dos ouvintes. Os anúncios
como um empreendimento de intelectuais e pagos eram proibidos e, como a legislação
cientistas e suas finalidades eram bastante proibia a publicidade, as rádios eram susten-
culturais, educativas e altruísticas”. (OR- tadas pelos associados.
TRIWANO, 1985: 14). Com o passar do tempo, as emissoras vi-
As rádios amadoras que apareceram no ram a necessidade de reivindicarem o direito
país, na década de 20, foram influenciadas de sobreviver com recursos próprios. A pi-
pelo estilo, como a Rádio Clube Paranaense, oneira rádio comercial nasceu nos Estados

www.bocc.ubi.pt
6 Sêmia Mauad

Unidos: é a WEAF, de Nova Iorque. Ela algumas preocupações de lado para garantir
veiculava anúncios de 12 segundos por dois outras, com o objetivo de adaptação:
dólares e cem dólares por 10 minutos.
A era comercial, como conhecemos só Com o advento da publicidade, as emis-
veio no ano de 1932, com o Decreto de Lei soras tratavam de se organizar como em-
nº. 21.111 de 01/03/32, que autorizava 10% presas para disputar o mercado. A com-
de sua programação a ter comerciais. Nessa petição teve, originalmente, três facetas:
época, tínhamos Getúlio Vargas, como Pres- desenvolvimento técnico, status da emis-
idente da República. sora e sua popularidade. A preocupação
Obviamente, o número de propagandas “educativa” foi sendo deixada de lado
aumentou e o rádio se transformou em um e, em seu lugar, começaram a se impor
excelente negócio lucrativo: os interesses mercantis. (ORTRIWANO,
1985: 15).
O Governo mostra, a partir dos anos
30, preocupar-se seriamente com o novo Na década de 30 foram implantadas no
meio, que definia “serviço de inter- Brasil três grandes rádios: a Rádio Record,
esse nacional e de finalidade educa- de São Paulo, criada em 1931, a Rádio Na-
tiva”, regulamentando o seu funciona- cional, do Rio de Janeiro, de 1936, e a Rádio
mento e passando a imaginar maneiras de Tupi, em São Paulo, em 1937. Nessa época,
proporcionar-lhe bases econômicas mais o Brasil já contava com 29 emissoras de rá-
sólidas, concretizadas pelo Decreto nº dio, transmitindo conteúdo para as elites.
21.111, que autorizava a veiculação de Com essa preocupação e desenvolvimento
propaganda pelo rádio, tendo limitado técnico, o rádio viveu a sua “Época de
sua manifestação, inicialmente, a 10% Ouro”, nos anos 40. A programação aban-
da programação, posteriormente elevada donou o seu perfil educativo e elitista para
para 20% e, atualmente, fixada em 25%. se firmar como um meio popular. Houve
(ORTRIWANO, 1985: 15). mudanças na linguagem, que se tornou mais
simples, direta e de fácil entendimento. A
Através dessa mudança de visão de lu- audiência aumentava a cada dia, pois, a pro-
cro, as rádios foram obrigadas a mudar a gramação se tornou mais bem organizada
sua programação também. O que era eru- e diversificada. Na década de 30 e 40,
dito torna-se popular; muitos artistas foram os programas de música popular surgiram
contratados nessa época. A competição en- e lançaram ídolos como a cantora Carmem
tre os veículos aumentou, trazendo o desen- Miranda e o cantor Orlando Silva. Garantir
volvimento técnico e também a preocupação audiência era sinônimo de programas popu-
com a popularidade do veículo. As emisso- lares, alguns considerados até de baixo nível,
ras se tornam mais profissionais e os trans- de grande alcance e notoriedade do grande
missores e receptores, se tornam mais po- público:
tentes. Os progressos permitiram a melhora
do som, evitando problemas de interferên- Como a única maneira de atrair o anúncio
cia. Desta forma, as emissoras se organi- é garantir-lhe maior penetração, inicia-
zaram realmente como empresas, deixando se uma guerra pela conquista de públicos

