Вы находитесь на странице: 1из 118

PowerNET M-200

Multimedidor de Grandezas Elétricas

Manual de Instalação e Operação

Revisão: 2.0
Março de 2015
Válido para versões a partir de 2.0.x

www.ims.ind.br | ims@ims.ind.br

A IMS dispõe de uma linha completa de multimedidores, transdutores, controladores de demanda, controladores de fator de
potência, analisadores portáteis de qualidade de energia e softwares de gerenciamento. As informações contidas neste manual
têm por objetivo auxiliá-lo na utilização e especificação correta do equipamento. Devido ao constante aperfeiçoamento, a IMS
reserva-se o direito de alterar as informações contidas neste material sem aviso prévio.
(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
Sumário

1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1 Termo de garantia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Termo de validade da calibração . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Declaração de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3.1 Normas de referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4 Informações de segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4.1 Perigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.4.2 Atenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.5 Recebendo o produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.6 Suporte técnico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.7 Assistência técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2 VISÃO GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1 Medição das grandezas básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.2 Medição de THD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.3 Memória de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.4 Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.5 Modos de conexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.6 Software PowerMANAGER desktop . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.7 Modelos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.8 Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.9 Painel frontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.10 Painel traseiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.11 Etiqueta de identificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

3 INSTALAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1 Sistema elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1.1 Transformadores de potencial e de corrente . . . . . . . . . . . . 13
3.1.2 Fases do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.2 Montagem no painel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.3 Alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3.3.1 Tempo de estabilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.4 Conexão à rede elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.5 Sensores de corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.5.1 Sentido da corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.5.2 Posicionamento dos transformadores de corrente . . . . . . . . . 17
3.5.3 Fator térmico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

4 OPERAÇÕES BÁSICAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.1 Ligando o multimedidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.2 Navegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.2.1 Modo livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.2.2 Modo rolagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.2.3 Modo fixo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.2.4 Menus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.3 Edição dos parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.4 Relógio e calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.4.1 Ajuste de data e hora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.4.2 Fuso horário e horário de verão . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.5 Reiniciar medições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

5 MEDIÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
5.1 Tensão, corrente e frequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
5.1.1 Sequência de fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.1.2 Polaridade dos TCs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.2 Potência e fator de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5.2.1 Modo de soma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
5.3 Demanda de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
5.4 Consumo de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.5 THD e harmônicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5.6 Personalizado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
5.7 Leitura em tempo real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

6 DATALOG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1 Gravação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
6.2 Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
6.2.1 Leitura parcial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

7 AUTOMAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
7.1 Saída digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.2 Eventos de alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

ii
8 CONFIGURAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
8.1 Ligação elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
8.2 Demanda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
8.3 Datalog . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
8.3.1 Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
8.3.2 Blocos de dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
8.3.3 Vinculações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
8.4 Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
8.4.1 Interface de usuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
8.5 Padrão de fábrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
8.6 Senha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
8.6.1 Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
8.6.2 Recuperação da senha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
8.7 Informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
8.7.1 Geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
8.7.2 Gestão da calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

9 ESPECIFICAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
9.1 Características básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
9.2 Grandezas elétricas medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
9.2.1 Frequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
9.2.2 Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
9.2.3 Corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
9.2.4 Potência ativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
9.2.5 Potência reativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
9.2.6 Potência aparente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
9.2.7 Fator de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
9.2.8 Consumo de energia ativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
9.2.9 Consumo de energia reativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
9.2.10 Consumo de energia aparente . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
9.2.11 Demanda de potência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
9.2.12 THD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
9.3 Acionamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
9.3.1 Saída digital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
9.3.2 Alarmes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
9.4 Interfaces de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
9.4.1 Comunicação RS-485 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79

iii
9.5 Memória de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
9.5.1 Memória interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
9.6 Relógio e calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.7 Fonte de alimentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.7.1 Alimentação auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.8 Interfaces com o usuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.8.1 Teclado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.8.2 Display . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
9.9 Características mecânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
9.10 Condições ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
9.11 Faixas e valores padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

10 MANUTENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.1 Limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.2 Solução de problemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.2.1 Multimedidor não liga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.2.2 Resultado das medições com traços . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.2.3 Medições de tensão e potência com valores anormais . . . . . . 85
10.2.4 Potência ativa e reativa com sinal invertido . . . . . . . . . . . . 86
10.2.5 Multimedidor não comunica com o software . . . . . . . . . . . 86
10.2.6 Datalog inicia mas não incrementa registros . . . . . . . . . . . 86

11 ANEXO A - RELATÓRIO À ASSISTÊNCIA TÉCNICA . . . . . . . 87

12 ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

13 ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54 . . . . . . . . . . 105


13.1 Instalação da borracha de vedação . . . . . . . . . . . . . . 106
13.2 Fixação do multimedidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

iv
1
Introdução
Este manual descreve como instalar, configurar e operar o multimedidor PowerNET M-200.
Para garantir a integridade do equipamento e para sua correta utilização, bem como para
assegurar aspectos que envolvem segurança, leia-o atentamente.

1.1 Termo de garantia


O Termo de garantia deste produto está disponível no site da IMS Power Quality em
(www.ims.ind.br/br/servicos/termo-de-garantia).

1.2 Termo de validade da calibração


Prezado cliente, sugerimos que o equipamento retorne à IMS Power Quality para nova
calibração após 24 meses, a partir da data de emissão da nota fiscal.
Para calibrar seus equipamentos, a IMS Power Quality utiliza como padrão o calibrador FLUKE
6100A e o Omicron CMC 256plus. Seu equipamento foi calibrado pelo método de comparação
direta. Os resultados obtidos podem ser fornecidos em uma tabela de calibração. Esta relaciona os
valores indicados pelo instrumento sob teste com valores obtidos através da comparação com os
padrões.

1.3 Declaração de conformidade


PowerNET M-200
Multimedidor e Registrador de Grandezas Elétricas

Fabricante:

IMS - Soluções em Energia Ltda.


Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS - Brasil
www.ims.ind.br
ims@ims.ind.br
1. INTRODUÇÃO

1.3.1 Normas de referência

ABNT
• NBR 6855 Transformador de potencial indutivo;
• NBR 6856 Transformador de corrente;
• NBR 14519 Medidores eletrônicos de energia elétrica - Especificação;
• NBR 14520 Medidores eletrônicos de energia elétrica - Método de ensaio;
• NBR 14521 Aceitação de lotes de medidores eletrônicos de energia elétrica - Procedimento;
• NBR 14522 Intercâmbio de informações para sistemas de medição de energia elétrica.

IEC
• IEC 60375 Conventions concerning electric and magnetic circuits;
• IEC 60529 Degrees of protection provided by enclosures (IP Code);
• IEC 61000-2-4 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 2-4: Environment - Compatibility
levels in industrial plants for low-frequency conducted disturbances;
• IEC 61000-3-2 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 3-2: Limits - Limits for harmonic
current emissions (equipment input current = 16 A per phase);
• IEC 61000-3-3 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 3-3: Limits - Limitation of voltage
changes, voltage fluctuations and flicker in public low-voltage supply systems, for equipment
with rated current = 16 A per phase and not subject to conditional connection;
• IEC 61000-3-11 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 3-11: Limits - Limitation of voltage
changes, voltage fluctuations and flicker in public low-voltage supply systems - Equipment with
rated current = 75 A and subject to conditional connection;
• IEC 61000-4-2 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-2: Testing and measurement
techniques - Electrostatic discharge immunity test;
• IEC 61000-4-3 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-3: Testing and measurement
techniques - Radiated, radio-frequency, electromagnetic field immunity test;
• IEC 61000-4-4 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-4: Testing and measurement
techniques - Electrical fast transient/burst immunity test;
• IEC 61000-4-5 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-5: Testing and measurement
techniques - Surge immunity test;
• IEC 61000-4-6 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-6: Testing and measurement
techniques - Immunity to conducted disturbances, induced by radio-frequency fields;
• IEC 61000-4-7 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-7: Testing and measurement
techniques - General guide on harmonics and interharmonics measurements and
instrumentation, for power supply systems and equipment connected thereto;
• IEC 61000-4-8 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-8: Testing and measurement
techniques - Power frequency magnetic field immunity test;
• IEC 61000-4-11 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-11: Testing and measurement
techniques - Voltage dips, short interruptions and voltage variations immunity tests;
• IEC 61000-4-15 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-15: Testing and measurement
techniques - Flickermeter - Functional and design specifications;
• IEC 61000-4-30 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-30: Testing and measurement
techniques - Power quality measurement methods;

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 2


1. INTRODUÇÃO

• IEC 61000-6-2 Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 6-2: Generic standards - Immunity
for industrial environments;
• IEC 61010-1 Safety requirements for electrical equipment for measurement, control, and
laboratory use - Part 1: General requirements;
• IEC 61010-2-032 Safety requirements for electrical equipment for measurement, control and
laboratory use - Part 2-032: Particular requirements for hand-held and hand-manipulated current
sensors for electrical test and measurement;
• IEC 61326-1 Electrical equipment for measurement, control and laboratory use - EMC
requirements - Part 1: General requirements;
• IEC 61557-1 Electrical safety in low voltage distribution systems up to 1 000 V a.c. and 1 500 V
d.c. - Equipment for testing, measuring or monitoring of protective measures - Part 1: General
requirements;
• IEC 61557-12 Electrical safety in low voltage distribution systems up to 1 000 V a.c. and 1 500
V d.c. - Equipment for testing, measuring or monitoring of protective measures - Part 12:
Performance measuring and monitoring devices (PMD);
• IEC 62052-11 Electricity metering equipment (AC) - General requirements, tests and test
conditions - Part 11: Metering equipment;
• IEC 62053-31 Electricity metering equipment (AC) - Particular requirements - Part 31: Pulse
output devices for electromechanical and electronic meters (two wires only);
• IEC 62053-61 Electricity metering equipment (AC) - Particular requirements - Part 61: Power
consumption and voltage requirements;
• IEC 62056-21 Electricity metering - Data exchange for meter reading, tariff and load control -
Part 21: Direct local data exchange.

IEEE
• IEEE 754-2008 IEEE Standard for Floating-Point Arithmetic;
• IEEE 1541-2002 IEEE Standard for Prefixes for Binary Multiples.

1.4 Informações de segurança


Este equipamento utiliza, para seu funcionamento, tensões elevadas além de ser projetado para
operar em sistemas de alta potência elétrica devendo, portanto, ser operado cuidadosamente para
evitar incêndios ou choques elétricos. Por estes motivos, leia estas instruções cuidadosamente e
procure familiarizar-se com o equipamento antes de tentar instalá-lo e operá-lo.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 3


1. INTRODUÇÃO

Indica uma situação de risco iminente. Se não tomados os devidos cuidados, resultam
PERIGO em morte ou causam sérios danos.

Indica uma situação de perigo potencial. Se não tomados os devidos cuidados, podem
ATENÇÃO resultar em danos leves ou moderados aos usuários ou ao equipamento.

Indica uma sugestão ou observação, podendo ser usada em diversos contextos de


DICA forma a ajudar o usuário na utilização do equipamento.

1.4.1 Perigos
• Somente pessoas tecnicamente qualificadas devem instalar e operar este equipamento;
• Tenha conhecimento sobre o equipamento antes de operá-lo;
• Procure conhecer as características do sistema onde o equipamento vai ser instalado;
• Nunca trabalhe sozinho;
• Não faça medições em ambientes com presença de gases inflamáveis. O uso do equipamento
pode gerar faíscas, que podem desencadear uma explosão;
• Nunca faça medições aonde as superfícies ou as mãos estiverem molhadas;
• Não exceda os limites máximos permitidos;
• Conecte antes os cabos da medição de tensão e corrente no equipamento e somente depois no
circuito sob teste;
• Nunca desconecte os cabos da medição de tensão ou cabos dos sensores de corrente enquanto
o instrumento estiver em uso;
• Nunca realize quaisquer medições se o equipamento apresentar alguma condição anormal, como
por exemplo, cabos com falhas de isolamento ou partes de metal expostas.

1.4.2 Atenção
• Não instale componentes extras ou faça quaisquer modificações no equipamento;
• Caso seja necessário, contate a assistência técnica para reparos, calibração ou em caso de falhas
de operação;
• Não puxe, coloque coisas pesadas ou pise sobre quaisquer cabos do equipamento;
• Tome cuidado também para não colocar os cabos em contato com superfícies aquecidas;
• Se o equipamento começar a produzir fumaça, ficar sobreaquecido, ou exalar qualquer cheiro
estranho, desligue-o imediatamente, e caso não represente risco, remova os sensores de
corrente e os cabos de medição de tensão. Se isso ocorrer, contate a assistência técnica;
• Sempre utilize EPIs apropriados ao instalar e operar este equipamento;
• Tenha atenção com os condutores sob teste, pois os mesmos podem estar aquecidos;
• Não coloque o equipamento sob fortes vibrações ou submeta-o a fortes choques mecânicos;

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 4


1. INTRODUÇÃO

• Não exponha o equipamento a altas temperaturas e umidade;


• Não utilize abrasivos ou solventes para limpar o equipamento;
• Não guarde o instrumento se o mesmo estiver úmido ou molhado.

1.5 Recebendo o produto


O PowerNET M-200 sai da fábrica embalado em uma caixa para proteger o equipamento
contra possíveis danos durante o transporte. Ao recebê-lo, verifique se os seguintes itens
encontram-se disponíveis. Caso algum item esteja visualmente danificado, contate imediatamente o
fabricante pelos meios de comunicação indicados na seção Assistência técnica.

Figura 1 - PowerNET M-200 e acessórios (imagem meramente


ilustrativa)

Item Quantidade Descrição

1 1 Equipamento PowerNET M-200

2 2 Conjunto de presilhas plásticas para fixação no painel

Tabela 1 - PowerNET M-200 e acessórios

1.6 Suporte técnico


A IMS Power Quality dispõe de equipe treinada para esclarecer eventuais dúvidas sobre
equipamentos e uso dos softwares. Para contatar o Suporte técnico, utilize os seguintes meios:

Site: www.ims.ind.br
E-mail: suporte@ims.ind.br
Skype: ims_suporte
Fone: +55 (51) 3382-2319

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 5


1. INTRODUÇÃO

1.7 Assistência técnica


A IMS Power Quality dispõe permanentemente de equipe treinada para efetuar reparos e
calibrações nos equipamentos. Para contatar a Assistência técnica, utilize os seguintes meios:

E-mail: assistencia@ims.ind.br
Fone: +55 (51) 3382-2316

Caso seja necessário enviar o equipamento para a fábrica para efetuar reparos ou calibração,
utilize o seguinte endereço:

IMS - Soluções em Energia Ltda.


