Вы находитесь на странице: 1из 10

água do mar

petróleo

carvão
PIN agricultura
produtos
químicos
pecuária

QUÍMICA e os mais
diversos minerais

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Matérias-primas Faturamento líquido


formulação de medicamentos  Indústria química -
Outros
2007
Tintas, US$ 2,7 Produtos
produção de alimentos esmaltes e químicos de
vernizes uso
US$ 2,4 Total:
purificação da água industrial
US$ 103,5 bilhões
US$ 55,1
Sabões e
construção de moradias detergentes
US$ 5,5
fabricação de automóveis,
Defensivos em US$ bilhões
computadores agrícolas Higiene Produtos
US$ 5,4 pessoal, farmacêu-
roupas, utensílios domésticos, perfumaria ticos
Adubos e e
artigos de higiene fertilizantes cosméticos
US$ 14,6

US$ 9,0 US$ 8,8


e uma infinidade de itens que
estão presentes no dia-a-dia
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Ranking da indústria química mundial


 Faturamento líquido - 2006
em US$ bilhões
Estados Unidos 637
China 310
Japão 223 Onde estão os produtos químicos?
Alemanha 204
125
França
Alguns exemplos:
Coréia 105
Reino Unido 101
Itália 99
9ª posição Brasil 82
Índia 76
Espanha 58
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

1
Construção civil
caixa d'água
Tratamento de água polietileno de alta densidade (PEAD)
resinas poliéster
cloro São utilizados para oxidar
dióxido de cloro detritos e destruir argamassas de alvenaria concretos
microorganismos surfactantes
hidróxido de cálcio éteres celulósicos
cloreto de ferro Absorvem e precipitam cloreto de cálcio
sulfato de alumínio a sujeira, eliminando vernizes glicose
cor, gosto e odores
resinas alquídicas fios e cabos
Retém micropoluentes resinas maléicas policloreto de
carvão ativo resinas epóxi vinila (PVC)
e detergentes
resinas acrílicas plastificantes ftálicos
poliuretano trióxido de antimônio
hidróxido Neutraliza a acidez da água nitrocelulose tubos e conexões
de sódio naftenatos polietileno de baixa densidade linear (PEBDL)
octoatos polietileno de baixa densidade (PEBD)
solventes polietileno de alta densidade (PEAD)
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta
policloreto de vinila (PVC)

Automóveis
poliuretano
Agricultura
painel polipropileno (PP)
resina de acrilonitrila-butadieno-estireno (ABS)
Fertilizantes químicos
borracha de estireno butadieno
pneus negro de carbono
poliamida
ácido sulfúrico
baterias polietileno de alta
Repõem elementos, como
densidade (PEAD)
nitrogênio, fósforo e potássio,
cálcio, entre outros, retirados
pára-choques polipropileno (PP)
do solo pela ação de chuvas,
ventos, queimadas
pastilha e lonas para freio resinas fenólicas
e constantes colheitas.
óleos lubrificantes óleos minerais
aditivos
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

ESTRUTURA ATÔMICA
NÚCLEO
Prótons e
nêutrons

O número de
prótons =número
atômico (Z)

ELETROSFERA próton+nêutron
elétrons
A = número de
ÁTOMO É UMA ESPÉCIE NEUTRA

Z X massa (A)

N DE PRÓTONS (+) = N DE ELÉTRONS (−)


Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

2
Indique o número de prótons, nêutrons e elétrons nas representações
abaixo:
Íons

11Na
23 Íon – átomo que perdeu ou ganhou elétrons. O íon
positivo é chamado de cátion ( perde e-) e o negativo é
40 chamado de ânion ( ganha e-)
20Ca
+1 cátion = perdeu 1 elétron +2 cátion = perdeu 2elétrons
37 11Na 20Ca
17Cl
p+ =11 e- =10 p+ =20 e- =18

-1 ânion = ganhou 1 elétron -2 ânion = ganhou 2elétrons


27 17Cl 8O
13 Al p+ =17 e- =18 p+ =8 e- =10

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

ÍONS POSITIVOS OU CÁTIONS ÍONS NEGATIVOS OU ÂNIONS


Os cátions formam-se quando um átomo Os ânions formam-se quando um átomo
perde um ou mais elétrons, resultando em ganha ou recebe um ou mais elétrons,
um sistema eletricamente positivo, em resultando em um sistema eletricamente
que o número de prótons é maior que o negativo, em que o número de prótons é
número de elétrons. menor que o número de elétrons.

