Вы находитесь на странице: 1из 17

Emotions and Culture

2 Emotions and Rationality

People tend to believe that emotions make us do irrational things. But emotions must
be beneficial. Otherwise natural selection would have eliminated them. Emotions are
conscious experiences, but they seem immune to conscious control (one cannot decide
to feel guilty, jealous, joyful,...).

3 Emotions are valuable functions in linking motivations to thought and action. E.g.:
one avoids actions which make one feels bad, one pursues positive emotions.

Among cultural animals the emotional system is highly plastic. E.g.: one feels sad about
one’s team result, envious about someone’s car, …. Thus culture can influence people’s
behavior.

4 The nature of emotions

emotions vs. affects: The former are complex, the latter are simply positive or negative
feelings (anxiety, anger, jealousy, … are all grouped together as negative affects).

Affects are fast reactions, while emotions can take some time to develop.

5 Affects seem linked to the automatic mind while emotions seem more closed to the
conscious system.

Emotions are usually conscious experiences. Affects can occur at the margin of
consciousness.

6 Emotions have two components:

(i) physical arousal and (ii) mental label. The arousal doesn’t produce an emotion
but it makes it likely to be felt. The mental label is based on how one interprets the
situation and thus determines which emotion will be felt.

7 The temporality of emotions

Emotions are triggered by changes and departures from the status quo. As such they
help drawing one’s attention toward something that just changed.

Affect is one important component of attitudes. So attitudes toward most things can be
assessed on a scale with one dimensional rating: liking vs. disliking.

8 The human psyche has two separate emotion systems, one for positive and pleasant
emotions, the other for unpleasant ones. This reflects a mixture of contradictory
patterns: one cannot feel good and bad simultaneously.

Another dimension of emotions is high/low arousal (e.g. sadness is low in arousal). .


9 Emotions and Cultural Differences

People from different cultures can translate emotion words and recognize facial
expressions of emotions. Thus some aspects of emotions are universal and innate.

Innate emotional tendencies: babies express various emotions long before they could
learn them (e.g.: blind babies smile when happy).

10 Facial expressions

They “translate” the natural innate part of emotions.

Culture Can teach people to conceal their feelings. E.g.: people don’t maximally
express their facial expressions.

11 The role of culture is not to create emotions but to restrain and conceal them.

Culture can use emotions to control behavior insofar as it can teach people to have
various emotional reactions to some particular events.

12 The purpose of emotions

Emotions help to evaluate events in helping to compare current circumstances to


some goals or standards. They typically use one’s needs and wants as the basis for
evaluation. So emotions appraise events as good/bad depending of one’s strivings.

13 Emotions communicate from motivation to both cognition and action. They help
keeping the cognitive system focused on things that matter.

14 Emotions and Belongingness

Emotions operate to guide and support the effort to belong. Positive emotions are
linked to forming/upgrading relationships. E.g.: unpleasant emotions coming from
damaging or breaking off relationships.

15 Anxiety

It’s the most powerful form of emotional distress. Two main categories: (i) less
common and less powerful is the fear of death and accident;

(ii) more powerful and common is the fear of social exclusion (e.g.: rejected by loved
ones, by partner, …).

Shyness and social anxiety often have the effect of making one avoiding other people
for fear of being rejected.

16 Emotions link motivation and cognition

Emotions force people to think about things that matter (as defined by one’s wants
and needs). One doesn’t have emotional reaction about things one doesn’t care about.
17 Mental effect of emotional arousal

During emotions one is alert and typically focused on the present. One performs
better at an intermediate levels of arousal. No arousal means indifference while high
arousal can be disruptive.

18 Emotions get the body ready for action and arise in connection with the image of the
anticipated outcome. As such they help planning. Yet the emotional system doesn’t
distinguish well between different probabilities.

It works on the definitely/maybe scale without recognizing the varies scales of


maybe. This facilitates quick actions.

19 Emotional distress makes people react quickly, ignoring risks and focusing merely
on the outcome. Hence emotions don’t always produce the optimal outcome.

20 Emotionless people

Patients (with brain damage) lacking emotions find it difficult to make up their mind.
They’re unable to make choices.

The thinking system merely contemplate and envisage plenty of ideas and potential
outcomes, but it is unable to evaluate them. E.g.: a patient was unable to chose among
two dates and he finally accepted the doctor choice.

21 Emotions are vital for evaluation.

Evaluation is done by reference to what is important (considering the people’s set of


wants and needs). Emotions are a crucial link between motivation and cognition.

22 Planning

Anticipated emotions enable people to compare and chose among various options that
seemingly have noting in common. E.g.: should I go for a walk, watch the game, do the
homework, clean the house,…? The option that promises the best emotional outcomes
is probably a good choice.

23 Nature furnished us with some way to chose among multiple diverse outcomes and
to make of rational analysis a good guide. Otherwise cultural animals would freeze up at
all sort of dilemma, like a computer lacking the program enabling it to select the data.
Choosing by effect and emotions is a remarkable solution to the design problem.

24 Emotions and Actions

Emotions prepare the body for action (more blood and thus more oxygen is sent to
the brain and muscle so one notices more, focuses, …). But emotions don’t cause
behavior in a direct and reliable manner. Behavior is based on the outcome.

25 Emotions affect behavior only insofar as they affect how people process information
and envisage potential outcomes. It is thus wrong to think that emotions’ primary
function is to be the initiators of behaviors and even more wrong to think that they
trigger behavior. Emotions are an important consequence of behavior rather than a
cause.

26 Emotions and Learning

Emotions contribute to learning and, therefore, future actions benefit from past
experiences (i.e., past emotional outcomes). Without emotions people may fail to profit
from experience.

