Вы находитесь на странице: 1из 52

AR CONDICIONADO

„ Fundamentos
„ Carga térmica
„ Psicrometria
„ Aplicações

3/10/2005 1

AR CONDICIONADO

„ FUNDAMENTOS

3/10/2005 2

1
AR CONDICIONADO
„ Definições relativas ao ar atmosférico

„ Ar seco
Existe quando todo vapor de água e contaminantes
forem removidos do ar atmosférico.

3/10/2005 3

AR CONDICIONADO
A composição do ar seco(relativamente constante) em
volume porcentual:
Nitrogênio : 78,084
Oxigênio : 20,9476
Argônio : 0,934
CO2 : 0,0314
Neônio : 0,001818
Hélio : 0,000524
Metano : 0,0002
SO2 : 0 a 0,0001
Hidrogênio: 0,00005
Kriptônio, Xenônio, Ozona: 0,0002

3/10/2005 4

2
AR CONDICIONADO
„ Ar úmido

Ar seco mais vapor de água. A quantidade de vapor de


água depende da pressão e temperatura. Nas condições
normais de temperatura e pressão tem-se
aproximadamente até 4% de vapor de água.

3/10/2005 5

AR CONDICIONADO
„ Ar Normal
Ar úmido mais pequenas quantidades de materiais
microscópicos comumente chamados de impurezas
permanentes e que tem origem em processos naturais
como erosões por ventos, erupções vulcânicas,
evaporação do mar. Sua concentração média é menor
que a concentração de contaminantes gerados pela
atividade humana.

3/10/2005 6

3
AR CONDICIONADO
„ Contaminantes ou poluentes

Todo e qualquer elemento que não estiver na


composição do ar normal ou mesmo elementos da
composição do ar normal quando suas concentrações
forem prejudiciais ao homem, ao processo ou ao
produto. Admite-se a presença de alguns contaminantes
nos ambientes desde que sua concentrações não
ultrapassem valores que possam ser considerados
prejudiciais às pessoas, processos ou patrimônio.

3/10/2005 7

AR CONDICIONADO
„ Classificação dos contaminantes
„ Sólidos
„ Fumos – oxidação de vapores metálicos – PbO < 1 µ

„ Poeiras – desintegração mecânica – carvão < 100 µ

„ Fumaça – combustão incompleta do carbono < 1 µ

„ Líquidos
„ “mist” – líquidas na temperaturas e pressões normais – atomização

„ “fog” – resultantes da condensação de vapores – cerração

„ Gases e vapores
„ NH3 – CO2

„ Microorganismos vivos
„ Pólem – 20 a 40 µ

„ Fungos – 10 a 30 µ

„ Bactérias – 0,4 a 5 µ

„ Vírus – 0,005 a 0,1 µ

„ Concentração – unidades usuais - ppm, mppmc, g/m3

3/10/2005 8

4
AR CONDICIONADO
„ Ar Condicionado

„ Processo de tratamento do ar de maneira a


controlar simultaneamente a qualidade
(pureza), distribuição, velocidade,
temperatura e umidade do ar, para o
ambiente tratado.

3/10/2005 9

AR CONDICIONADO
renovação

„ Pureza {
filtragem
dutos

„ Distribuição {
bocas

„ Temperatura

{ equipamentos: resfriamento,aquecimento,
„ Umidade umidificação,desumidificação

3/10/2005 10

5
AR CONDICIONADO
„ Ventilação

„ Processo de retirar ou fornecer ar por meios


naturais (ventilação natural) ou mecânicos
(ventilação forçada) para controlar a
qualidade do ar interior de um ambiente.

„ Controlar a qualidade é manter sob controle a


concentração de contaminantes do ambiente.

3/10/2005 11

AR CONDICIONADO

„ Como é possível concluir, o ar condicionado


já inclui a ventilação pois requer o controle da
qualidade do ar no ambiente. A exigência de
controle da qualidade do ar vem se tornando
cada vez mais importante e sujeita a
legislações específicas.

