Вы находитесь на странице: 1из 6

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
Contracautelares, Liberdade Provisória e Fiança��������������������������������������������������������������������������������������������2
Relaxamento������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Revogação����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade Provisória����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Liberdade Provisória em Espécie�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Liberdade Provisória e Fiança não são a Mesma Coisa��������������������������������������������������������������������������������������������3
Crimes Inafiançáveis����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
LP Obrigatória���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
LP Permitida������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
LP Proibida/Vedada������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Fiança��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Incidentes da Fiança����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Reforço da Fiança����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Quebra da Fiança����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Cassação da Fiança�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Perda da Fiança��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Recurso���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

Contracautelares, Liberdade Provisória e Fiança


Diante de todo ato realizado pelas autoridades responsáveis pela persecução penal, existe o ato
contrário, que nada mais é do que alguma medida específica para combater os efeitos desse ato
oficial – seja ele lícito ou ilícito. Considerando que durante a persecução penal existe a possibilidade
da incidência de prisões cautelares (prisão em flagrante, prisão preventiva e prisão temporária), há
também a chance de se reagir a tais medidas, combatendo-as.
O nome genérico dado aos procedimentos que servem para combater as cautelares é contracau-
telares – ou medidas de contracautela. Assim, fica fácil entender o que são as contracautelares: são
medidas utilizadas para afastar as cautelares. Claro que existem diversos tipos de cautelares e con-
tracautelares; porém, para o nosso estudo, o que efetivamente interessa são as ações a serem usadas
diante das prisões cautelares. Desde já, salientamos que usaremos a posição clássica que é cobrada
em concursos públicos, sem nos aprofundarmos no tema, exatamente para não demandarmos
tempo com informações desnecessárias.
Relaxamento
Art. 5º da CF:
LXV – a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária.
Relaxar a prisão envolve o reconhecimento de que a detenção imposta a alguém é ilegal! Logo, o
relaxamento só ocorre diante das prisões ilegais/ilícitas, jamais diante das legais/lícitas.
Detalhe: qualquer espécie de prisão cautelar pode ser ilegal, de modo que o relaxamento pode
ocorrer diante de qualquer das três situações – prisão em flagrante, prisão preventiva e prisão tem-
porária. Logo, a detenção ilegal deve ser relaxada pelo Juiz. Relaxada a prisão, o indivíduo obtém
liberdade plena, ou seja, não fica subordinado a nenhuma condição.
Revogação
A Súmula nº 473 do STF enuncia: “A administração pode anular seus próprios atos, quando
eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo
de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a
apreciação judicial”.
Na revogação, ocorre uma causa superveniente que altera o juízo de conveniência e oportunida-
de sobre a permanência de determinado ato discricionário, obrigando a Administração a expedir
um segundo ato, chamado ato revocatório, para extinguir o ato anterior. Assim, de modo bastante
simples, revoga-se ato lícito cujos pressupostos deixaram de existir ao longo do tempo, não sendo
mais necessária sua continuação.
Liberdade Provisória
Diz o Art. 5º da CF:
LXVI – ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com
ou sem fiança;
Enquanto que a prisão em flagrante ilegal deve ser relaxada, a legal precisa ceder lugar para
outras três situações (de acordo com o CPP):
1) ou origina medida cautelar diversa da prisão;
2) será convertida em prisão preventiva;
3) o sujeito deve ser colocado em liberdade provisória.
Logo, a prisão em flagrante legal/lícita, em casos em que não se aplicam outras disposições cau-
telares (prisionais ou não), deve ser substituída pela liberdade provisória – em outras palavras, nessas
hipóteses, o sujeito fica solto.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

Porém, a liberdade não é plena, e sim vinculada, pois o cidadão fica submetido ao cumprimento
de certas obrigações, que, acaso não observadas, podem levar à decretação de prisão cautelar – razão
pela qual essa contracautelar é chamada de liberdade provisória. Em regra, quem a concede é a auto-
ridade judiciária. Porém, se for com fiança, o Delegado pode concedê-la nos termos do art. 322:
Art. 322. A autoridade policial somente poderá conceder fiança nos casos de infração cuja pena privativa
de liberdade máxima não seja superior a 4 (quatro) anos.

