Вы находитесь на странице: 1из 25

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO – UPE

ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO - POLI

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL

Autores: Daniel Amorim

Lucas Gomes

Pedro Jorge

Vítor Raposo Silvino Rêgo

Título: Análise de risco de um torno mecânico.

Recife, 2014

1
Autores: Daniel Amorim

Lucas Gomes

Pedro Jorge

Vitor Raposo

Título: Análise de risco de um torno mecânico.

Trabalho apresentado à Escola Politécnica de Pernambuco – UPE, como requisito de segunda

avaliação da cadeira de Engenharia de Segurança do departamento de Engenharia Mecânica.

Orientador: Prof. Dr. Béda Barkókebas

Recife, 2014

2
Agradecimentos

Gostariamos de agradecer a empresa JM Service, em especial aos diretores Paulo André e

Roberto Wagner, por nos autorizar a fazer uso das imagens da sua linha de manutenção visando a

colaboração do nosso aprendizado, onde pudemos, relacionar os conceitos aprendidos na sala de aula

com as situações vivenciadas no cotidiano da nossa vida profissional. Imagens essas, essenciais para o

desenvolvimento deste trabalho.

3
Resumo

O presente trabalho tem como objetivo a apresentação e solução das operações não

regulamentadas pela NR 12, encontradas no processo de usinagem de eixos e tampas de

máquinas elétricas, em uma assistência técnica autorizada, utilizando para isso,

conhecimentos adquiridos no decorrer do curso de Engenharia de Segurança e consulta da

própria norma, visando qualificar o processo produtivo e obedecendo os critérios de

segurança do operador, dos outros trabalhadores que circulam nas proximidades e do

patrimônio.

Palavras-Chaves

Engenharia de Segurança, NR 12, Usinagem, Torno, Máquinas Elétricas

4
Sumário

1. Introdução ..................................................................................................................... 6

2. Problemas ...................................................................................................................... 7

3. Riscos ........................................................................................................................... 11

4. Adequações e melhorias ............................................................................................ 13

4.1 Adequações do meio ambiente de trabalho ....................................................... 13

4.2 Adequações na máquina ..................................................................................... 13

5 Conclusão ......................................................................................................................... 17

6 Anexos ............................................................................................................................... 18

7 Referências bibliográficas ............................................................................................... 25

5
1. INTRODUÇÃO

Em nosso presente trabalho, iremos tratar de um estudo de caso, em que existe a

operação de usinagem em um torno mecânico, onde o mesmo apresenta situações que não

condizem com a NR 12, que trata de segurança no trabalho em máquinas e equipamentos.

Serão abordadas todas as não-conformidades do processo, bem como a conduta da

norma em relação a cada situação, a apresentação dos riscos iminentes ao processo executado

sem a regulamentação e também as medidas que deverão ser tomadas a fim de evitar perdas e

danos, sejam eles materiais ou físicos.

Por último serão especificadas tanto as práticas que deverão ser adotadas, quanto as

que deverão ser extinguidas, e como a execução das mesmas irão qualificar o processo

produtivo, aumentando o rendimento de trabalho e diminuindo os riscos de acidentes.

6
2. PROBLEMAS

A seguir iremos fazer uma comparação entre o ambiente de trabalho analisado pelo o

nosso grupo, e as condições de saúde e segurança exigidas pela a NR-12 – Segurança no

trabalho em máquinas e equipamentos.

De acordo com a norma regulamentadora, nos locais onde equipamentos mecânicos

estão instalados e operando, deve-se ter uma região demarcada de forma a prevenir a

ocorrência de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Porém o que podemos enxergar

na foto abaixo é que a demarcação do local de trabalho do torno está bem apagada,

dificultando assim a visualização desta delimitação. (Figura 2)

Podemos também notar a presença de muita sujeira no chão devido ao cavaco gerado

pelo processo de usinagem, o que dificulta mais ainda a visualização da demarcação da área

de segurança ao redor do torno. Essa dificuldade em visualizar a marcação feita no chão faz

com os colaboradores que estão passando pelos os arredores do torno não dêem a devida

atenção para o perigo ali presente, podendo vir a ocasionar um acidente do trabalho.