3/10/2005 12

6
AR CONDICIONADO

„ Aplicações

„ Conforto
„ Processos Industriais
„ Especiais

3/10/2005 13

AR CONDICIONADO

„ Conforto

„ Saúde Ocupacional
„ Bem estar
„ Produtividade

3/10/2005 14

7
AR CONDICIONADO

„ Processos industriais

„ Saúde
„ Produtividade
„ Produção
„ Qualidade dos produtos

3/10/2005 15

AR CONDICIONADO

„ Especiais

„ Exigências ambientais típicas

3/10/2005 16

8
AR CONDICIONADO

„ Condicionamento para conforto

3/10/2005 17

AR CONDICIONADO
„ DEFINIÇÃO (ASHRAE 1997)

“Conforto térmico é a condição da


mente que expressa satisfação com o
ambiente térmico”

3/10/2005 18

9
AR CONDICIONADO
„ Conforto ocorre quando:

„ A temperatura do corpo é mantida em um


intervalo estreito.
„ A umidade sobre a pele é baixa.
„ O esforço fisiológico de regulação da
temperatura é minimizado.

3/10/2005 19

AR CONDICIONADO
„ TERMOREGULAÇÃO

„ Metabolismo – Conjunto de fenômenos


complexos e incessantes da transformação da
matéria em energia, por um organismo,
durante processos orgânicos.
A atividade metabólica resulta quase que
totalmente em calor que precisa ser
continuamente dissipado para evitar
temperaturas anormais no corpo.

3/10/2005 20

10
AR CONDICIONADO
„ Temperaturas no centro de regulação:

„ Cérebro

„ 36,8 °C em descanso
„ 37,4 °C caminhando
„ 37,9 °C em exercício cardioresriratório

„ temperatura interna < 28°C – arritmia e morte


„ temperatura interna > 46 °C – danos irreversíveis ao
cérebro

3/10/2005 21

AR CONDICIONADO
„ Temperaturas da pele associadas ao conforto:

„ Entre 33 °C e 34 °C atividade sedentária (até 1 met)


Essa temperatura diminui com a atividade (Fanger
1968) em contraste com a temperatura interna que
aumenta.

Temperaturas abaixo de 18 °C e acima de 45 °C


causam bastante desconforto.

3/10/2005 22

11
AR CONDICIONADO

„ Obs. – Grande quantidade do calor metabólico e transferida ao


ar através da pele. É conveniente caracterizar a atividade
metabólica em termos de quantidade de calor por unidade de
superfície da pele (W/m2). Para uma pessoa quieta com área de
superfície média de 1,8 m2 o valor é de aproximadamente 58,2
W/m2. O valor 58,2 W/m2 corresponde a uma unidade de
referência definida como met.

3/10/2005 23

AR CONDICIONADO

„ Hipotálamo – central de regulação da temperatura do


corpo – controla processos fisiológicos para manter
temperatura interna.

„ Vasodilatação

„ Vasoconstrição

„ Sudação

3/10/2005 24

12
AR CONDICIONADO
„ BALANÇO DE ENERGIA

„ O processo termodinâmico fundamental na troca de calor


entre o corpo e o ambiente pode ser descrito pela equação
do balanço de energia:

„ S = M + C + R + E + W + QRES. W/m2

3/10/2005 25

AR CONDICIONADO

„ S –variação de energia – em equilíbrio com ambiente S=0


„ M - taxa de metabolismo
„ M= f (pessoa, atividade, realização da atividade,sexo)
„ C – troca de calor pelos mecanismos de convecção e condução
„ C = f (diferença de temperatura entre o ambiente e o corpo, área
corpórea, velocidade relativa do ar)
„ R – troca de calor por radiação
„ R= f (diferença de temperatura entre o corpo e as superfícies
envoltórias)

3/10/2005 26

13
AR CONDICIONADO

„ E – troca de calor por evaporação da pele ao ar


„ E = f (diferença de pressão de vapor nas temperaturas do corpo e
ambiente, fração úmida do corpo, velocidade relativa do ar)
„ W – trabalho mecânico realizado pelos músculos para uma
atividade expresso normalmente em termos de eficiência
mecânica η=W/M (5% a 10%).Para cálculo do condicionamento
é assumida igual a zero
„ W = f (atividade)
„ Q res. – troca de calor através da respiração ~10% de M

3/10/2005 27

AR CONDICIONADO
„ Valores médios típicos de
taxa metabólica
Met
ATIV. W/m2
Aprox.

Sentado
60 1
quieto

Andando
115 2
3,2 km/h

tênis 210-260 3,6-4

3/10/2005 28

14
AR CONDICIONADO
„ Obs. Cálculo da área corpórea

Os termos da equação do balanço térmico tem como unidade


potencia por unidade de área corpórea para o corpo nu.A
medida da área da superfície proposta por DuBois é:

Ad = 0,202m 0,425 l 0,725 m2


onde:
m – massa em kg
l – altura em m

3/10/2005 29

AR CONDICIONADO
„ Calor sensível e latente

Às parcelas C, R e parcialmente Qres corresponde o calor sensível.

