You are on page 1of 12

BENS

Marília de Andrade Silva1

1. CONCEITO
As relações jurídicas estabelecidas entre os sujeitos possuem, comumente, um objeto
como finalidade de formação dessa relação intersubjetiva. Nesse sentido, os bens são objetos
das relações jurídicas, podendo ser eles coisas materiais, concretas, úteis e que possuam
algum valor econômico, suscetíveis de apropriação, bem como as de existência imaterial
economicamente apreciável, como os direitos autorais, de imagem, etc.

Com efeito, os romanos admitiam uma distinção entre os bens corpóreos e incorpóreos.
Nessa perspectiva, os bens corpóreos são aqueles que possuem uma existência física/
material, podendo ser tocados pelo homem; os bens incorpóreos, por sua vez, são aqueles de
existência abstrata, como o direito autoral, que podem ser alienados (vendidos) através da
cessão, como a cessão de crédito, em que se aliena um direito, isto é, uma coisa abstrata.

2. CLASSIFICAÇÃO DOS BENS


O Código Civil de 2002, no Livro II da Parte Geral, disciplina os bens em três capítulos, a
saber:

I- Dos bens consideramos em si mesmo


II- Dos bens reciprocamente considerados
III- Dos bens públicos

 DOS BENS CONSIDERADOS EM SI MESMOS

 BENS IMÓVEIS: São bens imóveis o solo suas acessões, isto é, tudo que se lhe
incorporar natural ou artificialmente. Podem ser classificados em:
 IMÓVEIS POR NATUREZA: o solo, com a sua superfície, subsolo e
espaço aéreo.
 IMÓVEIS POR ACESSÃO NATURAL: as árvores, os frutos pendentes,
bem como todos os acessórios de adjacências naturais. Sem embargo,
a natureza pode incorporar e fazer acréscimos ao solo, dele se
perfazendo em acessório, como a formação de ilhas, aluvião, avulsão.
 IMÓVEIS POR ACESSÃO ARTIFICIAL OU INDUSTRIAL: É tudo que o
homem incorpora permanentemente ao solo, de modo que não se
possa retirar sem destruição, modificação ou dano.

1
Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 2018. E- mail: marilia--
99@hotmail.com
OBSERVAÇÃO: As edificações que conservam a sua unidade, mesmo que separadas do solo e
forem removidas para outro local, não perdem a sua identidade de imóveis; Assim como os
materiais que forem separados de um prédio para que nele se reempregar (ART.81º, CC).

 IMÓVEIS POR DETERMINAÇÃO LEGAL: Trata-se de bens


incorpóreos, imateriais (direitos), que não são, em si, móveis ou
imóveis, sendo apenas uma fixação legal criada pela lei para garantir
uma maior segurança jurídica das relações. Com efeito, dispõe o
artigo 80º do Código Civil:

Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais:

I - os direitos reais sobre imóveis e as ações que os asseguram;

II - o direito à sucessão aberta.

 BENS MÓVEIS:

 BENS MÓVEIS POR NATUREZA (ART. 82º, CC): Sãos aqueles que podem
ser suscetíveis de movimento, tanto próprio como por uma força externa,
e não modificam a sua substância.

 SEMOVENTES: São aqueles que possuem movimento próprio, possuindo


força própria para se locomover, como os animais, por exemplo.

 MÓVEIS PROPRIAMENTE DITOS: São aqueles que podem ser


movimentados por força alheia sem dano.

OBSERVAÇÃO: Os materiais que forem empregados em alguma construção conservam a


sua identidade de móveis, bem como aqueles que, da demolição de algum prédio, readquirem
a qualidade de móveis novamente (ART.84º, CC). Entretanto, caso sejam esses materiais
demolidos para serem reempregados de novo, conservam a identidade de imóveis e não
móveis.

 BENS POR DETERMINAÇÃO LEGAL: São bens imateriais, que adquirem


essa qualidade jurídica por expressa disposição legal.

Art. 83. Consideram-se móveis para os efeitos legais:

I - as energias que tenham valor econômico;

II - os direitos reais sobre objetos móveis e as ações


correspondentes;

III - os direitos pessoais de caráter patrimonial e respectivas ações.

