Вы находитесь на странице: 1из 91

Sumário

1. FORMAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES���������������������������������������������������������� 7


1.1 Identificação de EPI e EPC de uso geral e da área da saúde��������������������������������������������8
1.2 NR-6: códigos e símbolos utilizados em SST���������������������������������������������������������������������� 22
1.3 Princípios básicos na prevenção de acidentes de trabalho������������������������������������������ 28

2. LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS EM SISTEMAS DE SAÚDE������������������������������������� 34


2.1 NR-32������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 37
2.2 Fatores de riscos de acidentes em um ambiente de saúde������������������������������������������ 41
2.3 NR-10������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 46

3. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA������������������������������������������������������������������������������� 54
3.1 Identificando as causas de acidentes no ambiente de trabalho��������������������������������� 59
3.2 Comunicação de acidente de trabalho (CAT)�������������������������������������������������������������������� 66
3.3 Elaboração e importância da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)������ 68

4. LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA ESPECÍFICA EM SST���������� 76


4.1 Ergonomia no ambiente de trabalho������������������������������������������������������������������������������������ 78
4.2 Prevenção de acidentes na manutenção de equipamentos e materiais����������������� 82
4.3 Inspeção do ambiente de trabalho��������������������������������������������������������������������������������������� 86

GLOSSÁRIO�������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 91

BIBLIOGRAFIA��������������������������������������������������������������������������������������������������������� 94

4 NT Editora
APRESENTAÇÃO

Olá! Seja bem-vindo(a) ao curso de Prevenção de Acidentes!

Neste curso, você terá a oportunidade de conhecer as diferentes formas de se evitar um aciden-
te no ambiente de trabalho e propor mudanças simples para prevenir possíveis acidentes de trabalho.

É muito importante que você conheça os riscos eminentes de ocorrência de acidentes no am-
biente de trabalho e suas formas de prevenção. Ao concluir este curso, você ficará sabendo como é
possível e, na maioria das vezes, de forma simples, evitar acidentes de forma preventiva no ambiente
de trabalho, evitando sérias consequências à saúde do trabalhador.

Não perca tempo! Aproveite esta oportunidade para aprimorar os seus conhecimentos

Bons estudos!

Rosa Maria de Deus de Sousa


Diógenes da Silva costa
Glauco Bueno da Silva
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 5


1. FORMAS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

Objetivos
Esta lição tem como objetivo levar o aluno a conhecer as diversas maneiras de se prevenir um
acidente no ambiente de trabalho.

Ao finalizar esta lição, você deverá ser capaz de:

• Reconhecer os riscos de acidentes no ambiente de trabalho;

• Entender as etapas de prevenção de acidentes;

• Compreender a legislação e os conceitos utilizados na prevenção de acidentes e reconhecer


sua relevância para as organizações.

Está preparado para enten-


der a Prevenção de Riscos?
Então, vamos começar!
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Você sabe o que significa a palavra acidente?

(  ) Sim (  ) Não

Pois bem, vamos à resposta:

Acidente é um evento inesperado e quase sempre indesejável, que ocorre de modo não
intencional e causa danos pessoais, materiais (danos ao patrimônio) e financeiros.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 7


Em se tratando de acidentes ocorridos no trabalho, conforme dispõe o art. 19 da Lei no
8.8.213/1991, podem ser definidos como aqueles que ocorrem pelo exercício do trabalho a serviço da
empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. 11 desta lei, pro-
vocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou ainda a redução,
permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho.

Anualmente, as altas taxas de acidentes e doenças registradas pelas estatísticas oficiais ex-
põem os elevados custos e prejuízos humanos, sociais e econômicos que oneram muito os cofres
públicos, isto considerando apenas os dados do trabalho formal. O somatório das perdas decor-
rentes destes tipos de acidentes, muitas vezes irreparáveis, é avaliado e determinado mediante a
consideração dos danos causados à integridade mental do trabalhador, os prejuízos da empresa e
os demais custos para a sociedade.

Desse modo, o elevado número de acidentes de trabalho, as doenças profissionais e a falta de


consciência levam a concluir que ainda existe um longo caminho a percorrer até que as pessoas sin-
tam bem-estar na sua atividade profissional.

A partir daí, verificou-se a necessidade de se utilizar formas de prevenção de acidentes, para


uma melhor conscientização e formação de trabalhadores em seu local de trabalho, acrescentando a
isso a aplicação de medidas de segurança coletivas e individuais inerentes à atividade desenvolvida,
pois os custos dos acidentes de trabalho são consideravelmente elevados, tanto para os trabalhado-
res, quanto para os empregados, ou seja, a melhor alternativa a ser tomada em relação a esse assunto
é por meio da prevenção.

1.1 Identificação de EPI e EPC de uso geral e


da área da saúde
Vamos conhecer um pouco da história dos EPIs?

Desde os primórdios do tempo, o homem


busca a proteção individual por meio dos seus
instintos. Os primeiros equipamentos de
proteção individual (EPIs) foram regis-
trados na época das cavernas, em que

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


o homem primata vestia-se com pele
de animais a fim de se proteger das in-
tempéries do clima e empunhava suas
clavas contra animais da região hostil
que habitava.

Já na idade média, houve uma


evolução significativa, no que se refere
aos cavaleiros medievais, eles começa-
ram a se proteger das lanças de ataque
dos inimigos por detrás das armaduras.

8 NT Editora SUMÁRIO
Por sua vez, os povos indígenas utiliza-
vam roupas de couro de animais e penas de
aves e ainda empregavam arco e flechas nos
combates e nas caçadas.

Houve a Revolução Industrial, a Primei-


ra e Segunda grandes Guerras Mundiais. A
humanidade foi então evoluindo e com isso
as atividades artesanais deram espaço às mi-
neradoras, metalúrgicas e fundições. A partir
daí, os EPIs foram melhorando cada vez mais.
A cada dia, são descobertos novos materiais,
novos parâmetros, tecnologias que contri-
buem para a sua evolução e buscam proteger
a vida, o bem mais valioso que se pode ter.

Exercitando o conhecimento...
Agora que você conheceu um pouco do histórico da utilização de EPIs, marque a alter-
nativa que representa os materiais utilizados na fabricação dos primeiro EPIs:
1) Os primeiros materiais utilizados foram os tecidos recicláveis.
2) Os primeiros materiais utilizados foram as barras de ferro.
3) Os primeiros materiais utilizados foram as peles dos animais.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

...
Se você pensou na alternativa 3, está correto. Primatas na época da caverna se vestiam de
pele de animais para se protegerem do frio.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 9


Saiba Mais!

Prevenção é prioridade!

Segundo os principais especialistas da área de Segurança e Saúde Ocupacional, as guerras mun-


diais contribuíram em muito para a evolução dos EPIs. Triste constatação: como pode um evento
que traz tanta dor e sofrimento para os povos contribuir para a melhoria da segurança ocupacio-
nal e a preservação da vida humana?

“A guerra traz consigo a emergência em descobrir novos mecanismos que sirvam não só para
descobrir o inimigo, mas que, principalmente, prolonguem a vida humana, uma vez que ela é a
principal peça neste cenário”, justifica João Aprile, diretor da ABS – Agência Brasil de Segurança.

Além disso, as guerras e a industrialização aumentaram a conscientização do homem quanto à


importância de sua proteção individual. Isso levou o europeu, principalmente a partir da Revolu-
ção Industrial, a dar mais prioridade para a questão preventiva. A Europa e os Estados Unidos fi-
zeram um balanço das perdas das vidas humanas, tanto com as guerras, quanto com o trabalho
industrial, e constatou que o maior número de incapacitação ao trabalho ocorria no ambiente
laboral, o que levou à busca de medidas que abrandassem esse quadro.

A Inglaterra foi o berço da legislação trabalhista e lá surgiram os primeiros movimentos visando


à proteção ao trabalhador. Aquele país também exportou esse conceito, assim como especialis-
tas na área de Segurança Ocupacional para vários países, inclusive para o Brasil, principalmente
com o auxílio do Barão de Mauá, para a construção da malha ferroviária nacional no tempo do
Brasil-Império.

O processo de industrialização no Brasil começou lento e gradativo. Durante o segundo reinado


(1840-1889), o país ainda era essencialmente agrícola com vistas à exportação, principalmente
de produtos como café e borracha. Até então, as atividades industriais limitavam-se às tecela-
gens, serrarias, fiações e fábricas de bebidas e conservas. Metalúrgicas e fundições eram raras.

A crise de 1929 sobre a agricultura cafeeira e as mudanças geradas pela Revolução de 1930 alte-
raram os rumos da política econômica. Em 1931, Getúlio Vargas anunciou a determinação de im-
plantar uma “indústria de base”, que levaria o país a produzir insumos e equipamentos industriais
e a reduzir sua importação, estimulando a produção nacional de bens de consumo. As medidas
concretas para a industrialização, contudo, foram tomadas durante o Estado Novo, em 1937.

As dificuldades causadas ao comércio mundial pela Segunda Guerra Mundial favoreceram a

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


estratégia de substituição de importações. Em 1943, foi fundada, no Rio de Janeiro, a Fábrica
Nacional de Motores. Em 1946, começou a operar o primeiro autoforno da Companhia Siderúr-
gica Nacional (CSN), em Volta Redonda (RJ). A Petrobras, que até hoje detém o monopólio da
pesquisa, da extração e do refino de petróleo, foi criada em outubro de 1953. Em 1956, início
dos anos do governo de Juscelino Kubitschek (JK), consolidou-se a implantação de indústrias de
bens duráveis, sobretudo de eletrodomésticos e veículos. O Brasil entrava, definitivamente, na
era da industrialização.

Todas essas alterações provocaram profundas mudanças na vida do trabalhador. De um lado,


ele passou a se especializar em atividades que exigiam um maior aprimoramento técnico. Por
outro, passou a ocorrer maiores riscos, estando exposto a lesões e acidentes que colocavam em
risco sua saúde e até mesmo sua vida. Esse novo cenário despertou governo, empregadores e
empregados para a necessidade de encarar a importância da prevenção de acidentes. Assim, o
EPI começou a ganhar destaque como principal aliado em prol da preservação da vida do traba-
lhador e a evoluir notoriamente com o passar dos anos.

10 NT Editora SUMÁRIO
Com isso, a ciência e a tecnologia colocaram à nossa disposição uma série de medidas e equipa-
mentos para prevenir os acidentes e as doenças decorrentes do trabalho. Esses equipamentos ficaram
conhecidos como EPI e EPC.

EPI: Equi-
pamento
de Proteção
Até aqui aprendemos o que Individual.
significa EPI, mas qual é a
sua real definição?
EPC : Equi-
pamento
de Proteção
Coletiva.

O EPI é definido pela legislação como todo meio ou dispositivo de uso pessoal destinado a
proteger a integridade física do trabalhador durante a atividade de trabalho, tendo como função neu-
tralizar ou atenuar um possível agente agressivo contra o corpo do trabalhador que o usa.

Esses equipamentos evitam lesões ou minimizam sua gravidade, em casos de acidente ou


exposição a riscos, também protegem o corpo contra os efeitos de substâncias tóxicas, alérgicas
ou agressivas, que causam doenças ocupacionais.

Alguns tipos de EPI utilizados em trabalhos de usos gerais podem ser definidos como:

• Protetores faciais;
• Capacetes;
• Óculos de segurança;
• Botas;
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• Luvas, entre outros.

Esses e outros equipamentos também podem ser utilizados na área da saúde, são eles:
• Aventais;
• Máscaras faciais ou protetores faciais;
• Luvas de proteção ao frio ou ao calor;
• Macacão e traje de pressão positiva;
• Toucas ou gorros etc.

Além dos EPIs, existem os equipamentos de proteção coletiva ou EPCs, que são utilizados para
proteção enquanto um grupo de pessoas realiza determinada tarefa ou atividade.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 11


Esses equipamentos não são necessariamente para proteção de um coletivo. Uma máscara de
solda ou um cinto de segurança para alturas, muitas vezes são apenas de uso coletivo.

Quais são os tipos de EPCs utilizados? Bom, alguns exemplos podem ser citados:
• Redes de proteção; • Chuveiros de segurança;

Lava-olhos: • Sinalizadores de segurança; • Exaustores;


Equipamento • Extintores de incêndio; • Kit de primeiros socorros.
instalado em
laboratórios • Lava-olhos;
ou ambientes
de riscos para
lavar os olhos
em caso de Os EPCs auxiliam na segurança do trabalhador nos serviços de saúde e laboratórios, na prote-
acidentes. ção ambiental e também na proteção do produto ou pesquisa desenvolvida. A escolha correta, o uso e
a manutenção do equipamento de segurança permitem ao trabalhador da área de saúde a contenção
apropriada contra os inúmeros riscos aos quais estão envolvidos no seu dia a dia.
Autoclaves:
Equipamento
Como exemplo, podemos citar alguns EPCs utilizados na área da saúde, são eles:
utilizado para
esterilizar • Autoclaves;
materiais com
controle de • Forno Pasteur;
pressão, tempo
e temperatura.
• Chuveiro de emergência;
• Lava-olhos;
• Microincineradores;
• Caixas ou contêineres de aço;
• Caixa descartável para perfurocortante;
• Agitadores e misturadores;
• Centrífuga;
• Sinalização laboratorial, entre outros.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Exercitando o conhecimento...
Vamos em frente!
Teste seus conhecimentos! Assinale a alternativa que representa um EPC:
1) Lava-olhos.
2) Máscaras faciais ou protetores faciais.
3) Luvas de proteção ao frio ou ao calor.
....
Se você pensou e marcou a alternativa 1, está correto. O lava-olhos representa um EPC, pois
é um equipamento utilizado em laboratórios ou em locais onde possa ocorrer contaminação
dos olhos, e é de uso coletivo.

12 NT Editora SUMÁRIO
Conhecendo um pouco mais sobre o uso e as necessidades do EPI
O uso do EPI está especificado na NR-6, aprovada pela Lei no 6.514, de 22 de dezembro de 1977,
da Portaria no 3.214, de 8 de junho de 1978, que apresenta as condições de funcionamento de um
EPI como instrumento neutralizador da insalubridade, levando em conta o fator da adequabilidade
NR: Norma
ao risco, garantindo uma escolha com critérios, os quais devem ser especificados por um profissional Regulamenta-
competente (engenheiro, técnico em saúde e segurança do trabalho e outros). dora.

Quando usar EPI?

• Quando as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou não oferecerem


completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e/ou doenças profissionais;

• Quando há a necessidade de complementar a proteção coletiva;

• Na existência de trabalhos eventuais ou emergenciais;

• Em exposição de curto período.

Esses equipamentos são fornecidos pelo empregador ao empregado que, pela função exercida
na empresa, necessita para se proteger. Sendo que, mediante as duas primeiras circunstâncias citadas
anteriormente, a empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, o EPI adequado ao
risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento.

Como escolher EPIs?

A escolha dos EPIs deve ser feita por pessoal especializado, que conhece o equipamento e o
trabalho que será executado. Além de estar ciente do tipo de risco em que o trabalhador estará dis-
posto, a parte do corpo atingida, as características e qualidades técnicas do EPI, é também cabível ao
empregador fornecer os equipamentos adequados ao uso, com Certificado de Aprovação, emitido
pelo Departamento de Segurança e Saúde do trabalhador, que deve atestar que o equipamento reúne
condições de servir ao fim a que se presta.

É de responsabilidade do empregador:
• Instruir e treinar os trabalhadores quanto ao uso e à higienização dos EPIs;
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• Fiscalizar e exigir o uso dos EPIs;


• Repor os EPIs danificados.

Cabe ao empregado:
• Usar os EPIs apenas para as finalidades a que se destinam;
• Responsabilizar-se pela sua guarda e conservação;
• Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso.

É importante saber que o que o EPI não é o principal recurso adotado para proteger o traba-
lhador. A principal proteção do trabalhador em qualquer atividade é um ambiente livre de riscos à
integridade física e adequado às condições necessárias para se preservar a saúde e o meio ambiente.

Espera-se que as empresas apresentem ambientes de trabalho projetados para preservar um


ambiente salubre e que preserve o meio ambiente, além de atender às suas necessidades produtivas.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 13


E cabe ao empregado se preocupar com sua saúde e integridade física, para proteger sua prin-
cipal fonte de renda, que é a capacidade de trabalho, além de contribuir para a utilização adequada
dos EPIs e manutenção de um ambiente de trabalho adequado às funções e aos riscos inerentes a elas.

Importante!

São obrigações do trabalhador: usar, manter e higienizar os EPIs.


O trabalhador que não cumprir essas obrigações pode ser responsabilizado por isso.

Reflexão!

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Fonte: Disponível em: <http://www.mdic.gov.br/arquivos/dwnl_1227209981.pdf>.

O que será que pode acontecer com o funcionário caso ele não cumpra as suas obrigações
quanto ao uso do EPI?

Que lei ou norma atribui essas condições?

O funcionário está sujeito a sanções trabalhistas e pode até ser demitido por justa causa. Con-
forme o item 1.8.b. da NR-1, constitui ato faltoso pelo empregado a recusa injustificada do uso do EPI.

14 NT Editora SUMÁRIO
Mas o que acontece com o empregador se agir com negligência ou não fornecer o EPI?

Além de ser multado pelo Ministério do Trabalho, pode responder na área criminal ou cível. Mas
onde se deve usar a proteção do EPI?

O EPI é usado em conformidade com a parte do corpo que necessita ser protegida. Pode ser
usada para resguardar a cabeça, o tronco, os membros superiores, inferiores, a pele e o aparelho res-
piratório do indivíduo.

Saiba Mais!

No passado, os EPIs eram muito desconfortáveis, mas hoje são confeccionados com materiais
leves e confortáveis.

Alguns empregadores, hoje em dia, tem uma má concepção de que o uso dos EPIs é caro. Estu-
dos comprovam de que os gastos com esses equipamentos representam, em média, menos de 0,05%
dos investimentos necessários para cumprir o seu planejamento, sendo que em alguns casos, o custo
cai para menos de 0,01.

Por sua vez, o não cumprimento da legislação, quanto ao uso dos EPIs, pode acarretar multas e
ações trabalhistas, o que acaba se tornando bem mais custoso para o empregador, além das perdas
de produção com os afastamentos.

Cabe lembrar que esses equipamentos devem ser fornecidos de acordo com as necessida-
des individuais.

Saiba Mais!
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Não existe prazo estipulado para a troca dos EPIs. Ela deve ser feita quando não servirem mais
ao uso proposto.

Vamos conhecer agora os


tipos de EPIs utilizados para
a proteção do nosso corpo?

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 15


Segundo a NR-6 (Norma Regulamentadora, 1998, p. 78-80), os EPIs podem ser classificados em
diferentes grupos:

I – Proteção para a cabeça


• Protetores faciais destinados à proteção dos olhos e da face contra lesões ocasionadas por
partículas, respingos, vapores dos produtos químicos e radiações luminosas intensas;
• Capacetes para trabalhos em obras de construção e reformas, onde exista a possibilidade,
mesmo que remota de quedas de partes soltas e restos de materiais;

•  Óculos de segurança para trabalhos que


possam causar ferimentos nos olhos, provenien-
tes de impacto de partículas;
• Óculos de segurança contra respingos,
para trabalhos que possam causar irritação nos
olhos e outras lesões decorrentes da ação de líqui-
dos agressivos;
• Óculos de segurança para trabalhos que
possam causar irritação nos olhos, provenientes
de poeiras e ação de radiações perigosas.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


• Protetores de olhos e nariz Protetores
auditivos tipo concha ou plugues de inserção

Óculos de segurança são exigidos para tra-


balhos que possam causar irritação nos olhos
e outras lesões decorrentes da exposição do
trabalhador ao risco.

