Вы находитесь на странице: 1из 124

STF – 909 ATÉ 927

STJ – 628 ATÉ 638

INFORMATIVOS STF E STJ 2018 – 2º SEMESTRE

Sumário
DIREITO CONSTITUCIONAL .......................................................................................................8

AÇÃO CIVIL PÚBLICA .............................................................................................................8

ADVOCACIA PÚBLICA ...........................................................................................................8

ANISTIA...............................................................................................................................10

CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO ................................................................................10

COMPETÊNCIAS LEGISLATIVAS ...........................................................................................11

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE .............................................................................16

CNJ .....................................................................................................................................16

DIREITOS FUNDAMENTAIS .................................................................................................18

ENSINO ...............................................................................................................................18

LIBERDADE DE EXPRESSÃO .................................................................................................20

PRECATÓRIOS .....................................................................................................................21

SAÚDE ................................................................................................................................22

DIREITO ADMINISTRATIVO .....................................................................................................22

CONCURSO PÚBLICO ..........................................................................................................23

DEFENSORIA PÚBLICA ........................................................................................................25

EMPREGADO PÚBLICO .......................................................................................................25

EMPRESA PÚBLICA .............................................................................................................26

LICITAÇÃO ..........................................................................................................................26

NEPOTISMO........................................................................................................................27

PODER DISCIPLINAR – COMPETÊNCIA ................................................................................27

PRESCRIÇÃO – RESSARCIMENTO AO ERÁRIO .....................................................................28

PROCESSO DISCIPLINAR......................................................................................................28

1
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

SERVIDOR PÚBLICO ............................................................................................................29

DIREITO TRIBUTÁRIO ..............................................................................................................32

CSLL ....................................................................................................................................33

ICMS ...................................................................................................................................35

IPI .......................................................................................................................................36

IPTU ....................................................................................................................................37

PARCELAMENTO.................................................................................................................38

PIS / PASEP .........................................................................................................................38

DIREITO FINANCEIRO..............................................................................................................39

TRANSFERÊNCIAS OBRIGATÓRIAS ICMS AOS MUNICÍPIOS ................................................39

DIREITO PREVIDENCIÁRIO ......................................................................................................40

ADICIONAL DE GRANDE INVALIDEZ ....................................................................................40

PREVIDENCIA PRIVADA.......................................................................................................40

PREVIDENCIA PRIVADA FECHADA ......................................................................................40

DIREITO CIVIL .........................................................................................................................44

ALIMENTOS ........................................................................................................................44

BEM DE FAMÍLIA ................................................................................................................47

CASAMENTO.......................................................................................................................48

COMPRA E VENDA ..............................................................................................................48

CONDOMÍNIO – SHOPPING CENTER...................................................................................49

CONTRATOS .......................................................................................................................49

DANO MORAL.....................................................................................................................50

DIREITO BANCÁRIO ............................................................................................................51

DIVÓRCIO ...........................................................................................................................53

DIREITO REAL DE HABITAÇÃO ............................................................................................54

DOAÇÃO .............................................................................................................................54

ESQUECIMENTO, DIREITO AO.............................................................................................54

GARANTIA FIDUCIÁRIA .......................................................................................................55

2
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

HIPOTECA ...........................................................................................................................56

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA ............................................................................................56

LEASING..............................................................................................................................57

LOCAÇÃO ............................................................................................................................58

MANDATO ..........................................................................................................................58

PESSOAS NATURAIS ............................................................................................................58

PRESCRIÇÃO .......................................................................................................................60

UNIÃO ESTÁVEL ..................................................................................................................60

USUCAPIÃO ........................................................................................................................61

DIREITO DO CONSUMIDOR ....................................................................................................61

CADASTROS RESTRITIVOS ...................................................................................................62

CORRETAGEM ....................................................................................................................63

DIREITO À INFORMAÇÃO ....................................................................................................63

FORNECEDOR .....................................................................................................................64

MINISTÉRIO PÚBLICO – LEGITIMIDADE ..............................................................................64

PLANO DE SAÚDE ...............................................................................................................65

PROTEÇÃO CONTRATUAL ...................................................................................................67

RESPONSABILIDADE CIVIL...................................................................................................67

DIREITO EMPRESARIAL ...........................................................................................................68

FALÊNCIA ............................................................................................................................68

PROTESTO ..........................................................................................................................69

RECUPERAÇÃO JUDICIAL ....................................................................................................70

SOCIEDADES .......................................................................................................................70

DIREITO PROCESSUAL CIVIL ....................................................................................................70

AÇÃO RESCISÓRIA ..............................................................................................................71

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO .......................................................................71

AÇÃO DE EXIGIR CONTAS ...................................................................................................72

AÇÃO DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS ...............................................................................72

3
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

AÇÃO RENOVATÓRIA DE LOCAÇÃO ....................................................................................73

AMICUS CURIAE .................................................................................................................73

ARROLAMENTO SUMÁRIO .................................................................................................74

CAUÇÃO .............................................................................................................................75

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA ...........................................................................................75

EMBARGOS INFRINGENTES ................................................................................................76

EXECUÇÃO ..........................................................................................................................76

EXECUÇÃO FISCAL ..............................................................................................................77

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS ............................................................................................78

IMPENHORABILIDADE ........................................................................................................79

INTERESSE DE AGIR ............................................................................................................80

JUROS MORATÓRIOS ..........................................................................................................80

LEGITIMIDADE PASSIVA ......................................................................................................80

MANDADO DE SEGURANÇA ...............................................................................................82

MEDIDAS COERCITIVAS ATÍPICAS .......................................................................................83

MINISTÉRIO PÚBLICO – LEGITIMIDADE ..............................................................................84

PRESSUPOSTO PROCESSUAL ..............................................................................................85

RECURSOS ..........................................................................................................................85

TÉCNICA DE AMPLIAÇÃO DO COLEGIADO ..........................................................................87

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL ...................................................................................88

AÇÃO PENAL PRIVADA........................................................................................................88

ACORDO DE LENIÊNCIA ......................................................................................................88

ARQUIVAMENTO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL .................................................................89

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA ...................................................................................................89

CASA DE PROSTITUIÇÃO .....................................................................................................90

CÓDIGO DE TRÂNSITO ........................................................................................................90

COLABORAÇÃO PREMIADA ................................................................................................91

COMPETÊNCIA....................................................................................................................92

4
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CONTRABANDO / DESCAMINHO ........................................................................................93

CORRUPÇÃO ATIVA ............................................................................................................93

CORRUPÇÃO PASSIVA.........................................................................................................94

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA ............................................................................95

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO .........................................................................95

CRIMES DA LEI DE LICITAÇÕES............................................................................................95

EMBARGOS INFRINGENTES ................................................................................................96

EXECUÇÃO PENAL...............................................................................................................96

FIXAÇÃO DE REGIME DA PENA ...........................................................................................98

FUNCIONÁRIO PÚBLICO .....................................................................................................98

FORO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO .............................................................................98

HABEAS CORPUS ..............................................................................................................100

INQUÉRITO .......................................................................................................................100

INTERROGATÓRIO ............................................................................................................101

INTIMAÇÃO ......................................................................................................................101

JÚRI ..................................................................................................................................101

LEI DE DROGAS .................................................................................................................103

LEI MARIA DA PENHA .......................................................................................................105

MEDIDA DE SEGURANÇA ..................................................................................................105

MULTA..............................................................................................................................106

PETRECHOS PARA FALSIFICAÇÃO DE MOEDA ...................................................................106

PRESCRIÇÃO .....................................................................................................................107

PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA .......................................................................................107

PRISÃO DOMICILIAR .........................................................................................................108

PRISÃO PREVENTIVA ........................................................................................................108

PROVAS ............................................................................................................................109

RACISMO ..........................................................................................................................109

RECURSOS ........................................................................................................................110

5
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

SENTENÇA ........................................................................................................................111

SUSTENTAÇÃO ORAL ........................................................................................................111

TORTURA ..........................................................................................................................111

TRIBUNAL DO JURI ...........................................................................................................111

ECA – CRIANÇA E ADOLESCENTE ..........................................................................................112

DEFENSORIA PÚBLICA ......................................................................................................112

INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS ........................................................................................113

MAIORIDADE ....................................................................................................................113

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL MILITAR ...................................................................114

CONCUSSÃO .....................................................................................................................114

DIREITO INTERNACIONAL .....................................................................................................115

EXTRADIÇÃO.....................................................................................................................115

DIREITO AMBIENTAL ............................................................................................................116

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ..........................................................................116

ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS ..............................................................116

DIREITO ELEITORAL ..............................................................................................................117

BIOMETRIA .......................................................................................................................117

FUNDO PARTIDÁRIO .........................................................................................................117

INELEGIBILIDADE ..............................................................................................................118

LIBERDADE DE EXPRESSÃO ...............................................................................................119

DIREITO REGISTRAL ..............................................................................................................119

REGIME JURÍDICO.............................................................................................................119

DIREITO DO TRABALHO E PROCESSUAL DO TRABALHO .......................................................120

AÇÃO RESCISÓRIA ............................................................................................................120

COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA ...............................................................................120

PLANO DE SAÚDE .............................................................................................................121

PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO ......................................................................................122

TERCEIRIZAÇÃO ................................................................................................................122

6
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO ECONÔMICO ...........................................................................................................123

DIREITOS ANTIDUMPING..................................................................................................123

7
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO CONSTITUCIONAL

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

O Ministério Público tem legitimidade para ajuizar ação civil pública (ACP) que vise
anular ato administrativo de aposentadoria que importe em lesão ao patrimônio
público.
RE 409356/RO, Plenário, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 25.10.2018. (INFO 921)

De acordo com o Colegiado, o Ministério Público ostenta legitimidade para a tutela


coletiva destinada à proteção do patrimônio público. Múltiplos dispositivos da
Constituição Federal (CF) evidenciam a elevada importância que o Poder Constituinte
conferiu à atuação do parquet no âmbito das ações coletivas (CF, arts. 127, caput, e
129, II, III e IX). A tutela coletiva exercida pelo Ministério Público se submete apenas a
restrições excepcionais, como a norma que lhe veda o exercício da representação
judicial e da consultoria jurídica de entidades públicas (CF, art. 129, IX).
A Constituição reserva ao parquet ampla atribuição no campo da tutela do patrimônio
público, interesse de cunho inegavelmente transindividual, preservada, entretanto, a
atuação do próprio ente público prejudicado (CF, art. 129, § 1º). Ao ajuizar ação coletiva
para a tutela do erário, o Ministério Público não age como representante da entidade
pública, e sim como substituto processual de uma coletividade indeterminada, é dizer,
a sociedade como um todo, titular do direito à boa administração do patrimônio público,
da mesma forma que qualquer cidadão poderia fazê-lo por meio de ação popular (CF,
art. 5º, LXXIII).
O combate em juízo à dilapidação ilegal do erário configura atividade de defesa da
ordem jurídica, dos interesses sociais e do patrimônio público, funções institucionais
atribuídas ao Ministério Público pela Constituição. Entendimento contrário não apenas
afronta a textual previsão da Carta Magna, mas também fragiliza o sistema de controle
da Administração Pública, visto que a persecução de atos atentatórios à probidade e à
moralidade administrativas recairia no próprio ente público no bojo do qual a lesão tiver
ocorrido.

ADVOCACIA PÚBLICA

A representação estadual como um todo, independentemente do Poder, compete à


Procuradoria-Geral do Estado (PGE), tendo em conta o princípio da unicidade
institucional da representação judicial e da consultoria jurídica para estados e
Distrito Federal, limintando-se a atuação da Procuradoria da Assembleia Legislativa
à defesa das prerrogativas inerentes ao Poder Legislativo.
ADI 825/AP, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 25.10.2018.
(INFO 921)

8
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Em conclusão, o Plenário, ao julgar procedente, em parte, pedido formulado em ação


direta, declarou a inconstitucionalidade das expressões “o Procurador da Fazenda
Estadual” contida no inciso II (1) do art. 119 e “por qualquer tempo” da parte final do art.
32 da Constituição do Estado do Amapá (2). Por maioria, assentou a
inconstitucionalidade do inciso XVII do art. 112 e deu interpretação conforme à
Constituição Federal (CF) ao art. 115 (3).

A expressão “por qualquer tempo” foi excluída da parte final do art. 32 porque a
necessidade de o prefeito, mesmo em períodos menores do que quinze dias, ter
autorização da Câmara Municipal para viagem ao exterior quebra a simetria existente
em relação a governador.
Quanto ao art. 115, a Corte conferiu interpretação conforme para limitar a atuação da
Procuradoria da Assembleia Legislativa à defesa das prerrogativas inerentes ao Poder
Legislativo. A representação estadual como um todo, independentemente do Poder,
compete à Procuradoria-Geral do Estado (PGE), tendo em conta o princípio da
unicidade institucional da representação judicial e da consultoria jurídica para estados e
Distrito Federal. No entanto, às vezes, há conflito entre os Poderes. Demais disso, o
texto do artigo pode vir a gerar confusão, porquanto prevê concorrência com a PGE.

(1) Constituição do Estado do Amapá: “Art. 119. Compete privativamente ao Governador


do Estado, além de outras atribuições previstas nesta Constituição: (...) II – nomear e
exonerar o Procurador da Fazenda Estadual, os dirigentes das autarquias, empresas
públicas, sociedades de economia mista de que o Estado detenha o controle acionário;”
(2) Constituição do Estado do Amapá: “Art. 32. O Prefeito e o Vice-Prefeito residirão no
Município e dele não poderão se ausentar durante o exercício do mandato, salvo se a
ausência não ultrapassar quinze dias, exigindo-se licença prévia da Câmara Municipal
para viagem ao exterior por qualquer tempo. ”
(3) Constituição do Estado do Amapá: “Art. 115. À Procuradoria da Assembleia compete
exercer a representação judicial do Poder Legislativo nas ações em que este for parte,
ativa ou passiva, sem prejuízo das atribuições da Procuradoria-Geral do Estado. ”

É inconstitucional lei estadual que preveja que servidor de autarquia (no caso, era
Técnico Superior do DETRAN) será responsável por: • representar a entidade “em
juízo ou fora dele nas ações em que haja interesse da autarquia”. • praticar “todos os
demais atos de natureza judicial ou contenciosa, devendo, para tanto, exercer as suas
funções profissionais e de responsabilidade técnica regidas pela Ordem dos
Advogados do Brasil OAB”. Tais previsões violam o “princípio da unicidade da
representação judicial dos Estados e do Distrito Federal”, insculpido no art. 132 da
CF/88. A legislação impugnada, apesar de não ter criado uma procuradoria paralela,
atribuiu ao cargo de Técnico Superior do Detran/ES, com formação em Direito,
diversas funções privativas de advogado. Ao assim agir, conferiu algumas atribuições
de representação jurídica do DETRAN a pessoas estranhas aos quadros da
Procuradoria-Geral do Estado, com violação do art. 132, caput, da CF/88.

O STF decidiu modular os efeitos da decisão para:


• manter os cargos em questão, excluídas as atribuições judiciais inerentes às
procuradorias;
• declarar a validade dos atos praticados (ex: contestações, recursos etc.) até a data
do julgamento, com base na teoria do funcionário de fato.

ATENÇÃO. Por outro lado, é válido que esses servidores façam a atuação jurídica no
âmbito interno da autarquia, sobretudo em atividades de compliance, tais como
9
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

conceber e formular medidas e soluções de otimização, fiscalização e auditoria (exs:


interpretar textos e instrumentos legais, elaborar pareceres sobre questões jurídicas
que envolvam as atividades da entidade, elaborar editais, contratos, convênios etc.).
Essas atribuições podem sim ser exercidas pelos Técnicos Superiores do DETRAN,
sem que isso ofenda o princípio da unicidade da representação judicial.
O STF entendeu que não se pode deslocar qualquer atuação técnico-jurídica da
autarquia para a PGE, porque esta não conseguirá fazer frente a essa gama de
trabalho, sob pena de ter suas atividades inviabilizadas.
STF. Plenário. ADI 5109/ES, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 13/12/2018 (Info 927).

ANISTIA

1) Reconhecido o direito à anistia política, a falta de cumprimento de requisição ou


determinação de providências por parte da União, por intermédio do órgão
competente, no prazo previsto nos artigos 12, § 4º, e 18, caput e parágrafo único, da
Lei 10.599/2002, caracteriza ilegalidade e violação de direito líquido e certo; 2)
Havendo rubricas no orçamento destinadas ao pagamento das indenizações devidas
aos anistiados políticos e não demonstrada a ausência de disponibilidade de caixa, a
União há de promover o pagamento do valor ao anistiado no prazo de 60 dias; e 3) Na
ausência ou na insuficiência de disponibilidade orçamentária no exercício em curso,
cumpre à União promover sua previsão no projeto de lei orçamentária
imediatamente seguinte.
RMS 28201/DF, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, julgamento em 25.9.2018.
(RMS-28201) (INFO 917)

CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO

É nula a decisão de órgão fracionário que se recusa a aplicar o art. 94, II (1), da Lei
9.472/1997, sem observar a cláusula de reserva de plenário (CF, art. 97 (2)),
observado o art. 949 (3) do Código de Processo Civil (CPC).
ARE 791932/DF, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 10 e
11.10.2018. (INFO 919, Repercussão Geral)

Ao fixar essa tese de repercussão geral (Tema 739), o Plenário, por maioria, conheceu
do agravo e deu provimento ao recurso extraordinário para declarar a nulidade do
pronunciamento de órgão fracionário do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em que
consignada a ilegitimidade da terceirização de serviços de call center, com base no
Enunciado 331 da Súmula do TST, por constituírem atividade-fim das empresas de
telecomunicações.

CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO

10
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Sociedade de economia mista realizou concurso público para advogado da empresa.


Mesmo havendo aprovados no certame, que ainda estava dentro do prazo de
vigência, a empresa decidiu contratar um escritório de advocacia para realizar os
serviços jurídicos. Diante disso, uma das Turmas do TRT reconheceu que houve
preterição dos aprovados e determinou a nomeação. Ao assim decidir, a Turma do
TRT disse que não se aplicava, ao caso, o art. 25, § 1º, da Lei nº 8.987/95. Essa decisão
da Turma do TRT (órgão fracionário do Tribunal) não viola a SV 10. Isso porque o
enfoque do acórdão do TRT não era a terceirização dos serviços, mas sim a preterição
arbitrária praticada pela Administração Pública.
STF. 1ª Turma. Rcl 29307 AgR/PB, Rel. Min. Alexandre de Moraes, red. p/ o ac. Min.
Rosa Weber, julgado em 4/12/2018 (Info 926).

COMPETÊNCIAS LEGISLATIVAS

Tribunal de Justiça não tem competência para, por meio de provimento da respectiva
Corregedoria, estabelecer prazo para a propositura de ação de restauração de autos.
REsp 1.722.633-MA, Terceira Turma Rel. Min. Nancy Andrighi, por unanimidade,
julgado em 07/08/2018, DJe 10/08/2018

A restauração de autos visa à recomposição do conjunto de peças documentais do


processo desaparecido, assim como à responsabilização do causador do
desaparecimento. No entanto, verifica-se que o CPC/1973 e o CPC/2015 não preveem
prazo para a sua propositura. No caso analisado, Corregedoria de Tribunal de Justiça
fixou termo final para o seu ajuizamento sob pena de a parte perder o direito à
restauração dos autos e ser obrigada a propor novamente a ação principal, criando
verdadeiro prazo decadencial. A desse prazo decadencial é norma que impõe limite ao
exercício do direito pela parte e, consequentemente, à prestação da atividade
jurisdicional pelo Estado, razão pela qual não pode ser considerada mera regra de
procedimento. Normas puramente procedimentais, com efeito, não podem adentrar
aspectos típicos do processo, como competência, prazos, recursos ou provas são
normas que versam sobre questões internas do órgão jurisdicional (interna corporis), de
simples organização judiciária, a exemplo da autuação, distribuição e protocolo, custas
processuais, lavratura de certidões, informações estatísticas, etc. Tal previsão,
ademais, viola a garantia do devido processo legal, na sua vertente substancial,
porquanto não é razoável que o silêncio do legislador possa ser interpretado pelo órgão
jurisdicional em prejuízo da parte que não deu causa ao desaparecimento dos autos,
sequer em favor daquela que se beneficia da suspensão do processo. Assim, ao
estabelecer prazo para a propositura da ação de restauração de autos com a
apresentação dos documentos necessários, o Tribunal de Justiça editou norma
processual - cuja competência legislativa foi atribuída, pela Constituição Federal,
privativamente à União (art. 22, I, CF/1988) - em ofensa ao devido processo legal, e
violou os arts. 1.063 e seguintes do CPC/1973 (arts. 712 e seguintes do CPC/2015).

11
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É constitucional lei municipal que proíbe a conferência de produtos, após o cliente


efetuar o pagamento nas caixas registradoras das empresas instaladas na cidade, e
prevê sanções administrativas em caso de descumprimento.
Os municípios detêm competência para legislar sobre assuntos de interesse local,
ainda que, de modo reflexo, tratem de direito comercial ou do consumidor.
RE 1.052.719 AgR/PB, Segunda Turma, rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento
em 25.9.2018. (RE-1052719)

O bem-estar dos consumidores não tem relação com a atividade-fim das instituições,
razão pela qual não se constata a violação do art. 22, I, da CF.

É inconstitucional lei estadual que condiciona os termos de cooperação e similares


firmados no estado entre os componentes do SISNAMA à aprovação prévia da
Assembléia Legislativa.
ADI 4348/RR, Plenário, rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 10.10.2018.
(INFO 919)

O Tribunal entendeu ser inconstitucional, por violar o princípio da separação dos


poderes, a aprovação prévia pelo Poder Legislativo estadual dos instrumentos de
cooperação firmados pelos órgãos componentes do Sisnama.
A proteção ambiental é matéria de índole administrativa por envolver a execução de
política pública, cuja competência é privativa do Poder Executivo, no nosso federalismo
cooperativo, em que há o entrelaçamento entre as ações dos órgãos federais, estaduais
e municipais para a proteção do meio ambiente.
Do mesmo modo, a transferência de responsabilidades ou atribuições de órgãos
componentes do Sisnama é, igualmente, competência privativa do Executivo. Dessa
forma, não pode ficar condicionada à aprovação prévia da casa legislativa local.
Por fim, o Colegiado asseverou que o Legislativo estadual poderá exercer a fiscalização
dos atos praticados pelo Executivo, inclusive com o auxílio do Tribunal de Contas local,
a posteriori, se houver alguma irregularidade.

É inconstitucional norma estadual de iniciativa parlamentar que dispõe sobre piso


salarial de categoria que não tenha piso salarial definido em lei federal, convenção
ou acordo coletivo de trabalho.
ADI 5344 MC/PI, Plenário, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 11.10.2018. (INFO
919)

O Plenário converteu a apreciação de medida cautelar em exame de mérito e julgou


procedente pedido formulado em ação direta para declarar a inconstitucionalidade
formal da Lei piauiense 6.633/2015, que dispõe sobre o piso salarial do fisioterapeuta e
do terapeuta ocupacional.
Por ser de iniciativa parlamentar, a norma estadual ultrapassa os limites da competência
legislativa delegada aos estados e ao Distrito Federal, nos termos do art. 22, I e
parágrafo único (1), da Constituição Federal (CF), por meio da Lei Complementar (LC)
103/2000 (2). A extrapolação dos limites representa usurpação da competência da
União.
(1) CF: “Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: I – direito civil,
comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do
12
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

trabalho; (...) Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar
sobre questões específicas das matérias relacionadas neste artigo. ”
(2) LC 103/2000: “Art. 1º Os Estados e o Distrito Federal ficam autorizados a instituir,
mediante lei de iniciativa do Poder Executivo, o piso salarial de que trata o inciso V do
art. 7º da Constituição Federal para os empregados que não tenham piso salarial
definido em lei federal, convenção ou acordo coletivo de trabalho. ”

É inconstitucional lei municipal que estabeleceu, como serviço público municipal, o


concurso de prognósticos de múltiplas chances.
ADPF 337/MA, Plenário, rel. Min. Marco Aurélio, julgamento em 17.10.2018. (INFO
920)

Compete privativamente à União legislar sobre sistemas de consórcio e sorteios, nos


termos do art. 22, XX, da Constituição Federal (CF).

São inconstitucionais as leis que obrigam supermercados ou similares à prestação de


serviços de acondicionamento ou embalagem das compras, por violação ao princípio
da livre iniciativa (arts. 1º, IV (1), e 170 (2) da Constituição).
RE 839950/RS, Plenário, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 24.10.2018. (INFO 921)

O Colegiado asseverou que o princípio da livre iniciativa, descrito no art. 1º, IV, da CF
como fundamento da República e reiterado no art. 170 do texto constitucional, veda a
adoção de medidas que se destinem direta ou indiretamente à manutenção artificial de
postos de trabalho, em detrimento das reconfigurações de mercado necessárias à
inovação e ao desenvolvimento. Isso porque essa providência não é capaz de gerar
riqueza para trabalhadores ou consumidores.
A obrigação de fornecer serviço de empacotamento em conjunto com a oferta de bens
de varejo representa violação à garantia constitucional da proteção aos interesses dos
consumidores (CF, art. 5º, XXXII), mercê de constituir verdadeira venda casada, prática
vedada pelo art. 39, I, do Código de Defesa do Consumidor (CDC). A medida ocasionará
aumento de preços para a totalidade dos consumidores, ainda que não necessitem do
serviço ou não possuam recursos para custeá-lo.
Considerou, ainda, que a lei municipal, ao exigir, no § 1º do art. 1º, a contratação de
funcionário para cumprir determinada tarefa em estabelecimento empresarial, usurpa a
competência privativa da União para legislar sobre direito do trabalho e comercial (CF,
art. 22, I).
Citou a orientação firmada no julgamento das ADIs 669 MC e 907 no sentido de reputar
inconstitucional norma estadual que obrigava supermercados a manter funcionários
para o acondicionamento de compras.

É inconstitucional lei estadual que determina que instituições federais e particulares


de ensino superior devam ceder espaço para instalações dos centros e diretórios
acadêmicos e garantir livre divulgação dos jornais e outras publicações; participação
nos conselhos universitários; acesso à metodologia da elaboração das planilhas de
custos; e acesso dos representantes das entidades estudantis às salas de aula.

13
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

ADI 3757/PR, Plenário, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 17.10.2018 (INFO 920).

O Plenário, por maioria, ao julgar procedente, em parte, pedido formulado em ação


direta, declarou a inconstitucionalidade do art. 5º da Lei paranaense 14.808/2005 e
conferiu interpretação conforme à Constituição Federal (CF) aos arts. 1º a 4º da
mencionada norma, excluindo do seu âmbito de incidência as instituições federais e
particulares de ensino superior (Informativo 774).
O Colegiado deu interpretação conforme à Constituição aos arts. 1º a 4º para excluir do
seu âmbito de incidência as instituições federais e particulares de ensino superior, haja
vista integrarem o sistema federal de que tratam os arts. 209 e 211 (2) da CF
combinados com os arts. 16 e 17 (3) da Lei 9.394/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional).
Além disso, assentou a inconstitucionalidade do art. 5º da lei paranaense, no qual se
prevê a aplicação de multa às instituições particulares que não observem as regras
contidas nos artigos anteriores. A norma viola a competência legislativa da União para
dispor sobre o sistema federal, bem como a isonomia, uma vez que estabelece multa
exclusivamente em desfavor das universidades privadas.

É inconstitucional lei municipal que proíbe o trânsito de veículos, motorizados ou


não, que transportem cargas vivas nas áreas urbanas e de expansão urbana do
referido município.
ADPF 514 MC-REF/SP, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 11.10.2018. (ADPF-514)
ADPF 516 MC-REF/SP, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 11.10.2018. (ADPF-516)
Plenário (INFO 919)

O Colegiado entendeu que a vedação prevista afronta a competência da União para


legislar sobre a matéria [CF, art. 22, VIII, IX, X, XI (1)], a qual já estabeleceu, à exaustão,
diretrizes para a política agropecuária, o que inclui o transporte de animais vivos e sua
fiscalização (Lei 8.171/1991, e o Decreto 5.741/2006, que a regulamenta; Leis
1.283/1950 e 7.889/1989, e o Decreto 9.013/2017, que as regulamenta).
Asseverou ainda que, sob a justificativa de criar mecanismo legislativo de proteção aos
animais, o legislador municipal impôs restrição desproporcional ao direito dos
empresários do agronegócio de realizarem sua atividade.

É inconstitucional lei estadual que impõe às montadoras, concessionárias e


importadoras de veículos a obrigação de fornecer veículo reserva a clientes cujo
automóvel fique inabilitado por mais de quinze dias por falta de peças originais ou
por impossibilidade de realização do serviço, durante o período de garantia
contratual.
STF. Plenário. ADI 5158/PE, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 6/12/2018 (Info
926).

A competência da União será para estabelecer normas gerais sobre os assuntos do art.
24. Ex: o Congresso Nacional editou o Código de Defesa do Consumidor, sendo estas
as normas gerais.
A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência
suplementar dos Estados. Isso significa que os Estados-membros podem complementar

14
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

a legislação federal editada pela União. Obviamente, as normas estaduais não podem
contrariar as normas gerais elaboradas pela União.
O Ministro Relator entendeu que, neste caso, o Estado de Pernambuco extrapolou a
competência concorrente e não apenas complementou a legislação federal.
Para o STF, foram ultrapassadas as balizas impostas ao legislador estadual para a
elaboração de normas consumeristas.
O Min. Ricardo Lewandowski acompanhou o entendimento pela inconstitucionalidade
formal e salientou que o Estado-membro estaria também, neste caso, legislando sobre
“contratos”, ou seja, sobre Direito Civil, de modo que invadiu a esfera privativa da União.
Assim, o STF julgou procedente o pedido formulado na ação direta para declarar, por
vício formal, a inconstitucionalidade da Lei nº 15.304/2014, do Estado de Pernambuco,
em sua integralidade.

É constitucional lei estadual ou municipal que imponha sanções às agências


bancárias que não instalarem divisórias individuais nos caixas de atendimento.
Trata-se de matéria relativa a relação de consumo, o que garante ao Estado
competência concorrente para legislar sobre o tema (art. 24, V, da CF/88).
STF. Plenário. ADI 4633/SP, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 10/04/2018 (notícia do
site). STF. 1ª Turma. ARE 756593 AgR, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 16/12/2014.

Trata-se de matéria relativa a relação de consumo, o que garante ao Estado


competência concorrente para legislar sobre o tema, nos termos do art. 24, V, da CF/88.
O STF já possuía um precedente em sentido semelhante, no entanto, relacionado com
uma lei municipal: STF. 1ª Turma. ARE 756593 AgR, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em
16/12/2014.

É inconstitucional lei estadual que obriga as empresas concessionárias de serviços de


telecomunicações a manterem escritórios regionais e representantes legais para
atendimento presencial de consumidores em cidades com população superior a 100
mil habitantes, bem como a divulgarem os correspondentes endereços físicos no site,
no contrato de prestação de serviços e nas faturas enviadas aos usuários. Trata-se de
matéria relativa a “serviços públicos de telecomunicações”, cuja competência é
privativa da União (art. 21, XI e art. 22, IV, da CF/88). STF. Plenário. ADI 4633/PR, Rel.
Min. Luiz Fux, julgado em 10/04/2018 (notícia do site).

A União detém competência privativa para legislar sobre “telecomunicações” (art. 22,
IV).
Além disso, compete à União explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão
ou permissão, os serviços de telecomunicações (art. 21, XI).
Portanto, os Estados-membros não detêm competência para legislar sobre normas
aplicáveis aos prestadores de serviços de telecomunicações, ainda que a pretexto de
proteger o consumidor ou a saúde dos usuários, pois tal atribuição é privativa da União.

É inconstitucional lei do Distrito Federal que institua, extinga e transforme órgãos


internos da Polícia Civil do Distrito Federal. Essa lei viola o art. 21, XIV, da CF/88, que
fixa a competência da União para manter e organizar a Polícia Civil do Distrito
Federal. Deve-se reconhecer que o art. 21, XIV, CF/88 trata tanto de competência
administrativa quanto legislativa, sendo a matéria, portanto, atribuída,
prioritariamente, à União. As leis distritais impugnadas, ao criarem cargos em
comissão e novos órgãos, também instituíram novas obrigações pecuniárias a serem

15
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

suportadas pela União. Ocorre que é vedado ao Distrito Federal valer-se de leis
distritais para instituir encargos financeiros a serem arcados pela União. Como as leis
distritais declaradas inconstitucionais eram muito antigas (2001, 2002 e 2005), o STF
decidiu modular os efeitos da decisão.
STF. Plenário. ADI 3666, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 06/12/2018 (notícia
do site).

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

Coexistência de ADI no TJ e ADI no STF, sendo a ADI estadual julgada primeiro


Coexistindo duas ações diretas de inconstitucionalidade, uma ajuizada perante o
tribunal de justiça local e outra perante o STF, o julgamento da primeira – estadual –
somente prejudica o da segunda – do STF – se preenchidas duas condições
cumulativas: 1) se a decisão do Tribunal de Justiça for pela procedência da ação e 2)
se a inconstitucionalidade for por incompatibilidade com preceito da Constituição do
Estado sem correspondência na Constituição Federal. Caso o parâmetro do controle
de constitucionalidade tenha correspondência na Constituição Federal, subsiste a
jurisdição do STF para o controle abstrato de constitucionalidade. Viola a igualdade
a exigência de que o cargo público seja ocupado por indivíduo com curso de
administração pública mantido por instituição pública credenciada no respectivo
Estado É inconstitucional lei estadual que, ao criar o cargo de administrador público,
exige que ele seja ocupado por profissional graduado em Curso de Administração
Pública mantido por Instituição Pública de Ensino Superior, credenciada no
respectivo Estado. Essa previsão da lei estadual ofende o princípio constitucional da
igualdade no acesso a cargos públicos. Além disso, essa regra também viola o art. 19,
III, da Constituição Federal, que proíbe a criação de distinções ilegítimas entre
brasileiros.
STF. Plenário. ADI 3659/AM, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgado em 13/12/2018
(Info 927).

CNJ

O CNJ não pode fazer controle de constitucionalidade de lei ou ato normativo de


forma a substituir a competência do STF. Contudo, o CNJ pode determinar a correção
de ato do Tribunal local que, embora respaldado por legislação estadual, se distancie
do entendimento do STF. Assim, o CNJ pode afirmar que determinada lei ou ato
normativo é inconstitucional se esse entendimento já estiver pacificado no STF. Isso
porque, neste caso, o CNJ estará apenas aplicando uma jurisprudência, um
entendimento já pacífico. As leis estaduais que preveem abono de férias aos
magistrados em percentual superior a 1/3 são inconstitucionais. Isso porque essa
majoração do percentual de férias não encontra respaldo na LOMAN, que prevê, de
forma taxativa, as vantagens conferidas aos magistrados, sendo essa a Lei que deve
tratar do regime jurídico da magistratura, por força do art. 93 da CF/88. Logo, o CNJ

16
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

agiu corretamente ao determinar aos Tribunais de Justiça que pagam adicional de


férias superior a 1/3 que eles enviem projetos de lei para as Assembleias Legislativas
reduzindo esse percentual.
STF. 2ª Turma. MS 31667 AgR/DF, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 11/9/2018 (Info
915).

Caso concreto: foi instaurado procedimento de controle administrativo (PCA) no CNJ


para apurar a regularidade de 300 serventias judiciais. O impetrante alega a nulidade
do PCA pelo fato de haver um grande número de interessados no mesmo processo,
defendendo a ideia de que deveria ser um procedimento para cada parte. O STF não
concordou com o mandado de segurança impetrado e manteve a decisão do CNJ. O
fato de o PCA instaurado no CNJ contar com um número elevado de partes
interessadas não significa, necessariamente, violação ao devido processo legal, ao
contraditório e à ampla defesa. O prejuízo à defesa deve ser analisado concretamente,
à luz das especificidades do caso.
No caso concreto, tendo em vista que todos os interessados foram intimados para se
manifestarem no processo e o que CNJ enfrentou de maneira detida as teses jurídicas
por eles apresentadas, não há que se falar em anulação do ato impugnado. Como
regra geral, o controle dos atos do CNJ pelo STF somente se justifica nas hipóteses de:
a) inobservância do devido processo legal; b) exorbitância das competências do
Conselho; e c) injuridicidade ou manifesta irrazoabilidade do ato impugnado. No caso
concreto, não se identifica nenhuma dessas três situações. Logo, não há motivo para
a anulação da decisão do CNJ.
STF. 1ª Turma. MS 28.495/PR, Rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto
Barroso, julgado em 13/11/2018 (Info 923).

CURATELA

O art. 1.783 do CC prevê que se o curador for o cônjuge do curatelado e eles forem
casados sob o regime da comunhão universal, em regra, ele não será obrigado à
prestação de contas dos bens administrados durante a curatela, “salvo determinação
judicial” que o obrigue a prestar.
O STJ identificou duas situações nas quais o juiz poderá determinar a prestação de
contas.
Assim, o magistrado poderá (deverá) decretar a prestação de contas pelo cônjuge
curador, resguardando o interesse prevalente do curatelado e a proteção especial do
interdito quando:
a) houver qualquer indício ou dúvida de malversação dos bens do incapaz, com a
periclitação de prejuízo ou desvio de seu patrimônio, no caso de bens comuns; e
b) se tratarem de bens incomunicáveis, excluídos da comunhão, ressalvadas
situações excepcionais.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.515.701-RS, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
02/10/2018 (Info 637).

17
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITOS FUNDAMENTAIS

Havendo publicação de foto de morto sem sombreamento da imagem, não cabe


restrição censória, mas sim eventual responsabilização por desrespeito a direitos
alheios.
ARE 892127 AgR/SP, Segunda Turma, rel. Min. Cármen Lúcia, julgamento em
23.10.2018 (INFO 921)

A Segunda Turma, por maioria, desproveu agravo regimental interposto contra decisão
proferida pela ministra Cármen Lúcia (relatora), que deu provimento a agravo e, de
pronto, ao recurso extraordinário, para julgar improcedente pedido de indenização por
danos morais formulado por familiares de pessoa morta em tiroteio ocorrido em via
pública.
Os familiares, agravantes, ajuizaram ação de indenização contra a empresa jornalística
por ter divulgado a fotografia do local da cena do crime com a imagem da vítima
ensanguentada em seu veículo, sem os devidos cuidados de edição. Sustentaram
violação do direito à intimidade, à privacidade e à imagem do falecido e de sua família
(CF, art. 5º, V e X).
O tribunal de origem julgou procedente a pretensão indenizatória, ao fundamento de
estar caracterizada a situação geradora de dano moral, haja vista que a publicação da
foto do rosto desfigurado do falecido, sem o cuidado de sombrear a imagem,
configuraria extrapolação da liberdade de imprensa e violação aos direitos de
personalidade da vítima e de seus familiares.
A empresa ré interpôs recurso extraordinário contra esse acórdão e alegou ofensa ao
exercício da liberdade de expressão, de informação e de imprensa (CF, artigos 5º, IV,
IX e XIV, e 220). O apelo extremo foi inadmitido com base no Enunciado 279 da Súmula
do Supremo Tribunal Federal (STF), tendo sido agravada a decisão.
Prevaleceu o voto da ministra Cármen Lúcia que superou a aplicação do referido verbete
sumular por considerar que a resolução da controvérsia é eminentemente de direito e
independe do reexame do conjunto fático-probatório. Desde a sentença de primeira
instância, ficou assentado que o feito comportava julgamento antecipado, sem dilação
probatória, por serem os fatos incontroversos.
Quanto ao mérito, o Colegiado entendeu que o juiz se substituiu ao jornalista e ao jornal
para impor o que considerava desnecessário. Realizou, dessa forma, inequivocamente,
restrição censória ao agir da imprensa. Reputou inexistir qualquer comprovação da
inocorrência do fato. O que se discutiu foi apenas o não sombreamento que teria sido
necessário na análise subjetiva do julgador.
Concluiu não haver qualquer dado no processo a revelar irregular ou abusivo exercício
da liberdade de imprensa, a qual, assegurada pela Constituição Federal, foi interpretada
e aplicada nos termos da consolidada jurisprudência da Corte, no sentido da liberdade
de informação jornalística e da proibição à censura. Citou, no ponto, o que decidido na
ADPF 130, entre outros julgados.

ENSINO

18
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

São constitucionais a exigência de idade mínima de quatro e seis anos para ingresso,
respectivamente, na educação infantil e no ensino fundamental, bem como a fixação
da data limite de 31 de março para que referidas idades estejam completas.

É constitucional a exigência de seis anos de idade para o ingresso no ensino


fundamental, cabendo ao Ministério da Educação a definição do momento em que o
aluno deverá preencher o critério etário.

(ADPF 292/DF; ADC 17/DF, J. 01/08/2018), INFO 909.

Cabe ao Poder Público desenhar as políticas educacionais, respeitadas as balizas


constitucionais. O corte etário, apesar de não ser a única solução constitucionalmente
possível, insere-se no espaço de conformação do administrador, sobretudo em razão
da “expertise” do CNE e da ampla participação técnica e social no processo de edição
das resoluções, em respeito à gestão democrática do ensino público [CF, art. 206, VI
(5)].

