Вы находитесь на странице: 1из 22

14

Estudos Cadeias Produtivas para produtos Florestais


não madeireiros (PFNM) e análise das barreiras à
comercialização
15

1 INTRODUÇÃO
É notável e crescente o interesse no País pelos Produtos Florestais Não-Madeiráveis (PFNM), não
apenas pelo potencial econômico que esses Produtos oferecem e que poderá ser evidenciado mediante a
valoração desses produtos com acréscimos de utilidades nos locais produtivos e com ajustes – mudanças
tecnológicas em cadeias produtivas de PFNM1 mas, porque o extrativismo se mostra de grande importância
social, econômica e ambiental. Importância ambiental, porque as extrações, ao se realizarem
prioritariamente em pequenas propriedades, resguardam parte importante da biodiversidade das florestas
nativas: as fontes e habitats desses fluxos produtivos são preservadas por populações tradicionais em áreas
reservas extrativistas.

Em outro sentido, - favorecido–impulsionado pelo desmatamento que, com frequência, precede à


expansão agrícola e pecuária, à mineração, à construção de estradas e à urbanização, entre outras atividades
do economicismo, com efeitos como os de invasão de espécies exóticas ao bioma ou local, poluição, perda
da biodiversidade etc., registram-se ameaças e perdas de riquezas biológicas impulsionadas pela “destruição
e fragmentação dos habitats, que resultam em significativa perda de cobertura florestal e consequente perda
da biodiversidade” (TERMO DE REFERENCIA – RC 24773, UNEP, 2013).

Estas, entre outras razões e motivações invocadas pelo Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento, no âmbito do Projeto Integração da Conservação da Biodiversidade e do Uso Sustentável
às Práticas de Produção de PFNM e SAF em Paisagens de Florestas de Uso Múltiplo de Valor de
Conservação, aliadas à busca de melhor eficiência e à organização-funcionamento de sistemas, dão o
sentido de selecionar consultor para realizar estudos de cadeias produtivas e análise de barreiras à
comercialização. Estudos que, no âmbito da consultoria, deverão gerar dois produtos – relatórios finais,
com base nas especificações técnicas definidas nos Termos de Referência.

Esta proposta técnica, no aspecto central da metodologia de trabalho, enfatiza apenas quatro questões
básicas apresentadas, de maneira sintética, na parte que segue, o Desenvolvimento.

1
GARCIA, E. A. C. Potencialidades da Amazônia: diagnóstico integrado e análise numérica. Brasília: SRH –
MMA, 2008. “É fundamental a promoção de atividades do extrativismo (...), com novas bases tecnológico-científicas
e com fundamentos e critérios de lógicas das sustentabilidades em diversas dimensões (...), bem como na visão de
longo prazo, sem que isso signifique desprezar o saber tradicional nem desconsiderar horizonte do curto prazo, mas,
incorporando-os, integrando-os ou sendo complementados”. Essa promoção “deve ser plenamente consistente com
as reservas extrativistas (...) e conduzida de forma “consciente”, responsável e “sustentável” atrelada a um mercado
em expansão e com perspectivas cada vez mais promissoras”.
16

2 DESENVOLIMENTO
O estudo, qualquer que seja a sua natureza se qualitativa ou quantitativa; seus objetivos se de curto
ou longo prazo, conjunturais ou estratégicos, locais ou regionais - nacionais; e seu enfoque se descritivo,
explicativo, analítico, positivo ou normativo, trata (*) dados e informações valiosas, “consistidas” (...) de
(**) fatos e processos representativos de sujeitos e objetos da realidade (problemas e/ ou oportunidades no
foco do estudo) que se investiga e para a qual se busca uma solução ou auxílio a integrar em políticas e
processos de soluções. Esse tratamento compreende diversos conceitos de especial importância na
metodologia de investigação, centrados na observação criteriosa e objetiva do alvo de conhecimento sobre
o qual se orientam as atividades dos estudos que utilizam o método científico. 2

Nesta síntese metodológica se omitem, propositadamente/nesta fase, aspectos conceituais tanto da


realidade para pesquisa (eficiência na escolha e aplicação de recursos materiais, humanos e
metodológicos), como dessa realidade traduzida ao método científico, isto é, realidade da ciência ao tratar
o problema (eficácia do resultado que internaliza o cliente e seu meio no método científico).

