Вы находитесь на странице: 1из 3

INFLUÊNCIA DA PAISAGEM FLUVIAL SOBRE A ICTIOCENOSE DO RIO

CAMORIM, RIO DE JANEIRO, RJ.

Dias, B.C¹.; Figueiredo, C.A²

¹ Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. e-mail: barbara.dcd@gmail.com


² Laboratório de Ictiologia e Gestão Ambiental da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (LIGA-
UNIRIO). e-mail: carlos.figueiredo@gmail.com

RESUMO
É demonstrada a influencia da paisagem fluvial sobre a distribuição da ictiocenose de
um afluente do complexo de lagoas de Jacarepaguá no Rio de Janeiro, RJ – o rio Camorim.
Foram encontrados no Museu Nacional do Rio de Janeiro registros de 13 espécies de peixes
coletados em sete localidades do rio Camorim. A partir desses registros foram identificados
sete trechos onde esses peixes foram coletados e caracterizados quanto as suas manchas de
paisagem terrestre no entorno do rio e fluvial na formação de microhabitats. Essa
caracterização foi feita através de duas visitas a área de estudos o Parque Estadual Burle Marx
e Bairro do Recreio dos Bandeirantes, e posteriormente como auxílio de informações contidas
em SIGs. Os resultados demonstraram que em seu alto curso o rio Camorim nasce na área
protegida pelo limite do Parque Estadual Burle Marx, com reflexos positivos na preservação
das manchas de paisagens no entorno do rio, na paisagem fluvial, na distribuição e
composição da ictiocenose. Mais a jusante, sob impactos da ação antrópica os trechos médio e
baixo sofrem influência das manchas urbanizadas e campos antrópicos que levam a
degradação do curso de água do rio Camorim, esses distúrbios são percebidos também na
composição e distribuição da ictiocenoce.
Palavras chave: Paisagem Fluvial, Ictiocenose, Impactos Ambientais.

INTRODUÇÃO
A ecologia da paisagem, segundo Metzger (2001) nos dá uma perspectiva relacionada
a dois fatores: a influência dos padrões espaciais sobre os processos ecológicos; e o
reconhecimento da influência das escalas nos estudos ecológicos. Ao se estudar a composição
e os padrões de distribuição da ictiocenose em um rio, observamos que o entorno tem
influência direta sobre o corpo hídrico e sobre os peixes. Os rios são ambientes lóticos que
possuem fluxo unidirecional e cujas características vão se alterando ao longo do seu curso, e
isso influencia a composição das comunidades aquáticas como um todo (Esteves & Aranha,
1999). Observa-se que esta heterogeneidade espacial ocasionada pelos processos bióticos,
abióticos e antrópicos influentes na bacia hidrográfica e que no ambiente fluvial cria
microhabitats e padrões específicos na distribuição de cada espécie de peixe.
O rio Camorim é um dos rios componentes da Sub-bacia do Camorim e Caçambé, que
junto com mais 11 Sub-bacias que compõem a Bacia de Jacarepaguá, que drena a vertente
leste do Parque Estadual Burle Marx. A maioria dos rios desta bacia tem como característica
suas nascentes que se originam no Maciço da Pedra Branca e deságuam em primeira instância
em uma das Lagoas Costeiras e posteriormente destas para o mar.
A proposta deste trabalho é compreender a influência do padrão espacial da paisagem
no entorno de sete trechos do rio Camorim e de sua paisagem fluvial sobre a ictiocenose. O
trabalho lista as 13 espécies de peixes que ocorrem no rio Camorim, relacionado-as as
manchas de paisagem que compõem a Sub-bacia do Rio Camorim e Caçambé; e a paisagem
fluvial existente no rio, de modo a tentar compreender as influencias que essas desempenham
em relação à distribuição dos peixes.

