Вы находитесь на странице: 1из 25

Índice Pag.

I. Introdução....................................................................................................................................... 1
II. OBJETIVOS Gerais............................................................................................................................ 2
III. Objectivos Específicos ................................................................................................................. 2
Desenvolvimento dos Objectivos específicos ......................................................................................... 3
III.I. Analise dos diversos resíduos electrónicos gerados na TDM ...................................................... 3
III.II. Avaliação dos riscos ocupacionais e ambientais provocados pelos resíduos electrónicos
gerados na TDM .................................................................................................................................. 4
III.II.I. Chumbo ................................................................................................................................... 4
III.II.III. Mercúrio ............................................................................................................................... 5
III.II.IV. Resumo dos Riscos ocupacionais de ambientais de resíduos electrónicos gerados na TDM
............................................................................................................................................................ 5
III.III. Analise dos procedimentos de HS e SO acautelados no processo de recolha e
armazenamento de lixo electrónico gerado ....................................................................................... 6
III.IV. Analise da eficiência dos procedimentos existentes na TDM no processo de recolha e
armazenamento de resíduos electrónicos.......................................................................................... 8
III.V. Estudo do melhoramento do sistema de recolha e armazenamento de resíduos electrónicos
gerados................................................................................................................................................ 9
IV. Metodologia de trabalho usada ................................................................................................ 10
V. Caracterização do local de trabalho.............................................................................................. 11
VI. Aspectos de HS e SO no processo de recolha e armazenamento de resíduos electrónicos .... 11
VII. Aspectos ambientais na recolha e armazenamento de resíduos electrónicos ........................ 12
VIII. Conclusão .................................................................................................................................. 14
IX. Recomendações ........................................................................................................................ 15
X. Bibliografia .................................................................................................................................... 17
XI. ANEXOS ............................................................................................................................................... i
Anexo 1 – Do ponto IX. Recomendações ............................................................................................ ii
Processo de reciclagem para resíduos electrónicos ........................................................................... ii
Anexo 2 – Do ponto IV. Metodologia de trabalho usada .................................................................. iii
Formulário de entrevista ................................................................................................................... iii
Anexo 3 – Do ponto IV. Metodologia de trabalho usada .................................................................. vi
Credencial .......................................................................................................................................... vi
I. Introdução
A área das tecnologias electrónica/informática é sem dúvidas a que mais cresce, e com o avanço
tecnológico conseguido dia pós dia, vários equipamentos ou dispositivos electrónicos pouco
mais antigos e robustos estão sendo substituídos por recentes muito ínfimos, integrados e de
múltiplas funções comparativamente. Nesta ordem de ideia as empresas assim como pessoas
singulares tem sentido necessidade de trocar seus dispositivos electrónicos ainda em
funcionamento por outros mais recentes e de mais alta qualidade (trocar um aparelho televisor
de tela TRC por um mais recente de tela Plasma UFHD Cover), assim esses dispositivos
trocados são muitas das vezes considerados lixos electrónicos.

Para além deste caso, existem aparelhos tanto antigos assim como recentes que por várias
razões são danificados ao ponto de serem considerados lixos. Isto acontece mais com aparelhos
recentes que por serem bastante ínfimos e integrados a sua reparação é modular, gerando assim
bastante módulos electrónico em forma de lixo para o meio ambiente. A área de
telecomunicações respeita esta dinâmica de crescimento da área tecnológica sendo assim
também umas das maiores fontes de geração de resíduos electrónicos ao meio ambiente.

Este trabalho situar-se-á na empresa de Telecomunicações de Moçambique (TDM) onde poder-


se-á avaliar os procedimentos acautelados naquela empresa na recolha e armazenamento de
lixo, no que pode-se estudar a eficiência destes procedimentos e o impacto ambiental que as
empresas de telecomunicações sujeitam o País. Será também o objeto deste trabalho fazer um
estudo de melhoramento de HS e SO Na Recolha e Armazenamento de Resíduos Electrónico.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 1


II. OBJETIVOS Gerais
O grande problema causado pelo lixo electrónico ao meio ambiente tem muito a ver com a
forma da sua colecta e armazenamento do próprio lixo, daí o objectivo principal deste artigo
que é fazer a avaliação do lixo electrónico numa empresa de comunicação e os principais
problemas causados ao meio ambiente e elaboração de procedimentos de HS e SO na recolha
e armazenamento do lixo electrónico. O trabalho situara num espaço (empresa de
comunicação) um estudo profundo e de campo para analisar e avaliar o sistema de colecta do
lixo electrónico gerado nesse espaço e avaliando o impacto ambiental desse lixo e sua
respectiva forma de colecta e armazenamento.
Vai se igualmente analisar se os procedimentos de HS e SO são acautelados na área em que
gera se o lixo electrónico na mesma empresa e posteriormente enriquecer estes.