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 7

sempre maiores. Na ânsia de angariar ou- e objetivas, o meio tinha aspecto de agili-
vintes, inclusive os numerosíssimos anal- dade, instantaneidade e também havia a se-
fabetos, a programação de certas emisso- leção cuidadosa das notícias. Sabe-se que as
ras vai-se popularizando, a exemplo da técnicas introduzidas por eles ainda são uti-
Rádio Nacional. Boa parte dessas pro- lizadas até hoje na maioria das emissoras e
gramações então, mais do que ao popular, nos jornais falados.
descem ao popularesco e ao baixo nível. Para facilitar ainda mais a veiculação da
(ORTRIWANO, 1985: 19). notícia no rádio, o transistor foi criado, em
23 de dezembro de 1947. A comunicação, a
Em 1942 foi ao ar a primeira radionovela. partir dele, tornou-se mais ágil, e possibilitou
Seu nome era “Em busca da Felicidade”. Era o “ao vivo” da rua:
exibida na Rádio Nacional. Em seguida, foi
a vez da novela “O Direito de Nascer”. Das produções caras, com multidões de
A mesma rádio lança o mais importante contratados, o rádio parte agora para
jornal do rádio brasileiro o “Repórter Esso”, uma comunicação ágil, noticiosa e de
às 12h45min do dia 28 de agosto de 1941. A serviços. Aliado a outros avanços tec-
primeira notícia era a de ataques de aviões nológicos, o transistor deu ao rádio sua
da Alemanha à Normandia, durante a 2ª principal arma de faturamento: é possível
Guerra Mundial. A notícia foi lida por ouvir rádio a qualquer hora e em qual-
Romeu Hernandez. Mas quem marcou a quer lugar, não precisando mais ligá-lo as
história do “Repórter Esso” foi o gaúcho tomadas... As emissoras de maior porte
Heron Domingues: passam a utilizar cada vez mais acentu-
adamente as unidades móveis, agilizando
Em 1942, a Rádio Tupi de São Paulo tam- a transmissão da informação. (ORTRI-
bém começa a sua tradição jornalística, WANO, 1985: 22).
colocando no ar o “Grande Jornal Falado
Tupi”, criado por Coripheu de Azevedo Os primeiros emissores em freqüência
Marques e Armando Bertoni, com uma modulada (FM), são lançados na década de
hora de duração diária. O “Repórter 40 e produzidos nos EUA, pela General
Esso” e o “Grande Jornal Falado Tupi” Electric. O sistema de FM permite uma re-
foram marcos importantes para que o cepção em qualidade técnica, mas seu al-
radiojornalismo brasileiro fosse encon- cance é menor comparado ao de amplitude
trando a sua definição, os caminhos de modulada (AM). Mas, apesar do longo al-
uma linguagem própria para o meio, cance, há algumas limitações de qualidade.
deixando de ser apenas a “leitura ao mi- Na AM, apenas o alcance dos canais é alter-
crofone” das notícias dos jornais impres- ado:
sos. (ORTRIWANO, 1985: 21).
Ainda em decênio de 60, começam a
A Rádio Nacional inaugurou o jornalismo operar as primeiras emissoras em FM
no rádio brasileiro. Utilizavam frases curtas – frequência modulada. Inicialmente