Às parcelas E e parcialmente Qres corresponde o calor latente.

Qres ~10% de M sendo 1,5% de sensível e 7,5% de latente.

3/10/2005 30

15
AR CONDICIONADO
„ Condições de conforto verão

„ Combinação de condições de temperatura, umidade e velocidade


do ar que satisfaz no mínimo 80% da população do ambiente.
Pv
ou g

Tbu = 20°C

Tef = 23°C

T or. = 2°C
Tef = 26,5°C

Zona de conforto térmico para o verão

3/10/2005 31

AR CONDICIONADO

„ Para o inverno, o limite superior é tbu = 18°C, o inferior


continua temperatura de orvalho = 2°C e nas
extremidades da zona de conforto 23,°C e 20,5°C.

„ Os limites apresentados na figura permitiriam se ter


umidades relativas entre 20 e 70%.
Fatores independentes da sensação de conforto indicam
que a faixa de umidade relativa para não provocar
desconforto está entre 40 e 60% em ambas as estações.

3/10/2005 32

16
AR CONDICIONADO
„ AVALIAÇÃO TÉRMICA DE
AMBIENTES
„ Escala de sensação térmica

+3 Muito quente

+2 Quente

+1 Levemente quente

0 Neutro

-1 Levemente frio

-2 Frio

-3 Muito frio

3/10/2005 33

AR CONDICIONADO
„ Para adultos jovens, com roupas leves e velocidade do
ar <0,2 m/s experimentalmente foi possível relacionar
temperatura e umidade.

Homem Y = 0,212t+ 0,293p -5,949

Onde:
Y - índice de sensação térmica
t – temperatura de bulbo seco
P – pressão de vapor na t

3/10/2005 34

17
AR CONDICIONADO

„ Aproximadamente cada 3°C ou 3 kPa de alteração


produz alteração de uma unidade na escala.
„ Na região central da zona de conforto a sensação
térmica e de ambiente neutro. No limite superior da
zona quente a sensação térmica é de +0,5 na escala. No
limite inferior da zona fria é -0,5 na escala.
„ Independentemente da sensação térmica a umidade
relativa deve ser mantida entre 40 e 60%.
„ A norma brasileira recomenda valores de temperatura e
umidade para vários tipos de ambientes.

3/10/2005 35

AR CONDICIONADO
„ ÍNDICES AMBIENTAIS

„ Combinam dois ou mais parâmetros como temperatura,


umidade e velocidade do ar em um única variável
facilitando a descrição do ambiente térmico.

„ Temperatura efetiva
„ Temperatura operativa
„ Temperatura de globo de bulbo úmido
„ Índice de stress térmico, etc.

3/10/2005 36

18
AR CONDICIONADO
„ TEMPERATURA EFETIVA
„ É a temperatura de um ambiente a 50% de umidade
relativa que resulta na mesma perda de calor pela pele
que o ambiente atual.

„ Combina temperatura e umidade para uma determinada


velocidade do ar.
„ Ambientes com a mesma temperatura efetiva provocam a
mesma sensação térmica.
„ As linhas de temperatura efetiva, nas zonas de conforto,
com atividade baixa, roupas leves e velocidade < 0,2 m/s
são levemente inclinadas em relação às linhas de
temperatura de bulbo seco.

3/10/2005 37

AR CONDICIONADO

CONDICIONAMENTO PARA PROCESSOS

3/10/2005 38

19
AR CONDICIONADO
„ As necessidades dos ambientes de processos industriais
recaem geralmente em:

„ Manter o equilíbrio de umidade nos materiais.

„ Manter a uniformidade e propriedades físicas dos produtos.

„ Evitar eletricidade estática.

„ Controlar velocidades de reações químicas e biológicas.

„ Controlar velocidades de cristalização.

„ Evitar corrosão e outros processos de superfícies polidas

3/10/2005 39

AR CONDICIONADO

„ AMBIENTES ESPECIAIS

3/10/2005 40

20
AR CONDICIONADO
„ AMBIENTES ESPECIAIS

„ Salas de hospitais.

„ Ambientes de processamento de dados.

„ Fabricação e montagem de produtos eletrônicos.

„ Salas de testes de equipamentos.