III. Objectivos Específicos


III.I. Analisar os diversos tipos de resíduos electrónicos gerados na TDM;

III.II. Avaliar os riscos ocupacionais e ambientais provocados pelos resíduos electrónicos


gerados nesta empresa;

III.III. Analisar os procedimentos de HS e SO acautelados no processo de recolha e


armazenamento de lixo electrónico gerado;

III.IV. Analisar a eficiência dos procedimentos existentes na TDM no processo de recolha e


armazenamento de resíduos electrónicos;

III.V. Estudo do melhoramento do sistema de recolha e armazenamento de resíduos


electrónicos gerados.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 2


Desenvolvimento dos Objectivos específicos
O lixo eletrônico é considerado um resíduo sólido especial de coleta obrigatória, configurando-
se como um grave problema para o ambiente e para a saúde, desde sua produção até o seu
descarte, pois são constituídos por materiais que possuem metais pesados altamente tóxicos,
denominados vilões silenciosos, como o mercúrio, cádmio, berílio e o chumbo. A sua produção
pode afetar, tanto os trabalhadores quanto comunidades ao redor dessas indústrias. Além disso,
esses resíduos são normalmente descartados em lixões e acabam contribuindo, de maneira
negativa, com o meio-ambiente e com os catadores que sobrevivem da venda de materiais
coletados nos lixões (SIQUEIRA e MORAES, 2009).

III.I. Analise dos diversos resíduos electrónicos gerados na TDM

A empresa da TDM (Telecomunicações de Moçambique) lida com matérias e equipamentos


electrónicos que sofrem evolução dia pôs dia, que tornam-se resíduos por avarias definitivas
ou pelo simples facto de não corresponderem mais as expectativas da actualidade. Estes
componentes electrónicos de telecomunicações são normalmente compostos de matérias como
metal ferroso (32%), plástico (23%), metais não ferrosos como chumbo, cadmio, belirio,
mercúrio (18%), vidro (15%) e placas electrônicas de cobre, índio, prata e ouro (12%).

Essas substâncias são altamente perigosas à saúde humana, além disso, para se produzir os
aparelhos também são utilizados compostos químicos retardantes de chamas e PVC, que
demoram séculos para se decompor no meio ambiente. Em contacto com o ar, as águas e o
solo, e por exposição directa ou indirecta via água de abastecimento e alimentos, essas
substâncias podem criar distúrbios no sistema nervoso, problemas renais e pulmonares, câncer
e outras doenças, podendo, inclusive, afetar o cérebro. Os metais pesados, com alta
concentração no lixo eletrônico, têm a propriedade da bioacumulação nos organismos vivos e,
dessa forma, se estender por toda a cadeia trófica, isto é, toda a cadeia alimentar, chegando ao
topo onde se encontra o homem.

A TDM é geradora de resíduos com estas características e em grandes quantidades, pois é uma
empresa que cotem vários equipamentos electrónicos que apresentam diversas avarias e ou da
descontinuidade dos mesmos, são eles: placas electrónicas, tonners, monitores, PCs, rádios
comunicadores, telefones, cabos condutores, impressoras, modens, televisores, equipamentos
de transmissão, equipamentos de comutação, equipamentos de rede, acessórios metálicos.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 3


Vide tabela 2 no ponto VII “Aspectos ambientais na recolha e armazenamento de resíduos”
onde especifica-se a análise de riscos, classificando os riscos de acordo com a sua natureza
Física, Química, Biológica ou outros e definir-se as situações perigosas para cada risco
identificado.

III.II. Avaliação dos riscos ocupacionais e ambientais provocados pelos


resíduos electrónicos gerados na TDM
Os resíduos electrónicos gerados na TDM, são compostos dessas várias matérias metais
presentes em computadores, televisores, cabos condutores, placas electrônicas que por sua
vez contem metais como chumbo, cobre, calmio, mercurio, prata e outros, são nocivos a
saúde humana e ao meio ambiente.

De acordo com FEREIRA (2008), GONÇALVES (2007), e MOREIRA (2007), alguns


problemas causados ao meio ambiente assim como ao Homem por estes materiais são:

III.II.I. Chumbo

O chumbo pode causar danos ao sistema nervoso central e periférico, sistema sanguíneo e nos
rins dos seres humanos. Efeitos no sistema endócrino também têm sido observados e seu sério
efeito negativo no desenvolvimento do cérebro das crianças tem sido muito bem documentado.
O chumbo se acumula no meio ambiente e tem efeitos tóxicos agudos e crônicos nas plantas,
animais e micro-organismos. Produtos eletrônicos constituem 40% do chumbo encontrado em
aterros sanitários. A principal preocupação do chumbo encontrado em aterro sanitário é a
possibilidade do mesmo vazar e contaminar os sistemas fornecedores de água potável.