Assistência Técnica
Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS - Brasil

O mesmo deverá ser enviado acompanhado de nota fiscal de Remessa para conserto e do
Relatório à assistência técnica preenchido.
No Brasil, utilize os seguintes códigos para classificação fiscal da operação (CFOP):
• 5915 para notas fiscais emitidas no estado do Rio Grande do Sul (RS);
• 6915 para notas fiscais emitidas nos demais estados.
Para evitar possíveis danos que venham a ser causados durante o transporte, sugerimos que o
equipamento seja cuidadosamente embalado.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 6


2
Visão Geral
O PowerNET M-200 é um multimedidor eletrônico com extensivas capacidades para medição
de grandezas elétricas, projetado para ser usado nas mais diversas aplicações relacionadas à
monitoração e controle de sistemas de geração e distribuição de energia elétrica.

2.1 Medição das grandezas básicas


Utilizando métodos baseados em normas internacionais, o PowerNET M-200 mede grandezas
elétricas tais como tensão e corrente True RMS, e frequência. Além disso, potência, demanda de
potência e consumo de energia são medidos nos quatro quadrantes, sendo possível utilizá-lo tanto
nas etapas de geração quanto no consumo de energia elétrica. O mesmo pode ser utilizado para
monitorar valores instantâneos e estatísticos fornecendo resultados precisos e confiáveis, sendo
possível a leitura de todas as grandezas no próprio display ou remotamente via software.

2.2 Medição de THD


O multimedidor realiza a medição da distorção harmônica total (THD) segundo a norma IEC
61000-4-7, sendo possível visualizar no multimedidor os valores de THD tanto para tensão quanto
para corrente.

2.3 Memória de massa


Todas as grandezas medidas pelo PowerNET M-200 podem ser gravadas na memória de
massa, sendo possível inclusive selecionar quais grupos de dados (instantâneos, estatísticos,
demanda e energia) ou grandezas individuais deseja-se gravar. Além disso, é possível ajustar o
intervalo de registro para períodos que vão de 1 segundo até 24 horas podendo-se finalizar a
gravação dos registros por tempo, número de registros, data previamente programada ou
manualmente. Esta funcionalidade é opcional e está presente somente em alguns modelos.
2. VISÃO GERAL

2.4 Comunicação
Visando atender as necessidades de integração com sistemas de supervisão, o PowerNET M-200
disponibiliza interface de comunicação serial RS-485 utilizando o protocolo Modbus RTU. Desta
forma, é possível criar uma rede de medidores online com as diversas plataformas de automação
existentes no mercado atual.

2.5 Modos de conexão


Devido à ampla possibilidade de modos de conexão, o PowerNET M-200 pode ser utilizado
para medir várias configurações de sistema. Os modos de conexão incluem sistemas básicos, tais
como Monofásico, Bifásico e Trifásico, Estrela e Delta.

2.6 Software PowerMANAGER desktop


Através do software PowerMANAGER desktop, é possível analisar graficamente (disponível
apenas em determinadas versões) as medições realizadas e gerar relatórios específicos para as
grandezas selecionadas. Além disso, é possível realizar leituras online em uma rede de medidores,
possibilitando um monitoramento completo, sendo possível inclusive baixar os dados da memória
de forma individual de cada medidor. O PowerMANAGER desktop permite também ajustar
remotamente todos os parâmetros do PowerNET M-200, evitando a necessidade do usuário ir a
campo para configurar o medidor, possibilitando um ganho de tempo nos serviços de manutenção.

2.7 Modelos
O PowerNET M-200 está disponível em diferentes modelos para melhor atender a aplicações
específicas por parte dos clientes. As variações de modelos podem ocorrer quanto à medição de
tensão e corrente ou à disponibilidade de memória de massa, bem como grau de proteção.
A lista completa de modelos disponíveis para a série PowerNET M-200, bem como outras
informações sobre este medidor, está disponível no site da IMS Power Quality (www.ims.ind.br).

2.8 Acessórios
Além dos diferentes modelos disponíveis, a IMS Power Quality também disponibiliza uma série
de acessórios que podem ser usados em conjunto com o PowerNET M-200. Alguns desses
acessórios podem ser usados, por exemplo, para realizar a conversão do padrão de comunicação
RS-485 para USB 2.0, ou mesmo RS-485 para Ethernet (PowerNET A-035 e PowerNET A-040,
respectivamente). A lista completa dos acessórios disponíveis para utilização em conjunto com o
PowerNET M-200 está disponível no site da IMS Power Quality (www.ims.ind.br).

ATENÇÃO!
A IMS Power Quality recomenda utilizar somente acessórios originais. Não nos
responsabilizamos pela utilização de, ou compatibilidade com, acessórios de terceiros.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 8


2. VISÃO GERAL

2.9 Painel frontal


O PowerNET M-200 possui uma interface de operação composta por um display matricial de
cristal líquido e um teclado de membrana. A Figura 2 ilustra o painel frontal dos diversos modelos.
A Tabela 2 descreve as partes que compõe o painel frontal.

Figura 2 - Painel frontal

Número Descrição

1 Display matricial de cristal líquido de 4 linhas por 16 colunas com luz de fundo na cor verde e retroiluminação.
Mostra os dados de medição e configuração. Obs.: O arredondamento dos valores no display é dependente da
representação binária do número em questão no formato IEEE 754.

2
: Confirma ou entra em modo de programação/configuração.
3
: Cancela ou sai do modo de programação, bem como retorna para um nível acima no menu. Mantenha
pressionado para retornar o multimedidor ao padrão de fábrica durante inicialização do mesmo (essa opção não irá
apagar a senha de proteção).
4
: Move menu para cima ou incrementa variáveis.

: Move menu ou cursor para a esquerda.

: Move menu para baixo ou decrementa variáveis.

: Move menu ou cursor para a direita.


Tabela 2 - Descrição do painel frontal

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 9


2. VISÃO GERAL

2.10 Painel traseiro


Através do painel traseiro do PowerNET M-200 são realizadas as conexões para alimentação,
medição, comunicação e controle. A Figura 3 ilustra os bornes de entrada do multimedidor, com
conectores do tipo olhal.

Figura 3 - Painel traseiro

Número Conector Descrição

1 Neste conector há 6 bornes, que são utilizados para ligação das entradas
de tensão, sendo um par para cada fase. Está ligação pode ser realizada
com TPs. Se não houver TP, a ligação deve ser feita diretamente,
respeitando-se a tensão máxima. A ligação deve obedecer a seguinte
nomenclatura:
Entradas de tensão • V1 : Entrada de tensão 1;
• V2 : Entrada de tensão 2;
• V3 : Entrada de tensão 3.
Os limites máximos de tensão aplicáveis devem ser observados na seção
Especificações.
2 Há 6 bornes, em que devem ser ligadas as entradas de corrente, sendo
um par de bornes para cada fase Normalmente, esta ligação é feita por meio
de Transformadores de Corrente (TC). Se não houver TC, a ligação deve ser
feita diretamente, respeitando-se a corrente máxima. A ligação deve
obedecer a seguinte nomenclatura:
Entradas de corrente • I1 : Entrada de corrente 1;
• I2 : Entrada de corrente 2;
• I3 : Entrada de corrente 3.
Os limites máximos de corrente aplicáveis devem ser observados na
seção Especificações.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 10


2. VISÃO GERAL

3 Este conector possui uma saída de relé, identificada por RL, que é usada
como saída dos alarmes programados.

Saída do relé

4 Este conector de 2 pinos é utilizado para ligação a uma rede de


medidores ou diretamente a um computador para realizar leituras online,
parametrização e descarga dos dados da memória de massa. O mesmo é
acoplado a uma porta RS-485. A ligação deve obedecer à seguinte
nomenclatura:
Conexão serial RS-485 • D+ : Serial RS-485 (+);
• D- : Serial RS-485 (-).

5 É o conector onde deve ser ligado o cabo para energização do PowerNET


M-200. O mesmo é identificado por Vaux. A conexão deste borne serve
apenas para ligar o multimedidor, não interferindo na medição. Os limites de
tensão aplicáveis devem ser observados na seção Especificações.
Alimentação auxiliar

Tabela 3 - Descrição dos conectores

ATENÇÃO!
Observe os limites máximos de tensão e corrente suportados pelo PowerNET M-200,
disponíveis no capítulo Especificações.

2.11 Etiqueta de identificação

Figura 4 - Etiqueta de identificação

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 11


2. VISÃO GERAL

Item Descrição

1 Logo.

2 Site.

3 Endereço.

4 QR-Code.

5 Nome completo do produto.

6 Código de barras com o número de série do produto (Padrão CODE-128).

7 Modelo do equipamento.

8 Número de série sequencial de sete algarismos.

9 Tipo de comunicação.

10 Capacidade bruta em MB da memória de massa para a função de Datalog.

11 Sistemas elétricos suportados pelo equipamento.

12 Frequência nominal do sistema elétrico suportada pelo equipamento.

13 Range de tensões da alimentação auxiliar.

14 Potência aparente típica de consumo do equipamento.

15 Características do transdutor de corrente.

16 Range de medição do transdutor de tensão.

Tabela 3 - Descrição da etiqueta de identificação

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 12


3
Instalação
Neste capítulo são abordados os aspectos relacionados à conexão do PowerNET M-200 ao
barramento elétrico (sistema de geração ou distribuição).

ATENÇÃO!
Antes de iniciar a instalação, leia as advertências e cuidados que devem ser tomados
quanto ao uso deste multimedidor, os quais estão descritos na seção Introdução -
Informações de segurança.

3.1 Sistema elétrico


O tipo de sistema onde o multimedidor vai ser conectado deve ser conhecido. A escolha errada
do tipo de ligação ou o desconhecimento dos detalhes da mesma ocasionará erros de medição.
Para detalhes, ver Instalação - Conexão à rede elétrica.

3.1.1 Transformadores de potencial e de corrente

ATENÇÃO!
Tenha conhecimento sobre os níveis de tensão do sistema.

O PowerNET M-200 possibilita medições de tensão e corrente de forma direta, quando os


limites não excedem a capacidade do multimedidor, e medição de tensão e corrente indireta com a
utilização de Transformadores de Potencial (TP) e Transformadores de Corrente (TC). Para tanto,
tenha disponível o número de TPs e TCs necessários para o tipo de ligação selecionada. Além
disso, tenha em mãos as informações sobre as relações de transformação dos TPs e TCs e
observe a polaridade dos mesmos.
3. INSTALAÇÃO

3.1.2 Fases do sistema


Assegure-se que as fases estão devidamente identificadas. Falhas na identificação das fases
ocasionarão erros de medição.

3.2 Montagem no painel


Para montagem do PowerNET M-200 no painel, providencie uma abertura de 91,0 x 91,0mm.
Não são necessárias ferramentas, pois com apenas as duas presilhas de fixação que acompanham
o produto, é possível fixá-lo de forma segura. A Figura 5 ilustra a abertura com as dimensões.
Observe que a tolerância da abertura é de até 0,8mm.

Figura 5 - Dimensões do PowerNET M-200

A IMS Power Quality fornece juntamente com o PowerNET M-200 uma borracha de vedação
que proporciona ao multimedidor o grau de proteção IP (Ingress Protection) com a classificação 54.
A instalação desta borracha de vedação é descrita no Anexo C - Instalação da Vedação IP-54.
É recomendada a utilização de terminais do tipo “U” ou “lingueta plana” adequados a bitola do
cabo, e as dimensões dos conectores conforme a Figura 6 e a Figura 7.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 14


3. INSTALAÇÃO

Figura 6 - Conectores lingueta plana Figura 7 -


Conector U

Função Recomendação

Medição de corrente Cabo de cobre com secção 3,0mm² (12 AWG).

Alimentação e medição de Cabo de cobre com secção 1,0 a 3,0mm².


tensão

Comunicação RS-485 Cabo de cobre com par trançado 2x22 AWG e malha, e com 120 ohms de impedância
característica.

Tabela 4 - Fios recomentados para a instalação

3.3 Alimentação
Para energização do PowerNET M-200, deve-se utilizar o conector localizado no painel traseiro
identificado por Vaux. Depois de alguns segundos que o medidor é energizado o mesmo ligará,
visto que o PowerNET M-200 não possui botão de liga/desliga. A ligação à rede elétrica deverá
respeitar os limites estabelecidos para a fonte de alimentação, podendo o mesmo ser alimentado
com tensão alternada ou contínua. Para a proteção do medidor, utilize fusível de proteção de 0,5 A.
A Figura 8 ilustra o esquema de ligação para a alimentação do multimedidor. Caso haja a
necessidade de alimentação por bateria ou por alimentação auxiliar, contate o Suporte técnico da
IMS Power Quality para obter maiores informações.

Figura 8 - Alimentação

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 15


3. INSTALAÇÃO

3.3.1 Tempo de estabilização


O PowerNET M-200 é calibrado na fábrica em ambiente com temperatura e umidade do ar
controladas. Além disso, a calibração é realizada com o medidor em condições normais de operação
estando o mesmo previamente energizado por um tempo que garanta a estabilização da
temperatura dos circuitos internos. Nestas condições, o PowerNET M-200 atinge sua máxima
precisão.
Por este motivo, quando o multimedidor é ligado, considerando que o mesmo estava
anteriormente desligado por um longo período, é importante aguardar um tempo aproximado de 15
minutos antes de realizar medições.

3.4 Conexão à rede elétrica


O PowerNET M-200 permite a seleção de 21 topologias de ligações. Para identificação da
ligação uma codificação é utilizada, informando o número de elementos de corrente e tensão e a
configuração do sistema. A Figura 9 mostra como as ligações são codificadas. No exemplo, está
representada uma ligação Trifásica em Estrela com 3 elementos para medição de tensão e um
elemento para medição de corrente. Neste caso, como há apenas um elemento para medição de
corrente, as cargas devem ser balanceadas, indicado pela letra B.

Figura 9 - Codificação das ligações

A seguir são ilustrados os principais modos de ligação para o PowerNET M-200. Para todos os
modos, consulte o Anexo B - Modos de Ligação.

Figura 10 - Sistema 01: 1P2W-1V1C - Figura 11 - Sistema 02: 2P2W-1V1C -


Monofásico (LN) Bifásico (LL)

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 16


3. INSTALAÇÃO

Figura 12 - Sistema 04: 3P4W-3V3C - Figura 13 - Sistema 13: 3P3W-3V3C -


Trifásico 4 Fios, Estrela, Conexão Trifásico 3 Fios, Delta, Conexão Direta,
Direta, 3 TC 3 TC

3.5 Sensores de corrente


As seções a seguir apresentam alguns cuidados básicos que devem ser tomados ao ligar os
sensores de corrente PowerNET M-200.

