Вы находитесь на странице: 1из 92

HOLOCAUSTO

Informação para estudantes


Uma introdução às áreas temáticas é essencial para um sentido da amplitude da história do
Holocausto. Os tópicos a seguir também fornecem um contexto para os eventos do Holo-
causto: o antissemitismo, a vida judaica na Europa antes do Holocausto, as consequências da
Primeira Guerra Mundial e a ascensão nazi ao poder.
1942–1945

Álbum documentando a liberta-


ção do campo de Ohrdruf, um
subcampo de Buchenwald (rotu-
lado erroneamente como Da-
chau). Ohrdruf, Alemanha, 1 de
abril de 1945. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia
de Raymond Malenfant

Num período marcado por intensos combates nas frentes oriental e ocidental da Segunda
Guerra Mundial, a Alemanha nazi também intensificou a sua busca pela “Solução Final”. Esses
anos viram deportações sistemáticas de milhões de judeus para centros de assassinato cada
vez mais eficientes usando gás venenoso. No final da guerra, na primavera de 1945, quando
os alemães e seus parceiros do Eixo foram afastados em ambas as frentes, as tropas aliadas
descobriram a extensão total dos crimes cometidos durante o Holocausto.

Deportações de Lodz para Chelmno

Os judeus do gueto de Lodz são forçados a


transferir-se para uma ferrovia de bitola es-
treita em Kolo durante a deportação para o
centro de extermínio de Chelmno. Kolo, Poló-
nia, 1942. - Museu Memorial do Holocausto

16 de janeiro de 1942
Autoridades alemãs iniciam a deportação de judeus e ciganos do gueto de Lodz para Chelmno.

Página 1 de 92
Entre janeiro de 1942 e março de 1943, o Destacamento Especial da SS Lange mata pelo me-
nos 145.000 judeus e alguns milhares de ciganos em Chelmno. As autoridades alemãs vão
deportar aproximadamente metade das vítimas do gueto em Lodz. Os judeus de Lodz forma-
ram a segunda maior comunidade judaica na Polónia antes da guerra, depois de Varsóvia.

Deportação de judeus do gueto de


Lodz para o centro de extermínio de
Chelmno. - Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia de Robert
Abrams

TÓPICOS RELACIONADOS

• Holocaust Encyclopedia article—1942 : Key Dates


• Holocaust Encyclopedia article—Lodz
• Holocaust Encyclopedia article—Chelmno
• Holocaust Encyclopedia animated map—Lodz Ghetto
• New video overview of the Holocaust—The Path to Nazi Genocide

Conferência de Wannsee

Vista da villa Wannsee. Em 20 de janeiro de 1942, a


vila foi o local da Conferência de Wannsee, na qual
foi anunciada a decisão de prosseguir com a "Solução
Final para a Questão Judaica". - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Gedenkstaette
Haus der Wannsee-Konferenz

20 de janeiro de 1942
Reinhard Heydrich, chefe do Escritório Central de Segurança do Reich (RSHA), convoca a Con-
ferência de Wannsee numa cidade nos arredores de Berlim. Nesta conferência, ele apresenta
planos para coordenar uma "Solução Final da Questão Judaica" em toda a Europa para funci-
onários-chave do Estado Alemão e do Partido Nazi.

Página 2 de 92
A "Solução Final" foi o nome de código da aniquilação sistemática, deliberada e física dos
judeus europeus. Em algum momento ainda indeterminado em 1941, Hitler autorizou esse
esquema à escala europeia para assassinatos em massa. Heydrich convocou a Conferência de
Wannsee para:
• informar e assegurar o apoio de ministérios do governo e
outras agências interessadas relevantes para a implemen-
tação da “Solução Final”, e
• Divulgar aos participantes que o próprio Hitler encarre-
gou Heydrich e a RSHA de coordenar a operação.

Os participantes não deliberaram se tal plano deveria ser


realizado, mas, em vez disso, discutiram a implementação
de uma decisão política que já havia sido tomada no mais
alto nível do regime nazi.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—Wannsee Conference and the "Final Solution"


• Holocaust Encyclopedia article—Reinhard Heydrich

Estabelecido o campo Auschwitz-Birkenau


Quartel
Quartelnono
campo
campo
dede
Auschwitz-Birkenau.
Auschwitz-Birkenau.
Esta
Esta
fotografia
fotografia
foifoi
tirada
tirada
após
após
a libertação
a libertação
dodocampo.
acampamento.
Auschwitz-Birkenau,
Auschwitz-Birkenau,
Polónia,
após
Polónia,
29 deapós
janeiro
29 de
dejaneiro
1945. -de
Museu
1945.Me-
- Mu-
morial
seu Memorial
do Holocausto
do Holocausto
dos EUA, dos
cortesia
EUA,da
cor-
Administração
tesia da Administração
Nacional de
Nacional
Arquivos
deeArqui-
Re-
vos eCollege
gistos, Registros,
ParkCollege Park

1 de março de 1942

Página 3 de 92
A Inspeção dos Campos de Concentração abre um segundo campo em Auschwitz, chamado
Auschwitz-Birkenau ou Auschwitz II.

Os primeiros prisioneiros foram 945 prisioneiros de guerra soviéticos e alguns prisioneiros po-
lacos de Auschwitz I. Auschwitz-Birkenau foi originalmente designado por aprisionar um
grande número de prisioneiros de guerra soviéticos. Embora continuasse a servir como campo
de concentração, também funcionou como um centro de extermínio de março de 1942 a no-
vembro de 1944.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Nazi Persecution of Soviet Prisoners of War
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia—Killing Centers

Cara Odette
21 de março de 1942

Charlotte Delbo, membro da Resis-


tência Francesa, escreve uma carta
para sua irmã, Odette.

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/chere-ode-
tte

Charlotte Delbo (10 de agosto de 1913 - 1 de março de 1985) e seu marido Georges Dudach
foram presos em março de 1942 pelo seu envolvimento na Resistência Francesa. Georges foi
executado na prisão em maio daquele ano. Charlotte passou quase 11 meses numa série de
acampamentos franceses. Em 24 de janeiro de 1943, Charlotte foi uma das 230 mulheres

Página 4 de 92
francesas, membros da resistência, que foram deportadas da França para Auschwitz. Depois
de um ano em Auschwitz, Charlotte foi enviada para Ravensbrück. No final da guerra, ela era
uma das 49 mulheres do 24º transporte que haviam sobrevivido. Ela não se casou novamente.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942 : Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—France

• Holocaust Encyclopedia article—Resistance

• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz

• Holocaust Encyclopedia article—Ravensbrück

Assassinato de Reinhard Heydrich

Reinhard Heydrich, chefe do SD (Serviço de Segu-


rança) e governador nazi da Boémia e Morávia.
Lugar incerto, 1942. - Arquivos Nacionais e Admi-
nistração de Registos, College Park, Md.

27 de maio de 1942
Agentes checos que tinham treinado na Grã-Bretanha saltaram de paraquedas em território
checo ocupado pela Alemanha para assassinar o general da SS Reinhard Heydrich em Praga.
Heydrich era o chefe do Escritório Central de Segurança do Reich (RSHA) em Berlim - a SS e a
agência policial mais diretamente preocupada com a implementação do Holocausto durante
a Segunda Guerra Mundial. Enquanto ainda chefe da RSHA, Heydrich também serviu como
Protetor do Reich em exercício da Boémia e da Morávia ocupadas pelos alemães. Agentes
checos que tinham treinado na Grã-Bretanha saltaram para o território checo ocupado pelos

Página 5 de 92
alemães para assassinar Heydrich. Enquanto Heydrich viajava numa rota familiar até o aero-
porto para voar até à sede de Hitler para uma reunião, dois agentes checos conseguiram en-
rolar uma granada de mão debaixo do carro. Embora não tenha sido mortalmente ferida pela
explosão, a granada na perna de Heydrich e na parte inferior das costas levou a uma infeção
que o matou cerca de uma semana depois. Em retaliação ao ataque, os alemães desencadea-
ram uma onda de terror contra os checos. Por exemplo, destruíram a aldeia checa de Ledice,
atirando em todos os homens da aldeia e deportando a maioria das mulheres e crianças para
campos na Alemanha.

Destruição de Ledice, Checoslováquia,


Verão de 1942. Estas imagens mos-
tram casas destruídas e oficiais ale-
mães a inspecionar os restos da al-
deia. —Narodni Filmovy Archiv

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/germans-
destroy-lidice

9 de junho de 1942
As forças alemãs destroem a aldeia checa de Ledice.
Adolf Hitler ordenou pessoalmente a destruição de Ledice em retaliação pelo assassinato de
Reinhard Heydrich em Praga. Em maio de 1942, agentes checos tinham assassinado Heydrich,
o oficial nazi de mais alto escalão do Protetorado da Boémia e da Morávia. Após o ataque, os
alemães desencadearam uma onda de terror contra os checos. A aldeia de Ledice foi incendi-
ada e os restos dos edifícios destruídos. Unidades alemãs atiraram em todos os homens da
aldeia com mais de 16 anos e deportaram a maioria das mulheres e crianças para campos na
Alemanha. A destruição de Ledice tornou-se um símbolo da barbaridade das políticas de ocu-
pação alemãs e um grito de guerra para os opositores do regime nazi.
A vila foi reconstruída após a derrota da Alemanha nazi.

Página 6 de 92
Maria Dolezalova, de quinze anos, é jurada como
testemunha de acusação no Julgamento RuSHA.
Dolezalova estava entre as crianças sequestradas
pelas forças alemãs depois de destruírem a cidade
de Ledice, Checoslováquia. Nuremberg, 30 de ou-
tubro de 1947. - Museu Memorial do Holocausto
nos EUA

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942 : Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Lidice
• Holocaust Encyclopedia article—Reinhard Heydrich
• Holocaust Encyclopedia article—Non-Jewish Resistance : Overview

As Forças Alemãs lançam ofensiva

28 de junho de 1942
As forças alemãs atacam a União Soviética no Sul em direção à cidade de Estalinegrado, no rio
Volga e no Cáucaso.
Após um avanço bem-sucedido no verão de 1942, as forças alemãs chegaram a Estalinegrado
no final de 1942. A batalha provou ser um ponto de viragem na guerra. As forças soviéticas
interromperam o avanço alemão em Estalinegrado e lançaram uma contraofensiva contra os
alemães em meados de novembro de 1942. Rapidamente, eles cercaram um exército alemão

Página 7 de 92
inteiro, mais de 220.000 soldados. Depois de meses de combates ferozes e baixas pesadas, as
forças alemãs sobreviventes - apenas cerca de 91.000 soldados – renderam-se. Em resposta a
essa derrota, o estado nazi exigiu devoção fanática dos alemães e o tratamento mais implacá-
vel para os inimigos da nação. No entanto, as forças alemãs começaram o longo retiro para o
oeste, que terminaria com a rendição da Alemanha nazi em maio de 1945, cerca de três anos
depois.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—The Soviet Union and the Eastern Front

• Holocaust Encyclopedia article—Invasion of the Soviet Union

• Holocaust Encyclopedia article—Nazi Persecution of Soviet Prisoners of War

Deportação de judeus holandeses

Vista da estação de trem em Westerbork. Westerbork


era um campo de passagem para judeus que estavam
a ser deportados da Holanda durante a Segunda Guerra
Mundial. 1942 - abril de 1944. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Trudi Gidan

15 de julho de 1942
As autoridades alemãs iniciam a deportação de judeus holandeses dos campos de Wester-
bork, Amersfoort e Vught, na Holanda, para centros de extermínio e campos de concentração
na Alemanha e na Polónia ocupada pelos alemães. A 3 de setembro de 1944, cerca de 100

Página 8 de 92
comboios transportaram mais de 100.000 pessoas para Auschwitz, Sobibor, Theresienstadt e
Bergen-Belsen, incluindo cerca de 60.000 judeus para Auschwitz e cerca de 34.000 judeus para
Sobibor.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—The Netherlands
• Holocaust Encyclopedia article—Deportations to Killing Centers
• Holocaust Encyclopedia article—German Railways and the Holocaust

Operações de gaseificação começam em Treblinka

Abraham Bomba descreve as opera-


ções de uso de gás em Treblinka [entre-
vista de 1990]. - Museu Memorial do
Holocausto nos EUA

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/gassing-
operations-begin-at-treblinka

As pessoas entravam pelo portão. Agora sabemos o que era o portão, era o caminho para a câmara
de gás e nunca mais os vimos. Essa foi a primeira vez em que entrámos. Depois disso, nós, as pessoas,
18 ou 16 pessoas ... mais pessoas vieram do ... trabalhadores, eles já trabalhavam antes, na câmara
de gás, nós tínhamos a função de o lugar. Limpe o lugar - não é algo que você pode pegar e limpar.
Foi horrível. Mas em cinco, dez minutos, este lugar tinha que parecer impecável. E parecia impecável.
Como nunca há ninguém no lugar, quando chega o transporte, eles não devem ver o que está a
acontecer. Nós estávamos a limpar no exterior. Diga-lhe o que significa limpar: tirar todas as roupas,
os lugares onde as roupas estavam. Agora, não apenas as roupas, todos os papéis, todo o dinheiro,
todo o ... o que quer que alguém tivesse com ele. E eles tinham muitas coisas com eles. Panelas e
frigideiras que tinham com eles. Outras coisas que tinham com eles. Nós limpamos isso.

23 de julho de 1942

Página 9 de 92
O Destacamento Especial da SS Treblinka inicia operações de uso de gás no centro de exter-
mínio de Treblinka. Entre julho de 1942 e novembro de 1943, o destacamento especial da SS
em Treblinka assassinou cerca de 925.000 judeus e um número desconhecido de polacas, ci-
ganos e prisioneiros de guerra soviéticos em Treblinka 2.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Treblinka
• Holocaust Encyclopedia article—Killing Centers : An Overview
• Music—There Lies Treblinka

Empresário judeu húngaro começa a emitir documentos para refugiados ju-


deus
Em agosto de 1942, George Mandel
começou a emitir milhares de docu-
mentos de cidadania salvadorenha
para refugiados judeus na Europa
ocupada pelos nazis. Muitos certifi-
cados foram enviados a judeus que
assumiram papéis ativos em opera-
ções de resgate e resistência na Eu-
ropa ocupada. Este certificado foi
enviado para Julien e Vivette Sa-
muel, líderes da Sociedade de Auxí-
lio Infantil (Oeuvre de Secours Aux
Enfants; OSE) na França. - US Holo-
caust Memorial Museum

25 de agosto de 1942
George Mandel começa a emitir milhares de documentos de cidadania salvadorenha para re-
fugiados judeus na Europa ocupada pelos nazis.
George Mandel (1903-1992), nascido Gyorgy Mandl, era um homem de negócios judeu hún-
garo que fez amizade com um diplomata salvadorenho, o coronel José Arturo Castellanos, nos
anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial. Depois que Castellanos foi nomeado Côn-
sul Geral de El Salvador em Genebra, ele nomeou Mandel, que tinha assumido uma versão em

Página 10 de 92
espanhol do seu sobrenome, "Mantello", para servir como primeiro secretário do Consulado.
Mesmo na Europa ocupada pelos nazis, os judeus que eram cidadãos ou possuíam documen-
tos oficiais de outros países eram frequentemente capazes de escapar da deportação. Com o
consentimento de Castellanos, George Mandel-Mantello usou a sua posição diplomática para
emitir documentos identificando milhares de judeus europeus como cidadãos de El Salvador.
Ele enviou cópias autenticadas desses certificados à Europa ocupada, na esperança de salvar
os detentores dos nazis.

Retrato de George Mandel-


Mantello. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de
Eric Saul

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Collections Highlight—A Forgotten Suitcase: The Mantello Rescue Mission
• Browse all the certificates in the Museum's Photo Archives

Página 11 de 92
Pena de morte por ajudar os judeus

Folheto em alemão e po-


laco emitido pelo líder da
SS e da Polícia no distrito de
Varsóvia anunciando a
pena de morte para aque-
les que ajudam os judeus
que deixaram o gueto sem
autorização. - Museu Me-
morial do Holocausto nos
EUA

5 de setembro de 1942
Judeus escondidos e os seus protetores arriscavam severa punição se fossem capturados. Em
grande parte da Europa Oriental ocupada pelos alemães, tais atividades foram consideradas
ofensas capitais. Este cartaz alemão de setembro de 1942, emitido durante as deportações
em massa para o centro de extermínio de Treblinka, ameaça de morte qualquer um que ajude
os judeus que fugiram do gueto de Varsóvia.

TRADUÇÃO
Anúncio
Pena de morte por ajuda aos judeus que deixaram as áreas residenciais judaicas sem permis-
são.
Recentemente, muitos judeus deixaram as suas áreas residenciais judaicas designadas. Por
enquanto, eles estão no distrito de Varsóvia. Lembro-lhe que, de acordo com o Terceiro De-
creto do Governador Geral relativo às restrições residenciais no Governo Geral de 15/10/1941
(VBL; abreviatura de Verordnungsblatt Generalgouvernement, p. 595), não só os judeus que

Página 12 de 92
deixaram a sua área residencial designada serão punidos com a morte, mas a mesma pena se
aplica a qualquer um que conscientemente forneça refúgio (um esconderijo) a tais judeus. Isso
inclui não apenas o fornecimento de alojamento e alimentação de uma noite, mas também
qualquer outra ajuda, como transportá-los em veículos de qualquer tipo, através da compra
de objetos de valor judaicos, etc.
Peço à população do Destróvio de Varsóvia que denuncie imediatamente qualquer judeu que
more fora de uma área residencial judaica até ao posto de polícia mais próximo ou posto de
guarda civil.
Quem forneceu ou atualmente presta ajuda a um judeu não será processado se for denunci-
ado ao posto de polícia mais próximo até as 16h do dia 9/9/42.
Da mesma forma, aqueles que entregam objetos de valor adquiridos de um judeu na Rua Niska
20 ou no posto policial mais próximo até as 16h do dia 9/9/42 não serão processados.
O líder da SS e da polícia no distrito de Varsóvia
Varsóvia, 5 de setembro de 1942

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Treblinka
• Holocaust Encyclopedia article—Deportations to Killing Centers
• Holocaust Encyclopedia article—Rescue
• Online Exhibition—Life in Shadows: Hidden Children and the Holocaust

Reuniões de judeus noruegueses


Vista do SS Donau, um dos
navios usados para deportar
judeus da Noruega para a
Alemanha. - Museu Memo-
rial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Oskar Mendel-
sohn

Página 13 de 92
26 de outubro de 1942
Com a ajuda de funcionários noruegueses colaboracionistas, os alemães começam a reunir
judeus na Noruega. Os alemães acabaram por deportar aproximadamente 770 judeus norue-
gueses para centros de extermínio e campos de concentração.

