Вы находитесь на странице: 1из 2

O Cristianismo E A Franco-Maçonaria

Eques ah Unionis Quaestu

M.E.S.A - C.B.C.S.

Considerado por uns como uma maçonaria elitista, uma super-maçonaria ou uma maçonaria
dentro da maçonaria, e visto por outros como um desvio, uma pára-maçonaria, uma
maçonaria marginal ou até mesmo uma "falsa maçonaria", o Regime Escocês Retificado, criado
por Jean Baptiste Willermoz na segunda metade do século XVIII, coloca aos membros da
ordem, assim como aos "maçonólogos" que o observam de fora, um enigma, tanto em razão
das suas origens quanto dos seus usos e, mais particularmente dos seus ensinamentos.

Sabemos que, como a Vida, única em suas fontes essenciais, e múltipla em suas manifestações
substanciais, a Ordem dos Franco-maçons, Una em seu projeto fundamental de erigir a Cidade
Ideal onde reinariam o Espírito e o Amor Universal, se fragmenta exteriormente num elenco
de ritos cuja diversidade, fonte de indiscutível enriquecimento, inscreve-se grosseiramente nas
heranças históricas e culturais dos membros que os praticam. Sem esta diversidade de formas
e usos pode-se apostar que a franco-maçonaria não teria atravessado vitoriosamente três
séculos de história no curso dos quais não lhe foram poupados golpes e provações tanto
internos, conventos tempestuosos, cismas..., quanto externos, anátemas pontificais,
hostilidade latente dos meios ditos racionalistas. Irmãos mantenham-se à direita, irmãos,
mantenham-se à esquerda...

Cada rito maçônico apóia-se numa corrente iniciática, que ele exprime com maior ou menor
sucesso e maior ou menor coerência no tortuoso dédalo dos graus sucessivos, cujo numero é
variável, e que se repartem em classes (lojas, capítulos, etc.) distinguidos por cores extraídas
da simbólica

o alquímica: azul, verde, vermelho, branco. Os três primeiros graus, os graus azuis, constituem
a passagem inicial comum a todos os ritos.

Quando de sua elevação ao terceiro grau, o novo Mestre Maçom aprende que a "PALAVRA"
perdida. E, tradicionalmente, a conseqüência infeliz do assassinato do Arquiteto Hiram Abif
por três maus companheiros. Se, como defendem alguns, como Ragom, o curso maçônico
deveria limitar-se aos três graus azuis , aprendiz, companheiro e mestre, constataríamos que
os maçons experimentariam um sentimento de frustração em sua fome, sendo a vocação dos
graus superiores justamente a de reaver a verdadeira PALAVRA que (de que serviria saturar-se
de perífrases evasivas?) foi trazida de volta e revelada pelo Cristo àqueles que têm ouvidos
para ouvir.

Em nome de um humanismo mal compreendido e mal digerido, a quase unanimidade dos


maçons se empenha em complicar - ocorreu um processo de valorização neste sentido, o que
é no entanto muito simples: Hiram morreu levando consigo a PALAVRA para o fundo de sua
sepultura; Cristo ressuscitou para nos devolver a PALAVRA (os gnósticos em seu tempo não se
equivocaram ao associar o Cristo ao Logos) e nos restabelecer em nossa dignidade prístina, a
de antes da prevaricação do Anjo. Neste ponto, o Regime Escocês Retificado, é o mais
esclarecedor. O quarto grau, o de Mestre Escocês de Santo André, fundamenta-se no
pensamento filosófico de Martinez de Pasqually e de Louis-Claude de Saint-Martin. Ele dá ao
HOMEM DE DESEJO as chaves da REINTEGRAÇÃO, e depois do parêntese capitular de
Escudeiro Noviço e de Cavaleiro Benfeitor da Cidade Santa.

Assim, o Regime Escocês Retificado representa o Centro de União de todos aqueles que
reivindicam o Cristianismo em sua pureza filosófica, de todos aqueles que compreenderam
que o Cristianismo é o ponto culminante da tradição ocidental, que ele é o "verdadeiro
humanismo espiritual" que a Franco-maçonaria "filosofal", assim como o martinismo, avatares
modernos da espiritualidade eterna, veicularam até os nossos dias.

Extrato da Revista Francesa L Initiation. Para saber mais sobre a Revista L Initiation em
Português, contate :www.gnosis-ed.com.br