A NR 12 ordena que os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e

equipamentos e os pisos das áreas de circulação devem:

a) ser mantidos limpos e livres de objetos, ferramentas e quaisquer materiais que

ofereçam riscos de acidentes;

7
b) ter características de modo a prevenir riscos provenientes de graxas, óleos e outras

substancias e materiais que os tornem escorregadios; e

c) ser nivelados e resistentes às cargas a que estão sujeitos

Além de a norma exigir uma demarcação do ambiente de trabalho da máquina, ela

também estabelece que deve-se demarcar as áreas de circulação de pessoas de acordo com as

normas técnicas oficiais, onde estas áreas devem ser mantidas permanentemente

desobstruídas.

A NR 12 determinam que as vias principais de circulação nos locais de trabalho e as

que conduzem as saídas devem ter no mínimo 1,20 m de largura, possibilitando assim uma

melhor circulação das pessoas ali presente em um caso se emergência e possível evacuação da

fábrica

Como podemos notar na figura a seguir, não existe um local exato para a circulação

dos funcionários. Porém o erro mais grave que se pode visualizar são os diversos itens

espalhados pela a área de movimentação dos funcionários ali presentes, o que pode vir a gerar

um tropeço de um funcionário, ou ainda pior, dificultar a sua locomoção em um caso

emergencial. (Figura 1)

A NR 12 sugere que os materiais em utilização no processo produtivo sejam alocados

em áreas especificas de armazenamento. Estes espaços para armazenamento devem ser

devidamente demarcados com faixas na cor indicada pelas normas técnicas oficiais ou

sinalizadas quando se tratar de áreas externas, evitando assim a obstrução dos pontos de

circulação dos colaboradores.

Outro ponto tratado por esta NR em questão são as zonas de perigo das máquinas e

equipamentos. Ela determina que estes dispositivos mecânicos devam possuir sistemas de

8
segurança, caracterizados por proteções fixas, proteções móveis e dispositivos de segurança

interligados, que garantam proteção à saúde e a integridade física dos trabalhadores.

Para fins de aplicação desta norma, considera-se proteção o elemento especificamente

utilizado para prover segurança por meio de barreira física, podendo ser:

a) proteção fixa que deve ser mantida em sua posição de maneira permanente ou por

meio de elementos de fixação que só permitam sua remoção ou abertura com o uso de

ferramentas especifica;

b) proteção móvel que pode ser aberta sem o uso de ferramentas, geralmente ligada

por elementos mecânicos à estrutura da máquina ou a um elemento fixo próximo, e

deve se associar a dispositivos de intertravamento.

Estes dispositivos acima citados devem atender as seguintes condições:

a) permitir a operação somente enquanto a proteção estiver fechada e bloqueada;

b) manter a proteção fechada e bloqueada até que tenha sido eliminado o risco de lesão

devido às funções perigosas da máquina ou do equipamento;

c) garantir que o fechamento e bloqueio da proteção por si só não possa dar início as

funções perigosas da máquina ou do equipamento.

Apesar de a NR 12 exigir todos estes parâmetros de segurança, sob pena de multa a

quem não as cumprir, o que podemos notar nas próximas imagens é algo bem diferente.

Podemos visualizar que existe uma proteção de acrílico no lado oposto da posição de

trabalho do operador do torno. Esse suporte tem a função de evitar que o cavaco proveniente

do processo produtivo seja lançado para o outro lado o vindo a ferir alguém. Porém o torno

que está sendo utilizado é extremamente grande, e quando o processo de usinagem estiver

ocorrendo em um ponto mais afastado das castanhas, existe uma grande probabilidade de que

uma partícula seja arremessada e que alguém venha a se ferir. (Figura 4)

9
Outro ponto notado é a ausência de algum tipo de proteção ao redor das castanhas. As

castanhas são dispositivos rotativos e que possuem um alto potencial para gerar um acidente,

e devido a isso elas deveriam conter uma proteção móvel ou fixa para evitar que durante a

utilização do torno o operário por algum tipo de descuido viesse a encostar alguma parte dos

seus braços, e ali se acidentar.

