Вы находитесь на странице: 1из 8

Originais / Originals

Motivos de desistência da prática de exercícios


físicos em academia: estudo de caso
com mulheres de Pirassununga-SP
Reasons for abandoning a gym-related physical exercise program:
case study of women from Pirassununga-SP

Resumo A melhora de qualidade de vida e saúde através da prática de exercícios
físicos está cada vez mais fundamentada na literatura. Entretanto, muitas vezes,
não se estabelece uma rotina regular de exercícios, pois ocorre a desistência, não
sendo possível obter os benefícios de uma prática regular de atividade física. As-
sim, o presente estudo tem como objetivo investigar quais são os principais mo-
tivos que levam mulheres da cidade de Pirassununga a desistirem da prática de
exercícios físicos em academias, bem como o que as levam a trocar de academia.
Participaram desse estudo, 44 Mulheres, praticantes de inúmeras modalidades,
com idade entre 18 e 50 anos (29,31 ± 9,95). O tempo de prática deveria ser de
pelo menos 3 meses, com frequência semanal mínima de 2 vezes. Utilizou-se um
questionário estruturado, que foi encaminhado a cinco Doutores da área da Saú-
de para apreciação pelos pares. Usou-se de estatística descritiva para análise dos
dados. A maioria das participantes (63,6%) já desistiu da prática de exercícios
físicos, sendo que 57,1% alegam a falta de tempo como principal motivação para
a desistência. A maior parte das participantes nunca trocou de academia (54,5%)
e aqueles que o fizeram apontaram a localização como o principal motivo (45%),
seguido da procura por melhores profissionais (30%). Conclui-se que, para essa
população, o principal motivo para a desistência da prática regular de exercícios
físicos em academia é a falta de tempo, sendo que a localização é o principal fator
de troca de academia.
Palavras chave: Exercícios Físicos; Mulheres; Academia; Desistência.

Abstract Enhanced quality of life and health through engaging in regular physi-
cal exercises is increasingly confirmed in the literature. However, they often do
not establish a regular exercise routine, which leads to abandonment, precluding
obtaining the benefits of an active lifestyle. Thus, the present study aimed at inves-
tigating the main reasons women from the city of Pirassununga in São Paulo state
(SP) abandon gym-related physical exercise. A total of 44 women, aged between
18 and 50 years (29.31 ± 9.95) and engaged in numerous modalities, took part in
the study. Participants had been involved in the activity for at least 3 months, with
a minimum frequency of twice a week. A structured questionnaire was sent to
five PhD holders in the Health area for peer assessment. Descriptive statistics was
used for data analysis. Most of the participants (63.6%) had already abandoned
Antonio Carlos Tavares physical exercises. Most of the participants (54.5%) had never changed gyms, but
Junior for a significant number it was their first experience. For the study group, location
Centro Universitário Anhanguera is the primary reason for changing gyms (45%), followed by seeking better pro-
(UNIFIAN), Leme/SP – Brasil fessionals (30%). It was concluded that the main reason for abandoning regular
Taynara Citelli Planche
gym-related physical exercises is lack of time, location being the primary factor
Centro Universitário Anhanguera for changing gym.
(UNIFIAN), Leme/SP – Brasil Keywords: Physical Exercises; Woman; Gym Abandonment

Sáude em Revista 63
Motivos de desistência de mulheres em academias
Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

