Вы находитесь на странице: 1из 7

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Competência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Jurisdição����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Tipos de Competência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Competência Funcional�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Competência Material�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Competência
Antes de entender a competência, é preciso compreender o que é Jurisdição.

Jurisdição
Jurisdição significa “dizer o direito”, ou seja, poder de julgar inerente a todos os Juízes. Parte da
doutrina entende que se trata de poder-dever. Outra parte cita que a jurisdição é um direito funda-
mental, tanto que ao relacionar princípios e garantias, o primeiro tópico a ser avaliado é a jurisdição.
Diga-se, há direito de ser julgado por um Juiz natural, competente, imparcial e em prazo razoável.
Capez explica que a Jurisdição é a atividade de soberania por parte do Estado, aplicando no caso
concreto a vontade da lei para dirimir conflitos. Sendo assim, a Jurisdição pressupõe:
• SUBSTITUTIVIDADE: substitui a vontade dos litigantes, expondo de maneira expressa a
vontade do ordenamento jurídico;
• IMPERATIVIDADE: impõe a decisão tomada pelos Juízes;
• DEFINITIVIDADE: decide, em definitivo, os casos levados à tona do Poder Judiciário.

Competência
De acordo com Aury Lopes Junior, competência é um conjunto de regras que asseguram a eficácia da
garantia da jurisdição e, especialmente, do Juiz natural. Outros autores conceituam competência como
a medida e o limite da jurisdição, dentro dos quais o órgão judiciário poderá dizer o direito. Alexandre
Cebrian afirma que competência é a delimitação do poder jurisdicional dos Juízes e Tribunais. Ora,
um Juiz não pode julgar todos os casos, de todas as matérias, sendo delimitada a sua jurisdição.

Tipos de Competência
A doutrina de Processo Penal aponta 2 qualificações de competência: a material e a funcional. A
competência material se desenrola no sentido de três outros subtipos em razão de matéria (natureza
do crime), pessoa (qualidade do criminoso) e local do crime. Além disso, a competência funcional se
desdobra em relação à fase do processo, objeto de juízo e grau de jurisdição.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Competência Funcional
Em princípio, o juízo competente em face dos critérios materiais é competente para a prática de
todos os atos no âmbito de um mesmo processo. Entretanto, é também muito comum que os atos
processuais, ainda que no escopo de um único processo, sejam praticados por Juízes diversos. A
doutrina identifica três situações em que isso ocorre:
1) Fase do Processo: por vezes, pode-se determinar a competência de diversos órgãos jurisdicio-
nais conforme as fases pelas quais transita o processo. É o que ocorre, por exemplo, no Tribunal
do Júri, em que a instrução é conduzida por um órgão e o julgamento, por outro. Também a
execução penal poderá ser conduzida por juízo diverso daquele que presidiu o processo de co-
nhecimento. Ex.: Fase de Instrução e de Execução Penal.
2) Objeto de juízo: fala-se em objeto do juízo quando os órgãos julgadores apenas podem atuar
no processo em relação a uma parcela específica do seu objeto. Mais uma vez, o exemplo é do
Tribunal do Júri, em que a competência dos jurados se restringe a responder quesitos relativos às
questões controversas, enquanto ao Juiz caberá decidir as questões de direito, lavrando a sentença
e fixando a pena aplicável (arts. 492 do CPP e 59 do CP). Ex.: Juiz e Júri.
3) Grau de Jurisdição (distribuição vertical): podem atuar no processo órgãos julgadores alocados
em diferentes instâncias. Interposto recurso de apelação, por exemplo, deixará de ser competen-
te para conduzir o processo o juízo do primeiro grau, passando a ser competente o tribunal ao
qual se dirige o recurso. Fala-se, nesse caso, em competência vertical, em contraposição aos dois
critérios anteriores, em que atuam no processo diferentes Juízes situados em mesma instância.
Nessa hipótese, a competência pode ser originária (como no foro por prerrogativa de função)
ou em razão de recurso (pelo princípio de duplo grau de jurisdição). Ex.: Juiz de primeiro grau e
instância recursal.

Competência Material
A doutrina majoritária convencionalmente distribui a competência material considerando 3
aspectos:
• Ratione materiae: em razão da natureza do crime ocorrido;
• Ratione personae: segundo a qualidade das pessoas incriminadas;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

• Ratione loci: de acordo com o local em que foi praticado ou consumado o delito, ou levan-
do-se em conta a residência do autor.
Essa classificação se coaduna com o artigo 69 do CPP, o qual afirma:
Art. 69. Determinará a competência jurisdicional:
I – o lugar da infração:
II – o domicílio ou residência do réu;
III – a natureza da infração;
IV – a distribuição;
V – a conexão ou continência;
VI – a prevenção;
VII – a prerrogativa de função.
Os incisos I e II relacionam o lugar da infração ou domicílio do autor e têm como objetivo esta-
belecer o foro onde se dará o julgamento; o inciso III qualifica a natureza da infração, a qual aponta
qual é a justiça aplicada no caso (militar, eleitoral ou comum) ou direcionar a varas especializadas;
e o inciso VII invoca a qualidade da pessoa incriminada. Depois de estabelecido isso, é possível que
haja mais de um Juiz competente. Assim, o primeiro que se adiantar (prevento), ainda que antes do
início da ação, será competente. No entanto, se não houver Juiz prevento, faz-se a distribuição, algo
como sorteio, para que os autos sejam direcionados a um Juiz.

