You are on page 1of 17

c 


     
Essa página apresenta dicas para escrever artigos científicos. Estas dicas são bem
básicas, e links para dicas mais completas são apresentados no final da página.

©| ×rganização Geral
©| cicas Gerais e de Estilo
©| a ecklist para Revisão Final
©| xinks

×    o conteúdo dessa página apresenta sugestões. Não é necessário que seu
trabal o apresente todas as seções listadas organizadas desse modo. É importante que se
ten a um bom discernimento sobre quais seções são úteis ao trabal o. aaso seu artigo já
esteja pronto, use o conteúdo dessa página apenas para revisar se não falta nada no seu
artigo.

×   
Um texto científico é dividido em seções. A organização do conteúdo das seções varia
de artigo para artigo. Uma boa sugestão de organização é a seguinte.

1. Título
2. Autores e filiação
3. Resumo
4. Introdução
5. aonceitos Básicos e Trabal os Relacionados
6. Idéia central
7. Análise (se necessário)
8. Estudo de aaso (se necessário)
9. Experimentos (se necessário)
10. ciscussão (se necessário)
11. aonclusão
12. Referências

   

1.|  

Primeira impressão é a que fica. × título é a referência principal ao seu trabal o.


Um bom título contém poucas palavras, o necessário para descrever
adequadamente o conteúdo do artigo.

2.|
   

Nome completo dos autores seguido da filiação (universidade, empresa) de cada


um. Infelizmente, não á regra padrão para definir a ordem dos autores que seja
globalmente aceita. A solução mais prática é colocar os nomes em ordem
alfabética do primeiro nome ou do sobrenome. ×utra idéia é ordenar de acordo
com o taman o do esforço de cada autor durante o trabal o. Mas e aí? Um autor
implementou toda a ferramenta e realizou os experimentos sozin o, o outro
autor escreveu 90% do artigo sozin o, quem aparece primeiro? Uma outra opção
é colocar o nome do aluno cujo trabal o de conclusão/dissertação/tese é o
assunto principal do artigo como primeiro autor, demais alunos que colaboraram
no trabal o como autores intermediários, e o orientador como último autor.

3.| J

Um parágrafo, geralmente até 250 palavras. Pode ser considerado uma


propaganda ou trailer do artigo é o primeiro contato com o trabal o, é o que
atrai a atenção e o interesse do leitor em ler mais. Apresenta de forma concisa
(uma ou duas lin as para cada item) principais objetivos e escopo do trabal o,
motivação e importância, principal resultado ou contribuição. × resumo nunca
menciona informações ou conclusões que não estão presentes no texto.
Referências bibliográficas não são citadas no resumo (exceto em ocasiões raras,
como modificações a um método publicado previamente).

4.| r  

Uma introdução bem escrita é fundamental. Um artigo científico não é um livro


de suspense no qual o leitor só descobre o que está realmente acontecendo no
capítulo final. Muito antes pelo contrário, em um artigo científico, o leitor deve
estar ciente do que acontece desde o início, desde a introdução. cesse modo, as
principais contribuições e conclusões devem ser mencionadas na introdução.
Geralmente, a introdução é uma reafirmação extentida do conteúdo do Resumo.
aomo sugestão de organização, considere a apresentação de forma concisa (um
ou dois parágrafos para cada item) das seguintes informações

÷| aontexto, motivação, e principal contribuição.


÷| × problema definição do problema por alto (sem muitos detal es) com a
sua importância, relevância (a solução desse problema ajuda em que?).
÷| Trabal os anteriores relacionados uma lin a por trabal o relacionado.
Geralmente, aqueles que não resolvem o problema ou apresentam apenas
soluções parciais. No caso do artigo ser extensão ou continuação de um
trabal o anterior, tal trabal o deve ser mencionado na introdução. ×utra
opção é estruturar essa parte agrupando trabal os similares e detal ando
apenas um ou dois que sejam mais importantes para o seu trabal o. Por
exemplo "```   
  
   
 
        !` " 
#
$    %
  &'  ( 
)


       * ``` ``` !`".
÷| aontribuições lista de contribuições, resultados principais.
÷| ×rganização "×      )   $    
   ` + ,  
    )     
 
 
  ` + ,  
  
 ` + , 
         -  (   
, . 
  
