Вы находитесь на странице: 1из 10

N OTA TÉCNICA

OTA

ALTERNATIVAS DE MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS EM UMA


INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DA REGIÃO
METROPOLITANA DE CURITIBA

WASTE MINIMIZATION MEASURES IN A FOOD INDUSTRY LOCATED IN


THE METROPOLITAN AREA OF CURITIBA
BÁRBARA ZANICOTTI LEITE
Engenheira de Alimentos pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Mestre em Tecnologia Química no Programa
de Pós-graduação em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal do Paraná. Atuando na área de controle de poluição
de Indústrias desde 1996. Pesquisadora da Assessoria de Desenvolvimento e Pesquisa da SANEPAR – Companhia
de Saneamento do Paraná desde 2004

URIVALD PAWLOWSKY
Engenheiro Químico pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Ciências pela COPPE - Universidade Federal
do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutor (PhD) pela State University of New York (USA). Professor Titular de Engenharia
Ambiental das Engenharias Ambiental e Química da UFPR. Ex-diretor do Departamento do Meio Ambiente da SUREHMA.
Consultor da Organização Pan-americana da Saúde, Ógãos governamentais e Indústrias

Recebido: 31/08/04 Aceito: 05/04/05

RESUMO ABSTRACT
Este trabalho foi realizado em uma Indústria de Alimentos da This work was developed in a food industry located in the
Região Metropolitana de Curitiba. Esta técnica é baseada na metropolitan area of Curitiba, Paraná State. It is based in a
redução da quantidade e/ou toxicidade dos poluentes gerados reduction of quantity and/or toxicity of the generated polutants in
pela empresa e possui como premissa básica o controle da polui- the factory and has as basis the pollution control in its source. If the
ção na sua fonte. O trabalho foi desenvolvido em quatro etapas. reduction of the waste in its source is not possible, the recycling
A primeira constituiu da descrição da unidade industrial. Na strategy would be used. This work was developed in four stages. The
segunda etapa fez-se o levantamento e a caracterização dos resí- first stage was the description of the industrial plant. In the second
duos gerados pelo processo produtivo. Afim de saber com qual stage was done the assessment and characteristics of the wastes. The
dos resíduos a minimização deveria ser iniciada realizou-se a third stage was the waste priorization with a mathematical model
priorização dos mesmos com o uso de um modelo matemático. to obtain the order of minimization. The organic natural waste,
Os resíduos de natureza orgânica, tanto das linhas de produção even from the productive process as from the wastewather treatment
quanto da estação de tratamento de águas residuárias foram sele- plant, were selected as priorities. The fourth stage of the waste
cionados como prioritários. Por fim, a quarta etapa do trabalho minimization programme was the proposition of the minimization
constou da proposição de medidas de minimização. As princi- measures. The main recomendations were:: training the employers,
pais estratégias adotadas foram: treinamento e conscientização ajustment and control at the time of the equipments, temperature,
de funcionários, controle dos ajustes nas variáveis de tempo, flow, and raw material specification control at the time of reception.
temperatura e vazão de equipamentos bem como a verificação The waste minimization is a good option for the environmental
das especificações das matérias-primas no momento do recebi- management of the food industry because besides reducing costs with
mento. A minimização de resíduos é uma opção a ser seguida waste disposal and treatment, it also increases production process
para o gerenciamento ambiental da Indústria de Alimentos, pois, efficiency.
além de reduzir os gastos com disposição e tratamento de resídu-
os, ainda aumenta a eficiência dos processos produtivos.

PALAVRAS-CHAVE: Minimização, resíduos, indústria de ali- KEYWORDS: Minimization, waste, food industry, environmental
mentos, gestão ambiental. management.

INTRODUÇÃO brando daqueles recursos que não são sáveis e cuidadosas com o meio ambien-
renováveis, como o petróleo (Prado Fi- te. Esta pressão vem do governo, consu-
A humanidade está usando 20% a lho, 2002). midores, acionistas e financiadores, bem
mais de recursos naturais do que o plane- Desta forma as empresas vêm so- como de grupos não-governamentais
ta é capaz de repor, com isso está avan- frendo uma tendência mundial que é a (Tibor & Feldman, 1996). Se uma em-
çando nos estoques naturais da Terra, lem- crescente pressão para serem mais respon- presa reduzir a quantidade de poluentes

Eng. sanit. ambient. 96 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Minimização de resíduos na indústria de alimentos

A TÉCNICA
gerados no seu processo, então teremos sificação. O modelo trata dos aspectos de localização, produção, número de funci-
uma maior preservação do meio ambien- valor econômico, riscos à saúde e onários, tipos de matérias-primas utiliza-
te, além da economia nos gastos relacio- ambientais e do critério de facilidade de das e também um conhecimento da vi-
nados à disposição final dos mesmos. minimização dos resíduos. são da empresa a respeito do meio ambi-

