You are on page 1of 28

Programação

Dois de Maio (02/04)

9h30: Recepção e credenciamento

14h - ​Oficina 1​: ​Religião, Etnicidade e Políticas Educacionais


Rosenilton S. Oliveira
Sessão 1

14h - ​Oficina 2​: ​Como usar imagens na pesquisa em Ciências ​Sociais


Daniela Feriani
Sessão 1

14h - ​Oficina 3: Etnografias Urbanas: da metrópole à aldeia


José Guilherme Magnani
Sessão 1

14h - ​Oficina 6: Antropologia como profissão


Eros e Marcelo Perilo
Sessão 1

14h - ​Oficina 7: Pesquisa de campo: conflitos, sentidos e diferenças


​Luiza Lima e Thiago Oliveira
Sessão única

14h - ​Oficina de Mestres-Salas e Porta-Bandeiras


​ Projeto Cisne do Amanhã
Sessão única

19h - Conferência de abertura


​Profa. Dra. Lilia Moritz Schwarcz (USP) “Olhar e não ver: racismo estrutural no Brasil”
Três de Maio (03/05)

9h - ​GT 1: Variações sobre arte, cidade e ativismo


​ Debatedores: Felipe Gabriel Oliveira e Maurício Alcântara

“Partiu Balada: Perspectivas antropológicas da Balada Sertaneja Universitária”


Deiler Raphael Souza de Lima (PUC-PR)

​“O axé do som e o som do axé: multiplicidades sonoras em um terreiro de candomblé da nação Kaetu”
Erico de Souza Brito (UNIFESP)

​“Etnografia de um grupo musical: comportamentos, regras e escolhas de uma Orquestra Universitária”


Gregor Castro Erbiste (UNIFAL - MG)

“​As Bichas: uma vida no limite”


​Thiago Schindler (USP)

“Trançando a Música: Coletivos de Música Eletrônica nos Espaços Urbanos Submersos”


Gustavo Fiorini (UFPEL)

9h - GT 2: Direitos violados: debates sobre violência de gênero, feminicídio e poder


​Organizadora: Sabrina Damasceno Debatedor: Márcio Zamboni

​ “Foi estupro ou apenas uma piada? Os embates midiáticos e políticos no caso do ator Alexandre Frota”
Ana Carolina Braga (USP)

“A disputa por categorias no processo de Roger Abdelmassih”


Clara de Oliveira (USP)

“​ Eles matam mais por raiva: notas sobre homicídios cruéis de meninas mulheres em Fortaleza”
Lucilda Cavalcante (UFC)

“Brasilândia: outras formas de gestão da violência”


Mayara Amaral (FESPSP)

9h - GT 3: No cerne da cidade: diálogos sobre territórios e sociabilidade urbana


Organizadora: Luiza Cavallini Debatedor: Michel Soares

“Pessoas e objetos: agência e consumo de segunda mão na cidade do Rio de Janeiro”


Douglas de Souza Evangelista (UERJ)
“Na margem da linha: conflitos urbanos em uma favela de Campos dos Goytacazes”
Isabel Clara Ferreira Moreira da Silva (UFF)

“Mercado das Pulgas São Paulo e a nova dinâmica cultural e espacial do centro”
Sâmia Graziela Pereira de Souza (USP)

“Entre patrimônio e cidade: conflitos e mediações na produção do Canteiro Aberto Vila Itororó”
Lucas Pinheiro Gariani (USP)

9h - GT 4: Poder e instituições públicas


​Mediação: Ana Caroline Bonfim

“Controlando o Estado: uma etnografia da fiscalização dos Jogos


Olímpicos de 2016 pelo Tribunal de Contas da União”
Clara Possebom Pinto (UFPR)

“Ocupação Urbana e Despejo: entre o ritual popular e o estatal”


Aiano Bemfica e Matheus Almeida (UFMG)

“As transformações do fazer etnográfico no mundo digital: uma discussão a partir de


narrativas midiáticas sobre violência sexual nas universidades paulistas”
Felipe Paes Piva (USP)

“Controle social e as redes Sociais: uma etnografia da atuação da Controladoria-Geral da


União no Youtube”
Pedro Henrique Nogueira Giordano (UFPR)

14h - ​Oficina 1: Religião, Etnicidade e Políticas Educacionais


Rosenilton S. Oliveira
Sessão 2

14h - ​Oficina​ ​4​: ​O campo em etnologia indígena: velhos e novos desafios


Marina Vanzolini
Sessão 1

14h - ​Oficina 2​: ​Como usar imagens na pesquisa em Ciências Sociais


Daniela Feriani
Sessão 2

14h - ​Oficina 5: Arte, literatura e cidades: olhares sobre São Paulo


Diogo Barbosa Maciel e Thais Chang Waldman
Sessão 1
14h - ​Oficina 6: Antropologia como profissão
Eros e Marcelo Perilo
Sessão 2

19h - ​Mesa redonda: diversidade e permanência estudantil na USP


Jacqueline Moraes Teixeira, Marcelo Mikley Vinturini, Emerson de Oliveira Souza, Terra Johari e Talita
Lazarin Dalbó (debatedora)

Quatro de Maio (04/05)

9h - ​GT 1: Variações sobre arte, cidade e ativismo


Debatedores: Felipe Gabriel Oliveira e Maurício Alcântara

“O Museu de Arte Indígena e suas narrativas”


Beatriz Rangel Thurler Amorim

“ABC do Açude: Percepção, Imaginário e Memória do Sertão”


Felipe Figueiredo

“Meios de teatro em Meios de rua - Teatro Oficina produção de lugares na cidade de São Paulo”
Bruno Campelo

“Um percurso afetivo-político pelo Baixo Centro de Belo Horizonte”


Lorena Braga Alves

9h ​- GT 3: No cerne da cidade: diálogos sobre territórios e sociabilidade urbana


Organizadora: Luiza Cavallini Debatedor: Michel Soares

“Um corpo que apanha junto: vínculos de família como proteção, cuidado, afeto e pertencimento
no fluxo da Cracolândia”
Marina Gouvêa Rabello (USP)

“A praça em vida: sociabilidade e sobrevivência dos filhos e filhas da Praça do Ferreira em


Fortaleza, Ceará”
Messias Douglas Coelho Pessoa (UNILAB)

“Praça viva: etnografia transmutada em ação”


Letícia Braga Aniceto (USP)
“Uma observação acerca dos novos comportamentos perante às redes Sociais em Alfenas-MG”
Samira Cristina Silva Pereira (UNIFAL)

