Вы находитесь на странице: 1из 6

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Competência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Prorrogação da Competência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Delegação de Competência������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Causas Modificadoras da Competência: Conexão e Continência������������������������������������������������������������������������������2
Competência Absoluta e Relativa�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Conexão��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Continência��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Foro Prevalente��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Competência
Prorrogação da Competência
Entende-se como prorrogação de competência a possibilidade de substituição de um juízo por
outro, submetendo as partes a um Juiz que, originariamente, não seria competente. Ocorre, portanto,
a modificação de competência na esfera de um órgão, podendo ser em virtude de disposição legal
(necessária), ou em consequência da manifestação de vontade expressa ou tácita das partes (voluntá-
ria). Um exemplo seria a conexão e a continência.
Delegação de Competência
A delegação é a transferência da atribuição jurisdicional de um juízo para o outro. Poderá ser
externa – se essa transferência ocorre em juízos diferentes (Ex.: cartas precatórias citatórias – art.
353, CPP e instrutórias, para interrogatório de testemunhas (arts. 222 e 224, CPP); ou interna – na
qual não há alteração de juízo, ocorrendo, consequentemente, dentro do mesmo juízo (Ex.: Juízes
Auxiliares e Substitutos do Juiz Titular).

Causas Modificadoras da Competência: Conexão e Continência


Competência Absoluta e Relativa
A competência absoluta é aquela que se relaciona com o interesse público e com a lei, e não
apenas com as partes. É o caso da competência em razão da pessoa e da matéria. O desrespeito nesse
caso gera nulidade absoluta, podendo ser reconhecida a qualquer momento. É o caso de um militar
sendo julgado na Justiça Comum ou um Governador sendo julgado no próprio Tribunal de Justiça
do estado, e não no STJ.
Indutivamente se estabelece que a competência em razão do lugar é relativa (fere normas in-
fraconstitucionais), de modo que se não for alegada pela parte interessada até o momento da ação,
considera-se prorrogada a competência, sendo válido o juízo que não tinha competência territorial.
Alexandre Cebrian exemplifica esse caso da seguinte forma: “ furto ocorrido em Santo André que,
por algum engano, dá início a um inquérito em São Paulo e o promotor, não percebendo o erro, oferece
denúncia na Capital. O Juiz, nada percebendo, recebe a denúncia. A Defesa não ingressa com exceção
de incompetência, nada alegando na fase da resposta escrita, porém, após o julgamento, em grau de
recurso, passa a alegar a nulidade da ação (e da condenação) em razão da incompetência. A nulidade,
contudo, por ser relativa, não pode ser reconhecida porque não foi alegada na oportunidade devida, o
que fez com que o vício se considerasse sanado.”
Caso o Juiz reconheça sua incompetência para julgar o caso, ele deverá declinar, em qualquer fase
do processo, inclusive em razão do lugar (art. 109 do CPP).
Art. 109. Se em qualquer fase do processo o Juiz reconhecer motivo que o torne incompetente, declará-lo-á
nos autos, haja ou não alegação da parte, prosseguindo-se na forma do artigo anterior.

Conexão
A conexão está prevista no artigo 76 do CPP, sendo ela aplicada sempre que houver dois ou mais
crimes, em um mesmo processo, podendo ou não haver pluralidade de autores. Com isso, cria-se
uma problemática sobre quem (justiça e órgão) de fato irá julgar o crime. Vejamos o artigo 76:
Art. 76. A competência será determinada pela conexão:
I – se, ocorrendo duas ou mais infrações, houverem sido praticadas, ao mesmo tempo, por várias pessoas
reunidas, ou por várias pessoas em concurso, embora diverso o tempo e o lugar, ou por várias pessoas,
umas contra as outras;
II – se, no mesmo caso, houverem sido umas praticadas para facilitar ou ocultar as outras, ou para con-
seguir impunidade ou vantagem em relação a qualquer delas;
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