A conexão e a continência são institutos que determinam a alteração ou a prorrogação da com-


petência em certas situações. Por exemplo, Lucas foi pego armado subtraindo um carro na cidade
de São Paulo, e vende a Pedro em Campinas. Os crimes são conexos e por isso haverá apenas um
processo, logo, o processo se encaminhará em uma única comarca. No caso em tela, como houve
roubo e receptação, aplica-se o local do crime mais grave (art. 78, inciso II, alínea a do CPP).
A competência por prerrogativa de função deve ser analisada a partir da função pública exercida
pelo agente, o qual se privilegia por ser julgado por entes específicos do Judiciário. É o caso do Presi-
dente da República, que deverá ser julgado pelo STF quando cometido crime comum.
Ratione materiae
Aqui é importante se perguntar: qual é a justiça competente?
Em primeira mão, a justiça pode ser dividida em Justiça Comum e Justiça Especial. Compete
à Justiça Comum julgar as infrações não relacionadas com a Justiça especializada, diga-se, Justiça
Militar e Justiça Eleitoral (competência residual). A Justiça Comum se bifurca em Justiça Estadual
e Justiça Federal. Competem à Justiça Estadual as infrações em que a Constituição não conferiu à
Justiça Federal nem a órgãos especializados. Indutivamente, percebe-se que a competência estadual
tem cunho residual em relação a todas as outras. Logo, a conferência da Justiça Estadual se dá por
exclusão.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CUIDADO! A Justiça no Trabalho não se encaixa no Juízo Especializado, tendo em vista que os crimes
cometidos nessa seara são atribuídos à Justiça Comum.
JUSTIÇA COMUM FEDERAL
A competência dos Juízes federais de primeiro grau está prevista no artigo 109, a partir do inciso
IV da CF/88:
Art. 109. Aos Juízes federais compete processar e julgar:
I – as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na
condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as
sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho;
II – as causas entre Estado estrangeiro ou organismo internacional e Município ou pessoa domiciliada
ou residente no País;
III – as causas fundadas em tratado ou contrato da União com Estado estrangeiro ou organismo inter-
nacional;
IV – os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da
União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, excluídas as contravenções e ressalvada
a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral.
Atenção ao dispositivo acima citado. Convém perceber que os crimes praticados contra serviços
da União serão julgados pela Justiça Federal. É o caso de um professor de Universidade Federal ser
agredido em aula. A súmula 147 do STJ explicita melhor esse fato ao salientar que “compete à Justiça
Federal processar e julgar cometidos contra funcionário público federal, quando relacionados ao
exercício da função”.
A Justiça Federal julga apenas crimes, não julga contravenção (Súmula 38 do STJ). Um aspecto
importante é citar que crime cometido contra sociedade de economia mista federal (Banco do Brasil)
também não será julgado, em regra, pela Justiça Federal (Súmula 42 do STJ).
Cabe também salientar que será competência da Justiça Estadual processar e julgar crime em
que envolva indígena como autor ou vítima de crime, exceto se envolver Direito Indígena, o qual se
desloca para a seara Federal (Súmula 140 do STJ).
A Súmula 122 do STJ ainda ressalta que toda vez que houver crime federal conexo com crime
estadual, prevalece a esfera federal.
Compete também à Justiça Estadual processar e julgar o crime de Falsa Anotação em Carteira de
Trabalho e Previdência Social atribuído à empresa privada (Súmula 62 do STJ).
V – os crimes previstos em tratado ou convenção internacional, quando, iniciada a execução no País, o
resultado tenha ou devesse ter ocorrido no estrangeiro, ou reciprocamente;
V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o § 5º deste artigo;
É o caso concreto do Tráfico Internacional de Drogas, o qual é julgado pela Justiça Federal, e o
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Tráfico de Drogas em território interno, o qual segue para a seara Estadual (salvo se cometido em
navio ou aeronave). Em 2016 foi sancionada a Lei 13.344, a qual dispõe sobre prevenção e repressão
ao tráfico interno e internacional de pessoas e sobre medidas de atenção às vítimas. Nesse caso, a
justiça competente também será a Justiça Federal.
VI – os crimes contra a organização do trabalho e, nos casos determinados por lei, contra o sistema fi-
nanceiro e a ordem econômico-financeira.
Nos crimes contra a organização do trabalho, quando o interesse atingido for de trabalhador
individual, a competência será da Justiça Estadual. Se a área afetada acometer categoria profissional
como um todo ou grande número de trabalhadores, a competência cai na Justiça Federal. Já o crime
de Redução à condição análoga à de escravo é sempre de natureza federal.
Nos termos da Súmula n. 498 do Supremo Tribunal Federal: “Compete à Justiça dos Estados,
em ambas as instâncias, o processo e o julgamento dos crimes contra a economia popular”. Haverá
exceção, entretanto, se for atingido interesse da União, suas autarquias ou empresas públicas, porém,
com fundamento no art. 109, inciso IV, da Constituição.
Nos crimes contra o sistema financeiro, assim como nos crimes contra a ordem econômica e fi-
nanceira, é imprescindível que a lei ordinária expresse que a competência é da Justiça Federal.
Nos crimes contra a ordem tributária, é de suma importância que o tributo afetado seja federal
para ir à Justiça Federal. Do contrário, segue para a Justiça Estadual.
VII – os habeas corpus, em matéria criminal de sua competência ou quando o constrangimento provier
de autoridade cujos atos não estejam diretamente sujeitos a outra jurisdição;
VIII – os mandados de segurança e os habeas data contra ato de autoridade federal, excetuados os casos
de competência dos tribunais federais;
Como afirma Alexandre Cebrian: “É evidente que, quando se alega que o constrangimento está
sendo causado por policial federal, cabe a um Juiz federal conhecer e julgar o habeas corpus. Da
mesma forma, se a autoridade apontada como coatora for Juiz federal, caberá ao Tribunal Regional
Federal julgar o habeas corpus impetrado.”
O mesmo vale para o mandado de segurança e o habeas data, desde que o caso não seja compe-
tência dos Tribunais federais.
IX – os crimes cometidos a bordo de navios ou aeronaves, ressalvada a competência da Justiça Militar;
São considerados navios aqueles os quais são capazes de realizar viagens internacionais ou
viagens de longa distância. O mesmo vale para aeronaves, com a ressalva de que aquelas aeronaves
que realizem viagens que ultrapassem mais de um estado também serão de Competência Federal.
X – os crimes de ingresso ou permanência irregular de estrangeiro, a execução de carta rogatória, após
o exequatur, e de sentença estrangeira, após a homologação, as causas referentes à nacionalidade, in-
clusive a respectiva opção, e à naturalização;
XI – a disputa sobre direitos indígenas.
Um aspecto interessante a se analisar refere-se às hipóteses de extraterritorialidade de Lei Penal Bra-
sileira. Nos crimes cometidos fora do Brasil, a competência, em regra, será da JUSTIÇA ESTADUAL.
O motivo disso tem a seguinte justificativa: não é porque o crime foi cometido fora do Brasil que será
necessariamente da seara federal. Ele deve estar listado nas hipóteses do art. 109 da CF.
JUSTIÇA COMUM ESTADUAL
A Justiça Comum Estadual é a mais residual de todas. Eventual conflito entre a Justiça Federal e
a Estadual será dirimido pela prevalente, ou seja, pela federal (art. 78, III do CPP). Logo, a doutrina
chama a competência aqui localizada de competência por exclusão.
Competência pela natureza da Infração: dentro da Justiça Comum se estabelece uma hierarquia

