Вы находитесь на странице: 1из 40

Universidade de Aveiro Departamento de Química

Ana Rute Extracção não exaustiva de contaminantes orgânicos


Góis Teixeira em solos urbanos

Nº Mec.:25639

Relatório de Projecto

Licenciatura em Química

2010-2011
Universidade de Aveiro Departamento de Química

Ana Rute Extracção não exaustiva de contaminantes orgânicos em solos


Góis Teixeira urbanos

Nº Mec.:25639

Relatório de Projecto

Trabalho realizado sob a orientação científica do Dr. Armando


Duarte Professor Catedrático do Departamento de Química da
Universidade de Aveiro.
Agradecimentos Ao Doutor Armando Duarte, pela oportunidade e
disponibilidade e, pela orientação cientifica que
sempre proporcionou durante a realização deste
trabalho.
À Eng.ª Anabela Cachada pelo incentivo que me
transmitiu no inicio e no decorrer do trabalho e
pela transmissão de conhecimentos teóricos e
práticos.
A todos os colegas, em especial à Catarina
Ribeiro, Marta, Rita Pires, Margarida e Patrícia
pela ajuda e amizade.
Obrigada!
Palavras-chave PAH’s, extracção total, extracção com Tenax, fracção
disponível, solos urbanos

Resumo Os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAH’s)


constituem uma família de compostos que contêm 2
ou mais anéis aromáticos condensados. O seu estudo
tem elevado interesse ambiental pois geralmente são
referenciados como contaminantes ambientais
devido a muitos serem cancerígenos e /ou
mutagénicos.
Foram analisados 16 PAH’s considerados
prioritários pela EPA por um método exaustivo
(extracção com Soxhlet) e 13 destes foram
analisados por um método não exaustivo (extracção
com Tenax). Assim, foi possível determinar a
fracção de contaminantes que está disponível em
seis solos da cidade de Lisboa.
A gama de concentrações obtida para 16 PAH’s
nas amostras foi 88-23346 μgkg-1 para a extracção
total e para ∑13 PAH’s foi de 3,69-43,27 μgkg-1
para a extracção com Tenax. A maior contribuição
para o somatório das concentrações foi do
fluoranteno, do pireno e do benzo(b)fluoranteno.
Menos de 1% dos PAH’s obtidos pela extracção
total são obtidos pela extracção com Tenax. Apesar
de as concentrações totais serem altas, a fracção
disponível é baixa, o que em termos ambientais pode
significar que estes compostos não apresentam
grande risco.
Keywords PAH’s, total extraction, extraction with Tenax, fraction
available

Abstract Polycyclic aromatic hydrocarbons (PAHs) are a family


of compounds containing 2 or more fused aromatic
rings. Their studies have raised environmental
concern because they are all referred as environmental
contaminants and some of them are carcinogenic and /
or mutagenic. In this study, 16 PAHs considered as
priority pollutants by EPA were analyzed by an
exhaustive method (Soxhlet extraction) and 13 of
them were analyzed by a non exhaustive (Tenax)
extraction. It was therefore possible to determine the
fraction of contaminants that was available in six soils
from Lisbon urban area. The range of concentrations
obtained for Σ16 PAHs in the soil samples was 88-
23346 μgkg-1 for the total extraction and the
concentration obtained for the Σ13 PAHs was 3.69 to
43.27 μgkg-1 for the extraction with Tenax. The
largest contribution to the sum of concentrations of
PAH’s came from the fluoranthene, pyrene and of
benzo(b)fluoranthene. Less than 1% of the PAHs
obtained by total extraction are recovered by Tenax
extraction. As the available fraction is low, them in
environmental terms these compounds do not
represent great risk, although the total concentrations
are high.
Abreviaturas

PAH’s Hidrocarbonetos policíclicos aromáticos


NP Naftaleno
ACY Acenaftileno
ACE Acenafteno
FLU Fluoreno
PHE Fenantreno
ANT Antraceno
FLA Fluoranteno
PYR Pireno
BaA Benzo(a)antraceno
CRY Criseno
BbF Benzo(b)fluranteno
BkF Benzo(k)fluranteno
BaP Benzo(a)pireno
DBah Dibenzo(a,h)antraceno
IND Indeno(1,2,3,cd)pireno
Bghi Benzo(g,h,i)perileno
H:A Hexano:Acetona
H:DCM Hexano:Diclorometano
ND Não determinado
Índice