III – quando a prova de uma infração ou de qualquer de suas circunstâncias elementares influir na
prova de outra infração.
O inciso I explica a conexão intersubjetiva, a qual pode ser:
• Ocasional: acontece quando duas ou mais pessoas cometerem duas ou mais infrações, mas
ocasionalmente, ou seja, ao acaso. Por exemplo: imaginemos que em uma manifestação
pacífica da comunidade LGBT, as discussões “esquentem” e a situação fuja de controle.
Imaginemos que algumas pessoas mais exaltadas incitem outras para que façam invasões
nos estabelecimentos locais. Nisso, uma das pessoas, mais agressiva, joga uma pedra na
vidraça e inicia a invasão. Nesse caso, houve vários autores e vários delitos, fato que implica
julgamento simultâneo.
• Concursal: quando duas ou mais infrações forem cometidas por várias pessoas em
concurso, ainda que diversos o tempo e o lugar. Ex.: uma quadrilha, para cometer um roubo
a banco, furta e rouba 2 veículos em dias diferentes, para usar no roubo ao banco. Assim,
todos os crimes serão reunidos em um único processo.
• Reciprocidade: quando duas ou mais infrações forem cometidas por várias pessoas, umas
contra as outras. Cuidado com o crime de rixa, pois a conexão exige dois ou mais crimes,
e não apenas a rixa. Ex.: briga entre torcidas na saída de um jogo, em que haja lesões leves,
graves e gravíssimas, juntamente com ameaça.
• O Inciso II abandona a noção de intersubjetividade, podendo ser cometida por apenas 1
agente. Neste ponto, subdivide-se a conexão em:
• Objetiva ou Teleológica: em razão de crime anterior. Está presente no verbo “Facilitar”. É o
caso de matar um agente de segurança para subtrair uma agência bancária.
• Consequencial: para assegurar o crime previamente cometido. Apresenta-se nos verbos
“ocultar”, e “conseguir” impunidade. Ocorre no caso do homicídio cometido contra agente
de segurança após ter subtraído o banco.
Por fim, o inciso III ressalta um vínculo probatório ou instrumental entre as duas ou mais infra-
ções. Neste caso, o que importa é essa relação probatória. Isso pode acontecer com os crimes de furto
e receptação. Sendo assim, uma mesma prova pode servir para o esclarecimento de ambos os crimes.
Demonstrado esse interesse probatório, deve-se relativizar a questão da prejudicialidade e reunir
tudo para um único julgamento.
Continência
A continência está prevista no artigo 77 do CPP:
Art. 77. A competência será determinada pela continência quando:
I – duas ou mais pessoas forem acusadas pela mesma infração;
II – no caso de infração cometida nas condições previstas nos arts. 70, 73 e 74 do Código Penal.
Sendo assim, a continência, no inciso I, une as pessoas acusadas de uma mesma infração para
julgamento simultâneo. Não há pluralidade de crimes, mas há de pessoas. A questão mais compli-
cada caracteriza-se quando uma delas detiver prerrogativa funcional. Nesse caso, em regra, todos
serão jugados no tribunal da respectiva prerrogativa.
No inciso II, existe uma ficção jurídica, em que um agente, mediante uma ação ou omissão, comete 2
ou mais crimes (concurso formal), ou ainda quando há erro na execução (aberratio ictus) ou resultado
diverso do pretendido.

Foro Prevalente
Explicado os casos de conexão e continência, percebe-se que muitas vezes há uma complicação
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

acerca do caso concreto da determinação de quem de fato será competente para julgar os crimes.
O artigo 78 do CPP oferece um rol de pensamento que deve se levar em conta nesse processo. Mas,
antes disso, cuidado: na conexão, quando houver crime continuado, o critério definidor da compe-
tência será o da prevenção (Art. 71 do CPP).
Art. 78. Na determinação da competência por conexão ou continência, serão observadas as seguintes
regras:
I – no concurso entre a competência do júri e a de outro órgão da jurisdição comum, prevalecerá a com-
petência do júri;
Il – no concurso de jurisdições da mesma categoria:
a) preponderará a do lugar da infração, à qual for cominada a pena mais grave;
b) prevalecerá a do lugar em que houver ocorrido o maior número de infrações, se as respectivas
penas forem de igual gravidade;
c) firmar-se-á a competência pela prevenção, nos outros casos;
III – no concurso de jurisdições de diversas categorias, predominará a de maior graduação;
IV – no concurso entre a jurisdição comum e a especial, prevalecerá esta.
Muito cuidado ao analisar esse artigo, pois a ordem não está correta. Inicialmente, deve-se ter
clareza sobre as regras estabelecidas anteriormente. Sempre o pensamento sobre a competência
começa estabelecendo as competências das Justiças Especiais (Militar ou Eleitoral). A Justiça Militar
não prevalece, ela cinde (separa), ou seja, se é crime militar vai para a seara Militar, do contrário,
separa (art. 79 do CPP).

