Вы находитесь на странице: 1из 36

MANUAL DE COMPOSTAGEM

DOMÉSTICA

Santa Bárbara d’Oeste


2017
Manual de Compostagem Doméstica
Secretaria Municipal de Meio Ambiente

Santa Bárbara d’Oeste, SP – 2015


ÍNDICE

qPor que cuidar de nossos resíduos? Pg. 01

qO que é Compostagem? Pg. 03

qO que é Vermicompostagem? Pg. 04

qComo montar uma Composteira Pg. 05

qCompostagem: Problemas e Soluções Pg. 13

qComo montar uma Vermicomposteira Pg. 15

qVermicompostagem: Problemas e Soluções Pg. 30

qDúvidas Pg. 33

qReferências Pg. 34
Muito obrigado pela iniciativa e bem vinda(o) ao
g r u p o d e p e s s o a s q u e b u s ca ca d a v e z m a i s
incorporar hábitos sustentáveis ao dia-a-dia!

Esse pequeno manual irá apresentar algumas dicas


importantes de como tratar a maioria dos resíduos
orgânicos gerados em sua residência.

E s p e ra m o s q u e v o c ê a p r e n d a a t é c n i c a d e
compostagem se sinta motivada(o) a espalhar essa e
outras atitudes sustentáveis para outras pessoas.

Obrigado!

Secretaria Municipal de Meio Ambiente


Santa Bárbara d’Oeste - SP
Por que cuidar de nossos resíduos?

Todos os dias, em todas atividades que fazemos


geramos vários tipos de resíduos e a maioria deles
apenas jogamos na lixeira mais próxima e depois
colocamos em sacos para que os coletores de lixo o
levem ele o mais distante possível de nossas casas.

Mas você já se perguntou para onde eles levam os


seus resíduos?

Em Santa Bár bara d’Oeste o s re s í d u o s s ã o


encaminhados para o Aterro Sanitário Municipal, lá
ele é aterrado conforme técnicas de engenharia
para que não ocorra poluição do solo, da água ou
do ar.

Mas vamos das uma olhada na composição dos


resíduos que os barbarenses geram: 1
Por que cuidar de nossos resíduos?

Os orgânicos representam quase a metade dos resíduos


que geramos em nossas residências. Quando destinados
para os aterros sanitários, os resíduos orgânicos geram
gases que são tratados e um líquido escuro chamado
chorume, que em contato com os outros resíduos lá
existentes, como pilhas, resíduos de banheiro, metais etc
acabam por se contaminar.

Será que não existe nada mais útil para fazermos com
nossos resíduos orgânicos?
2
O que é compostagem?
A Compostagem é uma técnica de “reciclagem”, no qual os
resíduos orgânicos (restos de alimentos, folhas secas, restos
de vegetais, podas de grama, palhas, serragem, etc.) são
transformados através da ação de fungos, bactérias, insetos,
entre outros, em um excelente adubo que pode ser utilizado
em hortas e jardins.

3
E vermicompostagem?
A vermicompostagem também é um método de
“reciclagem” de resíduos orgânicos, porém ela utiliza
o trabalho das minhocas para transformar os resíduos
orgânicos em um adubo, mas além disso ela também
gera um fertilizante líquido muito bom.

Vamos montar uma?


Para decidir qual tipo montar, qual tamanho e o local
de instalação da composteira ou vermicomposteira é
importante pensar na quantidade de resíduos
orgânicos que você gera na sua residência, ou no local
onde irá montar e também é importante ver o espaço
disponível que você tem.
4
Composteira

Como foi dito, a composteira deve ser feita conforme o


espaço disponível em sua residência. Por exemplo, existem
composteiras feitas diretamente no chão, outras em
tambores, em caixotes de madeira, ao redor de árvores etc.
A composteira deve estar localizada em local arejado e
sombreado, podendo ser construída tanto em ambientes
externos quanto internos.

5
Quais resíduos devem ser utilizados?
Os materiais que devemos colocar em uma
composteira são divididos em 2 grupos:

6
Proporção

Na hora de montar a composteira misture para cada 2


ou 3 volumes de resíduos secos, 1 volume de resíduos
úmidos. Lembre-se de sempre separar uma parte dos
resíduos secos para cobrir os úmidos, evitando assim
a presença de moscas no processo.

7
Adicionando os materiais

Para que a compostagem aconteça de forma mais


rápida, pique os resíduos para que eles fiquem
pequenos, facilitando assim o trabalho de
decomposição dos resíduos orgânicos.