1. Introdução 1

2. Materiais e métodos 3

2.1. Preparação das amostras 3

2.2. Determinação da matéria orgânica 3

2.3. Extracção com Soxhlet 3

2.4. Extracção com Tenax 3

2.5. Limpeza de extractos 4

2.6. Determinação de PAH’s 5

3. Controlo de qualidade 7

4. Resultados e discussão 10

4.1. Extracção total 10

4.2 Extracção com Tenax 12

5. Conclusões 19

6. Bibliografia 20

7. Anexos 22
1. Introdução
Este trabalho tem como objectivo determinar a fracção de hidrocarbonetos aromáticos
policíclicos (PAH’s) dos solos que poderá ser mais facilmente lixiviada e portanto também
mais disponível para os organismos e plantas. Para tal, determinou-se a fracção que é
transferida para a fase aquosa, utilizando Tenax.
Os PAH’s são hidrocarbonetos que contêm 2 ou mais anéis aromáticos fundidos [1],
constituindo uma numerosa (> 100 compostos) e diversificada família de contaminantes
orgânicos semi-voláteis, quimicamente estáveis, lipofílicos e hidrofóbicos. Devido a
respectiva persistência e mobilidade entre vários compartimentos ambientais podem ser
encontrados nos solos, sedimentos e ao longo da cadeia trófica.
Estes compostos são produzidos por processos pirolíticos e combustões incompletas de
combustíveis fósseis. As principais fontes naturais são os incêndios florestais e vulcões e
as fontes antropogénicas incluem incineração de lixo, geração industrial de energia,
produção de alcatrão e produção de alumínio [2]. Em áreas urbanas, como Lisboa, devido
ao tráfego e indústria, os PAH’s são libertados para atmosfera e depositam-se
posteriormente nos solos. Os PAH’s podem ser encontrados em diversos tipos de solos: em
solos florestais a sua concentração típica varia de 5 a 100 μg/kg [3] e em solos rurais
encontra-se em níveis de 10-100 μg/kg, provenientes principalmente da precipitação
atmosférica [3]. As áreas urbanas têm concentrações na faixa 600-3000 μg/kg, podendo ser
mais elevadas perto das zonas industriais [2]. Níveis de 8000-336000 μg/kg foram
relatados para poeiras de estrada [4].
Os PAH’s são poluentes orgânicos de importância ambiental e interesse toxicológico
pois muitos são cancerígenos e/ou mutagénicos. A exposição humana aos PAH’s ocorre
principalmente por inalação de ar contaminado, ingestão de alimentos ou água
contaminada e também através do contacto dérmico com solos contaminados. Uma vez
adsorvidos são rapidamente distribuídos pelo organismo [5].
Neste trabalho iremos apenas estudar 16 PAH’s considerados prioritários para
monitorização ambiental pela “Environmental Protection Agency” (EPA): Naftaleno
(NAF), Acenaftileno (ACY), Acenafteno (ACE), Fluoreno (FLU), Fenantreno (PHE),
Antraceno (ANT), Fluoranteno (FLA), Pireno (PYR), Benzo(a)antraceno (BaA), Criseno
(CRY), Benzo(b)fluranteno (BbF), Benzo(k)fluoranteno (BkF), Benzo(a)pireno (BaP),

1
Dibenzo(a,h)antraceno (DBah), Indeno(1,2,3cd)pireno (IND) e Benzo(g,h,i)perileno
(Bghi).
Para analisar PAH’s em solos utilizam-se diversos métodos normalmente designados
por exaustivos ou totais, como por exemplo: extracção por Soxhlet, extracção por ultra-
sons ou extracção acelerada por solventes. Porém, tem vindo a concluir-se que as
concentrações obtidas por estes métodos não são representativas dos reais riscos dos
PAH’s para animais e humanos. Estes potenciais riscos devem ser baseados em
concentrações de contaminantes que estão disponíveis [6].
Alguns estudos demonstram que a resina Tenax (polímero poroso baseado no oxido 2,6-
difenil-p-fenileno) [6] poderá ser utilizada para estimar a fracção de contaminantes
orgânicos dos solos facilmente lixiviada, podendo assim contaminar a água, e que também
está disponível para os organismos. A fracção disponível corresponde à porção de
contaminantes que pode ser assimilada ou de outra maneira exposta a um organismo alvo e
por isso também designada por biodisponível. [7].
Oleszczuk [8] utilizou o Tenax para tentar prever a perda de PAH’s durante a
compostagem de lamas de estações de tratamento de águas residuais e concluiu que o tal
estudo é importante para determinar formas de contaminantes na lama, potencialmente
biodisponíveis. Cornelissen et al [6] recorreram à extracção com Tenax para determinar a
disponibilidade de contaminantes orgânicos em sedimentos e concluíram que a extracção
com Tenax é uma maneira simples para determinar a disponibilidade e as concentrações
dos compostos adsorvidos linearmente (que corresponde à fracção que é rapidamente
desorvida), que são muito mais significativas do que as concentrações totais.
Neste trabalho os métodos utilizados foram a extracção com Soxhlet (fornece-nos a
concentração total) e a extracção com Tenax (fornece-nos a concentração parcial). Estes
resultados têm interesse visto que com eles foi possível determinar a fracção de
contaminantes que estão disponíveis nos solos. Assim como estudar o comportamento dos
diferentes compostos ( 13 PAH’s), pois apresentam diferentes perfis.

2
2. Materiais e métodos
2.1. Preparação das amostras
As amostras foram recolhidas em jardins e parques da cidade de Lisboa, secas ao ar e
crivadas a 2 mm. Para preservas as amostras, estas foram congeladas em papel de alumínio
a fim de evitar contaminações por ftalatos. Os resultados são expressos em peso seco, que
se determinou colocando 5g de amostra na estufa a 105ºC durante uma noite.

2.2. Determinação da Matéria Orgânica


A percentagem de matéria orgânica total foi estimada por perda de peso após combustão
a 430ºC. Cerca de dez gramas de solo, crivado a <2 mm, foram secas a 105 ºC durante
quarto horas para remover a água residual. As amostras foram depois calcinadas a 430 ºC
até peso constante (cerca de 16 horas), e deixadas num excicador até arrefecerem. Cada
amostra foi pesada, antes e depois de calcinadas, e a perda de massa foi calculada e
expressa como percentagem de perda de peso. Foram feitas duas réplicas de cada amostra.

