Вы находитесь на странице: 1из 17

Grupo I – As ideias das Luzes – O Iluminismo

DOC. 1 O pensamento dos enciclopedistas

AUTORIDADE POLÍTICA – Nenhum homem recebeu da Natureza o direito de comandar os outros.


A liberdade é um presente do céu e cada indivíduo da mesma espécie tem o direito de gozar dela logo
que goze de Razão. […] Toda a autoridade (exceto a paterna) vem de uma outra origem, que não é a
Natureza. Examinando-a bem, sempre se fará remontar a uma de duas fontes: ou a força e a violência
5 daquele que dela se apoderou; ou o consentimento daqueles que lhe estão submetidos, por um
contrato celebrado ou suposto entre eles e aquele a quem conferem autoridade. […]Contrato social

CRISTIANISMO – O cristianismo, sei-o bem, teve as suas guerras de religião, cujas chamas foram
muitas vezes funestas - prejudiciais para a sociedade: isso prova que nada há de bom cuja maldade
humana não consiga corromper. O fanatismo é uma peste que produz de tempos a tempos germes
10 capazes de infetar a Terra; mas o mal vem das pessoas e não do cristianismo. Contra dogmatismo,
inquisição

IGUALDADE NATURAL – É aquela que existe entre todos os homens unicamente pela constituição
da sua Natureza. Esta igualdade é o princípio e o fundamento da liberdade. A igualdade natural ou
moral tem, portanto, base na constituição da natureza humana comum a todos os homens, que
nascem, crescem, subsistem e morrem da mesma maneira. […]
15
MONARQUIA – Forma de governo em que governa um só, por leis fixas e estabelecidas. A
monarquia é o estado no qual a soberania, e todos os direitos que lhe são essenciais, reside
indivisivelmente num só homem, chamado rei, monarca ou imperador.(contra a monarquia absoluta)

MONARQUIA LIMITADA – Espécie de monarquia em que os três poderes estão de tal modo
20 instituídos que servem uns aos outros de balança e contrapeso. A monarquia hereditária limitada
parece ser a melhor forma de monarquia. […]
Excertos de artigos da Enciclopédia, 1751-1780

1. Apresente um sinónimo de “Razão”, no sentido em que esta palavra é usada na linha


3 do documento. Raciocínio, inteligência

2. Explicite três ideias-chave do pensamento iluminista contidas no documento.

 Igualdade natural: princípio segundo o qual todos os homens nascem iguais, com um mesmo
conjunto de direitos e deveres que deriva da sua natureza humana. Este princípio rejeita as
desigualdades baseadas no nascimento, que caracterizava a sociedade de ordens ̶ “[Igualdade
natural] é aquela que existe entre todos os homens unicamente pela constituição da sua
natureza”; “A igualdade natural ou moral tem, portanto, base na constituição da natureza humana
comum a todos os homens”.
 Liberdade natural: intrinsecamente ligada à igualdade natural, a liberdade natural defende que,
uma vez que todos os homens nascem iguais, nascem também naturalmente livres, sem estarem
submetidos a poder algum que não derive da própria natureza (como a autoridade paterna, por
exemplo) ̶ “Nenhum homem recebeu da Natureza o direito de comandar os outros” ; “A liberdade
é um presente do céu” ; “Toda a autoridade vem de uma outra origem que não a natureza”; “Esta
igualdade é o princípio da liberdade”.
 Tolerância OU liberdade religiosa: defensores da liberdade de consciência, os enciclopedistas
rejeitam com veemência o direito do Estado impor uma determinada religião, considerando-o
incompatível com a liberdade individual e nefasto para a sociedade – “guerras de religião, cujas
chamas foram muitas vezes funestas para a sociedade”; “o fanatismo é uma peste”.
 Contrato social OU soberania popular: contrariamente à teoria da origem divina do poder real,
que serviu de suporte ao absolutismo, os iluministas advogam que, em virtude da igualdade e
liberdade naturais, o poder emana dos governados. São estes que, tacitamente, conferem a
autoridade aos governantes, podendo retirar-lha, se assim o entenderem – “Toda a autoridade
[provém] do consentimento daqueles que lhe estão submetidos, por um contrato celebrado ou
suposto entre eles e aquele a quem conferem autoridade”.
 Separação dos poderes OU limitação do poder real: – ideia que rejeita o absolutismo, por este
concentrar todos os poderes do Estado num só homem, que assim fica dotado de um poder
discricionário. Para evitar esta concentração de poderes, lesiva da liberdade natural do indivíduo,
a filosofia iluminista defende a divisão dos três poderes do Estado – legislativo, executivo e judicial
– por entidades diferentes – “os três poderes estão de tal forma instituídos que servem uns aos
outros de balança e contrapeso”; “a monarquia hereditária limitada parece ser a melhor forma de
monarquia”.

3. Associe as ideias filosóficas que constam da coluna A ao filósofo a que mais


estreitamente ficaram ligadas (coluna B).

