Вы находитесь на странице: 1из 6

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA   REGÊNCIA   1. O sentido do trecho
 

REGÊNCIA

 
1. O sentido do trecho “Me lembre a Dolores” (ℓ.9) seria alterado caso ele fosse

1. O sentido do trecho “Me lembre a Dolores” (ℓ.9) seria alterado caso ele fosse reescrito como Me lembre da Dolores.

1. O sentido do trecho “Me lembre a Dolores” (ℓ.9) seria alterado caso ele fosse reescrito

5. A correção e os sentidos do texto seriam preservados caso o trecho “contra os” (ℓ.3) fosse substituído por aos.

6. Seriam preservados os sentidos originais, bem como a correção gramatical do texto, caso a expressão “em tudo” (ℓ.15) fosse substituída por com tudo.

7. Considerando-se as regências do verbo esquecer prescritas para o português, estaria correta a seguinte reescrita para a oração “Já esqueci a língua” (v.13): Já esqueci da língua.

8.

1 É preciso compreender que o preso conserva

os demais direitos (educação, integridade física,

2.

Na linha 19, a contração “pelas” poderia ser

substituída por com as, mantendo-se a correção gramatical e o sentido do texto.

segurança, saúde, assistência jurídica, trabalho e outros) adquiridos 4 como cidadão, uma vez que

a

perda temporária do direito de liberdade em

decorrência dos efeitos de sentença penal refere- se tão somente à liberdade de ir e

decorrência dos efeitos de sentença penal refere- se tão somente à liberdade de ir e vir. Isso, geralmente, 7 não é o que ocorre.

No trecho “refere-se tão somente à liberdade de

ir

e vir” (l.6), o emprego do sinal indicativo de

crase deve-se ao fato de a locução “tão somente” exigir complemento antecedido pela preposição

a.

9.

16 Corroborando a visão do MPF, o TRF2 entendeu que a veiculação de vídeos potencialmente ofensivos e fomentadores do ódio, da discriminação e da intolerância contra religiões de 19 matrizes africanas não corresponde ao legítimo exercício do direito à liberdade de expressão. O tribunal considerou que a liberdade de expressão não se pode traduzir em desrespeito às 22 diferentes manifestações dessa mesma liberdade, pois ela encontra limites no próprio exercício de outros direitos fundamentais.

3.

A regência do verbo preferir observada no

quarto período do texto é típica da variedade culta do português europeu, sendo pouco frequente na variedade brasileira do português, principalmente em textos informais.

4. No trecho “estado de que meu coração precisava” (ℓ. 19 e 20), a preposição “de” é regida pela formal verbal “precisava”, não pela palavra “estado”.

Nas linhas 21 e 22, o emprego do sinal indicativo de crase em “às diferentes” justifica-se pela regência de “desrespeito”, que exige complemento antecedido da preposição a, e pela presença de artigo feminino plural antes de

“diferentes”.

10.

a, e pela presença de artigo feminino plural antes de “diferentes”. 10. O CONHECIMENTO É O
a, e pela presença de artigo feminino plural antes de “diferentes”. 10. O CONHECIMENTO É O

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA foi resolvido. Entretanto, a consciência ou a

foi resolvido. Entretanto, a consciência ou a sensibilidade, a 7 sensação nua e crua da dor de dente, do rubor, do salgado, continua sendo um enigma embrulhado em um mistério dentro do impenetrável. Quando nos perguntamos o que é a 10 consciência, não temos melhor resposta que a de Louis Armstrong quando uma repórter perguntou-lhe o que era o jazz:

“Moça, se você precisa perguntar, nunca saberá”.

14.

Nas linhas 12 e 13, o emprego da preposição

“com”, em “com a criminalidade e a violência”, deve-se à regência do vocábulo “conexos”.

   

15.

Na

linha

28,

sem

prejuízo

da

correção

Seriam

mantidos

o

sentido

e

a

correção

gramatical

e

do

sentido

original

do

texto,

a

gramatical

do

texto

caso

fosse

introduzida

a

preposição

“a”,

em

“ao

qual”,

poderia

ser

preposição

“perguntou-lhe” (l.11).

sobre

imediatamente

após

suprimida.