As principais aplicações do chumbo, em equipamentos eletrônicos são, solda nos circuitos


impressos e outros componentes eletrônicos e tubos de raios catódicos nos monitores e
televisores;

III.II.II. II. Cádmio

Os compostos a partir do cádmio são classificados altamente tóxicos, com riscos considerados
irreversíveis para a saúde humana. O cádmio e seus compostos acumulam-se no organismo

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 4


humano, particularmente nos rins. É absorvido através da respiração, mas também pode ser
absorvido através de alimentos, causando sintomas de envenenamento. Apresenta um perigo
potencial para o meio ambiente devido a sua aguda e crônica toxicidade e seus efeitos
cumulativos.

Em equipamentos elétricos e eletrônicos, o cádmio aparece em certos componentes tais como


em resistores, detectores de infravermelho e semicondutores. Versões mais antigas dos tubos
de raios catódicos também contém cádmio. Além disso, o cádmio é usado como estabilizador
para plásticos.

III.II.III. Mercúrio

Quando o mercúrio se espalha na água, transforma-se em metil-mercúrio, um tipo de mercúrio


nocivo para a saúde do feto e bebês, podendo causar danos crônicos ao cérebro. O mercúrio
está presente no ar e, no contato com o mar, como já foi mencionado, transforma-se em metil-
mercúrio e vai para as partes mais profundas. Essa substância acumula-se em seres vivos e se
concentra através da cadeia alimentar, particularmente via peixes e mariscos.

É usado, também, em equipamentos de transmissão de dados, telecomunicações e telefones


celulares. O mercúrio usado em baterias, interruptores de residências e placas de circuito
impresso.

III.II.IV. Resumo dos Riscos ocupacionais de ambientais de resíduos electrónicos


gerados na TDM
De forma resumida pode se deduzir a tabela a seguir para demostrar os diversos riscos
ocupacionais do lixo electrónico gerado nesta empresa

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 5


Riscos ocupacionais presentes

Substância Origem Contaminação Efeito


Computador, Irritabilidade, tremores musculares,
Chumbo Inalação e toque
celular e televisão lentidão de raciocínio, alucinação,
insônia e hiperatividade
Computador, Agente cancerígeno, afeta o sistema
Cádmio Inalação e toque
monitor de tubo e nervoso, provoca dores reumáticas,
baterias de laptops distúrbios metabólicos e problemas
pulmonares
Mercúcio Computador, Problemas de estômago, distúrbios renais
Inalação e toque
monitor, televisão e neurológicos, alterações genéticas e no
de tela plana metabolismo
Agente cancerígeno, afecta o sistema
Arsênio Aparelho telefone Inalação e toque
nervoso e cutâneo
Baterias de Provoca vômitos, diarréias e problemas
Zinco Inalação
celulares e laptops pulmonares
Anemia, dores abdominais, vômito,
Manganês Computador e Inalação
seborreia, impotência, tremor nas mãos e
telefone
perturbações emocionais
Cloreto de Baterias de Acumula-se no organismo e provoca
Inalação
Amônia celulares e laptops asfixia
PVC Usado em fios Problemas respiratórios
Inalação
para isolar
correntes

Tabela 1. Riscos Ocupacionais presentes em resíduos electrónicos

III.III. Analise dos procedimentos de HS e SO acautelados no processo de


recolha e armazenamento de lixo electrónico gerado
Existe uma equipa responsável pela recolha de resíduos electrónicos que o faz sob um critério.
A empresa não possui nenhum tratamento específico para os resíduos, apenas eles são

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 6


recolhidos e armazenado segundo a sua classificação e depois esses resíduos são vendidos para
empresas Sul-Africanas para a sua reciclagem, quando existe interesse por parte desta empresa
em esses resíduos. Para aqueles dispositivos considerado sucata mais que ainda podem ser
recuperados e utilizados são vendidos mesmo a nível interno.

Não existem procedimentos claros e gerais de HS e SO definidos pela empresa e conhecidos


pelos seus colaboradores, se esses foram definidos pela empresa, não são divulgados para que
possam ser acautelados pelos trabalhadores, que deviam os seguir. Por exemplo, só para ter
ideia que um indivíduo que trabalha neste sector nas oficinas tem total desconhecimento dos
impactos negativos destes resíduos a saúde humana, apesar de boa parte pelo menos dos
impactos negativos ao ambiente.

A falta de segurança no trabalho ocasiona acidentes, e uma das classes afetadas diretamente é
a dos profissionais da coleta de lixo, que estão expostos a vários riscos no decorrer de suas
actividades. Essa profissão é nesta empresa e quase sempre em muitas outras empresas
desvalorizada e por isso não desperta a preocupação necessária em relação à segurança na qual
o ofício exige.