 MÓVEIS POR ANTECIPAÇÃO: São bens incorporados ao solo, mas


com a intenção de separá-los oportunamente e convertê-los em móveis,
como as árvores destinadas ao corte e frutos ainda não colhidos.

 BENS FUNGÍVEIS E INFUGÍVEIS:

 BENS FUNGÍVEIS (ART. 85º, CC): são os “os móveis que podem substituir-
se por outros da mesma espécie, qualidade e quantidade”. Sem embargo,
essa característica advém da natureza dos bem, como também pode
resultar da vontade das partes. Por exemplo, uma moeda, que é um bem
fungível, pode se tornar infungível para um colecionador de moedas.

 BENS INFUNGÍVEIS: são os bens que não podem ser substituídos por
outros, sendo, por isso, personalíssimos, como, por exemplo, uma escultura
de um grande artista, um quadro de um pintor celebre; um quadro de Da
Vinci não pode ser substituído.

 BENS CONSUMÍVEIS E INCOSUMÍVEIS:

 BENS CONSUMÍVEIS (ART.86º, CC): são os bens móveis no qual o seu


uso importa em destruição imediata da própria substância, como os
gêneros alimentícios (consumíveis de fato), bem como os bens que se
destinam a alienação.

 BENS INCOSUMÍVEIS: São os bens que pode ser utilizados


continuamente, sem destruição da sua substância.

OBSERVAÇÃO: O bem consumível pode se tornar inconsumível por vontades das partes,
como ocorre, por exemplo, quando uma garrafa de vinho rara que, comestível por natureza,
pode se tornar inconsumível para uma exposição. Além disso, um bem inconsumível por
natureza pode transformar-se juridicamente consumível, como os livros (que não
desaparecem pode ser utilizados) colocados à venda nas prateleiras de uma livraria.

 BENS DIVISÍVEIS E INDIVISÍVEIS:

 BENS DIVISÍVEIS (ART.87º, CC): São os bens que admitem fracionamento


sem alteração na sua substância, diminuição considerável de valor, ou
prejuízo do uso a que se destinam.

 BENS INDIVISÍVEIS (ART.88º, CC): Os bens indivisíveis podem ser indivisíveis


por natureza quando não admitem fracionamento sem alteração de sua
substância, diminuição de seu valor ou prejuízo do uso, como um animal, um
relógio; e indivisíveis por determinação legal, que são aqueles bens que a lei
expressamente não permite o seu fracionamento; ou podem se tornar
indivisíveis por determinação das partes, em que a coisa, naturalmente
divisíveis, pode se tornar indivisíveis.

 BENS SINGULARES E COLETIVOS:

 BENS SINGULARES (ART.89º, CC): são singulares os bens considerados na sua


individualidade, como um cavalo, uma caneta, etc. Com efeito, os bens singulares
podem ser simples, quando são ligados pela mesma natureza e da mesma
espécie, como uma árvore; e podem ser compostos, quando as suas partes estão
ligadas pela indústria humana, como um edifício.

 BENS COLETIVOS: são os que, compostos de vários bens singulares, se


consideram em conjunto. Compreende tanto a universalidade de fato como a
universalidade de direito. A universalidade de fato (ART.90º, CC) se constitui de
bens que, pertencentes à mesma pessoa, tenham destinação unitária. Por sua
vez, a universalidade de direito (ART.91º, CC) constitui uma pluralidade de bens
corpóreos e incorpóreos a que a lei atribui caráter de unidade, como a herança, o
patrimônio.

 BENS RECIPROCAMENTE CONSIDERADOS:

 BENS PRINCIPAIS E BENS ACESSÓRIOS (art.92º, CC)

 BEM PRINCIPAL: É o bem que possui existência autônoma, que existe por si
só.
 BEM ACESSÓRIO: é aquele bem que a sua existência prescindi da existência
do bem principal.

 PRINCÍPIO DA GRAVITAÇÃO JURÍDICA:

Princípio que orienta que os bens acessórios seguem o bem principal, no qual só a
vontade das partes pode modificar essa disposição. Sem embargo, a natureza do bem
acessório é a mesma do bem principal, seguindo este a destinação a qual o bem principal
seguir.