Escreva, na folha de respostas, as letras e os números correspondentes. Utilize cada


letra e cada número apenas uma vez.

Coluna A Coluna B

(A) Contrato social 3 1. Diderot (Enciclopédia com


D’Alembert) e defende o
(B) Separação dos poderes 5 contrato social também
como vemos no próximo
(C) Tolerância religiosa 2 documento

2. Voltaire

3. Rousseau

4. Condorcet – contra a
escravatura, defende
laicismo do ensino e
tolerância religiosa.
Escreveu sobre a vida de
Rousseau

5. Montesquieu
Doc. 1

A autoridade política

Nenhum homem recebeu da Natureza o direito de comandar os outros. A liberdade é um


presente do céu e cada indivíduo da mesma espécie tem o direito de gozar dela logo que goze
da Razão. […] Toda outra autoridade [que não a paterna] vem duma outra origem, que não é a
da Natureza. Examinando-a bem, sempre se a fará remontar a uma destas duas fontes: ou a força
5 e a violência daquele que dela se apoderou; ou o consentimento daqueles que lhe são submetidos,
por um contrato celebrado ou suposto entre eles e aquele a quem deferiram 1 a autoridade. O
poder que se adquire pela violência não é mais que uma usurpação e não dura senão pelo tempo
por que a força daquele que comanda prevalece sobre a daqueles que obedecem […]. O poder que
vem do consentimento dos povos supõe necessariamente condições que tornem o seu uso
10 legítimo útil à sociedade, vantajoso para a república, e que a fixam e restringem entre limites pois
o homem não pode nem deve dar-se inteiramente e sem reserva a outro homem, porque há um
Senhor superior acima de tudo, ao qual somente ele pertence por inteiro [Deus].O iluminista não
nega a existência de Deus […]Ele permite, para o bem comum e a manutenção da sociedade, que
os homens estabeleçam entre si uma ordem de subordinação, que obedeçam a um deles; mas
15 quer que seja por razão e com medida, e não cegamente e sem reserva, a fim de que a criatura
não se arrogue os direitos do criador. Toda outra submissão é verdadeiro crime de
idolatria.(idolatria é do âmbito do fanatismo e não da razão)
Denis Diderot, artigo “Autoridade Política”, em Enciclopédia, 1751-1780

1
Entregaram.

1. Associe cada excerto do Doc. 1, apresentado na coluna A, ao correspondente princípio do


Iluminismo, identificado na coluna B. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

COLUNA A COLUNA B

a) 7“A liberdade é um presente do céu e cada


indivíduo da mesma espécie tem o direito de (1) Crítica do absolutismo régio.
gozar dela logo que goze da Razão.” (linhas 2-3)
(2) Defesa do princípio da soberania popular.

b) 4”[a autoridade]… se fará remontar a… (3) Crítica dos privilégios sociais.


consentimento daqueles que… são submetidos
por um contrato celebrado ou suposto entre eles e (4) Defesa do contrato social entre governados
aquele a quem deferiram a autoridade.” e governantes: estes recebem o poder dos
(linhas 4-6) primeiros e a eles prestam contas dos seus
atos.
c) 2“O poder que vem do consentimento dos povos
supõe… condições que tornem o seu uso legítimo (5) Crítica do fanatismo religioso.
à sociedade.” (linhas 8-10)
(6) Defesa do princípio da divisão dos poderes.
d) 1”… o homem não pode nem deve dar-se
inteiramente e sem reserva a outro homem, (7) Direito à liberdade como um direito natural
porque há um Senhor superior acima de tudo, ao derivado da condição racional do indivíduo.
qual somente ele pertence por inteiro [Deus]...
toda outra submissão é… crime de idolatria.”
(linhas 10-16)
2. Explique, a partir do Doc. 1, três aspetos em que o Iluminismo se opõe ao Antigo Regime.
Os pensadores iluministas defendiam que todos os homens nascem livre e iguais e e ste
princípio rejeita as desigualdades baseadas no nascimento, que caracterizava a sociedade de ordens do
Antigo Regime, que permitia a existência de grupos privilegiados e não privilegiados.
o exercício do poder adquirido pela violência é uma usurpação, pelo que o poder deve ser exercido a pensar no bem
da sociedade e dos governados através de um contrato social, ou seja, o exercício do poder deveria resultar do
consentimento dos governados através de um contrato com quem exerce a autoridade;

Toda a obediência deve ser baseada na razão e não no fanatismo ou idolatria, porque isso já seria do âmbito do
dogmatismo e não da razão.

Doc.1. A Razão como guia

Esta razão aprofundada e afinada, que muitos espalharam nos seus escritos e nas suas conversas, muito contribuiu
para instruir e polir a nação; a sua crítica não continuou a consumir-se sobre palavras gregas e latinas; mas apoiada
na sã filosofia, destruiu todos os preconceitos de que a sociedade estava infetada: perdições dos astrónomos,
adivinhações dos mágicos, falsos milagres, usos supersticiosos [...]. Voltaire, Cartas Filosóficas, (1734).