27 Fear

It may be the best candidate for the view that emotions directly causes action. But in
most of the cases people don’t react fast enough when they face a dangerous situation.
Fear like most emotions may be slow to rise. One often feel fearful after one faced a
dangerous event or situation.

28 Guilt

It is a good example showing that behavior pursues emotions. Guild doesn’t directly
make one to move one’s body; guilt comes after one has done something wrong.
Emotions stimulate counterfactual thinking, i.e. imagining events and outcomes that
differ from reality. This is ideal for learning and planning.

29 People experience emotions when performing new, unfamiliar actions (routine does
not stimulate emotions). Habitude and routine do not generally require learning, while
new and unfamiliar actions are linked to learning. Thus emotions can facilitate
learning by making people think and analyze their recent actions.

30 Learning based on emotions is highly suited for a cultural animal who


understand action within a system of values, expectations, communications, etc..

Emotionless people’s reactions are often bad and they tend to engage in dangerous
behaviors, for they don’t fear the outcome and the emotional reactions. The effect of
emotions is to consolidate one’s lesson so as to influence future behavior.

31 Studies on sadness show that sad people are more likely to engage in helping.
Sadness seems to influence behavior. A better explanation may be that sad people
engage in helping to feel better. If this is the case we have behavior pursuing
emotions. Sadness leads people to helping only if the sad one thinks that helping will
change her mood. Helping is a strategy for bringing about a change in one’s emotional
state.

32 Aggression is also done for the sake of improving one’s mood.

Angry people tends to behave more aggressively because they think that aggression
make them feel better. But if angry people are told that they got a mood-freezing pill
they don’t act aggressively. Again, one behaves in order to change one’s mood.
33 Depressed people eat more cookies and junk food than happy people because they
expect the food to make them feel better. Again, the patterns is behavior pursuing
emotional outcomes.

34 Representation of emotions

The ability to represents other people emotions is as important as mindreading.

Deficit in this ability (e.g. autism) may result in devastating social impairments.

35 Feelings (cf. Damasio. 1994. Descartes’ Error)

It is wrong to consider the working of the brain and mind as separate from the
working of the body. The mind is part and parcel of the body. E.g.: background
feelings, i.e. the underlying awareness of the state that your body is in.

36 Background awareness depends on the various neuronal and hormonal signals


arising from the body organs (skin, hearth, …) that are sent to and processed by the
brain. These signals provide a continuous update on the changes that your body state
undergoes. These background feelings provide our sense of ‘self’.

37 We process information emanating from our entire body. Hence, we wouldn’t be the
same person if our brain were transplanted in another person. For the body would
provide different information.

38 On top of background feelings we also have stronger feelings arising when we


experience emotions in response to particular events. New born babies tend to show
only primary emotions (e.g. fear) which are innate and pre-organized.

As we grow we develop and make more use of secondary emotions which are
primary emotions tempered by experience. Emotions become associated with
particular experiences. Thus their link with learning.

39 Somatic markers (Damasio 1994)

They are a special category of secondary emotions and are used in decision making
(often unconsciously). They can function either as alarm bells (in the case of a negative
somatic marker such as fear or sadness) or add incentive (positive somatic marker).

40 Somatic markers can speed up the process of decision making by ensuring that only
the most reasonable options are considered. They may be an integrated component of
our theory of mind by biasing our mindreading abilities toward the most appropriate
predictions for other people behavior and mind states.

41 Peptides

Are neurotransmitters produced in the brain. They are also active in the human
immune system and endocrine system. Hence, they participate in the constant
relationship between the brain and the body.
42 Brain and emotions (cf. LeDoux. 1994. The Emotional Brain)

Information is transmitted to the brain in two distinct ways:

1. “quick and dirty” route via the amygdala: this is unconscious and trigger
instinctive responses

2. via the cortex: this produce conscious awareness of the emotion (e.g. feeling of
fear).

43 The cerebral cortex is a brain structure in vertebrates.

In non-living, preserved brains, the outermost layers of the cerebrum has a grey color,
hence the name "grey matter". Grey matter is formed by neurons and their unmyelinated
fibers while the white matter below the grey matter of the cortex is formed
predominantly by myelinated axons interconnecting different regions of the central
nervous system. The human cerebral cortex is 2-4 mm (0.08-0.16 inches) thick and
plays a central role in many complex brain functions including memory, attention,
perceptual awareness, "thinking", language and consciousness. (Wikipedia)

45 The amygdala are almond-shaped groups of neurons located deep within the medial
temporal lobes of the brain in complex vertebrates, including humans. Shown in
research to perform a primary role in the processing and memory of emotional
reactions, the amygdalae are considered part of the limbic system. (Wikipedia)

46 In complex vertebrates, including humans, the amygdalae perform primary roles in


the formation and storage of memories associated with emotional events. Research
indicates that during fear conditioning, sensory stimuli reach the basolateral complexes
of the amygdalae, particularly the lateral nuclei, where they form associations with
memories of the stimuli. The association between stimuli and the aversive events they
predict may be mediated by long-term potentiation, a lingering potential for affected
synapses to react more readily. (Wikipedia)

47 Memories of emotional experiences imprinted in reactions of synapses in the lateral


nuclei elicit fear behavior through connections with the central nucleus of the
amygdalae. The central nuclei are involved in the genesis of many fear responses,
including freezing (immobility), tachycardia (rapid heartbeat), increased respiration, and
stress-hormone release. Damage to the amygdalae impairs both the acquisition and
expression of Pavlovian fear conditioning, a form of classical conditioning of emotional
responses.

