You are on page 1of 16

12

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
AVALIAÇÃO EM PROCESSO
DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO
12

Língua
Língua Portuguesa
Portuguesa
3ª série do Ensino Médio Turma ___________________
3ª série do Ensino Médio Turma _________________________
1º Bimestre de 2018 Data ______ /______ /______
1º Bimestre de 2018 Data _______ / _______ / _______
Escola ________________________________________________
Escola _______________________________________________________________________
Aluno ________________________________________________
Aluno ______________________________________________________________________

1
2
3
4
5
6
7
8

10
11
12
13
14
15
16

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 1 14/02/2018 23:50:19


Leia o texto e responda às questões 01, 02 e 03.

[...]
77. MESES FAZENDEIROS
Celiazinha no colo da Maria portuguesa abria primeiros olhos para
a vaca da escada matinal e depois passo a passo para o pomar dos trópicos
inchados. [...]
E os dias ronronavam a máquina surda de café com o sustenido
nostálgico da serraria araponga.
Colônia bodes botados hóspedes rústicos na manhã.
Meios porcos invadindo telhas vãs de cozinha com jabuticabas e gatos
esfomeados.
Siás donas e lentidões de negros.
Italianos de pé no chon e santuários empetecados e milagrosos.
E homens e mulheres a pé e a cavalo nas estradas enferrujadas pelo
sol lavrador. [...]

ANDRADE, Oswald de. Memórias sentimentais de João Miramar. [Rio de Janeiro] Civilização brasileira.
3ª edição[1971] “Editado em convênio com o Instituto Nacional do Livro — MEC”.

Disponível em: <http://www.aedi.ufpa.br/parfor/letras/images/documentos/atividadesadistancia_jan2016/


Francisco_ewerton/memorias_sentimentais_de_joao_miramar_-_%20oswald_%20de_andrade.pdf>.
Acesso em: 29 de dezembro de 2018.

2 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 2 14/02/2018 23:50:19


Questão 01

No trecho, a descrição do ambiente na fazenda sugere aspectos sonoros, que


compõem o cenário, em:

(A) “Celiazinha no colo da Maria portuguesa [...]”.


(B) “[...] com o sustenido nostálgico da serraria araponga.”.
(C) “[...] santuários empetecados e milagrosos.”.
(D) “Meios porcos invadindo telhas vãs de cozinha [...]”.
(E) “E homens e mulheres a pé e a cavalo nas estradas [...]”.

Questão 02

A linguagem telegráfica marca a segmentação do texto, especialmente no trecho


lido de “Memórias sentimentais de João Miramar”. Essa característica

(A) revela a influência das artes plásticas (cubismo) no Modernismo brasileiro.


(B) apresenta traços próprios do Simbolismo, bastante marcantes na
literatura brasileira.
(C) garante o aspecto erudito da linguagem presente nas obras do Parnasianismo.
(D) demonstra a valorização da “arte pela arte”, no final do século XIX.
(E) retrata individualismo e isolamento típicos das obras literárias anteriores à
Semana de Arte Moderna.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 3

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 3 14/02/2018 23:50:19


Questão 03

Em: “Siás donas e lentidões de negros. Italianos de pé no chon e santuários


empetecados e milagrosos.”, as expressões em destaque (Siás/chon) foram
usadas para caracterizar, respectivamente,

(A) o modo de escrever tais palavras populares na região Sul do Brasil.


(B) a pronúncia das palavras “sinhá” e “chão” pelos imigrantes italianos de São
Paulo.
(C) os falares dos ex-escravos e dos imigrantes italianos na fazenda.
(D) as formas incorretas de se expressar no interior de São Paulo.
(E) o jeito de se referir às mulheres e aos italianos na região Sudeste do Brasil.

4 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 4 14/02/2018 23:50:19


Leia o texto e responda às questões 04 e 05.

Disponível em: <http://www2.uol.com.br/laerte/tiras/>. Acesso em: 29 de janeiro de 2018.

Questão 04

O desentendimento entre pai e filho, nos quadrinhos, deve-se ao fato de que

(A) ambos querem assistir, ao mesmo tempo, a diferentes programas na TV.


(B) o filho insiste em ver programas eróticos, sem ter permissão.
(C) o pai quer dialogar, mas o filho não admite mudar de opinião.
(D) pai e filho compartilham a mesma TV e vivem em conflito.
(E) brigas por causa do canal erótico são comuns.

Questão 05

Em: “Você não entende que não pode assistir canal erótico, né Messias?”, a
expressão em destaque é um vocativo e

(A) refere-se ao modo como o pai critica a atitude do filho.


