Вы находитесь на странице: 1из 10

Olá, tudo bem?

Começo nossa conversa de hoje com uma charada:

Ele é o superalimento funcional mais subutilizado.

Tem preço acessível e é facilmente encontrado no Brasil.

Tem o poder de prevenir e até reverter problemas cardíacos e cognitivos.

É ainda antivirótico, antibacteriano e antifúngico, que não gera resistência


bacteriana e nem efeito colateral.

Já sabe do que estamos falando?

Dele mesmo. O óleo de coco.

Quem me conhece sabe que sempre falo do óleo de coco e detalho os


benefícios dele para a saúde.
A explanação sobre os benefícios do produto tornou-se ainda mais necessária
após manifestos inconsequentes e levianos sobre o óleo de coco, feitos por
entidades que – infelizmente – contribuíram para deixar a população ainda mais
confusa e insegura sobre a ingestão deste superalimento.

Gostaria de lhe dizer que minha recomendação não tem como base o meu gosto
pessoal, apesar de usá-lo diariamente.

Essa defesa tem base científica que só cresce.

Eu, Lair Ribeiro, com mais de 45 anos de experiência, acompanho esse


crescimento e consolidação da defesa do óleo de coco.

Para quem ainda diz que não há estudos suficientes sobre os benefícios do óleo
de coco, eu gostaria de contar que há mais de mil livros na Amazon.com, 170 mil
citações no Google Acadêmico, que só concentra artigos científicos e mais de 9
mil artigos publicados no Mercola.com, maior site médico do mundo.

Eu mesmo publiquei recentemente minha própria revisão sobre isso que, assim
como as outras publicações sérias, traz a composição química do óleo de coco e
como ele atua na fisiologia humana.
Os benefícios do óleo de coco

O óleo de coco é um alimento benéfico tanto para recém-nascidos – utilizado


em fórmulas infantis – como para os idosos doentes submetidos à nutrição
parenteral. A pessoa em estado de coma, por exemplo, por muitos dias, sem
poder se alimentar, recebe na veia Triglicérides de cadeia média advindos do
óleo do coco.

Vale explicar que as gorduras são ácidos graxos que podem ser de cadeia
curta, média ou longa. O óleo de coco é uma gordura de cadeia média que é
transportada, via veia porta, diretamente no intestino para o fígado, onde se
transformam em energia.

Eles não são depositados em adipócitos, sendo, por isso, incapazes de promover
ganho de peso. Ao contrário, eles são termogênicos. Suas triglicérides de cadeia
média (TcCMs) contribuem para o aumento do metabolismo basal.
A taxa de metabolismo basal é a quantidade de energia que seu corpo consome
mesmo quando está em repouso. Aumento a taxa, você pode aumentar o gasto
calórico contribuindo ainda mais para o emagrecimento.

Além disso, óleo de coco é menos calórico do que os outros óleos de cadeia
longa e essa informação só é fornecida para acalmar aqueles preocupados
apenas com o conceito calórico do alimento. Ele não requer insulina durante
seu metabolismo e auxilia a absorção de outros nutrientes, como vitaminas e
minerais.

Esse superalimento também é rico em ácido láurico, um tipo de gordura


saturada, que constitui 47% de seus índices de ácidos graxos. Em contato com
o estômago, o ácido láurico se transforma em monolaurina, um poderoso
antivirótico, antibacteriano e antifúngico, que não gera resistência bacteriana
e nem efeito colateral. Nos Estados Unidos, a monolaurina é comercializada à
parte e usada em casos de infecções resistentes a antibióticos.

E não para por aí…


Aliado a isso, o óleo de coco é reconhecidamente um potente anti-inflamatório
e capaz de reduzir o colesterol LDL (ruim) e aumentar o colesterol HDL (bom), na
maioria dos inúmeros estudos onde o perfil lipídico foi avaliado.

Tem efeito antitrombótico e inibe a peroxidação lipídica, agindo como


antioxidante, devido a sua alta concentração de vitamina E e ácido gálico.
A região Bicol da República das Filipinas tem o maior consumo de óleo de coco
do país e a menor taxa de doença cardíaca. É o que diz o estudo feito pela
Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

Essa não é uma relação que acontece não somente na República das Filipinas,
mas em todos os lugares em que há o alto consumo do óleo de coco.