48 Amgdala is evolutionary ancient (it’s present in many vertebrates). This doesn’t


mean, though, that it is not involved in higher cognitive processes. It is associated with
several aspect of the theory of mind.

49 The interconnections between the cortex and the amygdala runs both ways, but the
amygdala can exert a much stronger influence over the cortex than vice versa. This is
why we often let our emotions getting the better of us.
REFLEXOS DE ESPELHOS

Machado de Assis e Guimarães Rosa: um estudo comparativo de dois


contos

Maria Lucia Homem

Ambos os escritores, Machado de Assis e Guimarães Rosa, escreveram, com


quase um século de diferença, um conto de título idêntico: "O Espelho" (1).
Embora a narrativa e a abordagem de cada conto sejam distintas, podemos
dizer que o tema em questão focaliza a mesma problemática e seus avatares:
o sujeito dividido em busca de uma identidade, identidade que se encarna
como "totalizante" e unificadora.

Enfocaremos o desenrolar dessa questão e o tratamento dado a ela por cada


um dos autores. Quer essa identidade se encontre momentaneamente
obliterada - e a estratégia utilizada pela personagem seja a de se apoiar na
imagem produzida pelo espelho - como em Machado de Assis; quer se trate de
um questionamento radical dessa mesma identidade do sujeito - e a própria
imagem seja colocada em suspenso - como em Guimarães Rosa.

O espelho, aparato que obedece às leis físicas, vem embasar essa busca, a
mais essencial do sujeito, que poderíamos sintetizar com a questão: quem
sou? Além da aparência, a busca da essência. Por detrás da imagem
objetivamente produzida pelo espelho, alinha-se a busca incessante da
verdadeira identidade do ser.

Estamos no reino da metafísica e da transcendência - o início dos dois contos o


confirma. No enredo de Machado de Assis, cinco "investigadores de coisas
metafísicas" (MA, p. 71) discutem ao longo da noite: trata-se de um debate de
"questões de alta transcendência" (MA, p. 71). Inclusive o subtítulo do conto o
reitera: "Esboço de uma nova teoria da alma humana". Vemos em Guimarães
Rosa, também no primeiro parágrafo, a delimitação desse campo do oculto e
do transcendente. O mesmo significante utilizado por Machado se repete:
"Reporto-me ao transcendente. Tudo, aliás, é a ponta de um mistério" (GR, p.
61). Assim, para ele, o conceito de transcendência toma uma vasta amplitude:
mesmo o real, o concreto do fato - e até sua ausência - é englobado no
domínio do misterioso: "Quando nada acontece, há um milagre que não
estamos vendo" (GR, p. 61).

Primeiramente, seguiremos com mais detalhe o conto de Machado de Assis,


para depois nos aprofundarmos no "outro espelho", de G. Rosa.

Machado situa seus "investigadores das questões metafísicas" discutindo em


torno "dos mais árduos problemas do universo" (MA, p. 71), entre eles a
questão da natureza da alma. E é justamente Jacobina, aquele que menos
falava e abstinha-se dos debates, dada a multiplicidade ou inconsistência das
questões, que relata aos demais uma história, um caso de sua vida.

Jacobina inicia sua narrativa enunciando uma tese: "Em primeiro lugar, não há
uma só alma, há duas" (MA, p. 72). Há uma alma interior e uma alma exterior:
"uma que olha de dentro para fora, outra que olha de fora para dentro" (MA, p.
72). Logo de início, a personagem explicita a constitutiva divisão do sujeito: o
ser "metafísico" é caracterizado pela dualidade, pelo "dois", que tão crua e
simplesmente define o subjetivo - "duas almas".

Tese básica da psicanálise, a divisão do sujeito é referida por Freud e


explicitamente enunciada por Lacan. O próprio conceito de inconsciente
carrega consigo a marca indelével dessa divisão estrutural e da constante
alienação do sujeito a esse "algo" que ele desconhece, sobre o qual não há
saber objetivo que o oriente e do qual ele perde o domínio e controle. Lacan
apresenta-nos o inconsciente, em seu "Rapport de Rome", como um capítulo
censurado, aquele que falta no livro que conteria a história do sujeito. O
inconsciente "est ce chapitre de mon histoire qui est marqué par un blanc ou
occupé par un mensonge: c’est le chapitre censuré (2)", ou ainda: "est cette
partie du discours concret en tant que transindividuel, qui fait défaut à la
disposition du sujet pour rétablir al continuité de son discours conscient (3)".

Freud, em sua "segunda tópica" - isso, eu, supereu (cf. Freud, "O Ego e o Id"
(4) - coloca como um ideal buscado pelo processo de análise a conquista de
territórios do isso pelo eu - o inconsciente que se tornaria consciente. Com
Lacan, temos o enunciado formal da divisão como constitutiva do sujeito: este é
dividido pelo significante, pela linguagem:

"L’expérience psychanalytique a retrouvé dans l’homme l’impératif du verbe


comme la loi qui l’a formé à son image. Elle manie la fonction poétique du
langage pour donner à son désir sa médiation symbolique (5)".