1. Identifique, com base no excerto de Voltaire, três das ideias iluministas defendidas pelo autor.

_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________
Grupo II – A Revolução Americana
Doc. 1
Cronologia da revolução americana

Anos Acontecimentos

1756-1763 Guerra dos Sete Anos.

Tratado de Paris. A França perde as suas possessões no continente americano. Proclamação


1763
real britânica proibindo que os colonos se estabeleçam a oeste dos Apalaches.

1764-1765 Leis sobre o melaço e o selo fiscal. Protestos coloniais.

1766-1767 Revogação das leis precedentes e introdução de novas taxas sobre outros géneros.

1770 Massacre de Boston: tropas britânicas atiram sobre colonos que protestavam contra as taxas.

Questão do chá. Lançamento ao mar, em Boston, do chá transportado pela companhia das
1773-1775
Índias. O Parlamento britânico riposta com leis coercitivas.

Primeiro embate em Lexington e Concord entre as tropas britânicas e as milícias do


1775
Massachusetts. George Washington é nomeado comandante-chefe dos exércitos coloniais.

1775-1783 Guerra da Independência.

1776 4 de julho de 1776 — Assinatura da Declaração de Independência.

1783 Tratado de Versalhes. Os Estados Unidos são reconhecidos pela Grã-Bretanha.

1787 Redação da Constituição pela Convenção de Filadélfia.

A Constituição é aplicada. George Washington é o primeiro presidente. Votação do Bill of Rights


1789
(as 10 primeiras emendas).

DOC. 2- Declaração da independência dos EUA.

Quando, no curso dos acontecimentos humanos, se torna necessário a um povo dissolver os laços políticos
que o ligavam a outro, e assumir, entre os poderes da Terra, posição igual e separada, a que lhe dão direito
as leis da natureza e as do Deus da natureza, o respeito digno para com as opiniões dos homens exige que
se declarem as causas que os levam a essa separação. Consideramos, estas verdades, como evidentes, por
si mesmas, que todos os homens são criados iguais, dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que
entre estes estão a vida, a liberdade e a procura da felicidade. Que a fim de assegurar esses direitos, governos
são instituídos entre os homens, derivando seus justos poderes do consentimento dos governados; que,
sempre que qualquer forma de governo se torne destrutiva de tais fins, cabe ao povo o direito de alterá-la ou
aboli-la e instituir novo governo, baseando-o em tais princípios e organizando-lhe os poderes pela forma que
lhe pareça mais conveniente para realizar-lhe a segurança e a felicidade. […] Mas quando uma longa série de
abusos e usurpações, perseguindo invariavelmente o mesmo objeto indica o desígnio de reduzi-los ao
despotismo absoluto, assistem-lhes o direito, bem como o dever, de abolir tais governos e instituir novos
Guardiães para sua futura segurança […]. Nós, por conseguinte, representantes dos Estados Unidos da
América, reunidos em congresso geral, […] publicamos e declaramos solenemente: que estas colónias unidas
são e de direito têm de ser estados livres e independentes […].
Declaração da Independência dos Estados Unidos da América, 1776.
1. Indique o nome dado às transformações político-sociais do mundo ocidental iniciadas com a
revolução americana. Revoluções liberais.
2. Enuncie, a partir do documento 1 e 2, três das causas que levaram os EUA à separação da
Inglaterra.
Apresentação de três das causas que levaram os colonos a proclamarem a independência da Inglaterra:
 Política fiscal da Grã-Bretanha sobre as colónias inglesas da América do Norte, que consistiu no
lançamento de taxas alfandegárias sobre produtos importados (chá, papel, açúcar) e no imposto
de selo; a Coroa britânica invocou as suas dificuldades financeiras pela intervenção na Guerra dos
Sete Anos, que travara para defender os colonos, explorando, assim, a “credulidade dos espíritos
desprevenidos”;
 falta de representatividade dos colonos da América no Parlamento britânico que votou os
impostos, considerados, por isso, ilegais;
 obrigatoriedade de as colónias negociarem exclusivamente com a Grã-Bretanha OU imposição do
exclusivo comercial OU fim da liberdade de comércio, o que constitui uma forma de “opressão” e
tirania” sobre as colónias;

 obrigatoriedade do pagamento de indemnizações depois do Boston Tea Party e o massacre das


tropas inglesas aos manifestantes nesse dia. Ver tabela
 O abuso de poder através da presença permanente do exército nas colónias;

