Вы находитесь на странице: 1из 20

Destilação com Retificação

>> Método de McCabe-Thiele

A determinação do número de pratos e das composições de equilíbrio de cada prato é feita

graficamente, utilizando-se as linhas representadas, da seguinte forma:

1.Em cada prato, deve-se determinar as composições das fases líquida e vapor, x e y.

2. No prato 1 (prato do topo), a composição do vapor, y1 é igual a xD.

3. Determina-se, na curva de equilíbrio, a composição x1 correspondente a y1.

4. Determina-se, na LOR, a composição y2 correspondente a x1.

5. Determina-se, na curva de equilíbrio, a composição x2 correspondente a y2.

6. Determina-se, sucessivamente, as composições x e y, na LOR e na curva de equilíbrio, até se

obter um valor de x menor que o valor de x do ponto de interseção das três retas.

7. Passa-se, então, a utilizar a LOD para a determinação das composições y, ao invés da LOR.

8. Continua-se a determinar, sucessivamente, as composições x e y, na LOD e na curva de

equilíbrio, até se obter um valor de x menor que xB.

9. Cada ponto sobre a curva de equilíbrio representa um prato da coluna e as coordenadas x e y

desses pontos representam as composições de equilíbrio de cada prato.


Exemplo : Uma coluna de retificação deve ser projetada para separar 291,25 kmol/h de uma mistura
contendo 44,02 % (molar) de benzeno e 55,98% (molar) de tolueno, fornecendo um produto de topo
contendo 97,44% (molar) de benzeno e um produto de fundo contendo 2,35% (molar) de benzeno. A razão
de refluxo deve ser igual a 3,5 moles de retorno para cada mol de produto de topo obtido. O calor latente
molar para a mistura é de 7240 cal/mol. A volatilidade relativa é αr=2,381.
A) Determinar as vazões de produto e de topo e produto de fundo
B) Determinar o número de pratos, as composições de equilíbrio em cada prato e a posição do prato de
alimentação, se :
B.1) A mistura contém 2/3 de vapor e 1/3 de líquido
B.2) A mistura está líquida na temperatura de bolha
B.3) A mistura está líquida a 23oC (Cp = 0,44 cal/(g.oC))

F = 291,25 kmol/h
Sendo benzeno o componente mais volátil :
xF = 0,4402 xD = 0,9744 xB = 0,0235
RD = 3,5

A) Determinar as vazões de produto e de topo e produto de fundo

Balanço de Massa Global :


F = D + B => 291,25 = D + B => B = 291,25 - D

Balanço de Massa para o benzeno:
F*xF = D*xD + R*xR => 291,25* 0,4402 = D*0,9744 +B* 0,235


Substituindo, temos : 

128,20825 = D*0,9744 +(291,25 - D)* 0,0235 => 

128,20825 = 0,9744D + 6,844375 - 0,0235D => 

D= 127,63 kmol/h

B = 291,25 - D = 291,25 - 127,63 => B= 163,62 kmol/h

B.1) A mistura contém 2/3 de vapor e 1/3 de líquido

3o caso: alimentação é uma mistura em equilíbrio de fases líquida e vapor (0<f<1). O fator f será igual à
fração de vapor na alimentação 


f = 2/3 = 0,667

L.A. > Linha de operação da Alimentação


−(1 − f ) x (F ) −(1 − 0,667) 0,4402
y# = x+ =>y = x+ = > y = − 0,5x + 0,6603
f f 0,667 0,667

L.O.R > Linha de Operação da Retificação

R(D) x (D) 3,5 0,9744


y! = x+ =>y = x+ = > y = 0,7778x + 0,2165
R(D) + 1 R(D) + 1 3,5 + 1 3,5 + 1

Ponto de intersecção LA=LOR:


!−0,5x + 0,6603 = 0,7778x + 0,2165 = > 1,2778x = 0,4438 = > x = 0,3473
!y = − 0,5 * 0,3473 + 0,6603 = > y = 0,4866
Logo (xi,yi) = (0,3473 ; 0,4866)
L.O.D > Linha de Operação da Dessorção 0,0235 0,0235
Ponto 1: (xb,xb) = (0,0235 ; 0,0235)
Ponto final : (xi,yi) = (0,3473 ; 0,4866) x y

0,3473 0,4866
x − 0,0235 y − 0,0235 x − 0,0235 y − 0,0235
! = => = = > y − 0,0235 = 1,4302x − 0,0336 = > y = 1,4302x − 0,0101
0,3473 − 0,0235 0,4866 − 0,0235 0,3238 0,4631