As resoluções impugnadas (Resolução 1/2010 e os artigos 2º, 3º e 4º da Resolução


6/2010 do CNE) não violam os princípios da isonomia, da proporcionalidade e do acesso
à educação, ao estabelecerem um critério único e objetivo para o ingresso nas séries
iniciais da educação infantil e do ensino fundamental da criança que tenha,
respectivamente, quatro e seis anos de idade completos até o dia 31 de março do ano
em que ocorrer a matrícula.

As regras objetivas relativas a datas e números asseguram notável segurança jurídica,


porque a expressão “anos completos” é inerente a qualquer referência etária, sem que
o esforço exegético de se complementar o que está semanticamente definido possa
desvirtuar a objetivação decorrente do emprego de número. O acesso aos níveis mais
elevados de ensino [CF, art. 208, V (6)], segundo a capacidade de cada um, pode
justificar, eventualmente, o afastamento de regras em casos bastante excepcionais, a
critério exclusivo da equipe pedagógica diretamente responsável pelo aluno, o que se
mostra consentâneo com a valorização dos profissionais da educação escolar e o
apreço à pluralidade de níveis cognitivos e comportamentais em sala de aula.

Não é possível, atualmente, o ensino domiciliar (homeschooling) como meio lícito de


cumprimento, pela família, do dever de prover educação. Não há, na CF/88, uma
vedação absoluta ao ensino domiciliar. A CF/88, apesar de não o prever
expressamente, não proíbe o ensino domiciliar. No entanto, o ensino domiciliar não
pode ser atualmente exercido porque não há legislação que regulamente os preceitos
e as regras aplicáveis a essa modalidade de ensino. Assim, o ensino domiciliar
somente pode ser implementado no Brasil após uma regulamentação por meio de lei
na qual sejam previstos mecanismos de avaliação e fiscalização, devendo essa lei
respeitar os mandamentos constitucionais que tratam sobre educação.
STF. Plenário. RE 888815/RS, rel. orig. Min. Roberto Barroso, red. p/ o acórdão Min.
Alexandre de Moraes, julgado em 12/9/2018 (repercussão geral) (Info 915).

19
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

A quota mensal escolar nos colégios militares não representa ofensa à regra
constitucional de gratuidade do ensino público, uma vez que não há violação concreta
ou potencial ao núcleo de intangibilidade do direito fundamental à educação
ADI 5082/DF, Plenário, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 24.10.2018. (INFO 921)

O Plenário julgou improcedente pedido formulado em ação direta de


inconstitucionalidade ajuizada contra os arts. 1º e 20 da Lei 9.786/1999 (1) e os arts. 82
e 83 da Portaria 42/2008 do Comandante do Exército (2).
De início, o Colegiado assentou ser cognoscível a ação, tendo em conta que eventual
extrapolação de competência regulamentar caracteriza objeto de ação direta na
condição de decreto autônomo impugnável pela via do controle abstrato de
constitucionalidade, ao supostamente instituir tributo mediante ato infralegal.
Em seguida, consignou que os colégios militares, integrantes do Sistema de Ensino do
Exército e instituição secular da vida social brasileira, possuem peculiaridades aptas a
diferenciá-los dos estabelecimentos oficiais de ensino e qualificá-los como instituições
educacionais sui generis, por razões éticas, fiscais, legais e institucionais.
A quota mensal escolar nos colégios militares não representa ofensa à regra
constitucional de gratuidade do ensino público, uma vez que não há violação concreta
ou potencial ao núcleo de intangibilidade do direito fundamental à educação. A Portaria
42/2008, que aprova o regulamento dos colégios militares e dá outras providências, foi
editada à luz da própria Constituição Federal (CF) e da Lei 9.394/1996 (Lei de Diretrizes
e Bases da Educação Nacional).
A contribuição dos alunos para o custeio das atividades do Sistema Colégio Militar do
Brasil não possui natureza tributária, considerada a facultatividade do ingresso ao
Sistema de Ensino do Exército, segundo critérios meritocráticos, assim como a natureza
contratual do vínculo jurídico formado.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

São inconstitucionais os atos judiciais ou administrativos que determinem ou


promovam:
• o ingresso de agentes públicos em universidades públicas e privadas;
• o recolhimento de documentos (ex: panfletos);
• a interrupção de aulas, debates ou manifestações de docentes e discentes
universitários;
• a realização de atividade disciplinar docente e discente e a coleta irregular de
depoimentos desses cidadãos pela prática de manifestação livre de ideias e
divulgação do pensamento nos ambientes universitários ou em equipamentos sob a
administração de universidades públicas e privadas.
STF. Plenário. ADPF 548 MC-Ref/DF, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 31/10/2018
(Info 922).

Para o STF, as decisões proferidas apresentam-se com alto grau de “subjetivismo”,


incompatível com a objetividade e neutralidade que devem permear a função judicante.
Além disso, tais atos demonstram erro de interpretação de lei, conduzindo a uma
interpretação contrária ao Estado democrático de direito.

20
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

PRECATÓRIOS

Não se submetem ao regime de precatório as empresas públicas dotadas de


personalidade jurídica de direito privado com patrimônio próprio e autonomia
administrativa que exerçam atividade econômica sem monopólio e com finalidade de
lucro. RE 892727/DF, Primeira Turma, rel. orig. Min. Alexandre de Morais, red. p/ o
ac. Min. Rosa Weber, julgamento em 7.8.2018 (INFO 910)

É inconstitucional determinação judicial que decreta a constrição de bens de


sociedade de economia mista, prestadora de serviços públicos em regime não
concorrencial, para fins de pagamento de débitos trabalhistas.
ADPF 275/PB, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 17.10.2018.
(INFO 920)

O Tribunal entendeu que sociedade de economia mista prestadora de serviço público


não concorrencial está sujeita ao regime de precatórios (CF, art. 100) e, por isso,
impossibilitada de sofrer constrição judicial de seus bens, rendas e serviços, em respeito
ao princípio da legalidade orçamentária (CF, art. 167, VI) e da separação funcional dos
poderes (CF, art. 2º c/c art. 60, § 4º, III).

PROCESSO LEGISLATIVO

Iniciativa popular de emenda à Constituição do estado (arts. 103, IV, e 110) é


compatível com a Constituição da República.
ADI 825/AP, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 25.10.2018.
(INFO 921)

O colegiado assentou que a iniciativa popular de emenda à Constituição do estado (arts.


103, IV, e 110) é compatível com a Constituição da República, nomeadamente o
parágrafo único do art. 1º, os incisos II e III do art. 14 e o inciso XV do art. 49 (5). Na
democracia, além dos mecanismos tradicionais por meio dos representantes eleitos, há
os de participação direta com projeto de iniciativa popular. A Constituição amapaense
densifica a ampliação daquilo que a CF não prevê expressamente. Trata-se de certa
democratização no processo de reforma das regras constitucionais estaduais. No
tocante à simetria, revelou não ser obstativa ante a ausência de regra clara que afaste
a faculdade de o estado aumentar os mecanismos de participação direta.
A ministra Rosa Weber consignou a importância da iniciativa popular de emenda para a
implantação da democracia participativa no Brasil. O ministro Luiz Fux frisou que,
consoante doutrina, o princípio democrático conspira em prol da possibilidade de a
iniciativa popular promover emendas constitucionais. Por sua vez, o ministro Ricardo

21
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Lewandowski acentuou que, em matéria de direitos fundamentais, os estados podem


ampliá-los com relação à CF. A soberania e a cidadania são valores máximos abrigados
na CF relativamente aos fundamentos do Estado Democrático de Direito.

SAÚDE

Em, 25/04/2018, o STJ, ao julgar o REsp 1.657.156-RJ (Info 625), afirmou que o poder
público é obrigado a conceder medicamentos mesmo que não estejam incorporados
em atos normativos do SUS, desde que cumpridos três requisitos.

Em 12/09/2018, o STJ decidiu retificar o terceiro requisito da tese anteriormente


fixada: Redação original Redação após os embargos A concessão dos medicamentos
não incorporados em atos normativos do SUS exige a presença cumulativa dos
seguintes requisitos: (...) 3) existência de registro na ANVISA do medicamento. A
concessão dos medicamentos não incorporados em atos normativos do SUS exige a
presença cumulativa dos seguintes requisitos: (...) 3) existência de registro do
medicamento na ANVISA, observados os usos autorizados pela agência.

O que o STJ quis dizer com essa mudança: • Em regra, não é possível que o paciente
exija do poder público o fornecimento de medicamento para uso off-label; •
Excepcionalmente, será possível que o paciente exija este medicamento caso esse
determinado uso fora da bula (off-label) tenha sido autorizado pela ANVISA. Em
outras palavras, o requisito do registro na ANVISA afasta a possibilidade de
fornecimento de medicamento para uso off-label, salvo se autorizado pela ANVISA. A
tese fixada ficou, portanto, com esta nova redação: A concessão dos medicamentos
não incorporados em atos normativos do SUS exige a presença cumulativa dos
seguintes requisitos: a) Comprovação, por meio de laudo médico fundamentado e
circunstanciado expedido por médico que assiste o paciente, da imprescindibilidade
ou necessidade do medicamento, assim como da ineficácia, para o tratamento da
moléstia, dos fármacos fornecidos pelo SUS; b) incapacidade financeira de arcar com
o custo do medicamento prescrito; c) existência de registro do medicamento na
ANVISA, observados os usos autorizados pela agência.
Além disso, o STJ decidiu alterar a data de início da produção dos efeitos desta
decisão:
Modula-se os efeitos do presente repetitivo de forma que os requisitos acima
elencados sejam exigidos somente quanto aos processos distribuídos a partir da data
da publicação do acórdão, ou seja, 4/5/2018.
Explicando melhor:
a) Os três requisitos cumulativos estabelecidos no acórdão (REsp 1.657.156-RJ) são
aplicáveis a todos os processos distribuídos na primeira instância a partir de
4/5/2018;
b) Quanto aos processos pendentes, com distribuição anterior a 4/5/2018, é exigível
apenas um requisito que se encontrava sedimentado na jurisprudência do STJ: a
demonstração da imprescindibilidade do medicamento.
STJ. 1ª Seção. EDcl no REsp 1.657.156-RJ, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em
12/09/2018 (recurso repetitivo) (Info 633).

DIREITO ADMINISTRATIVO
22
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

ACUMULAÇÃO DE CARGOS

A acumulação de cargos públicos de profissionais da área de saúde, prevista no art.


37, XVI, da CF/88, não se sujeita ao limite de 60 horas semanais previsto em norma
infraconstitucional, pois inexiste tal requisito na Constituição Federal. O único
requisito estabelecido para a acumulação é a compatibilidade de horários no
exercício das funções, cujo cumprimento deverá ser aferido pela administração
pública.
STF. 1ª Turma. RE 1.094.802 AgR, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgado em
11/5/2018. STF. 2ª Turma. RMS 34257 AgR, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado
em 29/06/2018. STJ. 2ª Turma. REsp 1.746.784-PE, Rel. Min. Og Fernandes, julgado
em 23/08/2018 (Info 632).

• Tema polêmico
Parecer-AGU nº GQ-145/98
Com o objetivo de disciplinar a matéria, a Advocacia Geral da União (AGU) emitiu o
parecer nº GQ-145, vinculante, afirmando que o servidor somente poderá acumular
cargos se houver compatibilidade de horário e desde que a jornada máxima não
ultrapasse 60 horas semanais.
Assim, para a AGU, mesmo que exista compatibilidade de horários, se a jornada
semanal ficar acima de 60 horas, a acumulação não será permitida, considerando que
o servidor estaria muito cansado e isso atrapalharia seu desempenho funcional, em
prejuízo ao princípio constitucional da eficiência.

TCU Acórdão 2.133/05


A jurisprudência do TCU também tem se manifestado no mesmo sentido da AGU,
admitindo como limite máximo em casos de acumulação de cargos ou empregos
públicos a jornada de trabalho de 60 horas semanais. É o caso, por exemplo, do Acórdão
2.133/05.

CONCURSO PÚBLICO

Quando o servidor foi nomeado e tomou posse com base em decisão judicial precária,
mas a Administração Pública, em razão do decurso do tempo no exercício do cargo,
concedeu aposentadoria, aplica-se o princípio da segurança jurídica e da confiança
legítima, preservando-se o efeito do ato.
RE 740029 AgR/DF, Primeira Turma, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em
14.8.2018. (INFO 911)

O colegiado rememorou que o Supremo Tribunal Federal (STF), ao julgar o RE 608.482,


decidiu pela inaplicabilidade da “teoria do fato consumado” a candidato que assumiu o
cargo em razão de decisão judicial de natureza precária e revogável. Naquele julgado,
a Corte entendeu que, em face das disposições constitucionais que regem o acesso a
cargos públicos, é incabível justificar a permanência de alguém que tomou posse em
razão de decisão judicial de caráter precário, com fundamento nos princípios da boa-fé
e da proteção da confiança legítima. Entretanto, no julgamento do precedente, não

23
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

foram contempladas as hipóteses em que servidor, em razão do decurso do tempo no


exercício do cargo, tem a aposentadoria concedida pela Administração Pública.
Afirmou-se que especificidades — em especial o decurso de mais de 21 anos no cargo
e a concessão de aposentadoria voluntária pela Administração Pública — diferem das
circunstâncias do indigitado “leading case”. No caso concreto, em razão do elevado grau
de estabilidade da situação jurídica, o princípio da proteção da confiança legítima incide
com maior intensidade.
A Turma entendeu que a segurança jurídica, em sua perspectiva subjetiva, protege a
confiança legítima e preserva fatos pretéritos de eventuais modificações na
interpretação jurídica, bem como resguarda efeitos jurídicos de atos considerados
inválidos por qualquer razão.

O candidato aprovado em concurso público fora do número de vagas tem direito


subjetivo à nomeação caso surjam novas vagas durante o prazo de validade do
certame, haja manifestação inequívoca da administração sobre a necessidade de seu
provimento e não tenha restrição orçamentária.
MS 22.813-DF, Rel. Min. Og Fernandes, por maioria, julgado em 13/06/2018, DJe
22/06/2018 INFO 630

Inicialmente, é preciso destacar que o Supremo Tribunal Federal, por ocasião do


julgamento do RE 837.311/PI, Rel. Min. Luiz Fux, sob a sistemática da repercussão
geral, reconheceu que da aprovação em concurso público decorrerá direito subjetivo à
nomeação, se estiver demonstrada alguma das seguintes situações: a) quando a
aprovação ocorrer dentro do número de vagas inserido no edital (RE 598.099); b)
quando houver preterição na nomeação por não observância da ordem de classificação
(Súmula 15 do STF); e c) quando surgirem novas vagas, ou for aberto novo concurso
durante a validade do certame anterior, e ocorrer a preterição de candidatos aprovados
fora das vagas de forma arbitrária e imotivada por parte da administração. Ocorre que
o julgado consignou, ao final, outra premissa de direito: se surgirem novas vagas e
houver manifestação inequívoca da administração sobre a necessidade de seu
provimento e inexistir prova de restrição orçamentária ou de qualquer outro obstáculo
de ordem financeira, a ser provado pelo poder público, para tal nomeação. A referida
premissa, embora tratada como excepcionalidade do caso, aplica-se na situação em
exame. Em primeiro lugar, porque o Banco Central do Brasil, autarquia a quem
interessava o provimento dos cargos, dentro do período de validade do certame, enviou
pedido escrito ao Ministério do Planejamento, no qual informava a existência das vagas
e da "extrema relevância" quanto à nomeação adicional. Em segundo lugar, porque a
própria área técnica interna do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão,
após ressaltar a viabilidade orçamentária do pleito da Presidência do Banco Central do
Brasil, fez acostar a própria minuta autorizativa de nomeação, a qual nunca foi
implementada. Assim, restou reconhecida a ilegalidade da omissão e o direito à
nomeação dos candidatos aprovados ao cargo público.

Os candidatos possuem direito à segunda chamada nos testes físicos em concursos


públicos? REGRA: NÃO. Os candidatos em concurso público NÃO têm direito à prova
de segunda chamada nos testes de aptidão física em razão de circunstâncias pessoais,
ainda que de caráter fisiológico ou de força maior, salvo se houver previsão no edital
permitindo essa possibilidade. STF. Plenário. RE 630733/DF, Rel. Min. Gilmar
Mendes, julgado em 15/5/2013 (repercussão geral) (Info 706).

24
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

EXCEÇÃO: as candidatas gestantes possuem. É constitucional a remarcação do teste


de aptidão física de candidata que esteja grávida à época de sua realização,
independentemente da previsão expressa em edital do concurso público. STF.
Plenário. RE 1058333/PR, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 21/11/2018 (repercussão
geral) (Info 924).

DEFENSORIA PÚBLICA

O art. 3º, § 1º, do Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil merece interpretação
conforme a CF/88 para obstar a necessidade de inscrição na OAB dos membros das
carreiras da Defensoria Pública.
REsp 1.710.155-CE, Segunda Turma, Rel. Min. Herman Benjamin, por unanimidade,
julgado em 01/03/2018, DJe 02/08/2018

A princípio, observe-se que a Constituição de 1988 abordou expressamente a


Defensoria Pública dentro das funções essenciais à Justiça, ao lado do Ministério
Público, da Advocacia e da Advocacia Pública. Os Defensores Públicos exercem
atividades de representação judicial e extrajudicial, de advocacia contenciosa e
consultiva, o que se assemelha bastante à Advocacia, tratada em Seção à parte no texto
constitucional. Tal semelhança, contudo, encerra nesse ponto. Há inúmeras
peculiaridades que fazem com que a Defensoria Pública seja distinta da advocacia
privada e, portanto, mereça tratamento diverso. Cabe observar que a carreira está
sujeita a regime próprio e a estatutos específicos; submete-se à fiscalização disciplinar
por órgãos próprios, e não pela OAB; necessita aprovação prévia em concurso público,
sem a qual, ainda que possua inscrição na Ordem, não é possível exercer as funções
do cargo, além de não haver necessidade da apresentação de instrumento do mandato
em sua atuação. Ademais, a Constituição não previu a inscrição na OAB como exigência
para exercício do Defensor Público. Ao revés, impôs outras restrições, como a vedação
à advocacia privada. Dessarte, não deve se considerar exigível a inscrição na OAB,
inclusive a suplementar (art. 9º, § 2º), uma vez que os membros dessas carreiras podem
ser removidos de ofício e atuarem, consoante normativos internos dos respectivos
órgãos federais, em mais de um Estado-membro, sem que para isso tenha concorrido
espontaneamente.

EMPREGADO PÚBLICO

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) tem o dever jurídico de motivar,


em ato formal, a demissão de seus empregados.
RE 589998/PI, Plenário, rel. Min. Roberto Barroso, julgamento em 10.10.2018. (INFO
919)

25
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Em atenção aos princípios da impessoalidade e isonomia, que regem a admissão por


concurso público, a dispensa do empregado de empresas públicas e sociedades de
economia mista que prestam serviços públicos deve ser motivada, assegurando-se,
assim, que tais princípios, observados no momento daquela admissão, sejam também
respeitados por ocasião da dispensa (Informativos 576 e 699).

EMPRESA PÚBLICA

Não se submetem ao regime de precatório as empresas públicas dotadas de


personalidade jurídica de direito privado com patrimônio próprio e autonomia
administrativa que exerçam atividade econômica sem monopólio e com finalidade de
lucro. RE 892727/DF, Primeira Turma, rel. orig. Min. Alexandre de Morais, red. p/ o
ac. Min. Rosa Weber, julgamento em 7.8.2018 (INFO 910)

LICITAÇÃO

Sociedade empresária em recuperação judicial pode participar de licitação, desde


que demonstre, na fase de habilitação, a sua viabilidade econômica.
AREsp 309.867-ES, Primeira Turma, Rel. Min. Gurgel de Faria, por unanimidade,
julgado em 26/06/2018, DJe 08/08/2018 INFO 631

Conquanto a Lei n. 11.101/2005 tenha substituído a figura da concordata pelos institutos


da recuperação judicial e extrajudicial, o art. 31 da Lei n. 8.666/1993 não teve o texto
alterado para se amoldar à nova sistemática, tampouco foi derrogado. Nesse sentido,
parte da doutrina entende que, se a Lei de Licitações não foi alterada para substituir
certidão negativa de concordata por certidão negativa de recuperação judicial, não
poderia a Administração passar a exigir tal documento como condição de habilitação,
haja vista a ausência de autorização legislativa. Assim, as empresas submetidas à
recuperação judicial estariam dispensadas da apresentação da referida certidão.
Importa ressaltar que a licitação pública se norteia, entre outros princípios, pelo da
indisponibilidade do interesse público e que o escopo primordial da Lei n. 11.101/2005,
nos termos do art. 47, é viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira
do devedor, prevendo em seu art. 52, I, a possibilidade de contratação com o poder
público, o que, em regra geral, pressupõe a participação prévia em licitação. Todavia,
não se deve olvidar a exigência contida no art. 27, III, da Lei n. 8.666/1993 de
demonstração da qualificação econômico-financeira como condicionante para a
participação no certame. Dessa forma, a interpretação sistemática dos dispositivos das
Leis n. 8.666/1993 e n. 11.101/2005 leva à conclusão de que é possível uma

26
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

ponderação equilibrada entre os princípios nelas imbuídos, pois a preservação da


empresa, a sua função social e o estímulo à atividade econômica atendem também, em
última análise, ao interesse da coletividade, uma vez que se busca a manutenção da
fonte produtora, dos postos de trabalho e dos interesses dos credores. Assim, a
apresentação de certidão positiva de recuperação não implica a imediata inabilitação,
cabendo ao pregoeiro ou à comissão de licitação diligenciar a fim de avaliar a real
situação de capacidade econômico-financeira da empresa licitante.

NEPOTISMO

A nomeação do cônjuge de prefeito para o cargo de Secretário Municipal, por se tratar


de cargo público de natureza política, por si só, não caracteriza ato de improbidade
administrativa.
STF. 2ª Turma. Rcl 22339 AgR/SP, Rel. Min. Edson Fachin, red. p/ o ac. Min. Gilmar
Mendes, julgado em 4/9/2018 (Info 914).

PODER DISCIPLINAR – COMPETÊNCIA

Compete ao Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da União a aplicação da


penalidade de demissão a servidor do Poder Executivo Federal, independentemente
de se encontrar cedido à época dos fatos para o Poder Legislativo Federal.
MS 19.994-DF, 1ª Seção, Rel. Min. Benedito Gonçalves, por maioria, julgado em
23/05/2018, DJe 29/06/2018. (INFO 629)

Incumbe à Controladoria-Geral da União, como órgão central do Sistema de Correição


do Poder Executivo Federal, instaurar sindicâncias, procedimentos e processos
administrativos disciplinares, em razão: a) da inexistência de condições objetivas para
sua realização no órgão ou entidade de origem; b) da complexidade e relevância da
matéria; c) da autoridade envolvida; ou d) do envolvimento de servidores de mais de um
órgão ou entidade (arts. 2º, caput e 4º, inciso VIII, do Decreto n. 5.480/2005, c/c os arts.
18, § 1º e § 4º, e 20, parágrafo único, ambos da Lei n. 10.683/2003). Com efeito, quando
se fala em correição, a então Controladoria-Geral da União ficou autorizada a assegurar
a aplicação da lei em qualquer órgão ou entidade da Administração Pública Federal, de
modo a garantir a correta apuração das eventuais faltas funcionais cometidas por agente
público federal e a aplicação, quando for o caso, da penalidade devida. Além do mais,
o fato de o impetrante encontrar-se cedido à época dos fatos para a Câmara dos
Deputados não afasta o poder disciplinar do órgão de origem do servidor, até mesmo
porque o insurgente não perdeu seu vínculo com o Poder Executivo Federal.

27
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

PRESCRIÇÃO – RESSARCIMENTO AO ERÁRIO

São imprescritíveis as ações de ressarcimento ao erário fundadas na prática de ato


doloso tipificado na Lei de Improbidade Administrativa [Lei 8.429/1992, artigos 9 a
11 (1)]. RE 852475/SP, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, red. p/ o ac. Min.
Edson Fachin, julgamento em 8.8.2018. (INFO 910)

Registre-se que a imprescritibilidade da ação de ressarcimento se restringe às hipóteses


de atos de improbidade dolosa, ou seja, que impliquem enriquecimento ilícito,
favorecimento ilícito de terceiros ou dano intencional à Administração Pública.
Não há incompatibilidade com o Estado Democrático de Direito em sustentar a
imprescritibilidade das ações de ressarcimento em matéria de improbidade, eis que não
raras vezes a prescrição é o biombo por meio do qual se encobre a corrupção e o dano
ao interesse público.
Ademais, a segurança jurídica não autoriza a proteção pelo decurso do lapso temporal
de quem causar prejuízo ao erário e se locupletar da coisa pública. A imprescritibilidade
constitucional não implica injustificada e eterna obrigação de guarda pelo particular de
elementos probatórios aptos a demonstrar a inexistência do dever de ressarcir, mas na
confirmação de indispensável proteção da coisa pública.

PROCESSO DISCIPLINAR

Havendo encontro fortuito de provas, quanto a crime praticado por pessoa com foro
por prerrogativa de função, a prova é lícita se essa parte do procedimento é
desmembrada e deslocada à autoridade competente, em lugar de haver a remessa do
procedimento inteiro.
MS 34751/CE, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, julgamento em 14.8.2018.
(INFO 911).

A Primeira Turma denegou mandado de segurança impetrado contra decisão do


Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) que aplicou a promotor de justiça a
pena de disponibilidade compulsória, com proventos proporcionais, e determinou ao
Procurador-Geral de Justiça a formalização de processo judicial destinado à perda do
cargo.
O processo disciplinar decorreu de provas obtidas no bojo de inquérito policial que
apurava a prática de homicídio por policiais militares. Nesse contexto, foi efetivada
interceptação telefônica que identificou supostas tratativas de promotor de justiça com
o advogado dos investigados, a indicar a ocorrência de outro crime. Por essa razão, a
autoridade policial comunicou o fato ao juízo original, o qual remeteu as provas ao
Procurador-Geral de Justiça.
O impetrante aduz a ilicitude das provas, ao fundamento de que a autoridade policial
deveria ter interrompido imediatamente o inquérito, no momento em que tomou
conhecimento das suas conversas, e remetido todo o processo à autoridade
competente, a quem caberia decidir sobre o desmembramento do feito.

28
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Para o colegiado, no entanto, a hipótese foi de encontro fortuito de provas. O telefone


interceptado não era do membro do Ministério Público. Assim que se identificou que
uma das vozes seria do impetrante, o qual teria praticado outro crime que sequer era
objeto da investigação inicial, essa parte do procedimento foi deslocada à autoridade
competente, que instaurou regular procedimento investigatório criminal.

SERVIDOR PÚBLICO

São imprescritíveis as ações de reintegração em cargo público quando o afastamento


se deu em razão de atos de exceção praticados durante o regime militar.
REsp 1.565.166-PR, Primeira Turma, Rel. Min. Regina Helena Costa, por
unanimidade, julgado em 26/06/2018, DJe 02/08/2018 INFO 630

É certo que a prescrição representa a regra, devendo o seu afastamento apoiar-se em


previsão normativa. No entanto, verifica-se que a Constituição da República não prevê
lapso prescricional para o exercício do direito de agir quando se trata de defender o
direito inalienável à dignidade humana, sobretudo quando violados durante o período
do regime de exceção. Nesse cenário, observa-se que esta Corte orienta-se no sentido
de reconhecer a imprescritibilidade da reparação de danos, moral e/ou material,
decorrentes de violação de direitos fundamentais perpetrada durante o regime militar,
período de supressão das liberdades públicas. Por seu turno, a ação buscando a
reintegração ao cargo público, deve seguir o mesmo regramento das ações
indenizatórias, porquanto a causa de pedir também decorre da violação de direitos
fundamentais perpetrada durante o regime militar. De fato, o retorno ao serviço público,
nessa perspectiva, corresponde à reparação intimamente ligada ao princípio da
dignidade humana, porquanto o trabalho representa uma das expressões mais
relevantes do ser humano, sem o qual o indivíduo é privado do exercício amplo dos
demais direitos constitucionalmente garantidos. Vale ressaltar, contudo, que a
imprescritibilidade da ação que visa reparar danos provocados pelos atos de exceção
não implica o afastamento da prescrição quinquenal sobre as parcelas eventualmente
devidas. Diante desse quadro, a compreensão que melhor enaltece as balizas centrais
da Constituição da República aponta no sentido de não incidir a prescrição para as
pretensões de reintegração em cargo público quando o afastamento foi motivado pelos
atos de exceção praticados durante o regime militar.

É constitucional a previsão legal que assegure, na hipótese de transferência ex officio


de servidor, a matrícula em instituição pública, se inexistir instituição congênere à
de origem.
Ex: Paulo é servidor público federal, lotado em Recife (PE), onde faz faculdade de
Medicina em uma universidade particular. Ele é transferido, de ofício, para Rio
Branco (AC). Suponhamos, hipoteticamente, que, em Rio Branco, as universidades
privadas lá existentes não possuem o curso de medicina. Neste caso, Paulo teria
direito a uma vaga no curso de Medicina da universidade pública.
Fundamento legal: art. 1º da Lei nº 9.536/97.

29
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

STF. Plenário. RE 601580/RS, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 19/9/2018


(repercussão geral) (Info 916).

Exigir que a transferência se dê entre instituições de ensino congêneres praticamente


inviabiliza o direito à educação não apenas dos servidores, mas de seus dependentes,
solução que viola o disposto na Lei 9.536/1997, e exclui, por completo, a fruição de um
direito fundamental. Impedir a matrícula do servidor ou de seus dependentes, em caso
de transferência compulsória, quando inexistir instituição congênere no município,
possivelmente levaria ao trancamento do curso ou sua desistência. Assim, permitir a
matrícula, ante a inviabilidade de um dos direitos em confronto, não se afigura
desproporcional.

É constitucional a percepção do adicional “auxílio-voto”, recebido por magistrados de


primeiro grau convocados para atuar na segunda instância, em patamar superior ao
teto remuneratório constitucional.
MS 29002/DF, Segunda Turma, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 7.8.2018. (INFO
910)

A atuação dos magistrados no Tribunal de Justiça foi regular, procedida na forma do art.
124 (1) da Lei Complementar 35/1979, cuja constitucionalidade já foi reconhecida pelo
STF (HC 112.151 e AI 652.414).
Assim, assentada a compatibilidade dessa convocação com a Constituição Federal
(CF), torna-se natural e devida a recomposição patrimonial dos magistrados, dado o
exercício extraordinário de atribuições transitórias desempenhadas acumuladamente
com a jurisdição ordinária, afastada qualquer alegação de má-fé.
Por fim, a Turma registrou que a convocação dos magistrados não fora realizada como
substituição. Em verdade, cuidava-se de trabalho excepcional e temporário, com
remuneração justificada somente enquanto perdurasse a convocação e diretamente
vinculada à produtividade do magistrado nesse dado período. As verbas em questão
não estão abrangidas pelo subsídio.

O reajuste geral de 28,86%, concedido pelas Leis n. 8.622/1993 e 8.627/1993, não


pode ser compensado pelas novas gratificações criadas pela Lei n. 9.654/1998.
EREsp 1.577.881-DF, Primeira Seção, Rel. Min. Benedito Gonçalves, por unanimidade,
julgado em 27/06/2018, DJe 09/08/2018 INFO 631

A razão de ser da extensão do reajuste de 28,86% a todos os servidores públicos foi a


consideração de que todos tinham, naquele ano de 1993, a partir das leis n. 8.622/1993
e 8.627/1993, direito à revisão de sua remuneração sem distinção de índices. Aquele
reajuste operado a partir de 1993, portanto, integrou-se ao patrimônio jurídicos dos
servidores, de modo que não poderia vir a ser suprimido com lei posterior que
simplesmente aumentasse o valor de gratificações, mas não o do vencimento básico.

Não é possível a extensão a servidores públicos civis da majoração de vencimentos,


no percentual de 45%, concedida a servidores militares, a título de reestruturação de

30
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

cargos, com base na Lei nº 8.237/91 e no princípio da isonomia dos índices


revisionais disciplinados na redação original do art. 37, X, da Constituição Federal. O
reajuste de vencimentos concedido aos integrantes das Forças Armadas, à base de
45%, pela Lei nº 8.237/91, não configurou um aumento geral na remuneração dos
servidores militares que autorizasse, com fundamento no art. 37, X, da CF/88, a
extensão aos servidores civis.
STF. 2ª Turma. RE 229637/ SP, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ ac. Min. Gilmar Mendes,
julgado em 6/11/2018 (Info 922).

A Lei nº 8.237/91 não foi uma revisão geral da remuneração para os militares. Esta Lei
foi uma restruturação das Forças Armadas, sendo, portanto, específica para os militares.
Assim, tendo em vista tratar-se de reestruturação remuneratória da carreira militar,
redefinindo remuneração, soldo, gratificações, adicionais, auxílios, indenizações e
proventos, não há que se falar em extensão aos servidores públicos civis.
Ainda que se pudesse conceber que a referida lei fosse uma revisão geral da
remuneração para os militares, haveria o óbice da SV 37: Súmula vinculante 37-STF:
Não cabe ao poder judiciário, que não tem função legislativa, aumentar vencimentos de
servidores públicos sob o fundamento de isonomia.
Hoje, em razão da alteração promovida pela EC19/98, a redação do inciso X do art. 37
foi modificada e não mais existe equiparação entre os servidores públicos e os militares.

Não deve ser determinada a devolução de valores recebidos de boa-fé por servidor
público, percebidos a título precário no período em que liminar produziu efeitos. É
desnecessária a devolução dos valores recebidos por liminar revogada, em razão de
mudança de jurisprudência. Também é descabida a restituição de valores recebidos
indevidamente, circunstâncias em que o servidor público atuou de boa-fé.
STF. 1ª Turma. MS 32.185/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 13/11/2018 (Info
923).

O STJ possui o mesmo entendimento acima exposto?


NÃO. O STJ, sem enfrentar expressamente o tema referente à mudança na
jurisprudência, em regra, afirma que é devida a devolução.

31
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Incide o teto remuneratório constitucional aos substitutos interinos de serventias


extrajudiciais. STF. 2ª Turma. MS 29.039/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em
13/11/2018 (Info 923).

Desde 2009, o CNJ tem intensificado a fiscalização sobre as serventias extrajudiciais a


fim de verificar se os seus titulares estão na função ou não por força de concurso público,
conforme determina o art. 236 da CF/88.
Em diversos casos, o Conselho identificou titulares que assumiram a função após a
CF/88, sem concurso público. Por conta disso, o CNJ afastou diversos notários e
registradores dos cartórios e determinou que os Tribunais de Justiça fizessem concurso
público.
Ocorre que, enquanto tais concursos não são realizados, alguém precisa, interinamente,
exercer as funções notariais e registrais no lugar do titular que foi afastado.
Assim, o titular (que estava sem concurso) é afastado e o Tribunal de Justiça deve
designar um “interino” para exercer as funções na respectiva serventia.
O que fez, contudo, o Corregedor Nacional de Justiça: determinou que substitutos que
respondem interinamente pelas atividades da serventia estão sujeitos ao teto
remuneratório previsto no art. 37, XI, da CF/88.
O titular interino não pode ser equiparado ao titular da serventia, considerando que ele
não preenche os requisitos para tanto. Assim, ele está atuando como um preposto do
Poder Público e, nessa condição, deve submeter-se aos limites remuneratórios
previstos para os agentes públicos.

DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO

É possível compensar créditos tributários administrados pela Secretaria da Receita


Federal com o crédito proveniente do Adicional de Indenização do Trabalhador
Portuário Avulso - AITP.
REsp 1.738.282-ES, Primeira Turma, Rel. Min. Gurgel de Faria, Rel. Acd. Min. Napoleão
Nunes Maia Filho, por maioria, julgado em 21/06/2018, DJe 28/08/2018 INFO 631

Inicialmente cumpre asseverar que a Lei n. 9.430/1996, em seu art. 74, facultou ao
contribuinte utilizar-se de créditos reconhecidos judicialmente para compensar débitos
tributários, impondo como um dos requisitos a administração dos tributos pela SRF.
Administrar tributos não se restringe apenas à arrecadação dos recursos, mas, também,
à fiscalização e à cobrança, até porque estamos diante de uma situação sui generis,
pois há um tributo recolhido indevidamente, o qual foi instituído pela União pela Lei n.
8.630/1993, que teve a incumbência de determinar os parâmetros para sua cobrança,
bem como de sua fiscalização. Nesse sentido, embora a destinação do produto de
arrecadação do AITP não seja a mesma destinação de outros tributos arrecadados pela
SRF, visto que a atribuição de gestor dos recursos foi delegada ao Banco do Brasil S.A.,

32
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

responsável pela gestão do Fundo de Indenização do Trabalhador Portuário Avulso, nos


moldes definidos pelos arts. 66 e 67 da Lei n. 8.630/1993, deve ser observado que a
Secretaria da Receita Federal foi designada para realizar o recolhimento e fiscalização
do AITP, o que autoriza que os créditos reconhecidos judicialmente sejam compensados
com outros débitos tributários federais.

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

As Caixas de Assistência de Advogados encontram-se tuteladas pela imunidade


recíproca prevista no art. 150, VI, “a”, da Constituição Federal (CF).
STF. Plenário. RE 405267/MG, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 6/9/2018 (Info
914).

Caixa de Assistência dos Advogados é um “órgão” integrante da estrutura da OAB, mas


que possui personalidade jurídica própria. Sua finalidade principal é prestar assistência
aos inscritos no respectivo no Conselho Seccional (art. 62 da Lei nº 8.906/94). As Caixas
de Assistências prestam serviço público delegado e possuem status jurídico de ente
público. Vale ressaltar ainda que elas não exploram atividades econômicas em sentido
estrito com intuito lucrativo. Diante disso, devem gozar da imunidade recíproca, tendo
em vista a impossibilidade de se conceder tratamento tributário diferenciado a órgãos
integrantes da estrutura da OAB.

CSLL

É constitucional a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), instituída pela


Lei nº 7.689/88, sendo também constitucionais as majorações de alíquotas efetivadas
pela Lei nº 7.856/89, por obedecerem à anterioridade nonagesimal. Por sua vez, a
ampliação da base de cálculo, conforme o art. 1º, II, da Lei nº 7.988/89, a fim de se
compatibilizar com a anterioridade nonagesimal, só pode ser efetivada a partir do
ano base de 1990.
STF. Plenário. RE 211446 ED-ED/GO, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 20/9/2018 (Info
916).

IMUNIDADES

Os bens e direitos que integram o patrimônio do fundo vinculado ao Programa de


Arrendamento Residencial (PAR), criado pela Lei 10.188/2001, beneficiam-se da
imunidade tributária prevista no art. 150, VI, a, da Constituição Federal (CF).
RE 928902/SP, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 17.10.2018.
(INFO 920, Repercussão Geral)

33
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Com base no histórico da Suprema Corte norte-americana sobre o tema, foram


identificados dois requisitos para fins de reconhecimento da imunidade. O primeiro se
refere à tributação de um ente federado em relação ao outro. Haverá imunidade se essa
tributação for capaz de impedir, reduzir ou interferir, ainda que potencialmente, na
independência do exercício das competências constitucionais de outro. Como segundo
requisito, a imunidade recíproca somente deve ser reconhecida no exercício de políticas
públicas decorrentes de competências governamentais, não tendo incidência em
questões de natureza comercial.
Entretanto, os fatores subjetivo e finalístico não são os únicos a condicionar a incidência
da norma constitucional de imunidade, apesar de relevantes. É preciso considerar a
existência de estratégias de organização administrativa do Estado que podem implicar
consequências prejudiciais para o equilíbrio econômico.
Quando, além da desvinculação às finalidades públicas, houver risco de perturbação
para a ordem econômica, a subsistência da norma imunizante torna-se criticável, ante
a necessidade de preservar o equilíbrio concorrencial decorrente da livre iniciativa. Essa
é a razão da previsão do art. 173, § 2º, da CF (2), que exclui da imunidade recíproca o
patrimônio de empresas públicas e sociedades de economia mista, por não poderem
gozar de privilégios fiscais não extensíveis ao setor privado.
Assim, a proteção imunizante em análise será inaplicável quando inconteste que bem
imóvel do patrimônio de ente federativo não está afetado a qualquer destinação social,
funcionando apenas como elemento para alavancar o desempenho de atividade
particular de propósitos exclusivamente econômicos.

