Вы находитесь на странице: 1из 14
we, Boveniev, Maw f asda confeavaclora as des: val ladles : Boe flew a escola ie & cultura. Sn. Esculo de & dalages, ! y - go Q tomando o sistema escolar como um fator de mobilidade social, foctis Vases 2003, tomando 0, ie 2 beradora”, quando, a0 corral, a ae nee tudo tende a mostrar que ele é um dos fatores mais eficazes de p 11-69 [Ty consereacto socal pois forece a. aparéncia de Tegitimidade ds dest qualdades socio nciona a] lt dom social tratado conio dom natural zi “Justamente porque os mecanismes de eiminagéo ager durante todo [Ey caursust, esto apreendero efeto desses mecanismasncs ous mais tlovados da carreira escola. Ora, vé-se_nas oportunidades de acesso 20 tneino superior 0 resultado de ura selego direta ou ndireta que, 20 longo dia oscolardade, pesa_com rigor desiqual sobre os sujltos das diferentes classes sociais, Um jover da camada superior tem oitenta vezes mais Chances de entrar na Universklade que o filo de um assalariado agricola tequarenta vezes mais que um filo de operario, e suas chances so, ainda, Guns vetes superiores Aquelas de um jovern de classe média'. E digno de hota o fato de que as insituigBes de ensino mais elevadas tenham também DO recrutamento mais arstocratico: assim, os filhos de quadros superiores de profssionais liberals constituem 57% dos alunos da Escola Politécnica, 54% dos da Escola Normal Superior (freqUentemente citada por seu te- crutamento “democratico"), 47% dos da Escola Central e 44% dos do Instituto de Estudos Politicos, ice ze Mas no &slcente ers fat da desqualade ante da scl, & oe ecssio deserver os mecanismos ches qe determina a cininagio wi Satinua das etancas desfavorecidas. Parece, com efeto, que a explicagSo ho seciolgica pode escarecer completamente as diferengas de eito que 5° cn teks reqlentemente, 3s dferengas de dons. A agio do prsligio fullural 25 & petcebida, na rior parte das vezes, sob suas fomms mais ‘ossciras, isto é, como recomendagbes au rekagdes, ajucla no ‘trabalho escolar ‘ou ensino suplementar, informagéo sobre o sistema de ensino e as perspec: tivas profissionais. Na realidad, cada familia transmite a seus filhos, mais. por vias indietas que diretas, um certo captalcultural ¢ wn certo ethos 4107s Optomos por manta. na taba, 2 expreso lana “crs” erpregad plo itor pra dete percro inci os menos go, nese ov neque ame de eno, nese roca “EzRinnowal eed plo shno oo bg de sa earra clr 1.€1 P, BOURDIEU «J.C PASSERON, Les Hénties. Par Eton de Minit, 1964p. 14-21, a1 re das criances diante da experitncia escolar e, conseqilentemente, pelas taxas de @ ri A TRANSMISSAO DO CAPITAL CULTURAL A inflyéncia do capital cultural se deixa apreender sob a forma da rela s-constaiada, entre o nivel cultural global da familia ‘@xito escolar da crianga. A parcela de “bons alunos" em uma amostra daqunta see cesce an kno do rend de sn ais, Pal Cte mostion ‘que, com diploma igual, a rend nfo exerce nenfruma influzncia propria sobre o axilo esceler e que, 90 conrério, com renda-igal.a-proporgéo.ce.bons ‘alunos varia de maneia signficatwa segundo o panda seja diplomado ou sca, bachiclier", © que pemnte conclur que » agi do meio familar sobre o éxito escolr € quuase 0% ual. Mais que os diplomas obtides pelo ‘af RE Tem tse tho de execlerdede coe cle somal Grivel cultural global Sorarapo Tamilar que mantémm a relacko mais estreifa com éxito escolar dh crianca.“\inda que 0 éxito escoler pareca ligndo iqualmente ‘20 nivel cultural do pai ov da mie, percebemrse ainda variagoes significa- tivas no éxito da erianga quando os pais so de nivel desigual _Aanilse dos casos em que 0s niveisculturais dos pais sio desiguats no deve fazer esauecer que eles se.enconiram freqiienterente ligados (er razo in hopgiana de Geel cos urge Gran Gl eT ee Tivel cotural dos pais so cumulativas, como se v8 na quinta série, em que (65 flhos de pais fitulares lo haccalauréat obtém uma taxa de éxito de 77% contra 62% para os fihos de um bachelier e de uma pessoa sem diploma; 9 dene s2 manifesta mis ident ands nos rms mais eds do cursus. Uma avaliacio precisa das vanfagens e das desvantagens transmi- = pelo nvio familiar deveri lovar em conta ente o nivel eulral ‘do pai ou do tie, as tainbém o dos am faxniia(etambém, ser 0 Assim, conhecimento que os estudantes de let pelo nimero de pegas de teatto visias) se hierarquiza nerfeitamente Sequndo a categoris soeioprofissional do pai ou do avd seja mais elevada, neclda gue a calegoria socioprolissional