`"
5.|       J  
Geralmente são apresentados em capítulos separados (podendo ser apresentados
juntos devido ao limite de páginas do artigo). aonceitos Básicos aparecem
sempre antes da apresentação da contribuição principal do artigo. Trabal os
Relacionados podem ser mencionados aqui ou antes das conclusões.

aonceitos Básicos definições, cenários, e modelo necessários para entender o


seu trabal o, com as devidas referências para demais trabal os onde as
definições são introduzidas ou mel or detal adas.

Trabal os relacionados lista trabal os anteriores cujos temas sejam relacionados


ao seu (forneça detal es desses trabal os apenas se tais detal es ajudam a
mostrar onde o seu trabal o é mel or do que eles; ten a certeza de mencionar
todos os trabal os relacionados, principalmente aqueles do pessoal do comitê de
programa). cesvantagens ou pontos fracos de trabal os anteriores que são
aprimorados no trabal o sendo proposto. aondições e limitações do seu
trabal o.

6.| r  

Parte principal do artigo. Apresente em um parágrafo uma idéia geral da


proposta. Esclareça novas definições (escreva claramente que são novas
definições propostas no artigo). Adicione quantos parágrafos necessários para
apresentar o que é e como funciona seu trabal o; detal es e explicações sobre
partes principais do funcionamento da proposta.

7.|
  (se necessário)

Um parágrafo com o resumo do que é provado nessa seção. Um parágrafo com


definições específicas usadas na análise (i.e. estruturas usadas nas provas).
Provas e análises. Encerre a seção com comentários sobre o significado das
provas de um modo intuitivo ou num nível mais prático.

8.|    (se necessário)

Alguns artigos requerem estudo de caso onde o modelo proposto é aplicado.


Inclua (conforme necessário) contexto geral, regras ou condições específicas
requeridas pelo caso, modelagem, funcionamento, vantagens e desvantagens de
usar o modelo proposto nesse caso.

9.|     (se necessário)

aomece com um resumo dos experimentos o que é medido, o que não é, por
que, ... Adicione um parágrafo com o modelo de simulação ou a infraestrutura
das medições (configuração do sistema, tipo de máquinas usadas, linguagens,
...). Apresente os resultados dos experimentos

÷| use um subtítulo (em negrito) para diferenciar experimentos (avaliando


taman o da entrada, variando a quantidade de consultas, usando dados
sintéticos, usando dados reais, ...).
÷| cada gráfico deve ter uma razão clara para aparecer no seu artigo
(conforme o taman o dos arquivos de entrada aumenta, o t roug put
diminui, ...).
÷| explique cada gráfico os axis, o que o gráfico mostra, qual é a tendência,
por que a tendência aparece, por que um algoritmo apresenta mel ores
resultados que outro, ...
÷| cada gráfico deve ser auto-contido legendas devem ser legíveis e
compreensíveis.
÷| encerre a seção com comentários finais, discussões, explicações
adicionais.
10.|c  (se necessário)

Pode ser incluída como subseção final de Experimentos. A ciscussão mostra os


relacionamentos entre os fatos e resultados observados. Sugestões

÷| apresente princícios, relações, generalizações mostrados nos


Experimentos. xembre-se que é uma seção de discussão, na qual vocês
  , e não recapitula os resultados já mostrados nos Experimentos.
÷| liste qualquer exceção ou qualquer falta de relação e defina pontos
incertos.
÷| mostre que seus resultados e interpretações concordam (ou contrastam)
com trabal os previamente publicados.
÷| discuta implicações teóricas e possíveis aplicações práticas.
÷| escreva suas conclusões o mais claramente possível.
÷| resuma as evidências para cada conclusão, não assuma que o leitor é
super capaz de juntar todos os pontos sozin o.
11.| 

aonclusões são extremamente importantes. Após ter esclarecido todas as


definições, agora você pode ser mais específico que na introdução e informar
(um parágrafo ou uma lin a para cada item, dependendo do espaço disponível)