www.bocc.ubi.pt
8 Sêmia Mauad

fornecem “música ambiente” para assi- então, em trocar os seus artistas e progra-
nantes interessados em Ter um back- mas de humor de sucesso por músicas inseri-
ground que parecesse apropriado ao tipo das em sua programação. As novelas e tam-
de ambiente (...) (ORTRIWANO, 1985: bém os programas de auditório deram espaço
23). aos serviços de utilidade pública. Temos
alguns exemplos de profissionais que mi-
Mesmo com todo sucesso o rádio passa graram do rádio para a TV como o humorista
por momentos de dificuldade, quando a TV Chico Anysio, que surgiu no rádio, na dé-
chega ao Brasil. O apogeu do rádio chegou cada de 40, com alguns programas, entre eles
ao seu fim quando a televisão se tornava cada o “Rua da Alegria”, na Rádio Tupi do Rio de
vez mais popular. As emissoras radiofôni- Janeiro. Abelardo Barbosa (Chacrinha) tra-
cas, então, foram obrigadas a redefinir seus balhava na PRA-8 Rádio Clube de Pernam-
objetivos. O veículo, então, passou por um buco. No ano de 1942, Chacrinha foi para
processo de reestruturação e tende a ter uma a Rádio Difusora Fluminense. Em 1959,
missão diferente, ou seja, o rádio dá início o apresentador fez sua estréia na Televisão
à produção de programas mais baratos e ao Brasileira.
mesmo tempo, atraentes para o público em A partir daí, com a ida dos profissionais de
geral. rádio para a TV, busca-se a segmentação do
Nessa reestruturação, o radiojornalismo público-ouvinte, com o objetivo de aumen-
ganha mais espaço dentro da programação tar a audiência do meio. Dessa forma, pas-
das emissoras. A primeira rádio a divul- sam a existir diferentes tipos de emissoras
gar notícias durante toda a programação como as jornalísticas, populares, musicais e
é a Bandeirantes, de São Paulo, inaugu- religiosas e também as chamadas jovens ou
rada em 1954. Os serviços de utilidade adultas. Algumas emissoras também se seg-
pública viraram o carro-chefe da progra- mentam através da faixa etária de seus ou-
mação das emissoras, como ratificou Gisela vintes. Elas se destacam por classes sociais
Ortriawano: e faixas etárias. Ainda existem as emissoras
dedicadas a apenas alguns gêneros musicais
O rádio aprendeu a trocar os astros e como sertanejo ou rock. Entretanto, ainda
estrelas por discos e fitas gravadas, as existem muitas rádios em que seu conteúdo
novelas pelas notícias e as brincadeiras se baseia em várias.
de auditório pelos serviços de utilidade Em 1935, na Alemanha, acontece a
pública. Foi se encaminhando no sen- primeira transmissão de TV oficial. Neste
tido de atender às necessidades regionais, mesmo ano, Assis Chateaubriand, inaugura
principalmente ao nível de informação. em 25 de setembro a PRG-3, Rádio Tupi do
(ORTRIWANO, 1985: 21 - 22). RJ. Um ano mais tarde, é inaugurada a es-
tação de TV da BBC. O ano de 1936 tam-
Como a TV ainda não tinha bem definida a bém é marcado pela estréia de Ary Barroso
sua programação e poucos sabiam como uti- no rádio. Ele era narrador esportivo e tocava
lizar do meio, a solução encontrada foi levar gaita enquanto narrava os gols. Começou na
os artistas do rádio para a TV. O rádio optou, Rádio Cruzeiro do Sul, do Rio de Janeiro.