Introdução Por conta disso, o presente estudo tem


como objetivo investigar quais são os princi-
A correlação entre a prática regular de pais motivos que levam mulheres da cidade
exercícios físicos e melhora da qualidade de de Pirassununga a desistirem da prática de
vida e saúde está cada vez mais fundamenta- exercícios físicos em academias, bem como
da na literatura, do mesmo modo que o se- o que as levam a trocar de academia.
dentarismo está fortemente correlacionado
com o desenvolvimento de doenças crônicas Métodos
e hipocinéticas1-3.
Assim, inúmeros estudos apontam uma Participaram desse estudo, após
relação positiva entre exercícios físicos re- contato e ciência do Termo de Consenti-
gulares e a melhora da composição corpo- mento Livre e Esclarecido (TCLE), 44 Mu-
ral, controle e prevenção da obesidade e suas lheres, praticantes de inúmeras modalida-
complicações4-6, diminuição do perfil lipídi- des, com idade entre 18 e 50 anos (29,31 ±
co a longo prazo7, tratamento e prevenção 9,95). Elas deveriam estar praticando regu-
de diabetes8-10, tratamento e prevenção de larmente alguma modalidade em academia
hipertensão arterial11-13, melhoria da quali- a pelo menos 3 meses, com frequência se-
dade de vida e funcionalidade em idosos14-16 manal de no mínimo 2 vezes.
e promoção do bem-estar psicológico17-19. Com a necessidade de criar-se uma for-
Pensando especificamente nas mulhe- ma de aproximação da realidade com a te-
res, ao estabelecer uma rotina de exercícios mática da pesquisa, optou-se pela utilização
físicos, os benefícios passam por uma me- de um questionário estruturado. O instru-
lhor regulação hormonal e manutenção da mento de pesquisa foi encaminhado a cinco
massa óssea, preparando-as também para a Doutores da área de Educação Física e Saú-
gestação, pois condiciona para o aumento de para apreciação pelos pares enquanto a
da demanda física que essa condição impõe, viabilidade e adequabilidade, sendo aprova-
além de estar associado a diminuição de do por todos
dores musculares e posturais e menor inci- Os questionários foram aplicados in-
dência de depressão pós-parto, facilitando o dividualmente, antes que o sujeito ini-
pronto restabelecimento20,21. ciasse sua atividade, nas respectivas aca-
A prática de exercícios em ambien- demias. Houve esclarecimento quanto ao
tes supervisionados, como as academias, é objetivo do estudo e instruções de como
uma alternativa cada vez mais presente no preencher o questionário, sendo explica-
cotidiano moderno, sendo notado o conse- do que apenas uma resposta seria válida
quente aumento no número de academias e para questões de múltipla escolha. Usou-
modalidades oferecidas. Entretanto, muitas -se de estatística descritiva para análise e
vezes, não se estabelece uma rotina regular, apresentação dos dados.
pois ocorre a desistência ou a não regulari- O instrumento de pesquisa está repre-
dade do treinamento físico, não sendo pos- sentado no Quadro 1:
sível assim, obter os benefícios de uma prá-
tica regular de atividade física.

64 SAÚDE REV., Piracicaba, v. 16, n. 43, p. 63-70, maio-ago. 2016


Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

Quadro 1. Questionário para indicar desistência e rotatividade de academias.

1. Nome: (apenas para identificação, será mantido em sigilo)


2. Idade:
3. Qual(is) modalidade(s) você pratica?
4. Qual o tempo de prática regular?
( ) 3 a 6 meses
( ) 6 meses a 01 ano
( ) 01 a 02 anos
( ) 02 a 03 anos
( ) > 03 anos
5. É sua primeira experiência com academia? Sim ( ) Não ( )
6. Alguma vez você já desistiu da prática regular de exercícios físicos em academia?
( ) Nunca
( ) 1 vez
( ) 2 vezes
( ) 3 vezes
( ) 4 vezes ou mais
7. Por qual motivo você desistiu de praticar exercícios em academia?
( ) Financeiro
( ) Desmotivação
( ) Preguiça
( ) Falta de tempo (Compromissos pessoais ou profissionais)
8. Você já trocou de academia?
( ) Nunca
( ) 1 vez
( ) 2 vezes
( ) 3 vezes
( ) 4 vezes ou mais
9. Por qual motivo você trocou de academia?
( ) Localização
( ) Professores
( ) Equipamentos ou Melhor Estrutura
( ) Preço

Sáude em Revista 65
Motivos de desistência de mulheres em academias
Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

Resultados Tabela 2: Tempo de prática regular de exer-


cícios físicos em academia
A Tabela 1 aponta para as modalidades Tempo de prática %
praticadas pelas participantes, lembrando
3 a 6 meses 42
que elas poderiam citar mais de uma.
6 meses a 1 ano 16

Tabela 1. Modalidades praticadas 1 ano a 2 anos 12


2 anos a 3 anos 9
Modalidades % dos participantes > de 3 anos 21
Musculação 95,5
A maioria da população desse estudo
Zumba 40,9
está praticando exercícios físicos regulares
Jump 29,5 em academia há pouco tempo (entre 3 e 6
Corridas 22,7 meses), iniciando ou retomando essa práti-
ca. Entretanto, o segundo valor encontrado
Step 18,2
foi daquelas com maior tempo de prática
Ciclismo Indoor 18,2 regular, o que concorda com os achados de
Ginástica localizada 15,9 Tahara, Schwartz e Silva22.
A Tabela 3 mostra quantas vezes as par-
Tae-bo 15,9 ticipantes desistiram da prática regular de
Natação 2,3 exercícios físicos em academia:
Handebol 2,3
Tabela 3: Desistência da prática regular de
Futsal 2,3 exercícios físicos
Pilates 2,3
Desistência %
Pole dance 2,3 Nunca, mais de 6 meses 11,4
de prática
Judô 2,3
Nunca, menos de 6 25
meses de prática
A musculação é a principal modalidade 1 vez 31, 8
praticada pelas mulheres estudadas, apesar 2 vezes 13,7
de ser possível observar grande diversidade
3 vezes 4,5
de práticas, destacando as atividades aeró-
4 vezes ou mais 13,6
bias (Zumba, Jump, Corridas, Step e Ciclis-
mo Indoor). Esses dados corroboram com
A maioria das participantes (63,6%) já
a literatura que aponta a musculação como
desistiu da prática de exercícios físicos pelo
a atividade mais treinada em academias, se-
menos uma vez, o que pressupõe uma di-
guido de atividades aeróbias22,23.
ficuldade desse grupo em incorporar a ati-
O tempo de prática de exercícios regular
vidade física como uma rotina regular. Das
em academia é ilustrado na Tabela 2:

66 SAÚDE REV., Piracicaba, v. 16, n. 43, p. 63-70, maio-ago. 2016


Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

36,4% que nunca desistiram, apenas 11,4% academia e por menos de 6 meses, o que
praticam atividades em academia por mais pode significar uma fase de conhecimento
de 6 meses. dos serviços oferecidos.
A Tabela 4 expõe os motivos que pro- A Tabela 6 explicita quais motivos leva-
vocaram desistência nas participantes, que ram as participantes a trocar de academia.
desistiram ao menos uma vez, da prática re-
gular de exercícios em academia: Tabela 6: Motivos para troca de academia
Motivos %
Tabela 4: Motivos que provocaram desis-
Localização 45
tência
Profissionais 30
Motivos % Equipamentos/Melhor Estrutura 20
Financeiro 7,1 Preço 5
Desmotivação/Falta de 14,4
interesse
A localização é o principal motivo para
Preguiça 21,4 trocar de academia, para o grupo estudado,
Falta de Tempo 57,1 seguido da procura por melhores profissionais.

O principal fator relatado para desistên- Discussão


cia foi a falta de tempo, resultado que cor-
robora com os achados de Saba23 e Tahara, A grande maioria das mulheres estu-
Schwartz e Silva22. dadas praticam musculação. Os benefícios
A Tabela 5 mostra quantas vezes os su- do treinamento resistido são amplamente
jeitos trocaram de academia: comprovados pela literatura. Podemos en-
fatizar a melhora da composição corporal,
Tabela 5: Troca de academia aumento da taxa metabólica basal, aumen-
to de força, manutenção da massa óssea,
Trocas %
prevenção de doenças crônicas e hipociné-
Nenhuma (mais de 6 meses de 29,5
experiência) ticas, aumento da autoestima e melhora da
funcionalidade24-27.
Nenhuma (menos de 6 meses de 25
experiência) Grande parte das participantes estão
1 vez 29,6
praticando exercícios regularmente há me-
nos de 6 meses, porém a segunda faixa onde
2 vezes 4,5
se encontra mais praticantes passa dos 3
3 vezes 6,8
anos. E somando-se as faixas maiores que 6
4 vezes ou mais 4,6 meses, encontramos 58% dos sujeitos. Des-
sa maneira, os primeiros meses parecem
54,5% das participantes afirma que fundamentais para aderência ou não de
nunca trocou de academia. Entretanto, te- uma rotina de exercícios físicos regulares.
mos nessa faixa um número significativo de Existe um alto índice de desistência
mulheres (25%) que frequenta a primeira para esse grupo (63,6%). A falta de tem-

Sáude em Revista 67
Motivos de desistência de mulheres em academias
Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