do pai e do avé se elevam N07, fos io fas, pason i cmc erm race setae secs e oman sa, fins it Bpceinar (Torna ara, Uae) ei Haga Mra 3 Tetivcato, ns pt em ranets, lesan, ao ness fro. es aH 8 Bela confers. fsb cele ensina de 3 2.1 P-CLIRC. “1a anil anton sre awison save Fate ean 1963 done [oghnaive pesos Pipes Dae mavetenta de ODE. pe 7-6 42 conjuntamente; mas, por outro lado, para um valor fixo de cada ua dessas varidveis, a outra tende, por si s6._a hierarquizar_os. ‘escores’. Assim, em Vrlude da lentidso do processo de acuituracio, diferencas sulis ligadas as ntigiddades do acesso & cultura continuam a separar individuos aparente mente iguais quanto ao éxito social e mesmo ao éxito escolar. A nobreza cultural também tem seus graus de descendéncias. ‘Alem disso, sabendorse que a residéncia parisiense ou provinciana (la propria fortemente figada a categoria socioprofisiona do pal) esté também [ssociada 8s vantagens e desvantagens culturais cujo efeito se nota em todos os selores, quer se trate de resultados escolares anteriores, de prticas @ de conhecimentos culturais (em matéria de teatro, rnisica, jazz, ou finema) ot ainda da faciidade lingtistica, vé-se que a consideragao de umn Conjunto relatluamente restito de variéveis ~ a saber, o ni antepassados da primeira e da segunda ‘ea residéncia = permite ‘variagSes mais importantes do éxito escolar, mesmo em um nivel elevado do cursus. 7 E até mesmo possivel que a combinagao desses crtérios permita ccompreender as VatiagGes observadas no interior de grupos de estucantes, homogeneos em relago a categoria socioprofissional de origems: € assim ‘que os jovens das camadas superiores tendem a obter regularmente Tesultados que se distribuem de maneira bimodal, isso tanto em suas praticas e seus conhecimentos cbiturais quanto na sua capacidade para a Compreensio e 0 manejo da lingua (um terco deles se distingue pelos desempenhos nitidamente superiores ao resto da categoria). Uma analise ‘multivariada, levando em conta no somente o nivel cultural do pal @da_ nde, 0 dos avis patemos e matemos @ a residéncia no momento dos ‘Gludos superiores e ditrante a adolescéncia, mas também um conjunto de~ Caracteristicas do pasado escolar, como, por exemplo,.0-tamo clo curso ‘ecundtio (issico. modem ou outro) ¢ 6 tipo de estabelecimento (colégio ‘ou lice, insttuigao piblica ou privada) -permite explicar quase inteiramen- tes diferentes graus-de éxita obtidos pelos diferentes subgrupos definidos_ pela combinacéo desses criterios; e isso sem apelar, absolutamente, para ‘bs desiqualdades iatas. Conseqtlentemente, um modeto aus eve san-cont rentes varifveis — e fambem as caracteristicas demogtaticas. do, {grupo familar, como 0 tamanho da familia ~ permitria fazer um, edlculo Thuilo preciso das esperancas de vida escola. ‘Da mesma forma que os jovens das camadas superiores se distinguem por ciferencas que podem estar lgadas a diferengas de condigéo social, Tamban us flhos das classes populares que chegarm até. ensino simperior parecem pertencer a familias que-diferem da média de sua,cateaorin, tanto ‘por seu nivel cultural global como. por seu.tamanho: dado que, como 2 ‘iu, as chances objetivas de chegar ao ensino superior sto quarenta vezes 3. C1 P-OURDIEU €4-C, PASSERON, Les cudiants et lev études, 2 pare. 1. 96.9. 43. snais fortes para un jovem de camada superior que para um filho de operirio, podersea esperar encontrar, numa poptlagio de estudantes investigada, a mesma reago (40/1) entre o nimero médio de individos com estudos superiores nas familias de estudantesfilhos de operarios enas familias de estudantes das camadas superiores. Ora, numa emostra de > estudantes de medicina, o nlmero médio de membros da feria extensa jprign ate fzeram ou fazem estos superiores néo vara sendo de 1 a 4 entre (> Ss estudantes oriuncdos das lasses populares @ os estudantes oriundos das camadas superiores. A presenga-no.circulo famifar-de-pelo-menas um ente que tenha feito oi esteja fazendo curso superior testemunha que {Gas fenilias apresentam urea situagao cultural original, quer tenis sido aletadas por uma mobilidade descendente.ou tenham uma atitude frente a ascensio que as distingie lo conjunto das famiias de sua categoria Prova indivela do fato de que as oportunidades de chegar 20 ensino secundirio ou superior ¢ as chances de ser bem sucedido s80 fungéo, fundamentaimente, do nivel eukural do meio fariar no momento da ea? entrada na quinto série sto &, quando a agio homogeneizante