3. TPC Identifique quatro dos princípios invocados na Declaração da Independência inspirados nas ideias
iluministas.
Identificação clara de três dos princípios iluministas invocados na Declaração da Independência, de entre as seguintes:
 a defesa da igualdade natural entre os povos com base na lei da natureza e do Deus da Natureza (linhas 4 a 6);
 o respeito pela liberdade das opiniões (linha 7); OU todos os homens são dotados de direitos inalienáveis: a vida, a
liberdade e a procura da felicidade (linhas 11-14);
 os governos que são instituídos entre os homens têm origem no consentimento dos governados (linhas 15-17) OU o
contrato entre governantes e governados (especialmente realçado por Rousseau);
 sempre que os governantes não respeitem os fins do governo o povo tem direito a alterar o contrato instituindo novo
governo (linhas 18-19) OU o direito dos povos se revoltarem face ao desrespeito do poder pelo contrato estabelecido;
 que os poderes devem ser organizados de forma mais conveniente para a segurança e felicidade dos governados
(linhas 20-23); OU a necessidade de organizar o poder de forma a respeitar os direitos dos cidadãos.
COMEÇAR REVOLUÇÃO FRANCESA NAS PRÓXIMAS EXPLICAÇOES.

4. O modelo político adotado pela nação americana após a independência foi o de uma:
a) monarquia absoluta.
b) monarquia constitucional.
c) república federal com um governo central forte. P. 16 manual
d) república federal descentralizada.
Grupo III – A Revolução Francesa

DOCUMENTO 1 A – CADERNO DE QUEIXAS

Fechar à classe mais numerosa e mais útil o acesso aos empregos e aos cargos honrosos é sufocar o génio
e o talento [...]. Só os nobres gozam de todos os privilégios [...]. Entretanto, se é a nobreza que comanda os
exércitos, é o Terceiro Estado que os compõe; se a nobreza verte uma gota de sangue, o Terceiro Estado
verte torrentes. A nobreza esvazia o tesouro real, o Terceiro Estado enche-o. Numa palavra, o Terceiro Estado
paga tudo e não beneficia nada.
Caderno de Queixas do Terceiro Estado de Lauris ,(1789).
DOCUMENTO 1 B– CADERNO DE QUEIXAS

A Assembleia dos Estados Gerais não deve limitar-se a reparar os males atuais da Nação, deve também
esforçar-se por assegurar uma Constituição [...]. A Nação [...] deve ocupar-se em preparar para o futuro
uma Constituição que defenda a liberdade pública e individual contra todas as arbitrariedades.
Cadernos de Queixas do Terceiro Estado de Montpellier, (1789).

1.Com base nos documentos 1A e 1B, indique quatro características da situação político-social da França
nas vésperas da Revolução.
Indicação de três das características da situação político-social da França nas vésperas da Revolução, de entre as seguintes:
 monarquia absoluta;
 sociedade de ordens hierarquizada;
 desigualdades sociais assentes nos privilégios e no nascimento;
 monarquia desacreditada;
 descontentamento político pela participação na guerra da independência americana;
 descontentamento social provocado pelo aumento do preço dos cereais;
 acesso aos cargos em consequência do nascimento ou da compra.
Doc. 1 Doc. 2
Bem espero que a brincadeira acabe depressa Eu sabia que a nossa vez chegaria
(gravura anónima de inícios da Revolução) (gravura anónima de inícios da Revolução)

Doc. 3
O testemunho de um parisiense (junho 1794)
Nas últimas semanas temos assistido à morte dos maiores e mais famosos que ainda sobrevivem em
França, e dos mais ricos também... Todos eles morreram aos pés de uma alta e hedionda estátua de
gesso chamada Liberdade que foi edificada no que resta da base da efígie de Luís XV. Será possível
acreditar que todos aqueles sacrificados a seus pés são seus inimigos? Que tipos de homens bem-
-nascidos e bem-educados se recusarão a apoiar a liberdade civil e política devidamente organizada?
Quem irá algum dia acreditar que Lavoisier e os outros eram apoiantes da escravatura e tirania? Não,
eles eram nobres, ricos e iluminados; teriam de ser condenados à morte.
Carta do editor parisiense Nicholas Ruault ao seu irmão, em 21 de junho de 1794

1. Explicite a evolução revelada nas gravuras dos Docs. 1 e 2, tendo em conta os


acontecimentos ocorridos em 1789.
1. Três características de entre as seguintes:
- os privilegiados eram um fator de resistência a qualquer tentativa de reforma do Estado que fosse contra os seus
privilégios ou isenções;
- persistia a divisão tripartida e hierarquizada de uma sociedade desigual em que os privilégios judiciais e fiscais
isentavam o clero e a nobreza (Doc. 1);
- os privilégios fiscais provocavam tensões entre os estratos superiores do Terceiro Estado (burguesia) e os
privilegiados (clero e nobreza); a burguesia, letrada e rica, sentia que era sobre ela que recaíam os encargos
financeiros;
- a sobrecarga de impostos afetava os estratos mais baixos do Terceiro Estado que sentiam a constante
degradação das suas condições de vida (Doc. 1);
- o rei solicitara a redação de cadernos de queixas que se tornaram reveladores da conjuntura de dificuldades;
- o Terceiro Estado, a ordem mais numerosa e heterogénea, reivindicava a igualdade fiscal e judicial contra o jugo
e os abusos dos privilegiados (Doc.1);
- há muito que a situação financeira do Estado absoluto se agravara, devido aos gastos da corte e da administração
(Doc. 2);
- a fragilidade financeira acentuou-se com a participação francesa em diversas guerras e, em especial, na guerra
da independência dos Estados Unidos da América (Doc. 2);
- a insustentabilidade das finanças públicas levou alguns ministros de Luís XV e de Luís XVI à defesa de uma
reforma do sistema de impostos que, no entanto, não foi implementada (Doc. 2);
- os desequilíbrios foram agravados pelas despesas que decorreram da participação da França na guerra da
independência americana contra a Inglaterra (Doc. 2).

