You are on page 1of 4

Capacidade de carga de fundações superficiais em solos moles

reforçados com geossintéticos

Jessika Caroline Moura Rodrigues1 (IC)*, Paulo Márcio Fernandes Viana2 (PQ)
jessika764@hotmail.com

Rodovia BR 153, 3105 - Fazenda Barreiro do Meio, Anápolis - GO, 75132-903

Resumo: Em muitos casos dentro da Engenharia civil faz-se necessário o uso de determinados
recursos para aprimorar características dos materiais de construção. No caso do projeto apresentado
a seguir, o foco da pesquisa está no reforço de solos moles através da ação de geossintéticos, os
quais são substâncias originárias dos polímeros, cuja natureza sintética e química torna-os
adequados para utilização em obras de terra onde há exigência de um alto nível de durabilidade e
resistência. Assim, o estudo consistiu na realização de ensaios de simulação de tráfego e de
CBR/ISC para comprovar a eficiência do material sob uma amostra de areia de rio. Os resultados dos
testes revelam um incremento significativo da resistência mecânica da areia devido a presença do
geossintético. Dessa forma, a pesquisa salienta a importância do uso de tais elementos na
construção de aterros sobre fundações de solos moles, o que acarretará em melhoria de
propriedades para o solo e garantirá uma estabilidade maior para a obra.

Palavras-chave: Aterro. Geossintéticos. Resistência.

Introdução

O uso de geossintéticos como reforço em solos tornou-se comum a partir do


século XX, com o advento de polímeros sintéticos e o desenvolvimento de técnicas
de fabricação de geotêxteis tecidos e não tecidos. Na década de 70, o emprego de
geossintéticos se popularizou, com a chegada dos geossintéticos não tecidos
agulhados que apresentavam baixo custo de produção (MARQUES, 2008).
A utilização de geossintéticos tem se tornada intensa nos últimos anos, seja na
substituição de materiais de construção tradicionais ou, ainda, como reforço dos
materiais naturais (MARQUES, 2008). Isto porque, estes, são uma boa alternativa às
soluções geotécnicas tradicionais, principalmente no que diz respeito à economia, e
ainda, por serem menos sensíveis a recalques diferenciais. Outro fator de extrema
importância é a minimização de impactos ambientais (ARAÚJO, 2008).
Uma das aplicações de maior importância tem sido a utilização sobre solos
moles (Nspt < 5). Esta aplicação torna-se mais evidente em áreas menos
valorizadas cuja capacidade de carga do solo não é adequada. Esta pesquisa
propõe-se a investigar a melhoria da capacidade de carga em solos muito moles
reforçados com Geossintéticos (CHAIYAPUT et al., 2014; ARAUJO et al., 2012)

Material e Métodos

Foi realizada uma pesquisa sobre utilização de geossintéticos para reforço de


solos moles, através de referencial teórico proveniente de artigos de pesquisadores
renomados na área de Geotecnia. Assim, foi produzido um artigo científico, visando
a explicação do trabalho e mostrando os ensaios utilizados na pesquisa.
Foram realizados ensaios no laboratório de Mecânica dos Solos da UEG. O
princípio metodológico norteador desta pesquisa consiste em realizar ensaios que
permitam obter o valor da Razão de Benefício – RB para o índice de suporte
california ISC e para simulação de tráfego na situação não reforçada e reforçada
com diferentes geossintéticos.
Para tanto, serão realizados ensaios em quatro diferentes situações: Solo não-
reforçado - SNR, solo reforçado com geossintético A - SRA, solo reforçado com
geossintético B – SRB e solo reforçado com geossintético C – SRC.
Para cada situação de solo reforçado será prevista a instalação do
geosisntético em altura acima da amostra do solo mole H = D/2, onde D é a altura da
amostra. Ainda, serão realizadas três repetições de ensaios referência (solo não
reforçado), um ensaio para cada tipo de reforço SRA, SRB e SRC, totalizando 6
ensaios reforçados para ambos os equipamentos.
Para possibilitar a execução do solo reforçado será construído uma camada de
areia fofa (aterro) sobre o solo mole (corpo de prova - amostra) na qual serão
instalados os reforços, como especificado.

Resultados e Discussão

Para o ensaio de simulação de tráfego, foram confeccionados gráficos


mostrando as curvas de fluxo, para cada situação (não-reforçado e reforçado).
Percebeu-se uma diferença na profundidade da marca do pneumático nos ensaios
sem e com geossintético, mostrando o ganho de resistência da areia através da
colocação do material no seu interior.
Os ensaios mostram a técnica de reforço de solos com geossintéticos, a qual
consiste em combinar estes dois materiais distintos e com funções complementares,
de forma a aumentar a resistência e diminuir a deformação do solo (MENDES,
2006). Os solos compactados apresentam boa resistência à compressão e ao
cisalhamento; em contrapartida, baixa resistência a tração. O reforço do solo permite
incorporar resistência a tração, melhorando as características mecânicas do material
composto (MORAES, 2002). Os geotêxteis e as geogrelhas são os geossintéticos
mais utilizados como elemento de reforço de solos (MACCARINI, 2009).
Para o ensaio de CBR, ainda estão sendo estudados os resultados.

Considerações Finais

Além de proporcionar incremento de propriedades do solo, o uso de


geossínteticos como reforço de solos também é vantajoso principalmente pelo baixo
custo deste material em comparação a outros materiais tradicionais. Além disso há
possibilidade de execução de estruturas mais íngremes e com menor volume de
aterro compactado e a minimização de impactos ambientais.

Agradecimentos

A Deus, à minha família e ao professor orientador Paulo Viana, pelo apoio concedido
ao longo do projeto.

Referências

ABNT:NBR 12553. Geossintéticos – Terminologia, 3p.


ABNT:NBR 9895. Solo - Índice de suporte Califórnia - Método de ensaio, 14p.
ARAÚJO, L.M.A. Mecanismos de interação solo-geossintético – Ensaios de
Arranque. Dissertação de Mestrado: Universidade de Aveiro, Departamento de
Engenharia Civil, 2008.
LACKNER, C; BERGADO, B, K; SEMPRICH, S. Prestressed reinforced soil by
geosynthetics – Concept and experimental investigations. Original Research
Article Geotextiles and Geomembranes, Volume 37, April 2013, Pages 109-123.
MACCARINI, F. J. Análise da estabilidade de aterro sobre solos moles.
Monografia: Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2009.

MARQUES, D.A.O. Reforço de solos de fundação com colunas de jet grouting


encabeçadas por geossintéticos. Dissertação de Mestrado: Faculdade de
Engenharia, Universidade do Porto, 2008.

MENDES, M.J.A. Comportamento carga alongamento de geotêxteis submetidos


à tração confinada. Dissertação de Mestrado: Universidade de Brasília, 2006.

MORAES, C.M. Aterros reforçados sobre solos moles – Análise numérica e


analítica. Dissertação de Mestrado: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

PALMEIRA, E. M. Solo Reforçado. Manual Técnico Huesker. São Paulo: 1999.

SAYÃO, A.; SIEIRA, A.C.; SANTOS, P. Reforço de Solos. Manual Técnico


Maccafferri. São Paulo: 2009.

SIEIRA, A.C.C.F. Estudo Experimental dos Mecanismos de Interação Solo-


geogrelha. Tese de Doutorado: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,
2003.