(B) ressalta o nervosismo do pai diante da desobediência.
(C) mostra uma característica do filho que o pai reprova.
(D) tem a função de reforçar a quem o pai se dirige.
(E) apresenta uma fala formal do pai, na situação.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 5

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 5 14/02/2018 23:50:19


Leia o texto e responda às questões 06, 07 e 08.

O fio da memória de Conceição Evaristo

Em ‘Olhos d’água’, escritora mineira reúne narrativas que abordam conflitos


sociais históricos e contemporâneos

Uelington Farias Alves

RIO - “A beleza enche os olhos d’água”, disse certa vez a poeta Adélia
Prado. Assim viajamos no tempo ou na correnteza cristalina de lágrimas que
jorram desse manancial de emoções chamado Conceição Evaristo. Em seu
novo livro de contos, “Olhos d’água” (Pallas/Seppir/FBN), a escritora, marcada
pela mineirice e pelo engajamento no movimento de mulheres negras, reconta
histórias da sua “escrevivência”, motor de todo o universo narrativo que, ao
longo dos últimos anos, a transformaram em uma autora bastante engajada e,
sobretudo, estudada, nas academias dentro e fora do Brasil — em março, foi um
dos nomes mais festejados da delegação brasileira no Salão do Livro de Paris.

Conceição está muito próxima do contundente testemunho de “Quarto de


despejo”, de Carolina Maria de Jesus (1914-77), ou do grito das escritoras negras
do seu tempo presente, que não se deixam silenciar nunca — sua escrita, rica de
imagens e significados, serve para dinamitar metros cúbicos de túneis por onde
ela cria atalhos para sua voz respirar.

E no volume de contos “Olhos d’água”, não é diferente. Neste livro ela


pavimenta bem o seu caminho de escritora, o arcabouço linguístico de sua
comunicação com o mundo (a exemplo da ousada escritora moçambicana
Paulina Chiziane, que esteve ano passado no Brasil, durante a Flink Sampa).
Nos contos deste volume, é evidente a tessitura, o sutil acabamento e a concisão
de palavras no enfeixamento de histórias como a “Olho d’água”, “Luamanda”,
“Zaíta esqueceu de guardar os brinquedos”, “A gente combinamos de não
morrer”, “Di lixão”, “Ana Davenga”, “Os amores de Kimbá”, entre outras. São
relatos recheados não só de lágrimas e de dor, na perspectiva de crianças,
homens e mulheres, mas de sentimento, violência e de fé. Se em cada uma

6 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 6 14/02/2018 23:50:19


dessas histórias as lágrimas não param de rolar, de mistura com o vermelho
do sangue, ao mesmo tempo, na essência de sua criatividade, a voz da autora
também não se permite calar.

Personagens e enredos têm muitas razões de choros e angústias. Aliás,


é um livro muito lacrimejante, pode-se dizer, onde praticamente todos choram
por alguma razão, menos de alegria. Mas há quem chora “diante da novela”, ou
quem parece ter “rios caudalosos” sobre a face, ou, ainda, “águas correntezas”.
[...]

Ora, são muitas as passagens marcantes de “Olhos d’água”: um livro


revelador, impactante, forte, mas sem sentimentalismos, unindo poética à ficção.
Sem dúvida, Conceição Evaristo se revela uma importante escritora da nossa
atualidade. Vale a pena a conferir.
Disponível em: <http://oglobo.globo.com/cultura/livros/o-fio-da-memoria-de-conceicao-evaristo-
15766815#ixzz4TT3rFM3i>. Acesso em: 29 de janeiro de 2018.

Questão 06

O texto é uma resenha do livro “Olhos d’água”, de Conceição Evaristo, escrita


pelo jornalista Uelinton Farias Alves, que apresenta uma visão geral, resumida e
crítica da obra, como se comprova em:

(A) “Mas há quem chora ‘diante da novela’, ou quem parece ter ‘rios caudalosos’
sobre a face, ou, ainda, ‘águas correntezas’”.
(B) “Sem dúvida, Conceição Evaristo se revela uma importante escritora da
nossa atualidade. Vale a pena conferir”.
(C) “Personagens e enredos têm muitas razões de choros e angústias. Aliás, é
um livro muito lacrimejante, pode-se dizer, onde praticamente todos choram
por alguma razão, menos de alegria”.
(D) “Assim viajamos no tempo ou na correnteza cristalina de lágrimas que jorram
desse manancial de emoções chamado Conceição Evaristo”.
(E) “Uma autora bastante engajada e, sobretudo, estudada, nas academias
dentro e fora do Brasil — em março, foi um dos nomes mais festejados da
delegação brasileira no Salão do Livro de Paris”.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 7