16 NT Editora SUMÁRIO
II – Proteção para membros superiores Luvas, mangotes e pomadas protetoras

• Luvas e/ou mangas de proteção e/ou cremes protetores que


devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provo-
cada por: materiais ou objetos escoriantes, abrasivos, cortantes
ou perfurantes; produtos químicos corrosivos, cáusticos, tóxi-
cos, alergênicos, oleosos, graxos, solventes orgânicos e deriva-
dos de petróleo; materiais ou objetos aquecidos; choque elé-
trico; radiações perigosas; frio e agentes biológicos;

III – Proteção para membros inferiores


• Calçados ou botas impermeáveis para trabalhos re-
alizados em lugares úmidos, lamacentos ou encharcados;
• Calçados impermeáveis e resistentes a agentes quími-
cos e agressivos;
• Calçados de proteção contra agentes biológicos agressivos;
• Calçados de proteção contra riscos de origem elétrica.

Perneiras, botas ou sapatos de segurança


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

IV – Proteção contra quedas com diferença de nível


• Cinto de segurança;
• Cadeira suspensa;
• Trava-quedas de segurança.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 17


V – Proteção auditiva
• Protetores auriculares do tipo espuma e con-
cha para trabalhos ruidosos que necessitam atenua-
ção do nível de pressão sonoro para garantir a salu-
bridade ocupacional.

VI – Proteção respiratória

Para exposição a agentes am-


bientais em concentrações prejudi-
ciais à saúde do trabalhador:
• Respiradores contra poeiras;
• Respiradores e máscaras de filtro químico
para exposição a agentes químicos prejudiciais à saúde;
• Aparelhos de isolamento (autônomo ou de adução de ar), para locais de trabalho onde o teor
de oxigênio seja inferior a 18% em volume.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


VII – Proteção do tronco
• Aventais, capas, jaquetas e
outras vestimentas especiais de pro-
teção para trabalhos em que haja
perigo de lesões provocadas por
riscos de origem radioativa, bioló-
gica e química.

18 NT Editora SUMÁRIO
VIII – Proteção do corpo inteiro
• Aparelhos de isolamento para locais de trabalho onde
haja exposição a agentes químicos, absorvíveis pela pele, pelas
vias respiratórias e digestiva, prejudiciais à saúde.

IX – Proteção de pele
• Cremes protetores.

Importante!

Para cada item, existe uma variedade de EPIs a ser escolhido. Evite acidentes. O uso correto do
EPI pode salvar a sua vida.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Acabamos de aprender os tipos


de EPIs utilizados para a prote-
ção individual. E quais seriam os
de uso coletivo ou EPCs?
Vamos aprender!

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 19


Diferente dos EPIs, que apenas uma pessoa por vez pode utilizar, protegendo assim o cola-
borador, os EPCs devem proteger todos os trabalhadores expostos a determinados riscos em locais
definidos de trabalho ou ambiente com um trânsito grande de pessoas.

Como exemplo, podemos citar a ventilação dos locais de trabalho, a proteção de partes móveis
de máquinas e equipamentos, a sinalização de segurança, a cabine de segurança biológica, capelas
químicas, cabine para manipulação de radioisótopos, extintores de incêndio, locais de atendimentos
em hospitais, entre outros.

Veja a seguir, alguns modelos de EPCs.

• Cone de sinalização

Com certeza, em algum momento e local, você já viu este cone. Ele possui
a finalidade de sinalizar as áreas de trabalho e obras em vias públicas ou rodovias
STROBO:
e orientação de trânsito de veículos e de pedestres, podendo ser utilizado em
Equipamento
de sinalização conjunto com a fita zebrada, sinalizador STROBO (exemplo de lâmpada utilizada
que emite luz, pela polícia que fica piscando), bandeirola etc.
possui uma
lâmpada
estroboscó-
pica, muito
utilizado em • Fita de sinalização
boates.
Esta fita tem a função de
delimitar uma área de trabalho
ou isolar.

• Grade metálica dobrável

Tem a função de isolar e sinalizar áreas de trabalho, poços de inspeção, entrada de galerias sub-
terrâneas e situações semelhantes.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

20 NT Editora SUMÁRIO
Cone com sinalizador STROBO

• Sinalizador strobo

Serve para identificar serviços, obras, acidentes e atendi-


mentos em ruas e rodovias.

• Banqueta isolante

Tem a função de isolar o operador do solo durante a opera-


ção do equipamento guindauto, em regime de linha energizada.

• Manta isolante

Isola as partes energizadas da rede durante a execução de tarefas que envolva risco de choque.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

• Cobertura isolante

Tem a função de isolar as partes energi-


zadas da rede durante a execução de tarefas.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 21


1.2 NR-6: códigos e símbolos utilizados em SST
Como aprendemos anteriormente, a NR-6 é a norma que estabelece e define os tipos de EPIs
que as empresas estão obrigadas a fornecer a seus empregados, sempre que as condições de trabalho
o exigir, a fim de resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores.

SST: Seguran-
ça e Saúde no
Trabalho.

Você conhece o significado das


palavras códigos e símbolos?
Então, vamos entender!

De acordo com o dicionário Aurélio, código é o sistema de símbolos que permite a representação
de uma informação; e sigla é o conjunto das letras iniciais dos vocábulos que formam um nome próprio,
normalmente utilizado como abreviaturas, por exemplo, NR, que representa Norma Regulamentadora.
MTE: Mi-
nistério do Os códigos, os símbolos, as abreviaturas, as siglas são bastante usados quando se trata de
Trabalho e saúde e segurança do trabalho. As especificações previstas nas leis de segurança do trabalho são
Emprego. fiscalizadas pelos órgãos competentes, neste caso, o MTE é o órgão federal fiscalizador.

Caro aluno, agora, imagine você trabalhando em um ambiente hospitalar. Um ambiente des-
tes oferece muitos riscos para a sua saúde, como o contato com bactérias, fungos, bacilos, parasitas,
protozoários, vírus, considerados riscos biológicos. Além de outros riscos, como a radiação ionizante
proveniente de máquinas de raio-x. Lembre-se, no local em que você pode estar trabalhando, existem

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


placas avisando dos riscos e da proibição. E você precisa conhecer estes riscos para se proteger e ado-
tar as medidas cabíveis.

O tema que estamos tratando, formas de prevenção de acidentes, aborda muitos símbolos e
códigos. Você sabe de quais códigos estamos falando? Vamos conhecer um pouco mais de cada sím-
bolo utilizado nesta disciplina.

O primeiro é o SST. Este é o código da disciplina chamada Segurança e Saúde no Trabalho, que
visa, por meio de leis e princípios, buscar a diminuição dos riscos existentes no ambiente de trabalho,
conseguir um meio ambiente de trabalho saudável e que não propicie acidentes e doenças de trabalho.

Bom, também existem as NRs, normas regulamentadoras. Nas 36 normas existentes, existem
muitos códigos espalhados, e iremos aprendê-los.

22 NT Editora SUMÁRIO
Você deve estar se perguntando agora:

Mas por que preciso aprender os códigos utilizados nestas normas, isso realmente é importante?

Muito! Imagine trabalhar em um ambiente hospitalar que possui muitos riscos para a sua saúde.
Riscos como contato com bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, os chamados riscos
biológicos. Além de outros riscos, como a radiação ionizante proveniente de máquinas de raio-x.

Desse modo, no local em que vocês estarão diariamente trabalhando, existirão placas adver-
tindo dos riscos e da proibição, por exemplo, de permanência em determinadas áreas. E é lógico que
vocês precisam conhecer especialmente os códigos ou símbolos para se protegerem destes riscos e
adotarem as medidas corretas.

A seguir, serão listados alguns códigos ou símbolos de SST.

SST – Segurança e Saúde no Trabalho


SMT – Segurança e Medicina do Trabalho
NR – Norma Regulamentadora
CLT – Consolidação das Leis do Trabalho
MTE – Ministério do Trabalho e Emprego
CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social
SIT – Secretaria de Inspeção do Trabalho
PAT – Programa de Alimentação do Trabalhador
CANPAT – Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho
CAT – Comunicação de Acidente do Trabalho
DEFIT – Departamento de Fiscalização do Trabalho
DSST – Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho
SSST – Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho
SRTE – Superintendência Regional do Trabalho e Emprego
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

DRT – Delegacia Regional do Trabalho


AFT – Auditor Fiscal do Trabalho
AI – Auto de Infração
Sinmetro – Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas
Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia
EPI – Equipamento de Proteção Individual
EPC – Equipamento de Proteção Coletiva
CA – Certificado de Aprovação
OIT – Organização Internacional do Trabalho
ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygienists

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 23


CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho
SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes
SESMT – Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho
EST – Engenheiro de Segurança no Trabalho
TST – Técnico de Segurança do Trabalho
GR – Grau de Risco
CCIH – Comissão de Controle de Infecção Hospitalar
OS – Ordem de Serviço
DDS – Diálogo Diário de Segurança
CAI – Certificado de Aprovação das Instalações
PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais
PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional
ASO – Atestado de Saúde Ocupacional.
IBMP – Índice Biológico Máximo Permitido
EE – Exposição Excessiva
CRM – Conselho Regional de Medicina
Pair – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído
Pairo – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído Ocupacional
CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica
PCMAT – Programa de Condições do Meio Ambiente do Trabalho
PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde
PCA – Programa de Conservação Auditiva
LT – Limite de Tolerância

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


PPR – Programa de Proteção Radiológica
CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear
Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária
IOE – Indivíduo Ocupacionalmente Exposto
AET – Análise Ergonômica do Trabalho
PPEOB – Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno
PAM – Plano de Ajuda Mútua
PCE – Plano de Controle de Emergência
AR – Análise de Risco
APR – Análise Preliminar de Risco
PT – Permissão de Trabalho

24 NT Editora SUMÁRIO
PET – Permissão de Entrada e Trabalho
IPVS – Atmosfera Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde
PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos
CIPAmin – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho na Mineração
SEP – Sistema Elétrico de Potência
AT – Alta Tensão
BT – Baixa Tensão
CCS – Controlador Configurável de Segurança
CLP – Controlador Lógico Programável
PMTA – Pressão Máxima de Trabalho Admissível
RGI – Risco Grave e Iminente
PH – Profissional Habilitado
GHS – Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de
Produtos Químicos
FISPQ – Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Caro aluno, vamos conhecer agora alguns dos símbolos utilizados como forma de orientação
na prevenção de riscos nos diversos ambientes de trabalho:

Símbolo de advertência Símbolo de advertência Símbolo de advertência durante


para faixa etária para uso de luvas a execução de uma obra
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

USO
OBRIGATÓRIO

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 25


Símbolo de advertência para Símbolo de advertência para inspeção Símbolo de advertência para
produto químico irritante de equipamentos saída de emergência

NOCIVO OU IRRITANTE
Classificação: Os produtos com
esse símbolo provocam ardência
nos olhos, no nariz e na pele e
podem causar até queimaduras.
Precauções: Cuidado ao manuseá-lo.

Símbolos com forma circular de cor azul no fundo e o desenho na cor branca indicam uma ati-
tude de obrigatoriedade para garantir a segurança dentro do espaço:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

26 NT Editora SUMÁRIO
Veja a seguir os símbolos que representam sinalização de incêndio e/ou emergência

Forma retangular/quadrada, com fundo vermelho e desenho branco;


Sinais relacionados com material de combate à incêndio.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Prezado aluno, para saber mais a respeito dos símbolos, acesse o site do MTE, Disponível em:
<http://portal.mte.gov.br/portal-mte/>.

Obs.: Todos os símbolos citados anteriormente estão neste link: <http://migre.me/mmf38>.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 27


Exercitando o conhecimento...
De que órgão Federal é a competência para a fiscalização das atividades relacionadas
com a saúde e segurança do trabalho?
a) DRT. b) CREA. c) MTE. d) CIPA. e) SIT.
...
Se você marcou a letra c, parabéns! Isto demostra que você entendeu o conteúdo estudado,
pois como foi dito no texto acima, o órgão federal que fiscaliza a segurança do trabalho é o
Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

1.3 Princípios básicos na prevenção de


acidentes de trabalho
Como podemos perceber ao longo da lição, se não tomarmos uma medida de segurança no de-
correr da realização de algumas tarefas, nos expormos a riscos, que muitas vezes podem ser irreparáveis.

Diante disso, percebeu-se que é preciso eliminar ou controlar esses riscos, evitando danos à
saúde dos trabalhadores, ao meio ambiente e à saúde da população em geral. E assim, a melhor me-
dida a ser adotada é a prevenção.

Essa prevenção pode ser definida como o conjunto de medidas objetivas que buscam evitar a
ocorrência de danos à saúde dos trabalhadores, pela eliminação e pelo controle dos riscos nos proces-
sos e ambientes de trabalho.

Um papel fundamental dos trabalhadores nas organizações é lutar para que a prevenção em
todos os locais de trabalho evolua continuamente e atinja os níveis mais elevados de defesa da saúde
dos trabalhadores e do meio ambiente.

Com isso, mostraremos três fases básicas de atuação da prevenção de acordo com o momento
de evolução do próprio risco.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


As três fases são definidas como: i) projeto e planejamento, ii) situações reais de trabalho e de
risco; e iii) remediação.

A primeira fase é fundamental, pois quando o projeto e o planejamento são feitos de forma er-
rada, o surgimento ou agravamento de riscos é muito maior, às vezes, eles são irreversíveis ou inviáveis
economicamente, por isso uma atenção especial deve ser dada a essa etapa.

A segunda fase ocorre com a empresa em funcionamento, nesta hora, os riscos permanecem
ou decorrem da primeira etapa, transformando-se em situações reais de risco vividas pelos trabalha-
dores. Em outras palavras, o trabalhador pode ainda não ter se acidentado ou adoecido, mas o risco
está presente numa dada situação, e pode gerar um efeito ao trabalhador a qualquer momento. Para
evitar isso, a empresa será obrigada a controlar essas situações permanentemente por meio do geren-
ciamento dos riscos existentes. Esta fase envolve uma ampla legislação técnica e fiscalização por parte
das autoridades responsáveis no cumprimento da legislação.

28 NT Editora SUMÁRIO
E, a última fase, remediação, refere-se quando uma situação de risco se transforma num even-
to, como um acidente ou doença. Neste caso, as medidas de prevenção têm o objetivo de evitar que
um dano maior ocorra. No caso de acidentes, esta fase remete a medidas como o planejamento de
emergências (evacuação, primeiros socorros, remoção e tratamento de feridos); e no caso dos riscos
com efeitos crônicos de médio ou longo prazo, que produzem determinados efeitos ou sintomas, são
necessárias medidas como o monitoramento médico dos trabalhadores expostos, a retirada imediata
dos locais de trabalho dos trabalhadores afetados e o consequente tratamento médico adequado.
Muitas vezes o pior ocorre justamente pela ausência destas medidas.

Como as empresas podem garan-


tir esses cuidados? Existe alguma
norma, alguma especificação que
sirva de base para as empresas?

Existe sim, e como uma forma de estabelecer uma metodologia de ação que garanta a preser-
vação da saúde e integridade dos trabalhadores, frente aos riscos dos ambientes de trabalho, a NR-9,
estabelece o PPRA. À primeira vista, logo se pensa que é um programa sobre meio ambiente, mas na
PPRA : Progra-
verdade ele visa à proteção do trabalhador no “ambiente” de trabalho.
ma de Preven-
ção de Riscos
Resumindo, o PPRA é um programa que visa, pela antecipação dos riscos, buscar meios de evi-
Ambientais.
tar acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Quais são os riscos ambientais?

Para efeito do PPRA, os riscos ambientais são os agentes físicos, químicos e biológicos existen-
tes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração, intensidade e tempo de
exposição, são capazes de causar danos à saúde dos trabalhadores.

Assim, o programa se estrutura nas seguintes etapas:


• Antecipação e reconhecimento dos riscos;
• Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
• Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
• Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
• Monitoramento da exposição aos riscos;
• Registro e divulgação dos dados.

Seguindo essas etapas, é possível prevenir os acidentes de trabalho, reduzir a perda de material

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 29


e de pessoal, permitir o ganho na otimização dos custos, diminuir gastos com saúde e aumentar a
qualidade, produtividade e competitividade entre os trabalhadores.

Estudamos nesta lição os elementos básicos utilizados na prevenção de riscos no ambiente


de trabalho.

Resumindo...
Caro estudante, nesta lição, aprendemos sobre as formas de prevenção de acidentes, bem como o
uso correto dos equipamentos de proteção individuais e coletivos, utilizados como formas de prevenção
de acidentes de trabalho. Além disso, de acordo com os assuntos abordados neste curso, você aprendeu
a identificar os símbolos e as siglas utilizados em SST. Esses assuntos nos faz refletir sobre as formas de
contribuição e melhoria da segurança no ambiente de trabalho, por ser um assunto de extrema impor-
tância que quando levado a sério pode evitar acidentes e preservar a vida dos trabalhadores.

Veja se você se sente apto a:

• Reconhecer os riscos de acidentes no ambiente de trabalho;

• Entender as etapas de prevenção de acidentes;

• Compreender a legislação e os conceitos utilizados na prevenção de acidentes e reconhecer


sua relevância para as organizações.

Parabéns!
Você finalizou os estudos sobre as formas de
prevenção de riscos no ambiente de traba-
lho, esperamos que tenha aprendido muito
e que estes conhecimentos novos possam
ajudar você na sua vida pessoal e profissional!
Lembre-se: seja curioso, observe a forma em
que as pessoas desenvolvem suas tarefas e

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


sempre que possível sugira uma mudança
para prevenir um acidente de trabalho.

30 NT Editora SUMÁRIO
Exercícios
Parabéns,
Questão 01 – Os códigos, símbolos, abreviaturas, siglas são muito utilizados para orien-
você finalizou
tação em saúde e segurança do trabalho. Assinale a alternativa em que a sigla está definida esta lição!
de forma equivocada, ou seja, errada.
Agora
a) SIPAT: Semana Interna de Prevenção de acidentes. responda
às questões
b) PGR: Programa de Gerenciamento de riscos. ao lado.
c) PPRA: Programa de Proteção de Riscos nos Ambientes.
d) PCMSO: Programa de Controle Médico de Segurança Ocupacional.
e) SST: Saúde e Segurança do trabalho.

Questão 02 – No que diz respeito à guerra, responda, com suas palavras, qual a contri-
buição para a melhoria da segurança do trabalho.





...
Como a guerra traz consigo a emergência em descobrir novos mecanismos, que sirvam não
só para descobrir o inimigo, mas que, principalmente, prolonguem a vida humana, sua ocor-
rência fez com que a conscientização do homem aumentasse quanto à importância de sua
proteção individual.

Questão 03 – Considere as seguintes afirmativas sobre os EPIs:


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

I. Equipamento de Proteção Individual é todo dispositivo ou produto de uso individual


utilizado pelo trabalhador.
II. Possui a função de proteger o trabalhador dos riscos e de ameaçar a segurança e a
saúde no trabalho.
III. Segundo o conteúdo estudado, pode-se afirmar que o EPIs podem ser compartilha-
dos entre os trabalhadores dentro das empresas.
IV. As descobertas iniciais eram equivocadas, pois não foram úteis para proteger os primitivos.
V. Marque a alternativa correta:

a) Somente o item I está incorreto.


b) Somente os itens I e II estão incorretos.
c) Somente o item II e IV estão corretos.
d) Todos os itens estão corretos.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 31


Questão 04 – Marque a alternativa que contém apenas EPIs:
a) Fita sinalização / grade metálica dobrável / cone sinalização;
b) Cone /capacete/ banqueta isolante.
c) Capuz / óculos / respirador de fuga.
d) Protetor facial / cone / fita sinalização.
e) Respirador de fuga / óculos / banqueta isolante.

Questão 05 – Marque a alternativa que contém apenas EPCs:


a) Fita sinalização / grade metálica dobrável / cone de sinalização;
b) Cone de sinalização /capacete/ banqueta isolante.
c) Capuz / óculos / respirador de fuga.
d) Protetor facial / cone / fita sinalização.
e) Todas as alternativas anteriores.