Liberdade Provisória em Espécie


Liberdade Provisória e Fiança não são a Mesma Coisa
De início, é preciso atentar para uma falha comum em concurseiros, que é pensar que Liberdade
Provisória (LP) e Fiança (F) estão sempre juntas. Nada disso, trata-se de institutos independentes,
mas que se relacionam, sem, contudo, perderem essa independência. LP consiste no direito fun-
damental (constante no art. 5º da CF) de ser investigado e processado em liberdade, se não houver
motivo justo para sua privação – o qual se já conhece, e corresponde aos pressupostos cautelares
(fumus comissi delicti e periculum libertatis). Já, F é uma caução. Em outros termos, é um modo pelo
qual o sujeito demonstra ao Juiz (em regra) sua boa-fé diante da persecução penal. É como se o indi-
víduo dissesse ao Juiz: “Fique tranquilo, pois vou participar da melhor maneira possível do inquérito e
da ação penal. Para demonstrar minha boa vontade, eu vou depositar esta quantia, que prestará para
pagar as custas do processo, indenizar a vítima....”. O que ocorre é que, por vezes, a LP é concedida
para aquele que demonstra sua boa-fé ao prestar F. Assim, há aquela sob esta, que é chamada de LP
com F. Essa é a razão pela qual acabamos relacionando os institutos, os quais, na verdade, podem
existir independentemente – é por isso que há, ainda, a LP sem F (que se dá, por exemplo, nos crimes
inafiançáveis). Vejamos como fica:
• LP com F: aos crimes afiançáveis (aqueles que admitem a F e quando ela for necessária).
• LP sem F: quando a F não for necessária ou quando o crime for inafiançável.
Logo, só haverá F, se ela for necessária (pressupostos cautelares) e o crime a admitir. Caso ela não
seja necessária (ou impossível), haverá LP sem F (crimes cometidos sob excludentes de necessidade,
por exemplo, ou o sujeito não tiver condições econômicas para prestar a F). Se o crime não a admitir
(crime inafiançável), também haverá LP sem F.
Crimes Inafiançáveis
Aproveitando o momento, vamos só lembrar quais são os crimes inafiançáveis, de acordo com
a CF: crimes hediondos e equiparados (tráfico de drogas, terrorismo e tortura), racismo e ação de
grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático. Perce-
be-se que eles aceitam a LP, mas sem F. Em regra, em razão da gravidade dessas condutas, o Juiz, ao
conceder aquela, fixará alguma medida cautelar diversa da prisão (art. 319, menos a F). Liberdade
Provisória Introdução em outra época (antes de 1977), a prisão era a regra, de modo que o comum
era o indivíduo responder ao processo preso. Foi nessa realidade que surgiu o termo “liberdade pro-
visória”, pois, em certas situações, o sujeito era colocado em liberdade, mas sempre ficava sob o risco
de voltar a ser preso, se não cumprisse condições que lhe eram impostas.
Atualmente, tudo mudou e a regra é que se responda em liberdade. Entretanto, o termo LP pegou
e ficou – apesar de ser severamente criticado pela melhor doutrina. Para o presente estudo, as críticas
não importam, pois nossos concursos ficarão no nível “raso” mesmo. Na verdade, precisamos saber
o básico e, por incrível que pareça, para acertar as questões mais comuns, é importante não se apro-
fundar no tema. Nossa dica é: deve-se optar pela letra fria do CPP e, com nossa aula, é possível que o
candidato acerte 90% das questões que podem cair em sua prova.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

