Вы находитесь на странице: 1из 22

Teste e diagnóstico do transformador de potência

Métodos de medição
Fator de dissipação/potência e capacitância

Yefersson Cañon, OMICRON electronics Corp. USA 19 October 2018


Capacitância de isolamento do enrolamento

> Por que medição de...?

Capacitância
o Curto-circuito ao aterramento
o Deformação mecânica
Enrolamentos o Alteração da geometria entre o
enrolamento
o Deslocamento
o Deformação mecânica
Núcleo do
o Núcleo flutuante ao
transformador
aterramento

Fator de dissipação/potência (DF/PF)

o Umidade no isolamento sólido


o Envelhecimento de produtos,
Isolamento
umidade, contaminação de
fluidos de isolamento

© OMICRON Página 2
Capacitância de isolamento do enrolamento

> Transformador de dois enrolamentos: capacitância CLHL


Enrolamento de LV

Núcleo de 3 membros barreiras

Enrolamento de
HV espaçadores

enrolamento de LV um membro
do
núcleo do
transformador

óleo de
isolamento
enrolamento de HV

© OMICRON Página 3
Capacitância de isolamento do enrolamento

> Transformador de dois enrolamentos: capacitância CLHL

CHL

© OMICRON Página 4
Capacitância de isolamento do enrolamento

> Transformador de dois enrolamentos: capacitância CH e CL

CH1 CL1 CH2 CL2 CH3 CL3

© OMICRON Página 5
Como o fator de potência/dissipação é medido?

> O fator de potência/dissipação é medido comparando um objeto em teste a


uma referência conhecida
> A referência deve ser um capacitor ideal
> Em geral, é usado um capacitor de gás comprimido
> Quase nenhuma perda de polarização em gás (tanδ ≤ 1*10-5)
> Boa supressão de corrente vagabunda usando eletrodos de proteção
Fonte de alta tensão

i(t)
δ = diferença de fase
CTeste
CRef corrente do
RTeste objeto em teste

Objeto corrente ωt
Medidor em teste capacitiva
IRef ITeste

© OMICRON Página 6
Esquema de conexão CP TD1

> Circuito interno CP TD1

12 kV
Saída

CTeste

Cref

Saída do Entrada A
amplificador A A
Entrada B
TESTRANO 600/ Matriz
CPC 100

© OMICRON Página 7
Capacitância de isolamento do enrolamento

> Como medir?

© OMICRON Página 8
Princípio de matriz

> Modo de teste: Teste de amostra não aterrada (UST)

© OMICRON Página 9
Princípio de matriz

> Modo de teste: Teste de amostra aterrada (GST)

© OMICRON Página 10
Princípio: Transformador de 2 enrolamentos

Injeção em terminais primários Injeção em terminais primários


CH + CHL CH

CH + CHL

Medição em Medição em
Modo GST Modo GST-A

© OMICRON Página 11
Princípio: Transformador de 2 enrolamentos

Injeção em terminais primários Injeção em terminais secundários


CHL CL + CLH

Medição em Medição em
Modo UST-A Modo GST

© OMICRON Página 12
Princípio: Transformador de 2 enrolamentos

Injeção em terminais secundários Injeção em terminais secundários


CL CLH

Medição em Medição em
Modo GST-A Modo UST-A

© OMICRON Página 13
Princípio: Transformador de 3 enrolamentos

Injeção em terminais primários Injeção em terminais secundários


CH + CHL + CHT CHL + CLT + CL

Capacitância Modo Varredura Capacitância Modo Varredura

CH + CHL + CHT GST Frequência da rede elétrica CL + CLT + CLH GST Frequência da rede elétrica
GSTg - A + GSTg - A +
CH Tensão, frequência CL Tensão, frequência
B B

CHL UST - A Tensão, frequência CLT UST - B Tensão, frequência

CHT UST - B Tensão, frequência CHL UST - A Tensão, frequência

© OMICRON Página 14
Princípio: Transformador de 3 enrolamentos

Injeção em terminais terc.


CHT + CLT + CT

Capacitância Modo Varredura

CHT + CLT + CT GST Frequência da rede elétrica


GSTg - A +
CHT Tensão, frequência
B

CLT UST - A Tensão, frequência

CT UST - B Tensão, frequência

© OMICRON Página 15
Varredura de tensão Varredura de frequência

© OMICRON
Modos de medição

Fator de dissipação/potência

Varredura de tensão Varredura de frequência

Página 16
Capacitância
Dependência de frequência de DF/PF
2.50E-03
Serial
2.00E-03 Parallel
Sum
1.50E-03

1.00E-03

5.00E-04

0.00E+00
0 50 100 150 200 250 300 350 400

Perdas condutivas Perdas de polarização


diagrama de circuitos diagrama de circuitos em
paralelos série

UR
DF : tan  
| I RP |

1 DF : tan      RS  CS
| I CP |   RP  C P UC RS
CP
|I | UR
PF : cos   RP PF : cos  
| I tot | U tot CS

© OMICRON Página 17
Capacitância do isolamento do isolador de travessia

> Por que medição de...?

Capacitância

Papel impregnado
o Rupturas parciais de camadas
de resina (RIP)

Papel impregnado
o Rupturas parciais de camadas
de óleo (OIP)

Papel colado com o Rupturas parciais de camadas


resina (RBP) o Óleo em rachaduras

Fator de dissipação/potência (DF/PF)

o Rupturas parciais de camadas,


Papel impregnado
o alto grau de envelhecimento
de resina (RIP)
o umidade no isolamento
o Rupturas parciais de camadas,
Papel impregnado
o alto grau de envelhecimento
de óleo (OIP)
o umidade no isolamento
o Rupturas parciais de camadas,
Papel colado com
o alto grau de envelhecimento
resina (RBP)
o umidade no isolamento

© OMICRON Página 18
Capacitância do isolamento do isolador de travessia

> Capacitância C1

C1

Fonte: MOSER-GLASER

Fonte: MICAFIL

© OMICRON Página 19
Capacitância do isolamento do isolador de travessia

Injeção em terminais de HV Injeção em terminais de HV


Fase A Fase B

Medição em Medição em
Modo UST-A Modo UST-B

© OMICRON Página 20
Capacitância do isolamento do isolador de travessia

Injeção em terminais de HV
Fase C

Medição em
Modo UST-A

© OMICRON Página 21
Varredura de tensão Varredura de frequência

© OMICRON
Modos de medição

Fator de dissipação/potência

Varredura de tensão Varredura de frequência

Página 22
Capacitância