Doc. 3- TOMADA DA BASTILHA

Doc. 4 - A CONSTITUIÇÃO DE 1791 – OS CIDADÃOS ATIVOS E O


Doc. 2- JURAMENTO DA SALA DO JOGO DA PELA VOTO CENSITÁRIO

TÍTULO III - Da divisão do reino e do estado dos cidadãos


A Assembleia Nacional, considerando que foi chamada a
Artº 2 – Para ser cidadão ativo é preciso: ter nascido ou ter-se tornado
fixar a Constituição do reino, a operar a regeneração da
francês; ter completado 25 anos; estar domiciliado na cidade ou no
ordem pública e manter os verdadeiros princípios da
cantão no tempo determinado pela lei; pagar, em qualquer lugar do
monarquia, nada pode impedir que ela continue as suas
reino, uma contribuição direta ao menos igual ao valor de três dias de
deliberações em qualquer lugar em que seja forçada a
trabalho e de que dê quitação; não ser criado de servir; estar inscrito na
estabelecer-se, e que, enfim, em toda a parte onde os seus
municipalidade do seu domicílio na lista dos guardas nacionais; ter
membros estejam reunidos, aí é a Assembleia Nacional:
prestado o juramento cívico. […]
Decreta que todos os membros desta assembleia prestarão,
Artº 7 – Ninguém poderá ser nomeado eleitor, se não reunir as
neste instante, juramento solene de nunca se separarem, e
condições necessárias para ser cidadão ativo, a saber: nas cidades
de se reunirem em toda a parte onde as circunstâncias o
com mais de 6000 almas, ser proprietário ou usufrutuário de bens
exigirem, até que a Constituição do reino seja estabelecida
avaliados pelo rol das contribuições num rendimento igual ao valor local
e firmada em fundamentos sólidos, e que depois de prestado
de 200 dias de trabalho, ou ser locatário de uma habitação avaliada no
o dito juramento, seja confirmado por todos os membros e
rol das contribuições com o valor de 100 dias de trabalho; e nos
cada um em particular, esta resolução inabalável, com a sua
campos, ser proprietário ou usufrutuário de bens avaliados no rol das
assinatura.
contribuições com o rendimento correspondente ao valor local de 150
dias de trabalho ou ser rendeiro ou meeiro de bens avaliados nos
mesmos róis com o valor de 400 dias de trabalho: quanto aos que forem
ao mesmo tempo proprietários ou usufrutuários por um lado e
locatários, rendeiros ou meeiros por outro, os seus direitos a esses
diversos títulos serão acumulados até atingirem as contribuições
necessárias para serem considerados elegíveis.
2. Desenvolva o seguinte tema:
A Revolução Francesa de 1789 pôs fim ao Antigo Regime e iniciou um processo de transformação política,
social e económica que marcou a França e a influenciou a Europa no início do século XIX.
A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, três aspetos de cada um dos seguintes tópicos
orientadores:
- causas da Revolução Francesa;
- medidas implementadas para pôr fim às estruturas do Antigo Regime;
- o exercício do poder durante a monarquia constitucional.
Para além dos seus conhecimentos, deve integrar os dados disponíveis nos documentos 1 a 4.

Antecedentes da Revolução Francesa:


 elevado défice das finanças públicas;
 sociedade de ordens tradicional e hierarquizada;
 peso dos impostos no Terceiro Estado OU burguesia com pesados encargos financeiros;
 alguma aristocracia desejava uma monarquia à inglesa;
 aumento do preço dos cereais;
 estagnação da indústria têxtil OU aumento do desemprego;
 fome OU miséria OU mendicidade;
 sublevações populares;
 monarquia desacreditada.
Medidas implementadas para pôr fim às estruturas do Antigo Regime:
 fim dos privilégios fiscais;
 abolição dos privilégios feudais;
 fim da dízima;
 fim das corveias e da servidão;
 proibição da venalidade dos cargos públicos;
 redação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão;
 consagração dos direitos inalienáveis da liberdade, da igualdade e da propriedade;
 nacionalização dos bens da Igreja;
 membros do clero tornaram-se funcionários do Estado;
 abolição das corporações;
 laicização do Estado.
O exercício do poder durante a monarquia constitucional:
 separação dos poderes políticos OU rei detém o poder executivo OU Assembleia detém o poder legislativo OU juízes com poder
judicial;
 soberania popular OU é da nação que emana o poder OU o povo delega nos seus representantes o poder;
 sufrágio censitário e indireto;
 cidadãos ativos com direito de voto OU cidadãos passivos sem direitos políticos;
 o rei detém o veto suspensivo.