2.3. Extracção com Soxhlet


O método de extracção total baseia-se no método descrito pela EPA [9]. A amostra de
solo (cerca de 5g) foi colocada num cartucho de fibra de vidro dentro de um Soxhlet
(60ml), utilizando uma mistura de H:A 2:1 (90ml) como solvente de extracção. Todos os
solventes usados no trabalho foram adquiridos na Fisher Scientific e são de classe HPLC.
Adicionaram-se 25 μL de padrão interno (a mistura de PAH’s deuterados utilizada foi:
acenafteno-D10, criseno-D12, naftaleno-D8, perileno-D12, fenantreno-D10, com
concentração de 2000 ng/ml adquirido na Supelco), antes da extracção. A extracção foi
efectuada durante 8 horas a 7-8ciclos/hora. A solução final foi concentrada num
evaporador rotativo. Por fim procedeu-se com a limpeza dos extractos. Extraíram-se duas
réplicas de cada amostra.

2.4. Extracção com Tenax


O Tenax foi lavado com água, acetona e hexano (3×10 ml/g Tenax) e seco durante a
noite a 75ºC antes de ser usado [6].
Foram pesadas as amostra (cerca de 5g) a analisar e colocadas num tubo de centrífuga.
Adicionou-se o Tenax previamente pesado (cerca de 3 vezes a percentagem de matéria

3
orgânica do solo) a 50mL de água ultra pura (Milli-Q, Millipore) [10]. Na Tabela 1
encontram-se os valores da massa de solo e de Tenax pesada para as diversas amostras.
Procedeu-se a uma agitação durante 6h (30rpm).
O Tenax foi retirado com uma pipeta de Pasteur para um frasco, adicionou-se 10ml da
mistura H:A (1:1) e adicionou-se o padrão interno [7]. O frasco foi sujeito a agitação
durante 1h e a extracção foi repetida mais 2 vezes.
O volume do extracto foi reduzido num evaporador rotativo e procedeu-se à limpeza
dos extractos. O solo foi separado da água por filtração (filtros de fibra de vidro Millipore,
0,7μm), adicionou-se sulfato de sódio e em seguida procedeu-se a uma extracção com
Soxhlet dos solos e filtros.
Extraíram-se 2 réplicas de cada amostra e para as amostras com concentrações totais
mais baixas juntaram-se as duas réplicas (amostra 4, 5, 7 e 8).

Tabela 1 - Valores das massas de solo e de Tenax usadas para cada amostra.
Amostras m Tenax (g) m amostra (g)
1 2.02 8.33
2 1,31 5,12
4 A1 1.16 9.04
4 A2 1.04 8.14
5 A1 0,87 5,07
5 A2 0,87 5,09
5 B1 0,86 5,28
5 B2 0,86 5,12
7 A1 1,57 5,14
7 A2 1,56 5,05
8 A1 0,43 5,12
8 A2 0,43 5,12

2.5. Limpeza dos extractos

A limpeza de extractos foi efectuada num sistema SPE (Solid Phase Extraction).
Colocou-se num cartucho sílica (Supelclean-LC-SI), alumina (Spelclean-LC-Alumina-N) e
sulfato de sódio separados por discos. A sílica e a alumina foram primeiro activadas na
estufa a 130ºC durante uma noite e posteriormente desactivas com 3% de água. O sulfato
de sódio foi previamente descontaminado na mufla a 400ºC. Passou-se 5ml da mistura
H:DMC (2:1) pelo cartucho e 5ml da mistura H:DCM (9:1). A amostra foi colocada no

4
cartucho e recolhida no balão. Procedeu-se à eluição dos compostos retidos com 20ml de
H:DCM (9:1) e com 10ml de H:DCM (2:1). O volume dos extractos é depois reduzido a
cerca de 1-2 ml, transferido para um frasco de vidro e secos numa corrente de N2.

2.6. Determinação de PAH’s


Antes da análise a amostra é dissolvida em 200 μL de DCM. Os 16 PAH’s foram
quantitativamente analisados por um sistema de GC QP5050-Shimadzu (injecção em modo
“splitless”) equipado com um detector de massa selectivo (impacto electrónico). Foi
utilizada uma coluna 30 m x 0,25 mm x 0,25 μm ZB5-ms (5% arileno-95%
dimetilpolisiloxano) com hélio como gás de arraste com um fluxo de 0,9 mL/min. A
temperatura da coluna foi programada do seguinte modo: (1) 40ºC durante 2min. (2)
aumentou-se 10ºC/min até 220ºC; (3) aumentou-se 6ºC/min até 310ºC; (4) manteve-se os
310ºC durante 10min. A identificação dos PAH’s foi conduzida comparando os tempos de
retenção relativos com os padrões internos. A aquisição foi realizada em modo de
monitorização de iões selectivos (SIM). Na Tabela 2 estão registados os iões moleculares
específicos, os valores de tempos de retenção.
Para corrigir as perdas de analito durante a preparação das amostras ou a sua injecção
no GC utiliza-se o método do padrão interno. Este método consiste em adicionar um
padrão interno, composto muito semelhante às espécies químicas de interesse, em
quantidades constantes e conhecidas às amostras, aos brancos e aos “spikes”. Podendo
então ser usado para traçar uma relação entre o sinal do analito e o sinal do padrão interno
em função da concentração do analito (factor de resposta - RF). O RF (Tabela 2) é dado