Na compostagem evite triturar os resíduos úmidos, para


não atrapalhar o fluxo de oxigênio.

8
Cuidados com a escolha dos resíduos úmidos

Frutas, legumes, verduras, grãos e sementes,


sachês ou ervas de chá (sem etiqueta), flores
secas, borra de filtro de café, casca de ovo.

Frutas cítricas, alimentos já cozidos e


temperados, guardanapos e papel toalha
com pouco óleo, laticínios, flores e ervas
(medicinais e aromáticas).

Óleos, carnes, gordura, limão, temperos


fortes (pimenta, alho e cebola), sopas, caldos,
feijão iogurte, leite, bebidas alcoolicas, fezes
d e a n i m a i s d o m é st i co s , j o r n a l , p a p e l
higiênico, papelão, bituca de cigarro e
medicamentos.
9
Acompanhamento
Temperatura – Durante o processo de compostagem ocorre
liberação de calor, isso por que os microorganismos envolvidos
geram calor enquanto degradam os resíduos orgânicos.

O início do processo mostra uma grande elevação de


temperatura que se mantém por um período e depois começa
a cair até que o composto fique pronto.

Para acompanhar a temperatura da compostagem não há a


necessidade de se uti l i za r um ter m ô m etro o u o utro
equipamento específico, com uma pequena haste metálica
você pode acompanhar a elevação da temperatura. Insira a
haste no monte por alguns segundos retire e toque-a para
sentir o aumento da temperatura.

10
Acompanhamento
Umidade – Assim como para nós, a água é muito
importante para as bactérias, fungos e insetos que realizam
a compostagem. Portanto, é necessário monitorar a
quantidade de água presente na leira de compostagem. Não
pode haver muita, nem pouca água.

Como saber a quantidade ideal?

Teste da umidade

Pegue um punhado de resíduos em


decomposição com as mãos e aperte (de
preferência utilize uma luva) :

1. Se pingar, a pilha está muito úmida.


Adicione mais resíduos secos.

2. Se a mão continuar seca, a pilha


está com falta de água – neste caso
é só adicionar resíduos úmidos
e/ou um pouco mais de água.11
Acompanhamento
Oxigenação – O oxigênio é fundamental para que o
processo de compostagem ocorra de forma satisfatória, sem
e l e o p ro c e s s o f i ca m u i to m a i s l e nto e exa l a o d o r
desagradável. Não há a necessidade de adquirir nenhum
equipamento específico para aerar a composteira, apenas
revire os resíduos a cada 2 dias que já estará proporcionando
a quantidade de ar necessária.

Troca de leira– após 15 ou 30 dias montando uma leira,


pare de adicionar resíduos e comece a montar outra para o
processo de compostagem seja finalizado. Nesse momento
também deve-se parar de adicionar água e o revolvimento
pode ser semanal ou quinzenal.

Resultado – Após um período de 60 a 90 dias do início do


processo os resíduos se transformarão em uma terra escura e
com um agradável cheiro de terra.

12
Problemas e Soluções
Problema Possível Causa Solução
Leira muito
Diminuir a leira.
Temperatura grande.
muito elevada Oxigenação
Revirar a leira.
insuficiente.

Muitos resíduos Adicionar mais


secos. resíduos úmidos.
Processo Lento Diminuir o
Resíduos muito
tamanho dos
grandes.
resíduos.
Leira muito Adicionar mais
pequena. resíduos.

Umidade
Adicione água.
Temperatura insuficiente.
muito baixa Oxigenação
Revire a leira.
insuficiente.

Excesso de Adicione
resíduos secos. resíduos úmidos.

13
Problemas e soluções
Problema Possível Causa Solução

Adicionar
Umidade
resíduos secos e
excessiva
revirar a leira.

Cheiro de “podre”

Compactação da Diminua o
leira. tamanho da leira.

Cheiro de Muito resíduo Adicionar


“amônia” úmido. resíduos secos.

Retirar esses
Pragas (Ratos, Restos de carnes, resíduos, não
baratas, larvas, peixe, laticínios, adicionar mais e
moscas) gordura, etc. cobrir a leira com
resíduos secos.

14
Vermicompostagem

Na vermicompostagem a “reciclagem” de resíduos


orgânicos é feita pelos “trabalho” das minhocas,
portanto, a parte mais importante da
vermicompostagem consiste em criar uma ambiente
agradável para que as minhocas possam trabalhar
na reciclagem de nossos resíduos orgânicos.
Várias empres as vendem
vermicomposteiras prontas pela
internet, mas veja a seguir como
montar a sua caso você queira se
aventurar em montar uma!