Questão 06 – Assinale a opção que não representa itens incluídos no Programa de Pre-
venção de Riscos Ambientais – PPRA entre as etapas descritas abaixo:
a) Antecipação e reconhecimento dos riscos.
b) Discussão sobre o pagamento da insalubridade.
c) Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores.
d) Monitoramento da exposição aos riscos.
e) Registro e divulgação dos dados.

Questão 07 – Leia o texto. Agir de forma preventiva quando possível e sempre adap-
tando o ambiente de trabalho ao homem para reduzir o número de acidentes de trabalho

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


visando à execução do trabalho em harmonia é o objetivo da prevenção de acidentes den-
tro do ambiente de trabalho.
Marque a alternativa que corresponde as três fases básicas de atuação da prevenção
de acidentes:
a) As três fases são definidas como: projeto e planejamento, das situações reais de tra-
balho e de risco e remediação.
b) As três fases são definidas como: forma de agir e planejamento, e atuar nas diferentes
formas de otimização dos sistemas.
c) As três fases são definidas como: preparo e intervenção no ambiente de trabalho.
d) As três fases são definidas como: anteprojeto e execução das situações reais de traba-
lho e remediação dos processos.

32 NT Editora SUMÁRIO
Questão 08 – Responda com suas palavras quais são as responsabilidades do emprega-
dor e do empregado quanto ao uso do EPI.




...
É de responsabilidade do empregador: Instruir e treinar os trabalhadores quanto ao uso e higie-
nização dos EPIs, fiscalizar e exigir o uso dos EPIs, repor os EPIs danificados. E cabe ao empregado:
usar os EPIs apenas para as finalidades a que se destinam; responsabilizar-se pela sua guarda e
conservação; e comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso.

Questão 09 – Tendo como base o conteúdo estudado nesta lição, assinale entre as al-
ternativas abaixo a melhor medida a ser tomada para conter os acidentes que ocorrem
em locais de trabalho? Faz parte do estudo ergonômico:
a) A melhor alternativa é a intervenção, como medidas objetivas que buscam corrigir e
amenizar os danos à saúde dos trabalhadores.
b) A melhor alternativa é a esperar para saber qual a melhor decisão a ser tomada.
c) A melhor alternativa é a prevenção, ou um conjunto de medidas objetivas que bus-
cam evitar a ocorrência de danos à saúde dos trabalhadores, pois é mais fácil e gera menos
custos planejar e projetar do que remediar.
d) A melhor alternativa é interagir com os empregados, ou seja, permitir que eles resol-
vam as situações de perigo, pois é mais fácil e gera menos custos.

Questão 10 – Que vantagens podemos ter com o uso do Programa de Prevenção de


Riscos Ambientais?
a) Se o programa for executado da forma correta, é possível prevenir os acidentes de
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

trabalho, reduzir a perda de material e de pessoal, permitir o ganho na otimização dos cus-
tos, diminuir gastos com saúde e aumentar a qualidade, produtividade e competitividade
entre os trabalhadores.
b) Se o programa for executado da forma correta, às vezes, pode-se prevenir os aciden-
tes de trabalho, reduzir a perda de material e de pessoal, permitir o ganho na otimização
dos custos, diminuir gastos com saúde e aumentar a qualidade, produtividade e competi-
tividade entre os trabalhadores.
c) Se o programa for executado da forma incorreta, é possível reduzir as perda de mate-
rial e de pessoal, permitir o ganho na otimização dos custos, diminuir gastos com saúde e
aumentar a qualidade, produtividade e competitividade entre os trabalhadores.
d) Quando o programa é elaborado da forma correta, torna-se possível prevenir os aci-
dentes de trabalho, sem reduzir a perda de material e de pessoal, permitindo uma otimiza-
ção dos custos, aumentando gastos com saúde e a qualidade, produtividade e competiti-
vidade entre os trabalhadores.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 33


2. LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS EM
SISTEMAS DE SAÚDE

Objetivos
Este capítulo tem como objetivo levar o aluno a conhecer a legislação aplicada na prevenção de
acidentes no ambiente de trabalho voltado para a área de saúde.

Ao finalizar esta lição, você deverá ser capaz de:


• Reconhecer a legislação aplicável em sistemas de saúde;
• Entender as formas de aplicação da legislação para prevenção de acidentes;
• Compreender conceitos utilizados na prevenção de acidentes e reconhecer sua relevância
para os sistemas de saúde.

Está preparado para aprender


sobre a legislação voltada para
o ambiente de saúde?
Então, vamos começar!

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Antes de conhecermos as legislações aplicáveis em sistemas de saúde, vamos aprender um


pouco sobre as questões de saúde, sua importância e suas definições.

34 NT Editora SUMÁRIO
Saiba Mais!

A partir do século XVIII, a questão da saúde se tornou uma preocupação política, econômica e
social. Um dos principais objetivos do poder político foi o de assegurar o bem-estar físico e a
saúde da população, tendo em vista não apenas a saúde do “pobre necessitado”, mas o nível de
saúde vivenciado em coletividade. Surge, nesse período, uma nova função social: “a disposição
da sociedade como meio de bem-estar físico, saúde perfeita e longevidade” (FOUCAULT, 1996).

Com o passar do tempo, as concepções de saúde mudaram, o que antes era entendido como
“ausência de doença, no século XVIII, passou a ser concebido como bem-estar. No século XIX, a
saúde foi garantida por um conjunto de serviços de alcance coletivo. Já no século XX, o conceito
foi ampliado, e a saúde passou a ser entendida como um completo estado de bem-estar físico,
mental e social, que pretende ser estendido a todas as pessoas como direito de cidadania.

O que diz a Constituição sobre a saúde?

A Constituição Federal de 1988, art. 196, dispõe que a saúde é direito de todos e dever do
Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença
e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, pro-
teção e recuperação.

Sendo assim, todos nós temos direito à saúde, e esse é um dever do Estado. Além disso, o Es-
tado também deve proporcionar políticas que permitam à população acesso aos serviços de saúde.

E o que aconteceu depois que esse conceito de saúde passou a fazer parte da Constituição?

A saúde do trabalhador passa a ter nova definição e novo delineamento institucional a partir da
Constituição Federal de 1988, com a instituição do Sistema Único de Saúde (SUS) e sua incorporação
enquanto área de competência própria da saúde.

Pra quem não sabe, o SUS pode ser considerado como uma das maiores conquistas sociais da
Constituição de 1988, pois seus princípios apontam para a democratização das ações e dos serviços
de saúde, que deixam de ser restritos e passam a ser universais, da mesma forma, deixam de ser cen-
tralizados e passam a nortear-se pela descentralização.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

E quanto às legislações, apenas a Constituição trata da saúde?

Não, pois o campo jurídico tem uma fundamental importância e é um dos pilares fundamentais
para que estados e municípios exerçam sua competência e cumpram suas atribuições, além do mais,
as leis servem de instrumentos para que esses estados e municípios implantem, desenvolvam e am-
pliem ações em benefício da saúde do trabalhador.

Desse modo, o Comitê Técnico-Científico de Saúde do Trabalhador recomendou ao Ministério


da Saúde (MS) que publicasse uma compilação das bases legais existentes que respaldam o desenvol-
vimento dessas ações.

A seguir, serão citados alguns estatutos federais e estaduais que tratam acerca da saúde
do trabalhador.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 35


Na esfera federal, estão:
• A Constituição de 1988, que é a norma jurídica de eficácia máxima;
• A Lei Orgânica da Saúde, que compreende as leis que regulam, fiscalizam e controlam as
ações e os serviços de saúde;
• A Norma Operacional Básica (NOB), que instaurou novas bases de relação entre União, Esta-
dos e Municípios no processo de municipalização das ações de saúde, especialmente daquelas relati-
vas ao financiamento das ações;
• Além dos instrumentos citados anteriormente, existem algumas portarias federais normaliza-
doras da saúde do trabalhador no SUS.

E, na esfera estadual, encontram-se:


• As constituições dos estados, pois a partir da promulgação da Constituição Federal, os esta-
dos passaram a atualizar suas leis orgânicas. Vários deles referiram-se à saúde do trabalhador em seu

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Capítulo da Saúde, sendo que essa referência deu-se de maneira distinta, refletindo as conjunturas
políticas, favoráveis ou não, e os embates entre os setores interessados em cada estado.
• Os códigos de saúde dos estados, que têm a função de especificar mais detalhadamente o dispos-
to na constituição de cada Estado, à luz dos princípios e das diretrizes definidos na Constituição Federal.
• As portarias nacional e estaduais que instituem listagem de doenças e agravos de notificação
compulsória; e
• As normas estaduais específicas em saúde do trabalhador.

Nessas legislações, vamos dar uma atenção especial à Norma Regulamentadora no 32, que você
estudará no próximo tópico.

36 NT Editora SUMÁRIO
2.1 NR-32

Antes de falarmos da NR-32,


vamos saber o que significa
NR? E como surgiu?

Saiba Mais!

As Normas Regulamentadoras (NRs) são normas elaboradas pelo Ministério do Trabalho e Em-
prego (MTE). Elas foram criadas pela Lei no 6.514, de 1977, com o objetivo de promover saúde e
segurança do trabalho na empresa. As NRs existem também para nos ensinar como cumprir o
disposto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e para detalhar a CLT.

Como surgiram as NRs?

A Lei no 6.514, de 1977, alterou o Capítulo V, Título II, da CLT, relativo à Segurança e Medicina do
Trabalho. As NRs foram aprovadas pela Portaria no 3.214, em 8 de junho de 1978.

As NRs foram criadas para dar um formato final nas leis de Segurança do Trabalho. Foram feitas
em capítulos para facilitar, normatizar e unificar as normas de seguranças brasileiras.

As Normas Regulamentadoras têm força de lei e são alteradas sempre que os formadores da
Comissão Tripartite julgam necessário.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Quais são as NRs mais importantes?

Cada NR tem sua relevância e algumas complementam as outras. A mais importante para a sua
empresa, por exemplo, quem vai definir é o ramo de atividade da empresa. Se minha empresa
é um hospital, a NR mais importante para ela é a NR-32 – Segurança e Saúde no Trabalho em
Estabelecimentos de Saúde, e é sobre esta norma que vamos tratar a seguir.

Você sabia que no mundo e no Brasil esta foi a primeira vez em que se criou uma nor-
ma regulamentadora específica da saúde?

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 37


Essa NR foi publicada pelo MTE, em 16 de novembro de 2005, e aprovada por unanimidade pela
Comissão Tripartite Permanente, a NR-32 é fruto da conjugação do pensamento e das reivindicações
das três esferas mais interessadas no assunto – governo, empregadores e empregados.

E qual o seu objetivo?

Prevenir os acidentes e o adoecimento causado pelo trabalho aos profissionais da saúde, elimi-
nando ou controlando as condições de risco presentes nos serviços de saúde.

Exercitando o conhecimento...
Vamos responder algumas questões acerca do que aprendemos hoje?
Para fins de aplicação da NR-32, relativa à Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços
de Saúde, considera-se risco biológico a probabilidade da exposição ocupacional a:
a) Microrganismos, parasitas, toxinas e príons.
b) Microrganismos, culturas de células, parasitas e toxinas.
c) Microrganismos, culturas de células, parasitas e príons.
d) Microrganismos geneticamente modificados, culturas de células, parasitas e toxinas.
e) Microrganismos geneticamente modificados ou não, culturas de células, parasitas,
toxinas e príons.
...
Se você marcou a letra E, parabéns! Isto demostra que você entendeu o conteúdo estudado,
pois como foi dito no texto da NR-32, está previsto como risco biológico o contato com os mi-
crorganismos geneticamente modificados ou não, culturas de células, parasitas, toxinas e príons.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Saiba Mais!

“A Comunidade Europeia e a norte-americana, por exemplo, possuem leis específicas para riscos
biológicos, químicos, entre outros, porém, nada específico para os serviços de saúde”.

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), as doenças e os acidentes rela-


cionados ao trabalho matam anualmente 1,1 milhão de pessoas em todo o mundo. Neste número,
estão incluídos cerca de 300 mil óbitos decorrentes de 250 milhões de acidentes de trabalho, além de
mortes por doenças ocupacionais diversas. Ainda segundo a mesma fonte, o custo das doenças e dos
acidentes de trabalho chegam a cerca de 4% da produção mundial – dados de 2010.

38 NT Editora SUMÁRIO
Nos Estados Unidos e em outros países do chamado primeiro mundo, o foco da gestão empresa-
rial é moldado em custos e no retorno sobre os investimentos, o que leva as autoridades, os empresários,
as associações e os sindicatos a trabalharem pela redução das doenças e dos acidentes de trabalho com
este objetivo. Como consequência, persegue-se a diminuição do número de incidentes e acidentes.

No Brasil, grande parte do empresariado ainda peca na tentativa de baixar os custos justamente
naquilo que deveria se investir mais, como com a prevenção, os programas de diminuição de doenças
ocupacionais, uso de EPIs eficientes e postos de trabalho ergonômicos, a fim de aumentar justamente
os seus lucros!

Nos Estados Unidos, “segurança ocupacional” é tratada como um investimento qualquer e


como tal deve ser calculado o seu retorno. Os acionistas estão conscientes de que a segurança no tra-
balho deve ser tratada como um assunto tão importante quanto à alimentação de seus colaboradores,
por exemplo.

Reflexão!

Qual é a especificidade da NR-32?

A NR-32 é específica na área da saúde, podendo ser resumida como prevenção. Para isso,
a norma estabelece vários prazos mensais para que as mudanças sejam implantadas.
Esse investimento compensa e evita prejuízos futuros, permitindo que uma geração de
trabalhadores mais saudáveis surja.

E qual o seu principal objetivo?

Eliminar o risco de acidentes de trabalho. E se o risco não puder ser eliminado, controla-
do, avaliado e administrado.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

O uso da NR-32 não elimina o cumprimento das outras normas sobre o assunto.

O que acontece caso as normas não sejam cumpridas dentro de uma empresa?

O descumprimento das normas de segurança e medicina do trabalho poderá ensejar a


aplicação e o pagamento de multa imposta por fiscais do trabalho.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 39


Saiba Mais!

A NR-32 fixa o alvo: É NECESSÁRIO QUE QUALQUER TRABALHADOR LIGADO À ÁREA MÉDICO
-HOSPITALAR (clínicas em geral, ambulatórios, consultórios em geral, laboratório de análise
clínicas, pesquisa e obviamente os hospitais) RECEBA TREINAMENTO ESPECÍFICO – OBRIGATÓ-
RIO PARA SABER E CONHECER OS RISCOS A QUE ESTÃO SUBMETIDOS.

Esses treinamentos obrigatórios devem ser prestados por profissional habilitado e sua tramita-
ção e conformidade são também asseguradas.

Dados divulgados pelo Conselho Inter-


nacional de Enfermagem (CIE) e pelo Comitê
Permanente de Enfermeiros da União Euro-
peia, divulgaram que anualmente cerca de 1
milhão de trabalhadores da saúde sofrem aci-
dentes com agulhas, destes, 40% correspon-
dem aos profissionais de enfermagem.

O ambiente de trabalho dos profissio-


nais da saúde engloba todos os riscos biológi-
cos possíveis e existentes, e muitas vezes esses
riscos aparecem com diferentes roupagens, de
acordo com a tarefa a que se está vinculado.

Além disso, o trabalhador da saúde é um ser humano, daí estar exposto a todos os riscos am-
bientais existentes, além dos evidentes riscos biológicos.

A regulamentação destinada a proteger os trabalhadores ligados às áreas da saúde, por meio


da NR-32, combinada com as portarias da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Con-
selho Nacional do Meio Ambiente (Conama) são responsáveis pela gestão e pelo controle dos resíduos
originados nos ambientes hospitalares. Essa regulamentação chega para diminuir, em nível nacional,
o número de acidentes de trabalho com os profissionais desses estabelecimentos.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

O Brasil agrega cerca de 2,5 milhões de profissionais da área de saúde. Em um total de 458.956
acidentes notificados, 30.161 correspondiam ao setor de saúde. Em 2004, houve um aumento no nú-
mero de acidentes de mais de 30% em relação a 2003, com 23.108 notificações. A saúde ocupa o 1o
lugar no ranking de registros de acidentes (MPS), mesmo com a ineficiência dos processos de notifica-
ção (principalmente no tocante aos acidentes com riscos-biológicos).

40 NT Editora SUMÁRIO
Vamos conhecer os
fatores de risco em um
ambiente de saúde?

2.2 Fatores de riscos de acidentes em um ambiente de saúde


Durante a formação dos profissionais de saúde, a preocupação com os acidentes de trabalho
é uma constante, uma vez que pode ser definido como um incidente que pode causar danos à saúde
(imediatos ou potenciais) e até mesmo a morte, durante a realização das atividades laborais. Os aci-
dentes de trabalho, além de gerar uma perturbação funcional, podem reduzir temporária ou perma-
nentemente a capacidade de trabalho.

Sendo assim, os trabalhadores da área da saúde, durante a realização do seu trabalho, estão
expostos a uma série de riscos que podem interferir em suas condições de saúde. Entre esses riscos,
estão os agentes físico, químicos, ergonômicos, biológicos etc.

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada um deles?

Risco biológico
O risco biológico, de acordo com a NR-32, é considerado como a probabilidade da exposição
ocupacional a agentes biológicos (microrganismos geneticamente modificados ou não; culturas de
células; parasitas; toxinas e príons).
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Saiba Mais!

Você sabia que o risco biológico no ambiente hospitalar merece destaque, por ser a categoria
de risco responsável pela insalubridade dos trabalhadores? Esse tipo de risco está intima-
mente ligado aos acidentes causados com materiais perfurocortantes.

Os acidentes envolvidos com os materiais bio-


lógicos são tratados com destaque por sua
gravidade, frequência ou classificação
de emergência médica. Uma vez que
a profilaxia eficaz para certas conta-
minações (HIV, Hepatite B) deve ser
iniciada nas primeiras horas após o
contato com os materiais biológicos.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 41


Com isso, a NR-32 abrange que “são vedados o reencape e a desconexão manual de agulhas”,
com o objetivo de diminuir a ocorrência de acidentes com agulha, que pode ser a porta de entrada de
doenças infecciosas graves e letais.

Saiba Mais!

Estudos nacionais e internacionais comprovam que a prática de reencapar agulhas foi res-
ponsável por 15% a 35% desses acidentes. Estudo em hospital universitário da cidade de São
Paulo evidenciou que o reencape manual de agulhas foi responsável por 13,7% dos acidentes
com agulhas.

Além disso, pôde-se perceber que a frequência de exposições é maior entre auxiliares e técnicos
de enfermagem, quando comparados a profissionais de nível superior.

De 30% a 35% dos casos das exposições percutâneas, estão associados à retirada de sangue ou
de punção venosa periférica. Entre 60% e 80% das exposições, ocorrem após a realização do
procedimento e podem ser evitadas com as práticas de precauções padrão e com o uso siste-
mático de dispositivos de segurança.

Como a NR-32 trata a questão do risco biológico?

A norma determina (em seus artigos) que:

32.2.4.4. Os trabalhadores com feridas ou lesões nos membros superio-


res só podem iniciar suas atividades após avaliação médica obrigatória
com emissão de documento de liberação para o trabalho.
32.2.4.5. O empregador deve vedar:
• a utilização de pias de trabalho para fins diversos dos previstos;
• o ato de fumar, o uso de adornos e o manuseio de lentes de contato
nos postos de trabalho, o consumo de alimentos e bebidas nos postos

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


de trabalho;
• a guarda de alimentos em locais não destinados para este fim;
• o uso de calçados abertos.

E quanto às refeições?

O empregador pode disponibilizar ambientes próximos aos postos de trabalho, para a realiza-
ção de refeições complementares, sendo que estes ambientes devem obedecer aos requisitos míni-
mos estabelecidos no item 32.6.2 da NR-32.

A proibição do uso de adornos (objetos de uso pessoal, enfeites etc.) deve ser observada para
todo trabalhador do serviço de saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e
assistência à saúde exposto ao agente biológico, independentemente de sua função.