Método gráfico :

Necessários 13 pratos, sendo o prato de alimentação o sétimo

Método analítico :

CE > Curva de Equilíbrio


α *x y y y
y! = =>x = =>x = =>x =
1 + (α − 1)x α − (α − 1)y 2,381 − (2,381 − 1)y 2,381 − 1,381y

Sendo que os pratos começam em xD=y1 e são determinados por LOD e CE até x<xi, nesse caso 0,3473, e
depois determinados por LOR e CE, terminando em xn<xB :

PRIMEIRO PRATO
y1=xD = 0,9744
Na CE :

0,9744
! =
x1 = > x1 = 0,941
2,381 − 1,381(0,9744)
Logo (x1,xD) = (0,94 ; 0,97)
SEGUNDO PRATO
Na LOR :
y! 2 = 0,7778x1 + 0,2165 = 0,7778 * 0,941 + 0,2165 = 0,948
Na CE :
0,948
x! 2 = = 0,884
2,381 − 1,381(0,948)
Logo (x2,y2) = (0,88 ; 0,95)

TERCEIRO PRATO
Na LOR :
y! 3 = 0,7778x 2 + 0,2165 = 0,7778 * 0,884 + 0,2165 = 0,904
Na CE :
0,904
x! 3 = = 0,798
2,381 − 1,381(0,904)
Logo (x3,y3) = (0,80 ; 0,90)

QUARTO PRATO
Na LOR :
y! 4 = 0,7778x 3 + 0,2165 = 0,7778 * 0,798 + 0,2165 = 0,837
Na CE :
0,837
x! 4 = = 0,683
2,381 − 1,381(0,837)
Logo (x4,y4) = (0,68 ; 0,84)

QUINTO PRATO
Na LOR :
y! 5 = 0,7778x 4 + 0,2165 = 0,7778 * 0,683 + 0,2165 = 0,748
Na CE :
0,748
x! 5 = = 0,555
2,381 − 1,381(0,748)
Logo (x5,y5) = (0,56 ; 0,75)

SEXTO PRATO
Na LOR :
y! 6 = 0,7778x 5 + 0,2165 = 0,7778 * 0,555 + 0,2165 = 0,648
Na CE :
0,648
x! 6 = = 0,436
2,381 − 1,381(0,648)
Logo (x6,y6) = (0,44 ; 0,65)

SÉTIMO PRATO
Na LOR :
y! 7 = 0,7778x 6 + 0,2165 = 0,7778 * 0,436 + 0,2165 = 0,496
Na CE :
0,496
x! 7 = = 0,292
2,381 − 1,381(0,496)
Logo (x7,y7) = (0,29 ; 0,50)

Como x7< xi (0,29<0,35), sabemos que o prato sétimo é o prato de alimentação e a partir de agora
vamos rebater na LOD:

OITAVO PRATO
Na LOD :
y! 8 = 1,4302x 7 − 0,0101 = 1,4302 * 0,292 − 0,0101 = 0,407
Na CE :
0,407
x! 8 = = 0,224
2,381 − 1,381(0,407)
Logo (x8,y8) = (0,22 ; 0,41)

NONO PRATO
Na LOD :
y! 9 = 1,4302x 8 − 0,0101 = 1,4302 * 0,224 − 0,0101 = 0,310
Na CE :
0,310
x! 9 = = 0,158
2,381 − 1,381(0,310)
Logo (x9,y9) = (0,16 ; 0,31)

DÉCIMO PRATO
Na LOD :
y10
! = 1,4302x 9 − 0,0101 = 1,4302 * 0,158 − 0,0101 = 0,216
Na CE :
0,216
! x10 = = 0,104
2,381 − 1,381(0,216)
Logo (x10,y10) = (0,10 ; 0,22)

DÉCIMO PRIMEIRO PRATO


Na LOD :
y11
! = 1,4302x10 − 0,0101 = 1,4302 * 0,104 − 0,0101 = 0,139
Na CE :
0,139
x11
! = = 0,063
2,381 − 1,381(0,139)
Logo (x11,y11) = (0,06 ; 0,14)

DÉCIMO SEGUNDO PRATO


Na LOD :
y12
! = 1,4302x11 − 0,0101 = 1,4302 * 0,063 − 0,0101 = 0,080
Na CE :
0,080
x12
! = = 0,035
2,381 − 1,381(0,080)
Logo (x12,y12) = (0,04 ; 0,08)

DÉCIMO TERCEIRO PRATO


Na LOD :
y13
! = 1,4302x12 − 0,0101 = 1,4302 * 0,035 − 0,0101 = 0,040
Na CE :
0,040
x13
! = = 0,017
2,381 − 1,381(0,040)
Logo (x13,y13) = (0,02 ; 0,04)

Como x13 é menor que xB (0,02<0,0235), vemos que a coluna tem 12 pratos.