„ Aplicações biomédicas, etc.

3/10/2005 41

AR CONDICIONADO
„ Componentes e operação de uma instalação
de ar condicionado

3/10/2005 42

21
AR CONDICIONADO
„ MODOS DE OPERAÇÃO DE UMA INSTALAÇÃO
DE AR CONDIACIONADO

„ Estação de verão, regime de verão.

„ Estação de inverno, regime de inverno.

„ Estação de inverno, regime de verão.

3/10/2005 43

AR CONDICIONADO
„ ESTAÇÃO DE VERÃO, REGIME DE VERÃO.

„ Estação te> ts e ge> gs

3/10/2005 44

22
AR CONDICIONADO
„ Nessas condições o ar deve ser insuflado com:

„ ti < ts para retirar o sensível gerado internamente e o que penetra


pelas paredes e
„ gi < gs para retirar o calor latente gerado internamente.

ti temperatura de insuflamento do ar no ambiente


gi umidade absoluta de insuflamento do ar no ambiente
„ Ainda:
„ qs = m cp (ts – ti) - calor sensível a retirar
„ ql = m L (gs – gi) – calor latente a retirar

„ Cp - calor específico do ar
„ L – calor latente de vaporização da água

3/10/2005 45

AR CONDICIONADO
„ ESTAÇÃO DO INVERNO, REGIME DE INVERNO

„ Estação te < ts e ge < gs

3/10/2005 46

23
AR CONDICIONADO
„ Nessas condições o ar deve ser insuflado com:

„ ti > gs e gi < gs

„ ti > ts para fornecer calor sensível ao ambiente


„ gi < gs – para retirar calor latente do ambiente

„ Permanecem as equações do calor sensível e latente

3/10/2005 47

AR CONDICIONADO
„ Estação do inverno, regime de verão
„ te < ts e ge < gs Qg>Qp

3/10/2005 48

24
AR CONDICIONADO
„ Nessa situação o ar deve ser insuflado com:

„ ti < ts para retirar o calor sensível


„ gi < gs para retirar o calor latente

„ Permanecem as equações do calor sensível e latente.

Essa situação é bastante comum nos edifícios que tem grande


geração de calor sensível devido ao número de pessoas e
equipamentos instalados e instalações industriais.

3/10/2005 49

AR CONDICIONADO

„ CARGA TÉRMICA

3/10/2005 50

25
AR CONDICIONADO
„ Definição

„ É a quantidade de calor a ser retirada(regime de verão) ou


fornecida ( regime de inverno), para manter um ambiente
nas condições desejadas de temperatura e umidade.

„ Observações

„ Carga é variável em função do dia, hora, mês, latitude,etc.


„ Para efeito de dimensionamento de equipamentos
interessa a carga máxima. Para efeito de selecionamento
de controles automáticos interessam também as cargas
parciais, fora da carga de pico.

3/10/2005 51

AR CONDICIONADO
„ Espécies de calor

„ Sensível
„ Latente

„ Unidades usuais

„ kW (SI)
„ TR (toneladas de refrigeração)
„ kcal/h
„ Btu/h
„ 1 TR = 3,517 kW = 3024 kcal/h

3/10/2005 52

26
AR CONDICIONADO
„ Dados necessários para o cálculo da carga térmica

„ Latitude e orientação das faces. S.Paulo 23,33 S / 46.38 W


„ Hora, dia e mês de cálculo.
„ Dimensões das partes.
„ Características dos materiais de construção – espessuras,
condutividade,pesos.
„ Uso do ambientes – contínuo, intermitente.
„ Condições de temperatura, umidade e velocidade do ar a serem mantidas
nos ambientes.
„ Condições de temperatura, umidade e velocidade do ar externo.
„ Condições de temperatura, umidade e velocidade do ar nos ambientes
adjacentes aos ambientes tratados.
„ Condições de pressões relativas aos ambientes externo e adjacentes –
positiva ou negativa.

3/10/2005 53

AR CONDICIONADO
„ Dados necessários para o cálculo da carga térmica

„ Iluminação -tipos e disposição das luminárias, potências, tempo de uso.


„ Pessoas – número, atividades, distribuição de ocupação, horas de
ocupação,permissão de fumaça de cigarro,vazão de ar por pessoa.
„ Equipamentos – características de placa, localização, consumo de
potência,quantidade de ar eventualmente requerida.
„ Ventiladores de exaustão no ambiente – vazões, potências.
„ Janelas – tipos, materiais, proteções.
„ Portas – características, freqüência de abertura.
„ Características de qualidade do ar externo e ambiente.
„ Outros.