A barra do algorítmo de Saussure - significante / significado - vem barrar o


sujeito, $ (cf. Lacan, "Fonction et champ de la parole et du langage" (6),
marcando assim a própria alienação constitutiva desse sujeito, oscilante entre a
forma especular imaginariamente plena e seu discurso entrecortado:

"C’est donc toujours dans le rapport du moi du sujet au je de son discours, qu’il
vous faut comprendre le sens du discours pour désaliéner le sujet (7)"

Machado de Assis caracteriza esse desconhecimento e alienação do sujeito


através da própria designação de alma "exterior": algo que é exterior ao sujeito.
E ainda, ela "não é sempre a mesma (…) muda de natureza e de estado" (MA,
p. 73). Externa e mutante, essa alma exterior pode ser quase "qualquer coisa":
"um espírito, um fluido, um homem, muitos homens, um objeto, uma operação"
(MA, p. 72). E a lista não pára aí, é extensa: vai de um botão de camisa ao
voltarete, de um par de botas a um tambor. Em suma, é um olhar externo, que
vem de fora do sujeito e que o estrutura, capaz de lhe dar uma certa forma e
determinada organização.
Estamo, pois, às voltas com o Outro. O grande Outro lacaniano que vem
delimitar e mesmo desenhar os contornos do sujeito - justamente a partir do
que se denomina "estádio do espelho" (cf. Lacan, "Le stade du miroir" (8)
dando-lhe uma unidade ilusória, uma completude almejada:

"le stade du miroir est un drame dont la poussé interne se précipite de


l’insuffisance à l’anticipation - et qui pour le sujet, pris au leurre de
l’identification spatiale, machine les fantasmes qui se succèdent d’une image
morcelée du corps à une forme que nous appellerons orthopédique de sa
totalité, - et à l’armure enfin assumée d’une identité aliénante, qui va marquer
de sa structure rigide tout son développement mental (9)".

No conto, tal completude imaginária é tratada a partir da metáfora do homem


como a junção das duas metades de uma laranja: "Está claro que o ofício
dessa segunda alma é transmitir a vida, como a primeira; as duas completam o
homem, que é, metafisicamente falando, uma laranja" (MA, p. 72).

O ser humano, dada sua inerente prematuração ("une véritable prématuration


spécifique de la naissance chez l’homme" (10), necessita da presença de um
outro que lhe nomeie e possibilite, assim, os contornos de seu ser. Através do
olhar da mãe - esse Outro primordial - que delimita sua imagem no espelho, o
bebê unifica a imagem do seu próprio corpo. A partir daí, essa passa a ser a
sua imagem, a sua identidade; dada assim por esse outro imaginário que é
aquela figura una, única e completa da imagem no espelho.

No conto de Machado, o que presenciamos é justamente um momento de


eclipse dessa imagem especular, garantidora da identidade do sujeito. Este - a
personagem em questão, o alferes - se vê, então, completamente
despedaçado e quase sem "existência", nos limites da desintegração: "Tinha
uma sensação inexplicável. Era como um defunto andando, un sonâmbulo, um
boneco mecânico." Veremos, então, o desenrolar desse processo - como o
"homem" foi plenamente possuído pelo "alferes" e como este passou por um
momento de perda absoluta de seus referenciais, reencontrando-se, por fim, na
imagem fornecida pelo espelho.

Até então, a identidade da personagem - que havia sido restringida


exclusivamente a "alferes" - era garantida pelo círculo social, que reiterava
repetidamente o seu novo estatuto: "senhor alferes" - "E sempre alferes; era
alferes para cá, alferes para lá, alferes a toda hora". Segundo Jacobina, não só
a manutenção desse estatuto de alferes estava a cargo das relações sociais,
como foi a partir de tanta insistência que ele passou a identificar-se
exclusivamente com essa "metade" de seu ser.

A identificação é um dos elos sociais mais significativos, propiciando o convívio


humano e a própria organização das instituições (cf. Freud, "Psicologia dos
grupos e análise do eu" (11). No entanto, pode se tornar devastadora da
individualidade e da subjetividade próprias a cada sujeito: da sua alma interior.
Foi o que se passou com o "Joãozinho", totalmente escamoteado em prol do
"senhor alferes":
"O certo é que todas essas coisas, carinhos, atenções, obséquios, fizeram em
mim uma transformação (…) O alferes eliminou o homem" (MA, p. 76).

Houve, entretanto, um período de conflito e luta. Não é simples e imediato esse


processo de encobrimento total de uma das faces do sujeito por outra:

"Durante alguns dias as duas naturezas equilibraram-se; mas não tardou que a
primitiva cedesse à outra; ficou-me uma parte mínima de humanidade" (MA, p.
76).

O conflito entre a alma interior e a exterior, entre o ser e as insígnias do ser, é


colocado por Machado de Assis em termos do conflito entre o "alferes" e o
"homem": "ao tempo em que a consciência do homem se obliterava, a do
alferes tornava-se viva e intensa" (MA, p. 76). Esse jogo de identificações é
complexo e dinâmico, alterna-se em suas representações, oscilando
continuamente entre os eixos do imaginário e do simbólico. A alma exterior de
Joãozinho passou a ser "a cortesia e os rapapés da casa, tudo o que me falava
do posto, nada mais do que me falava do homem" (MA, p. 76).

Ao cabo de algumas semanas, ele estava totalmente mudado, fisgado pela


imagem sedutora e narcísica do belo e distinto alferes. "No fim de três
semanas, era outro, totalmente outro. Era exclusivamente alferes" (MA, p. 76).
Preso no espelho, escravo da própria imagem ilusoriamente construída, ele
passou a ser nada mais do que imagem. Imagem atraente, imagem armadilha.

No entanto, a imagem conjuga o falso e o etéreo. Assim, não deixa de ser


frágil, apoiada que está na cumplicidade tácita do Outro. A partir do momento
em que este Outro desaparece, mesmo que momentaneamente, toda a
estruturação imaginária e narcísica se desfaz. Sofre um abalo em sua base,
levando o sujeito à perda quase absoluta de seus pontos de referência
anteriores:

"Na manhã seguinte achei-me só (…) Achei-me só, sem mais ninguém, entre
quatro paredes, diane do terreiro deserto e da roça abandonada. Nenhum
folêgo humano" (MA, p. 77).