O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) deve descrever as funções e os locais


de trabalho onde haja exposição ao agente biológico, conforme previsto no item 32.2.2.1 da NR-32.

42 NT Editora SUMÁRIO
O que são adornos?

Adornos são objetos de enfeite, usados


para embelezar, por exemplo: alianças e
anéis, pulseiras, relógios de uso pessoal,
colares, brincos, broches, piercings expos-
tos. Esta proibição estende-se a crachás
pendurados com cordão e gravatas.

Como foi dito antes, é proi-


bido o uso de calçado aberto. Este
calçado pode ser definido como
aquele que proporciona exposição da
região do calcâneo (calcanhar), do dorso
(peito) ou das laterais do pé. Esta proibição
aplica-se aos trabalhadores do serviço de saúde,
bem como daqueles que exercem atividades de
promoção e assistência à saúde potencialmente
expostos, conforme definido no PPRA.

O PPRA deverá indicar as caracterís-


ticas dos calçados a serem utilizados nos
diversos postos de trabalho. A proibição do
uso de calçados abertos implica fornecimento
gratuito, pelo empregador, dos calçados fechados
conforme definidos no PPRA.

A NR-32 também determina algumas situações na questão de vestuário e vestiários, alegando


que o empregador deve providenciar locais apropriados para fornecimento de vestimentas limpas
e deposição das usadas. Além disso, a vestimenta deve ser fornecida sem ônus para o empregado.
E ainda que a higienização das vestimentas utilizadas nos centros cirúrgicos e obstétricos, serviços
de tratamento intensivo, unidades de pacientes com doenças infectocontagiosas e, quando houver
contato direto da vestimenta com material orgânico, deve ser de responsabilidade do empregador.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Exercitando o conhecimento...
Vamos testar os seus conhecimentos sobre o assunto abordado até o momento?
Então responda: De acordo com a NR-32, o conceito de risco biológico é:
a) Presença de microrganismos patogênicos no ambiente de trabalho.
b) Probabilidade da exposição ocupacional a agentes biológicos.
c) Contato com agentes biológicos no ambiente de trabalho.
d) Contato com microrganismos patogênicos no ambiente de trabalho.
...
Vamos verificar se você acertou!
Se você marcou a letra B, parabéns! Você entendeu o conteúdo estudado, pois na NR-32,
risco biológico é a probabilidade da exposição ocupacional a agentes biológicos.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 43


Importante!

Por menor que seja o acidente de trabalho, mesmo não havendo afastamento, comunique e
exija a Cobertura por Acidente de Trabalho (CAT).

Pratique sempre as precauções padrões e use sempre os equipamentos de proteção.

Risco químico

O que é risco químico? Como funciona?

Essa situação compreende a exposição aos agentes químicos presentes


no local de trabalho. Consideram-se agentes químicos as substâncias, com-
postos ou produtos químicos em suas diversas formas de apresentação: lí-
quida, sólida, plasma, vapor, poeira, névoa, neblina, gasosa e fumo.

Quais são as formas de acesso do agente químico no organismo?


São pelas vias respiratórias, digestivas, mucosa, parenteral e cutânea.

E onde a NR-32 aborda esses itens:

32.3.1. Deve ser mantida a rotulagem do fabricante na embalagem ori-


ginal dos produtos químicos utilizados em serviços de saúde.
32.3.2. Todo recipiente contendo produto químico manipulado ou fra-
cionado deve ser identificado, de forma legível, por etiqueta com o nome
do produto, composição química, sua concentração, data de envase e
de validade e nome do responsável pela manipulação ou fracionamento.
32.3.3. É vedado o procedimento de reutilização das embalagens de
produtos químicos.

Risco físico

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


O risco físico ocorre quando os profissionais são expostos a agentes físicos, por exemplo, tem-
peraturas extremas durante o abastecimento manual das unidades de tratamento térmico e radiação
ionizante, quando os rejeitos radioativos são mal acondicionados ou armazenados para decaimento.
Também são considerados agentes físicos: ruído, vibração, radiação não ionizante, iluminação defi-
ciente ou excessiva e umidade.

Para minimizar a exposição radiológica, devem-se seguir as orientações contidas no Programa


de Gerenciamento de Rejeitos Radioativos (PGRR), aprovado pela Comissão Nacional de Energia Nu-
clear (CNEN) para a correta instalação. A capacitação continuada, o exato atendimento às normas e o
gerenciamento dos resíduos minimizam a exposição a este tipo de risco.

44 NT Editora SUMÁRIO
Risco ergonômico
Esse tipo de risco é causado por agentes ergonômicos, como postura incorreta, levantamen-
to e transporte manual de cargas e ritmo de trabalho e carga excessivos, que podem resultar em
diversos transtornos musculoarticulares. Para minimizar o risco ergonômico, são recomendadas as
seguintes ações:
• organizar o ambiente de trabalho;
• planejar a frequência da coleta interna dos resíduos;
• promover capacitações permanentes da equipe de limpeza.

Diante dos riscos apresentados, pode-se perceber que a NR-32 recomenda para cada situação
a adoção de medidas preventivas e a capacitação dos trabalhadores para o trabalho seguro, a fim de
melhorar a segurança na área da saúde.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Exercitando o conhecimento...
Vamos testar os seus conhecimentos a respeito do assunto abordado até o momento?
Então, marque a alternativa que representa o documento que faz referência ao seguin-
te texto: É proibido o uso de calçado aberto. Este calçado pode ser definido como aquele
que proporciona exposição da região do calcâneo (calcanhar), do dorso (peito) ou das la-
terais do pé.
a) LTCAT. b) PPRA. c) PCMSO. d) PCMAT.
...
Vamos verificar se você acertou!
Se você marcou a letra B, parabéns! Você acertou! O documento que faz referência ao uso
de calçados é o PPRA.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 45


Saiba Mais!

A NR-32 abrange ainda a questão da obrigatoriedade da vacinação do profissional de enferma-


gem (tétano, difteria, hepatite B e o que mais estiver contido no Programa de Controle Médico
de Saúde Ocupacional – PCMSO), com reforços e sorologia de controle pertinentes, conforme
recomendação do Ministério da Saúde (MS), devidamente registrada em prontuário funcional
com comprovante ao trabalhador.

2.3 NR-10
Do que se trata a NR-10?

A Norma Regulamentadora 10 ou NR-10 é uma norma de se-


gurança e saúde no trabalho emitida pelo Ministério do Trabalho
e Emprego (MTE). Ela trata da segurança em instalações e servi-
ços de eletricidade.

Qual o objetivo da NR-10?

O objetivo dessa norma é garantir a segurança


e a saúde dos trabalhadores que direta ou indireta-
mente interajam com as instalações elétricas nas fases
de: geração, transmissão, distribuição e consumo, incluin-
do as etapas de projeto, construção, montagem, operação,
manutenção das instalações elétricas, e quaisquer trabalhos rea-
lizados nas suas proximidades.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Resumindo: a norma fixa condições míni-
mas exigíveis para garantir a segurança dos
empregados que trabalham em instalações elé-
tricas, bem como a segurança de usuário e terceiros.

46 NT Editora SUMÁRIO
A partir daí, os serviços de instalações elétricas devem:
a) ser planejados e realizados em conformidade com procedimentos de trabalho específicos,
padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo;
b) ser precedidos de medidas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adi-
cionais, mediante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde
no trabalho;
c) prever e adotar medidas de proteção coletiva: desenergização elétrica (prioritariamente),
tensão de segurança, isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de
seccionamento automático de alimentação, bloqueio do religamento automático;
d) ser precedidos de ordens de serviço específicas;
e) ser suspensos quando verificada situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação
ou neutralização imediata não seja possível;
f ) ser realizados por profissionais com treinamento de segurança específico para suas ativida-
des. Devendo ser realizada reciclagem bienal e sempre que ocorrer uma das situações: troca
de função ou mudança de empresa; retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por
período superior a três meses; modificações significativas nas instalações elétricas ou troca
de métodos, processos e organização do trabalho.

Todas as empresas que possuem estabeleci-


mentos com carga instalada superior a 75 kW; as que
operam em instalações ou equipamentos integrantes
do Sistema Elétrico de Potência (SEP) ou as que reali-
zam trabalhos em proximidade do SEP devem cons-
tituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas.
Esse documento deve ser organizado e mantido atualizado
pelo empregador ou pela pessoa formalmente designada
pela empresa.

Com relação aos projetos de instalações elétricas,


eles devem:
a) especificar os dispositivos de desligamento de circuitos que possuam recursos para impe-
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

dimento de reenergização;
b) na medida do possível, prever a instalação de dispositivo de seccionamento de ação simul-
tânea, que permita a aplicação de impedimento de reenergização do circuito;
c) considerar o espaço seguro, quanto ao dimensionamento e à localização de seus componen-
tes e as influências externas, quando da operação e da realização de serviços de construção
e manutenção;
d) definir a configuração do esquema de aterramento, a obrigatoriedade ou não da interliga-
ção entre o condutor neutro e o de proteção e a conexão à terra das partes condutoras não
destinadas à condução da eletricidade;
e) prever condições para a adoção de aterramento temporário;
f ) ficar à disposição dos trabalhadores autorizados, das autoridades competentes e de outras
pessoas autorizadas pela empresa e deve ser mantido atualizado;
g) atender ao disposto nas Normas Regulamentadoras de Saúde e Segurança no Trabalho,
as regulamentações técnicas oficiais estabelecidas, e ser assinado por profissional legal-
mente habilitado;

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 47


h) assegurar que as instalações proporcionem aos trabalhadores iluminação adequada e uma
posição de trabalho segura, de acordo com a NR-17 – Ergonomia.

Nos locais de trabalho, só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos e ferramentas elé-
tricas compatíveis com a instalação elétrica existente. E quando eles têm isolamento elétrico devem
estar adequados às tensões envolvidas, e serem inspecionados e testados.

As instalações elétricas devem ser mantidas em condições seguras de funcionamento e seus


sistemas de proteção devem ser inspecionados e controlados periodicamente.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Para atividades em instalações elétricas, deve ser garantida ao trabalhador iluminação adequada
e uma posição de trabalho segura, de forma a permitir que ele disponha dos membros superiores livres
para a realização das tarefas. Os serviços em instalações elétricas energizadas em alta tensão (AT), bem
como aqueles executados no SEP, não podem ser realizados individualmente; e, todos que realizem ati-
vidades nessas áreas devem dispor de equipamento que permita a comunicação permanente com os
demais membros da equipe ou com o centro de operação durante a realização do serviço.

Cabe à empresa:
a) manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que estão expostos;
b) na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo instalações e serviços em eletricidade,
propor e adotar medidas preventivas e corretivas;
c) promover ações de controle de riscos originados por outrem em suas instalações elé-
tricas e oferecer, de imediato, quando cabível, denúncia aos órgãos competentes.

48 NT Editora SUMÁRIO
Cabe aos trabalhadores:
a) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas por suas
ações ou omissões no trabalho;
b) responsabilizar-se junto com a empresa pelo cumprimento das disposições legais e re-
gulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde; e
c) comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações que consi-
derar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas.

Saiba Mais!

O que a última edição da NR-10 trouxe como novidades:


• a utilização de bloqueio e sinalização;
• EPI resistente à inflamabilidade;
• obrigatoriedade de autorização formal de trabalho;
• obrigatoriedade de análise de riscos;
• treinamento de eletricistas em áreas classificadas; e
• introdução de dispositivos de travamento e outros.

Na lição anterior, aprendemos sobre a NR-6, que trata sobre os equipamentos de proteção indi-
vidual. Você sabe quais são os EPIs da NR-10?

São eles:
• Capacete; •  Luvas de vaqueta;
• Óculos; •  Cinto de Segurança;
• Luvas de borracha; •  Botina, entre outros.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Você sabia?

Em relação à instalação elétrica, é proibida


a ligação simultânea de mais de um apa-
relho à mesma tomada de corrente, com
o número de acessórios que aumentem o nú-
mero de saídas, salvo se a instalação for projeta-
da com essa finalidade.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 49


Resumindo...
Bom, até aqui aprendemos como é importante seguir às normas regulamentadoras, pois mais
do que respeitar a legislação, seguir à risca as normas e diretrizes é a prova de que o empregador e o
empregado estão comprometidos com a garantia de condições ideais de trabalho. O cumprimento
das Normas Regulamentadoras demonstra o grau de maturidade das empresas em relação à seguran-
ça dos seus colaboradores e o respeito pelo meio ambiente.

Veja se você se sente apto a:

• Reconhecer a legislação aplicável em sistemas de saúde;

• Entender as formas de aplicação da legislação para prevenção de acidentes;

• Compreender conceitos utilizados na prevenção de acidentes e reconhecer sua relevância


para sistemas de saúde.

Exercícios
Parabéns,
Questão 01 – De acordo com a Norma Regulamentadora (NR-32), relativa à Segurança e
você finalizou Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde, todos os profissionais atuantes neste segmento
esta lição!
devem ser vacinados, gratuitamente, a partir de um Programa de Imunização Ativa de res-
Agora ponsabilidade do Empregador, devidamente estabelecido no Programa de Controle Médico
responda de Saúde Ocupacional (PCMSO), segundo as recomendações vigentes e determinadas pelo
às questões
Ministério da Saúde (MS), no tocante à sua aplicação. Essas vacinas, em conformidade com a
ao lado.
citada NR, são utilizadas para imunizar os trabalhadores contra as seguintes doenças:
a) Tuberculose, tétano e hepatite A.
b) Tétano, difteria e hepatite B.
c) Difteria, influenza e hepatite B.
d) Febre amarela, hepatite C e tétano.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Questão 02 – Como pode ser definido o risco ergonômico:
a) É aquele causado por agentes químicos, como poeira, levantamento e transporte
manual de cargas e ritmo de trabalho e carga excessivos, que podem resultar em transtor-
nos musculoarticulares diversos.
b) É aquele causado por agentes físicos, como a temperatura, e ritmo acelerado de tra-
balho e carga excessiva, que podem resultar em transtornos musculoarticulares diversos.
c) É aquele causado por agentes ambientais, como o clima e o ritmo de trabalho exaus-
tivo, que podem resultar em transtornos emocionais diversos.
d) É aquele causado por agentes ergonômicos, como postura incorreta, levantamento
e transporte manual de cargas e ritmo de trabalho e carga excessivos, que podem resultar
em transtornos musculoarticulares diversos.

50 NT Editora SUMÁRIO
Questão 03 – Considere as seguintes afirmativas sobre os riscos mais comuns na área
da saúde:
I. São os riscos biológicos, principalmente os causados com materiais perfurocortantes.
II. Considera risco a estrutura, os postos de trabalho. Todas as jornadas e as formas
de trabalho.
III. Do ponto de vista da legislação, todos os postos devem ser avaliados, mas apenas os
postos de trabalho podem apresentar riscos.
IV. Os acidentes envolvidos com os materiais biológicos são tratados com destaque de-
vido: a sua gravidade, pela frequência ou classificação de emergência médica. Uma vez
que uma profilaxia eficaz para certas contaminações (HIV, Hepatite B) deve ser iniciada nas
primeiras horas após o contato com os materiais biológicos.

Marque a alternativa correta:


a) Somente o item I e lV está incorreto.
b) Somente o item IV está incorreto.
c) Somente o item II e IV estão corretos.
d) Todos os itens estão corretos.

Questão 04 – As legislações devem ser analisadas e seguidas de forma a se prevenir


acidentes de trabalho. Sobre a legislação que trata da área da saúde, é correto citar:
a) A Constituição de 1980; as normas regulamentadoras, a Norma Operacional Básica,
a Lei Orgânica da Saúde, entre outros.
b) A Constituição de 1988; as normas regulamentadoras, a Norma Operacional Básica, a
Lei Orgânica da Saúde, entre outros.
c) A Constituição de 1998; as normas regulamentadoras, a Norma Operacional Básica, a
Lei Orgânica da Saúde, entre outros.
d) A Constituição de 1978; as normas regulamentadoras, a Norma Operacional Básica, a
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Lei Orgânica da Saúde, entre outros.

Questão 05 – As legislações que regulam o ambiente de trabalho, na sua maioria, falam


de prevenção de acidentes. Segui-las corretamente pode-se evitar prejuízos financeiros
além de preservar a vida do trabalhador. Sobre a NR-32, é correto afirmar que:
a) Trata das doenças ergonômicas, dos acidentes causado pelo excesso de trabalho por
parte dos profissionais da saúde.
b) Trata da legalização do adicional de periculosidade e insalubridade no ambiente
de trabalho.
c) Trata da prevenção de acidentes e do adoecimento causado pelo trabalho nos pro-
fissionais da saúde, eliminando ou controlando as condições de risco presentes nos Ser-
viços de Saúde.
d) Trata da eliminação dos riscos em todos os ambientes de trabalho.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 51


Questão 06 – Considere as seguintes afirmativas sobre a NR-10:
l. A NR-10 trata da segurança em instalações sanitárias e industriais.
ll. A NR-10 trata da segurança em instalações e serviços de eletricidade.
III. A Norma Regulamentadora no 10 ou NR-10 é uma norma regulamentadora de segu-
rança e saúde do trabalho, emitida pelo Ministério do Trabalho e Emprego.
IV. A NR-10 trata da segurança em instalações públicas de serviços de mecânica.

Marque a alternativa correta:


a) Somente o item I está incorreto.
b) Somente o item IV está incorreto.
c) Somente os itens lI e III estão corretos.
d) Todos os itens estão corretos.

Questão 07 – Assinale abaixo a alternativa que representa atribuições que cabem ao


empregado e ao empregador em se tratando da NR-10:
a) Cabe ao trabalhador: manter os resultados obtidos sobre os riscos a que estão expos-
tos; cabe à empresa: zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam
ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.
b) Cabe ao trabalhador: manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que es-
tão expostos; cabe à empresa: zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que
possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.
c) Cabe à empresa: manter os trabalhadores informados sobre os riscos a que estão
expostos; cabe aos trabalhadores: zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas
que possam ser afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.
d) Cabe ao trabalhador: manter as pessoas informadas sobre os acontecimentos diários;
cabe à empresa: apenas zelar pela segurança e saúde de outras pessoas quando forem
afetadas por suas ações ou omissões no trabalho.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Questão 08 – Na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo instalações e serviços
em eletricidade, propor e adotar medidas. Essa frase faz parte de qual NR:
a) NR-10.
b) NR-9.
c) NR-32.
d) NR-6.

52 NT Editora SUMÁRIO
Questão 09 – O nível de estresse no ambiente de trabalho pode influenciar de forma
significativa na qualidade e no rendimento de um trabalho que está sendo realizado. De
acordo com a NR-10, cabe ao trabalhador:
a) Responsabilizar-se junto com a empresa pelo cumprimento das disposições legais e
regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde.
b) Responsabilizar-se junto com aos outros trabalhadores pelo cumprimento das dis-
posições legais e regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segu-
rança e saúde.
c) Responsabilizar-se unicamente pelo cumprimento das disposições legais e regula-
mentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde.
d) Responsabilizar-se junto com a comunidade local pelo cumprimento das disposições le-
gais e regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde.

Questão 10 – Entre as alternativas abaixo qual representa as causas de risco ergonômico:


a) É causado por agentes ergonômicos, como postura incorreta, levantamento e trans-
porte manual de cargas e ritmo de trabalho e carga excessiva, que podem resultar em
transtornos musculoarticulares diversos.
b) Nem sempre são considerados agentes ergonômicos a postura incorreta, o levanta-
mento e transporte manual de cargas e ritmo de trabalho e carga excessivos, ainda que
possam resultar em transtornos musculoarticulares diversos.
c) São procedimentos de controle dos agentes que acontecem durante a jornada de trabalho.
d) É a organização dos pedidos de afastamento dos trabalhadores que podem resultar
em transtornos musculoarticulares diversos.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 53


3. INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

Objetivos
Esta lição tem o propósito de apresentar ao aluno como deve ser uma inspeção de segurança
no sentido de identificar os riscos e as causas de acidentes e como deve ser realizada a comunicação
dos possíveis acidentes de trabalho.