Convém perceber que se nenhuma das perguntas citadas no esquema for positivada, estaremos
diante de um caso em que vários Juízes deverão analisar o caso concreto. Deste modo, em primeiro
lugar, prepondera o lugar da infração mais grave. Havendo empate, prevalece o local em que houve
maior número de infrações. Por fim, se ainda houver empate, prevalecerá a competência do Juiz
prevento.
Para finalizar, o art. 82 do CPP estabelece que:
Art. 82. Se, não obstante a conexão ou continência, forem instaurados processos diferentes, a autoridade
de jurisdição prevalente deverá avocar os processos que corram perante os outros Juízes, salvo se já estive-
rem com sentença definitiva. Neste caso, a unidade dos processos só se dará, ulteriormente, para o efeito de
soma ou de unificação das penas.
Imaginemos que nas cidades A, B e C erroneamente tenha sido instaurado um processo pelos
delitos conexos lá praticados. Deverá o Juiz, nesse caso, avocar os demais processos, baseado nos
critérios já estabelecidos, para que haja um único processo.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

No artigo 82 entende-se por sentença definitiva aquela sentença penal ainda recorrível, passível
de recurso. Logo, quando o Juiz de primeiro grau der a sentença, não caberá a outro Juiz avocar, pois
a jurisdição de primeiro grau está exaurida.
Exercícios
01. Xisto, policial militar rodoviário no exercício da função, resolve em um único dia de trabalho
praticar três crimes de corrupção passiva, utilizando para tanto o mesmo modus operandi,
solicitando dinheiro de condutores de veículos para não fazer a autuação administrativa pelo
excesso de velocidade. O primeiro crime é praticado às 09h na cidade de Guarulhos. O segundo
é praticado às 12h na cidade de Mogi das Cruzes. E o terceiro é praticado às 14h na cidade de
Jacareí, onde Xisto é preso em flagrante por policiais civis, prisão esta analisada e mantida
pelo Magistrado competente daquela comarca. Xisto é denunciado pelo Ministério Público da
comarca de Jacareí pelos três crimes de corrupção passiva. Sobre o caso hipotético apresentado
e à luz do Código de Processo Penal, a competência da comarca de Jacareí foi determinada
a) por conexão.
b) por continência.
c) por prevenção.
d) pela prerrogativa de função.
e) pelo lugar da infração.
02. Considera-se relativa a competência territorial, a competência por prevenção a competên-
cia por distribuição e a competência por conexão ou continência.
Certo ( ) Errado ( )
03. Considera-se absoluta a competência em razão da matéria, a competência por prerrogativa
de função e a competência funcional.
Certo ( ) Errado ( )
04. A competência é a medida da Jurisdição, distribuída entre os vários magistrados, que
compõem organicamente o Poder Judiciário do Estado. A conexão e a continência integram
os critérios para a fixação dessa competência. A doutrina brasileira, no âmbito do processo
penal, traz diversas classificações e consectários a respeito da conexão e da continência.
Sobre o tema, assinale a alternativa correta.
a) A conexão intersubjetiva por concurso é a situação de vários agentes que cometem infrações
penais em tempo e lugares diferentes, embora umas sejam destinadas, pelo liame subjetivo
que liga os autores, a servir de suporte às seguintes.
b) A conexão instrumental, chamada também pela doutrina de conexão consequencial, lógica
ou teleológica, demonstra que há vários autores cometendo crimes para facilitar ou ocultar
outros, bem como para garantir a impunidade ou vantagem do que já foi feito.
c) A conexão intersubjetiva por simultaneidade trata-se da situação dos agentes que cometem
crimes uns contra os outros.
d) A conexão subjetiva é o nome dado à autêntica forma de conexão processual. Denomina-se,
também, conexão ocasional, significando que todos os feitos somente deveriam ser reunidos
se a prova de uma infração servisse, de algum modo, para a prova de outra, bem como se as
circunstâncias elementares de uma terminassem influindo para a prova de outra.
e) No processo penal brasileiro não se admite a fixação da competência pela continência.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Gabarito
01 - C
02 - Certo
03 - Certo
04 - A
Referências Bibliográficas
LOPES JR, Aury. Direito Processual Penal. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
REIS, A.C.A; GONÇALVES, V.E.R.; LENZA, P. Direito Processual Penal Esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2014.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Processual Penal. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6