9h​ - GT 5: Religião e outras filosofias


Organizadora: Natalia Corazza Debatedor: Milton Bortoleto

“A Igreja Universal e seus círculos: uma análise estrutural da Igreja Universal do Reino de Deus
no
Brasil e Portugal”
Gustavo Aires Tiago (USP)

“A Igreja vai a Rodô: apontamentos etnográficos sobre uma ação caritativa na antiga rodoviária
de Campo Grande”
Vladimir Eiji (USP)

“Representações do gênero masculino e corporificações de uma masculinidade típica dos fiéis


do projeto intelliMen da Igreja Universal do Reino de Deus”
Marcos Phelipe José de Oliveira (USP)

“Concepções em conflito: repensando saúde e doença no restaurante macrobiótico Sartori”


Vinicius Alcantara Veríssimo de Mello (USP)

“A imagética da governança na Casa do Índio - RJ: tutela e religiosidade”


Bruno da Silva (UERJ)

“Crucifixos de Luta: Materialização da disputa por direitos sexuais e reprodutivos entre coletivos
religiosos”
Giovanna Paccillo (UNICAMP)

9h ​- GT 5: Diferenças e Interseccionalidade
Organizadora: Sabrina Damasceno Debatedor: Priscila Almeida

“Segredos, negociações e cosmoerostismo em uma cidade amazônica”


Bruno Domingues (UFPA)

“Tornando-se negro: Os efeitos do controle racial no processo de construção”


Daniara Thomaz (UEM)

“De médico a monstro: a mudança da narrativa midiática no caso de Roger Abdelmassih”


Lais Ambiel (USP)

“Gênero e Zoeira: reflexões a partir de observações etnográficas e intervenções com jovens de


uma escola pública do Guarujá/SP”
Priscila Karaver (USP)

“Fujoshis e Fadanshis do Brasil: subjetividades a partir da leitura do mangá Yaoi”


Sasha Cruz (USP)

“Transexualidade e saúde pública: estratégias e dilemas na luta contra a patologização”


Tainá Scartezini (USP)

14h - ​Oficina 4 O campo em etnologia indígena: velhos e novos desafios


Marina Vanzolini
Sessão 2

14h - ​Oficina 5: Arte, literatura e cidades: olhares sobre São Paulo


Diogo Barbosa Maciel e Thais Chang Waldman
Sessão 2

14h - ​Oficina 3​: ​Etnografias Urbanas: da metrópole à aldeia


​José Guilherme Magnani
Sessão 2

14h - ​Oficina 7: Pesquisa de campo: conflitos, sentidos e diferenças


​Luiza Lima e Thiago Oliveira

19h - Kula: Trocas Festivas


Resumos

“Ocupação Urbana e Despejo: entre o ritual popular e o estatal “

1.Aiano Bemfica

Universidade Federal de Minas Gerais - Antropologia

matheus.da.almeida@gmail.com

2.Matheus de Araújo Almeida

Universidade Federal de Minas Gerais - Antropologia

matheus.da.almeida@gmail.com

Em maio de 2017, a ocupação Manoel Aleixo, aos grupos sociais de cada ritual. Do lado das
no município de Mário Campos (MG), foi famílias ocupantes, questiona-se o que é,
violentamente reprimida e despejada pela como se caracteriza e atua uma ocupação
Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG). O urbana. Do lado da PMMG, verifica-se
conflito, que gerou vários presos e feridos, comparativamente quais as normas para sua
colocou em choque dois rituais urbanos que atuação em despejos e como se deu,
são aqui analisados: o ritual popular de concretamente, tal ação. Conclui-se que tal
ocupação e o estatal de despejo. Com esta debate possui grande relevância para os
pesquisa buscamos compreender como tais estudos antropológicos sobre rituais, Estado e
rituais se constituem e passam a se temáticas urbanas, questões pujantes da
antagonizar, analisando elementos internos realidade brasileira.

Palavras-Chave: Ocupação, Despejo, Ritual

“Foi estupro ou apenas uma piada? Os embates midiáticos e políticos no caso do ator
Alexandre Frota “

Ana Carolina Braga Azevedo

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais


anacarolinabragaazevedo@gmail.com

Orientadora: Heloisa Buarque de Almeida

Agência de Fomento: FAPESP

Este trabalho analisa o caso do ator Alexandre comercial. Este trabalho tenta compreender
Frota, que revela de modo jocoso ter “pegado como ocorreram as disputas por significados
uma mãe de santo” no programa de entrevistas em torno das categoriais de estupro, violência
Agora é Tarde. Após a reprise da entrevista em sexual ou de gênero, crime, sexo com/e sem
2015, alguns setores e mídias ligados a consentimento, apologia ao estupro e cultura
movimentos sociais interpretaram o relato do estupro a partir da interação entre as mídias
como uma cena de violência, acusando o ator comerciais e não comerciais, movimentos
e o programa de apologia ao estupro. O caso sociais e pronunciamentos de figuras políticas,
ganhou repercussão nas redes sociais que além da interação desses setores com o
promoveu a visibilidade do caso na mídia judiciário.

Palavras-Chave: Gênero; mídia; violência.

“O Museu de Arte Indígena de Curitiba e suas narrativas”

Beatriz Rangel Thurler Amorim - Apresentação no GT 1

Universidade Federal do Paraná - Ciências Sociais

beatrizthrl@gmail.com

Orientadora: Prof. Dra. Edilene Coffaci de Lima

Este trabalho apresenta a etnografia do Museu à sua trajetória em seu movimento de


de Arte Indígena de Curitiba. Faremos uma descoberta, encantamento e imersão nas
descrição da exposição do MAI - enquanto culturas indígenas brasileiras. Analisaremos as
museu privado derivado de vinte anos de narrativas proferidas por ela acerca de sua
expedições por terras indígenas brasileiras - e trajetória, além de seu modo de traduzir este
os discursos que a circundam, tanto durante as “outro” que ela encontrou em suas viagens e
visitas guiadas quanto em sua expografia. compartilhar através da criação do MAI. Para
Apresentaremos a colecionadora responsável tanto, refletiremos também sobre o lugar da
por sua idealização e realização, mostrando “arte indígena” nesta formulação enquanto
como a proposta do museu se liga intimamente potencial pedagógico proposto pelo museu.