Os sans-culottes vistos pelo francês Lesueur, DOC. 2 Os sans-culottes vistos pelo inglês
DOC. 1
guaches de fim do século XVIII Gillray, caricatura de 1793
A.
Sans-culottes a trabalharem numa oficina de
armas.

B.

Legenda:
“O Zénite da Glória francesa – o Pináculo da
Liberdade. Religião, Justiça, Lealdade e todo o
bicho-papão que perturba as mentes não iluminadas,
Adeus!”
.

1 Rapariga acolhendo o namorado que regressa, ferido,


da frente de combate.
2 Casal oferecendo roupas e calçado para os voluntários
do exército revolucionário.

Para responder aos itens 1 e 2, selecione a opção correta.

Escreva, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida.

1.

1. Os sans-culottes eram constituídos por:


a) burgueses e a sua hegemonia fez-se sentir durante a Monarquia Constitucional.
b) artífices, logistas e alguns operários urbanos e a sua hegemonia fez-se sentir durante a República
popular e jacobina.
c) artífices, lojistas e alguns operários urbanos e a sua hegemonia fez-se sentir durante o Diretório.
d) camponeses e a sua influência fez-se sentir durante o Consulado.

2. O órgão político que liderava a França durante a hegemonia dos sans-culottes chamava-se:
a) Convenção.
b) Assembleia Nacional Constituinte.
c) Conselho dos Quinhentos.
d) Estados Gerais.

3.Refira, a partir dos documentos 1 e 2, três das características da vida política francesa durante
a hegemonia dos sans-culottes.

 Existência de uma república após a destituição do rei Luís XVI OU substituição da Monarquia
Constitucional pela República popular e jacobina;
 exercício de uma democracia direta pelos sans-culottes, que participavam nas sociedades populares,
clubes, assembleias de secção e na própria Convenção, influenciando nesta as votações com as suas
manifestações ruidosas;
 alargamento do direito de voto OU do sufrágio aos sans-culottes, consagrado numa nova Constituição
OU existência de igualdade política entre os sans-culottes e os demais cidadãos;
 proteção aos sans-culottes através de medidas socioeconómicas, como a Lei do Máximo que fixava os
salários OU a nacionalização dos bens dos emigrados, vendidos em pequenos lotes, OU a partilha dos
bens comunais OU a abolição total dos direitos feudais OU a instrução gratuita e obrigatória;
 empenho na defesa dos direitos humanos da liberdade e da igualdade OU combate à escravatura,
abolida nas colónias;
 política de descristianização OU estabelecimento do Estado laico OU perseguições ao clero (Doc. 2);
 instauração do Terror, com a prisão e a execução do rei, da família real, dos antigos privilegiados e de
todos os que punham em causa a prepotência do governo revolucionário (Doc. 2);
 conjuntura de guerra civil, em várias regiões de França, provocada pela insurreição de monárquicos e
católicos contra as medidas da Convenção;
 conjuntura de guerra contra uma coligação de países europeus que atacavam a França revolucionária;
 mobilização geral OU participação dos sans-culottes na defesa da Revolução (Doc. 1 – A, B).

4.Compare a perspetiva expressa acerca dos sans-culottes no documento 1 (A e B) com a


perspetiva transmitida pelo documento 2, quanto a três dos aspetos em que se opõem.

Comparação clara das duas perspetivas acerca dos sans-culottes, referindo três dos aspetos em que se
opõem:

 [ocupações profissionais] enquanto no documento 1 os sans-culottes são apresentados como


trabalhadores numa oficina de armas ou servindo no Exército, no documento 2 os sans-culottes
passam o dia a divertir-se com o espetáculo mórbido das execuções, numa alusão ao período do
Terror;

 [atitudes morais OU cívicas] enquanto no documento 1 os sans-culottes dão uma imagem de


cidadãos responsáveis, patriotas, ordeiros, abnegados e solidários, o documento 2 apresenta os sans-
-culottes como indivíduos sanguinários, violentos, ignorantes, destruidores da ordem, da religião e
do património;

 [aspeto físico ou imagem exterior] enquanto no documento 1 os sans-culottes vestem as suas


tradicionais roupas da calça comprida às riscas e jaqueta, no caso dos homens, e dão, no conjunto
de homens e mulheres, uma imagem digna, apesar da modéstia, o documento 2 apresenta os sans-
-culottes como indivíduos andrajosos e esfarrapados, a provocarem a repelência do observador;