÷| resumo do que o artigo apresentou


÷| principais resultados e contribuições
÷| comentários sobre a importância, relevância ou
÷| dicas para o uso prático do seu trabal o (como os resultados dos
experimentos podem ajudar na prática...)
÷| trabal os futuros. Reinforce a relevância do seu trabal o, mas evite
entregar suas idéias de trabal os mais inovadores de graça.
12.|J! 

aorretas, completas, e específicas. Informações obrigatórias autores, título do


artigo (livro), nome da conferência ou revista (editora), volume e número para
artigos de revista, ano de realização (publicação). Tente incluir referências do
mesmo ano (ou ano anterior) para ilustrar que o tópico é atual e de interesse da
comunidade. Tente incluir artigos de conferências e revistas, assim como livros,
e não apenas sites da Internet. Todas as obras listadas no conjunto de referências
devem ser mencionadas no texto, e vice-versa.
c    
Algumas regras gerais que podem aumentar a qualidade do artigo.

÷|     . Geralmente, eventos e revistas possuem um formato


específico para a submissão de artigos. aonfira cuidadosamente a seção
de "Instruções a Autores"/"Instruções para Submissão" antes de submeter
seu artigo. Verifique o formato e siga-o, sem exceções. Artigos podem
ser recusados apenas por não seguir o formato requisitado (independente
da qualidade de seu conteúdo).
÷| "   . Quando referenciando outros trabal os, procure
resumir suas idéias principais. aópia literal não serve. Não serve. E
resista à tentação de copiar literalmente colocando o texto entre "".
÷|      . Use e abuse de corretores automáticos. Usar um
corretor gramatical pode ser igualmente útil. Mas lembre-se que nada
substitui uma revisão cuidadosa de todos os autores do artigo, e até de
terceiros se necessário.
÷| c       # Tente usar frases de abertura e
encerramente indicando o propósito do parágrafo.
÷| Ñ $  %     . Uma
seção formada apenas por uma lista de itens não é uma seção, e sim uma
lista de itens.
÷|    . Se a mesma frase ocupa mais de 3 lin as (em
coluna simples), revise-a e tente dividí-la em sentenças menores.
÷| &   # aada frase deve ter um sujeito e um verbo.
÷|     # Tente manter o artigo no impessoal, na
terceira pessoa.
÷|       . Assim como ironias, brincadeiras, e
referências pessoais ao leitor.
÷|    !       # Seja consistente no use de tempo
verbal - não fique trocando entre passado e presente.
÷| †       # Esse estilo é muito comum.
÷|   . Quando uma sigla é introduzida no texto (ou seja,
aparece pela primeira vez) é importante colocar seu significado entre
parênteses. xembre-se que pode existir sobreposição no uso de siglas
dentro das diversas áreas de aomputação.
÷| a    ' Uma possível resposta se os dados mostram uma
tendência, criando uma ilustração interessante, faça uma figura. Se os
números apenas estão lá, sem qualquer tendência interessante em
evidência, uma tabela deveria ser suficiente. Tabelas também são
preferíveis para apresentar números exatos.
÷| a       . Geralmente, figuras requerem
explicação mais detal ada no texto, enquanto tabelas devem ser auto-
suficientes. Além disso, a legenda de figuras e tabelas podem mencionar
detal es que não precisam ser repetidos no texto.
÷| Ñ     . Por exemplo caso seu trabal o
apresente um processo complicado, c eio de fases, entradas e saídas para
lá e para cá, tente resumir tudo em uma imagem (retângulos com nomes
de processos, flec in as indicando entradas e saídas, esse tipo de coisa);
caso seu trabal o introduza uma nova arquitetura, crie uma imagem com
os componentes da arquitetura, provavelmente indicando a interação dos
componentes através de flec as; etc.
÷|  (   # É uma boa idéia começar a escrever o
artigo enquanto o trabal o está em desenvolvimento, enquanto idéias,
problemas, soluções e detal es estão mais frescos na memória.
÷| )# Manten a sempre um backup atual do seu artigo, pelo menos
um backup diário. xembre-se daquela lei de Murp  se algo pode dar
errado, certamente dará.