OTA
N OT
Em face ao progressivo aumento nos O presente trabalho, é de grande ente. A mesma foi realizada a fim de se
custos de disposição adequada e o baixo utilidade para empresas que desejam me- conhecer o funcionamento industrial e
desempenho ambiental das medidas lhorar o gerenciamento dos seus resídu- de se dar início ao projeto de minimi-
adotadas com relação aos resíduos indus- os, por apresentar uma metodologia de zação de resíduos.
triais, as indústrias têm direcionado seus minimização completa e com suas etapas O trabalho foi desenvolvido em uma
esforços para o desenvolvimento de solu- detalhadas. Tem-se também que a preo- indústria de alimentos da Cidade Indus-
ções mais efetivas. Dentre elas encontra- cupação ambiental é cada vez maior em trial de Curitiba que produz snacks
se a minimização de resíduos, um con- todos os setores da sociedade, o respeito extrusados fritos, extrusados assados e
junto de medidas que visa antes de tudo que uma empresa tem pelo meio ambi- batatas fritas nas formas chips e palha. A
a redução máxima da quantidade de resí- ente está diretamente relacionado à sua empresa possui aproximadamente 300
duos gerada pelos processos industriais. aceitação pública. Uma empresa que de- funcionários, divididos em três turnos
Esta postura tem se mostrado bastante seja manter bons níveis de desempenho produtivos, operando cinco dias por se-
eficiente para combater o aumento da econômico deve aceitar que as tecnologias mana.
degradação do meio ambiente, além de de fim de tubo não são as melhores op- Como o trabalho objetiva uma abor-
atender às legislações, reduzir gastos e ções de disposição final de resíduos e, sim, dagem de todos os resíduos gerados no
melhorar a imagem pública da empresa. a prevenção. Ao invés de gerar poluentes setor produtivo da empresa, foi estudada
Porém, uma das grandes dificuldades e depois preocupar-se com a forma de a planta baixa da mesma realizando-se uma
encontradas é a visão de que o resíduo é dispô-los, deve-se evitar a sua geração. divisão em setores, tomando-se como base
lixo, ou resto de um processo produtivo, Neste ponto a minimização de resíduos para esta divisão as atividades desenvolvi-
e não matéria-prima e energia em poten- focaliza o problema de modo a evitar que das por cada setor. Desta forma, facilitou-
cial para outro tipo de processo (Matos um determinado resíduo seja gerado ou se a caracterização dos resíduos e o anda-
& Schalch, 2000; Pawlowsky, 2002). seja gerado na menor quantidade possí- mento do trabalho. A unidade industrial
Esta visão deve ser mudada, para que vel, sem afetar a qualidade do produto foi dividida em sete setores (Figura 1).
empresas possam operar de maneira sus- final.
tentável. Levantamento e
Para a implantação de medidas de METODOLOGIA caracterização de resíduos
prevenção à poluição é fundamental sa-
ber como a mesma ocorre, quais são suas As etapas de trabalho desenvolvi- Foi feito o levantamento das fontes
fontes e que processos a geram (Mota, das foram: descrição da empresa, levanta- poluidoras, conhecendo-se o fluxograma
1999). E como nenhum processo conse- mento, caracterização, priorização de re- de processo, as matérias-primas, insumos
gue operar com a eficiência de 100%, síduos e proposição de alternativas de consumidos e produtos fabricados. Na
sempre se tem a existência de resíduos, minimização. caracterização das fontes poluidoras foi
pois quando são fornecidos matéria-pri- feita a localização de saídas de efluentes
ma e insumos a um processo obtém-se os Descrição da empresa líquidos e sólidos, águas de processo, águas
produtos e resíduos (Pawlowsky, 2002). de utilidades, pluviais e esgoto sanitário.
Quanto maiores forem as perdas de ma- Na primeira etapa do trabalho foi Foram medidas as vazões e foi feita a
téria-prima e insumos de um processo, feito um reconhecimento da unidade in- amostragem das diversas fontes de
maior será a quantidade de resíduos lí- dustrial. Este englobou aspectos tais como efluentes.
quidos, sólidos ou gasosos gerados. As-
sim, quando se tem o uso de toneladas de
matérias-primas por dia, toneladas de re-
síduos são produzidos como resultado
(Crittenden & Kolaczkowski, 1995;
Henningsson, Smith & Hyde, 2001;
Zbontar & Glavic, 2000). Toda perda
de matéria-prima, energia ou qualquer
outro recurso natural representa uma ine-
ficiência do processo e a geração de Resí-
duos (Miles, Munilla & Mcclurg, 1999).
Depois de feito um levantamento e
caracterização completos dos resíduos pro-
duzidos pela empresa, faz-se necessário a
classificação dos mesmos. Com o resulta-
do desta classificação a empresa pode sa-
ber qual é o resíduo prioritário, aquele
com o qual a empresa deve se ocupar pri-
meiramente. Cercal (2000), propõe um
modelo matemático para realizar esta clas- Figura 1- Fluxograma simplificado de processo

Eng. sanit. ambient. 97 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Leite, B. Z. & Pawlowsky, U.
A TÉCNICA

Priorização dos resíduos tos” os objetos físicos por onde passam Neste tópico o resíduo mais prio-
e/ou são processados e/ou tratados os ma- ritário, ou seja, aquele que deve ser esco-
A metodologia utilizada para a teriais. Os resíduos são provenientes de lhido para se iniciar a minimização é o
um único ou vários equipamentos e pos- que apresentar o menor valor global. O
OTA

priorização dos resíduos é a proposta por


N OT

Cercal (2000), e consiste num modelo suem diferentes composições e quantida- modelo considera dados referentes à hie-
matemático que analisa os aspectos de va- des, e cada resíduo pode ter uma ou mais rarquia de prioridades de minimização, a
lor, risco e de facilidade de minimização disposições finais. O modelo matemáti- relação do resíduo com o processo (in-
do resíduo atribuindo a cada um destes co trata cada resíduo de acordo com as trínseco, semi-intrínseco ou extrínseco) e
aspectos uma classificação diferentes possibilidades de disposição se a geração é ou não constante (resíduo
O modelo proposto por Cercal final e analisa três aspectos básicos: análi- fixo ou variável). (Cercal, 2000).
(2000), considera “produtos” o conjun- se do resíduos por valor, análise do resí- A Tabela 1, contém a descrição das
to de dados referentes a uma determina- duo por risco e análise do resíduo por variáveis utilizadas no modelo matemáti-
da situação de produção e “equipamen- facilidade de minimização. co com suas respectivas identificações.

Tabela 1 - Variáveis do modelo matemático

Natureza das variáveis Siglas


Quantidade total do resíduo WTotal
Número de produtos analisados simultaneamente p
Número de equipamentos onde o resíduo é gerado e
Número de materiais que compõem o resíduo m
Número de destinações finais dadas ao resíduo d
Classificação do resíduo conforme a periculosidade Π
Relação do resíduo com o processo Ω
Valor unitário1 do material genérico "i" $ +i 2
Alteração percentual admissível para o valor do Material genérico "i" ∆$%i 3