No julgamento do Tema 385 da Repercussão Geral (RE 594015), esta Corte fixou a tese
de que a imunidade recíproca não se estende a empresa privada arrendatária de imóvel
público quando esta explorar atividade econômica com fins lucrativos.
Para o Colegiado, no entanto, esse precedente não se aplica à presente hipótese, pois
há tanto o fator subjetivo quanto o finalístico da imunidade, além de a estratégia de
organização administrativa utilizada pelo Estado não implicar qualquer consequência
prejudicial ao equilíbrio econômico ou à livre iniciativa, não havendo cogitar a
possibilidade de atividade comercial.
O Colegiado asseverou que a União criou uma estrutura organizacional para cumprir
uma competência que a Carta Magna determina, ligada diretamente à efetividade do
direito de moradia – uma das mais importantes previsões de direitos sociais – e em
consonância com o objetivo fundamental de redução de desigualdades sociais,
consagrados respectivamente nos arts. 6º, caput (3), e 3º, III (4), da Carta Magna.
Não há desigualdade maior, nada que marginalize mais, do que não ter um lar para si e
para a sua família para, a partir daí, desenvolver todas as suas atividades do dia a dia.
Isso é mais do que uma política pública, mais do que uma atividade governamental, são
determinações expressas da Constituição.
A partir desses mandamentos, a União – tanto o Executivo quanto o Legislativo –
implementou o Programa de Arrendamento Residencial (PAR), por meio de medida
provisória, posteriormente convertida na Lei 10.188/2001.
E como a União não pode gerir esse programa por meio de sua Administração Direta, a
tarefa coube à CEF, braço instrumental do programa. Não há exploração de atividade
econômica, mas prestação de serviço público, uma vez que se trata de atividade
constitucionalmente atribuída à União e cuja operacionalização foi delegada, por lei, a
empresa pública federal, visando à consecução de direito fundamental.
A CEF é apenas a administradora do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR),
constituído de patrimônio único e exclusivo da União Federal e somente administrado e
operacionalizado pela empresa para fins de consecução do programa. A CEF não teve

34
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

aumento patrimonial nem se beneficiou do programa. Não houve confusão patrimonial,


e o serviço não concorreu com o mercado privado.
O PAR destina-se à população cuja renda familiar mensal não ultrapasse, em média,
dois mil reais, sendo excepcionalmente elevado para dois mil e oitocentos reais no caso
de militares das forças armadas e profissionais da área de segurança pública.
Esses limites de renda ressaltam o caráter eminentemente social do programa e
demonstram que a concessão de imunidade tributária em relação aos imóveis que o
integram não representa risco relevante à livre concorrência, uma vez que os
arrendamentos residenciais a ele vinculados abrangem grupo específico de pessoas de
baixa renda. A iniciativa privada, por sua vez, não oferece nenhum programa nesse
sentido.
Ainda que seus beneficiários façam o pagamento de contraprestação pelo uso e pela
eventual aquisição das moradias arrendadas, as receitas provenientes das operações
de arrendamento e das aplicações de recursos destinados ao programa são utilizadas
para amortização das operações de crédito contratadas com o Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço (FGTS), uma compensação.
Ademais o art. 3º, § 4º, da Lei 10.188/2001 (5) impõe que o saldo positivo existente ao
final do programa seja integralmente revertido à União. Assim, não só o programa é
financiado essencialmente por recursos da União como também terá, ao seu final, o
saldo positivo integralmente revertido em seu benefício.
Em conclusão, o Tribunal asseverou que todos os pressupostos da incidência da
imunidade recíproca foram cumpridos. O PAR representa política habitacional da União,
tendo a finalidade de garantir a efetividade do direito à moradia e a redução da
desigualdade social. Trata-se do legítimo exercício de competências governamentais,
mesmo que a CEF seja instrumento de sua execução. Não existe nenhuma natureza
comercial ou prejuízo à livre concorrência.

ICMS

É possível a descaracterização do contrato de arrendamento mercantil (leasing) se o


prazo de vigência do acordo celebrado não respeitar a vigência mínima estabelecida
de acordo com a vida útil do bem arrendado. Nos termos do art. 8º do anexo da
Resolução nº 2.309/96 e art. 23 da Lei nº 6.099/74, o prazo mínimo de vigência do
contrato de arrendamento mercantil financeiro é de (i) dois anos, quando se tratar
de bem com vida útil igual ou inferior a cinco anos, e (ii) de três anos, se o bem
arrendado tiver vida útil superior a cinco anos. Caso concreto: o bem arrendado (pá-
escavadeira) possui vida útil superior a cinco anos. Apesar disso, o ajuste previa o
arrendamento pelo prazo de apenas dois anos. Logo, foi desrespeitada a Resolução,
ficando descaracterizado o contrato de arrendamento mercantil. Ficando
descaracterizado o leasing, é possível cobrar ICMS sobre esta operação.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.569.840-MT, Rel. Min. Francisco Falcão, julgado em
16/08/2018 (Info 632).

Súmula 293: A cobrança antecipada do valor residual garantido (VRG) não


descaracteriza o contrato de arrendamento mercantil.
Há incidência de ICMS no caso de leasing internacional?
O STF definiu que:
REGRA: NÃO. Em regra, não incide o ICMS importação na operação de arrendamento
mercantil internacional, uma vez que no leasing não há, necessariamente, a
transferência de titularidade do bem. Em outras palavras, pode haver ou não a compra.

35
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Assim, não incide o imposto se existe a possibilidade de o bem ser restituído ao


proprietário e o arrendatário não efetuar a opção de compra.
EXCEÇÃO: incidirá ICMS importação se ficar demonstrado que houve a antecipação da
opção de compra. Isso ocorre quando não existe a possibilidade de o bem ser restituído
ao proprietário, seja por circunstâncias naturais (físicas), seja porque se trata de insumo.
STF. Plenário. RE 540829/SP, red. p/ o acórdão Min. Luiz Fux, julgado em 11/9/2014
(repercussão geral) (Info 758).
STF. Plenário. RE 226899/SP, rel. orig. Min. Ellen Gracie, red. p/ o acórdão Min. Cármen
Lúcia, julgado em 1º/10/2014 (Info 761).
Prazos mínimos de vigência do leasing
Nesse contexto, com base no conteúdo da sessão do Conselho Monetário Nacional de
28/08/1996, o Banco Central do Brasil publicou a Resolução nº 2.309/96, que previu, no
art. 8º de seu anexo, que os contratos de arrendamento mercantil deveriam obedecer
prazos mínimos de vigência, estipulados de acordo com a vida útil do bem arrendado.
Em outras palavras, a Resolução disse o seguinte: se o bem arrendado tiver vida útil
superior a 5 anos, o contrato de leasing deverá ter vigência de, no mínimo, 3 anos.

A parcela decorrente do INCC integra a receita bruta decorrente da venda do bem


imóvel, sendo possível o seu acréscimo à base de cálculo do lucro presumido para fins
de incidência do imposto de renda.
Isso significa que a Receita Federal não pode cobrar o valor recebido pelas
imobiliárias a título de INCC como se fosse “receita financeira”, tributada em
separado. Esses valores vão fazer parte da receita bruta decorrente da venda do bem
imóvel.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.298.441-GO, Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 04/09/2018
(Info 633).

IPI

Não é possível a sucessão processual em razão de cessão de crédito de título judicial,


referente a crédito-prêmio de IPI, com a finalidade de oportunizar a compensação
tributária pela cessionária.
STJ. 1ª Seção. EREsp 1.390.228-RS, Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 26/09/2018
(Info 636).

É incompatível com a CF/88 o art. 3º do Decreto-Lei 1.437/75, que autorizava que o


Fisco exigisse do contribuinte o ressarcimento pelo custo dos selos do IPI.
Assim, o selo para controle de recolhimento de IPI não pode ser cobrado do
contribuinte, sob pena de violação ao princípio da legalidade tributária (art. 150, I,
da CF/88).
Nas palavras do STF:
“Ante o princípio da legalidade estrita, surge inconstitucional o artigo 3º do Decreto-
Lei nº 1.437/75 no que transferida a agente do Estado – Ministro da Fazenda – a
definição do ressarcimento de custo e demais encargos relativos ao selo especial
previsto, sob o ângulo da gratuidade, no artigo 46 da Lei nº 4.502/64.”
STF. Plenário. RE 662113/PR, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 12/2/2014 (Info
735).

36
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É inexigível o ressarcimento de custos e demais encargos pelo fornecimento de selos


de controle de IPI, instituído pelo DL 1.437/1975, que, embora denominado
ressarcimento prévio, é tributo da espécie Taxa de Poder de Polícia, de modo que há
vício de forma na instituição desse tributo por norma infralegal, excluídos os fatos
geradores ocorridos após a vigência da Lei nº 12.995/2014.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.405.244-SP, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em
08/08/2018 (recurso repetitivo) (Info 637).

Na hipótese em que ocorrer roubo/furto da mercadoria após a sua saída do


estabelecimento do fabricante não se configura o evento ensejador de incidência do
IPI.
Não deve incidir IPI sobre a venda de produtos, na hipótese de roubo ou furto da
mercadoria, antes da sua entrega ao comprador. Isso porque, neste caso, como não
foi concluída a operação mercantil, não ficou configurado o fato gerador.
STJ. 1ª Seção. EREsp 734.403-RS, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em
14/11/2018 (Info 638).

IPTU

Parcelamento de ofício não interfere no curso do prazo prescricional


O parcelamento de ofício da dívida tributária não configura causa interruptiva da
contagem da prescrição, uma vez que o contribuinte não anuiu.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.658.517-PA, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em
14/11/2018 (recurso repetitivo) (Info 638).

Termo inicial do prazo prescricional em caso de IPTU


O termo inicial do prazo prescricional da cobrança judicial do Imposto Predial e
Territorial Urbano - IPTU - inicia-se no dia seguinte à data estipulada para o
vencimento da exação.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.658.517-PA, Rel. Min. Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em
14/11/2018 (recurso repetitivo) (Info 638).

ISS

Se uma entidade sem fins lucrativos, como é o caso do sindicato ou da câmara de


dirigentes lojistas, oferece serviço de consulta a cadastros de proteção ao crédito em
favor de seus associados, deverá pagar ISS?

1ª Turma: SIM
O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN - incide sobre os serviços de
proteção ao crédito, ainda que prestados por entidade sindical a seus associados.
STJ. 1ª Turma. AREsp 654.401-SP, Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 04/10/2018
(Info 638).

2ª Turma: NÃO
A Câmara de Dirigentes Lojistas é uma associação cujos serviços destinam-se a
atender seus próprios sócios, os diretores de lojas, sem objetivo de lucro, mas
visando a realização de seus objetivos, tal como previsto em seu estatuto.

37
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Assim, como o CDL realiza suas atividades sem fins lucrativos não está sujeito à
incidência do ISS.
STJ. 2ª Turma. REsp 1338554/RS, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em
07/05/2015.

PARCELAMENTO

As condições para a concessão de parcelamento tributário devem estrita observância


ao princípio da legalidade e não há autorização para que atos infralegais tratem de
condições não previstas na lei de regência do benefício.
REsp 1.739.641-RS, Primeira Turma, Rel. Min. Gurgel de Faria, por unanimidade,
julgado em 21/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

O art. 155-A do CTN dispõe que o parcelamento será concedido na forma e na condição
estabelecidas em lei específica, enquanto o art. 153 do CTN, aplicado subsidiariamente
ao parcelamento, estabelece que "a lei" especificará I) o prazo do benefício, II) as
condições da concessão do favor em caráter individual e III) sendo o caso: a) os tributos
a que se aplica; b) o número de prestações e seus vencimentos, dentro do prazo a que
se refere o inciso I, podendo atribuir a fixação de uns e de outros à autoridade
administrativa, para cada caso de concessão em caráter individual; e c) as garantias
que devem ser fornecidas pelo beneficiado no caso de concessão em caráter individual.
As condições para a concessão do parcelamento devem estrita observância ao princípio
da legalidade, não havendo, pois, autorização para que atos infralegais, como portarias,
tratem de condições não previstas na lei de regência do benefício. No caso analisado,
nos termos dos arts. 11 e 13 da Lei n. 10.522/2002, observa-se que a delegação de
atribuição ao Ministro da Fazenda é para estabelecer limites e condições para o
parcelamento exclusivamente quanto ao valor da parcela mínima e à apresentação de
garantias, não havendo autorização para a regulamentação de limite financeiro máximo
do crédito tributário para sua inclusão no parcelamento, concluindo-se pela ilegalidade
da Portaria Conjunta PGFN/RFB n. 15/2009.

PIS / PASEP

Não ofende o art. 173, § 1º, II, da Constituição Federal a escolha legislativa de reputar
não equivalente a situação das empresas privadas com relação às sociedades de
economia mista, às empresas públicas e suas respectivas subsidiárias exploradoras
de atividade econômica, para fins de submissão ao regime tributário das
contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e para o Programa de
Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP), à luz dos princípios da
igualdade tributária e da seletividade no financiamento da Seguridade Social.
STF. Plenário. RE 577494/PR, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 13/12/2018
(repercussão geral) (Info 927).

A CF/88, ao conferir tratamento isonômico entre as empresas estatais exploradoras de


atividade econômica e as empresas privadas, fez isso com o objetivo de proteger as
empresas privadas, evitando que elas sofressem com uma concorrência desleal de
empresas estatais.

38
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Em outras palavras, o objetivo foi o de evitar que o “Estado-empresário” tivesse


privilégios em relação aos particulares (STF ADI 1522).
Assim, nada impede que existam algumas diferenças de tratamento, desde que não se
instituam privilégios em favor das empresas estatais.
Em suma, é válida a cobrança da contribuição para o PASEP das estatais, ao passo
que as demais empresas privadas recolhem para o PIS, tributo patrimonialmente menos
gravoso.
Não há inconstitucionalidade nessa diferenciação que justifique a apontada ofensa ao
art. 173, § 1º, II, da CF/88, de modo que é legítima a escolha legislativa de reputar como
não equivalente a situação das empresas privadas num cotejo com as estatais.

DIREITO FINANCEIRO

TRANSFERÊNCIAS OBRIGATÓRIAS ICMS AOS MUNICÍPIOS

Fere a Constituição Federal disposição de constituição estadual que sujeita o repasse


de recursos públicos à homologação de Tribunal de Contas do Estado, por
representar violação ao princípio da separação e independência dos poderes.
ADI 825/AP, Plenário, rel. Min. Alexandre de Moraes, julgamento em 25.10.2018
(INFO 921)

Sobre a homologação dos cálculos das quotas do Imposto sobre Circulação de


Mercadorias e Serviços (ICMS) devidas aos municípios (art. 112, XVII), o Pleno
assinalou que sujeitar o ato de repasse de recursos públicos à homologação de Tribunal
de Contas do Estado (TCE) representa ofensa ao princípio da separação e da
independência dos Poderes. Inclusive porque o percentual que pertence ao município
terá sua destinação condicionada a ato do TCE que, ao fim e ao cabo, será da
Assembleia Legislativa. Noutro passo, não há semelhança entre a atividade de
gerenciamento dos Fundos de Participação dos Estados (FPE) e dos Municípios (FPM),
exercida pelo Tribunal de Contas da União (TCU), e a de homologação dos cálculos de
quotas do ICMS, pelo TCE. Inexiste simetria entre fundos e quotas.
No caso do FPE e do FPM, o próprio TCU efetua os cálculos das quotas-partes cabíveis
aos entes federados à luz de estimativas demográficas fornecidas pelo Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística. Os fundos de participação são de natureza
contábil, desprovidos de personalidade jurídica e de gerenciamento do TCU por força
da CF. Situação diversa diz respeito ao repasse obrigatório às municipalidades das
verbas arrecadadas pelo estado-membro referente ao ICMS, uma vez que não é fundo
financeiro e possui relativa liberdade de conformação. De acordo com o art. 158, IV, da
CF, pertence aos municípios 25% do produto da arrecadação do imposto. Nesses
termos, o TCE é completamente alheio ao processo alocativo das quotas, da mesma
forma que o TCU não participa de repasses na arrecadação de outros tributos, como o
Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).
Para o ministro Ricardo Lewandowski, condicionar a distribuição à homologação prévia
dos cálculos pelo TCE contraria o que diz o art. 160 (4) da CF e estabelece restrição à
entrega e ao emprego dos recursos mencionados na seção “Da Repartição das Receitas
Tributárias”. Já o ministro Marco Aurélio observou que o ato de distribuição não é
complexo e depende apenas do Executivo, de início.

39
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

ADICIONAL DE GRANDE INVALIDEZ

Comprovadas a invalidez e a necessidade de assistência permanente de terceiro, é


devido o acréscimo de 25% (vinte e cinco por cento), previsto no art. 45 da Lei nº
8.213/91, a todos os aposentados pelo RGPS, independentemente da modalidade de
aposentadoria. Apesar de o art. 45 da Lei nº 8.213/91 falar apenas em “aposentadoria
por invalidez”, o STJ entendeu que se pode estender esse adicional para todas as
demais espécies de aposentadoria (especial, por idade, tempo de contribuição).
STJ. 1ª Seção. REsp 1.648.305-RS, Rel. Min. Assusete Magalhães, Rel. Acd. Min. Regina
Helena Costa, julgado em 22/08/2018 (recurso repetitivo) (Info 634).

PREVIDENCIA PRIVADA

A Taxa Referencial (TR) não pode ser utilizada como fator de correção monetária dos
benefícios da previdência privada aberta, a partir de 5/9/1996, devendo o indexador
ser substituído por um Índice Geral de Preços de Ampla Publicidade, que será o IPCA,
na ausência de repactuação.
STJ. 2ª Seção. EAREsp 280.389-RS, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
26/09/2018 (Info 635).

PREVIDENCIA PRIVADA FECHADA

Teses definidas para os fins do art. 1.036 do CPC/2015: a) a concessão do benefício


de previdência complementar tem como pressuposto a prévia formação de reserva
matemática, de forma a evitar o desequilíbrio atuarial dos planos. Em tais condições,
quando já concedido o benefício de complementação de aposentadoria por entidade
fechada de previdência privada, é inviável a inclusão dos reflexos das verbas
remuneratórias (horas extras) reconhecidas pela Justiça do Trabalho nos cálculos da
renda mensal inicial dos benefícios de complementação de aposentadoria; b) os
eventuais prejuízos causados ao participante ou ao assistido que não puderam
contribuir ao fundo na época apropriada ante o ato ilícito do empregador poderão
ser reparados por meio de ação judicial a ser proposta contra a empresa ex-
empregadora na Justiça do Trabalho; c) modulação dos efeitos da decisão (art. 927, §
3º, do CPC/2015): nas demandas ajuizadas na Justiça comum até a data do presente
julgamento - se ainda for útil ao participante ou assistido, conforme as peculiaridades
da causa -, admite-se a inclusão dos reflexos de verbas remuneratórias (horas
extras), reconhecidas pela Justiça do Trabalho, nos cálculos da renda mensal inicial

40
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

dos benefícios de complementação de aposentadoria, condicionada à previsão


regulamentar (expressa ou implícita) e à recomposição prévia e integral das reservas
matemáticas com o aporte de valor a ser apurado por estudo técnico atuarial em cada
caso; d) nas reclamações trabalhistas em que o ex-empregador tiver sido condenado
a recompor a reserva matemática, e sendo inviável a revisão da renda mensal inicial
da aposentadoria complementar, os valores correspondentes a tal recomposição
devem ser entregues ao participante ou assistido a título de reparação, evitando-se,
igualmente, o enriquecimento sem causa da entidade fechada de previdência
complementar.
REsp 1.312.736-RS, Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira, Segunda Seção, por
unanimidade, julgado em 08/08/2018, DJe 16/08/2018 (Tema 955) INFO 630

A questão controvertida consiste em definir se é possível incluir, nos cálculos dos


proventos de complementação de aposentadoria pagos por entidade fechada de
previdência privada, as horas extraordinárias habituais incorporadas por decisão da
justiça trabalhista à remuneração do participante de plano de previdência
complementar. Registre-se, de início, que o contrato de previdência complementar tem
suas bases firmadas no convênio de adesão entabulado entre a entidade de previdência
privada e o patrocinador, no regulamento do plano de benefícios e no estatuto da
entidade que administra o plano. Dessa forma, a relação jurídica estabelecida entre as
partes envolvidas é de direito privado. Há de se ressaltar, no entanto, que, nada
obstante o caráter privado dessa modalidade contratual, os planos de benefícios
instituídos pelas entidades fechadas de previdência privada estão sujeitos a rígido
regramento estatal. É o que se infere do disposto no art. 3º da Lei Complementar n.
109/2001. Assim, devem ser respeitadas a exigência legal de se adotar o regime de
capitalização e a necessidade de manter o equilíbrio atuarial do plano de benefícios.
Qualquer alteração nas relações individuais entre entidade e participante que traga
mudança nas regras de custeio e de concessão de benefícios pode ter reflexo nas
reservas garantidoras do plano, impondo o equacionamento exigido pelo art. 21 da Lei
Complementar n. 109/2001. A tese firmada no julgamento diz respeito às hipóteses em
que não houve pagamento das horas extras, enquanto vigente o contrato de trabalho,
tendo sido reconhecida a existência de jornada extraordinária em ação autônoma, da
qual a entidade de previdência privada não participou, quando o participante já se
encontrava em fruição do benefício suplementar. Logo, o valor respectivo não se refletiu
nas contribuições vertidas pelo participante, tampouco pela patrocinadora, e não se
afigura suficiente para a recomposição que o recurso financeiro ingresse no fundo, com
o aporte de valor atualizado das contribuições, que deveriam ter sido feitas, por meio de
simples cálculo aritmético. De fato, a recomposição das reservas do plano demanda
mais que um mero encontro de contas, exigindo a elaboração de complexos cálculos
atuariais baseados em análises probabilísticas que devem retroagir ao momento em
que cada aporte deixou de acontecer e na forma em que deveria ter ocorrido, impondo
um recálculo individualizado em face de um plano mutualista. Nesse contexto, não
havendo nenhum ato ilícito praticado pela entidade de previdência complementar, diante
da falta de prévio custeio e da onerosidade excessiva que representa para a coletividade
dos participantes a recomposição do fundo, as parcelas ou os valores de natureza
remuneratória devidos ao ex-empregado reconhecidos posteriormente à concessão do
benefício de complementação de aposentadoria não podem repercutir no benefício
concedido, sob pena de ofender o comando normativo do art. 18, §§ 1º, 2º e 3º, da Lei
Complementar n. 109/2001 e de acarretar o desequilíbrio financeiro e atuarial do plano,
pois não foram consideradas ao se formar a prévia e necessária reserva matemática
para o pagamento do benefício. Cumpre ressaltar que a justa reparação pelo eventual
prejuízo que o participante do plano de previdência complementar tiver sofrido em
decorrência de ato ilícito de responsabilidade da patrocinadora, que implicou em
benefício de complementação de aposentadoria menor do que aquele que lhe seria
41
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

devido, deve ser buscada, se possível, na via processual adequada, em ação movida
contra o ex-empregador. Nada obstante, em relação às várias ações da mesma
natureza já ajuizadas contra entidades de previdência privada, é de se reconhecer a
possível inviabilidade da pretensão de reparação diretamente contra a patrocinadora,
diante do tempo decorrido entre a prolação da sentença na Justiça trabalhista e o
julgamento do presente recurso repetitivo. Assim, excepcionalmente, propõe-se admitir
o recálculo do benefício, nos termos pretendidos, nas ações da espécie propostas na
Justiça comum até a data do julgamento do presente recurso repetitivo, condicionando-
se tal recálculo ao prévio e integral restabelecimento das reservas matemáticas, por
meio de aporte a ser vertido pelo participante, devendo a apuração dos valores
correspondentes basear-se em estudo técnico atuarial, conforme disciplinado no
regulamento do plano.

A intervenção da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC)


nas entidades fechadas de previdência privada deve perdurar pelo tempo necessário
ao saneamento da entidade, podendo o prazo inicial de duração ser prorrogado mais
de uma vez.
REsp 1.734.410-SP, Terceira Turma, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, por
unanimidade, julgado em 14/08/2018, DJe 24/08/2018 INFO 631

Inicialmente cumpre salientar que a disciplina da intervenção nas entidades de


previdência privada encontra-se nos arts. 44 a 46 da Lei Complementar n. 109/2001,
havendo, no art. 62, remissão à legislação a respeito da intervenção e liquidação
extrajudicial das instituições financeiras (Lei n. 6.024/1974), a qual deve ser aplicada de
maneira subsidiária. Assim, apesar de o art. 4º da Lei n. 6.024/1974 prever, para as
instituições financeiras, que "o período da intervenção não excederá a seis (6) meses o
qual, por decisão do Banco Central do Brasil, poderá ser prorrogado uma única vez, até
o máximo de outros seis (6) meses" e, embora exista entendimento que considere
aplicável tal norma à previdência privada, de modo a limitar o número de prorrogações
do regime de intervenção, a própria Lei Complementar n. 109/2001 regulou o tema de
forma diversa: "a intervenção será decretada pelo prazo necessário ao exame da
situação da entidade e encaminhamento de plano destinado à sua recuperação". Logo,
extrai-se que o regime de intervenção deve perdurar pelo tempo necessário ao
saneamento da entidade, podendo o prazo inicial de duração ser prorrogado mais de
uma vez se as circunstâncias fáticas assim o exigirem. Todavia, mesmo havendo
indefinição acerca da limitação temporal da intervenção na Previdência Privada, visto
serem possíveis sucessivas prorrogações segundo as particularidades do caso, é
preciso atentar para o fato de que tal regime deve ser sempre excepcional, ou seja, não
deve malferir a razoabilidade, já que não existe intervenção permanente, sendo
totalmente desaconselhados o abuso e a longa duração, sob pena de a medida se
transmudar em indevida estatização ou ocorrer supressão total da intervinda.

REGIME PRÓPRIO DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Não incide contribuição previdenciária sobre verba não incorporável aos proventos
de aposentadoria do servidor público, tais como terço de férias, serviços
extraordinários, adicional noturno e adicional de insalubridade.

42
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

RE 593068/SC, Plenário, rel. Min. Roberto Barroso, julgamento em 11.10.2018 (INFO


919, Repercussão Geral)

O Colegiado ressaltou que, embora diversos dispositivos impugnados no recurso se


referissem tanto ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) quanto ao Regime
Geral de Previdência Social (RGPS), o julgamento abrangeu apenas o regime próprio
dos servidores públicos.
No mérito, o Tribunal concluiu que o disposto nos §§ 3º (1) e 12 do art. 40 da
Constituição Federal (CF), combinado com o § 11 (2) do art. 201 da CF, deixa evidente
que somente podem figurar como base de cálculo da contribuição previdenciária os
ganhos habituais com repercussão nos benefícios, excluindo, assim, as verbas que não
se incorporam à aposentadoria.
A dimensão contributiva do sistema mostra-se incompatível com a cobrança de qualquer
verba previdenciária que não garanta ao segurado algum benefício efetivo ou potencial.
O princípio da solidariedade não é suficiente para elidir esse aspecto, impondo ao
contribuinte uma contribuição que não trará retorno.
A não incidência da contribuição previdenciária sobre as parcelas não incorporáveis à
aposentadoria do servidor público decorre de comando expresso no § 3º (1) do art. 40
da CF. Essa previsão especial afasta a incidência da regra disposta no § 11 (2) do art.
201 da CF, a qual é aplicável apenas de modo subsidiário ao próprio.
Da redação originária do texto constitucional, o RPPS migrou de natureza solidária e
distributiva para um regime também contributivo (EC 3/1993). Posteriormente, com a
entrada em vigor da EC 20/1998, o aspecto contributivo foi reforçado, colocando-se em
aparente conflito os princípios da contributividade e da solidariedade.
Ocorre que, a partir de então, previu-se a vinculação expressa entre os proventos de
aposentadoria e a remuneração recebida pelo servidor, de modo que as parcelas sem
reflexo nos proventos estão livres da incidência da contribuição previdenciária.
Essa vinculação tornou-se ainda mais expressiva a partir da EC 41/2003. Ainda que a
solidariedade do sistema tenha sido reforçada, não houve a derrogação do caráter
contributivo. De um lado, o princípio da solidariedade afastaria a relação simétrica entre
contribuição e benefício. De outro, o princípio contributivo impediria a cobrança de
contribuição previdenciária sem que se conferisse ao segurado alguma
contraprestação, efetiva ou potencial, em termos de serviços ou benefícios.
Nesse contexto, ainda que o princípio da solidariedade fosse pedra angular do sistema
próprio dos servidores, não poderia esvaziar seu caráter contributivo, informado pelo
princípio do custo-benefício, tendo em conta a necessidade de um sinalagma mínimo,
ainda que não importasse em perfeita simetria entre o que se paga e o que se recebe.
Desse modo, deve ser estabelecida a aplicação simétrica do binômio formado entre os
princípios da contributividade e da solidariedade, de forma a prestigiá-los e conjugá-los
em um produto final equilibrado. Logo, caso o Estado tenha intenção de promover um
fortalecimento atuarial, poderá agravar a alíquota incidente sobre os participantes ou até
mesmo aumentar sua participação no custeio, mas não tributar sobre base não
imponível.
O Colegiado destacou, ainda, que a Constituição conferiu ao legislador ordinário a tarefa
de estabelecer o critério definidor das parcelas que compõem a remuneração do
servidor para fins previdenciários. No entanto, essa delegação não lhe permite subverter
o comando constitucional de modo a incluir, na base de cálculo da contribuição
previdenciária, parcelas sem repercussão nos proventos de aposentadoria, sob pena de
desrespeito ao § 3º (1) do art. 40 da CF. Isso significa que o rol das parcelas isentas de
contribuição previdenciária previsto pela Lei 9.783/1999 – e posteriormente pela Lei
10.887/2004 – não é taxativo, mas meramente exemplificativo.
Ressaltou, ademais, que a Lei 10.887/2004, em seu art. 4º, VII, X, XI e XII (3), excluiu
as verbas que não serão incorporadas à aposentadoria do cálculo da contribuição
previdenciária. Inclusive, o legislador optou por excluir expressamente as verbas
43
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

indicadas pelo recorrente do conceito de remuneração para fins de incidência da


contribuição previdenciária.
Desse modo, até a entrada em vigor da EC 41/2003, se a incidência não era admitida
por falta de previsão constitucional acerca da aplicação do princípio da solidariedade de
grupo ao regime próprio, após a vigência da referida emenda e a consagração da
solidariedade como baliza do regime próprio, o legislador optou por proteger da
incidência da contribuição as verbas discutidas no recurso extraordinário, com a
consequente exclusão de tais parcelas da base de cálculo da contribuição
previdenciária.
Por fim, o Colegiado ressaltou que a situação dos servidores inativos, contemplados
com proventos de aposentadoria, é distinta da dos servidores em atividade. Os
aposentados são impelidos a participar do custeio do regime previdenciário de sua
categoria em menor proporção, com vistas a impedir eventual insolubilidade do sistema,
por imposição do princípio da solidariedade. Além disso, a contribuição dos inativos tem
base de cálculo diversa da dos servidores da ativa, pois a contribuição previdenciária
incide apenas sobre as parcelas dos proventos que excedem o limite máximo
estabelecido para os benefícios do RGPS.

DIREITO CIVIL

O credor fiduciário, no contrato de alienação fiduciária de bem imóvel, tem


responsabilidade pelo pagamento das despesas condominiais deixadas pelo devedor
fiduciante? NÃO.
• A responsabilidade pelo pagamento das despesas condominiais recai sobre o
devedor fiduciante enquanto estiver na posse direta do imóvel.
• O credor fiduciário somente responde pelas dívidas condominiais incidentes sobre
o imóvel se consolidar a propriedade para si, tornando-se o possuidor direto do bem.
Assim, a responsabilidade do credor fiduciário pelo pagamento das despesas
condominiais dá-se quando da consolidação de sua propriedade plena quanto ao bem
dado em garantia, ou seja, quando de sua imissão na posse do imóvel.
É o que prevê o § 8º do art. 27 da Lei nº 9.514/97:
§ 8º Responde o fiduciante pelo pagamento dos impostos, taxas, contribuições
condominiais e quaisquer outros encargos que recaiam ou venham a recair sobre o
imóvel, cuja posse tenha sido transferida para o fiduciário, nos termos deste artigo,
até a data em que o fiduciário vier a ser imitido na posse.
STJ. 3ª Turma. REsp 1696038/SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
28/08/2018.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.731.735-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/11/2018
(Info 638).

ALIMENTOS

44
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Excepcionalmente, é admissível a fixação de alimentos em valores ou em percentuais


diferentes entre os filhos. REsp 1.624.050-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, por
unanimidade, julgado em 19/06/2018, DJe 22/06/2018 - INFO 628

Comentários: Em regra, não deverá haver diferença no valor ou no percentual dos


alimentos destinados a prole, pois se presume que, em tese, os filhos - indistintamente
- possuem as mesmas demandas vitais, tenham as mesmas condições dignas de
sobrevivência e igual acesso às necessidades mais elementares da pessoa humana. A
igualdade entre os filhos, todavia, não tem natureza absoluta e inflexível, de modo que
é admissível a fixação de alimentos em valor ou percentual distinto entre os filhos se
demonstrada a existência de necessidades diferenciadas entre eles ou, ainda, de
capacidades contributivas diferenciadas dos genitores, sobretudo quando se constata
que a regra do art. 1.703 do CC/2002 estipula que é dever de ambos os cônjuges
contribuir para a manutenção dos filhos na proporção de seus recursos. Exemplos: um
filho portador de uma doença congênita pode receber um valor ou percentual
diferenciado em relação ao filho nascido saudável, pois possui uma necessidade
específica que objetivamente justifica a distinção, não havendo ofensa ao princípio
constitucional da igualdade. Ou ainda, João possui dois filhos, com mulheres diferentes.
Para o filho 1, paga 20% de seu salário e para o filho 2, 15%. O STJ admitiu que essas
pensões sejam em valores diferentes porque a capacidade financeira da mãe do filho 2
é muito maior do que a genitora do filho 1.

A teoria do adimplemento substancial não tem incidência nos vínculos jurídicos


familiares, revelando-se inadequada para solver controvérsias relacionadas a
obrigações de natureza alimentar.
STJ. 4ª Turma. HC 439.973-MG, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, Rel. Acd. Min. Antonio
Carlos Ferreira, julgado em 16/08/2018 (Info 632).

Antes de verificar o que decidiu o STJ, vamos relembrar o que é a teoria do


adimplemento substancial
Por meio da teoria do adimplemento substancial, defende-se que, se o adimplemento
da obrigação foi muito próximo ao resultado final, a parte credora não terá direito de
pedir a resolução do contrato porque isso violaria a boa-fé objetiva, já que seria
exagerado, desproporcional, iníquo.
No caso do adimplemento substancial, a parte devedora não cumpriu tudo, mas quase
tudo, de modo que o credor terá que se contentar em pedir o cumprimento da parte que
ficou inadimplida ou então pleitear indenização pelos prejuízos que sofreu (art. 475, CC).
Veja o clássico conceito de Clóvis do Couto e Silva:
Adimplemento substancial “constitui um adimplemento tão próximo ao resultado final,
que, tendo-se em vista a conduta das partes, exclui-se o direito de resolução,
permitindo-se tão somente o pedido de indenização e/ou adimplemento, de vez que a
primeira pretensão viria a ferir o princípio da boa-fé (objetiva)" (O Princípio da Boa-Fé
no Direito Brasileiro e Português in Estudos de Direito Civil Brasileiro e Português. São
Paulo: RT, 1980, p. 56).
Sua origem está no Direito Inglês, por volta do séc. XVIII, tendo lá recebido o nome de
substancial performance.
Esta teoria é prevista expressamente no ordenamento jurídico brasileiro?
NÃO. Não existe uma previsão expressa dessa teoria. Apesar disso, ela encontra
fundamento em diversos princípios, dentre eles:
• a função social do contrato (art. 421 do CC);
• a boa-fé objetiva (art. 422);
• a equivalência das obrigações
45
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

• a vedação ao abuso de direito (art. 187);


• a eticidade
• a razoabilidade e
• a vedação ao enriquecimento sem causa (art. 884).
Segundo o Min. Paulo de Tarso Sanseverino, atualmente, o fundamento para a
aplicação da teoria do adimplemento substancial no Direito brasileiro é a cláusula geral
do art. 187 do Código Civil, que permite a limitação do exercício de um direito subjetivo
pelo seu titular quando se colocar em confronto com o princípio da boa-fé objetiva.
Desse modo, esta teoria está baseada no princípio da boa-fé objetiva. Aponta-se
também como outro fundamento o princípio da função social dos contratos.
A teoria do adimplemento substancial tem aplicação restrita ao âmbito do direito
contratual, não tendo incidência, portanto, nos vínculos jurídicos familiares.
A obrigação alimentar diz respeito a bem jurídico indisponível, intimamente ligado à
subsistência do alimentando. A relevância desses alimentos é tão grande que o
legislador constituinte previu como hipótese na qual cabe prisão civil, o que demonstra
que se trata de uma dívida diferente das demais.

Os embargos de terceiro não são cabíveis para o fim de declarar, em sede de ação de
exoneração de alimentos, a natureza familiar da prestação alimentícia, de forma a
alterar a relação jurídica posta e discutida na demanda principal. Ex: João e Maria, ao
se divorciarem, firmaram um acordo por meio do qual João iria pagar 30% de seu
salário, a título de alimentos, para Maria e o filho do casal (Vitor). Quando Vitor
completou a maioridade, João propôs ação de exoneração de alimentos contra ele. O
juiz deferiu o pedido e determinou que os descontos fossem reduzidos pela metade
(15%), já que Vitor não seria mais credor de alimentos. Maria opôs embargos de
terceiro contra essa decisão, tendo o STJ considerado um instrumento jurídico
inadequado.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.560.093-SP, Rel. Min. Marco Buzzi, julgado em 18/09/2018
(Info 634).

O Código Civil prevê o seguinte:


Art. 1.698. Se o parente, que deve alimentos em primeiro lugar, não estiver em
condições de suportar totalmente o encargo, serão chamados a concorrer os de grau
imediato; sendo várias as pessoas obrigadas a prestar alimentos, todas devem
concorrer na proporção dos respectivos recursos, e, intentada ação contra uma delas,
poderão as demais ser chamadas a integrar a lide.
Neste julgado, o STJ entendeu que este artigo possui natureza jurídica de
“litisconsórcio facultativo ulterior simples”.
Trata-se, contudo, de litisconsórcio com uma particularidade: em regra, a sua
formação pode ocorrer não apenas por iniciativa do autor, mas também por
provocação do réu ou do Ministério Público.
Vale ressaltar, contudo, uma exceção: se o credor dos alimentos (autor da ação) for
menor emancipado, possuir capacidade processual plena e optar livremente por
ajuizar a demanda somente em face do genitor, não pode o réu provocar o
chamamento ao processo da genitora do autor (codevedora).
Em ação de alimentos, quando se trata de credor com plena capacidade processual,
cabe exclusivamente a ele provocar a integração posterior no polo passivo.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.715.438-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/11/2018
(Info 638).

46
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

BEM DE FAMÍLIA

É possível a penhora de bem de família de condômino, na proporção de sua fração


ideal, se inexistente patrimônio próprio do condomínio, para responder por dívida
oriunda de danos a terceiros.
REsp 1.473.484-RS, Quarta Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade,
julgado em 21/06/2018, DJe 23/08/2018 INFO 631

A questão de direito a ser resolvida consiste em determinar se a execução de dívida


originária de condenação judicial imposta ao Condomínio - indenização por danos
ocasionados a terceiros diante da má conservação do prédio - é capaz de atingir bem
de família de condômino, no limite de sua cota-parte, em relação a imóvel adquirido
após o acidente. Inicialmente, cumpre salientar que constitui obrigação de todo
condômino concorrer para as despesas condominiais, na proporção de sua cota-parte,
dada a natureza de comunidade singular do condomínio. As despesas condominiais,
inclusive as decorrentes de decisões judiciais, são obrigações propter rem e, por isso,
será responsável pelo seu pagamento, na proporção de sua fração ideal, aquele que
detém a qualidade de proprietário da unidade imobiliária ou seja titular de um dos
aspectos da propriedade (posse, gozo, fruição), desde que tenha estabelecido relação
jurídica direta com o condomínio, ainda que a dívida seja anterior à aquisição do imóvel.
Exatamente em função do caráter solidário destas despesas, a execução pode recair
sobre o próprio imóvel do condômino, sendo possível o afastamento da proteção dada
ao bem de família, como forma de impedir o enriquecimento sem causa do inadimplente
em detrimento dos demais. Assim, o bem residencial da família é penhorável para
atender às despesas comuns de condomínio, que gozam de prevalência sobre
interesses individuais de um condômino, nos termos da ressalva inserta na Lei n.
8.009/1990 (art. 3º, IV). Contudo, urge ser consignada uma ressalva: sempre que for
possível a satisfação do crédito de outra forma, respeitada a gradação de liquidez
prevista no diploma processual civil, outros modos de satisfação devem ser preferidos,
em homenagem ao princípio da menor onerosidade para o executado.

Os direitos do devedor fiduciante sobre imóvel objeto de contrato de alienação


fiduciária em garantia possuem a proteção da impenhorabilidade do bem de família
legal. Ex: João fez um contrato de alienação fiduciária para aquisição de uma casa; ele
está morando no imóvel enquanto paga as prestações; enquanto não terminar de
pagar, a casa pertence ao banco; apesar disso, ou seja, a despeito de possuir apenas a
posse, os direitos de João sobre o imóvel não podem ser penhorados porque incide a
proteção do bem de família.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.677.079-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
25/09/2018 (Info 635).