 AS CLASSES DE BENS ACESSÓRIOS:

I- FRUTOS:
Caracterizam-se por pela periodicidade, pois são utilidades que se produz
periodicamente; inalterabilidade da substância da coisa principal, já que pode dela nascem e
renascem sem acarretar-lhe a destruição; e a separabilidade.
 QUANTO A ORIGEM:

NATURAIS: São os que se desenvolvem e se renovam periodicamente pela força orgânica da


própria natureza, como os frutos das árvores.

INDUSTRIAIS: Surgem em razão do emprego da atuação ou indústria do homem sobre a


natureza.

CIVIS: são os rendimentos produzidos pela coisa em virtude da sua utilização por outrem que
não o proprietária, como os juros e alugueis.

 QUANTO AO ESTADO:

PENDENTES: unido a coisa que o produziu

PERCEBIDOS: depois de separados do bem principal

ESTANTES: os separados e armazenados para venda

PERCIPIENDOS: os que deviam ser, mas não foram, colhidos

CONSUMIDOS: os que não mais existem porque foram utilizados

II- AS PERTENÇAS (ART.93º, CC):


São bens móveis que, não constituindo partes integrantes (e por isso não se aplica a
regra de que o bem acessório segue o principal) contribuem com o serviço para o ornamento e
aformoseamento de outro.

III- AS BENFEITORIAS (art.96º, CC):


Classificam-se em:

BENFEITORIAS NECESSÁRIAS: Quando se destinam a conservação da coisa, seja para


impedir que pereça ou se deteriore (despesas para que o teto de uma casa não caia, por
exemplo), seja para conservá-la juridicamente (pagamento de impostos, foros).

BENFEITORIAIS ÚTEIS: são úteis as benfeitorias que aumentam ou facilitam o uso do


bem, como, por exemplo, um acréscimo de uma garagem a uma casa.

BENFEITORIAS VOLUPTUÁRIAS: consistem em objetos de luxo e recreio, como jardins,


fontes, cascatas.

 BENS PÚBLICOS
O artigo 98º do Código Civil dispõe que os bens públicos são aqueles pertencentes às
pessoas jurídicas de direito público interno. Por exclusão, todos os outros bens são
particulares. Sem embargo, os bens públicos podem se:
I- BENS DE USO COMUM DO POVO:
São bens que à pessoa jurídica de direito público interno possui o seu domínio, mas
que pode o povo utilizar tais bens, como os rios, mares, estradas, ruas (ART.99º, I, CC).
Cabe mencionar, no entanto, que não perdem essa característica se o Poder Público
regulamentar o seu uso ou torná-lo oneroso, cobrando pedágio, por exemplo.

II- BENS DE USO ESPECIAL:


São bens que se destinam especialmente à execução dos serviços públicos, como os
edifícios onde estão instalados as autarquias.

III- BENS DOMINICAIS:


São aqueles que constituem o patrimônio das pessoas jurídicas de direito público,
exercendo o Poder Público domínio sobre eles. Em regra, os bens públicos são inalienáveis;
entretanto, essa inalienabilidade não é absoluta, podendo alguns bens ser suscetíveis de
valoração patrimonial. Cabe mencionar, ainda, que os bens públicos não estão sujeitos a
usucapião (ART 102º, CC), fundamentado pela SÚMULA 3340 do STF.

QUESTÕES
QUESTÕES
1. (Procurador do Trabalho/XIII Concurso/2006) São considerados bens móveis:
a) o direito à sucessão aberta;
b) os materiais provisoriamente separados de um prédio, para nele se reempregarem;
c) os direitos reais sobre objetos móveis;
d) o que for incorporado artificialmente ao solo;
e) não respondida.

2. (Procurador do Trabalho/XIV Concurso/2007) Consideram -se bens móveis


para os efeitos legais:
a) os materiais provisoriamente separados de um prédio, para nele se reempregarem;
b) as energias que tenham valor econômico;
c) o direito à sucessão aberta;
d) as edificações que, separadas do solo, mas conservando a sua unidade, forem
removidas para outro local;
e) não respondida.

3. (Procurador Municipal/SBC/2004) O direito à sucessão aberta é considerado


pela lei civil:
a) bem móvel;
b) bem imóvel;
c) bem incorpóreo;
d) bem móvel ou imóvel, de acordo com os bens que compõem o espólio;
e) não respondida.
4. (TRT/8ª Região/Juiz do Trabalho/Fundação Carlos Chagas/2005) Marque a
alternativa CORRETA:
I. São móveis os bens suscetíveis de movimento próprio, ou de remoção por força
alheia, sem alteração da substância ou da
destinação econômico -social.
II. Consideram -se móveis para os efeitos legais: as energias que tenham valor
econômico; os direitos reais sobre objetos
móveis e as ações correspondentes; os direitos pessoais de caráter patrimonial e
respectivas ações.
III. Os materiais destinados a alguma construção, enquanto não forem empregados,
conservam sua qualidade de móveis;
readquirem essa qualidade os provenientes da demolição de algum prédio.
IV. São fungíveis os móveis que podem substituir -se por outros da mesma espécie,
qualidade e quantidade.
V. Bens divisíveis são os que se podem fracionar sem alteração na sua substância,
diminuição considerável de valor, ou
prejuízo do uso a que se destinam.
a) Todas as alternativas estão corretas.
b) Somente as alternativas II e III estão erradas.
c) Somente as alternativas III, IV e V estão certas.
d) As alternativas I, II e III estão erradas.
e) A única alternativa correta é a IV.

5. (MP/SP/Promotor de Justiça/82º Concurso) É um bem móvel:


a) enfiteuse.
b) o penhor agrícola.
c) a servidão predial.
d) o direito de autor.
e) o direito à sucessão aberta.

6. (BACEN/Procurador/Fundação Carlos Chagas/2002) Uma galeria de quadros


constitui:
a) universalidade de direito
b) coisa singular composta
c) coisa singular simples
d) universalidade de fato
e) coisa singular

7. (TRT/9ª Região/Juiz do Trabalho/Fundação Carlos Chagas/2004) Considerando


o que dispõe a lei civil sobre os
bens, pode -se afirmar que:
I. Consideram -se imóveis para os efeitos legais os direitos reais sobre imóveis e as
ações que os asseguram e o direito à
sucessão aberta.
II. Os bens naturalmente divisíveis não podem se tornar indivisíveis por vontade das
partes.
III. Não dispondo a lei em contrário, consideram -se bens públicos de uso especial os
bens pertencentes às pessoas jurídicas
de direito público a que se tenha dado estrutura de direito privado.
IV. Os bens públicos também estão sujeitos a usucapião.
Assinale a alternativa CORRETA:
a) Apenas a proposição I está correta
b) Apenas as proposições I e III estão corretas
c) Apenas a proposição II está incorreta
d) Apenas a proposição IV está incorreta
e) Todas as proposições estão erradas

8. (PGE/PA/Procurador do Estado/2009) Analise as proposições abaixo e


assinale a alternativa CORRETA:
a) Os bens pertencentes a sociedades de economia mista são considerados privados,
salvo expressa disposição legal em
contrário.
b) São pertenças as máquinas utilizadas em uma fábrica, pois se destinam, de modo
duradouro, ao serviço, de tal sorte que
os negócios jurídicos que digam respeito ao principal as abrangem, salvo
manifestação expressa em contrário das partes.
c) Constitui benfeitoria útil a construção de um galpão, contíguo à casa, para ser
utilizado como depósito.
d) Consideram -se bens móveis, para os efeitos legais, as energias que tenham valor
econômico, os direitos reais sobre
objetos móveis e as ações correspondentes, bem como os direitos pessoais de caráter
patrimonial e as respectivas
ações.

9. (DEL/POL/SP/Acadepol/SP/2003) Consoante dispõe o Código Civil:


a) os direitos pessoais de caráter patrimonial e as respectivas ações constituem bens
imóveis.
b) classificam -se como úteis as benfeitorias que tenham por fim conservar o bem ou
evitar que ele se deteriore.
c) considera -se acessório o bem cuja existência suponha a do principal.
d) constituem bens móveis os materiais provisoriamente separados de um prédio, mas
destinados a nele se reempregarem.