O cenário é de completo abandono - tudo está deserto - numa analogia com o


estado de alma da personagem: o "senhor alferes" estava só e abandonado.
Ele sai em busca de um sopro humano, é-lhe absolutamente necessária a
presença de uma alma viva, que venha lhe devolver a garantia de sua unidade
e completude. No entanto, não havia ninguém: "Nenhum ente humano. Parece-
lhes que isto era melhor do que ter morrido? era pior" (MA, p. 77).

Sem a confirmação do Outro de sua identidade e até de sua existência,


Jacobina deixa-se levar aos limites da ausência, da não-vida. Sua solidão havia
tomado "proporções enormes" (MA, p. 78). Ele deixou-se estar, largado pelos
cantos da casa vazia, a ouvir a passagem do tempo na escansão do bater do
relógio. "Tudo silêncio, um silêncio vasto, enorme, infinito, apenas sublinhado
pelo eterno tic-tac da pêndula" (MA., p. 78).
Ao final, ele ocupava a posição de "quase morto", de inexistente, daquele a
quem falta o testemunho alheio para ter a certeza de estar vivo. "Era como um
defunto andando" (MA, p. 78). E é então, nesse momento, que ocorre o
‘fenômeno do espelho’: o quase morto, no limite da perda de sua identidade,
tenta ver-se no espelho e não consegue- não há o que ser visto. A imagem é
vaga e tortuosa, quase inexistente, reflexo mais puro e real de sua alma
naquele dado momento. Alma esvaziada:

"Olhei e recuei. O próprio vidro parecia conjurado com o resto do universo; não
me estampou a figura nítida e inteira, mas vaga, esfumada, difusa, sombra de
sombra" (MA, p.80).

Tomado pelo inesperado, sentiu medo, e começou a fugir dessa imagem


própria que mais era uma não-imagem. Começou a se vestir para partir.
Momento justamente em que lhe vem uma "inspiração inexplicável" (MA, p. 81)
e ele, "por um impulso sem cálculo" (MA, p. 81) - aliás, próprio do inconsciente
- teve uma idéia.

Vestiu esse corpo - que passara a ser quase nada, sombra de sombra,
esfumaçado - com o uniforme de alferes. Decidiu assumir integralmente a sua
identidade de "senhor alferes" - literalmente vestiu-se com sua alma exterior,
agora única e soberana: "era eu mesmo, o alferes, que achava, enfim, a alma
exterior. Essa alma ausente com a dona do sítio, dispersa e fugidia com os
escravos, ei-la recolhida no espelho" (MA, p. 81).

O espelho, que capturara sua identidade perdida. Quando o Outro não é


incarnado pelo ser falante, passa a ser exclusivamente o outro da imagem
especular. Duplo que se repete e se sustenta dessa dualidade imaginária. Com
a imagem de alferes no espelho, Jacobina voltou a existir. Vivo, um "ente
animado". E com uma imagem nítida:

"Olhava para o espelho, ia de um lado para outro, recuava, gesticulava, sorria,


e o vidro exprimia tudo. Não era mais um autômato, era um ente animado. Daí
em diante, fui outro" (MA, p. 81).

Passemos agora ao ‘outro espelho’, o de Guimarães Rosa. Assim como em


Machado de Assis, há a busca de uma identidade - que fora perdida ou que
está sendo questionada - através do espelho. Como se o espelho pudesse
transmitir ao sujeito que se procura, que busca a si mesmo, uma idéia da
verdade de seu "ser": o "eu por detrás de mim" (GR, p. 63) buscado pela
personagem de G. Rosa.

Primeiramente, o sujeito constata que há um acordo tácito onde todos


acreditam no exatidão da percepção, acreditam ser como a imagem do espelho
mostra que eles são. "O espelho, são muitos (…) todos refletem-lhe o rosto, e o
senhor crê-se com aspecto próprio e praticamente imudado, do qual lhe dão
imagem fiel" (GR, p. 61).

No entanto, num segundo momento, surge a questão: "Mas - que espelho?"


(GR, p. 61). A personagem começa por colocar em dúvida a veracidade da
imagem fornecida pelo espelho. A antiga e tranqüila identidade imagem =
realidade é posta em questão. Não há como situar o limite dessa identidade,
sua "honestidade" ou "fidedignidade" - "Como é que o senhor, eu, os restantes
próximos, somos, no visível?" (GR, p. 61).

Mais adiante no conto, ficará explicitada essa preocupação - eis o objetivo da


personagem: alcançar sua mais íntima essência, sua identidade verdadeira sob
a máscara da imagem: "necessitava eu transverberar o embuço, a travisagem
daquela máscara, a fito de devassar o núcleo dessa nebulosa - a minha vera
forma" (GR, p. 64).

Após passar por digressões acerca dos aparelhos ópticos - espelhos planos ou
curvos - e a constante possibilidade de engano e erro, G. Rosa enuncia sua
desconfiada conclusão: "Sim, são para se ter medo, os espelhos" (GR., p. 62).
Já os temem os animais, que fogem dele, e os primitivos, que acreditam que o
reflexo de uma pessoa fosse a sua alma.