pela seguinte equação: , onde AC corresponde à área do composto, Cpi é a

concentração do padrão interno, Api é a área do padrão interno e Cc é a concentração do


composto. A solução padrão usada foi a TLC Polynuclear Aromatic Hydrocarbons Mix
adquirida na Supelco. O intervalo de calibração usado foi de 25-1000 ppb e a concentração
de padrão interno foi de 250 ppb. Os diferentes PAH’s da mistura foram agrupados
consoante a sua proximidade com os padrões internos do seguinte modo:. NP (Nafetaleno-
D8), ACY, ACE e FLU (Acenafeteno-D10), PHE, ANT, FLA e PYR (Fenantreno-D10),
BaA, CRY, BbF, BkF (Criseno-D12), BaP, IND, Dbah e Bghi (Perileno-D12). Na Figura 1
dos Anexos está representado um exemplo de uma curva de calibração. O limite de

5
detecção (LOD) para cada um dos compostos, calculado como sendo 3 vezes o valor do
branco[11], é apresentado na Tabela 2.

Tabela 2 - Valores de ião molecular, de tempos de retenção, de limite de detecção, factor


de resposta e número de anéis para os 16 PAH’s estudados.
Nome Ião Tempo de Limite de RF Nº de anéis
molecular retenção detecção
(m/z) (min)
NP 128 11,60 21,0 1,15 2
ACY 152 15,84 18,0 1,75 3
ACE 154 16,33 15,0 1,06 3
FLU 166 17,76 23,5 1,24 3
PHE 178 20,40 24,8 1,32 3
ANT 178 20,55 21,6 1,17 3
FLA 202 24,06 13,0 1,60 4
PYR 202 24,80 17,4 1,62 4
BaA 228 29,34 16,4 0,93 4
CRY 228 29,47 13,6 1,17 4
BbF 252 33,47 20,3 1,05 5
BkF 252 33,57 19,2 1,15 5
BaP 252 34,63 21,8 1,08 5
IND 276 39,02 25,6 0,96 6
DBah 278 39,22 14,5 0,83 5
Bghi 276 40,17 22,6 1,32 6

6
3. Controlo de Qualidade:
 Extracção total:
Para avaliar as recuperações e o desempenho de todos os procedimentos analíticos
foram analisados brancos, de 2 materiais de referência (CRM124 e TAQC) e de uma
amostra fortificada (spike). Foram extraída 3 réplicas de cada.
Todos os valores de concentração de PAH’s obtidos nos brancos estão abaixo do limite
de detecção. As recuperações dos materiais de referência e dos “spikes” são apresentadas
na Tabela 1 dos Anexos. Obteve-se recuperações de 62-108%, de 61-84% e 63-111% para
o CRM124, TAQC e para o “spike”, respectivamente. O desvio padrão relativo (RSD)
entre réplicas é <20% o que indica que o método é preciso de acordo com o indicado pela
USEPA: método 8270 [12].

 Extracção com Tenax:


Análises de brancos e spikes foram incluídas na extracção com Tenax para avaliar a
existência de interferências, as recuperações nas amostras e o desempenho de todos os
procedimentos analíticos.
Todas as concentrações de PAH’s obtidas nos brancos encontram-se abaixo do limite de
detecção excepto as do NP, FLU e PHE. Estes valores acima do LOD devem-se
possivelmente a contaminações devido as tampas de silicone dos tubos de centrífuga onde
se efectuaram algumas extracções pois quando se fez a extracção nos frascos com septos
de teflon as concentrações de todos os 16 compostos encontravam-se abaixo do LOD
(Tabela 3). Deste modo, decidiu-se excluir os resultados destes três compostos nas
extracções com Tenax.
Foram efectuadas extracções a “spikes” contendo apenas água com concentrações de
25ppb e de 250ppb. Devido a alguns dos resultados obtidos para 25ppb estarem muito
próximos do limite de detecção, para os “spikes” feitos em amostras utilizaram-se
concentrações de 250ppb e 50ppb. Os resultados estão apresentados na Tabela 2 dos
Anexos. Obteve-se recuperações de 74-100%, 65-90%, 76-116% e 65-109% para “spike”
contendo apenas água (25ppb), para “spike” contendo apenas água (250ppb), para “spike”
com solo (50ppb) e para “spike” com solo (250ppb), respectivamente.

7
Para se verificar se o Tenax poderia ser reutilizados foram efectuadas extracções com
Tenax novo e usado como indicado na Tabela 3, conclui-se que é possível reutilizar o
Tenax pois não se verificou a existência de interferências na análise dos brancos.

Tabela 3 - Valores de massa de Tenax, origem do Tenax, material usado e resultados.


Brancos mTenax (g) Origem Recipiente Resultados
usado
1 1,80 novo Frasco 16 PAH’s < LOD
2 1,80 novo Frasco 16 PAH’s < LOD
3 0,304 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
4 1,4 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
5 0,76 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
6 0,76 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
7 0,30 novo Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
8 0,59 novo Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
9 0,95 novo Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
10 0,30 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
11 0,31 novo Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
12 0,30 usado Tubo 13 PAHs < LOD
NP,FLU, PHE >LOD
13 0,31 novo Frasco 16 PAH’s < LOD
14 0,34 usado Frasco 16 PAH’s < LOD
15 0,30 novo Frasco 16 PAH’s < LOD

Foram efectuadas extracções em 4 réplicas da amostra 2, com diferentes rácios de


solo:Tenax. Oleszczuk [8] utilizou um rácio de 1:0,6 para tentar prever a perda de PAH’s
durante a compostagem de lamas. Os resultados encontram-se na Tabela 3 dos Anexos.