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 7 14/02/2018 23:50:19


Questão 07

Os termos “mineirice” e “escrevivência” são utilizados, pelo autor da resenha,


para caracterizar a escritora Conceição Evaristo, respectivamente, para marcar
que

(A) sua escrita dos contos acontece a partir de experiências contadas por
pessoas de Belo Horizonte.
(B) a obra traz a história de Minas Gerais, com influência da escritora
Carolina Maria de Jesus.
(C) o livro “Olhos d’água” apresenta fatos da vida de personagens típicos de
Minas Gerais, sem a influência do ponto de vista e da vivência de Conceição
Evaristo.
(D) as histórias de vida são contadas pela autora sem ligação afetiva com suas
origens em Minas Gerais.
(E) os contos do livro resenhado, escritos com traços peculiares de quem é de
Minas Gerais, são oriundos de experiências obtidas ao longo da vida da
autora.

8 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 8 14/02/2018 23:50:19


Questão 08

Em: “Conceição está muito próxima do contundente testemunho de “Quarto


de despejo”, de Carolina Maria de Jesus (1914-77), ou do grito das escritoras
negras do seu tempo presente, que não se deixam silenciar nunca.” O verbo
“deixar” está no plural, para

(A) divulgar o grito das mulheres negras diante de situações que exigem atitudes
de conformismo quanto ao machismo.
(B) dar ênfase à postura das escritoras negras que não se calam, mantendo-se
engajadas aos movimentos de mulheres negras.
(C) reforçar o testemunho de Carolina Maria de Jesus, em “Quarto de Despejo”.
(D) garantir o foco no grito das mulheres escritoras, como se nota nos poemas
de Adélia Prado.
(E) enfatizar o grito das escritoras negras, resistindo com criatividade, às
situações adversas.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 9

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 9 14/02/2018 23:50:19


Leia o texto e responda às questões 09 e 10.

Rondó1 dos Cavalinhos


Manuel Bandeira

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
Tua beleza, Esmeralda,
Acabou me enlouquecendo.

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
O sol tão claro lá fora
E em minhalma — anoitecendo!

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
Alfonso Reyes2 partindo,
E tanta gente ficando...

Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
A Itália falando grosso,
A Europa se avacalhando...

1 ron·dó substantivo masculino


1. [Música]Composição poética que contém qualquer número de versos e cujo estribilho é constante.
2. Nome da última parte das sonatas.
3. Composição poética pequena em que os primeiros versos se repetem no meio ou no fim da
peça.”rondó”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013. Disponível
em:<https://www.priberam.pt/dlpo/rond%c3%b3>. Acesso em: 29 de janeiro de 2018.
2 Alfonso Reyes (1889-1959) – poeta e diplomata mexicano. Disponível em: <http://www.biografiasyvi-
das.com/biografia/r/reyes.htm>. Acesso em: 29 de janeiro de 2018.

10 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 10 14/02/2018 23:50:19


Os cavalinhos correndo,
E nós, cavalões, comendo...
O Brasil politicando,
Nossa! A poesia morrendo...
O sol tão claro lá fora,
O sol tão claro, Esmeralda,
E em minhalma — anoitecendo!

Disponível em: <http://www.releituras.com/mbandeira_rondo.asp>. Acesso em: 29 de janeiro de 2018.

Questão 09

O poema “Rondó dos cavalinhos” foi publicado em 1936, no livro “Estrela da


Manhã”, período próximo à II Guerra Mundial, em plena ascensão do fascismo
na Europa. Os versos que confirmam esse contexto histórico são:

(A) “O sol tão claro, Esmeralda,/E em minhalma – anoitecendo!”.


(B) “Tua beleza, Esmeralda,/Acabou me enlouquecendo”.
(C) “E nós, cavalões, comendo.../O Brasil politicando”.
(D) “ A Itália falando grosso,/A Europa se avacalhando...”.
(E) “Nossa! A poesia morrendo.../o sol tão claro lá fora”.

Questão 10

O poema “Rondó dos cavalinhos” foi construído em uma estrutura que coloca
lado a lado algumas oposições ou contradições para desenvolver o tema:

(A) Loucura do eu lírico pelo amor de Esmeralda.