3.5.1 Sentido da corrente


As entradas de corrente possuem uma indicação do sentido da corrente através de um símbolo
+ e - localizados próximo aos terminais. Considerar que a corrente deve circular do terminal
positivo + para o terminal negativo -. Verificar sempre o sentido da corrente antes da instalação.
Inverter o sentido da corrente, implicará num erro de medição de potência, energia e demanda.

DICA!
Caso o sensor de corrente tenha sido instalado no sentido inverso, pode-se utilizar a
opção de ajuste da polaridade descrito no capítulo Configurações - Ligação Elétrica
para inversão do sinal do sensor, permitindo assim que as medições fiquem corretas.

3.5.2 Posicionamento dos transformadores de corrente


Os TCs devem estar posicionados no barramento antes da carga à qual desejamos medir as
grandezas elétricas. Para tanto, observe atentamente as derivações elétricas junto ao barramento
principal e posicione os sensores nos locais adequados. Certifique-se que o condutor que foi
escolhido para a medição, alimentará somente a carga sob análise.

3.5.3 Fator térmico


Os transformadores de corrente (TCs) possuem um parâmetro chamado fator térmico. O fator
térmico (FT) de um TC é definido como sendo a relação entre a máxima corrente primária
admissível em regime permanente e a sua corrente nominal primária, sem que seja excedido o
limite de elevação de temperatura definido por norma para a sua classe de isolamento. Os valores
mais comuns para FT são 1,0; 1,2; 1,3; 1,5 e 2,0 (NBR 6856).
A expressão que define o fator térmico é a seguinte:

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 17


3. INSTALAÇÃO

FT = Ipmax / Ipnominal (Em regime permanente)

O PowerNET M-200 pode ser utilizado com TCs externos até a corrente nominal primária do
TC, ou seja, considerando FT = 1,0. Com FT = 1,0 para o PowerNET M-200 padrão de fábrica
garante-se a precisão nas medições efetuadas. Exemplo de aplicação: Uma instalação possuí carga
total de 100 A, porém como acontecem situações de sobrecarga, poderiam ser instalados TCs de
100 / 5 A com FT = 1,5. Desta forma, os TCs 100 / 5 A podem suportar correntes máximas de
150 A no primário sem redução da sua vida útil ou alterações nas suas características. Porém, para
utilizar o PowerNET M-200 na instalação utilizada no exemplo acima, os TCs devem ser
dimensionados para 150 / 5 A com FT = 1,0. Desta forma, garantindo a medição até os 150 A. Na
prática, FT maiores do que 1,0 são utilizados em conjunto com relés de proteção, onde é
necessário interromper o circuito caso aconteça uma condição de sobrecarga.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 18


4
Operações Básicas

4.1 Ligando o multimedidor


O PowerNET M-200 não possui botão liga/desliga, portanto o mesmo será ligado alguns
segundos após a conexão da alimentação. Neste instante, o multimedidor soa um bipe
característico e em seguida apresenta a tela de identificação do produto, como mostrado na Figura
14.

1. Nome do multimedidor
2. Modelo do multimedidor
3. Versão de firmware
4. Número de série

Figura 14 - Tela inicial

Caso a data e a hora não tenham sido ajustadas, a mensagem de alerta mostrada na Figura 15
será apresentada.

Figura 15 - Ajustar relógio

DICA!
Para ajustar a data e hora, siga os procedimentos descritos na seção Relógio e
calendário.

As demais seções deste capítulo fornecem uma explicação sobre o uso e configuração geral do
multimedidor.
4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.2 Navegação
O PowerNET M-200 possui 3 modos de visualização das telas. Os modos de visualização são
explicados nas seções a seguir.

4.2.1 Modo livre


Este modo permite a livre navegação pelos menu e telas do PowerNET M-200. Utilize as teclas
, , e para navegar entre as opções. Para acessar as telas do tópico selecionado,
pressione a tecla . Para retornar ao MENU PRINCIPAL, pressione a tecla . A Figura 16
ilustra um exemplo prático deste modo.

Figura 16 - Navegação livre pelas telas do multimedidor

Após 20 segundos de inatividade, o PowerNET M-200 retornará, dependendo da


parametrização, ao Modo rolagem, Modo fixo, ou à tela de resumos de tensão e corrente.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 20


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.2.2 Modo rolagem


Neste modo, após um tempo parametrizado pelo usuário, a tela atual mostrada no display é
substituída por outra. A Figura 17 ilustra um exemplo prático deste modo. A ordem das telas segue
uma sequência definida pelo usuário. Ao chegar ao fim dessa sequência, o processo é reiniciado,
ou seja, a última tela será substituída pela primeira tela da sequência.

Figura 17 - Troca automática de telas no modo rolagem

Para avançar rapidamente à tela seguinte, pressione a tecla . Para retroceder à tela anterior,
pressione a tecla . O PowerNET M-200 irá para o Modo livre caso a tecla seja mantida
pressionada por alguns segundos, e retornará ao Modo rolagem após 20 segundos de
inatividade.

4.2.3 Modo fixo


O último modo do PowerNET M-200 permite mostrar uma tela fixa no display do multimedidor.
Quando este modo é ativado, o Modo rolagem é automaticamente desativado. Para acessar o
Modo livre, pressione a tecla . Após 20 segundos de inatividade, o PowerNET M-200
retornará ao Modo fixo.

DICA!
Para escolher o modo de utilização consulte PowerMANAGER desktop.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 21


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.2.4 Menus
As telas do PowerNET M-200 são agrupadas em tópicos acessíveis pelos diferentes menus do
multimedidor. A tela MENU PRINCIPAL, ilustrado na Figura 18, concentra as funções globais do
multimedidor e pode ser acessada a partir de qualquer tela pressionando a tecla (voltar 1
nível) pelo número de vezes correspondente ao nível que a tela se encontra.

1. Acesso às telas de Medições (MSR), Datalog (LOG) e Relógio (CLK)


2. Acesso às telas de Configurações (CFG), Reset (RST) e Entradas/Saídas
Digitais (I/O)

Figura 18 - Menu principal

Por meio do MENU PRINCIPAL, pode-se acessar o os menus como por exemplo o MENU
MEDIÇÕES, mostrado na Figura 19, o qual possui todas as opções relativas às medições das
grandezas elétricas pelo multimedidor.

1. Acesso às telas de Tensão/Corrente/Frequência (V-I), Potência/Fator de


potência (PQS), Demanda de potência (DMD)
2. Acesso às telas de Consumo de energia (E), THD e Harmônicas de tensão
e corrente (THD) e telas personalizadas (CST)

Figura 19 - Menu medições

Outro exemplo é o MENU I/O, mostrado na Figura 20, o qual possui as opções de entradas e
saídas digitais.

1. Acesso às telas de Saídas Digitais (OUT) e Alarmes (ALR)

Figura 20 - Menu entradas e saídas

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 22


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.3 Edição dos parâmetros


Quando as telas de parametrização são acessadas, a alteração dos parâmetros é iniciada
pressionando-se a tecla . Dependendo do tipo de valor a ser ajustado, as alterações são
realizadas por um dos três modos distintos:
• Incremento/decremento em lista com opções predefinidas. Para isso, utilize as teclas e ;
• Incremento/decremento da unidade, dezena, centena, etc., para valores numéricos. Para isso,
utilize as teclas , e , ;
• Incremento/decremento por unidade para valores numéricos pequenos. Para isso utilize as teclas
e ;
• Programação de caracteres. Para isso, mantenha a tecla pressionada para selecionar entre
os grupos: algarismos, símbolos, letras maiúsculas e letras minúsculas; utilize as teclas e
para avançar e retroceder posições e as teclas e para selecionar os caracteres.
Para finalizar a edição do parâmetro, deve-se pressionar a tecla . Para cancelar a edição,
pode-se pressionar a tecla . Em telas com mais de um parâmetro, a edição dos parâmetros é
realizada sequencialmente, sendo que a efetivação das alterações só se dará quando o último
parâmetro for confirmado.

4.4 Relógio e calendário


O PowerNET M-200 conta com um relógio para permitir a medição do tempo em aplicações
onde esta informação é necessária, como no Datalog, por exemplo. Para acessar as configurações
do relógio, será necessário seguir até o MENU PRINCIPAL e selecionar a opção CLK (clock). O
fluxograma de telas para configuração do relógio é apresentado na Figura 21.

Figura 21 - Fluxo de telas do menu do relógio

• 1. Data e hora: permite o ajuste da data e da hora;


• 1.1. Data: ajuste dos valores de ano, mês e dia;
• 1.2. Hora: ajuste dos valores de horas, minutos e segundos;
• 2. Configuração: configurações de fuso horário da região e do horário de verão;

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 23


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

• 2.1. Fuso: configuração de fuso horário no formato padrão internacional (UTC - Coordinated
Universal Time);
• 2.2. DST: ajuste do horário de verão (DST - Daylight Saving Time).

4.4.1 Ajuste de data e hora


O formato da data é definido segundo padrão internacional da seguinte forma: AAAA-MM-DD,
sendo AAAA o ano entre 2000 e 2099 com quatro dígitos, MM o mês entre 1 e 12 com dois dígitos,
e DD o dia entre 1 e 31 com dois dígitos. Todas as datas no PowerNET M-200 usam este formato.
O dia da semana é ajustado automaticamente. O formato da hora é hh:mm:ss, sendo hh a hora
entre 0 e 23, mm o minuto entre 0 e 59 e ss o segundo entre 0 e 59, todos com dois dígitos.

ATENÇÃO!
O ajuste de data e hora não é permitido caso o Datalog esteja em operação, sendo
apresentada uma tela informando que a alteração não é permitida. Neste caso, refira-se
a seção de funcionalidades do Datalog para fazer os ajustes necessários.

4.4.2 Fuso horário e horário de verão


O ajuste da hora refere-se à hora local, ou seja, é a hora universal (UTC - Coordinated Universal
Time) referenciada pelo meridiano de Greenwich (GMT - Greenwich Mean Time) acrescida do
fuso horário local. Além disso, a hora local pode ser ajustada levando-se em conta o horário de
verão (DST - Daylight Saving Time), o qual deve ser informado pelo usuário. O ajuste destes dois
parâmetros, fuso e DST, deve ser realizado de acordo com a região onde o medidor for instalado,
levando-se em consideração se o horário é o normal ou é horário de verão.

4.5 Reiniciar medições


No PowerNET M-200 as medidas de Consumo de energia, Demanda de potência e Estatísticas
são gravadas em memória não volátil, ou seja, mesmo que o multimedidor seja reiniciado, o valor
de certas grandezas, ou mesmo variáveis auxiliares utilizadas nos cálculos, ficam com seus valores
salvos. Estes valores serão mantidos indefinidamente, podendo ser zerados manualmente pelo
usuário ou automaticamente quando o Datalog completar um intervalo de registros.
Desta forma, caso o usuário necessite reiniciar as medições de Energia ou Demanda, será
necessário seguir até o MENU PRINCIPAL e selecionar a opção RST (reset). Um novo fluxo de
telas será disponibilizado, permitindo ao usuário zerar as medições de Energias, Demandas e
Estatísticas, individualmente ou todas simultaneamente. O fluxograma de telas disponível é
apresentado na Figura 22.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 24


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

Figura 22 - Fluxo de telas do menu Reset

• 1. Reiniciar tudo: reinicia todas as medições, após escolha desta opção será solicitada a
confirmação da mesma;
• 2. Reiniciar energias: reinicia as medições de Energias, após escolha desta opção será
solicitada a confirmação da mesma;
• 3. Reiniciar demandas: reinicia as medições de Demandas, após escolha desta opção será
solicitada a confirmação da mesma;
• 4. Reiniciar estatísticas: reinicia as medições de Estatísticas, após escolha desta opção será
solicitada a confirmação da mesma.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 25


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
5
Medições
Este capítulo descreve os aspectos referente às medições de grandezas elétricas do PowerNET
M-200.
Para a identificação das grandezas elétricas, algumas definições prévias são importantes. Uma
delas refere-se à nomenclatura usada na identificação das grandezas. O PowerNET M-200 utiliza a
nomenclatura das grandezas, fases e índices indicados nas normas as quais ele referencia, exceto
em casos específicos onde, devido às limitações da interface ou das normas, os nomes são
definidos de forma a melhor representarem as grandezas medidas.
Em relação à identificação das fases, deve-se considerar o seguinte: os valores trifásicos são
representados por Φ, enquanto que os valores por fase são representados pelos índices AN, BN,
CN para tensões de fase e AB, BC e CA para tensões de linha. Para corrente, são utilizados os
índices A, B, C e N.

ATENÇÃO!
Nem todas as telas mostradas neste capítulo são visualizadas no Modo livre. Neste
caso, consulte o capítulo Configuração - Menus para adicioná-las à sequência de
telas, ou mostrar fixo no display do multimedidor.

5.1 Tensão, corrente e frequência


A metodologia utilizada nos cálculos das grandezas está de acordo com as definições das
normas IEC 61000-4-30 e IEC 61557-12. O PowerNET M-200 registra e exibe medições em
intervalos minimos de 1 segundo. A amostragem é realizada sequencialmente nos seis canais de
medição (três de tensão e três de corrente), a 128 amostras por ciclo e 12 bits por amostra.
A frequência é calculada com referência à contagem de cruzamentos por zeros, sendo que ela é
inicialmente referenciada à tensão da Entrada de tensão V1. Caso ocorra uma interrupção nesse
canal, a frequência será calculada sobre a tensão da Entrada de tensão V2, e, na falta desta,
sobre a tensão da Entrada de tensão V3. No caso de ausência total de sinal nas entradas de
tensão, é possível escolher não medir (padrão) ou fazer a medição usando o valor nominal de
frequência, o valor da última frequência medida ou um valor declarado de frequência. Para edição
desse parâmetro, consulte o capítulo Configuração - Ligação elétrica.
Com base nesses intervalos, os valores True RMS são calculados e então apresentados no
display, disponibilizados nas interfaces de comunicação e registrados em memória caso o Datalog
esteja ativo.
A Figura 23 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes à medição de tensão, corrente e
frequência. Para acessá-las, consulte o capítulo Operações Básicas - Menus.
5. MEDIÇÕES

Figura 23 - Mapa de telas das medições de tensão, corrente e frequência

1. Resumo das medições trifásicas: tensão trifásica média V3Φ [V], corrente trifásica
média I3Φ [A] e frequência F [Hz];
2. Informações sobre sequência de fase e polaridade dos TCs;
3. Tensão de linha Uab, Ubc e Uca [V];
4. Tensão de fase Van, Vbn e Vcn [V];
5. Corrente Ia, Ib e Ic [A];
6. Corrente de neutro In [A];
7. Frequência [Hz].

ATENÇÃO!
A tensão trifásica média refere-se respectivamente à tensão de fase V em ligações com
neutro e à tensão de linha U em ligações sem neutro.