B.2) A mistura está líquida na temperatura de bolha


2o caso: alimentação é líquida, na temperatura de bolha (líquido saturado). O fator f é zero.

B.3) A mistura está líquida a 23oC (Cp = 0,44 cal/(g.oC))


1o caso: alimentação é líquida, em uma temperatura inferior à temperatura de bolha (líquido sub-resfriado).
g
Cp, L (T, F − T, B) 0,44 gcal
. oC
* 78 mol * (23 − 93,9)oC
f = = = > f = − 0,33609
λ cal
7240 mol
Sendo a temperatura de bolha
nesse caso dada por xF=0,4402
F=200 kmol/h Rd = 2,8 CpL = 159 kJ/(kmol*K) λ = 32099 kJ/kmol
TF = 336,7 K αr= 2,381
Sendo o benzeno o mais volátil da mistura, temos :
xF= 0,50 xD= 0,97 xB= 0,05


A) Vazões de produto de topo e de produto de fundo


Balanço de Massa por Componente : F*xF= B*xB + D*xD
200*0,5= B*0,05 + D*0,97 => B*0,05 + D*0,97 = 100 (I)

Balanço de Massa Global : F= B + D


200 = B + D => B = 200 - D (II)

Substituindo (II) em (I) :


(200 - D)*0,05 + D*0,97 = 100 => 10 - 0,05D + 0,97D = 100 => 0,92D= 90 => D = 97,83 kmol/h
Voltando em (II) :
B = 200 - D => B = 200 - 97,83 => B = 102,17 kmol/h

B) Número teórico de pratos e a posição do prato de alimentação


b.1) Através do diagrama de equilíbrio
1o caso : alimentação é líquida, em
uma temperatura inferior à
temperatura de bolha (líquido sub-
resfriado).

Temperatura de bolha:

92+273,15 = 365,15K

kJ
C p, L (T, F − T, b ol h a) 159 (336,7 − 365,15)K
kmol * K
#f = =
kJ
= > f = − 0,14092
λ 32099
kmol

* Linha de operação da alimentação (LA)

−(1 − f ) x (F ) −(1 − (−0,14092)) 0,5


y# = x+ =>y = x+ = > y = 8,09622x − 3,54811

f f (−0,14092) (−0,14092)

* Linha de operação da retificação (LOR)


Rd x (D) 2,8 0,97
y# = x+ =>y = x+ = > y = 0,73684x + 0,25526
Rd + 1 Rd + 1 2,8 + 1 2,8 + 1

* Ponto de intersecção de LA com LOR:


8,09622*x - 3,54811 = 0,73684*x + 0,25526 => x = 0,51681
y = 8,09622* 0,516806 - 3,54811 = 0,63606
Ponto de Intersecção (0,52 ; 0,64)

* Linha de operação da dessorção (LOD)


Ponto 1: (xb,xb) = (0,05 ; 0,05)
Ponto final : (xi,yi) = (0,51681; 0,63606)
x − 0,05 y − 0,05 x − 0,05 y − 0,05
! = => = = > y − 0,05 = 1,25546x − 0,06277 = > y = 1,25546x − 0,01277
0,51681 − 0,05 0,63606 − 0,05 0,46681 0,58606

A partir de xF e mediante a equação LA, atribuir valores de x até cruzar a curva de equilíbrio :
x= 0,55 : y = 8,09622*0,55 - 3,54811 => y = 0,904811
x= 0,52 : y = 8,09622*0,52 - 3,54811 => y = 0,661924
x= 0,50 : y = 8,09622*0,50 - 3,54811 => y = 0,5
Chutar valores para traçar as outras curvas também.