47
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CASAMENTO

No regime de separação legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do


casamento, desde que comprovado o esforço comum para sua aquisição. EREsp
1.623.858-MG, Rel. Min. Lázaro Guimarães (Desembargador Convocado do TRF 5ª
Região), por unanimidade, julgado em 23/05/2018, DJe 30/05/2018 ) – INFO 628

Comentários: A Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça uniformizou o


entendimento que encontrava dissonância no âmbito da Terceira e da Quarta Turma.
De início, cumpre informar que a Súmula 377/STF dispõe que "no regime de separação
legal de bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento". Esse
enunciado pode ser interpretado de duas formas: 1) no regime de separação legal de
bens, comunicam-se os adquiridos na constância do casamento, sendo presumido o
esforço comum na aquisição do acervo; e 2) no regime de separação legal de bens,
comunicam-se os adquiridos na constância do casamento, desde que comprovado o
esforço comum para sua aquisição. No entanto, a adoção da compreensão de que o
esforço comum deve ser presumido (por ser a regra) conduz à ineficácia do regime da
separação obrigatória (ou legal) de bens, pois, para afastar a presunção, deverá o
interessado fazer prova negativa, comprovar que o ex-cônjuge ou ex-companheiro em
nada contribuiu para a aquisição onerosa de determinado bem, conquanto tenha sido a
coisa adquirida na constância da união. Torna, portanto, praticamente impossível a
separação dos aquestos. Por sua vez, o entendimento de que a comunhão dos bens
adquiridos pode ocorrer, desde que comprovado o esforço comum, parece mais
consentânea com o sistema legal de regime de bens do casamento, recentemente
adotado no Código Civil de 2002, pois prestigia a eficácia do regime de separação legal
de bens. Caberá ao interessado comprovar que teve efetiva e relevante (ainda que não
financeira) participação no esforço para aquisição onerosa de determinado bem a ser
partilhado com a dissolução da união (prova positiva).

COMPRA E VENDA

É devida a condenação ao pagamento de taxa de ocupação (aluguéis) pelo período em


que o comprador permanece na posse do bem imóvel, no caso de rescisão do contrato
de promessa de compra e venda, independentemente de ter sido o vendedor quem
deu causa ao desfazimento do negócio.
REsp 1.613.613-RJ, Terceira Turma, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, por
unanimidade, julgado em 12/06/2018, DJe 18/06/2018 (INFO 629)

Inicialmente, registre-se que o desfazimento do negócio jurídico de compra e venda do


imóvel motiva o retorno das partes ao estado anterior com, de um lado, a devolução do
preço pago e a indenização pelas benfeitorias e, de outro, a restituição do imóvel e o
pagamento de aluguéis pelo período de ocupação do bem objeto do contrato rescindido.
Em outras palavras, o descumprimento contratual por parte da vendedora provoca
determinadas consequências que, todavia, não isentam o comprador de remunerar o
proprietário pelo período de ocupação do bem. Dessa forma, o pagamento de aluguéis
não envolve discussão acerca da licitude ou ilicitude da conduta do ocupante. O
ressarcimento é devido por força da determinação legal segundo a qual a ninguém é
dado enriquecer sem causa à custa de outrem, usufruindo de bem alheio sem nenhuma

48
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

contraprestação. Assim, segundo a jurisprudência desta Corte, a utilização do imóvel


objeto do contrato de promessa de compra e venda enseja o pagamento de aluguéis
pelo tempo de permanência, mesmo que o contrato tenha sido rescindido por
inadimplemento da vendedora, ou seja, independentemente de quem tenha sido o
causador do desfazimento do negócio, sob pena de enriquecimento sem causa.

CONDOMÍNIO – SHOPPING CENTER

A cláusula prevista em convenção de condomínio de shopping center, permitindo a


alguns condôminos - lojistas - o uso, gozo e fruição de áreas comuns, não é, em regra,
nula.
REsp 1.677.737-RJ, Terceira Turma, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, por
unanimidade, julgado em 19/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

Cinge-se a controvérsia a definir se a convenção de condomínio pode atribuir direito de


uso exclusivo de áreas comuns a um ou mais condôminos. Inicialmente, destaca-se que
no que tange ao condomínio voluntário, cada condômino adquire uma fração ou
percentual do todo, assumindo direitos e vantagens proporcionalmente à sua quota-
parte. Porém, as circunstâncias peculiares e a natureza jurídica dos shopping centers,
tanto com relação à forma de constituição, quanto aos objetivos econômicos traçados
pelos empreendedores, os distinguem do condomínio edilício comum. Nada impede
que, quando da constituição do empreendimento, em decisão assemblear ou por meio
de cláusulas de convenção de condomínio e demais normais gerais complementares,
seja limitada à propriedade adquirida pelos lojistas ao espaço interno, ou parte da
edificação, sem contribuição ou participação nas coisas de uso comum, desde que
respeitado o respectivo quorum de votação, em razão do princípio da autonomia da
vontade. Assim, a cláusula prevista em convenção de condomínio de shopping center,
que permite a alguns condôminos (lojistas) o uso, gozo e fruição de áreas comuns, não
é, em regra, absolutamente nula, pois aqueles exercem, apenas relativamente, os
direitos assegurados em geral pelo art. 1.335 do Código Civil.

CONTRATOS

Uma fábrica e um banco celebraram dois contratos:


• ajuste 1: contrato de abertura de crédito (no qual havia uma cláusula
compromissória).
• ajuste 2: contrato de swap (no qual não havia cláusula compromissória).
Foi reconhecido que havia coligação contratual entre os dois ajustes, sendo o
contrato de swap dependente do contrato de abertura de crédito (ajuste principal).
Nos contratos coligados, as partes celebram uma pluralidade de negócios jurídicos
tendo por desiderato um conjunto econômico, criando entre eles efetiva

49
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

dependência. Tendo sido reconhecida a coligação contratual, é possível que a


cláusula compromissória prevista no contrato principal (contrato de abertura de
crédito) seja estendida ao contrato de swap (dependente). Isso porque ambos são
integrantes de uma operação econômica única.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.639.035-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em
18/09/2018 (Info 635).

CORTE DE SERVIÇOS PÚBLICOS

Na hipótese de débito estrito de recuperação de consumo efetivo por fraude no


aparelho medidor atribuída ao consumidor, desde que apurado em observância aos
princípios do contraditório e da ampla defesa, é possível o corte administrativo do
fornecimento do serviço de energia elétrica, mediante prévio aviso ao consumidor,
pelo inadimplemento do consumo recuperado correspondente ao período de 90
(noventa) dias anterior à constatação da fraude, contanto que executado o corte em
até 90 (noventa) dias após o vencimento do débito, sem prejuízo do direito de a
concessionária utilizar os meios judiciais ordinários de cobrança da dívida, inclusive
antecedente aos mencionados 90 (noventa) dias de retroação.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.412.433-RS, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em
25/04/2018 (recurso repetitivo) (Info 634).

DANO MORAL

A concessionária de transporte ferroviário pode responder por dano moral sofrido


por passageira, vítima de assédio sexual, praticado por outro usuário no interior do
trem. REsp 1.662.551-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, por maioria, julgado em
15/05/2018, DJe 25/06/2018 – INFO 628

Comentários: De início, registre-se que o Supremo Tribunal Federal, em julgamento de


recurso extraordinário representativo da controvérsia, determinou que a pessoa jurídica
de direito privado, prestadora de serviço público, ostenta responsabilidade objetiva em
relação a terceiros usuários ou não usuários do serviço público, nos termos do artigo
37, § 6º, da Constituição da República de 1988 (RE 591.874/MS, publicado no DJe de
21/11/2008). Em reforço à responsabilidade objetiva do transportador, não se pode
olvidar que a legislação consumerista receitua que o fornecedor de serviços responde
pela reparação dos danos causados, independentemente da existência de culpa,
decorrente dos defeitos relativos à prestação destes serviços, nos termos do art. 14, §§
1º e 3º, do CDC. Ademais, a cláusula de incolumidade é ínsita ao contrato de transporte,
implicando obrigação de resultado do transportador, consistente em levar o passageiro
com conforto e segurança ao seu destino, salvo se demonstrada causa de exclusão do
nexo de causalidade, notadamente o caso fortuito, a força maior ou a culpa exclusiva
da vítima ou de terceiro. O fato de terceiro, conforme se apresente, pode ou não romper

50
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

o nexo de causalidade. Exclui-se a responsabilidade do transportador quando a conduta


praticada por terceiro, sendo causa única do evento danoso, não guarda relação com a
organização do negócio e os riscos da atividade de transporte, equiparando-se a fortuito
externo. De outro turno, a culpa de terceiro não é apta a romper o nexo causal quando
se mostra conexa à atividade econômica e aos riscos inerentes à sua exploração,
caracterizando fortuito interno. Por envolver, necessariamente, uma grande
aglomeração de pessoas em um mesmo espaço físico, aliados à baixa qualidade do
serviço prestado, incluído a pouca quantidade de vagões ou ônibus postos à disposição
do público, a prestação do serviço de transporte de passageiros vem propiciando a
ocorrência de eventos de assédio sexual. Em outros termos, mais que um simples
cenário ou ocasião, o transporte público tem concorrido para a causa dos eventos de
assédio sexual. Em tal contexto, a ocorrência desses fatos acaba sendo arrastada para
o bojo da prestação do serviço de transporte público, tornando-se assim mais um risco
da atividade, a qual todos os passageiros, mas especialmente as mulheres, tornam-se
vítimas. Conclui-se que, se a ocorrência do assédio sexual guardar conexidade com os
serviços prestados pela concessionária e, tratando-se de fortuito interno, a
transportadora de passageiros permanece objetivamente responsável pelos danos
causados.

É cabível o pedido de indenização por danos morais em razão de descumprimento de


ordem judicial em demanda pretérita envolvendo as mesmas partes, na qual foi
fixada multa cominatória.
A multa cominatória tem cabimento nas hipóteses de descumprimento de ordens
judiciais, sendo fixada com o objetivo de compelir a parte ao cumprimento daquela
obrigação. Por outro lado, a indenização visa a reparar o abalo moral sofrido em
decorrência da verdadeira agressão ou atentado contra a dignidade da pessoa
humana. Encontra justificativa no princípio da efetividade da tutela jurisdicional e na
necessidade de se assegurar o pronto cumprimento das decisões judiciais
cominatórias.
Considerando, portanto, que os institutos em questão têm natureza jurídica e
finalidades distintas, é possível a cumulação.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.689.074-RS, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 16/10/2018
(Info 636).

Na hipótese de atraso de voo, não se admite a configuração do dano moral in re ipsa.


STJ. 3ª Turma. REsp 1.584.465-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 13/11/2018
(Info 638).

DIREITO BANCÁRIO

Tese aplicável a todo contrato de mútuo feneratício celebrado com instituição


financeira mutuante: "Descabimento da repetição do indébito com os mesmos
encargos do contrato". REsp 1.552.434-GO, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino,
Segunda Seção, por unanimidade, julgado em 13/06/2018, DJe 21/06/2018 (Tema
968)

51
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Comentários: Por um lado, o lucro da intervenção é um plus em relação à indenização,


no sentido de que esta encontra limite na extensão dos danos experimentados pela
vítima (função indenitária do princípio da reparação integral), ao passo que o lucro da
intervenção pode extrapolar esse limite. Por outro lado, o referido lucro é um minus em
relação ao punitive damage, uma vez que este, tendo simultaneamente funções punitiva
e preventiva, não está limitado ao lucro ou ao dano. Propõe-se, no presente repetitivo,
uma tese menos abrangente, apenas para eliminar a possibilidade de se determinar a
repetição com base nos mesmos encargos praticados pela instituição financeira, pois
esses encargos não correspondem ao dano experimentado pela vítima, tampouco ao
lucro auferido pelo ofensor.

Contrato de conta-corrente mantida entre corretora de Bitcoin e instituição financeira:


não se aplica o CDC
A empresa corretora de Bitcoin que celebra contrato de conta-corrente com o banco
para o exercício de suas atividades não pode ser considerada consumidora. Não se
trata de uma relação de consumo.
A empresa desenvolve a atividade econômica de intermediação de compra e venda
de Bitcoins. Para realizar essa atividade econômica, utiliza o serviço de conta-
bancária oferecido pela instituição financeira.
Desse modo, a utilização desse serviço bancário (abertura de conta-corrente) tem o
propósito de incrementar sua atividade produtiva de intermediação, não se
caracterizando, portanto, como relação jurídica de consumo, mas sim de insumo.
Em outras palavras, o serviço bancário de conta-corrente é utilizado como
implemento de sua atividade empresarial, não se destinando, pois, ao seu consumo
final.
Logo, não se aplicam as normas protetivas do Código de Defesa do Consumidor.

Banco que, após notificar a corretora de Bitcoin, decide encerrar contrato de conta-
corrente com a empresa não pratica ato que configure abuso de direito
O encerramento de conta-corrente usada na comercialização de criptomoedas,
observada a prévia e regular notificação, não configura prática comercial abusiva ou
exercício abusivo do direito.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.696.214-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em
09/10/2018 (Info 636).

Agressões físicas e verbais perpetradas por jogador profissional contra árbitro de


futebol, na ocasião de disputa de partida de futebol, constituem ato ilícito indenizável
na Justiça Comum, independentemente de eventual punição aplicada na esfera da
Justiça Desportiva.
Caso concreto: na final do campeonato paulista de 2015, o jogador do Palmeiras, após
ser expulso, empurrou as costas do árbitro e proferiu xingamentos contra ele.
Vale ressaltar que a conclusão acima exposta não é a regra, ou seja, não é toda
agressão em uma partida de futebol que gerará indenização por danos morais.
O STJ entendeu, na situação concreta, que a conduta do jogador transbordou o
mínimo socialmente aceitável em partidas de futebol. Além disso, o evento no qual as
agressões foram perpetradas, final do Campeonato Paulista de Futebol, envolvendo
dois dos maiores clubes do Brasil, foi televisionado para todo o país, o que evidencia

52
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

sua enorme audiência e, em consequência, o número de pessoas que assistiram o


episódio.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.762.786-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
23/10/2018 (Info 637).

DIVÓRCIO

A revelia em ação de divórcio na qual se pretende, também, a exclusão do


patronímico adotado por ocasião do casamento não significa concordância tácita com
a modificação do nome civil.
REsp 1.732.807-RJ, Terceira Turma, Rel. Min. Nancy Andrighi, por unanimidade,
julgado em 14/08/2018, DJe 17/08/2018 INFO 631

Na hipótese em exame, o marido ajuizou a ação de divórcio em que foi pedido para que
a esposa fosse obrigada a excluir o patronímico adquirido por ocasião do casamento,
sem contestação. O fato de ex-cônjuge ter sido revel, todavia, não induz à procedência
do pedido de exclusão do patronímico adotado anteriormente. De um lado, observe-se
que litígio envolve direitos indisponíveis (art. 320, II, CPC/73), especialmente o direito
ao nome, assim compreendido como o prenome e o patronímico, um dos elementos
estruturantes dos direitos da personalidade e da dignidade da pessoa humana, uma vez
que diz respeito à própria identidade pessoal do indivíduo, não apenas em relação a si
mesmo, mas também no ambiente familiar e perante a sociedade em que vive. De outro
lado, não se pode olvidar que a revelia produz seu mais relevante efeito tão somente
sobre as questões de fato e, na hipótese, sequer foram deduzidas pelo recorrente como
por exemplo, o hipotético uso do prestígio decorrente do patronímico após o rompimento
do vínculo conjugal, com negativos reflexos patrimoniais ou morais. Assim, é
inadmissível deduzir que a ausência de contestação da recorrida equivaleria a alguma
espécie de aquiescência ou concordância tácita para com a pretensão de retorno ao
nome de solteira, modificação para a qual se exige, indiscutivelmente, a sua
manifestação expressa de vontade.

Em regra, a ação de dissolução de vínculo conjugal tem natureza personalíssima, de


modo que o legitimado ativo para o seu ajuizamento é, por excelência, o próprio
cônjuge.
Excepcionalmente, admite-se que o divórcio seja proposto pelo curador, na
qualidade de representante processual do cônjuge.
Justamente por ser excepcional o ajuizamento da ação de dissolução de vínculo
conjugal por terceiro em representação do cônjuge, deve ser restritiva a
interpretação da norma jurídica que indica os representantes processuais
habilitados a fazê-lo, não se admitindo, em regra, o ajuizamento da referida ação por
quem possui apenas a curatela provisória.
Assim, em regra, a ação de divórcio não pode ser ajuizada por curador provisório.
Isso pode ser admitido em situações excepcionais, quando houver prévia autorização
judicial e oitiva do Ministério Público. STJ. 3ª Turma. REsp 1.645.612-SP, Rel. Min.
Nancy Andrighi, julgado em 16/10/2018 (Info 637).

53
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO REAL DE HABITAÇÃO

O reconhecimento do direito real de habitação, a que se refere o art. 1.831 do Código


Civil, não pressupõe a inexistência de outros bens no patrimônio do
cônjuge/companheiro sobrevivente. Em outras palavras, mesmo que o cônjuge ou
companheiro sobrevivente possua outros bens, ele terá direito real de habitação.
Isso se justifica porque o objetivo da lei é permitir que o cônjuge/companheiro
sobrevivente permaneça no mesmo imóvel familiar que residia ao tempo da morte
como forma, não apenas de concretizar o direito constitucional à moradia, mas
também por razões de ordem humanitária e social, já que não se pode negar a
existência de vínculo afetivo e psicológico estabelecido pelos
cônjuges/companheiros com o imóvel em que, no transcurso de sua convivência,
constituíram não somente residência, mas um lar.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.582.178-RJ, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
11/09/2018 (Info 633).

DOAÇÃO

O art. 1.911 do Código Civil estabelece:


Art. 1.911. A cláusula de inalienabilidade, imposta aos bens por ato de liberalidade,
implica impenhorabilidade e incomunicabilidade.
A interpretação deste art. 1.911 nos permite chegar a quatro conclusões:
a) há possibilidade de imposição autônoma das cláusulas de inalienabilidade,
impenhorabilidade e incomunicabilidade, a critério do doador/instituidor. Em
outras palavras, o doador/instituidor pode impor só uma, só duas ou as três
cláusulas.
b) uma vez aposto o gravame da inalienabilidade, pressupõe-se, ex vi lege (por força
de lei), automaticamente, a impenhorabilidade e a incomunicabilidade. Assim, se
tiver sido imposta cláusula de inalienabilidade ao imóvel, isso significa que ele,
obrigatoriamente, será também impenhorável e incomunicável.
c) a inserção exclusiva da proibição de não penhorar e/ou não comunicar não gera a
presunção da inalienabilidade. A aposição da cláusula de impenhorabilidade e/ou
incomunicabilidade em ato de liberalidade não importa, automaticamente, na
cláusula de inalienabilidade.
d) a instituição autônoma da impenhorabilidade, por si só, não pressupõe a
incomunicabilidade e vice-versa.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.155.547-MG, Rel. Min. Marco Buzzi, julgado em 06/11/2018
(Info 637).

ESQUECIMENTO, DIREITO AO

54
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É possível determinar o rompimento do vínculo estabelecido por provedores de


aplicação de busca na internet entre o nome de prejudicado, utilizado como critério
exclusivo de busca, e a notícia apontada nos resultados. REsp 1.660.168-RJ, Rel. Min.
Nancy Andrighi, Rel. Acd. Min. Marco Aurélio Bellizze, por maioria, julgado em
08/05/2018, DJe 05/06/2018 - INFO 628

Comentários: No caso, pleiteia-se a desindexação do nome da recorrente, em


resultados nas aplicações de busca na internet, de notícia sobre fraude em concurso
público, no qual havia sido reprovada. Atualmente, o fato referido já conta com mais de
uma década, e ainda hoje os resultados de busca apontam como mais relevantes as
notícias a ela relacionadas, como se, ao longo desta década, não houvesse nenhum
desdobramento da notícia nem fatos novos relacionados ao nome da autora. Quanto ao
assunto, a jurisprudência desta Corte Superior tem entendimento reiterado no sentido
de afastar a responsabilidade de buscadores da internet pelos resultados de busca
apresentados, reconhecendo a impossibilidade de lhe atribuir a função de censor e
impondo ao prejudicado o direcionamento de sua pretensão contra os provedores de
conteúdo, responsáveis pela disponibilização do conteúdo indevido na internet. Há,
todavia, circunstâncias excepcionalíssimas em que é necessária a intervenção pontual
do Poder Judiciário para fazer cessar o vínculo criado, nos bancos de dados dos
provedores de busca, entre dados pessoais e resultados da busca, que não guardam
relevância para interesse público à informação, seja pelo conteúdo eminentemente
privado, seja pelo decurso do tempo. Essa é a essência do direito ao esquecimento: não
se trata de efetivamente apagar o passado, mas de permitir que a pessoa envolvida siga
sua vida com razoável anonimato, não sendo o fato desabonador corriqueiramente
rememorado e perenizado por sistemas automatizados de busca. Por outro vértice,
aqueles que quiserem ter acesso a informações relativas a fraudes em concurso público,
não terão seu direito de acesso impedido, porquanto as fontes que mencionam inclusive
o nome da autora permanecerão acessíveis. Contudo, sua busca deverá conter critérios
relativos a esse conteúdo, seja em conjunto com o nome da autora, seja de forma
autônoma.

GARANTIA FIDUCIÁRIA

O equipamento de monitoramento acoplado em caminhão é qualificado como


pertença e pode ser retirado pelo devedor fiduciante que o colocou.
REsp 1.667.227-RS, Terceira Turma, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, por
unanimidade, julgado em 26/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

Inicialmente, cumpre salientar que pertenças são bens que - a despeito da específica
destinação acessória, na medida em que atendem a finalidade econômico-social da
coisa principal - são facilmente destacáveis do bem principal, sem prejuízo de sua
essência, de sua finalidade ou de seu valor econômico (substancialmente considerado).
A partir de tais características, devidamente delineadas, é de se concluir que o
equipamento de monitoramento acoplado ao caminhão consubstancia uma pertença, a
qual atende, de modo duradouro, à finalidade econômico-social do referido veículo,
destinando-se a promover a sua localização e, assim, reduzir os riscos de perecimento
produzidos por eventuais furtos e roubos, a que, comumente, estão sujeitos os veículos
utilizados para o transporte de mercadorias. Trata-se, indiscutivelmente, de "coisa
ajudante" que atende ao uso do bem principal. Desse modo, sua retirada do caminhão,
tal como postulado pelo devedor fiduciante, não altera a natureza do bem principal, em

55
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

nada prejudica sua função finalística, tampouco reflete uma depreciação econômica de
tal monta que torne inviável, sob tal aspecto, a separação. Efetivamente, o
inadimplemento do contrato de empréstimo para aquisição de caminhão dado em
garantia, a despeito de importar na consolidação da propriedade do mencionado veículo
nas mãos do credor fiduciante, não conduz ao perdimento da pertença em favor deste.
O equipamento de monitoramento, independentemente do destino do caminhão,
permanece com a propriedade de seu titular, o devedor fiduciário, ou em sua posse, a
depender do título que ostente, salvo se houver expressa manifestação de vontade
nesse sentido, se a lei assim dispuser ou se, a partir das circunstâncias do caso, tal
solução for a indicada.

HIPOTECA

O credor hipotecário tem interesse de agir para propor ação em face do mutuário
visando ao cumprimento de cláusula contratual que determina a observância dos
padrões construtivos do loteamento. REsp 1.400.607-RS, Rel. Min. Luis Felipe
Salomão, por unanimidade, julgado em 17/05/2018, DJe 26/06/2018 - INFO 628

Comentários: A hipoteca é direito real de garantia por meio do qual o devedor


permanece com o domínio e posse, mas, em caso de inadimplência ou perecimento da
coisa, o credor tem a faculdade de promover a venda judicial do bem, recebendo o
produto até o valor total do crédito, com preferência. Além disso, a hipoteca tem
característica de indivisibilidade e acessoriedade e a coisa dada em garantia, embora
não suscetível ao pacto comissório, fica sujeita, por vínculo real, a cumprimento da
obrigação principal. Assim, por um lado, à luz da causa de pedir da execução, não
bastasse ressair nítido o interesse do credor hipotecário em não ver, ao arrepio do
contrato, depreciado o bem que consubstancia a garantia real de seu crédito, o art.
1.474 do CC estabelece que a hipoteca abrange todas as acessões, melhoramentos ou
construções do imóvel. Por outro lado, o art. 1.425, I, do CC estabelece que a dívida
considera-se vencida se, deteriorando-se, ou depreciando-se o bem dado em
segurança, desfalcar a garantia, e o devedor, intimado, não a reforçar ou substituir. Com
efeito, em sendo imprevisível se a eventual venda do bem imóvel dado em garantia seria
suficiente para o pagamento da dívida do executado, é patente o interesse de agir da
exequente, visto que, mesmo com a subsistência do terreno, é mesmo possível a
depreciação do bem dado em garantia em vista de ter sido erigido construção
incompatível com os padrões estabelecidos para o loteamento.

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA

O incorporador só se acha habilitado a negociar unidades autônomas do


empreendimento imobiliário depois que registrar, no Registro de Imóveis, os
documentos elencados no art. 32 da Lei nº 4.591/64. Descumprida essa exigência
legal, impõe-se a aplicação da multa do art. 35, § 5º, da mesma lei.

56
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É decenal o prazo prescricional aplicável à ação do adquirente contra a


incorporadora que visa a cobrança da multa prevista no art. 35, § 5º, da Lei nº
4.591/64. Fundamento: art. 205 do Código Civil.
Não se aplica o art. 27 do CDC porque este dispositivo é restrito às ações que busquem
a reparação de danos causados por fato do produto ou do serviço e essa situação não
se enquadra como fato do produto ou serviço (não se trata de acidente de consumo).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.497.254-ES, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
18/09/2018 (Info 633).

É abusiva a cláusula prevista em promessa de compra e venda que transfira para o


promitente-comprador a responsabilidade pelo pagamento da comissão de
corretagem? NÃO. Segundo decidiu o STJ, é válida a cláusula contratual que transfere
ao promitente-comprador a obrigação de pagar a comissão de corretagem nos
contratos de promessa de compra e venda de unidade autônoma em regime de
incorporação imobiliária, desde que previamente informado o preço total da
aquisição da unidade autônoma, com o destaque do valor da comissão de corretagem
(STJ. 2ª Seção. REsp 1.599.511-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em
24/8/2016).
Imagine, no entanto, que o adquirente não foi informado previamente que ele teria a
obrigação de pagar a comissão de corretagem, ou seja, houve falha no dever de
informar. Neste caso, ele poderá ajuizar ação pedindo a restituição dos valores pagos.
Qual é o prazo prescricional? 3 anos (art. 206, § 3º, IV, do Código Civil). Qual é o termo
inicial deste prazo prescricional? A data do efetivo pagamento. E se o pagamento foi
parcelado? Se o pagamento da comissão de corretagem foi parcelado, o prazo
prescricional é contado da última parcela paga, ou seja, da data em que o adquirente
terminou de pagar (data do desembolso total). O termo inicial da prescrição da
pretensão de restituição dos valores pagos parceladamente a título de comissão de
corretagem é a data do efetivo pagamento (desembolso total).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.724.544-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 02/10/2018
(Info 634).

LEASING

É possível a descaracterização do contrato de arrendamento mercantil (leasing) se o


prazo de vigência do acordo celebrado não respeitar a vigência mínima estabelecida
de acordo com a vida útil do bem arrendado. Nos termos do art. 8º do anexo da
Resolução nº 2.309/96 e art. 23 da Lei nº 6.099/74, o prazo mínimo de vigência do
contrato de arrendamento mercantil financeiro é de (i) dois anos, quando se tratar
de bem com vida útil igual ou inferior a cinco anos, e (ii) de três anos, se o bem
arrendado tiver vida útil superior a cinco anos. Caso concreto: o bem arrendado (pá-
escavadeira) possui vida útil superior a cinco anos. Apesar disso, o ajuste previa o
arrendamento pelo prazo de apenas dois anos. Logo, foi desrespeitada a Resolução,
ficando descaracterizado o contrato de arrendamento mercantil. Ficando
descaracterizado o leasing, é possível cobrar ICMS sobre esta operação.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.569.840-MT, Rel. Min. Francisco Falcão, julgado em
16/08/2018 (Info 632).

57
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

LOCAÇÃO

A averbação do contrato com cláusula de vigência no registro de imóveis é


imprescindível para que a locação possa ser oposta ao adquirente. É o que prevê a Lei
nº 8.245/91: Art. 8º Se o imóvel for alienado durante a locação, o adquirente poderá
denunciar o contrato, com o prazo de noventa dias para a desocupação, salvo se a
locação for por tempo determinado e o contrato contiver cláusula de vigência em caso
de alienação e estiver averbado junto à matrícula do imóvel.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.669.612-RJ, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
07/08/2018 (Info 632).

MANDATO

Nas ações de indenização do mandante contra o mandatário incide o prazo


prescricional de 10 anos, previsto no art. 205 do Código Civil, por se tratar de
responsabilidade proveniente de relação contratual.
Neste caso, o prazo prescricional tem início não no momento em que o acordo foi
homologado, mas sim a data em que a vítima soube que havia sido prejudicada. Isso
com base na chamada teoria da actio nata.
O fato de o advogado-mandatário ostentar procuração com poderes para transigir
não afasta a responsabilidade pelos prejuízos causados por culpa sua ou de pessoa
para quem substabeleceu, nos termos dos arts. 667 do Código Civil e 32, caput, do
Estatuto da Advocacia.
A responsabilidade pelos danos decorrentes do abuso de poder pelo mandatário
independe da prévia anulação judicial do ato praticado, pois o prejuízo não decorre
de eventual nulidade, mas sim da violação dos deveres subjacentes à relação jurídica
entre o advogado e o assistido.
Caso concreto: advogado celebrou acordo prejudicial ao cliente, por meio do qual
renunciou a crédito consolidado em sentença com remota possibilidade de reversão,
em virtude de ajuste espúrio realizado com a parte contrária.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.750.570-RS, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
11/09/2018 (Info 633).

PESSOAS NATURAIS

O transgênero tem direito fundamental subjetivo à alteração de seu prenome e de sua


classificação de gênero no registro civil, não se exigindo, para tanto, nada além da
manifestação de vontade do indivíduo, o qual poderá exercer tal faculdade tanto pela
via judicial como diretamente pela via administrativa.
Essa alteração deve ser averbada à margem do assento de nascimento, vedada a
inclusão do termo “transgênero”.
Nas certidões do registro não constará nenhuma observação sobre a origem do ato,
vedada a expedição de certidão de inteiro teor, salvo a requerimento do próprio
interessado ou por determinação judicial.

58
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Efetuando-se o procedimento pela via judicial, caberá ao magistrado determinar de


ofício ou a requerimento do interessado a expedição de mandados específicos para a
alteração dos demais registros nos órgãos públicos ou privados pertinentes, os quais
deverão preservar o sigilo sobre a origem dos atos.
RE 670422/RS, Plenário, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 15.8.2018 – Tema 761
– Repercussão Geral (INFO 911)

Prevaleceu o voto do ministro Dias Toffoli (relator). Este reajustou o voto proferido na
assentada anterior para se adequar ao que decidido na ADI 4.275/DF (Informativo 892),
no sentido de conceder aos transgêneros, e não só aos transexuais, o direito a referidas
alterações, na via administrativa ou judicial, em procedimento de jurisdição voluntária.

Confira-se:

Os transgêneros, que assim o desejarem, independentemente da cirurgia de


transgenitalização, ou da realização de tratamentos hormonais ou patologizantes,
possuem o direito à alteração do prenome e do gênero (sexo) diretamente no registro
civil.
STF. Plenário. ADI 4275/DF, rel. orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o acórdão Min.
Edson Fachin, julgado em 28/2 e 1º/3/2018 (Info 892).

Premissas da decisão do STF:

1) O direito à igualdade sem discriminações abrange a identidade ou a expressão de


gênero. O respeito à identidade de gênero é uma decorrência do princípio da igualdade.

2) A identidade de gênero é uma manifestação da própria personalidade da pessoa


humana. Logo, cabe ao Estado apenas o papel de reconhecê-la, nunca de constituí-la.
Isso significa que o Estado não diz o gênero da pessoa, ele deve apenas reconhecer o
gênero que a pessoa se enxerga.

3) A pessoa não deve provar o que é, e o Estado não deve condicionar a expressão da
identidade a qualquer tipo de modelo, ainda que meramente procedimental. Assim, se
cabe ao Estado apenas o reconhecimento dessa identidade, ele não pode exigir ou
condicionar a livre expressão da personalidade a um procedimento médico ou laudo
psicológico. A alteração dos assentos no registro público depende apenas da livre
manifestação de vontade da pessoa que visa expressar sua identidade de gênero.

É imperativo o reconhecimento do direito do indivíduo ao desenvolvimento pleno de sua


personalidade e a proteção dos conteúdos mínimos que compõem a dignidade do ser
humano: a autonomia, a liberdade, a conformação interior e os componentes social e
comunitário.
Para o relator, como inarredável pressuposto para o desenvolvimento da personalidade
humana, deve-se afastar qualquer óbice jurídico que represente limitação, ainda que
potencial, ao exercício pleno pelo ser humano da liberdade de escolha de identidade,
orientação e vida sexual. Qualquer tratamento jurídico discriminatório sem justificativa
constitucional razoável e proporcional importa em limitação à liberdade do indivíduo e
ao reconhecimento de seus direitos como ser humano e como cidadão.
O sistema deve progredir e superar a tradicional identificação de sexos para também
abarcar os casos daqueles cuja autopercepção difere do que se registrou no momento
de seu nascimento e das respectivas conformações biológicas.

59
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Não é possível manter um nome em descompasso com a identidade sexual reconhecida


pela pessoa, que é, efetivamente, aquela que gera a interlocução do indivíduo com sua
família e com a sociedade. A anotação do designativo “transexual” nos assentamentos
pessoais, além de não garantir a dignidade do indivíduo, produz outros efeitos
deletérios, como sua discriminação, exclusão e estigmatização.

PRESCRIÇÃO

É decenal o prazo prescricional aplicável às hipóteses de pretensão fundamentadas


em inadimplemento contratual. É adequada a distinção dos prazos prescricionais da
pretensão de reparação civil advinda de responsabilidades contratual e
extracontratual.
Nas controvérsias relacionadas à responsabilidade CONTRATUAL, aplica-se a regra
geral (art. 205 CC/2002) que prevê 10 anos de prazo prescricional e, quando se tratar
de responsabilidade extracontratual, aplica-se o disposto no art. 206, § 3º, V, do
CC/2002, com prazo de 3 anos. Para fins de prazo prescricional, o termo “reparação
civil” deve ser interpretado de forma restritiva, abrangendo apenas os casos de
indenização decorrente de responsabilidade civil extracontratual. Resumindo. O
prazo prescricional é assim dividido:
• Responsabilidade civil extracontratual (reparação civil): 3 anos (art. 206, § 3º, V, do
CC).
• Responsabilidade contratual (inadimplemento contratual): 10 anos (art. 205 do
CC).
STJ. 2ª Seção. EREsp 1.280.825-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 27/06/2018
(Info 632).

Cuidado com o Enunciado 419 da Jornada de Direito Civil


Risque de seus materiais de estudo o enunciado 419 da V Jornada de Direito Civil,
considerando que o entendimento ali exposto está em confronto com o STJ:
Enunciado 419-CJF: O prazo prescricional de três anos para a pretensão de reparação
civil aplica-se tanto à responsabilidade contratual quanto à responsabilidade
extracontratual.

UNIÃO ESTÁVEL

Na dissolução de entidade familiar, é possível o reconhecimento do direito de visita


a animal de estimação adquirido na constância da união, demonstrada a relação de
afeto com o animal. Na dissolução da entidade familiar em que haja algum conflito em
relação ao animal de estimação, independentemente da qualificação jurídica a ser
adotada, a resolução deverá buscar atender, sempre a depender do caso em concreto,
aos fins sociais, atentando para a própria evolução da sociedade, com a proteção do
ser humano e do seu vínculo afetivo com o animal.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.713.167-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
19/06/2018 (Info 634).

60
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

USUCAPIÃO

É possível o reconhecimento da usucapião de bem imóvel com a implementação do


requisito temporal no curso da demanda.
REsp 1.361.226-MG, Terceira Turma, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, por
unanimidade, julgado em 05/06/2018, DJe 09/08/2018

Registre-se inicialmente que, à luz do art. 462 do Código de Processso Civil de 1973, é
dever do magistrado levar em consideração algum fato constitutivo ou extintivo do direito
ocorrido após a propositura da ação, podendo fazê-lo independentemente de
provocação das partes. O legislador consagrou o princípio de que a decisão deve refletir
o estado de fato e de direito no momento de julgar a demanda, desde que guarde
pertinência com a causa de pedir e com o pedido. Assim, cabe ao magistrado examinar
o requisito temporal da usucapião ao proferir a sentença, permitindo que o prazo seja
completado no curso do processo judicial. Essa linha de raciocínio também é confirmada
pelo Enunciado n. 497 da V Jornada de Direito Civil (STJ/CJF), segundo o qual "o prazo,
na ação de usucapião pode ser completado no curso do processo, ressalvadas as
hipóteses de má-fé processual do autor". Evita-se, com isso, que o autor proponha nova
ação para obter o direito que já poderia ter sido reconhecido se o Poder Judiciário
apreciasse eventual fato constitutivo superveniente, cuja medida se encontra em
harmonia com os princípios da economia processual e da razoável duração do
processo. Na hipótese, havendo o transcurso do lapso vintenário na data da prolação
da sentença e sendo reconhecido pelo tribunal de origem que estão presentes todos os
demais requisitos, deve ser declarada a usucapião. Além disso, incumbe ressaltar que
a contestação apresentada pelo réu não impede o transcurso do lapso temporal. Com
efeito, a mencionada peça defensiva não tem a capacidade de exprimir a resistência do
demandado à posse exercida pelo autor, mas apenas a sua discordância com a
aquisição do imóvel pela usucapião. Contestar, no caso, impõe mera oposição à
usucapião postulada pelos autores, e não à posse.

É juridicamente possível a usucapião de imóveis rurais por pessoa jurídica brasileira


com capital majoritariamente controlado por estrangeiros, desde que observadas as
mesmas condicionantes para a aquisição originária de terras rurais por pessoas
estrangeiras - sejam naturais, jurídicas ou equiparadas.
A Lei nº 5.709/71 impõe uma série de condições para que estrangeiros adquiram
terras rurais no Brasil. Uma pessoa jurídica nacional que tenha seu capital social
controlado por estrangeiros também está sujeita às mesmas restrições, por força do
art. 1º, § 1º, da Lei nº 5.709/71. Isso não significa que ela não possa adquirir imóveis
rurais no Brasil. Podem sim, inclusive mediante usucapião. No entanto, precisam
cumprir as regras da Lei nº 5.709/71. STJ. 3ª Turma. REsp 1.641.038-CE, Rel. Min.
Nancy Andrighi, julgado em 06/11/2018 (Info 637).

DIREITO DO CONSUMIDOR

61
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CADASTROS RESTRITIVOS

Qual é o termo inicial do prazo máximo de 5 anos que o nome de devedor pode ficar
inscrito em órgão de proteção ao crédito?
Os cadastros e bancos de dados não poderão conter informações negativas do
consumidor referentes a período superior a 5 anos (art. 43, § 1º do CDC).
Passado esse prazo, o próprio órgão de cadastro deve retirar a anotação negativa,
independentemente de como esteja a situação da dívida (não importa se ainda está
sendo cobrada em juízo ou se ainda não foi prescrita).
Qual é o termo inicial deste prazo de 5 anos? A partir de quando ele começa a ser
contado: do dia em que venceu a dívida ou da data em que o nome do consumidor foi
inserido no cadastro?
O termo inicial do prazo máximo de cinco anos que o nome de devedor pode ficar
inscrito em órgão de proteção ao crédito é o dia seguinte à data de vencimento da
dívida.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.630.889-DF, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 11/09/2018
(Info 633).

SPC/SERASA, quando forem inserir títulos que estão protestados, deverão incluir a
data de vencimento e controlar os prazos máximos que poderão ficar nos bancos de
dados.
As entidades mantenedoras de cadastros de proteção ao crédito não devem incluir
em sua base de dados informações coletadas dos cartórios de protestos sem a
informação do prazo de vencimento da dívida, sendo responsáveis pelo controle de
ambos os limites temporais estabelecidos no art. 43 da Lei nº 8.078/90.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.630.889-DF, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 11/09/2018
(Info 633).