8
Através destes resultados concluímos que o uso de uma quantidade superior de Tenax
(usando o rácio 1:0,6 a massa de Tenax usada é de 3g) não influencia as concentrações
obtidas pois o RSD das réplicas é inferior a 20%.

9
4. Resultados e discussão

4.1. Extracção total


Os resultados das 8 amostras analisadas são apresentados na Tabela 4 dos Anexos. A
concentração da soma dos 16 PAH’s nas amostras variou no intervalo de 88 a 23346 μgkg-
1
obtendo-se uma média de 5211 μg kg-1 e uma mediana de 1235 μg kg-1 como se observa
na Figura 1. Esta diferença entre a média e a mediana deve-se ao facto de existirem apenas
duas amostras com concentrações muito altas. O valor mínimo 88 μg kg-1 corresponde à
amostra 6 e o valor máximo 23346 μg kg-1 corresponde à amostra 2 que é um “outlier”.

Figura 1- Gráfico de caixa mostrando a variação das concentrações das diversas amostras.
A caixa define o intervalo interquartil, a linha horizontal dentro da caixa mostra
o valor da mediana, a qual é 1235 μg kg-1. O círculo indica que existe uma
observação atípica neste conjunto de dados que corresponde à amostra 2.

Morillo et al. (2007) compararam solos urbanos contaminados com PAH’s de três
cidades europeias e obtiveram concentrações semelhantes em Ljubljana (218-4490 μg kg-1)

10
e em Torino (148-3410 μg kg-1) e valores cerca de dez vezes superiores para Glasgow
(1490-51800 μg kg-1) [13]. Poderemos afirmar que a concentração da soma dos 16 PAH’s
obtida nas nossas amostras é baixa em relação à obtida em Glasgow mas alta em relação às
outras duas cidades.
Na Tabela 4 encontram-se as percentagens de PAH’s individuais nas diversas amostras.
A maior participação foi notada para o fluoranteno, para o pireno e para o
benzo(b)fluoranteno como podemos também observar na Figura 2. De notar que os dois
primeiros compostos apresentam 4 anéis e o último apresenta 5 anéis. Estes compostos
costumam ser os mais abundantes em zonas urbanas/industriais pois geralmente estão
associados à combustão de combustíveis fosseis [14]. Os compostos com 2-3 anéis são
menos abundantes pois possuem maior volatilização destes e maior possibilidade de
degradação.

Tabela 4 - Contribuição de PAH’s individuais nas diversas amostras.

Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra


1 2 3 4 5 6 7
(%) (%) (%) (%) (%) (%) (%)
NP 0,50 0,51 1,9 0,58 0,60 2,6 0,90
ACY 0,60 0,74 0,51 0,29 0,15 0.0 0,32
ACE 0,12 0,16 0,34 0,23 0,32 0,45 0,20
FLU 0,13 0,13 0,39 0,25 0,31 0.0 0,22
PHE 3,7 4,0 4,5 4,5 6,8 5,2 4,3
ANT 0,81 1,2 0,70 0,90 1,2 1,13 0,84
FLA 16 116 12 14 13 11 11
PYR 15 15 11 12 12 11 11
BaA 7,0 6,3 6,6 7,1 8,0 8,1 7,7
CRY 7,9 7,8 9,4 8,0 8,2 8,9 11
BbF 10 10 14 10 12 16 15
BkF 6,6 8,6 7,1 7,3 4,8 5,6 4,4
BaP 10 9,3 5,8 11 11 9,3 9,2
Dbah 2,1 2,1 2,6 2,4 2,2 2,6 1,9
IND 9,3 9,1 11 11 9,9 9,0 10
Bghi 9,5 8,9 12 10 9,4 8,5 12

11
16
14

% media nas amostra


12
10
8
6
4
2
0

Anéis 2-3 4 5 6

Figura 2 - Valores das percentagens médias e respectivo desvio padrão de PAH’s


individuais nas amostras

4.2. Extracção com Tenax


Na Tabela 5 dos Anexos são apresentados os resultados das 6 amostras extraídas com
Tenax. Só foram analisadas estas seis pois duas amostras utilizadas na extracção total
apresentarem concentrações muito baixas (amostra 3 e 6) e daí serem excluídas para a
extracção com Tenax. A concentração da soma de 13 PAH’s nas 6 amostras variou no
intervalo de 3,69 a 43,3 μg kg-1 obtendo-se uma média de 17,5 μg kg-1 e uma mediana de
15,6 μg kg-1 como se observa na Figura 3. Estes valores de concentrações são muito mais
baixos quando comparados com os valores obtidos pela extracção total.

12
Figura 3 – Gráfico de caixa mostrando a variação das concentrações das diversas
amostras. A caixa define o intervalo interquartil, alinha horizontal dentro da
caixa mostra o valor da mediana, a qual é 15,6 μg kg-1.