Traidores em potencial, os espelhos mostram uma coisa que não é a coisa. A


imagem do objeto em muito se distingue deste - e talvez nem seja possível um
verdadeiro acesso a esse objeto, ou à Coisa (cf. seminário 7, A ética da
psicanálise (12), como diria Lacan. Não só o objeto não se deixa conhecer
diretamente, pois sempre seremos destinados a apreendê-lo pela via da
percepção e da representação (numa clara referência a Kant, em sua Crítica à
Razão Pura), mas ainda devemos desconfiar de nossos próprios aparelhos
perceptivos.

Além dos espelhos, enquanto aparelhos ópticos, os olhos também não são
confiáveis na apreensão do real: "Os olhos, por enquanto, são a porta do
engano; duvide deles, dos seus, não de mim" (GR, p. 62). Os olhos "padecem
viciação de origem", desde pequenos nossos olhos já nos traíam - o inocente
bebê vê o mundo de cabeça para baixo.

E há ainda um outro elemento falseador da realidade: o tempo, esse "mágico


de todas as traições" (GR, p. 62). As deformações ocorrem, e a simultaneidade
é impossível, limitados que somos ao aqui e agora deste espaço e tempo que o
nosso corpo ocupa.

Todas essa reflexões de ordem racional e filosófica não impedem que a


personagem se depare com uma experiência inaugural. Cabe notar que a
racionalização pode atuar como um mecanismo de defesa (cf. Freud, "Mal
estar na civilização" (13), onde o revolver de idéias consiga por fim afastar as
vivências que poderiam desterritorializar - e desidentificar - o sujeito.

No entanto, a personagem do conto dá mostras de coragem - vai até o fim de


uma experiência iniciada como que por acaso: ele enxergou num espelho uma
imagem que o incomodou. Qual não foi seu espanto ao perceber que aquela
era sua própria imagem. Sua primeira reação foi de repulsa, de ter entrado em
contato com algo terível: "desagradável ao derradeiro grau, repulsivo senão
hediondo. Deu-me náusea, aquele homem, causava-me ódio e susto,
eriçamento, espavor" (GR, p. 63). É interessante observar que estamos
realmente tratando do sujeito face a seu duplo - aquele que é ele próprio e no
entanto desconhecido, recalcado - "aquele homem". A parte de desconhecido
que o habitava e que no entanto lhe era completamente estrangeira, estranha
(cf. Freud, "Das Unheimliche" (14).

Quando ele percebeu que essa hedionda imagem no espelho era dele mesmo,
começou com o processo de busca de si mesmo - "comecei a procurar-me"
(GR, p. 63). Metaforicamente, poderíamos dizer que esse "começar a procurar-
se" seria a iniciação de um ‘processo de análise’. Processo feito procurando
recuperar "o eu por detrás de mim". Para tanto, deve-se, nesse processo,
passar por uma etapa de questionamento radical sobre as várias identificações
que foram sendo operadas ao longo da existência.

Temos aqui o processo inverso ao da personagem do conto de M. Assis.


Enquanto Jacobina eclipsou-se como sujeito frente à imagem, e a solução
encontrada por ele, sua "salvação", foi justamente a identificação com o ideal
transmitido pelo espelho; a personagem de G. Rosa busca justamente
despojar-se dessas falsas peles e falsas imagens que são as identificações
especulares - "capas de ilusão":

"Conclui que, interpenetrando-se no disfarce do rosto externo diversas


componentes, meu problema seria o de submetê-las a um bloqueio "visual" ou
anulamento perceptivo, a suspensão de uma por uma, desde as mais
rudimentares, grosseiras, ou de inferior significado" (GR, p.64-65, grifo do
autor).

Verifica-se, assim, um processo de recuperação, "uma a uma", dessas


identificações, para somente então ser possível sobrepujá-las, a fim de se
atingir a conquista desse "eu atrás de mim":

"O que se busca, então, é verificar, acertar, trabalhar um modelo subjetivo,


preexistente; enfim, ampliar o ilusório, mediante sucessivas novas capas de
ilusão. Eu, porém, era um perquiridor imparcial, neutro absolutamente. O
caçador de meu próprio aspecto formal" (GR, p. 64, grifo do autor).

Essa busca da "vera forma" deverá, assim, neutralizar a percepção, já natural e


estabelecida, das várias "componentes do rosto externo". Note-se que
estamos, então, em busca de algo "interno" e visceral, que não se deixaria
iludir com o aspecto superficial. Para tal, a personagem utiliza as mais variadas
técnicas, métodos e estratégias - desde a ioga e as meditações filosóficas aos
"métodos empíricos" de gradação e coloração de luzes - embora o cerne de
sua preocupação estivesse no "modus de focar": era preciso saber "olhar não-
vendo" (GR, p. 65). Quer dizer, olhar esse rosto coberto das capas do ilusório e
apreender a essência a mais depurada, longe dos elementos que aí vieram
instalar-se.

Em primeiro lugar, a personagem busca desvencilhar-se de seu "elemento


animal" (GR, p. 65) - a identificação com o "atávico em nós" , o que há de
primitivo e animal, o reino da natureza. No seu caso, é a onça o seu "sósia
inferior na escala" (GR, p. 65). Desfazendo-se dessa primeira identificação ao
elemento bestial, vemos que sua imagem já começa a se depauperar, torna-se
fluida: "minha figura reproduzia-se-me lacunar, com atenuadas, quase
apagadas de todo, aquelas partes excrescentes" (GR, p. 65).

Ele prossegue a experiência. Em segundo lugar, busca "deixar de ver" em seu


rosto os traços hereditários - a família que nos educa e com a qual certamente
estabeleceremos pactos identificatórios: "as parecenças com os pais e avós"
que são um "lastro evolutivo residual" (GR, p. 65-66). É nesse momento que G.
Rosa deixa escapar uma de suas frases lapidares: "Ah, meu amigo, nem no
ovo o pinto está intacto" (GR., p. 66).