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Distribuição Eletrônica Distribuição eletrônica


K L M N

+ 2e- 2e- 6e- 2e- 6e- 10e- 2e- 6e- 10e- 14e-

s s p s p d s p d f
n=1 n=2 n=3 n=4

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

3
Distribuição Eletrônica Distribuição Eletrônica
Diagrama de Pauling
Camadas Nº de e- Níveis Subníveis
 Exemplos
K 2 1 1s2  11 Na
L 8 2 2s2 2p6
M 18 3 3s2 3p6 3d10
N 32 4 4s2 4p6 4d10 4f14  19 K
O 32 5 5s2 5p6 5d10 5f14
P 18 6 6s2 6p6 6d10
Q 8 7 7s2 7p6  32 Ge

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Família (ou

TABELA
grupo)

1º período (ou série)

PERIÓDICA
2º período (ou série)

3º período (ou série)

4º período (ou série)

5º período (ou série)

6º período (ou série)

7º período (ou série)

Série dos
Lantanídeos

Série dos Actinídeos

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

1 18
2 13 14 15 16 17
OBSERVAÇÕES:
3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
GASES NOBRES
Alcalinos - TERROSOS Metais

Períodos:Os elementos estão posicionados em ordem crescente de Z;


GRUPO DO BORO
GRUPO DO CARBONO

GRUPO DO NITROGÊNIO

ELEMENTOS
CALCOGÊNIOS
HALOGÊNIOS
Metais Alcalinos

Um aumento de Z acarreta em um aumento do número de prótons;


Família :Elementos da mesma família apresentam mesmas DE
propriedades físicas e químicas possuindo a ,mesma configuração
eletrônica na camada de valência; TRANSIÇÃO
Os lantanídeos deveriam estar no 6º período na família 3;
Os actinídeos deveriam estar no 7º período da família 3;
Estas poderiam estar em seu lugar porém a tabela ficaria muito larga;

ELEMENTOS REPRESENTATIVOS
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

4
FAMÍLIA NOME CONFIGURAÇÃO COMPONENTES
DA ÚLTIMA
CAMADA

1A METAIS ns Li, Na, K, Rb, Cs,


ALCALINOS Fr
2A METAIS ns² Be, Mg, Ca, Sr, Ba,
ALCALINOS- Ra

s p TERROSOS

d 3A

4A
FAMÍLIA DO
BORO
FAMÍLIA DO
ns² np

ns² np²
B, Al, Ga, In, Tl

C, Si, Ge, Sn, Pb


CARBONO
5A FAMÍLIA DO ns² np³ N, P, As, Sb, Bi

f 6A
NITROGÊNIO
CALCOGÊNIOS ns² np O, S, Se, Te, Po

7A HALOGÊNIOS ns² np F, Cl, Br, I, At


O esquema abaixo mostra o subnível ocupado pelo elétron mais
energético dos elementos da tabela periódica.
Prof.Fernando Perotta 8 Prof.Fernando
A GASES
Perotta NOBRES ns² np He, Ne, Ar, Kr, Xe,
Rn

Apresentam brilho quando polidos;


 Sob temperatura ambiente, apresentam-se no
estado sólido, a única exceção é o mercúrio, um
metal líquido;
 São bons condutores de calor e eletricidade;
 São resistentes maleáveis e dúcteis
 Geralmente possuem de 1 a 3 elétrons na última
camada eletrônica, o que lhes dá tendência a perder
elétrons, transformando-se em
íons positivos (cátions)

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

5
Elementos químicos que dificilmente se combinam com
Existem nos estados sólidos (iodo, enxofre, fósforo, outros elementos – hélio, neônio, argônio, criptônio,
carbono) e gasoso (nitrogênio, oxigênio, flúor); a exceção xenônio e radônio.
é o bromo, um não-metal líquido; Possuem a última camada eletrônica completa, ou seja, 8
elétrons. A única exceção é o hélio, que possui uma única
não apresentam brilho, são exceções o iodo e o
camada, a camada K, que está completa com 2 elétrons.
carbono sob a forma de diamante;
não conduzem bem o calor a eletricidade, com
exceção do carbono sob a forma de grafite;

Geralmente possuem mais de 4 elétrons na última


camada eletrônica, o que lhes dá tendência a ganhar
elétrons, transformando-se em íons negativos (ânions)
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Apresenta propriedades
muito particulares e muito
diferentes em relação aos
LIGAÇÕES
outros elementos.
Por exemplo, tem apenas 1
elétron na camada K (sua
QUÍMICAS
única camada) quando todos
os outros elementos têm 2.

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

As ligações podem se divididas em dois grupos

1. Interatômicas:
A grande diversidade de substâncias
existentes indica que os diferentes átomos - iônicas
podem combinar-se formando moléculas ou
aglomerados iônicos, através de ligações - metálicas
químicas. - covalentes
As ligações, por sua vez, são decorrentes dos 2. Intermoleculares:
seguintes fatores:
- pontes de H
1. atrações eletrostáticas;
- forças VW
2. tendência de formação de pares
eletrônicos. - dipolo- dipolo
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

6
Ligação iônica Características dos compostos iônicos

1. Todos são sólidos cristalinos, à T ambiente;


Ocorre entre um cátion e um ânion
sendo o resultado de atração 2. Apresentam alto Ponto de Fusão e Ebulição,
eletrostática (lei de Coulomb). o que indica uma intensa (forte) ligação;
3. O caráter iônico aumenta com a diferença
de eletronegatividade entre os elementos;
Portanto, tal ligação ocorrerá entre 4. Não conduzem corrente elétrica no estado
elementos muito eletropositivos (metais
sólido mas conduzem em solução aquosa e
alcalino e alcalino-terrosos) e elementos
muito eletronegativos (calcogênios e quando fundidos;
halogênios), principalmente.
5. Os íons geralmente obedecem ao modelo do
octeto.
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Um exemplo típico de composto iônico:NaCl

Não Esqueça!!!