CONSUMIDOR (CONCEITO)

Contrato de conta-corrente mantida entre corretora de Bitcoin e instituição financeira:


não se aplica o CDC
A empresa corretora de Bitcoin que celebra contrato de conta-corrente com o banco
para o exercício de suas atividades não pode ser considerada consumidora. Não se
trata de uma relação de consumo.
A empresa desenvolve a atividade econômica de intermediação de compra e venda
de Bitcoins. Para realizar essa atividade econômica, utiliza o serviço de conta-
bancária oferecido pela instituição financeira.
Desse modo, a utilização desse serviço bancário (abertura de conta-corrente) tem o
propósito de incrementar sua atividade produtiva de intermediação, não se
caracterizando, portanto, como relação jurídica de consumo, mas sim de insumo.
Em outras palavras, o serviço bancário de conta-corrente é utilizado como
implemento de sua atividade empresarial, não se destinando, pois, ao seu consumo
final.
Logo, não se aplicam as normas protetivas do Código de Defesa do Consumidor.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.696.214-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em
09/10/2018 (Info 636).

62
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CORRETAGEM

Ressalvada a denominada Faixa 1, em que não há intermediação imobiliária, é válida


a cláusula contratual que transfere ao promitente-comprador a obrigação de pagar a
comissão de corretagem nos contratos de promessa de compra e venda do Programa
Minha Casa, Minha Vida, desde que previamente informado o preço total da aquisição
da unidade autônoma, com o destaque do valor da comissão de corretagem.
REsp 1.601.149-RS, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, Rel. Acd. Min. Ricardo Villas
Bôas Cueva, Segunda Seção, por maioria, julgado em 13/06/2018, DJe 15/08/2018
(Tema 960) INFO 630

O Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV, subdivide-se atuando em 4 (quatro)


diferentes faixas de renda familiar mensal: Faixa 1 - até R$ 1.800,00 (ou R$ 3.600,00,
excepcionalmente); Faixa 1,5 - até R$ 2.600,00; Faixa 2 - até R$ 4.000,00; Faixa 3 - até
R$ 9.000,00. Na Faixa 1 "não há comercialização dos imóveis no mercado, inexistindo
envolvimento de imobiliárias, corretores e construtoras/incorporadoras na sua venda"
não havendo, pois, nenhuma margem para a cobrança da comissão de corretagem. Já
as outras três faixas de renda do PMCMV (Faixa 1,5, Faixa 2 e Faixa 3) não diferem
substancialmente das demais modalidades de financiamento imobiliário existentes, a
autorizar, em tese, não só a cobrança da comissão de corretagem, mas a transferência
desse encargo ao adquirente do imóvel, desde que previamente informado o preço total
da aquisição, com o valor da referida comissão devidamente destacado. Essa
transferência se harmoniza com os princípios fundamentais do sistema jurídico a que
pertence (art. 51, § 1º, I, do CDC) na medida das distinções criadas pelo próprio
programa, que leva em conta as diferentes condições estabelecidas para cada faixa de
renda familiar. No que diz respeito às consequências de se vetar o repasse do custo da
comissão de corretagem aos beneficiários do PMCMV, na impossibilidade de
transferência da obrigação de pagar a comissão de corretagem ao consumidor, esse
custo seria sistematicamente embutido no preço dos imóveis, em prejuízo dos
beneficiários situados nas primeiras faixas de renda familiar, tendo em vista a
necessária observância dos tetos de aquisição previamente definidos nas regras do
programa. Destaca-se, ainda, que a multiplicidade de recursos que justificou a afetação
do tema deriva de demandas ajuizadas por beneficiários que, de uma forma ou de outra,
conseguiram ter acesso ao PMCMV, arcaram com o pagamento da comissão de
corretagem e agora pedem o ressarcimento dessa despesa. Nesse contexto, salienta-
se que não há, nas normas do PMCMV, expressa vedação quanto à transferência do
custo da corretagem ao consumidor, de modo que a atuação do Poder Judiciário, a
quem não compete legislar, ficaria restrita, nesses casos, ao reconhecimento do dever
de restituição aos que já tiveram acesso ao programa.

DIREITO À INFORMAÇÃO

O médico deverá ser condenado a pagar indenização por danos morais ao paciente
que teve sequelas em virtude de complicações ocorridas durante a cirurgia caso ele
não tenha explicado ao paciente os riscos do procedimento. O dever de informar é
dever de conduta decorrente da boa-fé objetiva e sua simples inobservância
caracteriza inadimplemento contratual, fonte de responsabilidade civil per se. A

63
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

indenização, nesses casos, é devida pela privação sofrida pelo paciente em sua
autodeterminação, por lhe ter sido retirada a oportunidade de ponderar os riscos e
vantagens de determinado tratamento que, ao final, lhe causou danos que poderiam
não ter sido causados caso não fosse realizado o procedimento, por opção do
paciente. O dever de informação é a obrigação que possui o médico de esclarecer o
paciente sobre os riscos do tratamento, suas vantagens e desvantagens, as possíveis
técnicas a serem empregadas, bem como a revelação quanto aos prognósticos e aos
quadros clínico e cirúrgico, salvo quando tal informação possa afetá-lo
psicologicamente, ocasião em que a comunicação será feita a seu representante legal.
Para que seja cumprido o dever de informação, os esclarecimentos deverão ser
prestados de forma individualizada em relação ao caso do paciente, não se
mostrando suficiente a informação genérica (blanket consent). O ônus da prova
quanto ao cumprimento do dever de informar e obter o consentimento informado do
paciente é do médico ou do hospital, orientado pelo princípio da colaboração
processual, em que cada parte deve contribuir com os elementos probatórios que
mais facilmente lhe possam ser exigidos.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.540.580-DF, Rel. Min. Lázaro Guimarães (Desembargador
Convocado do TRF 5ª Região), Rel. Acd. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
02/08/2018 (Info 632).

FORNECEDOR

Como regra geral, as sociedades consorciadas apenas se obrigam nas condições


previstas no respectivo contrato, respondendo cada uma por suas obrigações, sem
presunção de solidariedade, de acordo com o disposto no art. 278, § 1º, da Lei nº
6.404/76. Essa regra, no entanto, não é absoluta.
Há solidariedade entre as sociedades consorciadas em relação às obrigações
derivadas de relação de consumo desde que essas obrigações guardem correlação
com a esfera de atividade do consórcio. Existe previsão nesse sentido no art. 28, § 3º
do CDC, que preconiza: “as sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis
pelas obrigações decorrentes deste código.”
STJ. 3ª Turma. REsp 1.635.637-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 18/09/2018
(Info 633).

MINISTÉRIO PÚBLICO – LEGITIMIDADE

O Ministério Público possui legitimidade ativa para postular em juízo a defesa de


direitos transindividuais de consumidores que celebram contratos de compra e
venda de imóveis com cláusulas pretensamente abusivas.
EREsp 1.378.938-SP, Corte Especial, Rel. Min. Benedito Gonçalves, por unanimidade,
julgado em 20/06/2018, DJe 27/06/2018 (INFO 629)

O Ministério Público detém legitimidade para reclamar a defesa de direitos difusos,


coletivos e individuais homogêneos em ação civil pública, ainda que se estivesse diante

64
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

de interesses disponíveis. Tal orientação, ademais, é a que veio a prevalecer neste


Tribunal Superior, que aprovou o verbete sumular n. 601, de seguinte teor: "o Ministério
Público tem legitimidade ativa para atuar na defesa de direitos difusos, coletivos e
individuais homogêneos dos consumidores, ainda que decorrentes da prestação de
serviço público."
Além disso, tanto a Lei da Ação Civil Pública (arts. 1º e 5º) como o Código de Defesa
do Consumidor (arts. 81 e 82) são expressos em definir o Ministério Público como um
dos legitimados a postular em juízo em defesa de direitos difusos, coletivos ou
individuais homogêneos do consumidor. Incumbe verificar, então, se tal legitimidade
ampla definida expressamente em lei (Lei n. 7.347/1985 e Lei n. 8.078/1990) é
compatível com a finalidade do Ministério Público, como exige o inc. IX do art. 129 da
Constituição da República. Nos termos da jurisprudência desta Corte, a finalidade do
Ministério Público é lida à luz do preceito constante do caput do art. 127 da Constituição,
segundo o qual incumbe ao Ministério Público "a defesa da ordem jurídica, do regime
democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis". Daí porque se firmou
a compreensão de que, para haver legitimidade ativa do Ministério Público para a defesa
de direitos transindividuais não é preciso que se trate de direitos indisponíveis, havendo
de se verificar, isso sim, se há "interesse social" (expressão contida no art. 127 da
Constituição) capaz de autorizar a legitimidade do Ministério Público.

PLANO DE SAÚDE

A operadora de plano de saúde não pode negar o fornecimento de tratamento


prescrito pelo médico sob o pretexto de que a sua utilização em favor do paciente está
fora das indicações descritas na bula/manual registrado na ANVISA (uso off-label).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.721.705-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 28/08/2018
(Info 632).

Off-label
Off-label é uma expressão em inglês que, em tradução literal, significaria “fora de
indicação”.
Off = fora / label = indicação.
Para que um medicamento seja fabricado ou comercializado no Brasil, ele precisa de
registro (autorização) na Anvisa.
Ao pedir o registro de um medicamento, o fabricante ou responsável apresenta à
autarquia as indicações daquele remédio, ou seja, para quais enfermidades a droga foi
testada e aprovada. Essas indicações (e sua respectiva eficácia) são baseadas em
pesquisas e testes que levam anos para serem concluídos.
Assim, por exemplo, quando o fabricante do remédio Dorflex foi registrá-lo na Anvisa,
ele informou que este medicamento foi idealizado e testado para ser utilizado como
“relaxante muscular”. Essa é a indicação deste remédio.
Ocorre que, muitas vezes, um medicamento que foi planejado para determinada
finalidade, quando entra no organismo humano, acaba trazendo outros benefícios que
não haviam sido previstos. Esse efeito inicialmente não previsto é percebido pelos
médicos, que passam a receitar aquele medicamento não apenas para aquela indicação
inicialmente pensada e sim para outra finalidade que não havia sido prevista.
Quando isso ocorre, dizemos que há a prescrição e o uso do medicamento off-label, ou
seja, fora da sua indicação.
Assim, o medicamento off-label é aquele cujo médico prescreve para uma determinada
finalidade que não consta expressamente na sua bula.

65
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

O exemplo mais famoso de medicamento off-label é o AAS (ácido acetilsalicílico). Este


remédio foi desenvolvido para ser um mero analgésico. Posteriormente, contudo,
percebeu-se que ele servia para outras finalidades, como, por exemplo, para a
prevenção de infartos. Assim, atualmente, muitos médicos prescrevem o AAS para
prevenir infartos, mesmo isso não sendo uma indicação oficial do remédio.
Médico é o responsável pela decisão terapêutica
Deve-se deixar claro que é o médico (e não a operadora do plano de saúde) que é o
responsável pela orientação terapêutica adequada ao paciente.
Assim, é o médico que decide se aquele remédio ou tratamento é indicado ou não para
a doença do paciente.
Quando o plano de saúde diz que a indicação descrita na bula/manual do remédio
registrado na ANVISA não serve para aquela doença, ele está substituindo a decisão
do médico. Isso porque ele está interpretando a bula e dizendo que a escola do médico
não foi adequada.
Autorizar que a operadora negue a cobertura de tratamento sob a justificativa de que a
doença do paciente não está contida nas indicações da bula representa inegável
ingerência na ciência médica, em odioso e inaceitável prejuízo do paciente enfermo.
Correta interpretação do art. 10, I, da Lei nº 9.656/98
Quando o art. 10, I, da Lei nº 9.656/98 fala em tratamento de caráter experimental, o
que ele está querendo dizer é aquele tratamento clínico ou cirúrgico incompatível com
as normas de controle sanitário ou, ainda, aquele não reconhecido como eficaz pela
comunidade científica.
Desvantagem exagerada
A ingerência da operadora, além de não ter fundamento na Lei nº 9.656/98, consiste em
ação iníqua (injusta) e abusiva na relação contratual, e coloca o consumidor em
desvantagem exagerada (art. 51, IV, do CDC).
Dano moral
Vale ressaltar que essa recusa do plano de saúde gera abalo psicológico ao paciente,
além de causar prejuízos à saúde já debilitada. Diante disso, é uma situação que
acarreta indenização por danos morais.

Nos planos de saúde coletivos custeados exclusivamente pelo empregador não há


direito de permanência do ex-empregado aposentado ou demitido sem justa causa
como beneficiário, salvo disposição contrária expressa prevista em contrato ou em
acordo/convenção coletiva de trabalho, não caracterizando contribuição o
pagamento apenas de coparticipação, tampouco se enquadrando como salário
indireto.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.594.346-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
9/8/2016 (Info 588). STJ. 2ª Seção. REsp 1.680.318-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas
Cueva, julgado em 22/08/2018 (recurso repetitivo) (Info 632).

Não é abusiva a cláusula de coparticipação expressamente contratada e informada ao


consumidor para a hipótese de internação superior a 30 (trinta) dias decorrentes de
transtornos psiquiátricos. Não há abusividade porque o objetivo dessa cobrança é
manter o equilíbrio entre as prestações e contraprestações que envolvem a gestão
dos custos dos contratos de planos de saúde.
STJ. 2ª Seção. EAREsp 793.323-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 10/10/2018
(Info 635).

66
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

O art. 12, II, “a”, da Lei nº 9.656/98 proíbe que os planos de saúde limitem o tempo
para a internação hospitalar. No mesmo sentido, foi editada a súmula do STJ: Súmula
302-STJ: É abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita no tempo a
internação hospitalar do segurado. Vale ressaltar, no entanto, que o disposto no art.
12, II, “a” e na Súmula 302 do STJ referem-se, expressamente, à segmentação
hospitalar, e não à ambulatorial. Assim, não é abusiva a cláusula inserta em contrato
de plano de saúde individual que estabelece, para o tratamento emergencial ou de
urgência, no segmento atendimento ambulatorial, o limite de 12 horas.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.764.859-RS, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em
06/11/2018 (Info 637).

O “pagamento integral” previsto no art. 31 da Lei nº 9.656/98 deve corresponder ao


valor da contribuição do ex-empregado, enquanto vigente seu contrato de trabalho,
e da parte antes subsidiada por sua ex-empregadora, pelos preços praticados aos
funcionários em atividade, acrescido dos reajustes legais.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.713.619-SP, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 16/10/2018
(Info 637).

As operadoras de plano de saúde não estão obrigadas a fornecer medicamento não


registrado pela ANVISA.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.712.163-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 08/11/2018
(recurso repetitivo) (Info 638).

PROTEÇÃO CONTRATUAL

É lícito o desconto em conta-corrente bancária comum, ainda que usada para


recebimento de salário, das prestações de contrato de empréstimo bancário
livremente pactuado, sem que o correntista, posteriormente, tenha revogado a
ordem.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.555.722-SP, Rel. Min. Lázaro Guimarães (Desembargador
Convocado do TRF 5ª Região), julgado em 22/08/2018 (Info 634).

RESPONSABILIDADE CIVIL

A lanchonete responde pela reparação de danos sofridos pelo consumidor que foi
vítima de crime ocorrido no drive-thru do estabelecimento comercial.
A lanchonete, ao disponibilizar o serviço de drive-thru em troca dos benefícios
financeiros indiretos decorrentes desse acréscimo de conforto aos consumidores,
assumiu o dever implícito de lealdade e segurança.

67
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

A empresa, ao oferecer essa modalidade de compra, aumentou os seus ganhos, mas,


por outro lado, chamou para si o ônus de fornecer a segurança legitimamente
esperada em razão dessa nova atividade.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.450.434-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
18/09/2018 (Info 637).

DIREITO EMPRESARIAL

FALÊNCIA

Não é cabível a restituição de quantia em dinheiro que se encontra depositada em


conta corrente de banco falido, em razão de contrato de trust.
REsp 1.438.142-SP, Terceira Turma, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, por
unanimidade, julgado em 15/05/2018, DJe 09/08/2018 INFO 631

Trata-se, na hipótese, de contrato de financiamento celebrado entre uma concessionária


de rodovia estadual e uma instituição financeira. Para operacionalizar esse contrato, e
conferir maiores garantias ao mutuante, as partes pactuaram que a receita do pedágio
seria depositada em um banco interveniente, o qual administraria essas receitas com o
propósito de amortizar o financiamento, como num contrato de trust. Na vigência do
contrato, porém, sobreveio a falência do banco interveniente. Insta consignar que a
norma extraída do enunciado do aludido art. 119, inciso IX, da Lei n. 11.101/2005, que
põe a salvo de arrecadação pela massa falida os patrimônios de afetação, faz referência
expressa à legislação que disciplina o respectivo patrimônio de afetação. Porém, o
contrato de trust não tem previsão no ordenamento jurídico brasileiro e, conquanto
esteja previsto na Convenção de Haia sobre a lei aplicável aos trusts e sobre o
reconhecimento deles, assinada em 1985, o Brasil não é signatário. Assim, não havendo
norma jurídica que discipline o contrato de trust no Brasil, não há amparo legal para
afetação patrimonial. Nesse sentido, não se aplica a parte final da Súmula 417/STF, que
a admite restituição de dinheiro que esteja em poder do falido, mas em nome de outrem,
indisponível por força de lei ou contrato. Isso porque a referida súmula tem aplicabilidade
naqueles contratos em que não há transferência de titularidade sobre a quantia em
dinheiro, como no mandato, ou em contratos que instituam patrimônio de afetação, nas
hipóteses taxativamente autorizada pela lei. Reforça esse entendimento a norma do art.
6º, alínea "c", da Lei n. 6.024/1984, que, ao disciplinar a intervenção e liquidação
extrajudicial de instituição financeira, estabelece que a intervenção terá como efeito
imediato a "inexigibilidade dos depósitos já existentes à data de sua decretação". No
caso dos autos, a receita das praças de pedágio, por estarem na titularidade do banco
interveniente por força de contrato de depósito em conta corrente, passaram a integrar
o patrimônio deste, devendo a arrecadação ser feita em favor da massa falida.

É imprescindível a publicação na imprensa oficial do edital previsto no art. 7º, § 2º,


da Lei nº 11.101/2005.

68
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Assim, a Lei não permite que a publicação seja feita exclusivamente no jornal.
Fundamento: art. 191 da Lei de Falência.
A leitura do caput do art. 191 revela que as publicações devem ser sempre feitas na
imprensa oficial, devendo ser, preferencialmente, feitas também mediante
publicação em jornal ou revista de circulação se as possibilidades financeiras do
devedor ou da massa falida assim comportarem.
Obs: o art. 7º, § 2º trata sobre o edital contendo a relação feita pelo administrador
judicial dos credores do falido.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.758.777-PR, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 11/09/2018
(Info 633).

A existência de cláusula compromissória não afeta a executividade do título de


crédito inadimplido e não impede a deflagração do procedimento falimentar,
fundamentado no art. 94, I, da Lei nº 11.101/2005.
Caso concreto: o contrato entre as empresas “A” e “B” continha uma cláusula
compromissória. Com base nesse contrato, a empresa “A” forneceu mercadorias para
a empresa “B”. A empresa “B” não pagou a duplicata referente a essa venda. Diante
disso, a empresa “A” poderá ingressar com execução individual ou, então, pedir a
falência da empresa “B” sem precisar instaurar o procedimento arbitral. Havendo
título executivo, o direito do credor só pode ser garantido por meio do juízo estatal,
já que o árbitro não possui poderes de natureza executiva. STJ. 4ª Turma. REsp
1.733.685-SP, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 06/11/2018 (Info 637).

Os encargos da massa não preferem os créditos tributários nas falências processadas


sob a égide do Decreto-Lei nº 7.661/1945. Em outras palavras, na antiga Lei de
Falência, os créditos tributários eram pagos antes dos encargos da massa. STJ. Corte
Especial. EREsp 1.162.964-RJ, Rel. Min. Humberto Martins, julgado em 07/03/2018
(Info 637).

PROTESTO

Não há como impor tacitamente ao credor o dever de enviar, sem provocação, o


documento hábil ao cancelamento do legítimo protesto.
O credor tem o inequívoco dever de fornecer o documento hábil ao cancelamento do
protesto, mas para isso precisa ser previamente provocado.
Assim, se o devedor paga ao banco um título de crédito que estava protestado, o
banco deverá fornecer uma carta de anuência com a qual o devedor poderá cancelar
o protesto. No entanto, o credor não tem o dever de fornecer este documento
automaticamente.
É necessário que haja um requerimento (um pedido) daquele que pagou. STJ. 4ª
Turma. REsp 1.346.584-PR, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 09/10/2018
(Info 638).

69
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

A Lei nº 11.101/2005, embora tenha excluído expressamente dos efeitos da


recuperação judicial o crédito de titular da posição de proprietário fiduciário de bens
imóveis ou móveis, acentuou que os “bens de capital”, objeto de garantia fiduciária,
essenciais ao desenvolvimento da atividade empresarial, permanecem na posse da
recuperanda durante o stay period.
A conceituação de “bem de capital”, referido na parte final do § 3º do art. 49 da LRF,
há de ser objetiva. Assim, “bem de capital” é o bem corpóreo (móvel ou imóvel)
utilizado no processo produtivo da empresa recuperanda e que não seja perecível
nem consumível. STJ. 3ª Turma. REsp 1.758.746-GO, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze,
julgado em 25/09/2018 (Info 634).

É cabível a interposição de agravo de instrumento contra decisões interlocutórias em


processo falimentar e recuperacional, ainda que não haja previsão específica de
recurso na Lei nº 11.101/2005 (LREF). Fundamento: interpretação extensiva do art.
1.015, parágrafo único, do CPC/2015.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.722.866-MT, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
25/09/2018 (Info 635).

SOCIEDADES

A Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, atual BM&F BOVESPA, não


responde civilmente pelos prejuízos decorrentes da negociação de ações mobiliárias
mediante uso de procuração pública falsa que não lhe foi apresentada.
Constitui responsabilidade do agente de custódia (corretoras de valores) fiscalizar a
regularidade das procurações apresentadas para transferência de valores
mobiliários.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.677.983-MG, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 26/06/2018
(Info 632).

O critério do balancete mensal, previsto na Súmula 371 do STJ, é inaplicável aos


contratos de participação financeira em empresa de telefonia celebrados na
modalidade Planta Comunitária de Telefonia - PCT. Súmula 371-STJ: Nos contratos de
participação financeira para aquisição de linha telefônica, o valor patrimonial da
ação (VPA) é apurado com base no balancete do mês da integralização.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.742.233-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em
02/10/2018 (Info 634).

DIREITO PROCESSUAL CIVIL


70
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

AÇÃO RESCISÓRIA

É inadmissível ação rescisória por ofensa a literal dispositivo de lei na hipótese em


que a decisão rescindenda tiver por fundamento texto legal de interpretação
controvertida nos tribunais (Verbete 343 da Súmula do STF).
AR 2422/DF, Plenário, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 25.10.2018 (INFO 921)

Para o Colegiado, é inadmissível ação rescisória por ofensa a literal dispositivo de lei na
hipótese em que a decisão rescindenda tiver por fundamento texto legal de interpretação
controvertida nos tribunais (Verbete 343 da Súmula do STF). Com base nesse
entendimento, determinou que prevaleça a qualidade de imutabilidade dos efeitos da
decisão de mérito transitada em julgado proferida pelo acórdão rescindendo.
Asseverou, ainda, que a ação rescisória é via processual inadequada à mera
rediscussão de questões já assentadas pelo Tribunal à época do julgamento do qual
decorreu a decisão que se pretende desconstituir.
Ademais, uma alteração posterior de jurisprudência pelo Supremo Tribunal Federal
(STF) não legitima o pedido rescisório, notadamente em razão de, à época de sua
prolação, a interpretação sobre o tema ser controvertida no próprio Tribunal.
Em consonância com o instituto da prospective overruling, a mudança jurisprudencial
deve ter eficácia ex nunc, porque, do contrário, surpreende quem obedecia à
jurisprudência daquele momento. Ao lado do prestígio do precedente, há o prestígio da
segurança jurídica, princípio segundo o qual a jurisprudência não pode causar uma
surpresa ao jurisdicionado a partir de modificação do panorama jurídico.

AÇÃO ANULATÓRIA

A decisão judicial homologatória de acordo entre as partes é impugnável por meio de


ação anulatória (art. 966, § 4º, do CPC/2015; art. 486 do CPC/1973). Não cabe ação
rescisória neste caso.
Se a parte propôs ação rescisória, não é possível que o Tribunal receba esta demanda
como ação anulatória aplicando o princípio da fungibilidade. Isso porque só se aplica
o princípio da fungibilidade para recursos (e ação anulatória e a ação rescisória não
são recursos).
STF. Plenário. AR 2440 AgR/DF, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em
19/9/2018 (Info 916)

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

71
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Em ação consignatória, a insuficiência do depósito realizado pelo devedor conduz ao


julgamento de improcedência do pedido, pois o pagamento parcial da dívida não
extingue o vínculo obrigacional.
STJ. 2ª Seção. REsp 1.108.058-DF, Rel. Min. Lázaro Guimarães (Desembargador
Convocado do TRF da 5ª Região), Rel. Acd. Min. Maria Isabel Gallotti, julgado em
10/10/2018 (recurso repetitivo) (Info 636).

A instituição financeira possui legitimidade para ajuizar ação de consignação em


pagamento visando quitar débito de cliente decorrente de título de crédito
protestado por falha no serviço bancário.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.318.747-SP, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
04/10/2018 (Info 636).

AÇÃO DE EXIGIR CONTAS

É cabível a propositura de ação de prestação de contas para apuração de eventual


saldo, e sua posterior execução, decorrente de contrato relacional firmado entre
administradora de consórcios e empresa responsável pela oferta das quotas
consorciais a consumidores.
Caso concreto: a empresa 1 celebrou contrato com a empresa 2, por meio do qual a
empresa 1 organizaria e administraria um consórcio e a empresa 2 ficaria
responsável por oferecer e comercializar as quotas consorciais aos consumidores.
Vale ressaltar que, depois que o consumidor firmava o contrato, ele deveria efetuar
os pagamentos das prestações diretamente para a empresa 1. A empresa 2 seria
remunerada com um percentual dos pagamentos.
Ao se analisar o ajuste celebrado, percebe-se que se trata de relação contratual que
configura típico contrato de agência, previsto no art. 710 do CC.
No contrato de agência, tanto uma parte como a outra possuem o dever de prestar
contas:
O vínculo contratual colaborativo originado do contrato de agência importa na
administração recíproca de interesses das partes contratantes, viabilizando a
utilização da ação da prestação de contas e impondo a cada uma das partes o dever
de prestar contas a outra.
Vale ressaltar, por fim, que, mesmo que a empresa 1 já tenha, extrajudicialmente,
prestado contas para a empresa 2, ainda assim persiste o interesse de agir de propor
a ação. Isso porque a apresentação extrajudicial e voluntária das contas não
prejudica o interesse processual da promotora de vendas, na hipótese de não serem
elas recebidas como boas, ou seja, caso ela não tenha concordado com os valores
demonstrados.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.676.623-SP, Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze, julgado em
23/10/2018 (Info 636).

AÇÃO DE EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS

72
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É admissível o ajuizamento da ação de exibição de documentos, de forma autônoma,


na vigência do CPC/2015.
Admite-se o ajuizamento de ação autônoma para a exibição de documento, com base
nos arts. 381 e 396 e seguintes do CPC, ou até mesmo pelo procedimento comum,
previsto nos arts. 318 e seguintes do CPC.
Entendimento apoiado nos enunciados n. 119 e 129 da II Jornada de Direito
Processual Civil.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.774.987-SP, Rel. Min. Maria Isabel Gallotti, julgado em
08/11/2018 (Info 637).

AÇÃO RENOVATÓRIA DE LOCAÇÃO

A certidão de parcelamento fiscal é suficiente para suprir a exigência prevista no


inciso III do art. 71 da Lei n. 8.245/1991 (Lei de Locações) para efeito do ajuizamento
de ação renovatória de locação empresarial.
REsp 1.698.814-SP, Terceira Turma, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, por
unanimidade, julgado em 26/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

De início, relembre-se que a principal finalidade da ação renovatória é a proteção do


fundo de comércio desenvolvido pelo empresário locatário pelo longo período em que
instalado no local, investindo na locação comercial, na constituição de clientela, na
publicidade do ponto comercial, além da própria valorização do imóvel locado. Por isso,
o Estado reconhece ao locatário de imóvel comercial, buscando a proteção do seu fundo
de comércio, o direito à renovação compulsória do seu contrato de locação, uma vez
atendidos os requisitos elencados no art. 51 da Lei de Locações (LL). Além disso,
estabeleceu o legislador procedimentos especiais para veiculação das ações locatícias
em geral. Especificamente quanto ao direito de renovação, o procedimento está previsto
no artigo 71 da LL, contendo a exigência legal de instrução da petição inicial com a
juntada de diversos documentos, inclusive a prova de quitação dos tributos e taxas
incidentes sobre o imóvel locado (inciso III do artigo 71). Partindo-se de uma
interpretação sistemática e teleológica desse dispositivo, aceita-se a comprovação do
parcelamento fiscal no momento do ajuizamento da demanda, com a demonstração de
sua quitação durante o processo. Em primeiro lugar, ocorreu efetivamente a quitação
dos tributos, encaminhado mediante o parcelamento fiscal, ainda que durante o
processo. Em segundo lugar, ficam descaracterizados os efeitos da inadimplência
durante o parcelamento fiscal autorizada pelo ente público. Em terceiro lugar, por fim,
essa medida não causa qualquer prejuízo ao locador, não podendo o parcelamento do
débito fiscal ser considerado como falta grave ao disposto no contrato de locação,
prestigiando-se a manutenção do pacto e a proteção do fundo de comércio.

AMICUS CURIAE

73
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É irrecorrível a decisão denegatória de ingresso, no feito, como amicus curiae.


RE 602584 AgR/DF, Plenário, rel. orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux,
17.10.2018 (INFO 920)

O Colegiado considerou que a possibilidade de impugnação de decisão negativa em


controle subjetivo encontra óbice (i) na própria ratio essendi da participação do
colaborador da Corte; e (ii) na vontade democrática exposta na legislação processual
que disciplina a matéria.
Asseverou que o art. 138 (1) do Código de Processo Civil (CPC) é explícito no sentido
de conferir ao juiz competência discricionária para admitir ou não a participação, no
processo, de pessoa natural ou jurídica, órgão ou entidade especializada, e de não
admitir recurso contra essa decisão. O art. 7º (2) da Lei 9.868/1999, de igual modo, é
inequívoco nesse sentido.
O Colegiado afirmou, também, que o amicus curiae não é parte, mas agente
colaborador. Portanto, sua intervenção é concedida como privilégio, e não como uma
questão de direito. O privilégio acaba quando a sugestão é feita.
Ressaltou, ainda, os possíveis prejuízos ao andamento dos trabalhos da Corte
decorrentes da admissibilidade do recurso, sobretudo em processos em que há um
grande número de requerimentos de participação como amicus curiae.

ARROLAMENTO SUMÁRIO

No arrolamento sumário não se condiciona a entrega dos formais de partilha ou da


carta de adjudicação à prévia quitação dos tributos concernentes à transmissão
patrimonial aos sucessores. Isso não significa que no arrolamento sumário seja
possível homologar a partilha mesmo sem a quitação dos tributos relativos aos bens
do espólio e às suas rendas. A inovação normativa do § 2º do art. 659 do CPC/2015
em nada altera a condição estabelecida no art. 192 do CTN, de modo que, no
arrolamento sumário, o magistrado deve exigir a comprovação de quitação dos
tributos relativos aos bens do espólio e às suas rendas para homologar a partilha e,
na sequência, com o trânsito em julgado, expedir os títulos de transferência de
domínio e encerrar o processo, independentemente do pagamento do imposto de
transmissão.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.704.359-DF, Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 28/08/2018
(Info 634).

No arrolamento sumário não se condiciona a entrega dos formais de partilha ou da


carta de adjudicação à prévia quitação dos tributos concernentes à transmissão
patrimonial aos sucessores.
Assim, a homologação da partilha no procedimento do arrolamento sumário não
pressupõe o atendimento das obrigações tributárias principais e tampouco
acessórias relativas ao imposto sobre transmissão causa mortis.

74
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Isso não significa que no arrolamento sumário seja possível homologar a partilha
mesmo sem a quitação dos tributos relativos aos bens do espólio e às suas rendas.
A inovação normativa do § 2º do art. 659 do CPC/2015 em nada altera a condição
estabelecida no art. 192 do CTN, de modo que, no arrolamento sumário, o magistrado
deve exigir a comprovação de quitação dos tributos relativos aos bens do espólio e às
suas rendas para homologar a partilha e, na sequência, com o trânsito em julgado,
expedir os títulos de transferência de domínio e encerrar o processo,
independentemente do pagamento do imposto de transmissão.
STJ. 1ª Turma. REsp 1.704.359-DF, Rel. Min. Gurgel de Faria, julgado em 28/08/2018
(Info 634).
STJ. 2ª Turma. REsp 1.751.332-DF, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em
25/09/2018 (Info 636).

CAUÇÃO

Se o autor da ação judicial reside no exterior ou se muda para fora do país durante a
tramitação do processo, ele precisará prestar uma caução que seja suficiente para
pagar as custas processuais e honorários advocatícios caso ele perca a ação (art. 83
do CPC/2015). Não é necessária a prestação de caução para o ajuizamento de ação
por sociedade empresarial estrangeira devidamente representada no Brasil.
Ex: MSC Mediterranean Shipping Company S.A., empresa estrangeira, ajuizou, na
justiça brasileira, uma ação de cobrança. O STJ afirmou que não se deveria exigir
caução para a propositura da demanda, considerando que a autora, apesar de
estrangeira, possuía uma agência de representação no Brasil (a MSC Mediterranean
do Brasil Ltda.). STJ. 3ª Turma. REsp 1.584.441-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado
em 21/08/2018 (Info 632).

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

A base de cálculo sobre a qual incidem os honorários advocatícios devidos em


cumprimento de sentença é o valor da dívida (quantia fixada em sentença ou na
liquidação), acrescido das custas processuais, se houver, sem a inclusão da multa de
10% pelo descumprimento da obrigação dentro do prazo legal (art. 523, § 1º, do
CPC/2015).
A multa de 10% prevista no art. 523, § 1º, do CPC/2015 NÃO entra no cálculo dos
honorários advocatícios.
A multa de 10% do art. 523, § 1º, do CPC/2015 não integra a base de cálculo dos
honorários advocatícios.
Os 10% dos honorários advocatícios deverão incidir apenas sobre o valor do débito
principal.
Relembre o que diz o § 1º do art. 523:
Art. 523 (...) § 1º Não ocorrendo pagamento voluntário no prazo do caput, o débito
será acrescido de multa de dez por cento e, também, de honorários de advogado de
dez por cento.

75
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

STJ. 3ª Turma. REsp 1.757.033-DF, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
09/10/2018 (Info 636).

EMBARGOS INFRINGENTES

Nos processos ainda regidos pelo CPC/73, são cabíveis embargos infringentes contra
acórdão que, em julgamento de agravo de instrumento, por maioria de votos, reforma
decisão interlocutória para reconhecer a impenhorabilidade de bem, nos termos da
Lei nº 8.009/90.
STJ. 2ª Seção. EREsp 1.131.917-MG, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, Rel. Acd. Min.
Marco Aurélio Bellizze, julgado em 10/10/2018 (Info 637).

EXECUÇÃO

São constitucionais o parágrafo único do art. 741 e o § 1º do art. 475-L do CPC/1973,


bem como os correspondentes dispositivos do CPC/2015 (art. 525, § 1º, III e §§ 12 e
14; e art. 535, § 5º). São dispositivos que, buscando harmonizar a garantia da coisa
julgada com o primado da Constituição, vieram agregar ao sistema processual
brasileiro um mecanismo com eficácia rescisória de sentenças revestidas de vício de
inconstitucionalidade qualificado, assim caracterizado nas hipóteses em que:
a) a sentença exequenda (“sentença que está sendo executada”) esteja fundada em
uma norma reconhecidamente inconstitucional, seja por aplicar norma
inconstitucional, seja por aplicar norma em situação ou com um sentido
inconstitucionais; ou
b) a sentença exequenda tenha deixado de aplicar norma reconhecidamente
constitucional; e
c) desde que, em qualquer dos casos, o reconhecimento dessa constitucionalidade ou
a inconstitucionalidade tenha decorrido de julgamento do Supremo Tribunal Federal
(STF) realizado em data anterior ao trânsito em julgado da sentença exequenda.
STF. Plenário. RE 611503/SP, rel. orig. Min. Teori Zavascki, red. p/ o ac. Min. Edson
Fachin, julgado em 20/9/2018 (repercussão geral) (Info 916).

É possível a penhora, determinada por juízo da execução cível, no rosto dos autos de
execução trabalhista de reclamante falecido, devendo a análise da qualidade do
crédito e sua eventual impenhorabilidade ser feita pelo juízo do inventário.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.678.209-PR, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em
02/10/2018 (Info 634).

O art. 649, IV, do CP/1973 previa que as verbas de natureza salarial do executado
eram impenhoráveis.
O § 2º do art. 649 previa uma exceção explícita e dizia que era possível a penhora da
verba salarial do devedor para pagamento de prestação alimentícia.

76
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

O STJ, interpretando esse dispositivo, afirmou que é possível a penhora das verbas
salariais do devedor para pagamento de outras dívidas, além da prestação
alimentícia, desde que essa penhora preserve um valor que seja suficiente para o
devedor e sua família continuarem vivendo com dignidade.
Nas palavras do STJ: a regra geral da impenhorabilidade de salários, vencimentos,
proventos etc. do devedor (art. 649, IV, do CPC/1973) (art. 833, IV, do CPC/2015),
também pode ser excepcionada quando for preservado percentual de tais verbas
capaz de dar guarida à dignidade do devedor e de sua família.
Ex: Flávio recebe salário de R$ 30 mil por mês. Ricardo ajuizou execução contra
Flávio. O juiz determinou a penhora de 30% do salário de Flávio, todos os meses, até
que a dívida que está sendo executada seja paga. O STJ entendeu que essa penhora é
válida e que não violou o art. 649, IV, do CPC/1973.
STJ. Corte Especial. EREsp 1.582.475-MG, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em
03/10/2018 (Info 635).

Não cabe agravo de instrumento contra decisão do juiz que determina a elaboração
dos cálculos judiciais e estabelece os parâmetros de sua realização.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.700.305-PB, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em
25/09/2018 (Info 638).

EXECUÇÃO FISCAL

Termo inicial do prazo de 1 ano: data da intimação da Fazenda Pública


O prazo de 1 (um) ano de suspensão do processo e do respectivo prazo prescricional
previsto no art. 40, §§ 1º e 2º da Lei nº 6.830/80 (LEF) tem início automaticamente
na data da ciência da Fazenda Pública a respeito da não localização do devedor ou da
inexistência de bens penhoráveis no endereço fornecido, havendo, sem prejuízo
dessa contagem automática, o dever de o magistrado declarar ter ocorrido a
suspensão da execução.
Sem prejuízo do disposto anteriormente:
1.1) nos casos de execução fiscal para cobrança de dívida ativa de natureza tributária
(cujo despacho ordenador da citação tenha sido proferido antes da vigência da Lei
Complementar n. 118/2005), depois da citação válida, ainda que editalícia, logo após
a primeira tentativa infrutífera de localização de bens penhoráveis, o Juiz declarará
suspensa a execução; e,
1.2) em se tratando de execução fiscal para cobrança de dívida ativa de natureza
tributária (cujo despacho ordenador da citação tenha sido proferido na vigência da
Lei Complementar nº 118/2005) e de qualquer dívida ativa de natureza não
tributária, logo após a primeira tentativa frustrada de citação do devedor ou de
localização de bens penhoráveis, o Juiz declarará suspensa a execução.

Encerrado o prazo de 1 ano, inicia-se automaticamente a contagem do prazo


prescricional
Havendo ou não petição da Fazenda Pública e havendo ou não pronunciamento
judicial nesse sentido, findo o prazo de 1 (um) ano de suspensão, inicia-se
automaticamente o prazo prescricional aplicável (de acordo com a natureza do
crédito exequendo), durante o qual o processo deveria estar arquivado sem baixa na
distribuição, na forma do art. 40, §§ 2º, 3º e 4º da Lei n. 6.830/1980 - LEF, findo o qual

77
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

o Juiz, depois de ouvida a Fazenda Pública, poderá, de ofício, reconhecer a prescrição


intercorrente e decretá-la de imediato.

Para interrupção do prazo prescricional é necessário requerimento da Fazenda


Pública que acarrete efetiva constrição ou efetiva citação
A efetiva constrição patrimonial e a efetiva citação (ainda que por edital) são aptas a
interromper o curso da prescrição intercorrente, não bastando para tal o mero
peticionamento em juízo, requerendo, v.g., a feitura da penhora sobre ativos
financeiros ou sobre outros bens. Os requerimentos feitos pelo exequente, dentro da
soma do prazo máximo de 1 (um) ano de suspensão mais o prazo de prescrição
aplicável (de acordo com a natureza do crédito exequendo) deverão ser processados,
ainda que para além da soma desses dois prazos, pois, citados (ainda que por edital)
os devedores e penhorados os bens, a qualquer tempo - mesmo depois de escoados
os referidos prazos -, considera-se interrompida a prescrição intercorrente,
retroativamente, na data do protocolo da petição que requereu a providência
frutífera.

