Вы находитесь на странице: 1из 2
Situação-problema Hot Coffee D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em
Situação-problema Hot Coffee D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em
Situação-problema Hot Coffee D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em
Situação-problema Hot Coffee D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em
Situação-problema Hot Coffee D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em

Situação-problema

Hot Coffee

D aniel é Consultor em Gestão Empresarial com especialização em Controladoria. Em suas horas de lazer, atua como jogador de futebol do clube de campo de sua cidade.

No último Campeonato de Futebol do clube, o time de Daniel saiu vencedor. Ao final do evento, ofereceram um churrasco ao time campeão, e Joaquim, empresário e sócio majoritário de uma empresa familiar no ramo de torrefação de café, foi apresentado aos jogadores como o patrocinador do time.

Sentando-se à mesa com Daniel e outros atletas, Joaquim, em um papo informal, indagou aos integrantes do time sobre suas atividades profissionais e quis saber de Daniel um pouco mais sobre sua função de Consultor em Gestão Empresarial.

O empresário ficou entusiasmado com a explicação do consultor, ofertou-lhe um cartão e pediu para que

entrasse em contato para uma visita na torrefação.

Marcada a reunião, o empresário fala sobre a preocupação quanto ao futuro da empresa, pois esta vem sendo gerida da mesma forma há mais de 50 anos, com grandes estoques de matéria-prima e embalagens e uma boa reserva em dinheiro para capital de giro.

Daniel afirma ao empresário que os excessos em estoques e capital de giro podem ser redirecionados para medidas estratégicas e financeiras, convertendo-se em oportunidades de crescimento e lucratividade. Indica, ainda, que a maneira adequada para chegar a essa condição é por meio de um planejamento de longo prazo.

Joaquim gosta das explicações sobre controladoria e convida Daniel para elaborar um plano de modernização e desenvolvimento na gestão da Torrefação Hot Coffee. O consultor, de pronto, aceita o convite.

Na primeira etapa da fase de execução do projeto, realizou-se o levantamento de dados na torrefação, o qual

se concluiu em 15 dias. Nesse processo, foram detectados os custos envolvidos na produção, os investimentos

realizados pelo empresário, o estado dos ativos, a carteira de clientes e o rol de fornecedores. Confirmando o

posicionamento do empresário, verificou-se volume de estoque para um ano e meio e capital de giro para cobertura do ciclo financeiro, que dura 65 dias. A empresa não tem custos financeiros, pois não antecipa o vencimento de um título sequer. Em conversa com o Gerente Geral e o profissional responsável (provador) pela definição do tipo de café a ser comprado, Daniel entendeu que tais aspectos poderiam ser otimizados se melhoradas as relações com fornecedores e clientes.

Os colaboradores deram suas sugestões na matriz parcial da análise SWOT e, como síntese dos pontos fortes, apresentaram a garantia do blend (padrão da bebida) oferecido pela empresa e da matéria-prima em períodos de entressafra ou quebra de safra do café. Como pontos fracos, indicaram a política financeira da empresa quanto à abertura de crédito para clientes com restrições. Eles advertiram que essa política inibe o crescimento de mercado, que poderia ser maior se ocorresse um afrouxamento nos padrões de crédito.

A partir dessas condições levantadas, Daniel sugere a descentralização do controle, e maior autonomia aos

vendedores e ao pessoal do financeiro para ampliar a carteira aceitando novos clientes com pequenas restrições no principal sistema de análise de crédito no país. O consultor propõe, também, maior autonomia a cada chefe de operações (torra, moagem e empacotamento), o que proporcionaria maior volume de produção, equacionamento da temperatura da fornalha e do consumo de energia elétrica e redução do número de setups no mês.

Joaquim concorda com as recomendações do consultor, porém pede que seja criado um score com base nos últimos cinco anos em termos de desempenho econômico e financeiro. Além disso, o empresário solicita que,

doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da
doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da
doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da
doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da
doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da

doravante, com a implantação do planejamento estratégico, do orçamento empresarial e, principalmente, da descentralização do controle, ocorra uma avaliação mensal tendo como premissa o crescimento de 10% nas vendas e 15% no lucro líquido para o período orçamentário.

Daniel sabe que Joaquim definiu a premissa de crescimento para o primeiro período orçamentário como forma de testar sua equipe, já que a empresa estava com crescimento abaixo da inflação. No subconsciente do empresário, a ampliação da carteira de clientes por meio do afrouxamento do crédito também levaria a um ingresso de capital de terceiros que possui um custo. Daniel esclarece aos colaboradores que, quanto mais detalhado fosse o processo de retroalimentação do orçamento, melhor seria a explicação sobre as variações ocorridas entre as premissas que Joaquim definiu e o que foi realizado.

Já se passaram alguns meses, e, desde o início do trabalho na empresa, grandes mudanças culturais e estratégicas foram implantadas na Torrefação Hot Coffee.

Sendo assim, Daniel comunica ao empresário que a última etapa do projeto entrará em vigor: a implementação da controladoria via utilização das práticas adotadas no BSC. O consultor esclarece a importância dessa etapa demonstrando a diferença entre o que o empresário mensurava e o que será mensurado pelo BSC e controlado pelo novo departamento que está sendo criado na empresa: a Controladoria.

Em face do anúncio de Daniel, Joaquim pergunta como esse processo estratégico será conduzido para os períodos seguintes, isto é, qual será o eixo principal e norteador para elaboração do novo plano estratégico e orçamentário.

Daniel explica ao empresário que, com a mudança de cultura na empresa (implantação da controladoria e dos novos sistemas de informação), será mais fácil criar novos mapas estratégicos. E completa dizendo que esse processo dependerá de um staff, que é a parte que consta em aberto na proposta inicial como consultoria periódica a combinar.

Joaquim, então, solicita a Daniel que apresente, de acordo com suas perspectivas e experiências, um novo projeto para consultoria periódica com formas de atuação e valores de investimento. E brinca dizendo que o patrocínio do time de futebol do consultor dependerá dessa proposta.