MATERIAIS E MÉTODOS
Primeiramente foi levantada uma lista de peixes registrados na Coleção Ictiológica do
Museu Nacional para o rio Camorim: Hoplias malabaricus (Bloch, 1794), Astyanax hastatus
(Myers, 1928); Astyanax taeniatus (Jenyns, 1842); Astyanax sp.2; Hyphessobrycon reticulatus
(Eigenmann, 1918); Characidium interruptum (Pellegrin, 1909); Rhamdia quelen (Quoy &
Gaimard, 1824); Callichthys callichthys (Linnaeus, 1758); Hypostomus punctatus
(Valenciennes, 1840); Phalloceros caudimaculatus (Hensel, 1868); Poecilia reticulata (Peters,
1842); Geophagus brasiliensis (Quoy & Gaimard, 1824); Oreochromis niloticus (Linnaeus,
1758). A partir da lista de espécies foram identificados sete trechos onde haviam sido
realizadas coletas para o rio Camorim. Esses trechos foram mapeados em uma imagem de
satélite obtida no Programa Google Earth a partir de coordenadas geográficas e descrição
sobre a localidade da coleta. Em campo foi feita a caracterização das manchas de paisagem
terrestre que compõem a bacia de drenagem e os microhabitats observados em cada uma das
sete localidades de coleta (estações) para onde existem registros da ictiofauna.
Nas idas a campo para a caracterização qualitativa, primeiramente foi visitado o baixo e
o médio curso do rio Camorim, trechos: desde a Lagoa de Jacarepaguá até a Sub-sede do
Núcleo Camorim (estações Cam 4, Cam 5, Cam 6 e Cam 7). Na segunda visita foram
caracterizados os trechos referentes ao alto curso do rio Camorim inseridos dentro do limite do
PEBM (estações Cam 1, Cam 2 e Cam 3).
A classificação da paisagem seguiu o Mapa de Cobertura Vegetal e Uso das Terras, na
escala de 1:50.000, elaborado pela Secretaria de Meio Ambiente (SMAC, 1997) utilizando as
seguintes feições: Florestas; Florestas Alteradas; Mangues; Áreas Úmidas com Vegetação;
Campos Antrópicos; Águas Continentais e Ambientes Estuarinos, Lagoas, Rios e Canais;
Áreas Urbanas; Áreas Urbanas Não Consolidadas e Solos Expostos.
Nas visitas a campo além das manchas de paisagem terrestre foram também
caracterizados a paisagem fluvial e os microhabitats. Foram anotadas as seguintes
informações: sombreamento percentual do trecho (0%, 25%, 50%, 75% ou 100%); tipo de
correnteza (parada, média ou rápida); vegetação aquática (submersa, emergente, flutuante
e/ou marginal; quantidade de vegetação aquática (nenhuma, pouca, moderada ou muita);
vegetação marginal (nenhuma, pouca, moderada ou muita); tipo de substrato (rochas, pedras,
cascalho, areia, lodo e/ou argila); aspecto da água (transparente, escura, vermelha, poluída);
microhabitat predominante (poço, corredeira, meandros, calha de rio, folhiço e/ou lama).

RESULTADOS E DISCUSSÃO
A Fig. 1 apresenta uma superposição do mapa de uso do solo da Sub-bacia do rio
Camorim e Caçambé. Observamos que as manchas de paisagem no alto curso do rio Camorim
(estações Cam 1, Cam 2 e Cam 3) compõem uma paisagem homogênea caracterizada por
fisionomias de florestas intactas protegidas pelo limite do Parque Estadual Burle Marx. No
médio e baixo curso do rio Camorim (estações Cam 4, Cam 5, Cam 6 e Cam 7) nota-se a
heterogeneidade e diversidade das manchas de paisagens urbanizadas fora do limite de
conservação do PEBM.

Figura 1. Foto satélite do curso do rio Camorim e dos sete trechos estudados e suas manchas
de paisagens.

As manchas de florestas inalteradas no alto curso do rio (estações Cam 1, Cam 2 e