ATENÇÃO!
A faixa de medição para tensão e corrente está descrita no capítulo Especificações
deste manual. Valores medidos fora da faixa especificada não podem ter sua precisão
garantida, e são saturados no máximo, caso sejam medidos acima do limite, e zerados,
caso sejam medidos abaixo do limite.

ATENÇÃO!
A presença das telas depende do modo de ligação configurado no multimedidor. Por
exemplo, em ligações que não possuem neutro, como delta, as telas de tensão de fase e
corrente de neutro são omitidas.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 28


5. MEDIÇÕES

5.1.1 Sequência de fase


As sequências de letras ABC e ACB indicam a sequência de fase parametrizada no
multimedidor. ABC refere-se à sequência direta (positiva) e ACB refere-se à sequência reversa
(negativa). Quando não aparecer nenhum símbolo ao lado esquerdo da letra A, significa que a
sequência de fase está conforme a programação. Quando for apresentado o símbolo "!", significa
que a sequência de fase medida está contrária ao programado. Quando for apresentado o símbolo
"?", significa que a sequência de fases não pôde ser determinada, seja por nível de tensão baixo ou
pela falta de uma fase.
A sequência de fase é atualizada quando:
• O multimedidor é reiniciado;
• A configuração da conexão é trocada;
• O sinal de tensão medido é desligado e religado novamente.
Caso a conexão configurada não seja trifásica, a sequência de fase perderá sentido de utilização
e, neste caso, será omitida.

5.1.2 Polaridade dos TCs


Os símbolos + e - indicam a polaridade do TC parametrizada no medidor. O sinal +
refere-se ao sentido direto e o sinal - refere-se ao sentido inverso. O número de símbolos de
polaridade dos sensores de corrente depende do número de elementos da conexão utilizada. Se
uma ligação possuir número de sensores de corrente diferente de três, somente os símbolos
correspondentes aos sensores presentes serão apresentados.

5.2 Potência e fator de potência


O PowerNET M-200 realiza os cálculos de potência e fator de potência com base nos métodos
definidos pela norma IEC 61557-12. As medições são realizadas nos quatro quadrantes,
possibilitando a medição em pontos com fluxos de geração ou consumo de energia. De acordo com
o ângulo de defasagem entre tensões e correntes de cada fase, as potências ativa e reativa podem
assumir valores positivos ou negativos, de acordo com o diagrama ilustrado na Figura 24. O
diagrama segue a convenção utilizada pela norma IEC 61557-12.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 29


5. MEDIÇÕES

Figura 24 - Fluxo de potência

No diagrama, a corrente é a referência, isto é, a mesma se mantém fixa no ângulo 0º e a


tensão percorre os quadrantes. Na Tabela 5 verifica-se o sinal das potências e a sua natureza.

Quadrante Potência ativa [W] Potência reativa [VAr]

Sinal Classificação Sinal Classificação

I Positivo Importada Positivo Importada indutiva

II Negativo Exportada Positivo Importada capacitiva

III Negativo Exportada Negativo Exportada indutiva

IV Positivo Importada Negativo Exportada capacitiva

Tabela 5 - Fluxo de potência para os 4 quadrantes


A Figura 26 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes às medições de potência. Para
acessá-las, acesse o menu principal e selecione a opção MSR e em seguida a opção PQS.

Figura 25 - Menu PQS

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 30


5. MEDIÇÕES

Figura 26 - Mapa de telas das medições de potência

1. Resumo das potências totais: Potência ativa total P [W], potência reativa total Q [VAr] e
potência aparente total S [VA];
2. Resumo do fator de potência total PF;
3. Potência ativa de fase Pa, Pb e Pc [W];
4. Potência reativa de fase Qa, Qb e Qc [VAr];
5. Potência aparente de fase Sa, Sb e Sc [VA];
6. Fator de potência de fase PFa, PFb e PFc;
7. Ângulo de fase ANGa, ANGb e ANGc [°].

5.2.1 Modo de soma


O PowerNET M-200 permite calcular as potências totais por dois modos diferentes: Vetorial
ou Aritmético, sendo o cálculo vetorial o modo padrão de fábrica. Para alterar o modo de soma das
potências, consulte o capítulo Configuração - Ligação elétrica.
O modo Aritmético calcula a potência reativa com base no valor da potência aparente
desconsiderando o ângulo entre tensão e corrente da fase. O modo Vetorial (padrão de fábrica)
calcula a potência aparente com base no valor da potência reativa considerando o ângulo entre
tensão e corrente de cada fase.
A Tabela 6 explicita as fórmulas para o cálculo das potências. No modo aritmético, as potências
por fase não são mostradas.

Potência ativa Potência reativa Potência aparente

Tabela 6 - Cálculo das potências por fase


A Tabela 7 explicita as fórmulas para o cálculo das potências totais no modo vetorial e
aritmético.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 31


5. MEDIÇÕES

Modo Potência ativa total Potência reativa total Potência aparente total

Vetorial

Aritmético

Tabela 7 - Cálculo da potência total

5.3 Demanda de potência


A demanda de potência é calculada em blocos fixos, ou seja, a potência é acumulada durante
um intervalo fixo e ao final dividida por esse intervalo. O resultado da demanda refere-se ao último
bloco calculado. As demandas de potência calculadas referem-se aos valores totais, e não por fase.
A Figura 27 ilustra o método utilizado para o cálculo utilizando como exemplo um intervalo de
15 minutos.

Figura 27 - Cálculo da demanda de potência por blocos fixos

A Figura 29 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes às medições de demanda de


potência. Para acessá-las, acesse o menu principal e selecione a opção MSR e em seguida a
opção DMD.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 32


5. MEDIÇÕES

Figura 28 - Menu DMD

Figura 29 - Mapa de telas das medições de demanda de potência

1. Demandas de potência ativa Pd [W], reativa Qd [VAr] e aparente Sd [VA] totais;


2. Demandas de potência reativa indutiva Qd{i} [VAr] e capacitiva Qd{c} [VAr] totais;
3. Máximas demandas de potência ativa Pd peak [W], reativa Qd peak [VAr] e aparente
Sd peak [VA] totais;
4. Máximas demandas de potência reativa indutiva Qd{i} peak [VAr] e capacitiva Qd{c}
peak [VAr] totais;
5. Demandas de potência instantâneas ativa Pd pred [W], reativa Qd pred [VAr] e
aparente Sd pred [VA] totais;
6. Demandas de potência instantâneas reativa indutiva Qd{i} pred [VAr] e capacitiva
Qd{c} pred [VAr] totais.

5.4 Consumo de energia


O PowerNET M-200 realiza as medições de energia com base nas medições de potência. A
base de tempo para integração da potência é obtida através do relógio de tempo real do medidor.
Para a energia ativa e reativa, os resultados são separados em grupos de acordo com o sentido do
fluxo de energia. Além disso, para a energia reativa, uma separação de resultados com referência à
característica do sistema é realizada (característica indutiva ou capacitiva).
Além da medição de energia nos quatro quadrantes, o PowerNET M-200 realiza a medição de
energia bruta, ou seja na medição de energia ativa e reativa é possível medir a energia
correspondente à soma da energia direta e reversa em módulo.
A precisão dos valores de energia é ajustada automaticamente conforme valor medido. Para
valores de energia entre 1 a 1 G (W, VAr ou VA) a precisão será de 1 (W, VAr ou VA). Para valores

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 33


5. MEDIÇÕES

entre 1 G e 39 T (W, VAr ou VA) a precisão será de 1 k (W, VAr ou VA).


A Figura 31 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes às medições de energia.

Figura 30 - Menu E

Figura 31 - Mapa de telas das medições de energia

1. Energia ativa total líquida Ph (|Ph fwd| - |Ph rev|) [Wh], energia reativa total líquida Qh
(|Qh fwd| - |Qh rev|) [VArh] e energia aparente total líquida Sh [VAh];
2. Energia ativa total bruta Ph sum (|Ph fwd| + |Ph rev|) [Wh] e energia reativa total
bruta Qh sum (|Qh fwd| + |Qh rev|) [VArh];
3. Energia ativa direta Ph fwd (I+IV) [Wh] e energia reativa direta Qh fwd (I+II)
[VArh];
4. Energia reativa direta indutiva Qh{i} fwd (I) [VArh] e energia reativa direta capacitiva
Qh{c} fwd (II) [VArh];
5. Energia ativa reversa Ph rev (II+III) [Wh] e energia reativa reversa Qh rev (III+IV)
[VArh];
6. Energia reativa reversa indutiva Qh{i} rev (III) [VArh] e energia reativa reversa
capacitiva Qh{c} rev (IV) [VArh].

5.5 THD e harmônicas


Distorções harmônicas podem ser definidas como sendo deformações na forma de onda
senoidal causadas por componentes de uma onda periódica cuja frequência é um múltiplo inteiro
da frequência fundamental da rede. O PowerNET M-200 mede as distorções harmônicas de
tensão e de corrente, apresentando valores de THD e de componente harmônicas individuais. Os
resultados das medições são apresentados em percentuais com referência ao valor True RMS da
componente fundamental, tanto para corrente como para tensão.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 34


5. MEDIÇÕES

A Figura 33 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes às medições de THD. Para


acessá-las, acesse o menu principal e selecione a opção MSR e em seguida a opção THD.

Figura 32 - Menu THD

Figura 33 - Mapa de telas das medições de distorção


harmônica

1. THD tensão de fase THDan, THDbn e THDcn, ou THD tensão de linha THDab, THDbc
e THDca (respectivamente, medições com e sem neutro) [%];
2. Componentes harmônicas de tensão [%] 2ª à 31ª;
3. THD corrente THDa, THDb e THDc [%];
4. Componentes harmônicas de corrente [%] 2ª à 31ª .

5.6 Personalizado
Com o objetivo de atender demandas específicas, o PowerNET M-200 possui um menu
adicional, que permite que sejam visualizadas as medições mais relevantes para o dia-a-dia do
usuário. Para acessá-las, acesse o menu principal e selecione a opção MSR e em seguida a opção
CST.

Figura 34 - Menu CST

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 35


5. MEDIÇÕES

A Figura 35 mostra o mapa de telas do menu CST.

Figura 35 - Mapa de telas das medições de energia com todos valores em alta resolução

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 36


5. MEDIÇÕES

5.7 Leitura em tempo real


Através do PowerMANAGER desktop, é possível fazer a leitura em tempo real de todas as
grandezas medidas pelo PowerNET M-200. Para tal, na aba Dados, clique no botão Monitoração,
como mostrado na Figura 36.

Figura 36 - Leitura em tempo real

Para iniciar a leitura, selecione as grandezas de interesse na aba Seletor de grandezas, e


aperte o botão Iniciar leitura.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 37


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
6
Datalog
A denominação Datalog é a funcionalidade associada aos registros de dados em memória de
massa (memória não volátil). Este capítulo descreve como utilizar o Datalog para armazenamento
dos valores das medições na memória massa do PowerNET M-200.
O PowerNET M-200 grava os diferentes blocos de dados selecionados utilizando o conceito de
áreas, sendo que cada área pode conter um ou mais blocos de dados. As áreas são criadas
automaticamente quando iniciado o Datalog e nelas constam os dados de identificação e
parametrização do multimedidor. O nome de cada área é iniciado por AREA e finalizado por um
número sequencial de quatro algarismos, o qual é incrementado a cada início de um novo registro
(por exemplo, AREA0001).

ATENÇÃO!
A presença do módulo Datalog é opcional, devendo ser informada no ato da compra.

Estando no MENU PRINCIPAL, selecione a opção LOG, conforme mostrado na Figura 37. É
nesse grupo de telas que encontram-se os controles do Datalog, tais como iniciar, pausar e parar
registro de dados, e formatar a memória de massa.

Figura 37 - Localização do controle de Datalog

Os mesmos controles estão disponíveis no PowerMANAGER desktop. Para tal, na aba Dados,
clique no botão Memória de massa, como mostrado na Figura 38.
6. DATALOG

Figura 38 - Janela de controle do Datalog

6.1 Gravação
Para iniciar o registro de dados, acesse a primeira tela mostrada na Figura 39 e, estando o
Datalog no estado Parado, mantenha a tecla pressionada, independentemente do modo de
ínicio configurado. Mantenha novamente pressionada para finalizar manualmente o Datalog.

ATENÇÃO!
Antes de iniciar o registro de dados, certifique-se que as configurações foram ajustadas
conforme a sua necessidade.

Figura 39 - Estado atual do Datalog

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 40


6. DATALOG

1. Estado do Datalog - o estado inicial do Datalog é Parado. Ao manter a tecla


pressionada, caso o Datalog esteja programado para modo de início por Data/Hora, o
estado será alterado para Aguardando. O mesmo ficará neste estado até que a data e hora
programada sejam atingidas com base no relógio do multimedidor. Quando a condição de
início for atingida, o estado do Datalog será alterado para Preparando, momento no qual o
sistema de arquivo é inicializado e as informação referentes à área a ser criada são escritas
na memória de massa. A partir deste momento, o estado do Datalog ficará como
Sincronizando até que o relógio do multimedidor atinja uma hora sincronizável com o
intervalo selecionado. Por exemplo, se a hora atual for 12:07:30, e o intervalo de
amostragem estiver ajustados para 00:10:00, o Datalog só começará a registrar a partir das
12:10:00, ficando por 2 minutos e 30 segundos no estado Sincronizando. Assim que o
Datalog for sincronizado, o mesmo irá para o estado Registrando, onde os blocos de dados
serão gravados na memória de massa conforme o intervalo selecionado. Para pausar o
Datalog, aperte a tecla . Para finalizar o datalog, mantenha a tecla pressionada. Caso
a memória esteja com algum defeito ou ocorra qualquer outro problema no processo de
gravação dos dados, incluindo erros de configuração, o Datalog ficará no estado de Erro. Os
possíveis estados do Datalog podem ser vistos na Figura 40;
2. Informações da área - é possível verificar a identificação da área, o número de
registros gravados em memória de massa até o momento, e os blocos de medição
selecionados:
2.1 Blocos - cada letra refere-se a um bloco de medição. Blocos não selecionados
são mostrados com um traço inferior. As letras que compõem esse campo referem-se
aos seguintes blocos de medição:
2.1.1 I - Instantâneos;
2.1.2 S - Estatísticos;
2.1.3 D - Demandas de potência;
2.1.4 E - Energias;
2.1.5 H - Harmônicas;
3. Data de início - tempo restante até que o Datalog seja iniciado. Esta tela aparece
apenas se o Modo de ínicio selecionado for Data/Hora;
4. Data de fim - data e hora em que o Datalog será finalizado. Esta tela aparece apenas
se o Modo de fim selecionado for Data/Hora e o estado do Datalog for Registrando;
5. Temporizador - tempo restante até que o Datalog seja finalizado. Esta tela aparece
apenas se o Modo de fim selecionado for Temporizador e o estado do Datalog for
Registrando;
6. Contador - quantidade de registros que deverão ser gravados para que o Datalog
seja finalizado. Esta tela aparece apenas se o Modo de fim selecionado for Contador e o
estado do Datalog for Registrando.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 41


6. DATALOG

Figura 40 - Possíveis estados do Datalog

A tela seguinte ao fluxo de telas mostrada na Figura 39, apresentada na Figura 41, permite
visualizar a quantidade em bytes de memória disponível e a autonomia conforme as configurações
escolhidas, e formatar a memória de massa caso necessário. A quantidade de memória livre é
representada em unidades de bytes, padrão definido pelo IEEE 1541-2002, GibiByte (GiB),
MebiByte (MiB) e KibiByte (KiB). A autonomia é representada em anos (y), dias (d), horas (h) e
minutos (min).