Falta de intimação da Fazenda Pública e efetivo prejuízo


A Fazenda Pública, em sua primeira oportunidade de falar nos autos (art. 278 do
CPC/2015), ao alegar nulidade pela falta de qualquer intimação dentro do
procedimento do art. 40 da LEF, deverá demonstrar o prejuízo que sofreu (exceto a
falta da intimação que constitui o termo inicial - Tema 566, onde o prejuízo é
presumido), por exemplo, deverá demonstrar a ocorrência de qualquer causa
interruptiva ou suspensiva da prescrição. Juiz, ao reconhecer a prescrição
intercorrente, deverá demonstrar os marcos que foram aplicados na contagem O
magistrado, ao reconhecer a prescrição intercorrente, deverá fundamentar o ato
judicial por meio da delimitação dos marcos legais que foram aplicados na contagem
do respectivo prazo, inclusive quanto ao período em que a execução ficou suspensa.
STJ. 1ª Seção. REsp 1.340.553-RS, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em
12/09/2018 (recurso repetitivo) (Info 635).

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

O art. 85, § 7º, do CPC/2015 não afasta a aplicação do entendimento consolidado na


Súmula 345 do STJ, de modo que são devidos honorários advocatícios nos
procedimentos individuais de cumprimento de sentença decorrente de ação coletiva,
ainda que não impugnados e promovidos em litisconsórcio. (REsp 1.648.238-RS, Rel.
Min. Gurgel de Faria, Corte Especial, por unanimidade, julgado em 20/06/2018, DJe
27/06/2018 (Tema 973) ) – INFO 628

Comentários: a interpretação que deve ser dada ao art. 85, § 7º, do CPC/2015, que
dispõe que "não serão devidos honorários no cumprimento de sentença contra a
Fazenda Pública que enseje expedição de precatório, desde que não tenha sido
impugnada", é a de que, caso a relação jurídica existente entre as partes esteja
concluída desde a ação ordinária, não caberá a condenação em honorários advocatícios
se não houver a apresentação de impugnação. Isso porque o cumprimento de sentença
de que trata o referido diploma legal é decorrência lógica do mesmo processo cognitivo.
Entretanto, nas decisões coletivas - lato sensu - não se especifica o quantum devido
nem a identidade dos titulares do direito subjetivo, sendo elas mais limitadas do que as
que decorrem das demais sentenças condenatórias típicas. Assim, transfere-se para a
fase de cumprimento a obrigação cognitiva relacionada com o direito individual de
receber o que findou reconhecido na ação ordinária. Em face disso, a execução desse

78
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

título judicial pressupõe cognição exauriente, cuja resolução se deve dar com estrita
observância dos postulados da ampla defesa e do contraditório, a despeito do nome
dado ao procedimento, que induz a indevida compreensão de se estar diante de mera
fase de cumprimento, de cognição limitada.

O § 2º do art. 82 do CPC/2015 prevê que: “a sentença condenará o vencido a pagar ao


vencedor as despesas que antecipou.”
O sucumbente deve arcar também com os honorários contratuais que foram pagos
pela parte vencedora? Não. O vencido deverá pagar apenas os honorários
sucumbenciais.
Os honorários advocatícios contratuais não se incluem nas despesas processuais do
art. 82, § 2º, do CPC/2015 (art. 20 do CPC/1973).
STJ. 3ª Turma. REsp 1.571.818-MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 09/10/2018
(Info 636).

HONORÁRIOS PERICIAIS

A sentença transitou em julgado condenando a parte a pagar "custas processuais",


sem falar sobre os honorários periciais. É possível que esses honorários periciais
sejam cobrados da parte sucumbente mesmo não tendo sido expressamente
mencionados na sentença? SIM. É adequada a inclusão dos honorários periciais em
conta de liquidação mesmo quando o dispositivo de sentença com trânsito em julgado
condena o vencido, genericamente, ao pagamento de custas processuais.
STJ. Corte Especial. EREsp 1.519.445-RJ, Rel. Min. Og Fernandes, Rel. Acd. Min. Nancy
Andrighi, julgado em 19/09/2018 (Info 635).

IMPENHORABILIDADE

A impenhorabilidade dos valores recebidos pelo beneficiário do seguro de vida


limita-se ao montante de 40 (quarenta) salários mínimos. REsp 1.361.354-RS, Rel.
Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, por unanimidade, julgado em 22/05/2018, DJe
25/06/2018 – INFO 628

Comentários: A impenhorabilidade estabelecida em favor do beneficiário deve


corresponder à finalidade do seguro de vida, que é criar um fundo alimentar, prospectivo
e resguardado, e não se traduzir em mais um meio para pagamento de dívidas. Nesse
sentido, ao invés de imputar ao beneficiário do seguro o ônus de provar sua condição
socioeconômica para aferir a natureza alimentar da indenização, deve-se limitar o
montante impenhorável em 40 (quarenta) salários mínimos, por aplicação analógica do
art. 649, X, do CPC/1973. A quantia que a exceder poderá ser utilizada para saldar os
débitos dos credores do beneficiário do seguro. Ressalte-se que a natureza alimentar
79
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

da indenização recebida com o seguro de vida se assemelha às verbas salariais do art.


649, IV, do CPC/1973, que destaca serem impenhoráveis "as quantias recebidas por
liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e de sua família".

INTERESSE DE AGIR

O credor hipotecário tem interesse de agir para propor ação em face do mutuário
visando ao cumprimento de cláusula contratual que determina a observância dos
padrões construtivos do loteamento. REsp 1.400.607-RS, Rel. Min. Luis Felipe
Salomão, por unanimidade, julgado em 17/05/2018, DJe 26/06/2018 - INFO 628

Para comentários, ver direito civil, Hipoteca.

JUROS MORATÓRIOS

A mera notícia de decisão judicial determinando a indisponibilidade forçada dos


bens do réu, no cerne de outro processo, com objeto e partes distintas, não possui o
condão de interromper a incidência dos juros moratórios.
REsp 1.740.260-RS, Terceira Turma, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, por
unanimidade, julgado em 26/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

No caso concreto, as instâncias ordinárias consignaram que o requerido desrespeitou


os limites de seu mandato ao reter indevidamente quantias que pertenciam à
requerente, na condição de seu advogado, realizando o levantamento de alvarás
judiciais sem efetuar os respectivos repasses. O requerido foi condenado ao pagamento
integral dos valores sacados, acrescidos de juros e correção monetária, além de
indenização por danos morais. Quanto aos juros moratórios, o requerido pretende, em
síntese, a interrupção da incidência sob o argumento de que foi determinado o bloqueio
judicial dos seus bens no âmbito de ação civil pública em que também é réu, na qual se
discutiriam fatos conexos aos tratados na presente demanda. Para tanto, defende a
aplicação, por analogia, do entendimento de que o depósito integral para garantia do
juízo faz cessar a mora. No entanto, a mera notícia de decisão judicial determinando a
indisponibilidade forçada dos bens do réu, no cerne de outro processo, com objeto e
partes distintas, não possui o condão de interromper a incidência dos juros moratórios.
O bloqueio judicial dos bens é medida constritiva de natureza preventiva que não se
confunde com a sistemática do depósito judicial em garantia e não caracteriza, de forma
alguma, a satisfação voluntária da obrigação. De fato, a constrição apenas impede que
o réu promova atos tendentes a dilapidar seu patrimônio, causando ainda maiores
prejuízos aos seus credores. Dessa forma, inexiste fundamento jurídico para a
interrupção da mora antes do efetivo pagamento da indenização, pois a ninguém é dado
se beneficiar da própria torpeza.

LEGITIMIDADE PASSIVA

80
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Legitimidade passiva da Telebrás, bem como das companhias cindendas (ou


sucessoras destas), para a ação de complementação de ações, na hipótese em que as
ações originárias tenham sido emitidas pela Telebrás.
REsp 1.633.801-SP, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, Segunda Seção, por
unanimidade, julgado em 23/05/2018, DJe 01/08/2018 (Tema 910) INFO 630

A questão de direito a ser resolvida diz respeito aos efeitos da cisão parcial da Telebrás
sobre a obrigação de emitir, subscrever e integralizar ações (complementação de ações)
em favor do consumidor de serviço de telefonia, titular de contrato de participação
financeira. Nesse passo, relembre-se que a Lei das Sociedades por Ações, no art. 233,
põe a salvo os interesses dos credores da sociedade cindida ante os efeitos da cisão,
estabelecendo a sucessão das obrigações anteriormente constituídas, conjugada com
a solidariedade entre as companhias cindidas e cindenda, solidariedade que incide tão
somente na relação jurídica externa com os credores, não na relação interna entre as
companhias. Na cisão parcial, a regra da solidariedade pode ser excepcionada em favor
das companhias cindendas, ficando estas responsáveis (nas relações externas) tão
somente pelas obrigações que lhes forem expressamente transferidas, "sem
solidariedade entre si ou com a companhia cindida", desde que assegurado aos
credores o direito de oposição. Observe-se que, nas demandas por complementação
de ações, o direito à diferença de ações decorre de uma revisão judicial do contrato de
participação financeira, em que se substitui o critério do balanço anual pelo do balancete
mensal, nos termos da Súmula 371/STJ ("Nos contratos de participação financeira para
a aquisição de linha telefônica, o Valor Patrimonial da Ação [VPA] é apurado com base
no balancete do mês da integralização"). Tratando-se, portanto, de uma revisão judicial
do contrato de participação financeira, o título referente à complementação de ações
somente se constitui definitivamente após o trânsito em julgado da demanda. Na
hipótese, resta evidente que o título referente à complementação de ações somente se
constituiu definitivamente após a cisão da Telebrás. Com relação ao crédito cujo título
se constitui após a cisão, a jurisprudência desta Corte Superior é uníssona no sentido
de que não se aplica a limitação de responsabilidade prevista no art. 233, § 1º, da Lei
n. 6.404/1974. Esse entendimento jurisprudencial tem por escopo proteger os interesses
dos credores, que não teriam como se opor à limitação de responsabilidade, uma vez
que o título de seu crédito ainda não havia sido constituído definitivamente. Afastada,
desse modo, a incidência da norma excepcional do art. 233, § 1º, da Lei n. 6.404/1976,
aplica-se a regra geral da solidariedade (nas relações externas), o que torna a
companhia cindenda (sucessora da concessionária local de telefonia) e a Telebrás (pós-
cisão) partes legítimas para figurarem no polo passivo da demanda por
complementação de ações.

O patrocinador não possui legitimidade passiva para litígios que envolvam


participante/assistido e entidade fechada de previdência complementar, ligados
estritamente ao plano previdenciário, como a concessão e a revisão de benefício ou o
resgate da reserva de poupança, em virtude de sua personalidade jurídica autônoma.
Não se incluem, no âmbito da matéria afetada, as causas originadas de eventual ato
ilícito, contratual ou extracontratual, praticado pelo patrocinador.
REsp 1.370.191-RJ, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, Segunda Seção, por unanimidade,
julgado em 13/06/2018, DJe 01/08/2018 (Tema 936) INFO 630

A questão controvertida consiste em saber se, em ação de revisão de benefício de


previdência privada, possui a patrocinadora legitimidade passiva para figurar em

81
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

litisconsórcio envolvendo a entidade previdenciária. Na hipótese, como se trata de


relação contratual em que a entidade fechada de previdência privada não opera com
patrimônio próprio, havendo mutualismo, a legislação de regência impõe e fomenta um
sentido de autorresponsabilidade à coletividade dos participantes e assistidos dos
planos de benefícios ao, efetivamente, propiciar ampla participação, não só no tocante
à gestão, mas também no que diz respeito ao controle dos atos de gestão envolvendo
o plano de benefícios. Conforme a lei de regência, portanto, a forma de composição do
déficit, em respeito à própria autonomia privada e à regra legal a impor que os
participantes e assistidos também participem do equacionamento do resultado
deficitário, não será estabelecida arbitrariamente pelo Judiciário, mas decorrerá de
prévia deliberação no âmbito interno da própria entidade previdenciária, isto é, do
Conselho Deliberativo, com a participação de representantes do patrocinador e dos
participantes e assistidos (que são eleitos por seus pares). Outrossim, também a título
de oportuno registro, é bem de ver que o art. 6º, § 3º, da Lei Complementar n. 108/2001,
estabelece ser vedado ao patrocinador assumir encargos adicionais para o
financiamento dos planos de benefícios, além daqueles previstos nos respectivos
planos de custeio. A única responsabilidade solidária prevista na legislação de regência
ocorre entre patrocinadores ou entre instituidores, e apenas quando expressamente
previsto no convênio de adesão (art. 13, § 1º, da Lei Complementar n. 109/2001). Nessa
hipótese, o patrocinador pode responder por dívida de outro patrocinador, mas não pela
parte que cabe aos participantes e assistidos. Assim, não se trata de hipótese em que
o litisconsórcio é imposto pela lei, tampouco se cuida de uma única relação jurídica
indivisível. As entidades de previdência privada têm personalidade jurídica e patrimônios
próprios, e consoante dispunham os artigos 14 e 39 da Lei n. 6.435/1977 e dispõem os
artigos 32 e 36 da Lei Complementar n. 109/2001, operam os planos de previdência
privada, não havendo cogitar em formação de litisconsórcio passivo com a
patrocinadora e/ou participantes e beneficiários do plano de previdência privada. No
ponto, é antiga e firme a jurisprudência das turmas de direito privado, em afastar a
legitimidade do(a) patrocinador(a) para figurar no polo passivo de litígios envolvendo
participante e entidade de previdência privada, em que se discute matéria referente a
simples aplicação de disposição regulamentar de plano de benefícios, aplicação de
índices de correção monetária, resgate de valores vertidos ao fundo, entre outros temas
afins.

MANDADO DE SEGURANÇA

A oitiva do Ministério Público Federal é desnecessária quando se tratar de


controvérsia acerca da qual o tribunal já tenha firmado jurisprudência. Inexiste,
portanto, qualquer vício na ausência de remessa dos autos ao “parquet” que enseje
nulidade processual, se houver posicionamento sólido da Corte.
RMS 32.482/DF, Segunda Turma, rel. orig. Min. Teori Zavaski, red. p/ o ac. Min. Edson
Fachin, julgamento em 21.8.2018. INFO 912

Nos casos de anistia política, em sede de mandado de segurança, só é possível a


inclusão de juros de mora e correção monetária na fase executiva quando houver
decisão expressa nesse sentido.
STJ. 1ª Seção. ExeMS 18.782-DF, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, julgado em
12/09/2018 (Info 634).

82
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

MEDIDAS COERCITIVAS ATÍPICAS

Revela-se ilegal e arbitrária a medida coercitiva de retenção do passaporte em


decisão judicial não fundamentada e que não observou o contraditório, proferida no
bojo de execução por título extrajudicial.
RHC 97.876-SP, Quarta Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade,
julgado em 05/06/2018, DJe 09/08/2018 INFO 631

O CPC de 2015, em homenagem ao princípio do resultado na execução, inovou o


ordenamento jurídico com a previsão, em seu art. 139, IV, de medidas executivas
atípicas, tendentes à satisfação da obrigação exequenda, inclusive as de pagar quantia
certa. As modernas regras de processo, no entanto, ainda respaldadas pela busca da
efetividade jurisdicional, em nenhuma circunstância, poderão se distanciar dos ditames
constitucionais, apenas sendo possível a implementação de comandos não
discricionários ou que restrinjam direitos individuais de forma razoável. Assim, no caso
concreto, após esgotados todos os meios típicos de satisfação da dívida, para assegurar
o cumprimento de ordem judicial, deve o magistrado eleger medida que seja necessária,
lógica e proporcional. Não sendo adequada e necessária, ainda que sob o escudo da
busca pela efetivação das decisões judiciais, será contrária à ordem jurídica. Nesse
sentido, para que o julgador se utilize de meios executivos atípicos, a decisão deve ser
fundamentada e sujeita ao contraditório, demonstrando-se a excepcionalidade da
medida adotada em razão da ineficácia dos meios executivos típicos, sob pena de
configurar-se como sanção processual. A adoção de medidas de incursão na esfera de
direitos do executado, notadamente direitos fundamentais, carecerá de legitimidade e
configurar-se-á coação reprovável, sempre que vazia de respaldo constitucional ou
previsão legal e à medida em que não se justificar em defesa de outro direito
fundamental. A liberdade de locomoção é a primeira de todas as liberdades, sendo
condição de quase todas as demais. O reconhecimento da ilegalidade da medida
consistente na apreensão do passaporte do paciente, na hipótese em apreço, não tem
qualquer pretensão em afirmar a impossibilidade dessa providência coercitiva em outros
casos e de maneira genérica.

Cabe Habeas Corpus para impugnar decisão judicial que determinou a retenção de
passaporte.
RHC 97.876-SP, Quarta Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade,
julgado em 05/06/2018, DJe 09/08/2018 INFO 631

A questão controvertida está em definir se a ordem de suspensão do passaporte e da


carteira nacional de habilitação, expedida contra o executado, no bojo de execução por
título extrajudicial (duplicata de prestação de serviço), consubstancia coação à liberdade
de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder, a ser combatida por meio de habeas
corpus. Sobre o tema, observa-se que, no âmbito da seara penal, que as Turmas da
Terceira Seção deste Tribunal reconhecem a viabilidade de questionamento da
apreensão do passaporte por meio do habeas corpus, por entenderem que tal medida
limita a liberdade de locomoção, ainda que a constatação da ilegalidade, que conduziria
à concessão da ordem, no caso concreto, não se confirme.

83
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Não cabe Habeas Corpus para impugnar decisão judicial que determinou a suspensão
de Carteira Nacional de Habilitação - CNH.
RHC 97.876-SP, Quarta Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade,
julgado em 05/06/2018, DJe 09/08/2018 INFO 631

A jurisprudência desta Corte Superior é no sentido de que a suspensão da Carteira


Nacional de Habilitação não configura ameaça ao direito de ir e vir do titular, sendo,
assim, inadequada a utilização do habeas corpus, impedindo seu conhecimento. É fato
que a retenção desse documento tem potencial para causar embaraços consideráveis
a qualquer pessoa e, a alguns determinados grupos, ainda de forma mais drástica, caso
de profissionais, que tem na condução de veículos, a fonte de sustento. É fato também
que, se detectada esta condição particular, no entanto, a possibilidade de impugnação
da decisão é certa, todavia por via diversa do habeas corpus, porque sua razão não
será a coação ilegal ou arbitrária ao direito de locomoção, mas inadequação de outra
natureza.

MINISTÉRIO PÚBLICO – LEGITIMIDADE

O Ministério Público é parte legítima para ajuizamento de ação civil pública que vise
o fornecimento de remédios a portadores de certa doença.
RE 605533/MG, Plenário, rel. Min. Marco Aurélio, julgamento em 15.8.2018 – Tema
262 Repercussão Geral (INFO 911)

Cabe ao Ministério Público a promoção do inquérito civil e da ação civil pública na defesa
de interesses difusos e coletivos, a teor do art. 129, III, (1) da Constituição Federal (CF).
Ademais, a ação proposta é definida pelos termos da petição inicial, que, no caso
concreto, apontou cidadã sem condições financeiras para aquisição dos fármacos e
negativa de fornecimento destes pela Secretaria de Saúde local. Acontece que a
referida peça se mostrou abrangente — tanto no tocante à narração dos fatos, quanto
em relação ao pedido —, aludindo não apenas à situação daquela paciente como
também à dos demais portadores da doença considerada grave.
Mais do que isso, ao postular pronunciamento condenatório, citou-se como destinatários
pacientes acometidos pela enfermidade. Assim, a menção ao indivíduo foi meramente
exemplificativa.
Dessa forma, se revelou inquestionável a qualidade do “parquet” para ajuizar ação civil
pública objetivando, em sede de processo coletivo o interesse social que legitima a
intervenção e a ação em juízo do Ministério Público, a defesa de direitos impregnados
de transindividualidade ou de direitos individuais homogêneos, notadamente aqueles de
caráter indisponível, porque revestidos de inegável relevância social, como sucede, de
modo bastante particularmente expressivo, com o direito à saúde, que traduz
prerrogativa jurídica de índole eminentemente constitucional.

A esse respeito, confira-se também:


O Ministério Público é parte legítima para pleitear tratamento médico ou entrega de
medicamentos nas demandas de saúde propostas contra os entes federativos, mesmo

84
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

quando se tratar de feitos contendo beneficiários individualizados, porque se refere


a direitos individuais indisponíveis, na forma do art. 1º da Lei n. 8.625/1993 (Lei
Orgânica Nacional do Ministério Público).
STJ. 1ª Seção. REsp 1682836-SP, Rel. Min. Og Fernandes, julgado em 25/04/2018
(recurso repetitivo) (Info 624).

PRESSUPOSTO PROCESSUAL

Na ação de cobrança, é desnecessária a citação da sociedade empresária se todos os


que participam do quadro social integram a lide.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.731.464-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro, julgado em 25/09/2018
(Info 635).

RECURSOS

É requisito de admissibilidade para interposição de recurso extraordinário o


recolhimento de multa imposta ao recorrente no Tribunal “a quo”, com base no art.
557, § 2º (1), do Código de Processo Civil de 1973 (CPC), exigência que se impõe
inclusive à Fazenda Pública.
ARE 931830 AgR/PB, Segunda Turma, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em
21.8.2018. (ARE-931830) – INFO 912

No sistema regido pelo NCPC, o recurso cabível da decisão que acolhe impugnação ao
cumprimento de sentença e extingue a execução é a apelação.
REsp 1.698.344-MG, Quarta Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade,
julgado em 22/05/2018, DJe 01/08/2018 INFO 630

Inicialmente, de acordo com a sistemática vigente, dois são os critérios para definição
do pronunciamento jurisdicional como sentença: (I) conteúdo equivalente a uma das
situações previstas nos arts. 485 ou 489 do CPC/2015; e (II) determinação do
encerramento de uma das fases do processo, conhecimento ou execução. Importa
salientar, ainda, que, o processo de execução será adequado para as situações em que
esta é fundada em título extrajudicial (art. 771, NCPC). Nos demais casos, a execução
ocorrerá numa fase posterior à sentença, denominada cumprimento de sentença (art.
513, NCPC), no bojo do qual será processada a impugnação oferecida pelo executado,
e que se resolverá a partir de pronunciamento judicial que pode ser sentença ou decisão
interlocutória, a depender de seu conteúdo e efeito. Destarte, se a decisão impugnada
extinguiu a execução, nos termos do art. 924, juntamente com o previsto no § 1º do art.
203, é possível concluir que sua natureza jurídica é de sentença e não de decisão
interlocutória, sendo cabível, nesses termos, o recurso de apelação, por expressa
disposição do art. 1.009 do CPC/2015. Ademais, registre-se que o recurso cabível em
face de decisões proferidas no cumprimento de sentença - acolhendo apenas em parte
a impugnação e as que decidirem por sua total improcedência - é o agravo.

85
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É cabível a interposição de agravo de instrumento contra decisões interlocutórias em


processo falimentar e recuperacional, ainda que não haja previsão específica de
recurso na Lei nº 11.101/2005 (LREF). Fundamento: interpretação extensiva do art.
1.015, parágrafo único, do CPC/2015.
STJ. 4ª Turma. REsp 1.722.866-MT, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, julgado em
25/09/2018 (Info 635).

É inaplicável a contagem do prazo recursal em dobro quando apenas um dos


litisconsortes com procuradores distintos sucumbe.
Nesse sentido existe, inclusive, uma súmula do STF, cujo entendimento continua
válido com o CPC/2015:
Súmula 641-STF: Não se conta em dobro o prazo para recorrer, quando só um dos
litisconsortes haja sucumbido.
Ex: ação de cobrança proposta contra Pedro e Tiago. Na sentença, o juiz julga
procedente quanto a Pedro e improcedente no que tange a Tiago. Pedro, única parte
sucumbente, não terá direito a prazo em dobro.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.709.562-RS, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 16/10/2018
(Info 636).

O rol do art. 1.015 do CPC/2015 é de taxatividade mitigada


O rol do art. 1.015 do CPC é de taxatividade mitigada, por isso admite a interposição
de agravo de instrumento quando verificada a urgência decorrente da inutilidade do
julgamento da questão no recurso de apelação.
STJ. Corte Especial. REsp 1704520/MT, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em
05/12/2018 (recurso repetitivo).
Obs: a tese jurídica fixada e acima explicada somente se aplica às decisões
interlocutórias proferidas após a publicação do REsp 1704520/MT, o que ocorreu no
DJe 19/12/2018.

Antes da decisão acima, o STJ chegou a admitir o cabimento de mandado de segurança


Com a entrada em vigor do CPC/2015, e antes da decisão do STJ no REsp 1704520/MT,
havia dúvida razoável na doutrina e na jurisprudência sobre o cabimento ou não de
agravo de instrumento contra a decisão interlocutória que examinava competência.
Diante disso, era possível a impetração de mandado de segurança contra decisão
interlocutória que examinava competência.
Vale ressaltar, contudo, que essa possibilidade de impetração de MS deixou de existir
com a publicação do REsp 1704520/MT (DJe 19/12/2018).
STJ. 4ª Turma. RMS 58.578-SP, Rel. Min. Raul Araújo, julgado em 18/10/2018 (Info
636).

A decisão de inadmissibilidade do recurso especial não é formada por capítulos


autônomos, mas por um único dispositivo, o que exige sua impugnação total.
Em outras palavras, o agravante deve atacar, de forma específica, TODOS os
fundamentos da decisão que, na origem, inadmitiu o recurso especial.
STJ. Corte Especial. EAREsp 831.326-SP, Rel. Min. João Otávio de Noronha, Rel. Acd.
Min. Luis Felipe Salomão, julgado em 19/09/2018 (Info 638).

86
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Não cabe agravo de instrumento contra decisão do juiz que determina a elaboração
dos cálculos judiciais e estabelece os parâmetros de sua realização.
STJ. 2ª Turma. REsp 1.700.305-PB, Rel. Min. Herman Benjamin, julgado em
25/09/2018 (Info 638).

SUSPENSÃO DO PROCESSO

Se a ação é proposta contra indivíduo que já estava morto, o juiz não deverá
determinar a habilitação, a sucessão ou a substituição processual. De igual modo, o
processo não deve ser suspenso para habilitação de sucessores. Isso porque tais
institutos são aplicáveis apenas para as hipóteses em que há o falecimento da parte
no curso do processo judicial. O correto enquadramento jurídico desta situação é de
ilegitimidade passiva, devendo ser facultado ao autor, diante da ausência de ato
citatório válido, emendar a petição inicial para regularizar o polo passivo, dirigindo
a sua pretensão ao espólio.
Ex: em 04/04/2018, o Banco ajuizou execução de título extrajudicial contra João. A
tentativa de citação, todavia, foi infrutífera, tendo em vista que João havia falecido em
04/03/2018, ou seja, um mês antes. Diante disso, o juiz deverá permitir que o
exequente faça a emenda da petição inicial para a substituição do executado falecido
pelo seu espólio. STJ. 3ª Turma. REsp 1.559.791-PB, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado
em 28/08/2018 (Info 632).

TÉCNICA DE AMPLIAÇÃO DO COLEGIADO

Como ocorre a continuidade do julgamento na hipótese em que houve uma parte


unânime e outra não unânime? Ex: no julgamento de uma apelação contra sentença
que havia negado integralmente a indenização, a Câmara Cível entendeu de forma
unânime (3x0) que houve danos materiais e por maioria (2x1) que não ocorreram
danos morais. Foram então convocados dois Desembargadores para a continuidade
do julgamento ampliado (art. 742). Esses dois novos Desembargadores que chegam
poderão votar também sobre a parte unânime (danos materiais) ou ficarão restritos
ao capítulo não unânime (danos morais)?
O colegiado formado com a convocação dos novos julgadores (art. 942 do CPC/2015)
poderá analisar de forma ampla todo o conteúdo das razões recursais, não se
limitando à matéria sobre a qual houve originalmente divergência.
Constatada a ausência de unanimidade no resultado da apelação, é obrigatória a
aplicação do art. 942 do CPC/2015, sendo que o julgamento não se encerra até o
pronunciamento pelo colegiado estendido, ou seja, inexiste a lavratura de acórdão
parcial de mérito.
Os novos julgadores convocados não ficam restritos aos capítulos ou pontos sobre os
quais houve inicialmente divergência, cabendo-lhes a apreciação da integralidade do
recurso.
O prosseguimento do julgamento com quórum ampliado em caso de divergência tem
por objetivo a qualificação do debate, assegurando-se a oportunidade para a análise

87
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

aprofundada das teses jurídicas contrapostas e das questões fáticas controvertidas,


com vistas a criar e manter uma jurisprudência uniforme, estável, íntegra e coerente.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.771.815-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, julgado em
13/11/2018 (Info 638).

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL

AÇÃO PENAL PRIVADA

Mulher de deputado federal tem legitimidade ativa ad causam para formalizar


queixa-crime com imputação do crime de injúria, prevista no art. 140 (1) do Código
Penal (CP), em tese perpetrada por senador contra a honra de seu marido, tendo em
vista declaração do querelado, no Twitter, na qual insinua que seu marido mantém
relação homossexual extraconjugal com outro parlamentar.
Pet 7417 AgR/DF, Primeira Turma, rel. Min. Luiz Fux, red. p/ o ac. Min. Marco Aurélio,
julgamento em 9.10.2018. (INFO 919)

A Turma considerou que a afirmação do senador pode configurar injúria contra a honra
da mulher do deputado federal, em face da apontada traição, o que lhe confere a
legitimidade ativa. Citou, ademais, entendimento doutrinário que reconhece a
legitimidade ativa do homem casado que é chamado de “corno” em relação a conduta
desonrosa atribuída a sua mulher. Concluiu que o mesmo tratamento deve ser dado a
uma mulher que se sente ofendida, em decorrência de alegada traição.

ACORDO DE LENIÊNCIA

É legítimo o compartilhamento com o fim de instrução de inquérito que investiga


pessoa a qual não celebrou acordo de leniência, desde que não acarrete eventual
prejuízo aos aderentes do instrumento.
Inq 4420/DF, Segunda Turma, rel. Min. Gilmar Mendes, julgamento em 21.8.2018
(INFO 913).

No acordo de leniência em questão, o Ministério Público Federal (MPF) se compromete


a não propor, contra os aderentes, qualquer ação de natureza cível ou penal em relação
aos fatos e condutas nele revelados.

88
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Contudo, não há óbice ao compartilhamento das provas, desde que o pedido se mostre
adequadamente delimitado e justificado, na linha da jurisprudência do Supremo Tribunal
Federal (STF) (Pet 6.845 e Pet 7.463), observadas cautelas especiais quando se tratar
de colaboração premiada e acordo de leniência.

ARQUIVAMENTO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL

Em 2016, foi instaurado inquérito no STF para apurar crimes de corrupção passiva
(art. 317 do CP) e de lavagem de dinheiro (art. 1º, V, da Lei nº 9.613/98) que teriam
sido praticados por Aécio Neves.
O Delegado de Polícia Federal concluiu as investigações, opinando, no relatório
policial, pelo arquivamento do inquérito sob a alegação de que não foram reunidos
indícios contra o investigado.
A Procuradoria-Geral da República afirmou que, após a manifestação do Delegado,
surgiram novos indícios e que, portanto, as investigações deveriam continuar.
Afirmou, contudo, que o STF deveria remeter os autos à 1ª instância para que as
investigações continuassem lá, tendo em vista que os delitos praticados por Aécio
Neves teriam sido praticados fora do cargo de parlamentar federal, não havendo
competência do STF.
O STF determinou o retorno dos autos à PGR para que ela conclua as diligências ainda
pendentes de execução, no prazo de 60 dias, e que depois apresente manifestação
conclusiva nos autos, apontando concretamente os novos elementos de prova a
serem considerados. De posse de manifestação mais objetiva da PGR, com provas
suficientes para eventual continuidade das investigações, o STF poderá avaliar se é
mesmo o caso de arquivamento ou se a investigação deve prosseguir e em que
condições.
STF. 2ª Turma. Inq 4244/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, red. p/ o ac. Min. Ricardo
Lewandowski, julgado em 20/11/2018 (Info 924).

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

Não faz coisa julgada material decisão proferida em audiência de custódia que
relaxou a prisão por atipicidade da conduta, podendo o Ministério Público oferecer a
denúncia.
A audiência de custódia envolve apenas juízo preliminar acerca da legitimidade da
prisão preventiva, da necessidade de sua manutenção, da possibilidade de seu
relaxamento ou de sua substituição por medidas alternativas. Portanto, não se
equipara à decisão de mérito para efeito de coisa julgada.
A atipicidade da conduta apontada pelo juiz plantonista, em sede de audiência de
custódia, foi utilizada como fundamento para o relaxamento da prisão. Entretanto,
esse magistrado não possui competência para determinar o arquivamento dos autos,
já que sua atuação está limitada à regularidade da prisão.
HC 157.306/SP, Primeira Turma, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 25.9.2018. (HC-
157306) (INFO 917)

89
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CASA DE PROSTITUIÇÃO

O estabelecimento que não se volta exclusivamente à prática de mercância sexual,


tampouco envolve menores de idade ou do qual se comprove retirada de proveito,
auferindo lucros da atividade sexual alheia mediante ameaça, coerção, violência ou
qualquer outra forma de violação ou tolhimento à liberdade das pessoas, não dá
origem a fato típico a ser punido na seara penal.
REsp 1.683.375-SP, Sexta Turma, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, por
unanimidade, julgado em 14/08/2018, DJe 29/08/2018 INFO 631

A questão de direito delimitada na controvérsia trata da interpretação dada ao artigo 229


do Código Penal. Registre-se que, mesmo após a alteração legislativa introduzida pela
Lei n. 12.015/2009, a conduta consistente em manter Casa de Prostituição segue sendo
crime. Todavia, com a novel legislação, passou-se a exigir a "exploração sexual" como
elemento normativo do tipo, de modo que a conduta consistente em manter casa para
fins libidinosos, por si só, não mais caracteriza crime, sendo necessário, para a
configuração do delito, que haja exploração sexual, assim entendida como a violação à
liberdade das pessoas que ali exercem a mercancia carnal. Dessa forma, crime é manter
pessoa em condição de explorada, obrigada, coagida, não raro em más condições, ou
mesmo em condição análoga à de escravidão, impondo-lhe a prática de sexo sem
liberdade de escolha, ou seja, com tolhimento de sua liberdade sexual e em violação de
sua dignidade sexual. Nesse sentido, o bem jurídico tutelado não é a moral pública mas
sim a dignidade sexual como, aliás, o é em todos os crimes constantes do Título VI da
Parte Especial do Código Penal, dentre os quais, o do artigo 229. E o sujeito passivo do
delito não é a sociedade mas sim a pessoa explorada, vítima da exploração sexual.
Assim, se não se trata de estabelecimento voltado exclusivamente para a prática de
mercancia sexual, tampouco há notícia de envolvimento de menores de idade, nem
comprovação de que o recorrido tirava proveito, auferindo lucros da atividade sexual
alheia mediante ameaça, coerção, violência ou qualquer outra forma de violação ou
tolhimento à liberdade das pessoas, não há falar em fato típico a ser punido na seara
penal.

CÓDIGO DE TRÂNSITO

A regra que prevê o crime do art. 305 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) é
constitucional, posto não infirmar o princípio da não incriminação, garantido o
direito ao silêncio e ressalvadas as hipóteses de exclusão da tipicidade e da
antijuridicidade.
STF. Plenário. RE 971.959/RS, Rel. Min. Luiz Fux, julgado em 14/11/2018
(repercussão geral) (Info 923).

Art. 305. Afastar-se o condutor do veículo do local do acidente, para fugir à


responsabilidade penal ou civil que lhe possa ser atribuída: Penas - detenção, de seis
meses a um ano, ou multa.

90
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Bem jurídico tutelado


De forma imediata, o crime protege a administração da justiça, que fica prejudicada pela
fuga do agente do local do evento, uma vez que tal atitude impede sua identificação e a
consequente apuração do ilícito, para fins de se promover a responsabilização cível ou
penal de quem, eventualmente, provocar um acidente de trânsito, dolosa ou
culposamente.
De forma mediata, tutela o direito da vítima à reparação do dano.
Discussão quanto à constitucionalidade deste crime
Os Tribunais de Justiça dos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio
Grande do Sul possuíam entendimento no sentido de que este crime do art. 305 do CTB
seria inconstitucional ou, pelo menos, inconvencional. Isso porque ele violaria o direito
à não autoincriminação.
O direito à não autoincriminação é uma decorrência da ampla defesa, prevista no art.
5º, LV e LXIII.
Além disso, o Pacto de San José da Costa Rica (Convenção Americana de Direitos
Humanos), que vige em nosso ordenamento jurídico com caráter supralegal, estabelece
em seu artigo 8º, inciso II, alínea “g”, que “toda pessoa tem direito de não ser obrigada
a depor contra si mesma, nem a declarar-se culpada”.
Argumentos STF
O direito à não autoincriminação preconiza que jamais se pode obrigar o investigado ou
réu a agir ativamente na produção de prova contra si próprio. Ocorre que o tipo penal
do art. 305 do CTB apenas obriga a permanência do agente no local para garantir a
identificação dos envolvidos no sinistro e o devido registro da ocorrência pela autoridade
competente. Assim, ele não viola o núcleo da garantia de não autoincriminação.
O art. 305 do CTB exige que o agente permaneça no local do acidente e se identifique
perante a autoridade de trânsito. Mas o tipo penal não obriga que o condutor assuma
eventual responsabilidade cível ou penal. Se ele permanecer no local e negar que tenha
culpa, não incide o crime do art. 305 do CTB.
Vale ressaltar, inclusive, que o condutor, após sua identificação pela autoridade de
trânsito, pode optar por permanecer em silêncio quanto à dinâmica do acidente e não
prestar nenhum esclarecimento sobre como ocorreu o sinistro. Em suma, depois de se
identificar, pode exercer seu direito ao silêncio, que não significará confissão nem
poderá ser interpretado em prejuízo da defesa (art. 186, parágrafo único, do CPP).

COLABORAÇÃO PREMIADA

É possível o compartilhamento, para outros órgãos e autoridades públicas, das


provas obtidas no acordo de colaboração premiada, desde que sejam respeitados os
limites estabelecidos no acordo em relação ao colaborador. Assim, por exemplo, se
um indivíduo celebra acordo de colaboração premiada com o MP aceitando fornecer
provas contra si, estas provas somente poderão ser utilizadas para as sanções que
foram ajustadas no acordo.
STF. 2ª Turma. PET 7065/DF, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 30/10/2018 (Info
922).

Ainda que remetido a outros órgãos do Poder Judiciário para apuração dos fatos
delatados, o juízo que homologou o acordo de colaboração premiada continua sendo
competente para analisar os pedidos de compartilhamento dos termos de
depoimentos prestados no âmbito da colaboração. STF. 2ª Turma.
PET 7065/DF, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 30/10/2018 (Info 922).

91
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

O compartilhamento dos termos de depoimentos prestados no âmbito de colaboração


premiada deve respeitar as balizas do acordo homologado em juízo.
Assim, as provas obtidas com o acordo de colaboração premiada podem ser
compartilhadas com outros órgãos e autoridades públicas nacionais e até estrangeiras.
Tais provas podem ser utilizadas por tais autoridades para fins cíveis, fiscais,
administrativos e até mesmo criminais.
No entanto, tais provas NÃO podem ser utilizadas contra os próprios colaboradores para
produzir punições além daquelas pactuadas no acordo.
O colaborador aceitou produzir provas contra si mesmo porque isso ficou combinado
segundo os termos do acordo de colaboração premiada celebrado com o Estado. Em
outras palavras, o colaborador concordou em confessar porque foi feito um acordo de
que ele somente seria punido de acordo com aquilo que foi combinado.
Assim, a utilização de tais elementos probatórios, produzidos pelo próprio colaborador,
em seu prejuízo, de modo distinto do firmado com a acusação e homologado pelo
Judiciário, é prática abusiva, que viola o direito à não autoincriminação.

COMPETÊNCIA

Compete à Justiça Federal a condução do inquérito que investiga o cometimento do


delito previsto no art. 334, § 1º, IV, do Código Penal, na hipótese de venda de
mercadoria estrangeira, permitida pela ANVISA, desacompanhada de nota fiscal e
sem comprovação de pagamento de imposto de importação.
CC 159.680-MG, Terceira Seção, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, por
unanimidade, julgado em 08/08/2018, DJe 20/08/2018 (INFO 631)

Deve-se averiguar, de início, se a conduta se amolda, ou não, no tipo descrito no art.