I M P O R TA N T E : O m a n u a l d e
m o nta ge m é p a ra s e r u t i l i za d o
apenas por um adulto.

15
16
Tamanho e Local
O primeiro passo para se montar uma
vermicomposteira é verificar qual o tamanho
necessário para a sua geração de resíduos e o local
onde ela será instalada.

A escolha do tamanho da vermicomposteira deve ser


feita de acordo com a quantidade de resíduos que
serão colocados nela diariamente:

Veja a seguir o resumo do funcionamento de uma


vermicomposteira.
17
Materiais necessários:
Para montar uma vermicomposteira doméstica você
vai precisar dos seguintes:

01 – Furadeira;

01 – Broca para madeira de 2 a 3 mm;

01 – Broca bem fina (No máximo 1 mm);

03 – Caixas/Baldes com tampa de acordo com a sua


geração de resíduos orgânicos (Pág. 16);

No mínimo 10 minhocas californiana (Eisenia andrei ou


Eisenia Foetida)

Composto pronto ou Terra vegetal para cobrir 5cm do


fundo de 1 caixa/balde utilizado;

1 lixeira exclusiva para resíduos orgânicos;

Um local para conseguir e armazenar resíduos secos


(Serragem, Folhas secas, etc)

Equipamentos de Proteção Individual (Óculos, luvas, etc.)

01 Faca ou Estilete; 18
Montando a sua:
1 – Com a furadeira e com as brocas de madeira de 2 –
4 mm faça diversos furos no fundo de APENAS 2
caixas/baldes .

Os furos são
importantes, pois
p e r m i te m q u e a s
minhocas possam
trocar de recipientes
e, também, que o
líquido gerado seja
drenado para o
último balde.
19
Montando a sua:
2 – Com o auxílio de uma faca ou estilete corte
APENAS 2 tampas do baldes, conforme
demonstrado na foto abaixo (IMPORTANTE: Tome
muito cuidado para não se machucar):

Essa tampa deve ser utilizada nos 2 baldes/caixas


que estiverem embaixo e tem como função deixar
os baldes/caixas empilhados(as).
20
Montando a sua:
3 – Com a furadeira e a broca de 1 mm faça diversos
furos nas laterais dos baldes/caixas que já possuem
furos no fundo:

Esses furos permitem que ocorra a troca de


oxigênio e de calor.

IMPORTANTE: Os furos devem ser pequenos para


evitar a fuga das minhocas ou o aparecimento de
moscas; 21
Montando a sua:
4 – Com a furadeira e broca de 1mm faça furos na
tampa que sobrou:

Estes furos tem a mesma função dos furos ao lado


dos baldes. Troca de calor e oxigênio.

O balde que sobrou não deve ser furado, pois será


utilizado como contenção dos líquidos
(biofertilizante) gerados. Você pode adicionar uma
torneira nesse último balde para facilitar a coleta de
22
líquidos, porém isso é opcional.
Montando a sua:
5 – Ela deverá ser montada da seguinte
forma:
Tampa com
furos pequenos;

Balde/Caixa
com furo do
lado e embaixo;

Tampa cortada;

Balde/Caixa
com furo do
lado e embaixo;

Balde para os
líquidos;

23
Começando a utilizar:
Para dar início à utilização, deixe apenas o
balde/caixa para o biofertilizante e um balde/caixa
em cima dele/a:
Tampa com furos
pequenos.

5 cm de terra
vegetal ou composto
+ minhocas.

Balde/Caixa para os
líquidos.

O balde/caixa superior deverá ser montado com os


5 cm de terra vegetal ou composto e as minhocas. A
partir disso ele já está pronto para receber os
resíduos. 24
Adicionando os resíduos orgânicos:
Para a adição dos resíduos orgânicos, é indicado que
estes sejam cortados ou triturados para facilitar o
trabalho das minhocas. Além disso, eles devem ser
misturados com um pouco de resíduos secos,
colocados em um monte e cobertos com mais
resíduos secos para evitar o aparecimento de moscas.

Com isso o processo de decomposição acontecerá de


forma correta e também não aparecerão moscas.