Omitem-se, também, conceitos básicos, tais como: agronegócio; cadeias produtivas “Analyse de
filière”, - visão sistêmica e meso-analítica (...) de macro-segmentos como comercialização, industrialização
e produção de matérias-primas; “Commodity system approach” de aparente simplicidade e coerência
teórica: baseada no paradigma clássico da economia industrial: estrutura, conduta e desempenho; enfoque
sistêmico (“commodity systems approach” – CSA ou enfoque, mais recente, de “supply chain
management” – SCM); cooperadores / competidores; e “clusters”, entre outros que servem de referências
as proposições metodológicas que poderão, com os devido ajustas, aplicar-se nos Estudos.

Para a análise do conjunto de atividades econômicas que se articulam progressivamente e de forma


interdependente (a lógica do encadeamento de operações, como forma de definir a estrutura de cadeias
produtivas, deve situar-se de jusante a montante, o que significa condicionantes impostas por um lado pelo
meio ambiente, - condições da conservação, potencialidades, restrições etc. e, pelo outros, pelos
consumidores), desde o setor primário de produção, em geral composto por pequenos agricultores, - por
vezes típicos da agricultura familiar, de “Castanha do Brasil” (Bertholletia excelsa), “Andiroba” (Carapa

2 GARCIA, E. A. C. Metodologia: técnicas, métodos e modelos de pesquisa. Brasília, 2008. v. 7. Parte de


“Orientações para elaborar projetos de pesquisas com qualidade e realizar pesquisas com efetividade de seus
resultados no desenvolvimento”.
17

guianensis) e “Açai” (Euterpe precatória / olereacea), em territórios – locais da Amazônia; de “Buriti”


(Maurithia flexuosa), “Pequi” (Caryocar brasiliense), “Baru” (Dipteryx alata), “Fava D’anta”
(Dimorphandra mollis), “Coquinho azedo” (Butia capitata), “Babassu” (Orbygnia phalerata) e “Maracujá
do mato” (Passiflora cinncinta), em territórios ou locais do Cerrado; e “Umbu” (Spondis tuberosa) e
“Licuri” (Syagrus coronata) da região da Caatinga, até fornecedores de insumos agrícolas, distribuidores
locais, prestadores (outros) de serviços, varejistas, atacadistas, indústrias de transformação, intermediários
na coleta e comercialização: mercado, com frequência, dominado por intermediários, com elevados níveis
de apropriação de lucros e exploração do produtor, etc.

A descrição que segue apresenta, de maneira resumida, os dois aspectos destacados (* e **) no
primeiro parágrafo do desenvolvimento, ao procurar responder questões básicas do estudo; podem ser
questões de ORIENTAÇÃO, na procura de respostas, tais como:

 Quais são os problemas ou as oportunidades, com as devidas (possíveis) especificações causais e


evolutivas ou com as respectivas condições e desafios para aproveitamentos sustentáveis de PFNM
no local ou região alvo? São problemas que podem se registrar em vários níveis das cadeias
produtivas; níveis ou fases, tais como:

 Deficiências, ineficiências, perdas (...) na produção primária dentro da unidade produtiva.