Palavras-chave: Colecionamento; Trajetória; Museu de Arte Indígena de Curitiba


“Meios de teatro em Meios de rua: Teatro Oficina e produção de lugares na cidade de São
Paulo”

Bruno Campelo Pereira

Universidade Estadual de Campinas - Ciências Sociais

brunocampelop@gmail.com

A pesquisa volta-se aos processos de disputas por investimentos públicos, ora


modificação e remodelação de áreas urbanas comprometidos com demandas sociais locais,
envolvendo embates políticos entre interesses ora com os interesses da especulação
privados e especulativos e os de seus imobiliária. Em um sentido específico: as
tradicionais moradores e frequentadores. noções de espaço, cidade, bairro acionadas
Pretende-se assim focar, em um sentido pelos diferentes atores sociais envolvidos
amplo: as tensões envolvendo bairros centrais, (direta ou indiretamente) nas atuais disputas
históricos e/ou com potencial turístico da políticas pelo entorno do Teatro Oficina e no
cidade de São Paulo, no que diz respeito a processo de modificação desta área localizada
no bairro do Bexiga, em São Paulo.

Palavras-Chave: Cidade, Espaço, Teatro

“A imagética da governança na Casa do Índio-RJ: tutela e religiosidade”

1.Bruno da Silva Rangel Francisco

Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) ​- Ciências Sociais

brunosrfrancisco@gmail.com

Orientador: Marcus Albuquerque

2.Nadine Machado Tutunji

Universidade do Estado do Rio de Janeiro ​- Ciências Sociais

nadinetvu@gmail.com

Orientador: Marcus Albuquerque

A partir do trabalho de campo e de uma certos aparelhos de estado, buscamos


bibliografia antropológica voltada a debater a entender a história e as formas de poder
governança das populações indígenas por legítimo na Casa do Índio-RJ. Com uso de
fotografias autorais e de documentos cedidos dimensões: 1) a administrativa, em suas rotinas
pela gestão da instituição, privilegiamos e práticas; 2) a imagética, a partir dos objetos e
entender a dominação lá presente por duas coisas como fotografias, quadros, informativos
e afins.

Palavras-Chave indígenas; política indigenista; tutela; administração; religiosidade

“Segredos, negociações e cosmoerotismo em uma cidade amzônica“

Bruno Rodrigo Carvalho Domingues

Universidade federal do Pará - Ciências Sociais

brunodomingues121@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Flávio Bezerra Barros e Prof. Dr. Fabiano de Souza Gontijo

Agência de Fomento: CNPq

Neste trabalho busco analisar as etapas de as pesquisas, não consta na bibliografia


campo a partir da perspectiva do “segredo” em relevantes considerações acerca dos usos
uma cidade interiorana do Pará, cujos destes, apenas pontuações. Logo, a pesquisa
moradores utilizam de “patuás” (ou feitiços) visa desvelar as tramas destes usos, que
com finalidades eróticas. Parto do princípio que conceituo enquanto usos cosmoeróticos na
estes segredos montam um código de conduta Amazônia. Será detalhado aqui o processo de
sobre estes usos, mas que ainda assim, nos pesquisa de campo realizada para o meu
permite compreender um “interior” outro que trabalho de conclusão de curso de Ciências
não o comumente associado ao Sociais (em andamento) e as negociações
conservadorismo e atraso. Até onde realizamos feitas com os interlocutores.

Palavras-Chave: Sociobiodiversidade; Sexualidade; Antropologia das emoções.

“A disputa por categorias no processo de Roger Abdelmassih”

Clara de Oliveira Coêlho

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

clara.colho@usp.br

Orientador: Profa.Dra. Heloísa Buarque de Almeida


Agência de Fomento: PIBIC

Este projeto visa entender e documentar a pacientes. As categorias utilizadas entram em


construção e utilização das categorias de disputa nos autos, tendo em vista que assédio
violência sexual no transcorrer do processo do é utilizado pelas ofendidas para descrever os
Dr. Roger Abdelmassih, categorias que se abusos a que sofreram, ao passo que tais atos
transfiguram e são utilizadas de diferentes foram classificados judicialmente como atos
maneiras pelos atores envolvidos no processo libidinosos, atentado violento ao pudor ou
ao longo dos autos. O médico foi formalmente estupro. O médico nega qualquer acusação
acusado em 2009 e condenado em 2010 por sobre as agressões por ele perpetradas,
cometer violência sexual 56 vezes contra 39 dizendo ser um galanteador que fora mal
interpretado.

Palavras-Chave: gênero, violência, sexualidade

“Controlando o Estado: uma etnografia da fiscalização dos Jogos Olímpicos de 2016 pelo
Tribunal de Contas da União”

Clara Possebom Pinto - Apresentação no GT 4

Universidade Federal do Paraná - Ciências Sociais

clarapossebom@gmail.com

Orientadora: Ciméa Barbato Bevilaqua

Agência de Fomento: CNPQ

5 de agosto de 2016. Começa a cerimônia de e seus órgãos de fiscalização, esta etnografia


abertura das Olimpíadas do Rio. Cada do portal do TCU na internet e páginas oficiais
delegação esportiva recebeu uma semente a dos Jogos, analisa as conclusões que o TCU
ser depositada dentro de “totens” por seus assumiu durante o monitoramento das
atletas, enquanto um vídeo da “Floresta dos condições de efetivação do Plano de Legado.
Atletas” era transmitido. Quase um ano se O trabalho reflete sobre uma mudança de foco
passa, 2 de agosto de 2017, mais uma sessão no entendimento do TCU acerca do Legado
do Tribunal de Contas da União (TCU) dos Jogos, que diante da falha deste fluiu do
referente a descumprimentos do Plano de desenvolvimento social para a produção de
Legado da Rio 2016, como a não efetivação da uma imagem positiva do país.
Floresta dos Atletas. Dentro do tema do Estado

Palavras-Chave Tribunal de Contas da União, Jogos Olímpicos Rio 2016, Plano de Legado.
“Tornando-se negro: os efeitos do contraste racial no processo de construção da identidade
negra”

Daniara Thomaz Fernandes Martins - Apresentação no GT

Universidade Estadual de Maringá - Ciências Sociais

daniaratfm@gmail.com

Orientadora: Profa. Dra. Marivânia Conceição Araújo

O objetivo deste projeto etnográfico é do próprio negro. Para tanto, focalizo minha
apreender os significados sociais que análise nos meios como o sujeito negro
possibilitam a construção da identidade negra, constitui sua auto-imagem tendo como
tendo como referência as influências exercidas referência sua contraposição ao sujeito branco,
pelas relações de dominação entre o indivíduo e a partir disto, busco compreender os
branco e negro na formação e representação impactos do contraste racial existente nas
da identidade social da população negra dentro relações heterocromáticas enquanto elemento
do contexto brasileiro, segundo a perspectiva atuante no processo de formação da identidade
racial dos indivíduos negros.