10
3. RISCOS

Devido ao fato de se tratar de um equipamento onde há a presença de elementos

girantes, existe uma necessidade de se prevenir certos riscos iminentes à operação da

máquina. Alguns desses riscos, podem ser facilmente observados, de acordo com os anexos, e

outros são mais sutis, mas nem por isso menos perigosos.

Percebemos que há a possibilidade de um agarramento ou arrastamento, seja nas

vestimentas do operador ou em alguma parte do corpo do mesmo (por exemplo, cabelo)

devido aos elementos girantes. Onde esse problema também pode estar relacionado a um

esmagamento de dedos, mãos e braços.

Operações como a de corte, sangramento e usinagem facial, geram calor devido ao

forte atrito entre a peça e a ferramenta, dessa forma é necessário um cuidado maior ao

manusear a peça ou a ferramenta pois elas podem causar queimaduras. Além da própria

ferramenta de corte oferecer risco, por ser um material afiado e ter que ser substituída diversas

vezes durante o processo, para se ajustar ao tipo de operação que o torno está realizando. Tais

operações também geram cavacos, que são os resíduos da peça usinada, onde elas podem ser

lançadas contra o rosto do operador, e causar lesões irreversíveis como a cegueira. Dessa

forma o operador, se não qualificado pela NR 12, fica expostos a tais acidentes relacionados

diretamente com o processo.


11
É necessário estar atento a certos riscos que são presentes e quase sempre desprezamos

eles, no caso do nosso estudo, podemos observar que o torno não é bem iluminado, o que

pode lesionar a visão de quem o operar, pois a usinagem, além de muitas habilidades, depende

da boa visão do torneiro. Na usinagem de certos materiais, é usado fluidos de corte, que

servem para diminuir a temperatura gerada naquele local e evitar o surgimento de trincas na

peça, dessa forma, o torneiro, ao usar certos óleos e graxas expõe a saúde da sua pele. Outro

risco que acompanha muitos processos produtivos é a exposição ao ruído, que deve ser

acompanhada por um dosímetro, que mede a quantidade de ruído que o trabalhador é exposto

durante uma jornada de trabalho. Também no grupo de riscos não tão diretos com o processo,

está a da instalação elétrica, que se não adequada, compromete a vida do trabalhador; a

exposição à choques e impactos de ferramentas e peças, podendo causar fraturas dos ossos; e

um dos maiores, que atinge a maioria dos profissionais que já estão aposentados atualmente, é

devido á ergonomia. Ainda é possível ver pelas imagens, que houve uma adaptação da altura

de operação do torneiro, por meio de um pallet, o que nos mostra que não é uma posição

confortável e adequada para o trabalhador.

A seguir falaremos de todos os riscos citados acima, e o que a NR 12 diz a respeito de

cada um e quais medidas devem ser tomadas para qualificar o processo.

12
4. ADEQUAÇÕES E MELHORIAS

4.1 ADEQUAÇÕES DO AMBIENTE DE TRABALHO

Abaixo serão enumeradas as modificações as quais o ambiente de trabalho deve ser

submetido para que apresente um mínimo necessário de segurança para os funcionários que

frequentam está área.

a. Iluminação: a iluminação da máquina é bastante limitada em alguns pontos como

pode ser visto nas figuras 2 e 5. Isto, além de forçar a visão do operador, pode gerar erros no

trabalho, pois as medidas impostas por ele podem acabar sendo muito discrepantes às reais.

Recomendamos que utilizem-se de fontes de iluminação mais bem distribuídas de forma a

atender o mínimo exigido na NBR 5413.

b. Organização do ambiente: no local onde o torno está instalado temos vários outros

equipamentos muito próximos, além de ferramentas – que estão até mesmo sobre o torno – e

peças de máquinas mal alocadas. O que dificulta tanto a movimentação do pessoal quanto o

trabalho com o aparelho e compromete a segurança, pois qualquer equipamento estando fora

do seu lugar pode vir a gerar desde uma simples topada até um esmagamento de um membro

13
de algum funcionário. Também temos um chão repleto de material resultante do trabalho com

o torno. Isso pode gerar num funcionário mais desatento um corte ou uma queda, dependendo

do que se trate o material. Recomendamos que se utilize medidas organizacionais como 5S.