Do diagrama de equilíbrio (próxima página) : 10 pratos; prato de alimentação : 5 (0,49 ;0,7)


b.2) Pelo método analítico

* Curva de equilibrio (CE):


α *x y y y
y! = =>x = =>x = =>x =
1 + (α − 1)x α − (α − 1)y 2,381 − (2,381 − 1)y 2,381 − 1,381y

Sendo que os pratos começam em xD=y1 e são determinados por LOD e CE até x<xi, e depois
determinados por LOR e CE, terminando em xn<xB :

PRIMEIRO PRATO
y1=xD = 0,97
Na CE :

0,97
x1
! = = > x1 = 0,931
2,381 − 1,381(0,97)
Logo (x1,xD) = (0,93 ; 0,97)

SEGUNDO PRATO
Na LOR :
y! 2 = 0,73684(0,931) + 0,25526 = 0,941
Na CE :
0,941
x! 2 = = 0,870
2,381 − 1,381(0,941)
Logo (x2,y2) = (0,87 ; 0,94)

TERCEIRO PRATO
Na LOR :
y! 3 = 0,73684(0,870) + 0,25526 = 0,896
Na CE :
0,896
x! 3 = = 0,783
2,381 − 1,381(0,896)
Logo (x3,y3) = (0,78 ; 0,87)

QUARTO PRATO
Na LOR :
y! 4 = 0,73684(0,783) + 0,25526 = 0,832
Na CE :
0,832
x! 4 = = 0,675
2,381 − 1,381(0,832)
Logo (x4,y4) = (0,68 ; 0,83)

QUINTO PRATO
Na LOR :
y! 5 = 0,73684(0,675) + 0,25526 = 0,753
Na CE :
0,753
x! 4 = = 0,561
2,381 − 1,381(0,753)
Logo (x5,y5) = (0,56 ; 0,75)

SEXTO PRATO
Na LOR :
y! 6 = 0,73684(0,561) + 0,25526 = 0,669
Na CE :
0,669
x! 6 = = 0,459
2,381 − 1,381(0,669)
Logo (x6,y6) = (0,46 ; 0,67)

Como x6< xi (0,46<0,52), sabemos que o prato sexto é o prato de alimentação e a partir de agora
vamos rebater na LOD:

SÉTIMO PRATO
Na LOD :
y! 7 = 1,25546(0,459) − 0,01277 = 0,563
Na CE :
0,563
x! 7 = = 0,351
2,381 − 1,381(0,563)
Logo (x7,y7) = (0,35 ; 0,56)

OITAVO PRATO
Na LOD :
y! 8 = 1,25546(0,351) − 0,01277 = 0,428
Na CE :
0,428
x! 8 = = 0,239
2,381 − 1,381(0,428)
Logo (x8,y8) = (0,24 ; 0,43)

NONO PRATO
Na LOD :
y! 9 = 1,25546(0,239) − 0,01277 = 0,287
Na CE :
0,287
x! 9 = = 0,144
2,381 − 1,381(0,287)
Logo (x9,y9) = (0,14 ; 0,29)

DÉCIMO PRATO
Na LOD :
y10
! = 1,25546(0,144) − 0,01277 = 0,168
Na CE :
0,168
x10
! = = 0,078
2,381 − 1,381(0,168)
Logo (x10,y10) = (0,08 ; 0,17)

DÉCIMO PRIMEIRO PRATO


Na LOD :
y11
! = 1,25546(0,078) − 0,01277 = 0,085
Na CE :
0,085
x10
! = = 0,037
2,381 − 1,381(0,085)
Logo (x10,y10) = (0,08 ; 0,17)

Como x11 é menor que xB (0,037<0,05), vemos que a coluna tem apenas 10 pratos.

C) O número mínimo de pratos


O máximo da LOR é quando ela coincide com a linha de referência, logo o número de pratos é mínimo
quando y=x.
x, D 1 − x, B 0,97 1 − 0,05
l og[( )( x, B )] l og[ ]
1 − x, D 1 − 0,97 0,05
# min =
N = = 7,4
l og (α, r) l og (2,381)
Logo, o número mínimo de pratos é 8 pratos.

D) A razão de refluxo mínima


Rm x , D − y′
! =
1 + Rm x , D − x′

Sendo que (x’;y’) é o ponto que em que LA e CE se interceptam:


2,381x
# 8,09622x − 3,54811 = = > 8,09622x − 3,54811 + 11,18088x 2 − 4,89994x = 2,381x = > 11,18088x 2 + 0,81528x − 3,54811 = 0
1 + 1,381x
−b ± SQ R T (b 2 − 4a c) −0,81528 ± SQ R T (0,815282 − 4 * 11,18088 * (−3,54811)) −0,81528 ± 12,62334
# =
x′ = =
2a 2 * 11,18088 22,36176

−0,81528 + 12,62334
x′
# 1= = 0,528
22,36176

−0,81528 − 12,62334
# 2=
x′ = − 0,601 (n a o c o n v e m)
22,36176

# = 8,09622(0,528) − 3,54811 = 0,727


y′

Então (x’;y’) = (0,53;0,73)