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 9

Ary além de ser apresentador de inúmeros Januário Carneiro, fundador da Rádio


programas também é compositor. A música Itatiaia, de Belo Horizonte.
“Aquarela do Brasil” foi uma de suas cri-
ações. O ano de 1938, na Rússia, marcava o A primeira emissora de rádio instalada
início das transmissões da TV naquele país. em Minas Gerais foi a Rádio Sociedade, da
No dia 18 de setembro de 1950, é inau- cidade de Juiz de Fora. A inauguração acon-
gurada oficialmente a primeira emissora de teceu em 7 de janeiro de 1926, como afirmou
televisão brasileira: a TV Tupi de São Paulo, o autor Luiz Pedro Rodrigues, em seu livro
de Assis Chateaubrind. No ano de 1954, Show do Rádio: pessoas e fatos ligados às
foi inventada por Peter Goldmark a TV em rádios de Minas Gerais:
cores: Em Minas Gerais o rádio começou com
a pioneira Rádio Sociedade de Juiz de
A “época de ouro” do rádio termina,
Fora, montada por Cardoso Sobrinho em
coincidentemente, com o surgimento no
7 de janeiro de 1926. Essa emissora
Brasil de um novo meio: a televisão.
destacou-se pela excepcional qualidade
Quando surge, ela vai buscar no rádio
de sua programação e pelos talentos que
seus primeiros profissionais, imita seus
ligou a radiodifusão brasileira. (RO-
quadros e carrega com ela a publicidade.
DRIGUES, 2001: 18).
Para “enfrentar a concorrência com a
televisão, o rádio precisava procurar uma Rodrigues ainda afirma que no ano de
nova linguagem, mais econômica. (OR- 1931, foi fundada na capital de Belo Hori-
TRIWANO, 1985: 21). zonte, a Rádio Mineira. Entretanto, a trans-
missão experimental da primeira rádio de
4. História do rádio em Minas BH se deu em 1926: Rádio Clube. O
primeiro programa “Atos do Governo do Es-
Gerais tado” foi ao ar às 19 horas e trinta minutos.
O rádio tem que ser amado, passional-
mente, pelos que o realizam. Sem isso, O autor ainda diz que mais duas rádios
nada feito. Os que são verdadeiramente funcionavam no ano de 1933, em Minas
do rádio estão dispostos a todas as lutas, a Gerais. As duas estações são as Rádios
todos os sacrifícios, aceitando com natu- Triângulo, da cidade de Uberaba, e a Cul-
ralidade as frustrações, os desafios. Esse tura, do Município de Poços de Caldas.
trabalho fascinante oferece muita com- Mas foi em agosto de 1936 que nasceu
pensação, mas exige suor todos os dias, a Rádio Guarani. Ela criou vários progra-
pois o rádio nos coloca dentro das casas, mas que caíram no gosto popular como: “A
na intimidade dos lares. Pode ser até que hora do Recruta”, onde os cantores sofriam
o rádio não encha os bolsos, mas é rig- punições de um carrasco, caso eles não se ap-
orosamente certo que enche os corações. resentassem bem. A atração era comandada
Só quem está no rádio sabe como isso é pelo locutor Rômulo Paes.
verdade. Outra rádio que surgiu em 1936 foi a Rá-
dio Inconfidência. Seus aparatos técnicos

www.bocc.ubi.pt
10 Sêmia Mauad

vieram importados de Londres, a pedidos do Rede também possui um canal de TV a cabo,