Vista do SS Monte Rosa, um dos navios usados para


deportar judeus da Noruega para a Alemanha. -
Museu Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia
de Oskar Mendelsohn

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Norway
• Holocaust Encyclopedia article—Collaboration
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Europe

Declaração de Assunto das Nações Aliadas sobre o Assassinato em Massa


17 de dezembro de 1942
As nações aliadas, incluindo os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos, emitem uma
declaração afirmando explicitamente que as autoridades alemãs estavam a cometer assassi-
natos em massa dos judeus europeus, e que os responsáveis por essa “política bestial de ex-
termínio a sangue frio” "não escaparia da retribuição".

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1942: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—The United States and the Holocaust
• Transcript of British prime minister Anthony Eden's reading of the statement (external
link)

Página 14 de 92
Carta de pedido de ajuda para esconder a filha
Uma carta de Selek e Eda Kuens-
tler para Sophia Zendler prome-
tendo terras em troca de escon-
der a sua filha. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia
de Anita Kuenstler Epstein

1 de fevereiro de 1943
Uma carta de Selek e Eda Kuenstler para Sophia Zendler pedindo a Zendler que salve a criança
da "aniquilação".
Salek e Eda Kuenstler casaram-se em Cracóvia a 30 de agosto de 1939. Anita nasceu a 18 de
novembro de 1942, no gueto de Cracóvia. Quando ela tinha três meses de idade, os seus pais
tiraram-na do gueto, persuadindo os Zendlers, uma família católica, a escondê-la. O pai de
Anita prometeu pagar à sra. Zendler 30 mil zlotis para cuidar da criança. Os Zendlers, que
tiveram três filhos, batizaram Anita e criaram-na como católica. Salek foi morto no campo de
Mauthausen. Eda sobreviveu a dois campos de trabalho e encarceramento em Auschwitz e
Bergen-Belsen, onde foi libertada em abril de 1945. Após o tratamento hospitalar para o tifo,
regressou a Cracóvia e encontrou Anita. Eda e Anita foram com outros judeus para um campo
de transferidos em Selb, Alemanha, perto da fronteira da Checoslováquia. Eles viveram em
Selb até 1949 e depois vieram para os Estados Unidos num navio de tropas, o USS Taylor.
A carta foi escrita apenas algumas semanas antes da liquidação do gueto de Cracóvia.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Krakow
• Online Exhibition—Some Were Neighbors: Collaboration & Complicity during the Holo-
caust

Página 15 de 92
Derrota Alemã em Estalinegrado
Unidades de assalto do 62º
exército soviético combatem
os alemães em Estalinegrado. -
Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia da Ad-
ministração Nacional de Arqui-
vos e Registros, College Park

2 de fevereiro de 1943
Depois de meses de ferozes combates e pesadas baixas, as forças alemãs (agora com apenas
91.000 soldados sobreviventes) renderam-se em Estalinegrado, no Volga.
As forças soviéticas lançaram uma contraofensiva contra os alemães em Estalinegrado, em
meados de novembro de 1942. Eles cercaram rapidamente um exército alemão inteiro, com
mais de 220.000 soldados. Em fevereiro de 1943, após meses de lutas ferozes e pesadas bai-
xas, as forças alemãs sobreviventes - apenas cerca de 91.000 soldados - renderam-se. Após a
vitória em Estalinegrado, o exército soviético permaneceu na ofensiva, libertando a maior
parte da Ucrânia e virtualmente toda a Rússia e a Bielorrússia Oriental durante 1943. A batalha
pela cidade de Estalinegrado provou ser um ponto decisivo de viragem psicológica, pondo fim
a uma série de vitórias alemãs no verão de 1942 e início do longo retiro para o oeste. A Ale-
manha mostrou-se incapaz de derrotar a União Soviética, que juntamente com a Grã-Breta-
nha e os Estados Unidos, apossou-se da Alemanha. A Alemanha se envolveu numa longa
guerra, sendo derrotada em maio de 1945.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Eastern Europe

• See related historical film footage—German surrender at Stalingrad

• See related historical film footage—Field Marshal von Paulus (Commander of German

forces at Stalingrad) testifies at Nuremberg Trial

Página 16 de 92
Liquidação do gueto de Cracóvia
Uma coluna de judeus forçados a mar-
char pelas ruas de Cracóvia durante a
liquidação final do gueto. Cracóvia,
Polónia, 1943. —Instytut Pamieci
Narodowej; Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, gentilmente cedido
por Gumkowski Jerzy Tomaszewski

13 de março de 1943
De 13 a 16 de março de 1943, as SS e as autoridades policiais liquidam o gueto de Cracóvia.
Durante a operação, as SS matam aproximadamente 2.000 judeus no gueto e transferem ou-
tros 2.000 judeus, os membros e famílias do conselho judaico, e a força policial do gueto de
Cracóvia para Plaszóvia. A SS e a polícia transportam aproximadamente 3.000 judeus de Cra-
cóvia para Auschwitz-Birkenau, onde as autoridades do campo selecionam 499 homens e 50
mulheres para trabalhos forçados. O resto, aproximadamente 2.450 pessoas, é assassinado
nas câmaras de gás.

Uma rua importante em Cracóvia, repleta de far-


dos de judeus deportados, depois da liquidação
do gueto. Cracóvia, Polónia, 1943. —Instytut
Pamieci Narodowej; Arquivos de fotos do Yad
Vashem

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Krakow
• Oral History—Leopold Page

Página 17 de 92
Abril-maio de 1943, Revolta do Gueto de Varsóvia

Benjamin Meed descreve a queima do


gueto de Varsóvia durante a revolta do
gueto de 1943 [Entrevista: 1990] - Mu-
seu Memorial do Holocausto dos EUA –
Coleções

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/warsaw-ghe-
tto-uprising

Todo o céu de Varsóvia estava vermelho. Completamente vermelho. Mas as chamas estavam
tão concentradas em todo o gueto que iluminavam toda a cidade. Na semana seguinte, a
mesma semana foi o Domingo de Ramos. Eu não poderia mais estar no ... no ... com meus
pais, no esconderijo [lugar]. Saí naquele Domingo de Ramos e fui a Plac Krasinski, onde havia
uma igreja, uma igreja muito antiga, e senti que meu lugar mais seguro era na igreja. Fui
àquela igreja e assisti à missa e o padre falou. Nem uma palavra foi mencionada que, do outro
lado da rua, as pessoas estavam a lutar, morrendo às centenas e ateando fogo. Eu era como
um bom cristão ouvindo todo o sermão. É tradicional na Polónia que quando, após os serviços,
o padre saia e, em frente à igreja, cumprimente a paróquia ... o povo, provavelmente, é prati-
cado aqui e em todos os países da mesma maneira, mas na Polónia é algo tradicional. E ele
cumprimentou todos os polacos e, do outro lado da rua, estava um carrossel com um parque
infantil e a música tocava, e o carrossel estava ... as pessoas levaram as crianças ao carrossel,
lindamente vestidas. Domingo. Domingo de Ramos. E ... uh ... a música tocava e eu estava em
pé naquele grupo observando o outro lado do quarteirão, daquele gueto em chamas. De vez
em quando ouvíamos gritos: "Olhe. Olhe. As pessoas estão a saltar dos telhados". Outros fa-
ziam observações, "judeus estão a fritar". Isso é apenas uma tradução livre do polaco. Mas
nunca ouvi vozes de simpatia. Talvez houvesse pessoas que olhassem de uma maneira dife-
rente, mas nunca ouvi. E foi muito doloroso para mim que aqui estou, impotente, não posso
fazer nada, e tenho que ver e observar, e nem posso protestar, nem posso mostrar a minha
raiva. Às vezes senti-me no meio ... ali, tenho que fazer algo fisicamente, até ter que pagar

Página 18 de 92
com a minha vida, começar a gritar, mas não o fiz. Não gritei. Não fiz nada. Apenas me magoei.
Mas essa cena provavelmente permanecerá comigo para toda a minha vida.

19 de abril de 1943
A resistência armada organizada foi a forma mais contundente de oposição judaica às políticas
nazis.
As forças alemãs pretendiam liquidar o gueto de Varsóvia a partir de 19 de abril de 1943,
véspera do feriado judaico da Páscoa. Quando SS e unidades policiais entraram no gueto na-
quela manhã, as ruas estavam desertas. Quase todos os moradores do gueto tinham-se es-
condido, já que a renovação das deportações de judeus
para campos de concentração desencadeou uma insurrei-
ção armada dentro do gueto. Embora em muito menor
número e desarmados, indivíduos e pequenos grupos de
judeus esconderam-se ou lutaram contra os alemães por
quase um mês.
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Warsaw
• Holocaust Encyclopedia article—Warsaw Ghetto Uprising
• Holocaust Encyclopedia animated map—The Warsaw Ghetto
• Holocaust Encyclopedia—Read or listen to personal histories
• Holocaust Encyclopedia article—Jewish Resistance
• Holocaust Encyclopedia article—Jewish Uprisings in Ghettos and Camps

Bilhete de Identidade Usado enquanto estavam escondidos


- Museu Memorial do Holocausto
nos EUA, cortesia de Kurt I. Lewin

Página 19 de 92
23 de agosto de 1943
Bilhete de identidade emitido a 23 de agosto de 1943. Kurt I. Lewin usou este cartão, mos-
trando-se como monge noviço Roman-Paul Mytka, enquanto Kurt estava escondido num mos-
teiro de Studite na Polónia.
Lewin, filho do rabino chefe de Lvov, sobreviveu ao Holocausto ao esconder-se como um jo-
vem monge.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article —1943: Key Dates
• Curators Corner—One Survivor, Two Identities: The Kurt Lewin Collection

Fuga dos Judeus dinamarqueses


Vista de um barco de pesca dinamarquês que foi
usado no salvamento dos judeus durante a ocupa-
ção da Dinamarca. Conduzido por Thormod Larsen,
este barco está agora em exibição na Exposição
Permanente do Museu Memorial do Holocausto
dos Estados Unidos. - Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia de Frihedsmuseet

20 de setembro de 1943
De 20 de setembro a outubro de 1943, aproximadamente 7.200 judeus dinamarqueses esca-
pam para a Suécia com a ajuda do movimento de resistência dinamarquês e muitos cidadãos
dinamarqueses.
Os trabalhadores da resistência e simpatizantes ajudaram inicialmente os judeus a mudarem-
se para esconderijos em todo o país e de lá para a costa; então, os pescadores levaram-nos
para a Suécia neutra. A operação de resgate expandiu-se para incluir a participação da polícia
dinamarquesa e do governo. Durante um período de cerca de um mês, cerca de 7.200 judeus
e 700 de seus parentes não-judeus viajaram para a Suécia, que aceitaram os refugiados dina-
marqueses.

Página 20 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—Denmark

• Holocaust Encyclopedia article—Rescue

• Animated Map—Rescue

• Highlights from the Permanent Exhibition—Rescue and Resistance

Revolta de Sobibor

Página do diário de Selma Wijnberg. Ela co-


meçou o diário logo depois de ela e Chaim
Engel terem escapado do centro de exter-
mínio de Sobibor durante a revolta dos pri-
sioneiros. - Museu Memorial do Holocausto
nos EUA, cortesia de Selma Engel

14 de outubro de 1943
Prisioneiros judeus no centro de extermínio de Sobibor começam uma revolta armada. Cerca
de 300 fugas. Funcionários da SS e unidades policiais, com assistência de unidades militares
alemãs, recapturam cerca de 100 e matam-nos.
Durante a revolta dos prisioneiros de Sobibor, Selma Wijnberg e Chaim Engel, que se tinham
apaixonado no acampamento, escaparam juntos. Duas semanas depois, escondida num

Página 21 de 92
celeiro, Selma começou o seu diário descrevendo a sua fuga, os seus medos escondidos e o
seu amor um pelo outro.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Sobibor
• “I Have to Write Everything Down”: The Diaries of Selma and Chaim Engel

Carta de Elkhanan Elkes

Primeira página da vontade ética de


Elkhanan Elkes, o presidente do Conse-
lho Judaico do gueto de Kovno. Elkes es-
creveu a carta entre 19 de outubro e 11
de novembro de 1943, e contraban-
deou-a para fora do gueto para os seus
dois filhos adultos, que moravam na In-
glaterra na época. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, doação do Dr. Joel
Elkes

19 de outubro de 1943
Primeira página da vontade ética de Elkhanan Elkes, o presidente do conselho judaico do
gueto de Kovno. Elkes escreveu a carta entre 19 de outubro e 11 de novembro de 1943, e
contrabandeou-a para fora do gueto para os seus dois filhos adultos, que moravam na Ingla-
terra na época.
Elkes escreve: "Escrevo-vos, meus amados filhos ... no Vale das Lágrimas, o Gueto de Kovno
Viljampole ...Escrevo isto numa hora, quando muitas almas despedidas, viúvas e órfãos, esfar-
rapados e famintos, acampam à nossa porta implorando por ajuda. A minha força está a es-
gotar-se. Há um deserto dentro de mim. A minha alma está queimada. Estou nu e vazio, e não
há palavras na minha boca. Os alemães mataram, abateram e assassinaram-nos em completa

Página 22 de 92
serenidade. Vi-os, eu estava em pé na sua presença, enquanto eles enviavam milhares de ho-
mens e mulheres e crianças e bebés para serem massacrados ... Eu abraço-os, beijo-os e digo-
lhes que eu sou o seu pai querido até ao meu último suspiro. Elkhanan ".

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Jewish Councils
• Holocaust Encyclopedia article—Kovno
• Holocaust Encyclopedia article—Ghettos

Operação Festival de Harvest

Prisioneiros marcham para a morte no campo de


concentração de Majdanek. —Staatsanwalt
beim Landgericht Hamburg.

3 de novembro de 1943

As SS e unidades policiais implementam o Aktion Erntefest (Operação Harvest Festival), o assas-


sinato dos trabalhadores judeus no campo de concentração de Lublin / Majdanek e os campos
de trabalho forçado de Trawniki e Poniatowa.

As revoltas nos centros de extermínio de Treblinka e Sobibor e nos guetos de Varsóvia, Bialystok
e Vilna levaram a uma crescente preocupação com a resistência judaica. Para evitar mais resis-
tência, o chefe da SS, Heinrich Himmler, ordenou a morte de judeus sobreviventes no distrito
de Lublin, na Polónia ocupada pelos alemães. A maioria dos judeus restantes era empregada em
projetos de trabalho forçado e concentrava-se nos campos de Trawniki (pelo menos 4.000), Po-
niatowa (pelo menos 11.000) e Majdanek (cerca de 18.000). Eles foram mortos. Em Majdanek,
perto de Lublin, a SS atirou em valas grandes e preparadas do lado de fora da cerca do acampa-
mento, perto do crematório. Judeus de outros campos de trabalho na área de Lublin também
foram levados para Majdanek e baleados. A música foi tocada através de alto-falantes em Ma-
jdanek e Trawniki para abafar o barulho dos disparos em massa. O assassinato em Majdanek foi
o maior massacre num único dia durante o Holocausto.

Página 23 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Trawniki
• Holocaust Encyclopedia article—Lublin/Majdanek Concentration Camp: Conditions

Carta ao Comandante do Campo de Flossenbürg

- Museu Memorial do Holocausto nos EUA, cortesia


de Wilhelm Kroepfl

28 de dezembro de 1943
Josef e Amilia Kohout escrevem ao comandante de Flossenbürg a pedir para visitar o seu filho,
Josef, que foi preso como homossexual.
Em 1994, o museu adquiriu a coleção exclusiva de Josef Kohout. Mais amplamente conhecido
como Heinz Heger, Kohout foi o tema de The Men with the Pink Triangle, a primeira narrativa
publicada de um sobrevivente gay dos campos nazis.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1943: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Flossenbürg
• Holocaust Encyclopedia article—Persecution of Homosexuals in the Third Reich

Página 24 de 92
• Curators Corner—Documenting Nazi Persecution of Gays: The Josef Kohout/Wilhelm
Kroepfl Collection
• Special Focus—Nazi Persecution of Homosexuals

Encontro entre Franklin D. Roosevelt e Henry Morgenthau Jr.

Memorando de 16 de janeiro de 1944, encontro


entre o Presidente Franklin D. Roosevelt e o Se-
cretário do Tesouro Henry Morgenthau Jr. sobre
o resgate de judeus da Europa dominada pelos
nazis, com referência ao genocídio arménio. -
Diários de Henry Morgenthau, Jr., 27 de abril de
1933 a 27 de julho de 1945. Biblioteca Franklin
D. Roosevelt, Hyde Park, Nova York.