Figura 41 - Informação da memória de massa

Para iniciar o processo de formatação, pressione a tecla e confirme a operação. Após


confirmada a operação, uma mensagem informando que a memória está sendo formatada é
apresentada. Ao finalizar, outra mensagem de formatação concluída será mostrada na tela.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 42


6. DATALOG

ATENÇÃO!
Certifique-se que os dados gravados na memória de massa já não são mais necessários,
pois, após a formatação, eles não poderão ser recuperados.

Para abrir a janela de gravação do Datalog no PowerMANAGER desktop, clique em Gravação,


na aba superior. A Figura 42 apresenta a janela de gravação do PowerMANAGER desktop.

Figura 42 - Controle de gravação do datalog

Os botões Iniciar, Pausar e Parar são os responsáveis por controlar o estado atual do
Datalog. Para formatar a memória de massa do PowerNET M-200, clique no botão Formatar
memória.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 43


6. DATALOG

6.2 Leitura
Não é possível fazer a visualização dos dados gravados na memória de massa diretamente no
multimedidor. Nesse caso, faz-se necesário o uso do PowerMANAGER desktop. Para abrir a janela
de leitura do Datalog, clique em Leitura, na aba superior. A Figura 43 apresenta a janela de leitura
do PowerMANAGER desktop.

Figura 43 - Controle de leitura do datalog

6.2.1 Leitura parcial


Nesta janela, pode-se ver o total de áreas criadas no multimedidor e selecionar a desejada para
que seja baixada pelo PowerMANAGER desktop. Após selecionadas as observações que serão
baixadas do multimedidor, e os horários de início e fim de registros, clique em Baixar área para
iniciar o processo de leitura.
Após encerrado o processo de leitura, clique no botão Abrir última área para visualizar os
registros lidos, conforme a Figura 44.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 44


6. DATALOG

Figura 44 - Tabela de registros relativos à última área baixada

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 45


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
7
Automação
O PowerNET M-200 permite automatizar a atuação da saída digital através de eventos de
alarme. Os eventos de alarme constituem um modo de alertar o usuário quando os níveis de
determinadas grandezas ultrapassam limites preestabelecidos.
Estando no MENU PRINCIPAL, selecione a opção I/O, conforme mostrado na Figura 45. No
menu seguinte, MENU I/O, pode-se acessar o grupo de telas correspondente a saída digital
selecionando a opção OUT, e o grupo de telas correspondente aos eventos de alarme selecionando
a opção ALR.

Figura 45 - Localização das telas de saída digital e eventos de alarmes

Os mesmos controles estão disponíveis no PowerMANAGER desktop. Para tal, na aba


Programação, clique no botão Automação, como mostrado na Figura 46.
7. AUTOMAÇÃO

Figura 46 - Janela de automação

7.1 Saída digital


O PowerNET M-200 disponibiliza uma saída digital que pode ser usada para outras finalidades
não ligadas diretamente à medição de grandezas elétricas. A Figura 47 mostra as telas do
PowerNET M-200 referentes a saída digital. Para acessá-las, consulte a Figura 45.

Figura 47 - Mapa de telas das saídas digitais

1. Estado de todas as saídas digitais presentes no multimedidor. O ícone representa o


relé aberto, enquanto o relé fechado;
2. Estado e configuração da saída digital selecionada:
2.1. Modo - é possível programar a saída digital para atuar manualmente, ou por
um evento de alarme. Caso selecionada a primeira opção, mantenha a tecla
pressionada para abrir ou fechar o relé.

ATENÇÃO!
Observe o limite máximo de corrente suportado pelo relé da saída digital. Consulte o
capítulo Especificações - Saída digital para visualizar as características elétricas da
saída digital.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 48


7. AUTOMAÇÃO

7.2 Eventos de alarme


O PowerNET M-200 permite a parametrização e gerenciamento simultâneo de até 20 alarmes
de medição. Os alarmes de medição do PowerNET M-200 possuem três zonas de operação: zona
de operação normal, de alarme e de transição. Para que um alarme seja considerado ativo, os
valores das grandezas monitoradas devem sair da zona de operação normal, passando pela zona
de transição, até a zona de alarme. Já para voltar à condição normal, o contrário deve acontecer,
saindo da zona de alarme até a zona de operação normal.
Cada alarme de medição também pode ter configurado os tempos de atraso e duração da
atuação. Com o atraso, podemos configurar o tempo máximo em que o alarme pode ficar na
condição de ativo sem que o mesmo atue na saída associada. Já a duração permite que, após
iniciada a atuação, o alarme atue na saída associada pelo tempo configurado. Além disso, todos os
alarmes de medição possuem forçamentos manuais, de modo que a atuação seja cancelada,
mesmo que o alarme esteja ativo. A Figura 48 ilustra as zonas de operação do alarme de medição,
além dos quatro modos de configuração dos tempos.

Figura 48 - Implementação dos alarmes de medição

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 49


7. AUTOMAÇÃO

1. Não há tempos de atraso e duração. A atuação será realizada no momento em que o


alarme entrar na zona de alarme, e será finalizada no momento em que o alarme entrar na
zona de operação normal;
2. Há apenas tempo de atraso. A atuação levará um tempo "d" para acontecer. Como
podemos ver no segundo momento, o tempo de permanência na zona de alarme foi menor
que o atraso, fazendo com que o alarme não atuasse na saída associada;
3. Há apenas tempo de duração. A atuação acontecerá no momento em que o alarme
entrar na zona de alarme, porém será finalizada no tempo "D", mesmo que o alarme não
tenha retornado à zona de operação normal;
4. Há tempos de atraso e duração. A atuação acontecerá após o tempo "d", e terminará
após o tempo "D". Como podemos ver no segundo momento, mesmo que o alarme tenha
voltado à zona de operação normal, a atuação só acabará após o tempo de duração;
5. Exemplo de uso do forçamento manual. A atuação será finalizada, mesmo estando em
zona de alarme, e só poderá ser reiniciada quando o alarme voltar à zona de operação
normal.
Os atuadores válidos para os alarmes de medição são a saída digital e o bipe. O PowerNET
M-200 realiza um "OU" lógico de todos os alarmes associados a uma saída, de modo que basta
um alarme estar ativo para que essa saída seja atuada.
A Figura 49 mostra as telas do PowerNET M-200 referentes aos eventos de alarmes. Para
acessá-las, consulte a Figura 45.

Figura 49 - Mapa de telas dos eventos de alarmes

1. Estado dos alarmes 1 a 12. O ícone representa o alarme em estado normal,


enquanto em estado alerta;
2. Estado dos alarmes 13 a 20;
3. Programação das características do alarme selecionado:
3.1. Grandeza - o tipo da medição a ser monitorada (tensão de fase ou linha,
corrente, fator de potência, THD de tensão ou corrente);
3.2. Fases - quais fases serão monitoradas (A, B ou C);
3.3. Ação - qual ação tomar em caso de alarme;
4. Programação dos limites (mínimo e máximo) da zona de alerta;
5. Programação dos limites (mínimo e máximo) da zona de operação normal;
6. Programação dos tempos de atraso (pré) e duração (pós) da atuação.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 50


7. AUTOMAÇÃO

Nas telas de programação também é possível visualizar, na primeira linha, os seguintes estados:
1. - o alarme está desabilitado. Toda vez que algum parâmetro é editado, o alarme é
automaticamente desabilitado. Para habilitar ou desabilitar, mantenha a tecla
pressionada;
2. - a atuação do alarme foi forçada ao estado inicial. Isso ocorre após ultrapassado o
tempo de duração da atuação programada. Para forçar o alarme manualmente, mantenha a
tecla pressionada;
3. Estado do alarme, podendo ser Normal ou Alerta;
3.1. Normal - é quando o alarme não está acionado;
3.2. Alerta - é quando o alarme está acionado.

ATENÇÃO!
Os alarmes e atuadores são independentes uns dos outros. A contagem dos tempos de
atraso e duração não é reiniciada quando o alarme é associado a um atuador, e sim
quando a grandeza monitorada retorna à zona de operação normal.

Exemplo de parametrização
1. Deseja-se habilitar um alarme de medição que dispare um aviso sonoro quando qualquer
uma das tensões de fase da instalação ficar fora da faixa de 118 VAC a 133 VAC. Sabe-se que a
tensão das fases nessa instalação encontra-se normalmente na faixa de 123 VAC a 130 VAC.
Afundamentos ou elevações com duração menor ou igual a 3 segundos são toleradas e não devem
ativar o alarme.
A parametrização necessária para criar esse alarme é apresentada abaixo:
1. Escolha um dos 20 alarmes de medição;
2. Na primeira tela de parametrização:
2.1. Escolha a grandeza monitorada V (tensão de fase);
2.2. Escolha as fases A, B, C;
2.3. Escolha a ação RL1;
3. Na segunda tela de parametrização:
3.1. Programe o valor mínimo 118;
3.2. Programe o valor máximo 133;
4. Na terceira tela de parametrização:
4.1. Programe o valor mínimo 123;
4.2. Programe o valor máximo 130;
5. Na quarta tela de parametrização:
5.1. Programe o tempo de pré-atuação 3;
5.2. Se desejado, programe o tempo de pós-duração para manter a atuação pelo
tempo programado;

6. Mantenha a tecla pressionada para habilitar o alarme.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 51


7. AUTOMAÇÃO

A programação e monitoramento dos alarmes também pode ser feita através do


PowerMANAGER desktop. A Figura 50 apresenta a janela de automação.

Figura 50 - Automação

1. Forçamento manual dos alarmes;


2. Iniciar/parar monitoramento;
3. Configuração dos atuadores;
4. Associação dos alarmes a um atuador;
5. Monitoramento do estado dos alarmes e saída digital;
6. Acesso à parametrização dos alarmes.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 52


8
Configuração
Neste capítulo são abordados tópicos referentes aos parâmetros de configuração do PowerNET
M-200. O multimedidor sai de fábrica com a configuração padrão. Altere os parâmetros do
multimedidor para adequá-los a sua instalação elétrica e necessidades. Para acessá-los, estando no
MENU PRINCIPAL, selecione a opção CFG, conforme a Figura 51. Utilize as teclas e
para selecionar o grupo desejado. Utilize as teclas e para trocar entre os parâmetros do
grupo selecionado.
Os parâmetros são organizados nos seguintes grupos:
• Ligação Elétrica (SYS): parâmetros relacionados à rede elétrica onde o multimedidor será
instalado, tais como modo de ligação, frequência nominal e valores de primário e secundário
de TPs e TCs;
• Demanda (DMD): configuração do intervalo de integração da demanda de potência;
• Datalog (LOG): parâmetros relacionados ao registro de dados em memória de massa, tais
como intervalos de registro e seleção de bloco de dados;
• Comunicação (COM): parametrização do protocolo Modbus-RTU e da comunicação serial
RS-485;
• Interface (UI): parâmetros relacionados à interface do usuário do multimedidor, como, por
exemplo, idioma;
• Padrão de Fábrica (CFG): retornar os parâmetros aos valores originais de fábrica;
• Senha (PWD): programação de senha de parametrização, de modo a limitar o acesso de
terceiros;
• Informações (INF): informações relacionadas ao multimedidor, como modelo, versão de
firmware e número de série.

Figura 51 - Localização da configuração do multimedidor


8. CONFIGURAÇÃO

A transição entre telas é feita pressionando-se as teclas , , e , como descrito no


capítulo Operações básicas.
Os mesmos parâmetros podem ser editados através do PowerMANAGER desktop. Para tal, na
aba Programação, clique no botão Parametrização. Os parâmetros estão agrupados seguindo a
mesma ordem lógica do multimedidor. A Figura 52 apresenta uma visão geral da janela de
parametrização.

Figura 52 - Janela de parametrização do Datalog

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 54


8. CONFIGURAÇÃO

8.1 Ligação elétrica


Ao selecionar a opção CFG no MENU PRINCIPAL, serão apresentadas inicialmente as telas
do grupo SYS, permitindo a edição dos parâmetros relacionados à configuração da ligação elétrica
do multimedidor, conforme ilustra a Figura 53.

Figura 53 - Localização da parametrização da Ligação elétrica

A Figura 54 ilustra o fluxograma das telas de parametrização do grupo SYS.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 55


8. CONFIGURAÇÃO

Figura 54 - Fluxo de telas da parametrização da Ligação elétrica

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 56


8. CONFIGURAÇÃO

As configurações possíveis para os parâmetros da Ligação elétrica são:


• 1. Sistema elétrico - permite configurar parâmetros da Ligação elétrica onde o multimedidor
está instalado;
• 1.1. Modo de ligação - seleciona a topologia de ligação do multimedidor à rede dentre 21
topologias possíveis conforme Anexo B - Modos de Ligação;
• 1.2. Frequência nominal - define a frequência em que opera a rede na qual o
multimedidor está conectado, se 50 Hz ou 60 Hz;
• 1.3. Modo de operação sem frequência - configura como o multimedidor se comporta
caso o mesmo não consiga medir a frequência dos canais de tensão;
• 1.3.1. Cortar - as medições não serão mostradas, sendo mostrado 0.0 ou ---,
dependendo da parametrização para o Modo de apresentação sem medição
escolhida;
• 1.3.2. Nominal - será simulada internamente uma frequência igual à frequência nominal
programada no multimedidor;
• 1.3.3. Última - será simulada internamente uma frequência igual à última frequência
válida medida pelo multimedidor;
• 2. Sequência de fases - define a sequência de fases em que opera a rede, se ABC (direto),
ou ACB (reverso);
• 3. Modo TP e TC - permite seleção de modo de ajuste da relação do transformador, quando
em uso TP ou TC;
• 3.1. Primário/Secundário - seleciona ajuste da relação do transformador pela informação
do número de espiras do primário e do secundário;
• 3.2. Relação - seleciona ajuste da relação do transformador diretamente pela informação
da mesma;
• 4. Primário/Secundário TP - permite a configuração do número de espiras do primário e
secundário do TP (RTP), caso Modo TP escolhido seja Prim/Sec;
• 5. RTP - permite a configuração da razão de transformação do TP (RTP);
• 6. Primário/Secundário TC - permite a configuração do número de espiras do primário e
secundário do TC (RTC), caso Modo TC escolhido seja Prim/Sec;
• 7. RTC - permite a configuração da razão de transformação do TC (RTC);
• 8. Polarização - seleciona a polaridade dos sensores de corrente;
• 8.1. Direto (+) - sensor conectado no sentido direto;
• 8.2. Reverso (-) - sensor conectado no sentido reverso;
• 9. Modo de soma - permite a configuração do modo como o multimedidor realiza a soma das
potências totais, se vetorial ou aritmético;
• 10. Modo de apresentação sem medição - permite ajuste de como o multimedidor mostra
um valor na ausência de medição, se 0.0 ou ---.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 57


8. CONFIGURAÇÃO

8.2 Demanda
As configurações de Demanda são vinculadas ao grupo DMD e acessadas pela tela do menu
CFG, conforme ilustra a Figura 55.

