Вы находитесь на странице: 1из 25
DENIS McQUAIL University of Amsterdam School of Communication Research (ASCOR) teorias da comunicacao de massa 6? EDICAO Tradusio: Roberto Cataldo Consultoria, supervisio e revisio técnica desta edigao: Marcia Benetti Doutora em Comunicagiio Universidade Catélica de ca pela Pontificia Paulo (PUC-SP) Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Versdo impressa desta obra: 2013 as) 2013 6 Novas midias — novas teorias? Novas midias e comunicacao de massa 131 O que ha de novo em relacdo a NOVAS MIMIAS?..... eee - 132 Os principais temas da teoria das novas midias. 1136 Aplicando a teoria da midia as novas midias...... 138 Novos padrdes de trafego de informacées 141 Formacao de comunidade mediada por computador .... 143 Participacao politica, novas midias e democracia ........ ccs 146 Tecnologias da liberdade? 147 Novo fator de igualdade ou de divisao? 150 Conclusao... 152 A teoria relativa & comunicagio de massa tem que ser continuamente reavalia- da 3 luz das novas tecnologias e suas aplica es. No Capitulo 2, reconhecemos a chega- da de novos tipos de midia que se ampliam e alteram todo 0 espectro de possibilidades s6cio-tecnolégicas para a comunicagao pui- blica. Ainda nao aconteceu qualquer trans- formagao completa, ¢ é muito cedo para prever até onde ird 0 processo e com que velocidade. O pressuposto subjacente des- te capitulo é que um meio de comunicagao ndo é apenas uma tecnologia aplicada a transmissao de determinado contetido sim- bélico ou ligando participantes em alguma interagao, pois também corporifica. um conjunto de relagdes sociais que interagem com as caracterfsticas da nova tecnologia. 86 € provavel que seja necessaria uma nova teoria se houver uma mudanga fundamen- tal nas formas de organizacao social das tee- nologias de midia, nas relagdes sociais que sio promovidas, ou no que Carey (1998) chama de “estruturas dominantes de gosto e sentimento”. NOVAS MIDIAS E COMUNICACAO DE MASSA Os meios de comunicagio jé mudaram mui- to, certamente a partir do inicio do século XX, passando de uma forma de fluxo uni- direcional ¢ nao diferenciado a uma massa nao diferenciada, Essa mudanga tem razoes sociais e econdmicas, bem como tecnolé- gicas, mas ¢ real o suficiente. Em segundo lugar, a teoria da sociedade da informagao, conforme dito no Capitulo 4, também indi- ca 0 surgimento de um novo tipo de socie~ dade, bem distinta da sociedade de massa, caracterizada por complexas redes intera vas de comunicagao. Nessas circunstancias, precisamos reavaliar 0 principal impulso da teoria sociocultural da midia. As “no- vas midias” discutidas aqui sio, na verdade, um conjunto heterogéneo de tecnologias 131 Teorias da comunicactio de massa de comunicagao com certas caracteristicas em comum ~ além de serem novas, possibi litadas pela digitalizagao e estarem ampla. mente disponiveis para uso pessoal, como dispositivos de comunicagao. Como vimos (p. 45), as “novas midias” sto muito diver- sas e nao sio fiiceis de definir, mas estamos interessados particularmente nessas novas midias e aplicagdes que, por diversos mo- tivos, entram na esfera da comunicagao de massa ou tém consequéncias diretas ou in- diretas para a midia de massa “tradicional”, A atencao se concentra principalmente no conjunto coletivo de atividades sob 0 titulo de “internet”, principalmente nos usos mais piiblicos, incluindo noticias, publicidade, aplicagoes de uso aberto (incluindo down load de miisica, etc.), foruns e atividades de discussio, a World Wide Web (WWW), pesquisa de informagdes ¢ certos potenciais para a formacao de comunidades. Estamos menos interessados em correio cletrdi Co privado, jogos e muitos outros servigos mais ou menos privados que sao prestados por meio da internet. Em termos ge sido recebidas (pelo menos pelas velhas mi- dias) com intenso interesse, expectativas ¢ previsdes positivas e até mesmo euféricas, € uma superestimativa geral do seu signifi- cado (Rossler, 2001). Ainda estamos nessa fase, embora, aos poucos, ougam-se vo- zes mais s6brias e haja alarme, bem como otimismo, com relagao as consequéncias amplas, principalmente na ausén de qualquer estrutura desenvolvida de re- gulamentacdo ou controle. As ideias sobre © impacto das novas midias estavam mui. to a frente da realidade e, mesmo agora, a investigagao nesta area ainda esta ocupada com a reducao de expectativas. O principal objetivo do capitulo é fazer uma estimati- va preliminar do estado atual das questées que foram levantadas e avaliar a teoria e © impacto real. De particular interesse € 0 impacto sobre outros meios de comunica~ 40 ¢ sobre a natureza da comunicagao de s, as novas midias tem mai a