Exemplos; baixos indicadores de eficiência no uso e de eficácia no resultado-meio, colocados em
descritores como produtividade, manejo, conservação de recursos, proteção de fontes; indicadores
e descritores que permitam avaliar a importância do problema e acenem, com frequência, para
possíveis melhorias

 No setor de insumos (local e regional) demandados pelo setor primário extrativista da produção de
PFNM: questões em termos de preços, de qualidade, quantidades (...),

 No manejo inicial dispensado pelo produtor da produção concentrada e que que se registra sazonal:
ao identificar tais problemas pelas suas causas e inter-relações de variáveis, podem-se
oportunidades ao identificar brechas para melhorias tecnológicas no manejo, no uso de insumos;

 Na preparação e apresentação do produto por vezes com prejuízos na qualidade, com incertezas
sanitárias e com perdas de oportunidades na criação de utilidade – valor: quantificação desses
prejuízos mediante indicadores ou referências básicas e aplicáveis ao caso.
18

 Na ausência de rotulação e marca sem os critérios adequados e possíveis de serem implantados, se


as condições de educação e disponibilidade – adequada de meios estiverem presentes e forem
acessíveis;

 Na comercialização e mercado dominado, com frequência, por intermediários;

 Na pouca ou falta de organização de produtores devido à carência de informações e de ações


educativas, de extensão (...);

 Na reduzida e/ou falta de ação de programas como os extensão rural, assistência técnica e crédito
rural convenientemente acordados – adequados às condições produtivas locais;

 Em sistemas como os típicos de agricultores sem direitos (ou em situações indefinidas provocadas
por....) possessórios sobre a terra;

 Nas distancias (estados ou condições de transportes e infraestruturas, custos de transportes, duração


etc.) e “péssimas” ou deficientes infraestruturas para o agroprocessamento, armazenamento
escoamento da produção etc.

 Quais são objetivos, dada uma matriz de problemas ordenados - priorizados para determinadas
condições de arranjos de setores produtivos em Cadeias Produtivas e “clusters” dos PFNM, a serem
propostas com plena consistência com objetivos de políticas públicas de que trata o Termo de
Referência, - “Project / Justification” e outras referências oportunas e aplicáveis no caso?

Deve-se observar que para a identificação (caracterização, delimitação–inter-relacionamento,


importância relativa ou gravidade–urgência de solução do problema ou do aproveitamento da
oportunidade, com as suas correspondentes definições–especificações de causas, trajetórias,
projeções etc., numa escala de ordenamento etc.) há um adequado - conveniente objetivo, uma meta
a alcançar, recursos a aplicar, ações a desenvolver, planejamento e gestão a realizar etc., que podem
se estabelecer como referências de controle ou de avaliação-julgamento

Observar, também, que é nesse contexto que se inicia o processo de sistematização, de abordagem
sistêmica e meso-analítica de atividades de tal forma que determinada causa de um problema
prioritário esteja associada a um objetivo secundário, à aplicação de recursos, às ações a desenvolver,
aos cronogramas a seguir etc., dentro de um ordenador lógico e hierárquico. Essa lógica problema
19

→//→ objetivo se detém na formulação de hipóteses científicas como necessárias orientações (...)
teóricas e operacionais.

Ao especificar problemas / oportunidades dentro da “porteira” (uma fase ou macro segmento), com
os seus correspondentes indicadores de gravidade,
extensão, urgência, projeção - tendência etc., segundo
lógicas ilustrativas como a apresentada ao lado, tem-
se orientações para a especificação de objetivos na
mesma sequência e ordem. Exemplo de um caso em
que a produtividade seja baixa por causa de um
manejo inadequado devido (...) e com impactos
negativos (...), poderá dar origem ao seguinte objetivo
específico:

 Aumentar a produtividade com a adoção de uma


prática de manejo do recurso (...) dada a racionalidade e vantagem, esperada pelo produtor
informado, dessa adoção; é preciso indicar, com realismo e objetividade, onde está a lógica dessa
melhoria: se (custo/adoção) << (benefícios), à luz, entendimento e condições práticas e
operacionais do cliente, sua realidade e meio, do mercado, de instituições relacionadas etc.

 Outros objetivos específicos, relativos ao aumento da produtividade no nível primário (omitidos


nesta fase de apresentação).

