Вы находитесь на странице: 1из 15

O que fazer nas primeiras

sessões?
Ideias e habilidades para o início
da clínica
Paulo Aguirra (CRP: 01/19669)
O que faz um psicólogo clínico?

● Objetivos da clínica;

● Formas de atuação;

● Clínica AC;

● Ferramentas do psicólogo AC;

● Qual a técnica?
Os primeiros atendimentos
● Quais as habilidades precisamos para iniciar um atendimento?

○ Escuta;

○ Postura empática;

○ Atenção;

○ Aceitação;

○ Respeito;

○ Vínculo.

Mas como fazer isso?


O comportamento do clínico como ferramenta
Cliente Sd R C

Clínico Sd R C

Cliente Sd R C

Clínico Sd R C

... ... ... ... ... ... ...

... ... ... ... ... ... ...

O cliente só vai na clínica quando VOCÊ está lá!


As habilidades existem na relação terapêutica
Cliente Sd R C

Clínico Sd R

● Escuta, Postura empática, Atenção, Aceitação, Respeito são descrições de


relações entre o comportamento do cliente e o comportamento do
clínico.
Escutar
● É interagir com aquilo que é dito:
○ Quando o paciente usa aquela linguagem?

○ Cada tipo de linguagem que o paciente usa foi selecionada em ambientes específicos por
consequências específicas;

○ O paciente se descreve de forma diferente em contextos diferentes;

○ Com quem ele fala dessa forma? Como é consequenciado?

○ Como é o paciente que vem de encaminhamento psiquiátrico?

Escutar é comportar-se de acordo com o que é dito pelo paciente.


Postura empática
● É aprender a língua do paciente:

○ Assim como no atendimento infantil, precisamos aprender o que o paciente quer dizer
quando usa as palavras que usa;
○ Rapport:
■ concordância, conformidade, harmonia
(https://michaelis.uol.com.br/moderno-ingles/busca/ingles-portugues-moderno/rap
port/);
○ É fundamental que exista acordo sobre o que é dito antes de começar análises e
intervenções;
○ A linguagem da sessão é construída durante as sessões na relação clínico-cliente.

● Quando eu não reparei cansaço…...


Atenção
● Atentar é estar sob controle de Sd’s específicos.
● Atentar na clínica é emitir respostas diferentes para Sd’s diferentes

Cliente Sdx R1 C1

Clínico Sd1 R1

Cliente Sdy R2 C2

Clínico Sd2 R2
Aceitação
● É responder ao comportamento de RELATAR do cliente (inclusive aos
comportamentos não vocais) e não ao conteúdo relatado:
○ Seja qual for o conteúdo relatado pelo cliente, dificilmente é uma situação presente
(dentro da sessão). O relato não é a situação relatada.
○ Responder ao comportamento de relatar pode ser mais importante que responder ao
conteúdo do relato. Ex:
■ Abuso / Abusador;
■ Violência;
■ Fragilidades e Exposição de fraquezas;

“O poder do tato!”
Tato, estar sob controle das características dos
estímulos presentes
Cliente Sdx R1 C1

Clínico Sd1 R1
Relato das
propriedades,
qualidades,
especificidades
nomes do SD

Obs: Para haver tato é necessário haver acordo entre cliente e


clínico sobre os significados das palavras.
Respeito
● Todos somos prisioneiros das nossas histórias;

● As emoções são respostas das nossas experiências em contingências


presentes;

● Tanto a felicidade quanto o sofrimento são descrições dessas


contingências;

● O cliente já luta contra suas dificuldades fora do consultório, trazer a luta


para dentro da clínica é contra-producente.
Vínculo
1. O que ata, liga ou aperta; atadura, liame, nó.
2. O que estabelece uma relação lógica ou de subordinação.
3. O que liga afetivamente duas ou mais pessoas; relação, relacionamento.
4. O que restringe ou condiciona (algo).
5. (FÍS) Existência de uma condição que limita o movimento de um sistema
físico.

http://michaelis.uol.com.br/busca?id=la5DK
Vínculo
● Geralmente, pacientes não possuem repertório para emitir
comportamentos que atendem os critérios de contingências sociais;

● Atendimento de saúde provê consequências específicas e de difícil acesso


sem as exigências sociais e protegido (sigilo) das contingências sociais
punitivas;

● O vínculo é formado na relação de acesso a consequências críticas das


quais o cliente está privado

“Relação terapêutica é a única que quando dá certo acaba.”


Análise clínica e intervenções
● Para fazer análises pertinentes é necessário desenvolver uma relação
com o cliente que permita o controle de certos comportamentos, sejam
verbais, ou não;

● A relação terapêutica é base necessária para uma boa coleta de dados e


desenvolvimento de intervenções apropriadas;

● Compreender o caso, e nivelar a intervenção ao repertório do cliente


previne erros e frustração, aumentando as chances de sucesso do
processo psicoterápico.
Obrigado!

Paulo Aguirra - (61) 98167 8407