TRANSCRIÇÃO

16 de janeiro de 1944
MEMORANDO PARA OS ARQUIVOS DO SECRETÁRIO:
Houve uma reunião na Casa Branca hoje às 12:45 com a presença do Presidente, do Secretário
Morgenthau, do Sr. Paul e do Sr. Pehle. O secretário Morgenthau tinha solicitado a nomeação
para discutir o problema de salvar os judeus ainda na Europa.
A conferência durou cerca de vinte minutos. O secretário Morgenthau informou o presidente
que estava profundamente perturbado com o fracasso do Departamento de Estado em tomar
medidas efetivas para salvar os judeus restantes na Europa. Ele explicou que o Departamento
do Tesouro, em ligação com a operação do Foreign Funds Control, tinha descoberto evidências
indicando que não apenas as pessoas do Departamento de Estado eram ineficientes em lidar
com esse problema, mas que estavam a tomar medidas para impedir o resgate dos judeus. O
secretário pediu então a John Pehle que explicasse ao presidente os factos que o Tesouro
tinha descoberto. O Presidente ouviu atentamente e pareceu entender o significado dos vá-
rios pontos. Também viu rapidamente a proposta da Ordem Executiva e sugeriu que talvez o

Página 25 de 92
Secretário da Guerra estivesse no Conselho. O Presidente perguntou por que o Sr. Crowley foi
colocado no Conselho e não pareceu satisfeito pelo facto de ele lá estar. O Presidente pergun-
tou se o Sr. Stettinius tinha sido consultado e referiu-se ao facto de Stettinius ter reorganizado
recentemente o Departamento de Estado e que em nenhum lugar do organograma havia qual-
quer indicação de que qualquer divisão em particular estivesse encarregada desse problema.
O Secretário indicou que estávamos a trabalhar com o Sr. Hull sobre o assunto geral e hesitou
em colocar Stettinius em vez de Hull no Conselho. Não obstante, o Presidente indicou que
gostaria de ter o assunto tratado com o Sr. Stettinius e referiu que o considerava simpático.
Ele disse que também gostaria de ter o juiz Rosenman na foto. O secretário disse que já tinha
conversado com o juiz Rosenman sobre o assunto.
Durante a conferência, foram apresentados os seguintes pontos:
O secretário disse estar convencido de que uma ação efetiva poderia ser tomada e mencionou
os resultados que seu pai, Henry Morgenthau, obteve quando foi embaixador na Turquia para
tirar os arménios da Turquia e salvar as suas vidas. O presidente disse que concordava que
alguma ação efetiva pudesse ser tomada e referiu particularmente o movimento de judeus
através da Roménia até à Bulgária e pela Turquia. Disse que achava que tais canais estavam
abertos no momento, mas que eles não estariam abertos se a Turquia entrasse na guerra.
O Presidente referiu-se à possibilidade de levar as pessoas para as fronteiras espanhola e su-
íça.
O presidente parecia pouco disposto a acreditar que Long queria impedir que uma ação efe-
tiva fosse tomada, mas disse que Long tinha ficado um pouco desagradado com o problema
quando o rabino Wise conseguiu que Long aprovasse uma longa lista de pessoas para serem
trazidas para este país, por ser gente má. O secretário Morgenthau lembrou ao presidente
que, numa reunião do gabinete, Biddle tinha indicado que apenas três judeus daqueles que
entravam nos Estados Unidos durante a guerra se revelaram indesejáveis. O presidente disse
que tinha sido informado de que o número era consideravelmente maior. De qualquer forma,
ele sentiu que Long estava inclinado a ficar desagradado com a situação.
Após a reunião com o presidente e ainda na Casa Branca, o secretário Morgenthau ligou para
o Sr. Stettinius e para o juiz Rosenman e marcou uma reunião na casa do secretário às 5h30.
A reunião das 5:30 contou com a presença do Secretário, do Sr. Stettinius, do Juiz Rosenman,
do Sr. Paul e do Sr. Pehle. O Secretário disse ao Sr. Stettinius em palavras claras que estava
convencido de que as pessoas no Departamento de Estado, particularmente Breckinridge

Página 26 de 92
Long, estavam deliberadamente a obstruir a execução de qualquer plano para salvar os judeus
e que a ação imediata era necessária se este governo não quisesse ser colocado na mesma
posição que Hitler e compartilhar a responsabilidade de exterminar todos os judeus da Eu-
ropa. A pedido do secretário, Pehle explicou, em detalhe, os factos descobertos pelo Tesouro.
Stettinius pareceu chocado com esses factos, embora tenha dito que não estava surpreso com
Breckinridge Long, já que Long tinha caído tão mal e de maneira igualmente chocante no tra-
tamento da troca de prisioneiros. Stettinius foi muito franco nos seus pontos de vista sobre as
falhas de Long e referiu que na reorganização do Departamento de Estado que ele elaborou,
a única função restante atribuída a Breckinridge Long é "relações do Congresso". Stettinius
disse que na nova reorganização as responsabilidades de Berle tinham sido muito limitadas,
mas incluídas nas áreas de operações sob o controlo de Berle estava a Divisão de Problemas
Especiais de Guerra, que lida com o problema do resgate dos judeus, e a Divisão Visa. Stetti-
nius disse que reconheceu que este problema não poderia ser tratado de forma eficaz por
Berle e que havia motivos para acreditar que Berle poderia ser ainda pior do que Long. Neste
ponto, a ordem executiva proposta foi discutida. Stettinius leu-o e, ao ser questionado sobre
os seus pontos de vista, disse: “Eu acho maravilhoso”. Ele disse então que o Secretário de
Guerra deveria estar no Comité, em vez do Sr. Crowley, que já estava a ter dificuldades consi-
deráveis com a FEA. Isso foi acordado especialmente à luz da reação similar do Presidente.
Ficou decidido que a Ordem Executiva deveria ser corrigida em conformidade, assim como o
memorando para Harold Smith e o memorando para Cordell Hull e os documentos alterados
entregues ao Juiz Rosenman às 9:15 da manhã seguinte.
O Secretário sugeriu que o Diretor Executivo do Conselho fosse John Pehle e o Juiz Rosenman
e o Sr. Stettinius indicaram o acordo.
(assinatura de John Pehle)

Diários de Henry Morgenthau Jr., 27 de abril de 1933 a 27 de julho de 1945 | Biblioteca Presi-
dencial e Museu Franklin D. Roosevelt

16 de janeiro de 1944
O Presidente Franklin D. Roosevelt e o Secretário do Tesouro, Henry Morgenthau Jr., encon-
tram-se para falar sobre o resgate de judeus da Europa ocupada pelo Eixo. Inspirado pelas
ações de seu pai durante o genocídio arménio, Morgenthau Jr. tornou-se um dos principais

Página 27 de 92
defensores do estabelecimento da Junta de Refugiados de Guerra em 1944, que ajudou a pre-
servar a vida de 200 mil judeus ainda presos na Europa controlada pelos alemães.
O memorando diz em parte: “O [secretário] Morgenthau informou ao presidente que estava
profundamente perturbado com o fracasso do Departamento de Estado em tomar medidas
efetivas para salvar os judeus restantes na Europa. Explicou que o Departamento do Tesouro
... tinha descoberto evidências que indicavam que não apenas as pessoas no Departamento
de Estado estavam ineficientes em lidar com esse problema, mas que estavam realmente a
tomar medidas para impedir o resgate dos judeus. Disse estar convencido de que uma ação
efetiva poderia ser tomada e mencionou os resultados que seu pai, Henry Morgenthau, ob-
teve quando foi embaixador na Turquia para tirar os arménios da Turquia e salvar as suas
vidas”.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—Henry Morgenthau

• Morgenthau Diary: Meeting Memorandum (3 pages)

• Holocaust Encyclopedia article—War Refugee Board: Background and Establishment

• Holocaust Encyclopedia article—Refugees

• Holocaust Encyclopedia article—Rescue

• Holocaust Encyclopedia article—The Armenian Genocide (1915-16): Overview

Página 28 de 92
Criação da Junta de Refugiados de Guerra

John Pehle, diretor executivo da Junta de Re-


fugiados de Guerra. - Museu Memorial do Ho-
locausto dos EUA, cortesia da Biblioteca Fran-
klin D. Roosevelt

22 de janeiro de 1944
O presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, emite a Ordem Executiva 9417, criando a Junta
de Refugiados de Guerra (WRB). O conselho tem a seu cargo o "resgate imediato e alívio dos
judeus da Europa e outras vítimas da perseguição inimiga".
John Pehle foi indicado para atuar como o primeiro diretor do WRB. Ele reuniu imediatamente
uma equipa (cerca de 30 pessoas) para ajudar a administrar o escritório em Washington. O
general William O’Dwyer atuou como diretor do WRB de janeiro de 1945 até à dissolução do
conselho em setembro de 1945. O financiamento administrativo do conselho veio do fundo
de emergência do presidente. O financiamento para projetos de socorro e resgate veio em
grande parte de doações de organizações de ajuda privada, a maioria delas organizações ju-
daicas.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—War Refugee Board: Background and Establishment
• Holocaust Encyclopedia article—War Refugee Board: Activities
• Holocaust Encyclopedia article—The United States and the Holocaust

Página 29 de 92
AS TROPAS ALEMÃS OCUPAM A HUNGRIA

Madeline Deutsch, nascida em 1930 em Be-


rehovo (Beregszasz), Checoslováquia, des-
creve a expropriação de propriedade após a
ocupação alemã da Hungria. - Museu Me-
morial do Holocausto nos EUA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-
of-events/1942-1945/german-troops-oc-
cupy-hungary

TRANSCRIÇÃO
Então, todos tiraram as suas jóias e dinheiro, qualquer que fosse o dinheiro nos bolsos, e co-
locaram-nos nos baldes e nos barris. No entanto, havia pessoas que usavam um relógio, talvez
desde crianças, ou uma aliança de casamento por 10, 20 ou 30 anos. E estavam tão acostu-
mados com eles que nem se davam conta de que não os tinham tirado. E poderiam ter-se
esquecido de os tirar. Essas pessoas foram alinhadas contra a parede para serem assassinadas
mais tarde. Entre eles estava o meu pai. Quando ele foi revistado depois de colocar todas
essas coisas nesses barris e baldes, eles encontraram uma pequena quantidade, como uma
nota de um dólar, num de seus bolsos de colete e por causa disso ele estava alinhado contra
a parede para ser assassinado também. Era o meu aniversário, fazia 14 anos, e o meu pai
deveria ser assassinado à minha frente, rapidamente. Foi uma época horrível. Mas aparente-
mente eles - a SS, os gendarmes e a polícia - ainda não tinham ordens para matar. Aparente-
mente, eles receberam ordens para usar as piores técnicas de susto, para que pudéssemos
seguir as ordens exatamente como desejavam, como queriam que fizéssemos. Então, depois
de várias horas, até recolherem todos os bens, soltaram todas as pessoas que estavam alinha-
das contra a parede. Bem, como eu disse, também foi um dos momentos mais felizes da minha
vida porque o meu pai não seria morto. E isso foi, no final, o meu feliz aniversário. Ele fora
libertado.

19 de março de 1944
Após a ocupação alemã da Hungria, o almirante húngaro Miklos Horthy foi autorizado a per-
manecer como regente, mas o primeiro-ministro Miklos Kallay foi demitido. Os alemães ins-
talaram o General Dome Sztojay, que anteriormente serviu como ministro húngaro em Berlim

Página 30 de 92
e era fanaticamente pró-alemão, como primeiro-ministro. Sztojay comprometeu a Hungria a
continuar o esforço de guerra e cooperou com os alemães na deportação dos judeus húnga-
ros, a última comunidade judaica intacta na Europa ocupada.
Em abril de 1944, as autoridades húngaras ordenaram que os judeus que moravam fora de
Budapeste (cerca de 500 mil pessoas) se concentrassem em certas cidades, geralmente cen-
tros do governo regional. Polícias húngaros foram enviados para regiões rurais para reunir
judeus de todas as idades e enviá-los para as cidades. As áreas urbanas em que os judeus
foram forçados a concentrar-se foram encerradas e referenciadas como guetos. Às vezes, os
guetos abrangiam a área de um antigo bairro judeu. Noutros casos, o gueto era apenas um
edifício único, como uma fábrica. De 15 de maio a 9 de julho de 1944, oficiais da polícia hún-
gara, sob a orientação de oficiais alemães da SS, deportaram cerca de 440 mil judeus da Hun-
gria.

Os judeus fizeram fila para a seleção na


rampa em Auschwitz-Birkenau. Polónia, 1
de maio de 1944. —Yad Vashem (Domínio
Público)

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary after the German Occupation
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary before the German Occupation
• Collections Highlight—The Diary of Lajos Ornstein: An Extraordinary Journey

Página 31 de 92
Deportação de judeus húngaros
Irmãos judeus de Subcarpathian Rus (então
parte da Hungria) aguardam seleção na
rampa em Auschwitz-Birkenau. 1 de maio
de 1944. —Yad Vashem (Domínio Público)

15 de maio de 1944
De 15 de maio a 9 de julho de 1944, oficiais da polícia húngara, sob a orientação de oficiais
alemães da SS, deportaram cerca de 440 mil judeus da Hungria. A maioria foi deportada para
Auschwitz-Birkenau, onde, após a chegada e após a seleção, os funcionários da SS mataram a
maioria deles nas câmaras de gás.
Milhares foram também enviados para a fronteira com a Áustria para abrirem trincheiras de
fortificação. No final de julho de 1944, a única comunidade judaica deixada na Hungria era a
de Budapeste, a capital.

Judeus da Rus subcarpática (então


parte da Hungria) passam por uma se-
leção na rampa em Auschwitz-Bir-
kenau. 1 de maio de 1944. —Yad
Vashem (Domínio Público)

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Deportations to Killing Centers
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary before the German Occupation
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary after the German Occupation
• Collections Highlight—The Diary of Lajos Ornstein: An Extraordinary Journey

Página 32 de 92
Deportação de Theresienstadt
Mapa que mostra as de-
portações de There-
sienstadt, 1942-1944. -
Museu Memorial do Ho-
locausto nos EUA

15 de maio de 1944
Em 15 e 18 de maio de 1944, as autoridades alemãs deportaram 7.003 judeus alemães, aus-
tríacos e checos do campo-gueto de Theresienstadt para Auschwitz-Birkenau.
As autoridades alemãs deportaram milhares de judeus de Theresienstadt para Auschwitz-Bir-
kenau, a fim de "afinar" a população judaica de Theresienstadt, em preparação para a visita
de representantes da Cruz Vermelha Internacional e da Cruz Vermelha dinamarquesa. Na che-
gada a Auschwitz-Birkenau, os prisioneiros desses transportes foram encarcerados num
“campo da família Theresienstadt” em Birkenau.

Mapa de Theresienstadt de um documento origi-


nal (1942-1945) e montado num álbum por um
sobrevivente. —USHMM, cortesia de Henry Kahn

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Theresienstadt
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Special Focus—Theresienstadt: Spiritual Resistance and Historical Context

Página 33 de 92
Dia-D
Dia D - Arquivos Nacionais - Filme

TRANSCRIÇÃO
A Muralha do Atlântico foi transposta. Lá, após o primeiro assalto, os Aliados atracaram pre-
cariamente em algumas praias. Mas agora tinham uma posição sólida na Fortaleza Europa.
Homens e material foram despejados nas praias recém-conquistadas a cada maré favorável e
em algumas desfavoráveis. O comando aliado anunciou que a batalha das praias estava com-
pleta. A tremenda ofensiva foi amargamente contestada. Os nazis sabiam que cada hora que
passava diminuía as suas oportunidades de lançar os aliados de volta ao mar. Mas as tropas
americanas, britânicas e canadenses avançaram firmemente para o solo de França. Isso não
era fácil, fazendo os alemães recuarem. Algumas das nossas tropas caíram a poucos metros
da beira da água. Havia dois inimigos: os alemães e os mares revoltos. Prisioneiros alemães
foram levados quase imediatamente. Com as praias livres de fogo inimigo, os Aliados envia-
ram equipamentos pesados para terra. Escavadoras de madeireiras começaram a abrir cami-
nho para as pistas de aterragem. A explosão de bombas dos Aliados deixou defesas alemãs
destruídas e muitos defensores alemães mortos. Os sobreviventes receberam a atenção ime-
diata por parte de homens do corpo médico. Alguns ficaram agradecidos, muitos confusos
com o esmagamento do golpe aliado.