governador Benedito Valadares. Era con- retransmissora da TV Gazeta.
siderada tradicional e com toda sua progra- É importante ressaltar que foi a partir
mação voltada para a elite, com concertos de dos anos 60, que começam a funcionar
Música Sinfônica e Ópera. as primeiras emissoras em FM (freqüência
Tempos depois, houve a opção da re- modulada). A característica das rádios FMs
formulação da programação. De elitista, é a introdução cada vez maior de músicas na
se tornou popular. A tendência foi copi- programação. Para Ortriwano:
ada da Rádio Nacional, considerada exem-
plo de rádio na época. Mas havia também A primeira emissora a explorar esse
interesses políticos a cerca da populariza- serviço foi a Rádio Difusora de São
ção da Rádio Inconfidência. O então gov- Paulo, no decênio de 70. Esse tipo
ernador, Juscelino Kubitschek, precisava de de transmissão utilizaria canais abertos,
um veículo de massa, pois, desejava chegar surgindo um número bastante elevado
a Presidência da República. de emissoras operando em FM, todas
A história da Rádio Inconfidência é mar- voltadas exclusivamente para a progra-
cada até hoje. Ela é dona de um dos pro- mação musical. (ORTRIWANO, 1985:
gramas mais antigos do rádio brasileiro: “A 23).
Hora do Fazendeiro”, voltado aos trabal-
hadores do meio rural, criado três dias após A autora ainda completou que nos anos
sua inauguração em 1936. 70, as emissoras passam a segmentar a sua
A rádio estatal, anos depois, contou com programação:
uma nova versão: Rádio Inconfidência FM,
também chamada de Brasileiríssima. Em meados dos anos 70, as emissoras
Mas há outras rádios que também mar- passaram a identificar-se com determi-
caram época, como é o caso da Rádio Itati- nadas faixas sócio-econômicas-culturais,
aia, fundada por Januário Carneiro. O difer- procurando dirigir-se a ela e buscando
encial da emissora foi à introdução em sua sua linguagem nos próprios padrões das
programação, de quadros esportivos e jor- classes que desejavam atingir. (ORTRI-
nalísticos. Mas no final de 1960, foram pro- WANO, 1985: 24).
gramas musicais, com o objetivo de obter
Outro fenômeno de audiência em Belo
uma audiência maior, junto aos desinteres-
Horizonte é a Rádio Favela, fundada no ano
sados por informação. Apesar do esforço, a
Rádio Inconfidência só se tornou líder de au- de 1979. A emissora funciona na favela do
diência nos anos 80. Cafezal, no alto do Bairro da Serra, tinha
Atualmente, a rádio trabalha com 100 como objetivo reduzir a criminalidade na
Vila Fátima, no conglomerado de 11 fave-
KW, e sua cobertura chega a 200 quilômet-
las. A Rádio Favela começou como emissora
ros. A Rádio Itatiaia funciona em duas fre-
pirata e fechada inúmeras vezes pela Polí-
qüências hertzianas: AM e FM, além da Rá-
dio Extra, que faz mais o estilo popular. A cia, mas 20 anos mais tarde, em fevereiro de
2000, recebeu a autorização do Governo para

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 11

funcionar. Dois de seus fundadores são Ner- novo conceito em se fazer rádio. Usamos In-
imar Wanderley Teixeira e Misael Avelino ternet. É o caso da web radio uma forma
dos Santos. A Rádio Favela já se desta- mais fácil de comunicar, pois, não há a ne-
cou até internacionalmente: em fevereiro de cessidade de concessão ou burocracia. O ou-
1999, foram reconhecidos pelo trabalho ed- vinte basta apenas ter um computador e es-
ucativo na favela, junto ao jornal americano, tar ligado a rede para acessar o meio. Outra
Wall Street Journal. Recebeu também em vantagem é que se pode ouvi-la em qualquer
Milão o prêmio de “Melhor Programa de parte do mundo. É na Internet que artis-
Rádio Alternativo”, desafiando rádios comu- tas novos acham espaço para mostrarem os
nitárias de todo o mundo. A emissora tam- seus trabalhos. A maneira de interação tam-
bém já foi agraciada com o “Prêmio Mundial bém mudou. A interatividade é feita através
sem Drogas”, oferecido pela Organização de cartas enviadas a rádio, por e-mail, por
das Nações Unidas (ONU), pelo trabalho de telefonemas, por mensagem de celular, pelo
prevenção ao tráfico. messenger e até pela rede de relacionamento
“orkut”. As pessoas também podem enviar
mensagens e pedidos de músicas através da
5. Considerações finais
comunidade da rádio ouvida.
O rádio chegou ao início do século pas- Outra vertente também desse sistema dig-
sado com objetivo de educar os ouvintes. ital é o rádio digital. O Ministério das Co-
Muito aconteceu para que chegássemos ao municações ainda estuda o melhor padrão
rádio que conhecemos atualmente. Entre- para ser implantado no Brasil. Entretanto,
tanto, algumas atribuições não se modificam o ministro Hélio Costa já mostrou o inter-
como levar informação, cultura e entreteni- esse pelo padrão americano Iboc (In-Band-
mento as pessoas das mais variadas regiões On-Channel).
do país e, agora, do mundo, por meio da In- Algumas emissoras já fizeram o teste e
ternet. As distâncias não mais existem. A verificaram a demora de envio dos sinais dig-
informação pode ser acessada e escutada por itais. Esse atraso chega a 8 segundos. A
todos. proposta deste padrão é levar ao ouvinte um
Com todos os seus atrativos e as suas pe- som de qualidade melhor, como se o mesmo
culiaridades, acima de tudo, os responsáveis estivesse escutando um CD. Outra possibil-
pelo meio devem se preocupar com a for- idade é um segundo canal independente que
mação dos cidadãos. O rádio é, impreteriv- possibilitaria a inserção de mais informações
elmente, um veículo de formação cultural em tempo real.
e como tal, deve se responsabilizar e ser Segundo o ministro das comunicações,
responsabilizado pelo que faz e pelo que Hélio Costa, o padrão também permitiria a
poderá fazer. transmissão dos sinais analógicos e digitais
Sem muitas novidades durante esses anos, ao mesmo tempo. Desta forma, as emissoras
agora o rádio espera a definição do padrão teriam o tempo necessário para se adaptarem
digital. Com o surgimento das novas tec- ao novo sistema de rádio digital. Mas o min-
nologias, passamos a ter outras formas de istro ainda não bateu o martelo para nen-
propagação da informação. Conhecemos um hum dos padrões de sistema digital exis-