da escola 10/1 |e do meio excifar nao se exerceu por muito tempo) femne-la na Fato de as pit desiguallades de axito enlre criancas francesas ¢ criangas estrengeltas serem quase fotaknente expliciveis pelaseilerengas na composigso social dos dois grupos de famtins. Com nivel socal igual, as criancas estrangeras 3” tern um nivel de éxito sensivelmente equivalente aquele das crianges fran- 2 cesns: com eleilo, se 45% dos filhos de operstios franceses contra 38% ce \ados hos de operitios estrangeirosentram na quita série, pode-se super VAT ee nn bon pte ces erence Gelavemente mina) & impute 0 oP ppt fato de que os nperdrios estrangeiros tém uma taxa de qualificaglo menor Rip 7 Xa do.que os operanis franceses' 90° Nw nu de eu dos moos do ordi eta ete we ais fi m sobre as vias de, Tansmissio. As pesquisas sobre os estudantes das faculdades de Tetras “Tendenra Mostrar que a parte do capital cultural que & a mais diretamente renlavel na vila escolar é consiitulda pelas informagées sobre o mundo Universiirio ¢ sobre 0 cursus, pela faciidade verbal ¢ pela cullura livre ackinivida nas experioncins extravescolares. ‘As desiquaklales de informacie so por demals evidentes ¢ conheci- das para que haja neeessidae ce recordé+las mais longamente. Conforme Paul Clerc, 15% das familias ce akmos dos C-E.G. (colégios de ensino geral chio reerntaniento & mais popular que @ dos Keeus) iqnoram 0 nome do 4.0 CLERC: “Nansen a Teetation selare a moment de Fantie on sin Le Shesile uaa carte, Ppl, Paes ano Mezco 1A. BT a4 @ Q Fceu mais préximo, atingindo essa taxa 36% entre as familias dos alunos da classe de fim de estudos primétios. O licey nao faz parte do uni concreto das {familias populares, ¢ & necesséria uma série continua d sucessos excepcionais ¢ conselhos do professor ou de alum membro.da farnilia para que se cogite de enviar paralé.a crianga. Ao contréro, ¢ todo tr capital de informagBes scbre o cursus, sobre a siqniicacéo das grandes fecalhes da quinta série, da sélima ou das classes terminais.do-ensino_ Secundario, sobre as carrelras futuras e sobre as orentagdes.que.normal- “mente conduzem a elas, sobre o funcionamento do sistema universitaio, Sobre a significagio das resultados, as-sangles.<.as.recompensas. ue 25 gas das classes cults investern em suas condutas excolares. ‘As eriangas oriundas dos metos mais favorecidos nao deve 20 seu meio somente os habitos e treinamento diretamente uillzaveis nas tarelas txcolares, 2a vantogem mais importante no éaqucla que retiam da ajuda deta que seus pals hes possam dar’. las herdam também saberes eum. avoir faire”), gostos ¢ um "bom gosto”, cuja rentabildade escolar & tanto maior quanto mals freqiientemente esses imponderaveis da atitude x50 dtrbuidos a0 dom. A cultura “livre”, condigSo implicita do éxito em certas ameiras escolares, é muito desiqualmente repartida entre os estudantes Lniversitérios origindrios das diferentes classes sociais e, a fortiori, entre fs de liceus ou 05 de colégios, pois as desiqualdades de selecio ¢ a aco homogeneizante da escola nao tizeram sen8o reduzir as dilerencas. O privilgio cultural toma-se patente quando se trata da famiiardade com bras de arte, 2 qual sO pode advir da freqdéncia regular 20 teatro, 20 ‘museu ou a concertos (lreqdéneia que no é organizada pela escola, ou 0 ‘eomente de manelraesporédica), Em todos os dominios da cultura, teatro, tmisica, pinlura, jazz, cinema, os conhecimentos dos estudantes sio tio mais ricos e exlensos quanto mais elovada & sua ofigem social. Mas @ particularmente notavel que a diferena enire os estudantes ortundos de rmeios diferentes seja tanto mais mercada quanto mais se afasta dos dominios diretamente controlados pela escola; par exemplo, quando se passa do tealro cléssico para o tealro de vanguarda ou para 0 teatro de boulevard, ou ainda, para a pintura que nio € diretamente objeto de ensino, ot para a rsiea léssica, 0 jazz ou o cinema, Se 0s exercicios de compreensio e de mano da lingua escolar no dleixam aparecer a relagio dicta, entre os resukadlos © a origem social dave s@ observa comuimente ein ‘outros dominios, ou se acontece, até ‘mesma, jue a relagSo parece inverter'se, isso nao deve levar & conclusio de que, nesse dominio, a desvaniagem seja menos importante ave em 5.17 CLERC dena gins exec eo po sabre ao de cies als Frese ote mes eevee cain pong ra horn sot sm aie esa on Bae live ete» elem dh tterongn dos poi #0 era de xo eee La oll «t [iesoton esa a esse eine fe, ps 63596) 45