6 de junho de 1944
A 6 de junho de 1944, sob o nome de código Operação "Overlord", tropas dos EUA, britânicas
e canadenses atracam nas praias da Normandia, na França, na costa do Canal da Mancha a
leste de Cherbourg e a oeste de Le Havre.
Após a conquista alemã da França em 1940, a abertura de uma segunda frente na Europa
Ocidental foi um dos principais objetivos da estratégia aliada durante a Segunda Guerra Mun-
dial. Sob o comando geral do general norte-americano Dwight D. Eisenhower e usando o nome

Página 34 de 92
de código Operação "Overlord", tropas americanas, britânicas e canadenses desembarcaram
nas praias da Normandia, França, na costa do Canal da Mancha a leste de Cherbourg e a oeste
de Le Havre. Um bem-sucedido plano aliado de fraude levou os alemães a acreditarem que o
ataque principal cairia mais ao norte e ao leste, na costa perto de Calais e da fronteira belga.
Enganados, os alemães moveram-se lentamente para reforçar as defesas da Normandia após
a permanência inicial. No entanto, os alemães contiveram as tropas aliadas por seis semanas.
Finalmente, as forças aliadas irromperam da praia da Normandia, perto da cidade de St. Lo,
no final de julho, e começaram a libertação do norte da França. Em meados de agosto, as
tropas aliadas tinham cercado e destruído grande parte do exército alemão na Normandia e,
no final de agosto, as forças francesas libertaram Paris.
Filme Histórico

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—D-Day
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Europe
• Collections Highlight—Remembering D-Day 70 Years Later

Página 35 de 92
Relatório de Auschwitz
Página do Relatório de Auschwitz. Mu-
seu Memorial do Holocausto dos EUA,
presente de Enrico Mandel-Mantello

18 de junho de 1944
Entre 18 e 22 de junho de 1944, o Relatório Auschwitz, escrito por dois prisioneiros judeus
eslovacos que escaparam de Auschwitz a 7 de abril de 1944, elaboraram um relatório em es-
lovaco no final de abril, que se torna público mundialmente através dos canais de média na
Suíça.
Em abril de 1944, Rudolf Vrba e Alfred Wetzler escaparam de Auschwitz e escreveram um
relatório fornecendo alguns dos primeiros relatos confiáveis de testemunhas oculares do
campo. O diplomata romeno Florian Manoliu, que estava a ajudar George Mandel-Mantello
em esforços de resgate, recebeu uma cópia do Protocolo e deu-a imediatamente a Mandel-
Mantello em junho. Reconhecendo a importância do Protocolo, Mandel-Mantello recopiou-
o, distribuiu-o ao clero protestante suíço e lançou uma campanha mundial de imprensa con-
denando as atrocidades nazis.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Steven Spielberg Film and Video Archive—Rudolf Vrba - Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—The Holocaust in Slovakia
• A Forgotten Suitcase: The Mantello Rescue Mission
• Auschwitz Protocol
• Curators Corner—Jews Rescuing Jews: The Ben Zion and Clara Colb Collection

Página 36 de 92
Raoul Wallenberg chega a Budapeste
Sobrevivente recorda a atividade de res-
gate em Budapeste e o papel de Raoul Wal-
lenberg - Museu do Memorial do Holo-
causto dos EUA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-
of-events/1942-1945/raoul-wallenberg-
arrives-in-budapest

TRANSCRIÇÃO
Budapeste é duas cidades, e no meio está o chamado Danúbio Azul, para mim é o Danúbio
Vermelho, mas é o que era, e eles levaram as pessoas até lá, os nazis húngaros, e amarraram
três pessoas juntas, e atiraram-nos para o meio, então todos caíram. E se eles vissem um mo-
vimento, eles atiraram novamente para terem certeza. Mas muitas pessoas arranjaram forma
de sair. Mas era um inverno terrivelmente frio, como eu disse, e o Danúbio estava congelado
com grandes placas de gelo. Então Raoul chegou a casa na terceira noite, e não havia luar,
nem estrelas, apenas frio e escuro. E ele virou-se para nós pela primeira vez, geralmente ele
só falava com os homens e a Cruz Vermelha, e disse, "quantos de vocês podem nadar?" Eu
tenho uma boca grande, eu levanto a minha mão, eu disse: "Melhor nadadora na escola". Ele
diz: "Vamos". E quando me viu a entrar como um ursinho de peluche, foi assim que eu me
vesti, um chapéu e uma luva. Nós descemos do outro lado, os húngaros nem sequer nos ou-
viram chegar porque estavam muito ocupados a recrutar e a atirar, e ficamos à esquerda,
muito mais longe, tinhamos médicos e enfermeiros nos carros e, em seguida, tivemos pessoas
fora para nos tirar. Quatro de nós, três homens e eu, saltamos e graças aos pingentes de gelo,
as cordas agarraram-se a eles, e salvamos as pessoas, mas apenas cinquenta, e então ficamos
tão congelados que não conseguimos continuar a fazer isso. Mas sem Raoul Wallenberg, não
teríamos salvo nem uma única pessoa.
9 de julho de 1944
Raoul Wallenberg chega a Budapeste como primeiro secretário da legação sueca na Hungria
e com financiamento do Conselho de Refugiados de Guerra dos EUA.

Página 37 de 92
Juntamente com várias outras legações, incluindo a suíça, a turca, a italiana e várias legações
latino-americanas, a delegação da Suécia, inspirada pelo ativismo de Wallenberg, efetiva-
mente protegeu dezenas de milhares de judeus em Budapeste, ameaçados pelos planos ale-
mães e húngaros de deportá-los. Designado como primeiro secretário da delegação sueca na
Hungria, Wallenberg chegou a Budapeste a 9 de julho de 1944. Apesar da sua total falta de
experiência em operações diplomáticas e clandestinas, liderou um dos mais extensos e bem-
sucedidos esforços de resgate durante o Holocausto. O seu trabalho com o Conselho de Refu-
giados de Guerra e o Congresso Mundial Judaico impediram a deportação de dezenas de mi-
lhares de judeus húngaros para o centro de extermínio de Auschwitz-Birkenau.

Uma carta de proteção emitida pela


legação sueca em Budapeste à judia
húngara Lili Katz. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de
Lena Kurtz Deutsch

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Raoul Wallenberg and the Rescue of Jews in Budapest
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary after the German Occupation
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—War Refugee Board: Activities
• Special Focus—Choosing to Act: Raoul Wallenberg

Página 38 de 92
“Liquidado o Campo da Família Checa em Auschwitz"
Ilustração para o segmento sobre
Auschwitz no diário do pós-guerra
de Michael Kraus. - Museu Memo-
rial do Holocausto dos EUA, pre-
sente de Michael Kraus

11 de julho de 1944
“No dia 11 de julho não dormi. A noite estava clara, o céu vermelho. Sobre isso - em algum
lugar - não posso falar. A 11 de julho, mataram o meu pai. Eu fechei os meus punhos; chorei
e prometi vingá-lo.
Esta descrição vem de uma entrada no diário de eventos pós-guerra de Michael Kraus em
Theresienstadt, Auschwitz e Mauthausen. Depois de perder os pais em campos, Michael Kraus
começou a escrever uma série de diários para documentar as suas experiências e as dos seus
pais.
O texto na imagem diz: "KZ" para Konzentrationslager, ou campo de concentração Birkenau;
Oběti, vítimas; e Hrob, sepultura. Assim, Michael descreve Birkenau como o túmulo de cinco
milhões de vítimas. A ilustração reflete o que Michael sabia na época sobre o número de víti-
mas.

Tópicos relacionados
• Curators Corner—“To the Memory of My Parents”: Michael Kraus’s Diaries
• Holocaust Encyclopedia article—Theresienstadt
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Mauthausen
• Holocaust Encyclopedia article—Children during the Holocaust
• Holocaust Encyclopedia article—The Aftermath of the Holocaust

Página 39 de 92
Tentativa de Assassinato de Hitler
Participantes do plano de julho de 1944
para assassinar Hitler e membros do
grupo de resistência "Círculo de Kreisau"
em julgamento perante o Tribunal Popu-
lar. Na foto estão o Dr. Franz Reisert, o Dr.
Theodor Haubach, o Graf von Moltke, o
Theodor Steltzer e o Dr. Eugen Gers-
tenmeier. - Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia da Biblioteca do
Congresso

20 de julho de 1944
Oficiais militares alemães tentam assassinar Adolf Hitler na sua sede na Prússia Oriental em
Rastenburg.
O coronel Claus Schenk von Stauffenberg deixou uma bomba numa pasta perto de Hitler du-
rante uma reunião militar sobre a deterioração da situação militar na fronte oriental. Além de
oficiais militares descontentes, o conluio contra Hitler envolveu políticos e diplomatas conser-
vadores tradicionais de direita. Eles esperavam que a morte violenta de Hitler sinalizasse uma
revolta popular antinazi. Hitler, no entanto, sobreviveu à explosão e a tentativa de golpe fra-
cassou. Roland Freisler, presidente do Tribunal Popular em Berlim, presidiu o julgamento dos
envolvidos na conspiração. Invariavelmente, os réus foram condenados e a maioria foi execu-
tada na prisão de Ploetzensee, em Berlim.

Roland Freisler (centro), presidente do Tribunal


do Volk (Tribunal do Povo), faz a saudação nazi
no julgamento de conspiradores no plano de ju-
lho de 1944 para matar Hitler. Sob a liderança de
Freisler, o tribunal condenou milhares de ale-
mães à morte. Berlim, Alemanha, 1944. - DIZ
Muenchen GMBH, Sueddeutscher Verlag Bilder-
dienst

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• See related historical film footage
• Holocaust Encyclopedia article—German Resistance to Hitler

Página 40 de 92
Libertação de Lublin-Majdanek
Vista dos fornos de crematórios em Ma-
jdanek com pilhas de ossos à frente. Esta
fotografia foi tirada após a libertação do
campo. - Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia de Panstwowe Mu-
zeum na Majdanku

23 de julho de 1944
As forças soviéticas libertam o campo de concentração de Lublin-Majdanek (localizado a cinco
quilómetros a sudeste de Lublin) e encontram menos de 500 prisioneiros no campo.
A SS evacuou a maioria dos prisioneiros para campos de concentração mais a oeste durante a
primavera de 1944. No final de julho de 1944, quando as forças soviéticas se aproximaram de
Lublin, pessoal restante abandonou Majdanek sem desmantelar completamente o campo. As
tropas soviéticas chegaram pela primeira vez a Majdanek durante a noite de 22-23 de julho e
capturaram Lublin em 24 de julho. Capturado praticamente intacto, Majdanek foi o primeiro
grande campo de concentração a ser libertado. Autoridades soviéticas convidaram jornalistas
para inspecionar o campo e evidências dos horrores que ocorreram lá.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Lublin/Majdanek Concentration Camp: Administration
• Holocaust Encyclopedia article—Lublin/Majdanek Concentration Camp: Conditions
• Holocaust Encyclopedia article—Chronology
• Holocaust Encyclopedia article—Lublin/Majdanek Concentration Camp: Areas of Re-
search
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Liberation

Página 41 de 92
Revolta Polaca em Varsóvia

Diário de Debora, uma combatente da


resistência polaca. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de
Mark Hornstein

1 de agosto de 1944
A revolta de Varsóvia começa. Debora, lutando com a resistência polaca, escondeu o seu diá-
rio atrás de um radiador. Quando Debora foi morta por uma bomba durante a revolta, a sua
amiga Lusia Schwarzwald recuperou o diário.
A 1 de agosto de 1944, o Exército da Casa Polaca (Armia Krajowa; AK), um exército de resis-
tência clandestino não-comunista com unidades localizadas em toda a Polónia ocupada pelos
alemães, levantou-se contra as autoridades de ocupação alemãs num esforço para libertar
Varsóvia. O ímpeto para a revolta foi o aparecimento de forças soviéticas ao longo da margem
leste do rio Vístula. Os soviéticos falharam na intervenção; os alemães acabaram por esmagar
a revolta e arrasaram o centro da cidade em outubro de 1944. Embora eles tratassem os com-
batentes do Exército da Casa capturados como prisioneiros de guerra, os alemães enviaram
milhares de civis polacos capturados para campos de concentração no Reich.
166.000 pessoas perderam a vida na revolta, incluindo talvez 17.000 judeus polacos que luta-
ram com o AK ou foram descobertos escondidos.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates

Página 42 de 92
Liquidação do "Campo da Família Cigana" em Auschwitz-Birkenau
2 de agosto de 1944
A SS liquida o “campo da família cigana” BIIe em Auschwitz-Birkenau. As autoridades da SS
transportam 1.408 ciganos do campo da família e de Auschwitz I para o campo de concentra-
ção de Buchenwald. Os homens da SS assassinam, então, os 2.897 presos restantes do “campo
da família cigana” nas câmaras de gás em Birkenau.
Os ciganos estavam entre os grupos que o regime nazi e os seus parceiros do Eixo escolheram
para a perseguição nos chamados territórios raciais.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Genocide of European Roma (Gypsies), 1939–1945
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Introduction to the Holocaust
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Genocide of European Roma (Gypsies), 1939–1945
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Introduction to the Holocaust

Destruição do Gueto de Lodz


Soldados alemães guardam judeus do gueto de Lodz
que estão a embarcar num comboio de deportação
para Auschwitz, durante a destruição do gueto no
verão de 1944. - Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia de Yad Vashem Arquivos de Fotos

Página 43 de 92
9 de agosto de 1944
De 9 a 28 de agosto, as SS e unidades policiais liquidam o gueto de Lodz e deportam mais de
60.000 judeus e um número indeterminado de ciganos para o centro de extermínio de Aus-
chwitz-Birkenau.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Lodz
• Holocaust Encyclopedia article—Ghettos
• Animated Map—The Lodz Ghetto

Revolta de prisioneiros em Auschwitz-Birkenau

Retrato pré-guerra de Ella Gärtner,


participante da revolta de Auschwitz-
Birkenau de outubro de 1944. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Anna e Joshua Heilman

7 de outubro de 1944
A 7 de outubro de 1944, os prisioneiros designados para o crematório IV no centro de exter-
mínio de Auschwitz-Birkenau revoltaram-se depois de saberem que seriam mortos.
Durante meses, jovens judias, como Ester Wajcblum, Ella Gärtner e Regina Safirsztain, tinham
contrabandeado pequenas quantidades de pólvora da Weichsel-Union-Metallwerke, uma fá-
brica de munição dentro do complexo de Auschwitz, para homens e mulheres no movimento
de resistência do campo , como Róza Robota, uma jovem judia que trabalhou nos detalhes da
roupa em Birkenau. Sob guarda constante, as mulheres da fábrica pegaram pequenas

Página 44 de 92
quantidades da pólvora, enrolaram-na em pedaços de pano ou papel, esconderam-na nos
seus corpos e depois passaram-na pela cadeia de contrabando. Assim que recebeu a pólvora,
Róza Robota passou-a para os seus coconspiradores no Sonderkommando, o esquadrão espe-
cial de prisioneiros forçados a trabalhar nos crematórios do acampamento. Usando esta pól-
vora, os líderes do Sonderkommando planearam destruir as câmaras de gás e os crematórios
e lançar a revolta.
A 7 de outubro de 1944, tendo sabido que a SS iria liquidar grande parte do esquadrão, os
membros do Sonderkommando no Crematório IV levantaram-se em revolta. Os alemães es-
magaram a revolta. Quase 250 prisioneirosRóza
morreram
Robota,durante os combates
participante e os
da revolta deguardas ati-
Auschwitz-Birkenau
raram noutros 200 depois do motim ser suprimido. de outubro
Vários dias depois,deos1944. -
SS identificaram
Museu Memorial do Holocausto dos EUA,
cinco mulheres, quatro delas judias, que estavam
cortesia envolvidas no de
dos Arquivos fornecimento de explosivos
Fotos do Yad
Vashem os corpos de vítimas de assassinato nazi.
para explodir um crematório usado para queimar
Todas as cinco mulheres foram mortas.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz: Timeline
• Holocaust Encyclopedia article—Tattoos and Numbers: The System of Identifying Priso-
ners at Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia animated map—Auschwitz
• From the Permanent Exhibition
• Miles Lerman Center—Auschwitz Revolt

Página 45 de 92
Libertação de Natzweiler-Struthof
Vista do campo de concentração
de Natzweiler. 1945. - Museu Me-
morial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Abraham M.
Muhlbaum

23 de novembro de 1944
Tropas dos EUA libertam o campo de concentração de Natzweiler-Struthof.
Com a aproximação das forças aliadas em setembro de 1944, as autoridades da SS evacuaram
o campo principal em Natzweiler-Struthof e distribuíram os prisioneiros entre os seus sub-
campos. Em março de 1945, os alemães debandaram os subcampos e enviaram a maioria dos
prisioneiros em marchas de evacuação forçada por longas distâncias e sob condições brutais
em direção ao campo de concentração de Dachau, no sul da Alemanha.
De maio de 1941 a março de 1945, entre 19.000 e 20.000 pessoas morreram no sistema de
campos de Natzweiler-Struthof.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Natzweiler-Struthof
• Holocaust Encyclopedia article—France
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Página 46 de 92
Himmler ordena a demolição das câmaras de gás e dos crematórios de Aus-
chwitz

Vista de um dos crematórios destruí-


dos em Auschwitz-Birkenau. Fotogra-
fado imediatamente após a libertação
do campo. - Museu Memorial do Ho-
locausto dos EUA, cortesia de Mark
Chrzanowski

25 de novembro de 1944
Enquanto as forças soviéticas continuam a aproximar-se, o chefe da SS, Heinrich Himmler,
ordena a destruição das câmaras de gás e dos crematórios de Auschwitz-Birkenau.
Durante esta tentativa da SS de destruir a evidência de assassinatos em massa, os prisioneiros
foram forçados a desmantelar e dinamitar as estruturas.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz: Chronology
• In the Permanent Exhibition—Model of Auschwitz Crematorium

Último Gaseamento em Hartheim


Vista do Castelo de Hartheim. Localizado
perto de Linz, na Áustria, o castelo de
Hartheim foi um dos seis hospitais e sana-
tório na Alemanha e na Áustria em que o
programa de eutanásia nazi ocorreu. —
Arquivos Nacionais e Administração de
Registos

Página 47 de 92
11 de dezembro de 1944
Em Hartheim, as autoridades alemãs realizam o último gaseamento de presos.
Sob a guarda da SS, os prisioneiros de Mauthausen desmantelaram a instalação de assassi-
nato. Hartheim foi uma das seis instalações de gaseamento para adultos estabelecidas como
parte do programa de "eutanásia".
Entre abril de 1940 e dezembro de 1944, os alemães mataram aproximadamente 30.000 indi-
víduos, a maioria deles portadores de deficiência mental e física. Juntamente com as vítimas
da "eutanásia", cerca de 6.000 prisioneiros de Mauthausen, Gusen e Dachau também foram
gaseados na instalação.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1944: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Gassing Operations
• Holocaust Encyclopedia article—Euthanasia Program

Marcha da Morte de Auschwitz

Lilly Appelbaum Malnik, nascida em


1928, Antuérpia, Bélgica, descreve uma
marcha da morte de Auschwitz [Entre-
vista: 1990] - Museu Memorial do Holo-
causto nos EUA

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/death-march-
from-auschwitz

TRANSCRIÇÃO
Chegou a notícia de que íamos evacuar Auschwitz. Por que estávamos evacuando Auschwitz?
É porque os russos estavam a aproximar-se. E então nós ... todos nós saímos de Auschwitz e
começamos a andar. E começamos a andar, andamos por dias. Eu nunca esquecerei isso. Eu
não sei quantos dias caminhamos. Andamos e, de seguida, levamos carros de gado e, depois,
andamos novamente. E enquanto andávamos ouvimos tiros de armas e eles disseram-nos
para continuar a marchar. Ouvimos tiros de armas e eles estavam a atirar pelas costas às pes-
soas que não conseguiam acompanhar a caminhada. Acabou por ser chamada de marcha da

Página 48 de 92
morte porque os desfiladeiros e as valetas estavam todos vermelhos de sangue. Algumas pes-
soas falavam polaco, estávamos a andar pela Polónia, e algumas pessoas pensavam que po-
deriam escapar e iriam tentar. Algumas pessoas que já não conseguiam acompanhar a cami-
nhada, ficavam fracas, lançavam todos os seus pacotes e andavam até não conseguirem
aguentar mais, ficavam para trás e os alemães simplesmente atiraram sobre eles. Vimos pes-
soas a ser baleadas na frente, no seu peito, nas costas. Eles estavam deitados em cima de
colinas, atrás de árvores. Foi realmente como uma zona de guerra. E foi assim que finalmente
chegamos a um acampamento chamado Bergen-Belsen.