334 do Código Penal, na redação anterior à lei n. 13.008/2014. Para que se configure o
delito do caput do art. 334 do Código Penal, é necessário identificar indícios de que o
agente de alguma forma, dolosamente, aderiu e/ou participou do processo de introdução
do bem no país sem o recolhimento dos tributos devidos. Ressalte-se: não há forma
culposa do delito, nem se admite o dolo eventual. No caso concreto, não foram
apontados pelos Juízos em conflito, tampouco juntados aos autos, indícios de que o
investigado tenha, de qualquer maneira, participado da importação dos cigarros, o que
demonstra ser inviável a tipificação de sua conduta no caput do art. 334 do CP (na
redação anterior à da Lei n. 13.008/2014). Entretanto, a conduta do investigado pode se
amoldar ao delito previsto no art. 334, § 1º, IV, do Código Penal que atribui a mesma
pena a quem adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no exercício de
atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira,
desacompanhada de documentação legal, ou acompanhada de documentos que sabe
serem falsos. Desse modo, como o descaminho tutela prioritariamente interesses da
União (ordem tributária), é de se reconhecer a competência da Justiça Federal para
conduzir o inquérito policial e, eventualmente, caso seja oferecida denúncia, julgar a
ação penal, aplicando-se à hipótese dos autos o disposto no enunciado n. 151 da
Súmula desta Corte.

92
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Compete à Justiça Federal a condução do inquérito que investiga o cometimento do


delito previsto no art. 334, § 1º, IV, do Código Penal, na hipótese de venda de
mercadoria estrangeira, permitida pela ANVISA, desacompanhada de nota fiscal e
sem comprovação de pagamento de imposto de importação.
STJ. Plenário. CC 159.680-MG, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, julgado em
08/08/2018 (Info 631).

Compete à Justiça Federal o julgamento dos crimes de contrabando e de descaminho,


ainda que inexistentes indícios de transnacionalidade na conduta. STJ. 3ª Seção. CC
160.748-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 26/09/2018 (Info 635).

Compete à Justiça Federal apreciar o pedido de medida protetiva de urgência


decorrente de crime de ameaça contra a mulher cometido por meio de rede social de
grande alcance, quando iniciado no estrangeiro e o seu resultado ocorrer no Brasil.
STJ. 3ª Seção. CC 150.712-SP, Rel. Min. Joel Ilan Paciornik, julgado em 10/10/2018
(Info 636).

CONTRABANDO / DESCAMINHO

Compete à Justiça Federal a condução do inquérito que investiga o cometimento do


delito previsto no art. 334, § 1º, IV, do Código Penal, na hipótese de venda de
mercadoria estrangeira, permitida pela ANVISA, desacompanhada de nota fiscal e
sem comprovação de pagamento de imposto de importação.
STJ. Plenário. CC 159.680-MG, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, julgado em
08/08/2018 (Info 631).

Compete à Justiça Federal o julgamento dos crimes de contrabando e de descaminho,


ainda que inexistentes indícios de transnacionalidade na conduta. STJ. 3ª Seção. CC
160.748-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em 26/09/2018 (Info 635).

CORRUPÇÃO ATIVA

O pagamento da diferença do imposto devido, antes do recebimento da denúncia, não


extingue a punibilidade pelo crime de corrupção ativa atrelado ao de sonegação
fiscal.
RHC 95.557-GO, Sexta Turma, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, por
unanimidade, julgado em 21/06/2018, DJe 01/08/2018 INFO 631

93
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

De início, é mister consignar que não há razão plausível para reconhecer que o crime
de corrupção ativa tenha extinta a punibilidade porque a autora pagou, antes do
recebimento da denúncia, o montante de tributo que havia elidido, indevidamente, com
o oferecimento da vantagem indevida a servidor público encarregado de emitir a guia
de recolhimento respectiva. São delitos totalmente distintos, com bem jurídicos
tutelados igualmente diversos. A extinção da punibilidade dos crimes de cunho fiscal,
pelo pagamento do tributo, antes do recebimento da denúncia, tem a ver com a proteção
da ordem tributária e com a efetividade da arrecadação estatal, enquanto no crime de
corrupção ativa, o bem jurídico tutelado é o normal funcionamento e o prestígio da
administração pública. Nesse sentido, oferecer a funcionário público vantagem ilícita
para que não emita guia com o valor realmente devido a título de tributo causa mortis,
é, em tese e sem qualquer prejulgamento, conduta de reprovabilidade patente e não
merece, por isso mesmo, benefício de extinção da punibilidade, muito menos por lógica
de analogia, porque subverte a ordem da administração pública, depõe contra a sua
reputação e influencia o comportamento de outros agentes públicos, ainda que a
diferença do quantum devido, tenha sido solvida antes do recebimento da denúncia.
Este fato, por si só, não tem força para apagar a agressão ao prestígio da Administração.
O crime de corrupção, abstratamente descrito como típico no art. 333 do Código Penal,
possui natureza formal e se aperfeiçoa com a oferta ou promessa de vantagem indevida
a funcionário público, para praticar, omitir ou retardar ato de ofício. Por outro lado, o que
motivou o legislador ordinário a decretar a Lei nº 9.249/1995, que em seu artigo 34
dispõe acerca da extinção da punibilidade do crime contra a ordem tributária, quando o
agente promover o pagamento do tributo ou contribuição social, inclusive acessórios,
antes do recebimento da denúncia, foi o mote arrecadador, ou seja, para o Estado, em
se tratando de delito fiscal, afigura-se vantajoso receber o montante pecuniário relativo
ao tributo com a "ameaça" do processo criminal, ainda que a ordem tributária tenha sido,
em tese, malferida com a ação de sonegar.

CORRUPÇÃO PASSIVA

O crime de corrupção passiva consuma-se ainda que a solicitação ou recebimento de


vantagem indevida, ou a aceitação da promessa de tal vantagem, esteja relacionada
com atos que formalmente não se inserem nas atribuições do funcionário público,
mas que, em razão da função pública, materialmente implicam alguma forma de
facilitação da prática da conduta almejada.
Ao contrário do que ocorre no crime de corrupção ativa, o tipo penal de corrupção
passiva não exige a comprovação de que a vantagem indevida solicitada, recebida ou
aceita pelo funcionário público esteja causalmente vinculada à prática, omissão ou
retardamento de “ato de ofício”.
A expressão “ato de ofício” aparece apenas no caput do art. 333 do CP, como um
elemento normativo do tipo de corrupção ativa, e não no caput do art. 317 do CP,
como um elemento normativo do tipo de corrupção passiva. Ao contrário, no que se
refere a este último delito, a expressão “ato de ofício” figura apenas na majorante do
art. 317, § 1.º, do CP e na modalidade privilegiada do § 2.º do mesmo dispositivo.
STJ. 6ª Turma. REsp 1.745.410-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, Rel. Acd. Min.
Laurita Vaz, julgado em 02/10/2018 (Info 635)

94
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

CRIMES CONTRA A ORDEM TRIBUTÁRIA

A conduta de não recolher ICMS em operações próprias ou em substituição tributária


enquadra-se formalmente no tipo previsto no art. 2º, II, da Lei nº 8.137/90
(apropriação indébita tributária), desde que comprovado o dolo.
O não repasse do ICMS recolhido pelo sujeito passivo da obrigação tributária, em
qualquer hipótese, enquadra-se (formalmente) no tipo previsto art. 2º, II, da Lei nº
8.137/90, desde que comprovado o dolo.
Em outras palavras, o tipo do art. 2º, II, da Lei nº 8.137/90 não fica restrito apenas às
hipóteses em que há substituição tributária.
O que se criminaliza é o fato de o sujeito passivo se apropriar do dinheiro relativo ao
imposto, devidamente recebido de terceiro, quer porque descontou do substituído
tributário, quer porque cobrou do consumidor, não repassando aos cofres públicos.
STJ. 3ª Seção. HC 399.109-SC, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 22/08/2018
(Info 633).

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO

A simulação de consórcio por meio de venda premiada, operada sem autorização do


Banco Central do Brasil, configura crime contra o sistema financeiro, tipificado pelo
art. 16 da Lei nº 7.492/86, o que atrai a competência da Justiça Federal.
STJ. 3ª Seção. CC 160.077-PA, Rel. Min. Joel Ilan Paciornik, julgado em 10/10/2018
(Info 637).

CRIMES DA LEI DE LICITAÇÕES

Para a responsabilização penal do administrador público com base no art. 89 da Lei


de Licitações — norma penal em branco —, cumpre aferir se foram violados os
pressupostos de dispensa ou inexigibilidade de licitação previstos nos artigos 24 e 25
do mesmo diploma legal, bem como se houve vontade livre e consciente de violar a
competição e de produzir resultado lesivo ao patrimônio público.

Tal compreensão busca distinguir o administrador probo que, sem má-fé, agindo com
culpa, aplica equivocadamente a norma de dispensa ou inexigibilidade de licitação,
daquele que afasta a concorrência de forma deliberada, sabendo-a imperiosa, com
finalidade ilícita.

AP 946/DF, Plenário, rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 30.8.2018.


(INFO 913)

95
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

EMBARGOS INFRINGENTES

São cabíveis embargos infringentes com um voto absolutório em sentido próprio,


quando o quórum na sessão estiver incompleto e a exigência de dois votos conduziria,
por si só, à absolvição do acusado e a admissibilidade dos embargos tenha se dado
em momento anterior à construção jurisprudencial da AP863, segundo o qual os
embargos infringentes são cabíveis contra acórdão condenatório não unânime, desde
que proferidos dois votos absolutórios, em sentido próprio, no julgamento de mérito
de ação penal pelas Turmas da Corte.
AP 929 ED-2º julg-EI/AL, Plenário, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 17.10.2018
(INFO 920)

EXECUÇÃO PENAL

Havendo expressa previsão legal de reconversão da pena restritiva de direitos em


privativa de liberdade, não há falar em arresto para o cumprimento forçado da pena
substitutiva.
REsp 1.699.665-PR, Sexta Turma, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, por
unanimidade, julgado em 07/08/2018, DJe 15/08/2018 INFO 631

De início, tratando-se de pena substitutiva, fixada com base no artigo 44 do Código


Penal, tem-se que o eventual descumprimento da obrigação dá ensejo à reconversão
da pena restritiva de direitos em privativa de liberdade, por força do comando expresso
da norma do parágrafo 4º do referido artigo. No cálculo da pena privativa de liberdade a
executar será deduzido o tempo cumprido da pena restritiva de direitos, respeitado o
saldo mínimo de trinta dias de detenção ou reclusão. Ressalta-se que a execução das
penas restritivas, assim como de modo geral de todas as alternativas à prisão, demanda
um mecanismo coercitivo, capaz de assegurar o seu cumprimento, e este só pode ser
a pena privativa de liberdade. Assim, não há falar em arresto para o cumprimento
forçado da pena substitutiva já que a reconversão da pena é medida que, por si só,
atribui coercitividade à pena restritiva de direitos.

É facultado ao magistrado das execuções criminais requisitar o exame criminológico


e utilizá-lo como fundamento da decisão que julga o pedido de progressão. Ainda, a
adoção de textos semelhantes em despachos relacionados a procedimentos idênticos
não viola o princípio da individualização da pena nem gera nulidade por falta de
fundamentação quando o conteúdo tratar de especificidades do caso concreto sob
análise. Não há nisso violação à Súmula Vinculante 26.
Rcl 27616 AgR/SP, Segunda Turma, rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgamento em
9.10.2018 (INFO 919)

96
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

A inexistência de estabelecimento penal adequado ao regime prisional determinado


para o cumprimento da pena não autoriza a concessão imediata do benefício da
prisão domiciliar, porquanto, nos termos da Súmula Vinculante n. 56, é
imprescindível que a adoção de tal medida seja precedida das providências
estabelecidas no julgamento do RE 641.320/RS, quais sejam: (i) saída antecipada de
outro sentenciado no regime com falta de vagas, abrindo-se, assim, vagas para os
reeducandos que acabaram de progredir; (ii) a liberdade eletronicamente
monitorada ao sentenciado que sai antecipadamente ou é posto em prisão domiciliar
por falta de vagas; e (iii) cumprimento de penas restritivas de direitos e/ou estudo
aos sentenciados em regime aberto.
REsp 1.710.674-MG, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, Terceira Seção, por
maioria, julgado em 22/08/2018, DJe 03/09/2018 (Tema 993). (Info 632).

Inicialmente cumpre salientar que no julgamento do RE 641.320/RS, o Supremo


Tribunal Federal assentou que "a falta de estabelecimento penal adequado não autoriza
a manutenção do condenado em regime prisional mais gravoso". Concluiu, ainda, que,
diante de tais situações, o julgador deveria buscar aplicar as seguintes alternativas, em
ordem de preferência: (i) a saída antecipada de sentenciado no regime com falta de
vagas; (ii) a liberdade eletronicamente monitorada ao sentenciado que sai
antecipadamente ou é posto em prisão domiciliar por falta de vagas; (iii) o cumprimento
de penas restritivas de direito e/ou estudo ao sentenciado que progride ao regime
aberto. Até que sejam estruturadas as medidas alternativas propostas, poderá ser
deferida a prisão domiciliar ao sentenciado. O relator do RE 641.320/RS, ao discorrer
sobre a prisão domiciliar pura e simples, pondera ser ela "uma alternativa de difícil
fiscalização e, isolada, de pouca eficácia". Isso porque, no seu entender, a par das
dificuldades que o preso pode vir a ter para providenciar uma casa na qual seja acolhido
e para auxiliar no seu sustento, já que as possibilidades de trabalho sem sair do
ambiente doméstico são limitadas, há que se levar em conta que, "em casos de crimes
que tenham os membros da família como vítima, pode-se criar nova situação de risco,
tornando a pena insuficiente para proteger as vítimas. Por outro lado, os associados
para a prática de crimes passam a ter total acesso ao condenado. Eventuais restrições
de movimentação não se estendem à comunidade, que não fica proibida de frequentar
a casa na qual a pena é cumprida". Defende, assim, que "a execução da sentença em
regime de prisão domiciliar é mais proveitosa se for acompanhada de trabalho",
devendo ser acompanhada de "monitoração eletrônica dos sentenciados,
especialmente os do regime semiaberto", na forma do art. 146-B, II e IV, da Lei n.
7.210/1984. No tocante à saída antecipada, esclarece que "o sentenciado do regime
semiaberto que tem a saída antecipada pode ser colocado em liberdade
eletronicamente monitorada; o sentenciado do aberto, ter a pena substituída por penas
alternativas ou estudo". Sugere que "a saída antecipada deve ser deferida ao
sentenciado que satisfaz os requisitos subjetivos e está mais próximo de satisfazer o
requisito objetivo. Ou seja, aquele que está mais próximo de progredir tem o benefício
antecipado. Para selecionar o condenado apto, é indispensável que o julgador tenha
ferramentas para verificar qual está mais próximo do tempo de progressão". Explicitando
seu pensamento sobre a liberdade eletronicamente monitorada, aplicável tanto ao
regime aberto quanto ao semiaberto, o Relator esclarece que "melhor do que a pura e
simples prisão domiciliar, é a liberdade eletronicamente vigiada, ficando o sentenciado
obrigado a trabalhar e, se possível, estudar, recolhendo-se ao domicílio nos períodos
de folga". Depreende-se, portanto, que o relator do RE 641.320/RS somente considera
a utilização da prisão domiciliar pouco efetiva como alternativa à ausência de vagas no
regime adequado quando ela restringe totalmente o direito do executado de deixar a
residência, não permitindo, assim, o exercício de trabalho externo, ou quando, estando

97
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

o reeducando no regime aberto, a prisão domiciliar puder ser substituída pelo


cumprimento de penas alternativas e/ou estudo.

FIXAÇÃO DE REGIME DA PENA

Regime aberto não beneficia condenado reincidente, uma vez que esse regime pode
se tornar um incentivo à criminalidade, mais ainda em cidades menores, onde o furto
é, via de regra, perpetrado no mesmo estabelecimento.
HC 136385/SC, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ ac. Min. Alexandre de
Moraes, julgamento em 7.8.2018 (INFO 910)

Agente reincidente, condenado por furto simples (art. 155 caput) a um ano e quatro
meses de reclusão, regime inicial fechado. Defesa postula aplicação do regime aberto,
com base no princípio da insignificância, considerando que o objeto furtado foi apenas
uma garrafa de licor. A primeira turma, por maioria, concedeu HC para fixar o regime de
cumprimento de pena semiaberto. A reincidência delitiva do paciente, que praticou o
quinto furto em pequeno município, eleva a gravidade subjetiva de sua conduta, não
cabendo o regime aberto.

FUNCIONÁRIO PÚBLICO

O diretor de organização social pode ser considerado funcionário público por


equiparação para fins penais (art. 327, § 1º do CP). Isso porque as organizações
sociais que celebram contratos de gestão com o Poder Público devem ser
consideradas “entidades paraestatais”, nos termos do art. 327, § 1º do CP.
STF. 1ª Turma. HC 138484/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 11/9/2018 (Info
915).

FORO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO

A iminente prescrição do crime praticado por Desembargador excepciona o


entendimento consolidado na APn 937 - o foro por prerrogativa de função é restrito
a crimes cometidos ao tempo do exercício do cargo e que tenham relação com o cargo
- e prorroga a competência do Superior Tribunal de Justiça.
QO na APn 703-GO, Rel. Min. Benedito Gonçalves, por unanimidade, julgado em
01/08/2018, DJe 09/08/2018 INFO 630

Inicialmente cumpre salientar que o voto condutor do acórdão proferido pelo STF na QO
na APn 937 considerou que a cláusula constitucional que confere prerrogativa de foro a

98
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

agentes públicos deve ser compreendida à luz dos princípios constitucionais


estruturantes da igualdade e da República. Isto porque, tal como qualquer outro cidadão,
os agentes públicos devem responder comumente pela prática de delitos que não
guardem relação com o desempenho das funções inerentes ao cargo que ocupam.
Como o foro por prerrogativa de função é uma exceção ao princípio republicano,
concluiu o STF que ele deve ser interpretado restritivamente, de modo a funcionar como
instrumento para o livre exercício de certas funções públicas, mas não de modo a
acobertar agentes públicos da responsabilização por atos estranhos ao exercício de
suas funções. Na sessão de julgamento de 20/06/2018, a Corte Especial do Superior
Tribunal de Justiça finalizou o julgamento da Questão de Ordem na Ação Penal 857 e
efetuou o julgamento de Agravos Regimentais na Ação Penal 866, fixando o
entendimento de que as razões de decidir adotadas pelo STF no julgamento da QO na
AP 937 se impunham igualmente na interpretação da extensão da prerrogativa de foro
que a Constituição (art. 105, I, "a") confere aos Conselheiros de Tribunais de Contas e
aos Governadores. Na hipótese, situação em que o réu é Desembargador, em que,
como visto, a extensão da prerrogativa de foro é questão a ser ainda enfrentada pela
Corte Especial, e o cumprimento da pena pelo crime cometido pode restar prejudicado
pela iminente ocorrência da prescrição, o processamento da ação penal permanecerá
no Superior Tribunal de Justiça.

As hipóteses de foro por prerrogativa de função perante o STJ restringem-se àquelas


em que o crime for praticado em razão e durante o exercício do cargo ou função.
AgRg na APn 866-DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, por unanimidade, julgado em
20/06/2018, DJe 03/08/2018 INFO 630

Inicialmente cumpre salientar que, em atenção ao princípio ou à regra da Kompetenz-


Kompetenz, esta Corte superior deve exercer o controle da própria competência,
máxime em se tratando de ações originárias, porquanto atua, nesses casos, não como
corte de revisão ou de superposição, mas como primeiro julgador da causa. O caso em
tela limita-se a determinar, diante do enunciado normativo do art. 105, I, "a", da
Constituição Federal, qual é o sentido e o alcance que se lhe deve atribuir, isto é, qual
é, de acordo com a exegese sistemática e teleológica do ordenamento jurídico nacional,
a norma jurídica que se deve extrair do referido dispositivo constitucional. A Corte
Suprema, no julgamento na QO na AP 937, fixou o entendimento de que "o foro por
prerrogativa de função aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do
cargo e relacionados às funções desempenhadas", aplicando tal entendimento ao caso
então em análise, que se referia a Deputados Federais e Senadores. Impõe-se conferir
ao art. 105, I, "a", que trata da competência penal originária desta Corte Superior,
interpretação simétrica àquela conferida pelo Supremo Tribunal Federal, ao art. 102, I,
"b" e "c", sob pena de se quebrar a coerência, a integridade e a unidade da Constituição,
máxime tendo em vista que ubi eadem ratio, ibi eadem legis dispositio ("onde existe a
mesma razão fundamental, prevalece a mesma regra de direito"). Depreende-se de uma
simples leitura dos referidos dispositivos constitucionais que ambos possuem redação
simétrica, isto é, ambos estabelecem competências penais originárias, distinguindo-se,
tão somente, no que diz respeito aos sujeitos ali elencados. Ademais, fixada a tese
segundo a qual o foro por prerrogativa de função se aplica apenas aos crimes cometidos
durante o exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas, impende
assestar o marco temporal para fins de prorrogação da competência do STJ. Nesse
diapasão, o critério do fim da instrução processual, com a publicação do despacho de
intimação para apresentação de alegações finais, parece adequado como marco
temporal para a prorrogação da competência desta Corte superior para julgamento das
ações penais originárias, visto constituir referência temporal objetiva, privilegiando,

99
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

ainda, o princípio da identidade física do juiz, ao valorizar o contato do magistrado


julgador com as provas produzidas na ação penal.

Finalizada a instrução processual com a publicação do despacho de intimação para


serem apresentadas as alegações finais, mantém-se a competência do Supremo
Tribunal Federal (STF) para o julgamento de detentores de foro por prerrogativa de
função, ainda que referentemente a crimes não relacionados ao cargo ou função
desempenhada.
AP 962/DF, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto
Barroso, julgamento em 16.10.2018.

O Colegiado entendeu que, no caso em comento, toda a instrução processual penal


ocorrera no STF, tendo sido apresentadas as alegações finais pela acusação e pela
defesa. Uma das teses firmadas no julgamento da AP 937 foi precisamente a de que,
após a instrução criminal, a competência do Tribunal se prorroga.
No referido precedente, o Plenário firmou as seguintes teses: a) “O foro por prerrogativa
de função aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e
relacionados às funções desempenhadas”; e b) “Após o final da instrução processual,
com a publicação do despacho de intimação para apresentação de alegações finais, a
competência para processar e julgar ações penais não será mais afetada em razão de
o agente público vir a ocupar outro cargo ou deixar o cargo que ocupava, qualquer que
seja o motivo”. A tese “b” – preservação da competência após o final da instrução
processual – deve ser aplicada mesmo quando não for o caso de aplicação da tese “a”,
ou seja, preserva-se a competência do STF na hipótese em que tenha sido finalizada a
instrução processual, mesmo para o julgamento de acusados da prática de crime
cometido fora do período de exercício do cargo ou que não seja relacionado às funções
desempenhadas.

HABEAS CORPUS

Não se admite agravo regimental contra decisão do Ministro Relator que,


motivadamente, defere ou indefere liminar em habeas corpus.
STF. 2ª Turma. HC 157.604/RJ, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 4/9/2018 (Info
914).

INQUÉRITO

A pendência de investigação, por prazo irrazoável, sem amparo em suspeita


contundente, ofende o direito à razoável duração do processo [CF, art. 5º, LXXVIII (4)]
e a dignidade da pessoa humana [CF, art. 1º, III (5)].

100
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Inq 4420/DF, Segunda Turma. rel. Min. Gilmar Mendes, julgamento em 21.8.2018.
INFO 912

Investigava-se a prática do crime previsto no art. 350 (3) do Código Eleitoral (CE), em
razão da suposta omissão de doações na prestação de contas de campanha eleitoral.
A Procuradoria-Geral da República (PGR) pugnou pela declinação da competência à
Justiça Eleitoral.
No caso, após mais de um ano de investigação, não há nenhuma perspectiva de
obtenção de prova suficiente da existência do fato criminoso. Apuram-se pagamentos
em dinheiro em setembro de 2010. A versão dos colaboradores é de que o dinheiro teria
sido entregue em hotel na zona sul de São Paulo. Entretanto, o inquérito sequer
conseguiu localizar o estabelecimento no qual o pagamento teria ocorrido.
Assim, a declinação da competência em investigação fadada ao insucesso
representaria apenas protelar o inevitável, violados o direito à duração razoável do
processo e a dignidade da pessoa humana.

INTERROGATÓRIO

Nas ações penais originárias, o interrogatório deve ser o último ato da instrução.
Apesar de não haver uma alteração específica do art. 7º da Lei 8.038/1990, com base
no Código de Processo Penal, entende-se que o interrogatório é um ato de defesa,
mais bem exercido depois de toda a instrução, porque há possibilidade do
contraditório mais amplo.
AP 1027/DF, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luís Roberto
Barroso, julgamento em 2.10.2018. (INFO 918)

INTIMAÇÃO

Não há prejuízo ao réu, nem, consequentemente, incidência de nulidade insuperável,


a intimação realizada por meio de publicação da qual constava somente o nome por
extenso de advogado já falecido, acompanhado da expressão “e outros”, quando o
outro advogado constituído à época da referida intimação seguiu interpondo
recursos e quando a defesa não havia informado ao Tribunal acerca do falecimento
do advogado intimado, incidindo no art. 565 do Código de Processo Penal, que veda a
arguição de nulidade à parte que tenha lhe dado causa.
HC 138097/SP, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto
Barroso, julgamento em 23.10.2018. (INFO 921)

JÚRI

101
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Deve ser declarado nulo o júri em que membro do conselho de sentença afirma a
existência de crime em plena fala da acusação.
HC 436.241-SP, Sexta Turma, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, por
unanimidade, julgado em 19/06/2018, DJe 27/06/2018. INFO 630

Durante seção plenária de julgamento pelo tribunal do júri, houve, por parte de um dos
membros do conselho de sentença, expressa manifestação ouvida por todos e
repreendida pelo juiz, acerca do próprio mérito da acusação, pois afirmou que havia
"crime", durante a fala da acusação. Em tal hipótese, houve quebra da
incomunicabilidade dos jurados, o que, por expressa disposição legal, era causa de
dissolução do conselho de sentença e de imposição de multa ao jurado que cometeu a
falta. Veja-se que, afirmar um jurado que há crime, em plena argumentação do Ministério
Público, pode, sim, ter influenciado o ânimo dos demais e, pois, é de se reconhecer a
nulidade, como adverte a doutrina: "a quebra da incomunicabilidade não implica apenas
exclusão do jurado do conselho de sentença, mas a dissolução do conselho de
sentença, se for constatada durante o julgamento, ou a nulidade absoluta do julgamento,
caso somente seja constatada depois de encerrada a sessão."

Em caso de condenação pelo Tribunal do Júri, é possível a execução provisória da


pena mesmo antes de o Tribunal julgar a apelação interposta pela defesa?

1ª corrente: SIM. É possível a execução da condenação pelo Juiz Presidente do


Tribunal do Júri, independentemente do julgamento da apelação ou de qualquer
outro recurso, em face do princípio da soberania dos veredictos. Assim, nas
condenações pelo Tribunal do Júri não é necessário aguardar julgamento de recurso
em segundo grau de jurisdição para a execução da pena. STF. 1ª Turma. HC
140449/RJ, rel. orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto Barroso, julgado
em 6/11/2018 (Info 922). STF. 1ª Turma. HC 118770 ED, Redator do acórdão Min.
Roberto Barroso, julgado em 04/06/2018.

2ª corrente: NÃO Não é possível a execução provisória da pena em face de decisão do


júri sem que haja o exaurimento em grau recursal das instâncias ordinárias, sob pena
de macular o princípio constitucional da presunção de inocência. A execução
provisória da pena somente é admitida se o recurso pendente de julgamento não
tiver efeito suspensivo.
STF. 2ª Turma. HC 136223, Rel. Min. Dias Toffoli, Segunda Turma, julgado em
25/04/2017. STJ. 5ª Turma. HC 438088, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca,
julgado em 24/05/2018. STJ. Presidente Min. Laurita Vaz, em decisão monocrática no
HC 458.249, julgado em 12/07/2018.

Para a primeira corrente, essa possibilidade está alinhada com a lógica do precedente
firmado pelo STF no ARE 964.246, já que, também no caso de decisão do Júri, o
Tribunal, mesmo em apelação, não poderá reapreciar os fatos e provas, na medida em
que a responsabilidade penal do réu já foi assentada soberanamente pelo Tribunal
Popular.
Para a segunda corrente, o Plenário do Supremo Tribunal Federal, ao julgar o ARE
964.246, entendeu que o início da execução da pena condenatória após a confirmação
da sentença em segundo grau não ofende o princípio constitucional da presunção de
inocência, sendo permitida a prisão, entretanto, apenas após o esgotamento das
instâncias ordinárias.
Logo, não há o esgotamento da jurisdição nas instâncias ordinárias antes do julgamento
da apelação pelo Tribunal de 2ª instância.
102
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Se a condenação proferida pelo júri foi anulada pelo Tribunal em recurso exclusivo
da defesa, isso significa que deverá ser realizado um novo júri, mas, em caso de nova
condenação, a pena imposta neste segundo julgamento não poderá ser superior
àquela fixada na sentença do primeiro júri.
Em outras palavras, se apenas o réu recorreu contra a sentença que o condenou e o
Tribunal decidiu anular a sentença, determinando que outra seja prolatada, esta
nova sentença, se também for condenatória, não pode ter uma pena superior à que
foi aplicada na primeira. Isso é chamado de princípio da ne reformatio in pejus
indireta, que tem aplicação também no Tribunal do Júri. A soberania do veredicto dos
jurados (art. 5º, XXXVIII, “c”, da CF/88) não autoriza a reformatio in pejus indireta.
STF. 2ª Turma. HC 165376/SP, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 11/12/2018 (Info
927).

LEI DE DROGAS

Não configura crime a importação de pequena quantidade de sementes de maconha.


STF. 2ª Turma. HC 144161/SP, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 11/9/2018 (Info
915).

A Turma entendeu que a matéria-prima ou insumo deve ter condições e qualidades


químicas que permitam, mediante transformação ou adição, por exemplo, a produção
da droga ilícita. Não é esse o caso das sementes da planta cannabis sativa, as quais
não possuem a substância psicoativa THC.

Não é possível decretar a prisão preventiva, por razões genéricas, de réu primário
por porte de pequena quantidade de maconha.
HC 140379/RJ, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Roberto
Barroso, julgamento em 23.10.2018. (INFO 921)

O ministro Roberto Barroso considerou genéricas as razões da segregação cautelar do


réu, que é primário. Além disso, reconheceu como de pouca nocividade a substância
entorpecente apreendida (maconha). Reputou que a prisão de jovens pelo tráfico de
pequena quantidade de maconha é mais gravosa do que a eventual permanência em
liberdade, pois serão fatalmente cooptados ou contaminados por uma criminalidade
mais grave ao ingressarem no ambiente carcerário.

O porte de droga para consumo próprio, previsto no art. 28 da Lei nº 11.343/2006,


possui natureza jurídica de crime. O porte de droga para consumo próprio foi
somente despenalizado pela Lei nº 11.343/2006, mas não descriminalizado. Obs:
despenalizar é a medida que tem por objetivo afastar a pena como tradicionalmente

103
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

conhecemos, em especial a privativa de liberdade. Descriminalizar significa deixar


de considerar uma conduta como crime.
Mesmo sendo crime, o STJ entende que a condenação anterior pelo art. 28 da Lei nº
11.343/2006 (porte de droga para uso próprio) NÃO configura reincidência.
Argumento principal: se a contravenção penal, que é punível com pena de prisão
simples, não configura reincidência, mostra-se desproporcional utilizar o art. 28 da
LD para fins de reincidência, considerando que este delito é punido apenas com
“advertência”, “prestação de serviços à comunidade” e “medida educativa”, ou, seja,
sanções menos graves e nas quais não há qualquer possibilidade de conversão em
pena privativa de liberdade pelo descumprimento.
Há de se considerar, ainda, que a própria constitucionalidade do art. 28 da LD está
sendo fortemente questionada.
STJ. 5ª Turma. HC 453.437/SP, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, julgado em
04/10/2018. STJ. 6ª Turma. REsp 1672654/SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis
Moura, julgado em 21/08/2018 (Info 632).

O porte de droga para consumo próprio, previsto no art. 28 da Lei nº 11.343/2006,


possui natureza jurídica de crime.
O porte de droga para consumo próprio foi somente despenalizado pela Lei nº
11.343/2006, mas não descriminalizado.
Obs: despenalizar é a medida que tem por objetivo afastar a pena como
tradicionalmente conhecemos, em especial a privativa de liberdade. Descriminalizar
significa deixar de considerar uma conduta como crime.
Mesmo sendo crime, o STJ entende que a condenação anterior pelo art. 28 da Lei nº
11.343/2006 (porte de droga para uso próprio) NÃO configura reincidência.
Argumento principal: se a contravenção penal, que é punível com pena de prisão
simples, não configura reincidência, mostra-se desproporcional utilizar o art. 28 da
LD para fins de reincidência, considerando que este delito é punido apenas com
“advertência”, “prestação de serviços à comunidade” e “medida educativa”, ou seja,

104
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

sanções menos graves e nas quais não há qualquer possibilidade de conversão em


pena privativa de liberdade pelo descumprimento.
Há de se considerar, ainda, que a própria constitucionalidade do art. 28 da LD está
sendo fortemente questionada.
STJ. 5ª Turma. HC 453.437/SP, Rel. Min. Reynaldo Soares da Fonseca, julgado em
04/10/2018.
STJ. 6ª Turma. REsp 1672654/SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em
21/08/2018 (Info 632).

LEI MARIA DA PENHA

A prática de contravenção penal, no âmbito de violência doméstica, não é motivo


idôneo para justificar a prisão preventiva do réu. O inciso III do art. 313 do CPP prevê
que será admitida a decretação da prisão preventiva “se o CRIME envolver violência
doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa
com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência”.
Assim, a redação do inciso III do art. 313 do CPP fala em CRIME (não abarcando
contravenção penal). Logo, não há previsão legal que autorize a prisão preventiva
contra o autor de uma contravenção penal. Decretar a prisão preventiva nesta
hipótese representa ofensa ao princípio da legalidade estrita. STJ. 6ª Turma. HC
437.535-SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, Rel. Acd. Min. Rogerio Schietti
Cruz, julgado em 26/06/2018 (Info 632).

MEDIDA DE SEGURANÇA

É inconstitucional a manutenção em Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico


– estabelecimento penal – de pessoa com diagnóstico de doença psíquica que teve
extinta a punibilidade. Essa situação configura uma privação de liberdade sem pena.
STF. 2ª Turma. HC 151523/SP, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em 27/11/2018 (Info
925).

João foi denunciado pela prática de homicídio.


No curso do processo foi constatado que João era inimputável e, em razão disso, o juiz
proferiu sentença de absolvição imprópria, aplicando-lhe medida de segurança de
internação.
A defesa recorreu contra a sentença para o Tribunal de Justiça.
Apesar disso, João, por força de decisão cautelar proferida pelo juiz na sentença, já
iniciou o cumprimento da medida de segurança no hospital de custódia e tratamento
psiquiátrico (HCTP) enquanto aguarda o julgamento da apelação.
Dois anos depois, o TJ julga a apelação e reconhece que houve a prescrição da
pretensão punitiva, declarando a extinção da punibilidade.
Mesmo com a extinção da sentença, João continuou internado no hospital de custódia
sob o argumento de que se trata de pessoa perigosa. Houve, portanto, uma espécie de
interdição civil.

105
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Vale ressaltar, ainda, que constava dos autos um parecer psiquiátrico afirmando que
não há qualquer indicação médica para a internação do paciente em hospital
psiquiátrico, visto que “não há possibilidade de ‘cura’ para seus traços de personalidade
disfuncionais”.
Assim, o STF concluiu que a manutenção do paciente no HCTP é inconstitucional,
porque restringe uma garantia fundamental (a liberdade) pela via da interdição civil de
quem teve a punibilidade extinta e possui laudo psiquiátrico favorável à desinternação.

MULTA

O Ministério Público possui legitimidade para propor a cobrança de multa


decorrente de sentença penal condenatória transitada em julgado, com a
possibilidade subsidiária de cobrança pela Fazenda Pública. Quem executa a pena de
multa?
• Prioritariamente: o Ministério Público, na vara de execução penal, aplicando-se a
LEP.
• Caso o MP se mantenha inerte por mais de 90 dias após ser devidamente intimado:
a Fazenda Pública irá executar, na vara de execuções fiscais, aplicando-se a Lei nº
6.830/80.
STF. Plenário. ADI 3150/DF, Rel. para acórdão Min. Roberto Barroso, julgado em 12 e
13/12/2018 (Info 927). STF. Plenário. AP 470/MG, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado
em 12 e 13/12/2018 (Info 927).

Obs: a Súmula 521-STJ fica superada e deverá ser cancelada. Súmula 521-STJ: A
legitimidade para a execução fiscal de multa pendente de pagamento imposta em
sentença condenatória é exclusiva da Procuradoria da Fazenda Pública.

PETRECHOS PARA FALSIFICAÇÃO DE MOEDA

O art. 291 do Código Penal tipifica, entre outras condutas, a posse ou guarda de
maquinismo, aparelho, instrumento ou qualquer objeto especialmente destinado à
falsificação de moeda.
A expressão “especialmente destinado” não diz respeito a uma característica
intrínseca ou inerente do objeto. Se assim fosse, só o maquinário exclusivamente
voltado para a fabricação ou falsificação de moedas consubstanciaria o crime, o que
implicaria a absoluta inviabilidade de sua consumação (crime impossível), pois nem
mesmo o maquinário e insumos utilizados pela Casa de Moeda são direcionados
exclusivamente para a fabricação de moeda.
A dicção legal está relacionada ao uso que o agente pretende dar ao objeto, ou seja, a
consumação depende da análise do elemento subjetivo do tipo (dolo), de modo que,
se o agente detém a posse de impressora, ainda que manufaturada visando ao uso
doméstico, mas com o propósito de a utilizar precipuamente para contrafação de
moeda, incorre no referido crime.
STJ. 6ª Turma. REsp 1.758.958-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em
11/09/2018 (Info 633).

106
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

PRESCRIÇÃO

Nos crimes contra a ordem tributária, o prazo prescricional não corre enquanto
estiverem sendo cumpridas as condições do parcelamento do débito fiscal.
ARE 1037087 AgR/SP, Segunda Turma, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em
14.8.2018 (INFO 911)

Permitir que a prescrição siga seu curso normal durante o período de adesão voluntária
do contribuinte ao programa de recuperação fiscal serviria como estratégia do réu para
alcançar a impunidade.

PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA

As peculiaridades do caso concreto podem permitir a aplicação do princípio da


insignificância mesmo no caso de reincidência específica no crime de furto.
HC 141440 AgR/MG, Segunda Turma, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 14.8.2018.
(INFO 911).

Para o colegiado, como regra, a habitualidade delitiva específica é um parâmetro que


afasta a análise do valor do bem jurídico tutelado para fins de aplicação do princípio da
bagatela. Excepcionalmente, no entanto, as peculiaridades do caso concreto podem
justificar a exclusão dessa restrição, com base na ideia da proporcionalidade em sentido
concreto.
Essa é justamente a situação dos autos, de furto de um galo, quatro galinhas caipiras,
uma galinha garnizé e três quilos de feijão, bens avaliados em pouco mais de cem reais.
O valor dos bens é inexpressivo e não houve emprego de violência. Enfim, é caso de
mínima ofensividade, ausência de periculosidade social, reduzido grau de
reprovabilidade e inexpressividade da lesão jurídica.
Mesmo que conste em desfavor do paciente outra ação penal instaurada por igual
conduta, ainda em trâmite, a hipótese é de típico crime famélico.
A excepcionalidade também se justifica por se tratar de hipossuficiente. Não é razoável
que o Direito Penal e todo o aparelho do Estado-polícia e do Estado-juiz movimente-se
no sentido de atribuir relevância a estas situações.

Inaplicável o princípio da insignificância no crime de furto simples, ainda que


tentado. Contudo, possível substituição da pena privativa de liberdade por medida
restritiva de direito.
HC 137217/MG, Primeira Turma, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ ac. Min. Alexandre
de Moraes, julgamento em 28.8.2018. (INFO 913)

Em pequenas comunidades, a substituição da pena privativa de liberdade por medida


restritiva de direito, a permitir que as pessoas vejam onde está sendo cumprida, tem
valor simbólico e pedagógico maior do que a fixação do regime semiaberto ou aberto.

107
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

PRISÃO DOMICILIAR

Não é cabível a substituição da prisão preventiva pela domiciliar quando o crime é


praticado na própria residência da agente, onde convive com filhos menores de 12
anos.
HC 441.781-SC, Sexta Turma, Rel. Min. Nefi Cordeiro, por unanimidade, julgado em
12/06/2018, DJe 19/06/2018 (INFO 629)

(O crime em questão é o Tráfico de Drogas)


Cinge-se a controvérsia a analisar pedido de conversão de prisão preventiva em domiciliar
para que paciente possa cuidar de pessoa absolutamente incapaz. O Tribunal de origem, ao
analisar a questão, considerando o recente precedente do STF, no julgamento do HC n.
143.641, apresentou fundamento válido para afastar a substituição da prisão preventiva da
paciente por domiciliar, ao destacar laudo pericial do assistente social, no qual consta que a
paciente usava de sua própria residência para a prática delituosa. Assim, o local não apenas
se mostraria inadequado para os cuidados de um incapaz, como também remeteria à
conclusão de possibilidade de reiteração criminosa. Registra-se que a Quinta Turma já
entendeu que a substituição do encarceramento preventivo pelo domiciliar não resguarda
o interesse dos filhos menores de 12 anos de idade, quando o crime é praticado na própria
residência da agente, onde convive com os infantes.