Percentual do material genérico "i" na composição do resíduo gerado no X ijk


equipamento genérico "j", para o produto genérico "k"
Percentual do total de resíduo gerado no equipamento genérico "j", para o produto Y h jk
genérico "k", que sofre a disposição genérica "h"
Percentual do total do resíduo que é gerado no equipamento genérico "j", para o Z jk
produto genérico "k"
Percentual do total do resíduo gerado para o produto genérico "k" Wk
Custo unitário de beneficiamento do resíduo gerado no equipamento genérico "j", $-Bhjk
para o produto genérico "k", que sofre a disposição genérica "h"
Custo unitário de transporte do resíduo gerado no equipamento genérico "j", para o $ - T h jk
produto genérico "k", que sofre a disposição genérica "h"
Custo unitário de tratamento e disposição do resíduo gerado no equipamento $-TDhjk
genérico "j", para o produto genérico "k", que sofre a disposição genérica "h"
Custo unitário de geração e permanência do resíduo proveniente do equipamento $-GPhjk
genérico "j", para o produto genérico "k", que sofre a disposição genérica "h"
Retorno obtido por destinar o resíduo gerado no equipamento genérico "j", para o $ + R h jk
produto genérico "k", à disposição genérica "h"
C a lc u la $ +? D S /N $+
C a lc u la $ -B ? D S /N $-B
C a lc u la $ -T ? D S /N $-T
1
O termo unitário se refere a um quilograma, um metro cúbico, uma tonelada ou outra unidade qualquer de
quantidade do material.
2
O símbolo “$” indica valor monetário. O índice “+” representa ganho monetário, enquanto que o “-” indica prejuízo.
3
O símbolo “∆”, anteposto a “$”, indica alteração do valor, e o símbolo “%”, sobrescrito, indica que a alteração é
percentual.
4
O retorno representa o ganho monetário obtido com a venda, reaproveitamento, reutilização ou reciclagem de uma
unidade de quantificação do resíduo.

Eng. sanit. ambient. 98 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Minimização de resíduos na indústria de alimentos

A TÉCNICA
Tabela 1 - Variáveis do modelo matemático (continuação)
Natureza das variáveis Siglas
C a lc u la $ -T D ? D S /N $-T D

OTA
N OT
C a lc u la $ -G P ? D S /N $-G P
C a lc u la $ R ?
+
D S /N $ +R
Valor unitário do resíduo $+
Alteração percentual admissível para o valor unitário do resíduo ∆$%
Custo unitário de beneficiamento do resíduo $−Β
Custo unitário de transporte do resíduo $−Τ
Custo unitário de tratamento e disposição do resíduo $ -T D
Custo unitário de geração e permanência do resíduo $−GP
Retorno obtido conforme as disposições do resíduo $ +R
Valor unitário do resíduo não corrigido $'
Índice de priorização hierárquica de minimização de resíduos (IPHMR) ξ
Base do IPHMR, ponderada entre todos os equipamentos onde o resíduo é gerado ξB
e para todos os produtos considerados para análise
Base do IPHMR da classe a que pertence a disposição genérica "h" ξBh
Fator de constância do resíduo gerado no equipamento genérico "j", para o produto K jk
g e n é r ic o " k "
Constância do resíduo ponderada entre todos os equipamentos onde o mesmo é K
gerado, e para todos os produtos considerados para análise
Fator de correção para valores positivos do resíduo δ+
Fator de correção para valores negativos do resíduo δ-
Valor unitário do resíduo corrigido $
Valor total do resíduo corrigido $Total
Número de perguntas para análise por riscos cuja resposta é "Em potencial" q
Peso da pergunta da análise por riscos no equipamento genérico "j", para o produto Q jk
g e n é r ic o " k "
Risco global do resíduo R
Número de perguntas da análise por facilidade de minimização f
Peso da pergunta da análise por facilidade de minimização do resíduo no F jk
equipamento genérico "j", para o produto genérico "k"
Custo para minimizar a geração do resíduo proveniente do equipamento genérico C M jk
"j", para o produto genérico "k"
Facilidade de minimização global do Resíduo F
Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.

Para tratar a disposição final dada ção final. A partir desta tabela será feita a presa está tendo com o resíduo e quando
aos resíduos Cercal (2000) desenvolveu identificação da classe do resíduo para que negativo representa prejuízo, então, a dis-
25 classes englobando a natureza e a lo- posteriormente possa ser valorado, de acor- posição final deste resíduo não é adequa-
calidade do destino final, a existência ou do com a Tabela 3. da do ponto de vista, não só econômico,
não de um beneficiamento antes da dis- Análise do Resíduo por Valor: consi- mas também ambiental e técnico (Cercal,
posição final e a função, ou seja, a utiliza- dera os aspectos ambientais (legislações 2000). As equações 1 a 16 calculam a
ção do resíduo seja como matéria-prima, pertinentes) e técnico. Neste tópico o análise do resíduo por valor e estão apre-
utilidade ou sub-produto. Na Tabela 2 resíduo mais prioritário, ou seja, aquele sentadas na Tabela 4.
apresentam-se a natureza, o benefi- que deve ser escolhido para se iniciar a Análise do Resíduo por Riscos: consi-
ciamento e a função da disposição final, minimização é o que apresentar o menor dera os aspectos de riscos que a geração
representada por algarismos e, represen- valor global. Logo, o valor global quan- dos resíduos traz para os funcionários,
tada por letras, a localidade desta disposi- do positivo representa lucro que a em- vizinhos e população em geral. Para tan-

Eng. sanit. ambient. 99 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Leite, B. Z. & Pawlowsky, U.
A TÉCNICA

Tabela 2 - Características das classes de disposição de resíduos


L e tr a A lg a r is m o C a r a c te r ís tic a s
1 Reutilização direta do resíduo com os materiais
OTA
N OT

e m s u a fu n çã o o r ig in a l
2 Reutilização direta do resíduo com os materiais
em função diferente da original
3 Reutilização do resíduo após beneficiamento, com
o s m a te r ia is e m s u a fu n çã o o r ig in a l
4 Reutilização do resíduo após beneficiamento, com
os materiais em função diferente da original
5 Disposição final adequada
6 Disposição final inadequada
7 Resíduo sem disposição definida.
A Na fonte
B Em outro equipamento na mesma unidade
produtiva
C Em outra unidade produtiva na mesma fábrica
D Em outra fábrica
E Em outra fábrica, porém com beneficiamento na
unidade fabril onde o resíduo é gerado
Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.