3/10/2005 54

27
AR CONDICIONADO
„ PARCELAS QUE COMPÕEM A CARGA TÉRMICA DE VERÃO

„ Condução – sensível
„ Insolação – sensível
„ Pessoas – sensível e latente
„ Iluminação – sensível
„ Motores - sensível
„ Diversos – sensível e ou latente
„ Ar externo – sensível e latente

3/10/2005 55

AR CONDICIONADO
„ PARCELAS QUE COMPÕEM A CARGA TÉRMICA DE
INVERNO

„ As mesmas parcelas de verão todavia as parcelas


condução(perdas) e ar externo são as desfavoráveis. As
demais podem ser descontadas desde que constantes.

3/10/2005 56

28
AR CONDICIONADO
„ CÁLCULO DA CARGA TÉRMICA

„ CONDUÇÃO

„ Superfícies opacas externas(paredes, teto, piso)

„ É a quantidade de calor transmitida devido à diferença de


temperatura entre as faces da superfície acrescida da
quantidade de calor devido à radiação solar direta, difusa e
refletida.
„ O método de cálculo apresentado usa uma diferença de
temperatura (CLTD) que já considera os dois efeitos.

3/10/2005 57

AR CONDICIONADO
„ CONDUÇÃO POR PAREDES OPACAS

i– incidente
rf– refletido
qa a– armazenado
c– convecção
r- radiação
qi

qc

q rf qr

Te Ts

3/10/2005 58

29
AR CONDICIONADO

Carga
instantânea

Carga Calor
armazena
do na
estrutura
Carga de
resfriamento

Calor
armazenad
o removido

tempo

3/10/2005 59

AR CONDICIONADO
„ A parcela da radiação solar faz sentir seu efeito na carga
de resfriamento(interna) com atraso, devido à
armazenagem de calor na estrutura. Essa quantidade de
calor é posteriormente liberada parte ao interior parte
ao exterior.
estrutura
leve

estrutura
media

Estrutura
pesada

temp
o

3/10/2005 60

30
AR CONDICIONADO
„ CÁLCULO

„ EQUAÇÃO

„ Q = U * A* CLTD
„ U – coeficiente global de transmissão de calor
„ A – área de troca de calor
„ CLTD – diferença de temperatura (tabelas)

„ CLTD = f (latitude, orientação N/S, tipo, hora, cor,


temperatura média externa)

3/10/2005 61

AR CONDICIONADO
„ O cálculo de coeficiente global U
„ O inverso de U (condutância) é a resistência imposta à
transferência de calor.

„ R = 1/U = R1 + R2 + R3 + .........

„ Cada camada que compõem a superfície tem a resistência

„ e/k onde e é a espessura do material da camada e k sua


condutibilidade térmica do material da parede.

„ Alem dos materiais, deve ser acrescida a resistência pela


película de ar junto as duas faces da parede (coeficiente de
película).

3/10/2005 62

31
AR CONDICIONADO
„ Determinação de CLTD

„ O método aqui apresentado usa uma diferença de


temperatura (CLTD – Cooling Load Temperature Diference)
que já considera os dois os efeitos, da diferença de
temperatura e da radiação.

„ O valor das diferenças de temperatura estão tabelados


para condições do hemisfério norte e portanto deve ser
corrigidos para aplicação em outros locais, conforme
indicado nas observações das tabelas.

3/10/2005 63

AR CONDICIONADO
„ Valores exemplos de resistências.

„ Resist. de película externa - 0,059 m2.°C/ W


„ Tijolo comum 100mm – o,139 m2.°C/ W
„ Gesso ou similar 19mm – 0,026 m2.°C/ W
„ Bloco de concreto 200mm – 0,356 m2.°C/ W

3/10/2005 64

32
AR CONDICIONADO
„ Valores exemplos de CLTD
para paredes entre 300 e
350 quilos em duas
orientações entre 8 e 18 h.

8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

S 3 3 3 4 4 5 6 6 7 8 9

SE 4 6 8 10 12 13 13 13 14 14 14

3/10/2005 65

AR CONDICIONADO
„ Para superfícies internas, entre ambientes.

„ Q = U x S x DT

Onde DT é a diferença de temperatura do ar nas duas faces da superfície.