(B) Saudade do amigo Alfonso Reyes que partiu.
(C) Ironia em relação à politicagem no Brasil à época.
(D) Desencanto com a vida sem objetivo no pós-guerra.
(E) Frustração do eu lírico com a situação pessoal e social.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 11

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 11 14/02/2018 23:50:19


Questão 11

Em todo o poema e nos dois versos que se repetem no início de cada estrofe de
“Rondó de cavalinhos” (Os cavalinhos correndo,/E nós, cavalões, comendo...),
há um jogo de palavras e de imagens (cavalinhos/cavalões/correndo/comendo)
que retratam

(A) a falta de sensibilidade de humanos, que transformados em animais, são


indiferentes às belezas e aos desastres do mundo.
(B) cenas do cotidiano do eu lírico em contraposição aos devaneios dos homens
insatisfeitos que vivem à sua volta.
(C) frustrações amorosas do eu lírico em oposição à felicidade que brilha nos
olhos dos outros.
(D) a indiferença das pessoas quanto às coisas deprimentes que acontecem no
mundo exterior.
(E) modos peculiares de lembrar a melancolia da loucura por amor, na claridade
dos dias de sol.

12 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 12 14/02/2018 23:50:19


Leia o texto e responda à questão 12.

Doutor Estranho | Crítica


Marvel segue presa ao seu próprio tempo e faz um filme refém das repetições
25/10/2016 - 16:43 MARCELO HESSEL

[...]

De um lado, o diretor Scott Derrickson traz dos seus filmes de terror um senso de
fragilidade diante do desconhecido: o elenco de Doutor Estranho é basicamente
feito não de tipos super-heroicos (ou pelo menos de tipos clássicos de histórias
de artes marciais, cheios de convicções) mas de personagens assombrados pela
mortalidade. O fato de cada um reagir ao seu modo, cheios de dúvidas, quando
confrontados com a inexorabilidade3 da morte, serve não apenas de motor da
trama, mas também dá a Doutor Estranho uma insuspeita carga dramática com
que poucos filmes da Marvel ousaram flertar. [...]

Do outro lado, temos a Marvel onde nada é definitivo e onde tudo opera na
superfície: as cenas reiteradas de exposição servem não apenas para explicar ao
espectador médio que diabos são esses misticismos todos, servem também para
abrir portas a futuras outras histórias (como a menção ao Tribunal Vivo, elemento
central de Infinity War nos quadrinhos), numa já conhecida retroalimentação de
mitologia que nunca chegará ao fim. [...]

O resultado é um filme que, embora seja vendido como uma corajosa aventura
lisérgica (o 3D de fato é crucial para aproveitar o melhor das pontuais viagens
visuais de Doutor Estranho), nunca se aprofunda naquilo que a psicodelia tem
de essencial, que é perder-se em si mesmo. [...]

Nota do crítico (BOM)

Disponível em: <https://omelete.uol.com.br/filmes/criticas/doutor-estranho/?key=117098>. Acesso em: 22


de dezembro de 2016. (adaptado)

3 i·ne·xo·ra·bi·li·da·de - substantivo feminino


Qualidade daquilo que é inexorável; inevitável. In Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-
2013, <https://www.priberam.pt/dlpo/inexorabilidade> . Acesso em: 29 de janeiro de 2018.

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 13

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 13 14/02/2018 23:50:19


Questão 12

O argumento de que os personagens de “Doutor estranho” não são tipicamente


super-heróis e são assombrados pela mortalidade, na resenha crítica do filme,
está comprovado em:

(A) “[...] as cenas reiteradas de exposição servem não apenas para explicar ao
espectador médio que diabos são esses misticismos todos, [...]”.
(B) “[...] (o 3D de fato é crucial para aproveitar o melhor das pontuais viagens
visuais de Doutor Estranho), [...]”.
(C) “[...] nunca se aprofunda naquilo que a psicodelia tem de essencial, que é
perder-se em si mesmo. [...]”.
(D) “O fato de cada um reagir ao seu modo, cheios de dúvidas, quando
confrontados com a inexorabilidade da morte, [...]”.
(E) “O resultado é um filme que, embora vendido como uma aventura lisérgica
[...], nunca se aprofunda naquilo que a psicodelia tem de essencial [...]”.

14 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 14 14/02/2018 23:50:19


ANOTAÇÕES

Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio 15

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 15 14/02/2018 23:50:19


ANOTAÇÕES

16 Avaliação da Aprendizagem em Processo ∙ Prova do Aluno – 3ª série do Ensino Médio

3EM_19ED_LP_REVISAO_0.indd 16 14/02/2018 23:50:19