Rm x , D − y′ Rm 0,97 − 0,73
! = => = = > R m = 1,2
1 + Rm x , D − x′ 1 + Rm 0,97 − 0,53

E) Ao executar o projeto, o engenheiro verificou, experimentalmente, que a composição do


produto de topo foi igual a 85% de benzeno.Qual a quantidade real de pratos necessária
para esta coluna de destilação ?
xDreal = 0,85

Pela eficiência ε :

Nt eor i c o x , D t eor i c o 10 0,85


ε# = = => = = > Nr ea l = 11,41
Nr ea l x , D r ea l Nr ea l 0,97

Ou seja, devem ser utilizados 12 pratos nesse caso.


Destilação multicomponentes
>> Método de Fenske - Underwood - Gilliand
Componentes chave :
* Chave leve

* Chave pesado
Características dos componentes chave:
a) caracterizam a separação
b) aparecem em quantidades apreciáveis nos produtos de topo e de fundo
 O componente chave leve (LK), de ponto de ebulição mais baixo, é recuperado essencialmente no destilado e
o componente chave pesado (HK), de ponto de ebulição mais elevado, sairá essencialmente no resíduo.
As volatilidades relativas dos vários componentes da mistura são calculadas relativamente ao componente chave pesado, HK, o
qual será, como tal, também o componente de referência dos cálculos de equilíbrio.

>> Aplicação do método :



1) Calcular o refluxo mínimo (RRmin) - Underwood
2) Calcular o numero de estagios minimo (Nmin) - Fenske
3) Adotar o refluxo de operação (RRop)

4) Obter o numero de estágios (pratos) necessários (N) de N = f (Nmin, RRmin, Rrop) - Gilliand
5) Determinar a localização do prato de alimentação (PA)

* Cálculo da razão de refluxo mínima (Underwood)


- Simplificações :
- Vazões constantes
- αi = constante

Equações :

(α i * x F i )
Equação 1 : Σ
! =1−q
(α i − ϕ)

(α i * D * x D i )
Equação 2 : Σ
! = (L o)m + D
(α i − ϕ)

onde :
xF = fracas molar do componente i na alimentação
q = LF/F
Os valores de q para as diferentes condições térmicas da alimentação são:

q = 1, líquido saturado;


q = 0, vapor saturado;
0 < q < 1, mistura líquido mais vapor saturados;
q > 1, vapor sobreaquecido;
q < 0, líquido subarrefecido.
D = vazão de produto de topo
xDi = fração molar do componente i no produto de topo
αi = volatilidade relativa de i em relação ao chave pesado
(Lo)m = razão de refluxo mínima
ϕ = raízes da equação 1

Para obter (Lo)m :


1)Obter ϕ da equação (1) (αi, xF e q são conhecidos)
2)Obter (Lo)m da equação (2) (αi, De e xDi são conhecidos)
(α i * x F i )
! (ϕ) =
F − (1 − q)
(α i − ϕ)

(α i * x F i )
! (ϕ) =
F′
(α i − ϕ) 2
ΣF (ϕ)
ϕ (n) = ϕ (n + 1) −
ΣF′(ϕ)

* Calcular número mínimo de estágios (Fenske)


dLK bHK
l og[ * ]
dHK bLK
# min =
N
l og[α L K ]

* Calcular o número de andares teóricos (Gilliland)


Tendo o número de estágios mínimo (Nmin), a razão de refluxo (RR ou simplesmente R) e a razão de refluxo mínima (RRmin ou
simplesmente R), podemos calcular N. Faz-se o cálculo de X e então o de Y segundo as correlações :

Equação de correlação de Gilliard


I) 0 (<=) x (<=) 0,01 : y= 1,0 - 18,5717x
II) 0,01 < x (<=) 0,90 : y= 0,545827 - 0,591422x +
0,002743/x
III) 0,90 < x (<=) 1,0 : y= 0,16595 - 0,16595*x
Exemplo :
Suponha que 100 kmol/h de uma mistura (líquido saturado) contendo os componentes abaixo seja
submetida a um processo de destilação, qual deve ser a razão de refluxo mínima, o número de estágios
mínimo e necessários e a localização ótima do prato de alimentação.
Para o cálculo de ϕ, considere um chute inicial igual a 1,2. A

Componentes xFi F*xFi D*xDi B*xBi αi


C6 0,4 40 40 - 2,70

LK C7 0,35 35 34 1 2,22

HK C8 0,25 25 1 24 1,0


Utilizar 5 casas decimais.

