Вы находитесь на странице: 1из 19

DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O GOVERNO DE D. SEBASTIÃO

D. Sebastião (1554-1578).

Em 1557, devido à morte do seu pai, D. Sebastião sucedeu ao avô,


D. João III, com apenas três anos de idade.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O GOVERNO DE D. SEBASTIÃO
Por esse motivo, a regência do reino E, a partir de 1562, ao seu tio-avô,
ficou entregue a sua avó, D. Catarina. o Cardeal D. Henrique.

D. Catarina (1507-1578). Cardeal D. Henrique (1512-1580).


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O GOVERNO DE D. SEBASTIÃO

Em 1568, aos 14 anos, D. Sebastião


começou a governar, apoiado por
vários conselheiros.

Influenciado por alguns nobres,


cedo mostrou interesse por feitos
guerreiros e pela conquista de
territórios no Norte de África.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O DESASTRE DE ALCÁCER QUIBIR


Em 4 de agosto de 1578, o exército português, mal preparado e mal
dirigido, foi derrotado em Alcácer Quibir, em Marrocos.

Entre os milhares de mortos encontrava-se D. Sebastião.


Portugal perdia, assim, o seu rei e muitos dos seus nobres…

Reconstituição da Batalha de Alcácer Quibir.


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O PROBLEMA DA SUCESSÃO

Como D. Sebastião não tinha filhos,


o Cardeal D. Henrique foi novamente
chamado a governar, mas acabou por
Surgiram, então,
morrer cinco umadepois,
meses série de
igualmente
problemas de sucessão
solteiro e sem filhos. que
acabaram por provocar a perda da
independência…
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

QUEM TINHA DIREITO A RECLAMAR O TRONO DE PORTUGAL?


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

OS APOIANTES DOS CANDIDATOS AO TRONO

APOIOS
Clero e grande parte dos nobres

MOTIVOS: esperança de alcançar novos


cargos, riquezas e privilégios.

Burguesia

MOTIVOS: sobretudo os mercadores,


acreditavam poder beneficiar da riqueza
de Espanha.

Filipe II de Espanha.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

OS APOIANTES DOS CANDIDATOS AO TRONO

Acabou por desistir da sua


pretensão ao trono, pressionada
pela família que tinha chegado a
acordo com Filipe II.

D. Catarina, duquesa de Bragança.


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

OS APOIANTES DOS CANDIDATOS AO TRONO

APOIOS
Povo

MOTIVOS: único grupo social que se


opunha à união de Portugal e Espanha.

D. António, prior da Ordem dos Hospitalários


no Crato.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

INVASÃO DE PORTUGAL

O exército espanhol invadiu


Portugal em 1580 e derrotou as
forças comandadas por D. António
na Batalha de Alcântara.

D. António foi obrigado a fugir


para a ilha Terceira (Açores), onde
foi definitivamente derrotado em
Desembarque das tropas espanholas nos Açores.
1583.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

CORTES DE TOMAR (1581)


Nas Cortes de Tomar, Filipe II de Espanha foi aclamado rei de
Portugal, onde passou a ser Filipe I de Portugal.

Império de Filipe II de Espanha.


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

CORTES DE TOMAR (1581)


Filipe I comprometeu-se a manter a autonomia dos dois reinos,
através das seguintes medidas:

• respeitar a língua e os costumes portugueses;


• manter a administração dos interesses de Portugal
nas mãos de portugueses;
• manter separadas as moedas e os impostos de Portugal
e de Espanha.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

OS PROBLEMAS NAS RELAÇÕES COM OUTROS ESTADOS


Espanha tinha grandes conflitos com a Inglaterra, Holanda e França.
Portugal acabou por ser neles envolvido…

Batalha entre navios portugueses e holandeses, na Índia.


DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

AGRAVOU-SE O DESCONTENTAMENTO…
Com Filipe II e Filipe III, a situação agravou-se.

• Os compromissos das Cortes de Tomar


foram desrespeitados e aumentaram
os impostos para financiar as guerras
em que Espanha estava envolvida.

• Várias colónias portuguesas


foram invadidas e as costas
portuguesas sofreram ataques.
Filipe II de Portugal Filipe III de Portugal
(1578-1621). (1578-1621).
• O comércio português passou
por dificuldades.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

REVOLTAS POPULARES

O descontentamento provocou
revoltas populares em várias
regiões de Portugal.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

REVOLTAS POPULARES

A mais importante verificou-se


em Évora e ficou conhecida como
“Revolta do Manuelinho”.

Reconstituição do motim de Évora


(“Revolta do Manuelinho”, 1637).
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O 1º DE DEZEMBRO DE 1640

Prisão da duquesa da Mântua.

Aproveitando o ambiente de descontentamento e outros problemas que a


Espanha enfrentava, um grupo de nobres:
- invadiu o Paço da Ribeira;
- prendeu a duquesa de Mântua, representante do rei de Espanha;
- e matou o secretário de Estado, Miguel de Vasconcelos.
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

O INÍCIO DA DINASTIA DE BRAGANÇA

Aclamação de D. João IV.

D. João, duque de Bragança, neto de D. Catarina, foi aclamado rei. Dava-se


assim início à 4ª dinastia portuguesa, a dinastia de Bragança.
Portugal restaurava a independência, pondo fim aos 60 anos de domínio
espanhol (1580-1640).
DA UNIÃO IBÉRICA À RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

GUERRA DA RESTAURAÇÃO

Durante 28 anos os exércitos portugueses tiveram que travar ataques


espanhóis na chamada Guerra da Restauração.
Só em 1668 foi, finalmente, assinado um tratado de paz entre Portugal
e Espanha.