25
Adicionando o próximo balde/caixa:
Quando o primeiro balde/caixa estiver cheio, coloque
o vazio em cima, e monte-o da mesma forma como
foi feito no primeiro balde/caixa. Deixe a tampa com
os furos pequenos no balde/caixa de cima. Ficará
assim:

26
Troca de baldes/caixas:
Depois de encher o outro balde/caixa realize então
a troca de posição deles. Nesse momento é possível
fazer a retirada do composto pronto. É importante
que o processo da compostagem perdure por um
período de, pelo menos, 30 dias para que o
composto seja retirado com boa qualidade. Se as
suas 2 caixas ficaram cheias antes disso, é preciso
aumentar a capacidade da sua vermicomposteira.
Nesse caso, você pode colocar apenas mais um
outro balde/caixa em cima, ou montar outro
sistema. Para fazer a retirada, primeiro troque as
caixas de posição:

27
Retirando o composto:
Deixe o balde/caixa superior exposta ao sol por pouco tempo
para que as minhocas desçam para o fundo da caixa:

Com cuidado retire o composto da caixa até que sobre uma


camada de 5 a 7 cm de composto no fundo com as minhocas.

O composto retirado pode ser peneirado para a retirada de


uma eventual minhoca ou algo que ainda não tenha se
degradado. Retorne esses materiais retido s pa ra o
balde/caixa e volte ao processo de adição de resíduos nele.

28
Excessos de água (conteúdo da caixa muito
úmido).
As minhocas estão agrupadas
na parte de cima da caixa Também acontece quando chove, devido a
sensibilidade das minhocas às mudanças
atmosféricas.

Composto líquido com odor


Minhoca morta afogada no composto líquido.
desagradável.

Pouca aeração, excesso de líquido ou alimentos


Odor desagradável na caixa cozidos ou cítricos em excesso.
digestora. Alimentos difíceis de compostar, como carne,
peixe, lacticínios e gorduras.

Intoxicação. Verifique se não foi colocado


nenhum elemento estranho (serragem com
produto químico, ervas aromáticas em excesso,
etc.)
As minhocas estão fugindo da
Verifique se não há inimigos naturais, como larvar
composteira.
de moscas (bigato), formigas, centopéias ou
lacraias.

Verifique se a composteira está exposta ao sol ou


perto de uma fonte de calor.

Fungos na composteira Certos alimentos emboloram.

Incidência de drosophilas, Alimentos descobertos, decomposição lenta


mosquitos, moscas, larvas ou (pouca aeração) ou ambiente ácido (excesso
baratas cítricos).

Além das minhocas há


outros insetos na Biodiversidade da composteira.
composteira.

29
SOLUÇÃO

Insira mais matéria vegetal seca ao colocar os alimentos e retire o líquido


com maior frequência.

Não precisa fazer nada, isso é normal. Em seu habitat natural elas subiriam
para não se afogarem.

Esvazie e lave a caixa coletora. Retire o líquido pela torneira regularmente.


Preferencialmente uma vez por semana.

Revolva o conteúdo da caixa e insira um pouco de matéria vegetal seca para


oxigenar o sistema.

Não ponha esses alimentos na composteira doméstica com minhocas.

Retire esse elemento e deixe a caixa destampada por algumas horas.

Retire esses inimigos naturais da composteira e monitore nos próximos dias


para controlar possível reinfestação.

Coloque a composteira em lugar que não receba sol e longe de fontes de


calor.

É normal, os fungos também são agentes decompositores.

Verifique o motivo, corrija-o e siga as orientações contidas nesse manual.

É normal aparecer diversos organismos e insetos na composteira, eles


também são agentes decompositores e não prejudicam as minhocas.
fonte: http://issuu.com/moradadafloresta/docs/manual_morada_da_floresta_2014 30
Composto líquido
O composto líquido (biofertilizante) é ótimo para ser
utilizado como adubo, porém ele é muito forte e
deve se diluído antes da sua utilização.

Dessa forma, colete o líquido em uma garrafa e dilua


em 10 vezes, isto é, para cada 500mL coletados, faça
uma mistura com água de 5L.

31
Dúvidas?
Caso ainda reste alguma dúvida, entre em contato
conosco.

Secretaria Municipal de Meio Ambiente

Estrada do Barreirinho, 1010 – Chácara Wolf


Bairro Parque Eldorado
(19) 3464-9010
meioambiente@santabarbara.sp.gov.br

Acesse também:

Grupo Composta São Paulo - Facebook

https://www.facebook.com/groups/compostasaopaulo/?fref=ts

32

Похожие интересы