Figura 55 - Localização da parametrização da Demanda

No grupo DMD é possível a configuração do intervalo de demanda, dado em minutos, no


qual é feito o cálculo de Demanda de potência:
• 1. Intervalo de demanda - permite o ajuste do intervalo no qual é calculada a demanda de
potência, dado em minutos e com valores limites na faixa de 1 até 60 minutos.

8.3 Datalog
Para editar os parâmetros relacionados ao Datalog, selecione as telas do grupo LOG, conforme
a Figura 56.

Figura 56 - Localização da parametrização do Datalog

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 58


8. CONFIGURAÇÃO

8.3.1 Geral
Os parâmetros básicos de operação do Datalog, tais como intervalo entre registros, modo de
uso da memória de massa e modos de início e fim de registro, estão localizados no grupo LOG,
dentro da opção CFG, como visto na Figura 56. O fluxo das telas de parametrização é mostrada na
Figura 57.

Figura 57 - Parâmetros básicos do Datalog

• 1. Intervalo de registro - este intervalo pode ser ajustado com valores que vão desde 1
segundo a 24 horas, sendo que os intervalos para minutos e segundos são sempre divisores
inteiros de 60 e para as horas, divisores inteiros de 24. Isso permite realizar a agregação de um
número completo de registros dentro das horas e minutos sincronizados em zero (meia-noite);
• 2. Uso da memória de massa - parâmetros que definem como será feita a gravação da
memória de massa e a ação tomada caso a memória fique cheia:

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 59


8. CONFIGURAÇÃO

• 2.1. Modo de memória - permite configurar como o Datalog se comportará ao utilizar toda
a capacidade da memória de massa:
• 2.1.1. Linear - faz com que o Datalog pare ao chegar ao fim da memória de massa;
• 2.1.2. Circular - faz com que o Datalog passe a sobrescrever os registros mais antigos ao
chegar ao fim da memória de massa. Nesse modo, a autonomia de gravação é reduzida a
um terço da autonomia calculada para o modo Linear. Com isso é garantido que, a partir
do início da leitura dos dados, o multimedidor disponibilizará a quantidade de registros
gravados durante o período de uma autonomia completa;
• 2.2. Criação de áreas - permite configurar como serão criadas as áreas na memória de
massa:
• 2.2.1. Área única - é o modo no qual será criada apenas uma área, mesmo que a
capacidade da memória de massa não tenha sido atingida. Quando o Datalog é iniciado, a
memória de massa é formatada e as áreas antigas são perdidas;
• 2.2.2. Múltiplas áreas - é o modo no qual será criada uma nova área a cada início de
Datalog. Diferente do outro modo, as áreas antigas são preservadas;
• 3. Operação - permite configurar as ações de início e fim de datalog:
• 3.1. Modo de início - permite configurar a ação que deverá acontecer para que o registro
de dados seja iniciado:
• 3.1.1. Manual - é o modo no qual o Datalog inicia através de comando remoto,
independentemente de qualquer outro evento programado;
• 3.1.2. Data/Hora - é o modo no qual o estado do Datalog ficará como "Aguardando..."
até que a data e hora programada em Data de início seja atingida;

ATENÇÃO!
Para efetivamente iniciar o Datalog na data e hora programada, é necessário inicar o
Datalog manualmente no menu da memória de massa!

• 3.2. Modo de parada - permite configurar a ação que deverá acontecer para que o registro
de dados seja finalizado:
• 3.2.1. Manual - é o modo no qual o Datalog para através de comando remoto,
independentemente de qualquer outro evento programado;
• 3.2.2. Data/Hora - é o modo no qual o Datalog para quando a data e hora programada
em Data de fim é atingida;
• 3.2.3. Temporizador - é o modo no qual o Datalog para após passado o tempo
programado em Temporizador [s];
• 3.2.4. Contador - é o modo no qual o Datalog para após gravar na memória de massa o
número de registros programado em Contador;
• 4. Data de início - configuração da data e hora no qual será iniciado o registro de dados. Esta
tela aparece apenas se o Modo de ínicio selecionado for Data/Hora;
• 5. Data de fim - configuração da data e hora no qual o registro de dados será finalizado. Esta
tela aparece apenas se o Modo de fim selecionado for Data/Hora;

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 60


8. CONFIGURAÇÃO

• 6. Temporizador - configuração do tempo no qual o registro de dados será finalizado. Esta


tela aparece apenas se o Modo de fim selecionado for Temporizador;
• 7. Contador - configuração do número de registros necessários para que o registro de dados
seja finalizado. Esta tela aparece apenas se o Modo de fim selecionado for Contador.

8.3.2 Blocos de dados


Para maior flexibilidade e otimização no uso da memória de massa, o PowerNET M-200
permite selecionar blocos de dados específicos agrupados pelo tipo de medição. Essas opções
encontram-se nas telas seguintes às vistas na Figura 57, conforme o fluxo de telas mostradas na
Figura 58.

Figura 58 - Seleção de bloco de dados

Valores típicos de autonomia podem ser consultados na Tabela 8. Abaixo, a descrição de cada
bloco de dados:
• Instantâneos: representa os dados referente às medições com agrupamentos mínimos. Por
exemplo, tensão e corrente RMS agrupados em intervalos de 1 segundo;
• Estatísticos: representa os dados referente aos valores estatísticos das medições (mínimos,
máximos e médias) para todas as grandezas, com exceção de harmônicas. Os valores
estatísticos registrados neste bloco representam dados do intervalo de amostragem selecionado;
• Demandas: representa o bloco de dados referente às medições de demanda de potência;
• Energias: representa o bloco de dados referente às medições de consumo de energia;
• Harmônicas: representa o bloco de dados referente às medições de harmônicas de tensão e
corrente, bem como os valores das distorções harmônicas totais e DC.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 61


8. CONFIGURAÇÃO

Autonomia [dias]

Integração Tensões e Potências, consumo e Harmônicas de tensão e Todas as


correntes demandas corrente grandezas

15 s 1,8 22,5 1,6 1,2

5 min 110,8 1,2 31,1 23,1

15 min 332,5 1350 93,2 69,2

Tabela 8 - Exemplos de autonomia

DICA!
A autonomia depende dos seguintes parâmetros: memória livre, intervalo de registro,
uso da memória de massa e blocos de dados selecionados.

8.3.3 Vinculações
As vinculações permitem que o usuário selecione algumas particularidades referente aos
registros de dados estatísticos, de energias e de demandas. Essas opções encontram-se nas telas
seguintes às vistas na Figura 58, conforme o fluxo de telas mostradas na Figura 59.

Figura 59 - Parâmetros de vinculações do datalog

• Vincular zerar estatísticos - quando selecionado Sim, faz com que, no início de cada
intervalo de registros, os dados estatísticos de todas as medições sejam zerados. Desta forma,
as estatísticas (média, mínimo e máximo) serão somente referente àquele intervalo de registro.
Caso for selecionado Não, os valores estatísticos serão calculados desde o momento em que
foram zeradas as estatísticas;
• Vincular zerar Consumo de energia - quando selecionado Sim, faz com que, no início de
cada intervalo de registros, o Consumo de energia seja zerada. Desta forma os valores de
Consumo de energia (Ativa, Reativa e Aparente) serão somente referente àquele intervalo de

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 62


8. CONFIGURAÇÃO

registros. Caso for selecionado Não, os valores de Consumo de energia serão calculadas desde o
momento em que foram zeradas os Consumos de energias;
• Vincular 1° registro - quando selecionado Sim, faz com que o valor de agregações medidos
durante o intervalo de tempo em que o Datalog estiver com status "Sincronizando" seja
armazenado na memória. Quando selecionado Não, apenas intervalos de integração completos
serão considerados;
• Vincular zerar Demandas de potência - quando selecionando Sim, faz com que os valores
de Demandas de potência sejam zeradas ao iniciar o Datalog, garantindo que os valores de
Demanda de potência gravadas na memória de massa tenham ocorrido durante o período de
gravação dos registros. Quando selecionado Não, os valores de Demandas de potência gravados
podem ter ocorrido antes do registro de dados ter sido inicializado.

8.4 Comunicação
O PowerNET M-200 possui uma interface de comunicação serial padrão RS-485. Os detalhes
da conexão estão descritos na seção Painel traseiro. Esta interface de comunicação possibilita o
monitoramento do multimedidor por meio do software PowerMANAGER desktop o qual facilita a
configuração e parametrização do medidor, bem como permite conectar o multimedidor aos
sistemas de monitoração de energia da IMS Power Quality ou a aplicações de terceiros.
O protocolo de comunicação utilizado na transferência dos dados é o Modbus RTU, o qual
permite o acesso às variáveis de leitura e programação por meio de endereços específicos. A tabela
Modbus das variáveis do PowerNET M-200 pode ser obtida por meio de solicitação formal junto ao
Suporte técnico. Com este meio de comunicação em conjunto com o protocolo, é possível criar uma
rede de medidores e acessá-los individualmente para configurá-los ou realizar leitura online.
Para editar os parâmetros relacionados à comunicação, selecione as telas do grupo COM,
conforme a Figura 60.

Figura 60 - Parametrização da comunicação

A Figura 61 ilustra o fluxograma das telas de parametrização do grupo COM.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 63


8. CONFIGURAÇÃO

Figura 61 - Fluxo de telas da parametrização da comunicação

As configurações possíveis para os parâmetros da Comunicação são:


• 1. Modbus - configurações do protocolo modbus:
• 1.1 Endereço - o endereço 248 é o padrão de fábrica para permitir a parametrização
automática de endereços de rede pelo PowerMANAGER desktop;
• 1.2 Formato - possibilita definir o número de bytes para o endereçamento na tabela
modbus do multimedidor: Short para o valor de 16 bits ou Long para o valor de 32 bits;
• 1.3 Swap - utilizado em situações específicas onde faz-se necessário alternar a ordem dos
bytes ou palavras na comunicação. Para esta opção pode ser selecionado None, Byte, Word
ou Both. Os quatro modos possíveis de configuração são apresentados na Tabela 9;
• 2. Serial - define as configurações da comunicação serial RS-485 conforme a topologia de rede
utilizada:
• 2.1 Baud - ajusta o valor da velocidade de comunicação em bits por segundo (bps);
• 2.2 Formato - ajusta o formato da comunicação serial, tendo como opções: 8-N-1, 8-N-2,
8-E-1, 8-E-2, 8-O-1 ou 8-O-2, onde o primeiro elemento corresponde ao número de bits de
dados; o segundo, à paridade: None, Even ou Odd; o terceiro, ao número de bits de parada:
1/2.

Configuração Ordem dos bytes

None (padrão) ABCD

Byte BADC

Word CDAB

Both DCBA

Tabela 9 - Configuração do Swap do protocolo Modbus

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 64


8. CONFIGURAÇÃO

8.4.1 Interface de usuário


O PowerNET M-200 permite modificar como a interface com o usuário é apresentada. Para
modificar os parâmetros relacionados à Interface de usuário, selecione as telas do grupo UI,
conforme a Figura 62.

Figura 62 - Parametrização da interface de usuário

A Figura 63 ilustra o fluxograma das telas de parametrização do grupo UI.

Figura 63 - Fluxo de telas da parametrização da interface de usuário

As configurações possíveis para os parâmetros da Interface de usuário são:


• 1. Interface - permite ajuste de parâmetros relacionados à interface com o usuário do
PowerNET M-200:
• 1.1 Idioma - configura a linguagem do multimedidor dentre: português PT-BR; inglês
EN-US; espanhol ES;
• 1.2 Bipe - permite ligar ou desligar o bipe do multimedidor;

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 65


8. CONFIGURAÇÃO

• 1.3 Taxa LCD - ajusta a velocidade com que os valores apresentados são atualizados no
display LCD;
• 2. Backlight - permite configurar o tempo de permanência da luz de fundo do display do
multimedidor, podendo receber os valores: 10 a 60s, para um tempo de permanência fixo;
Sempre, para display permanentemente ligado.

8.5 Padrão de fábrica


O PowerNET M-200 permite restaurar as configurações padrão de fábrica facilmente por meio
do grupo CFG, acessado pela tela do menu CFG, conforme ilustra a Figura 64.

Figura 64 - Parametrização do padrão de fábrica

No grupo CFG é possível a restauração das configurações de fábrica do PowerNET M-200.

• 1. Padrão de fábrica - permite a aplicação do padrão de fábrica. Ao pressionar a tecla ,


será apresentada uma nova tela solicitando a confirmação do usuário, conforme ilustra a Figura
65.

Figura 65 - Tela de confirmação da


aplicação do Padrão de fábrica

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 66


8. CONFIGURAÇÃO

8.6 Senha
Com a finalidade de evitar acesso não-autorizado ao multimedidor, o PowerNET M-200 permite
a programação de uma senha de acesso às configurações. Para configurar a senha, é necessário
selecionar as telas do grupo PWD a partir do menu CFG, conforme ilustra a Figura 66.

Figura 66 - Localização do menu de configuração da senha

8.6.1 Geral
A Figura 67 ilustra o fluxograma das telas do grupo PWD. Por padrão, a senha é desabilitada.
Quando a opção for habilitada, uma nova tela será apresentada solicitando a inserção da senha de
proteção alfa numérica de quatro dígitos. A senha permite algarismos (0 a 9) e letras maiúsculas (A
a Z).