 Que fontes de dados (Fig. 30 e 31), - primários a complementar com dados secundários, são
necessárias para se terem melhores entendimentos dos problemas –oportunidades e para a
especificação de objetivos a alcançar dadas as condições disponíveis,-tempo, orçamento, recursos,
envolvimento de interessados etc.?
20

 Quais são os procedimentos (a serem plenamente justificados– viabilizados e adotados aos casos
em estudos, em função de estimativas de parâmetros de custos e de indicadores tecnológicos de
eficiência e eficácia: levantamento de dados primários (ilustra-se, no Quadro 4, um procedimento)
e de informações de repositórios (“estado da arte”), de/em fontes tais como: Embrapa e IBGE e
outras instituições compreendidas na sucessão de operações de transformações dissociáveis,
capazes de serem separadas (uma
questão metodológica de
simplificação a seguir em
levantamentos de dados) e ligadas
entre si por encadeamentos
(arranjos) técnicos, econômicos,
sociais, familiares, financeiros-
econômicos, institucionais etc.,
localizadas nas regiões alvos dos
PFNM para estudos?

Garcia (2008) apresenta e ilustra


procedimentos, técnicas e métodos
que poderão ser adotado nos Estados,
prévios testes e ajustes (se necessário), para o levantamento de informações, primárias e
21

secundárias, a fim de formar uma base de dados com suficiência para a caracterização de para cada
espécie selecionada de usos, produção, agroprocessamanto, armazenamento, comercialização etc.

Continuação
22

São técnicas como


matriz GUT, - gravidade,
urgência e tendência: técnica
de Kepner e Tregoe para a
análise de causas de um
problema a fim de estabelecer
escalas de prioridades ou
identificar as principais
causas: origem, evolução....
Técnica de votação múltipla
ou votação grupal, para ordenar informações de supostos projetáveis problemas ou oportunidades obtidas
de levantamentos como “brainstorming”. Análise de SWOT - “strengths”/Forças, “weaknesses”
Fraquezas, “opportunities”/ Oportunidades, “threats” /Ameaças, para análise de ações ou de projetos com
tomadas de decisão. Técnica de Delphi, para obter, melhorar e/ou buscar o consenso de especialistas
(painelistas) à respeito de eventos futuros; cenários esperados, novas ideias e estratégias de políticas
organizacionais dos PFNM etc. Estas, entre muitas outras questões a serem respondidas para fundamentar
o agir com objetividade e técnicas – métodos para tratar os dados, devem acenar na procura, teste e
adequação, se necessárias, de técnicas e métodos da análise a utilizar nos Estudos dos PFNM, dentro de
cronogramas, orientações e diretrizes colocadas – acordadas com a contratante.

Uma forma simples e objetiva de apresentar o início do estudo é mostrada a seguir, sem os detalhes
técnicos e operacionais necessários (propositadamente omitidos), nem com os dados imprescindíveis para
testar – adotar os procedimentos, técnicas e métodos ilustrados.

2.1 Problemas e oportunidades no foco do estudo


Trata-se de uma parte essencial que demanda criteriosas e objetivas orientações para conduzir as fases
seguintes do estudo, acenando, inclusive, para a busca de mais e/ou melhores informações que permitam
23

identificar, delimitar, relacionar e caracterizar o problema; um problema que, em muitos casos, o cliente
alvo, não sabe identificar nem comunica-lo.

É possível estabelecer uma referência inicial a se constituir um ponto de partida para buscar as
informações de melhores definições:

 Existem relativamente poucas informações sistematizadas, consistidas, atualizadas, efetivamente úteis


(...) sobre a quantia, valor, processos de produção do extrativismo em termos de manejo e conservação,
industrialização e comercialização dos PFNM.