Notadamente a falta de conscientização dos trabalhadores, em não armazenar adequadamente


o lixo electrónico, bem como a manifestação do preconceito em relação aos profissionais da
colecta, pode ocasionar riscos. Todavia, a exposição aos agentes químicos faz com que o
trabalho de colecta do lixo electrónico seja considerado insalubre, sendo assim, os colectores
de lixo têm direito ao adicional de insalubridade de grau máximo.

Outras situações nos quais esses profissionais são facilmente acometidos são: existência de
pedaços de vidros, espetinhos, odor fétido ao qual eles têm que suportar vindo dos lixos
recolhidos.

Se existir segurança no trabalho dos coletores de lixo de, esses profissionais poderão
desenvolver suas atividades com menor incidência de riscos, bem como a redução dos registros
de acidentes no trabalho.

Por meio desta, mostra-se a importância de um estudo orientado para elaboração de medidas
da segurança no trabalho, e em consequência a melhoria da qualidade de vida dos profissionais
da coleta de lixo electrónico. A prevenção de acidente será eficiente quando existir um
programa de conscientização dos trabalhadores em geral no que se refere à armazenagem do
lixo e dos profissionais em relação ao uso de equipamento de protecção individual

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 7


Para isso, é muito importante que a direcção da empresa e os trabalhadores estejam activamente
comprometidas.

III.IV. Analise da eficiência dos procedimentos existentes na TDM no


processo de recolha e armazenamento de resíduos electrónicos
Pode se verificar que os procedimentos existentes na TDM são ineficientes, dado que não
existem politicas padrão para o processo de armazenamento de resíduos electrónicos gerados,
se existem elas não são divulgadas e promovidas tal que todos funcionários possam ter
consciência dos impactos negativos do lixo electrónico ao meio ambiente e ao ser humano.

Do trabalho de campo feito é não pode se saber se a empresa sul Africana responsável pela
recolha do material na TDM faz um uso racional e recomendado destes resíduos, claro por que
nem todo resíduo pode ser reutilizável, então a estes qual é o destino que é proporcionado.

Em regra os resíduos electrónicos deviam ser separas separados, de acordo com o tipo de
resíduo que os compõe, os materiais são prensados e direcionados para fabricação de novos
produtos, aos não passíveis de reciclagem é dada destinação correta nos aterros próprios. Pode
melhor ver se a seguir como deve ou quais são os melhoramentos a serem feitos neste processo
de recolha de recolha e armazenamento de resíduos electrónicos.
Boa parte dos produtos eletrônicos da TDM, após consumo ainda conservam muitas de suas
características e mantêm sua capacidade de funcionamento, conservando suas propriedades
tecnológicas, todavia estão ultrapassados por novos modelos e novas tecnologias. Enquanto a
tendência até há pouco tempo era simplesmente abandonar os aparelhos antigos, muitas vezes
em galpões, sendo esquecidos e caindo em desuso, atualmente, o cenário vem mudando devido
a existência de quantidade exorbitantes de lixo electrónico, o lixo é encaminhado aos locais
próprios, onde pode ser realizada a correta separação de componentes e posterior reciclagem.

A reciclagem de eletrônicos esbarra na questão da dificuldade, que muitas vezes aparece,


quando se depara numa situação de desmontar e separar os elementos e peças internas que
compõem os aparelhos para que cada uma delas tenha uma correta destinação. O ano de
produção dos aparelhos também influencia na desmontagem. Equipamentos mais antigos
exigem maiores esforços de trabalho e de custo para desmontar e apresentam uma pequena
quantidade de material que pode ser recuperado, em relação aos produtos mais novos. Apesar
dos custos elevados e da dificuldade manual do desmonte, os metais preciosos que compõem

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 8


os eletrônicos podem ser revendidos por quantias altas, o que compensa o esforço. O produto
eletrônico com maior perspectiva de recuperação são as placas de circuito eletrônico. Estas
possuem um alto nível de metais preciosos, que são o elemento derivado da reciclagem do e-
waste com maior valor de mercado.

III.V. Estudo do melhoramento do sistema de recolha e armazenamento de


resíduos electrónicos gerados
Para o funcionamento correcto de qualquer repartição de uma empresa é necessário a
capacitação dos recursos humanos portanto seria fundamental o conhecimento dos riscos
ambientais pelos trabalhadores, pois esse conhecimento pode auxiliar na prevenção de
acidentes, já que são capazes de causar danos à saúde e à integridade física do trabalhador em
função de sua natureza, intensidade, susceptibilidade e tempo de exposição.