„ Para superfícies translúcidas (vidros,domos)

„ Q = U x S x CLTD

Onde: U ~5,2 a 5,4 W/m2.°C ; CLTD – tabelas ou ~ DT

3/10/2005 66

33
AR CONDICIONADO
„ INSOLAÇÃO

„ É A CARGA DEVIDO À RADIAÇÃO SOLAR DIRETA DIFUSA


ATRAVÉS DE SUPERFÍCIES TRANSLÚCIDAS.
„ A INTENSIDADE SOLAR CHEGANDO EM UMA SUPERFÍCIE
NORMAL AOS RAIOS SOLARES NA CAMADA SUPERIOR DA
ATMOSFERA TERRESTRE, ACEITA, É DE 1352 W/m2
VARIANDO DE 1398 EM JANEIRO A 1310 EM JULHO EM,
FREQÜÊNCIAS NA REGIÃO ULTRAVIOLETA, VISÍVEL E
INFRAVERMELHA.
„ ALGUMA RADIAÇAO DISPERSA PELAS MOLECULAS DO AR E
POEIRA CHEGAM À SUPERFÍCIE DA TERRA EM FORMA DE
RADIAÇÃO DIFUSA.

3/10/2005 67

AR CONDICIONADO
INSOLAÇÃO
A

AMBIENTE
I

R
R

3/10/2005 68

34
AR CONDICIONADO
„ CÁLCULO

„ Q = A x SHGF x CS x CLF

„ A – área do vidro
„ SHGF – fator de ganho de calor, dependente da orientação,
latitude e mês ~ 85% da intensidade para vidro incolor.
„ CS – coeficiente de sombreamento a partir de um vidro incolor
„ CLF – fator que corrige o efeito retardado da radiação como
carga térmica para o ambiente.

„ Os valores de SHGF, CS e CLF encontram-se tabelados.

3/10/2005 69

AR CONDICIONADO
„ PESSOAS
CALOR SENSÍVEL

Q = N x qsp x CLF
CALOR LATENTE

Q = N x qlp

Os valores de qsp e qlp estão em função da atividade nas


aplicações de ambientes típicos e corresponde a valores
médios ponderados entre homens e mulheres considerando
metabolismo de 85% para as mulheres.

3/10/2005 70

35
AR CONDICIONADO
„ ILUMINAÇÃO

„ Q = W x fu x fl x CLF
„ Watts totais
„ fu - fator de uso – razão entre os watts em uso e os watts totais
na hora de cálculo
„ fl – fator da luminária – introduzido para luminárias que requerem
maior energia do que a indicada (fluorescentes = 1,2)
„ CLF – fator que corrige a carga instantânea para a de resfriamento
„ Carga acumulada
Carga instantânea

Carga de resfriamento

Carga liberada ao
ambiente

tempo

Luzes apagadas
3/10/2005 71

AR CONDICIONADO
„ EQUIPAMENTOS (MOTORES)

„ Q = WATTS / RENDIMENTO x CLF PARA MOTORES NO FLUXO


DE AR.
„ Q = WATTS PARA MOTORES FORA DO FLUXO DE AR
ACIONANDO EQUIPAMENTOS(VENTILADORES) NO FLUXO DE
AR.

„ DIVERSOS
„ QUALQUER ELEMENTO GERANDO CALOR SENSÍVEL OU
LATENTE NO FLUXO DE AR OBSERVANDO A EXISTENCIA DE
CALOR RADIANTE PARA APLICAÇÃO DOS FATORES CLF.
„ CALOR TRANSFERIDO AO AR NOS DUTOS NORMALMENTE
ISOLADOS.

3/10/2005 72

36
AR CONDICIONADO
„ AR EXTERNO

„ SENSÍVEL

„ Q = M x Cp x (te – ts)

„ M – fluxo de massa do ar externo


„ Cp – calor específico do ar
„ te – temperatura do ar externo para a hora de cálculo
„ ts – temperatura mantida no ambiente

3/10/2005 73

AR CONDICIONADO
„ AR EXTERNO

„ LATENTE

„ Q = M x L x (ge – gs)

„ L – calor latente de vaporização da água


„ ge – umidade absoluta do ar externo
„ gs – umidade absoluta do ar mantida no ambiente

3/10/2005 74

37
AR CONDICIONADO
„ CARGA TÉRMICA TOTAL

„ SOMA DE TODAS AS PARCELAS DE CARGA TÉRMICA PARA


CADA HORA CONSIDERADA.