)  J  a 


Antes de submeter o artigo, confira os seguintes itens

©| ×rtografia correta de título e nomes dos autores e filiação.


©| Uso correto da gramática. Erros comuns uso de crase, excesso/falta de vírgulas,
concordância, paralelismo.
©| Numeração das seções e subseções.
©| Numeração no texto concorda com a numeração usada em figuras e tabelas.
©| Imprima o artigo (no formato final de submissão) pelo menos uma vez para se
certificar que texto, tabelas e figuras estão legíveis.
©| Verificar se referências cruzadas não foram perdidas dentro do editor. Uma boa
idéia é fec ar o editor de texto, abri-lo novamente, abrir o arquivo do artigo, e
então verificar as referências cruzadas.
©| E finalmente, ten a certeza absoluta da   e do   limites para
submissão de trabal os. Várias conferências estabelecem ora com o devido
fuso orário. auidado para não se perder com orário de verão (outros países
como os Estados Unidos também possuem orário de verão).

* )
   !

÷| aomo Escrever Artigos aientíficos, por Agma Juci Mac ado Traina e
aaetano Traina Jr.
÷| Pequeno Manual da Escrita Técnica com dicas de estilo, exemplos de
bom e mau uso de palavras, e referências
÷| cicas de português, Fol a ×nline
÷| cicas Para Elaboração de Artigos aientíficos, por alovis Torres
Fernandes.

  !

÷| $riting for aomputer Science, por Justin Zobel (2004).


÷| Row To $rite & Publis a Scientific Paper, por Robert A. ca (1998)
÷| Institute of Applied Ecolog organização, dicas para construção de
tabelas e figuras.
÷| Guidelines for $riting a Scientific Paper
÷| Some Rints to Improve $riting of Tec nical Paper, Patrick Valduriez
÷| Row to $rite a Paper em detal es
÷| Row to write a paper (in computer science) com exemplos
÷| Academic Skills, aenter for Algorit mic Sstems - Utrec t Universit

Página preparada por Mirella M Moro


Revisada em 16/10/2006

||

†       


 
      
  
 
                  
!"##$%&&'!"#($#""#%")#"$#""#*|

%*  


+,* |

#*† 
'-#%".#&/*|

(*0  -|

(*%1 ( 2|

(*#+ # 2|

(*(34 ( 2|

(*'5 
# * |

'*3 6 
-
  
   %)2|
)*†   -6
 2|
!*    - 
  
     
  
  2 |
/*3

     -       
       
7       8*|
9*   
-|

9*%

  
7
  :  8;%#2 |

9*# 78 
78;%"2|

9*( 

 7
  8%"2|

9*';%"2|

9*)   < =  <;%#2|

9*!   


>
7 
  << 
  8;%#2|
9*/ 
 ;%"|

9*9  ;%#*|

&*?
-|

&*%5
 
 

 4  
< 

  
   2|

&*#@
 A       4  
  
  
%"
      7   

 8   2|

&*(

  %")#"$#""#2|

&*'  
     :   *|

|

Título do Artigo (Modelo de estrutura)|


|

7†BBB035B30B55B2?3,+C5B30,310+D1?@,12
0EB5FB3%#8 |

   %) |

-     < 


   
   
   


      A  
    6
< 
  << 
 
   2
  
%"2    6
 *|

|

   %) |

|

†  < =  <- 



    <  


 4 
<<     < =  <  
7
%#2 
  %)2   
6
 8* |

|

   %) |

|

+   
  

      
  << 

      
   
 
*7
  
%#2 
  
%)2   6
 8*|

|

   %) |

|
+    
     
 
!"#($#""#*|

B 
 4        6        
 
:  
 
   4  4
  A  *14
 

4

  4
<   
 
  4 



    <*

?strutura do Artigo|

%*†3,+0+31

=?  G
7

8 
  
=
78
=?
  