Eletropositivos Al  Al+3 + 3e-

Metais: Perdem elétrons

Viram Cátions(+)

Eletronegativos

Ametais: Ganham elétrons O + 2e-  O-2


Cada íon assume configuração
eletrônica de gás nobre Cristal cúbico Viram Ânions(-)
(modelo do octeto).

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Fórmulas Iônicas Indique a fórmula do composto formado pela ligação


entre os elementos abaixo:
X
Ö :

Al+3 O-2 Al x ¨  Na e O
x
Ö:
Al2O3 X  Ca e F
¨
Al x
x Ö:
¨  K e Cl
Fórmula-íon
Fórmula de Lewis
ou Eletrônica  Mg e O
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

7
Ligação covalente ou molecular Exemplos (fórmulas de Lewis)
Ocorre, em geral, entre átomos de 1 - Molécula de hidrogênio
não metais onde a diferença de
eletronegatividade seja baixa.

A ligação covalente decorre do


compartilhamento de pares de elétrons, 2 - Molécula de cloro
com spins opostos ou anti-paralelos, covalente normal
formando moléculas.

- se o par de elétrons é constituído por um elétron de cada


átomo envolvido, a ligação é dita covalente normal;
- se o par de elétrons é cedido por apenas um dos átomos covalente normal
a ligação é dita covalente dativa ou coordenada.
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Exemplos (fórmulas de Lewis) Exemplos (fórmulas de Lewis)


3 - Molécula de oxigênio 5 - Molécula de ácido clorídrico

4 - Molécula de nitrogênio 6 - Molécula de gás carbônico


2 covalentes normais 1 covalente normal

3 covalentes normais 4 covalentes normais

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Exemplos (fórmulas de Lewis)

7 - dióxido de enxofre
Ligações covalentes normais
Fórmula de Lewis Fórmula estrutural Fórmula molecular
H
8 - trióxido de enxofre
H HH H2
1 sigma Lig. Covalente Simples

O O
OO O2
ligação dativa 1 sigma + 1 pi
Lig. Covalente Dupla

N N
NN N2
Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta
Lig. Covalente Tripla
1 sigma + 2 pi

8
FÓRMULA PERCENTUAL OU
CENTESIMAL
 Indica a porcentagem, em massa, de

FÓRMULAS cada elemento que constitui a


substância

QUÍMICAS 


É chamada de TEOR PONDERAL
Calcula-se a partir da fórmula molecular
ou mínima

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Exemplos
 Cálculo da fórmula percentual do A porcentagem ponderal de enxofre existente no
metano – CH4 SO2 é igual a
a) 2,0 b) 16,0 c) 32,0
d) 33,3 e) 50,0

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

FÓRMULA MÍNIMA OU Cálculo da fórmula mínima a partir da


EMPÍRICA fórmula molecular:

 Indica a menor proporção, em números  Dividir pelo maior número inteiro


inteiros de mol, dos átomos dos possível
elementos que constituem uma  Exemplo:
substância Determine a fórmula mínima da
glicose.
6
C6H12O6  CH2O

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

9
Cálculo da fórmula mínima a partir da
centesimal Exemplo:
 Determine o número de mol de átomos A análise de um solvente para tintas e vernizes
revelou os seguintes dados:
de cada elemento
Elemento químico Porcentagem em massa
 Divida os resultados obtidos pelo menor Carbono 62,1%
valor encontrado Hidrogênio 10,3%
Oxigênio 27,6%

Sua fórmula mínima será


a) C3H6O5 b) C3H5O3 c) C3H6O d) C2H3O

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

FÓRMULA MOLECULAR
1° passo: dividir as percentagens pelas massas atômicas:  Indica o número real de átomos de
cada tipo na molécula.
 A massa molecular da substância deve
ser fornecida.
2° passo: dividir os resultados pelo menor n° obtido:

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

Cálculo da fórmula molecular Cálculo da fórmula molecular


a partir da mínima: a partir da porcentual:

Um hidrocarboneto, obtido a partir do petróleo, apresenta A vitamina C possui 40,9% em massa de carbono, 4,55%
fórmula mínima CH e massa molecular 78. Determine a de hidrogênio e 54,6% de oxigênio. Sabendo que sua
fórmula molecular desse hidrocarboneto. massa molecular é 176, determine sua fórmula molecular.

Prof.Fernando Perotta Prof.Fernando Perotta

10