Esses e outros benefícios são comprovados em artigos e na literatura científica


médica, que destacam sua ação na prevenção e no tratamento de patologias
como Doença de Alzheimer, HIV/AIDS, doenças cardiovasculares, câncer,
diabesidade (diabetes + obesidade) e infecções.

Um dos estudos mais impressionantes foi feito pela médica americana Mary
Newport. Ao ver seu marido, Steven, diagnosticado com Mal de Alzheimer, Mary
decidiu incluir o alimento na dieta dele.
Em alguns meses, Steven retomou atividades que havia perdido, como leitura e
corrida. A melhora do marido fez com que Mary escrevesse um livro “Alzheimer
disease: what if there is a cure? (Doença de Alzheimer: e se existir uma cura?).

Esse livro foi um best seller na lista dos mais vendidos do New York Times.

O teste do relógio

Dois dias antes de começar a dar óleo de coco ao marido, a doutora Newport
pediu para ele desenhar um relógio e o primeiro desenho foi este.

Agora compare com o mesmo pedido, mas duas semanas depois:


Agora um mês depois:

Veja 5 doenças que o óleo ajuda a combater

Diabetes: O óleo de coco tem uma ação insulinotrópica, ou seja, melhora a


sensibilidade insulínica e também a necessidade de doses de insulina. Isso é
o que traz o livro “The Coconut Oil Miracle”, escrito pelo médico e nutrólogo
americano Dr. Bruce Fife.

Obesidade: A gordura de coco proporciona uma sensação de saciedade. Desta


forma também contribui para redução da compulsão por carboidratos e doces.

Câncer: Um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Farmácia


Saúde e Ciências Nutricionais da Calábria, na Itália, identificou benefícios no
tratamento do câncer de mama e no câncer endometrial. Os pesquisadores
mostraram que o ácido láurico do óleo de coco tem ação pró-apoptótica. Ou
seja, incentiva o suicídio da célula que não está com bom funcionamento.

Alzheimer: Além da Dra. Newport, pesquisadores da Universidade Católica de


Valencia, na Espanha, também decidiram avaliar o impacto do uso de óleo de
coco em pacientes com Alzheimer.

O ensaio acompanhou 44 pacientes com Alzheimer e metade deles foi


selecionado para receber, por 21 dias, 40 ml de óleo de coco, divididos em duas
refeições.
O outro grupo, de 22 pessoas, não recebeu qualquer intervenção e foi
denominado de grupo controle.

Após 21 dias, os pacientes que receberam o óleo de coco apresentaram


melhoras relevantes, como:

• 65,38% de melhora na orientação espacial;


• 50% de melhora na concentração para cálculos;
• 14% de melhora na fixação de aprendizado (consolidação da memória);
• 25% de melhora na memória;
• 29,77% de melhora na construção de linguagem.

HIV: Cientistas filipinos e canadenses em estudos isolados descobriram que


princípios químicos encontrados no óleo de coco não só podem destruir o HIV
(AIDS), como também inibir o desenvolvimento do vírus e sua carga viral. O Dr.
Conrado Dayrit, Presidente da Academia Nacional de Ciências e Tecnologia e
membro do Conselho do PCRDF, num pronunciamento, afirmou que o HIV está
envolvido por uma membrana gordurosa que a monolaurina pode penetrar
e mutilar rapidamente após ingerido. A monolaurina destrói a membrana que
envolve o vírus por um processo de amaciamento. “Se isso acontece, o vírus
morre”, disse o Dr Dayrit.

Como consumir óleo de coco

COMO EU, LAIR RIBEIRO, CONSUMO: Todos os dias pela manhã, eu tomo meu
café preto com uma colher de sopa de óleo de coco. A bebida fica com um gosto
adocicado e ainda ajuda o cérebro a ficar preparado para as tarefas do dia.

RECOMENDAÇÃO DE USO: Duas a três colheres de sopa cheias de óleo de


coco devem ser consumidas diariamente. É a quantidade ideal para a proteção
cérebrovascular.

DESAFIO DOS 15 DIAS: Eu sempre digo que a melhor maneira de constatar a


eficácia de um nutriente na saúde é quando observamos a melhora em nós
mesmos. Nada fala mais alto do que resultados!

Consuma esta quantidade por duas semanas, elimine os outros óleos vegetais
e avalie os resultados positivos. Você percebe de imediato, uma melhora no
cansaço, na capacidade cognitiva e no funcionamento do intestino, entre outros
benefícios.