7 
  8

#*31@0B5B3.B

(*†,H1=?EH3

'*?B†B5B+IB

=+
 G 
  
6
<
  
=? 
G
>
> >  
  
 2 <   


=?  
 G  J 

)*†33F33?+,

=     
=  >

B*B
? 
 4 
  †  K5 
L  ?33† < 


( '  > *5< 
  %#*

 -

5MBBF+B1 <
*0
   
   

 *# * *1† -
 #"""*
,NB13< 0  20?B+0      *F 
 
   
 *
' * *1† -
 #""%
1B1
O    *0
   
 -  
   
*' **
 *  P  -5†Q#""% |

|

ainalidade de um Artigo Científico|


|
©| ? 
 4     
           
   *|
©| 1<     
< 74 

< 4 


< 8  <    

 

  4 <*|
©| 1<      
  


  
 *|
©| 0<            * |
©| @ 

      
 
  
* |
©| 1<       
 L    
 

    

 * |
©| ,< 
 

   J
<  
 7

  

 8*|
©|  
 
 
   <   * |
©| 1<   <
    4  *|
|

„  DE PE D 

  J 
  
  = 
  
  
  
     <  
  
 
 
 4  *F  
    J   A  <    
   J  4

 *|

B 
    
- |

8  4   


   
 
2|
8 < 4          6 *|
|

31@@|


   
  J  
 
=
>
 

>
 

J=
>
 *|

%*3,303B1†0=3.@+1|

%*%?  |

B   


 -|

8

  
4 < 
  A  
2 |

8 78 
78    
K 
2|

8<   78 


78  
  
4      

  *|

%*#   
|
   
4 
 A   

  4 <
 

   4       < 
   << 
 
  *B
  
   
          
   
* |

%*(|

  
    
>
 
  
  <L *|

     <=-|

8 
   
>
 
     
2|

8   
 

    
  

      J    2|

8 :    


  
     2|

8    


 4R  

2|
8 
  
 
    
 2|
8>        



  =

  

  
6  

>
2|
8    
        2|
8<
 
    2|
8 
6
<
 
    
  2 |
8   > #)"  < *|
B    

     
 

 C    * <    *|

|

0B53,B53†+03+†SI+53+IB73.30†,B8|
|

|

T@,+553  13I@U 5B ?3HB  +,+B3? 53


?+V?+ 3 3?B,BI+ 5 @+H31+553 F353, 5B †S G
31@5B53?1B |

|

  †   F  0

%|

3 0  1
 % |

3
 ? 
    
0
% |

,A I W # |

1< 5 W 0  # |

     % |
 
31@0B 
|

5
   >     
  1 
   1   
X(0 

= Y     
   ?        @ < 
F    †  * 
 <  
     

= 4 <
   
<     < 
   
  
    4 
 <

J 

XT   1     <Y*|

|

†  < =  <- , < G F


2   
  G F
   <   
  G
0     *|

|

%+B5@UZB |

|

3

  = 
 >     

   
           
   ?       7?8

  
  1 
     
   @ <  F    †  
7@F†8* +
   %&!)    
 
 
 
 
A  
  A J=      < '&*#%!<
 <(*!(!

  J 
 *|

|

   
    1 
     
   @ < 

%

F   †  G@F†*|


#
  
  
O *|

|

|

+*#"""?
 <*%*%*%#=#/*6 *$6*%&&&||


-

-$$[[[* 
>
* * |

|

%*'†  < =  <|


5 
 7   < =  <8 
    

<   



  
 
      
 
   <   4   

 
      >†  < =  <*|

  =  


 
     *|

|

#*3,303B13.@+1 |
1  
 4  
>
  
* 5 < =  
 
<< 
  *|

#*%+
 |

 
  > 
   
   =   

  