www.bocc.ubi.pt
12 Sêmia Mauad

tentes. O mais provável a ser aceito é Iboc CHANTLER, Paul & HARRIS, Sim. Ra-
mesmo. Com relação aos conversores digi- diojornalismo. Tradução Laurindo Lalo
tais, o ministro afirma que os aparelhos se- Leal Filho. São Paulo: Summus, 1998.
riam acessíveis a todos. Entretanto, temos
visto variados preços envolvendo os conver- CUNHA, M.R.. Rádio e Internet: o En-
sores. Os valores vão desde a R$ 300 a R$ contro de Duas Grandes Invenções.
1.500. In: Congresso Brasileiro de Ciên-
cias da Comunicação, 2004. São
Paulo: Intercom, 2004. Disponível em:
6. Referências Bibliográficas www.intercom.org.br . Acesso em: 03
AQUINO, Sabrina Brognoli d’. Perspectivas de março de 2008.
do Radiojornalismo e do Rádio Infor- DIZARD, Wilson. A nova mídia: a comu-
mativo na Internet. Trabalho apresen- nicação de massa na era a informação.
tado no Núcleo de Mídia Sonora, XXVI Tradução Edmond Jorge. 1ª edição. Rio
Congresso Anual em Ciência da Comu- de Janeiro: Zahar, 1998.
nicação, Belo Horizonte/MG, 02 a 06
de setembro de 2003. Disponível em: ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados.
www.intercom.org.br . Acesso em: 16 Editora perspectiva: São Paulo, 1998.
de janeiro de 2008.
ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de
AZEVEDO, Djalma Alves. A imprensa do Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.
Brasil nasceu em Minas Gerais. Belo
FREDERICO, Maria Elvira Bonavit.
Horizonte: Armazém de Idéias, 2000. História da Comunicação Rádio e TV
BAHIA, Juarez. Jornal, história e técnica. no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1982.
3º ed. São Paulo, Ibrasa, 1972. FERRARETO, Luiz Artur & KOPLLIN,
BARBERO, Heródoto & LIMA, Paulo Elisa. Técnica da redação radiofônica.
Rodolfo. Manual de radiojornalismo. Porto Alegre: Sagra DC Luzatto, 1992.
Produção, ética e internet. Rio de
Janeiro: Campus, 2001 FERRARETTO, Luiz. Artur. Rádio - o
CARVALHO, André e MARTINS, Kao. veículo, a história e a técnica. Rio de
Habla, Señor. Um homem chamado Janeiro: Sagra, 2000.
Januário. Belo Horizonte: Armazém FERRARI, Pollyana. Jornalismo Digital.
de Idéias, 1992 São Paulo: Editora Contexto, 2003.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. HERREROS, Mariano Cebrián. La Ra-
São Paulo: Paz e Terra, 1999 dio en La Convergencia Multimedia.
CÉSAR, Cyro. Rádio, a mídia da emoção. Barcelona, Editorial Gedisa: 2001.
São Paulo, Summus, 2005.