„ A CARGA MÁXIMA É NORMALMENTE A CARGA DE


DIMENSIONAMENTO DOS EQUIPAMENTOS DE AR
CONDICIONADO A MENOS QUE SE ADMITA UMA
FLUTUAÇÃO DA TEMPERATURA NO AMBIENTE NO
PERÍODO DE MÁXIMA CARGA

3/10/2005 75

AR CONDICIONADO

„ PSICROMETRIA

3/10/2005 76

38
AR CONDICIONADO

„ O ar atmosférico é uma mistura de vários gases e


vapor de água. Qualquer elemento estranho ao ar
atmosférico normal ou mesmo elementos do ar
normal em concentrações inconvenientes, serão
considerados contaminantes. Em ar condicionado o
ar é visto como uma mistura de ar seco contaminado
ou não, mais umidade.

3/10/2005 77

AR CONDICIONADO

„ As propriedades que definem o estado do ar úmido


foram equacionadas e colocadas em diagramas. As
propriedades principais para efeito de
condicionamento de ar são:

„ Temperatura de bulbo seco (t): é a temperatura


medida por um termômetro comum não sujeito à
radiação. Há uma troca de calor sensível entre o ar e
o elemento do termômetro geralmente um fluido
como mercúrio.

3/10/2005 78

39
AR CONDICIONADO
„ Temperatura de bulbo úmido (tbu): é a temperatura
medida por um termômetro envolvido por elemento
embebido em água (tecido). Nesse caso há uma
troca de calor sensível e latente. É a temperatura de
equilíbrio entre o ar e a água. A água evaporada do
tecido para o ar (se o ar permitir, não estiver
saturado) retira calor do fluido termométrico
indicando uma temperatura mais baixa.A
temperatura de bulbo úmido será sempre menor que
a de bulbo seco a não ser quando o ar estiver
saturado de água (umidade relativa 100%). Nessa
situação as duas temperaturas serão iguais.

3/10/2005 79

AR CONDICIONADO

„ Umidade absoluta (g): é a quantidade de água contida na


unidade de massa do ar seco cuja expressão consideradas as
propriedades do ar seco e da umidade é:

g = 0,62198 x pv / (p – pv) (g / kg)

Onde:
g – umidade absoluta ou específica
pv – pressão de vapor na temperatura t
p - pressão barométrica = pa + pv
pa – pressão parcial do ar seco

3/10/2005 80

40
AR CONDICIONADO

„ Umidade relativa (y): é a relação entre a pressão de


vapor do ar e a pressão de vapor se o ar estivesse
saturado na mesma temperatura. A expressão em
porcentagem é:

y = pv / pvs x 100%

Onde pvs é a pressão de vapor saturado

3/10/2005 81

AR CONDICIONADO
„ entalpia (h): é a energia total contida no ar, sensível
e latente a partir de uma referência e é a soma das
entalpias do ar seco e do vapor de água nele contido
cuja expressão é:
h = t + g (2501 + 1,805t) (kJ/ kg ar seco)
„ volume específico (v): é o volume por unidade de
massa do ar seco (m3/ kg)
„ temperatura de orvalho (to): é a temperatura em que
o ar se torna saturado quando sofre um
resfriamento.

3/10/2005 82

41
AR CONDICIONADO
„ DIAGRAMAS PSICROMÉTRICOS

g = cte

h,tbu = cte

v = cte

y = cte

t = cte

3/10/2005 83

AR CONDICIONADO
„ PROCESSOS NO DIAGRAMA PSICROMÉTRICO
E RESPECTIVOS EQUIPAMENTOS.

„ Em ar condicionado utilizam-se dois processos


básicos:
a) Fazer a mistura de duas quantidades de ar em
condições diferentes resultando uma terceira
condição.

3/10/2005 84

42
AR CONDICIONADO
„ MISTURA DE DUAS QUANTIDADES DE AR
1

3
2

m3 = m1 + m2 fluxos de massa
m3 h3 = m1 h1 + m2 h2 balanço de energia

O ponto de mistura está representado entre os pontos 1 e 2 na proporção dos fluxos


de massa.

3/10/2005 85

AR CONDICIONADO
„ PONTO DE MISTURA

h3

3/10/2005 86

43
AR CONDICIONADO
„ b) Fazer o ar passar por trocadores de calor e
ou massa modificando suas condições iniciais.
Os trocadores de calor permitirão realizar o
resfriamento, o aquecimento, a umidificação
e a desumidificação conforme a necessidade
momentânea do ambiente. São oito
processos básicos que, geralmente
combinados, permitem obter as condições de
temperatura e umidade desejadas no
ambiente.