Ao finalizar esta lição, você deverá ser capaz de:

• Compreender as formas de inspeção em um ambiente de trabalho;

• Entender as causas dos acidentes para agir preventivamente;

• Compreender a importância da elaboração da Comissão de Prevenção de Acidentes (CIPA) e


sua relevância para as empresas.

Está preparado para compreender a forma de realizar uma inspeção no ambiente de trabalho?

Então, vamos começar!

Olá, vamos aprender mais uma lição?


Você sabe o que significa
Inspeção de Segurança?
Vamos aprender um pouco a
respeito deste tema e como ele
funciona no ambiente de trabalho.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

54 NT Editora SUMÁRIO
Para se realizar uma inspeção de segurança eficaz em um ambiente de trabalho é necessário
que haja um planejamento e um reconhecimento das atividades desenvolvidas, bem como responder
algumas perguntas sobre a inspeção a ser realizada e a conformidade com as normas regulamenta-
doras, priorizando sempre os riscos existentes e a atividade desenvolvida pela empresa, por exemplo,
se na empresa os produtos químicos são a principal preocupação, deve-se certificar dos riscos que os
trabalhadores estão sujeitos se tiverem contato com o produto. Fazer o mesmo para todos os outros
riscos, tais como ruído e iluminação. Exemplificar ao máximo o cenário encontrado e colocar legenda
se necessário. Descrever as etapas de cada operação. Conversar com os trabalhadores e supervisor,
pois eles conhecem a área melhor do que ninguém.

TIPOS DE INSPEÇÕES DE SEGURANÇA


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

•  Rotina
E qual é o objetivo de se fazer uma •  Periódicas
•  Especiais
inspeção de segurança?
•  Oficiais
Detectar problemas ou situações que •  Eventual
contribuam para a existência de danos ao pa-
trimônio físico da empresa, bem como lesões
e/ou agravos gerados aos trabalhadores da empresa.

Desse modo, a inspeção é uma observação dos ambientes


de trabalho, com a finalidade de descobrir e perceber os riscos que
poderão se transformar em causas de acidentes.

A inspeção tem por características:


• possibilitar a determinação de meios de prevenção, antes que
os acidentes ocorram;

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 55


• proporcionar resultados compensadores, quando bem processada e envolvendo todos os
que devem assumir sua parte de responsabilidade; e
• indicar medidas a fim de que os prejuízos sejam evitados, tornando o local e as condições de
trabalho o mais propício possível.

A seguir, alguns elementos importantes utilizados na inspeção:

1º – O que será inspecionado: pode ser todo o ambiente de trabalho ou apenas algum
setor específico, como escritório, linha de produção, almoxarifado etc.

2º – Quem será o responsável: o técnico, o engenheiro, um membro da CIPA.

3º – O intervalo de tempo entre uma inspeção e outra: de quanto em quanto tempo


ela deverá ser feita, semanalmente, mensalmente, bimestralmente.

4º – Informações sobre o histórico de antecedentes do local analisado: procurar


saber se já houve acidentes, quantos, há quanto tempo, qual sua gravidade, em que
setores, por quê.

5º – Formulário para registro dos dados coletados: tudo que for observado deve ser
registrado, pois servirá para elaboração de medidas preventivas e/ou corretivas.

Exercitando o conhecimento...
Agora que você conheceu um pouco sobre a inspeção em uma empresa, marque a al-
ternativa que representa o seu objetivo:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


1) O objetivo da inspeção de segurança é detectar apenas as situações que contribuam
para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões e ou agravos
gerados aos trabalhadores da empresa.
2) O objetivo da inspeção de segurança é apenas realizar inspeção de segurança nem
sempre contribui para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como
lesões e/ou agravos gerados aos trabalhadores da empresa.
3) O objetivo da inspeção de segurança é detectar problemas ou situações que contri-
buam para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões e/ou
agravos gerados aos trabalhadores da empresa.
...
Se você marcou a alternativa 3, está correto. O objetivo da inspeção de segurança é detectar
problemas ou situações que contribuam para a existência de danos ao patrimônio físico da
empresa, bem como lesões e/ou agravos gerados aos trabalhadores da empresa.

56 NT Editora SUMÁRIO
Além desses elementos citados, existem pontos importantes que devem ser adotados como
prioridades durante a verificação do ambiente, com relação às informações disponíveis acerca do lo-
cal a ser inspecionado. São elas:

1º – Acidentes recorrentes no mesmo local e pela mesma causa: quantos acidentes e


em que intervalo de tempo acontecem, e se eles ocorreram devido às condições ou aos
atos inseguros.

2º – Em casos em que houve acidente, é importante observar se as correções foram fei-


tas e quais foram elas: verificar se já foram tomadas as medidas corretivas e preventivas,
quais foram, e se foram empregadas corretamente.

3º – Ocorrência de lesões graves: tipo de lesão, gravidade, e até mesmo óbitos.

4º – Necessidade de desenvolver normas de segurança e treinamento com funcionários


na empresa: verificar se há algum programa de treinamento, se sim, qual é esse progra-
ma, de que forma tem sido aplicado, se está sendo eficiente.

Além disso, a inspeção pode ser dividida em algumas fases, para facilitar sua execução.

1ª fase: observar os atos das pessoas, as condições de máquinas,


equipamentos, ferramentas e o ambiente de trabalho.

2ª fase: registrar o que foi observado e o que


deve ser feito, devendo constar, entre
outros, dados do local da realização,
dos riscos encontrados, dos pontos
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

positivos, dos problemas ou das pro-


postas feitas pelos inspecionados, colo-
cando data e assinatura.

3ª fase: analisar e recomendar medidas


que tenham o objetivo de eliminar, isolar
ou, pelo menos, sinalizar riscos em poten-
cial advindos de condições ambientais ou
atos e procedimentos inseguros.

4ª fase: encaminhar, para que os responsáveis


possam providenciar as medidas corretivas.

5ª fase: acompanhar as providências até que ocorra


a solução.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 57


O registro das informações encontradas pode ser feito em um relatório de inspeção de
segurança, um formulário especial, servindo de documento para a busca de soluções a fim de se
prevenir acidentes.

Saiba Mais!

Ainda hoje se verifica na maioria das empresas brasileiras, especialmente as do setor industrial,
um certo descaso para com as condições de trabalho e, consequentemente, com a qualidade de
vida dos seus colaboradores. Poucas firmas, como algumas empresas multinacionais, e em al-
gumas grandes empresas nacionais, a saúde e segurança do trabalho está sendo utilizada como
ferramenta para melhorar a eficiência e as condições de trabalho dos funcionários.

Uma prova disso é que em todo o mundo, milhões de trabalhadores se acidentam, adoecem e
milhares morrem no exercício do trabalho a cada ano. Segundo estimativas da Organização Inter-
nacional do Trabalho (OIT), ocorrem anualmente cerca de 270 milhões de acidentes de trabalho
no mundo, além de aproximadamente 160 milhões de casos de doenças ocupacionais. Do total de
trabalhadores mortos, 22 mil são crianças, vítimas do trabalho infantil. Ainda segundo estimativas
da OIT, todos os dias morrem 5 mil trabalhadores devido a acidentes ou doenças ocupacionais.

Segundo o boletim anual do Sistema de Referência em Análise e Prevenção de Acidentes de Tra-


balho (Sirena), que é resultado de um convênio entre o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)
e o Ministério da Previdência, em 2010, 846 pessoas morreram vítimas de acidente de trabalho
no Brasil, e constataram-se 1.944 acidentes ocorridos em 2009. Ao todo, 2.252 trabalhadores se
acidentaram em horário de serviço no país.

A maior porcentagem dos acidentes aconteceu no setor da indústria de transformação (36%),


seguida pela construção civil (30%) e comércio (10%). De acordo com o boletim, 95,2% dos tra-
balhadores acidentados possuíam carteira assinada. A faixa etária da maioria atingida está entre
21 e 50 anos (81,5%) e do maior número de acidentes fatais também (78,8%). Os índices tam-
bém apontaram que 9,9% do total de acidentados era do sexo feminino, o equivalente a 224
trabalhadoras, sendo que 2,8% delas morreram, o que representa 24 trabalhadoras.

De acordo com dados da assessoria do Ministério da Previdência Social, Cobertura Previden-


ciária Estimada (Copes), em janeiro de 2010, 510 mil trabalhadores passaram pela perícia no
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Com isso, verifica-se que a inspeção no local de trabalho é um dos procedimentos mais impor-
tantes em relação à Segurança e Medicina do Trabalho, por ser um meio importante para identificação
e elaboração de métodos de correção e prevenção de riscos. Logo é de suma importância que os
profissionais adotem procedimentos de inspeção para eliminar riscos de baixo, médio e grande porte,
oferecendo aos ambientes laborais e aos colaboradores da empresa qualidade e segurança.

E, após a inspeção, é imprescindível que fique claro cada um dos riscos existentes e as pessoas
que poderão ser afetadas em um possível acidente. Desta forma, será mais fácil identificar o melhor
meio de prevenção para que não ocorram acidentes.

58 NT Editora SUMÁRIO
Exercitando o conhecimento...
Agora que você conheceu um pouco sobre inspeção em um local de trabalho, marque a
alternativa correspondente ao número de fases a serem seguidas em uma inspeção prévia
de ambiente de trabalho:
1)
5 Fases. 2)
4 Fases. 3)
3 Fases. 4)
6 Fases.
...
Se você pensou na alternativa 1, está correto. A inspeção pode ser dividida em cinco fases
para facilitar sua execução.

3.1 Identificando as causas de acidentes no ambiente


de trabalho
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Os acidentes de trabalho acontecem por vários motivos. As suas consequências, ou melhor,


resultados, podem ser pequenos ou trágicos, causando ferimentos leves, danos aos equipamentos ou
até mesmo, em alguns casos, ferimentos graves ou morte. Diante disso, percebe-se a importância dos
funcionários estarem sempre alertas e conscientes em todos os momentos a fim de evitar acidentes.
Enquanto os gestores precisam conhecer as causas mais comuns de acidentes e serem capazes de
identificar precocemente os fatores de risco para evitar cada um.

No programa de segurança nas indústrias, foi observado que os acidentes nunca possuem a
origem em uma única causa, mas em várias. Logo, o acidente é resultado de uma sequência complexa
de eventos, que se forem corrigidos de forma preventiva, é possível prevenir o acidente.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 59


Como podemos identificar a causa de um acidente?

Existem acidentes em que é fácil identificar a causa, todavia muitas vezes existe uma série de fa-
tores por trás do acidente que o provocou que não são evidentes. Um exemplo disso são os acidentes
provocados indiretamente por negligência, por parte do empregador, por não ter fornecido a forma-
ção adequada, ou por um fornecedor, ter prestado informações erradas sobre um produto.

Saiba Mais!

As taxas consistentemente elevadas de acidentes mortais nos paí-


ses em desenvolvimento evidenciam a necessidade de programas
de formação sobre as questões de saúde e segurança no trabalho
que se focalizem numa prevenção eficaz. É igualmente impor-
tante promover o desenvolvimento de serviços de saúde ocu-
pacional, incluindo a formação de médicos para a identifica-
ção de doenças profissionais nas suas fases iniciais.

As causas dos acidentes podem


ser classificadas em Causas Imediatas e
Causas Raiz.

As causas imediatas são as

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


perdas por acidentes em conse-
quência de uma ocorrência dire-
tamente resultante de práticas e
condições inseguras. Essas causas
normalmente são fáceis de identi-
ficar, visto que estão relacionadas
com o acidente diretamente. Logo,
basta ter o conhecimento perfeito
do que aconteceu no âmbito das fon-
tes de acidentes. As causas imediatas
podem se enquadrar em dois
grandes grupos, são eles:

60 NT Editora SUMÁRIO
a) Práticas inseguras ou erro humano: es-
tão relacionadas com a atitude do tra-
balhador no desempenho das suas ta-
refas, por exemplo: o não cumprimento
dos procedimentos, utilização incorreta
de ferramentas, operar na velocidade
imprópria, desatenção ao percurso,
brincar em local de trabalho, dirigir peri-
gosamente, não usar EPI.

b)  Condições inseguras: são aquelas que,


presentes no ambiente de trabalho, compro-
metem a segurança do trabalhador e a pró-
pria segurança das instalações e dos equipamentos. São elas: falta
de dispositivos de proteção, ordem e limpeza deficientes; falha de
processo e/ou método de trabalho; excesso de ruído; piso escorre-
gadio; iluminação, arranjo físico e ventilação inadequada etc.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

As práticas inseguras ou erro humano ainda podem ser divididos em quatro tipos:
• Equívoco (a pessoa não sabe o que faz);
• Transgressão (a pessoa decide não cumprir);
• Desenquadramento (a pessoa é incapaz de fazer); e
• Lapso (a pessoa tem falta de atenção).

Esse critério ajuda muito a identificar a causa raiz, a qual veremos a seguir, que está na sua ori-
gem, durante a caracterização de um erro.

Um exemplo é quando um erro é cometido por falta de conhecimento, o que remete-nos para
problemas de gestão na área de formação e treino, enquanto o mesmo erro cometido por incapacida-
de remete-nos para problemas relacionados com a seleção de pessoal.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 61


Vamos aprender um pou-
co sobre as causas raiz?

As causas raiz são manifestações puras de falha do Sistema de Gestão de Segurança e podem
incluir deficiências de controle do sistema administrativo, exemplo no recrutamento do pessoal, falta
de treino, manutenção inadequada dos equipamentos etc. Essas causas são mais difíceis de se iden-
tificar, exigindo uma análise mais profunda do acidente. São elas que explicam o motivo de existir
condições inseguras nos locais de trabalho e das pessoas praticarem atos inseguros. Essas causas são
divididas em dois grandes grupos, sendo eles:
a) Fatores pessoais: um conjunto de características, co-
nhecimentos e estados emocionais que condicio-
nam o comportamento do trabalhador, por exem-
plo, incapacidade, desconhecimento, inabilidade,
stress e desmotivação.
E dentro desses fatores pes-
soais, quatro causas ganham
destaque, são elas:
-- Cansaço: acaba sendo uma
das principais, pois quando

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


uma pessoa está nesse estado,
ela não está tão alerta e cons-
ciente. É mais fácil sonhar e se
distrair do que quando se está
descansado.

Curiosidade!

A Fundação Nacional do Sono sugere que os adultos tenham de 7 a 8 horas de sono todas as
noites, embora alguns indivíduos possam ser capazes de funcionar com um pouco menos e ou-
tros exijam mais horas de sono. A dica é ser consistente; uma noite de pouco sono pode deixá-lo
cansado por vários dias ou mais.

62 NT Editora SUMÁRIO
-- Esforço excessivo: é uma das causas que muitas vezes
resulta em lesões no local de trabalho. O esforço excessi-
vo pode ser causado pelo trabalho árduo, muito rápido
ou em excesso. Além disso, muitas tarefas de casa ou in-
cumbências todos os dias podem levar a essa condição.

Importante!

Você precisa encontrar tempo para relaxar durante o dia, e quando você está no trabalho, pre-
cisa fazer pausas periódicas para ajudá-lo a ficar descansado e alerta. Muitos locais de trabalho
fornecem aos funcionários pequenos intervalos ao longo do dia, além de uma pausa para o
almoço ou uma refeição. Tire essas pausas, mesmo se sentir que não precisa delas, para evitar o
excesso de esforço.

-- Descuido: é uma causa que envolve falta de concentração para realizar tarefas.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 63


Importante!

Entenda como você pode trabalhar melhor. Se você está no meio de algo e se distrair, afaste-se
por um minuto para se reorientar, e então volte a fazer o que estava fazendo. Diga a seus ge-
rentes e colegas de trabalho para não distraí-lo quando você estiver ocupado. Se estiver em um
escritório, feche a porta para manter o seu foco. Esteja alerta ao seu entorno e preste atenção ao
trabalho que você está executando.

-- Técnica apropriada ou falta de treinamento: é uma das grandes causas de acidentes de tra-
balho, especialmente quando se trata de máquinas ou equipamentos operados manualmente.

Importante!

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Não opere um equipamento sem um treinamento completo e uma sessão de instrução. Faça
todas as perguntas que você precisa. Entenda como funciona a máquina antes de operá-la. É útil
ter alguém familiarizado com o equipamento primeiro para mostrar-lhe e, em seguida, assista
alguém operá-lo por um tempo até que você esteja confortável sobre o que está fazendo.

b) Fatores de trabalho: é um conjunto de programas e atividades que condicionam a explora-


ção e utilização do equipamento, instalações, produtos e recursos humanos, por exemplo,
supervisão, engenharia, gestão de materiais, recursos humanos e manutenção.

Com isso é necessário que os empregadores busquem uma melhoria nas condições de trabalho
e nos modelos que estimulem o trabalhador, a fim de minimizar a ocorrência de acidentes de trabalho,
com a contribuição do fator humano.

64 NT Editora SUMÁRIO
A partir daí, é possível perceber que a prevenção desses acidentes é importante para os setores
produtivos e com ela é possível ter mais rentabilidade e produtividade no trabalho, resultando no
aumento de grau de motivação do trabalhador e diminuindo os custos por compensação e ausência
de acidentes e, ainda, melhorando a imagem da organização.

Tudo bem, falamos que a melhor forma de se evitar acidentes é mesmo pela prevenção. Mas
será que existe alguém ou algum programa que trabalha em prol da prevenção?

Vamos conhecer agora um pouco sobre uma comissão que trabalha em busca da prevenção
de acidentes. Antes, vamos resolver algumas questões para sabermos se você fixou bem o conteúdo.

Exercitando o conhecimento...
1. Agora que você conheceu um pouco sobre os acidentes de trabalho, marque a alter-
nativa incorreta a respeito dos motivos de ocorrência de um acidente:
1) Os acidentes de trabalho acontecem por vários motivos. As suas consequências, ou
melhor, dizendo, resultados, podem ser pequenos ou trágicos, causando ferimentos leves,
danos aos equipamentos ou até mesmo, em alguns casos, ferimentos graves ou morte.
2) No que diz respeito aos acidentes, percebe-se a importância dos funcionários esta-
rem sempre alertas e conscientes em todos os momentos a fim de evitar acidentes, en-
quanto os gestores precisam conhecer as causas mais comuns de acidentes e serem capa-
zes de identificar precocemente os fatores de risco para evitar cada um.
3) Para se evitar acidentes de trabalho, basta que os funcionários estejam sempre aler-
tas e assim é possível evitar todos os acidentes em uma empresa e ainda eliminar todos os
fatores de riscos.
...
Se você pensou na alternativa 3, está correto. Os acidentes de trabalho acontecem por vá-
rios motivos. As suas consequências, ou melhor, resultados, podem ser pequenos ou trágicos,
causando ferimentos leves, danos aos equipamentos ou, em alguns casos, ferimentos graves
ou morte. Diante disso, percebe-se a importância dos funcionários estarem sempre alertas e
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

conscientes em todos os momentos a fim de evitar acidentes, enquanto os gestores precisam


conhecer as causas mais comuns de acidentes e serem capazes de identificar precocemente os
fatores de risco para evitar cada um.

2. Agora que você conheceu um pouco sobre as diversas causas de acidentes, Marque a
alternativa que não representa uma causa de esforço excessivo:
1) É uma das causas que muitas vezes resulta em lesões no local de trabalho. E uma de
suas causas é a falta de sono, apesar de que você pode se sentir sonolento e ainda estar em
grande esforço.
2) O esforço excessivo pode ser causado pelo trabalho leve, muito lento ou em excesso.
Além disso, muitas tarefas de casa ou incumbências todos os dias podem levar a essa condição.
3) O esforço excessivo pode ser causado pelo trabalho árduo, muito rápido ou em
baixa frequência.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 65


...
Se você pensou na alternativa 2, está correto. Esforço excessivo é uma das causas que mui-
tas vezes resulta em lesões no local de trabalho. E uma de suas causas é a falta de sono, apesar
de que você pode se sentir sonolento e ainda estar em grande esforço. O esforço excessivo pode
ser causado pelo trabalho árduo, muito rápido ou em excesso. Além disso, muitas tarefas de
casa ou incumbências todos os dias podem levar a essa condição.