PRISÃO PREVENTIVA

Para a decretação da prisão preventiva, o art. 312 do CPP exige a prova da existência
do crime. O decreto prisional é, portanto, ilegal se descreve a conduta do paciente de
forma genérica e imprecisa e não deixa claro, em nenhum momento, os delitos a ele
imputáveis e que justificariam a prisão preventiva. A liberdade de um indivíduo
suspeito da prática de infração penal somente pode sofrer restrições se houver
decisão judicial devidamente fundamentada, amparada em fatos concretos, e não
apenas em hipóteses ou conjecturas, na gravidade do crime ou em razão de seu
caráter hediondo. O juiz pode dispor de outras medidas cautelares de natureza
pessoal, diversas da prisão, e deve escolher aquela mais ajustada às peculiaridades
da espécie, de modo a tutelar o meio social, mas também dar, mesmo que
cautelarmente, resposta justa e proporcional ao mal supostamente causado pelo
acusado. No caso concreto, o STF entendeu que o perigo que a liberdade do paciente
representaria à ordem pública ou à aplicação da lei penal poderia ser mitigado por
medidas cautelares menos gravosas do que a prisão. Além disso, os fatos imputados
ao paciente ocorreram há alguns anos (2011 a 2014), não havendo razão para, agora
(2018), ser decretada a prisão preventiva. Diante disso, o STF substituiu a prisão
preventiva pelas medidas cautelares diversas de: a) comparecimento periódico em
juízo; b) proibição de manter contato com os demais investigados; c) entrega do
passaporte e proibição de deixar o País sem autorização do juízo.

108
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

STF. 2ª Turma. HC 157.604/RJ, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 4/9/2018 (Info
914).

A prática de contravenção penal, no âmbito de violência doméstica, não é motivo


idôneo para justificar a prisão preventiva do réu. O inciso III do art. 313 do CPP prevê
que será admitida a decretação da prisão preventiva “se o CRIME envolver violência
doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa
com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência”.
Assim, a redação do inciso III do art. 313 do CPP fala em CRIME (não abarcando
contravenção penal). Logo, não há previsão legal que autorize a prisão preventiva
contra o autor de uma contravenção penal. Decretar a prisão preventiva, nesta
hipótese, representa ofensa ao princípio da legalidade estrita.
STJ. 6ª Turma. HC 437.535-SP, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, Rel. Acd. Min.
Rogerio Schietti Cruz, julgado em 26/06/2018 (Info 632).

PROVAS

Os dados do contribuinte que a Receita Federal obteve das instituições bancárias


mediante requisição direta (sem intervenção do Poder Judiciário, com base nos arts.
5º e 6º da LC 105/2001), podem ser compartilhados, também sem autorização
judicial, com o Ministério Público, para serem utilizados como prova emprestada no
processo penal. Isso porque o STF decidiu que são constitucionais os arts. 5º e 6º da
LC 105/2001, que permitem o acesso direto da Receita Federal à movimentação
financeira dos contribuintes (RE 601314/SP, Rel. Min. Edson Fachin, julgado em
24/2/2016. Info 815). Este entendimento do STF deve ser estendido também para a
esfera criminal. É lícito o compartilhamento promovido pela Receita Federal dos
dados bancários por ela obtidos a partir de permissivo legal, com a Polícia e com o
Ministério Público, ao término do procedimento administrativo fiscal, quando
verificada a prática, em tese, de infração penal.
STF. 1ª Turma. RE 1043002 AgR, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 01/12/2017.
STF. 2ª Turma. RHC 121429/SP, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 19/4/2016 (Info
822).
STJ. 5ª Turma. AgRg no REsp 1.601.127-SP, Rel. Min. Ribeiro Dantas, Rel. Acd. Min.
Felix Fischer, julgado em 20/09/2018 (Info 634).
STJ. 6ª Turma. HC 422.473-SP, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em
20/03/2018 (Info 623).

RACISMO

O então Deputado Federal Jair Bolsonaro proferiu palestra no auditório de


determinado clube e ali fez críticas e comentários negativos a respeito dos
quilombolas e de povos estrangeiros. No trecho mais questionado de sua palestra, ele
afirmou: “Eu fui em um quilombola em El Dourado Paulista. Olha, o afrodescendente
mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador
eles servem mais. Mais de um bilhão de reais por ano gastado com eles. Recebem
cesta básica e mais material em implementos agrícolas. Você vai em El Dourado
Paulista, você compra arame farpado, você compra enxada, pá, picareta por metade

109
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

do preço vendido em outra cidade vizinha. Por que? Porque eles revendem tudo
baratinho lá. Não querem nada com nada.” O STF entendeu que a conduta de
Bolsonaro não configurou o crime de racismo (art. 20 da Lei nº 7.716/89). As palavras
por ele proferidas estão dentro da liberdade de expressão prevista no art. 5º, IV, da
CF/88, além de também estarem cobertas pela imunidade parlamentar (art. 53 da
CF/88). O objetivo de seu discurso não foi o de repressão, dominação, supressão ou
eliminação dos quilombolas ou dos estrangeiros. O pronunciamento do parlamentar
estava vinculado ao contexto de demarcação e proveito econômico das terras e
configuram manifestação política que não extrapola os limites da liberdade de
expressão. Além disso, as manifestações de Bolsonaro estavam relacionadas com a
sua função de parlamentar. Inclusive, o convite para a palestra se deu em razão do
exercício do cargo de Deputado Federal a fim de dar a sua visão geopolítica e
econômica do País. Assim, havia uma vinculação das manifestações apresentadas na
palestra com os seu pronunciamentos na Câmara dos Deputados, de sorte que incide
a imunidade parlamentar.
STF. 1ª Turma. Inq 4694/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 11/9/2018 (Info
915).

RECURSOS

Não caracteriza reformatio in pejus a decisão de tribunal de justiça que, ao julgar


recurso de apelação exclusivo da defesa, mantém a reprimenda aplicada pelo
magistrado de primeiro grau, porém com fundamentos diversos daqueles adotados
na sentença. Não viola o princípio da proibição da reformatio in pejus a reavaliação
das circunstâncias judiciais em recurso de apelação penal, no âmbito do efeito
devolutivo, desde que essa não incorra em aumento de pena. Não há falar em
reformatio in pejus se os motivos expendidos pelo julgador em sede de apelação
exclusiva da defesa não representaram advento de situação mais gravosa para o réu.
STF. 1ª Turma. RHC 119149/RS, Rel. Min. Dias Toffoli, julgado em 10/2/2015 (Info
774). STF. 1ª Turma. HC 126457/PA, Rel. orig. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min.
Alexandre de Moraes, julgado em 6/11/2018 (Info 922). Esse é também o
entendimento do STJ: STJ. 5ª Turma. HC 330.170/RS, Rel. Min. Ribeiro Dantas, julgado
em 20/09/2016.

Elton foi condenado pela prática de roubo majorado.


Na 1ª fase da dosimetria, o juiz fixou a pena-base em 6 anos e 6 meses.
Para o magistrado, existem três circunstâncias judiciais que devem ser valoradas
negativamente:
• a culpabilidade
• os antecedentes criminais e
• as consequências do delito.
O MP não recorreu.
A defesa, por seu turno, interpôs apelação alegando, dentre outros argumentos, que a
dosimetria feita pelo juiz foi errada.
O Tribunal de Justiça concordou em parte com a defesa e disse o seguinte:
• culpabilidade: o juiz acertou e deve realmente ser valorada negativamente.
• antecedentes: o juiz errou. Isso porque ele não poderia ter considerado como maus
antecedentes uma condenação que ainda não transitou em jugado. Logo, essa
consideração negativa deverá ser excluída.

110
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

• consequências do delito: o juiz acertou e deve ser mantida.


O Tribunal considerou também que as circunstâncias do crime, apesar de o juiz não ter
dito nada, deveriam ser reputadas negativas.
Desse modo, o Tribunal falou o seguinte: olha, eu vou retirar os antecedentes como uma
circunstância negativa. Em compensação, eu estou incluindo uma nova como negativa,
qual seja, as consequências do crime.
Diante disso, como continuam três circunstâncias negativas, mantenho a pena-base em
6 anos e 6 meses de reclusão.

SENTENÇA

É nula a sentença proferida de forma oral e degravada parcialmente sem o registro


das razões de decidir.
Nas alterações promovidas pela Lei nº 11.719/2008 no art. 405 do CPP, não se
estabeleceu a possibilidade de se dispensar a transcrição de sentença penal
registrada por meio audiovisual.
Ao contrário, manteve-se o art. 388 do CPP, que prevê a possibilidade da sentença
“ser datilografada”, admitindo-se, na atualidade, a utilização de outros meios
tecnológicos similares, como por exemplo o computador, para o seu registro escrito.
Daí a inaplicabilidade do disposto no art. 405, §§ 1º e 2º, do CPP - que permite a
dispensa de transcrição de depoimentos - à sentença penal.
STJ. 5ª Turma. HC 336.112/SC, Rel. Min. Ribeiro Dantas, julgado em 24/10/2017.
STJ. 6ª Turma. HC 470.034-SC, Rel. Min. Laurita Vaz, julgado em 09/10/2018 (Info
638).

SUSTENTAÇÃO ORAL

A sustentação oral do representante do Ministério Público que diverge do parecer


juntado ao processo, com posterior ratificação, não viola a ampla defesa. STF. 1ª
Turma. HC 140780/DF, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 30/10/2018 (Info 922).

TORTURA

Somente pode ser agente ativo do crime de tortura-castigo (art. 1º, II, da Lei nº
9.455/97) aquele que detiver outra pessoa sob sua guarda, poder ou autoridade
(crime próprio).
STJ. 6ª Turma. REsp 1.738.264-DF, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, julgado em
23/08/2018 (Info 633

TRIBUNAL DO JURI

111
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

É possível a pronúncia do acusado baseada exclusivamente em elementos


informativos obtidos na fase inquisitorial?
• NÃO. Haverá violação ao art. 155 do CPP. Além disso, muito embora a análise
aprofundada seja feita somente pelo Júri, não se pode admitir, em um Estado
Democrático de Direito, a pronúncia sem qualquer lastro probatório colhido sob o
contraditório judicial, fundada exclusivamente em elementos informativos obtidos
na fase inquisitorial.
STJ. 5ª Turma. AgRg no REsp 1.740.921-GO, Rel. Min. Ribeiro Dantas, julgado em
06/11/2018 (Info 638).
STJ. 6ª Turma. HC 341.072/RS, Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em
19/4/2016.

• SIM. É possível admitir a pronúncia do acusado com base em indícios derivados do


inquérito policial, sem que isso represente afronta ao art. 155. Embora a vedação
imposta no art. 155 se aplique a qualquer procedimento penal, inclusive dos do Júri,
não se pode perder de vista o objetivo da decisão de pronúncia não é o de condenar,
mas apenas o de encerrar o juízo de admissibilidade da acusação (iudicium
accusationis). Na pronúncia opera o princípio in dubio pro societate, porque é a favor
da sociedade que se resolvem as dúvidas quanto à prova, pelo Juízo natural da causa.
Constitui a pronúncia, portanto, juízo fundado de suspeita, que apenas e tão somente
admite a acusação. Não profere juízo de certeza, necessário para a condenação,
motivo pelo qual a vedação expressa do art. 155 do CPP não se aplica à referida
decisão.
STJ. 5ª Turma. HC 435.977/RS, Rel. Min. Felix Fischer, julgado em 15/05/2018.
STJ. 6ª Turma. REsp 1458386/PA, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em
04/10/2018.
Obs: prevalece, no STJ, a segunda posição, ou seja, de que é possível a pronúncia.

ECA – CRIANÇA E ADOLESCENTE

DEFENSORIA PÚBLICA

A Defensoria Pública pode ter acesso aos autos de procedimento verificatório


instaurado para inspeção judicial e atividade correicional de unidade de execução de
medidas socioeducativas.
RMS 52.271-SP, Sexta Turma, Rel. Min. Nefi Cordeiro, por unanimidade, julgado em
19/06/2018, DJe 29/06/2018 (INFO 629)

A Lei Complementar n. 80/1994, ao estabelecer os objetivos da Defensoria Pública, elenca,


dentre outros, a primazia da dignidade da pessoa humana e a prevalência e efetividade dos
direitos humanos e, para tanto, indica, como função institucional, a promoção da difusão e
da conscientização dos direitos humanos, da cidadania e do ordenamento jurídico, além da
prestação de orientação jurídica e defesa dos necessitados, e, especificamente quanto ao
tema em debate, o exercício da defesa dos interesses individuais e coletivos da criança e do
adolescente. Nessa linha, a despeito de a legislação não incluir, no rol de competências da

112
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Instituição, a atribuição para fiscalizar as unidades de internação, estabelece,


expressamente, a função de atuar na preservação e na reparação dos direitos de pessoas
vítimas de violência e opressão, do que decorre ser imperioso o acesso a informações de
registros de eventuais ocorrências que possam ensejar a sua atuação. O art. 128 da LC n.
80/94 elenca como prerrogativa dos membros da Defensoria Pública dos Estados, ter vista
pessoal dos processos fora dos cartórios e secretarias, ressalvadas as vedações legais, e
examinar, em qualquer repartição pública, autos de flagrantes, inquéritos e processos,
assegurada a obtenção de cópias e podendo tomar apontamentos. Assim, na ausência de
vedação legal, não há falar em impedimento de acesso da Defensoria Pública aos autos de
procedimento verificatório instaurado para inspeção judicial e atividade correicional de
unidade de execução de medidas socioeducativas, após relatos e denúncias de agressões
sofridas pelos adolescentes internados e de outras irregularidades no processo
ressocializador.

INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS

O art. 249 do ECA prevê, como infração administrativa:


Art. 249. Descumprir, dolosa ou culposamente, os deveres inerentes ao poder
familiar ou decorrente de tutela ou guarda, bem assim determinação da autoridade
judiciária ou Conselho Tutelar:
Pena - multa de três a vinte salários de referência, aplicando-se o dobro em caso de
reincidência.
Até se admite que, por meio de decisão judicial fundamentada, o magistrado deixe de
aplicar a sanção pecuniária do art. 249 e, em seu lugar, faça incidir outras medidas
mais adequadas e eficazes para a situação específica.
No entanto, a hipossuficiência financeira ou a vulnerabilidade familiar não é
suficiente, por si só, para afastar a multa prevista no art. 249 do ECA.
STJ. 3ª Turma. REsp 1.658.508-RJ, Rel. Min. Nancy Andrighi, julgado em 23/10/2018
(Info 636).

MAIORIDADE

A superveniência da maioridade penal não interfere na apuração de ato infracional


nem na aplicabilidade de medida socioeducativa em curso, inclusive na liberdade
assistida, enquanto não atingida a idade de 21 anos.
REsp 1.705.149-RJ, Rel. Min. Sebastião Reis Júnior, Terceira Seção, por unanimidade,
julgado em 13/06/2018, DJe 13/08/2018 (Tema 992)

De início, note-se que a partir do momento em que foi sancionado o Estatuto da Criança
e do Adolescente, observou-se um período intermediário, compreendido entre os 18 e
os 21 anos, no qual se poderia ter um indivíduo considerado relativamente incapaz para
a prática dos atos da vida civil, porém, sob o aspecto criminal, seria capaz. Daí exsurge
a premissa de o legislador ter previsto no parágrafo único do art. 2º da Lei n. 8.069/1990,
que, nos casos expressos em lei, aplicar-se-iam as normas previstas no ECA, também,
às pessoas entre 18 e 21 anos. Ainda que inexistente norma expressa no sentido da
extinção da medida socioeducativa pelo implemento da maioridade civil, é inegável que

113
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

a inserção desta excepcionalidade de aplicação do ECA para além dos 18 anos - e da


qual nos valemos para impor a execução das medidas de semiliberdade e internação
até os 21 anos, se o caso - deu-se ante a iminente necessidade de, à época, se ampliar
a proteção integral prevista na Lei n. 8.069/1990, para até o atingimento da maioridade
civil, mesmo que, nessa faixa etária, o agente não pudesse mais ser considerado
criança e nem sequer adolescente. Sobre o tema, este Superior Tribunal considera que,
nos termos da interpretação do art. 121, § 5º, da Lei n. 8.069/1990, para sujeitar o
adolescente às medidas socioeducativas, [...] deve ser considerada a inimputabilidade
penal à data do fato. Diante disso, esta Corte assentou o entendimento segundo o qual
a superveniência de maioridade relativa (período entre 18 e 21 anos) não tem o condão
de extinguir a medida socioeducativa, a qual ocorrerá apenas com a liberação
compulsória do menor, aos 21 anos de idade [...] (HC n. 352.662/RJ, Ministro Reynaldo
Soares da Fonseca, Quinta Turma, DJe 24/2/2017). Nesses termos é que foi editada,
pela Terceira Seção deste Superior Tribunal, a Súmula 605/STJ: A superveniência da
maioridade penal não interfere na apuração de ato infracional nem na aplicabilidade de
medida socioeducativa em curso, inclusive na liberdade assistida, enquanto não
atingida a idade de 21 anos.

DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL MILITAR

CONCUSSÃO

A aplicação da agravante genérica prevista no art. 70, II, "l", do Código Penal Militar
não configura bis in idem pelo crime de concussão, quando praticados por militar em
serviço.
EREsp 1.417.380-RJ, Terceira Seção, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, por unanimidade,
julgado em 08/08/2018, DJe 14/08/2018. INFO 631

A agravante genérica prevista no art. 70, II, "l", do Código Penal Militar ("estando de
serviço") não é ínsita ao tipo penal que prevê o crime de concussão. O referido delito,
como se infere da descrição típica, configura-se mediante a conduta do agente (militar
ou assemelhado, nos termos do art. 21 do CPM) que exige, direta ou indiretamente, na
função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida. A perfeita
adequação típica exige que a conduta contenha três características centrais: a) a
exigência feita pelo agente (direta ou indiretamente); b) a conduta intimidatória (em
razão da função exercida ou a exercer pelo agente) e c) o objetivo de obter vantagem
indevida. Note-se que para a configuração do referido delito, cuidou o legislador de
explicitar que ele ocorre ainda que o agente esteja fora da função ou até antes de a
assumir. Tal cuidado traduz a ideia de que o crime pode se configurar mesmo que a
exigência seja feita por agente que ainda não tenha, por questões circunstanciais, a
atribuição de praticar o ato que ensejou à intimidação da vítima (uma espécie de ameaça
114
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

explícita ou implícita de represálias). A concepção de função, nessa perspectiva, ganha


contornos ligados ao cargo exercido (ou a exercer) pelo agente ou mesmo à qualidade
que esse cargo ostenta, isto é, à autoridade que dele decorre na administração militar.
Entretanto, a agravante genérica do art. 70, II, "l", do CPM ("estando de serviço"), diz
respeito ao efetivo desempenho das atividades relacionadas com a função militar, assim
como daquelas atividades referentes ao cumprimento de ordens emanadas de
autoridade competente ou de disposições regulamentares inerentes à rotina militar.
Assim, a expressão "em serviço", que não deve ser confundida com situação de
expediente regulamentar, insere-se na hipótese de militar submetido à designação de
tarefas não compreendidas dentro do expediente normal, mas prestadas em escala
especial. Como assinala a doutrina, "quando a lei menciona o militar de serviço, está se
referindo àquele que cumpre serviço de escala ou ao militar que consta no 'detalhe de
serviço'". Logo, não há óbices para que nos crimes de concussão, quando praticados
em serviço, seja aplicada a agravante genérica prevista no art. 70, II, "l", do CPM
("estando de serviço"), isto é, não há ocorrência de bis in idem, porquanto a ideia de
exigir vantagem indevida em razão da função não tem correlação com o fato de o militar
estar em serviço (em escala especial).

DIREITO INTERNACIONAL

EXTRADIÇÃO

O estrangeiro que estava no Brasil e foi extraditado para outro país somente pode ser
julgado ou cumprir pena no estrangeiro pelo crime contido no pedido de extradição.
Se o extraditando havia cometido outro crime antes do pedido de extradição, não
poderá, em regra, responder por tais delitos se não constou expressamente no pedido
de extradição. A isso se dá o nome de “princípio da especialidade”. Ex.: a Alemanha
pediu ao Brasil a extradição do alemão mencionando o crime 1; logo, em regra, o réu
somente poderá responder por este delito; se havia um crime 2, praticado antes do
pedido de extradição, o governo brasileiro deveria ter mencionado expressamente
não apenas o crime 1, como também o 2. Para que o réu responda pelo crime 2, o
governo alemão deverá formular ao Estado estrangeiro um pedido de extensão da
autorização da extradição. Isso é chamado de “extradição supletiva”. No caso
concreto, o STF autorizou o pedido de extensão. É possível o pedido de extensão ou
de ampliação nas hipóteses em que já deferida a extradição, desde que observadas as
formalidades em respeito ao direito do súdito estrangeiro (dupla tipicidade,
inexistência de prescrição e demais requisitos).

STF. 1ª Turma. Ext 1363 Extn/DF, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgado em
4/12/2018 (Info 926).

115
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO AMBIENTAL

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

É inconstitucional lei estadual prevendo que é possível a supressão de vegetal em


Área de Preservação Permanente (APP) para a realização de “pequenas construções
com área máxima de 190 metros quadrados, utilizadas exclusivamente para lazer”.
Essa lei possui vícios de inconstitucionalidade formal e material.
Há inconstitucionalidade formal porque o Código Florestal (lei federal que prevê as
normas gerais sobre o tema, nos termos do art. 24, § 1º, da CF/88) não permite a
instalação em APP de qualquer tipo de edificação com finalidade meramente
recreativa.
Existe também inconstitucionalidade material porque houve um excesso e abuso da
lei estadual ao relativizar a proteção constitucional ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado, cujo titular é a coletividade, em face do direito de lazer
individual.
STF. Plenário. ADI 4988/TO, Rel. Min. Alexandre de Moraes, julgado em 19/9/2018
(Info 916).

ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS

A competência para legislar sobre as atividades que envolvam organismos


geneticamente modificados (OGM) é concorrente (art. 24, V, VIII e XII, da CF/88). No
âmbito das competências concorrentes, cabe à União estabelecer normas gerais e aos
Estados-membros editar leis para suplementar essas normas gerais (art. 24, §§ 1º e
2º). Determinado Estado-membro editou lei estabelecendo que toda e qualquer
atividade relacionada com os OGMs naquele Estado deveria observar “estritamente à
legislação federal específica”. O STF entendeu que essa lei estadual é inconstitucional
porque significou uma verdadeira “renúncia” ao exercício da competência legislativa
concorrente prevista no art. 24, V, VIII e XII, da CF/88. Em outras palavras, o Estado
abriu mão de sua competência suplementar prevista no art. 24, § 2º da CF/88. Essa
norma estadual remissiva fragiliza a estrutura federativa descentralizada, e consagra
o monopólio da União, sem atentar para nuances locais.
STF. Plenário. ADI 2303/RS, Rel. Min. Marco Aurélio, julgado em 5/9/2018 (Info 914).

116
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO ELEITORAL

BIOMETRIA

É válido o cancelamento do título do eleitor que, convocado por edital, não


comparecer ao processo de revisão eleitoral, em virtude do que dispõe o art. 14,
caput, e § 1º (1) da Constituição Federal de 1988 (CF).
ADPF 541 MC/DF, Plenário, rel. Min. Roberto Barroso, julgamento em 26.9.2018.
(ADPF-541) (INFO 917)

O ministro assinalou que o alistamento eleitoral e a revisão periódica são indispensáveis


ao exercício do direito de voto — componente essencial da democracia representativa
— de maneira ordenada e segura. A Constituição exige o prévio alistamento a fim de
garantir que esse exercício se dê de forma legítima pelo eleitor em idade de voto,
adequadamente identificado e sem pluralidade de inscrição. A providência garante o
voto seguro e igual para todos.
A revisão eleitoral se destina a manter a integridade e a atualização do alistamento.
Ambos possuem idêntico propósito e geram as mesmas limitações constitucionais. Se
é válido condicionar o exercício do voto ao alistamento, é válido condicioná-lo à
apresentação do título à revisão.
O procedimento de revisão e de cadastramento biométrico obrigatório é acompanhado
pelo Ministério Público e pelos partidos políticos. O fato de alguém não comparecer à
biometria não resulta automaticamente na perda do título.
O funcionamento da revisão e a possibilidade de se cancelar o título baseiam-se em lei.
Eventuais cancelamentos são objetos de sentença eleitoral, comportam recurso e
permitem a regularização do eleitor a tempo de participar da eleição. Desse modo, a
legislação e o tratamento normativo secundário dado à matéria, em abstrato, são regras
razoáveis, proporcionais e necessárias, compatíveis com a Constituição.
Com lastro constitucional e legal e sem existir vício na sua concretização, não há ofensa
à democracia, à soberania popular, à cidadania ou ao direito de voto em decorrência do
cancelamento do título do eleitor que não comparece à revisão.
Ademais, não é legítimo o argumento de violação à igualdade. Tal como o alistamento,
a revisão eleitoral é exigida de todos, sem exceção nem discriminação.
O relator ponderou inexistir ofensa à proporcionalidade. A medida é adequada e
necessária, não havendo meio substitutivo com eficácia equivalente, tampouco
fundamento para se afirmar que o benefício de se evitarem fraudes e outros
comprometimentos à regularidade do voto é menos importante do que a participação
dos que não atenderam ao chamado da Justiça Eleitoral.

FUNDO PARTIDÁRIO

O Plenário, por maioria, modulou os efeitos temporais da decisão proferida em ação


direta de inconstitucionalidade em que se discutiu sobre a distribuição de recursos do
Fundo Partidário destinados ao financiamento das campanhas eleitorais voltadas a

117
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

candidaturas de mulheres para: exclusivamente em relação à declaração de


inconstitucionalidade por arrastamento dos §§ 5º-A e 7º do art. 44 (1) da Lei 9.096/1995,
acrescidos pela Lei 13.165/2015, assegurar que os recursos financeiros de anos
anteriores acumulados nas contas específicas de que cuidam esses dispositivos sejam
adicionalmente transferidos para as contas individuais das candidatas no financiamento
de suas campanhas eleitorais no pleito geral de 2018, sem que haja a redução de 30%
do montante do fundo alocado a cada partido para as candidaturas femininas.
A referida ação direta de inconstitucionalidade foi julgada procedente, por maioria, para:
a) declarar a inconstitucionalidade da expressão “três”, contida no art. 9º da Lei
13.165/2015 (2), eliminando o limite temporal até agora fixado; b) dar interpretação
conforme a Constituição ao art. 9º da Lei 13.165/2015 de modo a equiparar o patamar
legal mínimo de candidaturas femininas (hoje o do art. 10, § 3º, da Lei 9.504/1997, isto
é, ao menos 30% de cidadãs), ao mínimo de recursos do Fundo Partidário a lhes serem
destinados, que deve ser interpretado como também de 30% do montante do Fundo
alocado a cada partido, para as eleições majoritárias e proporcionais, e fixar que,
havendo percentual mais elevado de candidaturas femininas, o mínimo de recursos
globais do partido destinados a campanhas lhe seja alocado na mesma proporção; e c)
declarar a inconstitucionalidade, por arrastamento, dos §§ 5º-A e 7º do art. 44 da Lei
9.096/1995 (Informativo 894).
A Mesa da Câmara dos Deputados opôs embargos de declaração contra esse acórdão.
Buscou a modulação dos seus efeitos na parte relativa à declaração de
inconstitucionalidade dos §§ 5º-A e 7º do art. 44 da Lei 9.096/1995.
O Plenário, por maioria, não conheceu dos embargos de declaração, por
extemporaneidade, mas admitiu, tendo em vista o disposto no art. 27 (3) da Lei
9.868/1999, a análise da modulação de efeitos (Informativo 917). Considerou que a
modulação permite a mais ampla participação das mulheres nas campanhas eleitorais,
com destinação integral dos recursos para as campanhas femininas.
ADI 5617 ED/DF, Plenário, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 2.10.2018. INFO 918

INELEGIBILIDADE

A vedação ao exercício de três mandatos consecutivos de prefeito pelo mesmo núcleo


familiar aplica-se na hipótese em que tenha havido a convocação do segundo
colocado nas eleições para o exercício de mandato-tampão.
RE 1128439/RN, Segunda Turma, rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 23.10.2018.

No caso, o cunhado do ora recorrente obteve o segundo lugar nas eleições municipais
de 2008 para o cargo de prefeito, mas acabou assumindo a função de forma definitiva
em 2009, em decorrência de decisão da Justiça Eleitoral que cassou o mandato do
primeiro colocado. Posteriormente, o recorrente disputou as eleições municipais em
2012, ocasião em que foi eleito, pela primeira vez, para o mandato de prefeito.
Entretanto, ao se candidatar à eleição seguinte para o mesmo cargo, sua candidatura
foi impugnada ante o reconhecimento do exercício, pela terceira vez consecutiva, por
integrante do mesmo núcleo familiar, da chefia do Poder Executivo local, em ofensa ao
que disposto no art. 14, §§ 5º e 7º (1), da Constituição Federal.
A Turma afirmou que o Poder Constituinte se revelou hostil a práticas ilegítimas que
denotem o abuso de poder econômico ou que caracterizem o exercício distorcido do
poder político-administrativo.
Com o objetivo de proteger a normalidade e a legitimidade das eleições contra a
influência do poder econômico ou o abuso do exercício de função pública, foram

118
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

definidas situações de inelegibilidade destinadas a obstar, entre outras hipóteses, a


formação de grupos hegemônicos que, ao monopolizarem o acesso aos mandatos
eletivos, virtualmente patrimonializam o poder governamental, convertendo-o em
verdadeira res doméstica.
As formações oligárquicas constituem grave deformação do processo democrático.
Nessa medida, a busca do poder não pode limitar-se à esfera reservada de grupos
privados, sob pena de frustrar-se o princípio do acesso universal às instâncias
governamentais. Legitimar o controle monopolístico do poder por núcleos de pessoas
unidas por vínculos de ordem familiar equivale a ensejar, em última análise, o domínio
do próprio Estado por grupos privados. A patrimonialização do poder revela
inquestionável anomalia a que o Supremo Tribunal Federal não pode permanecer
indiferente, pois a consagração de práticas hegemônicas na esfera institucional do
poder político conduzirá o processo de governo a verdadeiro retrocesso histórico, o que
constituirá situação inaceitável.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

São inconstitucionais os atos judiciais ou administrativos que determinem ou


promovam:
• o ingresso de agentes públicos em universidades públicas e privadas;
• o recolhimento de documentos (ex: panfletos);
• a interrupção de aulas, debates ou manifestações de docentes e discentes
universitários;
• a realização de atividade disciplinar docente e discente e a coleta irregular de
depoimentos desses cidadãos pela prática de manifestação livre de ideias e
divulgação do pensamento nos ambientes universitários ou em equipamentos sob a
administração de universidades públicas e privadas.
STF. Plenário. ADPF 548 MC-Ref/DF, Rel. Min. Cármen Lúcia, julgado em 31/10/2018
(Info 922).

DIREITO REGISTRAL

REGIME JURÍDICO

Incide o teto remuneratório constitucional aos substitutos interinos de serventias


extrajudiciais. STF. 2ª Turma. MS 29.039/DF, Rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em
13/11/2018 (Info 923).

119
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

DIREITO DO TRABALHO E PROCESSUAL DO TRABALHO

AÇÃO RESCISÓRIA

É constitucional a fixação de depósito prévio como condição de procedibilidade de


ação rescisória. Esse depósito prévio, correspondente a 20% do valor da causa, é
previsto no art. 836 da CLT, com redação dada pela Lei nº 11.495/2007. O depósito
prévio para ajuizamento da ação rescisória é razoável e visa desestimular ações
temerárias.
STF. Plenário. ADI 3995/DF, Rel. Min. Roberto Barroso, julgado em 13/12/2018 (Info
927).

O depósito de 20% do valor da causa para ajuizamento da ação rescisória é razoável e


visa desestimular ações temerárias.
Conforme explicou o Min. Roberto Barroso, o caso não é de acesso à justiça, mas de
“reacesso à justiça”, porque diz respeito a quem já litigou em todos os níveis, perdeu a
demanda por decisão transitada em julgado “e quer, uma vez mais, mobilizar o aparato
judiciário”. Assim, o Ministro considerou que o depósito de 20% é bastante razoável para
“desestimular ações temerárias”.

COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA

Contraria a CF a interpretação do art. 625-D e parágrafos que reconheça a submissão


da pretensão à Comissão de Conciliação Prévia como requisito para ajuizamento de
reclamação trabalhista. (ADI 2139/DF, ADI 2160/DF e ADI 2237/DF, j. em 1/8/2018,
INFO 909)

A Comissão de Conciliação Prévia constitui meio legítimo, mas não obrigatório, de


solução de conflitos, resguardado o acesso à Justiça para os que venham a ajuizar
demandas diretamente no órgão judiciário competente.

Em obediência ao inciso XXXV (4) do art. 5º da Constituição Federal (CF), é


desnecessário prévio cumprimento de requisitos desproporcionais, procrastinatórios ou
inviabilizadores para a submissão de pleito ao órgão judiciário. Não cabe à legislação
infraconstitucional expandir o rol de exceções ao direito de acesso ao Judiciário.

Essa compreensão, contudo, não exclui a idoneidade do subsistema de


autocomposição previsto nos preceitos, apto a buscar a pacificação social. A

120
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

legitimidade do referido meio alternativo de resolução de conflitos baseia-se na


consensualidade, importante instrumento de acesso à ordem jurídica justa.

Interpretação conforme à Constituição do art. 625-D, §§ 1º a 4º da CLT.

No que toca ao art. 625-E, parágrafo único, da CLT, este deve ser interpretado no
sentido de que a “eficácia liberatória geral” do termo neles contido está relacionada
ao que foi objeto da conciliação. Diz respeito aos valores discutidos e não se
transmuta em quitação geral e indiscriminada de verbas trabalhistas. (ADI 2139/DF,
ADI 2160/DF e ADI 2237/DF, j. em 1/8/2018, INFO 909)

“Art. 625-E. Aceita a conciliação, será lavrado termo assinado pelo empregado, pelo
empregador ou seu proposto e pelos membros da Comissão, fornecendo-se cópia às
partes. Parágrafo único. O termo de conciliação é título executivo extrajudicial e terá
eficácia liberatória geral, exceto quanto às parcelas expressamente ressalvadas.”
(Incluídos pela Lei 9.958/2000)

A incidência da estabilidade prevista no art. 10, II (1), do Ato das Disposições


Constitucionais Transitórias (ADCT) somente exige a anterioridade da gravidez à
dispensa sem justa causa.
RE 629053/SP, Plenário, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ ac. Min. Alexandre de
Moraes, julgamento em 10.10.2018. (INFO 919)

O Colegiado entendeu que a estabilidade da gestante não deve ser condicionada a um


aviso formal da existência da gravidez. O que o texto constitucional coloca como termo
inicial é a gravidez. Uma vez constatada antes da dispensa arbitrária, incide a garantia,
de modo que se mostra irrelevante o momento de sua comprovação, que pode ter
ocorrido posteriormente à dispensa.
O único requisito exigido, portanto, é de natureza biológica. Constatado que houve
gravidez antes da dispensa arbitrária, fica assegurada a proteção. Exige-se apenas a
comprovação de que a gravidez ocorreu antes da dispensa arbitrária, não sendo
necessários quaisquer outros requisitos, como o prévio conhecimento do empregador
ou da própria gestante. Esse entendimento, aliás, já foi adotado por esta Corte no
julgamento do RE 634.093.
Nessa situação, o empregador deve reintegrar a empregada. De todo modo, durante o
período do salário-maternidade, é a Previdência quem arcará com o ônus, e não o
empregador, o qual não é penalizado desmedidamente.
São direitos irrenunciáveis. O desconhecimento por parte da gestante ou sua própria
negligência em juntar uma documentação ou mostrar um atestado não pode prejudicá-
la, tampouco pode prejudicar o recém-nascido.

PLANO DE SAÚDE

121
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

Nos planos de saúde coletivos custeados exclusivamente pelo empregador não há


direito de permanência do ex-empregado aposentado ou demitido sem justa causa
como beneficiário, salvo disposição contrária expressa prevista em contrato ou em
acordo/convenção coletiva de trabalho, não caracterizando contribuição o
pagamento apenas de coparticipação, tampouco se enquadrando como salário
indireto.
REsp 1.680.318-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, Segunda Seção, por
unanimidade, julgado em 22/08/2018, DJe 24/08/2018 (Tema 989)

PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO

É constitucional o inciso II do art. 852-B da CLT. (ADI 2139/DF, ADI 2160/DF e ADI
2237/DF, j. em 1/8/2018, INFO 909)

CLT: “Art. 852-B. Nas reclamações enquadradas no procedimento sumaríssimo: (...) II


- não se fará citação por edital, incumbindo ao autor a correta indicação do nome e
endereço do reclamado;” (Incluídos pela Lei 9.957/2000)

É legítima a citação estabelecida no inciso II do art. 852-B da CLT. Um de seus objetivos


é conferir celeridade e efetividade ao rito sumaríssimo adotado na Justiça do Trabalho.

Por fim, a isonomia constitucional não impõe tratamento linear e rígido a todos os que
demandam a atuação do Poder Judiciário. A admissão da citação editalícia no
mencionado rito representaria desigualdade material. Essa prática tenderia a alinhar os
ritos sumaríssimo e ordinário em detrimento dos princípios da primazia da realidade e
da razoabilidade. Portanto, caso não se encontre o jurisdicionado, haverá a
transformação do procedimento em ordinário.

TERCEIRIZAÇÃO

É lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas


jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas,
mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante.
ADPF 324/DF, Plenário, rel. Min. Roberto Barroso, julgamento em 22 e 23.8.2018.
(ADPF-324)
RE 958252/MG, Plenário, rel. Min. Luiz Fux, julgamento em 22 e 23.8.2018. (RE-
958252) (INFO 913)

A Constituição Federal (CF) não impõe a adoção de um modelo de produção específico,


não impede o desenvolvimento de estratégias de produção flexíveis, tampouco veda a
terceirização.

122
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

A terceirização das atividades-meio ou das atividades-fim de uma empresa tem amparo


nos princípios constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência, que asseguram
aos agentes econômicos a liberdade de formular estratégias negociais indutoras de
maior eficiência econômica e competitividade.

A dicotomia entre a atividade-fim e atividade-meio é imprecisa, artificial e ignora a


dinâmica da economia moderna, caracterizada pela especialização e divisão de tarefas
com vistas à maior eficiência possível. Frequentemente, o produto ou o serviço final
comercializado é fabricado ou prestado por agente distinto. Igualmente comum, a
mutação constante do objeto social das empresas para atender à necessidade da
sociedade.

Por si só, a terceirização não enseja precarização do trabalho, violação da dignidade do


trabalhador ou desrespeito a direitos previdenciários. Terceirizar não significa
necessariamente reduzir custos. É o exercício abusivo de sua contratação que pode
produzir tais violações.

Para evitar o exercício abusivo, os princípios que amparam a constitucionalidade da


terceirização devem ser compatibilizados com as normas constitucionais de tutela do
trabalhador, cabendo à contratante observar certas formalidades.

É lícita a terceirização de toda e qualquer atividade, meio ou fim, de forma que não se
configura relação de emprego entre a contratante e o empregado da contratada. Porém,
na terceirização, compete à contratante verificar a idoneidade e a capacidade
econômica da terceirizada e responder subsidiariamente pelo descumprimento das
normas trabalhistas, bem como por obrigações previdenciárias.

A responsabilização subsidiária da tomadora dos serviços pressupõe a sua participação


no processo judicial.

A decisão na ADPF não afeta os processos em relação aos quais tenha havido coisa
julgada.

O Enunciado 331 (1) da Súmula do Tribunal Superior do Trabalho (TST) foi considerado
inconstitucional por violar os princípios da livre iniciativa e da liberdade contratual.

DIREITO ECONÔMICO

DIREITOS ANTIDUMPING

A retenção de mercadoria importada até o pagamento dos direitos antidumping não


viola o enunciado da Súmula 323 do STF.
Súmula 323-STF: É inadmissível a apreensão de mercadorias como meio coercitivo
para pagamento de tributos.
A exigência do pagamento dos direitos antidumping como condição para a liberação
das mercadorias importadas não significa apreensão, mas tão somente a sua
retenção enquanto se aguarda o desembaraço aduaneiro.
A retenção das mercadorias trazidas para o Brasil e a exigência de recolhimento dos
tributos e multa é um procedimento que integra a operação de importação.

123
STF – 909 ATÉ 927
STJ – 628 ATÉ 638

STJ. 1ª Turma. REsp 1.728.921-SC, Rel. Min. Regina Helena Costa, julgado em
16/10/2018 (Info 636).

124