 

11.

11.

7 Com o computador é diferente. Você faz tudo que ele manda. Ou precisa fazer tudo ao modo dele, senão ele não aceita. Simplesmente ignora você. Mas se apenas ignorasse ainda seria 10 suportável. Ele responde. Repreende. Corrige. Uma tela vazia, muda, nenhuma reação aos nossos comandos digitais, tudo bem. Mas quando você o manda fazer alguma coisa, mas 13 manda errado, ele diz “Errado”. Não diz “Burro”, mas está

16.

Na linha 10, é possível a substituição de “de

A correção gramatical do texto seria preservada caso se inserisse a preposição a logo após a forma verbal “ignora”, na frase “Simplesmente ignora você” (l.9).

12.

a” por da, sem que se altere o sentido do texto.

 
a” por da, sem que se altere o sentido do texto.   22 O Sr. Dr.

22

O Sr. Dr. Estêvão Soares levou a sua amabilidade

 

ao ponto de pedir a comédia para ler segunda vez, e ontem ao encontrar-se na rua com o Sr. Oliveira, de tal

25

com grande pasmo dos numerosos transeuntes.

Da parte de um juiz tão competente em matérias

entusiasmo vinha possuído que o abraçou estreitamente,

17.

se a preposição “de”, em sua primeira ocorrência,

Seria mantida a correção gramatical do texto,

28

literárias este ato é honroso para o Sr. Oliveira.

no trecho “de 17 de dezembro de 1663 a 28 de setembro de 1665” (L.6), fosse substituída por entre.

Estamos ansiosos por ler a peça do Sr. Oliveira, e

ficamos certos de que ela fará a fortuna de qualquer teatro.

31

O amigo das letras.

   

Na linha 29, a oração introduzida pela preposição “por” remete a uma ação anterior ao estado descrito na oração “Estamos ansiosos”.

13 Só no Império, em 1832, com o Código de Processo Penal do Império, iniciou-se a sistematização das ações do Ministério Público. Na República, o Decreto n.º 848/1890, ao 16 criar e regulamentar a justiça federal, dispôs, em um capítulo, sobre a estrutura e as atribuições do Ministério Público no âmbito federal.

13.

22

O Sr. Dr. Estêvão Soares levou a sua amabilidade

   

ao ponto de pedir a comédia para ler segunda vez, e ontem

ao encontrar-se na rua com o Sr. Oliveira, de tal

18. A correção gramatical do texto seria mantida caso a expressão “sobre a” (l.17) fosse substituída por acerca da.

Gabarito:

25

entusiasmo vinha possuído que o abraçou estreitamente,

com grande pasmo dos numerosos transeuntes.

Na linha 23, o termo introduzido pela preposição “para” exerce a função de complemento do verbo “pedir”.

1C 2C 3E 4C 5E 6C 7E 8E 9C 10E 11E 12E 13E 14E 15E 16E 17E 18E

  CRASE  
 

CRASE

 

1.

No trecho “Anteriormente à primeira

Constituição pátria” (l.4), o emprego do acento

indicativo de crase é facultativo.

 

2. O item a seguir, que apresenta uma proposta de reescrita de trecho do texto — entre aspas —,

a seguir, que apresenta uma proposta de reescrita de trecho do texto — entre aspas —,

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA deve ser julgado certo se, ao mesmo tempo,

deve ser julgado certo se, ao mesmo tempo, a proposta estiver gramaticalmente correta e não

7.Prejudica-se a correção gramatical do período ao se substituir “ao relacionamento” por à relação.

acarretar prejuízo ao sentido original do texto, ou errado, em caso contrário.

“Obviamente os membros da família (

)

da

As

operadoras de planos de saúde deverão criar

agressão" (l. 9 a 11): Os integrantes da família apavoram-se, de fato, perante à possibilidade da agressão.

ouvidorias vinculadas às suas estruturas organizacionais. A determinação é da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em norma que será publicada no Diário Oficial da União.