 As políticas públicas de desenvolvimento científico e tecnológico não estão devidamente preparadas e


voltadas para gerar–adaptar e transferir –difundir a conservação extrativista, nem dispõem de meios -
orientações eficazes que permitam a manutenção de suas atividades sem comprometimento técnico –
operacional e sem afetar a sustentabilidade econômica, social e ambiental.

 É fraco, não se registra ou não existe engajamento ou participação do produtor em melhorias coletivas:
em atividades que possam se constituir importante
componente na melhoria de subsistência; atividade em
que se perfila um poderoso aliado na valorização da
floresta preservada em pé já que a exploração
madeireira muitas vezes contribui para a erosão genética
das espécies de maior valor comercial, o que
compromete seu aproveitamento futuro, além de
considerar possíveis benefícios com MDL – captura de
carbono: os PFNM com potencial como sequestradores
de carbono, ampliando o escopo do Protocolo de Kioto restrito a créditos ou débitos pelo florestamento,
reflorestamento ou desmatamento.

 Os produtores, - extrativistas de (...) em (...) não conseguem um retorno “justo” pelo seu trabalho e
parte dessa remuneração acaba concentrada em intermediários que não agregam utilidades nem valores
aos produtos, que não geram emprego nem renda no local.

 Os produtores, - extrativistas de (...)na região (...) não conseguem obter um retorno “justo” pelo seu
trabalho e parte dessa remuneração acaba concentrada em intermediários que não agregam utilidades
24

nem valores aos produtos,


que não geram emprego
nem renda no local, que
entravam relações e
entendimentos entre (...)
com impactos no
agronegócio.

 Os métodos
empregados no extrati-
vismo não são aperfeiçoa-
dos o suficiente e possível
(segundo condições opera-
cionais e tecnológicas:
referências em acervos
como os da Embrapa) e,
frequentemente, são
caracterizados por formas
rudimentares-tradicionais.
Procedimentos e formas
que favorecem os elevados
desperdícios em processos
e resultados meios e
finalísticos. São impactos negativos que redundam em perda de qualidade do produto (em mais de 30%,
segundo...), menor preço (até 45%, segundo...) e baixa rentabilidade para o produtor.

 Os métodos empregados em mais de (... %, no extrativismo da região (...) não são aperfeiçoados o
suficiente e possível (segundo condições operacionais e tecnológicas: referências em acervos como os da
Embrapa) e, frequentemente, são caracterizados por formas rudimentares-tradicionais; procedimentos e
formas que favorecem os elevados desperdícios em processos e resultados meios e finalísticos. Tais
impactos negativos que redundam em perda de qualidade do produto (em mais de 30%, segundo...), menor
preço (até 45%, segundo...) e baixa rentabilidade para o produtor. A forma descritiva e analítica como tais
25

impactos nocivos à (...) podem ser identificados e caracterizados (veja-se como importante hipótese de
trabalho) apontam para possíveis soluções de melhorias. A figura que segue ilustra (deve ser adequada ao
caso, pois ela se refere à referência: v. 3, - “Gestão da qualidade na pesquisa para o desenvolvimento
sustentável” de “Fundamentos...”, de GARCIA, 2008)

Em outro sentido, - o de custo de


oportunidade no contexto da economia do
bem-estar e de vantagens competitivas, os
efeitos negativos em um setor
correspondem, em parte, a oportunidades
transferidas do produtor que apenas oferece
matérias-primas sem valor agregado para
outras regiões ou países onde se agregam
utilidades e se gera valor da
competitividade: exporta-se matéria–prima com custos adicionais e com perdas como as de geração de
emprego e renda no local para outras regiões ou países.

Garcia (2008)3 apresenta e ilustra técnicas e métodos no levantamento, classificação e priorização de


dados para a identificação e ordenamento de problemas que, com os devidos ajustes ou adequações podem
se aplicar nestes Estudo. O que segue são ilustrações de alguns poucos casos.