Em seguida, a personagem tenta livrar-se do contágio das paixões, todas,


"manifestadas ou latentes" (GR, p. 66); seguidas das idéias e sugestões de
terceiros, dos efêmeros interesses e demais "pressões psicológicas
transitórias" (GR, p. 66).

A personagem evolui em seu trabalho, fazendo-o cada vez com "maior mestria"
(GR, p. 66). O que é descoberto? Que a forma do eu, ou da imagem do eu,
aproxima-se de uma couve-flor ou bucho de boi, ou mesmo uma esponja. A
estrutura do eu revela-se como potencialmente ilusória, na sua forma
"meândrica" e "em mosaicos": "À medida que trabalhava com maior mestria, no
excluir, abstrair, e abstrar, meu esquema perspectivo clivava-se" (GR. p. 66).

No dizer de Freud, o eu seria como uma cebola, com suas infinitas e


concêntricas cascas. Cascas essas a serem descascadas, tal como num
processo de análise ou no processo engendrado pela personagem do conto a
fim de descobrir sua verdadeira imagem, sua "vera forma". Lacan trabalha essa
questão da identificação e do narcisismo através do já citado estádio do
espelho - o eu seria assim uma imagem, fisgado que está no outro imaginário,
imagem narcísica presa no espelho: "Il y suffit de comprendre le stade du miroir
comme une identification au sens plein que l’analyse donne à ce terme: à
savoir la transformation produite chez le sujet, quand il assume une image
(15)".

Essa transformação produzida no sujeito - quando ele assume uma imagem -


foi-nos brilhantemente mostrada por Machado de Assis através das reviravoltas
de seu "alferes". E, em Guimarães Rosa, temos um questionamento e uma
tentativa de quebrar os elos dessa "dialética da identificação", tal como a
nomeia Lacan:

"L’assomption jubilatoire de son image spéculaire par l’être encore plongé dans
l’impuissance motrice et la dépendance du nourrissage qu’est le petit homme à
ce stade infans, nous paraîtra dès lors manifester en une situation sexemplaire
la matrice symbolique où le je se précipite en une forme primordiale, avant qu’il
ne s’objective dans la dialectique de l’identification à l’autre et que le langage
ne lui restitue dans l’universel sa fonction de sujet (16)".

Ao final desse processo de "análise", ou de "mise en question" das


identificações do moi, restaria uma interrogação: depois de se despojar das
várias identificações sobrepostas nessa imagem, ao longo do tempo, o que
resta?

A resposta de G. Rosa é simples: nada. Um dia chegou em que a personagem


não mais se viu, estava no reino do "invisto", do "ficto" (GR, p. 66). Houve a
queda radical da imagem especular - não havia mais nenhuma imagem que
viria sustentar qualquer identificação do sujeito - "me olhei num espelho e não
me vi. Não vi nada. (…) Eu não tinha formas, rosto? (…) O sem evidência
física. Eu era - o transparente contemplador?...Tirei-me. Aturdi-me" (GR, p. 66).

Sem substrato algum, a imagem esvai-se, não há mais objeto a ser visto, mas
somente o sujeito atônito, o "transparente contemplador". E, o que mais
estarrece a personagem é que, além da imagem perdida, eclipsa o seu próprio
olhar. Ele não mais vê os seus olhos, nem eles: "E o que tomadamente me
estarreceu: eu não via os meus olhos" (GR, p. 66).

Nesse momento, então, poderíamos concluir que não haveria a tão sonhada e
procurada essência do ser, sua "existência central". Não haveria, pelo menos
em termos imaginários, através do espelho, uma verdadeira e autônoma
imagem do sujeito. A personagem depara-se com a "face vazia do espelho",
que lhe faz questionar essa estrutura do ser, do existir: "o espirito de viver não
passando de ímpetos espasmódicos, relampejados entre miragens: esperança
e memória" (GR, p. 67).

É assim que, "partindo para uma figura gradualmente simplificada" (GR., p. 67),
a personagem chega ao limite da não-representação, da não-figuração:
"despojara-me, ao termo, até a total desfigura. E a terrível conclusão: não
haveria em mim uma existência central, pessoal, autônoma? Seria eu um des-
almado?" (GR, p. 67).

Cabe notar, aqui, o princípio norteador de sua busca: a alma seria refletível no
espelho. Dessa forma, se não há imagem, é porque não há alma. Assim, como
em M. de Assis, busca-se discutir sobre o estatuto da "alma humana" através
de metáforas e suas vicissitudes frente a um espelho. O próprio G. Rosa atenta
para esse aspecto: analisa o que poderia ser uma "reles obsessão sugestiva",
esse "despropósito de pretender que psiqusmo ou alma se retratassem em
espelho" (GR., p. 67).

Porém, ao término do conto, é esse mesmo espelho que vem servir de base
para a ainda frágil e incipiente constituição de um sujeito que começa a se
enunciar: é uma luz, uma luzinha - "o tênue começo de um quanto como uma
luz, que se nublava, aos poucos tentando-se em débil cintilação, radiância"
(GR, p. 67). A primeira reação frente a essa nova luminosidade é de espanto:
que luz é essa? Eis a surpresa do sujeito que está em vias de se descobrir
outro e, nesse processo, depara-se com porções de si até então
desconhecidas, pertencentes ao reino do inconsciente: "Que luzinha, aquela,
que de mim se emitia, para deter-se acolá, refletida, surpresa?" (GR, p. 67).