Desde 2012, entre os projetos

voltados

à

recuperação 7 e à reinserção social,

está

a

 

remição de pena por meio da leitura.

8.

O emprego do sinal indicativo de crase em “às

O

projeto transforma a leitura em uma extensão

suas” justifica-se porque o termo “vinculadas” exige complemento regido pela preposição a e o pronome possessivo “suas” vem antecedido por artigo definido feminino plural.

da

Sem prejuízo para a correção gramatical do

texto, o sinal indicativo de crase poderia ser eliminado em ambas as ocorrências no trecho “voltados à recuperação e à reinserção social" (l. 6 e 7).

3.

Agência Nacional de Saúde Suplementar

(ANS) divulgou o último relatório de monitoramento das operadoras, que, pela primeira vez, inclui os novos critérios para suspensão temporária da comercialização de planos de saúde. Além do descumprimento dos prazos de atendimento para consultas, exames e

A

4.

No trecho “refere-se tão somente à liberdade

de ir e vir” (l.6), o emprego do sinal indicativo de crase deve-se ao fato de a locução “tão somente”

exigir complemento antecedido pela preposição

cirurgias, previstos na RN 259, passaram a ser considerados todos os itens relacionados à negativa de cobertura, como o rol de procedimentos, o período de carência, a rede

a.

1 Na organização do poder político no Estado moderno, à luz da tradição iluminista, o direito tem por função a preservação da liberdade humana, de maneira a coibir a 4 desordem do estado de natureza, que, em virtude do risco da dominação dos mais fracos pelos mais fortes, exige a existência de um poder institucional.

de

atendimento, o reembolso e o mecanismo de

autorização para os procedimentos. Internet: <www.ans.gov.br> (com adaptações).

O sinal indicativo de crase em “à negativa” é

empregado porque a regência de “relacionados” exige complemento regido pela preposição a e o termo “negativa” vem antecedido de artigo definido feminino.

9.

5.

O emprego do sinal indicativo de crase em “à

luz da tradição iluminista” (l.2) é facultativo, ou seja, a sua retirada não prejudicaria a correção gramatical nem o sentido original do texto.

O respeito às diferentes manifestações culturais

Mas 7 as Ordenações Manuelinas de 1521 e as Ordenações Filipinas de 1603 já faziam menção aos promotores de justiça, atribuindo-lhes o papel de fiscalizar a lei e de promover 10 a acusação criminal. 6. A correção gramatical do texto seria preservada caso se substituísse a expressão “a acusação” (l.10) por à acusação, pois, nesse caso, o emprego do sinal indicativo de crase é opcional.

A

expectativa é de que o funcionamento regular

é fundamental, ainda mais em um país como o Brasil, que apresenta tradições e costumes muito variados em todo o seu território. Essa diversidade é valorizada e preservada por ações da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID), criada em 2003 e ligada ao Ministério da Cultura. [ ]

A

Rede Cultural da Terra realiza oficinas de

capacitação, cultura digital e atividades ligadas às artes plásticas, cênicas e visuais, à literatura, à música e ao artesanato. Além disso, mapeia a memória cultural dos trabalhadores do campo. A Rede Cultural dos Estudantes promove eventos e mostras culturais e artísticas e apoia a

dessas estruturas possa gerar subsídios para a

melhoria de processos de trabalho nas

operadoras, em especial no que diz respeito ao relacionamento com o público e à racionalização

do

fluxo de demandas encaminhadas à ANS

criação de Centros Universitários de Cultura e Arte.

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA 10. O emprego do sinal indicativo de crase

10. O emprego do sinal indicativo de crase é obrigatório em “às diferentes manifestações” e facultativo em “às artes plásticas”, “à literatura” e “à música”.

6. Seria mantida a correção gramatical do período caso a partícula “se”, em “se beneficiar” (R.16), fosse deslocada para imediatamente após a forma verbal “beneficiar” — escrevendo-se beneficiar-se.