Tabela 3 – Análise do resíduo por valor: parâmetros matemáticos


das classes de disposição
C la s s e D S /N $+ D S /N $-B D S /N $-T D S /N $-T D D S /N $-G P D S /N $+R ξB
1-A 1 0 0 0 0 0 + 1 ,0 0
1-B 1 0 0 0 1 0 + 0 ,9 7
1-C 0 0 0 0 1 1 + 0 ,9 5
1-D 0 0 0/15 0 1 1 + 0 ,9 2
2-A 0 0 0 0 0 1 + 0 ,9 0
2-B 0 0 0 0 1 1 + 0 ,8 7
2-C 0 0 0 0 1 1 + 0 ,8 5
2-D 0 0 0/1 0 1 1 + 0 ,8 2
3-A 1 1 0 0 0 0 + 0 ,8 0
3-B 1 1 0 0 1 0 + 0 ,7 7
3-C 1 1 0 0 1 0 + 0 ,7 5
3-D 0 0/1 0 0 1 1 + 0 ,7 2
3-E 0 1 1 0 1 1 + 0 ,6 0
4-A 0 1 0 0 1 1 + 0 ,5 0
4-B 0 1 0 0 1 1 + 0 ,4 5
4-C 0 1 0 0 1 1 + 0 ,4 0
4-D 0 0 0/1 0 1 1 + 0 ,2 0
4-E 0 1 0/1 0 1 1 ZERO
5-A 0 0 1 1 1 0 - 0 ,2 0
5-B 0 0 0 1 1 0 - 0 ,4 0
5-C 0 0 1 1 1 0 - 0 ,6 0
6-A 0 0 1 1 1 0 - 1 ,0 0
6-B 0 0 0 1 1 0 - 1 ,2 0
6-C 0 0 1 1 1 0 - 1 ,4 0
7 0 0 0 0 1 0 - 1 ,8 0
Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.

Eng. sanit. ambient. 100 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Minimização de resíduos na indústria de alimentos

A TÉCNICA
Tabela 4 - Equações para a priorização dos resíduos
Descrição Equação Número
E q u a ç õ e s d a a n á l i s e p o r va l o r

OTA
N OT
p e d m

Valor unitário do resíduo $ = Σ Σ (ΣYhjk. D$+


+ S /N
h jk
).m(Σ$+i .Xijk).Zjk.Wk 1
k=1 j =1 h =1 1= 1
p e m

Alteração percentual admissível para o valor unitário do resíduo ∆$% = Σ Σ Σ (∆$%i .Xijk).Zjk.Wk 2
k=1 j =1 i=1
p e d

Custo unitário de beneficiamento do resíduo $ = Σ Σ Σ (Yhjk .D$-BS/Nhjk .$-Bhjk).Zjk.Wk


-B
3
k=1 j =1 h =1
p e d

Custo unitário de transporte do resíduo $ - T = Σ Σ Σ ( Y h jk . D $ - T S / N h jk . $ - T h jk ) . Z j k . W k 4


k=1 j =1 h =1
p e d

Custo unitário de tratamento e disposição do resíduo $-TD = Σ Σ Σ (Yhjk. D$-TDS/Nhjk. $-TDhjk).Zjk.Wk 5


k=1 j =1 h =1
p e d

Custo unitário de geração e permanência do resíduo $-GP = Σ Σ Σ (Yhjk. D$-GPS/Nhjk. $-GPhjk).Zjk.Wk 6


k=1 j =1 h =1
p e d

Retorno obtido conforme a disposição dada $ +


R
= Σ Σ Σ ( Y h jk . D $ + R S / N h jk . $ + R h jk ) . Z jk . W k 7
ao resíduo k=1 j =1 h =1
p e d

Base do IPHMR ξB = Σ Σ Σ ξBh .Yhjk. Zjk.Wk 8


k=1 j =1 h =1
IPHMR ξ = ξB . ∆$% 9

Valor unitário do resíduo não corrigido $ ' = $ + - $ B - $ T - $ T D - $ G P + $ +R 10

p e
11
Constância do resíduo K = Σ Σ K jk . Z jk . W k
k=1 j =1
Relação do resíduo com o processo Ω = c te 12

Fator de correção para valores positivos do resíduo δ+ = ( 1 + ξ ) / K . Ω // ξ ≠ (-1) 13

Fator de correção para valores negativos do resíduo δ- = ( 1 - ξ ) . K . Ω // ξ ≠ (+1) 14

Valor unitário do resíduo não corrigido Se $' > 0 ⇔ $ = $ ' . δ+ 15


Se $' < 0 ⇔ $ = $ ' . δ-
Se $' = 0 ⇔ $=0
Valor total do resíduo corrigido $Total = W Total . $ 16

E q u a ç õ e s d a a n á l i s e p o r ri s c o s
p e q

Risco global do resíduo R = ( Σ Σ Σ Q jk . Z jk .W k ) ¸Π 17


k=1 j =1 q =1
Eq u a ç õ e s d a a n á lise p o r fa c ilid a d e
d e m in im iz a ç ã o
p e f

Facilidade de minimização global do resíduo para Σ Fjk > 0 F = Σ Σ(ΣFjk X CMjk).Zjk.Wk s e Σ F jk > 0 18
k=1 j =1 f =1
p e f

Facilidade de minimização global do resíduo para Σ Fjk < 0 F = Σ Σ(ΣFjk ÷CMjk).Zjk.Wk s e Σ F jk < 0 19
k=1 j =1 f =1
Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.