6
<     
  *
= 
>
<  
  

* |

#*#5<< 
?|

B << 
     
        >
   
 <   
>      *0   
J  
  *|

5    


 > 
        <  
<< 
 
 4 *|

#*#*%0
  |

0
            
  
 
    4  


 A * 5< 
  
  > 
  
      >
 

4  * |

#*#*#
 |


   
    
     
 > 
* † 
 
  4 
 
   

 *|

#*#*(5  |


  =  
 
     
    
   


 * |

#*(? |

   
  
 
   4    
 * 5<  <
        
  
 4    *|

(*3,303B153†B+BB3.B |
(*%?
|

?
    
>
    >
    
  
       

 

 
 
*|

5<<


  
  
 < 
 
   :    4 < 
     
A  
 4
 A     
  
  
  
   *|


  
 7
    
   
>
   
 8   

7  
 
       
 
8 
 
 
        7 
  
   
< 
 


8*  
  4   >
   
    
>
   
  
*|

(*#
  |


            <  

 
>


 

 

* |

? ??
 ?    |

c ?   c |

||

|

||

c|

 | |
   | |

   | | |

| | |

     |

||

| || 
| |  |
| ||  |||||
| | |  ||| 
|  ||  
|
 
|||  | | |   | ||
 |||   | | | ||| | ||
  | || ||  | || |  ||

| ||
||
| ||
0| |  |||   || |!||  |"| | |  #!||
 |   |||  ||$ | ||    |||   |
|$ | |
   | %|| #!| |$ | & |'|  | ||
   | |  |||& | | | & |0||(| ||  |
   %||   )| || | |  | | | | | & |

( |(||||| || || ||  ||||||


| | | |*|+ |,-|  % ||  | |  | ||!" || |
#$|,.-|
|  $|| |%  || | |&" |!  |,/-| | |0|
'||$ |1 |2| |(| 3| || !| | | ' |
 ||  |  #!| | || |    | | || | & |0||
  | || || |  | || | & |  ||&|'|"|
$ | || || ||

       

cescrevem-se as diversas componentes de um artigo científico, apresentadas segundo a ordem pela qual o
leitor as encontra. aomo já foi comentado noutros locais, esta ordem não corresponde, de modo nen um,
à sequência pela qual elas são escritas. Na prática, com efeito, as conclusões, a introdução e o resumo são
geralmente os últimos a serem produzidos, e o título sofre muitas vezes alterações radicais de última ora.
Apresenta-se entre parêntesis, para cada uma destas componentes, a respectiva designação anglófona.

  $ %#cescreve de forma lógica, rigorosa, breve e gramaticalmente correcta a essência do artigo.
Por vezes opta-se por títulos com duas partes, como o deste texto.

    $„ 


    %# Indicação do nome do autor (ou autores) e da instituição a que
pertence(m). É frequente indicar também o endereço de correio electrónico.

J $„ %#Não deve exceder 200 palavras e deve especificar de forma concisa, mas não
telegraficamente

1. × que é que o autor fez.


2. aomo o fez (se for relevante).
3. ×s principais resultados (numericamente, se for caso disso).
4. A importância e alcance dos resultados.

× resumo não é uma introdução ao artigo, mas sim um descrição sumária da sua totalidade, na qual se
procura realçar os aspectos mencionados. ceverá ser discursivo, e não apenas uma lista dos tópicos que o
artigo cobre. ceve-se entrar na essência do resumo logo na primeira frase, sem rodeios introdutórios nem
recorrendo à fórmula estafada "Neste artigo ...". Não se devem citar referências bibliográficas no resumo.
aonvém lembrar que um resumo pode vir a ser posteriormente reproduzido em publicações que listam
resumos (de grande utilidade para o leitor decidir se está ou não interessado em obter e ler a totalidade do
artigo).