17 de janeiro de 1945
À medida que as tropas soviéticas se aproximam, as unidades da SS começam a evacuação
final dos prisioneiros do complexo de campos de Auschwitz, marchando a pé em direção ao
interior do Reich alemão. Essas evacuações forçadas passam a ser chamadas de "marchas da
morte".
Em meados de janeiro de 1945, quando as forças soviéticas se aproximaram do complexo de
campos de concentração de Auschwitz, as SS começaram a evacuar Auschwitz e os seus sub-
campos. As unidades da SS forçaram quase 60.000 prisioneiros a marcharem para oeste do
sistema de campos de Auschwitz. Milhares foram mortos nos campos nos dias anteriores a
essas marchas da morte. Dezenas de milhares de prisioneiros, na sua maioria judeus, foram
forçados a marchar para noroeste durante 55 quilómetros até Gliwice (Gleiwitz), com prisio-
neiros de subcampos no leste da Alta Silésia, como Bismarckhuette, Althammer e Hindenburg,
63 quilómetros a oeste (aproximadamente 35 milhas) até Wodzislaw (Loslau) na parte ociden-
tal da Alta Silésia, com os internos dos subcampos ao sul de Auschwitz, como Jawischowitz,
Tschechowitz e Golleschau. Os guardas da SS atiraram em quem ficou para trás ou não pôde
continuar. Os prisioneiros também sofriam com o frio, a fome e a exposição nessas marchas.
Pelo menos 3.000 prisioneiros morreram a caminho de Gliwice sozinhos; possivelmente cerca
de 15.000 prisioneiros morreram durante as marchas de evacuação de Auschwitz e dos sub-
campos.

Página 49 de 92
Vista de uma secção da cerca de
arame farpado e quartéis em Aus-
chwitz no momento da libertação
do campo. Auschwitz, Polónia, ja-
neiro de 1945. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia
de Philip Vock

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Death Marches
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Killing Centers
• Special Focus—Liberation of Auschwitz

As forças soviéticas libertam Auschwitz


Libertação de Auschwitz, Polónia, 1945. As
tropas soviéticas entraram no campo de Aus-
chwitz na Polónia a 27 de janeiro de 1945.
Esta filmagem militar soviética mostra crian-
ças que foram libertadas em Auschwitz pelo
exército soviético. Durante os anos de ope-
ração do campo, muitas crianças em Aus-
chwitz foram submetidas a experiências mé-
dicas pelo médico nazi Josef Mengele. Arqui-
vos Nacionais - Filme

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1942-1945/soviet-forces-liberate-
auschwitz

TRANSCRIÇÃO
Entre os 2.819 presos que foram libertados de Auschwitz, havia 180 crianças; 52 delas tinham
menos de 8 anos de idade. Como poderiam sobreviver a esse inferno? Conseguiram sobrevi-
ver porque eram procuradas para pesquisa médica em vez de ratos e coelhos. Mas os

Página 50 de 92
assassinos alemães com formação em medicina só gostavam de um tipo particular de crianças:
queriam experimentar gémeos. Os gémeos eram um material de pesquisa especial do doutor
Mengele e do doutor Schmidt. As crianças que não pertenciam a essa categoria foram sim-
plesmente assassinadas. Os bebés eram conhecidos pelos números nas suas mãos pequenas.

27 de janeiro de 1945
O exército soviético entra em Auschwitz, Birkenau e Monowitz e liberta cerca de 7.000 prisio-
neiros, muitos dos quais estão doentes e a morrer.
Em meados de janeiro de 1945, quando as forças soviéticas se aproximaram do complexo de
campos de concentração de Auschwitz, as SS começaram a evacuar Auschwitz e os seus sub-
campos. As unidades da SS forçaram quase 60.000 prisioneiros a marchar para oeste do sis-
tema de campos de Auschwitz. Milhares foram mortos nos campos nos dias anteriores a essas
marchas da morte. Auschwitz-Birkenau era o centro de extermínio de Auschwitz. Quase todos
os deportados que chegaram aos campos foram enviados imediatamente para a morte nas
câmaras de gás. Estima-se que as SS e a polícia tenham deportado no mínimo 1,3 milhão de
pessoas para o complexo de Auschwitz entre 1940 e 1945. Destas, as autoridades do campo
assassinaram 1,1 milhão.
Artefacto

A saia de riscas de um uniforme de pri-


são usado no campo de concentração
de Auschwitz. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de
Panstwowe Muzeum Auschwitz-Bir-
kenau, em Oswiecimiu

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Auschwitz
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Seventieth Anniversary of the Liberation of Auschwitz

Página 51 de 92
Conferência de Yalta
Yalta, União Soviética, de 4 a 11 de fevereiro de
1945. Com a derrota da Alemanha à vista, Wins-
ton S. Churchill, Franklin D. Roosevelt e Joseph
Stalin encontraram-se em Yalta, na União Sovié-
tica, para discutir a ordem do pós-guerra na Eu-
ropa. Esta filmagem mostra delegados a chegar e
cenas da conferência. —Arquivos Nacionais e Ad-
ministração de Registos, College Park

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1942-1945/yalta-conference

TRANSCRIÇÃO
Sob três bandeiras num aeródromo próximo, oficiais russos chefiados pelo ministro das Rela-
ções Exteriores Molotov aguardam a chegada da delegação britânica e americana. Anthony
Eden, ministro das Relações Exteriores britânico, Edward Stettinius, secretário dos Estado dos
Estados Unidos, Harry Hopkins, conselheiro do presidente Roosevelt, com Averell Harriman,
embaixador dos Estados Unidos na Rússia e Winston Churchill, primeiro ministro da Grã-Bre-
tanha. Também a chegar de avião depois de uma viagem de 11.000 quilómetros, está Franklin
D. Roosevelt, presidente dos Estados Unidos. Marechal Joseph Stalin, primeiro-ministro da
União Soviética. Na época das três primeiras conferências das nações, em Teerão, 14 meses
antes, o terreno sobre o qual Stalin agora caminha ainda estava nas mãos do inimigo. As três
partes chegam a um acordo firme sobre pontos militares e políticos. Planos coordenados de
todas as direções são feitos para novos grandes golpes contra a Alemanha. Reafirmando a
determinação das nações unidas de cooperar plenamente após a guerra, Roosevelt, Churchill
e Stalin chegam a um acordo sobre os fundamentos da paz europeia. A Alemanha será desar-
mada; o militarismo alemão e o nazismo serão destruídos; a Alemanha será ocupada por zo-
nas, com a França como um participante importante, uma organização para a segurança mun-
dial será permanentemente estabelecida. Os três líderes reafirmam a sua fé nos princípios da
Carta do Atlântico.

4 de fevereiro de 1945
4 a 11 de fevereiro de 1945: Winston S. Churchill, Franklin D. Roosevelt e Joseph Stalin encon-
tram-se em Yalta, na União Soviética, para discutir a ordem do pós-guerra na Europa. Eles

Página 52 de 92
concordam com a desnazificação completa da Alemanha e a divisão do país em zonas de ocu-
pação. A União Soviética afirma que se vai juntar à guerra contra o Japão.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Avalon Project: Documents in Law, History and Diplomacy—Protocol of Proceedings of
Crimea Conference (external link)

Libertação de Gross-Rosen

Vista do campo de concentração de


Biesinitzer Grund (Goerlitz), um sub-
camp de Gross-Rosen, após a liberta-
ção. Polónia, maio de 1945. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Teddy Znamirowski

13 de fevereiro de 1945
A 70ª brigada de infantaria motorizada do Exército Soviético liberta o campo de concentração
de Gross-Rosen.
Quando as forças soviéticas se aproximaram, em janeiro de 1945, os alemães começaram a
evacuar o complexo Gross-Rosen, dissolvendo os subcampos a leste do rio Oder. No início de
fevereiro de 1945, as SS evacuaram o campo principal e, subsequentemente, subcampos adi-
cionais a oeste do rio Oder. Os guardas da SS escoltaram pelo menos 44 mil prisioneiros, mui-
tos dos quais eram judeus, principalmente em comboios de carga e sob condições brutais,
para os campos de Bergen-Belsen, Buchenwald, Dachau, Flossenbürg, Mauthausen, Dora-
Mittelbau e Neuengamme - no Reich alemão. Muitos prisioneiros morreram durante as eva-
cuações devido à falta de comida e água. Os guardas da SS mataram prisioneiros que se tor-
naram fracos demais para continuar. As forças soviéticas libertaram o principal campo de
Gross-Rosen a 13 de fevereiro de 1945.

Página 53 de 92
Estima-se que dos 120.000 prisioneiros que passaram pelo sistema do campo Gross-Rosen,
pelo menos 40.000 morreram em Gross-Rosen ou durante a evacuação do campo.

Arquivos de caixa do Serviço de Rastreamento


Internacional contendo documentação relacio-
nada com o campo Gross-Rosen. Bad Arolsen,
Alemanha. - Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia de Richard Ehrlich

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Gross-Rosen
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation
• First Person—Morris Rosen: Forced Evacuation

Rendição de unidades alemãs e húngaras


13 de fevereiro de 1945
As tropas soviéticas aceitam a rendição das últimas unidades alemãs e húngaras que lutavam
na cidade cercada de Budapeste, na Hungria. As tropas soviéticas conduziram as últimas uni-
dades alemãs e os seus colaboradores da Cruz de Flechas a partir do oeste da Hungria no início
de abril de 1945.
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Europe
• Holocaust Encyclopedia article—Hungary after the German Occupation
• Holocaust Encyclopedia article—The Holocaust and World War II: Timeline
• Video—The Holocaust in Hungary: An Introduction
• Special Focus—The Holocaust in Hungary

Página 54 de 92
Tropas dos EUA capturam ponte ferroviária Ludendorff em Remagen
Documentando o Caminho dos Libertadores
Americanos: Remagen / Atravessando o Reno
(março de 1945) - Museu Memorial do Holo-
causto nos EUA

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1942-1945/remagen

TRANSCRIÇÃO
Derrota do TERCEIRO REICH REMAGEN/Cruzando o Reno, março de 1945
Em meados de janeiro de 1945, o terreno perdido durante a Batalha do Bulge foi recuperado
e os Aliados continuaram o seu avanço para a Alemanha. Em março, tropas americanas cerram
o rio Reno. Quando as tropas aliadas se aproximaram, os alemães destruíram pontes que atra-
vessavam o rio, mas não explodiram a ponte do caminho de ferro Ludendorff em Remagen.
“Quando as ordens foram dadas para ir, isso significava não parar por nada nem por ninguém;
nós nem poderíamos ajudar os feridos. Isso parecia frio e desumano, os nossos amigos eram
a nossa vida. Quando chegamos à rampa, foi mais compreensível porque não conseguimos
parar. Essa rampa ficou conhecida como "Dead Man’s Corner" por um bom motivo. Quando
corremos em direção à ponte, pisamos e saltamos sobre os mortos e feridos. Era óbvio porque
não conseguíamos obstruir o tráfego.
—B.C. Henderson, 99ª Divisão de Infantaria
Terceiras tropas do Exército dos EUA atravessam o Reno - Tropas do Terceiro Exército dos EUA
baixam-se quando o fogo inimigo é aberto durante as travessias do Reno em embarcações de
assalto em Oberwesel, na Alemanha. O Exército passou o rio pela primeira vez a 22 de março
de 1945.
- US Army Signal Corps, março de 1945
“... você só pode ver o céu acima, a estrutura da ponte, e ouvir as águas a correr Reno abaixo.
Você não se preocupou apenas com o fogo alemão na área de No Man (a ponte), mas os bu-
racos abertos, alguns suficientemente grandes para se cair. Você correu e caminhou até sentir
que não havia mais um passo e começa a pensar que não vale a pena, porque os Jerries te vão

Página 55 de 92
derrubar assim que você puser o pé do outro lado. Mas de alguma forma esse pensamento
passa, e você só se levanta e diz a si mesmo que vai apanhá-lo antes que ele o apanhe.
O caminho para a Alemanha
ABRIL DE 1945
Após a travessia do Reno, as tropas americanas começaram a corrida para o leste, através da
Alemanha central. Os exércitos soviéticos que se dirigiam para o oeste encontraram os ame-
ricanos no Rio Elba, perto de Leipzig, a 25 de abril de 1945. Embora alguns combates tivessem
permanecido, o Exército dos EUA tinha ido para a Áustria quando a guerra terminou a 8 de
maio de 1945.
“Nós juntamos-nos [o 9º]… enquanto o cruzamento inicial na Remagen ainda estava na sua
infância. A divisão cruzou e começou a grande viagem ao coração da Alemanha. Nós unimo-
nos aos principais elementos em Leutesdorf e entregamos muitas das primeiras fotos do
avanço a leste do Reno. Alguns dias até 90 fotos e 1.200 pés de filme foram expostos. As ruas
estavam sujas, cheias de escombros, cheias de pregos, prédios queimados. Tanques rolaram
e bandeiras brancas apareceram em todas as janelas. Nós movemo-nos rapidamente de um
lugar para outro na cidade e temos fotos da batalha, prisioneiros e outras coisas de inte-
resse…”
—167ª Companhia Fotográfica de Sinais, Unidade 123

167º E O WEHRMACHT
MARÇO DE ABRIL DE 1945
Liderando o ataque do Primeiro Exército na primavera de 1945, a 9ª Divisão Blindada dirigiu-
se rapidamente para o coração da Alemanha, rolando ao longo das autoestradas federais
construídas pelo regime de Hitler.
“Um grupo de Krauts foi visto a cruzar o campo, agitando uma bandeira. Um tanque decolou
para os ir buscar, mas descobriu que eles eram médicos alemães com uma Wehrmacht ferida.
Depois de procurá-los e encontrar apenas pequenas facas de bolso, eles foram orientados a
descer a estrada, para serem apanhados pela Infantaria, já que não queriam voltar para as
suas próprias linhas. ”
—Carmen Corrado, 167ª Companhia Fotográfica de Sinais
“Ao mesmo tempo, descobrimos um Yank ferido que tinha sido atingido por uma bala de ati-
rador de elite. Imediatamente levámo-lo para um hospital na cidade, que descobrimos

Página 56 de 92
quando chegamos ainda nas mãos dos alemães. Homens vestidos com uniformes alemães
correram para ajudar. Foi uma grande surpresa para nós, mas os médicos alemães operaram
e cuidaram do soldado ferido ... Heslop tirou algumas fotos e o filme foi levado de volta. ”
—167ª Companhia Fotográfica de Sinais, Unidade 123

MASSACRE NO LEIPZIG
DE 1945
O campo de concentração de Thekla, nos subúrbios de Leipzig, foi palco de uma atrocidade a
18 de abril de 1945. Quando a 9ª Divisão Blindada cercava a cidade, guardas da SS acamparam
e atiraram em prisioneiros enquanto tentavam fugir. Aproximadamente 90 prisioneiros foram
assassinados.
“Vítimas de incêndio em massa de 250 trabalhadores escravos polacos e franceses no campo
nazi perto de Leipzig a 19 de abril de 1945, um dia antes de a cidade ser capturada pela 69ª
Divisão do Primeiro Exército dos EUA. As vítimas foram reunidas num prédio. Uma bomba-
relógio foi explodida. Homens que quebraram portas para escapar foram metralhados por
tropas nazis da SS. ”
- B Sellers, Corpo de Sinal do Exército dos EUA, 20 de abril de 1945
“Leipzig caiu e estávamos na cidade a 20 de abril para fotos. Não restou nenhum Burgomeis-
ter, pois ele e metade da Câmara suicidaram-se numa festa de bebedeira na noite anterior.
“… com [uma] imagem rasgada do seu Fuehrer nazi ao lado do seu punho cerrado, o general
morto do Volkssturm está no chão do escritório na Câmara em Leipzig, Alemanha. Ele come-
teu suicídio em vez de enfrentar as primeiras tropas do Exército dos EUA que capturaram a
cidade a 19 de abril.
“Noutros lugares do Reich de Hitler, os alemães pararam de matar outros e começaram a
matar-se. Em Weimar, o presidente da Câmara e a sua esposa, depois de verem as atrocidades
de Buchenwald, cortaram os seus pulsos. Em Nürnberg, o líder nazi local atirou no presidente
da Câmara e depois em si mesmo. Em Berlim, onde os russos relataram suicídios em massa, o
assistente-chefe do Ministro da Propaganda, Goebbels, disse que até mesmo Hitler e Goeb-
bels se mataram. Hitler, segundo relatos, tinha atirado em si mesmo; Goebbels tomou veneno.
—Life Magazine, 14 de maio de 1945

Página 57 de 92
7 de março de 1945
Tropas da 9ª Divisão Blindada dos EUA capturam a Ponte Ferroviária Ludendorff em Remagen,
entre Koblenz e Bonn, Alemanha.
No início de março de 1945, as tropas aliadas tinham alcançado a margem oeste do rio Reno
ao longo da maior parte do comprimento do rio, ao norte da cidade de Köln. Embora a maioria
das pontes sobre o rio tenha sido explodida à medida que as tropas americanas chegavam até
elas, uma não foi. A Ponte da Ferrovia Ludendorff em Remagen, entre Koblenz e Bonn, foi
capturada intacta pelas tropas da 9ª Divisão Blindada dos Estados Unidos a 7 de março de
1945. A infantaria blindada atravessou a ponte sob intenso fogo inimigo enquanto os alemães
tentavam destruí-la. Várias explosões danificaram parte da ponte, mas as cargas principais
não dispararam e a ponte permaneceu de pé.
Uma semana após cruzar o Reno sobre a Ponte Ludendorff, sete divisões dos EUA estabelece-
ram-se em força a leste do Reno. A 17 de março de 1945, o Ludendorff, severamente danifi-
cado nos combates dez dias antes e enfraquecido ainda mais pela pressão do tráfego pesado,
desmoronou no Reno. Tendo atravessado o Reno, os exércitos aliados prepararam-se para
entrar no interior da Alemanha.