Eng. sanit. ambient. 101 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Leite, B. Z. & Pawlowsky, U.
A TÉCNICA

to, são feitas uma série de quatro pergun- Tabela 5 - Análise do resíduo por valor: parâmetros matemáticos gerais
tas:
Relação com o processo Ω C o n s tâ n c ia K ∆$%
1. Existem dados reais ou estima-
dos referentes ao resíduo? Intrínseco 0 ,8 Fixo 1 ,1 M á x im o = ∞
OTA
N OT

2. Existe relação com a ocorrência Semi-intrínseco 1 ,0 Semi-fixo 1 ,0 M ín im o = 5 0


de danos à saúde humana?
3. Existe relação com a ocorrência Extrínseco 1 ,2 Variável 0 ,9
de reclamações de moradores vizinhos? Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.
4. Existe relação com a ocorrência
de penalidades aplicadas (ou aplicáveis) Tabela 6 - Análise do resíduo por riscos: parâmetros matemáticos
por instituições públicas (Cercal, 2000)?
Para a pergunta 1 as possíveis res- Classificação do resíduo Π Perguntas Q jk
postas são SIM ou NÃO e para as demais
as respostas são “já ocorreu”, “em potenci- Classe I (Perigoso) 1 Existem dados? ---
al” ou “isento”. Se uma das perguntas 2, C la s s e II ( N ã o - in e r te ) 2 Danos à saúde? 4
3 ou 4 tiver a resposta “já ocorreu” o resí- Classe III (Inerte) 3 Reclamações de vizinhos? 2
duo é diretamente classificado como
prioritário. Para as respostas “não” e “isen- Penalidades? 1
to” o modelo atribui o peso ZERO e para Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.
as respostas “em potencial” o peso é tabe-
lado (Cercal, 2000). A análise por riscos Tabela 7 - Análise do resíduo por facilidade de
segue a equação 17, apresentada da Ta- minimização: questões e parâmetros matemáticos
bela 4 e na Tabela 6 estão os respectivos
parâmetros matemáticos. Na análise do Questão Peso Custo CMjk
resíduo por riscos quanto maior for o va-
Parar equipamento? 01 Muito alto 4
lor obtido, mais prioritário é o resíduo.
Análise do Resíduo por Facilidade de Parar processo? 02 A lto 3
Minimização: onde são considerados a Parar unidade? 03 Baixo 2
disponibilidade de recursos técnicos, hu-
manos e financeiros para a minimização. Modificar equipamento? 02 Muito baixo 1
Assim como no caso de análise por riscos Modificar processo? 04
a análise por facilidade de minimização é
feita com base em perguntas, porém aqui Modificar unidade? 06
são aceitas apenas as respostas SIM ou Implantar equipamento? 04
NÃO e os pesos também são diferencia-
dos. Na Tabela 7 tem-se as questões com Implantar processo? 08
os respectivos pesos. Como os pesos da Implantar unidade? 12
variável Custo de Minimização são maio-
Tecnologia disponível? - 1 0 ,1
res para os custos mais altos, temos um
somatório positivo das perguntas, então Mão de Obra disponível? - 7 ,1
multiplicamos pelo custo. Em contra- Recursos disponíveis? - 1 5 ,1
partida, se temos um somatório negativo
das perguntas dividimos pelo custo Fonte: Adaptado de Cercal, 2000.
(Cercal, 2000). Neste caso quanto me-
nor for o valor obtido mais fácil será para onde A, B e C são os pesos atribuídos minimização. Estas respeitaram a hierar-
minimizá-lo. A análise por facilidade de para cada aspecto avaliado. Assim, o va- quia de minimização de resíduos, procu-
minimização segue as equações 18 e 19 lor global do resíduo deve ser multiplica- rando obedecer a ordem de primeiramen-
da Tabela 4. do pelo peso A, o risco global deve ser te evitar a geração do resíduo, depois
Na seqüência estão apresentadas as multiplicado pelo peso B e a facilidade minimizar na fonte, seguindo-se a
Tabelas 5 a 7, propostas por Cercal global de minimização pelo peso C. reciclagem do resíduo e por fim o trata-
(2000) que contém os parâmetros mate- mento ou disposição do mesmo. Consi-
máticos a serem utilizados no modelo Equação 20 – Valor global de priorização derou-se também as práticas mais comuns
matemático. do resíduo de minimização de resíduos, evitando-se
Análise global do Resíduo: Após ter o uso de tecnologias caras ou complica-
sido feita a valoração dos resíduos de acor- G = $Total * A + R * B + F * C (20) das e as alternativas mais práticas para a
do com as equações propostas, deve-se indústria.
realizar a análise global dos mesmos. Cada Proposição de alternativas
empresa deve decidir qual dos fatores é de minimização de resíduos RESULTADOS E
mais importante de acordo com a sua re- DISCUSSÃO
alidade e suas necessidades. Sugere-se que Os resíduos foram selecionados, a
o valor global de priorização do resíduo partir da análise global, para que fossem A Tabela 8 contém a quantidade de
seja feito de acordo com a Equação 20, feitas as sugestões de alternativas de resíduos encontrados por setor. Os resul-

Eng. sanit. ambient. 102 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Minimização de resíduos na indústria de alimentos

A TÉCNICA
tados da caracterização são apresentados
em conjunto com os resultados de Tabela 8 – Quantidade de resíduos encontrados por setor
priorização dos resíduos, uma vez que os
dados necessários para a priorização são Setor produtivo Número de resíduos