O sujeito surpreende-se ao recuperar "parcelas de si" fisgadas numa alienação


imaginária. Trata-se de um processo de "desalienação" que se faz
concomitantemente com a descoberta - e mais, a reconstrução - de um outro
ser, um outro sujeito que brota do espelho. Sujeito que mostra agora, depois de
todo esse processo de queda das identificações narcísicas, uma nova e original
imagem no espelho - um verdadeiro nascimento:

"Sim, vi, a mim mesmo, de novo, meu rosto, um rosto; não este, que o senhor
razoavelmente me atribui. Mas o ainda-nem-rosto-quase delineado, apenas-
mal emergindo, qual uma flor pelágica, de nascimento abissal…" (GR, p. 68).

Podemos ainda observar que esse ‘nascimento abissal’ envia-nos às malhas


da infância: o que surge é a imagem de uma criança: "e era não mais que:
rostinho de menino, de menos-que-menino" (GR, p. 68). Infância onde as
identificações primordiais são construídas e começam a ser elaboradas -
sustentáculo das vindouras, apoio e matriz das infinitas marcas que iremos
colecionando gravadas no corpo, ou na imagem que possamos ter dele.

A temática em questão, tanto num conto como no outro, é a da procura de si,


busca de uma identidade - que por momentos foi obliterada ou que pretende
ser reconstruída. Nas palavras de G. Rosa: "Desde aí, comecei a procurar-me -
ao eu por detrás de mim" (GR, p. 63).

À guisa de observação, notemos que essa "busca do eu" é uma das matrizes
da obra de G. Rosa, operando-se mesmo uma reiteração do tema das
identificações imaginárias e narcísicas, tal como observa Leila Perrone em sua
análise do conto "Nenhum, nenhuma":

"Nesse intrincamento reside a "verdade" do eu, que a rememora e comemora.


A experiência que se lê em "Nenhum, nenhuma" é a da difícil constituição do
eu para qualquer sujeito, e a da problemática afirmação do eu na linguagem
poética. O sujeito, para constituir-se, precisa passar por identificações
narcisistas (17)".

O tema abordado nas narrativas aqui analisadas é o dessa "difícil constituição


do eu", busca do "eu por detrás de mim" que poderíamos epigrafar como uma
das definições de inconsciente. Note-se que é possível estabelecer uma
analogia entre esta procura e o percurso analítico - o processo de análise -
onde o sujeito busca a sua própria verdade, algo de si mesmo que está oculto,
afastado de si.

Há, assim, uma analogia entre as propostas iniciais das duas narrativas, sendo
que elas diferem quanto à realização de seus objetivos. Enquanto em Machado
de Assis termina-se por adotar a imagem do espelho como a verdade do
sujeito, mesmo que alienada; em Guimarães Rosa a busca vai além desse
limite, chegando ao questionamento radical do espelho como meio e forma de
um conhecimento sobre a natureza do sujeito. Segue-se um percurso de
desapropriação das imagens, onde a personagem vai se desfazendo de cada
uma de suas identificações anteriores. A busca não é a de uma imagem
fabricada pelo espelho, ao contrário, é deixar de ver o que o espelho nos faz
ver. Para nesse momento, então, encontrar a "débil cintilação", luz que
desenha os novos contornos de um sujeito nascente.
NOTAS

(1)Machado de Assis, "O Espelho", Contos, São Paulo, Ed. Moderna, 1984, pp. 71-81 (doravante
abreviado MA); Guimarães Rosa, J., "O Espelho", Primeiras Estórias, Rio de Janeiro, Liv. José Olympio
Ed., 1981, pp. 61-68 (doravante abreviado GR).

(2)Lacan, J., "Fonction et champ de la parole et du langage", Écrits, Paris, Seuil, 1966, p. 259.

(3) Lacan, J., idem, p. 258.

(4) Freud, S. "Le moi et le ça" (1923), Essais de psychanalyse, Paris, Payot, 1981.

(5) Lacan, J., "Fonction et champ de la parole et du langage", Écrits, Paris, Seuil, 1966, p. 322 (grifo
nosso).

(6) Lacan, J., "Fonction et champ de la parole et du langage en psychanalyse", Écrits, Paris, Seuil, 1966,
pp. 237-322.

(7) Lacan, J., idem, p. 304.

(8) Lacan, J., "Le stade du miroir comme formateur de la fonction du Je telle qu’elle nous est révélée dans
l’expérience psychanalytique", Écrits, Paris, Seuil, 1966, próprio. 93-100.

(9) Lacan, J., idem, p. 97.

(10) Lacan, J., idem, p. 96.

(11) Cf. Freud, S., "Psychologie des foules et analyse du moi" (1921), Essais de psychanalyse, Paris,
Payot, 1981.

(12) Lacan, J., L’éthique de la psychanalyse, Le séminaire. Livre VII, Paris, Seuil, 1986, notadamente
sessões IV, de 9 de dezembro de 1959 e V, de 16 de dezembro de 1959.

(13) Cf. Freud S., Malaise dans la civilisation (1929), Paris, P.U.F, 1971.

(14) Cf. Freud, S., "L’inquiétante étrangeté" (1919), Essais de psychanalyse appliquée, Paris, Ed.
Gallimard, 1982.

(15) Lacan, J., "Le stade du miroir", op. cit., p. 94.

(16) Lacan, J., idem., p. 94

(17) Perrone-Moisés, L., Flores da escrivaninha, Ed. Cia. das Letras, 1990, p. 124.

Maria Lucia Homem


Rua Dr Fidias de Barros Monteiro 82
Pinheiros - São Paulo - SP
telfax: (11) 214 1480

Похожие интересы