Entrada do diário do soldado de guerra do exército dos EUA

HTTPS://WWW.USHMM.ORG/LEARN/TIMELINE-
OF-EVENTS/1942-1945/US-ARMY-MEDIC-POW-DI-
ARY-ENTRY

2 de abril de 1945
Num diário para este dia, em 1945, Anthony Acevedo escreve: "Mais dois dos nossos homens
morreram hoje. Mais uma última noite faz três. Mais dezasseis faz dezanove. Mortes a au-
mentar em grande número ..."

Página 58 de 92
Acevedo, médico da 70ª Divisão de Infantaria do Exército dos Estados Unidos durante a Se-
gunda Guerra Mundial, foi capturado pelos alemães na Batalha do Bulge e tornou-se prisio-
neiro de guerra. Ele e várias centenas de soldados foram transferidos para Berga am Elster,
uma secção do campo de concentração de Buchenwald. Acevedo foi encarregado de cuidar
dos seus companheiros de prisão e registou num pequeno diário os nomes e números daque-
les que morreram para garantir que seu sacrifício fosse lembrado.
A 13 de outubro de 2010, Anthony Acevedo doou materiais pessoais para a coleção perma-
nente do Museu do Holocausto dos Estados Unidos.

Página do diário mantido pelo médico


Anthony Acevedo enquanto era um pri-
sioneiro de guerra. - Museu Memorial
do Holocausto nos EUA

Libertação de Ohrdruf
Anotação da página do álbum que
documenta a libertação do campo
de concentração de Ohrdruf, um
subcampo de Buchenwald (erronea-
mente rotulado como Dachau) do ál-
bum de Henry Raymond Malenfant,
4º Blindado Div, 84º Batalhão de Re-
conhecimento. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de
Raymond Malenfant

4 de abril de 1945
O campo de Ohrdruf era um subcampo do campo de concentração de Buchenwald e o pri-
meiro campo nazi libertado pelas tropas dos EUA.
A 4ª Divisão Blindada e a 89ª Infantaria do Terceiro Exército dos EUA libertaram Ohrdruf a 4
de abril de 1945. Depois de visitar Ohrdruf uma semana depois, o general Dwight D.

Página 59 de 92
Eisenhower ordenou a documentação cuidadosa das atrocidades perpetradas nos campos de
concentração nazis, para que ninguém no futuro pudesse negar que eles tinham cometido
essas atrocidades. A descoberta do campo de Ohrdruf abriu os olhos de muitos soldados dos
EUA para os horrores perpetrados pelos nazis durante o Holocausto.

Soldados dos EUA enfrentam os cadáveres de


prisioneiros mortos em Ohrdruf pouco antes
da libertação do campo. Ohrdruf, Alemanha,
4 de abril de 1945. - Museu Memorial do Ho-
locausto dos EUA, cortesia de Roy Rodriguez,
10º Batalhão de Infantaria Blindada da 4ª Di-
visão Blindada

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Ohrdruf
• Holocaust Encyclopedia article—4th Armored Division
• Holocaust Encyclopedia article—89th Infantry Division
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Film footage

Libertação de Dora-Mittelbau
Forças norte-americanas libertaram o campo
de concentração de Dora-Mittelbau (Nordhau-
sen) em abril de 1945. Aqui, médicos e solda-
dos da Terceira Divisão Blindada dos EUA eva-
cuam sobreviventes do campo que estão a
morrer. - Arquivos Nacionais - Filme

https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-
events/1942-1945/liberation-of-dora-
mittelbau

Página 60 de 92
11 de abril de 1945
A 3ª Divisão Blindada descobre o campo de concentração de Dora-Mittelbau. A divisão relata
à sede que descobriu um grande campo de concentração perto da cidade de Nordhausen.
Solicitando ajuda da 104ª Divisão de Infantaria, a 3ª começa imediatamente a transportar
cerca de 250 prisioneiros doentes e famintos para instalações hospitalares próximas.
O campo de Dora-Mittelbau (também conhecido como Dora-Nordhausen ou Nordhausen) foi
estabelecido na região central da Alemanha, perto das montanhas do sul de Harz, ao norte da
cidade de Nordhausen. Foi originalmente um subcampo de Buchenwald. Prisioneiros de Bu-
chenwald foram enviados para a área em 1943 para iniciar a construção de um grande com-
plexo industrial. Em outubro de 1944, a SS tornou Dora-Mittelbau um campo de concentração
independente com mais de 30 subcampos próprios.
No início de abril de 1945, os nazis começaram a evacuar os prisioneiros de Dora-Mittelbau.
Em poucos dias, a maioria dos prisioneiros restantes foi enviada para Bergen-Belsen, no norte
da Alemanha. Milhares foram mortos durante marchas da morte sob condições horrendas.
Quando as forças dos EUA libertaram Dora-Mittelbau em abril de 1945, apenas estavam no
campo alguns prisioneiros.

Sob a supervisão de um soldado americano, ci-


vis alemães cavam valas comuns para as víti-
mas do campo de concentração de Dora-
Mittelbau após a libertação. Perto de Nordhau-
sen, Alemanha, 15 de abril de 1945. - Museu
Memorial do Holocausto nos EUA

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Dora Mittelbau
• Holocaust Encyclopedia article—The 104th Infantry Division
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Liberation
• Bibliography—Liberators
• Personal Histories—Liberation

Página 61 de 92
Forças dos EUA Libertam Buchenwald
Libertação de Buchenwald - Arquivos Na-
cionais – Filme

https://www.ushmm.org/learn/timeline-
of-events/1942-1945/us-forces-liberate-
buchenwald

11 de abril de 1945
No início de abril de 1945, quando as forças americanas se aproximaram, os alemães começa-
ram a evacuar cerca de 28.000 prisioneiros do campo principal de Buchenwald e mais alguns
milhares de prisioneiros dos subcampos de Buchenwald. Cerca de um terço desses prisionei-
ros morreram de exaustão no caminho ou logo após a chegada, ou foram baleados pelas SS.
A organização de resistência secreta em Buchenwald, cujos membros ocupavam cargos admi-
nistrativos importantes no campo, salvou muitas vidas. Eles obstruíram as ordens nazis e atra-
saram a evacuação.
A 11 de abril de 1945, na expectativa de libertação, prisioneiros famintos e magros invadiram
as torres de vigia, tomando o controlo do campo. Mais tarde, as forças dos EUA entraram em
Buchenwald. Soldados da 6ª Divisão Blindada, parte do Terceiro Exército, encontraram mais
de 21.000 pessoas no campo.

Logo após a libertação, os sobreviventes do


campo de "Bloco Infantil 66" de Buchenwald
- um quartel especial para crianças. Alema-
nha, após 11 de abril de 1945. - Federação
Nacional dos Desportistas e Internos Resis-
tentes e Patriotas

Página 62 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—US Army Units
• Holocaust Encyclopedia article—Buchenwald
• Holocaust Encyclopedia article—6th Armored Division

Desenho de caneta e tinta a mostrar a libertação de Buchenwald

Caneta e tinta desenhado pelo cabo Frank


Kennelly em abril de 1945, capturando uma
cena durante a libertação de Buchenwald. -
Coleção do Museu Memorial do Holocausto
dos EUA, Dom de Byrnice Dunn

11 de abril de 1945
Forças norte-americanas libertaram o campo de concentração de Buchenwald a 11 de abril de
1945. O cabo Frank Kennelly, da Filadélfia, membro da 1260th Combat Engineers, desenhou
esta peça para comemorar o que viu em Buchenwald. A legenda na parte de trás do desenho
diz “Desenho original de caneta e tinta de um esboço que fiz na Alemanha, em abril de 1945
(Campo de Concentração de Buchenwald) CPL Frank E. Kennelly, Phila, PA, 1992-1260 Combat
Engs.”
O desenho de Kennelley retrata em tinta preta e colorida um oficial militar ajoelhado no chão
ao lado de uma mulher magra, com um vestido com a Estrela de David e alimentando-a.

Página 63 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Buchenwald

Libertação de Westerbork
Um mapa do campo de passagem de Wes-
terbork. Até julho de 1942, Westerbork era
um campo de refugiados para judeus que se
tinham mudado ilegalmente para a Holanda.
Após a conquista alemã dos Países Baixos,
Westerbork foi expandido para um campo
de passagem para judeus deportados da Ho-
landa para centros de extermínio. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia
de Toni Heller

12 de abril de 1945
Forças canadianas libertam 876 prisioneiros no campo de Westerbork, na Holanda.
O campo de Westerbork ficava na parte nordeste da Holanda, na província holandesa de
Drenthe, perto das cidades de Westerbork e Assen. O governo holandês estabeleceu um
campo em Westerbork em outubro de 1939 para internar refugiados judeus que tinham en-
trado ilegalmente na Holanda. O campo continuou a funcionar após a invasão alemã dos Paí-
ses Baixos em maio de 1940. Em 1941, havia uma população de 1.100 refugiados judeus, a
maioria da Alemanha.
De 1942 a 1944, Westerbork serviu como um campo de passagem para judeus holandeses
antes de serem deportados para centros de extermínio na Polónia ocupada pelos alemães. No
início de abril de 1945, quando as tropas aliadas se aproximaram do campo, os alemães aban-
donaram Westerbork. Westerbork foi libertado a 12 de abril de 1945 por forças canadianas
que encontraram 876 presos no local.

Página 64 de 92
A estação de comboios em Westerbork,
1942-44. - Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia de Trudi Gidan

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Personal Histories—Liberation
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Westerbork
• Holocaust Encyclopedia article—2nd Canadian Division
• Holocaust Encyclopedia article—The Netherlands

Última entrada do Diário Escrito por Otto Wolf


A última entrada do diário escrita por Otto
Wolf, datada de 13 de abril de 1945. - Mu-
seu Memorial do Holocausto dos EUA, cor-
tesia de Felicitas Wolf Garda

13 de abril de 1945
Otto Wolf (1927-1945), um adolescente judeu checo, narrou a experiência da sua família que
viveu escondida na Morávia rural durante a Segunda Guerra Mundial. O seu diário começou a
Página 65 de 92
22 de junho de 1942, o dia em que ele e a sua família escaparam de um centro de reunião em
Olomouc, Morávia, onde foram levados para a deportação para Theresienstadt. A última en-
trada do diário de Otto é a 13 de abril de 1945. A 18 de abril, ele foi capturado e preso. Foi
baleado dois dias depois, a 20 de abril. A sua família não sabia de seu destino; a sua irmã
Felicitas começou a escrever no seu diário, mantendo-o atualizado para o regresso esperado.
Felicitas doou os diários manuscritos de Otto ao Museu Memorial do Holocausto dos Estados
Unidos em 1995. O diário foi publicado postumamente.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Children's Diaries during the Holocaust
• Bibliography—Diaries
• Bibliography—Hidden Children
• Online Exhibition—Life in Shadows: Hidden Children and the Holocaust

Libertação de Bergen-Belsen
As tropas britânicas libertaram o campo de
concentração de Bergen-Belsen na Alema-
nha em abril de 1945. Eles filmaram decla-
rações de membros das suas próprias for-
ças. Nesta filmagem militar britânica, o ca-
pelão do exército britânico T.J. O relata as
suas impressões sobre o campo. —Imperial
War Museum - Arquivo de filmes

https://www.ushmm.org/learn/timeline-
of-events/1942-1945/liberation-of-bergen-
belsen

TRANSCRIÇÃO
Sou o Reverendo T.J. Stretch agregado como padre deste campo. A minha casa é em Fis-
hguard, a minha paróquia ficava na Igreja da Santíssima Trindade, em Aberystwyth. Estive
aqui oito dias, e nunca na minha vida vi tal horror condenável. Hoje de manhã enterramos
mais de cinco mil corpos, não sabemos quem são. Atrás de mim, você pode ver um buraco
que conterá outros cinco mil. Há outros dois que estão em preparação. Todas essas mortes
foram causadas por fome sistemática, tifo e doença, que se espalharam por causa do trata-
mento dispensado a essas pessoas pobres pelos seus guardas da SS e o seu chefe da SS.

Página 66 de 92
15 de abril de 1945
O 63º Regimento Antitanque e a 11ª Divisão Blindada do exército britânico libertaram cerca
de 60.000 prisioneiros no campo de concentração de Bergen-Belsen.
Ao dirigir-se à Alemanha, a 11ª Divisão Blindada ocupou o campo de concentração de Bergen-
Belsen a 15 de abril de 1945, de acordo com um acordo de 12 de abril com os alemães em
retirada para entregar o campo pacificamente. Quando a 11ª Divisão Blindada entrou no
campo, os seus soldados estavam totalmente despreparados para o que encontraram. Dentro
havia mais de 60.000 prisioneiros magros e doentes, em necessidade desesperada, de cuida-
dos médicos. Mais de 13.000 cadáveres em várias fases de decomposição estavam espalhados
pelo campo.
A descoberta do campo de Bergen-Belsen e as horrendas condições que o país causou tiveram
forte impacto na opinião pública da Grã-Bretanha e noutros lugares. Um membro de uma
unidade de filme e fotografia do exército britânico recordou as massas de cadáveres não en-
terrados:
“Os corpos eram uma visão medonha. Alguns eram verdes. Pareciam esqueletos cobertos de
pele - a carne desaparecera. Havia corpos de crianças pequenas entre os adultos. Noutras
partes do campo havia centenas de corpos espalhados, em muitos casos empilhados de cinco
ou seis metros de altura.”

Um sinal que marca uma sepultura ma-


ciça no campo de concentração de Ber-
gen-Belsen. - Museu Memorial do Holo-
causto dos EUA, cortesia de George
Stein

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Bergen-Belsen
• Holocaust Encyclopedia article—Bergen-Belsen: Camp Complex
• Holocaust Encyclopedia article—Bergen-Belsen: Timeline
• Holocaust Encyclopedia article—The 11th Armoured Division (Great Britain)

Página 67 de 92
• Holocaust Encyclopedia article—Bergen-Belsen: Displaced Persons Camp
• Commemorating the 70th Anniversary of Liberation
• Bergen-Belsen Memorial (external link)

Página do diário de Otto Wolf


Esta é a primeira entrada de Felicitas
Garda, irmã de Otto Wolf, datada de
17 de abril de 1945. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Fe-
licitas Wolf Garda

17 de abril de 1945
Otto Wolf (1927-1945), um adolescente judeu checo, narrou a experiência da sua família que
viveu escondida na Morávia rural durante a Segunda Guerra Mundial. Seu diário começou em
22 de junho de 1942, o dia em que ele e sua família escaparam de um centro de reunião em
Olomouc, Morávia, onde foram levados para a deportação para Theresienstadt. A última en-
trada do diário de Otto é a 13 de abril de 1945. A 18 de abril, foi capturado e preso. Foi baleado
dois dias depois, a 20 de abril. A sua família não sabia do seu destino; a sua irmã Felicitas
começou a escrever no seu diário, mantendo-o atualizado para o regresso esperado. Esta ima-
gem mostra o livro 4 do diário de Otto Wolf. Esta é a primeira entrada de Felicitas Garda (irmã
de Otto Wolf) datada de 17 de abril de 1945. Felicitas continuou o diário de Otto após o seu
desaparecimento.
Felicitas doou os diários manuscritos de Otto para o Museu Memorial do Holocausto dos Es-
tados Unidos em 1995. O diário foi publicado postumamente.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Children's Diaries during the Holocaust
• Online Exhibition—Life in Shadows: Hidden Children and the Holocaust
• Bibliography—Hidden Children
• Bibliography—Diaries

Página 68 de 92
Evacuação de prisioneiros de Sachsenhausen
20 de abril de 1945
Os guardas do campo da SS iniciam a evacuação forçada a pé de 33.000 prisioneiros do
campo de concentração de Sachsenhausen para o noroeste durante a noite de 20 a 21 de
abril de 1945.
Os primeiros grupos a sair receberam rações mínimas de comida; aqueles que partiram
depois não receberam comida nenhuma. Na rota, os guardas da escolta da SS atiraram nos
prisioneiros incapazes de acompanhar a marcha. Os vários grupos que foram marcados
para fora de Sachsenhausen tornaram-se cada vez mais desorganizados à medida que as
tropas aliadas se aproximavam. Eventualmente, a estrutura dos grupos desintegrou-se: os
guardas fugiram e os prisioneiros tiveram mais oportunidades de se separarem do grupo
principal e fugir. Nas duas semanas seguintes ao início das marchas, as tropas dos EUA li-
bertaram prisioneiros sobreviventes das evacuações forçadas perto da cidade de Schwerin,
na Alemanha. As tropas soviéticas libertaram outros grupos de prisioneiros evacuados de
Sachsenhausen, perto de Zechlin, na Alemanha.
A 22 de abril, unidades do Primeiro e do 47º Exército Polaco, operando sob o comando
geral soviético, libertaram cerca de 3.000 presos que ainda estavam no campo.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Death Marches
• Holocaust Encyclopedia article—Sachsenhausen: Timeline
• Holocaust Encyclopedia article—Sachsenhausen
• Holocaust Encyclopedia article—Sachsenhausen: Conditions in the Camp
• Holocaust Encyclopedia article—Sachsenhausen: Liberation and Postwar Trials
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Página 69 de 92
Forças dos EUA Libertam Flossenbürg

Após a libertação do campo de concen-


tração Flossenbürg, dois soldados da in-
fantaria do Exército dos EUA examinam
uma pilha de sapatos pertencentes às
vítimas do campo. Flossenbürg, Alema-
nha, maio de 1945. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Ar-
nold Bauer Barach

23 de abril de 1945
Quando as forças dos EUA se aproximaram do campo, em meados de abril de 1945, as SS
começaram a evacuação forçada de prisioneiros, exceto os que não podiam andar, do campo
de Flossenbürg. Entre 15 de abril e 20 de abril, as SS transferiram a maior parte dos 9.300
prisioneiros ainda no campo principal (entre eles aproximadamente 1.700 judeus), reforçados
por cerca de 7.000 prisioneiros que tinham chegado de Buchenwald a Flossenbürg, na direção
de Dachau, a pé e de comboio. Talvez 7.000 desses prisioneiros tenham morrido no caminho,
fosse por exaustão ou fome, fosse porque os guardas da SS dispararam sobre quando já não
conseguiam acompanhar o passo.
Milhares de outras pessoas escaparam, foram libertadas pelas tropas americanas em avanço
ou viram-se livres quando os seus guardas da SS desertaram durante a noite. Menos de 3.000
daqueles que deixaram o campo principal de Flossenbürg chegaram a Dachau, onde se junta-
ram cerca de 3.800 prisioneiros dos subcampos de Flossenbürg. Quando os membros dos 358º
e 359º Regimentos de Infantaria dos EUA (90ª Divisão de Infantaria dos EUA) libertaram Flos-
senbürg a 23 de abril de 1945, pouco mais de 1.500 prisioneiros permaneceram no campo.
Cerca de 200 deles morreram após a libertação.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Flossenbürg
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation
Página 70 de 92
Tropas soviéticas e americanas encontram-se em Torgau
Soldados russos e norte-americanos do
primeiro exército, carregando as suas res-
petivas bandeiras, avançam juntos após a
sua ligação histórica no rio Elba, a leste de
Torgau, na Alemanha. —Arquivos Nacio-
nais e Administração de Registos, College
Park

25 de abril de 1945
Tropas soviéticas e americanas encontram-se em Torgau, na Alemanha.
Da sua ponte sobre o Rio Oder, as forças soviéticas lançaram uma ofensiva final em direção a
Berlim em meados de abril de 1945. A capital alemã foi cercada a 25 de abril. Nesse mesmo
dia, as forças soviéticas uniram-se aos seus colegas americanos atacando do Oeste em Torgau,
no rio Elbe, na região central da Alemanha. Em Berlim, os pesados combates ocorreram nos
subúrbios do Norte e do sul da cidade. Enquanto as forças soviéticas se aproximavam do seu
bunker de comando no centro de Berlim a 30 de abril de 1945, Adolf Hitler cometeu suicídio.
Em poucos dias, Berlim rendeu-se aos soviéticos. As forças armadas alemãs renderam-se in-
condicionalmente no Oeste a 7 de maio e no Leste a 9 de maio de 1945. A 8 de maio de 1945,
foi proclamada Vitória no Dia da Europa (V-E Day).