OTA
01 - Doca e almoxarifado de matéria-prima básica 02

N OT
os mesmos que compõem a caracteriza-
ção dos mesmos.
02 - Doca e almoxarifado de matéria-prima para embalagem 06
Resultados da Análise por Valor: os
resíduos que obtiveram maior classifica- 0 3 - A n te c â m a r a d e b a ta ta s 04
ção pela análise por valor são quatro do 04 - Sala de mescla 05
setor 06 – empacotamento, três do setor
08 – ETE, dois do setor 03 – antecâmara 05 - Processo produtivo
de batatas e um do setor 05 – processo L i n h a d e e x tr u s a d o d e f a r i n h a d e m i l h o X 08
produtivo, linha 03 – extrusado de fari-
nha de trigo Z. Mais detalhadamente, no L in h a d e e x tr u s a d o d e fa r in h a d e m ilh o Y 08
setor 06, 36,36% dos seus resíduos estão L in h a d e e x tr u s a d o d e fa r in h a d e tr ig o Z 07
classificados entre os dez primeiros. No
setor 08, este valor aumenta para 75%, L in h a d e e x tr u s a d o d e fa r in h a d e tr ig o W 09
dos quatro resíduos existentes neste setor, L in h a d e b a ta ta c h ip s 11
apenas o resíduo “embalagem de papel
L in h a d e b a ta ta p a lh a 08
kraft” não está classificado entre os dez
mais prioritários. Cabe ressaltar que os Linha de preparado de farinha de trigo 05
demais resíduos deste setor (“lodo primá- 06 - Empacotamento 11
rio”, “lodo secundário” e “peles e pedaços
de batatas, areia e gordura”) estão classifi- 07 - Empacotamento de sortidos 04
cados, respectivamente, em primeiro, se- 08 - Estação de tratamento de águas residuárias 04
gundo e terceiro lugar.
O resíduos classificados entre a 10ª e Total 92
16ª posições são todos do tipo “raspa”. A
empresa produz quinze tipos de raspas.
Destas a que apresentou pior classificação significa que para minimizar este resíduo Alternativas de
foi a “raspa com aroma”, ficando as demais depende-se de treinamento e de exigir minimização de resíduos
localizadas entre 10º e 36º lugares. melhor qualidade do fornecedor, 16,30%
Resultados da Análise por Riscos: de tem o F = -24,3 o que significa que um Para os resíduos classificados como
acordo com uma pesquisa realizada, 90% simples ajuste no equipamento já reduzi- prioritários foram propostas alternativas
do resíduos produzidos não apresentam ria o resíduo. Observa-se que a maior de minimização. A Tabela 9 contém as
riscos à saúde (El-Fadel et al, 2001). No parte dos resíduos poderia ser minimizada características destes resíduos e na seqüên-
caso da empresa estudada por este proje- sem a necessidade de altos investimentos. cia apresentam-se as alternativas de
to, dos 92 resíduos 64 têm risco zero, ou Entre os dez resíduos mais prio- minimização encontradas.
seja 69,56% não apresentam risco algum ritários de acordo com a análise de facili- Batatas pequenas – Caso fosse feita
à saúde. Esta diferença de valores é certa- dade tem-se quatro resíduos do setor a venda deste resíduo, para a fabricação
mente explicada devido ao fato da pes- 06 – empacotamento, dois do setor 02 – de ração animal, o lucro anual seria de
quisa realizada por El-Fadel et al (2001), doca e almoxarifado de matéria-prima de R$ 13.642,00, sem gastos de bene-
não tratar de um tipo específico de in- embalagem, dois do setor 05 – processo ficiamento e transporte, considerando o
dústria, sendo um levantamento geral produtivo, um do setor 04 – sala de mes- valor estimado de R$ 0,20/kg de produ-
para diversos tipos de organizações e este cla e um do setor 08 - ETE. Observou- to. Este valor foi obtido pela média entre
trabalho ser específico para a indústria de se uma grande diferença entre os dez os valores fornecidos por duas indústrias
alimentos em questão. prioritários das análises de valor e riscos. de alimentos da Região Metropolitana de
Entre os dez prioritários para análi- Análise Global dos Resíduos: foram Curitiba.
se por riscos tem-se cinco resíduos do se- realizadas duas análises globais. Na pri- Água de recirculação – Deve-se veri-
tor 05 – processo produtivo, três resí- meira, foram atribuídos os seguintes pe- ficar com o fornecedor de batatas a possi-
duos do setor 08 – ETE, um resíduo do sos: três para análise por valor, nove para bilidade de enviar um produto mais lim-
setor 03 – antecâmara de batatas e um do risco e um para a análise por facilidade. po, com menos terra, assim se reduziria o
setor 06 – empacotamento. Assim como Os resultados obtidos não apresentaram número de vezes que a água de recircu-
na análise por valor, três dos quatro resí- interação e por esta razão realizou-se a se- lação seria trocada. Outra ação que pode
duos do setor 08 – ETE, apresentam-se gunda análise global. Assim, atribuiu-se ser aplicada é a reutilização da água em-
entre os dez mais prioritários, o que tam- os seguintes pesos: para a análise por va- pregada na limpeza das batatas já
bém acontece com o resíduo “lodo do lor peso dois, análise por riscos peso três e descascadas na canaleta de recirculação,
sedimentador” gerado no setor 03 – análise por facilidade peso um. Nesta se- esta água possui uma qualidade aceitável
antecâmara de batatas. gunda análise global verificou-se uma para ser utilizada na limpeza primária da
Resultados da Análise por Facilidade maior interação entre os resultados obti- matéria-prima.
de Minimização: dos 92 resíduos dos e a partir dela decidiu-se quais seriam Scrap cru – Assim como as batatas
48,91% apresentam F = -16,15, o que os resíduos prioritários. pequenas, este resíduo é doado. Consi-

Eng. sanit. ambient. 103 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Leite, B. Z. & Pawlowsky, U.
A TÉCNICA

Tabela 9 – Características dos resíduos a serem minimizados


Resíduo Setor de Quantidade Valor R is c o Facilidade de Destino
Geração K g/an o m in im iz a çã o a tu a l
OTA
N OT

Batatas pequenas 01 6 8 .2 1 0 - 3 9 .4 1 0 0 ,0 0 - 1 6 ,1 5 Doação


Água de recirculação 01 2 9 0 .5 8 0 - 1 .2 9 4 .5 3 4 0 ,3 3 - 1 6 ,1 5 ETE
5?H=F ?HK 05 1 1 4 .8 3 0 - 9 9 .5 1 9 0 ,0 0 - 0 ,5 3 Doação
Raspa sem aroma 05 2 4 3 .6 6 0 - 6 3 8 .4 1 3 0 ,6 7 - 2 2 ,8 3 Doação
Raspa com aroma 05 8 7 .2 9 8 - 4 5 8 .1 0 4 0 ,6 7 - 2 0 ,8 0 Doação
Raspa com aroma do 05 1 5 .5 6 6 - 9 0 .6 3 5 0 ,6 7 - 2 9 ,3 0 Doação
caraco l
Raspa com aroma setor 06 1 8 0 .5 6 8 - 1 .5 4 7 .1 0 7 0 ,0 0 - 3 2 ,3 0 Doação
d e e m b a la g e n s
Tubetes de BOPP 06 1 6 .7 8 0 - 2 4 7 .1 2 7 0 ,0 0 - 5 ,5 5 Reciclagem
Filme BOPP 06 5 7 .8 4 9 - 8 5 1 .9 6 8 0 ,6 7 - 1 0 ,7 7 Reciclagem
Caixas de Papelão 06 1 .8 6 0 .4 5 8 - 1 .3 6 4 .0 8 8 0 ,0 0 - 1 6 ,1 5 Reciclagem
L o d o p r im á r io 08 8 8 7 .6 0 0 - 1 4 .2 4 3 .2 1 8 3 ,5 0 - 7 ,1 0 Aterro
Sanitário
L o d o s e c u n d á r io 08 3 8 0 .4 0 0 - 6 .1 0 4 .2 3 6 3 ,5 0 - 1 0 ,7 7 Aterro
Sanitário
Peles e pedaços de 08 2 9 5 .8 6 7 - 4 .7 4 7 .7 3 9 2 ,5 0 - 1 0 ,7 7 Aterro
batatas, areia e gordura Sanitário