Palavras-Chave Identidade negra, Etnografia, Racismo.

“Partiu balada: perspectivas antropológicas da balada sertaneja universitária“

Deiler Raphael Souza de Lima

Pontifícia Universidade Católica do Paraná - Ciências Sociais

deilersouza91@hotmail.com

Orientador Prof. Ms. Leonardo Carbonieri Campoy

Este trabalho apresenta uma etnografia uma perspectiva antropológica, buscou-se


realizada na casa noturna Wood´s, localizada identificar se essas motivações desenvolvem
na cidade de Curitiba-PR. Comumente no decorrer da estadia desse público no local
denominada de “balada” o espaço é destinado ações coordenadas análogas estimuladas por
ao segmento musical sertanejo universitário. A meio dos elementos constitutivos e/ou
pesquisa desenvolveu-se a partir de um estudo estruturantes como as bebidas e a música,
que fomenta a compreensão das questões permeando um processo ritual. E se a
motivacionais das (os) frequentadoras (es) que realização dessas ações se entrepõe nos
as (os) levam a visitá-la periodicamente. consumidores dos diversos espaços desse
Sobretudo, no que diz respeito a utilização de local, como área Vip/camarote e pista.
“Pessoas e objetos: agência e consumo de segunda mão na cidade do Rio de Janeiro”

Douglas de Souza Evangelista

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Ciências Sociais

douglasevangelista@gmail.com

Orientadora: Profa. Dra. Roberta Sampaio Guimarães

Nos centros das grandes metrópoles, realizado na feira "shopping-chão" em São


mercados de segunda mão proliferam e são o Cristóvão, bairro situado na região central da
cenário em que complexas dinâmicas de troca, cidade do Rio de Janeiro. Partindo dos estudos
de circulação, de construção de valores, de recentes da cultura material contemporânea,
significados e formas de sociabilidade se que tomam o consumo como discurso
desenvolvem e se sustentam pelas relações simbólico, busco analisar os vários sentidos
sociais entre pessoas e objetos. O objetivo atribuídos por esses atores às suas práticas,
desta comunicação é discutir essas relações a suas relações com os objetos e a cidade, e o
partir da experiência do comércio informal efeito desses processos sobre suas
subjetividades.

Palavras-Chave cidade, cultura material, subjetividade

“O Axé do som e o som do Axé: multiplicidades sonoras em um terreiro de Candomblé da


nação Ketu”

Érico de Souza Brito

Universidade Federal de São Paulo - Ciências Sociais

ericosbrito@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Uirá Felippe Garcia

Esta pesquisa pretende apresentar os diversos sonoras que compõem uma paisagem acústica
aspectos da dimensão acústica dentro de um dos terreiros – e as cerimônias. E é em torno
candomblé de nação ketu e suas múltiplas do som, sua multiplicidade e sua importância
formas dentro dele. A relevância do tema se dá nos rituais públicos e privados que se dará a
pelo fato de que, sendo o candomblé uma discussão neste projeto. Para tanto, foi
religião tão complexa e com tantos temas a realizada uma pesquisa de campo para a
serem estudados e discutidos, pouca foi a montagem de uma pequena etnografia sobre
atenção dada a uma questão fundamental um terreiro localizado na cidade de Seropédica
dentro dele: a relação entre o que chamaremos – RJ, e somada a ela um estudo comparado de
aqui de “som” – a saber, as diversas emissões bibliografias sobre teoria antropológica e
etnografias sobre candomblé.
Palavras-Chave: Candomblé, antropologia sonora, etnomusicologia

“As transformações do fazer etnográfico no mundo digital: uma discussão a partir de narrativas
midiáticas sobre violência sexual”

Felipe Paes Piva

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

lipepiva@gmail.com

Orientadora: Dr. Carolina Parreiras Silva

Agência de Fomento: CNPQ

Este paper tem como base a pesquisa de repercussão midiática desses casos promoveu
iniciação científica, que venho desenvolvendo. a nomeação pública de certas práticas como
Nele, proponho entender como os atuais estupro, abuso e violência sexuais, práticas
processos de disputa política, em torno da que, até pouco tempo atrás, não eram
significação de categoriais de violência sexual necessariamente significadas desta forma.
e de gênero, têm sido apropriados e Busco discutir não apenas os resultados
representados pela mídia hegemônica obtidos até o momento, mas também
brasileira. Para isso, é analisada a construção estratégias possíveis para utilização do digital
da narrativa midiática dos casos de agressão como campo de pesquisa e como artefato
sexual nas faculdades paulistas, que foram técnico que se configura como uma base de
alvo de uma CPI, na Alesp, em 2014. A dados.

Palavras-Chave mídia, violência sexual, direitos sexuais

“ABC do Açude: Percepção, Imaginário e Memória no sertão”

Felipe Silva Figueiredo

Universidade Federal de São Paulo - Ciências Sociais

felipe.figueiredo1230@gmail.com

Orientadora: Prof. Dr. Andréa Cláudia Marques Miguel Barbosa

Agência de Fomento: FAPESP


Na década de 1930 o nordeste brasileiro foi construção da barragem e faz algumas
assolado por uma grande seca. O governo denuncias acerca da exploração a qual eram
federal iniciou então, uma empreitada para a submetidos os trabalhadores, por isso, diz-se
construção de imensos reservatórios artificiais que quem era pego a recitando acabava preso
de água denominados açudes. Durante a por desobediência. A presença da barragem
construção de um desses açudes no município modifica não só a constituição física do
de Macaúbas, na Bahia, certo tipo de poesia ambiente rural e urbano, mas também das
oral em forma de “ABC” foi criada e era representações simbólicas dos agentes do
declamada pelos trabalhadores da obra. Tal município, como por exemplo a mudança de
produção conta a trajetória dos operários na nome do povoado de Saco-Grande para
Açude, e a criação da Rua do Escritório.