Gabarito: 1E 2E 3C 4E 5E 6E 7E 8C 9C 10E

7. Em “que a mantêm coesa e saudável" (l. 41 e 42), o deslocamento do

7. Em “que a mantêm coesa e saudável" (l. 41 e 42), o deslocamento do pronome “a" para logo após a forma verbal “mantêm" prejudicaria a correção gramatical do período.

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

a correção gramatical do período. COLOCAÇÃO PRONOMINAL 1. A próclise observada em todas as ocorrências dos

1.

A próclise observada em todas as ocorrências dos

1. A próclise observada em todas as ocorrências dos

pronomes oblíquos átonos no texto é atestada no português brasileiro coloquial.

8- A forma pronominal “la", em “distingui-la" (l.2), poderia ser corretamente deslocada para imediatamente

8- A forma pronominal “la", em “distingui-la" (l.2), poderia ser corretamente deslocada para imediatamente antes da forma verbal — escrevendo- se a distinguir.

2.

Na linha 3, o termo “se” é um pronome apassivador

e, caso sua colocação fosse alterada de proclítica — como está no texto — para enclítica — que a doença transmitia-se —, essa alteração incorreria em erro gramatical.

está no texto — para enclítica — que a doença transmitia-se —, essa alteração incorreria em
—, essa alteração incorreria em erro gramatical. 3. A correção gramatical do texto seria mantida caso,

3.

A correção gramatical do texto seria mantida caso,

na linha 14, a partícula “se” fosse empregada

imediatamente após a forma verbal “pode” — escrevendo-se da seguinte forma: pode-se.

4.

Haveria prejuízo da correção gramatical do texto

 

caso a partícula “se”, no trecho “Quando a gente se habitua a venerar os decretos da Providência” (l. 9 e 10), fosse deslocada para imediatamente após a

9- A correção gramatical e o sentido original do texto seriam preservados caso se inserisse o pronome se imediatamente antes da forma verbal “pode” (l.7).

forma verbal “habitua”, escrevendo-se habitua-se.

5.

O deslocamento da partícula “se”, em “parece ter-

10- Haveria prejuízo para a correção gramatical do texto caso o pronome “se", em “Amanda recusou-se"

se tornado moda” (l. 33 e 34), para imediatamente

depois de “tornado” — escrevendo-se parece ter tornado-se moda — prejudicaria a correção gramatical do texto.

depois de “tornado” — escrevendo-se parece ter tornado-se moda — prejudicaria a correção gramatical do texto.

(R.5), fosse deslocado para imediatamente antes da forma verbal “recusou": Amanda se recusou.

11- A correção gramatical do texto seria preservada, caso o trecho “O que se constata”, no início do segundo parágrafo, fosse reescrito da seguinte forma:

O que constata-se.

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA 20- Mantendo-se a correção gramatical do texto, no
20- Mantendo-se a correção gramatical do texto, no último período do primeiro parágrafo, o pronome
20- Mantendo-se a correção gramatical do texto, no último período do primeiro parágrafo, o pronome

20- Mantendo-se a correção gramatical do texto, no último período do primeiro parágrafo, o pronome “lhe” poderia ser deslocado para logo depois das formas verbais “importam” (l.7), “possibilitam” (l.8) e “passa” (l.10), escrevendo-se importam-lhe, possibilitam-lhe e passa-lhe, respectivamente.

12- Em um uso mais formal da língua, as regras de colocação pronominal do padrão culto permitem que o pronome átono em “que não os atraíam” (l. 10 e 11) seja também utilizado depois do verbo, sob a forma de nos, ligada ao verbo por um hífen.

os atraíam” (l. 10 e 11) seja também utilizado depois do verbo, sob a forma de

13- A correção gramatical do texto seria preservada caso se pospusesse, na linha 12, o pronome “se" à forma verbal “somavam", da seguinte forma:

somavam-se.

21- No trecho “Não porque escolheu, mas foi o que lhe restou” (l.1-2), o emprego da próclise relativa ao

14- No segmento “isso então nem se fala” (l.8), a

pronome “lhe” explica-se pela presença do pronome relativo.

