You are on page 1of 5
VICENTE temas de matcmitiea, economia, pol fica scligiio. Fundador, com’ at naldo Gama e outros, do jornal ite: sisio A Pentrnta, al publicou, em va fos limeros, a ‘antl das'contr dligdes ccondmicas de Proudhon, caja também a subtileza de argumeneacso © 9 clogincia da expressio. Camilo Castelo Branco’ ataton AV" pee ‘motivo de wy actigo em A Peintda acerca do poder temporal do’ Papa 4 obea deAmorim Viana, Defers do Ravionalino ¢ Andie da’ Fe publi, cada erm 1866, um live inolviinel Unieo em Portogal, produto de luc dissimo e imortal espinite, O rah halismo optimista de‘A. V. nto sone traria'a £6, pols a tazio € propici dora das” Conviogdes rclallves “ao incmprecniel gute i Hie Hlosbficay isentaro’ de prsconcios Gxt gi ary ns 8 Ic sliberdade'e a eritien DS. ‘Vicente, Gil. A biografiado grande poeta “drsmético. portugues, fevants Arduos’ problemas, O. Nebildri de D, Anténio de Lima Pereita (m. crm 1582), que parece o mais seguro, dic nos Gil Vieente como nascide em Guimaries eiemio dum Provedar, sto ‘specificido, que tinha & aleunia de Topa-normurs. O naseimento deve tet ‘corrido por volta de 1463. Apés 4 demonstragio de. Braamcamp Ee difeil mio admitir a identacle do eta € do ourives Gil Vicente, Em 5 de. Fevereiro. de 1509, 0, Rel D. Manuel nomeia G. 'V., ousives Rainha 'D. "Leonor, ‘vkiva di D. Joao Th, pare o luge de redo dts ‘obras leveadae em ute ¢-p estino 20 Convento de Hogpital de Lisboa ¢ x Belém. Em 4 de Fev este mesmo ourives da Rainha D, Lec Dalonga da Casa da Moeda de Lisbon, fargo que desempenha ha ji algues tempo. No documento da nomeagio, uum funciondeio da Chancelatia ine? 1164 reve o seguinte resumo: Gil Views Ironaor ‘mie bolo, Es Gutubro"de 1513, am contato. de dloagio ostorgado’ pelos: verendones de Municipio de Lisbon informs de que G. V. cea um dos proviacorer Ge imeeres (em 2A de Bere 4e 1512, fora cleltotepresentante oe ‘usives Casa dos Vane ¢ Gusteg Em 24 de Setembro de 1515 0 Rei concede 20.000 ris 3G. V como iema, Filipe Borges Uma ts lf GBorges'era sem divide, ©. spel date de 6. V3), Ore. 0 donatiog Setembro’ de 1513 come pelat pf veas Gil Vie msi de bok Em 6 de Margo de 1516, D. Nas reve de Almelnin nob wecead io Munielpio de Lisboa ‘pede ie erainem um seer gu intermédio de G.V- A telba ea avamento deste iltimo na Casa de abandonado_o cargo em. principles do ano. Em 7 de Abril de 1517, 0 Rel declara’ no eu testamento: «nate que, se dee ao ‘motteico de Nossa Senhora de Belém'a custodie que fez Gil Vicente pata a dita casa, ¢ g cruz geande Pque “cata en ‘ysours que fes'o dita Gl Wee Rode Agosto de 1517, ane cane ‘eal configma a vend do sheet ftnete de bale seais® GrVis a partn de enti PO Novembro-Desemiro de 1 Gee into, reenter aE Gama ‘cnrada lend em abo terecia mulher de. Masel Big cedides nos anos de 1525 © 1990 Enfim, em 19 de Junho ds 1356 8,000 "is de avestiarian slo cones, didos a GV, aper seu flho Beka, Vicente. Sabe-se que, segundo Pa, Vicente, filho. do. poeta, 0. i nto vientino foi composto em 1856 em 29 de Janeivo de 1537 D. Jose lt de ‘escrivio segundo ds feitora a a crer, de aunlie a familia do poo Tecentementeflecdo, Sela come fon tum documento de 16 de Abril de 1540 mostra que o autor dow aver * Nie fllam na obea do poets alo teligioso da magalfica.custodia de Belém ¢ o.que te encontia em certs ‘tose moralidede de G. V. Apesat de" algumas. tentativas,” antiga '¢ modernas, para exagerat a culturs do poeta, nao parece que G, V. teaha frequentado 4! Universidade, nem se afigura que tenba aprendido 9 latin do Renaecimento, "Etave Tonge latina, Mas prineipalmente 0. dem no do eastelhano te tera dado acess a todas as portas da cultura teligiosa tuguesa (promovida pe otectora, a Raina D. Lead © edigio castethana da Vita Cori io tenha eventualimente consul modo” neahy que fs sendo compostos, ot diferentes vir, sobretudo depois de 1516, cram impressos soba forma de’ folhss olantes, Pouco antes de morrer, GV. metew ombros & empress. de Tcompilat» as suas obras completa, nas mal feve tempo pata reunie cet fhimero de folbas volantes e manus- Thitos, © de redigir a dedicatrin a Rei D. Joio Tl, A ecompilagion projectada £6 viria a see levada Eibo pelo flho Luis Vicente, e impressa em 1561-62, Entretsoro a ‘ensura inquisitorial, etabelecida em Portugal em 1536, comegara a ocupar Ja obra de G, V.10 Index de 155 mu sio totalmente proibidos, ou auto- fisados depois de expurgados (algun eles parece terem desaparecido por rmpleto). A atmosfera inquisitorial ra certamente mais favorivel quand: Thus Vieente dew a lume a sua edigio: certas das condenagses de 1551 mio Ho respeitadas e 0 Index de 1564 & a vieentina, Ni quer ol ca modifies fo do critério da censuea ¢ dificil io seconhecer a influéneia da Raia D, Catarina, de quem Paula Vicente ina do pocta, era amoga da cimaea» © certo € que o Index de 1581 con: terk gravet ameagas contra a obra vicentina e, a partie de fora inquisitorial comesard spor a tratos # obra do maior pocta por tugués. Pela livro de Braameamp Freire podemos darnos conta dos sucessivos resultados do. insensat encarnigamento das Tnquisigdes por tuguest e espanhols, A atieude mais ‘93 menos yoluntiriamente favorivel dda censura em 1561-62 nao garante, infelizmente, a autenticidade da Cops lizada por Luls Vicente Como provow de modo irrefutivel a comparagio com a sinfea folha volante do tempo de G. V. hoje consetvada, © filho do poeta (que Confessa terse arrogado a missio dle apurar os textos que recolhera) matilom gravemente a obra do genial trovader-mestre da alana ‘Quando G. V, funda verdadeira mente 0 teatro liteirio portugues Alm doe tentames dramiticns que ihe oferece a Tteratura espanhola, seo) Tepesnagocs lin de iatgico profundamente vineado, a par de abundante repertorio comico, em dlavida algama de feigio impro: VICENTE osto A Lt EDIGKO DAS OMAS DE lL VICENTE visada © niositeritia, A tudo isto destas txés eategorias nfo foi a cortesios part os quais E, Asensio thamoa de novo a atengio aquando ‘congresso na Bait (1986). Niu texto que data verosimil mente de 1522, G. V. distingue tres categorias nas suas obras: wcomedias, Fargas y moralidadess, A génese Partindo da clogs salmantina de Joan del Encina ¢ Lucas Feenindez, ‘ poeta descobre, a partie de 1510, ts possibilidades ‘cénieas do simbo- lismo etistio medieval, Em poucos anos, G. V. vai condutie 0 aio de ‘moralidade aos cumes que constituem 1165 VICENTE Efe aued prefentefoy feyto aa muy deuotaRrynha dona Lianor,8e r:prefentade aomuyeo poderofo & no bre Rey dom Emmanuel fev yrmio por fermandado, na Cidade de Lisboa nospagosdaribeyra em anoytede endoengas,Etado Seahor deM. D, & viij. ‘AUTO DA ALMAY (iw FCORLAGAME, EDIGKO BE 1586), os trés Autor das Barcat (v.) © 0 Ante da Alma (s.), Esta admicével ‘iagio vicentina, desaproveitada em Portugal, bi-de frutifear em Espa nha, dando 0 magnifico floresci- mento do ante saeramental Gil Vicente eria 2 farsa literiria Portuguesa em 1509 pelo golpe d mestre que constital 0 wo de India (v.), autéaticn obra-pritna que quase atinge a craveira “do. Auto ints Perera (1823) (.). FE por volta de 1514 que entra em contacto ‘com a obra, eenicamente mais adian- tada, do espanhol Torres Nahatro, 1166 Das diversas modalidades da comedia 4 fantasia de Nabarro, G. V. poderia ter aproveitado uma concepsio teatal ‘mais moderna: nio 0 fez, todavia. Mesmo 0 Auto de Dom Duardes 6 mais uma obsa-prima da «poesia ‘dramética» que uma abra-prima pro. Priamente teatral. O poeta e 0" seu Piblico, eujo gosto havia sido for. ‘mado pelos momee, ficarsm prisio nicitos da alegoria que iavadira fo apenas a comédia mas também a farsa. G. V. abandonow ripidamente ‘a comédia romanesea ( Do Duarder, Comédia do Vito, ‘Amadis de Genta), Freire ¢ de Oscat de Pratt, o autor i at Pa 1510) — td oe chants tS sg Nae Ex dine ene