O Estudo proposto, no que se refere aos aspectos metodológicos, deverá combinar diversas fontes de
dados qualitativos e quantitativos, em processos lógicos e sequenciais (a figura ao lado mostra um deles)
para especificar variáveis, técnicas e métodos nessas dimensões, sempre numa estreita e lógica relação a
compreender arranjos operacionais, técnicos, econômicos, sociais, institucionais, entre outros. Procura-se,
nesta nota com ideias gerais, dar ênfase na parte que é mais difícil relativa ao registro fiel de realidades
extrativistas, com base em dados confiáveis, úteis e necessários para elaborar diagnósticos integrados a
complementar com prospecções de cenários desses ambientes.

3
GARCIA, E. A. C.; “Termos de referência para a gestão da qualidade total na pesquisa para o desenvolvimento”;
v. 3 de “Orientações para elaborar projetos de pesquisas com qualidade e realizar pesquisas com efetividade de seus
resultados no desenvolvimento”.
26

À metodologia recomenda em estudos de cadeias produtivas, - estudo do produtor, seja no enfoque


da “analyse de filieres” - francês, seja no enfoque de “agrobusiness / commodity system approach” - origem
norte-américa, acrescentam-se (é a proposta desta consultoria) estudos de condições naturais dos biomas
que possam oferecer oportunidades para o extrativismo, em outras bases: potencialidades e limitações
naturais, - diagnósticos detalhados desses ambientes.

A proposta é de uma ampla, profunda e direcionada (para o local, para o assunto etc.) revisão de
literatura a complementar com dados primários, tendo como necessárias referências estudos e pesquisas da
Embrapa, IBGE e Radambrasil.

São os levantamento de antecedentes de condições (agro)ecológicas e socioambientais definidos nos


Termos de Referência; Estudos que poderão ser complementados com pesquisas georeferenciadas de bases
cartográficas e modelos prospectivos que, para esta síntese metodológicas de apenas ideias, são
propositadamente omitidos. Suficiente mencionar, apenas, entre os procedimentos, o proposto por
Holtzman (testar, validar e ajustar, se necessário, ao caso): uso intensivo de fontes secundárias de dados e
informações em todos os níveis; observações "in loco", - produção, tratamento, comercialização etc.;
amostras não probabilísticas (intencionais) e entrevistas semiestruturadas com agentes-chaves
(especialistas como pesquisadores e extensionistas do extrativismo; dirigentes agroindústrias locais e
regionais; dirigentes e funcionários de empresas públicas e privadas relacionados com o assunto; dirigentes
de cooperativas, associações de classe e líderes comunitários; agências de serviços básicos como os de
crédito, transporte / escoamento da produção, agro industrialização local e regional (...); todos, de algum
modo significativo, envolvidos – comprometidos com a formulação e implementação de estratégias e ações;
de políticas (...) desenvolvidas para a implantação dos PFNM nas regiões ou biomas.

Para fins ilustrativos, indicam-se, a seguir, alguns pontos focais no levantamento de dados, tendo como
base o modelo de cadeia produtiva da Embrapa (modificado):

Na perspectiva descritivo-analítica, o estudo poderá partir da teoria para o campo empírico e com procedimento
de análise de retorno do campo para a teor, baseada tanto em dados secundários como primários. A coleta de
dados secundários poderá se realizar em diversas fontes, como: banco de dados oficiais, dados gerados pelo
Plano Agropecuário e Florestal de Estados (p.ex., PLANAFLORO/Rondônia), IBGE, IBAMA, SEDAM,
ICMBio, Grupos de Pesquisas sobre a biodiversidade regional e outras instituições governamentais e não-
governamentais.
Quanto aos dados primários poderão se estruturar diversos formulários, com questões abertas e fechadas
direcionadas aos diversos segmentos da cadeia: extrativistas, intermediários, indústria, varejo, organizações e
consumo; o estudo poderá incluir observações de campo e visitas as comunidades e propriedades
Diagnóstico socioambiental 27
28
29
30