3/10/2005 87

AR CONDICIONADO
„ Aquecimento

1 2

1 2

resistência vapor, água quente.

3/10/2005 88

44
AR CONDICIONADO
„ UMIDIFICAÇÃO

1 2

resistência
bandeja de umidificação

3/10/2005 89

AR CONDICIONADO
„ AQUECIMENTO COM UMIDIFICAÇÃO

1 1’

1’ 2
1

3/10/2005 90

45
AR CONDICIONADO
„ Resfriamento com desumidificação
Temp. de
orvalho de 1
Desumidificação: t sup. < t orv.
Temp. média da superfície
90 %
do resfriador. 1

expansão
direta expansão
ou
indireta

fluido refrigerante Agente de resfriamento:


água,solução.
3/10/2005 91

AR CONDICIONADO
„ SÓ RESFRIAMENTO

Y = 90%
temp. da super. =t orv.

2 1

equip. idênticos ao anterior mas t sup. > temp. orvalho de 1

3/10/2005 92

46
AR CONDICIONADO
„ DESUMIDIFICAÇÃO COM AQUECIMENTO

h
h = cte

h ~=cte ocorre quando passa o ar por secador por sorção, com aumento da
temperatura devido condensação do vapor

1 2

3/10/2005 93

AR CONDICIONADO
SÓ DESUMIDIFICAÇÃO

1
h = cte

2 g = cte

uma composição de processos como secagem com posterior resfriamento

3/10/2005 94

47
AR CONDICIONADO
„ RESFRIAMENTO COM UMIDIFICAÇÃO

Temp. da superfície da água

h = cte
2
1

Y = 90%

ocorre quando água é atomizada no fluxo de ar. o processo é praticamente isoentálpico


e a umidade relativa na saída do ar = 90% como pré projeto (lavador de ar)

quando usando TC resf. – desumid.


1 2

B
3/10/2005 TC
95

AR CONDICIONADO
„ MULTIPLICADOR INTERNO
„ É a relação entre o calor sensível e o calor total do
ambiente tratado. O multiplicador indica o processo
do ar no ambiente na proporção de ganho de calor
sensível e latente:

m = (qsi + qli) / qsi > 1


„ onde
„ qsi é o calor sensível gerado no ambiente.
„ qli é o calor latente gerado no ambiente.
„ No diagrama, para traçar o processo, toma-se a
paralela à linha definida no quadrante, passando
pelas condições a serem mantidas no ambiente.

3/10/2005 96

48
AR CONDICIONADO
„ Multiplicador interno

M
m =1

S
I

3/10/2005 97

AR CONDICIONADO
„ MULTIPLICADOR TOTAL

„ Para o multiplicador total:

„ m = (qsi + qse + qli + qle) / (qsi + qse) onde

„ qse e qle são respectivamente os calores sensível e


latente devidos ao ar externo.

3/10/2005 98

49
AR CONDICIONADO

„ FATOR DE CALOR SENSÍVEL

„ Alguns diagramas ao invés do multiplicador utilizam o


fator de calor sensível:

„ fcs = qsi / (qsi + qli) >1

3/10/2005 99

AR CONDICIONADO
„ Fator de calor sensível

E fcs

M
m=
1

S
I
referência

3/10/2005 100

50
AR CONDICIONADO
„ ∆h/∆g

Onde:
∆h é o ganho de entalpia no ambiente e ∆g o ganho de umidade de q = m ∆h e
ql = m L ∆g - L calor latente de vaporização da água.

3/10/2005 101

AR CONDICIONADO
„ DIFUSÃO
„ É a diferença entre a temperatura a ser mantida no
ambiente e a temperatura de insuflamento:
„ (ts – ti) ou (ti – ts) positivos
„ Qs = m * Cp * ∆t onde:
„ m = fluxo de massa a insuflar.
„ Cp = calor específico do ar.
„ ∆t = difusão.
„ Com esse fluxo de massa e o fluxo de ar externo
calculado pela ventilação ou para manter pressão
positiva no ambiente, determina-se o fluxo de
massa do ar de retorno.

3/10/2005 102

51
AR CONDICIONADO
„ DIFUSÃO

m=1 M

S
I

difusão

3/10/2005 103

52