derando como valor de venda 0,20 R$/kg, importância do correto ajuste dos equi- ando trocas antecipadas, são maneiras de
o mesmo que o adotado para as bata- pamentos na minimização de resíduos. minimizar este resíduo.
tas pequenas, o lucro obtido seria de Raspa com aroma setor de embala- O filme de BOPP é de difícil
R$ 22.966,00 ao ano. gens – Para sua minimização deve-se reciclagem, o alumínio e a grande quanti-
Raspa sem aroma – A maximização contatar o fornecedor das embalagens, de dade de tinta presentes no filme formam
do período de produção através da forma que o filme da embalagem utiliza- gases no momento da extrusão para a
minimização das trocas de aromas duran- do esteja dentro de padrões de especi- reciclagem, impossibilitando a mesma.
te os turnos diminuiria a quantidade de ficação mais rígidos e a temperatura de Para que a extrusão possa ocorrer, a mes-
produto descartado. Outra maneira de selagem esteja ajustada a este filme. Pois, ma deve ser feita em duas etapas, existin-
reduzir a quantidade deste resíduo, seria caso o produto não seja bem selado, ocor- do entre elas um equipamento para re-
o uso de boas práticas de fabricação, ajus- re a geração do resíduo. Se ao invés de mover o gás formado. Na empresa em
tando tempos, temperatura e vazões dos doado o resíduo fosse vendido, por que é feita a reciclagem deste material na
equipamentos corretamente. Se as raspas R$ 0,20/kg, o lucro obtido seria de Região Metropolitana de Curitiba, o pro-
fossem vendidas por 0,20 R$/kg, o lucro R$ 36.133,60 ao ano. cesso é ainda adaptado e o BOPP reciclado
seria de 48.732,00 R$/ano. Tubetes de BOPP – Deve-se verificar pode ser utilizado apenas para a fabrica-
Raspa com aroma – As raspas com com o fornecedor a possibilidade de reuso ção de peças injetadas, como vasos de flo-
aroma referem-se às perdas obtidas junto do material ou a substituição por algum res. Porém a mesma está instalando um
às linhas de produção, caso estas fossem outro tipo de matéria-prima reutilizável. equipamento que possibilita a reciclagem
vendidas para a fabricação de ração ani- Caso este resíduo fosse vendido pelo valor do BOPP na forma de filme como era
mal, o lucro seria de 17.459,60 R$/ano, de R$ 70,00 por tonelada, que é um valor originalmente, comprovando que a mes-
utilizando como referência o valor de co- médio para este tipo de material, o lucro ma é uma técnica vantajosa para os
tação das batatas pequenas. Também nes- obtido seria de R$ 1.174,60 no ano. recicladores. O lucro obtido com a ven-
te caso, as boas práticas de fabricação, com Filme BOPP –Verificar a especi- da deste filme seria de R$ 5.784,90 de
o correto ajuste dos equipamentos e a ficação do material no momento do rece- acordo com esta empresa
maximização do período de produção bimento e trabalhar a causa com os for- Caixas de Papelão – Deve-se trabalhar a
pode reduzir a geração deste resíduo. necedores, buscando obter uma matéria- causa com os fornecedores, uma vez que as cai-
Raspa com aroma do caracol –Este prima de especificação mais rígida e cons- xas de papelão utilizadas pela empresa deveri-
resíduo foi minimizado com o ajuste da tante, conscientizar os funcionários de am durar oito viagens de transporte dos produ-
portinhola do equipamento. Reduzin- evitar desperdícios, mantendo a tempe- tos e estão durando apenas duas. A venda do
do, então, o desperdício de 15 ton de ratura de selagem correta durante o pro- resíduojáéfeitacomacotaçãodetrêsrecicladores
produto acabado e economizando-se cesso e realizar a troca do filme quando diferentes para a escolha daquele que apresente
R$ 3.113,20 ao ano. Isto comprova a este estiver realmente no final, não efetu- a melhor proposta de compra.

Eng. sanit. ambient. 104 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105


Minimização de resíduos na indústria de alimentos

A TÉCNICA
Lodo primário – A redução na fonte CONCLUSÕES À fundação Coordenação de Aper-
de geração deste resíduo depende da se- feiçoamento de Pessoal de Nível Supe-
paração das águas de processo, ricas em O processo de produção de alimen- rior – CAPES, pela concessão da bolsa de
amido. Para tanto deve ser feito um pro- tos pode ser otimizado com o uso das téc- estudos.