Sabe-se que, quando alguém é preso em flagrante, cabe ao Juiz, nos termos do art. 310:
Art. 310. Ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente:
I – relaxar a prisão ilegal;
II – converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art.
312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão;
III – conceder liberdade provisória, com ou sem fiança.
Isso significa que a prisão em flagrante não existe por si só; ela deve ser substituída pelas situa-
ções do art. 310 (e outras), de modo a ser entendida como instrumental – desse modo, deduzimos
que ela é precautelar, uma vez que poderá ser substituída por uma medida cautelar.
LP Obrigatória
O sujeito tem o direito incondicional de responder em liberdade – ele deverá ser colocado em li-
berdade. Ex.: crimes sem pena privativa de liberdade e IMPOs, em que o sujeito seja compromissado.
LP Permitida
Situações em que não cabe prisão preventiva. Nesse caso, o Juiz vai analisar a situação e fixará LP
juntamente com alguma medida cautelar diversa da prisão constante no art. 319.
LP Proibida/Vedada
Ocorre quando a lei veda, de forma abstrata, a concessão de LP. Atualmente, a melhor posição é
dizer que ela não existe, pois o legislador não pode proibir a concessão de liberdade provisória – isso
cabe ao Juiz fazer, diante do caso concreto. Para termos uma ideia, muitos livros nem citam mais essa
modalidade.

Fiança
Conceito: trata-se de um direito subjetivo constitucional que o sujeito tem de caucionar a per-
secução penal, ficando sujeito, em regra, a algumas obrigações atinentes à atividade dos órgãos da
persecução, de modo a poder responder em liberdade. As obrigações estão, basicamente, nos arts.
327 e 328:
Art. 327. A fiança tomada por termo obrigará o afiançado a comparecer perante a autoridade, todas as
vezes que for intimado para atos do inquérito e da instrução criminal e para o julgamento. Quando o réu
não comparecer, a fiança será havida como quebrada.
Art. 328. O réu afiançado não poderá, sob pena de quebramento da fiança, mudar de residência, sem
prévia permissão da autoridade processante, ou ausentar-se por mais de 8 (oito) dias de sua residência,
sem comunicar àquela autoridade o lugar onde será encontrado.
CUIDADO! A ideia da fiança é pagar custas, indenização, multa ou prestação pecuniária, funcio-
nando como uma caução.
Será cabível a fiança sempre que houver um crime afiançável e uma necessidade (periculum).
Neste caso, existem hipóteses de não cabimento da fiança. São elas: quando for constatada no crime
uma excludente de ilicitude; quando não se tratar de crime apenado com pena privativa de liberdade;
e quando se tratar de IMPOs. A pobreza também dispensa a fiança.
CONCESSÃO: a regra é que cabe ao Juiz determinar o pagamento da F; após o requerimento, ele tem
o prazo de 48 h para decidir. Porém, em infrações com pena privativa de liberdade máxima menor ou
igual a 4 anos, o Delegado também poderá concedê-la. O artigo 325 cita os valores, o que pode ser en-
quadrado da seguinte forma:

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

CUIDADO! Ela é concedida e prestada sem oitiva do MP, que só tem vista dos autos depois do pro-
cedimento todo, para interpor RESE, se for o caso de discordância.
Como é Prestada a F? A fiança, que pode ser prestada pelo sujeito ou por terceiro, consistirá em
depósito de dinheiro, pedras, objetos ou metais preciosos, títulos da dívida pública, federal, estadual
ou municipal, ou em hipoteca inscrita em primeiro lugar. Pode ser prestada até o trânsito em julgado.
Para que Servem esses Valores? Para o pagamento das custas, da indenização do dano, da pres-
tação pecuniária e da multa, se o réu for condenado – ainda que tenha havido prescrição executória
(após a condenação com trânsito em julgado).
E se o Indivíduo for Absolvido? Se o sujeito for absolvido, for arquivado o IP ou extinta a ação
penal, aquilo que foi dado em fiança deve ser devolvido, com correção monetária.