Comparando os valores de concentração do ∑13PAH’s obtidos para as diversas


amostras pela extracção com Tenax e pela extracção total (Tabela 5) podemos verificar
pela Figura 4 que as amostras que apresentam maior concentração na extracção com Tenax
são também as que apresentam maior concentração na extracção total. A fracção

disponível em cada amostra (Tabela 5) varia de 0,19-1,08% para a

amostra 2 e para amostra 7 respectivamente.

13
Tabela 5- Valores de concentração na extracção com Tenax (CTenax) e na extracção total
(Ctotal), valores da fracção disponível e valores da percentagem da matéria
orgânica (% OM) nas diversas amostras.
Amostras CTenax (μgkg-1) Ctotal (μgkg-1) % disponível % OM
1 21,3 10245 0,21 8,24
2 43,3 22268 0,19 8,25
4 3,69 1167 0,32 4,04
5 22,9 3575 0,64 5,70
7 9,91 915 1,08 10,4
8 4,09 1138 0,36 2,88

25000

y = 521,87x - 2598,5
20000
R² = 0,8604

15000
Ctotal (μgkg-1)

10000

5000

0
0 10 20 30 40 50
-5000
CTenax (μgkg-1)

Figura 4- Concentração do ∑PAH’s obtida na extracção total em função da concentração


do ∑PAH’s obtida na extracção com Tenax.

Na Tabela 6 encontram-se as percentagens de PAH’s individuais nas diversas amostras


após a extracção com Tenax. A maior participação foi notada para o fluoranteno, para o
pireno e para o benzo(b)fluoranteno como podemos observar pelo Figura 6 e tal como
observado nas extracções totais. De notar que os dois primeiros compostos apresentam 4
anéis e o ultimo apresenta 5 anéis aromáticos. Os compostos com 3 anéis apresentam
frequentemente concentrações abaixo do LOD, devendo-se principalmente ao facto de
serem menos abundantes nas amostras (concentrações totais).

14
Tabela 6 - Valores da percentagem de PAH’s individuais nas diversas amostras.
Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra
1 2 4 5 7 8
(%) (%) (%) (%) (%) (%)
ACY 0,0 3,4 0,0 0,0 0,0 0,0
ACE 0,0 1,2 0,0 2,5 3,5 0,0
ANT 0,0 2,5 0,0 2,2 0,0 0,0
FLA 15 17,7 23 2 22 24
PYR 14 15 20 18 15 16
BaA 5,7 5,5 7,8 9,2 5,9 0,0
CRY 14 9,4 17 12 20 16
BbF 22 12 24 14 15 17
BkF 4,0 4,1 7,5 5,5 0,0 20
BaP 7,9 6,0 0,0 4,8 0,0 0,0
Dbah 1,5 5,0 0,0 2,0 3,8 6,8
IND 7,1 8,8 0,0 5,5 7,0 0,0
Bghi 9,0 9,3 0,0 4,8 6,9 0,0

25

20
% nas amostras

15

10

0
ACY ACE ANT FLA PYR BaA CRY BbF BkF BaP Dbah IND Bghi
-5

Anéis 3 4 5 6

Figura 6 - Valores das percentagens médias e desvio padrão de PAH’s individuais nas
amostras.

15
Comparando os valores da percentagem média de PAH’s nas amostras obtidos pela
extracção total e pela extracção com Tenax verificamos que os compostos com 4 anéis
aromáticos representam a maior contribuição nos dois casos: 14% e 11% para a extracção
com Tenax e para a extracção total respectivamente. Os compostos com 3 anéis
apresentam a menor prestação com 0,85% para a extracção com Tenax e 0,60% para a
extracção total. Como se observa pela Figura 7 os compostos de 3 e 4 anéis são mais
abundantes na extracção com Tenax enquanto os de maior peso molecular são mais
abundantes na extracção total.

25,00
Extracção com Tenax
20,00
Extracção total
Média de PAH's (%)

15,00

10,00

5,00

0,00
3 4 5 6
-5,00
Número de Anéis

Figura 7 - Contribuição da média de PAH’s nas amostras para a extracção total e para a
extracção com Tenax.

A fracção de cada um dos compostos individuais extraídos com Tenax em relação aos

PAH’s obtidos através da extracção total varia de 0,13-2,05%,

correspondendo respectivamente ao BaP e ao ACE (Tabela 7). Pela Figura 8 verificamos


que os compostos mais leves apresentam maior fracção disponível do que os de 5 e 6 anéis.
Obtendo-se 1,46%, 0,62%, 0,45% e 0,22% para os compostos de 3, 4, 5 e 6 anéis,

16
respectivamente. Oleszczuk [8] no seu estudo também obteve maior percentagem de
PAH’s disponíveis para os compostos com 3 e 4 anéis. Tal poderá ser explicado por o
baixo peso molecular ser caracterizado por uma menor hidrofobicidade do que os
compostos de 5 e 6 anéis, que provoca uma diminuição da adsorção para a matéria
orgânica [15] e aumento da biodisponibilidade. A adsorção é mais reversível com a
diminuição do número de anéis aromáticos condensados ou com a diminuição da
hidrofobicidade [16].