OTA
N OT
jeto que evite que estas águas sejam nicas de minimização de resíduos. Estas,
direcionadas à ETE e sim direcionadas à além de propiciarem uma redução de gas- REFERÊNCIAS
uma centrífuga. Esta separaria a água do tos com matérias-primas, tratamento e
amido, á água poderia ser reutilizada den- disposição de resíduos, ainda vão ao en- CERCAL, S.R. Proposição de modelo matemáti-
tro da empresa e o amido seria seco e des- co de seleção de prioridades de minimização de
contro das novas tendências de produ- resíduos industriais. Dissertação (Mestrado em
tinado à venda. A empresa não demons- ção, que têm o respeito ao meio ambiente Tecnologia de Alimentos) – Setor de Tecnologia
trou interesse em desenvolver o projeto como um dos fatores de maior importân- Química, Universidade Federal do Paraná,
de implantação de uma centrífuga neste cia para a mesma. Curitiba. 78f. 2000.
momento, pois o mesmo envolveria uma Durante a etapa de levantamento e CRITTENDEN, B.; KOLACZKOWSKI, S.
mudança no lay out das linhas de produ- caracterização dos resíduos, obteve-se um Waste minimization: a practical guide. Rugby:
ção de batata chips e batata palha. Além conhecimento do processo industrial e dos Ichem E, 81 p. 1995.
disso, seria necessária a construção de uma fatores que levavam à geração dos mes- EL-FADEL, M. et al. Industrial waste
área para instalação da centrífuga e recu- mos. O modelo matemático proposto por management im developing countries: the case of
peração do amido. Lebanon. Journal of Environmental Management,
Cercal (2000), inicialmente utilizado USA, v. 61, n. 4, p. 281-300, abril 2001.
Uma outra alternativa é a utilização apenas com a finalidade de priorizar os
do lodo primário na indústria de adubos resíduos, apresentou-se uma excelente HENNINGSSON, S.; SMITH, A.; HYDE,
K. Minimizing material flows and utility use to
para o fornecimento de matéria orgânica ferramenta para o levantamento e carac- increase profitability in the food and drink
à adubos organominerais. O lodo é adi- terização destes. industry. Trends in food science & technology,
cionado de cal virgem para evitar o de- Dos setores industriais, o setor 05 – USA, v.12, n. 2, p. 75-82, fevereiro 2001.
senvolvimento de microorganismos e a processo produtivo, é o mais complexo e MATOS, S.V.; SCHALCH, V. Alternativas de
geração de odores. Depois é misturado à com maior quantidade de resíduos, além minimização de resíduos da indústria de fundição. In:
massa de produtos químicos antes da disso, é o principal gerador de efluentes 27° CONGRESSO INTERAMERICANO DE
compactação para a formação de peletes. líquidos e consequentemente lodo primá- INGENIERIA SANITARIA Y AMBIENTAL,
2000, Porto Alegre. Relação de Trabalhos. Porto
O lodo primário conferiu aos peletes rio e secundário. Em seguida tem-se o Alegre: ABES, CD-ROM. p. 1742-1753. 2000.1.
de adubo uma melhora na resistência setor 06 – empacotamento, devido à di-
MILES, M.P.; MUNILLA, L.S.; MCCLURG,
mecânica em vista disso foi negociado com versidade de materiais utilizados e a sua T. The impact of ISO 14000 environmental
a empresa receptora de incorporar tam- importância na fabricação do produto. managment standards on small and medium sized
bém o lodo secundário. Foram feitos tes- Mesmo com 44,57% dos resíduos enterprises. Journal of Quality Managment,
tes de compactação de adubo com os dois sendo vendidos e 27,17% doados, sem USA, v. 4, n. 1, p. 111-122, 1999.
tipos de lodos e observou-se que o lodo gastos com transporte e beneficiamento MOTA, S. Urbanização do meio ambiente. Rio
secundário além de aumentar o teor de dos mesmos, tem-se apenas valores nega- de Janeiro: ABES, 352p. 1999.
matéria orgânica do adubo, não interfe- tivos na análise por valor econômico, o PAWLOWSKY, U. Tecnologia Limpa. Apostila
riu nas qualidades proporcionadas pela que significa que nenhum resíduo dá lu- do Curso de Tecnologia Limpa, Curitiba,
inclusão do lodo primário. cro efetivo para a empresa. Com relação PPGTA - UFPR, 2002.
Lodo secundário – Para sua redução aos riscos à saúde e ao meio ambiente, os PRADO FILHO, H.R. do. Os negócios da água
na fonte geradora seria necessário a redu- resíduos encontrados apresentaram risco e do lixo. Banas Qualidade – gestão, processos e
ção da carga orgânica a ser tratada na zero, em 69,56% dos casos. Do total de meio ambiente, São Paulo, ano XI, nº 123,
p. 75-78, agosto 2002.
ETE, pois a quantidade de lodo é função resíduos, 48,91% seriam minimizados
direta desta carga aplicada. Para tanto, o com treinamento de funcionários e con- TIBOR, T.; FELDMAN, I. ISO 14 000: um
amido teria que ter separação ainda mais guia para as novas normas de gestão ambiental.
trole na especificação das matérias-primas. São Paulo: Futura, 302p. 1996.
eficaz e a perda de óleo nos fritadores de- Caso as alternativas de minimização
veria ser minimizada. Outra forma de fossem adotadas o lucro obtido seria de ZBONTAR, L.; GLAVIC, P. Total site:
wastewater minimization wastewater reuse and
diminuir a formação de lodo é a diminui- R$ 148.986,00 ao ano, incluindo aqui a regeneration reuse. Resources, Conservation and
ção da relação alimento/biomassa aplica- venda das batatas pequenas, scrap cru e Recycling, USA, v. 30, n. 4, p. 261-275,
da nos tanques de aeração da ETE. todas as raspas por R$ 0,20/kg, venda dos november 2000.
Peles e pedaços de batatas, areia e gor- tubetes de BOPP por 0,07 R$/kg e venda
dura – A conscientização dos funcionári- do filme de BOPP por 0,10 R$/kg. A
os com relação aos cuidados que devem Endereço para correspondência:
empresa pode continuar a colaborar com a
ser tomados na remoção máxima da gor- comunidade doando o dinheiro arrecada- Bárbara Zanicotti Leite
dura dos tanques auxiliaria na redução do com a venda dos resíduos ou transfor- Assessoria de Desenvolvimento e
deste resíduo, bem como no melhor fun- mando-o em benefícios para esta. Pesquisa da SANEPAR –
cionamento da ETE, por ser a gordura Companhia de Saneamento do
um agente que dificulta a decantação dos AGRADECIMENTOS Paraná
flocos no tratamento por lodos ativados. Rua Professor José Nogueira dos
Entretanto este resíduo não pode ser À empresa Pepsico do Brasil Ltda, aos Santos, n° 591 – Hauer
reutilizado por apresentar uma composi- seus funcionários e em especial à Ivone Yung 81630 -120 - Curitiba - PR - Brasil
ção bastante diversificada e já em início Alves, pelas informações, recursos e enorme Tel.: (41) 276-6747
do processo de degradação. colaboração, o que viabilizou este trabalho. E-mail: barbarazl@sanepar.com.br

Eng. sanit. ambient. 105 Vol.10 - Nº 2 - abr-jun, 96-105

Похожие интересы