Cada funcionário ficaria encarregado de organizar a sua área de trabalho e mantendo-a sempre

limpa e organizada. Todas as ferramentas utilizadas por cada um deverão ser guardadas em

um local apropriado como uma estante ou uma caixa de ferramentas. Os resíduos gerados

devem ser descartados da forma correta, ou seja, respeitando sempre as normas ambientais.

c. Correção do desnível: o palete que está sendo utilizado deve ser substituído por

uma base que seja desenvolvida especialmente para esta situação. Ela pode ser de madeira

mas deve promover estabilidade, segurança em sua resistência e atender às condições

ergonômicas.

d. Perímetro de circulação: Em torno da máquina deve ser demarcado um espaço para

a circulação do pessoal. Esta demarcação deve ser bastante visível e apresentar no mínimo

1,2m de largura. Este espaço deve garantir segurança a todo aquele que transitar neste espaço,

estando ele a salvo de qualquer imprevisto que ocorra no torno.

4.2 ADEQUAÇÕES NA MÁQUINA

Por se tratar de um equipamento muito antigo algumas normas de segurança não estão

sendo atendidas. Seguem a abaixo as modificações para garantir um mínimo de segurança aos

funcionários.

14
a. Acesso às partes moveis: recomendamos uma adaptação na máquina pela utilização

de anteparos que vão limitar o acesso a bucha de fixação da peça e a porta ferramentas,

protegendo o operador tanto do cavaco gerado quanto de uma possível peça que se solte. A

figura 7 ilustra este anteparo. Estas novas peças deverão estar acompanhadas de um sistema

elétrico de segurança que só permita que o torno seja ligado quando os anteparos estejam

fechados.

b. Aterramento do equipamento: a máquina deve ser aterrada segundo a NBR 5410,

evitando possíveis choques elétricos a que o operador possa ser submetido.

c. EPIs: Os operadores devem usar óculos de proteção para evitar que qualquer

partícula atinja os seus olhos e protetor auricular.

d. Utilização de um sistema de acionamento e de proteção: o sistema a seguir foi

desenvolvido especialmente para o torno estudado. Ele implementa o equipamento com um

botão de emergência, sensores que só permitem que a máquina seja acionada quando os

anteparos estiverem sendo utilizados, e um sinaleiro que informa o estado da máquina. Temos

que:

Q1: disjuntor de força do torno;

KM1: contator de comando do torno;

M1: motor representando o torno;

Q2: disjuntor do painel de comando;

S1: sensor do anteparo da bucha de fixação da peça;

S2: sensor do anteparo da porta ferramentas;

BD/R: botão deliga/reset;

BE: botão de emergência;

15
BL: botão liga;

KE: contator de emergência;

L1: torno ligado;

L2: torno em espera;

L3: torno parado por segurança.

16
5. CONCLUSÃO

Após a realização do trabalho alcançamos a concepção de que podemos encontrar em

nossos ambientes de atuação diversas irregularidades de segurança. Estas discrepâncias podem pôr

em risco a saúde de qualquer funcionário, gerando para ele problemas na sua qualidade de vida e

prejuízo para a empresa. Sendo assim, estas incoerências devem corrigidas e por isso se faz

necessário o conhecimento mínimo das normas de segurança que abrangem cada uma de nossos

possíveis ramos de trabalho.

17
6. ANEXOS

Figura 1

18
Figura 2

19
Figura 3

20
Figura 4

21
Figura 5

22
Figura 6

23
Figura 7

Figura 8

24
7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 NR, Norma Regulamentadora Ministério do Trabalho e Emprego. NR-12 - Máquinas

e Equipamentos. 2009.

 ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR-5410-Instalações Elétricas

em Baixa Tensão. Rio de Janeiro ABNT, 2001

25