DICA!
Caso a senha de proteção seja habilitada, aconselha-se anotá-la em um lugar seguro
para evitar eventuais esquecimentos da mesma.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 67


8. CONFIGURAÇÃO

Figura 67 - Fluxo de telas da parametrização da senha

• 1. Habilitar senha - ao selecionar habilitar senha, será mostrada uma tela onde o usuário
deverá informar a senha desejada;
• 2. Nova senha - trocar a senha atual por uma nova senha;
• 3. Recuperar senha - toda vez que uma senha nova é programada no multimedidor, um
token aleatório é gerado. Caso a senha atual seja esquecida, é através do token que uma nova
senha é gerada pelo Suporte técnico;
• 4. Token - token gerado ao configurar a senha atual;
• 5. Timeout - ajuste do tempo que o PowerNET M-200 aguarda após a entrada da senha até
a mesma ser solicitada novamente. Esta configuração tem o objetivo de não tornar necessária a
entrada da senha a cada alteração de parâmetros em um curto espaço de tempo.

DICA!
Uma vez alteradas as configurações, é possível bloquear com senha novamente sem ter
de esperar por Timeout, bastando manter pressionadas (toque longo) as teclas +
.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 68


8. CONFIGURAÇÃO

8.6.2 Recuperação da senha


Para garantir maior segurança, o PowerNET M-200 não possui uma senha padrão. Caso a
senha configurada seja perdida, será necessário obter uma nova senha mestre através do número
serial do multimedidor e do token gerado pelo multimedidor. O token é uma sequência
alfanumérica gerada automaticamente pelo PowerNET M-200 a cada vez que uma nova senha é
programada.
Anote o token e o número serial do multimedidor e entre em contato com o Suporte técnico. De
posse da senha mestre, digite-a no multimedidor e altere-a conforme desejado. Após a validação
da nova senha, o tempo para alterá-la será dado pelo valor configurado em Timeout.

ATENÇÃO!
Assegure-se de utilizar a função de recuperação de senha somente se a senha realmente
tiver sido esquecida, pois a geração do token implica no bloqueio permanente do
multimedidor. A partir do momento em que o token é acessado, a senha antiga é
invalidada.

8.7 Informações
Para facilitar a consulta a informações relacionadas ao multimedidor, o PowerNET M-200
possui a tela de informações acessível através do menu CFG, conforme ilustra a Figura 68.

Figura 68 - Localização do menu de informações

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 69


8. CONFIGURAÇÃO

8.7.1 Geral
O fluxograma de telas do grupo INF é ilustrado na Figura 69.

Figura 69 - Fluxo de telas do menu informações

• 1. Informações do sistema - permite acesso às informações relacionadas ao PowerNET


M-200:
• 1.1. Modelo - informa o modelo do multimedidor, com letra e um número, onde, M
significa que o multimedidor possui memória de massa e S significa que o multimedidor não
possui memória de massa, D significa que é um equipamento de distribuição (150 V), já a
númeração podemos ter /1 significando que o multimedidor trabalha com TCs xx/1, ou /5
que significa que o multimedidor trabalha com TCs xx/5;
• 1.2. Versão - informa a versão do firmware que está instalada no multimedidor;
• 1.3. Número serial - informa o número de identificação único para cada equipamento da
IMS Power Quality.

8.7.2 Gestão da calibração


O PowerNET M-200 disponibiliza no próprio multimedidor a gestão das datas da última e da
próxima calibração, além da periodicidade em que a calibração é realizada. Na primeira vez em que
o multimedidor é calibrado, a data da última calibração é preenchida com o dia em que a calibração
do multimedidor foi realizada na fábrica. O período entre calibrações sugerido pela IMS Power
Quality é de 24 meses, e a data da próxima calibração é preenchida automaticamente baseado na
última calibração e na periodicidade. O software de calibração da IMS Power Quality, o C2Lab,
atualiza estes valores toda vez que uma nova calibração é realizada. Porém, é permitido ao usuário
final alterar manualmente esses valores. Caso a data do multimedidor seja posterior à data da
próxima calibração, ao inicializar o multimedidor, será mostrada uma tela de aviso, lembrando ao
usuário que o mesmo deve realizar a calibração do multimedidor.
Para usuários que possuam uma gestão de calibração própria, essa facilidade disponibilizada
pelo PowerNET M-200 pode ser desabilitada (padrão).

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 70


8. CONFIGURAÇÃO

• 2. Calibração - permite habilitar ou desabilitar a gestão da calibração. Ao ser habilitada a


opção de gestão da calibração, uma nova tela estará disponível ao clicar ou a partir da
tela de informações de calibração;
• 3. Informações da calibração:
• 3.1. Última - ajusta a data da última calibração realizada no multimedidor;
• 3.2. Próxima - ajusta a data da próxima calibração a ser realizada no multimedidor;
• 3.3. Período - permite configuração do período estabelecido entre calibrações do PowerNET
M-200. De 1 a 99 meses.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 71


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
9
Especificações

9.1 Características básicas

Item Especificação

Frequência nominal 50 e 60 Hz

Amostragem 128 amostras por ciclo

12 bits com conversão sequencial de todos os canais de tensão e corrente

Linguagem do display Português, Espanhol e Inglês

Software supervisório PowerMANAGER desktop

Impedância das entradas de 2MO


tensão

Tensão máxima de medição 500 Vca Fase-Fase (Tensão de linha) (Padrão) ou 150 Vca Fase-Fase (Tensão de linha)
admissível (Opcional)

289 Vca Fase-Neutro (Tensão de fase) (Padrão) ou 86 Vca Fase-Neutro (Tensão de fase)
(Opcional)

Tabela 10 - Características básicas

9.2 Grandezas elétricas medidas

9.2.1 Frequência

Item Especificação

Método de medição Contagem de cruzamentos por zero da componente fundamental da fase de referência

Faixa de medição 42,5 a 57,5 Hz (50 Hz) e 51 a 69 Hz (60 Hz)

Resolução 0,01 Hz

Exatidão ± 0,02 Hz

Valores disponíveis Frequência instantânea

Tabela 11 - Especificações para frequência


9. ESPECIFICAÇÕES

9.2.2 Tensão

Item Especificação

Método de medição Conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 50 a 500 Vca (Tensão de linha) (Padrão) ou 20 a 150 Vca (Tensão de linha) (Opcional)

50 a 289 Vca (Tensão de fase) (Padrão) ou 20 a 86 Vca (Tensão de fase) (Opcional)

Indireta com uso de TP

Resolução 0,01 V

Exatidão Típica: ±0,20 % VL ±0,05 % FE (*)

Garantida: ±0,25 % VL ±0,10 % FE (*)

Seleção de faixas Faixa de medição única

Valores disponíveis Tensão de fase por fase (Van, Vbn, Vcn)

Tensão de fase trifásica VΦ [V]

Tensão de linha por fase (Uab, Ubc, Uca)

Tensão de linha trifásica UΦ [V]

Tabela 12 - Especificações para tensão RMS


(*) Valor lido (VL), Fundo de escala (FE)

9.2.3 Corrente

Item Especificação

Método de medição Conforme IEC 61557-12

Faixa de medição Conexão Direta, 5 A, FT = 1,0 (padrão): 0,02 a 5 A

Conexão Direta, 5 A, FT = 1,2 (opcional): 0,05 a 6 A

Conexão Direta, 1 A, FT = 2,0 (opcional): 0,01 a 2 A

Conexão Indireta com uso de TC, FT = 1,0 (**)

Resolução 0,01 A

Exatidão Típica: ±0,20 % VL + ±0,05 % FE (*)

Garantida: ±0,25 % VL + ±0,10 % FE (*)

Seleção de faixas Faixa de medição única

Valores disponíveis Corrente por fase (Ia, Ib, Ic)

Corrente trifásica IΦ [A]

Tabela 13 - Especificações de corrente


(*) Valor lido (VL), Fundo de escala (FE) (**) Fator térmico (FT)

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 74


9. ESPECIFICAÇÕES

9.2.4 Potência ativa

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 1 kW a 260 MW

Resolução 1W

Exatidão (excluindo sensor de corrente) Típica: ±0,40 % VL + ±0,10 % FE (*)

Garantida: ±0,50 % VL + ±0,20 % FE (*)

Valores disponíveis Potência ativa total P [W]

Potência ativa por fase (Pa, Pb, Pc)

Tabela 14 - Especificações para potência ativa


(*) Valor lido (VL), Fundo de escala (FE)

9.2.5 Potência reativa

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 1 kVAr a 260 MVAr

Resolução 1 VAr

Exatidão Típica: ±0,4 % VL + ±0,1 % FE (*)

Garantida: ±0,5 % VL + ±0,2 % FE (*)

Valores disponíveis Potência reativa total Q [VAr]

Potência reativa por fase (Qa, Qb, Qc)

Tabela 15 - Especificações para potência reativa


(*) Valor lido (VL), Fundo de escala (FE)

9.2.6 Potência aparente

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 1 kVA a 260 MVA

Resolução 1 VA

Exatidão Típica: ±0,4 % VL + ±0,1 % FE (*)

Garantida: ±0,5 % VL + ±0,2 % FE (*)

Valores disponíveis Potência aparente total S [VA]

Potência Aparente por fase (Sa, Sb, Sc)

Tabela 16 - Especificações para potência aparente

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 75


9. ESPECIFICAÇÕES

(*) Valor lido (VL), Fundo de escala (FE)

9.2.7 Fator de potência

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 0 a 1 capacitivo

0 a 1 indutivo

Resolução 0,01

Exatidão ±0,4 % (*)

Valores disponíveis Fator de potência total PF

Fator de potência por fase (FPa, FPb, FPc)

Tabela 17 - Especificações para fator de potência


(*) Exatidão em relação ao Fundo de escala (FE)

9.2.8 Consumo de energia ativa

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 20 Wh a 167 GWh

Resolução 1 Wh para valores até 1 GWh

1 kWh para valores até 39 TWh

Exatidão ±0,4 %

Classificação Classe B (ABNT 14520) (*)

Valores disponíveis Consumo de energia ativa total Ph [Wh]

Consumo de energia ativa direta e reversa bruta Ph [Wh]

Consumo de energia ativa direta Ph [Wh]

Consumo de energia ativa reversa Ph [Wh]

Tabela 18 - Especificações para energia ativa


(*) Válido para variação de temperatura ambiente, corrente e grandezas de influência (tensão,
frequência, harmônicas, sequência de fase e interrupção de uma ou duas fases)

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 76


9. ESPECIFICAÇÕES

9.2.9 Consumo de energia reativa

Item Especificação

Método de medição Medição nos quatro quadrantes, conforme IEC 61557-12

Faixa de medição 20 VArh a 167 GVArh

Resolução 1 VArh para valores até 1 GVArh

1 kVArh para valores até 39 TVArh

Exatidão ±0,4 %

Classificação Classe B (ABNT 14520) (*)

Valores disponíveis Consumo de energia reativa total Qh [VArh]

Consumo de energia reativa direta e reversa bruta Qh [VArh]

Energia reativa direta Qh [VArh]

Consumo de energia reativa direta indutiva Qh [VArh]

Consumo de energia reativa direta capacitiva Qh [VArh]

Consumo de energia reativa reversa Qh [VArh]

Consumo de energia reativa reversa indutiva Qh [VArh]

Consumo de energia reativa reversa capacitiva Qh [VArh]

Tabela 19 - Especificações de energia reativa


(*) Válido para variação de temperatura ambiente, corrente e grandezas de influência (tensão,
frequência, harmônicas, sequência de fase e interrupção de uma ou duas fases)

9.2.10 Consumo de energia aparente

Item Especificação

Método de medição Soma vetorial da potência ativa e reativa integrada no tempo

Faixa de medição 20 VAh a 167 GVAh

Resolução 1 VAh para valores até 1 GVAh

1 kVAh para valores até 39 TVAh

Exatidão ±0,4 %

Valores disponíveis Consumo de energia aparente total Sh [VAh]

Tabela 20 - Especificações para energia aparente

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 77


9. ESPECIFICAÇÕES

9.2.11 Demanda de potência

Item Especificação

Método de medição Integração da potência no tempo em blocos fixos

Faixa de medição 1 kW/VAr/VA a 260 MW/VAr/VA

Resolução 1 W/VAr/VA

Exatidão ±0,4 %

Valores disponíveis Demandas de potência ativa Pd [W], reativa Qd [VAr] e aparente Sd [VA]

Demanda de potência de pico ativaPd peak [W], reativa Qd peak [VAr] e aparente Sd peak [VA]

Demanda de potência prevista ativa Pd pred [W], reativa Qd pred [VAr] e aparente Sd pred [VA]

Tabela 21 - Especificações para demanda de potência

9.2.12 THD

Item Especificação

Harmônicas utilizados 2 ao 31ª

Faixa de medição 0 a 100 %

Resolução 0,1 %

Exatidão ±5 %

Valores disponíveis THD de tensão por fase

THD de corrente por fase

Tabela 22 - THD de tensão e corrente

9.3 Acionamentos

9.3.1 Saída digital

Item Especificação

Tipo Relé de contato seco

Número de saídas 1 (RL1)

Tensão máxima admissível 250 Vca ou 30 Vcc

Corrente máxima admissível (fusível) 3 A

Tabela 22 - Especificações da saída digital

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 78


9. ESPECIFICAÇÕES

9.3.2 Alarmes

Item Especificação

Número de alarmes Até 20 alarmes configuráveis com saídas direcionáveis para o Bipe ou RL1

Variáveis monitoradas Tensões de fase e linha, correntes, fator de potência e THD de tensões e correntes

Tabela 23 - Especificações dos alarmes

9.4 Interfaces de comunicação

9.4.1 Comunicação RS-485

Item Especificação

Interface RS-485

Baud rate 1200 a 115200 bps

Stop bits 1 ou 2

Data bits 8

Paridade Nenhuma, par ou ímpar

Protocolo MODBUS-RTU

Tabela 24 - Especificações da comunicação serial

9.5 Memória de massa

9.5.1 Memória interna

Item Especificação

Tipo Interna, 16 MB

Formato de dados FAT32

Modos de uso da memória Circular/linear

Área única ou áreas múltiplas

Número máximo de áreas 12

Modos de Início Manual ou data/hora

Modos de Parada Manual, temporizador, contador ou data/hora

Blocos de dados selecionáveis Instantâneos, estatísticos, demandas e energia

Tabela 25 - Especificações de Memória de Massa

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 79


9. ESPECIFICAÇÕES

9.6 Relógio e calendário

Item Especificação

Tipo SuperCAP

Autonomia 120 horas (típico) considerando medidor energizado por no mínimo 10 horas

Tabela 26 - Especificações para relógio

9.7 Fonte de alimentação

9.7.1 Alimentação auxiliar

Item Especificação

Alimentação AC 85 a 265 Vca

Alimentação DC 100 a 300 Vcc

Consumo < 10 VA

Fusível de proteção externo (não incluído) 1 A

Tabela 26 - Especificações para a fonte de alimentação

9.8 Interfaces com o usuário

9.8.1 Teclado

Item Especificação

Tipo Teclado de membrana, com 6 teclas multifuncionais em relevo e calota metálica