Exemplos de questionários para a coleta de dados em várias fontes:


Sempre ter em foco o que se deseja levantar / dados com valor aplicativo e de máxima confiabilidade:
preparar (elaborar com base em dados da população amostrada, testar – validar etc.) roteiros, como os de
entrevista, de entrevistados, de formulários e questionários, de formas (estrita abertas ou com gabaritos,
audiovisual etc.) – períodos de aplicação; de alvos de observação – complementação por outras fontes; de
apoio – participação da comunidade etc.; ligando sempre o que se “pregunta” → “resposta esperada” →
“finalidade” a ser atendida nos Estudos. Exemplos de roteiros (exemplifica-se apenas um caso):

Na propriedade: clima, topografia, vegetação nativa...; específicas (à jusante da unidade produtiva).


Dentro da unidade produtiva: terra (atributos qualitativo pedológicos, edafológicos, topográficos,
31

disponibilidade de água...), formas de acesso – uso com descrições de técnicas e métodos; sistema de
produção: manejos; máquinas e equipamentos tipificadas em seus estados; obras de benfeitorias como
galpões e depósitos para armazenamento, tipificados em seus estados; atividades com fins comercias ou
não como como bovinos, suínos, aves, caprinos; família: composição – estruturação, nível de escolaridade,
dotação de meios como rádio, TV, computador, internet etc.; aspectos relevantes de estruturas como as de
saneamento básico e alimentação; relações inter e intrafamiliares com destaque para assunto de
solidariedade, adjutórias, mutuaria, associativismo-cooperativismo; formas de comunicação e transporte;
participação na vida social – comunitária / sindicato....; tecnologia e trabalho; serviços como os de crédito
rural, assistência técnica etc. A montante da unidade produtiva: agroprocessamento, transporte.
Armazenamento, fornecedores e compradores; qualidade e volume comercializado; preços e variações
sazonais. Valor agregado e possibilidades de aumentar utilidades e valor; mercados atuais e potenciais;
atividades.

Um roteiro de tipologia objetiva para planejar e orientar a obtenção de dados de extrativistas, além
de orientações com as respostas (Quadro 4), é mostrado a seguir:

Na comunidade: comércio, agroindústrias, associações etc.


Dirigentes, cooperativas, associações de classes, autoridades locais – regionais etc., todos interessados –
comprometidas com os PFNM:
a) Barreiras
32

Institucionais: governos:
• Falta de comprometimento com o setor de PFNM:

• Inadequada / deficiente ou inexistente legislação que estimule a adoção de boas práticas nos PFNM

(. . . )
Empresa: (fatores, condições etc.: dados para variáveis tanto internas como externas à “porteira”)
• Dificuldades para a realização de investimentos em (...) _____________________________________

__________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

• Falta de material informativo (descritivo, ilustrativo, audiovisual e para as condições da comunidade)


necessário e adequado para fins de comunicação em seminários, treinamento, cursos de campo (...)

|____| Ausência total; Por que? _________________________________________________________

|____| Deficiências em (...). Especificar ___________________________________________________

________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

(. . . )

Formulário de múltipla escolha


Ex.: Renda Familiar:
( ) Menos de 1 salário mínimo
( ) 1 a 3 salários mínimos
( ) 4 a 6 salários mínimos
( ) 7 a 11 salários mínimos
( ) Mais de 11 salários mínimos
33

(. . . )

Há quanto tempo produz Castanha do Brasil (ou Andiroba / Açai / Buriti / Pequi / Baru / Fava D’anta /
Coquinho azedo / Babassu / Maracujá do mato / Umbu / Licuri)?
[ ] Menos de 01 ano
[ ] 1 a 2 anos
[ ] 3 a 5 anos
[ ] 6 a 10 anos
[ ] Mais de 10

(. . . )

Todo o acervo de dados e informações primárias, complementas e secundárias, “consistidas” e


devidamente direcionadas para alcançar os objetivos, bem como bases documentais, cartográficas,
audiovisuais e demais referenciais necessários para realizar os Estudos e oferecer os meios de transferência
– difusão de resultados, devem ser colocados, com a necessária segurança informacional, em “banco de
dados” interoperativos, portanto, amigáveis e integráveis com as estruturas de TI da Contratante e, em
particular, dos beneficiários locais e regionais- entidades de classes.