Cam 3), são caracterizadas pela presença de vegetação marginal no rio que atua mantendo a
qualidade da água, diminuindo os processes de erosão, assoreamento do leito e regulando a
vazão do rio. Os trechos mais a jusante (estações Cam 4, Cam 5, Cam 6 e Cam 7)
caracterizam-se por estarem fora da área de proteção do PEBM com presença de campos
antrópicos, solo exposto e manchas urbanizadas. Os impactos dessas manchas de paisagens
no rio ocorrem pela diminuição da mata ciliar levando ao aumento da temperatura da água pela
incidência maior de luz solar, o que possibilita afloramentos de algas verdes. Em casos mais
críticos a retirada total da vegetação marginal causa assoreamento e homogeneização dos
microhabitats. Podemos ressaltar também como fonte de impactos antrópicos o lançamento de
esgotos com poluição e eutrofização artificial do rio.
Cada um dos trechos estudados possui influencia das machas em seu entorno, que
levam a formação de diferentes paisagens fluviais (microhabitats). Esses microhabitats criam
condições para a distribuição dos peixes que compõem a ictiocenoce do rio Camorim. A Tab. 1
mostra os dados de caracterização da paisagem fluvial obtidos nos sete trechos estudados.

Características Cam 1 Cam 2 Cam 3 Cam 4 Cam 5 Cam 6 Cam 7


Coordenadas 22°57'24.18"S 22°57'38.52"S 22°58'11.10"S 22°58'9.67"S 22°58'29.48"S 22°58'35.65"S 22°58'42.59"S;
Geográfica 43°26'54.18"O 43°26'46.56" 43°26'17.28"O 43°25'30.80"O 43°24'53.41"O 43°24'43.61"O 43°24'26.37"O

Ordem 1ª 2ª 2ª 2ª 2ª 3ª 3ª
Vegetação Emergente Ausente Ausente Ausente Ausente Flutuante e Flutuante e
aquática marginal marginal

Vegetação Muita Muita Muita Moderada Moderada Pouca Pouca


marginal

Microhabitat Corredeira Poço (Açude) Calha de rio Calha de rio Calha de rio Calha de rio Lama
Substrato Rochas e pedras Areia e pedras Areia e pedras Areia e pedras Areia e folhiço Areia Areia e lodo
Sombreamento 100% 0% 100% 75% 50% 0% 0%
Correnteza Rápida Parada Média Média Média Parada Parada
Água transparente transparente escura claras poluída poluída Verde

Tabela 1. Características de cada um dos sete trechos estudados.

A relação entre a distribuição dos peixes para os trechos do rio Camorim é homogênea.
Algumas espécies foram constantes, sendo encontradas em quatro dos nos sete trechos
estudados, como: Astyanax hastatus, Phalloceros caudimaculatus, Geophagus brasiliensis e
Poecilia reticulata. Um fator que determina essas espécies serem amplamente distribuídas ao
longo do rio Camorim se relaciona ao quanto elas toleram as variações nas condições
ambientais aos quais estão sujeitos os trechos.
Há algumas espécies que foram encontradas apenas em um ou dois trechos:
Characidium interruptum, Callichthys callichthys e Rhamdia quelen. Foi observado, de modo
geral que os peixes presentes no alto curso do rio Camorim possuem elevado grau de restrição
ambiental, pois apresentam distribuição apenas nesses trechos.

CONCLUSÕES
No rio Camorim a composição da ictiocenose parece estar relacionada ao mosaico de
manchas de paisagem que compõem a Sub-bacia. As manchas de paisagem em estado
inalterado contribuem para a qualidade ambiental do rio na formação de microhabitats que
permitem a existência dos peixes, inclusive os menos tolerantes. As manchas urbanas, devido
aos inúmeros impactos dentre eles os mais frequentes na Sub-bacia do rio Camorim como o
desflorestamento e lançamento de esgoto parecem contribuir para a homogeneização dos
microhabitats no rio e degradação das águas tornando o ambiente inóspito para a maioria das
espécies, favorecendo espécies generalistas.

REFERÊNCIAS

ESTEVES, K. E. & ARANHA, J.M.R. 1999. Ecologia Trófica de peixes de riacho. IN:
CARAMASCHI, E.P. et al (org). Ecologia de peixes de riachos. Série Oecologia Brasiliensis, vol
VI. PPGE-UFRJ, Rio de Janeiro, p. 157-182.
METZGER, J. P. 2001. O que é ecologia de paisagens? Biota Neotropica. Campinas, SP, v. 1,
n. 1/2, p. 1-9.
SMAC. 1997. Mapa de Cobertura Vegetal e Uso das Terras. 1:50.000. Rio de Janeiro,
Secretaria de Meio Ambiente.