O major-general Clarence R. Huebner, CG


do V Corps, e o major russo Gen. Pusacof,
58º Inf. Div. Exército Russo, com as suas
equipas, atravessam o Rio Elba para uma
conferência com o CG do 34º Corpo Russo
- Administração Nacional de Arquivos e Re-
gistos, College Park

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—The 69th Infantry Division
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Europe
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Eastern Europe, 1942–1945
• Holocaust Encyclopedia article—The Holocaust and World War II: Timeline

Página 71 de 92
Página 1 de Carta do soldado americano Aaron Eiferman

Página 1 (de 5) de uma carta do soldado


dos EUA Aaron A. Eiferman para a sua
esposa

TRANSCRIÇÃO

27 de abril de 1945
Para o futuro e para nós
Minha esposa querida:
Li a sua carta sobre a morte do presidente Roosevelt. E todos os soldados sentem o mesmo,
ele era um grande homem e sempre será lembrado. Mas nós vimos algo aqui que domina a
morte de alguém em casa. Nós vimos o que pode ser chamado de morto-vivo.
Subindo para uma nova posição, deparamo-nos com um campo de prisioneiros (campo de
concentração para judeus de diferentes países da Europa). Depois de cavar os nossos buracos
de raposa e preparar a nossa defesa, saímos para ver como era um campo de concentração.
O que vimos foi um fim para permanecer até ao resto das nossas vidas.
Quando entramos no campo, a primeira coisa que vimos foram os prédios incendiados, mas
um pouco mais adiante tivemos o choque das nossas vidas. Lá, no chão, no meio dos edifícios
queimados, estavam os restos carbonizados dos trabalhadores escravos judeus, o cheiro dos
corpos era doentio. Eles estavam estendidos em todos os tipos de formas erradas. Alguns com

Página 72 de 92
as suas bocas abertas em agonia, outros atiraram e queimaram parecendo figuras de cera, e
outros ainda queimaram tanto que não era possível reconhecê-los.

27 de abril de 1945
O soldado americano Aaron A. Eiferman, da 12ª Divisão Blindada, escreve uma carta à esposa
a descrever as condições em Kaufering IV, um dos campos de concentração nazi na área de
Landsberg.
Enquanto as tropas aliadas se moviam pela Europa numa série de ofensivas contra a Alemanha
nazi, eles começaram a encontrar dezenas de milhares de prisioneiros em campos de concen-
tração. Durante a primavera de 1945, as forças americanas e aliadas libertaram numerosos
campos de concentração enquanto se aproximavam de Berlim. Os soldados aliados endureci-
dos pela batalha ficaram chocados com o que descobriram. Como Eiferman escreveu,
“Nós vimos o que pode ser chamado de morto-vivo.”
Cinco meses após a invasão da Europa Ocidental pelo Dia D, a 12ª Divisão Blindada entrou na
França pelo porto de Le Havre e rapidamente seguiu para o leste em direção à Alsácia no início
de dezembro. Em março de 1945, os Hellcats avançaram para a Renânia e capturaram a cidade
de Ludwigshafen a 21 de março. Implantando em direção ao sul, a unidade tomou a cidade de
Würzburg no começo do mês seguinte. No final de abril, o dia 12 avançara até a Baviera e
chegara ao rio Danúbio. A divisão terminou a guerra na Áustria.
Durante a sua penetração no sul da Alemanha,n o dia 12 foi invadido o subcampo de Dachau,
na área de Landsberg, em 27 de abril de 1945.

Os cadáveres estavam numa pilha ao lado das ruínas


carbonizadas do quartel do campo de concentração
de Kaufering IV. As SS incendiaram o quartel ma-
tando centenas de prisioneiros que estavam doen-
tes ou fracos demais para se mover. O campo foi in-
cendiado antes da chegada do Exército dos Estados
Unidos a 27 de abril de 1945. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia da Administração Na-
cional de Arquivos e Registos, College Park

TÓPICOS RELACIONADOS
• Full letter
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates

Página 73 de 92
• Holocaust Encyclopedia article—The 12th Armored Division
• Holocaust Encyclopedia article—The Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Kaufering
• Holocaust Encyclopedia article—Dachau
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Libertação de Dachau
James A. Rose, de Toledo, Ohio, estava
com a 42ª Divisão (Arco-Íris). Neste clipe,
Rose descreve as suas impressões de Da-
chau.

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/liberation-of-
dachau

29 de abril de 1945
As 42ª e 45ª Divisões de Infantaria e a 20ª Divisão Blindada do Exército dos EUA libertaram
aproximadamente 32.000 prisioneiros em Dachau.
A 26 de abril de 1945, quando as forças americanas se aproximaram, havia 67.665 prisioneiros
registados em Dachau e os seus subcampos; mais da metade desse número estava no campo
principal. Destes, 43.350 foram classificados como presos políticos, enquanto 22.100 eram
judeus, com o restante dizendo respeito a várias outras categorias. A partir daquele dia, os
alemães forçaram mais de 7.000 prisioneiros, a maioria judeus, numa marcha da morte de
Dachau para Tegernsee, ao sul. Durante a marcha da morte, os alemães matavam qualquer
um que já não pudesse continuar; muitos também morreram de fome, frio ou exaustão. A 29
de abril de 1945, as forças americanas libertaram Dachau. Ao aproximarem-se do campo, en-
contraram mais de 30 vagões cheios de corpos trazidos para Dachau, todos em avançado es-
tado de decomposição. No início de maio de 1945, as forças americanas libertaram os prisio-
neiros que tinham sido enviados na marcha da morte.

Página 74 de 92
Sobreviventes magros sentam-se fora de um
quartel no recém-libertado campo de con-
centração de Dachau. - Museu Memorial do
Holocausto dos EUA, cortesia de Frank Ma-
nucci, David J. Levy, Kathleen Quinn e Theo-
dore A. Kane Jr.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Dachau

Libertação de Ravensbrück
Vista do campo de concentração de Ravens-
brück. Esta fotografia é do SS-Propaganda-Al-
bum de Frauen-KZ-Ravensbrueck 1940-1941. -
Museu Memorial do Holocausto dos EUA, corte-
sia de Lydia Chagoll

30 de abril de 1945
Em janeiro de 1945, a Ravensbrück e os seus subcampos abrigavam mais de 45.000 prisionei-
ras e mais de 5.000 presos do sexo masculino. No início de março, as SS começaram a “eva-
cuar” Ravensbrück quando transportaram 2.100 presos do sexo masculino para Sachsenhau-
sen. No final de março de 1945, as SS transportaram cerca de 5.600 prisioneiras para os cam-
pos de concentração de Mauthausen e Bergen-Belsen.
No final de abril, os guardas da SS forçaram cerca de 20.000 prisioneiras, bem como a maioria
dos prisioneiros homens restantes, a uma evacuação brutal e forçada a pé em direção ao norte
de Mecklenberg. As forças soviéticas em avanço cruzaram a rota da marcha e libertaram os
prisioneiros. A 29 de abril, guardas remanescentes da SS no campo fugiram e, a 30 de abril, a

Página 75 de 92
vanguarda do exército soviético chegou a Ravensbrück; a 1 de maio, as suas unidades regula-
res apareceram e libertaram os últimos prisioneiros.
Entre 1939 e 1945, mais de 130.000 prisioneiros do sexo feminino e 20.000 homens passaram
pelo sistema de campo de Ravensbrück; entre 20.000 a 30.000 desses prisioneiros morreram
em Ravensbrück.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Ravensbrück
• Holocaust Encyclopedia article—Ravensbrück: Liberation and Postwar Trials
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Hitler comete suicídio


30 de abril de 1945
Como forças soviéticas perto do seu bunker de comando no centro de Berlim a 30 de abril de
1945, Adolf Hitler comete suicídio. Berlim cai à mão dos soviéticos em poucos dias.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Eastern Europe, 1942–1945

Página 76 de 92
Libertação de Gunskirchen
Um relatório sem data do Major Cameron Coffman
descrevendo as condições no campo e as atividades
da 71ª Divisão de Infantaria na libertação do campo.
- Museu Memorial do Holocausto nos EUA

De: PRO, 71ª Divisão de Infantaria


APO 360 - Exército dos EUA
Para: PRO, TERCEIRO EXÉRCITO
O acampamento de imprensa APO 403 - Exército dos EUA
Por Major Cameron Coffman
PRO, 71 ª Divisão de Infantaria
COM A 71ª DIVISÃO DO TERCEIRO EXÉRCITO NA ÁUSTRIA: 5 de maio: - O nazismo na sua pior
fase foi desdobrado em dura realidade diante dos Doughboys da 71ª Divisão de Infantaria hoje
quando se depararam com um campo de concentração cuidadosamente escondido a seis qui-
lómetros ao norte de Lambach, na Áustria, que continha 15.000 pessoas que não eram verda-
deiras “arianas” ou cujas opiniões políticas eram contrárias à “Nova Ordem” de Hitler.
Os meus dias de leitura sobre as atrocidades dos hunos acabaram. Eu visitei esse campo hoje.
As evidências vivas e mortas de horror e brutalidade além da imaginação estavam lá, men-
tindo, gatinhando e arrastando os pés, na lama fedendo até o tornozelo e no excremento
humano. A visão e o cheiro faziam o seu estômago fazer coisas engraçadas como um batedor
de ovos dentro. Era impossível contar os mortos, mas 200 cadáveres magros seriam uma es-
timativa muito conservadora. Na maior parte do tempo, eles tinham morrido nos últimos dois
dias, mas havia muitos outros corpos apodrecidos dentro do quartel ao lado de seres humanos
vivos que estavam fracos demais para se moverem.
É praticamente impossível descrever em palavras decentes ou imprimíveis o estado de degra-
dação em que os guardas alemães permitiram que o campo caísse. Localizado numa densa

Página 77 de 92
faixa de pinheiros, bem escondida da estrada principal e do ar, o local era bem adequado para
as condições de vida infestadas de vermes que existiam ali. Para chamar o campo, um chi-
queiro estaria fazendo injustiça com um porco que se respeitasse. A visão era chocante e o
odor que chegava a cem metros do campo era nauseabundo.
Viajar para o campo ao longo de uma estreita estrada de carroça era uma experiência em
evitar a multidão de homens atordoados, mulheres e crianças fugindo dos horrores desse in-
ferno vivo. O impulso natural desses propulsores após o (continua)

4 de maio de 1945
A 71ª Divisão de Infantaria libertou Gunskirchen, um dos muitos subcampos do campo de
concentração de Mauthausen, na Áustria.
A construção do campo de Gunskirchen começou em dezembro de 1944. O campo foi plane-
ado para abrigar centenas de trabalhadores escravos. Quando o campo foi aberto em abril de
1945, no entanto, milhares de prisioneiros evacuados em marchas da morte de Mauthausen
começaram a inundar Gunskirchen. Nessas condições superlotadas, doenças como o tifo e a
disenteria espalharam-se rapidamente pela população enfraquecida dos campos. Os prisio-
neiros eram - com exceção de 400 presos políticos - judeus da Hungria que os alemães tinham
forçado a marchar a pé da sua terra natal para a Áustria, onde seriam usados para trabalhos
forçados. Cerca de 17.000 judeus húngaros teriam atravessado o campo de Gunskirchen.
Quando as tropas do 71º entraram no campo, souberam que os guardas das SS tinham fugido
dias antes do campo cheio de cadáveres. Cerca de 15.000 prisioneiros ainda estavam no
campo. Nos meses que se seguiram à libertação, cerca de 1.500 ex-prisioneiros morreram em
consequência de maus-tratos dos nazis.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Documents from Liberators: Gunskirchen
• Holocaust Encyclopedia article—The 71st Infantry Division
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation
• Special Focus—Liberation

Página 78 de 92
Forças britânicas chegam a Neuengamme
Visão de guerra do campo de con-
centração de Neuengamme. - Mu-
seu Memorial do Holocausto dos
EUA, cortesia de KZ-Gedenkstatte
Neuengamme

4 de maio de 1945
Quando as tropas britânicas se aproximaram de Neuengamme, as SS evacuaram cerca de
9.000 prisioneiros em direção a Lübeck, no Mar Báltico, a 19 de abril de 1945. Cerca de 700
prisioneiros quase exclusivamente alemães ficaram para trás para destruir os documentos in-
ternos do campo. Metade deles foram recrutados numa unidade armada das SS; o restante
evacuou o campo a 30 de abril, deixando-o vazio.
As forças britânicas chegaram a 4 de maio de 1945. No início de maio de 1945, as SS carrega-
ram cerca de 9.000-10.000 prisioneiros - a maioria deles evacuados de Neuengamme e dos
seus subcampos - para três navios ancorados no mar Báltico, na costa de Neustadt, em Sch-
leswig-Holstein. Cerca de 7.000 perderam a vida quando os britânicos atacaram dois dos na-
vios no curso de um ataque no porto a 3 de maio. O Thielbek, carregando cerca de 2.000
prisioneiros, afundou rapidamente. O Cap Arcona, carregando mais de 4.500 prisioneiros,
queimou e virou durante o ataque. Apenas cerca de 600 prisioneiros de ambos os navios so-
breviveram.
O registo de óbitos em Neuengamme indica que cerca de 40.000 prisioneiros morreram no
campo a 10 de abril de 1945. Talvez cerca de 15.000 morreram no campo na semana seguinte
e durante o curso da evacuação. Ao todo, mais de 50.000 prisioneiros, quase metade de todos
os que ficaram presos no campo durante a sua existência, morreram no campo de concentra-
ção de Neuengamme.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps

Página 79 de 92
• Holocaust Encyclopedia article—Neuengamme
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Libertação de Mauthausen
Sobreviventes do campo
de Mauthausen aplaudem
soldados americanos logo
após a sua libertação.
Maio de 1945. - Museu
Memorial do Holocausto
dos EUA, cortesia da Admi-
nistração Nacional de Ar-
quivos e Registos

5 de maio de 1945
Quando as forças aliadas e soviéticas avançaram para a Alemanha, as SS evacuaram os campos
de concentração perto das linhas de frente para impedir a libertação de um grande número
de prisioneiros. Prisioneiros evacuados de comboio, camião e marcha forçada de Auschwitz,
Sachsenhausen e Gross-Rosen começaram a chegar a Mauthausen no início de 1945. Como
resultado, o campo - assim como a maioria dos subcampos - ficou letalmente superlotado,
com condições existentes terríveis, deteriorando ainda mais. Milhares de prisioneiros morre-
ram de fome ou doença. A epidemia de tifo reduziu ainda mais a população do campo.
A câmara de gás de Mauthausen permaneceu em operação até aos últimos dias da guerra. As
SS assassinaram cerca de 3.000 prisioneiros da enfermaria após uma seleção a 20 de abril de
1945. As autoridades do campo realizaram o último assassinato em massa na câmara de gás
a 28 de abril de 1945. As vítimas foram 33 opositores social-democratas e comunistas do re-
gime.
A 3 de maio de 1945, as SS abandonaram o campo sob a custódia de uma unidade de guarda
de 50 bombeiros vienenses, que permaneceram no perímetro do campo. Membros de um

Página 80 de 92
“Comité Internacional” formado pelos prisioneiros nos últimos dias de abril administraram o
campo enquanto unidades do Exército dos EUA chegaram ao campo e garantiram a área cir-
cundante a 5 de maio. Outras unidades, incluindo a 11ª Divisão Blindada do Terceiro Exército,
chegou nos dias seguintes.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Liberation of Nazi Camps
• Holocaust Encyclopedia article—Mauthausen
• Holocaust Encyclopedia article—Mauthausen: Resistance, Liberation, and Postwar Trials
• Special Focus—Commemorating the 70th Anniversary of Liberation

Rendição alemã
Vitória na Europa! Paris, França e Londres,
Grã-Bretanha, 1945. A rendição formal da
Alemanha a 7 de maio e o Dia VE (Vitória no
Dia da Europa) a 8 de maio de 1945, foram
marcados por celebrações alegres por toda a
Europa. Esta metragem silenciosa mostra
ruas em Paris e Londres cheias de pessoas ce-
lebrando a vitória incondicional dos Aliados
sobre a Alemanha nazi e a vitória da guerra
na Europa. Arquivos Nacionais – Filme
HTTPS://WWW.USHMM.ORG/LEARN/TIMELINE-OF-
EVENTS/1942-1945/GERMAN-FORCES-SURRENDER-
TO-THE-ALLIES

7 de maio de 1945
As forças armadas alemãs rendem-se incondicionalmente no Oeste.
As forças soviéticas cercaram Berlim, a capital alemã, a 25 de abril de 1945. Nesse mesmo dia,
as forças soviéticas uniram-se às suas contrapartes americanas que atacavam do oeste da Ale-
manha central (Torgau). Após intensos combates, as forças soviéticas aproximaram-se do bun-
ker de comando de Adolf Hitler no centro de Berlim. A 30 de abril de 1945, Hitler cometeu
suicídio. Em poucos dias, Berlim foi derrotada pelos soviéticos. As forças armadas alemãs ren-
deram-se incondicionalmente no Oeste a 7 de maio e no leste a 9 de maio de 1945. O Dia da

Página 81 de 92
Vitória na Europa foi proclamado a 8 de maio de 1945, entre as celebrações em Washington,
Londres, Moscovo e Paris.