 [papel dos sans-culottes na Revolução Francesa] enquanto no documento 1 se considera que os


sans-culottes espelham a dignidade da Revolução Francesa, na sua luta pela Liberdade, Igualdade e
Fraternidade entre os Homens, no documento 2 os sans-culottes são vistos como responsáveis pelos
excessos da Revolução Francesa, entendida como um episódio histórico negativo de destruição de
valores (a liberdade, a justiça, a lealdade, a religiosidade).
3. Complete as frases, escolhendo a opção correta.
A 1ª fase da Revolução Francesa foi marcada pelas seguintes características:
I. Fim da monarquia de direito divino porque ...
a) o rei passa a exercer o poder autoritário sem respeito pela lei.
b) o monarca exerce o poder que lhe é concedido pela soberania nacional.
c) a origem do poder do rei é estabelecida através de eleições.

II. Abolição da sociedade de ordens porque...


a) a constituição consagrou a igualdade de todos à nascença e pôs fim aos privilégios.
b) na sociedade quem nascia nobre e rico não tinha privilégios apesar de ter prestígio.
c) na sociedade de ordens todos estavam ordenados de acordo com o seu esforço.

III. O regime monárquico-constitucional caracteriza-se ...


a) pela concentração dos poderes consagrada na Constituição em que o rei exerce o poder, cuja origem é
a Nação.
b) pelo poder do monarca estabelecido na constituição e pela separação dos poderes.
c) pela existência de uma constituição em que o rei eleito exerce o poder de forma partilhada.

IV. Consagração do sufrágio censitário porque ...


a) a igualdade dos cidadãos era restrita no acesso ao voto, pois votar estava reservado a quem tinha
rendimentos de acordo com a lei e pagava um imposto (censo).
b) todos os cidadãos eram iguais e tinha direito ao sufrágio desde que soubessem escrever e trabalhassem.
c) a igualdade dos cidadãos estabelecia o sufrágio para todos os que tivessem bom senso e fossem
instruídos.

V.Consagração da igualdade civil porque...


a) os cidadãos são considerados iguais perante a lei.
b) os cidadãos são iguais em todos os domínios da vida social, política e económica.
c) os cidadãos têm igualdade de acesso ao poder, a eleger e a ser eleitos.

VI. Liberdade de pensamento e de opinião porque ...


a) a censura impedia os indivíduos de se expressarem-se e de se manifestar-se livremente.
b) os cidadãos podem expressar-se sem restrições morais ou legais.
c) a liberdade de opinião e de expressão é um dos direitos consagrados na Constituição.

4. Associe os elementos da coluna A com os da B de modo a estabelecer significados corretos.

Coluna A Coluna B
(1) Decretos de 4 e 5 de (a) Petições e protestos apresentados pelos povos de diferentes regiões de
Agosto França para serem presentes à reunião dos Estados Gerais.

(b) Consagração dos princípios da liberdade e igualdade para todos os Homens.


(2) Declaração dos Direitos do
Homem e do Cidadão B (c) Estabelece que os membros do clero eram funcionários do Estado, sendo os
bens eclesiásticos nacionalizados.
(3) Cadernos de Queixas (d) Lei geral do Estado que define o tipo de regime, o exercício do poder e os
direitos e garantias dos cidadãos.
(4) Constituição civil do Clero
C (e) Lei que consagra os privilégios concedidos aos operários e camponeses.

(f) Proibição das associações profissionais, das reivindicações salariais e das


(5) Grande Medo greves.

(6) Lei de Le Chapelier (g) Supressão de todos os privilégios / direitos senhoriais.

(7) Constituição de 1791 (h) Reação popular campesina que se traduz em ações violentas contra a
aristocracia, ataques aos arquivos face à ameaça do perigo aristocrático, da fome
e ameaça estrangeira.
5. Estabelece a correspondência correta entre os seguintes acontecimentos e a etapa da Revolução
Francesa em que ocorreram.

Coluna I Coluna II

1 - Aprovação da Lei do Máximo. A - Convenção.

2 - Elaboração da Declaração dos Direitos do Homem e B - Assembleia Nacional Constituinte.


do Cidadão.

3 - Decapitação de Luís XVI. C - Diretório.

4 - Tomada da Bastilha.

5 - Aprovação da Constituição de 1795.

6 - Napoleão domina o Egito.


GRUPO III
DA OBRA REVOLUCIONÁRIA DA CONVENÇÃO REPUBLICANA AO REGRESSO À PAZ CIVIL E A NOVA ORDEM INSTITUCIONAL
E JURÍDICA
Doc. 1 – O governo revolucionário

1. O Governo provisório de França é revolucionário até que se estabeleça a paz.

2. O Conselho Executivo provisório, os ministros, os generais, os corpos


constituídos, ficam sob vigilância do Comité de Salvação Pública, que entregará
relatórios semanais à Convenção.

3. Todas as medidas de segurança serão tomadas pelo Conselho Executivo


provisório, depois de autorizadas pelo Comité, que delas dará conta à Convenção.