po foi o principal motivo elencado para a mento e os profissionais que lhes orientam,
desistência (57,1%), seguido de preguiça portanto, não é possível inferir que são
e desmotivação/falta de interesse que so- clientes que não buscarão conhecer novas
mados chegam a 35,8%. promoções, novas estruturas, novas ativida-
A falta de tempo normalmente está rela- des ou novas metodologias, oferecidas pela
cionada a dificuldade em sua administração, concorrência.
por conta da jornada excessiva de trabalho Para o grupo estudado, a localização é
e ou compromissos familiares22. Por outro o principal motivo apresentado para a troca
lado, a falta de tempo é referida como fator de academia, o que faz sentido, pois ao inse-
de desistência, quando não se atribui a im- rir essa atividade em uma rotina cotidiana, é
portância devida à prática de exercícios fí- importante que a praticidade faça parte des-
sicos23. Entretanto, parece que, ao conhecer se planejamento.
melhor os benefícios da prática regular de As participantes citam como segundo
exercícios físicos e ao praticar uma ativida- fator de desistência a procura por melhores
de que lhe dê prazer, sua motivação faz com profissionais, o que nos mostra a importân-
que ele encontre tempo em sua rotina para cia do investimento em corpo técnico es-
exercitar-se28. pecializado, que consiga, com segurança e
Assim, entendemos que é primordial utilizando dos pressupostos da ciência, ma-
extrair o maior número de dados possíveis ximizar os resultados para manutenção da
do cliente com relação a intenção, gostos motivação inicial e consequente aumento
e objetivos, através de anamnese e avalia- da retenção de clientes.
ções de saúde e aptidão, para potencializar Na busca por uma vida mais ativa e sau-
os resultados. Esse procedimento confere dável, as academias são uma grande opor-
ferramentas para a intervenção profissio- tunidade de negócio, principalmente com
nal, sendo possível estabelecer metas reais e o aumento do sedentarismo, dificuldade
intervir com um programa adequado para de praticar exercícios ao ar livre, incidência
que a adesão ao treinamento não se rompa, de doenças hipocinéticas e a preocupação
pois, os resultados são primordiais para ma- em procurar uma atividade bem orientada.
nutenção da motivação e consequente con- Entretanto, a potencialização dos lucros passa
tinuidade nas atividades22,28,29. por conhecimentos técnicos e científicos
Com relação a rotatividade entre acade- que aumentem os resultados, melhorem
mias, o estudo aponta que a troca de acade- o atendimento e retenham mais clientes.
mia é algo comum para esse grupo (45,5%). Assim, o comércio não pode ser o único foco
E apesar de 54,5% das participantes afirma- do empresário que investe nesse negócio.
rem nunca ter trocado de academia, é ne- Com base nesse e em outros estu-
cessário apontar que 25% dessas mulheres, dos22,23,28,29, ressalta-se a importância de uma
estão tendo sua primeira experiência em um completa anamnese para identificação das
estabelecimento desse tipo, portanto conhe- preferências dos clientes e constantes ava-
cendo-o, criando critérios de julgamento, liações, adequando-os aos programas ofe-
entendendo a rotina e avaliando o atendi- recidos, suprindo suas necessidades e siste-

68 SAÚDE REV., Piracicaba, v. 16, n. 43, p. 63-70, maio-ago. 2016


Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

matizando suas rotinas de exercícios com de exercícios físicos em academia é a falta


acompanhamento profissional competente, de tempo, sendo que a localização é o fator
ofertando um melhor serviço e consequen- mais citado para trocar de academia.
temente obtendo uma melhor retenção. Entretanto, não é possível projetarmos
estes resultados em outras populações, sen-
Conclusão do necessários novos estudos com essa te-
mática para constante melhoria e aprimora-
Para o grupo estudado o principal mo- mento do atendimento das academias e na
tivo para a desistência da prática regular intervenção profissional.

Referências
1. Carvalho T; Nóbrega ACL; Lazzoli JK; Magni JRT; Rezende L; Drummond FA, et al. Posição
oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e saúde. Rev Bras Med
Esport 1996; 2(4):79-81.
2. Palma A. Atividade física, processo saúde-doença e condições socio-económicas: uma revisão de
literatura. Rev Paul Educ Fis 2000; 14(1): 97-106.
3. Lee M; Skerret P. Physical activity and all cause mortality: What is the dose response relation?
Med Sci Sports Exerc 2001; 33(6): 459-471.
4. Grundy SM; Blackburn B; Higgins M; Lauer R; Perri MG & Ryan D. Physical activity in the
prevention and treatment of obesity and its co morbidities. Med. Sci. Sports exerc 1999; 31 (11):
502-508.
5. Fernadez C; Mello MT; Tufik S; Castro PM; Fisberg M. Influência do treinamento aeróbio e ana-
eróbio na massa de gordura corporal em adolescentes obesos. Rev Bras Med Esport 2004;10(3):
152-158.
6. Ciolac EG; Guimarães GV. Exercício físico e síndrome metabólica. Rev Bras Med Esport 2004;
10 (4): 319-324.
7. Thomas TR; La Fontaine T. Exercise and lipoproteins. In: ACMS resource manual for guidelines
for exercise testing and prescription. 3ª ed USA: Williams & Wilkins; 1998.p.294-301.
8. Schaan B; Harzheim E; Gus I. Perfil de risco cardíaco no diabetes mellitus e na glicemia de jejum
alterada. Rev. Saúde Pública 2004; 38(4): 529-536.
9. Tirosch A. Normal fasting plasma glucose levels and type 2 diabetes in young men. New Eng J
Med 2005; 35(3): 1454-1462.
10. American College of Sports Medicine and American Diabetes Association. Joint Position State-
ment: Exercise and Type 2 Diabetes. Med Sci Sports Exerc 2010; 42(12): 2282-2303.
11. Polito MD; Simão R; Senna GW; Farinatti, PTV. Efeito hipotensivo do exercício de força reali-
zado em intensidades diferentes e mesmo volume de trabalho. Rev Bras Med Esport 2003; 9(2):
69-73.
12. Dutra MT; Lima RM; Mota MR; Oliveira PFA; Veloso JHCL. Hipotensão pós-exercício resistido:
uma revisão da literatura. Rev. Educ. Fis 2013; 24 (1): 145-157.
13. De Sá MC; De Lira EB; Duarte AFA. Efeitos do treinamento intervalado na resposta hipotensiva
de militares com diferentes padrões de condicionamento físico. Rev. Bras. Ciênc. Esport 2014; 36
(1): 45-58.
14. Seguin R; Nelson ME. The Benefits of Strength Training for Older Adults. Am J Prev Med 2003;
25(3):141–149.