Tabela 7 - Valores dos PAH’s individuais obtidos pela extracção com Tenax na extracção
Total.
Compostos % de PAH’s
ACY 0,59
ACE 2,05
ANT 0,35
FLA 0,31
PYR 0,27
BaA 0,24
CRY 0,40
BbF 0,36
BkF 0,16
BaP 0,13
DBah 0,41
IND 0,19

17
1,60
1,40
1,20
PAH's em (%) 1,00
0,80
0,60
0,40
0,20
0,00
3 4 5 6
Número de anéis

Figura 8 - Valores da percentagem PAH’s obtidos pela extracção com Tenax na extracção
total em função do número de anéis aromáticos dos compostos.

18
5. Conclusões

Para a extracção total obtiveram-se concentrações da soma dos 16 PAH’s entre 88 e


23346 μg kg-1 e para a extracção com Tenax o intervalo de concentrações foi de 3,69 a
43,3 μg kg-1. Concluindo assim que a fracção disponível é pequena pois menos de 1% dos
compostos obtidos na extracção total são recuperados na extracção com Tenax. Apesar de
as concentrações obtidas na extracção total serem muito altas, como a fracção disponível é
baixa poderemos afirmar que os contaminantes não representam um risco muito grande em
termos ambientais.
Em ambas as extracções os compostos que apresentam maiores concentrações são o
FLA, o PYR e o BbF. Pode-se afirmar a existência de uma contribuição antropogénica
atribuída principalmente a origens pirolíticas (principalmente devido ao tráfego) devido a
estes três compostos terem sido os obtidos em maior concentração.
Relativamente ao método de extracção com Tenax, pode-se concluir que este é uma
potencial ferramenta para estimar a fracção disponível pois obteve-se recuperações
aceitáveis, e é um método relativamente simples de ser efectuado e mais barato do que os
métodos convencionais (que utilizam grandes quantidades de solvente), pois o Tenax pode
ser reutilizado.

19
6. Bibliografia
1. USEPA (United States Environmental Protection Agency), 2008; polycyclic
aromatic Hydrocarbons (PAHs).
2. WHO (World Health Organization), 2003; Health risks of persistent organic
pollutants from long-range transboundary air pollution; Chapter 8: Polycyclic
aromatic hydrocarbons
3. WHO (World Health Organization), 1998; Selected non-heterocyclic polycyclic
aromatic hydrocarbons. Geneva, World Health Organization (Environmental
Health Criteria No. 202).
4. WHO (World Health Organization), 2000; Polynuclear aromatic hydrocarbons
(PAH). In: Air qualityguidelines for Europe, 2nd ed. Copenhagen, WHO
Regional Office for Europe (WHO Regional Publications, European Series, No.
91), 92–96.
5. Netto, A. D.; Moreira, J. C.; Dias, A. E. X. O.; Arbilla, G.; Ferreira, L. F. V.;
Oliveira, A. S. & Barek, J. ,2000; Avaliação da contaminação humana por
hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) e seus derivados nitrados
(NHPAs): Uma revisão metodológica. Química Nova 23, 765-773.
6. Cornelissen G.; Rigterink H.; Noort, P. C. M., 2001; A simple Tenax extraction
method to determine the availability of sediment-sorbed organic compounds.
Environmental Toxicological Chemical 20(4), 706-711.
7. Cofield, N.; Banks, M. K.; Schwab, A. P., 2008; Labiality of polycyclic
aromatic hydrocarbons in the rhizosphere. Chemosphere 70, 1644-1652
8. Oleszckuk, P., 2008; Tenax-TA extraction as predictor for free available
content of polycyclic aromatic hydrocarbons (PAHs) in composted sewage
sludges. Journal of Environmental Monitoring.10, 883-888
9. USEPA (United States Environmental Protection Agency, 1996; Method
3540C-Soxhlet extraction; Revision 3; SW 846 Test Methods for Evaluating
Solid Wastes.
10. Macrae, J. D.; Hall, K. J., 1998; Comparison of Methods used to determine the
availability of Polycyclic Aromatic Hidrocarbons in Marine Sediment.
Environmental Science Technology 32, 3809-3815.

20
11. Miller, J. N.; Miller J.C., 2005; Statistic and Chemometrics for Analytical
Chemistry; fifth edition.
12. USEPA (United States Environmental Protection Agency), 2007. Method
8270D – Semivolatile organic compounds by Gas Chromatography/Mass
Spectrometry (GC/MS). Revision 4. SW 846 Test Methods for Evaluating Solid
Wastes.
13. Morillo, E.; Romero, A. S.; Maqueda, C., 2007; Soil pollution by PAHs in
urban soils: a comparison of three European cities. Journal of Environmental
Monitoring 9, 1001-1008.
14. Cachada, A.; Pereira, M. E.; Silva, E. F.; Duarte, A., 2010; Sources of
potentially toxic elements and organic pollutants in an urban area subjected to
an industrial impact; Environmental Monitoring Assess
15. Pignatello, J. J.; Xing, B., 1996; Mechanisms of slow sorption of organic
chemicals to natural particles. Environmental Science Technology 30, 1-11
16. Smith, J.; Burns, R. G., 1997; Bioavailability and biodegradation of polycyclic
aromatic hydrocarbons in soils. FEMS Microbiology Letters 152, 141-147

21
7. Anexos

Tabela 1 - Valores das recuperações dos 16 PAH’s para os materiais de referência e de um


“spike”.

