You are on page 1of 2

O Suicídio

O positivismo de Comte propunha a ideia de uma ruptura entre o antigo e a


modernidade. A partir dessa cisão a história entraria nesse novo período de progresso
enquanto o que aconteceu anteriormente ficaria no passado, a dicotomia entre o atual
e o passado. A sociedade estaria em um processo de evolução onde a ordem se
estabeleceria para o alcance do progresso. A sociedade poderia ser estudada pelo
mesmo método que as outras ciências naturais eram estudadas, pelo método científico,
como um objeto de estudo.

Para Durkheim, a sociedade gerava os chamados fatos sociais. O fato social é tudo
aquilo que sendo externalizado pelo Homem seria passível de constrangimento social.
Os fatos sociais só poderiam ser gerados e posteriormente explicados partindo da
sociedade. Logo, um fato social como o suicídio só poderia ser gerado pela sociedade
e explicado através dos fatos sociais e não através de investigações no âmbito físico
ou natural das coisas.

Como propõe Durkheim em seu método, a investigação do suicídio na sociedade deve


partir de uma definição objetiva:

“Todo caso de morte que resulte direta ou indiretamente de um ato positivo ou


negativo praticado pela própria vítima, sabedora de que devia produzir esse resultado"
DURKHEIM. O Suicídio, p. 16.

Através do seu método Durkheim propõe a análise do suicídio como um fato social,
dessa forma, não é tratado de forma individual estudando cada caso separadamente,
deve ser estudado a partir da sociedade como um todo. A análise acontece com
levantamento estatísticos de diversos casos de suicídios em diversas sociedades
através de um determinado período de tempo. A partir dos números o autor conclui que
o suicídio acontece através de ondas dentro das sociedades, em taxas constantes em
longos períodos podendo variar de acordo com cada sociedade.

Cada grupo social tem uma tendência coletiva ao suicídio o que influenciaria
individualmente seus integrantes. Portanto, cada caso de suicídio é um reflexo do
"estado moral" daquela sociedade e as causas seriam exteriores aos indivíduos. As
instituições as quais um integrante da sociedade participa podem atuar como
moderadoras para a tomada do suicídio . O núcleo familiar, o núcleo religioso e a
sociedade política atuam sobre o indivíduo.
Na sociedade as correntes de egoísmo, de altruísmo ou de anomia compensam-se
para a manutenção da estabilidade dos indivíduos, qualquer desequilíbrio proveniente
de cada uma dessas correntes pode expor a sociedade a formas definidas de suicídio.

A forma egoísta de suicídio provém da desintegração social, da depressão e da


melancolia, mais comuns nos povos modernos. Nesse caso o ego do indivíduo se
sobrepõe ao ego social, ocorre o excesso de individualização. As relações entre os
indivíduos e a sociedade afastam-se fazendo com que o indivíduo não tenha mais
razão para viver.

Quando o indivíduo no limiar da vida sente-se no dever de sair de uma vida


insuportável, em casos de atos heróicos ou ideológicos ou então nos casos de “pagar
com a honra”; ocorre o suicídio altruísta. O ego é externo ao indivíduo, o motivo provém
da importância para com situações externas ou outras pessoas. Temos como exemplo
os kamikazes japoneses, os muçulmanos que colidiram com o World Trade Center e o
Harakiri da cultura samurai.

O modo anômico de suicídio ocorre quando o indivíduo tem uma postura ausente em
relação à sociedade, desconsidera o controle social que rege determinada sociedade,
ou seja, quando há ausência de regras na sociedade, gerando o caos, fazendo com
que a estabilidade social não se mantenha. Ocorre em períodos de crise econômica,
como na Grande Depressão de 1930. Os casos são maiores onde a sociedade é mais
rica.

REFERÊNCIAS

Um Toque de Clássicos - Quintaneiro, T. Ligia de Oliveira, M. Gardênia Monteiro de


Oliveira, M. 2ª EDIÇÃO. Editora UFMG, Belo Horizonte, 2003.
O suicídio - DURKHEIM, E.
Três fórmulas para compreender “O suicídio” de Durkheim - Rodrigues Teixeira, R.
Interface - Comunic, Saúde, Educ, v6, n11, p.143-52, ago 2002
CABRAL, João Francisco Pereira."Sobre o suicídio na sociologia de Èmile
Durkheim";http://brasilescola.uol.com.br/filosofia/sobre-suicidio-na-sociologia-Emile-
durkheim.htm. Acesso em 2 de março de 2017.