Palavras-Chave semiárido, representações, barragem

“Crucifixos de Luta. Materialização da disputa por direitos sexuais e reprodutivos entre


coletivos religiosos”

Giovanna Paccillo dos Santos

Universidade Estadual de Campinas - Ciências Sociais

paccillo98@gmail.com

Orientador: Prof.Dr.Rodrigo Ferreira Toniol

Agência de Fomento: SAE/UNICAMP

Esse trabalho busca analisar as relações entre ONG pela descriminalização do aborto no
três crucifixos: um deles, encontra-se na sede Brasil. A segunda imagem fazia parte de uma
da ONG Católicas pelo Direito de Decidir em campanha de conscientização pelo direito à
São Paulo; outro, foi colocado em 2006 em contracepção e à educação sexual na Europa.
frente a Catedral de Copenhague; o terceiro Por fim, a terceira, apareceu como um símbolo
percorreu a Nicarágua em 2007. O que os de luta pelo direito das mulheres
torna associáveis é o fato de que em todos eles nicaraguenses ao aborto terapêutico. Seguindo
os crucificados são mulheres grávidas. Com esses objetos, pretendo discutir questões
isso, na primeira situação a imagem é relacionadas a direitos sexuais e
mobilizada como ícone do sofrimento da contraceptivos, feminismos, e a noção de
mulher periférica, tema reinante na luta da iconoclash

Palavras-Chave Crucifixo, Direitos Sexuais, Feminismos


“Etnografia de um grupo musical: comportamentos, regras e escolhas de uma Orquestra
Universitária”

Gregor Castro Erbiste

Universidade Federal de Alfenas - Ciências Sociais

gregorccastro@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Leonardo Turchi Pacheco

Agência de Fomento: FAPEMIG

Este trabalho tem por objetivo compreender a escolha – seja ela pessoal ou no intuito de
relação entre vivência e os fazeres musicais viabilizar o Projeto – do estilo musical
dos integrantes do Projeto de Extensão desenvolvido na Orquestra, o “sertanejo-raiz”.
Orquestra Popular da UNIFAL-MG. A As análises efetuadas são importantes no
metodologia utilizada foi a etnografia e através sentido de conhecer, compreender e explicar a
do trabalho de campo enquanto membro ativo música enquanto objeto de significação e
do grupo e entrevistas com integrantes do representação de um grupo social. Os
Projeto, buscou-se compreender a maneira resultados obtidos possibilitaram descrever o
como um grupo pode se organizar, criar perfil dos integrantes, bem como a relação
padrões de comportamento e regras, além de hierárquica presente no grupo, seja
compreender os motivos que levaram à institucional ou não.

Palavras-Chave Música, Vivência, Comportamento

“A Igreja Universal e seus círculos” Uma análise estrutural da Igreja Universal do Reino de
Deus no Brasil e Portugal”

Gustavo Aires Tiago

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

gustavo.tiago@usp.br

Orientadora: Profª. Drª. Paula Montero

Agência de Fomento: FAPESP

A pesquisa procura compreender a Deus (IURD) na ocupação dos espaços


territorialização e as formas de organização urbanos, com olhar direcionado para as regiões
adotadas pela Igreja Universal do Reino de metropolitanas do Porto, Lisboa e
principalmente a cidade de São Paulo, de estratégias de visibilidade adotadas pela igreja
acordo com suas especificidades. Através da em cada um dos casos, sistematizamos as
análise socioespacial da localização dos informações que nos interessam na análise da
templos na malha urbana de cada região, o ocupação e da disputa do espaço público pelas
perfil dos fieis que frequentam o local e as religiões.

Palavras-Chave: Igreja Universal, Espaço urbano, Espaço Público

“Experiências nos espaços urbanas submersos: cena underground de festas eletrônicas”

Gustavo Fiorini Marques

Universidade Federal de Pelotas - Antropologia

gustavo.fiorini_@outlook.com

Aprofundar o pensamento a respeito da cidade transformando temporariamente lugares,


como uma particularidade da vida humana suspendendo sua lógica, através da
contemporânea significa observar e traçar os elaboração de outras variações para se viver
processos que envolvem as dinâmicas sociais, espaços citadinos submersos. São lugares
espaciais, mentais, enfim. Trata-se, aqui, de dinamizados em uma atmosfera underground
trazer algumas reflexões sobre coletivos de através da música Techno e grande
música eletrônica que produzem festas aglomeração de pessoas socializando e
ocupando politicamente.

Palavras chaves: Antropologia Urbana, Techno, Antropologia do Espaço.

“Na margem da linha: conflitos urbanos em uma favela de Campos dos Goytacazes”

Isabel Clara Ferreira Moreira da Silva

Universidade Federal Fluminense - Ciências Sociais

isabel.clara.moreira@hotmail.com

Orientador: Carlos Abraão Mouro Valpassos

Agência de Fomento: FAPERJ


A pesquisa "Na margem da linha: conflitos inúmeras manifestações, entre os que desejam
urbanos em uma favela de Campos dos ser transferidos e aqueles que lutam para
Goytacazes" acompanha os desdobramentos permanecer, já que a mudança para o conjunto
do programa municipal de habitação "Morar habitacional traz problemas diversos: o conflito
Feliz", que tem por objetivo a construção de entre facções rivais e o afastamento do centro
casas populares para famílias em situação de urbano – onde estão os locais de trabalho e
risco. Situada na margem de uma antiga linha escolas. Acompanho as narrativas de
férrea, a Favela da Linha é considerada “área resistência e adaptação dos moradores através
de risco” pelo programa. Ao longo do processo da perspectiva dos “dramas sociais”, partindo
de remoção dos moradores, ocorreram da observação empírica e da realização de
entrevistas

Palavras-Chave: CONFLITOS, DRAMAS SOCIAIS, HABITAÇÃO.

“‘De médico a monstro’: a mudança da narrativa midiática no caso de Roger Abdelmassih”

Laís Ambiel Marachini

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

lais.marachini@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Heloisa Buarque de Almeida

Agência de Fomento: CNPQ

O projeto de Iniciação Científica pretende alterações, assim como as categorias


entender a abordagem midiática sobre o caso construídas na sociedade, como estupro e
de Roger Abdelmassih acusado de estuprar e violência sexual. Apesar disso, representações
assediar suas pacientes. A pesquisa analisa hegemônicas sobre gênero, sexualidade,
como o caso foi retratado; como a imagem até família, casamento, reprodução e maternidade
então de uma celebridade se alterou com as são produzidos e reproduzidos como valores
denúncias; como foi descrito o tipo de crime de culturais na mídia hegemônica. Dessa forma,
qual ele era acusado; e se estas imagens questiono a maneira como a mídia hegemônica
mudam ao longo do período. A ideia é que o opera em um lugar social determinado
retrato do personagem está sujeito às relacionado com o contexto social e cultural de
seus produtores.

Palavras-Chave: mídia, gênero, violência sexual


“Praça Viva: etnografia transmutada em ação”

Letícia Braga Aniceto

Universidade de São Paulo - Ciências Biológicas

leticia.aniceto@usp.br

Orientador Prof.ª Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer

A qualidade de vida urbana está diretamente entorno. Isso ocorre na Praça Nossa Senhora
atrelada a vários fatores econômicos, sociais e dos Prazeres, em São Paulo, que esquecida
ambientais. Considerando que as áreas verdes pela subprefeitura, agora é lembrada por casos
públicas são imprescindíveis para o bem-estar de vandalismo e roubos. O presente trabalho
da população, por influenciarem diretamente visou identificar as percepções ambientais dos
em sua saúde física e mental, a preservação frequentadores da praça em questão a fim de
de praças urbanas ganha destaque. No mapear as causas do abandono por parte da
entanto, tais espaços são preteridos devido ao sociedade, além de tentar resgatar uma das
descaso governamental e decorrente funções de áreas verdes urbanas, a de
abandono, dificilmente atraindo moradores do reconectar o ser humano à natureza.

Palavras-Chave: praça urbana, percepção, topofilia

“PassAarão: Um percurso afetivo-político pelo Baixo Centro de Belo Horizonte”

Lorena Braga Alves

Universidade Federal de Minas Gerais - Antropologia

lorenabragaalves@gmail.com

Este trabalho consiste em uma análise do Praia da Estação e o Duelo de Mc’s. Focado
último espetáculo do Grupo Espanca!, nesta área, “PassAarão” procura dialogar com
“PassAarão”. Ele repensa a Rua Aarão Reis a rua a partir de interesses
onde, há mais de 7 anos, se encontra a sede políticos-existenciais dos próprios atores,
da companhia. Localizada no baixo centro de abordando temas como racismo, homofobia,
Belo Horizonte ela é vista por muitos como misoginia, transfobia, dentre outros. É partindo
uma das regiões mais degradadas e perigosas, deste cenário que pretendo pensar como as
chamando atenção pelo entrelaçamento da diferentes afecções desse coletivo e sua ação
vida cultural e política, que é experienciada na rua dialogam com o baixo centro desta
através do Carnaval e de movimentos como a cidade e como elas são e estão refletidas nos
diversos grupos que a circulam.
Palavras-Chave: Teatro de Rua, Antropologia Urbana, Artivismo

“Entre patrimônio e cidade: conflitos e mediações na produção do Canteiro Aberto Vila Itororó”

Lucas Pinheiro Gariani

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

lucas.gariani@usp.br

Orientador: Prof. Dr. Heitor Frúgoli Jr.

O Canteiro Aberto Vila Itororó é um centro urbanos. Buscamos circunscrever a produção


cultural localizado na região central de São de diferentes formas de sociabilidades e situar
Paulo. É um conjunto de edificações de uso as práticas e os discursos dos diversos
habitacional do início do século XX que foram agentes locais. Pudemos verificar um modelo
reconhecidas como patrimônio cultural e inédito relativo à politica cultural do patrimônio
destinadas para uso cultural nos anos 2000. O urbano, em que se destaca a interlocução entre
objetivo desta pesquisa foi realizar uma gestores-programadores e usuários-citadinos,
etnografia interessada nos processos de onde a ideia de “publico” da cultura da espaço
mobilização da noção de patrimônio cultural à noção de “produtores” culturais, na qual os
para a construção de espaços públicos fruidores do centro cultural são também
aqueles que o produzem

Palavras-Chave: Antropologia do patrimônio; consumo cultural; Vila Itororó

“Uma cura rápida, completa, duradoura e inexplicável: a expertise médica no milagre”

Lucas Toledo Martins Baccetto

Universidade Estadual de Campinas - Ciências Sociais

lucas.baccetto@gmail.com

Orientador: Dr. Rodrigo Toniol

Agência de Fomento: SAE/UNICAMP

O objetivo principal deste trabalho é elaborar beatificação e canonização de candidatos à


uma análise da participação de médicos, na santidade na Igreja Católica. Com base em
condição de peritos, na etapa de investigação testemunhos e resultados de exames
de possíveis milagres nos processos de produzidos por instrumentos científicos, os
médicos são convidados para elaborarem beatificação e canonização. O objeto de
pareceres a respeito de quatro dimensões que interesse deste trabalho é a Positio de Madre
atestam uma cura milagrosa: sua rapidez, Paulina. A partir dele, proponho avançar em
eficácia, longevidade e inexplicabilidade questões referentes à materialidade das
científica. A conclusão desses pareceres provas, à utilização de instrumentos científicos
resulta no documento intitulado Positio Super e à noção de expertise médica na
Miraculo, peça definitiva em processos de modernidade.

Palavras-Chave: milagre, materialidade, expertise

“‘Eles matam mais por raiva’: notas sobre homicídios cruéis de meninas e mulheres em
Fortaleza”

Lucilda Cavalcante Lourenço

Universidade Federal do Ceará - Ciências Sociais

cavalcante.lucy18@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Luiz Fábio Silva Paiva

Agência de Fomento: PIBIC UFC

Esta pesquisa em andamento pretende eram mulheres e 2 adolescentes, apontando


analisar como se configuram, desde a suposta para uma nova forma de fazer o crime em
motivação até a forma como se operam, os Fortaleza, tendo como marca principal a
homicídios de mulheres pelos grupos crueldade. Utilizando-se da teoria já
faccionados em Fortaleza a partir da consolidada sobre a crueldade (BARREIRA,
instauração destas organizações criminosas, 2015) tento articular como ocorrem e quais as
vindas de outros estados, na cidade. Um dos motivações das mortes violentas de meninas e
casos mais alarmantes foi o da Chacina da mulheres pelos grupos faccionados, apontando
Cajazeiras, fato com repercussão internacional para os novos desafios de pesquisar a ação de
que levou à morte 14 pessoas, dentre elas 8 organizações criminosas em Fortaleza.

Palavras-Chave: assassinato de mulheres, crueldade, facções


“HOMENS INTELIGENTES: O corpo masculino em projeto da Igreja Universal do Reino de
Deus”

Marcos Phelipe José de Oliveira

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

marckph@gmail.com

Orientadora: Prof.ª Dr.ª Silvana de Souza Nascimento


Agência de Fomento: CNPq

A pesquisa, inicialmente para Iniciação Universal do Reino de Deus, dentro do recente


Científica, objetivou observar empiricamente a paradigma da corporeidade. Para tanto,
pedagogia inerente à construção das noções baseou-se nos esforços metodológicos de
de corpo masculino e masculinidade no projeto Almeida, Bourdieu, Butler, Wacquant e
IntelliMen (Homens Inteligentes) da Igreja Jacqueline Moraes Teixeira.

Palavras-Chave: Corpo, Masculinidade, Igreja Universal do Reino de Deus

“Um corpo que apanha junto: vínculos de “família” como proteção, cuidado, afeto e
pertencimento no fluxo da Cracolândia”

Marina Gouvêa Rabello

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

rabello.marina@gmail.com

Orientadora: Prof.ª Dr.ª Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer

Pretende-se apresentar o processo de senso comum como uma “terra de zumbis”,


realização e os resultados parciais de uma contribuindo para a defesa de políticas públicas
etnografia dos vínculos constituídos entre os que não reduzam os problemas sociais que
frequentadores do fluxo da chamada levam à permanência dos usuários na
“Cracolândia”, em São Paulo. A pesquisa foi Cracolândia à dependência bioquímica da
realizada no segundo semestre de 2017, droga. Por meio da observação participante,
contexto marcada por violentas operações foram identificados vínculos de “família”
policiais que visavam “acabar com a constituídos entre os usuários, os quais, além
Cracolândia”, e teve como objetivo dar de representarem relações de afeto e carinho,
visibilidade etnográfica as formas de possuem um forte sentido de proteção e
sociabilidade vividas neste território visto pelo cuidado mútuo.

Palavras-Chave: Antropologia urbana, Cracolândia, Drogas - Aspectos sociais


“BRASILÂNDIA: OUTRAS FORMAS DE GESTÃO DA VIOLÊNCIA​“

Mayara Amaral dos Santos

Fundação Escola de Sociologia e Política - Sociologia e Política

may.amaral22@gmail.com

Orientadora: Profª Drª Sonia Nussenzweig Hotimsky

Ao longo dos últimos dez anos a violência realizar atividades culturais no bairro e ocupar
acirra-se nas periferias de São Paulo, a Praça o espaço público. Foi realizado um estudo de
7 Jovens – A Praça da Paz é fruto de uma caso na Brasilândia, a partir de uma etnografia,
chacina no Jardim Elisa Maria no período de e entrevistas com jovens promotores culturais e
2007. Este trabalho tem por foco os jovens moradores mais antigos do bairro. Busco
promotores culturais da periferia no Jardim entender o processo de inserção de jovens na
Elisa Maria, no distrito da Brasilândia em São política cultural local e como este processo
Paulo. Procura-se descrever e analisar o modo promove uma formação em política e, em
como esses jovens lidam com os diversos alguns casos, contribui para o desenvolvimento
dispositivos de poder presentes no local para de carreiras políticas em nível local.

Palavras-Chave: violência, periferia, juventude, cultura, política

“A praça em vida: sociabilidade e sobrevivência dos Filhos e Filhas do Ferreira em Fortaleza,


Ceára”

Messias Douglas Coelho Pessoa

Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira - Antropologia

m.douglas.10@hotmail.com

Este trabalho é um exercício etnográfico feito com os moradores de rua do Ceará, no centro de
Fortaleza, o artigo segue uma discussão sobre cidades, políticas públicas para moradores de rua, e a
partir do estudo compreender as relações sociais e estratégias singulares de sobrevivência e
resistência de tais ocupantes fixos que fazem vários destes resistirem a décadas na Praça do Ferreira,
estes naturalizam o seu espaço e seu vínculo na praça onde se auto denominam filhos da praça.

Palavras-Chave: Fortaleza, Moradores de Rua, Antropologia Urbana

“Controle social e as redes sociais: uma etnografia da atuação da Controladoria-Geral da União


no Youtube “
Pedro Henrique Nogueira Giordano

Universidade Federal do Paraná - Ciências Sociais

pedrohngiordano@gmail.com

Orientadora: Prof. Dra. Ciméa Barbato Bevilaqua

Agência de Fomento: CNPq

Este trabalho é uma etnografia de práticas do algumas de suas implicações. Observando-se


Ministério da Transparência, Fiscalização e os vídeos, é apontada a Lei do Acesso à
Controladoria-Geral da União voltadas à Informação como um “eixo” gerador dos
promoção do “controle social” da administração conteúdos que a CGU produz com os vídeos. A
pública. Valendo-se da análise de vídeos temática lança um interesse para desvendar os
disponibilizados pelo ministério na plataforma conceitos que cinco vídeos exprimem sobre as
YouTube, objetiva-se compreender a própria noções de “sociedade”, “cidadão”, “controle
noção de “controle social” que o órgão tenta social” e “corrupção” mobilizadas pela CGU,
promover por meio de sua atividade no site e podendo-se pensar em um cidadão-modelo
gerado à luz desses conceitos.

Palavras-Chave:Controle Social, Controladoria-Geral da União, Lei do Acesso à Informação

“Gênero e Zoeira: reflexões a partir de observações etnográficas e intervenções com jovens de


uma escola pública do Guarujá/SP”

Priscilla Karaver Gonçalves de Sá

Universidade Federal de São Paulo - Psicologia

prikaraver@gmail.com

Orientadora: Profa. Dra. Cristiane Gonçalves da Silva

Agência de Fomento: FAPESP

A pesquisa de iniciação científica foi realizada relações de gênero que hierarquizam os


em escola pública do Guarujá/SP utilizando sujeitos e organiza-se a partir dos corpos
como metodologia etnografia e pesquisa-ação. masculinos/femininos e de seus significados. A
A escola é um território privilegiado de zoeira costuma ser protagonizada pelos
socialização de jovens pelas pedagogias meninos e quando meninas zoam, causam
culturais que operam, na constituição das surpresa por subverterem expectativas de
gênero. As oficinas realizadas investiram na utilizando linguagem do universo juvenil
sensibilização dos/as jovens para questões que (memes, músicas) desencadeando discussões
aparecem como conflitos, buscando a que ajudaram as/os jovens a questionaram
desnaturalização do feminino/masculino, sobre o que se espera deles/as a partir da
condição de meninos e meninas.

Palavras-Chave: Escola, Gênero, Zoeira

“Mercado das Pulgas São Paulo e a nova dinâmica cultural e espacial do centro”

1. Sâmia Graziela Pereira de Souza

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

saam.pereira@gmail.com

2. Matheus Spinzan

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

matheuspinzan@hotmail.com

3. Letícia Binda Alves Ribeiro

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

binda.leticia@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. José Guilherme Cantor Magnani

Agência de Fomento: CNPQ

Realizada entre os meses de dezembro de seu encaixe dentro de um contexto maior de


2015 e julho de 2016, a pesquisa tem como ocupação e apropriação de espaços por meio
objeto o Mercado das Pulgas São Paulo, feira de atividades culturais, levando em
livre mensal que surgiu espontaneamente no consideração o perfil dos expositores e
Minhocão e posteriormente migrou para o Vale frequentadores da feira livre, bem como a
do Anhangabaú. Procura-se aqui demonstrar requalificação do centro de São Paulo. Ao
que o evento se tratava de um “pedaço”, e de longo de nove edições do evento, buscamos
maneira mais ampla, procura-se compreender descrever o processo de consolidação do
Mercado das Pulgas, sua dinâmica antes e depois da mudança de local e os padrões de
uso do espaço que permeiam esse evento.

Palavras-Chave: feira livre, espaço público, pedaço

“Uma observação acerca dos novos comportamentos perante às redes sociais em Alfenas-MG”

Samira Cristina Silva Pereira

Universidade Federal de Alfenas - Ciências Sociais

samiracsp@outlook.com

Esta pesquisa tem como objetivo analisar os observando os alunos, funcionários e a


novos comportamentos perante as mídias população da cidade de Alfenas que adentra os
sociais. Pretende-se, observar a relação entre portões da Universidade. Os resultados
vivências e as mídias sociais, e, adensar na parciais apontaram que a nossa sociedade tem
compreensão das mídias sociais enquanto obtido transformações de hábitos e costumes
objeto de significado. De cunho metodológico devido o surgimento de novas mídias sociais,
qualitativo, utilizou-se aqui a técnica da essa carrega um conjunto de significados.
observação e a revisão bibliográfica. O campo Conclui-se, que análises sobre esses
onde tal observação foi desenvolvido se refere comportamentos fazem-se necessárias, a fim
aos limites da Universidade Federal de Alfenas, de compreender esses novos comportamentos.

Palavras-Chave Redes Sociais, Observação, Comportamento.

“Fujoshis e Fudanshis do Brasil: subjetividades a partir da leitura do mangá Yaoi”

Sasha Cruz Alves Pereira

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

sasha.pereira@usp.br

Orientador: Júlio Assis Simões

Agência de Fomento: CNPQ

Fujoshi e Fudanshi Estes termos referem-se a O mercado de mangás e animes é


fãs de anime e mangá yaoi e, portanto, faz-se extremamente amplo e atinge todas as faixas
necessária uma explanação destes conceitos. etárias e sexos. Mas podemos dividi-lo em dois
grandes nichos: os mangás shonen e os centrando a ação principal de sua trama no
shoujo. O shonen é a história voltada para o relacionamento afetivo-amoroso entre dois
público masculino jovem, enquanto o shoujo é homens. Essas garotas, fãs de yaoi, são
voltado para o público feminino jovem. O yaoi denominadas Fujoshi, um termo que dá a ideia
insere-se como um subgênero do shoujo, de “garota podre”. Fudanshi é o correlato para
homem.

Palavras-Chave: Mangá yaoi, Fujoshi, subjetividades

“Transexualidade e saúde pública: estratégias e dilemas na luta contra a patologização“

Tainá Scartezini Orssatto

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

taiscartezini@gmail.com

Orientador: Professor Dr. Marcelo Tavares Natividade

Agência de Fomento: FFLCH/USP

O presente trabalho busca desenvolver Honneth e Judith Butler. Tais teóricos podem
algumas reflexões sobre a reivindicação feita ajudar a compreender as reinvindicações dos
por uma parte do movimento trans, em especial homens trans e o descompasso entre eles e as
homens trans, para que a transexualidade seja concepções médico-hospitalares a partir de
equiparada à gravidez no que tange seu suas ideias sobre as esferas do
tratamento pelo sistema de saúde. A partir dos reconhecimento e os efeitos que o
resultados do trabalho de campo, busco reconhecimento errôneo provoca nos sujeitos.
aproximar a discussão antropológica da Procuro argumentar que a demanda pela
discussão feita por alguns teórico-críticos do despatologização da transexualidade é uma
reconhecimento como Charles Taylor, Axel estratégia política frente a um reconhecimento
errôneo.

Palavras-Chave Transexualidade e saúde pública, SUS, Estado e reconhecimento.

“Concepções em conflito: repensando saúde e doença no restaurante macrobiótico Satori“

Vinicius Alcantara Veríssimo de Mello

Universidade de São Paulo - Ciências Sociais

vinicius.mello14@hotmail.com
Orientadora: Profa. Dra. Ana Lúcia Pastore

O recorte em questão está relacionado a área humana, concepção construída dentro do


de saúde, e a proposta desse trabalho é estabelecimento, localizado no bairro da
estudar a concepção que os frequentadores do Liberdade. O objetivo da pesquisa é observar
restaurante Satori possuem sobre a saúde como as relações no estabelecimentos
orientam essa ideia de saúde.

Palavras-Chave: Promoção-da-saúde, Alimentação, Macrobiótico

“A igreja vai à “Rodô”: apontamentos etnográficos sobre uma ação caritativa na antiga
rodoviária de Campo Grande – MS”

Vladimir Eiji Kureda

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Ciências Sociais

eijikureda@gmail.com

Orientador: Prof. Dr. Guilherme Rodrigues Passamani

O presente trabalho analisa as relações sociais desenvolvidas entre pessoas em situação de rua,
comerciantes locais e evangélicos numa ação caritativa na antiga rodoviária de Campo Grande - MS, a
“Rodô". Para tanto, do ponto de vista metodológico, foi realizada uma pesquisa qualitativa com viés
etnográfico tendo como base a observação participante, acompanhada de conversas informais. Nesse
sentido, objetiva-se apresentar, em um primeiro momento, uma breve contextualização da “Rodô” para
situar os leitores; em seguida, destacar os principais aspectos da etnografia realizada no contexto da
ação caritativa; e, por fim, tentar compreender como a ação caritativa ajuda a compor o mosaico de
relações estabelecidas pelos diferentes grupos que “habitam” a “Rodô”.

Palavras-Chave: Ação caritativa, etnografia, “Rodô”.