22- No trecho “ele até se espantava ao ver que não avançava no curso” (l.12-13), o uso da ênclise com o

posição do pronome “se” justifica-se pela presença de palavra de sentido negativo.

15- Na oração “ele se destacou entre os colegas” (l.11), é obrigatório o uso do pronome “se” em posição pré-verbal, devido ao fator atrativo exercido pelo elemento que o antecede.

16- Na linha 17, o pronome átono ‘se’, em ‘não se trata’, poderia, opcionalmente, ocorrer após o verbo, escrevendo-se não trata-se, sem comprometer a fidelidade do texto à norma da língua na modalidade escrita formal.

escrevendo-se não trata-se, sem comprometer a fidelidade do texto à norma da língua na modalidade escrita

infinitivo manteria a correção gramatical e o sentido do texto na reescrita seguinte: ele até espantava ao ver-se que não avançava no curso.

ele até espantava ao ver-se que não avançava no curso. 23- Seria mantida a correção gramatical

23- Seria mantida a correção gramatical do texto caso o pronome “lhes” em “para conferir-lhes” (L.10-11) fosse deslocado para antes do verbo: para lhes conferir.

24- A substituição de “dizendo-lhe” (L.5) por dizendo a ele preservaria a correção gramatical do texto.

17- Em “se decompõem” (l.11) e “se pode” (l.16), o pronome “se” poderia ser posposto à forma verbal — decompõem-se e pode-se —, sem prejuízo para a correção gramatical do texto.

18- Em “começam a se parecer” (l.33-34), o pronome “se” poderia ser deslocado para imediatamente após a forma verbal “parecer”, escrevendo-se começam a parecer-se.

25- Em “deve basear-se" (l.14), a colocação do pronome “se" antes da forma verbal “deve" atenderia à prescrição gramatical.

(l.14), a colocação do pronome “se" antes da forma verbal “deve" atenderia à prescrição gramatical.

19- No trecho “nos teria afligido um projeto de educação totalitária” (l.25-26), o pronome “nos” poderia ser corretamente empregado imediatamente após a forma verbal “teria”, escrevendo-se teria-nos.

26- Em “me considero” (L.3 e 4), o pronome “me”, que está proclítico nas duas ocorrências, pode ser deslocado para logo após o verbo — considero-me — sem que se contrariem as normas de colocação dos pronomes átonos.

ROFESSORA: JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018

LÍNGUA PORTUGUESA

JANAINA ARRUDA URMA: MPU ATA: 26/09/2018 LÍNGUA PORTUGUESA 27- O deslocamento do pronome átono para depois
27- O deslocamento do pronome átono para depois do verbo, em "se torna" (L.12), escrevendo-se

27- O deslocamento do pronome átono para depois do verbo, em "se torna" (L.12), escrevendo-se torna- se, provocaria erro gramatical no texto.

torna- se, provocaria erro gramatical no texto. 28- A mudança de posição do pronome átono em

28- A mudança de posição do pronome átono em “fala-se” (L.20) para antes do verbo desrespeitaria as regras de colocação pronominal da norma culta brasileira.

29- Nas linhas 19 e 20, a grafia das formas verbais “estimulá- los”, “avaliá-los” e “premiá-los” justifica-se porque, na ênclise de verbos terminados em “vogal a+r”, suprime-se o “r” e acentua-se o “a”, o pronome toma a letra “l” e une-se à forma verbal por um hífen.

30- Relato 2 Indagado pelo indivíduo X sobre o que diria se o chamassem para testemunhar, o indivíduo Y respondeu que falaria que estava escuro, que não tinha visto nada e que, além do mais, estava só de passagem. No relato 2, para atender rigorosamente ao que lhe foi solicitado, o funcionário deveria ter escolhido a construção se caso chamassem-o em vez de “se o chamassem”.

GABARITO: 1E 2C 3E 4C 5C 6C 7C 8E 9E 10E 11E 12E 13C 14C 15E 16E 17E 18C 19E 20E 21C 22E 23C 24C 25C 26E 27E 28E 29C 30E