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

de duas instâncias típicas. Em primeiro grau, o órgão competente para analisar crimes comuns es-
taduais é o Juiz de Direito da Vara Criminal. Quando se tratar de crimes dolosos contra a vida, a
competência será do Tribunal do Júri. No caso de violência doméstica e familiar contra a mulher, o
respectivo juizado entra em questão. Por fim, caso se trate de infração de menor potencial ofensivo,
cabe ao Juizado Especial Criminal analisar o caso. Em segunda instância, existem apenas os Tribu-
nais de Justiça nos regimes estaduais.
Exercícios
01. Segundo entendimento do STJ, é de competência da Justiça Estadual processar e julgar crime
contra funcionário público federal, estando ou não este no exercício da função.
Certo ( ) Errado ( )
02. No Estado brasileiro, a jurisdição penal pode ser exercida pelo STF, e em todos os graus de
jurisdição das Justiças Militar e Eleitoral, e das Justiças Comuns Estadual e Federal, dentro do
limite da competência fixada por lei.
Certo ( ) Errado ( )
03. A conexão entre crimes de competência da Justiça Federal e da Justiça Estadual importará na
prevalência da competência da Justiça Federal, perante a qual se procederá ao julgamento do
denunciado pela prática de crime de competência estadual, mesmo na hipótese de extinção da
punibilidade pela morte do único corréu denunciado pela prática do crime de competência da
Justiça Federal.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Certo
03 - Certo
Referências Bibliográficas
LOPES JR, Aury. Direito Processual Penal. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
REIS, A.C.A; GONÇALVES, V.E.R.; LENZA, P. Direito Processual Penal Esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2014.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Processual Penal. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7