Incidentes da Fiança
Reforço da Fiança
O próprio nome já diz: vamos reforçar a F, ou seja, torná-la mais forte, pois seu valor foi consi-
derado insuficiente após já ter sido prestada. Logo, o reforço existe em situações em que uma causa
superveniente faz com que aquilo que já foi dado torne-se insatisfatório. Quais são esses casos?
Art. 340. Será exigido o reforço da fiança:
I – quando a autoridade tomar, por engano, fiança insuficiente;
II – quando houver depreciação material ou perecimento dos bens hipotecados ou caucionados, ou de-
preciação dos metais ou pedras preciosas;
III – quando for inovada a classificação do delito.
Parágrafo único. A fiança ficará sem efeito e o réu será recolhido à prisão, quando, na conformidade deste
artigo, não for reforçada.
O que acontece? Se o sujeito reforçar a F conforme determinado, segue em LP; caso ele não a
reforce, há cassação da F, pois seu valor será tido como insuficiente. Nessa situação, ele será recolhi-
do à prisão (preventiva, caso presentes os requisitos) ou será implementada uma medida cautelar.
Quebra da Fiança
Se a F envolve confiança do Juiz no indivíduo que está sendo investigado ou processado, a quebra
dela envolve situações de “quebra de confiança” (Art. 341, CPP).
I — Regularmente intimado para ato do processo, deixar de comparecer sem motivo justo.
II — Deliberadamente praticar ato de obstrução ao andamento do processo.
III — Descumprir medida cautelar imposta cumulativamente com a fiança.
IV — Resistir injustificadamente à ordem judicial.
V — Praticar nova infração penal dolosa.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Essa regra, evidentemente, só se aplica quando o primeiro crime, pelo qual o réu obteve a fiança,
também for doloso.
VI – Se o réu mudar de residência sem prévia autorização do juiz do processo, ou ausentar-se por mais
de 8 dias de sua residência, sem comunicar ao juízo onde poderá ser encontrado.
Qual a consequência? O sujeito perde METADE DO VALOR que deu em F, que será recolhido
ao Fundo Penitenciário.
Cassação da Fiança
Ocorre em situações em que a F não poderia ter sido prestada ou em que precisa de reforço e o
sujeito não o faz.
a) Quando se verificar que a fiança não era cabível na espécie (art. 338 do CPP).
b) Quando houver inovação na classificação do delito, reconhecendo-se a existência de crime
inafiançável (art. 339 do CPP).
c) Quando for exigido reforço na fiança e o acusado não a prestar (art. 340, parágrafo único, do
CPP).
Nessas hipóteses, convém notar que a fiança não deveria existir, razão pela qual será cassada.
Consequência: ela é devolvida, atualizada, ao sujeito que a prestou.
Perda da Fiança
Existe uma atitude que o réu pode tomar que demonstra total falta de confiança nele: não se
apresentar à prisão, se for condenado em sentença irrecorrível. Assim, de acordo com o art. 344,
nessa hipótese, haverá perda da fiança. Consequência: descontam-se as custas do processo e demais
encargos e o que sobrar é destinado ao Fundo Penitenciário.
Recurso
Da decisão que concede, nega, arbitra, cassa, julga inidônea, quebrada ou perdida a fiança cabe
RESE (art. 581, V e VII). Detalhe: se a deliberação for em sentença, caberá apelação mesmo – mas
isso não é cobrado em concursos.
Exercícios
01. Concedida ao acusado a liberdade provisória mediante fiança, será inaplicável a sua cumu-
lação com outra medida cautelar tal como a proibição de ausentar-se da comarca ou o mo-
nitoramento eletrônico.
Certo ( ) Errado ( )
02. Compete ao juiz e não ao delegado a concessão de liberdade provisória, mediante paga-
mento de fiança, a acusado de crime hediondo ou tráfico ilícito de entorpecente.
Certo ( ) Errado ( )
03. Independentemente do tipo de crime, a fiança será arbitrada pela autoridade policial e co-
municada imediatamente ao juiz que, depois de ouvir o Ministério Público, a manterá ou
não.
Certo ( ) Errado ( )
Gabarito
01 - Errado
02 - Errado
03 - Errado
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6