Teclas Navegação (direita, esquerda, cima, baixo), Prog e Clear

Tabela 27 - Especificações para teclado

9.8.2 Display

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 80


9. ESPECIFICAÇÕES

Item Especificação

Tipo Matricial de cristal líquido 4 linhas x 16 colunas (64 caracteres) com retroiluminação

Área visível (largura x altura) 14,0 x 64,5mm

Formato dos caracteres 5 x 8 pixel

Taxa de atualização 50 ms a 5 s

Tabela 28 - Especificações do display

9.9 Características mecânicas

Item Especificação

Caixa Material plástico resistente ao calor (ABS)

Dimensões (altura x largura x profundidade) 98 x 98 x 101mm

Recorte do Painel 91,0 x 91,0 -0,0/+0,8mm

Peso 425 g

Grau de proteção Frontal: IP-40 (IP-54 opcional)

Traseira: IP-00

Tabela 29 - Características mecânicas

9.10 Condições ambientais

Item Especificação

Temperatura de armazenagem -25 a 75°C

Temperatura de operação 0 a 60°C

Umidade relativa do ar 40 a 70 %

Tabela 30 - Condições ambientais de funcionamento

9.11 Faixas e valores padrão

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 81


9. ESPECIFICAÇÕES

Submenu Variável Faixas Padrão

Sistema (SYS) Config 21 ligações 04: 3P4W-3V3C

Fnom [Hz] { 50 | 60 } 60

S/ Freq { Cortar | Nominal | Última } Cortar

Sequência de fase { ABC | ACB } ABC

Configuração TP { Prim/Sec | Relação } Prim/Sec

TP Primário [V] [ 50, 999999 ] 220

TP Secundário [V] [ 50, 500 ] 220

Relação TP [ 1.00, 20000.00 ] 1.00

Configuração TC { Prim/Sec | Relação } Prim/Sec

TC Primário [A] [ 5, 99999 ] 5

TC Secundário [A] 5 (Fixo) 5

Relação TC [ 1.00, 20000.00 ] 1.00

Polarização dos TCs {+|-} I1:+

{+|-} I2:+

{+|-} I3:+

Modo de soma { Vetorial | Aritmético } Vetorial

Demandas (DMD) Intervalo [min] { 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 10 | 12 | 15 | 20 | 30 | 60 } 15

Comunicação serial Velocidade [bps] { 1200 | 1800 | 2400 | 4800 | 9600 | 19200 | 38400 | 19200
(COM) 57600 | 115200 }

Formato { 8-N-1 | 8-N-2 | 8-E-1 | 8-E-2 | 8-O-1 | 8-O-2 } 8-N-1

Protocolo Modbus Endereço [ 1, 247 ] 1 (padrão), 248


(opcional)

Formato { Long (32bits) | Short (16 bits) } Long

B/W Swap { None | Byte | Word | Both } None

Interface (UI) Idioma (LNG) { PT-BR (Português) | EN-US (Inglês) | ES (Espanhol) } PT-BR

Bipe (SND) { Ligado | Desligado } Ligado

Taxa LCD [ms] { 50 | 100 | 200 | 500 | 1000 | 2000 | 5000 } 1000

Backlight { Sempre | 10 | 20 | 30 | 40 | 50 | 60 } 10

Data/Hora (CLK) Hora [ 00:00:00, 23:59:59 ] Hora Atual

Data [ 2000-01-01, 2099-12-31 ] Data Atual

Dia da semana Segunda a Domingo Dia Atual


(calculado)

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 82


9. ESPECIFICAÇÕES

Datalog (LOG) Intervalo [ 00:00:01, 24:00:00 ] 00:10:00

Operação modo { Manual | Data/Hora } Manual


início

Operação modo { Manual | Contador | Tempo | Data/Hora } Manual


parada

Blocos Instantâneos (I), estatísticos (S), demandas (D), Sim, Sim, Sim, Sim,
energias (E), harmônicas (H) { Sim | Não } Não (ISDE_)

Modo uso memória { Linear | Circular } Linear


modo

Modo uso memória { Única | Múltiplas } Única


áreas

Vinculações Estatísticos, energias, 1º registro, demandas { Sim | Não Sim, Não, Não
}

Tabela 31 - Faixa e valores padrão de fábrica

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 83


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
10
Manutenção

10.1 Limpeza
Para limpar o PowerNET M-200, utilize um pano úmido com sabão neutro. Jamais utilize álcool
ou qualquer outro tipo de solvente, pois a utilização destes causam a deterioração do painel, além
de apagarem os textos escritos no medidor.

10.2 Solução de problemas

10.2.1 Multimedidor não liga


• Provável desenergização da fonte de alimentação do medidor.
• Neste caso verifique se o cabo de conexão neutro e pelo menos uma das fases A, B ou C
estão devidamente conectadas ao plug de alimentação. Além disso, observe o plugue de
conexão de alimentação certifique-se que o mesmo está devidamente conectado. Verifique
também se a tensão disponível no sistema atende os requisitos mínimos para energização do
medidor.

10.2.2 Resultado das medições com traços


• Valor resultante da medição está fora da faixa de medição ou medição não é aplicável para a
conexão selecionada.
• Verifique se os cabos de medição de tensão e sensores de corrente estão devidamente
instalados e certifique-se que a tensão e corrente presentes no sistema atendam os limites
mínimos estabelecidos para medição do medidor. Quando o medidor não detecta a frequência
do sistema no qual ele está conectado os valores aparecem como traços, visto que muitos dos
métodos de medição têm como base a frequência medida.

10.2.3 Medições de tensão e potência com valores anormais


• Provável erro de configuração da relação de entrada (RTP e RTC). Neste caso os valores de
tensão, corrente e potências ficarão maiores ou menores dependendo da configuração presente.
• Para resolver este problema, acesse o menu de configurações das medições e ajuste a relação
da entrada de acordo com a ligação do medidor. Caso a ligação do medidor seja direta,
certifique-se que os valores de primário e secundário são iguais.
10. MANUTENÇÃO

10.2.4 Potência ativa e reativa com sinal invertido


• Provável inversão do sentido dos sensores de corrente ou ligação incorreta dos cabos de
medição de tensão.
• Verifique o sentido de ligação dos TCs, observando o sinal indicativo no conector traseiro do
medidor. Verifique se os cabos de medição de tensão foram ligados obedecendo a sequência
de fase do sistema.

10.2.5 Multimedidor não comunica com o software


• Provável erro de configuração da comunicação serial ou protocolo Modbus.
• Verifique se o cabo de comunicação está devidamente conectado a porta de comunicação
serial do medidor. Esta porta é identificada como PC no painel lateral.
• Verifique se a porta COM correta foi selecionada no software. Para isso identifique a porta
serial virtual criada utilizando o gerenciador de dispositivos do Windows.
• Verifique se as configurações da comunicação serial do software são as mesmas do medidor.
• Verifique a taxa de transferências dos dados (Baud rate), o formato, endereço da rede, modo
de endereçamento e ordem dos bytes na transmissão. As configurações devem ser as
mesmas tanto no medidor quanto no software.

10.2.6 Datalog inicia mas não incrementa registros


• Este sintoma ocorre porque o relógio (data e hora) do medidor não foi ainda ajustado. Nesta
situação o Datalog não inicia, permanecendo com status Registrando, mas os incrementos do
contador de registros não acontecem. Para corrigir este problema acesse o menu Data/Hora e
ajuste a data e hora. Observe também os ajustes de GMT e DST, localizados na tela abaixo de
Data/Hora.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 86


Anexo A - Relatório à Assistência
Técnica
DADOS DA EMPRESA

NOME DA EMPRESA:
ENDEREÇO PARA ENTREGA DO EQUIPAMENTO:

CIDADE:
UF:
FONE:
FAX:
E-MAIL:
CONTATO:
TRANSPORTADORA:

DADOS DO EQUIPAMENTO

EQUIPAMENTO: PowerNET M-200


NÚMERO DE SÉRIE:

DEFEITOS APRESENTADOS:

CAUSAS POSSÍVEIS:
(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
Anexo B - Modos de Ligação

Figura 10 - Sistema 01: 1P2W-1V1C - Monofásico (LN)

Figura 11 - Sistema 02: 2P2W-1V1C - Bifásico (LL)


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 70 - Sistema 03: 2P3W-2V2C - Bifásico (LL+N)

Figura 12 - Sistema 04: 3P4W-3V3C - Trifásico 4 Fios, Estrela, Conexão Direta, 3 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 90


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 71 - Sistema 04: 3P4W-3V3C - Trifásico 4 Fios, Delta, Conexão Direta, 3 TC (“High Leg”)

Figura 72 - Sistema 04: 3P4W-3V3C - Trifásico 4 Fios, Delta Aberto, Conexão Direta, 3 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 91


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 73 - Sistema 04: 3P4W-3V3C - Trifásico 4 Fios, Estrela, Conexão 3 TP, 3 TC

Figura 74 - Sistema 05: 3P4W-3V2C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Balanceado, Conexão 3 TP, 2 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 92


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 75 - Sistema 06: 3P4W-3V1C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Balanceado, Conexão Direta, 1
TC

Figura 76 - Sistema 06: 3P4W-3V1C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Balanceado, Conexão 3 TP, 1 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 93


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 77 - Sistema 07: 3P4W-2V3C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado, Conexão 2 TP, 3 TC

Figura 78 - Sistema 08: 3P4W-2V2C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado e Balanceado,


Conexão Direta, 2 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 94


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 79 - Sistema 09: 3P4W-2V1C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado, Conexão Direta, 1
TC

Figura 80 - Sistema 10: 3P4W-1V3C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado, Conexão Direta, 3
TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 95


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 81 - Sistema 11: 3P4W-1V2C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado, Conexão Direta, 2
TC

Figura 82 - Sistema 12: 3P4W-1V1C B - Trifásico 4 Fios, Estrela Equilibrado, Conexão Direta, 1
TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 96


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 13 - Sistema 13: 3P3W-3V3C - Trifásico 3 Fios, Delta, Conexão Direta, 3 TC

Figura 83 - Sistema 13: 3P3W-3V3C - Trifásico 3 Fios, Estrela Balanceado, Conexão 3 TP, 3 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 97


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 84 - Sistema 13: 3P3W-3V3C - Trifásico 3 Fios, Delta Aberto, Conexão Direta, 3 TC

Figura 85 - Sistema 14: 3P3W-3V2C - Trifásico 3 Fios, Delta, Conexão Direta, 2 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 98


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 86 - Sistema 14: 3P3W-3V2C - Trifásico 3 Fios, Estrela, Conexão 3 TP, 2 TC

Figura 87 - Sistema 15: 3P3W-3V1C B - Trifásico 3 Fios, Delta Balanceado, Conexão Direta, 1 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 99


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 88 - Sistema 15: 3P3W-3V1C B - Trifásico 3 Fios, Estrela Balanceado, Conexão 3 TP, 1 TC

Figura 89 - Sistema 16: 3P3W-2V3C - Trifásico 3 Fios, Delta, Conexão 2 TP, 3 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 100


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 90 - Sistema 17: 3P3W-2V2C - Trifásico 3 Fios, Delta, Conexão 2 TP, 2 TC

Figura 91 - Sistema 18: 3P3W-2V1C B - Trifásico 3 Fios, Delta Balanceado, Conexão 2 TP, 1 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 101


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 92 - Sistema 19: 3P3W-1V3C B - Trifásico 3 Fios, Delta Equilibrado, Conexão 1 TP, 3 TC

Figura 93 - Sistema 20: 3P3W-1V2C B - Trifásico 3 Fios, Delta Equilibrado, Conexão 1 TP, 2 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 102


12. ANEXO B - MODOS DE LIGAÇÃO

Figura 94 - Sistema 21: 3P3W-1V1C B - Trifásico 3 Fios, Delta Equilibrado, Conexão 1 TP, 1 TC

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 103


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
Anexo C - Instalação da Vedação IP54
A IMS Power Quality fornece juntamente com o PowerNET M-200 uma borracha de vedação
que proporciona ao multimedidor a classificação IP (Ingress Protection) 54.
A classificação IP 54 garante ao multimedidor:
• Proteção contra entrada de objetos sólidos, permitindo acúmulo não prejudicial de poeira;
• Proteção contra água pulverizada em todas as direções, permitindo ingresso limitado.
As instruções a seguir descrevem o procedimento para instalação da borracha de vedação e do
PowerNET M-200 em um painel apropriado. Siga-as na seguinte sequência:
1. Preparativos;
2. Instalação da borracha de vedação;
3. Fixação do PowerNET M-200.
Para iniciar o procedimento de vedação do multimedidor, necessita-se que estejam disponíveis:
• PowerNET M-200;
• Borracha de vedação;
• Painel com furação apropriada.
13. ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54

13.1 Instalação da borracha de vedação


Remova a parte posterior da fita que protege a cola da borracha de proteção.

Figura 95 - Remoção da fita da parte posterior da borracha de proteção

Fixe a borracha na parte frontal do recorte do painel onde o equipamento será instalado.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 106


13. ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54

Figura 96 - Fixação da borracha de proteção ao painel

Remova a parte anterior da fita que protege a cola da borracha de proteção.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 107


13. ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54

Figura 97 - Remoção da fita da parte anterior da borracha de proteção

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 108


13. ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54

13.2 Fixação do multimedidor


Fixe o multimedidor ao painel observando o contato do PowerNET M-200 com a borracha de
vedação.

Figura 98 - Fixação do multimedidor no painel

Ajuste as presilhas de fixação para manter o multimedidor fixado firmemente ao painel.

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 109


13. ANEXO C - INSTALAÇÃO DA VEDAÇÃO IP54

Figura 99 - Ajuste das presilhas de fixação

Manual PowerNET M-200 Rev.: 2.0 Página 110


(Esta página foi intencionalmente deixada em branco)
IMS - Soluções em Energia Ltda.
Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS - Brasil
Fone: +55 (51) 3382-2300
www.ims.ind.br
ims@ims.ind.br

Copyright © 2015 IMS. Todos os direitos reservados.


É proibida a reprodução e distribuição deste documento sem permissão prévia por escrito.

Manual PowerNET M-200 Versão 2.0.x

Equipamentos eletrônicos devem ser instalados, operados e realizada a manutenção somente por
pessoas tecnicamente qualificadas. Nenhuma responsabilidade é assumida por parte da IMS por
qualquer consequência danosa relativa ao uso deste material.

Antes de imprimir pergunte-se se realmente é necessário. Pense em sua


responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE.