Вы находитесь на странице: 1из 69

Ano 15 - n° 59 - Outubro / Novembro / Dezembro - 2018

Revista de Jovens e Adultos da Convenção Batista Fluminense

Fruto do Espírito
A Verdadeira Liberdade!

Pr. Roberlan Julião


LIÇÕES
SUMÁRIO CRENTES PERDIDOS
12 OU SALVOS IMATUR
OS

DEDICAÇÃO A DEUS ?

02 PLANO COOPERATIVO 16 OU ORGULHO ESPIRITUAL

20 MALDADES NA IGREJA

03
PRIMEIRAS PALAVRAS
VOCÊ PODE AMAR OS
PR. AMILTON VARGAS
24 “NÃO AMÁVEIS”!

GRIA
Ê PODE VIVER COM ALE
28 NOS MOMENTOS DIFÍCEIS!
VOC
WORKSHOP
06 CAPELANIAS ERIOR!
32 VOCÊ PODE TER PAZ INT

PALAVRA DO REDATOR IÊNCIA


VOCÊ PODE TER PACO!

07 PR. MARCOS ZUMPICHIATTE


MIRANDA
36 NO SOFRIMENT

SIMPÁTICO
VOCÊ PODE SER MAIS PÁTICO!
40 E DEVE SER MAIS EM

09 VIRA CRIANÇA
ENCONTRO DE LÍDERES 44
VOCÊ PODE FAZER O BEM
COM BOAS MOTIVAÇÕ
ES!

NTE
PODE SER MAIS CONFIA
48 VOC E MAIS CONFIÁVEL!
Ê

10 MISSÃO –
CAPACITAÇÃO
EM EVANGELISMO E SER MAIS CORAJOSO,
52 VOC
Ê POD
BRIGÃO!
MAS NÃO PRECISA SER

56 VOCÊ PODE SE AUTOLIDE


RA R!

11 APRESENTAÇÃO
PR. ROBERLAN JULIÃO DA
SILVA IDO
UM RELIGIOSO OPRIMRE?
60 OU UM DISCÍPULO LIV
PRIMEIRAS PALAVRAS

COLOCANDO DEUS EM
NOSSA HISTÓRIA...
Quando existem desentendi-
mentos entre irmãos na Igreja, fica-
mos tristes e às vezes até magoa-
dos. Mas, mesmo sem entender
muito bem, posso assegurar e rei-
terar o entendimento de que Deus
revela o seu querer, sem que preci-
semos procurar culpados de quais-
quer das partes envolvidas. Desejo
fundamentar esse entendimento à
luz da Palavra de Deus, pelo que
apresento minha sincera percep-
ção, pois:
Quando colocamos Deus em
nossa história...
1. Entendemos que nem sempre do os que eram da circuncisão...”
os servos do Senhor concordam (Gl 2.11,12).
em seus pontos de vista. Do mesmo modo que Pedro fa-
Isso faz parte da vida e é nor- lhou e foi repreensível, algumas ve-
mal, pois Deus é Senhor da histó- zes também falhamos. Mas sei que
ria, mas nós, pelo dom maravilhoso a graça do Senhor é tão grande
e perigoso do livre arbítrio, somos que Ele continua a nos usar, mes-
os atores e autores. Nossa perso- mo com nossas limitações. Pedro
nalidade não é anulada. foi um marco de ousadia e poder,
A questão da circuncisão, por de uma vida usada pelas mãos de
exemplo, embora sendo de pouca Deus, podendo demonstrar uma
relevância, levou Paulo e Pedro a conduta mais compatível, não ape-
um duro desentendimento. Veja: nas pregando, fazendo milagres em
“E, chegando Pedro à Antio- nome do Senhor, mas defendendo
quia, lhe resisti na cara, porque era os irmãos gentios em relação às
repreensível. Porque, antes que al- exigências dos ritos mosaicos:
guns tivessem chegado da parte de “E, quando chegaram a Jerusa-
Tiago, comia com os gentios; mas, lém, foram recebidos pela igreja e
depois que chegaram, se foi reti- pelos apóstolos e anciãos, e lhes
rando, e se apartou deles, temen- anunciaram quão grandes coisas

3
Deus tinha feito com eles. Alguns, uma palavra fiel, e digna de toda
porém, da seita dos fariseus, que a aceitação, que Cristo Jesus veio
tinham crido, se levantaram, dizen- ao mundo, para salvar os pecado-
do que era mister circuncidá-los e res, dos quais eu sou o principal.”
mandar-lhes que guardassem a lei (1Tm 1.15).
de Moisés. Congregaram-se, pois, Quando Paulo estava pregan-
os apóstolos e os anciãos para con- do o Evangelho, cumprindo sua
siderar este assunto. E, havendo missão, teve também outra diver-
grande contenda, levantou-se Pe- gência e João Marcos se apartou
dro e disse-lhes: ‘Homens irmãos, dele, escolhendo fazer a obra com
bem sabeis que já há muito tempo Silas, que é o mesmo que com ele
Deus me elegeu dentre nós, para orava e adorava ao Senhor em sua
que os gentios ouvissem da mi- companhia na prisão (At 16.25).
nha boca a palavra do evangelho, Por conta dessa divergência com
e cressem. E Deus, que conhece João Marcos, Barnabé, também
os corações, lhes deu testemunho, chamado de José da Consola-
dando-lhes o Espírito Santo, assim ção, que era homem cheio do Es-
como também a nós; E não fez dife- pírito Santo e de fé, teve grande
rença alguma entre eles e nós, pu- desentendimento com o apóstolo
rificando os seus corações pela fé. Paulo, indo com Marcos para Chi-
Agora, pois, por que tentais a Deus, pre. Veja a narrativa:
pondo sobre a cerviz dos discípulos
um jugo que nem nossos pais nem “Algum tempo depois, Paulo
nós pudemos suportar? Mas cre- disse a Barnabé: ‘Voltemos para
mos que seremos salvos pela graça visitar os irmãos em todas as cida-
do Senhor Jesus Cristo, como eles des onde pregamos a palavra do
também’.” (At 15.4-11). Senhor, para ver como estão indo’.
Barnabé queria levar João, também
Veja a grande mudança que o
chamado Marcos. Mas Paulo não
Espírito Santo produziu no coração
achava prudente levá-lo, pois ele,
de Pedro. Antes, a formalidade reli-
giosa era o principal, mas agora, o abandonando-os na Panfília, não
amor aos perdidos e a graça reve- permanecera com eles no trabalho.
lada prevalecem. Tiveram um desentendimento tão
sério que se separaram. Barnabé,
Quando colocamos Deus em levando consigo Marcos, navegou
nossa história: para Chipre, mas Paulo escolheu
2. Reconhecemos que comete- Silas e partiu, encomendado pelos
mos erros, e alguns deles absurda- irmãos à graça do Senhor. Passou,
mente incoerentes. então, pela Síria e pela Cilícia, for-
Paulo tinha esse mesmo en- talecendo as igrejas.” (At 15.36-41).
tendimento, pois ao escrever para PRECISAMOS CONFIAR QUE
um filho na fé, ele se declarava o DEUS FAZ O MELHOR PARA
principal dos pecadores: “Esta é NÓS!

4
Quando colocamos Deus em você. Só usei esse exemplo para
nossa história: dizer que, às vezes, Deus nos mos-
3. O melhor é cumprir e enten- tra a sua vontade de modo diferente
der a vontade de Deus. do que esperamos. Muitas vezes é
Quando olho para as muitas pelo sofrimento que entenderemos
experiências que revelam a graça a vontade de Deus.
de Deus em meio à multiplicidade Quero que entendam, meus
de pessoas, com seus desenten- queridos, que Deus, em sua in-
dimentos e peculiaridades, trago finita sabedoria e soberania, faz
à memória a experiência de “José sempre o melhor para nós, pois
do Egito”. Homem que foi traído, creio literalmente que “todas as coi-
vendido, humilhado, caluniado, sas contribuem juntamente para o
condenado e esquecido, que os bem daqueles que amam a Deus...”
seus irmãos jogaram num grande (Rm 8.28).
buraco, depois o venderam aos mi- Quando você não entender a ra-
dianitas como se fosse uma merca- zão do sofrimento e das injustiças
doria. Mas que, ao reencontrar com que fizerem com você ou com seus
seus irmãos, nos deu um grande entes e amigos queridos, coloque
exemplo reinterpretando a sua pró- Deus na sua história e confie de-
pria história, colocando a sua fé em clarando como Jó: “Bendito seja o
Deus e dizendo:
nome do Senhor!” (Jó 1.21).

Agora, pois, não vos entriste-
Às vezes, precisamos ter a hu-
çais, nem vos pese aos vossos
mildade de pedir perdão aos irmãos
olhos por me haverdes vendido
para cá; porque para conservação por nossa humanidade, por nosso
da vida, Deus me enviou adiante de comportamento que tenha sido in-
vós. Porque já houve dois anos de terpretado como de ética reprová-
fome no meio da terra, e ainda res- vel, pois todos nós precisamos de
tam cinco anos em que não haverá paz para viver bem. Daí ser rele-
lavoura nem sega. Pelo que Deus vante que entendamos que essa
me enviou adiante de vós, para paz não é ausência de problemas e
conservar vossa sucessão na terra, confusões da vida, mas é presença
e para guardar-vos em vida por um e soberania de Deus.
grande livramento. Assim não fos- Deus nos ajude a viver para a
tes vós que me enviastes para cá, sua glória, pois Ele é Senhor de
senão Deus, que me tem posto por nossa história!!!
pai de Faraó, e por senhor de toda
a sua casa, e como regente em
toda a terra do Egito.” (Gn 45.5-8). 
Não pensem que o estou com- Pr. Amilton Vargas
parando a José, pois nada do que Diretor Executivo da CBF
aconteceu com ele ocorreu com (Membro da PIB Universitária do Brasil)

5
PALAVRA DO REDATOR
BÍBLIA – A PALAVRA DE DEUS
“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino,
para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça,
para que o homem de Deus seja apto e plenamente
preparado para toda boa obra”. 2Timóteo 3:16-17
“Considerada um tesouro da hu- Deus através
manidade, a Bíblia completa já foi da revelação
traduzida para 648 línguas, entre as de si mesmo e
6.887 faladas no mundo, de acordo da redenção,
com dados de 2016. O Novo Testa- sendo tudo
mento é encontrado em 1.432 línguas patenteado
e trechos da Bíblia em 1.142 idiomas. na vida, nos
Embora ainda restem mais de 3.222 ensinamentos
línguas faladas por pequenos grupos e na obra
– totalizando mais de 250 milhões de salvadora de
pessoas – que não possuem um só Jesus Cristo.
trecho da Bíblia traduzido, é relevante As Escrituras
a importância do Livro Sagrado para
revelam a
pessoas das mais diversas etnias,
mente de Cristo e ensinam o significa-
em todos os pontos do planeta. Mais
recentemente, a Bíblia passou a ser do de seu domínio. Na sua singular e
disponibilizada em formato eletrôni- una revelação da vontade divina para
co, podendo ser acessada por meio a humanidade, a Bíblia é a autoridade
de smartphones e leitores digitais. Um final que atrai as pessoas a Cristo e as
exemplo é o aplicativo Biblia Plus, de- guia em todas as questões de fé cris-
senvolvido pelas Sociedades Bíblicas tã e dever moral. O indivíduo tem que
Unidas – aliança da qual a SBB faz aceitar a responsabilidade de estudar
parte e que reúne 147 Sociedades Bí- a Bíblia com a mente aberta e com
blicas no mundo –, por meio do qual atitude reverente, procurando o signi-
são oferecidas, gratuitamente, tradu- ficado de sua mensagem através de
ções bíblicas em diferentes línguas”1. pesquisa e oração, orientando a vida
Conforme os princípios batis- debaixo de sua disciplina e instrução.
tas, “A Bíblia fala com autorida- A Bíblia, como revelação inspirada da
de porque é a palavra de Deus. vontade divina, cumprida e completada
É a suprema regra de fé e prática na vida e nos ensinamentos de Jesus
porque é testemunha fidedigna e Cristo é a nossa regra autorizada de fé
inspirada dos atos maravilhosos de e prática” 2.
1 - http://www.sbb.org.br/sem-categoria/2018-sera-o-ano-da-biblia
2 - Princípios Batistas da Convenção Batista Fluminense – http://www.convencaobatista.com.br

7
A Bíblia, então, exerce uma influên- por examinarem as Escrituras diaria-
cia na vida dos seus leitores, fazendo mente para ver se aquilo que os após-
transformações. Mas para que isso tolos pregavam eram realmente de
aconteça, são necessárias três atitudes: acordo com a Palavra de Deus”3. Na
1. Ler vida, vamos nos deparar com muitos
ensinamentos, muitas ideias e muitos
“Não deixe de falar as palavras des-
caminhos diferentes. A Bíblia ajudará a
te Livro da Lei e de meditar nelas de dia
entender o que é certo, o que é errado
e de noite, para que você cumpra fiel-
e o caminho a seguir.
mente tudo o que nele está escrito. Só
então os seus caminhos prosperarão e 3. Obedecer
você será bem-sucedido” (Js 1.8). “Sejam praticantes da palavra, e
Ler a Bíblia regularmente é a não apenas ouvintes, enganando vo-
oportunidade que temos de ouvir a voz cês mesmos” (Tg 1.22).
de Deus. O texto de Josué diz que de- Conhecer a Bíblia não tem utilidade
vemos meditar, que é mais do que ler. nenhuma, se você não põe esse co-
Isso significa que o indivíduo deve re- nhecimento em prática. A verdadeira
fletir sobre a Palavra de Deus de uma mudança acontece quando você aplica
forma profunda. o que a Bíblia diz em sua vida. Procure
2. Examinar entender o que Deus está dizendo para
você quando lê a Bíblia. Depois, obe-
“Os bereanos eram mais nobres
deça! Quem obedece é abençoado.
do que os tessalonicenses, pois rece-
beram a mensagem com grande inte- No segundo domingo de dezembro
resse, examinando todos os dias as comemoramos o Dia da Bíblia. Seria
Escrituras, para ver se tudo era assim importante a sua Igreja promover even-
mesmo” (At 17.11). tos para destacar esta data. Em 10 de
Dezembro de 2017 a Sociedade Bíblica
Jesus disse em João 5.39: “Exami-
do Brasil (SBB) lançou o desafio de ler
nais as escrituras, porque vós cuidais
a Bíblia toda no ano de 2018. Se você
ter nelas a vida eterna, e são elas que
não participou deste desafio, quero re-
de mim testificam”.
lançá-lo para iniciarmos no dia 09 de
Examinar e estudar são tarefas Dezembro de 2018 a 10 de Dezembro
importantíssimas se desejamos obter de 2019 a leitura da Bíblia. Incentive
o conhecimento e a certeza daquilo todos os membros da sua Igreja a par-
que lemos. “Os bereianos ou bereanos ticiparem deste desafio!
eram os habitantes da macedônia, mas
precisamente da cidade de Beréia que
foram visitados pelo apostolo Paulo Pr. Marcos Zumpichiatte Miranda
por volta de 52dC. Receberam desta- Redator da Revista P&V
Diretor do Departamento de Educação
que na Bíblia pelo fato de receberem
Religiosa da CBF
a Palavra de Deus com muita sede e
3 - http://bereianosagrado.com.br/quem-sao-os-bereianos/

8
APRESENTAÇÃO
Olá, gente boa! mérito próprio. O que resulta em
Com uma palavra simples, pre- frustração, acusação, dissimulação
tendo apresentar a você uma pro- e culpa! No entanto, numa cami-
posta que não é nova: a liberdade nhada de relacionamento profundo
em Cristo! Somos tentados a viver e transformador com Deus e com
a vida cristã confiando em nossos o seu povo, podemos, na força do
próprios esforços, por meio de prá- Espírito, exercitar as virtudes do
ticas religiosas, como se fôssemos próprio Cristo em nosso viver diário.
capazes de agradar a Deus pelo Vamos caminhar?

QUEM ESCREVEU
Roberlan Julião da Silva, 44 anos, na-
tural do Rio de Janeiro, pastor desde 16 de
abril de 2005, é pai de Roberlan Julião An-
drade e casado, há 21 anos, com Giselia
Andrade do Nascimento Silva. Pastoreia
a Igreja Batista Teles de Menezes, São
João de Meriti – RJ, desde abril de 2008.
É pós-graduado em Ciências da Religião
pela UNIGRANRIO, Bacharel em Teologia
pelo Seminário do Sul e graduado em Li-
derança Avançada pelo Instituto Haggai. É
professor no Seminário Teológico Escola de Profetas (IBC Vigário Geral),
no Seminário Teológico Batista Meritiense e no Seminário Teológico Batis-
ta Nordeste Carioca.
Em sua trajetória denominacional, já foi presidente da Associação Ba-
tista Meritiense por cinco mandatos, segundo secretário da OPBB/FL –
Subseção Meritiense, e membro da Comissão de Ética da OPBB – Seção
Fluminense. Atualmente, é membro do Conselho Deliberativo da Conven-
ção Batista Fluminense.
Gravou o CD musical “Acha-me!” e é autor do livro “Entre os sonhos de
Deus e as realidades humanas”. Possui muitas pregações gravadas em
CDs e DVDs, além de serem veiculadas no seu canal do YouTube: Rober-
lan Julião Palavra Simples.
Contatos: (21) 98553-6774 / pastorroberlan@gmail.com

11
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 1
Texto Básico: Gálatas 1.6 – NVI

CRENTES PERDIDOS OU
SALVOS IMATUROS

“Admiro-me de que vocês este- tade) de Deus (Rm 14.17 e 1Co 4.20)
jam abandonando tão rapidamen- ou questões temporais, como la-
te aquele que os chamou pela gra- zer, trabalho, dinheiro e sexo?
ça de Cristo, para seguirem outro Hoje, o lema de muitos evan-
evangelho” (Gl 1.6 – NVI). gélicos é: “O importante é se sentir
Quando você olha para o Novo bem!”. Caso contrário, mudam de
Testamento e compara o ensino instituição religiosa ou de prega-
apostólico com os ensinos dos dor, seja da mesma ou de outra
pregadores da TV e do rádio, pa- denominação, preferindo um estilo
rece que alguma coisa foi altera- de culto, um perfil de Igreja e de
da? Ou será que nada mudou? pastor, em detrimento da transfor-
É comum ouvir sermões que mação de vida. Isso é o Evangelho
lembrem ao homem de hoje que ele ou é outro evangelho?
é pecador? Os pregadores falam A Igreja sem o Evangelho não
mais do céu e do inferno ou do su- produz um marido cristão ou uma
cesso pessoal? Os crentes va- esposa cristã, nem um pai cristão
lorizam mais o Reino (governo/von- ou uma mãe cristã, nem um filho

12
cristão ou uma filha cristã. Pois, como para a salvação dos fiéis e que vive
ser cristão sem seguir a Jesus? para a santificação dos mesmos.
Cada vez mais longe da matu- Mal saúda os gálatas, e já demons-
ridade cristã, o crente imaturo os- tra sua perplexidade com o despre-
tenta, orgulhosamente, uma falsa zo pelo Evangelho da graça e a va-
espiritualidade que encobre uma lorização dos rituais da lei (Gl 1.1-6).
superioridade (mesmo que não a Paulo chega a condenar a pre-
tenha) em relação aos outros. De- gação desses líderes, chamando
clara amor a Deus e ao seu povo, os seus ensinos de “outro evange-
mas é egoísta e arrogante. Tenta lho”, pelo fato de seduzirem seus
agradar a Deus pelo próprio mé- seguidores a confiarem na própria
rito, condenando os outros, jus- capacidade para a conquista da
tificando e adorando a si mesmo
salvação, a qual, segundo Paulo, já
(Rm 16.18), ou seja, o “deus Ego1”.
fora conquistada por Jesus, defini-
Vivendo numa idolatria inconscien-
te, esse crente imaturo faz com que tivamente, mediante Seu sacrifício
as pessoas tenham uma ideia erra- substitutivo na cruz (Gl 1.8,9).
da de Deus, da fé cristã, da Igreja Ele amaldiçoa quem distorce a
de Deus e dos cristãos. essência do verdadeiro Evangelho
e afirma que não se preocupa com
1 – TANTO O CRENTE PERDIDO a avaliação humana a respeito do
QUANTO O SALVO IMATURO seu ministério, pois assegura ser
BUSCAM OUTRO EVANGELHO! garantido pelo próprio Deus. Paulo
reivindica sua autoridade apostó-
O apóstolo2 Paulo escreveu aos
lica, delegada pelo próprio Cristo,
cristãos da Galácia, que outrora ha-
esclarecendo que não está no mes-
viam recebido a fé em Cristo, mas,
posteriormente, foram induzidos mo nível dos judaizantes e que seu
por cristãos judaizantes a pensar ensino veio diretamente do Cristo
que não bastava apenas crer em ressurreto, assim como se deu com
Jesus para obter a salvação. De- os doze (Gl 1.10-12).
veriam, também, praticar a lei mo- Ele conclui o capítulo falando de
saica, para, então, experimentar a sua conversão, de sua chamada ao
libertação do poder e da condena- ministério, e de sua caminhada de
ção do pecado. preparo espiritual para a pregação
Paulo inicia o primeiro capítulo do Evangelho, o qual é suficiente
saudando seus leitores, destacando para a transformação das nossas
a grandeza do Salvador, que morreu vidas! (Gl 1.13-24).
1 - Ego é uma palavra grega que significa eu, na Língua Portuguesa.
2 - O termo apóstolo traduz a ideia de alguém enviado, um missionário. Paulo foi um apóstolo do próprio Cristo, “não da parte
de homens nem por meio de pessoa alguma, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai” (Gl 1.1). Assim como os doze, foi enviado
pelo Cristo ressurreto e dele recebeu a revelação do Evangelho aos gentios.

13
2 – PARA O CRENTE PERDIDO 3 – O CRENTE PERDIDO E O SALVO
E PARA O SALVO IMATURO IMATURO PRECISAM VIVER O
O EVANGELHO NUNCA SERÁ VERDADEIRO EVANGELHO!
SUFICIENTE! Antes de ficar chocado com a
O segundo capítulo descreve indelicadeza de Paulo, imagine al-
sua segunda viagem a Jerusa- guém que você ama muito se per-
dendo! Como você reagiria? Se a
lém, catorze anos depois da pri- salvação é pela graça, e não por
meira visita, para dialogar sobre obras (Ef 2.8,9), quem busca me-
o seu ministério junto aos gentios. recer a salvação através de práti-
Pedro, Tiago e João chegaram a cas religiosas ou de qualquer ou-
um acordo com Paulo e Timóteo tra coisa, foi salvo? O crente que
(Gl 2.9,10), mesmo depois de acu- dá mais importância aos costumes
e às tradições religiosas, do que à
sações infundadas sobre o ministé- salvação pela graça, confia na gra-
rio de Paulo, indiferente ao legalis- ça salvadora?
mo dos judaizantes (Gl 2.4,5). Mas, Mais do que religião, a fé cris-
a articulação dos judaizantes foi tã é a proposta de uma vida me-
malsucedida (vv. 7,8) e o Evange- lhor: eterna (Jo 3.16) e abundante
lho da graça prosperou! (Jo 10.10). E esta vida resulta de um
relacionamento com Deus (Jo 17.3).
Ainda no capítulo 2, Paulo dis- Infelizmente, corremos o risco de
corre que, um tempo depois, Pedro transformar algo tão maravilhoso
foi até eles, no ministério gentílico como o Evangelho em uma religio-
em Antioquia, e se confraternizou, sidade fria, vazia e sem propósito.
até que os judaizantes chegaram Os gálatas eram gentios e não
e, para evitar constrangimentos, se precisavam ser circuncidados e
afastou dos gentios. Essa atitude praticar os rituais da lei, para serem
salvos. E mesmo se fizessem tais
fez com que Paulo o repreendesse,
práticas, não se salvariam! Uma
reafirmando que a salvação não é pessoa se afogando, precisa de al-
recebida mediante o esforço huma- guém que lhe jogue uma corda, em
no e que ninguém é justificado pe- vez de alguém que lhe diga para
las obras da lei mosaica. Só Jesus não se afogar! É disso que Paulo
salva, pela graça, mediante a nossa está tratando com os Gálatas!
fé! A partir de então, estamos cru- Cuidado com a ideia de que
cificados com Cristo, mortos para para ser salvo, você precisa entre-
gar sua vida a Cristo e se tornar
o pecado, de modo que é Cristo um moralista. Pois, você correria o
quem vive através das nossas vidas risco de pensar que sua salvação
(Gl 2.11-21). se deve ao fato de não cometer

14
os erros de algumas pessoas que
você conhece. Além de ser tenta-
CONCLUSÃO
do a trilhar o caminho da hipocrisia Já fomos justificados! Somos
(fingir que somos o que sabemos agradáveis a Deus, pelo que Jesus
que não somos) ou da negação fez por nós! O Pai nos olha e vê Je-
(acreditar que não somos quem na
sus. E em Jesus, o Pai se compraz!
verdade somos).
Não fazemos o que alegra o Pai
Fuja da ideia de que para ser para sermos seus filhos, mas de-
salvo, basta ser uma pessoa do
sejamos alegrar o Pai por sermos
bem, independentemente da fé em
Jesus. Por melhor que sejamos, seus filhos!
ninguém é perfeito e todos pecam. Vivamos como se o nosso eu já
Só Jesus salva! E, se pudéssemos estivesse morto. Como se estivés-
nos salvar, mediante nossas virtu- semos vivendo a vida que Jesus
des, não haveria necessidade de viveu! Mas, isso só é possível para
Jesus nos substituir na cruz e nem quem recebeu o dom do Espírito
de a Igreja pregar o Evangelho! (At 2.38), deixa-se encher pelo Espí-
Desconfie da ideia de que para rito (Ef 5.18) e produz, no viver diá-
ser salvo, você precisa fazer parte rio, o fruto do Espírito (Gl 5.22-23).
de um grupo extremamente rígido,
que impõe sua cultura com suas
regras específicas, como vontade PARA PENSAR E AGIR
de Deus, na dieta, no vestuário, no
lazer, no culto, etc. A salvação pela Hoje, o que pode ser chamado
graça é recebida pela fé em Jesus de “outro evangelho”?
ou pela roupa que você veste? Me- Como diferenciar usos e costu-
diante a sua fé em Jesus ou a mú- mes (cultura) de “outro evangelho”?
sica que você ouve? Através da fé Quem lê a Bíblia, ora, frequenta
em Jesus ou da comida que você
come? Por meio da fé em Jesus ou os cultos, lida bem com os irmãos e
do dia que você vai ao templo? evangeliza, está salvo? Quem não
o faz, está perdido?
Na condição de religioso dili-
gente, Paulo alerta que ninguém
se torna aceitável a Deus mediante
ao zelo detalhista, mas pela fé em Segunda: Gálatas 1.1-24
Cristo! Pelo Evangelho podemos Terça: Gálatas 2.1-21
enxergar com as lentes de Cristo, Quarta: Rm 14.17; 1Co 4.20
seja a nossa própria existência,
Leitura Diária

seja Deus, seja o próximo. Pelo Quinta: Romanos 16.18


Evangelho, conhecemos um amor Sexta: Efésios 2.1-10
que não aumenta diante dos nos- Sábado: João 3.16; 10.10; 17.3
sos méritos, nem diminui diante dos Domingo: At 2.38; 1Co 12.13; Ef 5.18
nossos tombos!

15
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 2
Texto Básico: Gálatas 3.11 – NVI

DEDICAÇÃO A DEUS OU
ORGULHO ESPIRITUAL?

“É evidente que diante de sas verdadeiras motivações e não


Deus ninguém é justificado pela nos veem em todos os momentos
Lei, pois ‘o justo viverá pela fé’.” de nossas vidas (inclusive quan-
(Gálatas 3.11 – NVI). do estamos confessando nossos
Há crentes que, embora falem pecados, arrependidos, diante do
de liberdade, vivem na escravidão, Senhor). No entanto, é importan-
pelo fato de procurarem viver uma te que sondemos, sem máscaras,
nossas atitudes, nossas motiva-
vida perfeita e aceitável a Deus,
ções, nossos valores e nossa fé.
através de uma dedicação religio-
sa impecável ou por estarem tão Enquanto as pessoas só po-
seguros da graça de Deus, a pon- dem ver os efeitos ou as dissimu-
to de se deixarem escravizar por lações do que ocorre em nosso
vícios e paixões. Em ambos os interior, nós sabemos o que ex-
casos, esses crentes lhe dirão que perimentamos e podemos dizer o
tem certeza da salvação pela gra- que aconteceu em nosso coração.
Por isso, olhe para dentro de si e
ça, embora não sejam livres!
examine-se. Como foi sua expe-
A certeza da nossa salvação riência de conversão? Quem você
não depende das nossas virtu- era? Como foi o seu encontro com
des. Isto é fato: Ele nos libertou Jesus? Quem é você e o que lhe
e pronto! Ou confiamos, ou não! espera? Como você vive, a partir
As pessoas não conhecem nos- da esperança que tem? Suas con-

16
vicções mudaram? Seus valores em que o filho pequeno não tem
mudaram? E a sua vida? idade para desfrutar dos bens de
Cabe a nós uma investigação seu pai, a não ser pelo intermédio
honesta acerca da semente que de um empregado. Quando amadu-
frutifica em nossa vida. O que aju- rece, porém, pode até gerir os re-
dou você a ter certeza da salvação? cursos deste pai. Pela graça, pode-
Alguns se apoiam numa experiên- mos desfrutar de tudo o que Jesus
cia emocional; outros, confiam na conquistou para nós, pois agora so-
própria intuição; e ainda tem os que mos filhos do mesmo Pai.
se apoiam em conhecimentos dou- Diante desse quadro, o apóstolo
trinários ou em costumes religiosos. relembra o quanto ambos (o após-
Onde está apoiada a sua certeza tolo e os gálatas) comungavam da
de salvação? mesma fé e questiona se a amiza-
de terminou pelo fato de ele estar
1 – O CRISTÃO DEDICADO ADMITE sendo duro com aquele povo. Afir-
QUE NÃO EXISTEM MOCINHOS mou sofrer como uma parturiente,
NA IGREJA! até que Cristo fosse formado neles,
num processo doloroso, mas gratifi-
No terceiro capítulo, Paulo re- cante. Desta forma, nos ensina que
preende os gálatas, pelo fato de nem sempre o líder vai ser com-
eles terem abandonado algo tão preendido. Mas, vale a pena!
eficaz e que causou tanto desgaste
Ao insistir com os Gálatas so-
(Gl 3.3,4), (o Evangelho da graça),
bre a nossa adoção como filhos
por uma novidade ineficaz e escra-
de Deus, pelos méritos de Jesus
vizadora (o outro evangelho). Pela
Cristo, Paulo esclarece que, de-
Lei1 ninguém será justificado, pois
pois do tempo apropriado para que
esta apenas serve como diagnósti- Jesus viesse ao mundo (plenitu-
co da doença chamada pecado. Não de do tempo), o ser humano pode
como remédio! Cristo nos resgatou, ser redimido apenas pelo poder de
fazendo-se maldição em nosso lu- Cristo e não pelos rituais religiosos.
gar e nos incluiu em Sua comuni- Como garantia da salvação, todas
dade, onde não somos discrimina- as pessoas resgatadas pelo poder
dos por sermos ricos ou pobres, de Cristo receberam o Seu Espírito,
homens ou mulheres, brasileiros ou que clama ao próprio Deus, cha-
estrangeiros. Em Cristo, somos to- mando-o de Pai. Este Espírito atrai
dos justificados, igualmente! o cristão que se dirige a Deus como
No quarto capítulo, Paulo ilustra um filho que estende as mãos ao
nosso relacionamento com a graça papai, desejando o aconchego do
e com a Lei, apresentando o caso seu colo. Daí brota a certeza de que
1 - Lei mosaica, que normatizava o relacionamento dos israelitas com Deus, com o próximo e consigo mesmos.

17
nascemos de novo e de que Deus talizados não diminui a maldade
permanece em nós. do nosso coração. Por isso, Paulo
No quinto capítulo, o autor da apela para a reflexão dos seus lei-
carta destaca que, assim como o tores, a fim de que eles não deixem
legalismo2 é nocivo, a libertinagem3 a verdadeira liberdade e abracem
também é. Entretanto, o legalismo a escravidão pomposa, que gera
não nos liberta da libertinagem, pois arrogância nos líderes e conduz o
esta não é considerada uma possi- povo à prisão.
bilidade para quem está crucificado A experiência do novo nasci-
com Cristo. Como fazer, então, para mento pode até ter como efeito al-
não ser escravizado pelos rituais re- gumas mudanças na área emocio-
ligiosos, nem pelas paixões da car- nal, intelectual e social do indivíduo.
ne que inflamam nossos corpos? A Porém, o novo nascimento ocorre
recomendação paulina aponta para no espírito humano, num ato de fé.
uma vida dedicada a Deus, uma Nem sempre a fé rima com a razão.
vida no Espírito. Em vez de focar no Muitas vezes, a fé entra em confron-
“não fazer o errado” ou no “fazer o to com a emoção. Esta fé, enquanto
certo”, a proposta paulina é: andar convicção acerca de algo que nos-
com Deus e ir mudando a cada dia. sos olhos não veem e certeza de
Andar no Espírito ou satisfazer os algo que esperamos, faz com que
maus desejos da carne sempre tra- lutemos contra desejos da nossa
rá consequências: boas ou más. natureza, contra o mundanismo ao
nosso redor e contra um inimigo in-
2 – O CRISTÃO DEDICADO visível, inteligente e organizado.
PARTICIPA DA VIDA NO A fé não é emoção, mas gera
ESPÍRITO! um desejo ardente pela vontade
É importante perceber que a hi- de Deus! A fé não é razão, mas in-
pocrisia religiosa pode ser alimen- fluencia o nosso modo de pensar
tada pelo legalismo, devido à inca- e é provocada pela reflexão bíbli-
pacidade da lei mosaica de purificar ca, apontando a vontade de Deus!
as pessoas. Por isso, Paulo afirma- “E porque vocês são filhos, Deus
va a suficiência da graça salvado- enviou o Espírito de seu Filho ao
ra, somente em Cristo, unicamente coração de vocês, e ele clama:
pela fé. Apenas assim podemos ser ‘Aba, Pai’.” (Gl 4.6).
justificados e transformados, em Ou viveremos no legalismo, ou
vez de dissimulados ou iludidos. na libertinagem ou na dependên-
Viver cheio de regras eclesiás- cia! Não temos como agradar a
ticas e de rituais religiosos cris- Deus e conquistar nossa salvação
2 - Uma religiosidade pautada no cumprimento rígido de um conjunto de regras, visando agradar a Deus e, consequentemente,
receber seus favores, como o perdão e a vida eterna, pelos méritos humanos.
3 - Busca frenética pelo prazer egoísta, sem respeito nem empatia no trato com o outro.

18
cumprindo todos os mandamentos são (Gl 5.1)!. Nada, nem ninguém,
da lei. Mas não podemos, também, poderá prevalecer contra a Igreja
viver irresponsavelmente, adorando de Jesus (Mt 16.18), habitação de
o nosso ego. O que fazer, então? Deus (1Pe 2.5). Cristo é o nos-
Viver no Espírito, em plena liberda- so Senhor e nEle, somos mais do
de conquistada por Jesus! Todavia, que vencedores (Rm 8.37)! Ele le-
uma vida na dependência do Es- vou sobre si nossas enfermidades,
pírito requer humildade para reco- nossas dores. Morreu pela nossa
nhecer-se impotente para se salvar! maldade (1Pe 2.24)! Foi ferido de
Pena que muitos crentes en- Deus para nos dar a vida eterna,
tendam salvação, ou vida eterna, e a nossa vida eterna começa aqui
ou céu apenas como uma mudan- (Jo 17.3)!
ça para um lugar sem problemas
e uma vida boa que nunca acaba. PARA PENSAR E AGIR
Mero passaporte! Bom seria que
pensassem num relacionamento Qual seria a diferença entre re-
profundo e duradouro com Alguém ceber o Espírito Santo e ter uma ex-
tão especial! periência emocional ou uma com-
preensão intelectual? Há alguma
Pensemos na vida eterna como diferença ou alguma relação entre
uma vida para Deus, envolvida e razão, emoção e espiritualidade?
movida pelo seu Espírito, em ple-
na liberdade, trazendo vida e res- Ver Deus como Pai (Gl 4.6) faz
tauração ao próximo! Vivemos num diferença em nosso comportamen-
mundo doente, influenciado pelo to diário?
diabo. E os embaixadores do Rei- Você se sente livre para não se
no – os salvos – QUEREM viver li- deixar dominar pelos maus desejos
vremente debaixo da legislação do seu coração?
deste Reino4, independentemente
dos conflitos e desconfortos contra
o império das trevas5. Isso já é vida Segunda: Gálatas 3.1-29
eterna!6 Aleluia!7 Terça: Gálatas 4.1-31
Quarta:
CONCLUSÃO
Gálatas 5.1-26
Leitura Diária

Quinta: Romanos 8.1-16


Portanto, não deixe de lutar! Sexta: Romanos 8.28-39
Cristo já venceu por você, fazendo- Sábado: 1Pedro 2.1-5
-se maldição em seu lugar (Gl 3.13)!
Por isso, não aceite nenhuma pri- Domingo: 1Pedro 2.22-25

4- Mateus 6.10; Romanos 6.11; Colossenses 1.13


5- Efésios 5.11-13
6- João 17.3
7- Romanos 6.17-22

19
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 3
Texto Básico: Gálatas 5.15

MALDADES NA IGREJA

“Se vós, porém, vos mordeis e Há uma tensão constante entre


devorais uns aos outros, vede não os nossos desejos destrutivos e a
vos consumais também uns aos presença de Deus em nós. Segue
outros” (Gl 5.15). abaixo o que nossa natureza hu-
Bom seria que não houves- mana caída produz, quando não
se maldade em nós! Ou que, é vencida pelo Espírito Santo de
pelo menos, as regras da Igreja Deus (vv. 19-21b) e a triste conse-
mantessem nosso egoísmo no quência de uma vida entregue aos
cabresto! No entanto, a solução desejos carnais (v. 21c).
apresentada pelo apóstolo é uma
caminhada, na virtude do Espírito. 2 – QUAIS OS SINTOMAS?
Caso contrário...
PECADOS SEXUAIS → Peca-
dos relacionados à pratica sexual
1 – QUAL O ANTÍDOTO? egoísta, a um pensamento sexual-
A partir do versículo 16, Pau- mente corrompido e uma conduta
lo recomenda uma vida orientada apaixonada e sem inibições quan-
pelo Espírito Santo, movida pelo to a essas práticas e esses pen-
seu poder. Se vivermos domina- samentos.
dos pelo Espírito, até mesmo os Prostituição1. Palavra tam-
nossos maus desejos escondidos bém traduzida por imoralidade
e disfarçados serão controlados, (sexual), pode se referir a todo
pelo fato de vivermos fortalecidos relacionamento sexual ilícito.2 No
em Deus! contexto greco-romano dos dias
1 - Gr. Porneia.
2 - GINGRICH, Wilbur F. Léxico do Novo Testamento Grego/Português. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2001. p. 172.

20
de Paulo, era comum usar o ter- Idolatria8. Pode significar tanto
mo tanto em casos de prostituição a adoração de deuses construídos
como em casos de “adultério, for- (concreta ou virtualmente) por se-
nicação, masturbação, incesto ou res humanos, quanto a substituição
homossexualismo3“. de Deus pelas coisas materiais, em
Impureza4. Na língua grega, é nossos corações. O cristão que se
um vocábulo que sugere a imagem dedica mais ao seu carro, à sua
de uma ferida suja, infeccionada, casa ou ao seu barco do que ao
serviço de Cristo corre o risco de
ou o conceito de depravação moral5
estar praticando idolatria9”. Se algo
e traduz a ideia de más intenções e
ou alguém está sendo glorificado
de pensamentos imorais6. A impu-
no lugar que é de Deus... cuidado!
reza é a poluição da emoção e da
mente. A pessoa impura vê malda- Feitiçaria10. Essa prática sugere
de em tudo! o uso de drogas/remédios e visa a
manipulação do sagrado, a fim de
Lascívia7. A devassidão que controlar o sobrenatural. Embora
brota da busca frenética pelo pra- magia e ocultismo sejam estranhos
zer egoísta, do apetite sexual des- ao ensino cristão, vale destacar que
controlado. Indecência, sexualidade simular ações do Espírito e manipu-
desenfreada, libertinagem desaver- lar o povo através de pregações e
gonhada, sem respeito e empatia orações que reduzem a divindade a
no trato com o outro. Quem vive as- um gênio da lâmpada, a um Papai
sim não se importa se choca ou se Noel, é o mesmo que feitiço. Lem-
fere alguém. bra magia!
PECADOS RELIGIOSOS → Es- PECADOS SOCIAIS → Estas
tas obras da carne se manifestam obras da carne destroem os rela-
no âmbito da superstição, da falsa cionamentos e prejudicam a gestão
veneração, da manipulação do sa- de pessoas na Igreja.
grado, da contaminação do culto a Inimizades11. Hostilidade, ódio
Deus. Enquanto na idolatria, ocorre e rivalidade. Uma atitude contrária
a veneração ou adoração a ídolos ao outro, numa antipatia ostensiva.
ou imagens, ou, em segundo plano, Já viu aquele irmão que prejudica,
a qualquer objeto, pessoa, institui- conscientemente, o trabalho do ou-
ção, ambição no lugar de Deus, na tro? Que faz questão de mostrar
feitiçaria, falsifica-se a ação divina. que não quer amizade?
3 - LOPES, Hernandes Dias. Gálatas: A carta da liberdade cristã. Hagnos, 2017. pp. 242,243.
4 - Gr. Akatharsia.
5 - CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. Hagnos, 2001. p. 507.
6 - GINGRICH, Wilbur F. Léxico do Novo Testamento Grego/Português. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2001. p. 14.
7 - Gr. Aselgeia.
8 - Gr. Eidolatria.
9 - WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Novo Testamento: volume I. Geográfica, 2006. p. 939.
10 - Gr. Pharmakeia.
11 - Gr. Exthrai.

21
Porfias12. Lutas, discórdias, ba- proveito próprio em vez de ser útil
te-boca, disputa e confronto. Uma ao semelhante.
ação competitiva e predatória direta. Dissensões19. Rebelião, sedi-
Já viu aquela pessoa que gosta de ção, divisão, rixa, sedução partida-
provocar briga e afrontar o próximo, rista, separação e significa, literal-
querendo “ganhar”, frequentemente? mente, “ficar à parte” 20. O indivíduo
Ciúmes13. Neste contexto, seria que provoca dissensões só tem um
aquele desejo de possuir o que o lado: o dele!
outro tem, seja carro, casa, salá- Facções21. Heresias, sectaris-
rio, elogios, respeito, posição de mo e partidarismo. “...a rejeição das
liderança, etc. O ciumento se sente crenças fundamentais em Deus,
bem até saber que o colega conse- Cristo, as Escrituras e a Igreja”.22
guiu algo! Numa linguagem corriqueira, fac-
Iras14. Explosões de raiva15, ar- ções é um termo que transmite a
der em indignação, destempero ideia de panelinhas, rachas, devido
emocional, por qualquer motivo. a opiniões conflitantes, em prejuízo
Enquanto o ódio se estende, a ira à unidade da Igreja. Já viu aquele
explode, surgindo de repente e logo grupinho em que seus participantes
se esvai. Já viu coisas do tipo? acham que todos estão errados,
Discórdias16. As traduções do menos eles?
Grego variam muito: conflito, con- Invejas23. Enquanto o ciúme nos
tenda, ambição egoísta, compe- faz desejar o que o outro possui, a
titividade, cuja motivação está inveja nos faz desejar que o outro
centrada no eu, acima de tudo17. perca o que tem, além de nos en-
Essa palavra pode ser traduzida tristecer pelo fato de o outro ter o
por egoísmo, além ser aplicada no que desejamos. Resumindo, o inve-
caso de quem provoca contendas joso se alegra com a tristeza do ou-
ou intrigas, para se livrar de rivais tro, que possui o que ele não tem.
e conseguir partidários sem se PECADOS PESSOAIS → Este
importar com os meios que usa18. último grupo de pecados da lista do
Quem pratica essa obra da carne é apóstolo, descreve pecados rela-
ávido por cargos e posições. Gen- cionados ao descontrole pessoal, à
te assim é movida por um espírito falta de disciplina e de cuidado com
partidário e tendencioso, visando o a própria saúde física.
12 - Gr. Eris.
13 - Gr. Zelos, no sentido negativo.
14 - Gr. Thumoi.
15 - KELLER, Timothy. Gálatas para você. Vida Nova, 2015. p. 157.
16 - Gr. Eritheiai.
17 - Ibidem.
18 - SOARES, Germano. Gálatas. CPAD, 2015. p. 132.
19 - Gr. Dichostasiai.
20 - Ibid. pp. 132,133.
21 - Gr. Airesis.
22 - LOPES, Hernandes Dias. Gálatas: A carta da liberdade cristã. Hagnos, 2017. p. 245.
23 - Gr. Phithonoi.

22
Bebedices24. Também traduzida vida que Jesus viveria em nós, só
por embriaguez e bebedeiras, a pa- existe no coração daquele que re-
lavra grega se refere à falta de con- cebeu o dom do Espírito (At 2.38),
trole na ingestão de bebidas. Em que se deixa dominar pelo Espírito
nome do prazer, o beberrão prejudi- (Ef 5.18) e que decide andar no Es-
ca o organismo, a família e a moral. pírito (Gl 5.16), para que o Espírito
Glutonarias25. A palavra grega produza as características de Je-
komoi, que também é traduzida por sus em seu viver diário (Gl 5.22,23).
orgias, tem a ver com o desejo sem
controle, tanto pela comida quanto CONCLUSÃO
por outra coisa que traga prazer, Caso contrário, embora religio-
sem limites. O problema não resi- so, o crente nominal será escravo
de em querer prazer, mas na busca de alguns pecados que são retrata-
frenética de um prazer sem mode- dos por Paulo como obras da carne
ração, que prejudica tanto a saúde e, infelizmente, não vai experimen-
quanto os relacionamentos. tar a vida de Deus.
E coisas semelhantes a estas.
Parece que Paulo quer evitar mais PARA PENSAR E AGIR
um legalismo, mostrando que o
principal não é fazer ou não fazer. Os cristãos, em geral, lidam com
Mas, perceber que as regras reli- a sexualidade de modo saudável,
giosas não nos livram das malda- reprimido ou inconsequente?
des do nosso coração. Os pecados de relacionamentos
Os que cometem tais coisas e de politicagem (jogo mesquinho
não herdarão o Reino de Deus. O de interesses) são devidamente
tratados por nós?
final de uma vida entregue aos de-
sejos carnais e à prática das obras Quem é glutão ou viciado em
da carne será uma vida eternamen- internet, por exemplo, busca trata-
te longe de Deus, quer sejam reli- mento espiritual?
giosos ou não. Gente cujo prazer
está em adorar a si mesmo e não
se sente desconfortável diante da
inclinação para o pecado, não tem Segunda: Gálatas 5.13
o Reino de Deus como destino final. Terça: Gálatas 5.15
Quarta: Gálatas 5.16
3 – QUAL O TRATAMENTO?
Leitura Diária

Quinta: Gálatas 5.17


É bom destacar que a luta sem Sexta: Gálatas 5.19-21
tréguas que é travada em nosso in- Sábado: Gálatas 5.22-24
terior, a fim de que evitemos nossa Domingo: Gálatas 5.25
inclinação para o mal e vivamos a
24 - Gr. Methai.
25 - Gr. Komoi.

23
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 4
Texto Básico: Gálatas 5.14 – NVI

VOCÊ PODE AMAR OS


“NÃO AMÁVEIS”!

“Toda a Lei se resume num só para permanecer empurrando um


mandamento: ‘Ame o seu próximo carro, sozinho, ladeira acima. Uma
como a si mesmo’.” (Gl 5.14 – NVI). hora o “músculo” da vontade can-
Deus quer que amemos o pró- sa! Mas, se aumentarmos o nosso
ximo! No entanto, a compreensão condicionamento espiritual, pode-
de amor entre os crentes do nosso remos amar os não amáveis! Daí
tempo não é muito clara a respeito a importância dos hábitos espiri-
do que é amar. Segundo o texto tuais (Bíblia, oração, frequência
original grego, a palavra amor de aos cultos, comunhão com os ir-
Gálatas 5 não significa gostar da mãos e testemunho pessoal).
pessoa, mas sim, “decidir e querer
o bem da outra pessoa”, indepen- 1 - MANTENDO HÁBITOS,
dentemente de ela ser amável ou ATITUDES E RELACIONAMENTOS
não. De ela nos tratar bem ou não. ESPIRITUAIS.
De ela nos fazer mal ou não.
Sem um relacionamento com
Entretanto, ao contrário das o Espírito Santo, nossos hábitos
obras (trabalho/esforço) da car- espirituais serão apenas práticas
ne, o cristão não vai amar os não religiosas mecânicas! E sem uma
amáveis eficientemente, apenas atitude cristã, não passaremos
pela sua força de vontade. Não dá de crentes nominais indefectíveis

24
como os fariseus, opositores de Je- uma janela de um website nem de
sus, ou líderes desleais a Cristo e à acordo com a velocidade da nossa
sua causa, como Judas Iscariotes. digitação, no teclado de um compu-
Com quem você anda? Quem tador. A maturidade cristã é conse-
influencia você? (relacionamentos). quência/resultado de um investi-
O que você faz com frequência? O mento diário, passo a passo, que
que você rejeita, mesmo que de- fazemos em nosso relacionamento
seje? (hábitos). Como você age ou com Deus.
reage diante do pecado que você Andamos no Espírito e o fruto
mesmo comete? Como você age se manifesta, crescendo de acordo
ou reage diante de uma vitória con- com nossas decisões e atitudes,
tra a tentação ou diante da maldade amadurecendo de acordo com as
de alguém contra você? (atitudes). circunstâncias da nossa vida. Das
nove virtudes deste fruto, três es-
2 – RECONHECENDO QUE DEUS É tão relacionadas ao nosso relacio-
namento com Deus (amor, alegria,
AMOR E ESTÁ EM NÓS paz), outras três estão ligadas ao
Paulo recomenda que vivamos nosso relacionamento com o pró-
debaixo da vontade do Espírito, ximo (longanimidade, benignidade,
sob Seu domínio, vencendo as in- bondade) e outras três têm a ver
clinações naturais que temos para com o nosso relacionamento com
o pecado. O apóstolo afirma que só nós mesmos (fidelidade, mansi-
é possível a vitória sobre as tenta- dão, domínio próprio). Parece que
ções, se vivermos pelo Espírito, ou o amor é a característica principal
seja, se o Espírito viver em nós e deste fruto (desdobrando-se em
nos controlar (Gl 5.16). Consequen- nove aspectos), que se traduz numa
temente, Ele vai produzir o Seu fru- caminhada constante e coerente
to em nossas vidas. E... “o fruto do com essas nove virtudes presentes
Espírito é amor...” (v. 22). na Pessoa de Jesus e reproduzida
O amor é fruto do Espírito, mas pelo Espírito na vida dos cristãos!
precisa ser cultivado por nós. Tem A palavra traduzida por amor1,
origem em Deus, mas cresce em também pode ser traduzida por cari-
proporção às condições que ofe- dade e transmite a ideia de benevo-
recemos a este crescimento, em lência, generosidade, boa vontade.
nosso viver diário. O amor vem de Um amor sacrificial e incondicional.
Deus, mas cresce em nós e amadu- Essa virtude faz com que uma pes-
rece nas circunstâncias. Não pode- soa sirva a outra, visando o bem
mos comparar o fruto com as obras, dela, pelo valor que ela tem como
com o trabalho, com o esforço. A pessoa, em vez de ser por causa
maturidade cristã não surge como do que ela pode oferecer em troca,
1 - Gr. Agape.

25
pois quem exercita essa virtude não soa merece, mas, porque Deus as-
usa as pessoas, a fim de se sentir sim o exige (e pode exigir!). Afinal,
bem. Pelo contrário, não impõe con- pelo fato de amá-lo acima de tudo e
dições para fazer o bem ao próximo. com todo o nosso ser, entendemos
É um amor altruísta! É um amor prá- que Ele merece que amemos os
tico. Não se trata de sentimentos, não amáveis. Por isso, o verdadei-
mas de escolha e de atitude! ro cristão decide amar o próximo,
“O amor é paciente, o amor é seja na família, na sociedade e, in-
bondoso. Não inveja, não se van- clusive, na Igreja. O crente que não
gloria, não se orgulha. Não mal- ama o seu irmão, não ama a Deus!
trata, não procura seus interesses, (1Jo 4.20).
não se ira facilmente, não guarda
rancor. O amor não se alegra com 3 – DESENVOLVENDO UMA
a injustiça, mas se alegra com a ATITUDE AMOROSA
verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo
espera, tudo suporta.” (1Co 13.4-7). Para vencer suas fraquezas,
Este amor teve sua expressão má- que tal deixar-se encher pelo Es-
xima na cruz, pois Deus nos amou pírito (Ef 5.18)? Para que Ele aja,
tanto que deu o Seu Filho para nos sobrenaturalmente, em seu interior,
mostrando o caráter de Cristo aos
salvar! (Jo 3.16). E este amor está
outros (Gl 2.20), para que as quali-
em nós, porque Deus já o derramou
dades de Cristo, que foram implan-
em nossos corações, através do
tadas em nós (amor, alegria, paz)
Seu Espírito que passou a morar
apareçam mais e mais na sua vida,
em todos que receberam o presen- de modo que a sua luz brilhe diante
te da vida eterna, ao crer que Je- dos homens para que eles vejam as
sus pagou nossa dívida com Deus suas boas obras e glorifiquem ao
e nos abriu o caminho para Deus. seu Pai Celeste (Mt 5.16).
Como Deus nos capacitou Por isso, afirmo: você pode amar
com o Seu amor, Ele orienta que os não amáveis! O poder que res-
nosso relacionamento seja nor- suscitou Jesus Cristo dentre os
teado por este amor, tanto para mortos está em você! (Ef 1.18-21).
com Ele, quanto para com o próxi- E este poder pode moldar você, à
mo, quanto para conosco mesmo imagem de Cristo, mediante o pro-
(Mc 12.30,31). Imagine um rela- cesso de amadurecimento. Mas,
cionamento em que a pessoa se como foi dito, Deus não trabalha so-
aceita e se cuida? Possivelmente, zinho! O seu Espírito produz o fruto
esta pessoa, de bem consigo mes- em nós e as circunstâncias ama-
ma, vai ser uma pessoa empática e durecem o fruto em nós. Portanto,
simpática com os outros, tentando nossas atitudes e nossas decisões
conviver bem e ajudar, sempre que favorecem ou dificultam o cresci-
possível. Não porque a outra pes- mento do fruto em nós.

26
Embora sejamos fortemente (Ef 3.16-19), pensando amorosa-
pressionados pelo que sentimos, mente (Fp 2.4,5) e agindo amoro-
o que pensamos pode influenciar o samente (Lc 6.27,28), respeitando
que sentimos e o que fazemos pode os limites dos outros, conside-
influenciar o que pensamos. Não há rando que nem todos os cristãos
um botão para ligar ou desligar o estão no mesmo nível de compro-
que sentimos. E muitas vezes, so- misso e de maturidade (Ef 4.2).
mos assaltados por pensamentos Por fim, ficaremos surpresos com
que não queremos! Entretanto, po- nossa capacidade de sofrer, crer,
demos decidir como reagir aos nos- esperar o melhor do outro e supor-
sos pensamentos e sentimentos. tá-lo enquanto ele não melhora!
Preste mais atenção no seu Que a partir de hoje, sua atitude
comportamento! Faça coisas que seja positiva em relação à sua vida.
provoquem os pensamentos dese- Afinal, você tem uma vida (abun-
jados e pense coisas que provo- dante) toda pela frente (Jo 10.10)!
quem os sentimentos desejados.
Assim sendo, não seremos contro- PARA PENSAR E AGIR
lados pelo que sentimos, mas pela
orientação bíblica! Como? Lendo a O fruto do Espírito é amor (...) e
Bíblia e orando (fazer). Colocando- este amor foi derramado em nossos
-se no lugar das pessoas (pensar). corações (Rm 5.5). Você tira provei-
to disso? Como?
Consequentemente, nossas ha-
bilidades para lidar com as pes- O que pode nos impedir de viver
soas difíceis vão sendo desenvol- e pensar amorosamente? E o que
vidas. Pelo fato de termos decidido fazer para reverter este quadro, já
renovar a nossa mente (Rm 12.2), que o amor está em nós?
meditando (pensar) na leitura (fa- Em vez de você lutar para con-
zer) da Palavra de Deus. Aí, sim! O seguir amar uma pessoa difícil, de-
amor prático vai influenciar nossos cida fazer o bem a esta pessoa. Um
sentimentos e a nossa escolha vai sorriso, um gesto simpático, uma
determinar a nossa conduta. Esse ajuda... é um bom começo!
compromisso de amar vai glorifi-
car a Deus, vai edificar as pessoas
e vai proteger suas emoções das Segunda: Gálatas 5.22,23
pessoas difíceis. Além de ajudá-lo Terça: 1Coríntios 13.1-13
a compreender e orar por aqueles Quarta: Marcos 12.28-34
que lhe perseguem (Mt 5.44)!
Leitura Diária

Quinta: 1João 4.16-21


CONCLUSÃO Sexta: Efésios 1.18-21
Sábado: Mateus 5.43-46
Sugiro que você se empenhe
Domingo: Romanos 5.5
em conhecer o amor de Deus

27
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 5
Texto Básico: Habacuque 3.18 – NVI

VOCÊ PODE VIVER COM ALEGRIA


NOS MOMENTOS DIFÍCEIS!

“Ainda assim eu exultarei no Podemos buscar contentamen-


Senhor e me alegrarei no Deus da to fora de nós, em relacionamen-
minha salvação.” (Hc 3.18 – NVI). tos, entretenimentos e consumo.
Como é bom olhar para o futu- E isso, talvez nos deixe inseguros,
ro com grandes expectativas! No dependentes e com variações de
entanto, como dói ter expectativas
frustradas! Algumas vezes corre- humor, pelo fato de não termos
mos o risco de ser assaltados pelo controle do que nos acontece e
desespero e perder a esperança nem do que as pessoas fazem ou
de que as coisas podem melhorar. falam de nós, ou para nós.

28
Estimular o nosso organismo do a Língua Portuguesa2, alegria
com alimentação, repouso, ativida- significa contentamento. E, pelo
de física ou medicamentos, pode que ficamos contentes? Geralmen-
produzir bem-estar. Entretanto, se te, ficamos assim por algo bom que
você está numa fase difícil, talvez aconteceu ou que foi realizado,
não disponha de tempo e dinheiro ou que foi adquirido, ou que seja
para uma boa dieta, para um des- aguardado. Conforme a Filosofia,
canso reparador, para frequentar alegria seria “uma das emoções
uma academia ou para receber um fundamentais do homem [...] que
atendimento médico decente. consiste numa sensação agradá-
Situações ruins provocam emo- vel e difusa (longa), decorrente da
ções desagradáveis e nosso orga- previsão de um bem supervenien-
nismo fica abalado. Nossa mente te (que surge depois)”.3 De acor-
é atacada por pensamentos nega- do com a Psicologia, alegria seria
tivos que ruminamos. O que fazer uma “emoção primária que reduz
quando coisas ruins acontecem uma tensão, e mostra a obtenção
ou coisas boas deixam de aconte- de um objetivo (por isso é chamada
cer? Como se alegrar nos momen- de emoção de ‘aproximação’). Essa
tos difíceis? emoção varia muito em intensida-
de, e em geral é manifestada por
expressões faciais típicas”.4
1 – PORQUE DEUS BLINDOU SEUS
FILHOS COM SUA ALEGRIA! Enquanto fruto do Espírito, essa
alegria não se reduz a um prazer
A Bíblia diz que o fruto do Es- que procede dos nossos sentidos
pírito é... Alegria (Gl 5.22). E esta ou uma experiência emocional
alegria fortalece o povo de Deus agradável, devido a um aconteci-
(Ne 8.10). Temos nos alegrado mento feliz, mas significa um delei-
mais na esperança (Rm 12.12) ou te que decorre do nosso relaciona-
nas circunstâncias? Podemos to- mento com Deus e da consciência
mar a decisão de nos alegrar ou de que a vitória em Deus é certa,
não? De acordo com Filipenses mesmo em meio ao sofrimento e à
4.4, como você pode se alegrar no aparente derrota. Afinal, este fruto
Senhor? do Espírito é um prazer em viver,
A palavra grega traduzida por um bem-estar, uma satisfação que
alegria1, também pode ser traduzi- provém da consciência de quem
da por gozo (prazer, deleite) e re- Deus é, que emana da gratidão
gozijo (grande satisfação). Segun- pelo que Deus faz, que procede da
1 - Gr. Chara.
2 - DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA COMENTADO PELO PROFESSOR PASQUALE, Barueri: Gold Editora, 2009, p. 55.
3 - DICIONÁRIO DE FILOSOFIA NICOLA ABBAGNANO, São Paulo: Martins Fontes, 2012, p. 25.
4 - DICIONÁRIO DE PRÁTICA DE PSICOLOGIA MODERNA, São Paulo: Honor Editorial, 1970, p. 23.

29
lembrança do que Deus fez e que tir em nossa espiritualidade) em vez
brota da esperança do que Deus de semear na carne (satisfazer os
fará. “Esta alegria tem sua fonte nossos desejos opostos à vontade
além da alegria meramente terres- de Deus). Há em nós uma batalha
tre e humana. É alegria em kyrio, da nossa antiga natureza contra a
no Senhor, e, portanto, fora de nós nossa nova natureza. Gálatas 5 re-
mesmos”.5 gistra que a sua maturidade espiri-
tual é responsabilidade sua. A ca-
pacitação é divina, mas a decisão
2 – POR ISSO, TOME A DECISÃO DE é humana! A alegria do Senhor é a
SE ALEGRAR EM DEUS! sua força, mas precisa ser exercita-
Em Habacuque 3.17,18 nós po- da por você, diariamente.
demos ver que um profeta em crise
decide se contentar em Deus, ainda 3 – CRENDO QUE, EM DEUS,
que a sua situação piore. Decida, É POSSÍVEL UMA VIDA DE
também, alegrar-se em Deus, na CONTENTAMENTO!
sua natureza, nos seus propósitos Sabemos que, ao receber o pre-
e nos seus feitos. O apóstolo Paulo sente da vida eterna, Deus nos sela
recomenda que tomemos a decisão com o Espírito Santo da promessa
de nos alegrarmos em Deus, viven- (Ef 1.13,14), o qual frutifica em nós
do com equilíbrio, transformando as virtudes que marcam a condu-
pensamentos ansiosos em motivos ta cristã, de modo sobrenatural. É
de oração, substituindo pensamen- o Espírito que produz em nós as
tos e pondo em prática os seus en- qualidades de Cristo! Entretanto, o
sinos (Fl 4.4-9). fruto do Espírito cresce naturalmen-
Quando focamos em quem Deus te, em nossa caminhada espiritual.
é, no seu propósito, nos seus feitos, Não é da noite para o dia! É me-
nos alegramos na esperança, com diante o andar no Espírito.
paciência na tribulação e perseve- Nosso desenvolvimento está re-
rando na oração. Essa perspectiva lacionado às condições que cria-
espiritual contribui para uma vida mos para o fruto crescer em nos-
de satisfação, de contentamento, de sa vida diária. E as circunstâncias
alegria, ainda que, aparentemente, da vida vão amadurecendo o fruto,
não haja solução para um problema de modo que vamos nos tornando
ou nos aconteça algo ruim. aquilo que fomos planejados para
A alegria é fruto/consequência ser, gradualmente. A parte de Deus
do andar no Espírito. Por isso, pre- já foi feita. A parte das circunstân-
cisamos semear no Espírito (inves- cias não nos cabe. Então, o que
5 - DICIONÁRIO INTERNACIONAL DE TEOLOGIA DO NOVO TESTAMENTO, São Paulo: Vida Nova, 2000, p. 56.

30
nos resta é decidir o que fazer com Veja a tribulação como um treino
o que Deus já nos deu, em meio às para o seu desenvolvimento! Nossa
circunstâncias que nos sobrevêm. fé está sendo provada e estamos
Decida se alegrar na esperança nos tornando mais perseverantes
de que nada fugiu do plano eter- a cada degrau. Até que sejamos
no! E é a presença de Deus, não maduros e íntegros! É possível que
a ausência de problemas, que nos você não consiga se alegrar com
oferece alívio de tensões. Não veja o desconforto que enfrenta, mas é
o sofrimento como um muro, mas provável que você possa se alegrar
como um degrau para o seu cres- pelos benefícios que seu descon-
cimento. Por isso, seja mais grato forto está trazendo para a sua vida!
e contribua para o bem de alguém.
Isso vai aquecer o seu coração! PARA PENSAR E AGIR
Você pode escolher se queixar O fruto do Espírito é alegria (...)
das coisas ruins ou ser grato pelas e esta alegria nos fortalece. Até que
coisas boas. Você pode escolher ponto provamos dessa alegria em
focar no mal que lhe causam ou momentos difíceis?
no bem que a tribulação está pro-
O que pode nos impedir de vi-
duzindo em sua vida. Você pode
ver e pensar alegremente? E o que
decidir entre murmurar ou adorar.
fazer para reverter esse quadro, já
Que tal recordar o tempo em que
que a alegria está em nós?
você sonhava com algumas coisas
que hoje fazem parte de sua vida? Olhe mais para o que Deus
Que tal celebrar as bênçãos diá- está fazendo e comece a contar as
rias que Deus tem derramado em bênçãos derramadas sobre a sua
sua vida? Que tal olhar para Deus vida. Veja o que você já venceu e
e lembrar que Ele não vai deixar celebre!
você sozinho?

CONCLUSÃO Segunda: Gálatas 5.22,23


Quem disse que devemos nos Terça: Neemias 8.10
alegrar em Deus, estava preso en- Quarta: Romanos 12.12
quanto escrevia! E o profeta que
Leitura Diária

Quinta: Habacuque 3.16-19


prometeu se alegrar em Deus, es- Sexta: Filipenses 4.4-13
tava na iminência de ter sua nação
Sábado: Efésios 1.3-14
atacada ferozmente por um grande
Domingo: Salmos 37.1-4
exército inimigo!

31
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 6
Texto Básico: Filipenses 4.7 – NVI

VOCÊ PODE TER PAZ INTERIOR!

“E a paz de Deus, que excede 1 - COMPREENDENDO A


todo o entendimento, guardará o DIFERENÇA ENTRE A PAZ DE
coração e a mente de vocês em DEUS E A PAZ DO MUNDO
Cristo Jesus”. (Fp 4.7 – NVI).
Nós, cristãos, sabemos que É comum, vez por outra, ha-
Jesus disse que nos daria a sua ver passeatas pela paz. De vez
em quando, vemos pessoas cla-
paz (Jo 14.27). Mas, o que é paz? mando pela paz, em resposta a
E tem mais: Jesus disse que não alguma crueldade reportada pe-
nos daria a sua paz como o mun- las emissoras de TV. Tem gente
do a oferece às pessoas. Então, que compra um imóvel distante
há diferença entre a paz do Se- das grandes cidades, alegando
nhor e a paz do mundo. Mas, qual que deseja paz. Ainda tem aque-
é a diferença? les que usam todo o pagamento

32
para quitar suas dívidas e dormi- alma que não depende dos fatores
rem em paz. externos. É uma serenidade men-
Os cristãos são orientados a vi- tal, uma calma, uma quietude, que
verem pacificamente (2Co 13.11). resulta da confiança em Deus e do
Jesus afirma que aqueles que pro- descanso em sua Palavra.
movem a paz serão chamados de A nossa harmonia com os ou-
filhos de Deus (Mt 5.9), cujo Reino tros vai ser consequência do nosso
é constituído de justiça, paz e ale- andar no Espírito. Assim, mesmo
gria no Espírito (Rm 14.17)! A Igreja que haja guerras, violência e bri-
primitiva, apesar dos contratempos gas ao nosso redor, nós podemos
e das perseguições, vivia em paz repousar em Deus e em seus pla-
(At 9.31). Afinal, o cabeça da Igreja nos, crendo que Ele tem o controle
é chamado de Príncipe da Paz!
de toda e qualquer circunstância.
Se temos paz com Deus (Rm 5.1), Quando essa paz que não tem ex-
podemos experimentar a paz em plicação natural nos envolve, a an-
nós (Fp 4.7), trazendo tranquilidade siedade e a preocupação não nos
à nossa mente e ao nosso coração. controla.
E isso vai resultar em paz com os
outros (Rm 12.18). A maioria dos A paz do Senhor em nós é re-
cristãos já leu passagens bíblicas sultado da nossa reconciliação com
e ouviu pregações que tratam da Deus. E essa reconciliação com
paz do Senhor. No entanto, o que Deus contribui para a nossa recon-
precisamos fazer para viver essa ciliação com o nosso semelhante. A
realidade? Como lançamos sobre paz que o Espírito gera em nós não
o Senhor toda nossa ansiedade? está relacionada à ausência de pro-
(1Pe 5.7). blemas, mas à presença de Deus
que às vezes, desfrutamos muito;
2 – DESFRUTANDO DA PAZ DE DEUS! outras vezes, desfrutamos pouco.
Considerando que a paz é o fru-
O fruto do Espírito é... paz
(Gl 5.22). E a palavra grega traduzi- to do Espírito em nós, desfrute da
da por paz1 significa tranquilidade, paz de Deus nas circunstâncias da
serenidade, harmonia. A paz do vida, tomando a decisão de se ale-
Senhor independe da ausência de grar nEle (Fp 4.4) e no que Ele tem
guerra entre países, violência ur- feito por você. Pensando em quem
bana e brigas. Não depende da au- Ele é e que a sua vida está dentro
sência de problemas, de perturba- dos propósitos dEle. Por isso, você
ções e de sofrimentos. A paz, fruto pode descansar em meio às tem-
do Espírito, é uma tranquilidade de pestades da vida!
1 - Gr. Eirene.

33
Se a paz do Senhor está em corações descansam e os proble-
você, desfrute dessa paz no rela- mas não nos assustam mais! Sabe-
cionamento com os outros, evitan- mos que eles surgem e vão embo-
do se agarrar tanto aos seus direi- ra, mas Deus permanece!
tos e aos seus interesses (Fp 4.5).
Se fizermos uma “tempestade num 3 – INVESTINDO NA SUA
copo d’água” por cada interesse ESPIRITUALIDADE
nosso que não foi contemplado ou
por algum direito nosso que não “O Senhor dá força ao seu povo;
foi respeitado, vamos brigar diaria- o Senhor dá a seu povo a bênção
mente com os outros. da paz” (Sl 29.11). Embora o livro
A paz de Deus está em você. de Salmos não pertença ao gênero
Então desfrute dela no relaciona- profético, pois é poético, o salmis-
mento consigo mesmo, ocupan- ta registra que Deus é alguém que
abençoa o seu povo com a paz.
do-se em vez de se pré-ocupar
E o desejo de Deus, revelado na
(Fp 4.6). Muitas vezes, nossa paz
orientação paulina, é que a paz de
não flui porque estamos ruminando
Deus domine os nossos corações
pensamentos inúteis, tentando con-
(Cl 3.15). E essa paz o Espírito já
trolar o que está fora do nosso con-
produziu em nós!
trole, quando a Bíblia recomenda
viver um dia de cada vez (Mt 6.34) e Por mais que pareça estranho,
fazer o que aguentamos! (Ec 9.10). podemos viver com paz e em paz.
Entretanto, como um fruto não é
Você pode desfrutar da paz de fabricado pela capacidade huma-
Deus, que excede todo o entendi- na, não temos como produzir a paz
mento, no relacionamento com o de Cristo em nós. Mas seu cresci-
próprio Deus, clamando em vez de mento e amadurecimento depen-
reclamar. Experimente, em vez de dem do investimento que fazemos
ficar se preocupando e murmuran- neste fruto e esta é a parte que nos
do, apresentar seus pedidos a Deus cabe: semear no Espírito! Vamos
em tudo o que acontece, através da semear?
oração, numa conversa franca com
Considerando que você encon-
Ele (Fp 4.6)! trou o caminho (Jo 14.6) da paz
Quando reconhecemos que não com Deus (Rm 5.1), você pode
temos o controle sobre muita coisa experimentar a paz de Deus, que
em nossas vidas e confiamos que está em você. E se a paz de Deus
Deus sabe o motivo das coisas dominar o seu coração (Cl 3.15),
ruins acontecerem e é poderoso isso vai contribuir para que você te-
para nos sustentar e nos livrar nos nha paz com os outros, se possível
momentos difíceis da vida, nossos (Rm 12.18).

34
Geralmente, sofremos muito por que Ele me aceita e me perdoa,
nos relacionarmos com pessoas tó- isso vai me ajudar a perdoar os ou-
xicas. Pessoas que só veem o pior, tros e a mim mesmo, trazendo paz
que reclamam de tudo, sempre são ao coração!
as vítimas, não se importam se nos
ofendem e não usam de sincerida- CONCLUSÃO
de. Isso contribui para conflitos nos
relacionamentos. Manter o foco em Deus e no seu
propósito para as nossas vidas nos
Entretanto, quando estamos
ajuda a transformar nossa ansie-
de bem com a vida, desfrutando
dade em motivo de oração. Vamos
da paz do Senhor, que excede o
verbalizar o que nos angustia, pon-
entendimento, nossos corações e
do para fora o que nos contamina
mentes ficam blindados e os vampi-
e transformando a preocupação em
ros emocionais não drenam nossa
planejamento. Além de usar o medo
energia. Pelo contrário, consegui-
para investir na proatividade!
mos contagiar o ambiente e, talvez,
conquistar até a amizade daqueles
que nos causam sofrimento psíqui- PARA PENSAR E AGIR
co. Porque se os nossos corações Ser pacífico não é ser frouxo.
estiverem em paz, seremos pací- Qual a diferença entre o pacífico e
ficos e pacificadores. Pessoas as- o covarde?
sim, todo mundo quer por perto!
Decida falar bem de todo mundo
Problemas surgem. Enfermida- e tentar reconciliar pessoas diferen-
des, violência urbana, desemprego, tes!
tragédias provocadas pela força da
Encha a mente de mensagens
natureza e outras coisas alheias à
de fé e de esperança. Evite o pes-
nossa vontade, que não dependem
simismo!
dos nossos esforços, não vão rou-
bar a paz de Deus em nós, porque
sabemos que nEle podemos des-
cansar, mesmo em meio às tem-
pestades da vida!
Segunda: Gálatas 5.22,23
Deus opera o milagre da frutifi-
cação das virtudes. No entanto, te- Terça: 2Coríntios 13.11
mos que cuidar do ambiente onde Quarta: Romanos 14.15-20
Leitura Diária

esse fruto vai crescer e amadure- Quinta: Romanos 5.1,2


cer, atendendo as orientações bí- Sexta: 1Pedro 5.6-8
blicas. Admitir as falhas e ser gentil Sábado: Romanos 12.16-21
consigo mesmo é importantíssimo
Domingo: Salmos 29.11
nesse processo. Pois, se eu creio

35
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 7
Texto Básico: Provérbios 16.32 – NVI

VOCÊ PODE TER PACIÊNCIA


NO SOFRIMENTO!

“Melhor é o homem paciente do um vizinho, com um colega de


que o guerreiro, mais vale contro- trabalho ou (pasmem!) com um
lar o seu espírito do que conquis- irmão na fé, cujas características
tar uma cidade”. (Pv 16.32 – NVI). nos incomodam? Ou pior, quando
Gostamos de pertencer ao gru- ele nos provoca intencionalmente?
po. As crianças tem a turminha e
os adolescentes tem a tribo. To- 1 – ENQUANTO A PROVAÇÃO
dos nós buscamos relacionamen- NÃO ACABA E A BENÇÃO NÃO
tos com quem temos afinidade. O CHEGA...
problema, porém, surge quando Estamos sempre desejando
estamos próximos de pessoas algo que nos traga sensações,
com quem não nos identificamos. emoções e sentimentos agra-
Como lidar com um parente, com dáveis. Boa parte da nossa vida

36
consiste em buscar o prazer e evi- também pode ser traduzida por
tar a dor e o sofrimento. Entretanto, paciência, perseverança e firmeza.
embora possamos provocar algu- Uma pessoa longânima é constan-
mas circunstâncias e evitar outras, te, é persistente, é resignada2, é
não podemos provocar todas e resiliente3. Uma pessoa resiliente,
nem evitar todas. Muito menos, diante dos problemas da vida, vai
controlá-las! Em casos assim, só desenvolvendo certa capacidade
nos resta superá-las! Mas, como de superar as adversidades e se
suportar uma adversidade e con- reequilibrar, transformando as ex-
seguir sair inteiro dela? periências negativas em lições e
Em meio às pressões, você maturidade (Rm 5.3,4).
pode perseverar, aguardar, insistir, A longanimidade é a paciência
como aquela palmeira que, sob o com quem nos irrita ou nos per-
vento forte, enverga, mas volta ao segue. É, também, aquele ânimo
seu estado original depois que o longo, que capacita o cristão a su-
vento passa. Porque a paciência de portar a tribulação, a não revidar o
Deus está em você, enquanto fruto mal, a ser paciente com as falhas
do Espírito! alheias, evitando ser leviano diante
Como ser paciente com quem dos comentários a respeito de ter-
lhe persegue? Como ser paciente ceiros.
com pessoas difíceis? Sabemos Essa virtude contribui para o
que as pressões fazem parte da cristão ser firme, sem perder o
vida. No entanto, a vitimização vai equilíbrio, evitando ser grosseiro
resolver os problemas que surgem? com as pessoas, e ficar ruminando
Assumir a responsabilidade pela ressentimentos. Pois, o longânimo
história da sua vida, por mais que é paciente. Sabe esperar! Quando
dê trabalho, vai fazer toda a diferen- amadurecemos na paciência, con-
ça (Tg 1.2-4)! Como ser paciente seguimos conviver com pessoas di-
em situações difíceis? Será que a fíceis, suportar sofrimentos, aguar-
paciência tem alguma coisa a ver dar algo ou alguém que demora
com a fé? (em paz), por saber que Deus tem
a hora certa para cada coisa acon-
2 – APRENDENDO E tecer em nossas vidas.
DESENVOLVENDO A Tenhamos um longo ânimo, lan-
RESILIÊNCIA çando sementes, com expectativas,
O fruto do Espírito é... longani- mas, sem desespero! Quando Tia-
midade (Gl 5.22). E a palavra gre- go recomenda paciência aos seus
ga traduzida por longanimidade1 leitores (Tg 5.7), ele aponta para o
1 - Gr. Makrothumia.
2 - Tolerante, transigente, condescendente.
3 - Resiliência é o poder de recuperação, é elasticidade. É a capacidade de um material voltar ao seu estado normal depois
de uma tensão. Um elástico que volta ao seu estado original, depois de esticado, serve como exemplo.

37
trabalho de um agricultor que lan- para a vida cristã. Ou seja, foque
ça a semente do que deseja colher, na chegada e suporte a fadiga da
mas não fica afobado, perplexo, de- corrida. Admita suas fragilidades,
sesperado pela hora que a semente compreenda sua realidade e seja
vai germinar e a planta vai crescer, paciente consigo mesmo, fazendo o
florescer e frutificar. Pelo contrário, mesmo com os outros, que também
ele “aguarda que a terra produza tem seus limites de maturidade e
a preciosa colheita e... espera com suas batalhas diárias.
paciência até virem as chuvas do
outono e da primavera”. Resumo: 3 –SEM PERDER A CONEXÃO
faça a sua parte, dê o seu melhor, COM DEUS
um dia de cada vez, e vá vivendo.
Ou seja, espere agindo! Já sabemos que a Bíblia nos
Mesmo sob pressão, motive-se, recomenda a viver bem com as
em vez de ficar se lamentando. No pessoas, amando-as, entenden-
versículo seguinte (Tg 5.8), somos do-as, tolerando-as. No entanto,
exortados à paciência, ao cuidado para que consigamos nos revestir
com nosso mundo interior – o nos- de profunda compaixão, bondade,
so coração, evitando um ambiente humildade, mansidão e paciência
inundado de críticas, reclamações, (Cl 3.12), precisamos ser controla-
queixas e julgamentos, pelo fato de dos (dominados, vencidos) pelo Es-
estarmos nos preparando para o en- pírito Santo.
contro com o Senhor da Igreja, que Leia o imperativo bíblico: “En-
vem nos buscar para vivermos com chei-vos!” (Ef 5.18). Não se trata
Ele para sempre! Que nós mesmos de mera sugestão, que pode ser
nos motivemos, alimentando nosso desobedecida por uma elite espi-
coração com esperança, nutrindo ritual, muito menos um privilégio
a alma com a expectativa de que a concedido a alguns poucos cristãos
hora da colheita vai chegar! especiais. É uma ORDEM divina! E
Na pressão, tenha um longo é para TODOS os crentes!
ânimo, aprendendo e desenvolvendo Quais as marcas de uma vida
a resiliência, a capacidade de voltar no Espírito, no relacionamento com
ao seu estado normal depois de Deus? Foco em Deus: a) cantando
ter sofrido tensão, como uma vara e louvando de coração – em espí-
de salto em altura, que se enverga rito e em verdade (Jo 4.23,24); b)
até certo limite, sem se quebrar, e dando sempre graças por tudo em
depois retorna à forma original, lan- nome de Jesus – esta é a vonta-
çando o atleta para o alto. Tiago 5.9- de de Deus. (1Ts 5.18). Pessoas
11 cita o sofrimento dos profetas e a cheias de Deus confiam no caráter
fé resistente de Jó como referência dEle e no poder que Ele tem. Deus

38
é soberano e bondoso, sobre tudo tombar! Por que se estressar com
e todos! Olhar para Deus alonga o os muitos afazeres? Só temos vinte
nosso pavio curto e renova o nosso e quatro horas por dia. Ou você ad-
ânimo para continuar suportando ministra suas prioridades e assume
as pressões diárias, que assaltam que não dá para fazer tudo ao mes-
a todos os mortais. mo tempo, ou você vai tombar! Por
Quais as evidências de uma vida que perder o equilíbrio com pes-
no Espírito, no relacionamento com soas e coisas irritantes? Não vale a
os irmãos? Incentivo, suprimento, pena! Ou você aprende a lidar com
comunhão: a) falando uns aos ou- isso, ou vai tombar!
tros com salmos – com toda a sabe- Veja o seu sofrimento com um
doria (Cl 3.16); b) sendo submissos, olhar espiritual e ria mais das difi-
uns aos outros – pois todos são um culdades (Pv 17.22), exercitando o
em Cristo Jesus (Gl 3.28). Pessoas amor cristão com as pessoas difí-
cheias de Deus são diferentes, mas ceis (1Co 13.4) e sempre depen-
não são independentes. Não coo- dendo de Deus para conseguir isso
peram por motivos pessoais, mas (Sl 37.7).
funcionais.
Conectado a Deus, você terá um PARA PENSAR E AGIR
longo ânimo, uma grande paciência Qual a diferença entre ser pa-
para suportar o que for, fazendo coi- ciente e ser preguiçoso?
sas boas e com boas motivações.
As atividades da Igreja contri-
Se formos espiritualmente pa- buem para sermos mais pacientes
cientes, conseguiremos ignorar as ou estressados?
ofensas e resistir às crises que
O que você vai fazer, a partir
nos sobrevêm. Seremos pessoas desta semana, para ser uma pes-
melhores no trato com os outros e soa mais paciente?
seremos felizes, mesmo antes da
bênção chegar, pelo fato de termos
aprendido a viver tranquilos, sere-
nos, por mais que a tribulação de-
more a ir embora e por mais que a Segunda: Gálatas 5.22,23
bênção demore a chegar. Terça: Provérbios 16.32
Por que ficar tão irritado quando Quarta: Tiago 1.2-8
Leitura Diária

interrompem você? Interrupções Quinta: Romanos 5.3,4


fazem parte da vida! Ou você se Sexta: Tiago 5.7-11
prepara para os imprevistos e com- Sábado: Efésios 5.18-21
preende que o mundo não gira em
Domingo: Salmos 37.3-9
torno de sua agenda, ou você vai

39
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 8
Texto Básico: Mateus 22.39 – NVI

VOCÊ PODE SER MAIS SIMPÁTICO


E DEVE SER MAIS EMPÁTICO!

“E o segundo [mandamento] ser humilde, e que não deve ser


é semelhante a ele [ame o Se- vingativo e nem se permitir con-
nhor...]: ‘Ame o seu próximo como taminar pelo mal. Seguir Jesus:
a si mesmo’.” (Mt 22.39 – NVI). eis o desafio de um cristão! Tal-
vez alguém pergunte: “É possível
Todo cristão sabe que deve ser não desejar o mal e ainda querer
companheiro em tudo, que deve o bem de quem nos ofende?”.

40
1 – AINDA QUE A GENTILEZA NÃO 2 – FAZENDO O BEM, POR AMOR A
GERE GENTILEZA DEUS E AO PRÓXIMO!
O fato de não ser possível ser- O fruto do Espírito é... benigni-
mos plenamente bons de coração dade... (Gl 5.22). A palavra grega
não significa que não possamos ser sempre traduzida por benignidade1,
gentis. Afinal, a Bíblia exige que se- no Novo Testamento, pode ser tra-
jamos benignos pelo fato de o Es- duzida por gentileza, delicadeza,
pírito Santo produzir a benignidade honestidade, excelência de cará-
de Cristo em nossos corações, para ter e retidão2. Transmite a ideia de
que nossas vidas testemunhem do brandura, de amabilidade, de bon-
poder de Deus que nos transformou. dade de coração. Uma pessoa be-
O problema da gentileza é o fato nigna é uma pessoa amorosa, gra-
de alguns abusarem de nossa cor- ciosa, predisposta ao bem comum
tesia e nos sufocarem, tirando pro- e íntegra3. Afetuosidade, suavidade,
cortesia, carinho, meiguice, ternura
veito de tudo que temos, em vez de
e doçura são marcas de uma pes-
lutarem suas próprias batalhas da
soa benigna, com predisposição
vida! Outro problema ocorre quan-
para ser agradável e que demons-
do pessoas maldosas interpretam
tra sensibilidade, tratando os outros
nossa demonstração de interesse
com respeito e educação. Talvez al-
como intenção de manipular, de se
gum religioso não perceba que um
intrometer ou qualquer outra coisa seguidor de Jesus precisa desejar
nociva. Ser amável não é tarefa o bem do outro, e que fazer coisas
simples! Entretanto, é uma exigên- boas sem boas intenções não é vir-
cia bíblica amar o próximo como a tude cristã. “A benignidade é o amor
nós mesmos! que se compadece” 4. E este amor
Talvez você não queira ser afe- prático é mandamento divino e fruto
tuoso com uma pessoa, porque espiritual, que deve ser a marca de
ela é antipática ou egoísta, ou por todo cristão.
qualquer outro motivo. Contudo, Faremos uma intertextualização
o motivo principal da sua ternura entre Mateus 22.39 e Lucas 10.33-
para com alguém não se deve as 34. Quando Jesus foi questionado
qualidades dela, mas o seu amor a respeito de quem seria o nosso
a Deus, que deseja ver seus filhos próximo, Ele respondeu contando
reproduzindo suas virtudes no viver uma história, que todos conhece-
diário, como resultado de uma vida mos como a parábola do bom sa-
governada pelo poder do Espírito. maritano.
1 - Gr. Crestotes.
2 - GUTHRIE, Donald. Gálatas: introdução e comentário. Trad. Gordon Chown. 1. ed. São Paulo: Vida Nova, 2014, p. 180.
3 - CARVALHO, Davi Freitas de. A luta interior (II). Niterói: Convenção Batista Fluminense, Nº37, abril/junho, 2013, pp. 74.
4 - POHL, Adolf. Carta aos Gálatas: comentário esperança. Trad. Werner Fuchs. 1 ed. Curitiba: Editora Evangélica Esperan-
ça, 1999, p. 187.

41
A benignidade a partir da pa- mônios como inimigos. Entretanto,
rábola. Quando o samaritano che- caso algumas pessoas não mere-
gou onde se encontrava o homem çam nossa consideração e respei-
(abandonado na estrada) e o viu to, que não façamos porque elas
(ferido e nu), teve piedade dele merecem, mas porque Deus mere-
(Lc 10.33-34). A partir da empa- ce e elas precisam.
tia com o outro, ele agiu bondo-
samente. Ele não fez o bem a um 3 – SENDO CUIDADOSO COM AS
amigo ou a alguém a quem devia PALAVRAS
favores. Não fez o bem a alguém
Entendo que, benignidade, en-
que estava em condições de lhe
quanto fruto do Espírito, é o amor
retribuir a boa ação. Ele simples-
compassivo. Considero benignida-
mente se importou com o outro
de como sinônimo de bondade de
e fez o que deveria ser feito pelo
coração, como atitude! Creio que o
bem de um terceiro. Quando nos
Espírito Santo reproduz em nós as
colocamos no lugar dos outros,
nós os ajudamos, mesmo que não qualidades de Cristo, fazendo com
sejam nossos amigos ou que, até que a sua gentileza flua em nós,
mesmo, não gostem de nós! ajudando-nos a abençoar pessoas,
movidos pelo amor de Deus em Je-
A benignidade a partir do sus. Se o mundo tivesse mais pes-
mandamento. O amor ao próximo soas como nós, portadores da vida
tem como referência o amor a si de Deus, a vida no Espírito, o mun-
mesmo, o amor próprio (Mt 22.39). do teria mais amor, mais gentileza,
Quando Jesus ensinava o amor ao mais ternura, mais generosidade e
próximo, os seus contemporâneos teria uma nova sociedade!
religiosos subentendiam que deve-
riam amar o próximo, sim, mas tam- A benignidade é uma atitude que
bém poderiam odiar o seu inimigo nos impele ao esforço de evitar que
(Mt 5.43). Mas quando Ele diz algum mal venha sobre o outro, que
“Amem os seus inimigos”, estava se desdobra numa capacidade ou
dizendo que o inimigo também é no interesse de sentir o que o outro
um próximo. Afinal, como podere- sente (empatia) e num desejo de se
mos determinar quando a pessoa é relacionar bem, independente dos
o nosso próximo? Tudo indica que o esforços necessários (simpatia). O
próximo é qualquer um com quem benigno tenta tratar os outros como
entramos em contato na trajetória Deus os trata. Tenta olhar os outros
da nossa vida. Bom seria que não com o olhar de Deus.
tivéssemos inimigos! Até, porque, E agora? O que fazer? Seja sim-
os cristãos só têm Satanás e os de- pático, praticando a empatia! Treine

42
sua sensibilidade, a fim de perceber ajuda. Há pessoas precisando das
o que está acontecendo com as pes- suas palavras de apoio. Há pessoas
soas ao seu redor. Principalmente, precisando da sua repreensão. Há
entre os nossos irmãos na fé, que pessoas precisando de você! Tal-
se reúnem semanalmente conosco vez você não tenha o amanhã para
para adorar a Deus (Fp 2.4)! fazer o bem a todos, nem aos mem-
Seja mais cuidadoso com suas bros da família da fé!
palavras. Com elas, podemos le-
vantar ou derrubar pessoas! Às CONCLUSÃO
vezes, penso que não falei nada de
Agora, eu lhe pergunto: Quem
mais, até que alguém me procura
não vai gostar de você, caso você
para dizer que se sentiu ofendido
aja deste jeito, a cada dia? Com
com o que eu disse (Cl 4.6). certeza, alguns. Mas, não vão ser
Seja mais solidário (Rm 12.15)! muitos! Pessoas empáticas, geral-
Como você se sentiria, caso esti- mente são simpáticas!
vesse sofrendo e ninguém se im-
portasse? Que tal chorar com os PARA PENSAR E AGIR
que choram? E, como é a sensa-
ção de perceber que as pessoas Ternura e gentileza – Como você
não gostam do seu sucesso? Que vai tentar viver isso nesta semana?
tal admirar as pessoas, em vez de O que falta para você sorrir mais
invejá-las? para as pessoas? Ou não tem nada
a ver?
Seja assertivo em seu diálogo
com as pessoas, “seguindo a ver- Peça a Deus para te ensinar a
dade em amor!” (Ef 4.15). Há pes- se colocar no lugar das pessoas (in-
soas que, para não perder o afeto clusive das difíceis)!
de alguém, são passivas; aceitam
tudo! Outras, a fim de manter tudo
de acordo com a própria vontade,
são agressivas; impõem seu ponto
de vista a todos! Que tal dizer como Segunda: Gálatas 5.22,23
você se sente e o que você pensa Terça: Mateus 22.34-40
sem ofender, sem atacar, sem des- Quarta: Lucas 10.25-37
qualificar a outra pessoa? Que tal
Leitura Diária

Quinta: Filipenses 2.3-8


falar a verdade amorosamente?
Sexta: Colossenses 4.5,6
Não adie gentilezas (Gl 6.10)! Sábado: Romanos 12.13-16
Há pessoas sofrendo ao seu re-
Domingo: Efésios 4.15,16
dor. Há pessoas precisando da sua

43
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 9
Texto Básico: Efésios 2.10 – NVI

VOCÊ PODE FAZER O BEM COM


BOAS MOTIVAÇÕES!

“Porque somos criação de Deus


realizada em Cristo Jesus para fa-
1 – PORQUE VOCÊ FOI
zermos boas obras, as quais Deus
REGENERADO PARA ISSO
preparou antes para nós as prati- O fruto do Espírito é... bon-
carmos.” (Ef 2.10 – NVI). dade... (Gl 5.22). A bondade é o
Até o cristão que não lê a Bí- amor que doa1. A palavra grega
traduzida por bondade2 transmi-
blia frequentemente sabe que
te a ideia de uma bondade mais
deve ter um relacionamento com
ativa, de uma generosidade em
o próximo num nível fora do co-
ação, praticada a partir de uma
mum, num nível cristão! Fazer o
boa motivação, de um bom cará-
bem a quem nos faz mal ou nos
ter. E que, por causa da motivação
faz o mal; falar algo positivo sobre
e do caráter, pode ser uma bon-
quem busca (deliberadamente) o dade que reprova o mal, que cor-
nosso prejuízo e fazer o bem a rige o erro, que disciplina alguém.
este alguém. Afinal, Jesus disse O pastor presbiteriano Hernandes
que a nossa luz deve brilhar dian- Dias Lopes, em seu comentário
te das pessoas, através das nos- à Epístola aos Gálatas, fazendo
sas boas obras, de modo que as uso de outro comentarista, diz que
pessoas, ao verem nossos atos “Jesus mostrou bondade (agatho-
de bondade reconheçam a gran- sune) quando purificou o templo e
deza de Deus! (Mt 5.16). expulsou os que o transformaram
1 - POHL, Adolf. Carta aos Gálatas: comentário esperança. Trad. Werner Fuchs. 1. ed. Curitiba: Editora Evangélica
Esperança, 1999, p. 187.
2 - Gr. Agathosune.

44
em um mercado, mas manifestou não se salva!) e Ele nos deu sua
benignidade (crestotes) quando foi vida. Ele nos refez. Ele nos recriou.
amável com a mulher pecadora que Ele nos restaurou. Ele nos salvou.
lhe ungiu os pés3”. Somos dEle! Você é dEle! Por isso,
Nós fomos recriados em Cris- se nós somos cristãos de verdade,
to Jesus. Nós fomos regenerados devemos viver como um novo dese-
para fazer o bem. Não fazemos o nho da humanidade.
bem para impressionar a Deus e
Ele nos manter salvos. Fazemos o 2 – POR AMOR A DEUS E AO
bem porque fomos programados PRÓXIMO!
espiritualmente para isso. A par- Devemos ajudar alguém, porque
tir do momento em que Deus nos Deus nos recriou “para fazermos
salvou do poder, da presença e da boas obras” (Ef 2.10b). Se você
condenação do pecado, Ele escul- é um cristão de verdade, você foi
piu em nós uma nova humanidade. regenerado para fazer algo bom a
E o que isso tem a ver com bon- alguém! Já que fomos salvos pelo
dade? Ora, um cristão de verdade favor divino, não havendo nada que
deve fazer o que é bom. Deve aju- pudéssemos fazer para que fôsse-
dar as pessoas! mos salvos, nós podemos viver do
Por que devemos ajudar al- jeito que bem quisermos? De modo
guém? “Porque somos criação de nenhum! Uma nova natureza re-
Deus realizada em Cristo Jesus” quer um novo modo de pensar, de
(Ef 2.10a). Se você é um cristão de sentir e de agir.
verdade, você é de Deus! A salva- O discípulo de Cristo reconhece
ção é um presente de Deus, que a sua soberania em todas as áreas
recebemos somente pela fé em da sua vida. Cristo não manda ape-
Jesus, quando nos entregamos to- nas na nossa vida religiosa, mas
talmente a Ele, aceitando-o como em nós! Quem não nega a si mes-
Salvador da nossa alma e Senhor mo e não toma a sua cruz não é
da nossa vida. um discípulo verdadeiro. Quem
O salvo está unido a Cristo e foi não é um discípulo verdadeiro,
transformado por Ele. O que resul- não é um cristão autêntico. Não
ta em um novo modo de viver, com fomos salvos para vivermos uma
a salvação garantida, com um co- vida cristã passiva, infrutífera, iner-
ração perdoado, perdoador e arre- te. O fato de não podermos nos
pendido, com o auxílio dos irmãos salvar, não significa que não possa-
na caminhada cristã. A nossa sal- mos fazer algo que evidencie nossa
vação não é algo isolado. Somos nova natureza. Fomos recriados em
dEle! Somos sua obra prima, seu Cristo. Fomos regenerados para o
poema. Estávamos mortos (morto bem. Se somos cristãos de verda-
3 - TRENCH apud LOPES, Hernandes Dias. 2017. p. 250.

45
de, precisamos fazer o que é corre- ser um cristão autêntico, que con-
to. Mesmo que fazer o que é certo tagia a própria família e a socieda-
não dê certo! de com palavras e obras, no poder
Se você é um cristão de verda- do Espírito.
de, você foi planejado para cuidar
de gente, atendendo necessidades, 3 – TRANSFORMANDO-SE
praticando boas obras, “as quais DIARIAMENTE
Deus preparou antes para nós as A bondade é um amor dedicado
praticarmos.” (Ef 2.10c). Conforme a servir ao próximo, sinônimo de fa-
seu propósito, em algum tempo (ou zer coisas boas.
além do tempo), Ele nos refez para
que praticássemos boas obras, ao É natural os pais dizerem para
vivermos nossa nova vida. Andáva- as crianças serem boazinhas. Não
mos mortos em nossos pecados. precisam dizer para que sejam más.
Isso é normal para o homem caído.
Hoje, nós que fomos salvos, vive-
Entretanto, para o regenerado, é o
mos em boas obras. Éramos escra-
fruto do Espírito que se manifesta
vos do diabo. Hoje, somos filhos de
em nós, reproduzindo as qualida-
Deus. De mortos a ressuscitados.
des de Cristo, fazendo com que a
De degenerados a regenerados. De sua bondade flua em nós, edifican-
perdidos a santos. E isso não fica do os outros.
apenas na teoria ou no cérebro,
mas marca a nossa vida! Segundo Rick Warren4, ao con-
trário da boa aparência, de se sen-
Somos cidadãos de dois mun- tir bem e de ter posses, uma vida
dos. Devemos nos submeter ao cheia de bondade é verdadeira-
Reino de Deus, mas precisamos mente uma vida boa. E como seria
nos submeter ao Estado, também. essa vida boa, essa vida cheia de
Obedecer às leis do nosso país bondade?
é um dever, mas, a obediência a
Uma vida de bondade pressu-
Deus está em primeiro lugar. A
põe a consciência de que não so-
questão é: somos éticos o sufi-
mos naturalmente bons (Mc 10.18).
ciente quanto à nossa vida em
Enquanto fruto do Espírito, a bon-
sociedade e somos crentes o
dade que tratamos aqui é gerada
suficiente para obedecer a Deus por Deus em nós. É o resultado de
quando isso parecer errado na andar no Espírito (Gl 5.16). Uma
vida social? caminhada, através da qual vamos
Influenciar nossos familiares apreendendo e aprendendo mais e
é algo indiscutível. Todos nós in- mais da bondade que foi manifesta
fluenciamos as pessoas e somos pela ação sobrenatural de Deus a
influenciados por elas. O desafio é nós (Tt 3.4).
4 - WARREN, Rick. Poder para ser vitorioso: 12 lições para obter uma vida próspera com Deus. Trad. Yolanda M. Krievin.
São Paulo: Editora Vida, 2001, pp. 120-122.

46
Vale relembrar que o fruto é do para que sejamos capazes de ex-
Espírito, mas o terreno é o nosso perimentar qual seja a boa, agradá-
próprio ser. Enquanto terreno, pre- vel e perfeita vontade de Deus”. Te-
cisamos favorecer o crescimento nha como modelo as pessoas que
deste fruto, através dos hábitos desejam e fazem o bem (3Jo 11) e
espirituais, como a leitura bíblica. aproxime-se delas (Hb 10.24,25).
Deus tem muita coisa para dizer
para você e isso pode ser desco-
berto pela leitura da Bíblia. Caso
CONCLUSÃO
você nunca tenha lido a Bíblia, É importante perceber que a
que, a partir de hoje, comece vida cristã é uma jornada, um pro-
lendo um capítulo por dia. Ou, cesso. Não nascemos prontos. Tam-
pelo menos, um capítulo de um bém não renascemos prontos! As-
dos evangelhos. Não vai demorar sim como crescemos naturalmente,
mais que dez minutos e vai fazer precisamos crescer espiritualmente.
diferença na sua vida. Tente mar- Assim como amadurecemos natu-
car os versículos que tenham toca- ralmente, precisamos amadurecer
do no seu coração e compartilhe espiritualmente. Um passo de cada
com algum irmão. O que for difícil vez, um degrau de cada vez. Logo,
de entender, procure algum irmão logo, chegaremos lá!
mais experiente para explicar.
Assim como precisamos ler a PARA PENSAR E AGIR
Bíblia, temos que absorver seus en- O que pode ser chamado de
sinos, a fim de blindar nossa mente bondade? Que bondade você vai
do que nos afasta da saúde espi- fazer hoje?
ritual e do crescimento do fruto do
A Igreja pode viver isso? Cite
Espírito em nós. Segundo Romanos
um exemplo do que a Igreja pode
12.2, se nossa mente for renovada,
fazer?
nossa vida pode ser transformada.
E isso não é responsabilidade de Todas as coisas boas que você
Deus. É nossa! (transformai-vos). faz, são feitas com boas intenções?
Por isso, não seja passivo quanto
à escolha do seu referencial (não
Segunda: Gálatas 5.22,23
vos conformeis – não se amoldem
ao padrão) porque a cosmovisão do Terça: Efésios 2.10
mundo não é um padrão recomen- Quarta: Marcos 10.17,18
dado por Deus. E nós podemos mu-
Leitura Diária

Quinta: Tito 3.3-6


dar nossa forma de pensar a nosso Sexta: Romanos 12.1,2
respeito, a respeito dos outros e a
Sábado: 3João 1.5-12
respeito das circunstâncias “pela
renovação do nosso entendimento, Domingo: Hebreus 10.23-25

47
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 10
Texto Básico: 1Timóteo 1.12 – NVI

VOCÊ PODE SER MAIS


CONFIANTE E MAIS CONFIÁVEL!

“Dou graças a Cristo Jesus, o fruto (nós) pode cooperar com


nosso Senhor, que me deu forças e a frutificação espiritual? Acredito
me considerou fiel, designando-me que não preciso mais perguntar
para o ministério”. (1Tm 1.12 – NVI). isso. Afinal, sabemos que somos
Preciso perguntar se o fruto do parceiros de Deus nisso tudo!
Espírito é automático ou se ele se Neste estudo, vamos pensar
desenvolve? Se esse desenvolvi- um pouco a respeito da fé, en-
mento pode ser acelerado (ou re- quanto fruto do Espírito. É mui-
tardado)? Se o terreno onde está to comum que os cristãos sejam

48
chamados de crentes. Por quê? A palavra traduzida por fidelida-
Porque os cristãos são vistos como de1 pode significar fé2, confiança,
aqueles que creem, aqueles que certeza, compromisso, lealdade e
têm fé, aqueles que confiam e que, confiabilidade. Uma pessoa convic-
por isso, são firmes, são confiáveis. ta é firme e você sabe quem ela é,
O crente crê. Quem crê, tem fé. porque ela é leal às suas convic-
Quem tem fé é fiel. Mas, o que é ser ções. Uma pessoa fiel é digna de
fiel? Você consegue (ou tenta) ser confiança total, por sua lealdade
fiel em tudo? absoluta a Deus e por sua honesti-
dade para com o seu próximo. O fiel
é corajoso e, se preciso, confronta e
1 – TORNANDO-SE MAIS não foge do diálogo. Ele é o que é.
CONFIÁVEL, NESTE TEMPO DE Não é camuflado, nem dissimulado.
TANTA DESCONFIANÇA Você pode contar com ele. Sua fide-
O fruto do Espírito é... fidelida- lidade é fruto de sua fé. O fiel confia
de... (Gl 5.22) e esta fidelidade está e é confiável!
em nós. Entretanto, não é estranho
o fato de constatarmos tanta de- 2 – BUSCANDO UMA VIDA
cepção com pessoas que aparen- MARCADA PELA FIDELIDADE!
tam ser nossas amigas e aliadas? O apóstolo Paulo, em 1Timó-
Gente que, diante das mudanças teo 1.12, reconhece a ajuda divina
dos fatos, debandam contra nós ou que recebeu do Senhor Jesus, mas
se omitem quando teriam o dever deixa escapar que Deus viu nele
de nos ajudar. É bom lembrar que alguém constante, alguém compro-
nós também falhamos com os ou- metido, alguém aliançado. E, justa-
tros e que, em dado momento não mente, pelo fato de ver em Paulo al-
cumprimos o horário, não pagamos guém a quem entregar uma missão
uma dívida, não fazemos o melhor a cumprir, Deus o designou para o
na hora do culto e nem nos compro- ministério. Isso deve nos fazer refle-
metemos no ensaio... tir! Muitas vezes, estamos afoitos
para receber uma nomeação, uma
Você pode mesmo afirmar que é ordenação ministerial, uma posição
um crente fiel? Você confia mesmo de liderança, mas não nos avalia-
em Deus, a ponto de ser totalmente mos para perceber se somos fiéis
leal a Ele? Sua lealdade a Deus o no que estamos fazendo. Ou você
leva à excelência? Sua dedicação acha que um infiel no pouco vai se
a Deus é refletida no compromisso tornar fiel pelo simples fato de ter
com sua Igreja? sido colocado no muito?
1 - Gr. Pistis.
2 - “A palavra traduzida por ‘Fidelidade’ (pistis), na maioria dos casos em que ocorre no Novo Testamento significa a fé que
é confiança, entrega e obediência totais no que diz respeito à Cristo. Este é o seu sentido teológico. Entretanto, aqui, o
seu sentido é ético. Tem o sentido de ‘fé em Deus’. Traz o sentido de fidelidade a padrões da verdade ou no sentido de
fidedignidade no trato com outas pessoas.” (cf. SOARES, Germano. Gálatas. Rio de Janeiro: CPAD, 2015, p. 136).

49
Isso me transporta para Mateus diário, mediante um caminhar com
25.14-30, quando Jesus dá conti- Deus. Logo, é importante a cria-
nuidade ao seu ensino a respeito ção de hábitos de fidelidade e não
do Reino, através da parábola dos mera aspiração por fidelidade em
talentos. Não vou discutir salvação nossas vidas. E como já sabemos,
aqui, até porque não há espaço essa criação de hábitos se faz me-
para tanto, neste modesto estudo! diante a exposição dos nossos co-
Entretanto, vale destacar que os rações e mentes à ação sobrena-
homens que receberam cinco, dois tural do Espírito Santo em nossa
e um talento, não foram avaliados caminhada com Deus, enquanto
pela sua capacidade ou pelo re- seguimos os passos de nosso Se-
sultado do que fizeram, mas pela nhor e Mestre, Jesus!
fidelidade, pelo compromisso, pelo Que tal começarmos ou man-
empenho no exercício do seu tra- termos uma jornada de fidelidade,
balho. Talvez alguns de nós não honrando nossos compromissos?
percebamos que não realizamos Que o nosso sim, seja um sim con-
coisas grandes na vida porque não fiável. Que o nosso não, seja um
honramos nossos pequenos com- não confiável (Mt 5.37)! Vamos nos
promissos diários! empenhar para honrar aquilo que
Antes de ficar chateado com o dissermos que vamos fazer, a fim
chefe que não me promoveu, eu de desenvolvermos uma base só-
preciso verificar se eu sou dedica- lida em nossos relacionamentos!
do, enquanto a promoção não vem. Como você se sentiria se alguém
Antes de ficar desiludido porque lhe prometesse algo e não cumpris-
aquela menina não quis me na- se? Coloque-se no lugar do outro e
morar, preciso ver se eu me empe- esforce-se para não provocar nos
nhei para ser uma boa companhia, outros a sensação de que não vale
confiável, para dividir uma vida ao a pena acreditar em você!
longo dos anos vindouros. Antes de Outro passo importante é não
me entristecer pela vitória que não enterrar talentos! Deus deu a você
veio, eu preciso pensar se eu me alguma capacidade que não deu
comprometi com o treinamento rígi- para mim. Eu não serei cobrado por
do e com a luta árdua, necessários aquilo que Deus não me deu e Ele
à tão sonhada conquista! não exige que você utilize os meus
talentos. Entretanto, quando deixa-
3 – PRATICANDO A FIDELIDADE! mos de fazer aquilo que podemos,
estamos sendo infiéis a Deus, que
Conforme temos conversado nos confiou algo que estamos re-
ao longo desses estudos, a verda- tendo e deixando de abençoar ou-
deira liberdade em Cristo é possí- tras pessoas (1Pe 4.10). Pensemos
vel pela frutificação espiritual das em quantas pessoas seriam aben-
virtudes cristãs em nosso viver çoadas pelos nossos talentos!

50
Todos sabem que a nossa vida perceberão quando realmente não
nesta terra se dá num espaço de pudermos ajudá-las, pelo fato de
tempo. Logo, precisamos cuidar saberem que somos responsáveis
do tempo de vida que temos com e dedicados.
todo cuidado possível (Ef 5.15,16).
Não tem como ser fiel a Deus, ao CONCLUSÃO
cônjuge, aos filhos, aos pais, à
empresa onde trabalha ou à Igreja Não espere ser promovido para
onde serve, sem a administração ser o melhor funcionário! Seja fiel
de prioridades, considerando que no pouco (Lc 16.10)! Cuide bem da-
não temos como controlar o tem- quilo que lhe emprestam ou lhe alu-
po. Só podemos controlar o nosso gam, tratando com o zelo que você
comportamento no fluxo do tempo! gostaria que tivessem com algo
Que tal aproveitar cada oportunida- seu (Lc 16.12)! Basta-nos lembrar
de que temos para sermos leais a de que somos cristãos (pequenos
Deus e às pessoas com as quais Cristos) nesta terra. Logo, estamos
nos comprometemos? aqui para fazer TUDO o que temos
de fazer, seja em palavra, seja em
Assim como precisamos ser fiéis
ação, em nome de Jesus (Cl 3.17)!
nos relacionamentos, no emprego
dos nossos talentos, no modo que
lidamos com o tempo, precisamos PARA PENSAR E AGIR
ser fiéis, também no uso do nos- O que você vai fazer a partir de
so dinheiro! Sabemos que o apelo hoje para se tornar mais confiante?
do consumo é muito grande e que
Que hábitos você precisa aban-
isso contribui para o endividamento.
donar para se tornar mais confiá-
Contudo, se cremos em Deus, Ele é vel?
Senhor dos nossos recursos finan-
ceiros, também! Precisamos honrar Você tem vivido como quem crê
nossos compromissos financeiros, que Deus recompensa a fidelidade
dando a César o que é de César e (Hb 11.6)?
a Deus o que é de Deus (Mt 22.21).
Sua família e sua Igreja podem con-
tar com sua fidelidade?
Segunda: Gálatas 5.22, 23
Por último, persiga uma vida de
Terça: Hebreus 11.1-40
excelência! Não é fácil sair da me-
diocridade que a zona de conforto Quarta: 1Timóteo 1.12-20
Leitura Diária

nos oferece. A excelência requer de Quinta: Mateus 25.14-30


nós empenho e desempenho! Po- Sexta: Mateus 5.33-37
rém, se nos comprometermos com Sábado: 1Pedro 4.10,11
a excelência, seremos mais fiéis
Domingo: Mateus 22.16-22
no trato com as pessoas. E elas

51
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 11
Texto Básico: Mateus 11.29 – NVI

VOCÊ PODE SER MAIS CORAJOSO,


MAS NÃO PRECISA SER BRIGÃO!

“Tomem sobre vocês o meu


jugo e aprendam de mim, pois sou
1 – PORQUE SÓ OS FORTES
manso e humilde de coração, e PODEM SER MANSOS!
vocês encontrarão descanso para Embora haja pessoas difíceis
as suas almas”. (Mt 11.29 – NVI). de conviver, como seguidores de
Sabemos que, na qualidade Cristo, precisamos nos aproximar
de cristãos, precisamos ser man- delas, a fim de ajudá-las na desco-
sos. Contudo, há pessoas que se berta da vida abundante prometida
aproveitam dessa característica, por Jesus (Jo 10.10). Alguém pre-
principalmente, quando confun- cisa prestar assistência espiritual,
dimos ou somos pressionados a valorizando essas pessoas difíceis
confundir mansidão com sujeição. e não alimentando um pensamen-
A partir de uma compreensão to sobre si além do que convém
equivocada, corremos o risco de (Rm 12.3). Que tal exercer a man-
adotar, vez por outra, uma postura sidão diariamente no trato com
agressiva ou indiferente, para evi- as pessoas, por mais difíceis que
tar pessoas folgadas ou dominan- elas sejam? Mansidão é sinônimo
tes. Resumindo, ser manso não de fraqueza ou de autocontrole?
parece algo simples! Quem precisa ter o controle sobre

52
os outros é forte ou fraco? Por quê? nunca de modo impulsivo, reativo
ou agressivo. Vamos ponderar um
2 – TENDO CORAGEM, MAS pouco a respeito da mansidão de
SENDO MANSO! Jesus, à luz de Mateus 26.52-54,
a fim de aprendermos dEle, que é
Quem tem a chave, tem o po- manso e humilde de coração, de
der de abrir a porta. Precisa, ape- modo que encontremos descanso
nas, aprender como fazer isso! para as nossas almas!
Você pode ser manso, porque, se
você é um cristão, Deus já o capa- Ser humilde é ser inteligen-
citou para isso! O fruto do Espírito te! Podemos aprender à luz desse
é... mansidão (Gl 5.23). trecho das Escrituras que, embora
corajosos, precisamos ser mansos,
O que é mansidão? A palavra pela consciência de que o poder
traduzida por mansidão, também de Deus é indestrutível, enquanto
pode significar amabilidade, do- o nosso, é limitado. Quando Je-
çura, brandura, cortesia, consi- sus está prestes a ser preso, o seu
deração, modéstia, humildade e discípulo, precipitadamente, sacou
abnegação. É muito comum que, da espada e cortou a orelha do
quando falamos de mansidão, al- servo do sumo sacerdote. Jesus,
gumas pessoas confundam isso então, mandou o discípulo guardar
com fraqueza. E ser manso não a espada e afirmou que as conse-
é ser fraco. Ser manso é não ser quências de uma atitude violenta
agressivo, não ser reativo, não ser não são boas (Mt 26.52). Afinal,
levado pelos impulsos. Ser manso considerando que nosso tempo e
é ser forte sem perder o controle. nossa energia são esgotáveis, pre-
A pessoa mansa, segundo o signifi- cisamos escolher nossas batalhas
cado desta palavra, consegue reu- e empregá-los com ousadia, estra-
nir força e brandura em si. tégia, equilíbrio e efetividade.
Nosso exemplo de mansidão. O manso evita a disputa de
No caso de Jesus, a mansidão é um poder. O crente brigão tenta fazer a
exemplo perfeito a ser seguido. Ele vontade de Deus confiando no es-
sabia quem era e não ficava brigan-
forço humano, onde a carne, a na-
do para provar nada a ninguém. Ele
tureza humana caída, opera. E não
era firme em se submeter a Deus e
tem como glorificar a Deus confian-
em resistir o mal. Não era um ho-
do em si mesmo, como quem crê
mem passivo, mas também não era
num ídolo, no “deus ego”. O cristão
agressivo. Era agradável, de condu-
não precisa ser valentão, porque
ta suave, de atitude pacífica. O que
sabe que Deus tem o controle so-
não fazia dEle uma pessoa apática,
bre tudo e sobre todos: sobre o tem-
indiferente. Quando preciso, Je-
po, o espaço, as circunstâncias, os
sus era firme e contundente. Mas,
poderes espirituais e humanos. O

53
seguidor de Jesus crê que os man- sas contribuem juntamente para o
sos são supridos por Deus (Mt 5.5) bem daqueles que amam a Deus”
e herdarão a terra (Sl 37.11-20), ao (Rm 8.28). Jesus não revidou a
contrário dos ímpios. hostilidade dos servos do sumo
Agressividade e temor. Tenha sacerdote, mas confiava que sua
coragem, mas seja manso, porque vida e o que nela acontecia fazia
você não precisa destruir, se você parte de um plano (Mt 26.54). Que
não teme! A reação violenta é uma aprendamos com o Senhor Jesus,
marca do temor, do sentimento de sua mansidão e sua humildade de
ameaça, o que não era o caso de coração (Mt 11.29). À medida que
Jesus. Ele mesmo disse que, se esse aprendizado for avançando,
quisesse, teria à disposição mais nossas almas vão progredindo na
de doze legiões1 de anjos para pro- fina arte de descansar da correria
tegê-lo (Mt 26.53). Ou seja, não pre- dessa nossa breve e frágil vida.
cisava ser agressivo, porque sabia
que seus oponentes só poderiam 3 – AFINAL, MANSIDÃO RIMA
lhe fazer o que Deus permitisse. COM REFLEXÃO!
Mansidão não é passividade.
Em vez de chutar o balde por
O cristão que manifesta a mansi-
causa do que lhe fizeram, pense
dão, enquanto fruto do Espírito,
não se vê nem maior nem menor e repense no jeito certo, com as
do que ninguém. Não confia no palavras adequadas, num jeito de
poder humano para se sustentar. conversar com a pessoa que lhe
Confia em Deus e a Ele obedece, prejudicou. Jesus não era passivo
haja o que houver, enfrente o que nem agressivo e nós também não
enfrentar. Como alguém que confia precisamos ser, considerando que
no poder de Deus e que representa Ele vive em nós (Gl 2.20).
o Reino, agindo em nome do Rei, Compreender as pessoas pode
ele sabe que não há o que temer nos ajudar a ser mansos no rela-
e nem do que ou de quem se de- cionamento com elas. Temos a ten-
fender. Quem ataca o cristão, ataca dência de exigir demais dos outros
Aquele que o nomeou para realizar e quase nada de nós mesmos. Co-
a sua obra (At 9.4,5). locar-se no lugar do outro, calçar o
Se você obedece a Deus, você sapado do outro, pode ajudar você
vai confiar nEle! Seja corajoso, a ser menos agressivo e mais con-
mas seja manso, consciente de que siderado (Fp 2.4).
a vontade de Deus é boa, agradá- No embate de ideias, muita gen-
vel e perfeita (Rm 12.2), mesmo te briga. Talvez, porque no afã de
que nem tudo vá bem. Afinal, o suplantar o outro, na discussão, cor-
cristão sabe que “Todas as coi- remos o risco de atacar a pessoa.
1 - A legião romana tinha cerca de seis mil soldados. (12 X 6.000 = 72.000).

54
Ou, tentando evitar um conflito com não decidem como você vai se
o outro, podemos nos acovardar e comportar e se sentir (Pv 19.11).
fingir concordar com eles. Todavia, Que você não dependa da atitude
é possível respeitar sem concordar; dos outros para ser manso! Talvez
entender a pessoa, sem abandonar a outra pessoa não mereça a sua
as próprias convicções (Pv 15.1). mansidão e o seu respeito, mas
2Timóteo 2.24 diz: “Ao servo do Deus merece, e ela precisa!
Senhor não convém brigar mas,
sim, ser amável para com todos, CONCLUSÃO
apto para ensinar, paciente”. Geral-
mente, as pessoas entendem que De acordo com Gálatas 6.7,8,
a mansidão de um líder é a mes- podemos semear coisas boas ou
ma coisa de ele nunca repreender, ruins em nossas vidas e, para se-
nunca corrigir ou nunca ser duro. mearmos bênçãos, precisamos ser
Mas, a própria epístola contém espirituais, apesar de imperfeitos.
orientações para que o líder seja fir- Precisamos nos examinar, olhar um
me. Que nossos líderes não sejam pouco mais para dentro de nós e
omissos, nem sejam brigões! Que cobrar menos dos outros, sempre à
sejam amorosos, mas que sejam luz das Escrituras!
firmes! E que Deus dê discernimen-
to ao seu povo para não confundir PARA PENSAR E AGIR
amor com apatia e firmeza com
agressividade. Reagir com mansidão não tem
a ver com temperamento, mas com
Há pessoas que sempre que- inteligência.
rem ter razão em tudo. Como é di-
fícil dialogar com gente assim! Não Leia, pelo menos, um dos Evan-
é mesmo? No entanto, elas podem gelhos, observando a mansidão de
estar certas em algum momento. Jesus!
Como saber? Sendo ensinável! Como repreender sem brigar?
Infelizmente, assim que somos cri- Como ser amoroso e firme ao mes-
ticados, somos tentados a reagir mo tempo?
em autodefesa. Para isso, Tiago
nos recomenda prontidão em ouvir Segunda: Gálatas 5.22,23
e lentidão em rebater, além de sair
do ringue em vez de ficar zangado Terça: João 10.9,10
(Tg 1.19). Quem disse que vencer Quarta: Romanos 12.3
Leitura Diária

uma discussão é vencer? Quem Quinta: Mateus 26.49-56


disse que ser repreendido é per- Sexta: Salmos 37.11-20
der? (Pv 13.18). Ignorar as ofensas, Sábado: Atos 9.1-5
evitando uma atitude reativa, é uma
demonstração de que as pessoas Domingo: Mateus 11.27-30

55
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 12
Texto Básico: 1Coríntios 9.27 – NVI

VOCÊ PODE SE AUTOLIDERAR!

“Mas esmurro o meu corpo e cimento espiritual depende muito


faço dele meu escravo, para que, mais do nosso investimento do
depois de ter pregado aos outros, que de uma eventualidade.
eu mesmo não venha a ser repro- Fomos escolhidos para frutifi-
vado”. (1Co 9.27 – NVI). car! Fomos chamados para uma
Geralmente, ao nos deparar- vida produtiva (Jo 15.16)! Para
mos com algo errado em nós (um que os resultados desse investi-
pensamento, um sentimento, um mento, que o Senhor faz em nos-
hábito ou uma atitude), procura- sas vidas, sejam sólidos, preci-
mos o culpado fora de nós. Por samos estar conectados à fonte.
Conectados a Cristo (Jo 15.1-10)!
que parece mais fácil procurar
Nosso destino em Deus é o cres-
SEMPRE a culpa nos outros? Não
cimento! Cristo é a nossa fonte de
seria mais fácil buscar a solução energia. O Pai nos supervisiona, a
em nós? Em vez de querer con- fim de reparar qualquer debilidade
trolar o próximo, que tal controlar- no processo. Por isso, verifique
-se a si mesmo? Antes de querer sua atitude! Se você permanece
mudar os outros, que tal buscar nEle, será frutífero! Caso encha
o próprio crescimento pessoal? sua mente e coração do que não
Vale destacar que o nosso cres- edifica, você será improdutivo!

56
do a natureza carnal que ainda re-
1 – SENDO RESPONSÁVEL POR side em si: organismo e psiquismo.
SUA ESPIRITUALIDADE! Sempre é bom lembrar que não se
O que você faz para lidar com as trata da força de vontade, orientada
tentações? Como você lida com o pelo orgulho de estar no controle.
mundo, com o diabo e com a car- Mas, trata-se do resultado de uma
ne? Qual dos três é o pior para você caminhada com Deus. E, vale frisar
enfrentar? Diante de tantas adver- que o domínio próprio não contribui
sidades, como ser vitorioso neste para a anulação do “eu”, mas para
mundo? Aliás, o que é ser vitorioso, a construção de uma melhor versão
em sua opinião? Já que o fruto não do “eu”. O domínio próprio é efeti-
é nosso, mas é do Espírito, o do- vo onde a lei é ineficaz para inibir
mínio próprio está disponível para a manifestação das obras da carne,
que experimentemos a vontade de pelo poder do Espírito!
Deus ou não? Precisamos semear Pratiquemos o autocontrole, a
para o Espírito, para ter domínio autoliderança, o domínio próprio,
próprio ou precisamos do domínio assumindo a responsabilidade pelo
próprio para que possamos semear nosso próprio crescimento espiri-
para o Espírito? Vamos refletir? tual. Claro que dependemos total-
Antes de tudo, é bom enfatizar mente de Deus para crescer na fé,
novamente que se você tem o Es- mas cabe a nós buscar ao Senhor
pírito de Deus, essa virtude cristã e mais do seu Espírito! Afinal, sabe-
está em você! O fruto do Espírito mos que o fruto é do Espírito, entre-
é... domínio próprio. (Gl 5.23). A pa- tanto quem cuida da qualidade do
lavra traduzida por domínio próprio terreno somos nós! E é disso que
também pode significar temperan- Paulo trata em 1Coríntios 9.25-27.
ça, autocontrole, autodomínio e O vencedor das corridas gregas
moderação. Essa virtude, produzi- recebia uma grinalda de folhas e,
da pelo Espírito, apresenta a ideia às vezes, um prêmio em dinheiro;
de agarrar-se firmemente a um pro- o cristão recebe o prêmio da glória
pósito. Como um fruto, o domínio eterna. Assim como para alcançar
próprio resulta da ação do Espírito uma condição melhor, o atleta se
Santo na vida do crente, mediante domina e persiste em sua jornada,
sua exposição à ação de Deus em o cristão se domina para experi-
seu dia-a-dia. mentar o propósito de Deus para
O domínio próprio é a disciplina sua vida (1Co 9.25). O verdadeiro
exercida sobre os desejos, de modo cristão conseguirá isso, simples-
que os nossos apetites sejam domi- mente porque a vida de Deus está
nados. Ele é a virtude que o cristão nele. Você é cristão? Então o domí-
recebe para se controlar, renuncian- nio próprio está ao seu alcance!