10. (TRT/15ª Região/Campinas/Juiz do Trabalho/XXI Concurso/Fundação Carlos


Chagas/2006) Assinale a alternativa
CORRETA:
a) os rios, mares, estradas, ruas e praças não são considerados bens públicos;
b) as benfeitorias voluptuárias são aquelas que aumentam ou facilitam o uso do bem;
c) os bens considerados naturalmente divisíveis não podem se tornar indivisíveis por
determinação da lei ou vontade das
partes;
d) são coletivos os bens que, embora reunidos, se consideram de per si,
independentemente dos demais;
e) são fungíveis os bens móveis que podem ser substituídos por outros da mesma
espécie, qualidade e quantidade.

11. (Procurador/Faz. Nacional/ESAF/2007) Se desaparecem os dutos e as


estações de compressão de um gasoduto,
este perderá seu interesse econômico. Isto se dá por serem os dutos e as
estações de compressão:
a) pertenças;
b) acessões;
c) bens principais;
d) coisas anexadas empregadas intencionalmente na exploração de atividade
econômica;
e) partes integrantes.

12. (TJSP/Juiz de Direito/182º Concurso/VUNESP/2009) Considerados em si


mesmos, os bens podem ser:
a) públicos e particulares.
b) principais e acessórios.
c) imóveis pela própria natureza, benfeitorias e pertenças.
d) móveis e imóveis.

13. (Defensor Público/ES/II Concurso/CESPE/UnB/2009) De acordo com o Código


Civil, julgue os itens seguintes:
71. O indivíduo não pode ser constrangido a submeter -se a tratamento ou a
intervenção cirúrgica com risco de morte.
72. A União, os estados, o DF e os municípios são, de acordo com o Código Civil, as
únicas pessoas jurídicas de direito
público interno.
73. No que concerne a domicílio, é correto afirmar que, tendo uma pessoa natural
vivido sucessivamente em diversas
residências, qualquer uma delas será considerada como domicílio seu.
74. Os direitos reais sobre imóveis e as ações que os asseguram, bem como o direito
à sucessão aberta, são considerados
bens imóveis para os efeitos legais, de acordo com o Código Civil.
75. As pertenças não seguem necessariamente a lei geral de gravitação jurídica, por
meio da qual o acessório sempre seguirá
a sorte do principal. Por isso, se uma propriedade rural for vendida, desde que não
haja cláusula que aponte em sentido
contrário, o vendedor não estará obrigado a entregar máquinas, tratores e
equipamentos agrícolas nela utilizados.

14. (OAB/MG/2009) A respeito dos BENS assinale alternativa INCORRETA:


a) um bem móvel pode adquirir a qualidade de imóvel e, após, tornar a ser móvel.
b) um bem naturalmente divisível pode se tornar indivisível, se assim for a vontade das
partes.
c) um material separado de um prédio, para nele tornar a ser empregado, não perde a
qualidade de bem imóvel.
d) os direitos pessoais de caráter patrimonial constituem bens imóveis.

15. (MP/MG/Promotor de Justiça/2010) Assinale a alternativa INCORRETA.


a) Bens corpóreos são coisas com existência material; bens incorpóreos não são
perceptíveis pelos sentidos; patrimônio é o
conjunto de bens e direitos de um sujeito.
b) Há bens imóveis por natureza, bens imóveis por destinação, bens imóveis por
acessão intelectual, outros que a lei
considera imóveis para os efeitos legais.
c) A lei considera móveis os direitos reais sobre objetos móveis e as ações
correspondentes, os direitos pessoais de caráter
patrimonial e respectivas ações.
d) Os rios, as estradas, as ruas e praças, os edifícios destinados a serviço da
administração federal, inclusive suas
autarquias, entre outros, são bens públicos.
e) A vaga em ponto de táxi incide sobre bem público de uso comum do povo; esses
bens estão fora do comércio e o
arrendamento de vaga é nulo de pleno direito.