4. As leis revolucionárias deverão ser executadas rapidamente. O governo


transitará imediatamente aos distritos as resoluções de salvação pública.

Maximilien François Marie Isidore de Robespierre. Decreto sobre o Governo revolucionário de 10 de Outubro de 1793

1. Indique três motivos que conduziram à radicalização revolucionária em 1793, expressos no


documento 1.
2. ameaça da guerra externa ou ameaça de invasão pelos Estados coligados contra a França
revolucionária;
3. ameaça da guerra interna ou revoltas internas; Um sans-culotte, o apoio popular da revolução
4. dificuldades económicas e financeiras;
5. dificuldades de abastecimentos e ameaça de fome;
6. pressão do povo ou dos sans-culottes;
7. exigência de reformas que respondessem aos anseios populares;
8. afastamento das ameaças contrarrevolucionárias;
9. defesa da instauração de um regime mais igualitário e popular por parte dos defensores da república mais igualitária

10. Identifique duas das designações atribuídas a esta fase da Revolução Francesa.

3. Associe os elementos da Coluna A aos da Coluna B:


1. Cidadão ativo j (a) Destinada a tabelar os preços máximo dos bens essenciais e os salários.
2. Clube político b (b) Associação de caráter político-ideológico.
3. Cidadão passivo f (c) Assembleia que vigorou entre 1792 e 1795.
4. Sufrágio censitário i (d) Povo de Paris que usava calção.
5. Sans-Culottes f (e) Calendário republicano com nova divisão e nova designação dos meses do ano
6. Lei do Máximo a baseados na Natureza.
7. Descristianização e (f) O cidadão que por não ter rendimento é desprovido de direitos políticos.
8. Festa cívica m (g) Direito de voto atribuído aos que pagam um determinado imposto (censo).
9. Culto do Ser Supremo l (h) O cidadão que apresenta rendimento necessário para exercer o voto.
10. Convenção republicana (i) Culto que visa substituir os cultos do cristianismo.
c (j) Exaltação das virtudes cívicas, dos heróis e dos acontecimentos da revolução.
(l) Compromisso em que os governantes deveriam garantir que a vontade da maioria fosse
respeitada.
(m) Cada indivíduo deve usar a sua liberdade para escolher os governantes com base num
compromisso assumido entre estes e a sociedade.

O Tempo da História, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas


Doc 2 – A AÇÃO POLÍTICA DE NAPOLEÃO
Durante os primeiros meses de Napoleão no poder foram alcançados resultados espantosos […]. Primeiro, demitiu o Diretório corrupto, o
seu governo e aboliu a constituição e estabeleceu uma nova constituição, a de 1799, […] que conferiu a Napoleão uma posição dominante
[…]. O Conselho dos Anciãos foi substituído e introduziu novas propostas legislativas fornecidas por Napoleão. Nesta medida, o primeiro
cônsul Bonaparte enfraqueceu e manipulou todo o processo legislativo. A única oposição vinha do Tribunato que Napoleão eliminou em
1807. […] A estrutura governativa estava dividida nos departamentos tradicionais (Negócios Estrangeiros, Interior, Guerra) cujos ministros
eram responsáveis perante, e nomeados por, Bonaparte.

Alan Schom, Napoleon Bonaparte, Harper Perennial, USA, 1997, p. 226 [tradução adaptada].

4. Identifique o regime político a que se refere o documento. Consulado

5. Atribua um número de ordem a cada um dos acontecimentos, de modo a estabelecer a sua correta
ordenação cronológica:
7 Napoleão, cônsul vitalício ____
10 Início do Império ____
4 Golpe do Brumário ____
2 Constituição do ano III ____
8 Criação do franco-germinal ____
9 Código Civil ____
3 Conjura dos Iguais ____
5 Banco de França ____
6 Assinatura da Concordata ____
1 9 do Termidor ___

3. Ordene cronologicamente, do mais remoto para o mais recente, os seguintes acontecimentos


relativos à Revolução Francesa.

Escreva, na folha de respostas, a sequência de letras correta.


A) Execução de Luís XVI
B) Promulgação do Código Civil
C) Juramento da Sala do Jogo da Péla
D) Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
E) Lei dos Suspeitos
F) Golpe de 18 do Brumário
G) Tomada da Bastilha
H) Assalto ao Palácio das Tulherias
I) Constituição do Ano III – início do Diretório
J) Constituição Civil do Clero

O Tempo da História, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas


4. Desenvolva o tema:
As transformações socioeconómicas e políticas provocadas pela Revolução Francesa no
século XVIII.

A sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, dois aspetos para cada um dos
seguintes tópicos de desenvolvimento:
– a influência das ideias das Luzes;
– o fim da sociedade de ordens e dos privilégios de Antigo Regime;
– o fim do Absolutismo.

________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

O Tempo da História, Célia Pinto do Couto e Maria Antónia Monterroso Rosas