3.2 Comunicação de acidente de trabalho (CAT)


Você sabia que quando a prevenção de um acidente não é suficiente temos a obrigação legal de
realizar o seu registro?

Existe um documento que deve ser preenchido, caso ocorra um acidente no ambiente de traba-
lho. Este documento chama-se CAT ou comunicação de acidente de trabalho.

Segundo o Decreto no 2.172, de 05/03/1997, que regulamenta os benefícios da previdência so-


cial, “diz que a emissão da Comunicação de Acidente de Trabalho – CAT é uma obrigação da Empresa,
estando previstas sanções pelo não cumprimento da Legislação”. A CAT serve para que o acidente seja
legalmente reconhecido pelo INSS; e que o trabalhador receba o auxílio-acidente, quando for o caso, e
também as indenizações que gerem o acidente. Esta uma forma de que os serviços de saúde dispõem
para tomar conhecimento das informações sobre os acidentes e doenças e também de direcionar
ações para redução de acidentes de trabalho e doenças profissionais e do trabalho.

Por meio da CAT, é possível levar ao conhecimento dos serviços de fiscalização (Sindicato, DRT,
INSS) informações do acidente ocorrido. Estes órgãos fiscalizadores desenvolvem iniciativas a fim de
evitar acidentes semelhantes ou que se repitam nas mesmas condições.

À empresa, cabe comunicar o acidente de trabalho até o 1o dia útil seguinte ao da ocorrên-
cia e, em caso de morte, de imediato, à autoridade competente. Sendo que a CAT deve ser preen-
chida pela empresa, em seis vias para conhecimento e deverão ser distribuídas da seguinte forma:
1a via = INSS

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


2a via = Empresa
3a via = Segurado
4a via = Sindicato
5a via = SUS
6a via = Delegacia Regional do Trabalho

A CAT deve ser preenchida em todos os casos de acidentes, mesmo aqueles que não levam ao
afastamento do trabalho, ou seja, desde a simples assistência médica aos que geram afastamento do
trabalho de até 15 dias e, obviamente, os casos que precisam de afastamento por mais de 15 dias, os
quais deverão, no décimo sexto dia, realizar perícia médica no INSS. O trabalhador munido da CAT,
depois de preenchida, pode ser atendido por qualquer serviço de saúde (pela rede do SUS – serviços
públicos, convênios ou serviços privados), o qual se encarregará do preenchimento do Laudo do Exa-
me Médico (LEM).

66 NT Editora SUMÁRIO
Após o atendimento médico, o trabalhador, munido da CAT e da Carteira de Trabalho, deverá
dar entrada junto ao INSS – no posto de atendimento de acidentes do trabalho mais próximo de
sua residência.

Vale lembrar que a CAT também pode ser preenchida pelo próprio acidentado, seus dependen-
tes, a entidade sindical, o médico que o assistiu ou qualquer autoridade pública, o formulário da CAT
encontra-se disponível no site do Ministério da Previdência Social em: <http://www.previdencia.gov.
br/forms/formularios/form001.html>.

O acidentado deve manter acompanhamento médico com um especialista do caso em serviço


público ou privado para fins de tratamento, acompanhamento no posto do INSS para fins adminis-
trativos do benefício, e perícia médica para avaliação periódica do tempo necessário da licença. Na
alta do segurado, é dada a comunicação do resultado do exame médico, que informa a data do en-
cerramento deste processo no INSS. Com a alta do INSS, a empresa deverá marcar o exame médico de
retorno ao trabalho antes do trabalhador iniciar suas atividades.

Importante!

Lembre-se: O pagamento pela Previdência Social das prestações por acidente de trabalho não
exclui a responsabilidade civil da empresa, que é responsável pela adoção e uso de medidas
coletivas e individuais de proteção à segurança e saúde do trabalhador, por prestar informações
pormenorizadas sobre os riscos da operação a executar e do produto a manipular, e pelo treina-
mento sistemático e planejado.

Saiba Mais!

Segundo informações do TRT da 3a Região, um acidente de trabalho ocorrido no alojamento da


empresa é caracterizado da seguinte forma:

Configura-se acidente de trabalho aquele ocorrido com o trabalhador, nas dependências do


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

alojamento de uma empresa, ainda que depois de terminada a jornada de trabalho e durante
a realização de atividades desvinculadas das funções laborativas. Já aconteceu em inúmeros
julgamentos casos em que o empregado comete um ilícito em situação desvinculada das fun-
ções laborativas, mas no ambiente de trabalho é considerado acidente de trabalho e deve ser
registrado na Comunicação de Acidentes de Trabalho (CAT).

Para saber mais, acesse: <http://www.legjur.com/jurisprudencia/busca?q=acidente-de-trabalho&op=com>

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 67


Exercitando o conhecimento...
Agora que você conheceu um pouco sobre o comunicado de acidentes de trabalho,
marque a alternativa que corresponde ao número de vias que devem ser emitidas em caso
de acidentes de trabalho:
1)
6 Vias. 2)
4 Vias. 3)
3 Vias. 4)
2 Vias.
...
Se você pensou na Alternativa 1, está correto! A CAT deve ser emitida em seis vias conforme
vimos no capítulo anterior.

3.3 Elaboração e importância da Comissão Interna de


Prevenção de Acidentes (CIPA)
Pra quem não sabe, a Comissão Interna
de Prevenção de Acidentes (CIPA) é um dos
braços mais importantes da Segurança
no Trabalho.

Essa comissão foi a primeira


grande manifestação do trabalho
no Brasil, com o objetivo de obter
medidas preventivas de acidentes de
trabalho, assim como o primeiro mo-
vimento de âmbito nacional e de caráter
prático, tanto da parte das empresas priva-
das, quanto da parte das autoridades, que criaram
dispositivos legais para o funcionamento das CIPAs.

No início, a ideia de prevenção de acidentes no

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Brasil era embrionária e disseminada por apenas al-
gumas pessoas que se preocupavam com os proble-
mas acidentais, porém com o advento da CIPA e gra-
ças a iniciativa privada, essas ideias se tornaram cada
vez mais fortes e com um número cada vez maior de
pessoas interessadas. Além de ter seu início confuso
devido à falta de instruções regulamentadas para
sua implementação, as empresas tinham pouco in-
teresse, pois não possuíam recursos suficientes para
a implantação nem consideravam como prioridade
criar a CIPA. Mas com o passar do tempo as empresas
foram amadurecendo a ideia e se fortalecendo, e as-
sim passaram a priorizar a prevenção de acidentes de
trabalho e destinar recursos para este fim.

68 NT Editora SUMÁRIO
A implantação da CIPA contou com o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), do
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), da Associação Brasileira para
Prevenção de Acidentes (Abapa) e do Serviço Social da Indústria (Sesi).

A CIPA tem como objetivo básico tornar compatível o trabalho com a preservação da saúde e
da integridade física e mental do trabalhador. A ideia é que empregador e os funcionários trabalhem
conjuntamente na tarefa de prevenir acidentes e melhorar a qualidade do ambiente de trabalho.

Como a CIPA é formada?

Ela é formada por representantes do empregador e dos funcionários. A quantidade de mem-


bros da CIPA é determinada pelo dimensionamento previsto na NR-5 (Norma Regulamentadora no 5).

Curiosidade:
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Você sabia que existe uma lei maior de proteção ao trabalhador? Esta lei é a CLT ou Consolidação
das Leis do Trabalho, nela estão previstas as obrigações legais no que se refere ao trabalhador
e às empresas. Ela entrou em vigor em 1967, trazendo grandes modificações no ambiente de
trabalho e junto com elas veio a obrigatoriedade da criação da CIPA dentro das empresas.

Saiba Mais!

Quando a empresa não precisar ter eleição da CIPA, ela deverá indicar um funcionário para par-
ticipar da comissão (NR-5 5.6.4).

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 69


Como funciona o treinamento da CIPA?

Antes de assumir a função na CIPA, os representantes devem passar por


treinamento, com duração de 20 horas. As horas poderão ser divididas em no
máximo 8 horas diárias. Este treinamento deve ser realizado no horário de expe-
diente da empresa. (NR-5 5.3.5 e 5.3.4).

E qual é a função do Cipeiro?

A função do cipeiro é defender os interesses dos trabalhadores, in-


dicar propostas de melhorias de segurança e cobrar das empresas prazos
para solução de irregularidades. O cipeiro foi eleito para defender os in-
teresses da classe dos trabalhadores. Ele também deve colaborar com a
empresa na conscientização e fiscalização dos funcionários no tocante ao
uso de equipamentos e procedimentos de segurança.

Desse modo, o cipeiro deve atentar-se para as boas práticas de rela-


cionamento entre empregados e empregadores, para que tanto a empresa
quanto os empregadores possam trabalhar em harmonia e segurança.

Saiba Mais!

O termo “cipeiro” não é dicionarizado. Trata-se de jar-


gão utilizado na área técnica.

Exercitando o conhecimento...
Agora que você conheceu um pouco sobre a CIPA, marque a alternativa que representa

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


uma exigência para assumir a função de membro da CIPA:
1) Todo membro da CIPA antes de assumir a função deve passar pelo treinamento. O
treinamento tem duração de 20 horas.
2) O treinamento tem duração de 40 horas. As 10 horas poderão ser divididas em no
máximo 6 horas diárias.
3) O treinamento tem duração de 30 horas. As 15 horas poderão ser divididas em no
máximo 8 horas diárias.
...
Se você pensou na alternativa 1, está correto. Todo membro da CIPA, antes de assumir a
função, deve passar pelo treinamento. O treinamento tem duração de 20 horas. Estas 20 horas
poderão ser divididas em no máximo 8 horas diárias. E o treinamento deve ser realizado no
horário de expediente da empresa (NR-5 5.3.5 e 5.3.4).

70 NT Editora SUMÁRIO
Como é feita a elaboração da CIPA?

A CIPA deverá fazer um plano de trabalho simples com objetivos, metas, cronograma de exe-
cução e estratégia de ação. A elaboração deste plano foi escolhida dentro da visão de que a CIPA
deve ser uma comissão proativa, que pretenda efetivamente contribuir,
dentro de suas possibilidades, para a melhoria das condições
de trabalho. Cabe ressaltar que o plano de trabalho pode es-
tar estruturado na própria ata, não necessitando consti-
tuir documento separado. É importante que a empresa
garanta aos membros da CIPA o tempo necessário para
que este plano seja elaborado e monitorado.

Como é o funcionamento da CIPA?

A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acor-


do com o calendário preestabelecido.

As reuniões serão realizadas durante o expe-


diente normal da empresa e em local apropriado. Elas
terão atas assinadas pelo presidente com encaminha-
mento de cópias para todos os membros da CIPA.

As atas ficarão no estabelecimento à disposição dos agentes da inspeção do trabalho (AIT).

Na Indústria da construção civil, existem três tipos de CIPA. São elas:


1. CIPA centralizada: ocorre quando a empresa possui, num mesmo município, um ou mais
canteiros de obras ou frentes de trabalho com menos de 70 empregados;
2. CIPA por canteiro: quando a empresa possui um ou mais canteiros ou frentes de trabalho
com 70 ou mais empregados; e
3. CIPA provisória: para o caso de canteiro cuja duração de atividades não exceda 180 dias.

E qual o papel mais importante da CIPA?

O seu papel mais importante é o de estabelecer uma relação de


diálogo e conscientização, de forma criativa e participativa, entre
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

gerentes e colaboradores em relação à forma como os traba-


lhos são realizados, objetivando sempre melhorar as con-
dições de trabalho, visando à humanização do trabalho.

Diante do que aprendemos sobre a CIPA, cabe


lembrar que nenhum dos tipos consegue fazer tudo
sozinho. A CIPA precisa estar ligada aos setores técni-
cos da empresa. E também precisamos saber que uma
CIPA quando não tem motivação e é preguiçosa é fra-
casso na certa.

Sendo assim, o trabalho da CIPA é muito impor-


tante para todos os funcionários da empresa. O cipeiro
tem a chance de fazer a diferença na empresa. E isso por si só
já deveria ser motivo para que ele esteja sempre motivado e não
se deixe levar pela preguiça.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 71


Desse modo, a maior vantagem do cipeiro é estar junto dos demais trabalhadores. É ter a chan-
ce de um diálogo mais fácil, mais próximo. E com isso ele pode observar as situações de risco na fonte,
tendo então, maiores chances de neutralizá-las com maior rapidez.

A CIPA é o lugar do funcionário ativo, aquele que quer fazer a diferença dentro da organização.
Seguindo estes conselhos, é possível trabalhar em um ambiente seguro, que caminha para que a ocor-
rência de acidentes seja zero.

Bom, chegamos ao final de mais uma lição. Esperamos que tenha aprendido tudo e tenha gos-
tado. Vamos exercitar agora?

Resumindo...
Bom, nesta lição, aprendemos como é importante seguir às normas regulamentadoras, que
além de respeitar a legislação, seguir as normas e diretrizes é prova de sabedoria. O empregador e o
empregado devem estar comprometidos com a garantia de condições ideais de trabalho. Entender e
implementar dentro da empresa as normas legais significa ter elevado grau de maturidade em relação
à segurança dos seus colaboradores e o respeito pelo meio ambiente.

Parabéns!
Você chegou ao final de mais uma lição!
Estudamos nesta lição as formas de ins-
peção e as principais causas de aciden-
tes no ambiente de trabalho.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Veja se você se sente apto a:
• Compreender as formas de inspeção em um ambiente de trabalho;
• Entender as causas dos acidentes para agir preventivamente;
• Compreender a importância da elaboração da Comissão de Prevenção de Acidentes (CIPA) e
sua relevância para as empresas.

72 NT Editora SUMÁRIO
Exercícios
Parabéns,
Questão 01 – Se aplicada conforme a legislação, a Segurança do Trabalho pode prote-
você finalizou
ger o trabalho de diversos aborrecimentos, para isto, é necessário realizar uma inspeção esta lição!
no ambiente de trabalho. Assinale a alternativa abaixo que representa o objetivo de uma
Agora
inspeção de segurança:
responda
a) O objetivo da inspeção de segurança é apenas detectar problemas que as vezes con- às questões
tribuem para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões e/ ao lado.
ou agravos gerados aos trabalhadores da empresa.
b) O objetivo da inspeção de segurança é detectar problemas ou situações que contri-
buam para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões e/ou
agravos gerados aos trabalhadores da empresa.
c) O objetivo da inspeção de segurança é detectar problemas ou situações que não são
importantes para a existência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões
e/ou agravos gerados aos trabalhadores da empresa.
d) O objetivo da inspeção de segurança é detectar soluções que contribuam para a exis-
tência de danos ao patrimônio físico da empresa, bem como lesões e/ou agravos gerados
aos trabalhadores da empresa.

Questão 02 – Sobre as fases de uma inspeção, marque a alternativa correta:


a) Existem três fases: observar, registrar e acompanhar.
b) Existem seis fases: observar, registrar, analisar, encaminhar, agir e acompanhar.
c) Existem quatro fases: registrar, analisar, encaminhar e acompanhar.
d) Existem cinco fases: observar, registrar, analisar, encaminhar e acompanhar.

Questão 03 – Considere as seguintes afirmativas sobre como são divididas as causas


de acidentes:
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

I. As causas de um acidente são divididas em causas imediatas e causas raiz.


II. As causas imediatas são as perdas por acidentes em consequência de uma ocorrência
diretamente resultante de práticas e condições inseguras.
III. As causas raiz são manifestações puras de falha do Sistema de Gestão de Segurança
e podem incluir deficiências de controle do Sistema Administrativo.
IV. As causas raiz não são manifestações puras de falha do Sistema de Gestão de Segu-
rança e podem incluir deficiências de controle do Sistema Administrativo.

Marque a alternativa correta:


a) Somente os itens I, II e III estão corretos. c) Somente o item II e IV estão corretos.
b) Somente o item IV está correto. d) Todos os itens estão corretos.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 73


Questão 04 – As empresas devem analisar a forma de realização dos trabalhos, para
evitar acidentes. Sobre as principais causas de acidentes que estão relacionadas a fatores
pessoais dentro de uma empresa, é correto afirmar:
a) As principais causas são a má alimentação, o esforço excessivo, o cuidado excessivo
com a técnica inapropriada.
b) As principais causas são o cansaço, o esforço excessivo, o descuido e a técnica
inapropriada.
c) As principais causas são a inadimplência, o baixo desempenho, o uso de técnicas
apropriadas.
d) As principais causas não são o cansaço, nem o esforço físico, nem o descuido ao rea-
lizar o trabalho.

Questão 05 – As organizações necessitam criar estratégias optando pela maneira mais


viável para proporcionar qualidade de vida aos seus trabalhadores. Sobre o objetivo da
CIPA é correto afirmar:
a) CIPA é a Comissão externa de Prevenção de Acidentes. Seu objetivo básico é tornar
compatível o trabalho com a preservação da saúde e da integridade do trabalhador.
b) CIPA é a Comissão extraordinária de Prevenção de Acidentes. Seu objetivo único é
apenas conservar o ambiente de trabalho e a integridade física e mental do trabalhador.
c) CIPA é a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Seu objetivo básico é tor-
nar compatível o trabalho com a preservação da saúde e da integridade física e mental
do trabalhador.
d) CIPA é a Comunhão da integridade na Prevenção de Acidentes. Seu objetivo básico é
tornar incompatível o trabalho com a preservação da saúde e da integridade física e men-
tal do trabalhador.

Questão 06 – Considere as seguintes afirmativas sobre os itens que são considerados


atos inseguros:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


I. Agir sem permissão, brincar em local de trabalho e ordem e limpeza deficiente.
II. Piso escorregadio, iluminação inadequada e excesso de ruído.
III. Não usar EPI, dirigir perigosamente e não cumprir as normas de segurança.
IV. Não usar EPI, dirigir perigosamente e não cumprir as normas de segurança.

Marque a alternativa correta:


a) Somente o item I está incorreto.
b) Somente o item IV está incorreto.
c) Somente o item I e III estão corretos.
d) Todos os itens estão corretos.

74 NT Editora SUMÁRIO
Questão 07 – Para que a CIPA seja formada, é necessário agir com comprometimento
observando as seguintes questões:
a) A CIPA é formada por representantes dos funcionários. A quantidade de membros da
CIPA não é determinada por meio do dimensionamento previsto na NR-5.
b) A CIPA é formada por representantes do empregador, a quantidade de membros da
CIPA é determinada pelo dimensionamento previsto na NR-5 (Norma Regulamentadora no 5).
c) A CIPA é formada por representantes do empregador e dos funcionários. A quantida-
de de membros da CIPA é determinada pelo dimensionamento previsto na NR-5 (Norma
Regulamentadora no 5).
d) A CIPA é formada por representantes do empregador, sendo a quantidade de mem-
bros da CIPA nem sempre determinada na Norma Regulamentadora NR-5.

Questão 08 – Na formação da CIPA, os assuntos abordados estão relacionados a alguns


aspectos. Sobre os tipos de CIPA aplicados na construção civil é CORRETO afirmar que:
a) São três tipos: a CIPA centralizada, a CIPA por canteiro e a CIPA provisória.
b) São dois tipos: a CIPA centralizada, a CIPA por canteiro.
c) Apenas um tipo sendo este a CIPA centralizada.
d) São quatro tipos: a CIPA centralizada, a CIPA por canteiro a CIPA provisória e a
CIPA permanente.

Questão 09 – A CIPA desempenha um papel fundamental dentro de uma empresa.