Nessas bases se geram os inputs de análises de dados, em programas como o SAS e ArcGIS, bem
como se geram resultados inferenciais bases de discussões e emissão de relatórios conforme solicitado
pela Contratante.

A parte acima exposta enfatizou o aspecto do levantamento de dados e informações por considerar
que o conhecimento da realidade, entraves, desafios e oportunidades, é fundamenta para a caracterização
de situações alvos de melhorias.

A realização de levantamento de dados para cada espécie - processo- produto e bioma; a pesquisa
documental para obter as informações de barreiras do PIF, ao identifica-las / quantifica-las, setoriza-las e
ordena-las em escalas (...) para definir diagnósticos e, ao complementar esses “estados” presentes com
informações prospectivas para fins de inferências relativas às melhorias do mercado de produtos da
biodiversidade, deverá incluir uma série de atividades e funções até alcançar os objetivos propostos no
termo de referência.
34

Os custos, na primeira atividade solicitada ao consultor, deverão compreender seis deslocamentos


(Brasília-DF) aos locais alvos de estudos (Alto Acre e Capixaba; Marajó / Amazônia; Alto Rio Prado,
Médio Mearim e Sertão do São Francisco / Cerrado etc.), cada um precedido de contatos e estudos sobre a
situação do território. Isto, para levar ao local no biomas um esquema de possível levantamento de dados
primários por todos os meios de observação, quantificação e registro e discutir com representantes os meios
de obter essa informação no cenário dos acontecimentos e diante a “impossibilidade” de obtê-la por outros
meios.

Conforme seja a gravidade, urgência, importância relativa - extensão, potencial de produção etc. que
essa pesquisa documental e contados com atores (sindicados, associações de classe, prefeituras, Secretarias
de Estados etc.) permita definir, ter-se-ão se estimativas de parâmetros físicos e econômicos de base para o
cálculo de custo, os de levantamento de dados in loco – amostragens intencionais, “estudo de casos,
“amostras pilotos etc.

A previsão, nessa fase de levantamento de dados, é a de permanência do consultor para contatos e


ações nos locais alvos dos Estudos nos biomas, em torno de 10 dias úteis em cada um dos territórios:
reuniões, preenchimento de formulários e questionários, registros documentais escritos e audiovisuais etc.
necessários para as diagnoses.

Semelhante percurso indicado na prospecção será repetido na parte básica - final do trabalho: levar a
informação, a técnica, o método, a recomendação, as novas informações de arranjos produtivos com
acréscimos de utilidades e valores, com capacidade de geração de renda e emprego (...); as recomendações
organizacionais e de ordem política (...), em eixos os de apoio à produção e manejo sustentável, crédito,
apoio à agroindustrialização e comercialização (...) no final do trabalho: material didático para seminários,
cursos informais de capacitação, cursos formais no sistema de escolas etc. Estima-se que nesta fase sejam
necessárias um terço das despesas da fase inicia: transporte, estadias e material preparado para esses eventos
de divulgação, de promoção de parcerias, de novas instruções de processos como os de beneficiamento, e
comercialização (qualidade, sistematicidade, atendimento ao clientes e mercados etc.).

São previstas três visitas (custo apenas de transporte e hospedagens de duas pessoas: contratado e
contrapartida da Contratante) aos centros de pesquisas da Embrapa que tratam o extrativismo nos biomas
alvos de Estudos, cada uma delas, precedidas de entendimentos e preparação de agendas com os respectivos
profissionais.
35