† + $§ 


%#Por vezes é pedido que um artigo seja acompan ado por um conjunto de
palavras-c ave que caracterizem o domínio ou domínios em que ele se inscreve. Estas palavras são
normalmente utilizadas para permitir que o artigo seja posteriormente encontrado em sistemas
electrónicos de pesquisa. Por isso, devem escol er-se palavras-c ave tão gerais e comuns quanto possível.
Um bom critério é seleccionar as que usaríamos para procurar na $eb um artigo semel ante ao nosso.
Para gan ar sensibilidade a palavras-c ave é útil consultar o sistema anual de classificação das +%
   / 0.

r   $r 


  %#A introdução fornece ao leitor o enquadramento para a leitura do artigo, e
deve esclarecer
1. a natureza do problema cuja resolução se descreve no artigo,
2. a essência do estado da arte no domínio abordado (com referências bibliográficas), e
3. o objectivo do artigo e sua relevância para fazer progredir o estado da arte.

Quando for caso disso, deve incluir ainda

4. indicação dos métodos usados para atacar o problema, e


5. descrição da forma como o artigo está estruturado.

    $ 
 %#aonstitui a descrição, ao longo de vários parágrafos, de todos os
pontos relevantes do trabal o realizado.

 $a    %#cevem ser enunciadas claramente, e deverão cobrir

1. o que é que o trabal o descrito no artigo conseguiu e qual a sua relevância, e


2. as vantagens e limitações das propostas que o artigo apresenta .

Quando for caso disso, deve incluir ainda

4. referência a eventuais aplicações dos resultados obtidos, e


5. recomendações para trabal o futuro.

  $„  


 %#Um artigo científico resulta com frequência do empen o de muita
gente, para além dos que o assinam como autores ± elementos da equipa e amigos que contribuiram, de
uma forma ou outra, para a sua existência e qualidade. É neste ponto de um artigo científico (entre as
"aonclusões" e as "Referências") que se colocam os "Agradecimentos". Quando a actividade que
conduziu ao artigo é total ou parcialmente financiada por uma instituição diferente da que é indicada
como sendo de filiação do autor, é também aqui que se mencionam os apoios. Várias instituições de
financiamento exigem formalmente que o seu apoio seja referido neste ponto. Mesmo que tal não fosse
obrigatório, faz parte das regras de boa cordialidade científica mencionar aqui as instituições que
apoiaram o trabal o.

J! $J  %#Trata-se de uma listagem dos livros, artigos ou outros elementos
bibliográficos que foram referenciados ao longo do artigo. Existem várias normas de referenciação. A que
foi aqui usada é a recomendada pela +% 1+       %  23.

 
Pretendeu-se que este trabal o proporcionasse, de forma muito sintética, mas objectiva e estruturante,
uma familiarização com os principais cuidados a ter na escrita de um artigo científico. Para satisfazer este
objectivo, optou-se por uma descrição sequencial das componentes típicas de um documento desta
natureza. Pensa-se que o resultado obtido satisfaz os requisitos de objectividade e pequena dimensão que
pretendia atingir. Pensa-se também que constituirá um auxiliar útil, de referência frequente para o leitor
que pretenda construir a sua competência na escrita de artigos científicos. Faz-se notar, todavia, que
ninguém se pode considerar perfeito neste tipo de tarefa. A arte de escrever artigos científicos constrói -se
no dia-a-dia, através da experiência e da cultura. Assim, as indicações deste texto deverão ser entendidas
como um mero primeiro passo, enquadrador, para uma jornada plena de aliciantes mas que nunca terá
fim.

  

× autor agradece aos seus alunos da disciplina de "aomunicação Técnica Profissional" o estímulo e bom
acol imento que deram à versão original deste texto. × trabal o correspondente foi realizado
parcialmente no âmbito do aISUa, ao abrigo do contrato 11/326 da Fundação para a aiência e
Tecnologia.

J! 
ÿ    

 
  i  ity
ai
  ai
ÿ  
 
   
 4 Rl i
it
 
i 

ÿ  
 i

          
i ity
ai
  ai
ÿ  


|
   
c     "          ! |

| .445|
 | |||

 || |||||.445 |


| |4||||.44|

|   ||||||