Qual o seu papel mais importante?
a) Estabelecer uma relação de diálogo e conscientização, de forma criativa e participativa,
entre gerentes e colaboradores em relação à forma como os trabalhos são realizados, objeti-
vando sempre melhorar as condições de trabalho, visando à humanização do trabalho.
b) Estabelecer uma relação de trabalho, de forma criativa e participativa, entre gerentes
e colaboradores em relação à forma como os trabalhos são realizados, objetivando sempre
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

melhorar as condições de trabalho, visando à humanização do trabalho.


c) Estabelecer um diálogo de forma diferenciada entre gerentes e colaboradores em
relação à forma como os trabalhos são realizados.
d) Estabelecer uma relação de diálogo e conscientização, de forma dispersa nem sem-
pre participativa, entre gerentes e colaboradores em relação à forma como os trabalhos
são realizados.

Questão 10 – Qual a principal causa de acidentes de trabalho dentre as alternativas abaixo:


a) Falta de treinamento.
b) Falta de obra.
c) Falta de alimentação adequada.
d) Falta de incentivo.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 75


4. LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E
PREVIDENCIÁRIA ESPECÍFICA EM SST

Objetivos
Esta lição tem o objetivo de apresentar ao aluno uma abordagem da legislação, abrangendo a
ergonomia e a prevenção de acidentes por meio da manutenção de equipamento e materiais.

Ao finalizar esta lição, você deverá ser capaz de:


• Compreender as principais leis que regem a segurança do trabalho e previdenciária;
• Entender as causas dos acidentes ergonômicos e agir preventivamente; e
• Compreender a importância da manutenção dos equipamentos para a prevenção de acidentes.

Está preparado para compreender um pouco mais sobre a legislação trabalhista?

Então, vamos começar!

Vamos conhecer um pouco


da legislação aplicada à Saú-
de e Segurança no Trabalho?

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Para que se tenha um ordenamento social, é preciso que a sociedade seja regida por algumas
regras de comportamento, ou seja, por leis fundamentais. A vida é um dos “bens” protegidos pela le-
gislação. E para garantir a nossa segurança e sobrevivência, existem regras bem específicas.

O ambiente de trabalho possui suas regras próprias que visam garantir a saúde e a segurança
das pessoas, assim como nos demais segmentos.

No âmbito privado, por exemplo, aplicam-se as Normas Regulamentadoras (NRs) do Ministério


do Trabalho e Emprego (MTE), que já editou, ao todo, 36 NRs.

76 NT Editora SUMÁRIO
E quanto ao serviço público?

No caso do serviço público, todos os aspectos


referentes aos servidores são regulamentados por
legislação específica elaborada pelo Ministério do
Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). São
exceções apenas as NRs do MTE 7 – Programa de
Controle Médico Ocupacional – e 9 – Programa
de Prevenção de Riscos Ambientais – que se
aplicam também ao serviço público por de-
terminação do MPOG.

Conheça a legislação sobre Saúde e Se-


gurança do Trabalho para os servidores:

Art. 206-A da Lei no 8.112, de 11/12/1990: dispõe sobre os exames médicos periódicos
de servidores;

Decreto no 6.856, de 25/5/2009: regulamenta o Art. 206-A sobre exames médicos periódicos;

Instrução Normativa no 1, de 3/7/2008: estabelece procedimentos mínimos para a rea-


lização dos exames periódicos;

Portaria no 1.675, de 6/10/2006: estabelece os procedimentos operacionais a serem im-


plantados na concessão de benefícios de que trata as Leis nos 8.112/1990 e 8.527/1997,
que abrangem os processos de saúde, e dá outras providências;

Orientação Normativa SRH/MPOG no 2, 19/2/2010: trata sobre a concessão dos adicio-


nais de insalubridade e periculosidade;
SIASS:Subsis-
Decreto no 6.833, de 29/4/2009: institui o SIASS e o Comitê Gestor de Atenção à Saúde tema Integra-
do Servidor; e do de Atenção
a Saúde do
Portaria Normativa no 3, de 7/5/2010: estabelece orientações básicas sobre a NOSS. Servidor Públi-
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

co Federal.

NOSS: Norma
Operacional
de Saúde do
Servidor.
Com isso, cabe lembrar que os acidentes de tra-
balho ocorrem onde a prevenção falha, então é sem-
pre importante trabalhar de acordo com a lei, a fim de
minimizar os acidentes nos locais de trabalho.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 77


Exercitando o conhecimento...
Vamos ver se você entendeu o conteúdo estudado. Dentre as alternativas abaixo, mar-
que a que representa o que deve ser seguido em um ambiente de trabalho:
1) Um ambiente de trabalho deve seguir as regras propostas pelos concorrentes que
visam garantir a saúde e a segurança das pessoas, assim como nos demais segmentos.
2) Um ambiente de trabalho possui suas regras próprias que visam garantir a saúde e a
segurança das pessoas, assim como nos demais segmentos.
3) Um ambiente de trabalho segue regras que visam garantir a saúde psicológica das
pessoas, assim como nos demais segmentos.
....
Se você pensou na alternativa 2, está correto. O ambiente de trabalho possui suas regras
próprias que visam garantir a saúde e a segurança das pessoas, assim como nos demais seg-
mentos. No âmbito privado, por exemplo, aplicam-se as Normas Regulamentadoras do Minis-
tério do Trabalho e Emprego.

4.1 Ergonomia no ambiente de trabalho

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Segundo Luz (2013), a necessidade de se aplicar a Ergonomia nas empresas vem se tornando
um fator relevante nos tempos modernos, colaborando para um ambiente que proporcione ao fun-
cionário trabalhar de maneira mais saudável.

78 NT Editora SUMÁRIO
Mas por que a Ergonomia é importante? O que isso significa?

No Brasil, a Associação Brasileira de Ergonomia adota a seguinte definição: “Entende-se por


Ergonomia o estudo das interações das pessoas com a tecnologia, a organização e o ambiente, objeti-
vando intervenções e projetos que visem melhorar, de forma integrada e não dissociada a segurança,
o conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas.”

Desse modo, a Ergonomia caracteriza-se pela preocupação de repassar melhores benefícios


para a empresa, contribuindo com a integração dos funcionários, redução de acidentes de trabalho,
doenças ocupacionais, entre outros (Luz, 2013). Ela tem alguns objetivos básicos que são: possibilitar
o conforto ao indivíduo e proporcionar a prevenção de acidentes e do aparecimento de patologias
específicas para determinado tipo de trabalho.

Parte dos problemas de postura que a grande maioria das pessoas adquire ao longo de suas
vidas durante o trabalho, merece atenção especial, por exemplo, os esforços repetitivos.

Então, qual seria a solução?

O ideal seria que todos os móveis do escritório de sua casa e todo equipamento usado no nosso
dia a dia passassem por estudo e adequação ergonômica, antes mesmo de serem adquiridos.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Os estudos feitos a respeito da relação do homem com o ambiente de trabalho, o conforto ou


mesmo horas de descanso são constantes. Eles são de grande importância, mas poucas pessoas pres-
tam atenção nestes detalhes.

E onde a ergonomia se encaixa nesses problemas?

A ergonomia vem justamente estudar essas medidas de conforto, a fim de produzir um melhor
rendimento no trabalho, prevenir acidentes e proporcionar mais satisfação do trabalhador.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 79


Exercitando o conhecimento...
Vamos ver se você entendeu o conteúdo estudado. Dentre as alternativas abaixo, mar-
que a que representa o estudo da ergonomia:
1) A ergonomia estuda apenas o psicológico do trabalhador.
2) A ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho, tais como, a ilumina-
ção, os ruídos e a temperatura.
3) A ergonomia estuda todos os acidentes de trabalho.
...
Se você pensou na alternativa 2, está correto. A ergonomia estuda as condições gerais de
trabalho, tais como, a iluminação, os ruídos e a temperatura, que geralmente são conhecidas
como agentes causadores de males na área de saúde física e mental, ela busca aumentar a
eficiência humana, por meio de dados que permitam que se tomem decisões lógicas.

E na saúde, qual vem a ser o papel da Ergonomia?

Como a ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho, tais como, a iluminação,
os ruídos e a temperatura, que geralmente são conhecidas como agentes causadores de males na área
de saúde física e mental, ela busca aumentar a eficiência humana, por meio de dados que permitam
que se tomem decisões lógicas.

Em se tratando de ergonomia, o custo individual é minimizado, pois ela remove aspectos do traba-
lho que a longo prazo possam provocar ineficiências ou os mais variados tipos de incapacidades físicas.

Nas condições em que a atividade do indivíduo envolve a operação de uma peça de equipa-
mento, na maioria das vezes, ele passa a constituir, com este equipamento, um sistema fechado. Este
visa apresentar muitas das características de autorregulamentação (feedback). Como em tal sistema
é o indivíduo quem usualmente decide, torna-se necessário que ele seja incluído no estudo da efi-
ciência do sistema. Para que a eficiência seja máxima, é preciso que o sistema seja projetado em sua

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


totalidade, com o homem completando a máquina e esta completando o homem.

O estudo da integração homem máquina é constante e, para que seja o sistema completo,
muitas máquinas são projetadas respeitando algumas informações que permitirão, ao usuário, uma
maior integração.

São estudadas, pela média dos operadores, as funções dos indivíduos, o sexo e como será seu
desempenho em relação às atividades laborais, ou seja, o tamanho, a idade e os usuários de um deter-
minado equipamento, a força com que esta máquina será usada no país onde é feita, ou no exterior.

As máquinas, tais como os guindastes, as escavadeiras mecânicas e os caminhões-ancinhos,


liberaram o homem do trabalho físico e do emprego de ferramentas manuais. Em compensação, elas
apresentam problemas de outro tipo. A capacidade do homem de controlar os próprios movimentos
deve ser transferida para os movimentos das peças da máquina, que são as rodas, os botões, as chaves,
as alavancas ou manivelas. Assim, elas têm de ser projetadas obedecendo às limitações e capacidades
do operador, para que o sistema inteiro – homem e máquina – possa operar com eficiência máxima.

80 NT Editora SUMÁRIO
Saiba Mais!

O Auxílio científico

Várias disciplinas científicas e tecnológicas contribuem para a ergonomia. Da anatomia e fisio-


logia, aprendemos sobre a estrutura e o funcionamento do corpo humano. A antropometria
fornece informações sobre as dimensões do corpo. A psicologia fisiológica trata do funciona-
mento do cérebro e do sistema nervoso. A psicologia experimental busca definir os parâmetros
do comportamento humano.

A medicina industrial também auxilia nos estudos ergonômicos. Ela ajuda a definir as condições
de trabalho que se apresentam como danosas à estrutura humana. Na física, e até certo ponto
da engenharia virá o conhecimento das condições que o trabalhador terá de enfrentar. Nessas
áreas, concentram-se os principais esforços de pesquisa cujos resultados, junto com o conheci-
mento acumulado, formam a base da ergonomia.

E qual é a aplicabilidade da Ergonomia?

Todos os conhecimentos citados sobre a Ergonomia podem ser aplicados ao planejamento de


processos e máquinas, à disposição especial dos locais de trabalho, aos métodos de trabalho, e ao con-
trole do ambiente físico para se alcançar mais eficiência tanto dos homens como das máquinas. Para
isso, é necessário conhecer o sistema nervoso, o seu funcionamento e a capacidade do mecanismo
central, a estrutura do corpo, dos ossos, das juntas, e os músculos que fornecem energia motivacional.

No binômio homem-máquina, o problema não é apenas o ajustamento de um ao outro, mas


sim a adaptação conjunta dos dois. A aplicação ideal da Ergonomia considera o homem como parte
integrante de um sistema, no qual o estágio inicial do projeto, as características do operador humano
são considerados, juntamente com os componentes mecânicos. O homem é melhor para determina-
dos fins, como na tomada de decisões; e a máquina, para outros, como a aplicação de força.

Diante disso, o ergonomista tem algumas tarefas. A primeira é estudar a ocupação, a fim de de-
terminar o que o operador ou usuário de um determinado equipamento terá de fazer. Em um segundo
momento, ele deve considerar, como principal na relação com o homem, o que ele tem que ver e ouvir.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

E quando não existe ergonomia em uma empresa, quais são as consequências?

Quando se existe desconforto, por exemplo, pode-se ter uma baixa produtividade e isso está
diretamente relacionado com a adequação do corpo frente a um determinado equipamento. Outro
ponto é a questão da iluminação, que além de poder causar danos à visão, contribui significativamen-
te na baixa pessoal da capacidade de produção de uma pessoa, quer seja em um escritório, indústria,
seja em ambientes de trabalho mais sofisticados. Além disso, os ruídos e as mudanças de temperatura
também influem negativamente neste processo.

Também é importante estar atento aos problemas de coluna, o ideal ainda é a prevenção. Por-
tanto, buscar no ambiente de trabalho a adequação de cadeiras e mesas é o ideal para protegê-la.
Mas, quando não for possível contar com um escritório mais adequado, procure sempre sentar em
cadeiras com encosto reto e, em casa, fuja dos sofás muito macios. Aparentemente confortáveis, eles
são um convite para que você se jogue no assento de qualquer jeito.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 81


Com isso, hoje, várias empresas já buscam a melhoria da qualidade do trabalho dos emprega-
dos e estabelecem uma série de programas como forma de incentivar a saúde do trabalhador. Nas
grandes capitais e áreas mais industrializadas, o empresariado, já consciente dos futuros problemas,
está investindo nestes programas, como também, em estudos sobre as vantagens da ergonomia para
a melhoria da produção nas empresas. Se por um lado, o uso da ergonomia pode sugerir mais gasto,
por outro, representa uma economia para a empresa e, como consequência, a melhoria da saúde do
trabalhador e da sociedade.

Exercitando o conhecimento...
Vamos ver se você entendeu o conteúdo estudado. Dentre as alternativas abaixo, mar-
que a que representa uma aplicação da ergonomia:
1) A ergonomia pode ser aplicada somente para conhecer o sistema nervoso, o fun-
cionamento e a capacidade do mecanismo central, a estrutura do corpo, dos ossos, das
juntas, e os músculos que fornecem energia motivacional.
2) A ergonomia não pode ser aplicada nos processos nem nos locais de trabalho que
utilizam métodos diversificados de trabalho.
3) A ergonomia pode ser aplicada no planejamento de processos e máquinas, à dispo-
sição especial dos locais de trabalho, aos métodos de trabalho, e ao controle do ambiente
físico para se alcançar mais eficiência tanto dos homens como das máquinas.
...
Se você pensou na alternativa 3, está correto. A ergonomia pode ser aplicada no planeja-
mento de processos e máquinas, à disposição especial dos locais de trabalho, aos métodos de
trabalho, e ao controle do ambiente físico para se alcançar mais eficiência tanto dos homens
como das máquinas.

4.2 Prevenção de acidentes na manutenção de

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


equipamentos e materiais
Antes de dar início ao tema, vamos conhecer um pouco da história dos acidentes na era
da industrialização?

Ao final do século XIX, Karl Marx (um intelectual e revolucionário alemão, fundador da doutrina
comunista moderna, que atuou como economista, filósofo, historiador, teórico político e jornalista)
diagnosticava que nas fábricas surgiam os trabalhadores e eles se transformam em um complemento
vivo de um mecanismo morto. Desde aquele tempo, quando ocorreu a Revolução Industrial na Euro-
pa, o trabalho escravo exauriu os nervos ao extremo, suprimiu o jogo variado dos músculos, e confis-
cou toda a atividade livre, física e espiritual do trabalhador. Segundo Marx (1986), “A máquina ao invés
de libertar o trabalhador do trabalho, despoja o trabalho de todo interesse”. Na produção capitalista,
ocorre o fenômeno de subjugação do homem ao maquinário.

82 NT Editora SUMÁRIO
E no Brasil, qual era a situação nessa época de industrialização?

No Brasil, a saúde, as condições de trabalho e os acidentes de trabalho são preocupações dos


trabalhadores desde o início do processo de industrialização. E neste período, verificaram-se as pés-
simas condições de trabalho, com jornadas prolongadas, baixos salários, emprego de crianças e alto
índice de acidentes do trabalho. Levantamentos efetuados pelo Departamento Estadual do Trabalho
de São Paulo, sobre a questão dos acidentes no país, indicaram que já no início do século XX, a questão
dos acidentes com máquinas ganhou relevância e foi objeto de preocupação dos órgãos públicos.

Depois de ocupar durante a década de 1970 o título de campeão mundial de acidentes de


trabalho, o Brasil continua, com base nos dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de
1995, posicionado entre os dez piores no plano mundial, quanto ao índice de acidentes em relação ao
número de trabalhadores empregados na indústria.

A partir daí, percebe-se a necessidade de uma atenção especial durante a operação de maqui-
nários em geral, pois quando um engenheiro projeta uma máquina, a pedido de um empresário, ele
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

o faz atendendo uma demanda de maior produtividade, sem considerar os riscos gerados ou a possi-
bilidade de acidentes.

Em se tratando de máquinas, você sabe quais riscos elas apresentam?

Além dos riscos mecânicos, as máquinas apresentam riscos aos trabalhadores, como ruídos,
calor, vibração, radiação etc.

E quanto aos movimentos mecânicos, quais apresentam risco?

O movimento giratório, o retilíneo e o alternado.

E quais os riscos que esses movimentos apresentam?

Eles podem acertar o trabalhador com alguma peça, ela pode “voar” e acertá-lo. Há máquinas
que cortam, outras que podem prensar alguma parte do corpo etc.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 83


Até agora sabemos que os trabalhadores com máquinas e alguns materiais podem estar expostos a
riscos, mas quais são as recomendações para se proteger da máquina a fim de evitar os riscos mecânicos?
• Prevenir contato, em que os braços, mãos ou qualquer parte do corpo não tenham contato
com as partes móveis perigosas;
• Ter estabilidade no tempo;
• Proteger de queda de objetos;
• Não criar novos perigos;
• Não criar interferência; e
• Participação e capacitação em segurança, pois ela será a garantia de que o dispositivo será
efetivo e irá cumprir com a sua finalidade.

E além desses requisitos apresentados, têm-se os métodos de proteção de máquina. Como


exemplos, podem ser citados:

Barreiras ou anteparos de proteção


• Barreiras ou proteções fixas;
• Barreiras ou proteções interligadas ou de intertravamento;
• Proteção ajustável;
• Barreiras ou proteções autoajustáveis.

Proteção com dispositivos

• Dispositivos sensores de posição


1. Dispositivo fotoelétrico;
2. Dispositivo de presença por capacitor de radiofrequência;
3. Dispositivo sensor electromecânico;

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


4. Dispositivos de arraste ou de restrição.

• Dispositivos controle de segurança


1. Controle de segurança por impacto
com barras de pressão, barras de im-
pacto e cordas de impacto;
2. Barras de pressão;
3. Dispositivo de segurança tipo vareta
de desengate;
4. Cabos de segurança;
5. Controles bimanuais;
6. Portas.

84 NT Editora SUMÁRIO
Proteção pela localização ou pela distância

Para proteger uma máquina pela localização, ela ou suas partes móveis perigosas devem ser
posicionadas de modo que as áreas perigosas não sejam acessíveis ou não apresentem perigo para o
trabalhador durante a operação normal da máquina.

Métodos de alimentação e extração de segurança


• Alimentação automática;
• Alimentação semiautomática;
• Extração automática;
• Extração semiautomática;
• Robôs.

Outros mecanismos auxiliares de proteção


• Barreiras de advertência;
• Escudos;
• Ferramentas manuais;
• Alavancas de empurrão ou bloqueio.

Vimos então que os trabalhadores estão sujeitos a diversos riscos enquanto operam máquinas,
e também foi visto nas lições anteriores que eles estão sujeitos a riscos quando entram em contato
com alguns materiais. Dessa forma, a melhor recomendação é prevenir, pois uma vez que estes fatores
são eliminados os eventos que dão origem aos acidentes deixam de existir, colaborando assim para
uma melhor qualidade de vida aos trabalhadores.