Não devem ser os acidentes de trabalho e as doenças profissionais a determinar a tomada de


medidas de segurança, estas devem ser anteriores e estabelecidas sempre numa perspectiva de
prevenção. São estas de um modo geral as obrigações morais e legais dos empregadores. Estes
devem estar conscientes que, o aumento da segurança e a diminuição das doenças profissionais
nas suas empresas se traduzem em ganhos de produtividade, qualidade, imagem da empresa e
de competitividade

O compartilhamento da responsabilidade entre os diferentes actores envolvidos na cadeia de


produção e de pós consumo significa que, no caso dos resíduos eletrônicos, a destinação destes
equipamentos é responsabilidade não apenas de seu dono, mas também dos fabricantes, de
maneira que estes devem possuir algum programa que inclua o recolhimento e por fim o
descarte de maneira ambientalmente correcta de seus produtos que não possuem mais uso para
os compradores.

A logística reversa está intimamente relacionada com o descarte correto e a reciclagem do lixo
electrónico. Nesta perspectiva, a ideia é promover usos alternativos para produtos que não têm
mais utilidade para seus donos. Apenas para citar um exemplo, um teclado antigo de
computador pode ter sua placa-mãe retirada e, em seguida, reinserida em um brinquedo
eletrônico, enquanto outras partes são facilmente recicladas.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 9


Figura 1. Separação de matérias que compõem o dispositivo para definir parte a reciclar e a
descartar

É também aconselhável que as regras de HS na empresa sejam patentes e colocadas e em


lugares em que todos os dias os trabalhadores possam ver e lembrar de as seguir, para que
realmente qualquer modelo errado que possa se corrigir possa ser facilmente aderido pela esta
classe operativa. É imprescindível que não se pense em maneiras de reciclar se o lixo
electrónico, o que ajuda o meio ambiente e é rentável então deve se sempre separar-se os
resíduos em tipos de matérias que os compõem, daí a preocupação dar um destino a cada um.

IV. Metodologia de trabalho usada


Para a realização deste trabalho necessitava se de fazer uma visita a empresa das
Telecomunicações de Moçambique de onde podia se fazer o estudo requerido do processo de
recolha e armazenamento de lixo electrónico, no entanto submeteu se pedido de credencial
(vide anexo 3) a faculdade que veio levar duas semanas e submeteu se aos recursos humanos
da TDM, na esperança de ter se a emissão do parecer da mesma convocando para as oficinas
para a realização do trabalho, facto que não veio acontecer ate então, em virtude para fazer se
face a isso buscou se alternativas para se obter as informações.
Com ajuda de um funcionário sénior das oficinas desta empresa, foi possível ter se o conteúdo
(através de uma mini entrevista feita, vide anexo 2) que aqui neste trabalho em
desenvolvimento de objectivos específicos foi citado.
Em paralelo ao conteúdo técnico da empresa usou se suporte das aulas teóricas, e alguns livros,
artigos disponíveis na internet que estão citados na bibliografia deste trabalho.
Para a construção do relatório devia se ter o suporte do docente onde ajudava corrigindo,
tirando dúvidas de procedimentos e outras explicações relevantes.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 10


V. Caracterização do local de trabalho
Telecomunicações de Moçambique E.P. foi criada pelo decreto nº 5/81 de 10 de Junho de 1981,
na sequência da extinção dos Correios, Telégrafos e Telefones (CTT) e transformada em
empresa pública pelo decreto nº 23/92, de 10 de Setembro de 1992.

Em 26 de Dezembro de 2002, a TDM foi transformada em Sociedade Anónima de


Responsabilidade Limitada, passando a ser designada por TELECOMUNICAÇÕES de
MOÇAMBIQUE S.A.R.L., nos termos do decreto nº 47/2002.

No princípio a TDM focou-se no desenvolvimento da rede nacional de telecomunicações, a


introdução de melhorias no sistema técnico e de gestão de rede, a optimização do investimento,
o aumento do número de assinantes e consequente aumento do tráfego telefónico. Foi nesta
fase que a empresa iniciou a modernização da rede telefónica através dum processo de
digitalização progressiva. Entre (1993 – 1997), foi caracterizado pelo desenvolvimento
institucional e foi marcado por acções tendentes ao desenvolvimento do modelo de gestão de
empresa pública, para o melhoramento da capacidade de planeamento e de tomada de decisões
estratégicas e operacionais por parte dos gestores e quadros da empresa. Neste contexto, foi
introduzido o conceito de gestão através de sistemas e tecnologias de informação, tendo em
vista a melhoria geral dos processos e consequente elevação dos níveis de qualidade de serviço
ao cliente. Em 1997 foi estabelecido, pela TDM E.P., a primeira operação de telefonia móvel
em Moçambique, através da TMM (Telecomunicações Móveis de Moçambique, mais tarde
Moçambique Celular – mcel), resultado de uma parceria entre a TDM e a DETECON (empresa
Alemã).

A oficina da TDM situada na avenida Acordos Lusaka é onde todos resíduos electrónicos desta
empresa são destinados, por isso foi onde fez se o estudo para a realização deste trabalho.