CRM 124 TAQC-WFD Spike 10ppb

Analito Recuperação(%) Recuperação(%) Recuperação (%)


NP 82 ND 79
ACY 75 ND 78
ACE 98 ND 84
FLU 98 ND 104
PHE 100 ND 70
ANT 64 81 80
FLA 101 78 72
PYR 92 ND 73
BaA 97 ND 81
CRY 108 ND 65
BbF ND 84 96
BkF 84 76 72
BaP 75 61 63
IND ND 78 93
Dbah 62 ND 111
Bghi 82 ND 88

22
Tabela 2- Valores das recuperações (% rec.), do desvio padrão (STD) e do desvio padrão
relativo (RSD) para “spikes” só com água e com solo a concentrações diferentes.
“Spike” só com água “Spike” com solo
25 ppb 250 ppb 50 ppb 250 ppb
% rec. STD RSD % STD RSD % STD RSD % STD RSD
rec. rec. rec.
ACY 100 4 4 65 10 16 108 12 11 109 6 6
ACE 74 8 11 90 9 10 86 6 7 72 4 6
ANT 83 12 15 80 10 13 87 8 9 92 5 6
FLA 86 8 9 88 12 13 88 9 10 86 8 9
PYR 88 6 7 88 12 14 93 11 12 89 7 8
BaA 82 7 9 81 11 14 87 11 13 91 3 4
CRY 84 10 12 77 10 13 89 8 9 96 10 10
BbF 86 9 10 77 9 12 91 9 10 85 10 12
BkF 88 5 6 82 14 17 116 3 3 104 8 8
BaP <LOD <LOD <LOD 76 9 12 84 8 9 65 3 4
IND 88 13 14 83 13 16 76 4 5 99 10 10
Dbah 91 13 14 81 11 14 80 6 8 86 2 3
Bghi 80 5 7 78 12 15 79 17 22 91 3 3

Tabela 3- Valores da média das concentrações, do desvio padrão e do desvio padrão


relativo das 4 réplicas da amostra 2 com diferentes rácios de solo:Tenax.
Compostos Conc. (μgkg-1) STD RSD
ACY 1,52 0,33 21,61
FLA 7,61 0,89 11,72
PYR 6,51 0,50 7,66
BaA 2,42 0,38 15,77
CRY 4,08 0,50 12,33
BbF 5,54 1,12 20,13
BkF 1,81 0,15 8,38
BaP 2,64 0,43 16,41
IND 3,71 0,50 13,53
Dbah 2,10 0,31 14,61
Bghi 4,06 0,64 15,80

23
Tabela 4- Valores das concentrações expressas em μgkg-1 obtidas na extracção total das
diversas amostras.

1 2 3 4 5 6 7 8

NP 53,9 1189 4,54 7,11 23,2 2,33 8,72 7,09

ACY 63,7 173 1,23 3,59 5,65 <LOD 3,08 2,58

ACE 13,1 36,4 0,82 2,80 12,3 0,39 1,95 4,63

FLU 14,2 31,3 0,93 3,14 12,1 <LOD 2,17 4,53

PHE 394 929 10,9 55,9 262 4,60 41,6 86,0

ANT 86,3 278 1,68 11,1 48,1 0,99 8,16 17,2

FLA 1686 3670 28,0 171 510 10,0 107 158

PYR 1646 3550 26,3 146 451 9,32 102 145

BaA 749 1462 15,9 87,6 310 7,14 74,8 111

CRY 844 1812 22,6 99,0 317 7,85 106 98,8

BbF 1081 2441 34,8 124 481 14,4 144 165

BkF 710 1997 17,0 90,1 186 4,95 42,8 53,6

BaP 1127 2170 13,9 136 416 8,21 89,3 123

DBah 225 482 6,29 30,2 87,5 2,26 18,8 31,6

IND 997 2120 27,6 138 384 7,95 98,6 116

Bghi 1017 2076 28,6 127 366 7,50 118 112

∑PAH’s 10.708 23.346 241 1.233 3.872 88 967 1.236

24
Tabela 5 - Valores das concentrações expressas em μg kg-1 obtidas pela extracção com
Tenax para as diversas amostras.

Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra Amostra


1 2 4 5 7 8
ACY <LOD 1,47 <LOD <LOD <LOD <LOD
ACE <LOD 0,53 <LOD 0,58 0,35 <LOD
ANT <LOD 1,08 <LOD 0,49 <LOD <LOD
FLA 3,14 7,67 0,84 4,60 2,21 0,97
PYR 3,11 6,51 0,74 4,04 1,52 0,67
BaA 1,22 2,38 0,29 2,10 0,58 <LOD
CRY 2,96 4,08 0,64 2,77 2,01 0,64
BbF 4,62 5,14 0,91 3,15 1,49 0,70
BkF 0,84 1,81 0,28 1,27 <LOD 0,82
BaP 1,69 2,59 <LOD 1,10 <LOD <LOD
DBah 0,31 2,17 <LOD 0,45 0,38 0,28
IND 1,52 3,81 <LOD 1,25 0,69 <LOD
Bghi 1,92 4,02 <LOD 1,10 0,68 <LOD
∑ PAH’s 21,3 43,3 3,69 22,9 9,91 4,09

25
1200
1000
Cr 800
600
400
y = 1,1164x
200 R² = 0,9997
0
0 200 400 600 800 1.000 1.200
[BkF] (ng/mL)

Figura 1- Exemplo de uma curva de calibração, neste caso para o BkF. Sendo ,

onde Ac é a área do composto, Api é a área do padrão interno e Cpi é a


concentração do padrão interno.

26