Sendo liquido, a parte de (1-q) é nula, pois nesse caso q = 1

Fazendo o somatório :
F = 40+35+25 = 100 kmol/h
D = 40+34+1 = 75 kmol/h
B = 1+24 = 25 kmol/h
Confirmando : (100) = (75) + (25)

* Cálculo de  ϕ
Determinar  ϕn e  ϕn+1 até que os valores convirjam pra um valor só
O valor que vamos encontrar é o da volatilidade relativa do LK e HK, ou seja, deve estar entre a volatilidade
de ambos (2,2 e 1,0). Poderíamos iniciar com um chute que seria a média das duas volatilidades (se as frações
fossem iguais, seria 1,1), porém o chute de 1,2 foi dado já.

Utilizando o chute inicial de  ϕ0 = 1,2, para cada um dos componentes da tabela, temos :
αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

2,70*0,4 = 1,08 2,70-1,2 = 1,5 1,52 = 2,25 1,08/1,5 = 0,72 1,08/2,25 = 0,48

2,22*0,35 = 0,777 2,22-1,2= 1,02 1,022 =1,0404 0,777/1,02 = 0,76176 0,777/1,0404 = 0,74683

1,00*0,25 = 0,25 1,00-1,2 = -0,2 (-0,2)2 = 0,04 0,25/-0,2 = -1,25 0,25/0,04 = 6,25
ϕ1 = ϕ0 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)]
ϕ1 = 1,2 - [ (0,72+0,76176-1,25) / (0,48+0,74683+6,25)]
ϕ1 = 1,2 - [ 0,23176 / 7,47683]
ϕ1 = 1,169003

Utilizando agora o chute de ϕ1 = 1,169003, para cada um dos componentes da tabela, temos:

αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,53100 2,34395 0,70542 0,46076

0,777 1,05100 1,10459 0,73930 0,70343

0,25 -0,16900 0,02856 -1,47926 8,75288

SOMA : -0,03454 9,91707


ϕ2 = ϕ1 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ2 = 1,169003 - [ - 0,03454 / 9,91707] => ϕ2 = 1,17248
Utilizando agora o chute de ϕ2 = 1,17248, para cada um dos componentes da tabela, temos :
αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,52752 2,33332 0,70703 0,46286

0,777 1,04752 1,09730 0,74175 0,70810

0,25 -0,17248 0,02975 -1,44944 8,40354

SOMA : -0,00066 9,57451


ϕ3 = ϕ2 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ3 = 1,17248 - [ - 0,00066 / 9,57451] => ϕ3 = 1,17255

Utilizando agora o chute de ϕ3 = 1,17255, para cada um dos componentes da tabela, temos :

αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,52745 2,33310 0,70706 0,46290

0,777 1,04745 1,09715 0,74180 0,70820

0,25 -0,17255 0,02977 -1,44886 8,39673

SOMA : 0,00001 9,56783


ϕ4 = ϕ3 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ4 = 1,17255 - [0,00001 / 9,56783] => ϕ4 = 1,17255

Como podemos ver, ϕ3 = ϕ4 ou seja, o valor converge para ϕ3 = ϕ4 = ϕ = 1,17255

* Cálculo da razão de refluxo mínima


(α i * D * x D i )
Equação 2 : Σ
# = (L o)m + D
(α i − ϕ)

Fazendo a somatória para cada componente :

αi * D *xDi αi-ϕ (αi * D *xDi) / (αi-ϕ)


2,70 * 40 = 108 2,70 - 1,17255 = 1,52745 108/1,52745 = 70,706

2,22 * 34 = 75,48 2,22 - 1,17255 =1,04745 75,48/1,04745 = 72,061

1,00 * 1 = 1,0 1,00 - 1,17255 =-0,17255 1/-0,17255 = -5,795

(α i * D * x D i )
# Σ = 70,706 + 72,061 − 5,795 = 136,972
(α i − ϕ)

Substituindo : 136,972 = (Lo)m + 75 => (Lo)m = 61,972 kmol/h

Portanto, a razão de refluxo mínima é de :


RRmin = L/D = (61,972 / 75) = 0,826

Como a razão de refluxo deve ser igual a 1,5 vezes a razão de refluxo mínima, temos :
RR = 1,5* RRmin = 1,5 * 0,826 = 1,24