www.bocc.ubi.pt
A história do rádio no Brasil e em Minas Gerais 13

JUNG, Milton. Jornalismo de Rádio. São MOREIRA, Sônia Virgínia. O rádio no


Paulo, Editora Contexto, 2005. Brasil. Rio de Janeiro, Rio Fundo,1991.

LAGE, Nilson. Linguagem Jornalística. São


Paulo: Ática, 1998. MORIN, Edgar. Cultura de Massa no século
XX. Rio de Janeiro, Forense, 1967.
LEMOS, André. Cultura das Redes:
ciberensaios para o Século XXI. Sal- MURCE, Renato. Bastidores do Rádio:
vador: Edufba, 2002. fragmentos do rádio de ontem e de hoje.
Rio de Janeiro: Imago, 1976.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligên-
cia. São Paulo: Editora 34, 2001 ORTRIWANO, Gisela Swetlana. A infor-
mação no rádio: os grupos de poder e
LIMA, Luis Costa (org.) Teoria da Cultura a
de Massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1990. determinação dos conteúdos. São Paulo:
Summus, 1985.
MACHADO, Elias. - O Ciberespaço como
PARADA, Marcelo. Rádio: 24 horas de Jor-
Fonte para os Jornalistas. Salvador :
nalismo. 1ª edição. São Paulo: Panda,
Calandra, 2003.
2000.
MEDITSCH, Eduardo. A Rádio na era da
PORCHAT, Maria Elisa. Manual de Ra-
informação. Coimbra, Minerva Edi-
diojornalismo da Rádio Jovem Pan.
tora, 1ª edição, 1999.
Brasiliense, 1986.
MARTINS, Fábio. Senhores ouvintes, no PRADO. Emílio. Estrutura da Informação
ar... A Cidade e o Rádio. Belo Hori- Radiofônica. São Paulo: Summus,
zonte: 1999
Editora C/ Arte, 1999.
PRADO, Magaly. Produção de Rádio. São
MARTIN-BARBERO, Jésus. Dos meios às Paulo: Campus, 2006.
mediações. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ,
PRATA, Nair. A história do rádio em
1997.
Minas Gerais. Congresso Brasileiro
MCLEISH, Robert. Produção de rádio: de Ciências da Comunicação, Belo
Um guia abrangente da produção ra- Horizonte-MG, setembro de 2003. São
diofônica. São Paulo: Summus, 2001. Paulo: Intercom, 2003. Disponível em:
www.intercom.org.br . Acesso em: 15
de abril de 2008.
MCLUHAN, Marshall. Os meios de co-
municação como extensão do homem. RODRIGUES, Luiz Pedro. Show do Rádio:
Tradução: Décio Pignatari. São Paulo: pessoas e fatos ligados ao rádio de Mi-
Cultrix, 1964. nas Gerais. Belo Horizonte: Armazém
de Idéias, 2º ed, 2005.

www.bocc.ubi.pt
14 Sêmia Mauad

SAMPAIO, Mário Ferraz. História do Rádio


e da TV no Brasil e no Mundo.

SOUSA, Jésus Barbosa de. Meios de Comu-


nicação de Massa: Jornal, Televisão,
rádio. São Paulo: Scipione, 1996.

TAVARES, Reynaldo. Histórias que o rádio


não contou. São Paulo: Negócio Edi-
tora,1997.

VAMPRÉ, Octávio Augusto. Raízes e


evolução do rádio e da televisão. Porto
Alegre, FEplan/RBS, 1979.

www.bocc.ubi.pt