TÓPICOS RELACIONADOS

• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates


• See related historical film footage—VE Day in Washington, DC
• Holocaust Encyclopedia article—Remagen
• Holocaust Encyclopedia article—The Rhine Crossings
• Holocaust Encyclopedia article—Encircling the Ruhr
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in Eastern Europe, 1942–1945

Página do caderno de Earl G. Harrison

Página do caderno de notas do conde G. Harri-


son, registando as suas impressões sobre Linz,
na Áustria, durante uma visita aos acampa-
mentos de pessoas deslocadas em 1945. - Mu-
seu Memorial do Holocausto dos EUA, cortesia
de Earl Harrison, Jr.

TRANSCRIÇÃO
Linz (4 de junho) Centro de DP ainda mais importante que Salzburgo.
O capitão DiGiacmo falou dos planos (de criar o GG) para estabelecer campos separados para
todos os judeus - seriam chamados de campos sem pátria. Aplicaria primeiro àqueles que não
seriam repatriados normalmente e, em segundo lugar, àqueles que desejassem viver em tais
campos.
O início foi feito em Freienberg, nos arredores de Linz. [Relatou que no campo perto de
Página 82 de 92
Leonding, a 5 km de Linz, tinha 500 judeus polacos, todos desejando ir à Palestina.
Existem muitos grupos judaicos no bairro de Linz.
O notório Mauthausen (a leste de Linz) várias estimativas de quantos judeus restam de muitos
milhares que os alemães aprisionaram lá. Em Linz, a estimativa era de 5-600 mulheres judias
polacas e um total de 1000 judeus. Informações sobre 300 mulheres judias, incluindo húnga-
ros, polacos, jugoslavos em Scharflingskammen na estrada principal a oeste de Linz.
Outros centros da população judaica - [pouco claros] relataram ser 5000 judeus húngaros,
incluindo 270 mulheres; Lambach, Horsching, Neuban, etc. [seta é desenhada aqui] Linz é o
centro de intensa atividade de DP e tem inúmeros comités nacionais. Existe um escritório ju-
deu que está subdividido em vários grupos nacionais. O representante do Sr. Ehrenkranz, a
Suíça, estivera em Linz e prometera um comboio de suplementos e uma equipa médica. Ele
reuniu diferentes comités judaicos para formar um único comité. As listas estavam a ser pre-
paradas, mas nada estava completo.

4 de junho de 1945
O Conde G. Harrison, ex-Comissário de Imigração e Naturalização, visitou os campos de pes-
soas deslocadas recém-formados no verão de 1945. Esta página, tirada do caderno que ele
manteve durante a sua visita, mostra as suas impressões sobre Linz, na Áustria.
Em junho de 1945, o Departamento de Estado providenciou para que Harrison realizasse um
inquérito sobre as necessidades atuais e futuras de pessoas deslocadas na Alemanha e na
Áustria que não podiam ou não desejavam regressar às suas terras natais. O presidente Tru-
man deu a missão de Harrison seu selo de aprovação.
O relatório de Harrison, de agosto de 1945, criticou duramente o tratamento americano e
britânico às PDs judaicas, pediu mudanças importantes na política de DP judaica e recomen-
dou medidas para reinstalar os PDs nos Estados Unidos para aumentar a emigração judaica
para a Palestina.

TÓPICOS RELACIONADOS
• From the Museum's Collections—Earl G. Harrison papers
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—1946–1948: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—The Harrison Report

Página 83 de 92
• Holocaust Encyclopedia article—Earl G. Harrison: Biography
• Holocaust Encyclopedia article—The United States and the Holocaust: Postwar Ameri-
can Response to the Holocaust
• Holocaust Encyclopedia article—Displaced Persons

Crianças Sobreviventes chegam à Inglaterra


Desenho de uma criança sobrevi-
vente do Holocausto que ficou sob
os cuidados de Alice Goldberger
em Weir Courtney. O desenho re-
presenta cinco figuras e inclui as
palavras "Um Feliz Ano Novo".
Reino Unido, pós-guerra. - Museu
Memorial do Holocausto dos EUA,
cortesia de Judith Sherman

15 de agosto de 1945
Neste dia, Alice Goldberger, uma agente humanitária na Inglaterra (e uma refugiada do Holo-
causto) recebe algumas das primeiras crianças sobreviventes que vinham da Europa para a
Inglaterra.
Depois do Holocausto, o governo britânico forneceu ajuda a mais de 700 crianças sobreviven-
tes. Várias dessas crianças ficaram sob os cuidados de Alice Goldberger na Weir Courtney.
Com os ajudantes, Alice administrou uma casa para crianças sobreviventes que cuidaram de-
las até o final dos anos 50. Centenas de seus escritos e desenhos - retratando cenas felizes das
suas vidas no pós-guerra - formam o núcleo da coleção Alice Goldberger do museu.

Retrato de Alice Goldberger, diretora da casa das crianças de


Weir Courtney. - Weir Courtney, Reino Unido, 1945-1950.

Página 84 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—Aftermath of the Holocaust

• Curators Corner—Alice Goldberger and the Children of Weir Courtney

Rendição do Japão
Rendição japonesa, Baía de Tóquio, Ja-
pão, 2 de setembro de 1945 - Arquivos
Nacionais – Filme

https://www.ushmm.org/learn/time-
line-of-events/1942-1945/japan-surren-
ders

TRANSCRIÇÃO
[Representantes do USS Missouri] Estamos reunidos aqui, representantes das principais forças
guerreiras, para concluir um acordo solene pelo qual a paz pode ser restaurada. É minha sin-
cera esperança e, de facto, a esperança de toda a humanidade que, a partir desta ocasião
solene, um mundo melhor venha a emergir do sangue e da carnificina do passado. Um mundo
fundado na fé e compreensão. [Assinatura dos documentos de rendição] Oremos para que a
paz seja restaurada agora ao mundo e que Deus a preserve sempre.

2 de setembro de 1945
O Japão rende-se. A Segunda Guerra Mundial termina oficialmente.
A Segunda Guerra Mundial no teatro do Pacífico terminou com a rendição japonesa a 2 de
setembro de 1945. A rendição foi assinada na Baía de Tóquio a bordo do couraçado americano
USS Missouri. O ministro das Relações Exteriores, Shigemitsu, chefiou a delegação japonesa.
O General Douglas MacArthur aceitou a rendição em nome dos Aliados. O almirante Nimitz
assinou o contrato para os EUA e o almirante Fraser para a Grã-Bretanha. Representantes de
todas as nações aliadas participaram da assinatura.

Página 85 de 92
TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—World War II in the Pacific
• Holocaust Encyclopedia article—World War II: Timeline
• Holocaust Encyclopedia article—The Holocaust and World War II: Timeline

Tribunal Militar Internacional


Os réus no banco dos réus ouvem os pro-
cedimentos no julgamento do Tribunal
Militar Internacional dos criminosos de
guerra em Nuremberga. - Museu Memo-
rial do Holocausto dos EUA, cortesia de
John W. Mosenthal

20 de novembro de 1945
O Tribunal Militar Internacional em Nuremberga, Alemanha, inicia um julgamento de 21 (de
24 indiciados) principais líderes alemães nazis sob acusação de crimes contra a paz, crimes de
guerra, crimes contra a humanidade e conspiração para cometer cada um desses crimes. É a
primeira vez que os tribunais internacionais são usados como um mecanismo do pós-guerra
para levar os líderes nacionais à justiça. A palavra genocídio está incluída na acusação, mas
como um termo descritivo, não legal. Dois acusados enfrentam os promotores aliados por
causa de suas atividades de propaganda: Hans Fritzsche e Julius Streicher. Os seus casos mar-
cam a primeira vez na história que um tribunal internacional processou propagandistas pelo
seu papel na prática de tais crimes assassinos.
"Nunca antes na história do direito foi feito um esforço para trazer ao âmbito de um único
litígio os desenvolvimentos de uma década, cobrindo todo um continente, e envolvendo uma
série de nações, inúmeras pessoas e inúmeros eventos."
Procurador-Chefe dos EUA Robert H. Jackson

Página 86 de 92
O interior da prisão de Nuremberga,
onde os réus foram confinados du-
rante o julgamento do Tribunal Militar
Internacional de criminosos de guerra.
- Museu Memorial do Holocausto dos
EUA, cortesia de John W. Mosenthal

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates

• Holocaust Encyclopedia article—International Military Tribunal at Nuremberg

• Holocaust Encyclopedia article—International Military Tribunal at Nuremberg: The Defen-


dants
• Holocaust Encyclopedia article—How Were the Crimes Defined?

• Holocaust Encyclopedia historical film footage—Defendants enter pleas at Nuremberg Trial

• Special Focus—The Nuremberg Trials and Their Legacy

Procurador dos EUA, Jackson, entrega declaração de abertura ao Tribunal Mi-


litar Internacional

Procurador Robert H. Jackson - Adminis-


tração Nacional de Arquivos e Registos

TRANSCRIÇÃO
O privilégio de abrir o primeiro julgamento da história por crimes contra a paz do mundo im-
põe uma grande responsabilidade. Os erros que procuramos condenar e punir foram tão cal-
culados, tão malignos e tão devastadores, que a civilização não pode tolerar que sejam
Página 87 de 92
ignorados, porque não pode sobreviver à sua repetição. Que quatro grandes nações, enrubes-
cidas pela vitória e pelas feridas, retenham as mãos da vingança e voluntariamente submetam
os seus inimigos cativos ao julgamento da lei, é um dos tributos mais significativos que o Poder
jamais pagou à Razão.

21 de novembro de 1945
Robert H. Jackson entrega declaração de abertura no Tribunal Militar Internacional em Nu-
remberga.
No verão de 1945, representantes das nações aliadas vitoriosas - Estados Unidos, Grã-Breta-
nha, França e União Soviética - reuniram-se em Londres para discutir a formação de um Tri-
bunal Militar Internacional. As perguntas sobre a mesa eram assustadoras: como e onde tal
tribunal se reuniria, quais seriam as acusações criminais e que perpetradores seriam julgados.
O presidente dos EUA, Harry S. Truman, emitiu uma ordem executiva designando o juiz da
Suprema Corte, Robert H. Jackson, para ser o representante dos EUA e o procurador-chefe.
“Os erros que procuramos condenar e punir foram tão calculados, tão malignos e tão devas-
tadores, que a civilização não pode tolerar que sejam ignorados, porque não pode sobreviver
à sua repetição.”
Robert H. Jackson

O promotor-chefe americano, o juiz Robert Jack-


son, profere o discurso de abertura da acusação
americana no julgamento do Tribunal Militar In-
ternacional de criminosos de guerra em Nurem-
berga. - Museu Memorial do Holocausto dos
EUA, cortesia de Gerald (Gerd) Schwab

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—International Military Tribunal at Nuremberg
• Holocaust Encyclopedia article—Who Tried the Case?
• Special Focus—The Nuremberg Trials and Their Legacy

Página 88 de 92
Filme no Julgamento de Nuremberga

O promotor dos EUA Thomas Dodd apresenta a


coletânea de filmes "Campos de concentração
nazis". No final da cena do tribunal mostrada
aqui, as luzes estão apagadas para a exibição.
As imagens, filmadas como as tropas aliadas li-
beraram os campos de concentração, foram
apresentadas no tribunal a 29 de novembro de
1945 e entraram como prova no julgamento. —
Arquivos Nacionais e Administração de Regis-
tos, College Park

TRANSCRIÇÃO
A acusação que os Estados Unidos apresentarão neste momento ao tribunal, com a sua per-
missão, um documentário sobre campos de concentração. Esta não é de forma alguma a prova
completa que a acusação oferecerá em relação ao tema dos campos de concentração. Mas
este filme representa de uma forma breve e inesquecível uma explicação que as palavras
"campo de concentração" implicam.

29 de novembro de 1945
A 29 de novembro de 1945, apenas uma semana depois do julgamento, o Ministério Público
do Tribunal Militar Internacional apresentou um filme de uma hora intitulado “Os campos de
concentração nazis”. Quando as luzes se acenderam no Palácio da Justiça, todos ficaram em
silêncio. O impacto humano dessa evidência visual foi um ponto de viragem no julgamento de
Nuremberga. Isso trouxe o Holocausto para o tribunal.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—"We will show you their own films"
• Special Focus—The Nuremberg Trials and Their Legacy
• View more film from the Nuremberg Trials

Página 89 de 92
Livro de canções de Deggendorf

Livro de canções do campo de desloca-


dos de Deggendorf. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Ri-
chard Katz

1 de dezembro de 1945
Carl Atkin, diretor da Administração de Assistência e Reabilitação das Nações Unidas (UNRRA)
no campo de refugiados de Deggendorf, recebe um livro de canções criado pelos sobreviven-
tes sob os seus cuidados.
A UNRRA foi criada numa conferência de 44 nações na Casa Branca a 9 de novembro de 1943.
A sua missão era fornecer assistência económica a nações europeias após a Segunda Guerra
Mundial e repatriar e assistir os refugiados que ficariam sob controlo aliado.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia article—Deggendorf
• Holocaust Encyclopedia article—United Nations Relief and Rehabilitation Administra-
tion
• Holocaust Encyclopedia article—Displaced Persons
• Holocaust Encyclopedia article—The Aftermath of the Holocaust

Página 90 de 92
O plano nazi
Esta filmagem intitula-se "Abertura da
Campanha Antissemítica Oficial 1 de abril
de 1933". —Arquivos Nacionais e Adminis-
tração de Registos, College Park

https://www.ushmm.org/learn/timeline-
of-events/1942-1945/the-nazi-plan

11 de dezembro de 1945
O filme "O Plano Nazi" é apresentado como prova no Tribunal Militar Internacional em Nu-
remberga.
Foi compilado para o julgamento por Budd Schulberg e outros militares americanos, sob a
supervisão do Comandante da Marinha James Donovan. Os compiladores usaram apenas ma-
terial de origem alemão, incluindo noticiários oficiais. Foi reunido para o Conselho dos EUA
para a Processamento de Criminalidade do Eixo e para o Gabinete dos EUA para o Conselho
de Crimes de Guerra.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia article—1945: Key Dates
• Special Focus—The Nuremberg Trials and Their Legacy
• View more footage from "The Nazi Plan"

Página 91 de 92
Nova Diretiva relativa aos vistos de imigrante para os EUA
Pessoas deslocadas que partem da Alema-
nha para os Estados Unidos esperam com
as suas bagagens no antigo pátio da mari-
nha de Von Tirpitz. Em maio de 1946, o na-
vio Marine Flasher transportou 867 DPs
europeus para a cidade de Nova York, o
primeiro contingente admitido pela dire-
tiva do Presidente Truman em dezembro
de 1945, que acelerou a imigração de pes-
soas deslocadas para os EUA. Bremen, Ale-
manha, maio de 1946. - Museu Memorial
do Holocausto dos EUA, cortesia de Selig
Goldberg

22 de dezembro de 1945
O presidente dos Estados Unidos, Truman, emite uma diretiva que dá preferência a pessoas
deslocadas por vistos de imigrantes sob as restrições existentes às cotas de imigração dos
EUA.
Diante da inação do Congresso, Truman emitiu uma ordem executiva, a “Diretiva Truman”, a
22 de dezembro de 1945. A diretiva exigia que as cotas de imigração existentes fossem desig-
nadas para pessoas deslocadas. Embora a imigração geral nos Estados Unidos não tenha au-
mentado, foram admitidas mais DPs do que antes. Cerca de 22.950 DPs, dos quais dois terços
eram judeus, entraram nos Estados Unidos entre 22 de dezembro de 1945 e 1947, de acordo
com as disposições da Diretiva Truman.

TÓPICOS RELACIONADOS
• Holocaust Encyclopedia—1945: Key Dates
• Holocaust Encyclopedia—United States Policy Toward Jewish Refugees, 1941–1952
• Holocaust Encyclopedia—Displaced Persons
• Holocaust Encyclopedia—Displaced Persons: Administration
• Bibliography—Displaced Persons

Tradução de LEARN ABOUT THE HOLOCAUST - TIMELINE OF EVENTS


(https://www.ushmm.org/learn/timeline-of-events/before-1933)

Página 92 de 92