* Cálculo do número de estágios mínimo


dLK bHK 34 24
l og[ * ] l og[ * ]
dHK bLK 1 1
N
# min = = = 8,4
l og[α L K ] l og[2,22]

Ou seja, arredondando temos Nmin = 9 pratos

* Cálculo do número de estágios teórico

(R R − R R m i n) (1,24 − 0,826)
x! = = = > x = 0,1848
(R R + 1) (1,24 + 1)

Das equações de correlação de Gilliard (citadas na teoria):


II) 0,01 < x (<=) 0,90 : y= 0,545827 - 0,591422x + 0,002743/x
Substituindo em II, temos :
y= 0,545827 - 0,591422 * 0,1848 + 0,002743/0,1848 => y= 0,4514

(N − N m i n) (N − 8,4)
y# = = > 0,4514 = = > 0,4514 * N + 0,4514 = N − 8,4 = > 0,5486 * N = 8,8514 = > N = 16,13
(N + 1) (N + 1)

N = 16,13, ou seja, 17 estágios

* Localização ótima do prato de alimentação

M B x F, HK (x B, L K ) 2
l# og = 0,206 * l og[ * ( )*[ ] ]
P D x F, L K (x D, HK )

onde M = número de estágios acima do prato de alimentação


P = número de estágios abaixo do prato de alimentação

M 25 0,25 (1/25) 2 M
l# og = 0,206 * l og[ * *[ ] ]=> = 1,17
P 75 0,35 (1/ 75) P

Mas :
N = 1+P+M => 16,13 = 1 + P + M => P = 15,13 - M

Substituindo :

M
# = 1,17 = > M = 17,7021 − 1,17M = > M = 8,15
(15,13 − M )

Ou seja, 9 estágios acima do prato de alimentação

P = 15,13- 8,15 => P = 6,98


Ou seja, 7 estágios abaixo do prato de alimentação


O prato de alimentação é localizado em M + 1, logo


P.A. = M+1 = 9+1 = 10
F = 100 kmol/h
xD,A + xD,B + xD,C = 1 => 0,5 + 0,4375 + xD,C = 1 => xD,C = 0,0625

Componentes xFi F*xFi xDi xBi αi

A 0,4 40 0,50 0 2,7

LK B 0,4 40 0,4375 0,25 2,3

HK C 0,2 20 0,0625 0,75 1,0

A) Vazões de produto de topo (D) e produto de fundo (B)


Balanço de Massa Global :
F = D + B => 100 = D + B => B = 100 - D

Balanço de Massa para o Componente B:
F*xF,B = D*xD,B + R*xR,B => 100*0,4 = D*0,4375 +B*0,25


Substituindo, temos : 

40 = D*0,4375 +(100-D)*0,25 => 40 = 0,4375D + 25 - 0,25D => D=80 kmol/h

B = 100 - D = 100 - 80 => B= 20 kmol/h

Podemos agora preencher a tabela :


Componentes xFi F*xFi D*xDi xDi B*xBi xBi αi

A 0,4 40 40 0,50 0 2,7

LK B 0,4 40 35 0,4375 5 0,25 2,3

HK C 0,2 20 5 0,0625 15 0,75 1,0

100 80 20

B) A razão de refluxo mínima

* Cálculo de  ϕ

Utilizando o chute inicial de  ϕ0 = 1,15, para cada um dos componentes da tabela, temos :
F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi -
αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2
ϕ)

2,70*0,4 = 1,08 2,7-1,15 = 1,55 1,552 = 2,4025 1,08/1,55 = 0,69677 1,08/2,4025 = 0,44953

2,3*0,4 = 0,92 2,3-1,15 = 1,15 1,152 = 1,3225 0,92/1,15 = 0,80000 0,92/1,3225 = 0,69565

1,0*0,2 = 0,20 1,0-1,15 = -0,15 (-0,15)2 = 0,0225 0,20/-0,15 = -1,33333 0,20/0,0225 = 8,88889
ϕ1 = ϕ0 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)]
ϕ1 = 1,15 - [ (0,69677 + 0,80000 - 1,33333) / (0,44953 + 0,69565 + 8,88889)]
ϕ1 = 1,15 - [ 0,16344 / 10,03407]s
ϕ1 = 1,13371

Utilizando agora o chute de ϕ1 = 1,13371, para cada um dos componentes da tabela, temos:

αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,56629 2,45326 0,68953 0,44023