Sáude em Revista 69
Motivos de desistência de mulheres em academias
Antonio Carlos Tavares Junior; Taynara Citelli Planche

15. Mazo GZ; Mota J; Gonçalves LHT; Matos MG. Nível de atividade física, condições de saúde e
características sócio-demográficas de mulheres idosas brasileiras. Rev Port Ci Desp 2005; 2(5):
202-212.
16. Tiggemann CL; Dias CP; Noll M; Schoenell MCW; Kruel LFM. Envelhecimento e treinamento
de potência: aspectos neuromusculares e funcionais. Rev. Educ. Fis 2013; 24(2): 295-304.
17. Ahme C; Hilton W; Pituch K. Relations of strength training to body image among a sample of
female university students. J Strength Cond Res 2002; 16(4), 645-648.
18. Ginis KAM; Eng JJ; Arbour KP; Hartman JW; Phillips SM. Sex differences in relationship be-
tween body image change and subjective and objective physical changes following a 12 weeks
strength--training program. Rev Body Image 2005; 2(4): 363-372.
19. Burguess G; Grogan S; Burwitz L. Effects of a 6 weeks aerobic dance intervention on body image
and physical self-perceptions in adolescent girls. Rev Body Image 2006; 3(1): 57-66.
20. Leitão MB; Lazolli JK; Oliveria MAB; Nóbrega ACL, Silveira GG; Carvalho T, et al. Posicio-
namento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade Física e Saúde na
Mulher. Rev Bras Med Esport 2000; 6(6): 215-220.
21. Elias RGM; Fernandes CAM; Fontes CER; Cuman RKN. Influência da atividade física sobre a
prevalência de síndrome metabólica, em mulheres atendidas em uma unidade básica de saúde,
Maringá – PR. Cienc Cuid Saude 2008; 7(1): 88-93.
22. Tahara AK; Schwartz GM; Silva KA. Aderência e manutenção da prática de exercícios em acade-
mias. Rev Bras Ci Mov 2003; 11(4): 7-12.
23. Saba F. Aderência: a prática do exercício físico em academias. São Paulo: Manole; 2001.
24. Rhea MR; Brent AA; Lee NB; Stephen DB. A Meta-analysis to Determine the Dose Response for
Strength Development. Med Sci Sports Exerc 2003; 35 (3): 456–464.
25. Peterson MD; Rhea MR; Sem A; Gordon PM. Resistance exercise for muscular strength in older
adults: A meta-analysis. Ageing Res Ver 2010; 9(3): 226–237.
26. American College of Sports Medicine. ACSM´s position stand. Quantity and quality of exercise
for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in
apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Med Sci Sports Exerc, 2011; 43(7):
1334-1359.
27. Da Mata CS; Espig CC; Santos DB. Efeitos de um treinamento de hipertrofia no ganho de força
muscular e variação da composição corporal de mulheres participantes de musculação de aca-
demia. Rev Bras Presc Fis Exerc 2011; 5(27): p.234-241.
28. Valim PC; Volp CM. Nível de condicionamento físico entre indivíduos que praticam a ginástica
aeróbica por satisfação e aqueles que praticam por outros motivos. Rev Motr 1998; 4(1): 35-37.
29. Teixeira R; Madeira M; Motta AF. Análise dos fatores motivacionais das atividades físicas nas
academias da Cidade de Cabo Frio/R.J (Abstract). Meta Science - X EAFERJ. Rio de Janeiro:
2005, p. 54.

Submetido em: 6-8-2015


Aceito em: 1-8-2016

70 SAÚDE REV., Piracicaba, v. 16, n. 43, p. 63-70, maio-ago. 2016