VI. Aspectos de HS e SO no processo de recolha e armazenamento


de resíduos electrónicos
Para uma boa higienização e segurança de trabalhadores coletores dos resíduos é necessário ter
se em conta os processos que passam por separar as peças de acordo com o tipo de material
(plástico, vidro, metais, materiais não ferrosos, placas de circuito e monitores), agregando
maior valor comercial ao resíduo, mas, mais de que tudo evita que o trabalhador possa cortar-

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 11


se ou possa estar vulnerável a um risco qualquer sujeite por partículas de vidro, metal, químico
ou outro no processo de recolha. Vide no desenvolvimento dos objectivos III.III.

VII. Aspectos ambientais na recolha e armazenamento de resíduos


electrónicos
Todos aspectos citados neste trabalho sobre meio ambiente devem ser considerados relevantes,
porém vai se evidenciar neste capítulo o processo de descarte de forma a não prejudicar o
ambiente que através de aterro sanitário que é o local mais seguro para descarte de este tipo de
resíduo, pois ocorre uma disposição de resíduos sólidos, previamente selecionados, em um solo
devidamente impermeabilizado, de modo a proteger a população e o ambiente.

É baseado em técnicas de engenharia avançadas para que ocupe o menor lugar possível e tenha
um sistema de impermeabilização eficiente.

Figura 2. Aterro sanitário

Além disso, em aterros sanitários, existe um sistema de drenagem e tratamento do chorume.


Chorume é o nome que se dá aos produtos da decomposição de matéria orgânica oriunda do
lixo, já em estado de putrefação, misturada à água da chuva e que exala um cheiro desagradável.
O tratamento consiste em lagoas de estabilização, filtros biológicos, sistemas de oxidação e
pré-tratamento, os gases produzidos também devem ser removidos e queimados de forma

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 12


adequada para evitar riscos ambientais e manter a segurança das pessoas que trabalham nesses
locais. Nos aterros sanitários, o lixo é separado e acondicionado em locais específicos. Para
isso, existe um trabalho intenso de engenharia ambiental.
As vantagens do aterro sanitário são a viabilidade do processo, a possibilidade de receber
diversos tipos e diversas quantidades de lixo e, acima de tudo, a utilização posterior dessas
áreas, como parques, por exemplo.

Especifica se na tabela abaixo, as características dos riscos classificando os riscos de acordo


com a sua natureza Física, Química, Biológica ou outros e definir-se as situações como
perigosas ou não para cada risco identificado.

Tipo de resíduo Riscos Perigoso Não Tipo de tratamento


Presentes perigoso
Placas Chumbo, cobre, X Necessária separação dos
Electrónicas níquel componentes para dar início a
reciclagem
Monitores CRT Chumbo, X Facilidade de reciclagem mais o
fosforo, cadmio material tóxico precisa de
desintoxicação
Rádios Chumbo, X Difícil reciclagem devido à
Comunicadores arsénio e complexidade
e telefones manganês
Modens Chumbo, X A reciclagem destes materiais
bromo, cloro, deve ser considerada como
mercúrio reciclagem de resíduos perigosos
Televisores Fosforo, X Fácil reciclagem
CRT chumbo
Impressoras Diversos X A reciclagem de uma impressora
plásticos, cobre, implica a desmontagem do
alumínio aparelho, a separação das suas
partes segundo o tipo (plástico,
metal, borracha)
Computadores Chumbo, X Difícil reciclagem devido à
cadmio, berílio, complexidade pois requer a
mercúrio, metal utilização de Tecnologias
ferroso, avançadas devido a diversidade de
plástico, vidro materiais e ao seu alto nível de
valor de risco das substâncias
tóxicas
Cabos Alumínio, cobre X Facilmente reciclável
e polímeros
Tabela 2. Identificação e classificação de riscos

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 13


VIII. Conclusão
Após a realização deste trabalho é possível verificar que a empresa TDM gera quase todo tipo
de resíduos electrónicos com destaques a resíduos provenientes de equipamentos de
transmissão, equipamentos de comutação, equipamentos de rede, acessórios metálicos e redes.

Os riscos ocupacionais e ambientais provocados por estes resíduos são claros e forma
discutidos no ponto III.II, porem pode concluir também que existe algum esforço exercido pela
empresa para reduzir estes impactos sob ponto de vista ambiental, mas não ocupacional. A
empresa não segue com as exigências necessárias de armazenamento de resíduos mas tenta dar
um destino correto vendendo equipamentos obsoletos ou avariados a público em geral sob uma
divulgação pública e com um critério em que os interessados submetem uma carta fechada a
empresa com propostas de preço, artigo, grupo de equipamento e outras especificações. Porem
esta não tem se mostrado viável no que recorre a uma empresa Sul Africana para o destino
desses equipamentos, e não deposita seus resíduos electrónicos em lixões comuns.