0,92 1,16629 1,36023 0,78883 0,67636

0,20 -0,13371 0,01788 -1,49577 11,18671

SOMA : -0,01742 12,30329


ϕ2 = ϕ1 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ2 = 1,13371 - [- 0,01742 / 12,30329] => ϕ2 = 1,13512
v
Utilizando agora o chute de ϕ2 = 1,13512, para cada um dos componentes da tabela, temos :

αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,56488 2,44885 0,69015 0,44102

0,92 1,16488 1,35695 0,78978 0,67799

0,20 -0,13512 0,01826 -1,48017 10,95445

SOMA : -0,00024 12,07347


ϕ3 = ϕ2 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ3 = 1,13512 - [ - 0,00024/ 12,07347] => ϕ3 = 1,13514

Utilizando agora o chute de ϕ3 = 1,13514, para cada um dos componentes da tabela, temos :
αi *xFi αi - ϕ (αi - ϕ)2 F(ϕ) = (αi * xFi) / (αi - ϕ) F’(ϕ) = (αi * xFi) / (αi-ϕ)2

1,08 1,56486 2,44879 0,69016 0,44103

0,92 1,16486 1,35690 0,78979 0,67802

0,20 -0,13514 0,01826 -1,47995 10,95121

SOMA : 0,00001 12,07026


ϕ4 = ϕ3 - [ ΣF(ϕ) / ΣF’(ϕ)] => ϕ4 = 1,13514 - [- 0,10371 / 9,99733] => ϕ4 = 1,13514

Como podemos ver, ϕ4 = ϕ3 ou seja, o valor converge para ϕ3 = ϕ4 = ϕ = 1,13514

* Cálculo da razão de refluxo mínima


(α i * D * x D i )
Equação 2 : Σ
# = (L o)m + D
(α i − ϕ)

Fazendo a somatória para cada componente :

αi * D *xDi αi-ϕ (αi * D *xDi) / (αi-ϕ)


2,70 * 40 = 108 2,70 - 1,13514 = 1,56486 108 /1,56486 = 69,016

2,30 * 35 = 80,5 2,30 - 1,13514 = 1,16486 80,5 /1,16486 = 69,107

1,00 * 5 = 5 1,00 - 1,13514 = -0,13514 5 /-0,13514 = -36,999

(α i * D * x D i )
Σ
# = 69,016 + 69,107 − 36,999 = 101,124
(α i − ϕ)

Substituindo : 101,124 = (Lo)m + 80 => (Lo)m = 21,124 kmol/h

Portanto, a razão de refluxo mínima é de : RRmin = L/D = (21,124 / 80) = 0,264

E é dado do enunciado que a razão de refluxo deve ser igual a 1,8 : RR = 1,8

C) O número de estágios mínimo


D, LK B, HK
l og[ D, HK * B, LK
] l og[ 35 * 15 ]
5 5
# min =
N = = 3,66
l og[α, L K ] l og[2,3]

Ou seja, arredondando temos Nmin = 4 pratos

D) O número de estágios necessários

(R R − R R m i n) (1,8 − 0,264)
x! = = = > x = 0,5486
(R R + 1) (1,8 + 1)

Das equações de correlação de Gilliard (citadas na teoria):


II) 0,01 < x (<=) 0,90 : y= 0,545827 - 0,591422x + 0,002743/x
Substituindo em II, temos :
y= 0,545827 - 0,591422 * 0,5486 + 0,002743/0,5486 => y= 0,2264

(N − N m i n) (N − 3,66)
y# = = > 0,2264 = = > 0,2264 * N + 0,2264 = N − 3,66 = > 0,7736 * N = 3,8864 = > N = 5,02
(N + 1) (N + 1)
N = 5,02, ou seja, 6 estágios

E) A localização ótima do prato de alimentação

M B x F, HK (x B, L K ) 2
l# og = 0,206 * l og[ * ( )*[ ] ]
P D x F, L K (x D, HK )

onde M = número de estágios acima do prato de alimentação


P = número de estágios abaixo do prato de alimentação

M 20 0,2 0,25 2 M
l# og = 0,206 * l og[ * *( ) ]=> = 1,15
P 80 0,4 0,0625 P

Mas :
N = 1+P+M => 5,02 = 1 + P + M => P = 4,02 - M

Substituindo :

M
# = 1,15 = > M = 4,623 − 1,15M = > M = 2,15
(4,02 − M )

Ou seja, 3 estágios acima do prato de alimentação

P = 4,02- 2,15 => P = 1,587


Ou seja, 2 estágios abaixo do prato de alimentação


O prato de alimentação é localizado em M + 1, logo


P.A. = M+1 = 3+1 = 4