Exercitando o conhecimento...
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Vamos ver se você entendeu o conteúdo estudado. Dentre as alternativas abaixo, mar-
que a que se refere aos movimentos mecânicos:
1) O movimento giratório, o retilíneo e o alternado.
2) O movimento rotatório, o retilíneo e o alternado.
3) O movimento retilíneo e alternado.
...
Se você pensou na alternativa 1, está correto. Os movimentos mecânicos são: giratório, retilí-
neo e alternado. Eles podem acertar o trabalhador com alguma peça, ela pode também “voar”
e acertá-lo. Há ainda máquinas que cortam e as que podem prensar alguma parte do corpo etc.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 85


4.3 Inspeção do ambiente de trabalho
Na lição 3, falamos a respeito da inspeção de segurança no trabalho, vamos revisar o tema, que
aliás é muito importante no ambiente de trabalho?

Como já sabemos, o acidente é consequência de diversos fatores que, combinados, precipitam


a sua ocorrência. Portanto, não devemos esperar que acidentes aconteçam. É muito importante iden-
tificar as situações que possam provocá-los e tomar as medidas prevencionistas necessárias. Por isso,
o Profissional da Segurança do Trabalho e/ou o membro da CIPA deve percorrer sua área para identi-
ficar fatores que poderão ser causa de acidentes. Feito isso, deve-se empenhar no sentido de serem
tomadas as devidas providências.

Conceito e tipo

A inspeção de segurança permite detectar riscos de acidente, possibilitando tomar medidas


preventivas. As inspeções podem ser:

Geral: envolve todos os setores da empresa com problemas relativos à segurança;

Parcial: quando é feita em alguns setores da empresa ou em certos tipos de trabalho, equipa-
mentos ou máquinas;

De rotina: traduz-se pela preocupação constante de todos os trabalhadores, do pessoal de ma-


nutenção, dos membros da CIPA e dos setores de segurança;

Periódica: são inspeções efetuadas em intervalos regulares programados previamente e visam


apontar riscos previstos, como: desgastes, fadigas, superesforço e exposição a certas agressividades
do ambiente, como de máquinas, ferramentas, instalações etc.

Eventual: é a inspeção realizada sem dia ou período estabelecido e com o envolvimento do


pessoal técnico da área.

Oficial: é a inspeção efetuada pelos órgãos governamentais do trabalho ou securitários. Para


este caso, é muito importante que os serviços de segurança mantenham controle de tudo o que ocor-
re e do andamento de tudo o que estiver pendente e estejam em condições de atender e informar
devidamente a fiscalização.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


Especial: é aquela que requer conhecimentos e/ou aparelhos especializados. Inclui-se aqui a
inspeção de caldeiras, elevadores, medição de nível de ruídos, de iluminação etc.

A inspeção no local de trabalho é um dos procedimentos importantes de antecipação das in-


tempéries em relação à Segurança e Medicina do Trabalho, por isso é ideal que os profissionais adotem
procedimentos de inspeção para que se eliminem riscos de baixo, médio e grande porte, oferecendo
aos setores laborais qualidade e segurança aos colaboradores da empresa.

Resumindo...
Nesta lição, aprendemos mais um pouco sobre a prevenção de acidentes. Você teve a oportu-
nidade de ver como é importante seguir as leis que regulam o trabalho, e também a importância de
seguir as suas normas regulamentadoras. Tudo isso em benefício da proteção do trabalhador e além
disso o empregador também sai ganhando com a redução de processos judiciais e a preservação da
vida dos seu empregados.

86 NT Editora SUMÁRIO
Parabéns!
Você chegou ao final
de mais uma lição!

Estudamos nesta lição a legislação do trabalho, a prevenção de acidentes ergonômicos e como


deve-se realizar a manutenção de máquinas e equipamentos, bem como prevenir acidentes, realizan-
do uma inspeção no ambiente de trabalho.

Veja se você se sente apto a:


• Compreender as principais leis que regem a segurança do trabalho e previdenciária;
• Entender as causas dos acidentes ergonômicos e agir preventivamente; e
• Compreender a importância da manutenção dos equipamentos para a prevenção de acidentes.

Resumo geral
Caro estudante, chegamos ao fim do módulo sobre Prevenção de Acidentes, espero sincera-
mente ter contribuído para a difusão do conhecimento em relação ao tema, não só no âmbito do
ambiente trabalho, mas em todos os ambientes aos quais estamos inseridos, manifesto aqui o meu
desejo de ter oferecido subsídios para melhorar a sua qualidade de vida e também de um número
considerável de pessoas. Isso é possível com mudanças muitas vezes simples, como o estilo de vida e/
ou, mudanças de hábitos. Tudo isso pode ser alcançado com dedicação e atenção durante o desenvol-
vimento das tarefas normais do cotidiano ou no ambiente de trabalho, lembrando sempre de seguir e
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

aplicar as normas legais, em todos os ambientes em que estamos inseridos.

Exercícios
Parabéns,
Questão 01 – A ergonomia analisa o psicológico dos indivíduos e as suas ações dentro do
ambiente organizacional, procurando identificar as falhas. Qual o conceito de ergonomia? você finalizou
esta lição!
a) Ergonomia é o estudo da tecnologia e da organização, objetivando intervenções e
Agora
projetos que visem melhorar de forma integrada e não dissociada a segurança, o conforto, responda
o bem-estar e a eficácia das atividades humanas. às questões
ao lado.
b) Ergonomia é o estudo das interações das pessoas com a tecnologia, a organização e
o ambiente, objetivando intervenções e projetos que visem melhorar de forma integrada
e não dissociada a segurança, o conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 87


c) Ergonomia é o estudo das organizações e do ambiente, objetivando intervenções
e projetos de forma integrada e não dissociada a segurança, o conforto, o bem-estar e a
eficácia das atividades humanas.
d) Ergonomia é o estudo dos interesses das pessoas, da organização e do ambiente,
objetivando criar projetos que visem melhorar de forma dissociada da segurança, do con-
forto, do bem-estar e da eficácia das atividades humanas.

Questão 02 – No que se refere à ergonomia, assinale a alternativa que representa a


sua aplicação:
a) A ergonomia só não pode ser aplicada no planejamento de processos e máquinas.
b) A ergonomia pode ser aplicada somente nos locais de trabalho e no funcionamento
dos músculos que fornecem energia motivacional.
c) A ergonomia pode ser aplicada de forma eficaz apenas no planejamento e nos mé-
todos de trabalho para manter o controle do ambiente tanto para os homens quanto
para máquinas.
d) A ergonomia pode ser aplicada ao planejamento de processos e máquinas, à dis-
posição especial dos locais de trabalho, aos métodos de trabalho e ao controle do am-
biente físico para se alcançar maior eficiência tanto dos homens como das máquinas.
Para isso, é necessário conhecer o sistema nervoso, o funcionamento e a capacidade do
mecanismo central, a estrutura do corpo, dos ossos, das juntas, e os músculos que forne-
cem energia motivacional.

Questão 03 – Considere as seguintes afirmativas sobre ergonomia:


I A ergonomia se preocupa com as condições gerais de trabalho.
II. A ergonomia se preocupa com a iluminação, os ruídos e a temperatura.
III. A ergonomia se preocupa com os agentes causadores de males na área de saúde
física e mental, ela busca aumentar a eficiência humana, por meio de dados que permitam
que se tomem decisões lógicas.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


IV. A ergonomia busca aumentar a eficiência humana, por meio de dados que permitam
que se tomem decisões lógicas.

Marque a alternativa correta:


a) Somente o item II está incorreto. c) Somente o item II e IV estão corretos.
b) Somente o item IV está incorreto. d) Todos os itens estão corretos.

88 NT Editora SUMÁRIO
Questão 04 – Quais são as duas tarefas listadas sobre a ergonomia?
a) A primeira é estudar a prevenção, a fim de determinar o que o operador ou o usu-
ário terá de fazer. Em um segundo momento, ele deve considerar o principal na relação
com o ambiente.
b) A primeira é estudar a ocupação, a fim de determinar o que o operador ou o usuário
de um determinado equipamento terá de fazer. Em um segundo momento, ele deve con-
siderar, como principal na relação com o homem, o que ele tem de ver e ouvir.
c) A primeira é estudar os cargos ocupados e verificar o que se pode fazer. Em um se-
gundo momento, considerar, como principal na relação com o meio ambiente.
d) A primeira é estudar a ocupação a fim de determinar o que o operador ou o usuário
de um determinado equipamento terá de fazer. Em um segundo momento, ele deve con-
siderar, como principal na relação com o homem, o que ele tem de ver e ouvir.

Questão 05 – Que tipos de riscos as máquinas podem apresentar?


a) Além dos riscos químicos, as máquinas apresentam riscos físicos aos trabalhadores.
b) Além dos riscos químicos, as máquinas apresentam riscos mecânicos aos trabalhado-
res, como ruídos, calor, vibração, radiação etc.
c) Além dos riscos mecânicos, as máquinas apresentam riscos aos trabalhadores, como
ruídos, calor, vibração, radiação,etc. Eles podem acertar o trabalhador com alguma peça,
elas podem “voar” e acertá-lo, máquinas que cortam, máquinas que podem prensar algu-
ma parte do corpo etc.
d) Além dos riscos físicos, as máquinas apresentam riscos biológicos aos trabalhadores.

Questão 06 – Considere as seguintes afirmativas sobre os requisitos para proteção


de máquina:
I. Ter estabilidade no tempo III. Não criar novos perigos
II. A proteção de queda de objetos IV. Não criar interferência, entre outros.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

Marque a alternativa correta:


a) Somente o item I está incorreto. c) Somente o item I e III estão corretos.
b) Somente o item IV está incorreto. d) Todos os itens estão corretos.

Questão 07 – Entre as alternativas abaixo, assinale a que represente métodos para pro-
teção de máquinas:
a) O uso de bandeiras ou anteparos de proteção; métodos de alimentação e proteção
com dispositivos.
b) O uso de bandeiras de proteção; métodos de extração de óleos de segurança e pro-
teção com dispositivos com tomadas.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 89


c) O uso de barreiras ou anteparos de proteção; métodos de alimentação e extração de
segurança e proteção com dispositivos.
d) O uso de barreiras de desproteção; métodos de eliminação e extração de óleos de
segurança e proteção para os dispositivos.

Questão 08 – Entre as alternativas abaixo, assinale a que representa uma inspeção


de segurança?
a) Inspeção de segurança é a detecção de acidentes com a finalidade de apresentar
medidas preventivas.
b) Inspeção de segurança depende da determinação de acidentes para apresentar me-
didas ergonômicas.
c) Inspeção de segurança é a forma de ação quando ocorre um acidente e tem a finali-
dade de apresentar registros das ações ocorridas.
d) Inspeção de segurança é a maneira de se eliminar os acidentes dentro do ambiente
de trabalho.

Questão 09 – Por meio de uma inspeção de segurança, muitos acidentes podem ser
evitados no ambiente de trabalho, podendo influenciar de forma significativa na qualida-
de e no rendimento de um trabalho que está sendo realizado. Marque a alternativa que
representa os tipos de inspeção de segurança:
a) Inspeção de segurança pode ser: de rotina, geral, periódica ou oficial.
b) Inspeção de segurança pode ser: de forma eventual e geral, periódica e oficial.
c) Inspeção de segurança pode ser: de ambiente, geral, periódica ou de contato.
d) Inspeção de segurança pode ser: de rotina, informal, periódica ou extraoficial.

Questão 10 – No que diz respeito à exposição do trabalhador aos riscos, assinale a alter-
nativa que representa uma ação para se evitar isso:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


a) A melhor forma de se evitar os acidentes é pela prevenção, pois uma vez que os fa-
tores de risco são eliminados os eventos que dão origem aos acidentes deixam de existir,
colaborando assim para uma melhor qualidade de vida aos trabalhadores.
b) A única forma de se evitar os acidentes é pela informação, assim é possível eliminar
os fatores de riscos e os eventos que dão origem aos acidentes deixam de existir, colabo-
rando para uma melhor qualidade de vida aos trabalhadores.
c) A melhor forma de se evitar os acidentes é por meio de treinamento, pois com ele são
eliminados todos os riscos que dão origem aos acidentes, colaborando assim para uma
melhor qualidade de vida dos trabalhadores.
d) A melhor forma de se evitar os acidentes é pela precaução, ou seja, ao evitar o uso
dos equipamentos é possível eliminar os eventos que dão origem aos acidentes, colabo-
rando assim para uma melhor qualidade de vida aos trabalhadores.

90 NT Editora SUMÁRIO
GLOSSÁRIO
AUTOCLAVES – Equipamento utilizado para esterilizar materiais com controle de pressão, tempo
e temperatura.

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

AR – Análise de Risco.

APR – Análise Preliminar de Risco.

AT – Alta Tensão.

ABAPA – Associação Brasileira para Prevenção de Acidentes.

AIT – Agentes da Inspeção do Trabalho.

AFT – Auditor Fiscal do Trabalho.

AI – Auto de Infração.

ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygienists.

ASO – Atestado de Saúde Ocupacional.

AET – Análise Ergonômica do Trabalho.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

BT – Baixa Tensão.

CLT – Consolidação das Leis do Trabalho.

CTPS – Carteira de Trabalho e Previdência Social.

CANPAT – Campanha Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho.

CAT – Comunicação de Acidente do Trabalho.


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

CCS – Controlador Configurável de Segurança.

CLP – Controlador Lógico Programável.

COPES – Cobertura Previdenciária Estimada.

CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho.

CA – Certificado de Aprovação.

CCIH – Comissão de Controle de Infecção Hospitalar.

CRM – Conselho Regional de Medicina.

CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear.

CIPAMIN – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho na Mineração.

CAI – Certificado de Aprovação das Instalações.

CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 91


DEFIT – Departamento de Fiscalização do Trabalho.

DSST – Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho.

DRT – Sistema de Referência em Análise e Prevenção de Acidentes de Trabalho.

DRT – Delegacia Regional do Trabalho.

DDS – Diálogo Diário de Segurança.

EE – Exposição Excessiva.

EST – Engenheiro de Segurança no Trabalho.

EPI – Equipamento de Proteção Individual.

EPC – Equipamento de Proteção Coletivo.

FISPQ – Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos.

GR – Grau de Risco.

GHS – Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos.

IBMP – Índice Biológico Máximo Permitido.

IPVS – Atmosfera Imediatamente Perigosa à Vida ou à Saúde.

IOE – Indivíduo Ocupacionalmente Exposto.

INSS – Instituto Nacional da Seguridade Social.

INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

LAVA-OLHOS – Equipamento instalado em laboratórios ou ambientes de riscos para lavar os olhos em


caso de acidentes.

LT – Limite de Tolerância.

LEM – Laudo do Exame Médico.

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


MTE – Ministério do Trabalho e Emprego.

MPOG – Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

NOSS – Norma Operacional de Saúde do Servidor.

NR – Norma Regulamentadora.

OS – Ordem de Serviço.

OIT – Organização Internacional do Trabalho.

PH – Profissional Habilitado.

PMTA – Pressão Máxima de Trabalho Admissível.

PCE – Plano de Controle de Emergência.

PT – Permissão de Trabalho.

PAT – Programa de Alimentação do Trabalhador.

92 NT Editora SUMÁRIO
PET – Permissão de Entrada e Trabalho.

PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional.

PCMAT – Programa de Condições do Meio Ambiente do Trabalho.

PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

PCA – Programa de Conservação Auditiva.

PPEOB – Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno.

PPR – Programa de Proteção Radiológico.

PAIR – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído.

PAIRO – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído Ocupacional.

PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos.

PAM – Plano de Ajuda Mútua.

RGI – Risco Grave e Iminente.

SIPAT – Semana Interna de Prevenção de Acidentes.

SESMIT – Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho.

SIT – Secretaria de Inspeção do Trabalho.

SSST – Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho.

SRTE – Superintendência Regional do Trabalho e Emprego.

SINMETRO – Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial.

SEP – Sistema Elétrico de Potência.

SESI – Serviço Social da Indústria.


Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

SIASS – Subsistema Integrado de Atenção a Saúde do Servidor Público Federal.

SUS – Sistema Único de Saúde.

STROBO – Equipamento de sinalização que emite luz, possui uma lâmpada estroboscópica, muito
utilizado em boates.

SST – Segurança e Saúde no Trabalho.

SMT – Segurança e Medicina do Trabalho.

TST – Técnico de segurança do Trabalho.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 93


BIBLIOGRAFIA
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10.152: níveis de ruído para o conforto
acústico. Rio de Janeiro, 1990.

______. NBR 12.179: tratamento acústico em recintos fechados. Rio de Janeiro, 1992. 9p.

BECK, U. Risk society: towards a new modernity. Tradução: Mark Ritter. Newbury Park: Sage Publica-
tions, 1992.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional de Meio
Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, 1981.

______. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Manual de aplicação da norma regulamentadora no


17. 2. ed. Brasília: MTE; SIT, 2002. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/geral/publicacoes.asp>.

BRILHANTE, O. M.; CALDAS, L. Q. de A. (Coord.). Gestão e avaliação de risco em saúde ambiental. Rio de
Janeiro: Ed. Fiocruz, 1999.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida. São Paulo: Loyola, 1996.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1992.

FREITAS, C. M. A contribuição dos estudos de percepção de riscos na avaliação e no gerenciamento de


riscos relacionados aos resíduos perigosos. In: SISSINO, C. L. S.; OLIVEIRA, R. M. (Org.). Resíduos sólidos,
ambiente e saúde: uma visão multidisciplinar. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000. p. 111-128.

FREITAS, C. M.; PORTO, M. F. S.; MACHADO, J. M. H. Acidentes industriais ampliados. Desafios e perspec-
tivas para o controle e prevenção. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2000.

GUÉRIN, F.; LAVILLE, A.; DANIELLOU, F.; DURAFFOURG, J.; KERGUELEN, A. Compreender o trabalho para
transformá-lo. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

HAVENAAR, J. M.; VAN DER BRINK, W. Phychological factors affecting health after toxicological disas-
ters. Clinical Psychology Review, v. 17, n. 4, p. 359-374, 1997.

HERCULANO, S.; PORTO, M. F. S.; FREITAS, C. M. (Org.). Qualidade de vida e riscos ambientais. Niterói, RJ:

Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.


EdUFF, 2000.

HODGKINSON, P. E. Technological disaster-survival and bereavement. Social Science Medicine, v. 29, n.


3, p. 351-356, 1989.

KREPS, G. A. Disaster and the social order. Sociology Theory, v. 3, n. 1, p. 49-64, 1985.

KRIEBEL, D. et al. The precautionary principle in environmental science. Environmental Health Perspec-
tives, v.109, n. 9, p. 871-876, 2001.

LIEBER, R. R. Risco, incerteza e as possibilidades de ação na saúde ambiental. Revista Brasileira de Epide-
miologia, v. 6, n. 2, p. 121-134, 2003.

94 NT Editora SUMÁRIO
LUZ, A. M. A influência da ergonomia para o desempenho no trabalho: um estudo em uma agência ban-
cária na cidade de picos/PI. 2013. Monografia – Universidade Federal do Piauí (UFPI), Piauí, 2013.

MARX, K. Teorias da mais-valia. 2. ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 1986.

MINETTE, L. J. et al. Avaliação da carga de trabalho físico e análise biomecânica de trabalhadores da


carbonização em fornos tipo “rabo-quente”. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 31, n. 5, p. 853-858, 2007. Dis-
ponível em: <www.scielo.br/pdf/rarv/v31n5/a09v31n5.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2013.

MIRAGLIOTTA, M. Y. et al. Spatial analysis of stress conditions inside broiler house under tunnel venti-
lation. Revista Scientia Agricola, v. 63, n. 5, p. 426-432, Sep./Oct. 2006. Disponível em: <www.scielo.br/
pdf/sa/v63n5/31401.pdf>. Acesso em: 21 jan. 2014.
Reprodução proibida. Copyright © NT Editora. Todos os direitos reservados.

SUMÁRIO Prevenção de Acidentes 95