E quanto HS e SO verificou-se que apesar do esforço da empresa em fornecer os EPIs, os


funcionários responsáveis pela recolha dos lixos não estão totalmente livres de acidentes, uma
vez que o serviço da colecta de lixo por si só apresenta características comuns suscetíveis aos
riscos, onde os coletores de lixo constituem uma população particularmente vulnerável aos
mesmos, isto porque primeiro os trabalhadores não tem conhecimentos de regras de HST
aplicáveis para seu sector e segundo porque não faz se separação de resíduos de acordo com o
tipo de material que os compõe.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 14


IX. Recomendações
Para um processo de recolha e armazenamento de lixo electrónico sustentável e eficaz para esta
empresa sugere se o seguinte figurativo mostrado em IX (vide anexo 1):

IX.I. Para os diversos resíduos gerados na TDM recomenda-se que faça-se a desmontagem de
todos dispositivos considerados em vez de descarta-los como um todo. Neste ponto do processo
o equipamento em questão pode ter sua origem de qualquer ponto autorizado da empresa,
especifica uma área que deve ser responsável pela completa desmontagem do equipamento,
preparando para o próximo passo que será a descaracterização. Descaracterização: Segundo a
política da empresa a descaracterização é feita com intenção de não haver possibilidade de uma
determinada parte do equipamento ser utilizada para outra coisa a não ser a reciclagem. Por
exemplo, um teclado chegando inteiro no local, ele é quebrado, descaracterizado, eliminando
o reuso deste, destinando sobre para reciclagem. Segregação: Após a descaracterização é feita
a separação por: metal, plástico, fios, placas de áudio, fontes de alimentação, baterias e
alumínio;

IX.II. Na avaliação dos riscos ocupacionais e ambientais recomenda-se a empresa que esteja
ciente que como uma empresa que lida com equipamentos electrónicos sempre estará sujeito a
posição de poluidor, então deve adotar responsabilidade de querer fazer sua parte preservando
o ambiente, isto cumprindo com a recomendação IX.I na desmontagem de equipamentos
fazendo a selectividade separando em tipos de materiais contidos, daí atribuir o destino que
pressupõem:

IX.II.I. Destinação final: O destino de alguns materiais para reciclagem. Não é possível fechar
o ciclo de todo o computador ou monitor ou ainda uma impressora, mas algum material como
a borracha de solda gerada na fabricação retorna para produção, isto é reciclagem do material
reciclável note se que no seu todo, os dispositivos electrónicos são 95% reciclável;

IX.II.II. Descarte: Destino dado a aquele material que não pode ser reciclado, note-se que esta
é a ínfima percentagem dos resíduos, note se que este processo deve ser feito sobre todos
conhecimentos citados em VII (aspectos ambientais na recolha e armazenamento de resíduos),
fazendo se em aterros sanitários;

IX.III. Para os procedimentos de HS e SO a serem acautelados pela empresa no processo de


recolha e armazenamento de resíduos electrónicos recomenda-se que cumpra-se a
especificação supra citada em VI, acautelando neste sector de recolha de resíduos electrónicos

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 15


desta empresa, mas também garantir que o processo de atribuição de descarte seja
ambientalmente viável observando o ponto IX.II;

IX.IV. Para tornar eficiente todo este processo recomendado neste trabalho é necessário que a
TDM avalia os dispositivos que pretende comprar em termo de:

IX.IV.I. Matéria Prima: Onde vai averiguar quais as marcas/empresas fornecem


dispositivos/equipamentos com matérias primas recicláveis e ou que também são originadas da
reciclagem, como metal, alguns tipos de plásticos e a borra de solda para produção de novos,
isto torna fácil o processo de reciclagem pois a empresa fornecedora no futuro volta a requisitar
estes resíduos para a reprodução.

IX.V. Nenhuma das melhorias sugeridas terá a repercussão desejada se o tema do lixo
electrónico não for colocado em discussão nas esferas decisórias da empresa. Os efeitos
nocivos dos componentes de telefones, celulares, tablets e computadores no meio ambiente são
claros.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 16


X. Bibliografia
 CARVALHO TMB et al. Projeto de Criação de Cadeia de Transformação de Lixo
Eletrônico da Universidade de São Paulo;
 FERREIRA JMB, FERREIRA AC. A sociedade da informação e o desafio da sucata
eletrônica;
 PALLONE S. Resíduo eletrônico. Redução, reutilização, reciclagem e recuperação;
 FREITAS, Michele Cristiani Barion, Lixo tecnológico e os impactos no meio ambiente.
Disponível e Wikipédia, acesso em 05/04/2017;
 BECHIOLLI, Cintia. Manual de Reciclagem do Lixo Eletrônico. São Paulo: Empresa
Umicore Brasil Ltda, 2005;
 RODRIGUES, Ângela Cássia. Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos, UEST,
2007.