57
2 – DOMINANDO-SE PARA Precisamos lutar contra os desejos
perniciosos que nos desumanizam
CUMPRIR A MISSÃO!
e entristecem o nosso Criador.
Não pare de correr, nem pare Leve a sério a luta contra o
de lutar! Paulo compara o cristão pecado! A nossa trajetória cristã é
que investe em sua própria espiri- semelhante a uma luta corporal in-
tualidade com um atleta que corre tensa, que exige golpes certeiros e
e luta. Ambos, para lograr êxito, vigorosos, resultantes de um treina-
precisa se dominar cada vez mais, mento puxado (1Co 9.27). Não há
a cada dia (1Co 9.26). Corremos como servir sinceramente a Cristo,
para o céu, superando obstáculos, sem tratar seriamente com o peca-
persistindo na corrida, recebendo do. Muitos ficarão surpresos ao se
incentivo, enfrentando o cansaço
depararem com a recompensa pelo
e sonhando com o prêmio. Desen-
tipo de serviço cristão apresentado
volvemos o domínio próprio quan-
ao Senhor, nesta terra. Quantos
do nos privamos de tudo o que nos
irão lamentar por ter dado priorida-
atrapalha de ganhar o prêmio, de
de ao que era secundário! Quantos
cumprir a missão.
irão lamentar por desprezar o que
Precisamos continuar vivendo era prioritário!
sob a influência do Espírito para
vencer os maus desejos da nos- O verdadeiro cristão deseja a-
sa natureza humana (Gl 5.16), gradar a Deus, mas tem que lidar
que estão absolutamente opos- com os maus desejos de sua huma-
tos aos propósitos de Deus para nidade pecaminosa. Sofre por não
nós (v. 17). Maus desejos que re- atingir a perfeição desejada, mas
duzem a nossa humanidade em se alegra por vencer limitações a
quatro áreas: sexo, espiritualidade, cada passo, em sua jornada. Con-
relacionamentos e alimentação quista pequenas vitórias, dizendo
(vv. 19-21), envolvendo nossos cor- não para si mesmo, tomando sua
pos e almas. Segundo o apóstolo cruz e seguindo o Mestre (Lc 9.23).
Paulo, em Romanos 7.18-20, nada Se você ainda não recebeu o pre-
de bom habita em nós, isto é, em sente da vida eterna, não recebeu
nossa carne. Porque temos o desejo o Espírito de Deus e ainda não re-
de fazer o que é bom, mas não con- cebeu as virtudes cristãs para uma
seguimos realizá-lo. Pois o que fa- vida melhor, com mais qualidade.
zemos não é o bem que desejamos, Vida esta que foi conquistada para
mas o mal que não queremos fazer, nós, através da morte do Filho de
esse nós continuamos fazendo. Se Deus, para que pudéssemos viver
fazemos o que não queremos, já uma vida melhor: a vida eterna –
não somos nós quem o fazemos, uma vida que vale a pena ser vivi-
mas o pecado que habita em nós. da! Vamos viver melhor?

58
3 – NÃO SE DEIXANDO DOMINAR (Gl 5.16). Experimente a plenitude do
Espírito! Seja dominado, seja venci-
PELOS SUPERDESEJOS DA do por Deus! Assim, poderemos
CARNE! cumprir nosso ministério, andando
Para viver bem comigo mesmo, em vitória, no poder do Senhor!
preciso observar qual área do terre-
no (meu ser) recebe mais cuidado CONCLUSÃO
(Gl 6.7,8). Se for a área da carne
(nossa natureza humana, inclinada Jesus veio trazer uma vida me-
ao pecado), o resultado será cor- lhor ao homem, e essa vida só
rupção, podridão, decomposição, pode existir na força do Espírito. No
decadência. Se for a área do Espí- entanto, Deus não desconsidera o
rito (nossa natureza regenerada, in- potencial humano para atuar. Ele
clinada para Deus), a colheita será conta com você para melhorar a
vida eterna – relacionamento íntimo sua própria vida!
com Deus (Jo 17.3).
Quais as sementes que você PARA PENSAR E AGIR
está lançando sobre sua vida? Que Ande com Deus e seja equili-
pensamentos você nutre acerca de brado. Se não conseguir, continue
si mesmo, do outro, do mundo, de tentando! O fruto ainda está cres-
Deus e da vida? Quais as emoções cendo ou amadurecendo. Mas está
que você extravasa e quais os sen- em você!
timentos que você controla? Quais O Espírito Santo controla a sua
os hábitos que você está construin- vida? A plenitude do Espírito é pos-
do e quais os que você está aban- sível a todo aquele que tem sede
donando? O que sequestra os seus (Jo 7.37,38) e que vai a Jesus, para
sentidos, o seu tempo, a sua ener- beber continuamente, buscando-o
gia e os seus interesses? Quer gos- com fé, ardentemente!
te ou não, os resultados da sua se-
Cuide mais da sua vida, ande
meadura vão brotar, cedo ou tarde!
com Deus e curta as cenas dos pró-
Qualquer cristão sincero sofre, ximos capítulos!
ao perceber em seu interior, sen-
timentos e pensamentos reprová-
veis. Todavia, Deus nos capacita a Segunda: Gálatas 5.22,23
vencer nossas próprias misérias,
Terça: João 15.1-10
doando-nos o seu próprio Espírito
– o dom do Espírito! (At 2.38). Em Quarta: 1Coríntios 9.19-27
Leitura Diária

Cristo, nós podemos vencer as nos- Quinta: Gálatas 5.16-21


sas fraquezas! Creia! Sexta: Romanos 7.14-25
Uma vida produtiva, no poder Sábado: Gálatas 6.1-10
do Espírito, é possível! A recomen-
Domingo: João 7.37-39
dação bíblica é: “andar no Espírito”

59
DATA DO ESTUDO

LIÇÃO 13
Texto Básico: Gálatas 6.14-15 – NVI

UM RELIGIOSO OPRIMIDO OU
UM DISCÍPULO LIVRE?

“Quanto a mim, que eu jamais regras religiosas não os impediam


me glorie, a não ser na cruz de de se prejudicarem mutuamente,
nosso Senhor Jesus Cristo, por por meio de um relacionamento
meio da qual o mundo foi crucifica- egoísta e beligerante1. Diante dis-
do para mim, e eu para o mundo. so, Paulo orienta que vivam guia-
De nada vale ser circuncidado dos pelo Espírito (v.16).
ou não. O que importa é ser uma
nova criação”. (Gl 6.14-15 – NVI). 1 – A DESGRAÇA PODE SER
Aceitei Jesus! E agora? As PRODUZIDA POR UM
obras da carne somem e o fruto RELIGIOSO OPRIMIDO
do Espírito aparece? Recebemos Você já reparou que boa parte
Jesus e tudo muda? É simples as- dos nossos sofrimentos e fracas-
sim ou é mais complexo? Embo- sos ocorre por alguma decisão
ra Paulo esteja escrevendo para que tomamos no passado? Mui-
cristãos, Gálatas 5.15 sugere que, tas pessoas estão padecendo por
ainda que eles estivessem prati- causa do que fizeram ou do que
cando a religião rigorosamente, as deixaram de fazer! Muitos estão
1 - Um relacionamento combativo, belicoso, típico de quem faz guerra. Beligerante = Aquele que está em guerra ou
que faz guerra.

60
sofrendo certos males porque ali- disponíveis a todo aquele que re-
mentam pensamentos e sentimen- cebeu o Espírito de Deus. E essas
tos destrutivos, ou porque se per- virtudes não dependem de como
mitem influenciar por pessoas ou o outro seja conosco, para que se
por informações que se opõem à manifestem nas nossas vidas, mas
vontade de Deus. Cedo ou tarde o de quem vive em nós: o Espírito de
que está em nosso coração vai con- Deus (Gl 5.22-26)!
trolar a nossa vida! Cuidado! No último capítulo, os gálatas
Se você é livre, viva em liberda- são instruídos a cumprir a lei de
de (Gl 5.1)! Afinal, você foi chamado Cristo, apoiando os irmãos que
para não se deixar dominar, para vi- precisam de ajuda contra os ape-
ver com responsabilidade, para ser los da carne, que tropeçam diante
das tentações da vida. Paulo re-
bênção em sua geração (Gl 5.13).
comenda que os mais espirituais
O pecado mata o nosso relaciona-
trabalhem na restauração dos mais
mento com Deus, conosco e com o fracos na fé. O apóstolo recomen-
próximo. A salvação nos regenera da, também, que eles sustentem
para a restauração desses relacio- aqueles que ministram a Palavra,
namentos (Mt 22.37-40). Somente como retribuição pela orientação
em Cristo, o coração humano pode espiritual que recebem e visando a
dar prioridade a Deus, ser solidário disponibilidade e possibilidade des-
com o outro e gentil consigo mes- se ministério. (Gl 6.1-6).
mo, de modo equilibrado. Antes de concluir o último capí-
tulo, esta carta registra que aque-
2 – O DISCÍPULO MELHORA O le que planta, colhe. E orienta que
SEU CONDICIONAMENTO todos plantem o bem e não se
ESPIRITUAL CONTINUAMENTE cansem de praticá-lo. Porque vale
a pena fazer o bem, por mais que
Andar na plenitude do Espíri- não pareça. Enquanto alguns se or-
to (Ef 5.18) ajuda até nos relacio- gulham de seus esforços humanos,
namentos com pessoas difíceis, que nos orgulhemos no que Cristo
levando-nos a voos mais altos, fez por nós. E que nossas marcas
mesmo em meio a ventos contrá- sejam resultado do nosso sofrimen-
rios. Por isso, precisamos andar no to por Aquele que morreu por nós!
Espírito para que possamos vencer (vv. 7-18). Assim, o apóstolo conclui
nossas fraquezas. Amor, alegria e sua carta, recomendando a vida no
paz fluem de Deus para alcançar Espírito, de modo que cada um viva
todas as áreas da nossa vida, fa- da melhor forma possível, não para
zendo com que sejamos mais pro- conquistar a salvação, mas por ser
dutivos, experimentando mais de dirigido pela vida de Deus, manifes-
Deus! Paciência, ternura e bonda- ta em Cristo Jesus, que passa a vi-
de são virtudes cristãs que estão ver através de seus seguidores.

61
3 – EM CRISTO, PODEMOS truindo. Porque o escravo não se
domina, mas é subjugado por suas
VENCER AS FRAQUEZAS próprias fraquezas.
HUMANAS...
Que as escolhas geram con-
Temos inclinações para satisfa- sequências, ninguém discute! Por
zer os nossos mais secretos desejos. isso, precisamos escolher o que
E esses desejos estão centralizados queremos que influencie nossos
em nosso egoísmo. No entanto, não pensamentos, nossos sentimentos
vivemos sozinhos. Vivemos em so- e nossas ações. Isso exige discipli-
ciedade! Uma pessoa entregue aos na! Não basta a mera esperança:
seus interesses particulares é uma “Um dia vacilarei menos!”, como se
pessoa derrotada por si mesma. É tudo acabasse num passe de má-
por causa do egoísmo que prejudi- gica. Não basta apenas desejar ser
camos o ambiente, a família, a so- um crente melhor. É preciso ter uma
ciedade, a saúde, os relacionamen- vontade forte, dizer “NÃO!” ao peca-
tos e a comunhão com Deus. do, buscar o Pai com toda a alma,
A Bíblia apela para a nossa von- dispor-se a fazer o que a Bíblia
tade que, às vezes, vai se opor aos manda e rejeitar o que for contrário,
nossos desejos. Os desejos nos para que, então, experimentemos
arrastam para o bem-estar, para o o governo de Deus sobre nós. As-
sim, experimentaremos a realidade
conforto, para o prazer. Geralmen-
que Deus quer implantar na vida de
te, estão em torno do curto prazo.
cada um de nós.
A vontade é um combustível para
enfrentar o desprazer e atravessar Esse texto defende o pecado?
o desconforto em favor do cresci- De modo algum! Entretanto, ele
mento, da maturidade, do desen- ataca a hipocrisia dos que erram e
volvimento, seja no âmbito pessoal, responsabilizam os outros, em vez
profissional, espiritual ou em qual- de se consertarem! Esse discurso
quer outra esfera que requeira in- não se propõe a atacar, de manei-
vestimento e esforço. ra nenhuma, a autoestima de nin-
guém. Pelo contrário, precisamos
O desejo nos assemelha aos nos amar, apesar de sermos como
animais, os quais procuram satis- somos! Até porque, ainda assim,
fazer os apetites imediatos, irracio- somos amados por Deus! A inten-
nalmente. A vontade, pelo contrá- ção desse texto é alertar o leitor
rio, é fruto de reflexão. O que é bom para a realidade do pecado, que
para mim? O que não é? O que eu tão de perto nos assedia (Hb 12.1),
ganho ao me entregar a esse dese- advertindo a todos, para que seja-
jo? O que eu perco ao renunciá-lo? mos prudentes na condução das
Quem é escravizado por qualquer nossas próprias vidas e compas-
prática pecaminosa, está se des- sivos diante da queda dos outros,

62
olhando “com simpatia, os erros de pode guardar, em plena paz, seu
um irmão”, e ajudando com bran- coração e sua mente), de ser pa-
da compaixão, como orienta o hino ciente na tribulação, de fazer coisas
381, do Cantor Cristão! boas com boas motivações, de ser
Quando recebemos Jesus como confiável e confiante, manso e con-
nosso Salvador (Jo 1.12), fomos trolado. Vamos cuidar de gente e
batizados por Ele (Jo 1.33) em um agradar a Deus, porque vale a pena
só Espírito, no seu corpo – a Igreja ajudar os outros. E nem sempre po-
(1Co 12.13). Quando isso aconte- deremos semear. Vamos cuidar de
ceu, recebemos o dom do Espírito gente e agradar a Deus, ajudando
(At 2.38), que é o próprio Espírito uns aos outros e sendo bênçãos
Santo em nós, como presente de para outros.
Deus – a vida de Deus! Vai ser fácil? Não! Então, vá à
Todos os que bebemos desse luta!
Espírito, recebemos a marca da
promessa: Deus em nós como mar- PARA PENSAR E AGIR
ca de propriedade (Ef 1.13), garan- Deus QUER o melhor para mim
tia de vitória (Ef 1.14) e de poder e para você. O que você QUER
espiritual (At 1.8). Para a expansão para a sua vida? Não perguntei o
do Reino, alcançando o mundo que você deseja, mas o que você
(Mt 28.19,20) e edificando a Igreja, QUER para a sua vida? Já definiu o
através dos dons distribuídos pelo que QUER?
Espírito Santo (1Co 12.4-7), que
Qual o próximo pequeno passo
realiza a obra de Deus através de
para o Espírito dominar mais uma
nós e nos capacita para o ministério
área da sua vida?
do jeito que Ele quer (1Co 12.11).
Depender de Deus para frutificar
De acordo com os textos apre-
significa não fazer nada para produ-
sentados, se você já recebeu o Es-
zir frutos?
pírito no ato da conversão – por Je-
sus, você tem o Espírito de Deus e a
vida de Deus reside em você! Sen-
do morada do Espírito, você pode
desenvolver os dons espirituais que Segunda: Gálatas 5.1-26
o Espírito distribuiu para que você Terça: Gálatas 6.1-18
tenha uma vida cristã produtiva! Quarta: João 1: 9-13; 29-34

Leitura Diária

Quinta:
CONCLUSÃO
Efésios 1.13,14
Sexta: Mateus 28.18-20
Que a partir de hoje você tome a Sábado: Hebreus 12.1,2
firme decisão de amar os não amá- Domingo: Atos 1.3-11
veis, de se alegrar em Deus (que

63
Currículo
2019
Primeiro Trimestre Revista da Convenção Batista Fluminense
Ano 15 - n° 59 - Outubro / Novembro / Dezembro - 2018
VERDADES INEGOCIÁVEIS
(Doutrina Batista) Diretor Executivo: Pr. Dr. Amilton Ribeiro Vargas
Pr. Hudson Galdino
Diretoria da Convenção Batista Fluminense:
Presidente: Pr. Vanderlei Batista Marins
Primeira Vice-Presidente: Profª. Esmeralda Oliveira Augusto
Segundo Vice-Presidente: Pr. Ronem Rodrigues do Amaral

Seja Mordomo Terceiro Vice-Presidente: Pr. Eber Silva


Primeiro Secretário: Pr. Felipe Silva de Oliveira
Segundo Secretário: Pr. Juvenal Gomes da Silva
Terceiro Secretário: Pr. Luciano Cozendey dos Santos
Quarto Secretário: Pr. Ceza Alencar Rodrigues
Algumas Igrejas
poderão estar Diretor de Educação Religiosa:
Pr. Marcos Zumpichiatte Miranda
recebendo mais
revistas que o número Redator: Pr. Marcos Zumpichiatte Miranda
Revisão Bíblico Doutrinária: Pr. Jailton Barreto Rangel
de jovens e adultos Pr. Elias Muniz dos Santos

matriculados na EBD Pr. Pedro Salvador de Azevedo


Pr. Oswaldo Luiz Gomes Jacob
ou em outro grupo
de estudo bíblico. Revisão e copidesque: Edilene Oliveira

Por favor, avise a Produção Editorial, Diagramação e Impressão:


Print Master Editora (22) 3021-3091
Convenção se for este
o seu caso. Queremos Distribuição:
Print Master Editora
investir seu dízimo
também em outros Convenção Batista Fluminense
Rua Visconde de Morais, 231 - lngá - Niterói - RJ
projetos. CEP 24210-145
Tel.: (21) 2620-1515
E-mail: contato@batistafluminense.org.br

Acesse nosso site:

www.batistafluminense.org.br

Похожие интересы