16. (TJMS/Juiz de Direito/Fundação Carlos Chagas/2010) A propósito das


diferentes classes de bens, é CORRETO
afirmar que
a) os considerados em si mesmos podem ser principais ou acessórios.
b) os reciprocamente considerados podem ser móveis ou imóveis.
c) os bens naturalmente divisíveis não podem ser considerados indivisíveis por
declaração de vontade das partes, nem por
testamento.
d) os bens fungíveis são aqueles cujo uso importa destruição imediata da própria
substância.
e) as pertenças são bens acessórios que se destinam, de modo duradouro, ao uso, ao
serviço ou ao aformoseamento de
outro.

17. (TRT/6ª Região/Juiz do Trabalho/XVIII Concurso/2010) Analise as assertivas


abaixo e, depois, assinale a
alternativa CORRETA:
I. A sentença judicial declaratória da ausência enseja a presunção juris tantum da
morte (ou seja, admite prova em contrário) e
não precisa ser levada para registro no Cartório de Registros Públicos.
II. A fundação pode ser instituída tanto por pessoa física como por pessoa jurídica.
III. Os surdos -mudos são considerados relativamente incapazes.
IV. Quanto ao domicílio, em nosso sistema legal, uma pessoa pode tê -lo sem ter
residência.
V. Os frutos e os produtos se caracterizam pela periodicidade, pela inalterabilidade da
substância e pela separabilidade da
coisa principal.
a) As assertivas II, III e V estão corretas.
b) Apenas as assertivas I e IV estão corretas.
c) As assertivas I, III e V estão incorretas.
d) Apenas a assertiva IV está incorreta.
e) Apenas a assertiva II está incorreta.

18. (DEL/POL/SP/Acadepol/SP/VUNESP/2014) Com relação aos bens públicos, é


correto afirmar que
a) os de uso especial e os dominicais são inalienáveis, inadmitindo desafetação.
b) podem ser de uso gratuito ou retribuído, conforme disposição legal.
c) os rios, mares, ruas e praças constituem bens de uso especial.
d) os de uso especial são aqueles bens públicos revestidos de estrutura de direito
privado.
e) apenas os dominicais estão sujeitos à usucapião.

19. (TJMG/Juiz de Direito/FUNDEP — Gestão de Concursos/2014) Consideram-se


bens imóveis para os efeitos
legais
a) os direitos pessoais de caráter patrimonial e respectivas ações.
b) as energias que tenham valor econômico.
c) os materiais provisoriamente separados de um prédio, para nele se reempregarem.
d) os direitos reais sobre objetos móveis e as ações correspondentes.

GABARITO
1. “c”. Vide art. 83, II, do CC.
2. “b”. Vide art. 83, I, do CC.
3. “b”. Vide art. 80 do CC.
4. “a”.
5. “d”. Vide art. 83, III, do CC e art. 3º da Lei n. 9.610/98.
6. “d”. Vide art. 90 do CC.
7. “a”. Vide art. 80 do CC.
8. “d”. Vide art. 83 do CC.
9. “c”. Vide art. 92 do CC.
10. “e”. Vide art. 85 do CC.
11. “e”.
12. “d”.
13. 71 (C); 72 (E); 73 (E); 74 (C); 75 (C). Vide arts. 15, 80 e 93 do CC.
14. “d”. Vide art. 80 do CC.
15. “b”. Vide arts. 79 e 80 do CC.
16. “e”. Vide art. 93 do CC.
17. “c”. Vide arts. 62 e 73 do CC, que tratam das assertivas corretas.
18. “b”. “Dependendo do que as leis estabeleçam, o uso comum pode ser gratuito ou remunerado.
Assim, a circulação de veículos nas estradas é livre, mas seus condutores, para fazê-lo, terão que
pagar o ‘pedágio’ acaso estabelecido”.

REFERÊNCIAS

Gonçalves, Carlos Roberto


Direito civil, 1 : esquematizado® : parte geral : obrigações e contratos / Carlos Roberto Gonçalves ;
coordenador Pedro Lenza. – 6. ed. – São Paulo :
Saraiva, 2016.