Capece, Kledson | Manhiça, Henriques 17


XI. ANEXOS

i
Anexo 1 – Do ponto IX. Recomendações

Processo de reciclagem para resíduos electrónicos

ii
Anexo 2 – Do ponto IV. Metodologia de trabalho usada

Formulário de entrevista

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE


FACULDADE DE ENGENHARIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA
CURSO DE ENGENHARIA ELECTRÓNICA

Avaliação do Lixo Electrónico na TDM e os Principais Problemas Causados ao


Meio Ambiente. Elaboração de Procedimentos de HS e SO na Recolha e
Armazenamento de Resíduos Electrónico.

ENTREVISTA
Este inquérito tem como objetivo, recolher informações para a realização de um projecto de
cadeira de Impactos Ambientais e Segurança, do curso de Licenciatura em Engenharia
Electrónica, no domínio em empresas de telecomunicações, a efetuar concretamente na
empresa de Telecomunicações de Moçambique (TDM).
O alvo deste questionário são os funcionários responsáveis e/ou que trabalham no
departamento responsável pela recolha e armazenamento de lixo electrónico, para tal, a oficina
central da TDM em Maputo é Campo físico para a realização do trabalho.
Agradece-se, desde já, o contributo da empresa (TDM) e dos seus colaboradores!

1. Analise dos diversos tipos de resíduos electrónicos gerados na TDM


1.1. Quais são os tipos de lixo electrónicos que são gerados na empresa? (Metal/Plástico/Outro)

A empresa gera diversos tipos de lixo electrónico devido ao tamanho da empresa, e a área de
actuação, caso para dizer que quase todo tipo de lixo electrónico é gerado pela empresa

iii
provenientes de equipamentos de transmissão, equipamentos de comutação, equipamentos de
rede, acessórios metálicos e outros como: placas electrónicas, tonners, monitores,
computadores, rádios comunicadores, telefones, cabos condutores, impressoras, modens,
televisores, comutadores como crossbar, de 2 estágios e de 3 estágios.

Figura 3. Lixo electrónico num armazém da TDM

1.2.Qual é o tamanho dos resíduos gerados nesta empresa? (Robustos/Médios/Pequenos)

O tamanho dos resíduos gerados pela empresa é de todas as proporções desde pequenos
resíduos, médio e grande. Exemplo de resíduos pequenos são os modens, telefones e rádios de
comunicação, o exemplo de resíduos médios são os computadores e as impressoras e de
grandes proporções pode evidenciar os comutadores crossbar, comutadores de 2 e de 3 estágios
que não se encontram avariados apenas obsoletos.

1.3. Qual é o destino que é dado aos dispositivos quando ficam ultrapassados mais não
apresentarem nenhum defeito?

Algumas vezes os equipamentos obsoletos ou avariados são colocados em anúncio público


para que compradores que tenham licenças em reciclagem de equipamentos de
telecomunicações, vendedores deste e empresas licenciadas neste ramo possam comprar
submetendo uma carta fechada a empresa com proposta de preço, tipo de artigo, e outras
especificações. Outras algumas vezes são vendidos a uma empresa Sul Africana.

2. Procedimentos de HS e SO acautelados no processo de recolha e armazenamento


de resíduos.
2.1. Como é feita a recolha dos resíduos?

A empresa não tem um procedimento específico para a recolha de resíduos ou dispositivos


obsoletos ou avariados, normalmente eles ficam no local em que foram usados quando não

iv
causam nenhum inconveniente, “nós temos muitas centrais que estão cheios de dispositivos
mas como nem as centrais estão operacionais os equipamentos só estão lá” ou então são
armazenados em algum deposito da oficina central de Acordos de Lusakas.

2.2. Como é feito o seu armazenamento?

O armazenamento do lixo electrónico é feito em depósitos em que são armazenados bens que
já não estão mais em uso na oficina central de Acordos de Lusakas, nesse deposito pode ser
encontrado vários equipamentos obsoletos e avariados.

2.3. Quais são os procedimentos acautelados em relação a HS e SO?

Todos funcionários do sector de recolha destes equipamentos têm dispositivos de protecção


individual.

Avaliação dos riscos ocupacionais e ambientais provocados pelos resíduos electrónicos


gerados nesta empresa

2.4. Qual é a identidade responsável pelo armazenamento final dos resíduos (Qual é o fim que
lhe é atribuído)?

Não existe alguma identidade responsável pelo armazenamento final, a empresa Sul Africana
por exemplo pode ter vindo apenas duas vezes para fazer a recolha.

2.5. Se a empresa tem alguma política de reciclagem de lixo electrónico?

Não!

v
Anexo 3 – Do ponto IV. Metodologia de trabalho usada

Credencial

vi
Anexo 4 – Suporte de trabalho

vii